IMPACTO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA NO CUSTO DO BOMBEAMENTO DE ÁGUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA NO CUSTO DO BOMBEAMENTO DE ÁGUA"

Transcrição

1 IMPACTO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA NO CUSTO DO BOMBEAMENTO DE ÁGUA K. G. O. Lopes*, C. B. Martinez, M. M. L. P. Coelho Morada * : Universidade Federal de Minas Gerais - Av. Antonio Carlos, Pampulha Belo Horizonte Minas Gerais - Código Postal: Brasil - Tel: +55 (31) Fax: +55 (31) RESUMO Este trabalho apresenta o impacto do aumento da perda de carga causado pelo efeito do envelhecimento das tubulações nos sistemas de abastecimento de água. A determinação do aumento da perda de carga nas tubulações pode ser feita através da equação Universal ou através de equações empíricas. No primeiro caso não é considerado o envelhecimento da tubulação, sendo que, na segunda opção equações empíricas há a restrição de utilização devido às condições e limites ensaiados. Assim, a partir da determinação de coeficientes de perda de carga para tubos com diferentes tempos de utilização para a equação de Darcy-Weisbach, tomando-se como referência os coeficientes determinados pela equação empírica de Hazen-Williams, faz-se uma análise do aumento do consumo de energia para se manter a mesma vazão no sistema. Ao final é apresentado um estudo de caso de uma pequena instalação elevatória onde se pode observar o aumento anual do consumo de energia e, a partir do custo da tarifa, qual a melhor oportunidade para se substituir a tubulação. PALAVRAS-CHAVE: Perda de carga, eficiência energética, instalações elevatórias. ABSTRACT This paper presents the impact of the increase in head loss caused by the effect of ageing pipes in the systems of water supply. The determination of the increase in head loss in the pipes can be made through the "Universal equation" or by empirical equations. In the first case is not considered an ageing pipe and the second option empirical equations there is the restriction of use due to the conditions and limits tested. So, from the determination of head loss coefficients to tubes with different times of use for the equation of Darcy- Weisbach, taking as reference the coefficients determined by the empirical equation of Hazen-Williams, an analysis of the increase in consumption of energy to keep the same flow in the system is made. At the end is presented a case of a small pumping station where can be observed the annual increase in energy consumption and, from the cost of the tax, the best opportunity to replace the pipes. KEYWORDS: Head Loss, energetic efficiency, pumping station. INTRODUÇÃO Nas instalações elevatórias o conduto forçado tem a função de levar água da tomada d água, localizada em um ponto convenientemente instalado no reservatório ou rio até o outro ponto, tal como uma estação de tratamento de água, reservatório etc. Nessa operação de transporte da água admite-se uma perda de carga que deve ser pequena o bastante para não implicar em elevado esforço de bombeamento e que ao mesmo tempo não represente um custo elevado no empreendimento. Isso é obtido a partir da determinação de um diâmetro econômico que leva em consideração um conjunto de fatores, entre eles o custo da tubulação e a tarifa de energia elétrica utilizada na operação de bombeamento. Sabe-se que o fluído ao escoar por um conduto forçado é submetido a variações de pressão, decorrentes de variação na elevação da tubulação, da velocidade de escoamento e do fenômeno de perda de carga devido ao contato do fluido em movimento com a face interna da parede do conduto (Carvalho, 1982). Essa perda de carga é função do grau de aspereza, da regularidade da sua superfície interna, do diâmetro da tubulação e da vazão. Devido ao uso, a tubulação sofre modificações internas devidas à corrosão, incrustação e tuberculização. Assim a sua capacidade de transporte é modificada, pois as perdas de carga tendem a aumentar de forma Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 1

2 significativa. Se a tubulação sofrer modificações internas que resultem em aumento da perda de carga, a vazão do sistema é consequentemente reduzida. Quanto maior for a perda de carga, menor será a vazão disponível. As alternativas para compensar essa redução de vazão são: i) aumentar o período de bombeamento (se for possível), ii) modificar o sistema de bombeamento, colocando uma nova bomba em paralelo ou substituindo o conjunto existente por novas bombas (caso a classe de pressão das tubulações existentes permitam), iii) proceder à limpeza da superfície interna da tubulação (se for possível), iv) substituir a tubulação existente por uma nova. Este estudo apresenta um levantamento da evolução de coeficientes de perda de carga aplicados à equação de Darcy-Weisbach. Os estudos foram baseados em dados existentes na literatura, referentes aos coeficientes de Hazen-Williams. Ao final pode-se estimar o momento mais oportuno para a limpeza da tubulação (caso seja possível) ou para a substituição da mesma. PERDAS DE CARGA Sabe-se que as perdas de carga que ocorrem nas tubulações são classificadas como contínuas e localizadas. Elas são devidas ao movimento da água na tubulação e às singularidades e peças especiais de uma instalação, respectivamente. As principais grandezas que influenciam a determinação destas perdas são: o comprimento da tubulação L, em m; a velocidade média do escoamento V, em m/s; o diâmetro da tubulação, em m; o coeficiente de atrito. A perda de carga contínua pode ser determinada através da equação sugerida por Darcy-Weisbach, também conhecida como fórmula Universal, ou através de equações experimentais. A escolha da equação a ser utilizada para o dimensionamento da tubulação deve ser feita observando as limitações e os intervalos de aplicação de cada uma. As equações experimentais normalmente só se aplicam ao líquido em que foram ensaiadas, a temperaturas semelhantes, uma vez que não incluem termos relativos às propriedades físicas do fluido (Vennard, 1963 e Netto 1998). A expressão Universal é aplicável aos problemas de escoamento de qualquer líquido em tubulações, entretanto a determinação da rugosidade real da tubulação pode acarretar imprecisões nos resultados. Deve-se considerar que a determinação do coeficiente f somente pode ser feita a partir da medição da rugosidade interna, o que não se constitui em uma tarefa trivial. Dessa forma não é comum se considerar o envelhecimento da tubulação e possíveis incrustações e tuberculização. Equação Universal A equação Universal, utilizada para a determinação da perda de carga contínua, nos tubos de seção circular, é apresentada na equação 1: h f 8 f L Q² = π ² 5 g D (1) Onde: h f = perda de carga (m); L = comprimento da tubulação (m); D = diâmetro (m); Q = vazão (m 3 /s); g = aceleração da gravidade (m/s²); f = coeficiente de perda de carga. O coeficiente de perda de carga f é um adimensional que depende basicamente do regime de escoamento. Para o escoamento laminar (Re<2000), a perda de carga unitária pode ser obtida através da equação 2, de Hagen-Poiseuille: 32υU J = 2 gd (2) Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 2

3 Onde: J = perda de carga unitária (m/m); υ = viscosidade cinemática do fluido (m²/s); U = velocidade média (m/s); D = diâmetro (m); g = aceleração da gravidade (m/s²). Comparando a equação acima com a formulação Universal de perda de carga, obtém-se a equação 3, que mostra a dependência do número de Reynolds (Re=UD/υ) para a determinação do coeficiente f. 64 f = Re (3) No escoamento turbulento (Re>4000), o escoamento tem comportamento diferente em tubos lisos e rugosos. Equações foram desenvolvidas para a determinação do coeficiente de perda de carga f para os dois tipos de tubos. Entretanto, C.F. Colebrook propôs uma equação semi-empírica que pode ser utilizada na determinação do coeficiente f para ambas as situações: 1 e 2,51 = 2log + f 3, 7 D Re f (4) Onde: f = coeficiente de perda de carga; e = rugosidade interna da parede do tubo (m); Re = número de Reynolds; D = diâmetro (m). Diagramas baseados na equação desenvolvida por Colebrook foram criados para facilitar a determinação do coeficiente f. Estes diagramas são de grande utilidade na determinação da solução dos problemas de escoamento em tubos (Netto, 1998). Os diagramas mais utilizados são os desenvolvidos por Rouse e Moody, apresentado na Figura 1: Figura 1: Diagrama de Moody (Netto, 1998). Equações Empíricas Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 3

4 Devido à complexidade dos cálculos (final do século XIX e início do século XX) sem o auxílio de calculadora ou computador, diversos pesquisadores desenvolveram equações empíricas e propuseram tabelas para auxiliar a resolução de problemas de escoamento em tubos. A equação empírica mais utilizada é a de Hazen-Williams, consagrada por ser de simples utilização e por apresentar bons resultados: 1,85 10,643 Q L hf = 1,85 4,87 C D (5) Onde: h f = perda de carga (m); L = comprimento da tubulação (m); D = diâmetro (m); Q = vazão (m 3 /s); g = aceleração da gravidade (m/s²); C = coeficiente adimensional. Esta equação se aplica para tubos com diâmetros maiores que 50 mm. O coeficiente C é função do material e da rugosidade da parede do tubo, além das condições do fluido transportado. Os valores deste coeficiente foram obtidos experimentalmente para vários materiais e condições de uso das tubulações e posteriormente tabelados, facilitando assim, a escolha desse coeficiente e a determinação da perda de carga. AVALIAÇÃO DO ENVELHECIMENTO DA TUBULAÇÃO Todas as estruturas físicas estão sujeitas ao fenômeno do envelhecimento. Este pode se revelar pela redução da resistência mecânica, pela modificação da coloração da superfície, pelo aumento da rugosidade superficial entre outras. No caso das tubulações em geral, após algum tempo, os tubos vão se tornando mais rugosos em conseqüência de efeitos da corrosão ou da incrustação nas paredes internas (Vennard, 1963). Nas investigações realizadas por Hazen e Williams o envelhecimento da tubulação foi considerado a partir da adoção de um coeficiente C que permite considerar a variação na rugosidade da tubulação em função de seu tempo de uso. Sabe-se também que o aumento da rugosidade depende da qualidade da água que é conduzida. Águas muito agressiva tendem a provocar um aumento dessa rugosidade, da mesma forma águas com elevada quantidade de material abrasivo em suspensão podem causar um desgaste elevado na superfície, principalmente nas partes inferiores da tubulação. No caso da existência de material abrasivo (areia) pode-se contornar parte do problema mediante a utilização de desarenadores no sistema. Já no caso da agressividade da água, o problema é mais difícil de ser contornado. Devido a estes fatores (que podem ser variáveis ao longo do tempo) é difícil se obter uma equação que correlacione o aumento da rugosidade em função do tempo. Alguns autores apresentam relatos de levantamentos efetuados a partir de pesquisas de campo que podem ser utilizado (com reservas devido ao exposto anteriormente). A tabela 1 apresenta os valores do coeficiente C da equação de Hazen-Williams para algumas idades e diferentes diâmetros da tubulação. A equação de Darcy-Weisbach não possui limites de aplicação para as tubulações condutoras de água, devendo então ser preferencialmente utilizada. Porém deve-se conhecer a rugosidade interna devido ao fenômeno de envelhecimento da tubulação. Entretanto o trabalho de acompanhamento da evolução dessa rugosidade é extremamente difícil e oneroso, pois implica em medições de campo e em paradas do sistema de bombeamento. Além disso, devem-se levar em consideração as dificuldades relativas à inserção de equipamentos dentro de tubulações de diâmetros pequenos (de até 50 mm). No sentido de se evitar esse esforço de acompanhamento da rugosidade interna das tubulações desenvolveu-se uma metodologia para determinação destes coeficientes de perda de carga a partir das investigações de Hazen-Williams. Apesar das limitações dessa metodologia ela se mostra bastante útil e pode ser calibrada a partir de dados de campo, que podem ser levantados ao longo de uma campanha de monitoramento das perdas de carga no sistema. A determinação da relação entre os coeficientes de perda de carga das equações de Darcy-Weisbach e Hazen- Williams pode ser obtida igualando-as, como apresentado na equação 6: Tabela 1: Valores do coeficiente C para tubos de ferro fundido sem revestimento interno. D (mm) Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 4

5 Anos * (*) Para tubulações muito bem executadas e com tubos de boa qualidade. Fonte: Adaptado de (Netto,1998). f 1,85 1,638 π g = 1,85 0,02 C D U 0,15 (6) Os coeficientes de perda de carga f da equação de Darcy-Weisbach foram obtidos através da relação apresentada acima, dos coeficientes da equação de Hazen-Williams mostrados na tabela 1 e para velocidades variando de 0,2 a 3,0 m/s. Para velocidades de escoamento de 2,0 m/s, foram plotados, para cada idade da tubulação, os coeficientes f obtidos em função do diâmetro da tubulação, conforme Figura 2. 0,080 0,070 0,060 0,050 f 0,040 0,030 0,020 0,010 0, Diâmetro (mm) 50 anos 45 anos 40 anos 35 anos 30 anos 25 anos 20 anos 15 a nos 10 a nos 5 anos 0 Figura 2: Gráfico de f X diâmetro da tubulação para diferentes tempos de utilização dos tubos (até 1500 mm). Adicionando linhas de tendência de potência, que melhor se adaptam às curvas, obtêm-se equações para cada uma destas, com coeficiente de determinação R² variando entre 0,858 e 1. Através das equações, é possível determinar o coeficiente de perda de carga f para diferentes diâmetros em função do tempo de utilização da Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 5

6 tubulação. Analisando a figura 2, conclui-se que, durante a vida útil da tubulação, há uma elevação significativa do coeficiente de perda de carga f. ESTUDO DE CASO O estudo de caso será efetuado tomando-se como exemplo uma instalação elevatória com uma vazão de 70 l/s, suficiente para abastecer um sistema com habitantes. O tempo de bombeamento inicialmente projetado é de 8 horas e o desnível entre a tomada d água e a estação de tratamento é de 50 metros. Considerou-se a tubulação forçada com 1500 m de comprimento e diâmetro de 200 mm, com coeficiente de perda de carga f igual a 0,013 e perda de carga (considerando-se apenas o trecho de recalque) de 24 metros A potência do conjunto moto bomba é de 110 cv. A tarifa de energia considerada é de R$/MWh 220,00. Essa instalaçao possui tempo de retorno igual a 20 anos e taxa de interesse de 12% ao ano. A figura 3 apresenta um desenho esquemático da instalação proposta. 480,00 Q=70 l/s t = 8 h h = 50 m D = 200 mm f = 0,013 h f = 24 m L = 1500 m P = 110 cv η = 65% (considerado constante) 430,00 Figura 3: Esquema da instalação elevatória equipada com um conjunto moto bomba. A avaliação das perdas oriundas do envelhecimento da tubulação forçada dessa instalação será baseada nas características de aumento do fator de perda de carga f apresentadas na tabela 1. Para este estudo de caso optou-se por uma simplificação que consiste em se adotar a vazão de cálculo sendo bombeada por um único conjunto moto bomba. A curva do sistema versus a curva da bomba é apresentada na figura 4. Tomando-se a equação 7 para calcular a potência do conjunto moto bomba e adotando-se os valores de f pode-se calcular a perda de vazão ao longo dos anos. A figura 5 apresenta as curvas do sistema para vários períodos de funcionamento versus a curva da bomba. Os resultados da simulação para esse sistema são mostrados na tabela 2. 9,81* Q *( hg + h) P = (7) η onde: P = Potência da instalação em kw; Q = Vazão em m 3 /s; h g = altura geométrica em m; h = perda de carga em m; η = rendimento da instalação. Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 6

7 120,0 100,0 altura de recalque (m) 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 0 0,005 0,01 0,015 0,02 0,025 0,03 0,035 0,04 0,045 0,05 vazão (m 3 /s) 0,055 0,06 0,065 0,07 0,075 0,08 Figura 4: Curva do conjunto moto-bomba X sistema. 120,0 altura de recalque (m) 100,0 80,0 60,0 40,0 curva do sistema ano 0 curva do sistema ano 5 curva do sistema ano 10 curva do sistema ano 15 curva do sistema ano 20 curva do sistema ano 25 curva do sistema ano 30 curva da bomba 20,0 0,0 0,000 0,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0,060 0,070 0,080 vazão (m 3 /s) Figura 5: Curva do conjunto moto-bomba X sistema do ano 0 ao ano 30. Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 7

8 ano de operação Tabela 2: Impacto da elevação da perda de carga no custo da energia de bombeamento de uma instalação elevatória. 0 0,013 24,0 0, , ,014 25,0 0, ,0015 0,6 10 0,015 26,0 0, ,0035 1,4 15 0,017 27,5 0, ,0050 2,1 20 0,020 29,0 0, ,0085 3,5 25 0,022 31,0 0, ,0100 4,1 30 0,024 33,0 0, ,0120 4,9 continuação ano de operação valor de f tempo necessário para completar a vazão demandada perda de carga (m) energia complementar (kwh / ano) vazão bombeada em 8 horas (m 3 /s) custo de energia complementar energia consumida (kwh/ano) acréscimo no consumo anual de energia déficit de vazão (l/s / hora) custo da energia no quinquênio (R$) tempo necessário para completar a vazão demandada (horas / dia) valor presente (20 anos de análise, 12 % ao ano) (R$) (horas / ano) (R$/ano) , , ,45 8% , , , , ,01 18% , , , , ,87 26% , , , , ,44 42% , , , , ,71 51% , , , , ,01 61% , ,94 1 R$ = 2,50 Euros (março de 2008) Pela análise da tabela 2 pode-se observar que o custo da energia complementar necessária para se manter a vazão média de 70 l/s para o abastecimento desse pequeno sistema elevatório é crescente e alcança valores bastante significativos. Esta tubulação deve sofrer uma intervenção (limpeza da tubulação e tratamento superficial ou substituição) no sentido de retornar a perda de carga a valores próximos aos do ano zero. A reabilitação da tubulação deve ser feita no momento que o custo de energia complementar for igual ou maior ao custo da intervenção. Pelo fato do diâmetro dessa tubulação ser pequeno (200 mm) é possível que seja necessário se proceder à troca da tubulação por uma outra nova. CONCLUSÕES A identificação dos custos incrementais de bombeamento de água mostra que o crescimento do consumo de energia pode chegar a até 61 % em 30 anos. Além disso, o valor presente para a energia complementar pode alcançar um montante de até R$ ,94 (30 anos) ou aproximadamente ,00 Euros. Dessa forma fica evidente que se deve avaliar a pertinência de uma limpeza periódica ou até mesmo da substituição da tubulação quando a limpeza for tecnicamente inviável. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Carvalho, D.F., (1982). Usinas hidroelétricas. Turbinas. Belo Horizonte, FUMARC/UCMG, Venard, J.K., (1963) - Elementary fluid mechanics 4th ediction. New York, John Wiley & Sons. Inc. Netto, J. M. A., (1998). Manual de hidráulica. 8.ª edição, Editora Edgard Blücher. Alterações climáticas e gestão da água e energia em sistemas de abastecimento e drenagem 8

FATOR C - RUGOSIDADE

FATOR C - RUGOSIDADE FATOR C - RUGOSIDADE Rugosidade é definida no caso particular das tubulações, aquela que tem uma anomalia interna, representada por protuberâncias, rugas ou ainda crateras em sua estrutura interna natural

Leia mais

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO

HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO HIDRODINÂMICA CONDUTOS SOB PRESSÃO CONDUTOS SOB PRESSÃO Denominam-se condutos sob pressão ou condutos forçados, as canalizações onde o líquido escoa sob uma pressão diferente da atmosférica. As seções

Leia mais

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ Escoamento em Condutos Forçados Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ CONCEITO São aqueles nos quais o fluido escoa com uma

Leia mais

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das

ε, sendo ε a rugosidade absoluta das DETERMINAÇÃO DAS PERDAS DE CARGA No projeto de uma instalação de bombeamento e da rede de distribuição de água de um prédio, é imprescindível calcular-se a energia que o líquido irá despender para escoar

Leia mais

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q:

A Equação 5.1 pode ser escrita também em termos de vazão Q: Cálculo da Perda de Carga 5-1 5 CÁLCULO DA PEDA DE CAGA 5.1 Perda de Carga Distribuída 5.1.1 Fórmula Universal Aplicando-se a análise dimensional ao problema do movimento de fluidos em tubulações de seção

Leia mais

Perda de carga linear em condutos forçados

Perda de carga linear em condutos forçados Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Hidráulica Aplicada Perda de carga linear em condutos forçados Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

Perda de Carga e Comprimento Equivalente

Perda de Carga e Comprimento Equivalente Perda de Carga e Comprimento Equivalente Objetivo Este resumo tem a finalidade de informar os conceitos básicos para mecânicos e técnicos refrigeristas sobre Perda de Carga e Comprimento Equivalente, para

Leia mais

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução

ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS. 1. Introdução ESCOLHA DE BOMBAS CENTRÍFUGAS 1. Introdução Carlos Rogério de Mello 1 Tadayuki Yanagi Jr. 2 Com a evolução dos processos produtivos agrícolas, demonstrada principalmente pela presença cada vez maior da

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA Vladimir Caramori Josiane Holz Irene Maria Chaves Pimentel Guilherme Barbosa Lopes Júnior Maceió - Alagoas Março de 008 Laboratório

Leia mais

a) Em função da energia cinética:

a) Em função da energia cinética: AULA 04 PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS 4.1. Perdas locais, Localizadas ou Acidentais Ocorrem sempre que houver uma mudança da velocidade de escoamento, em grandeza ou direção. Este fenômeno sempre ocorre

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3 164 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 Raimundo Ferreira Ignácio 165 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 - Conceitos Básicos para o Estudo dos

Leia mais

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO Tal como nos sistemas de bombeamento de água, nos dutos de ventilação industrial carateriza-se o escoamento em função do número de Reynols. A queda de pressão em

Leia mais

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120

Departamento Formação Básica Engenharia Civil Disciplina. Matéria. Fenômenos de Transporte. Código. Carga Horária (horas-aula) 120 Departamento Curso Formação Básica Engenharia Civil Disciplina Código Fenômenos de Transporte BT1 Docentes José Gabriel França Simões (Prof. Responsável) Adriana L. S. Domingues Matéria Fenômenos de Transporte

Leia mais

DECRÉSCIMO DA ENERGIA DE PRESSÃO DEVIDO A INSTALAÇÃO DE CONEXÕES E PEÇAS ESPECIAIS NAS TUBULAÇÕES. Giuliani do Prado 1

DECRÉSCIMO DA ENERGIA DE PRESSÃO DEVIDO A INSTALAÇÃO DE CONEXÕES E PEÇAS ESPECIAIS NAS TUBULAÇÕES. Giuliani do Prado 1 DECRÉSCIMO DA ENERGIA DE PRESSÃO DEVIDO A INSTALAÇÃO DE CONEXÕES E PEÇAS ESPECIAIS NAS TUBULAÇÕES Giuliani do Prado 1 1. Professor Doutor, Universidade Estadual de Maringá, Cidade Gaúcha, Brasil (gprado@uem.br)

Leia mais

Perda de carga. Manuel F. Barral

Perda de carga. Manuel F. Barral Perda de carga Manuel F. Barral 1. Escoamentos em Dutos Sob-Pressão 1.1. Perda de Carga 1.1. Perda de Carga 1.. Perda de Carga Distribuída 1.. Perda de Carga Distribuída Material Rugosidade absoluta ε(mm)

Leia mais

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Permeabilidade dos Solos. Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Permeabilidade É a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento de água através dele. (todos os solos são mais ou menos permeáveis)

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s

Kcr = número crítico de Reynolds Vcr = Velocidade crítica, m/s D = Diâmetro do tubo, m ʋ = Viscosidade cinemática, m²/s 1/5 NÚMERO DE REYNOLDS O número de Reynolds, embora introduzido conceitualmente em l851 por um cientista da época, tornou-se popularizado na mecânica dos fluidos pelo engenheiro hidráulico e físico Irlandes,

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos

Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Mecânica dos Fluidos Fundamentos da Cinemática dos Fluidos Prof. Dr. Gabriel L. Tacchi Nascimento O que estuda a Cinemática? A cinemática dos fluidos estuda o movimento dos fluidos em termos dos deslocamentos,

Leia mais

Velocidades Ideias de Escoamento de Fluido Hidráulico em Tubulações e Dutos de Manifolds

Velocidades Ideias de Escoamento de Fluido Hidráulico em Tubulações e Dutos de Manifolds Forum MDA South America Velocidades Ideias de Escoamento de Fluido Hidráulico em Tubulações e Dutos de Manifolds Autor: Eng Waldir Vianna Junior Co-Autor: Luiz Roberto Campelo Junior Jarinu São Paulo -

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS

SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS João Ferreira Almeida 1 ; Antonio Comunello Accorsi 2 Resumo Em um sistema de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - Departamento de Engenharia de Minas Pós-Graduação Lato Sensu em Beneficiamento Mineral

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - Departamento de Engenharia de Minas Pós-Graduação Lato Sensu em Beneficiamento Mineral UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas - Departamento de Engenharia de Minas Pós-Graduação Lato Sensu em Beneficiamento Mineral FELIPE AUGUSTO TETZL ROCHA BOMBEAMENTO DE POLPA E O FATOR DE

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 6

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 6 359 Curso Básico Mecânica dos Fluidos Curso Básico Mecânica dos Fluidos Unida 6 Raimundo Ferreira Ignácio 3 Unida 6 - Cálculo Perda Carga Unida 6 - Cálculo Perda Carga Objetivos 1. Mencionar a variação

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO

TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CURVA DA BOMBA E DO SISTEMA PARA O TRANSPORTE DE FLUIDO VISCOSO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

INDICADORES DE CONSUMO ENERGÉTICO ASSOCIADO AO MANEJO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS MINERARIOS

INDICADORES DE CONSUMO ENERGÉTICO ASSOCIADO AO MANEJO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS MINERARIOS INDICADORES DE CONSUMO ENERGÉTICO ASSOCIADO AO MANEJO DE ÁGUA EM EMPREENDIMENTOS MINERARIOS Marcelo Garcia Miranda Diniz¹; Francisco Eustáquio Oliveira e Silva¹; Flávia Alves Nascimento¹; Ana Paula Parenti

Leia mais

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil

NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil NOÇÕES DE HIDRÁULICA E MECÂNICA DOS FLUÍDOS Fonte: Jacuzzi do Brasil ÍNDICE 1. Introdução 2. Pressão 3. Pressão da água 4. Pressão atmosférica ou barométrica 5. Vazão 6. Velocidade 7. Trabalho 8. Potência

Leia mais

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões

ANÁLISE DIMENSIONAL. Grandezas básicas, unidades, dimensões ANÁLISE DIMENSIONAL A análise dimensional é uma ferramenta poderosa e simples para avaliar e deduzir relações físicas. A similaridade é um conceito diretamente relacionado, que consiste basicamente na

Leia mais

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE

LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA LABORATÓRIO - FENÔMENOS DE TRANSPORTE PROFESSORA ANDREZA KALBUSCH PROFESSORA

Leia mais

5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações

5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações 5. Perdas de Carga Localizadas em Canalizações Na prática as canalizações não são constituídas exclusivamente de tubos retilíneos e de mesmo diâmetro. Usualmente, as canalizações apresentam peças especiais

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ÁGUA E ESGOTO

REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ÁGUA E ESGOTO REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ÁGUA E ESGOTO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Coordenador de Pesquisa da Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da SABESP.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CONTROLE DA VAZÃO EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO DE ÁGUA USO DE VÁVULA E CONTROLE DE VELOCIDADE. Autor: João Batista de Azevedo Dutra Engenheiro Eletricista Engenharia Elétrica Consultoria

Leia mais

TGRHI Escoamentos em Pressão

TGRHI Escoamentos em Pressão Engenharia Agronómica TGRHI Escoamentos em Pressão Henriqueta Rocha Pinto Bibliografia de Apoio LENCASTRE A (1996) Hidráulica Geral. Hidroprojecto, Lisboa OLIVEIRA, I. (1993) Técnicas de Regadio. Tomo

Leia mais

Escoamentos Internos

Escoamentos Internos Escoamentos Internos Escoamento Interno Perfil de velocidades e transição laminar/turbulenta Perfil de temperaturas Perda de carga em tubulações Determinação da perda de carga distribuída Determinação

Leia mais

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que

V 2. 1.7 Perda de carga localizada (h L. Borda-Belanger formulou que 1.7 Perda de carga localizada (h L ) Borda-Belanger formulou que h L K l V 2 2g onde k L é um coeficiente de perda de carga localizada que é função do número de Reynolds e da geometria da peça. É obtido

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos:

3.12 Simulação de Experiência de Reynolds. Na execução desta experiência, evocamos os seguintes conceitos: 196 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos 3.12 Simulação de Experiência de Reynolds Além de simular a experiência de Reynolds, objetivamos mostrar uma das muitas possibilidades de construção de uma bancada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

SOFTWARE PARA SUPORTE HIDRÁULICO

SOFTWARE PARA SUPORTE HIDRÁULICO 8 a 20 de outubro de 2000 Vila Velha Palace Hotel SOFTWARE PARA SUPORTE HIDRÁULICO Autor(es) Leandro Andrade Email: landrade@lavras.br Vínculo: Mestrando em Engenharia Agrícola (Irrigação e Drenagem) Capes/UFLA

Leia mais

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA:

SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO 1 DATA DE ENTREGA: 05/10/2015 1. Objetivo A expansão do sistema de abastecimento de

Leia mais

Máquinas Hidráulicas

Máquinas Hidráulicas Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Hidráulica Geral (ESA024) CAPÍTULO IV: Máquinas Hidráulicas Dezembro 2012 1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Objetivos do capítulo: Máquinas

Leia mais

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO

HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO HIDRÁULICA BÁSICA RESUMO Antonio Marozzi Righetto 1. Hidráulica é o ramo da ciência que trata das condições físicas da água em condições de repouso e em movimento. 2. Um volume de água aprisionado em um

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm.

O trecho do recalque, relativo à sa ída das bombas, terá diâmetro de 300 mm. 1 CONCEPÇÃO DE PROJETO A nova elevatória de água bruta do Sistema Hermínio Ometto terá como concepção básica a interligação dos quatro conjuntos elevatórios em um barrilete comum para operação de um, dois

Leia mais

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina

Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Módulo 8: Conteúdo programático Eq. da Energia com perda de carga e com máquina Bibliografia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Prentice Hall, 007. Equação da Energia em Regime Permanente com

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM. Palavras-Chave - microrreservatórios, controle na fonte, macrodrenagem

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM. Palavras-Chave - microrreservatórios, controle na fonte, macrodrenagem EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM Rutinéia Tassi 1 e Adolfo O. N. Villanueva1 1 1 Instituto de Pesquisas Hidráulicas da UFRGS Caixa Postal 15029, CEP 91501-970, Porto Alegre/RS - Brasil.

Leia mais

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA Representa a maior resistência térmica, principalmente se or um gás ou óleo. Quando um luido viscoso entra em um duto se

Leia mais

DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE

DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA HIDRÁULICA APLICADA AD 0195 Prof. Raimundo Nonato Távora Costa DIMENSIONAMENTO ECONÔMICO DE ADUTORAS OU LINHAS DE RECALQUE 01. INTRODUÇÃO:

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE REDES COM A UTULIZAÇÃO DE PIG S RASPADORES, UMA SOLUÇÃO A OPERAÇÃO DE REDES DE ABASTECIMENTO

RECUPERAÇÃO DE REDES COM A UTULIZAÇÃO DE PIG S RASPADORES, UMA SOLUÇÃO A OPERAÇÃO DE REDES DE ABASTECIMENTO RECUPERAÇÃO DE REDES COM A UTULIZAÇÃO DE PIG S RASPADORES, UMA SOLUÇÃO A OPERAÇÃO DE REDES DE ABASTECIMENTO Robson Fontes da Costa (1) RESUMO - As operações das redes de abastecimento de água requerem

Leia mais

Mecânica dos Fluidos para Engenharia Química. Primeira aula 10/02/2009

Mecânica dos Fluidos para Engenharia Química. Primeira aula 10/02/2009 Mecânica dos Fluidos para Engenharia Química Primeira aula 10/02/2009 Só se alcança o sucesso através da felicidade e não dá para ser feliz fazendo o que não se gosta. Outro aspecto importante para o sucesso

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA LABORATÓRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HIDRÁULICA EM SANEAMENTO ATIVIDADES DESENVOLVIDAS João Pessoa, 26 de julho de 2007 Prof. Heber Pimentel Gomes

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR

ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO À TEMPERATURA, UTILIZANDO-SE UM VISCOSÍMETRO CAPILAR I CIMMEC 1º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 8 A 10 DE OUTUBRO DE 008 Rio de janeiro, Brasil ABORDAGEM METROLÓGICA NO ESTUDO DA VARIAÇÃO DA VISCOSIDADE DE BIODIESEL DE SOJA COM RELAÇÃO

Leia mais

MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2: SIMULAÇÕES NUMÉRICAS

MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE 2: SIMULAÇÕES NUMÉRICAS MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS... 87 MODELO HÍBRIDO MOC-EPANET PARA ANÁLISE HIDRÁULICA DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PARTE : SIMULAÇÕES NUMÉRICAS Alexandre Kepler Soares

Leia mais

Noções de Hidráulica

Noções de Hidráulica Noções de Hidráulica 1- INTRODUÇÃO - PRESSÃO - PRESSÃO DA ÁGUA 4- PRESSÃO ATMOSFÉRICA OU BAROMÉTRICA 5- VAZÃO 6- VELOCIDADE 7- TRABALHO 8- POTÊNCIA 9- ENERGIA 10- RENDIMENTO 11- CONSERVAÇÃO DA ENERGIA

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580

ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 COORDENAÇÃO DO LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL ROTEIRO DE EXPERIMENTOS ENG1580 LABORATÓRIO DE FENÔMENOS DE TRANSPORTE EXPERIMENTAL PROFESSORES: MARCELO TSUYOSHI HARAGUCHI NAZARENO FERREIRA

Leia mais

VAZAMENTOS CALCULADOS: UMA ANÁLISE FÍSICA

VAZAMENTOS CALCULADOS: UMA ANÁLISE FÍSICA VAZAMENTOS CALCULADOS: UMA ANÁLISE FÍSICA Mauricio Oliveira Costa (mauricio@tex.com.br) 2.009 RESUMO A proposta deste artigo consiste em apresentar uma análise sob a ótica da Física e Matemática sobre

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL Adson Bezerra Moreira, Ricardo Silva Thé Pontes, Davi Nunes Oliveira, Vanessa Siqueira de Castro Teixeira, Victor de Paula Brandão Aguiar 3. Curso

Leia mais

Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água

Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água Adutoras Adutoras em Sistemas de Abastecimento de Água Adutoras são canalizações dos sistemas de abastecimento e destinam-se a conduzir água entre as unidades que precedem à rede distribuidora. Adutoras

Leia mais

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS Nome: n o MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS - OBJETIVO Consolidar o conceito de perda de carga a partir do cálculo das perdas localizadas em uma tubulação. - PERDA DE CARGA LOCALIZADA Na prática,

Leia mais

APRESETAÇÃO E SÍNTESE

APRESETAÇÃO E SÍNTESE Estudo do Pitot Ver 4 APRESETAÇÃO E SÍNTESE O artigo Tubo de Pitot, calibrar ou não calibrar, tem por finalidade demonstrar de maneira Teórica, Estatística e Prática, a não necessidade de enviar seu tubo

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior Recomendações para o Projeto e Dimensionamento Profª Gersina N.R.C. Junior Vazão; Recomendações Para Projeto Principais recomendações que o projetista deve observar: Diâmetro mínimo; Lâmina d água máxima;

Leia mais

GLÁUCIO FERREIRA LOUREIRO GRAFICBOMB: SOFTWARE PARA CÁLCULOS HIDRÁULICOS E CUSTOS DE BOMBEAMENTO

GLÁUCIO FERREIRA LOUREIRO GRAFICBOMB: SOFTWARE PARA CÁLCULOS HIDRÁULICOS E CUSTOS DE BOMBEAMENTO GLÁUCIO FERREIRA LOUREIRO GRAFICBOMB: SOFTWARE PARA CÁLCULOS HIDRÁULICOS E CUSTOS DE BOMBEAMENTO LAVRAS - MG 2013 GLÁUCIO FERREIRA LOUREIRO GRAFICBOMB: SOFTWARE PARA CÁLCULOS HIDRÁULICOS E CUSTOS DE BOMDEAMENTO

Leia mais

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE

DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE REFERÊNCIA ASSUNTO: DIRETRIZES DE PROJETO DE HIDRÁULICA E DRENAGEM DATA DP-H13 DIRETRIZES DE PROJETO PARA COEFICIENTE DE RUGOSIDADE -309- ÍNDICE PÁG. 1. OBJETIVO... 311 2. RUGOSIDADE EM OBRAS HIDRÁULICAS...

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL

CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 CARACTERIZAÇÃO DAS CURVAS DE POTÊNCIA DE UM VENTILADOR DE FLUXO AXIAL Rangel S. Maia¹, Renato

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL

ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DATA: FEV/2011 1 de 10 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NORMAS E ESPECIFICAÇÕES... 3 3. SISTEMAS

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 10 Escoamento Laminar e Turbulento Tópicos Abordados Nesta Aula Escoamento Laminar e Turbulento. Cálculo do Número de Reynolds. Escoamento Laminar Ocorre quando as partículas de um fluido movem-se

Leia mais

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd)

5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) AULA 4 para ter acesso às tabelas e ábacos de cálculo 5. Cálculo da Perda de Carga (hf) e da Pressão dinâmica (Pd) Cálculo da Perda de Carga - Exemplo Calcular a perda de carga do trecho

Leia mais

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica

Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica Pressão Estática, de Estagnação e Dinâmica p V gz cte p 1 V z cte A pressão p que aparece na equação de Bernoulli é a pressão termodinâmica, comumente chamada de pressão estática. Para medirmos p, poderíamos

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br

Viscosimetria de soluções diluídas. Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br de soluções diluídas Ricardo Cunha Michel sala J-210 e J-126 (LAFIQ) 3938-7228 rmichel@ima.ufrj.br Viscosidade em líquidos * A viscosidade pode ser descrita como sendo a resistência que o fluido impõe

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO

DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM SUSPENSÃO Revista Ceciliana Dez 2(2): 1-5, 2010 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE DINÂMICA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO DE SÓLIDOS EM

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE a 4 de agosto de 005 Belém Pará Brasil Código: BEL 4 7835 Tópico: Eficiência Energética na Indústria PROBLEMAS DE QUALIDADE DA ENERGIA E SUA INFLUÊNCIA NO RENDIMENTO DE SISTEMAS MOTRIZES INDUSTRIAIS

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Estudo de Caso: Substituição do sistema de controle de vazão de um insuflador de ar em túneis de um sistema de transporte de pessoas sobre trilhos. OBJETIVO:

Leia mais

HIDRODINÂMICA. Um escoamento uniforme é um movimento permanente no qual a velocidade é constante ao longo de cada trajetória.

HIDRODINÂMICA. Um escoamento uniforme é um movimento permanente no qual a velocidade é constante ao longo de cada trajetória. 1 HIDRODINÂMICA CONCEITUAÇÃO Um escoamento uniforme é um movimento permanente no qual a velocidade é constante ao longo de cada trajetória. A trajetória de uma partícula é o lugar geométrico dos pontos

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Associação em série de bombas

Associação em série de bombas Associação em série de bombas Em algumas aplicações, como por exemplo, por condições topográficas ou por qualquer outro motivo, um sistema poderá exigir grandes alturas manométricas, que em alguns casos,

Leia mais

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO 1. INTRODUÇÃO APLICAÇÃO DAS TARIFAS ENERGÉTICAS EM SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO CARLOS ROGERIO DE MELLO 1 JACINTO DE ASSUNÇÃO CARVALHO 2 1. INTRODUÇÃO O consumo de energia elétrica no Brasil é cada vez maior, por ser fruto

Leia mais

O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais

O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais Lucien Gormezano, EEM Leo Kunigk, EEM Rubens Gedraite, EEM 1 Introdução O gerenciamento de um projeto industrial abrange diversas

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 7

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 7 410 Unidade 7 - Projeto de uma Instalação Hidráulica Básica Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 7 Raimundo Ferreira Ignácio 411 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 7 - Projeto de uma

Leia mais

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS

MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS S CALHA PARSHALL REV 0-2012 MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS 1- INTRODUÇÃO O medidor Parshall desenvolvido pelo engenheiro Ralph L. Parshall, na década de 1920, nos Estados Unidos, é uma melhoria realizada

Leia mais

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE FILTROS RÁPIDOS POR GRAVIDADE COM TAXA DECLINANTE VARIÁVEL

CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE FILTROS RÁPIDOS POR GRAVIDADE COM TAXA DECLINANTE VARIÁVEL CRITÉRIOS DE DIMENSIONAMENTO DE FILTROS RÁPIDOS POR GRAVIDADE COM TAXA DECLINANTE VARIÁVEL Renato Machado ( ) Engenheiro da Companhia Riograndense de Saneamento - CORSAN, Professor Adjunto do Departamento

Leia mais

MECÂNICA DE FLUIDOS (MFL)

MECÂNICA DE FLUIDOS (MFL) CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR MECÂNICA DE FLUIDOS (MFL) Volume II Dinâmica de Fluidos Prof. Carlos Boabaid Neto, M. Eng. 0 DINÂMICA DOS FLUIDOS O presente Volume

Leia mais

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica Dimensionamento Dimensionamento Área Coletora e Kit Instalação Aquecimento Auxiliar Tubulação Objetivos: 1 - Dimensionar área coletora e kit instalação 2 - Dimensionar aquecimento auxiliar 3 - Dimensionar

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS CÁLCULOS PARA SELEÇÃO DE BOMBA PARA SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS. Pedro Henrique A. I.

APRESENTAÇÃO DOS CÁLCULOS PARA SELEÇÃO DE BOMBA PARA SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS. Pedro Henrique A. I. APRESENTAÇÃO DOS CÁLCULOS PARA SELEÇÃO DE BOMBA PARA SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS Pedro Henrique A. I. de Souza Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Mecânica

Leia mais

MEDIDOR MAGNETICO DE VAZÃO. Figura 1 Gráfico de uma calibração

MEDIDOR MAGNETICO DE VAZÃO. Figura 1 Gráfico de uma calibração Página 1 de 14 MEDIDOR MAGNETICO DE VAZÃO O medidor magnético de vazão, hoje muito conhecido, desenvolvido e utilizado, tem como princípio, a indução eletromagnética, descoberta em 1831 por Michael Faraday.

Leia mais