R00 MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE UNIDADES HIDRÁULICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "119-100-R00 MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE UNIDADES HIDRÁULICAS"

Transcrição

1 R00 MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE UNIDADES HIDRÁULICAS 1 INTRODUÇÃO Este manual contém descrições de instalação e manutenção de unidades hidráulicas fabricadas pela HT-Hidrautrônica. Qualquer informação adicional pode ser obtida da HT-Hidrautrônica, tendo como referência as informações contidas na plaqueta existente no reservatório da unidade hidráulica. 2 GENERALIDADES A correta operação das unidades hidráulicas e seus componentes garantem o funcionamento seguro e a durabilidade. Para que seja assegurado o funcionamento sem avarias, siga as instruções específicas de montagem, operação dos componentes e dados técnicos dos catálogos. 3 LOCALIZAÇÃO O local adequado de instalação e funcionamento da unidade hidráulica contribui para a sua operação normal. Sempre que possível, deve ser instalada em local coberto, arejado, limpo, seco, num ambiente com o mínimo de impurezas suspensas no ar e afastado de irradiação de calor. Com isso, a unidade hidráulica tem uma boa troca de calor com o ambiente e pouca possibilidade de contaminação do reservatório através do filtro de ar (respiro do reservatório). As tampas do reservatório devem estar bem vedadas e os filtros de ar bem fixos. Se a unidade hidráulica for trabalhar num ambiente agressivo, essas condições devem ser evidenciadas durante o projeto para avaliar a necessidade de instalação de trocadores de calor, sistema de abastecimento de óleo através de filtros absolutos, filtro de ar de maior vazão, reservatório de maior dimensão para proporcionar uma melhor troca de calor com o ambiente, pintura apropriada, etc. 4 LIMPEZA Os equipamentos hidráulicos trabalham com elevadas pressões, velocidades consideráveis, e alta sensibilidade. Necessitam, portanto, de inspeção contínua do desempenho e do estado de conservação, além de ser obrigatória a limpeza. A limpeza do local de instalação do sistema hidráulico é fundamental para um bom funcionamento. Isso reduz a possibilidade de contaminação ambiental, eliminando as impurezas que penetrariam no sistema hidráulico. Como parte integrante, a limpeza deve ser estendida e praticada nas oficinas, áreas de montagem, manutenção e testes. Estas áreas devem estar bem separadas dos locais cujas atividades envolvam serviços de soldagem, pintura e ambientes com acúmulo de poeira, água, vapor, etc. Portanto, para garantir uma boa instalação, inspeção e manutenção, é necessário dar uma atenção especial à limpeza do equipamento e da área onde será efetuada a instalação. Todos os componentes devem estar protegidos e isolados. Deverá ser mantida essa condição até o momento da montagem final. Qualquer impureza que venha a contaminar o circuito hidráulico resultará em desarranjos prejudiciais. 5 MONTAGEM E LIGAÇÃO Ao receber o material, deve ser verificado se todos os componentes da montagem estão completos. Avarias provenientes de transporte também precisam ser observadas. A tubulação deve ser bem encaminhada e ter boa localização para facilitar o acesso aos pontos de regulagem e controle, bem como facilitar a manutenção e evitar acidentes. A interligação é feita utilizando-se tubos de aço sem costura, mangueiras de alta pressão e conexões, com dimensionamento compatível com a vazão e pressão do sistema hidráulico. Numa instalação convencional, costumam-se utilizar tubos e conexões com anilha progressiva até 38mm de diâmetro externo. A partir dessa medida é recomendado o uso de tubos, conexões forjadas e flanges para solda. Na montagem, a tubulação não pode estar tensionada. Deve-se evitar também a utilização de cotovelos e curvas bruscas ao longo da tubulação. Para tubulações longas, é recomendada a utilização de braçadeiras de material plástico como suporte (clamping). Deve ser dada atenção especial à limpeza interna da tubulação para que sejam removidos todos os indícios de contaminantes, como os cavacos formados após operação de corte de tubos. Numa eventual oxidação interna, o tubo deve ser decapado e lavado com querosene. No caso de tubulação soldada ou curvada a quente, a tubulação deverá ser decapada, neutralizada e lavada com querosene para a completa remoção das carepas de solda R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 1/8

2 No caso dos fluidos hidráulicos, deve ser verificado se existem umidade e contaminação, uma vez que os reservatórios devem estar livres de sujeira. O preenchimento deve ocorrer sempre pelo filtro, dando preferência para carrinhos com filtros ultra-finos ou o próprio filtro do sistema. A pintura interna deve ser compatível com o tipo de fluido hidráulico adotado. Para a armazenagem dos componentes do estoque, os elementos que não foram preenchidos previamente com fluidos anticorrosivos ou tratados podem sofrer resinação. Assim, devem ser utilizados solventes para limpá-la e para que um novo filme lubrificante seja produzido. Durante o procedimento de montagem, é preciso utilizar olhais de suspensão e equipamentos de transporte. Além disso, devem ser evitadas cargas transversais e tensões por deformações em tubulações e componentes com o uso de força. Também é importante que as superfícies de apoio das válvulas estejam totalmente planas e que os parafusos de fixação sejam apertados com o torque especificado. A tubulação deve ser bem fixada. Durante a escolha de tubos, mangueiras, conexões ou flanges, é preciso ter atenção com as espessuras de parede e com o material para que eles suportem a pressão necessária. Tubos de aço de precisão devem sempre ser utilizados. A vedação nunca pode ser feita por meio de cânhamo e massa, pois elas podem gerar contaminação. Quanto às tubulações e mangueiras, a montagem deve ser correta e precisam ser evitados toques e esfregamentos. Cada tipo de fluido hidráulico exige cuidados diferentes: Tipo de fluido - Óleos minerais Apropriado para equipamentos e válvulas seriadas Fluidos hidráulicos rapidamente bio-degradáveis Necessário ajuste entre equipamento e válvulas Necessário ajuste entre equipamento e válvulas e, no caso de Fluidos hidráulicos de baixa ignição preenchimento com fluidos especiais, verificar se o equipamento é compatível com o fluido previsto. Fluidos especiais Analisar viscosidade, intervalo de temperatura de operação e vedações utilizadas. 6 CONTAMINAÇÃO Todo e qualquer tipo de contaminação deverá ser evitado e combatido. Geralmente a formação de contaminantes ocorre da seguinte forma: Incorporados nos processos de fabricação dos componentes; Incorporados durante a montagem do sistema; Incorporados no fluido hidráulico ou durante o abastecimento; Introduzidos durante a manutenção, cada vez que o circuito é aberto; Entram pelo filtro de ar; Contaminantes resultantes da degradação dos componentes. Contaminação em sistemas hidráulicos causa em geral: desgastes, emperramentos e obstrução de orifícios. Com isso o sistema tem um desempenho insatisfatório, perda de potência, operação irregular, controles com capacidade reduzida, choques hidráulicos com aumento e queda de pressão, vazamentos internos, elevação da temperatura, riscos de acidentes, provocam vazamentos e até o sucateamento dos componentes. Um contaminante circulando num circuito hidráulico resulta em desgaste de um componente. Esse desgaste gera novos contaminantes que, em contato com os outros componentes, provocam uma reação em cadeia na formação de novos pontos de contaminação no circuito hidráulico. O custo de ignorar a limpeza e a contaminação do sistema hidráulico é muito grande em termos de manutenção, substituição e reposição de componentes, tempo de parada e perda de produção. 7 INSTALAÇÃO ELÉTRICA Verificar se a tensão e corrente de acionamento do motor elétrico e dos componentes elétricos do sistema hidráulico estão corretas e de acordo com a tensão e correntes disponíveis no local da instalação. Para tanto, verificar as informações contidas nas etiquetas dos produtos do sistema hidráulico R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 2/8

3 8 ABASTECIMENTO No sistema hidráulico o óleo é o meio de transmissão de energia e ao mesmo tempo lubrificante de todos os componentes. Utilizar sempre óleo recomendado e de boa qualidade. Não misturar diferentes marcas. Antes de abastecer a unidade hidráulica, limpar externamente o reservatório e se certificar de sua limpeza interna. Para abastecer, utilizar o bocal de enchimento ou o filtro de abastecimento. Todos os meios utilizados para abastecer o reservatório devem estar muito limpos. O abastecimento deverá ser feito até o nível máximo. 9 INÍCIO DE FUNCIONAMENTO START UP Verificar antes da partida inicial: Aperto dos parafusos e conexões; Válvulas de bloqueio, se estão abertas ou fechadas de acordo com a necessidade para teste/operação do circuito (a válvula de bloqueio da linha de sucção da bomba, quando existir, deverá estar aberta); As válvulas de controle de pressão devem estar ajustadas na regulagem mínima; Reservatório abastecido com óleo especificado e no nível correto; Os acumuladores de pressão, quando existirem, devem ser pressurizados com nitrogênio (N 2 ), conforme especificações do manual para acumuladores da HT-Hidrautrônica; NUNCA USAR OXIGÊNIO PARA PREENCHER ACUMULADORES Verificar alinhamento e nivelamento do conjunto motor-bomba, bem como de todos os conjuntos móveis; Girar o conjunto motor-bomba manualmente (deve estar suave com resistência constante). 10 OPERAÇÃO E CONTROLE FUNCIONAL - Preparação: Antes da operação experimental é preciso verificar se o reservatório está limpo, se as tubulações estão corretamente montadas e limpas, se os flanges e conexões estão devidamente apertados, se as tubulações e componentes estão corretamente conectados de acordo com o projeto e se o acumulador foi preenchido com N 2 até a pressão p 0 especificada, deixando sem pressão o lado do fluido. Além disso, também é necessário verificar o correto alinhamento e montagem do motor de acionamento e da bomba, a ligação certa do motor de acionamento e o grau de filtragem do filtro utilizado. - Operação: Somente devem estar presentes durante a operação experimental os representantes do fabricante da máquina, da manutenção e da operação. As válvulas limitadoras de pressão, redutoras de pressão e reguladores de bombas precisam ser despressurizados, com exceção dos elementos ajustados de modo fixo pelo TÜV. É necessária a abertura total dos registros e deve ser verificado o sentido de rotação do motor de acionamento, que precisa corresponder ao sentido de acionamento da bomba. As válvulas direcionais precisam ser colocadas na posição desejada apenas eventualmente, elas devem estar na posição de centro aberto. Já as válvulas de sucção da bomba precisam ser abertas, tendo atenção com o tipo de bomba, uma vez que pode ser necessário preencher a carcaça com óleo para evitar que rolamentos e peças do conjunto motriz funcionem a seco. Se houver bomba para comando separado, ela deve ser colocada em operação. A partida na bomba principal precisa ser dada saindo do zero, tendo atenção a ruídos que possam ocorrer. Ela deve ser basculhada com aproximadamente 5 e o equipamento, desaerado. Os parafusos de desaeração e as conexões em posições elevadas precisam ser soltos cuidadosamente, sendo o processo finalizado quando não existirem bolhas saindo com o fluido. Em seguida, as conexões devem ser novamente apertadas. Quando possível, os consumidores devem ser interligados e a circulação feita até que os filtros permaneçam limpos. Nos equipamentos servo, as servo-válvulas precisam ser substituídas por placas de circulação ou válvulas direcionais de mesmo tamanho nominal. Durante o procedimento de circulação, as temperaturas do fluido no sistema hidráulico precisam estar, pelo menos, como a temperatura de operação posterior, sendo que a troca dos elementos filtrantes deve seguir a necessidade. Um aparelho contador de partículas precisa ser utilizado para verificar se a pureza mínima necessária foi atingida e, assim, terminar a circulação. Também deve ser feito o controle da função da instalação sem carga, operando-a manualmente quando possível. Depois que a temperatura de operação for atingida, a instalação deve ser controlada sob carga, aumentando-se a pressão lentamente. Também precisam ser monitorados os componentes de controle e medição. A temperatura da carcaça das bombas e motores hidráulicos deve ser controlada, bem como o ajuste das válvulas limitadoras de pressão (por meio de carga e frenagem da instalação) e a estanqueidade. O nível de óleo também precisa ser monitorado e completado quando for necessário R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 3/8

4 O acionamento, agora, deve ser desligado e todas as conexões reapertadas, mas somente com a instalação sem pressão. É necessário verificar se a fixação da tubulação com carga de pressão alternada é suficiente, se os pontos de fixação estão corretamente posicionados e se as mangueiras não roçam sob pressão. Em seguida, é importante testar todas as funções da instalação, como pressão, velocidade, ajuste de componentes de comando, para comparar os valores medidos com os permitidos ou especificados em projeto. Deve-se ter atenção com a existência, ainda, de ar no sistema, que é refletida por meio de movimentos irregulares, por exemplo. Basculamentos curtos em um ou nos dois sentidos, com frenagem dos consumidores ou com carga, podem eliminar o ar remanescente. Se for notado que não existem choques, movimentos irregulares ou espuma na superfície do óleo, a desaeração foi completa. O desaparecimento de espuma geralmente acontece, no máximo, uma hora após a partida. Novamente é preciso ser feito o controle da temperatura e a instalação deve ser desligada. Os elementos filtrantes devem ser removidos, limpos (exceto filtros de papel ou fibra de vidro) e trocados caso seja necessário. Circulação adicional pode ter que acontecer se houver adição de contaminação, prevenindo danos precoces dos elementos da instalação. Vale salientar que os ajustes feitos precisam ser protocolados em relatório. - Equipamentos rápidos: Em diversas situações, os equipamentos rápidos não podem ser colocados em operação com instrumentos de medição usuais, como manômetros, termômetros, multímetros, etc. Em muitos momentos, as ferramentas padrão também não podem ser utilizadas, além de não ser possível uma otimização. Prensas de forjarias, máquinas de injeção de plástico, máquinas operatrizes especiais, laminadores, comandos de pontes e guindastes, máquinas com equipamentos eletro-hidráulicos de regulação são exemplos desses equipamentos. Para eles, o início de operação e a otimização normalmente exigem mais investimentos tecnológicos de medição, possibilitando medir simultaneamente diversos parâmetros, como várias pressões iniciais, sinais elétricos, cursos, velocidades, vazões, etc. - Falhas: Fatores determinantes para a durabilidade e segurança de um equipamento hidráulico são a manutenção e a colocação em operação. Assim, as falhas durante o processo de colocação em operação devem ser evitadas. As falhas mais comuns são: falta de controle do nível do fluido no reservatório, ausência de filtração do fluido no preenchimento, instalação não controlada (ocorre perda de fluido em transformações posteriores), não desaeração dos componentes, ajuste das válvulas limitadoras de pressão pouco acima da pressão de operação (não observação do diferencial de pressão de fechamento), ajuste dos reguladores das bombas hidráulicas iguais ou acima do ajuste da válvula limitadora de pressão. Além disso, os servo-equipamentos podem não sofrer circulação suficiente, ruídos devido à cavitação, linhas de sucção não vedadas, ou excesso de ar no fluido podem não ser observados, podem acontecer erros de montagem, avarias nas vedações provocadas pela não desaeração de cilindros hidráulicos e mal ajuste dos fins de curso. Outras falhas que podem ocorrer são a não observação da histerese de comutação nos pressostatos, o não preenchimento das carcaças de bombas e motores hidráulicos com fluido antes da operação iniciar, a ausência de documentação de valores de regulagem e o não travamento ou lacre dos fusos de ajuste. Vale salientar que a presença de pessoal desnecessário durante a colocação em operação também é caracterizada como falha. 11 PARTIDA DAS BOMBAS - Bombas de deslocamento fixo: Ligar e desligar o motor elétrico rapidamente, sem atingir a rotação plena, para verificar se o sentido de rotação está correto. Há uma seta no conjunto motor-bomba indicando o sentido correto; Repetir a operação algumas vezes, com o sentido de rotação correto até se certificar que a bomba esteja succionando óleo normalmente (ruído normal - contínuo e sem estalos ); Para unidades hidráulicas com reservatório: Regular a pressão da bomba entre 2 e 10 kgf/cm2 e mantê-la durante um período de 15 a 20 minutos; Para unidades hidráulicas sem reservatório (apenas circulação de fluido, e/ou lubrificação): Verificar se a tubulação de sucção está completamente cheia (escorvada) R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 4/8

5 - Bombas de deslocamento variável: A bomba deve ter a sua carcaça preenchida com óleo através das tomadas de dreno, sucção ou do orifício próprio para enchimento existente em alguns modelos. Toda a vazão da bomba deve ser descarregada diretamente para o reservatório; Ligar e desligar o motor elétrico rapidamente, sem atingir a rotação plena, para verificar se o sentido de rotação está correto. Há uma seta no conjunto motor-bomba indicando o sentido correto; Repetir a operação algumas vezes, com o sentido de rotação correto, até que o ar existente no interior da bomba seja expulso totalmente; Para unidades hidráulicas com reservatório: regular a pressão da bomba entre 15 e 20kgf/cm² e mantê-la durante um período de 15 a 20 minutos; Para unidades hidráulicas sem reservatório (apenas circulação de fluido, e/ou lubrificação): verificar se a tubulação de sucção está completamente cheia (escorvada). 12 DESAERAÇÃO DO SISTEMA HIDRÁULICO Antes de operar o sistema hidráulico com plena carga, todo o ar do circuito deve ser removido na menor pressão possível. Se no circuito não existirem válvulas ou tomadas para sangria, soltar levemente as conexões para expulsar o ar existente na tubulação. Atenção: Durante esse procedimento, observar a variação do nível de óleo do reservatório. Nunca operar abaixo do nível mínimo. Verificar todo o circuito quanto a possíveis vazamentos nas conexões. Se houver a necessidade de apertar ou afrouxar as conexões, deve-se desligar o sistema. 13 FILTRAGEM As peças que constituem os componentes hidráulicos são fabricadas com ajustes de alta precisão, sendo que muitas superfícies são submetidas a um acabamento de lapidação. As partículas contaminantes iguais ou maiores que a espessura das folgas produzem desgastes nas superfícies em contato. Para proteger os componentes hidráulicos dos desgastes, estas partículas devem ser removidas do circuito hidráulico por meio da filtragem. Nem sempre os fluidos hidráulicos apresentam, no fornecimento, a pureza necessária. Os filtros devem ser adequados, para reduzir os contaminantes sólidos em quantidades e dimensões que não comprometam o sistema hidráulico. O grau absoluto de filtragem do preenchimento deveria ser, no mínimo, o mesmo que o dos filtros instalados no equipamento. Os itens limpeza e contaminação devem ser observados para evitar a sobrecarga desnecessária de contaminação no elemento do filtro. Uma filtragem eficiente e adequada no sistema hidráulico garante uma operação normal. 14 VAZAMENTO É recomendado utilizar conexões e vedações elásticas para se evitar vazamentos externos. As instruções dos fabricantes de conexões precisam ser observadas. Os sistemas hidráulicos não devem apresentar vazamentos externos. A maioria desses vazamentos ocorre devido às condições de serviço que apresentam choques e vibrações, temperatura elevada, desgaste das vedações, incompatibilidade do elastômero com o fluido e temperatura. Podem também ocorrer, se causados por falhas de montagem e manutenção. Se o sistema apresenta vazamentos, além de ser necessária a correção, devem ser observados os seguintes itens: Suportes e braçadeiras montados ao longo da tubulação; A tubulação não deve estar tensionada; Bombas, motores e atuadores devem estar alinhados e nivelados para evitar esforços radiais; Sistemas com regulagem correta; Temperatura de trabalho deve estar normal; Grau de contaminação dentro do padrão do equipamento; Sangria/purga de ar do circuito hidráulico; Superfícies de montagem paralelas e limpas; Conexões limpas e em boas condições R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 5/8

6 15 INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO Um sistema bem instalado e regulado terá um funcionamento normal e sem falhas. Esta condição e uma vida útil longa poderão ser obtidas aplicando-se os princípios básicos de uma boa inspeção e manutenção que qualquer máquina de precisão requer. O plano básico de manutenção é composto de algumas operações fundamentais que precisam ser efetivamente executadas com regularidade: Limpeza externa: mensal Limpar toda a instalação hidráulica. Com isso é possível ver e corrigir pontos de vazamentos, além de evitar a contaminação do sistema; Filtro de ar: bimestral Trocar filtro de ar (respiro do reservatório); Filtro de óleo (sucção, retorno e pressão) Elemento de malha metálica: limpar com querosene; Elemento de fibra sintética ou papel: durante o primeiro mês de operação, trocar semanalmente. Após esse período trocar mensalmente ou quando o elemento filtrante apresentar-se saturado. Opcionalmente os filtros são fornecidos com indicadores ópticos ou elétricos de saturação, que indicam o momento adequado para efetuar a substituição. Os períodos de limpeza ou troca dos elementos filtrantes são considerados por uma referência média observada na prática. Entretanto, podem variar de acordo com a condição ambiente do local e o regime de serviço do equipamento. Em ambientes normais com poucas impurezas suspensas no ar o período de troca pode ser aumentado. Em ambientes agressivos, com muitas impurezas suspensas no ar poluído, o período deve ser reduzido. Verificar o nível de óleo constantemente e nunca operar o equipamento abaixo do nível mínimo; Temperatura do óleo: diário Verificar se está dentro do padrão de operação do equipamento; Pressão do sistema: diário Verificar se está dentro do padrão nos diversos pontos de regulagem do sistema hidráulico; Ruído e vibração: diário Qualquer ruído ou vibração anormal, verificar a causa; Análise do óleo: trimestral Analisar as propriedades físico-químicas e o grau de contaminação; Componentes hidráulicos: bombas, válvulas. É difícil estabelecer a vida média para troca desses componentes. Para uma avaliação segura deve ser tratado caso a caso, por meio de um plano de inspeção e testes para verificar se o desempenho do componente atende às necessidades operacionais. Qualquer variação de temperatura, pressão, ruído, vibração, nível de óleo são sintomas de anormalidade que deve ser eliminada por meio de uma análise técnica do esquema hidráulico, descrição operacional, função e operação de cada componente do circuito hidráulico. Em geral, cumprindo-se rigorosamente todos os itens descritos, tomando a máxima precaução no sentido de evitar a contaminação do sistema, mantendo uma filtragem eficiente e com o sistema bem regulado, teremos a performance desejada do equipamento e o aumento de sua vida útil. - Inspeção: O procedimento de inspeção visa reconhecer e julgar o estado real do material, ou seja, fazer a análise de avanço de desgaste. São muitos os itens importantes para a inspeção, sendo que eles devem ser unidos nas listas de inspeção. Assim, diversos colaboradores poderão executá-los. De maneira geral, alguns itens essenciais são: o controle de nível do fluido no reservatório, da atuação dos trocadores de calor, da estanqueidade externa (visual), da temperatura do fluido em operação, das pressões, do volume de dreno e da pureza do fluido. Nota: Fazer o controle visualmente apenas auxiliará na indicação de turvação, aparência mais escura e sedimentação no fundo do reservatório R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 6/8

7 A avaliação da pureza deve ser feita por meio da contagem de partículas. Caso isso não seja possível, deve-se utilizar aparelhos eletrônicos de contagem e separação, análises microscópicas ou análise gravimétrica de partículas sólidas através de filtragem ultrafina de certa quantidade de fluido, como 100 ml. Depois, faz-se a pesagem do disco filtrante antes e depois do procedimento, sendo possível a obtenção da parcela de partículas sólidas (mg/l). Além disso, é necessário fazer o controle do ensujamento do filtro, das características químicas do fluido, do desenvolvimento de ruídos, do sistema de tubulações e mangueiras, das instalações de acumuladores de pressão, da temperatura dos mancais e da potência e velocidade. Nota: O controle visual do ensujamento do filtro não é mais possível com os filtros modernos. Vale salientar que deve ser feita a troca imediata de mangueiras e tubulações com danos. - Manutenção: Deve-se despressurizar o sistema antes de soltar conexões, uniões e componentes. Alguns itens são importantes para o procedimento de manutenção. É recomendável a utilização de um caderno de manutenção para se fazer o controle de peças; Não devem ser melhorados fluidos velhos e contaminados por meio de fluidos novos; O fluido deve ser drenado quente, não sendo possível sua renovação; O preenchimento de fluido só pode ser feito através de filtros do sistema ou filtros com, no mínimo, o mesmo grau de retenção que os filtros instalados no sistema; Deve ser feita a análise do tamanho e quantidade de partículas por meio de provas de laboratórios do fluido com valores documentados; Os intervalos de manutenção do fluido dependem de seu estado, temperatura de operação e volume de preenchimento. É recomendável que se faça a troca em função da análise do fluido. Caso isso não seja feito regularmente, geralmente a troca ocorre a cada 2000 a 4000 horas de trabalho. Os filtros devem ser controlados de duas a três horas durante a colocação em operação. Se for necessário, devem ser trocados. Durante a primeira semana de operação, eles precisam ser controlados diariamente e trocados em caso de necessidade. Depois dessa primeira semana, deverá ocorrer a limpeza deles se for preciso. A manutenção deve ser cuidadosa e, depois que a unidade estiver amaciada, o controle deve acontecer, no mínimo, uma vez por semana com limpeza de acordo com a necessidade. O nível do fluido deve ser controlado constantemente durante a colocação em operação e, depois, semanalmente. A pressão do gás de acumuladores de pressão deve ser controlada, com o acumulador despressurizado do lado do fluido. A despressurização total do fluido é indispensável para o trabalho em equipamentos com acumuladores. Os consertos dos acumuladores só devem ser feitos por pessoal autorizado da HT-Hidrautrônica, pois caso sejam realizados de forma errada, podem causar graves acidentes. É preciso medir a temperatura de operação, pois o seu aumento pode indicar vazamentos e o aumento de atrito. Os vazamentos da tubulação são prejudiciais para equipamentos e chão concretado. No caso de vedações macias que estiverem danificadas ou endurecidas, como O-rings e anéis conformados, não é possível fazer a correção por reaperto. A pressão principal e de comando devem ser controladas com um intervalo de uma semana. As alterações de ajuste devem ser anotadas no livro de manutenção. O desgaste da válvula limitadora de pressão pode ser indicado por reajustes constantes de pressão. - Reparação: A reparação é o procedimento de localização e correção de falhas e danos. Assim, é fundamental para esse processo a busca sistemática das falhas, o que requer elevado conhecimento de projeto, desenho, equipamento e componentes. Os documentos necessários devem ser acessíveis com facilidade ou já estarem à mão, bem como os aparelhos de medição mais importantes: multímetro, termômetro, estetoscópio industrial, cronômetro, medidor de rotações, etc. O ambiente para que os trabalhos de reparo sejam feitos deve estar limpo. As válvulas defeituosas não devem ser reparadas no local da obra, apenas as válvulas completas. Isso devido ao fato de normalmente faltarem limpeza e ferramentas nesse local. Além disso, o equipamento deve ser submetido às influências da periferia apenas o tempo necessário no estado aberto, as perdas do fluido devem ser as menores possíveis e deve ser assegurada a utilização de válvulas reparadas e testadas para que a próxima parada aconteça o mais distante possível. Após a falha de válvulas, é muito importante controlar a contaminação de cavacos ou partículas metálicas por atrito ou erosão R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 7/8

8 - Reparação e recondicionamento: Somente o fabricante poderá realizar o recondicionamento completo, pois possui segurança, economia, pessoal treinado, garantia, possibilidade de ensaios, o mesmo padrão de qualidade, etc. 16 PREVENÇÃO Algumas medidas, se tomadas, podem aumentar a vida útil do equipamento, reduzindo os danos que podem ocorrer. Isso evita, também, que a garantia seja recusada. Nesse sentido, alguns itens de prevenção são expostos a seguir: O óleo a ser utilizado no equipamento não deve ser recuperado e nem estar fora de condições normais de utilização. O dano do equipamento por fluido de elevada acidez, contaminado ou quimicamente deteriorado resulta na perda da garantia e na diminuição da durabilidade do equipamento; A utilização dos diversos tipos de veda-rosca (como teflon) deve ser evitada, pois eles geram contaminantes. Caso isso não seja possível, mantenha os três primeiros filetes de rosca sem veda-rosca; A troca dos elementos de filtros de retorno, de ar e de pressão deve ser feita no momento correto de acordo com o indicador de troca. Isso manterá o óleo mineral sem partículas de contaminação; Durante o preenchimento do reservatório com óleo, não deve ser utilizado funil e balde. O cuidado com a contaminação do óleo e dos filtros é fundamental; É proibido o uso de estopa para limpar o reservatório, eliminar resíduos ou tampar conexões abertas provisoriamente; Superaquecimento do circuito ou aspiração de ar podem acontecer se o nível de óleo do reservatório estiver baixo. Ele deve ser mantido dentro do especificado. A garantia é perdida caso ocorra a violação do lacre ou mudanças de regulagem; O armazenamento do equipamento hidráulico deve ser feito em temperatura ambiente e em locais sem partículas de poeira, umidade ou tinta, sendo as conexões protegidas com tampões de plástico; O alinhamento dos componentes móveis deve ser efetuado para verificar se elementos foram soltos; Antes da montagem por reparo, o motivo do dano ou funcionamento comprometido deve ser identificado; Faça o descarte adequado dos elementos utilizados. 1 A HT se reserva a direito de alterar as informações contidas neste manual sem aviso prévio. 2 Reprodução proibida R00 HT-HIDRAUTRÔNICA 8/8

Manual de instalação, manutenção e inspeção

Manual de instalação, manutenção e inspeção CÓDIGO PRESSÃO MÁXIMA DESLOCAMENTO DA BOBINA DATA DE FABRICAÇÃO TENSÃO DA BOBINA CAPACIDADE DO TANQUE NOTAS: 1 - FLUIDO RECOMENDADO: Óleo hidráulico com viscosidade sempre entre 150 a 250 SSU(32-54 cst)

Leia mais

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de instalação, operação e manutenção dos filtros

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig SCHULZ: INÍCIO DE FABRICAÇÃO - ABRIL/005 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/ - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 10 psig CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ISENTO DE ÓLEO L C DESLOCAMENTO TEÓRICO pés /min PRESSÃO MÁX.

Leia mais

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA

BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA BOMBA DE PRESSURIZAÇÃO PARA REDE HIDRÁULICA (com fluxostato interno) MODELOS: BOMBA COM CORPO DE FERRO (revestimento cerâmico) RPHSBFP 11 (127V 120W) RPHSBFP 12 (220V 120W) MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO INFORMAÇÕES

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI CÓD: MAN001-10 REVISÃO: 00 27/09/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 1. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO...6 2. IDENTIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO...6

Leia mais

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos

Manual do Usuário. Produto LUBE-SEAL. Versão: LUBE-SEAL Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos Manual do Usuário Produto Versão: Manual V1.0 Data: 13/10/2006 Escrito por: Marcelo da Silveira Petter Prada dos Santos SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. TERMOS E CONVENÇÕES 4 2. INFORMAÇÕES GERAIS 5 2.1. Dados do

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário Bomba Circuladora SLX-PMP/6A Manual do Usuário Manual do Usuário SOLX - Bomba Circuladora - SLX-PMP/6A Reservados os direitos de alteração sem prévio aviso. Versão 1 - outubro/2013 Permitida a reprodução

Leia mais

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5- TESM5P Manual de Operação Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P . DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL Modelo: Velocidade sem carga: Pressão de ar: Entrada de ar: Disco de lixa: Consumo de ar: TESM5P

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO DO SolarPRO XF

MANUAL DO PROPRIETÁRIO DO SolarPRO XF MANUAL DO PROPRIETÁRIO DO SolarPRO XF MODELO SB 001 NORMAS DE SEGURANÇA IMPORTANTES Leia todas as instruções ANTES de montar e utilizar este produto. GUARDE ESTE MANUAL Seu Aquecedor de Piscina foi projetado

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer MANUAL DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA Finalidade deste Manual Este manual proporciona as informações necessárias para uma correta manutenção dos filtros Metalsinter, contendo também importantes informações

Leia mais

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax Sarco

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Normas da ABNT precisam ser seguidas

Normas da ABNT precisam ser seguidas Normas da ABNT precisam ser seguidas Além das leis ambientais e toda a burocracia que o negócio da revenda exige, o revendedor precisa realizar os procedimentos de acordo com as normas da Associação Brasileira

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS. G:Manuais/Manuais atualizados/ta

MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS. G:Manuais/Manuais atualizados/ta MANUAL DE FUNCIONAMENTO FILTROS INDUSTRIAIS TA G:Manuais/Manuais atualizados/ta Rev.01 ESQUEMA HIDRÁULICO 1 - INTRODUÇÃO 1.1. - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de

Leia mais

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias casa de vácuo Manual do Usuário ÍNDICE INTRODUÇÃO Apresentação Dados Técnicos Cuidados Segurança Limpeza 2 3 4 5 6 MANUTENÇÃO Instruções Manutenção Preventiva INSTALAÇÃO 8 9 10 GARANTIA Garantia 12 Contato

Leia mais

Ferramentas Pneumáticas

Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Para se tomar a decisão com relação ao uso de ferramentas pneumáticas é necessário saber as diferenças principais entre elas e outros tipos de ferramentas

Leia mais

Válvula de Preenchimento placa intermediária Tipo ZSF e ZSFW

Válvula de Preenchimento placa intermediária Tipo ZSF e ZSFW R 0 478/0.0 Substitui:.0 Válvula de reenchimento placa intermediária Tipo ZSF e ZSFW Tamanho Nominal a 60 Série ressão máxima de operação 50 bar H/ 50/9 Tipo ZSF 40 F.--/... Índice Conteúdo Características

Leia mais

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva:

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva: Manutenção Preventiva e Corretiva de Rosqueadeiras Manual de Manutenção: Preventivo / Corretivo Preventivo: Toda máquina exige cuidados e manutenção preventiva. Sugerimos aos nossos clientes que treinem

Leia mais

COMPRESSOR DE AR 8,5/25L

COMPRESSOR DE AR 8,5/25L *Imagens meramente ilustrativas COMPRESSOR DE AR 8,5/25L Manual de Instruções www.v8brasil.com.br Prezado Cliente Este manual tem como objetivo orientá-lo na instalação e operação do seu COMPRESSOR DE

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig CT MSA./2 WTA./2 CSA./2 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR MSA./2 WTA./2 ESTÁGIO psig CSA./2 ESTÁGIO psig TÉRMINO DE COMERCIALIZAÇÃO ABRIL/ (PRODUTO 0% IMPORTADO) MSA./2 TÉRMINO DE FABRICAÇÃO NOVEMBRO/ WAYNE

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 02 1( 5 ) Generalidades Inspeção Final VM BRA49905 89028788 Portuguese/Brazil Printed in Brazil

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ELEVADOR DE EIXO EH-10T

MANUAL TÉCNICO ELEVADOR DE EIXO EH-10T MANUAL TÉCNICO ELEVADOR DE EIXO EH-10T Rua Dr. Nilson Teobaldo Schaeffer, 6061B Marechal Floreano CEP 95013-400 Caxias do Sul-RS Fone 54 3028-7575 Fax 54 3028-7505 comercial@lycosequipamentos.com.br www.lycosequipamentos.com.br

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos Manual de Instruções oços de roteção Exemplos Manual de Instruções de oços de roteção ágina 3-11 2 Índice Índice 1. Instruções de segurança 4 2. Descrição 4 3. Condições de instalação e instalação 5 4.

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação das cápsulas filtrantes Pall Supracap 100 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação das cápsulas Pall Supracap 100. As instruções

Leia mais

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos.

Filtros e Bombas. A Piscina dos seus Sonhos. Dúvidas Filtros e Bombas A Piscina dos seus Sonhos. - Filtros Água vazando para o esgoto. Nas opções filtrar e recircular, observo através do visor de retrolavagem que a água continua indo para o esgoto

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DO KIT HIDRÁULICO SLIM POWER SOPRANO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DO KIT HIDRÁULICO SLIM POWER SOPRANO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DO KIT HIDRÁULICO SLIM POWER SOPRANO COMPONENTES DO KIT HIDRÁULICO ITENS DO KIT HIDRÁULICO SOBRE CHASSI SLIM POWER ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO QTD ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO QTD

Leia mais

Sistemas de filtração estacionários

Sistemas de filtração estacionários Sistemas de filtração estacionários Situações de problemas ligados a aplicações específicas Aplicação Máquinas de produção Situações de problemas Tempos operacionais muito longos Manutenção deficiente

Leia mais

MODELOS HD 660 HD 800 HD 1200 HDS 660 HDS 800 HDS 1200. Nominal (l/h) 660 800 1200 660 800 1200

MODELOS HD 660 HD 800 HD 1200 HDS 660 HDS 800 HDS 1200. Nominal (l/h) 660 800 1200 660 800 1200 9.356-039.0 Rev. 0 1. APRESENTAÇÃO 1. Características da Máquina MODELOS HD 660 HD 800 HD 1200 HDS 660 HDS 800 HDS 1200 VAZÃO Nominal (l/h) 660 800 1200 660 800 1200 Válvula de vapor (l/h) - - - - - 800

Leia mais

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair.

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair. KEYSTONE As válvulas de borboleta HiSeal, de elevada perfomance e de dupla excentricidade, estão totalmente de acordo com as classes ANSI 0 e ANSI 300. Índice 1 Armazenagem / Selecção / Protecção 1 2 Instalação

Leia mais

Manutenção de fluidos com sistema

Manutenção de fluidos com sistema Manutenção de fluidos com sistema Origem e influência da contaminação Danos e deterioração inicial de componentes hidráulicos Sem lavagem antes de colocar em funcionamento Efeito da contaminação Partículas

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

Instruções de Instalação

Instruções de Instalação Instruções de Instalação Série ST ST/QBM, ST/MRA, ST Experience In Motion 1 Verificação do Equipamento 1.1 Seguir as normas de segurança da planta antes da desmontagem do equipamento: Consulte a Ficha

Leia mais

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento

Manual de Instalação, Operação e Manutenção Válvulas Gaveta, Globo e Retenção Informações Gerais Precauções e Recomendações Manuseio e Armazenamento Informações Gerais Para garantir a qualidade e a vida útil de uma válvula é necessário verificar a instalação, aplicação, bem como o seu material de acordo com o fluido que será utilizado e uma manutenção

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

Manual de instalação, operação e manutenção. Bomba centrífuga CS

Manual de instalação, operação e manutenção. Bomba centrífuga CS Manual de instalação, operação e manutenção Bomba centrífuga CS .Segurança. Informação Importante.2 Sinais de Aviso Este manual salienta os procedimentos incorretos e outras informações importantes. Os

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas COMPRESSOR DE AR. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br

*Imagens meramente ilustrativas COMPRESSOR DE AR. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br *Imagens meramente ilustrativas COMPRESSOR DE AR Manual de Instruções www.v8brasil.com.br PARA A CORRETA UTILIZAÇÃO DO PRODUTO V8 BRASIL, RECOMENDAMOS A LEITURA COMPLETA DESTE MANUAL. 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 023 de 25 de fevereiro de 1985 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR

COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR COMPONENTES PRINCIPAIS DO DESSALINIZADOR 03 TUBOS DE ALTA PRESSÃO Nestes tubos estão instaladas as membranas, onde os espelhos de travamento, tubulações e mangueiras devem estar bem encaixados e sem vazamento.

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

Filtro de linha RFLD comutável em execução de fundição

Filtro de linha RFLD comutável em execução de fundição Filtro de linha comutável em execução de fundição até 2500 l/min, até 64 bar 111 241 261 331 501 661 851 951 1301 1321 2701 1. DESCRIÇÃO TÉCNICA 1.1 CARCAÇA DE FILTRO Construção As carcaças de filtro são

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Diâmetro

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

Sistemas de filtração móveis

Sistemas de filtração móveis Sistemas de filtração móveis Apresentação de problemas relacionados a aplicações específicas Aplicação Apresentação de problemas Muito pouco pessoal na manutenção Instalações novas não são lavadas Máquinas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E GARANTIA

MANUAL DE INSTALAÇÃO E GARANTIA .. MANUAL DE INSTALAÇÃO E GARANTIA A embalagem do Pressurizador Tango SFL contém:» 1 Equipamento Pressurizador» 2 Registros de Esfera com união;» 1 Manual de Instalação com Certificado de Garantia. ÍNDICE

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

Manual de Instruções POÇOS TERMOMÉTRICOS POR. Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura

Manual de Instruções POÇOS TERMOMÉTRICOS POR. Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura POR Manual de Instruções MI-TW-POR_2 10/2014 Copyright Nuova Fima S.p.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida

Leia mais

Manual de Operação e Manutenção ADVERTÊNCIA

Manual de Operação e Manutenção ADVERTÊNCIA Manual de Operação e Manutenção LG958L/LG959 ADVERTÊNCIA Os operadores e o pessoal de manutenção devem ler este manual com cuidado e entender as instruções antes de usar a carregadeira de rodas, para evitar

Leia mais

Lava-Jato de Alta Pressão

Lava-Jato de Alta Pressão Lava-Jato de Alta Pressão Manual de operação LT 18/20M LT 8.7/19M LT 8.7/18M LT 8.7/16M Aviso: Este manual deve ser lido antes de manusear o equipamento. Este manual é considerado uma parte importante

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Tensão

Leia mais

FLUIPRESS AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

FLUIPRESS AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL FLUIPRESS AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Manual de Manutenção Equipamentos Óleo - Hidráulicos A. CUIDADOS A SEREM OBSERVADOS NA INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ÓLEO-HIDRÁULICOS O funcionamento normal e perfeito de uma

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA FINATEC - EDIFÍCIO SEDE ENDEREÇO: LOCALIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO: UNIDADE MOD.: Nº DE SÉRIE: CÓDIGO

Leia mais

Especificações Técnicas & Dados de Performance

Especificações Técnicas & Dados de Performance Bomba 6 HP Especificações Técnicas & Dados de Performance Solução em Alta Pressão! Rev. B /1-2005 1 2 3 4 5 1 - Tampa do Ar Motor Superior 2 - Pistão Pneumático 3 - Camisa do Ar Motor 4 - Tampa do Ar Motor

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais

HD/HDS. 0800-176111 Somente em território Brasileiro

HD/HDS. 0800-176111 Somente em território Brasileiro K 300 HD/HDS KÄRCHER INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AV. PROF. BENEDICTO MONTENEGRO, 419 - BETEL - 13.140-000 - PAULÍNIA - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 34-13.140-000 - PAULÍNIA - SP CENTRAL DE ATENDIMENTO

Leia mais

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA PROGRESSIVO MODULAR DROPSA

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA PROGRESSIVO MODULAR DROPSA SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO CENTRALIZADA PROGRESSIVO MODULAR DROPSA MANUAL DE INSTRUÇÕES - 1 - Sistema progressivo. Definição: O lubrificante bombeado é dosado e transportado para os pontos a serem lubrificados,

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC- 005/2006 1 Equipamento : Chillers ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO 1. PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Verificar a existência de ruídos e vibrações anormais

Leia mais

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 SIMBOLOGIA UTILIZADA... 4 RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA... 5 DESEMBALAGEM... 6 INSTALAÇÃO... 7 LIGAÇÃO ELÉTRICA... 8 FUNCIONAMENTO... 9 IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Manutenção preditiva

Manutenção preditiva A UU L AL A Manutenção preditiva Uma empresa vinha desenvolvendo de modo satisfatório um programa de manutenção, porém, o relatório final de produção indicava a possibilidade de aperfeiçoamentos no processo.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS BHI. Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9000:2008.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS BHI. Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9000:2008. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS BHI Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9000:2008. Sr. Proprietário Parabéns! Você acaba de adquirir um equipamento de construção simples, projetado e

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

100 kpa a 1,0 MPa. Filtro de ar em linha. Série ZFC

100 kpa a 1,0 MPa. Filtro de ar em linha. Série ZFC Filtro de ar em linha Série ZFC Para tamanhos de tubo de ø2 e ø3,2, consulte Filtro de sucção de ar/série ZFC no site da SMC. Faixa de pressão de trabalho A pressão positiva e a pressão de vácuo podem

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

X20 30 36 AC GEARLESS

X20 30 36 AC GEARLESS 3141 pt - 02.1999 / a Este manual deve ser entregue ao usuário final X20 30 36 AC GEARLESS Manual de instalação e manutenção Com o objetivo de obter o máximo de desempenho de sua nova máquina GEARLESS,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CT 1 MSV 1 MAX/20 MSV 20 MAX/AD MSV 20 MAX/20 MSV 2 MAX/20 MSV 26 MAX/20 MSV 26 MAX/20 MSV 1 MAX/0V MSV 20 MAX/0V MSV 2 MAX/0V WTV 20 G/AD WTV 20 G/0V WTV 20 G/20 WTV 20 G/20 WV 26 G/20 SCHULZ: INÍCIO

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama.

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama. INTRODUÇÃO ÍNDICE Obrigado por adquirir produtos Toyama. As aplicações das motobombas Toyama são diversas: Agricultura, indústrias, minas, empresas, construções, comunicação, cabeamento subterrâneo, manutenção

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 9 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno 1.0 Introdução Existe um crescimento enorme em termos de instalação

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33 ÍNDICE 1. PRODUTO SORIA...04 2. ALGUMAS VANTAGENS...05 3. PRODUTO SORIA...06 4. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...07 5. KIT DE INSTALAÇÃO...08 6. ACESSÓRIOS...09 7. DIMENSIONAMENTO DOS COLETORES...10 8. Dimensionamento

Leia mais

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP

ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP ANEXO IV PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE MOTOCICLOS E ASSELMELHADOS DO CICLO OTTO NO PROGRAMA I/M-SP 1. Previamente à inspeção, o veículo depois de recepcionado no Centro de Inspeção, deve ser direcionado

Leia mais

Mancais de rolamento I

Mancais de rolamento I A UU L AL A Mancais de rolamento I Um mecânico de manutenção, ao iniciar a desmontagem de um conjunto mecânico, constatou a existência de uma série de rolamentos. Examinando os rolamentos, verificou que

Leia mais

STARA MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS KANUDO 1250

STARA MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS KANUDO 1250 STARA MANUAL DE INSTRUÇÕES E CATÁLOGO DE PEÇAS KANUDO 1250 - 03 - APRESENTAÇÃO.....................05 1 - PARTES COMPONENTES.................06 2 -IDENTIFICAÇÃO............07 3 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS.........07/08

Leia mais

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 ANUAL DE INSTALAÇÃO DA BOBA ASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 SUÁRIO 1. AVISOS GERAIS DE SEGURANÇA 3 2. PERIGOS NO ABUSO DO EQUIPAENTO 3 3. LIITES DE TEPERATURAS 4 4. FUNCIONAENTO DA BOBA CO SELAGE

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO

COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO COMPRESSORES DE AR ELÉTRICO COM VASO DE PRESSÃO I. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO Antes de operar o compressor de ar elétrico com vaso de pressão, assegure-se de que sua instalação tenha sido executada

Leia mais

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Treinamento Antenor Vicente VEDAÇÃO PROCESSO USADO PARA IMPEDIR A PASSAGEM, DE MANEIRA ESTÁTICA OU DINÂMICA DE LÍQUIDOS, GASES E SÓLIDOS DE UM MEIO PARA OUTRO JUNTAS JUNTA É TODO MATERIAL

Leia mais

BFD-MOD.2500 BFDE-MOD. 2500 BFD-MOD.4000 BFDE-MOD. 6500

BFD-MOD.2500 BFDE-MOD. 2500 BFD-MOD.4000 BFDE-MOD. 6500 BFD-MOD.2500 BFDE-MOD. 2500 BFD-MOD.4000 BFDE-MOD. 6500 VERSÃO 08/12 Índice Motogerador BFD/BFDE 2500, BFD 4000 e BFDE 6500 Indicador de Componentes 1. Funcionamento do Motor Diesel 1.1 Abastecimento (Óleo

Leia mais

TE25 Transpalete Elétrico Manual de Uso e Operação Página 1

TE25 Transpalete Elétrico Manual de Uso e Operação Página 1 Página 1 ÍNDICE 1. ALERTAS... 03 2. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 04 3. DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA... 04 4. TIMÃO DE COMANDO... 05 5. PAINEL INFORMATIVO... 06 6. ADESIVOS E PLAQUETAS... 07 7. IÇAMENTO...

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais