JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE LONDRINA - PARANÁ 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE LONDRINA - PARANÁ 2010"

Transcrição

1 1 JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE LONDRINA - PARANÁ 2010

2 2 JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE Relatório Final de Estagio Obrigatório apresentado ao Curso de Ciência da Computação, no Departamento de Computação da Universidade Estadual de Londrina, como requisito para a obtenção do título de Bacharel, sob orientação do Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros. LONDRINA - PARANÁ 2010

3 3 JOSÉ ANDRÉ DORIGAN FERRAMENTA PARA GERÊNCIA DE TESTES EM SOFTWARE Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros Universidade Estadual de Londrina Prof. Dr. Mario Lemes Proença Jr. Universidade Estadual de Londrina Prof. Ms. Elieser Botelho Manhas Jr. Universidade Estadual de Londrina

4 4 RESUMO Este estágio propõe o desenvolvimento de uma ferramenta que facilite a documentação e o relatório dos testes executados em softwares, ou seja, uma ferramenta de Gerenciamento de Testes. Com o conceito de Web App, essa ferramenta tem por objetivo trocar os documentos preenchidos em papel quando uma atividade de teste é encerrada por uma interface visual simples, com o propósito de facilitar a descrição, documentação, consulta, recuperação e o relatório dos testes. Vale ressaltar que este projeto faz parte de um projeto maior que visa o desenvolvimento de um conjunto de ferramentas de apoio ao processo de desenvolvimento de software. Palavras-Chaves: Gerenciamento de Testes, Web App, ADS, EJB.

5 5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS MYECLIPSE ENTERPRISE JAVABEANS JBOSS APPLICATION SERVER 5.1(JBOSS AS) JDK RICHFACES POSTGRESQL O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO CASOS DE USO ESPECIFICAÇÃO DE CASO DE USO: <MANTER TESTES> Descrição Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface ESPECIFICAÇÃO DE CASO DE USO: <MANTER CASO DE TESTES> Descrição Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface ESPECIFICAÇÃO DE CASO DE USO: <MANTER PROCEDIMENTOS DE TESTE> Descrição Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface ESPECIFICAÇÃO DE CASO DE USO: <MANTER RELATÓRIO RESUMIDO>... 35

6 Descrição Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface ESPECIFICAÇÃO DE CASO DE USO: <MANTER HISTÓRICO> Descrição Fluxo Básico Fluxos Alternativos Requisitos especiais Precondições Pós-condições Pontos de Extensão Local View Definição dos atributos Protótipo da Interface DIAGRAMAS DIAGRAMA DE ARQUITETURA DIAGRAMA DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE CLASSES DIAGRAMA DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO RELATÓRIO DE TESTES HISTÓRICO DA REVISÃO INTRODUÇÃO Ambiente CRITÉRIOS DE COMPLETEZA ESPECIFICAÇÃO DOS TESTES Procedimentos de teste CASOS DE TESTE E INCIDENTES DOS TESTES Página Teste Página Caso de Teste Página Relatório Resumido Página Histórico RELATÓRIO RESUMIDO DOS TESTES CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA... 57

7 7 LISTA DE FIGURAS Figura 3.1: Processo de Desenvolvimento Figura 3.2: Interface Figura 3.3: Interface Figura 4.1: Diagrama dos Casos de Uso Figura 4.2: Local View Figura 4.3: Protótipo de Interface Figura 4.4: Local View Figura 4.5: Protótipo de Interface Figura 4.6: Local View Figura 4.7: Protótipo de Interface Figura 4.8: Local View Figura 4.9: Protótipo de Interface Figura 4.10: Local View Figura 4.11: Protótipo de Interface Figura 5.1: Arquitetura Web Figura 5.2: Diagrama de Atividades 1... Anexo Figura 5.3: Diagrama de Classes 1... Anexo Figura 5.4: Diagrama ER

8 8 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1: Definição dos Atributos Tabela 4.2: Definição dos Atributos Tabela 4.3: Definição dos Atributos Tabela 4.4: Definição dos Atributos Tabela 4.5: Definição dos Atributos Tabela 6.1: Histórico da Revisão Tabela 6.2: Ambiente Tabela 6.3: Critérios de Completeza Tabela 6.4.1: Procedimentos de teste Tabela 6.4.2: Procedimentos de teste Tabela 6.4.3: Procedimentos de teste Tabela 6.4.4: Procedimentos de teste Tabela 6.4.5: Procedimentos de teste Tabela 6.4.6: Procedimentos de teste Tabela 6.4.7: Procedimentos de teste Tabela 6.4.8: Procedimentos de teste Tabela 6.4.9: Procedimentos de teste Tabela : Procedimentos de teste Tabela : Procedimentos de teste Tabela : Procedimentos de teste

9 9 LISTA DE ABREVIATURAS Web App Web Aplication IEEE - Institute of Electrical and Electronics Engineers STE Software Testing Enviroments IDE Integrated Development Environment J2EE Java 2 Enterprise Edition JSF Java Server Faces TI Tecnologia da Informação EJB Enterprise Java Beans API Application Programming Interface ORM Object Relational Mapping POJO Plain Old Java Object JVM Java Virtual Machine JDK Java Development Kit SGBDOR Sistema Gerenciador de Banco de Dados Objeto Relacional WBS Work Breakdown Structure ADS Ambiente de Desenvolvimento de Software GPL General Public License PMBOK Project Management Body of Knowledge MPS-BR Modelo de Processo de Software Brasileiro HTML HyperText Markup Language CSS Cascading Style Sheets XML Extensible Markup Language

10 10 1 INTRODUÇÃO Atualmente, a busca pela melhoria do processo de software se tornou algo primordial para que empresas desenvolvam produtos com qualidade e dentro de padrões pré-definidos, facilitando modificações futuras. A área de Testes de Softwares é fundamental neste processo de desenvolvimento. Além de utilizar métodos para comprovar que os requisitos especificados previamente foram cumpridos, e os requisitos não especificados não constam no software, os testes ajudam o desenvolvedor a mensurar a qualidade de um software baseando-se no número de defeitos encontrados. Como em qualquer outra área, os testes necessitam ser criados, documentados e apresentar a possibilidade de relatar erros encontrados durante a aplicação. Existem alguns modelos para a documentação, como o IEEE Standard for Software Test Documentation [3], criado pela IEEE Computer Society, que traz uma lista de documentos básicos para testes de softwares. No desenvolvimento de software é necessário criar soluções tecnológicas utilizando como base os requisitos que o cliente apresenta. A Engenharia de Software preocupa-se em tratar todos os requisitos para que o projeto obtenha a melhor qualidade possível, dentro de prazos controlados e com custos compatíveis com o mercado [4]. São necessárias melhorias neste cenário, como por exemplo, a automatização de algumas fases do desenvolvimento acarretando ganho de desempenho e aumento da qualidade. Segundo [6], a qualidade do produto final em um desenvolvimento de software depende dos métodos, técnicas e ferramentas que o desenvolvedor usa. Uma escolha mal feita destes pode afetar não só a qualidade como também o custo do projeto. Por este motivo é de grande importância que projetos sejam feitos obedecendo a padrões e métricas. Existem estágios definidos no desenvolvimento, em [2] o primeiro estágio de um desenvolvimento de software envolve a elaboração de uma proposta para executar o projeto. A proposta descreve os objetivos do projeto e como ele será realizado. Em geral inclui também estimativas de custo e programação. Um

11 11 gerenciamento eficaz de um projeto de software depende de um planejamento acurado do andamento do projeto. Ainda sobre o desenvolvimento, podemos citar [8] na questão que trata do modelo de qualidade de software, quando usamos um modelo podemos medir variáveis independentes mais cedo do que outras no ciclo de desenvolvimento, mas ainda precisaríamos medir as variáveis dependentes do processo. Para essas podem-se predizer seus valores baseando-se nas variáveis independentes dos módulos. Assim, com os modelos estatísticos podem-se estimar parâmetros para módulos similares baseando nas variáveis dependentes e independentes de cada um. A maioria dos projetos segue um cronograma de atividades chamado ciclo de vida. Os ciclos de vida diferem de um projeto para outro no número de iterações, fases, métodos de controle e número de protótipos criados. Ao final do ciclo de vida de um desenvolvimento de software encontra-se a fase de testes, que verifica se o sistema produzido está livre de erros de programação, lógica e se corresponde aos requisitos previamente especificados. Em [1] cita-se que, sobre vários aspectos, o teste é um processo independente e o número de tipos diferentes de testes varia tanto quanto as diferentes abordagens de desenvolvimento. Os testes em software podem ser separados em duas categorias: os que são baseados nas especificações funcionais dos sistemas (chamado de testes de black-box ou testes de caixa-preta), e os que são baseados nas estruturas internas dos sistemas (chamado de testes de white-box ou testes de caixa-branca), essas categorias são utilizadas levando em conta a área do sistema que deseja-se verificar erros[5]. A Verificação e Validação são nomes dados aos processos de verificação e análise que asseguram que o software cumpra com suas especificações e atenda às necessidades dos clientes que estão pagando por ele. A verificação e validação constituem um processo de ciclo de vida completo, começando com as revisões dos requisitos e continuando com as revisões do projeto e as inspeções de código até chegar aos testes dos produtos [2]. Alguns autores como [7], mostram que a evolução dos testes está sendo baseada em Software Testing Environments (STEs), consistindo em ambientes automatizados específicos para testes de softwares, buscando maior eficiência e aumento no número de capacidades dos testes.

12 12 Ainda que algumas empresas não possuam seu sistema de testes baseados em automação, é possível automatizar os documentos utilizados na aplicação dos testes e na documentação dos mesmos. Com isso conseguiríamos aumentar o desempenho, melhorar a qualidade e facilitar a execução da fase de testes de software. A ferramenta de Gerência de Testes em Software foi desenvolvida dentro da Fábrica de Software GAIA, dentro do Departamento de Computação, no Centro de Ciências Exatas (CCE) na Universidade Estadual de Londrina. Uma fábrica de software é uma organização que provê serviços de desenvolvimento de sistemas com alta qualidade, baixo custo e de forma rápida, utilizando um processo de desenvolvimento de software bem definido e tecnologia de ponta, além de algumas formas de feedback para reconhecer e lidar com oportunidades de melhoria do processo [15]. A Fábrica GAIA utiliza um processo de desenvolvimento baseado no Processo Unificado, iterativo e incremental [16], direcionado a casos de uso e centrado na arquitetura. Este trabalho está dividido da seguinte forma: no Capitulo 2 serão apresentados os conceitos utilizados no desenvolvimento da ferramenta, bem como os métodos utilizados, no Capitulo 3, será apresentado o modelo de Processo de Desenvolvimento utilizado. No Capitulo 4 serão apresentados os Casos de Uso da ferramenta desenvolvida, no Capitulo 5 serão apresentados os diagramas que compõem a documentação da ferramenta, no Capítulo 6 será apresentado o relatório dos testes executados para verificar a conformidade e a qualidade da ferramenta, e finalmente no Capítulo 7 serão apresentadas as considerações finais.

13 13 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Os procedimentos metodológicos apresentados a seguir têm como objetivo demonstrar todo o ambiente e ferramentas utilizadas desde a arquitetura até o processo final de testes e implementação. 2.1 MyEclipse 8.0 O MyEclipse 8.0[9] é uma IDE J2EE que foi construído sobre a plataforma Eclipse e integra soluções proprietárias e open source no ambiente de desenvolvimento. Ele adiciona ferramentas de banco de dados, um designer visual para web, ferramentas de persistência, Struts e JSF, e outras características básicas do Eclipse. Um dos principais motivos da escolha dessa IDE para o desenvolvimento foi sua capacidade de trabalhar com a persistência de objetos em Banco de Dados. O MyEclipse oferece outras vantagens como facilidade de adaptação para novos desenvolvedores e continuidade de desenvolvimento na mesma IDE. 2.2 Enterprise JavaBeans 3.0 Existem várias aplicações de software que executam funções empresariais e tipicamente envolvem grandes quantidades de dados que são simultaneamente acessados por muitos usuários. Estas aplicações raramente executam isoladamente. Ao invés disto, cada uma é normalmente apenas um pedaço do quebra-cabeça da paisagem do TI de uma companhia, e tem que interagir com as pessoas e com outros sistemas. Resumindo, o desenvolvimento de aplicações empresariais é um trabalho difícil. Aspectos como o desempenho, escalabilidade, concorrência e segurança devem ser contemplados em quase todas as aplicações empresariais, para que as mesmas cumpram adequadamente o seu papel na empresa. Em resposta a estes desafios, a especificação do EJB foi introduzida em março de 1998, para tornar mais fácil a confecção de sistemas empresariais distribuídos

14 14 orientados a objeto. A especificação e os servidores de aplicação que implementam a maior parte de estas funcionalidades, tiveram sucesso em atingir estes objetivos. Porém através dos anos, as falhas do EJB, junto com o advento de alternativas mais simples, fizeram com que muitos questionassem se o EJB oferece a melhor solução para o desenvolvimento produtivo de aplicações empresariais. Falhas do EJB frequentemente citadas incluem o seguinte: Componentes que queiram tirar vantagem dos serviços empresariais fornecidos estarão ligados à API EJB; É uma proposta do tipo tudo ou nada. Mesmo que quisermos apenas um serviço do EJB, temos que aceitar tudo o que vem com ele; Componentes do EJB requerem um recipiente (container) e são difíceis de testar; Cada EJB requer vários artefatos (interfaces, classes e descritores); Arquiteturas EJB tradicionais são menos orientadas a objeto e introduzem "falsos objetos" que têm só estados e nenhum comportamento. Alternativas populares para o EJB incluem o seguinte: Programação Orientada a Aspecto (Aspect Oriented Programming); Recipientes de peso leve tais como Spring, Pico Container e Hivemind; Ferramentas de mapeamento objeto-relacional (Object Relational Mapping - ORM) tais como Hibernate JPA;.NET como componentes de serviços. Para solucionar algumas das falhas citadas anteriormente foi criado então o Enterprise JavaBeans 3.0, ou EJB 3.0[10], que têm por objetivo fornecer aos desenvolvedores um gerenciamento automático de muitos serviços essenciais aos aplicativos. A especificação do projeto público do EJB 3.0, objetiva facilitar o desenvolvimento e tornar mais simples a alavancagem dos serviços empresariais. Alguns aspectos do EJB 3.0 incluem: O modelo de programação POJO (Plain Old Java Object Antigo Objeto Java Simples);

15 15 O framework de persistência leve ORM; Injeção de dependência; Comentários Metadata. Outros aspectos notáveis da especificação EJB 3.0 incluem: Configuração por exceção; Eliminação de interfaces de componente; Eliminação de interfaces home; Redução do uso de exceções verificadas. 2.3 JBoss Application Server 5.1(JBoss AS) O JBoss Aplication Server[11] é um servidor de aplicação open source baseado no J2EE. É o responsável por fornecer a infraestrutura de serviços para a execução de aplicações distribuídas. Os servidores de aplicação são executados em servidores e são acessados pelos clientes através de uma conexão de rede. Existem várias versões JBoss, tais como: JBoss AS 4.0: um servidor de aplicações Java EE 1.4, possui um container Apache Tomcat 5.5 embutido como servelt. Ele suporta qualquer Java Virtual Machine entre as versões 1.4 e 1.6. JBoss AS 4.2: também funciona como um servidor de aplicações Java EE 1.4, mas implementa o Enterprise JavaBeans 3.0 por padrão. Ele requer o Java Development Kit versão 5 e junto apresenta o servidor Tomcat 5.5. JBoss AS 5.1: lançado em 2009, funciona como um servidor de aplicação Java EE 5. É uma atualização menor do grande lançamento JBoss AS 5.0, que estava em desenvolvimento a mais de 3 anos e é construído em cima de um Microcontainer JBoss, contém uma visualização de alguns elementos do Java EE 6. O servidor JBoss pode ser executado em diversos sistemas operacionais, incluindo muitas plataformas POSIX (como o Linux, FreeBSD e Mac OS X), Microsoft Windows e outros, e necessita de uma JVM adequada presente no sistema.

16 JDK 1.5 O Java Development Kit (JDK) [12] é um pacote básico de ferramentas oferecidas pela empresa Sun Microsystems para o público em geral. Este conjunto de aplicações foi concebido para programação de aplicações de software, utilizando principalmente a linguagem de programação Java. O poder de aplicações Java pode ser visto no número infindável de ferramentas destinadas a trabalhar na Internet e também para funcionar em desktop. É uma das ferramentas obrigatórias para programas Java serem executados. A nova versão do JDK (1.5) apresenta novas extensões para a linguagem de programação Java. Uma destas é a introdução de "Generics" (similar aos Templates do C++). A programação genérica permite que você escreva código que pode ser reutilizado para muitos tipos de objetos diferentes. 2.5 Richfaces Richfaces 3.3.1[13] são um conjunto de implementações que constituem uma biblioteca de componentes para aplicações web utilizando o framework JSF que atualmente é mantido por JBoss.org. Ele permite a fácil integração de recursos Ajax no desenvolvimento de aplicações corporativas. RichFaces é mais do que apenas uma biblioteca de componentes para JavaServer Faces, pode ser considerada uma extensão do Ajax4jsf com inúmeros componentes com Ajax embutido e com um suporte a Skins que podem deixar as interfaces da aplicação com um visual padronizado. 2.6 PostgreSQL O sistema gerenciador de banco de dados objeto relacional (SGBDOR) PostgreSQL 8.4.0[14] foi desenvolvido como projeto de código aberto e é um dos SGBDs mais avançados, contando com recursos como: consultas complexas, chaves estrangeiras, integridade transacional, etc.

17 17 O PostgreSQL suporta funções de retorno de linha, onde a saída da função é um conjunto de valores que pode ser tratada muito como uma tabela dentro de consultas. Agrega funções personalizadas e janelas também podem ser definidas. Consultas podem ser definidas para executar com os privilégios, quer do chamador ou do usuário que definiu a função. Funções são muitas vezes referidas como os procedimentos armazenados, embora haja uma ligeira distinção técnica entre os dois. Para a administração do Banco de Dados é utilizado o pgadmin que é uma ferramenta gráfica gratuita e aberta de administração para o PostgreSQL, que é suportada em diversos sistemas. O programa está disponível em mais de uma dezena de línguas. O primeiro protótipo, chamado pgmanager, foi escrita para PostgreSQL a partir de 1998, refeita e lançada como pgadmin sob a licença GPL nos meses mais tarde. A segunda geração (chamado pgadmin II) foi uma reescrita completa, lançado em 16 de Janeiro de A versão atual é pgadmin III, que foi originalmente lançado sob a Artistic License e agora está liberado sob a mesma licença do PostgreSQL. Ao contrário das versões anteriores que foram escritos em Visual Basic, pgadmin III é escrito em C ++, usando a estrutura wxwidgets permitindo que ele seja executado em sistemas operacionais mais comuns.

18 18 3 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO Basicamente, as Fábricas de Software podem ser classificadas em Fábricas de Programas, Fábricas de Teste e Fábricas de Projetos. As Fábricas de Programas caracterizam-se por atuarem em apenas uma porção do processo produtivo do software. Seu objetivo é codificar e testar programas conforme um acordo de níveis de serviços com o cliente ou usuário. As Fábricas de teste atuam no teste do software verificando e validando se a codificação está em conformidade com a especificação de requisitos. E as Fábricas de Projetos, por sua vez, atuam com um pouco mais de abrangência no processo de produção, englobando além das atividades inerentes à Fábrica de Programas e à Fábrica de Testes, fases como modelagem de negócio, requisitos, análise e design. Tem-se também, a chamada Fábrica de Projetos de Software ou Fábrica de Projetos Ampliada que, além da abrangência da Fábrica de Projetos, atua também na arquitetura da solução. Seu objetivo é a conceituação do software, preocupando-se em projetar uma solução em que o software se caracteriza apenas como um dos componentes. O processo de desenvolvimento de software compreende um conjunto de atividades que engloba métodos, ferramentas e procedimentos, com o objetivo de produzir softwares que atendam aos requisitos especificados pelos usuários ou clientes. A partir de uma perspectiva de gerenciamento baseada no PMBOK [17], o Processo de Desenvolvimento de Software da GAIA é dividido em seis fases, cada uma concluída por um marco principal. A Figura 3.1 apresenta este Processo e a forma como a Gerência de Comunicação atua com o Processo GAIA, ou seja, em paralelo a este Processo. Cada fase do processo é composta por atividades, sendo que cada uma destas atividades são descritas por um fluxo de trabalho composto por tarefas a serem realizadas pelos atores do processo, gerando artefatos (atas, documentos, código fonte, planos de testes).

19 19 Figura 3.1: Processo de Desenvolvimento 1 Análise Inicial: reunião com o cliente para entendimento do problema e definição do escopo. O número de reuniões é definido pela equipe de analistas, visto que, por política organizacional [18], a GAIA investe na qualidade deste escopo, minimizando ao máximo os problemas de falta de entendimento, insatisfações futuras do cliente pelo fato do sistema não atender suas necessidades, evitando com isso o retrabalho. O resultado deste investimento é a minimização dos riscos do projeto. Para cada reunião é gerada uma ata que deve ser assinada por todos os participantes, firmando o comprometimento de todos os envolvidos e para que os assuntos tratados sejam disponibilizados eletronicamente a todos os demais integrantes do desenvolvimento deste produto. Ao término desta etapa, tem-se uma proposta para o cliente, incluindo o escopo que é representado por uma WBS (Work Breakdown Structure), premissas, riscos, o prazo (em meses) para o desenvolvimento e o custo do projeto. Para estabelecimento dos prazos e custos utiliza-se um banco de dados histórico do desempenho da equipe em projetos similares; Análise e Planejamento: Após a aprovação da proposta, deve-se iniciar o planejamento do projeto, por meio da definição dos casos de uso e das respectivas especificações, dos riscos e prioridades de desenvolvimento, da expansão da WBS, da alocação de pessoas, da elaboração do cronograma, do estabelecimento de pontos

20 20 de controle, do número de iterações e de quais casos de uso serão desenvolvidos em cada iteração. É gerado um artefato intitulado Plano de Projeto. Vale ressaltar que esta fase do processo de desenvolvimento da GAIA ocorre de maneira iterativa, ou seja, após definirmos e iniciarmos a primeira iteração, no término da mesma, caso o desenvolvimento deva continuar, esta fase é disparada novamente. Nesta fase também ocorre o estabelecimento do grau de severidade para a aprovação ou não dos resultados das atividades pelo projeto. O grau de rigorosidade implica diretamente no controle da qualidade do projeto, ou seja, quanto maior a grau de rigorosidade, mais rígido é o processo de garantia de qualidade do projeto; Monitoramento e Controle: Paralelamente a Análise e Planejamento, deve-se iniciar o monitoramento e controle do projeto, buscando verificar se o que está sendo feito está de acordo com o planejado, tomando ações corretivas quando necessário. Esta verificação deverá ser feita nos pontos de controle indicados no artefato Plano de projeto; Execução: Nesta fase ocorre a especificação e a implementação dos respectivos casos de uso e os testes unitários. A especificação dos casos de uso deve ser verificada e validada. Caso ocorra uma quantidade igual ou superior de não conformidades aceitáveis para o projeto em questão, a iteração deve ser cancelada e um novo planejamento deve ser estabelecido levando-se em consideração os atrasos e as consequências dos mesmos. Após uma análise do resultado dos testes, decidese, baseado também no grau de rigorosidade, por corrigir as não conformidades encontradas e realizar novamente os testes e partirmos para a próxima fase intitulada Entrega ou cancelarmos a iteração e voltarmos para a fase de Análise e Planejamento; Entrega: Esta fase está responsável por executar os testes de integração que, caso registre um resultado positivo, iniciará a entrega e implantação da parte do produto desenvolvida até a presente iteração. Se o projeto ainda não terminou, a fase de Análise e Planejamento é iniciada novamente. Do contrário, a fase de Finalização é iniciada;

21 21 Finalização: Nesta faze é realizada um reunião de término do projeto, na qual são levantadas as lições aprendidas, sendo as mesmas registradas em ata para futuras consultas e melhorias no processo de desenvolvimento. É gerado um documento indicando o recebimento do produto pelo cliente e o término do projeto. Todas as fases do processo foram definidas com o propósito de ser o mais simples possível, porém mantendo o formalismo para garantir a qualidade do desenvolvimento nas nuvens. O processo de desenvolvimento GAIA, onde a ferramenta de Gerência de Testes foi desenvolvida, também contou com a participação de um analista de Design que foi posteriormente incluído ao projeto. A função desse analista foi criar um padrão de interface para todo o ADS (Ambiente de Desenvolvimento de Software), baseandose no guia de estilos definido pelo GAIA. Assim a ferramenta desenvolvida apresenta uma diferenciação entre a interface final e a utilizada nos protótipos dos casos de uso que serão vistos a seguir. As figuras 3.2 e 3.3 mostram exemplos da padronização de interface utilizada no ADS dentro do ciclo de desenvolvimento GAIA. Figura 3.2: Interface 1

22 22 Figura 3.3: Interface 2 4 CASOS DE USO Na Engenharia de Software, um caso de uso (ou use case) é um tipo de classificador representando uma unidade funcional coerente provida pelo sistema, ou classe apresentando mensagens trocadas entre os sistemas e um ou mais atores. Um caso de uso representa uma unidade significante e discreta da interação entre um usuário e o sistema. Cada caso de uso tem uma descrição o qual descreve a funcionalidade que irá ser construída no sistema proposto. Pode-se "incluir" outra funcionalidade de caso de uso ou "estender" outro caso de uso com seu próprio comportamento. A seguir, são apresentados os casos de uso da ferramenta desenvolvida, onde em cada caso de uso são especificados seus fluxos básicos, alternativos, requisitos especiais, pré-condições, pós-condições, pontos de extensão, local view, definição dos atributos e protótipo da interface. Dentro da descrição de cada caso de uso existem figuras que apresentam o local view representando um diagrama de caso de uso e o Protótipo de Interface que representa como a interface inicial é planejada. As tabelas de Definição de atributos apresentam quais os atributos que o caso de uso em questão necessita para armazenar as informações.

23 23 A figura 4.1 contém todos os diagramas de caso de uso utilizados no ADS, para que seja possível o entendimento sobre onde cada ferramenta está incluída dentro do projeto e quem foi o responsável pela sua criação. Figura 4.1: Diagrama dos Casos de Uso 1

24 Especificação de Caso de Uso: <Manter Testes> Descrição Esse caso de uso destina-se a cadastrar, manter atualizado e excluir os testes realizados em projetos de software Fluxo Básico O analista de testes deve preencher todos os campos necessários para poder cadastrar um Teste, após isso o analista de testes seleciona a opção Salvar Dados, o sistema então valida os campos do formulário e volta à tela inicial Fluxos Alternativos Alterar um Teste Cadastrado: O analista de testes pode alterar um teste já cadastrado através de uma lista que será mostrada na tela, em seguida clicando no botão Alterar Teste. O sistema mostrará a tela onde as alterações podem ser feitas, após isso o analista de testes seleciona a opção Atualizar Dados e o sistema volta à tela inicial. Formulário não validado: O sistema pode não validar o formulário de dados. O analista de testes então deverá corrigir os erros mostrados e selecionar a opção Salvar Dados. O sistema valida os campos do formulário e volta à tela inicial. Excluir um Teste Cadastrado: O analista de testes pode excluir um teste já cadastrado através de uma lista que será mostrada na tela, em seguida clicando no botão Excluir Teste, será mostrado um aviso informando que essa operação não poderá ser desfeita, oferecendo a opção de confirmar e de cancelar. Selecionando a opção Confirmar o sistema exclui o teste selecionado bem como todos os itens associados a esse teste, após isso o sistema volta à tela inicial.

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS

HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA DE CHECKLISTS LONDRINA - PARANÁ 2010 HUMBERTO FERREIRA DA LUZ JUNIOR SOFTWARE PARA AVALIAÇÃO DE CASO DE USO E GERÊNCIA

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ. Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO PARANÁ Sistema de Gestão Escolar PROJETO FINAL Schola Ratio Versão 8 CURITIBA Nov 2012 DJULLES IKEDA OSNIR FERREIRA DA CUNHA Sistema de Gestão Escolar PROJETO

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL - FATESG PROJETO INTEGRADOR 3º PERÍODO GOIÂNIA 2012. INFORMAÇÕES GERAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Coordenação

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz

Cargo Função Superior CBO. Tarefas / Responsabilidades T/R Como Faz Especificação de FUNÇÃO Função: Analista Desenvolvedor Código: Cargo Função Superior CBO Analista de Informática Gerente de Projeto Missão da Função - Levantar e prover soluções para atender as necessidades

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares

Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Manual de Procedimentos para Desenvolvimento de Softwares Secretaria Geral de Informática Sin Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Versão 2.1 O(s) critério(s) de escolha pelas tecnologias para desenvolvimento

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE

USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE SUMÁRIO usando o izcode... 1 para gerar software rapidamente... 1 introdução... 2 o que é o izcode?... 2 Como funciona o izcode?... 2 os tipos diferentes

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS PARA APLICAÇÃO COMERCIAL. Java Peristence API 1.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS PARA APLICAÇÃO COMERCIAL. Java Peristence API 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO LINGUAGENS PARA APLICAÇÃO COMERCIAL Java Peristence API 1.0 Salvador-Ba Março/2009 1 RAMON PEREIRA LOPES Java Peristence API

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software

EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciencias Exatas e Biologicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM EProcessos: Um Sistema para Edição de Processos de Software Aluno: Sávio Geraldo

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque 1 / 7 SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque Código: : Data de Publicação: Cliente: Faculdade de Tecnologia SENAC-GO 2 / 7 Identificação e Histórico do Documento

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Gestão da Tecnologia da Informação DCSoft Sistema de Depreciação/Contábil PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO Equipe: Eduardo Rocha da Silva ERDS Bruno Cattany Martins

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS CONTROLE DE ACESSO USANDO O FRAMEWORK RICHFACES 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Alessandro Aparecido André Alexandre Bruno Santiago Thiago Castilho

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-012-R00 GESTÃO DE SISTEMAS DA SIA 10/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 09 de outubro de 2015. Aprovado, Leandro Costa Pereira Crispim de Sousa Fabio Faizi Rahnemay

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES Aluno: André Luis Becker Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl. Mestre Orientador, FURB Roteiro da Apresentação Introdução;

Leia mais