ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico Resumo O objetivo do trabalho é mostrar características da rede urbana paulista, considerando divisão geográfica em mesorregiões. Os dados apresentados analisam número de municípios e variáveis domiciliares relacionadas a moradia, energia elétrica, saneamento, limpeza urbana, evidenciando as disparidades regionais. Para análise são utilizados os dados do Censo Demográfico de 2000 fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A rede urbana do Estado de São Paulo é a mais complexa do país. No ano 2000, a população era de habitantes distribuídas em 645 municípios. De acordo com classificação adotada pelo IBGE no Estado de São Paulo há 15 mesorregiões geográficas com as seguintes denominações: Araçatuba, Araraquara, Assis, Bauru, Campinas, Itapetininga, Litoral Sul Paulista, Macro Metropolitana Paulista (MAMP), Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Vale do Paraíba. Em 1996, existiam seis municípios paulistas com população superior a 500 mil habitantes. Em 2000, passa a existir oito municípios com população superior a 500 mil habitantes. Os resultados mostram que apesar de haver um elevado fornecimento de serviços de infraestrutura no Estado, ainda existem domicílios carentes de energia elétrica, sem coleta de lixo, sem fornecimento de abastecimento de água pela rede geral e que usam condições de esgotamento sanitário tais como vala, lago, rio, etc. Trabalho apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, 18 a 22 de setembro de 2006; Doutoranda em Economia Aplicada no Instituto de Economia/UNICAMP. 1

2 ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos 1. INTRODUÇÃO A rede urbana do Estado de São Paulo é a mais complexa e ampla do país, uma vez que este estado é o mais industrializado e urbanizado entre todos os estados brasileiros. Ela apresenta inter-relacionamento com os estados vizinhos, causando impacto em todo o território nacional. Estruturada a partir da capital paulista (cidade de São Paulo), que atualmente é a cabeça da rede urbana brasileira, sua constituição remonta do século XIX, quando, após o dinamismo econômico impulsionado pelo complexo cafeeiro, a região passou por processo contínuo e permanente de ocupação (IPEA et al, 2001). São Paulo é o estado mais importante economicamente da federação brasileira. De acordo com as contas regionais fornecidas pelo IBGE, São Paulo foi responsável por 35% do PIB nacional no ano No estado, concentram-se grande parte dos recursos humanos, tecnológicos, financeiros, culturais, hospitalares e educacionais do Brasil. Também é sede de grande parte das maiores empresas brasileiras. O estado paulista foi o primeiro a formar um compartimento industrial eficientemente estruturado, com alta produtividade, o que lhe conferia melhores condições de competitividade (Cano,1983). As primeiras fases do processo de industrialização foram marcadas por uma concentração da indústria na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). Entretanto, a partir dos anos 70 inicia-se um processo de interiorização da indústria paulista e conseqüentemente da economia estadual. Esse processo de interiorização privilegiou algumas regiões (principalmente as que se encontram entorno da RMSP). Assim, foi levado para o interior um padrão de urbanização até então vigente somente na metrópole (RMSP). O objetivo do presente trabalho consiste em mostrar alguns dados da rede urbana paulista tais como: população, número de municípios e infra-estrutura (moradia, energia elétrica, abastecimento de água, limpeza urbana e saneamento). A fonte de dados utilizada é o Censo Demográfico Ressalta-se que toda a análise é feita dentro do contexto das mesorregiões paulistas. Na próxima seção, é analisado o número de municípios nas mesorregiões paulistas, fazendo um comparativo entre os anos 1996 e Na terceira seção, são comentadas as condições domiciliares na rede urbana paulista. Na quarta seção, estão sumarizadas as conclusões. Trabalho apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, 18 a 22 de setembro de 2006; Doutoranda em Economia Aplicada no Instituto de Economia/UNICAMP. 2

3 2. NÚMERO DE MUNICÍPIOS NAS MESORREGIÕES O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) adota dois tipos de divisões regionais nos estados brasileiros: as microrregiões e mesorregiões. De acordo com o IBGE (2002, p. 16); As microrregiões são um conjunto de municípios, contíguos e contidos na mesma unidade da federação, agrupados com base em características do quadro natural, da organização da produção e de sua integração. As mesorregiões são um conjunto de microrregiões também agrupadas com base no quadro natural, no processo social e na rede de comunicações e de lugares. O Estado de São Paulo é dividido em 645 municípios, distribuídos em 63 microrregiões e 15 mesorregiões. As 15 mesorregiões paulistas são: Araçatuba, Araraquara, Assis, Bauru, Campinas, Itapetininga, Litoral Sul Paulista, Macro Metropolitana Paulista (MAMP), Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Vale do Paraíba. São Paulo é o estado mais populoso do Brasil. No ano 2000, a população era de habitantes, representando 22% da população nacional com uma taxa de urbanização de 93,68%. A Tabela 1 mostra a distribuição da população nas mesorregiões. Há uma concentração populacional na RMSP, abrigando 51,84% do número total de habitantes do estado. E claro que essa concentração populacional na RMSP relaciona-se ao forte núcleo da atividade econômica na região. Tabela 1 Número de municípios, população e participação relativa dos municípios e da população nas mesorregiões paulistas. Municípios População Total 2000 Mesorregiões N % Quantidade % Amostra População São José do Rio Preto , ,84 Ribeirão Preto 66 10, ,68 Araçatuba 36 5, ,72 Bauru 56 8, ,54 Araraquara 21 3, ,94 Piracicaba 26 4, ,29 Campinas 49 7, ,83 Presidente Prudente 54 8, ,17 Marilia 20 3, ,13 Assis 35 5, ,40 Itapetininga 36 5, ,02 MAMP 36 5, ,08 Vale do Paraíba 39 6, ,38 Litoral Sul Paulista 17 2, ,15 RMSP 45 6, ,84 São Paulo , ,00 Fonte: Censo Demográfico

4 Para cada mesorregião é feita uma ordenação dos municípios por categorias populacionais, conforme mostra a Tabela 2. Fazendo uma comparação entre o número de municípios existentes em 1996 com o número de municípios em 2000, nota-se um crescimento quantitativo no número de municípios nas mesorregiões analisadas. Destaca-se a mesorregião São José do Rio Preto, com um aumento de quase 20% no número de municípios. 1 Ordenando os municípios por classe de tamanho populacional, observa-se que há 295 municípios com população inferior a 10 mil habitantes. É importante destacar que somente na mesorregião Metropolitana de São Paulo não há municípios classificados nesta ordem Tabela 2 Número de municípios, por classe de tamanho populacional, nas 15 mesorregiões paulistas (1996/2000). continua Araçatuba Araraquara municípios n o % n o % n o % n o % menor que 5 mil hab , ,22 1 5, ,05 de a 10 mil hab. 8 25, , , ,05 de a 20 mil hab. 3 9,68 3 8, , ,81 de a 50 mil hab. 2 6, , , ,81 de a 100 mil hab. 4 12,90 3 8,33 1 5,56 1 4,76 de a 200 mil hab. 1 3,23 1 2, ,11 2 9,52 de a 500 mil hab. 0 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00 de a 800 mil hab. 0 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00 maior que 800 mil hab. 0 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00 TOTAL , , , ,00 Bauru Assis municípios n o % n o % n o % n o % menor que 5 mil hab , , ,22 de a 10 mil hab , , ,22 de a 20 mil hab , , ,33 de a 50 mil hab. 8 15, , ,11 de a 100 mil hab. 3 5,77 3 5, ,33 de a 200 mil hab. 2 3,85 2 3, ,78 de a 500 mil hab. 1 1,92 1 1, ,00 de a 800 mil hab. 0 0,00 0 0, ,00 maior que 800 mil hab. 0 0,00 0 0, ,00 TOTAL , , ,00 1 Na Tabela 2 algumas mesorregiões não tem informações sobre o número de municípios, uma vez que na fonte consultada faltavam essas informações. 4

5 Tabela 2 Número de municípios, por classe de tamanho populacional, nas 15 mesorregiões paulistas (1996/2000). continua Campinas Itapetininga municípios n o % n o % n o % n o % menor que 5 mil hab. 1 2,22 0 0, ,56 de a 10 mil hab. 5 11, , ,44 de a 20 mil hab. 8 17, , ,44 de a 50 mil hab , , ,22 de a 100 mil hab. 7 15, , ,56 de a 200 mil hab. 5 11, , ,78 de a 500 mil hab. 0 0,00 0 0, ,00 de a 800 mil hab. 0 0,00 0 0, ,00 maior que 800 mil hab. 1 2,22 1 2, ,00 TOTAL , , ,00 Piracicaba Presidente Prudente municípios n o % n o % n o % n o % menor que 5 mil hab. 6 25, , ,44 de a 10 mil hab. 2 8, , ,26 de a 20 mil hab. 6 25, , ,22 de a 50 mil hab. 5 20, , ,22 de a 100 mil hab. 2 8,33 1 3, ,00 de a 200 mil hab. 1 4,17 2 7, ,85 de a 500 mil hab. 2 8,33 2 7, ,00 de a 800 mil hab. 0 0,00 0 0, ,00 maior que 800 mil hab. 0 0,00 0 0, ,00 TOTAL , , ,00 5

6 Tabela 2 Número de municípios, por classe de tamanho populacional, nas 15 mesorregiões paulistas (1996/2000). continua Marília Vale do Paraíba municípios n o % n o % n o % n o % menor que 5 mil hab , , ,51 de a 10 mil hab , , ,51 de a 20 mil hab , , ,38 de a 50 mil hab , , ,38 de a 100 mil hab , , ,38 de a 200 mil hab ,00 3 8,33 3 7,69 de a 500 mil hab ,00 2 5,56 1 2,56 de a 800 mil hab ,00 0 0,00 1 2,56 maior que 800 mil hab ,00 0 0,00 0 0,00 TOTAL , , ,00 Ribeirão Preto São José do Rio Preto municípios n o % n o % n o % n o % menor que 5 mil hab. 9 14, , , ,29 de a 10 mil hab , , , ,94 de a 20 mil hab , , , ,68 de a 50 mil hab , ,76 7 7,61 7 6,42 de a 100 mil hab. 4 6,35 5 7,58 2 2,17 2 1,83 de a 200 mil hab. 1 1,59 1 1,52 1 1,09 1 0,92 de a 500 mil hab. 2 3,17 1 1,52 1 1,09 1 0,92 de a 800 mil hab. 0 0,00 1 1,52 0 0,00 0 0,00 maior que 800 mil hab. 0 0,00 0 0,00 0 0,00 0 0,00 TOTAL , , , ,00 6

7 Tabela 2 Número de municípios, por classe de tamanho populacional, nas 15 mesorregiões paulistas (1996/2000). conclusão Litoral Sul Paulista MAMP municípios n o % n o % n o % n o % menor que 5 mil hab ,00 0 0,00 0 0,00 de a 10 mil hab , , ,89 de a 20 mil hab , , ,00 de a 50 mil hab , , ,00 de a 100 mil hab , , ,22 de a 200 mil hab ,00 2 6,25 3 8,33 de a 500 mil hab ,00 2 6,25 2 5,56 de a 800 mil hab ,00 0 0,00 0 0,00 maior que 800 mil hab ,00 0 0,00 0 0,00 TOTAL , , ,00 MSP municípios n o % n o % menor que 5 mil hab. 0 0,00 0 0,00 de a 10 mil hab. 0 0,00 0 0,00 de a 20 mil hab. 3 6,98 3 6,67 de a 50 mil hab. 8 18, ,56 de a 100 mil hab. 8 18, ,78 de a 200 mil hab , ,44 de a 500 mil hab. 8 18, ,44 de a 800 mil hab. 3 6,98 3 6,67 maior que 800 mil hab. 2 4,65 2 4,44 TOTAL , ,00 Fonte: IPEA/IBGE/NESUR-UNICAMP/SEADE (2001) e Censo Demográfico. Nota: Os dados de 1996 foram extraídos do IPEA/IBGE/NESUR-UNICAMP/SEADE, tabelas 14 a 23 (pág 102 a 105). Os dados para o ano de 2000 foram elaborados a partir do Censo Demográfico. Em 1996, havia seis municípios paulistas com população superior a 500 mil habitantes. Sendo que cinco deles encontravam-se localizados na RMSP e 1 na mesorregião de Campinas. Em 2000, passa a existir oito municípios com população superior a 500 mil habitantes. Conforme os dados da Tabela 2 esses novos contingentes populacionais estão localizados nas regiões de Ribeirão Preto (sendo a própria cidade de Ribeirão Preto) e Vale do Paraíba (cidade de São José dos Campos). De acordo com os dados do Censo Demográfico 2000 as três áreas metropolitanas paulistas (São Paulo, Baixada Santista e Campinas) abrigam juntas habitantes, isto é, 58,58% da população estadual. A região metropolitana da Baixada Santista (RMBS) foi instituída pela Lei Complementar n o 815 no dia 30/07/1996, tem habitantes (4% da população total). Essa região é 7

8 formada por nove municípios, por ocupar uma área litorânea as funções ligadas ao turismo e ao lazer são fundamentais para o desenvolvimento regional. A região metropolitana de Campinas (RMC) nasceu da Lei Complementar n o 870 (08/06/200), com uma população de habitantes (participação relativa de 6,31%) é composta de 22 municípios. A RMC apresenta a mais expressiva concentração industrial do interior paulista e a que mais tem evoluído nas últimas décadas. Esta região metropolitana possui, além de uma estrutura industrial complexa e diversificada, um sistema universitário e de institutos de pesquisa importante (IPEA, et al, 2001). A região metropolitana de São Paulo (RMSP) foi criada pela Lei Federal n o 14, de 18 de junho de A RMSP é composta de 39 municípios, possuindo uma população de habitantes. Os maiores municípios, em termos populacionais são Guarulhos e São Paulo, com e habitantes, respectivamente. Os menores municípios são São Lourenço da Serra (12.199), Pirapora do Bom Jesus (12.395) e Salesópolis (14.357). A RMSP é a principal metrópole da América do Sul, sendo sede das maiores empresas do país, maior centro financeiro da América Sul e principal centro industrial do país. 3. AS CONDIÇÕES DOMICILIARES NA REDE URBANA PAULISTA Essa seção busca através de um conjunto de variáveis pesquisadas no Censo Demográfico 2000 mostrar alguns aspectos da rede urbana paulista relacionados às condições de vida e infra-estrutura da população. Para a análise restringe-se aos domicílios particulares permanentes 2 classificados como urbanos. Dos domicílios da amostra, pertencem à categoria dos particulares permanentes. Para cada um desses domicílios o IBGE fornece um fator de expansão, que corresponde ao número de domicílios na população. Essa amostra representa domicílios particulares permanentes (isto é, 98% dos domicílios são particulares permanentes). Excluindo os domicílios particulares permanentes classificados na zona rural, restam para análise observações, representando domicílios no Estado de São Paulo. Entre os domicílios particulares permanentes urbanos são identificados domicílios que encontram-se localizados em setores denominados de aglomerado subnormal. Segundo IBGE (2002, p. 19); aglomerado subnormal é o conjunto (favelas e assemelhados) constituído por unidades habitacionais (barracos, casas, etc), ocupado, ou tendo ocupado até o período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular), dispostas, em geral, de forma desordenada e densa, e carentes, em sua maioria de serviços públicos essenciais. 2 Domicílio particular permanente é a moradia de uma ou mais pessoas onde o relacionamento entre os seus ocupantes é ditado por laços de parentesco, de dependência doméstica ou por normas de convivência, e que foi construindo para servir exclusivamente de habitação (IBGE, 2002, p.20) 8

9 A Tabela 3 mostra como este tipo de domicílio encontra-se distribuído nas mesorregiões. De acordo com os dados, nesses domicílios vivem pessoas (5% da população total). Na RMSP estão concentrados 89,7% dos domicílios caracterizados como aglomerado subnormal. Nas mesorregiões de Araraquara, Itapetininga e Litoral Sul Paulista não há domicílios com este tipo de classificação. Tabela 3 Número de domicílios situados em setores de aglomerado subnormal Mesorregiões Número de domicílios Mesorregiões Número de domicílios São José do Rio Preto 303 Assis 124 Ribeirão Preto 766 Itapetininga - Araçatuba 56 MAMP Bauru Vale do Paraíba Araraquara - Litoral Sul Paulista - Piracicaba RMSP Campinas Áreas metropolitanas Presidente Prudente 488 Áreas não-metropolitanas Marília 815 Estado de São Paulo Fonte: Censo Demográfico A moradia é um dos fatores fundamentais para compreender as condições de vida e infraestrutura do urbano. Apesar de, no presente estudo não haver informações que possibilitem discutir o déficit habitacional do Estado na Tabela 4 procura-se mostrar nas respectivas mesorregiões de que maneira os domicílios ocupados estão condicionados aos seus moradores (domicílio próprio, financiado, alugado ou outras formas). De acordo com o Censo Demográfico, em 2000, no Estado de São Paulo, havia a seguinte condição de ocupação dos domicílios: a) próprios e já pagos; b) próprios, mas ainda pagando; c) alugados e d) sob outras condições. Pela Tabela 4 observa-se que o Vale do Paraíba é a região com maior percentual de domicílios próprio e pago (67,73%), estando 6 pontos percentuais acima da média do Estado como um todo. Por outro lado, em Bauru, há 54,45% domicílios próprios e pagos, sendo este o menor valor entre as mesorregiões. Quanto aos domicílios alugados, observa-se que São José do Rio Preto e RMSP são as mesorregiões com o maior número de domicílios nesta categoria. 9

10 Tabela 4 Condição de ocupação dos domicílios nas mesorregiões: domicílio próprio, financiado alugado e outros. Moradia Mesorregiões Domicílio próprio Domicílio financiado N o % População N o % População São José do Rio Preto , , Ribeirão Preto , , Araçatuba , , Bauru , , Araraquara , , Piracicaba , , Campinas , , Presidente Prudente , , Marilia , , Assis , , Itapetininga , , MAMP , , Vale do Paraíba , , Litoral Sul Paulista , , RMSP , , Estado de São Paulo Mesorregiões Moradia Domicílio alugado Outras condições N o % População N o % População São José do Rio Preto , , Ribeirão Preto , , Araçatuba , , Bauru , , Araraquara , , Piracicaba , , Campinas , , Presidente Prudente , , Marilia , , Assis , , Itapetininga , , MAMP , , Vale do Paraíba , , Litoral Sul Paulista , , RMSP , , Estado de São Paulo Fonte: Censo Demográfico

11 A análise da infra-estrutura compreende categorias relacionadas à energia, saneamento básico e limpeza urbana. O objetivo é retratar a situação da infra-estrutura, por meio de algumas variáveis, evidenciando as desigualdades regionais. Tabela 5. Indicadores da rede urbana de São Paulo e suas mesorregiões Mesorregiões Serviços de utilidade pública Domicílios c/ iluminação elétrica Domicílios c/ coleta de lixo N o % N o % São José do Rio Preto , ,04 Ribeirão Preto , ,32 Araçatuba , ,67 Bauru , ,42 Araraquara , ,31 Piracicaba , ,79 Campinas , ,56 Presidente Prudente , ,85 Marilia , ,01 Assis , ,00 Itapetininga , ,41 MAMP , ,70 Vale do Paraíba , ,10 Litoral Sul Paulista , ,41 RMSP , ,95 Estado de São Paulo , ,72 Mesorregiões Domicílios c/ abastecimento de água pela rede geral Serviços de utilidade pública Domicílios c/ escoadouro pela rede geral de esgoto ou pluvial N o % N o % São José do Rio Preto , ,28 Ribeirão Preto , ,90 Araçatuba , ,71 Bauru , ,39 Araraquara , ,98 Piracicaba , ,82 Campinas , ,97 Presidente Prudente , ,38 Marilia , ,58 Assis , ,13 Itapetininga , ,50 MAMP , ,79 Vale do Paraíba , ,11 Litoral Sul Paulista , ,61 RMSP , ,69 São Paulo , ,22 Fonte: IBGE Censo Demográfico

12 De maneira geral, pelo fato de São Paulo ser o estado mais urbanizado do país há uma elevada disponibilidade de infra-estrutura. Conforme exposto na Tabela 5 a oferta de energia no sistema urbano de São Paulo está significativamente universalizado (99,82%). É claro que há questionamento quanto à qualidade do serviço, mas é inviável para o estudo a discussão. Em 241 municípios paulistas há 100% de domicílios com iluminação elétrica. Por outro lado, há ainda em São Paulo domicílios, abrigando pessoas sem iluminação elétrica. O indicador de limpeza pública é o lixo coletado diretamente por serviços de empresa pública ou privada aos domicílios. De acordo com o Censo do IBGE, o nível de cobertura da coleta de lixo no Estado chega a 96,72% dos domicílios. Quanto às carências de cobertura verifica-se que em São Paulo (Estado) ainda há domicílios sem coleta de lixo. Nas regiões metropolitanas concentra-se 72% do total de domicílios sem coleta de lixo. Já, nas mesorregiões o percentual de domicílios sem coleta de lixo está distribuído da seguinte maneira: Araçatuba (0,70%), Araraquara (0,41%), Assis (0,42%), Bauru (1,70%), Campinas (6,62%), Itapetininga (1,77%), Litoral Sul Paulista (1,87%), Macro Metropolitana Paulista (7,24%), Região Metropolitana de São Paulo (65,83%), Marília (0,67%) Piracicaba (1,21%), Presidente Prudente (1,36%), Ribeirão Preto (2,96%), São José do Rio Preto (1,15%) e Vale do Paraíba (6,10%). A Tabela 5 aponta que 97,36% dos domicílios de São Paulo são atendidos pelo serviço de água da rede geral de abastecimento. Em termos de distribuição regional, nota-se que essa cobertura ultrapassa os 90% em todas as mesorregiões. Nas áreas metropolitanas há domicílios carentes de abastecimento de água pela rede geral, e no Estado existem domicílios sem abastecimento de água adequado. A cobertura de esgotamento sanitário pela rede geral registrada em São Paulo é de 86,22% conforme mostra a Tabela 5. Além disso, é importante mencionar que a fossa séptica ocupa a segunda posição quanto à forma de esgotamento sanitário com um percentual de 5,51% dos domicílios. No Estado, ainda, existem que usam outras condições de esgotamento tais como vala, lago, rio, etc. Enfim, Para o conjunto das doze mesorregiões, é importante destacar que segundo os indicadores escolhidos as mesorregiões possuem boa cobertura de serviços de infra-estrutura. Contudo, é importante mencionar que o Litoral Sul Paulista apresenta os menores indicadores entre esse conjunto, chamando atenção para o fato de que apenas 41,61% dos domicílios têm esgotamento sanitário adequado. 12

13 4.CONCLUSÕES O sistema urbano paulista é caracterizado como o mais complexo e dinâmico do país. Tal fato já pode ser comprovado pelo contingente populacional que é da ordem de habitantes, sendo o Estado mais populoso da federação brasileira. Também é o Estado mais importante economicamente do país, com uma participação de aproximadamente 30% no PIB nacional. Dentro do contexto das 15 mesorregiões paulistas, observou-se um crescimento do número de municípios nas mesorregiões analisadas, com destaque a mesorregião de São Jose do Rio Preto. Houve uma tentativa de fazer uma análise das condições domiciliares do sistema urbano paulista, tendo como objetivo conhecer e analisar a situação de algumas variáveis relacionadas à infra-estrutura e condições de vida. De maneira geral, conclui-se que apesar de haver uma elevada disponibilidade de infra-estrutura, ainda é preocupante a situação desses indicadores, à medida que se observa que há em São Paulo domicílios situados em zonas de favela e assemelhados, carentes em sua maioria de serviços públicos, conforme mostrou os dados do Censo Demográfico Além disso, observa-se que há uma parcela significativa da população vivem em domicílios alugados. Quanto ao fornecimento de serviços de infra-estrutura nota-se que existem domicílios carentes de energia elétrica, sem coleta de lixo, sem fornecimento de abastecimento de água pela rede geral e que usam condições de esgotamento sanitário tais como vala, lago, rio, etc. 13

14 Referências Bibliográficas CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. São Paulo: T. A, 2.ed., p INSTITUTO DE ECONOMIA APLICADA (IPEA); UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE ECONOMIA/NÚCLEO DE ECONOMIA SOCIAL URBANA E REGIONAL (UNICAMP.IE.NESUR); INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (IBGE); FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANALISE DE DADOS (SEADE). Caracterização e tendência da rede urbana do Brasil. Campinas, SP: Unicamp.IE, v.1, 444p INSTITUTO DE ECONOMIA APLICADA (IPEA); INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (IBGE); UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE ECONOMIA/NÚCLEO DE ECONOMIA SOCIAL URBANA E REGIONAL (UNICAMP.IE.NESUR); (SEADE). Caracterização e tendência da rede urbana do Brasil: redes urbanas regionais Sudeste. Rio de Janeiro, SP: IPEA, v.51, 168p INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (IBGE). Censo demográfico 2000: documentação dos microdados da amostra do censo (compact disc). Rio de Janeiro, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (IBGE). Contas regionais do Brasil. (01 ago.2005) PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD); FUNDAÇÃO JÕAO PINHEIRO (FJP); INSTITUTO DE ECONOMIA APLICADA (IPEA). Atlas de desenvolvimento humano do Brasil (software). Rio de Janeiro, set

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 7 Novembro 2011 Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Esta edição do SP Demográfico, que complementa

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

O Estado de São Paulo no Censo 2010. Elaboração : Suzana Pasternak

O Estado de São Paulo no Censo 2010. Elaboração : Suzana Pasternak O Estado de São Paulo no Censo 2010 Elaboração : Suzana Pasternak Colaboraram Lucia Maria Machado Bógus e Eliana Rodrigues Introdução O Estado de São Paulo atinge, em 2010, uma população de 41.252.162

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Tabela: Dados de domicílio (continua) Código da unidade da federação (UF) Código do município Código do distrito Código do subdistrito

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012 São Paulo março de 2012 Rede Urbana Paulista Rede Urbana Paulista O território do Estado de São Paulo caracteriza-se pela presença de várias formas espaciais e de distintas escalas de urbanização. Rede

Leia mais

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %)

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %) amoradia é um dos principais determinantes da qualidade de vida da população de um país. Todas as pessoas necessitam de uma habitação que lhes assegure um isolamento do meio natural, protegendo do frio,

Leia mais

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas Ministério das Cidades Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas UMA VISÃO GERAL DO QUADRO METROPOLITANO BRASILEIRO Definição Formal 26 26 Regiões Metropolitanas definidas em em

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 02/2014 Dezembro, 2014 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA DA SAFRA A área destinada à produção de cana-deaçúcar na safra 2014/15 apresentou

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

Análise do perfil dos empreendedores. Novembro/2013

Análise do perfil dos empreendedores. Novembro/2013 Análise do perfil dos empreendedores Novembro/2013 2 SUMÁRIO Como chegamos nos números? O Estado de São Paulo e as deficiências Perfil do empreendedores com deficiência Como é no meu Escritório Regional

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Perfil das mulheres empreendedoras

Perfil das mulheres empreendedoras Perfil das mulheres empreendedoras Estado de São Paulo Março/ 2013 Objetivos Conhecer quantas são as mulheres empreendedoras no estado de São Paulo; Conhecer o perfil das mulheres empreendedoras quanto

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1.

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. COEFICIENTE GINI É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. 0 = completa igualdade 1= completa desigualdade. Desigualdade

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil

Tabela 1 - OPERACOES DE CREDITO (milhões de R$) Ano I Nov/13. Fonte: ESTBAN, Banco Central do Brasil De acordo com a Estatística Bancária por Município (ESTBAN), divulgada pelo Banco Central, o saldo das operações de crédito, em agosto desse ano, chegou a R$ 2,320 trilhões no país, um crescimento de 10,9%

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo

Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo 1) Introdução Índice de Desenvolvimento Humano do Espírito Santo Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco O desenvolvimento humano, como conceito, tem-se mostrado polêmico e, muitas vezes, provisório.

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e seus impactos na análise de indicadores de saúde

A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e seus impactos na análise de indicadores de saúde FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA - ENSP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE EPIDEMIOLOGIA EM SAÚDE PÚBLICA A classificação dos domicílios indígenas no Censo Demográfico 2000 e

Leia mais

População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015

População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 15 n o 3 Maio 2015 População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015 Monica La Porte Teixeira Mestre em Saúde

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027 1 AEROPORTO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO PAESP 27-227 São os aeroportos destinados a atender as áreas de interesse regional e/ou estadual que apresentam demanda por transporte aéreo regular, em ligações com

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

Cityscape Latin America Macroeconomia Brasileira e Mundial versus Real Estate Market

Cityscape Latin America Macroeconomia Brasileira e Mundial versus Real Estate Market Cityscape Latin America Macroeconomia Brasileira e Mundial versus Real Estate Market João Crestana Presidente do Conselho Consul2vo do Secovi- SP, da Comissão Nacional da Indústria Imobiliária e do Conselho

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE

OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL. Eixo temático: Indicadores Sociais 1. Variável: IDESE OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL BANCO DE DADOS REGIONAL Eixo temático: Indicadores Sociais 1 Variável: IDESE O Idese (Índice de Desenvolvimento Sócio-Econômico) é um índice sintético, inspirado

Leia mais

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise 2013. Trata-se de um espaço que tem como desafio

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA Panorama dos Territórios UPP FORMIGA 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1.

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP

Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP Mercado Imobiliário PIRACICABA - SP Fonte: SEADE PIRACICABA CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS Território e População Área: 1.378,501 km² População (estimativa IBGE 2013): 385.287 mil habitantes Densidade Demográfica

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos Nas cidades brasileiras, 35 milhões de usam fossa séptica para escoar dejetos Presentes em 21,4% dos lares brasileiros, tais instalações são consideradas inadequadas no meio urbano, pois podem contaminar

Leia mais

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS

A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS 1 A DEMANDA POR EDUCAÇÃO INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO E OS DESAFIOS PARA AS POLÍTICAS PÚBLICAS A importância dos cuidados com as crianças na primeira infância tem sido cada vez mais destacada

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

QUADRO 1 - COMPOSIÇÃO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA COMPOSIÇÃO ORIGINAL (1) MUNICÍPIOS DESMEMBRADOS INCLUÍDOS POR LEGISLAÇÕES ESTADUAIS (2) Almirante Tamandaré Araucária Balsa Nova Bocaiúva do Sul

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas em São Paulo. Observatório das MPEs SEBRAE-SP 2007

Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas em São Paulo. Observatório das MPEs SEBRAE-SP 2007 Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas em São Paulo Observatório das MPEs SEBRAE-SP 2007 1 Características do estudo OBJETIVO: Elaborar um mapeamento das MPEs no Estado de São Paulo: - por setores e segmentos

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas em São Paulo. Observatório das MPEs SEBRAE-SP 2007

Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas em São Paulo. Observatório das MPEs SEBRAE-SP 2007 Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas em São Paulo Observatório das MPEs SEBRAE-SP 2007 1 Características do estudo OBJETIVO: Elaborar um mapeamento das MPEs no Estado de São Paulo: - por setores e segmentos

Leia mais

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 P á g i n a 1 As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 Os primeiros resultados do Censo 2010 já permitem algumas reflexões sobre mudanças e permanências da posição das metrópoles na rede urbana

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)

O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) Rejane de Oliveira Nazário 1 Com o intuito de investigar a condição urbana de vida nas metrópoles brasileiras, a equipe de pesquisadores do Observatório

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo. Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP

A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo. Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP A Força do Grande ABC no Mercado Imobiliário de São Paulo Flavio Amary Vice-Presidente do Secovi-SP Momento Econômico Atual Indicadores Econômicos Taxa de Desemprego (média) Medo Desemprego 11,5% 97,50

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais