Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica"

Transcrição

1 Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Natal RN Brazil 2 Universidade Federal do Piaui (UFPI) Teresina RN Brazil {gameleira, rmoura, Abstract. With growth of programming languages and increasing need of applications that remove knowledge of a great number of businesses models and rules involving graphics and diagrams. The Visual Library is proposed to create these applications, showing the power and possibilities of the Java Library in a implementation, with a logic of persistent involving XML for possible re-use in same application or in any other application that follow the same standard or Schema. Then showing the results involved the proposed work and future works in this field. Resumo. Considerando o cenário onde existe a necessidade cada vez maior de aplicações que abstraem o conhecimento profundo de modelagens e regras de negócios envolvendo gráficos e diagramas, a Visual Library será usada para criação dessas aplicações, mostrando a força e possibilidades da biblioteca Java na implementação, em conjunto com a lógica de persistência envolvendo XML para possível re-utilização na mesma aplicação ou em outra aplicação que siga o mesmo esquema (Schema). 1. Introdução A linguagem Java, inicialmente criada para aplicações embarcadas [James Gosling 1996], passou por diversas evoluções e adquiriu novas funcionalidades, desde seu uso no meio web e até mesmo em aplicações com requisitos de tempo real. Um dos atrativos iniciais do Java foi seu suporte a imagens gráficas que permitia aprimorar visualmente Applets e aplicativos [Deitel 2003]. Com o surgimento do Java 2D, a linguagem passou a possuir recursos ainda mais sofisticados. Dentre os avanços na criação de aplicativos gráficos algumas bibliotecas de criação de diagramas ou grafos tem se destacado: Visual Library; JUNG; NV2D; Prefuse; Neste contexto e com advento de novas tecnologias e ferramentas para criação de visualização de diversos tipos de ambientes, sejam estes gráficos simples ou diagramas, tornou necessário a evolução da linguagem de programação Java para acompanhar essa necessidade. Dessa forma, foram criadas bibliotecas gráficas para a programação visual

2 e desenvolvimento de programas que necessitem conceitos mais amplos de manipulação de gráficos, não se fazendo necessário como no Java, um profundo conhecimento em Java2D. A biblioteca objeto de estudo neste artigo é a Visual Library, a qual foi criada pela NetBeans para construção de aplicativos gráficos, tanto para geração de grafos como para manipulações mais complexas de eventos em Java2D, sua escolha se deu por ser fácil entendimento e pelo fato de ser utilizada com sucesso em outros projetos do mesmo gênero. Com o surgimento dessa nova API (Application Programming Interface), este artigo tem como objetivo mostrar as diversidades e o poder que esta biblioteca tem na criação de modelos gráficos ou diagramas que possam ser úteis em diversas áreas que utilizam esse tipo de ferramenta para construção de modelos visuais. O restante deste artigo está organizado da seguinte forma: a Seção 2 apresenta a estrutura da bliblioteca, com exemplos de aplicações que usam suas principais características. Em seguida, a Seção 3 mostra um estudo de caso com um exemplo mais detalhado da aplicação usando a biblioteca. As conclusões chegadas ao final do estudo da bliblioteca são destacadas na Seção Visual Library A biblioteca Visual Library foi criada pela Netbeans a fim permitir uma maior variedade de formatos de visualização e modelagem gráfica de objetos, seu objetivo é facilitar a programação visual. É possível usá-la tanto nas versões mais atuais da IDE Netbeans bem como em qualquer outra aplicação Java que utilize Swing [Visual Library 2008]. Para o uso dessa biblioteca é necessária que a versão da JDK (Java Developer Kit) seja a 5.0 ou superior [Visual Library 2008]. Segue abaixo exemplo de aplicação que usa a biblioteca: Figura 1 - Exemplo de Aplicação em Visual Library

3 Suas principais vantagens em comparação com outras bibliotecas, como por exemplo Prefuse, são: Programação fácil; Presença de métodos e necessidade comuns de aplicativos visuais já implementados na biblioteca (exemplo: zoom e conexão); Biblioteca bem documentada; Acessibilidade a vários exemplo de implementações usando a biblioteca; Programar com a Visual Library é similar a programar com os componentes Swing, ou seja, ela é feita através da construção e manipulação de uma árvore de elementos visuais chamados Widget. O elemento raiz dessa árvore é representado por uma classe Scene no qual são mantidos todos os dados visuais do ambiente gerado, sendo esta um widget. O Widget é o elemento primitivo visual da API, semelhante ao JComponent do Swing. É nele que são guardadas informações do tipo, localização, tamanho, largura de sua borda, fundo, conteúdo e legenda [Visual Library 2008]. O Site da NetBeans apresenta bons exemplos e códigos fontes para aprender e utilizar a biblioteca. Na Figura 2 segue um exemplo disponiblizado pela netbeans onde se pode criar objetos numerados e conectá-los através de setas. Figura 2 - Exemplo do Pacote FreeConect da NetBeans Para criação desse exemplo foram usadas apenas 7 classes para gerênciar a criação dos objetos, seus eventos, as camadas visuais, bem como o evento de ligar um objeto a outro, de maneira mais simples possivel. A Figura 3 mostra o pacote e as classes envolvidas no exemplo apresentado na Figura 2.

4 Figura 3 - Classes do Pacote freeconnect 3. Caso de Estudo Este estudo de caso descreve uma aplicação para gerar um diagrama de atividades utilizando a API Visual Library. A aplicação está estruturada em três camadas: camada de apresentação, camada de negócio e camada de dados. O exemplo deve funcionar de maneira que o software executado em cada camada possa ser substituído sem prejuízo para o sistema. De modo que atualizações e correções de bugs podem ser feitas sem prejudicar as demais camadas. Por exemplo: alterações de interface podem ser realizadas sem o comprometimento das informações contidas no meio de persistência. Veja agora uma breve discussão são a cerca do XML e sua razão para uso neste exemplo XML e sua funcionalidade XML é uma linguagem de marcação, de formato de texto altamente flexível derivado do SGML (ISO 8879). Originalmente, ela foi desenvolvida para publicação em larga escala de informações por meio eletrônico. O XML também é usado no acréscimo de regras na troca de dados entre vários tipos de meios, como por exemplo a web [W3C 2008]. Para entender a forma na qual está escrito o documento XML, existe o XML Schema. O XML Schema expressa o compartilhamento do vocabulário e das regras criadas. Ele provê um sentido para as definições, estrutura, conteúdo e semântica dos Documentos XML [W3C 2008]. O XML Schema foi originalmente proposto pela Microsoft, mas se tornou uma recomendação oficial do W3C em Maio de A especificação está estável e foi revisada pelos membros do W3C [W3C 2008]. A seguir será mostrado um exemplo de XML Schema,, para melhor compreensão de como será construído o XML a partir de um Schema gerado.

5 Figura 4 - Estrutura do Schema O Schema contido na Figura 4 mostra uma estrutura de , onde contém dentro de um elemento, de nome de tag Note visto na linha 6, um conjunto de elementos representa o destinatário (de nome to, linha 9), um emissor (nomeado from, linha 10), um cabeçalho (elemento de nome heading, linha 11) e um corpo de texto ou mensagem (elemento de nome body, linha 12). Para definição de elementos que possuem filhos, eles devem ser inseridos dentro da tag complexytype. Na Figura 5 é demonstrado um XML que segue Schema proposto na Figura 4. Figura 5 - Exemplo do XML gerado a parti de um Schema Dessa sa forma todo XML criado por meio dessa estrutura, será válido quando utilizado o schema imposto. Seguindo esta idéia, será feito um schema para que se possa validar o XML criado pelo plugin. Qualquer outra aplicação que queira manipular o projeto contido no XML, saberá como ele deverá ser escrito e como deverá ser lido. Usando XML, pode-se reutilizar o mesmo gráfico gerado numa ferramenta, em outra, bastando seguir o Schema usado para a geração do XML, assim tornando a transferência de informação mais fácil. Segue-se agora com a estrutura na qual está o exemplo criado para este artigo Estrutura A estrutura do projeto está dividida em quatro grupos: i) um grupo responsável por criar cada um dos componentes do diagramas de atividade; ii) outro que será responsável por gerenciar as ações da aplicação; iii) outro grupo responsável por converter todo o ambiente gerado em elementos compatíveis para o formato XML; e iv) a ultima parte é responsável por salvar o ambiente já convertido em um arquivo XML.

6 O aplicação está divido no seguinte grupo de pacotes: Ambiente: Responsável por conter a classe que irá gerenciar os eventos dentro da Cena principal onde serão inseridos os objetos e seus eventos. Atividade: Responsável por conter o conjunto de classes que irão criar graficamente o componente do diagrama de classe denominado Atividade. Conexão: Responsável por conter o conjunto de classes que irão criar e gerenciar a regra de negocio envolvendo as ligações entres os componentes na Área de Trabalho. Escolha: Responsável por conter o conjunto de classes que irão criar graficamente os componentes do diagrama conhecidos por Desvio e Intercalação. GUI: Contém a classe que irá gerar o ambiente para uso do diagrama, como botões menus, e a instância do ambiente de criação do diagrama. InicioFinal: Responsável por conter o conjunto de classes que irão criar graficamente os componentes do diagrama conhecidos por Inicio e Final. Paralelismo: Responsável por conter o conjunto de classes que irão criar graficamente os componentes do diagrama conhecidos por Desvio e Intercalação. XML: Responsável por conter as classes que irão converter cada elemento do ambiente num elemento XML para ser inserido no arquivo XML criado pela aplicação. Destes pacotes o único que não contém uma dependência direta com a Biblioteca Visual Library é a XML, onde se tem o meio de persistência dos diagrama gerados pela aplicação. 3.3.Ambiente Construído a interface gráfica, o sistema de maneira primária é visto de acordo com a Figura 6. Figura 6 - Ambiente: Etapa Inicial Conectando a Atividade

7 Cada botão da lista de componentes define o objeto do diagrama de atividades à ser criado na Área de Trabalho da aplicação. A Visual Library contribui para esta aplicação de forma que não se precisa ter um vasto conhecimento de Java2D para poder criar um componente que representa a Atividade por exemplo, nem para poder ligar dois objetos na área de trabalho, poupando tempo e linhas de código na criação da aplicação. Outras facilidades são o auto-redimensionamento dos objetos gráficos por meio da ação de Zoom e alterações dos textos contidos nas atividades como sendo suas descrições. A Figura 7 mostra um diagrama criado usando a aplicação. Figura 7 - Aplicação Criada Graças ao sistema de hirearquia de objetos da Visual Library e a pré-definição de tamanho, contida nos objetos dessa biblioteca, a conversão para um formato XML fica mais fácil de ser padronizada. 4. Conclusão Com a Visual Library, a criação de aplicações gráficas fica mais fácil e acessível, sem perca em desempenho ou custo de código. Hoje já existem projetos em andamento pelo país que usam esta biblioteca em sua ferramentas, como é o caso de dois projetos realizados na UFRN, um para criação de uma ferramenta de alto nivel para CLP s e outra para o gerenciamento de alarmes em refinarias. Por fim, a biblioteca se encontra em constantes aperfeiçoamentos o que a torna cada vez mais poderosa. Referências Bibliográficas James Gosling,Rev. ed. of: The Java language specification,. C1996. H. M. Deitel e P. J. Deitel, Java como Programar, 4º edição, Visual Library. disponível Acessado: 10 de Fevereiro de 2008 W3C,XML- disponível em: 2008, Acessado: 10 de Setembro de 2008.

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android Cristiano Costa Desenvolvimento da interface estática Sobre mim Graduando em Engenharia Eletrônica - UNIFEI Trabalhou em desenvolvimento

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa GEADA Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa 1 1 Introdução O GEADA (Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos)

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional Visão geral do Microsoft Office Word 2007 Bem vindo ao Microsoft Office Word 2007, incluído na versão 2007 do Microsoft Office system. O Office Word 2007 é um poderoso programa de criação de documentos

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Excel 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Adicionar comandos à Barra de Ferramentas

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Android Android é um sistema operacional para dispositivos móveis Kernel Linux, drivers e bibliotecas do

Leia mais

Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms. Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br

Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms. Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br Carlos Renato Alves Gouveia Especialista em Engenharia de Web Sites pela UFMS; Professor Universitário

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem

Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Ontologia Aplicada ao Desenvolvimento de Sistemas de Informação sob o Paradigma da Computação em Nuvem Luiz Cláudio Hogrefe Orientador: Prof. Roberto Heinzle, Doutor Roteiro Introdução Fundamentação teórica

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Microsoft Office 2007

Microsoft Office 2007 Produzido pela Microsoft e adaptado pelo Professor Leite Júnior Informática para Concursos Microsoft Office 2007 Conhecendo o Office 2007 Visão Geral Conteúdo do curso Visão geral: A nova aparência dos

Leia mais

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar a teoria por trás dos padrões na construção de aplicações Web. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com

marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com DSC/CEEI/UFCG marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com 1 Realiza atividades com ênfase em Ensino, Pesquisa e Extensão (Ensino) 2 Configurando o projeto Adicionando código ao arquivo com o código-fonte

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES

FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES FERRAMENTA PARA CONSTRUÇÃO DE INTERFACES DE SOFTWARE A PARTIR DE DIAGRAMA DE CLASSES Aluno: André Luis Becker Orientador: Prof. Everaldo Artur Grahl. Mestre Orientador, FURB Roteiro da Apresentação Introdução;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion Os componentes ColdFusion (CFC) permitem ao usuário encapsular lógicas de aplicação e de negócios (business logic) em unidades auto-controladas reutilizáveis.

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI DAS5316 BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC), 2010. Roteiro BPMN

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://blog.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Conteúdo Programático Instalação e configuração básica do Eclipse Indigo e do

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS

Introdução ao Veridis Biometrics SDK VERIDIS Introdução ao Veridis Biometrics SDK Versão do SDK: 5.0 2013 Veridis Biometrics VERIDIS BIOMETRICS Versão do Documento Versão Data Modificações 1 2 3 4 5 23/mar/2011 17/mai/2011 29/jul/2011 3/out/2011

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Arquivos de Instalação... 4. Instalação JDK... 7. Instalação Apache Tomcat... 8. Configurando Tomcat... 9

Arquivos de Instalação... 4. Instalação JDK... 7. Instalação Apache Tomcat... 8. Configurando Tomcat... 9 Instalando e Atualizando a Solução... 3 Arquivos de Instalação... 4 Instalação do Servidor de Aplicação... 7 Instalação JDK... 7 Instalação Apache Tomcat... 8 Configurando Tomcat... 9 Configurando Banco

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Ferramentas para Desenvolvimento em Software Livre Anjuta

Ferramentas para Desenvolvimento em Software Livre Anjuta Universidade do Estado do Amazonas - UEA Escola Superior de Tecnologia Pós-Graduação em Desenvolvimento em Software Livre Ferramentas para Desenvolvimento em Software Livre Anjuta Fabiano dos Santos Pires

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007

Informática Básica. Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Informática Básica Microsoft Word XP, 2003 e 2007 Introdução O editor de textos Microsoft Word oferece um conjunto de recursos bastante completo, cobrindo todas as etapas de preparação, formatação e impressão

Leia mais

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo.

Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. Manual de Instruções ECO Editor de Conteúdo Bem- Vindo ao manual de instruções do ECO Editor de COnteúdo. O ECO é um sistema amigável e intui?vo, mas abaixo você pode?rar eventuais dúvidas e aproveitar

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Objetivos do Curso. Você será capaz de:

Objetivos do Curso. Você será capaz de: Objetivos do Curso Ao término do curso você entenderá: Aplicativos Java e applets Tipos de dados primitivos Fluxo de Controle em Java Métodos Outros: exceções, multithreading, multimedia, I/O, redes. Objetivos

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS. Prof. M.Sc. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS Microsoft Office PowerPoint 2007 Prof. M.Sc. Fábio Hipólito Julho / 2009 Visite o site:

Leia mais

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis

EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI. Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis EDITOR GRÁFICO PARA SEQUENCIAMENTO E NAVEGAÇÃO USANDO REDES DE PETRI Maicon Mueller prof. Dalton S. dos Reis Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Trabalhos correlatos Desenvolvimento Resultados

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 1. INTRODUÇÃO Este manual apresenta alguns elementos básicos da Notação BPMN (Business Process Modeling Notation Notação para Modelagem de Processos de Negócio) que é a representação gráfica

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Servidor de Aplicações WEB Tomcat Servidor Tomcat Foi desenvolvido

Leia mais

Escolhendo recursos de Ajuda

Escolhendo recursos de Ajuda Você pode dar um toque profissional ao aplicativo adicionando um arquivo de Ajuda gráfica. A Ajuda gráfica pode incluir gráficos e texto formatado; a Ajuda no estilo.dbf limita-se a uma única fonte sem

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Os trabalhos relacionados podem ser classificados em três categorias: abordagens baseadas em metamodelos para a definição de formalismos, uso de metamodelos em editores de diagrama

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Introdução à Plataforma Eclipse Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Agenda Introdução Arquitetura da Plataforma Componentes da Plataforma JDT PDE Visão Geral do Projeto Eclipse.org 2 Introdução O

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS

COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 WINDOWS Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do Zim 8.50 para Windows.

Leia mais

Processamento de dados XML

Processamento de dados XML Processamento de dados XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Considerações no desenvolvimento de software para processar dados XML. Processamento de uma DTD para interpretar marcação

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Microsoft Office PowerPoint 2007

Microsoft Office PowerPoint 2007 INTRODUÇÃO AO MICROSOFT POWERPOINT 2007 O Microsoft Office PowerPoint 2007 é um programa destinado à criação de apresentação através de Slides. A apresentação é um conjunto de Sides que são exibidos em

Leia mais

Unidade 7: Middleware JDBC e Java DB Prof. Daniel Caetano (Fonte: Tutorial Oficial do NetBeans)

Unidade 7: Middleware JDBC e Java DB Prof. Daniel Caetano (Fonte: Tutorial Oficial do NetBeans) Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 7: Middleware JDBC e Java DB Prof. Daniel Caetano (Fonte: Tutorial Oficial do NetBeans) Objetivo: Capacitar o aluno para criar bancos de dados usando Java

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Microsoft Office Word 2007

Microsoft Office Word 2007 Microsoft Office Word 2007 Criando ou editando um documento no MS-Word 1 O Microsoft Word É o processador de textos mais conhecido e utilizado do mundo. A nova interface é agradável, com comandos e funções

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR

GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR GUIA INTEGRA SERVICES E STATUS MONITOR 1 - Integra Services Atenção: o Integra Services está disponível a partir da versão 2.0 do software Urano Integra. O Integra Services é um aplicativo que faz parte

Leia mais

Engenharia de Sistemas Computacionais

Engenharia de Sistemas Computacionais Engenharia de Sistemas Detalhes no planejamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Introdução Na aplicação de um sistema

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ

INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ Acadêmico: Antonio Carlos Bambino Filho Orientador: Prof. Marcel Hugo SUMÁRIO Introdução;

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2014/2015 Enunciado da Primeira Parte do Projecto 1. Primeira Parte do Projecto ES Este enunciado descreve o trabalho a realizar

Leia mais

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012 Fábrica de Software Dados do Projeto Nome do Projeto Data de Inicialização Responsáveis Autores Fingerprint Access Users 14/04/2012 Adriana Lima de Almeida, Espedito Alves Leal, Jaciel Dias de Souza, Samuel

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Java. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra

Capítulo 1. Introdução ao Java. Rui Rossi dos Santos Programação de Computadores em Java Editora NovaTerra Capítulo 1 Introdução ao Java Objetivos do Capítulo Compor uma visão histórica mínima para a compreensão da origem do Java. Compreender o que é o Java e para que finalidades ele é empregado. Delinear algumas

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Introdução ao Ambiente de Desenvolvimento Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA DOSIMETRIA PESSOAL BASEDO NA ISO 9001:2008 PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA DOSIMETRIA PESSOAL BASEDO NA ISO 9001:2008 PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA DOSIMETRIA PESSOAL BASEDO NA ISO 9001:2008 PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO Carlos E.B.Queiroz, Walmoli G.Júnior, Tiago R.Jahn,Tiago T.Hahn,Thiago S.Fontana and Vagner Bolzan. Brasilrad

Leia mais