Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1"

Transcrição

1 ADAM SMITH e DAVID RICARDO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

2 Principais Pensadores Econômicos do Século XVIII 1 Adam Smith, da Escócia. Economista e filósofo ( ): 1790): Liberalismo econômico. 2 David Ricardo, da Inglaterra. Perito em finanças ( ): 1823): Liberalismo econômico. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 2

3 Causa da Riqueza das Nações ADAM SMITH é o pai da economia moderna, e é considerado o mais importante teórico do liberalismo econômico. Autor de Uma investigação sobre a natureza e a causa da riqueza das nações, a sua obra mais conhecida, e que continua sendo como referência para gerações de economistas, na qual procurou demonstrar que a riqueza das nações resultava da atuação de indivíduos que, movidos apenas pelo seu próprio interesse (self-interest), promoviam o crescimento econômico e a inovação tecnológica. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 3

4 O auto-interesse ADAM SMITH ilustrou bem seu pensamento ao afirmar "não é da benevolência do padeiro, do açougueiro ou do cervejeiro que eu espero que saia o meu jantar, mas sim do empenho deles em promover seu"auto auto-interesse interesse". Assim acreditava que a iniciativa privada deveria ser deixada agir livremente, com pouca ou nenhuma intervenção governamental. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 4

5 Mão invisível A competição livre entre os diversos fornecedores levaria forçosamente não só à queda do preço das mercadorias, mas também a constantes inovações tecnológicas, no afã de baratear o custo de produção e vencer os competidores. Uma frase de ADAM SMITH se tornou famosa: "Assim, o mercador ou comerciante, movido apenas pelo seu próprio interesse egoísta (self-interest), é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca fez parte do interesse dele: o bem-estar estar da sociedade." Como resultado da atuação dessa "mão invisível", o preço das mercadorias deveria descer e os salários deveriam subir. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 5

6 Liberdade X Resultados A liberdade conduz as pessoas para a iniciativa individual. Assim, cada indivíduo desenvolve a atividade econômica que mais lhe interessa; procura fazer aquilo que tem maior capacidade ou melhor competência; obtém os melhores resultados; Toda a sociedade ganha, pela soma dos melhores resultados de cada indivíduo. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 6

7 Origem da Motivação A motivação para a atividade econômica advém do desejo existente pela troca das mercadorias de modo geral, em que cada indivíduo produz aquilo com o que mais se identifica, ou em que possui determinada competência, o que lhe possibilita almejar os outros artigos produzidos por outras pessoas com competências distintas. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 7

8 Benefícios do Liberalismo 1. Conduz à divisão internacional do trabalho, 2. Leva os países a produzir apenas aquilo que for economicamente mais conveniente, 3. Permite aos países trocar seus excedentes através do comércio internacional; 4. Gera, em consequência, maior produtividade e custos globais mais baixos, 5. Proporciona, assim, maior bem-estarestar para a população. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 8

9 Vantagem do custo menor Se um país estrangeiro estiver em condições de nos fornecer uma mercadoria a preço mais barato do que a mercadoria fabricada por nós mesmos, é melhor comprá-la com uma parcela da produção de nossa própria atividade, empregada de forma que possamos auferir alguma vantagem (Adam Smith, 1776) CE_07_Adam Smith e David Ricardo 9

10 Vocação econômica A maximização global do bem-estar estar social no âmbito da relação entre países só é possível a partir do momento em que cada país consegue identificar sua real vocação econômica, baseada em: seus fatores de produção (terra, capital, trabalho); seus agentes econômicos (instituções públicas e privadas); na maneira de trabalhar, ou seja, como os agentes econômicos transformam tais fatores de produção em produtos e serviços em favor do bem-estarestar da população (tecnologia). CE_07_Adam Smith e David Ricardo 10

11 Desregulamentação Outra característica determinante do liberalismo é a DESREGULAMENTAÇÃO da atividade econômica pelo estado, já que a determinação da real vocação de um indivíduo em gerar riqueza começa pela livre iniciativa. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 11

12 Surgimento das vocações de cada país Havendo liberdade de escolha dos indivíduos, surgem as vocações de cada país. Cada país identificando suas vocações, o sistema econômico global passa a reger-se pela divisão do trabalho, que é o maior aproveitamento das forças produtivas, reforçadas pelo livre- cambismo entre os países. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 12

13 Divisão do Trabalho A divisão do trabalho entre os países, que resulta em eficiência, é a especialização dada à atividade econômica praticada por cada indivíduo em cada país: Operário (executa operações) Empresário (empreende e administra) Capitalista (fornece o capital) Intelectual (estuda e cria tecnologias) Pesquisador ou engenheiro etc. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 13

14 Divisão do Trabalho Operário, cede sua força de trabalho; Empresário, utiliza sua capacidade intelectual para transformar os fatores de produção em bens necessários à sociedade; Capitalista, emprega o capital na obtenção de juros e com isso gera produção Intelectual, pesquisador ou engenheiro, desenvolvem a tecnologia e os processos produtivos na busca de melhor eficiência no aproveitamento dos meios de produção. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 14

15 Papel do Estado Defesa Nacional atividades inerentes à garantia da soberania do país; Justiça, Educação e Saúde atividades de interesses coletivos da população; Essenciais e Não-Lucrativas atividades econômicas em empreendimentos onde não há interesse da iniciativa privada. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 15

16 Investimentos do Estado Há investimentos que o interesse privado é pequeno em função do elevado tempo de retorno (Exemplo: hidrelétricas, companhias de petróleo, estradas e redes de eletricidade). Nesses casos, alguns países concedem Garantia pública de retorno através de fundos de compensação ou Garantia pública de devolução de impostos. O objetivo é eliminar cada vez mais a participação estatal em atividades típicas do setor privado. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 16

17 Intervencionismo no Brasil Agroindústria; Banco; Celulose; Cobrança; Celular; Confecções; Cooperativas; Eletricidade; Estaleiro; Hotéis; Imobiliária; Lançamento Foguetes; Mecânica; Minerais; Multimídia; Pesca; Petróleo e petroquímicas; Processamento de dados; Sementes; Siderurgia; Portos; Tecnologia eletrônica; Telecomunicações; Turismo; etc. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 17

18 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 18

19 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 19

20 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 20

21 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 21

22 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 22

23 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 23

24 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 24

25 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 25

26 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 26

27 Intervencionismo no Brasil. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 27

28 Liberalismo e Democracia O liberalismo só pode existir nas democracias, visto que nas democracias a liberdade individual está plenamente assegurada e o estado atua somente em questões que lhe são afins. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 28

29 O Laissez-Faire do Liberalismo O Liberalismo é uma doutrina conhecida como laissez-faire (deixai fazer). Permite total liberdade de atuação dos diversos agentes econômicos, livres para a escolha de suas atividades. Laissez-faire é parte da expressão em língua francesa "laissez faire, laissez aller, laissez passer", que significa literalmente "deixai fazer, deixai ir, deixai passar. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 29

30 Intervencionismo Exemplo de intervencionismo global: O Google, que atua em 100 países, revelou que em 25% deles seus serviços são parcialmente bloqueados. Veja, 28/abril/2010, pg. 66 CE_07_Adam Smith e David Ricardo 30

31 Diferenças entre os países O comércio internacional decorre das diferenças existentes entre os diversos países, que buscam complementar suas necessidades internas com produtos e serviços de outras regiões do planeta onde ocorrem em abundância. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 31

32 Justificativas da existência do Comex 1 Diferentes condições de clima fazem com que a produção agrícola de um país seja diferente da de outro. 2 A diversidade mineral do subsolo de diferentes regiões do planeta determina que alguns países sejam mais ricos em alguns tipos de minérios do que outros, obrigando as nações a comerciar entre si. 3 Ganhos de escala pela produção de grandes volumes de maneira repetitiva proporcionam redução dos custos de produção. 4 Divisão do trabalho gera a especialização das atividades como um todo e, consequentemente, determina ganhos de produtividade pelo melhor aproveitamento dos recursos. 5 Diferentes níveis de consumo e produção entre os países os levam a compatibilizar de maneira conjunta as fontes de produtos com seus consumidores. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 32

33 Autor Adam. Smith 1776 David Ricardo 1817 Teoria Teoria da Vantagem Absoluta Teoria da Vantagem Comparativa Teorias clássicas do Comércio Internacional Características Cada país deve concentrar-se em produzir somente as mercadorias que apresentar melhores condições de fazê-lo. Cada país deve concentrar-se em mercadorias que apresentem maior vantagem absoluta ou menor desvantagem comparativa entre si. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 33

34 Liberdade de comércio Adam Smith e David Ricardo são favoráveis à COMPLETA LIBERDADE de comércio entre os países, de modo a garantir que cada país, através de seus empresários, PRODUZA somente aquilo que tem maior vantagem em termos de produtividade, custo e competência, COMPRE os itens para os quais não apresenta uma pronunciada vantagem. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 34

35 Teoria de David Ricardo do Comércio Internacional Complementando a proposta de Adam Smith, David Ricardo apresenta sua teoria da Vantagem Comparativa, em que cada país deve analisar sua balança comercial a fim de mantê-la equilibrada, buscando a produção de produtos nos quais tenha MAIOR Vantagem Absoluta ou MENOR Desvantagem Comparativa. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 35

36 Comparação de custos A teoria de Ricardo atende especialmente a países em desenvolvimento, onde até mesmo a produtividade do campo muitas vezes é inferior a de países desenvolvidos. Para Ricardo, países que não apresentam vantagens absolutas passam, então, a se concentrar na produção de bens em que a desvantagem produtiva seja menor (CUSTOS COMPARADOS). CE_07_Adam Smith e David Ricardo 36

37 David Ricardo David Ricardo, inglês ( ) 1823) é considerado um dos principais representantes da economia política clássica. Em 1799, teve a oportunidade de ler a Riqueza das nações de Adam Smith que atraiu o seu interesse pela pesquisa sobre assuntos econômicos. Entre 1809 e 1815 publicou alguns panfletos sobre temas de economia monetária, repartição da renda e comércio internacional. A partir de então dedicou-se a escrever um tratado teórico geral sobre a economia, os Princípios,, que foi publicado em 1817 e se constituiria num marco teórico decisivo para o desenvolvimento da economia política clássica. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 37

38 Vantagem Comparativa SE um país A pode produzir duas mercadorias (tecido e vinho) a custo mais baixo do que outro país B, MAS a vantagem em produzir uma mercadoria (tecido : vantagem de 10) não é tão grande quanto a obtida pela outra mercadoria (vinho : vantagem de 40), CE_07_Adam Smith e David Ricardo 38

39 Vantagem Comparativa Então o país A deve não produzir tecido, mas importar tecido do país B; produzir vinho e exportar vinho, para pagar tecido. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 39

40 Vantagem Comparativa Quando consideradas as relações entre dois países, passamos a falar de VANTAGEM RELATIVA. País Custo do TECIDO Custo do VINHO A B DIFE- RENÇA A tem vantagem de 10 em TECIDO A tem vantagem de 40 em VINHO CE_07_Adam Smith e David Ricardo 40

41 A teoria de Adam Smith Pela teoria das Vantagens Absolutas, de Adam Smith, o país A seria o produtor e exportador natural tanto de tecido quanto de vinho. Isto seria prejudicial ao comércio entre os países A e B, uma vez que A seria sempre vendedor, gerando acúmulo de riqueza somente em A; B seria sempre comprador, gerando empobrecimento constante em B, até o momento em que cessaria o comércio entre os países. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 41

42 A teoria de David Ricardo Pela Teoria das Vantagens Relativas, de David Ricardo, a vantagem apresentada por A na produção de tecido ( = 10) é inferior à vantagem apresentada também por A na produção de vinho ( = 40). Assim, país A deveria concentrar-se na produção de VINHO, em que possui maior vantagem (40), país B deveria concentrar-se na produção de TECIDO, onde possui menor desvantagem (10). CE_07_Adam Smith e David Ricardo 42

43 Comparação das teorias Adam Smith expõe as vantagens do comércio internacional quando um país produz algum produto a custo mais baixo que os outros: TEORIA DA VANTAGEM ABSOLUTA. David Ricardo demonstra a possibilidade de haver comércio internacional, mesmo que um país não possa produzir mercadorias a um custo mais baixo que os outros países: TEORIA DA VANTAGEM COMPARATIVA. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 43

44 Agronegócio brasileiro. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 44

45 Agronegócio brasileiro. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 45

46 Custo das mercadorias produzidas O custo das mercadorias produzidas é consequência de diversos fatores, dentre eles: Matéria-prima Mão-de de-obra Capital (investimentos, tecnologia e know-how) Logística Custos comerciais, etc Agronegócio CE_07_Adam Smith e David Ricardo 46

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte)

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II David Ricardo Profa. Enimar No século XVIIII tem início a fase científica da Economia. As Escolas Fisiocrata e Clássica foram as primeiras Escolas do Pensamento Econômico

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Reveja esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor: Danilo Borges - Sociologia Aula de hoje... Aprofundamento do problema do trabalho

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam diferenças

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

Relações Econômicas Internacionais

Relações Econômicas Internacionais Relações Econômicas Internacionais Baseado no cap. 4 do livro Introdução à Economia: uma abordagem crítica, de Wilson Cano, 1998. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Nas aulas anteriores fizemos algumas

Leia mais

Unic Sorriso Economia

Unic Sorriso Economia Professor FÁBIO TAVARES LOBATO Economista(UFRGS) MBA Gestão em Agribusiness(FGV) MBA Gestão Empresarial(UFRJ) MBA Finanças Empresariais (UNIC) MBA Liderança e Coaching (UNIC) 3. Evolução do Pensamento

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Saúde Financeira. Uma decisão em sua mente...

Saúde Financeira. Uma decisão em sua mente... Saúde Financeira Uma decisão em sua mente... Porque o simples, pode se tornar tão complicado? _ = R$ Entra R$ Sai = R$ Sobra Falta Hipertensão Insônia Desequilíbrio emocional Abuso do álcool Brigas conjugais

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano C Montanhas Rochosas

Leia mais

Turma BNDES Engenharia Específica Regular

Turma BNDES Engenharia Específica Regular Turma BNDES Engenharia Específica Regular Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 161,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CONJUNTURA INTERNACIONAL E NACIONAL A crise mundial não acabou está cozinhando em banho-maria. Países ricos estão exportando empresas para os BRICs, para ocupar todo

Leia mais

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo

Empreendedora. Inovação e Gestão. Introdução ao empreendedorismo Inovação e Gestão Empreendedora atuação empreendedora no brasil desenvolvimento da teoria do empreendedorismo diferenças entre empreendedores, empresários, executivos e empregados Introdução ao empreendedorismo

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Introdução ao Comércio Internacional

Introdução ao Comércio Internacional Comércio Exterior Introdução ao Comércio Internacional Comércio internacional Comércio exterior é o conjunto das compras e vendas de bens e serviços feitos entre países. Quando um país vende um bem ou

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

Geografia. Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09. Nome: Nº: Turma:

Geografia. Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09. Nome: Nº: Turma: Geografia Ficha 1 Geografia Simulado 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Caros alunos, as questões a seguir foram selecionadas de provas aplicadas em anos anteriores e servirão para auxiliá-los na

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_01_ Estratégias de Internacionalização

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_01_ Estratégias de Internacionalização ESTRATÉGIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das Estratégias de Segundo Philip Kotler,

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia COMÉRCIO INTERNACIONAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O COMÉRCIO BILATERAL BRASIL UNIÃO EUROPEIA EM FOCO PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS. Estratégias INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 1 Variáveis das de Internacionalização Segundo

Leia mais

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008

ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008 ECONOMIA A TESTE DE AVALIAÇÃO COMÉRCIO E MOEDA MARÇO 2007/2008 No grupo I, em cada um dos itens, seleccione a alternativa correcta. I 1. A Distribuição situa-se entre a Produção e o Consumo. a) A distribuição

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo

Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo Estudo económico e jurídico sobre a reserva de terrenos para residentes de Macau Sumário Executivo Equipa de projecto do Instituto Politécnico de Macau 7 de Novembro de 2013 1 Membros da equipa de projecto

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Fundamentos de Comércio Exterior - Prof. Ms. Marco A. Arbex

Fundamentos de Comércio Exterior - Prof. Ms. Marco A. Arbex Comércio Internacional: Introdução Prof. Marco Arbex marco.arbex@live.estacio.br Introdução O que é comércio? É a compra e venda de mercadorias entre pessoas, isto é, o vendedor entrega a mercadoria ao

Leia mais

Japão, Tigres asiáticos e China

Japão, Tigres asiáticos e China Japão, Tigres asiáticos e China Revisão Geral Prof. Josevaldo Aspectos socioeconômicos do Japão e dos Tigres Asiáticos Japão A partir do final da Segunda Guerra Mundial Transformou-se em exemplo de crescimento

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso

As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso As 10 Melhores Dicas de Como Fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso Nesse artigo quero lhe ensinar a fazer um Planejamento Financeiro Pessoal Poderoso. Elaborei 10 dicas para você fazer um excelente

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Marina Fischer Danelli. Hedge em Financiamento à Importação INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à Importação São Paulo 2012 Marina Fischer Danelli Hedge em Financiamento à

Leia mais

Os Direitos do Consumidor:

Os Direitos do Consumidor: DIREITOS E DEVERES Segundo a legislação, consumidores são todas as pessoas que compram bens para uso pessoal, a alguém que faça da venda a sua profissão. A Lei n.º 24/96, de 31 de Julho estabelece os direitos

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

ESTRUTURAS DE MERCADO

ESTRUTURAS DE MERCADO ESTRUTURAS DE MERCADO Introdução A concorrência é uma forma de organizar os mercados que permite determinar os preços e as quantidades de equilíbrio. Incentivo: Meio de estimular a competição Lucro: Motivo

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 01 : CONCEITOS BÁSICOS TÓPICO 01: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 1 Negócios Internacionais: Fundamentos 2004 Prentice Hall, Inc 1-1 Objectivos do Capítulo Definir negócios internacionais

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais

2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais 2.3 Estratégias Globais de Empresas Transnacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. 05/02/2016 www.boscotorres.com.br

Leia mais

TURNO: MANHÃ CONHECIMENTOS BÁSICOS

TURNO: MANHÃ CONHECIMENTOS BÁSICOS GABARITO NÍVEL MÉDIO PROVA DIA 16/05/2010 TURNO: MANHÃ CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA 1 - C 26 - C 2 - D 27 - B 3 - E 28 - E 4 - E 29 - A 5 - D 30 - E 6 - B 31 - A 7 - A 32 - A 8 -

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL Uma estratégia para o aumento de receita financeira nas empresas.

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL Uma estratégia para o aumento de receita financeira nas empresas. RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL Uma estratégia para o aumento de receita financeira nas empresas. Clayton Queiroz Coutinho A questão da responsabilidade socioambiental é um tema polêmico e dinâmico no mundo

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MAKENZIE entro de iências Sociais e Aplicadas urso de Economia Economia Internacional I Prof. Vladimir ernandes Maciel 1ª Lista Questões para Estudo 1. Qual a diferença entre

Leia mais

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local;

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local; Profª Elieti Biques Fernandes GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1.1 - Comércio Interno vs Comércio Externo O comércio é atividade econômica que consiste em adquirir os bens dos produtores e revendê-los

Leia mais

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL Fatores que tornam o sistema tributário regressivo Fatores que potencializam a evasão fiscal Mitos são assim: alguém cria, outros repetem e os demais acreditam e passam adiante.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1 OPORTUNIDADES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Abril/2006 Prof. João Bosco Torres Graduado em Administração, MBA Auditoria (USP) e Mestre em Economia, na área de Comércio Exterior e Relações Internacionais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico

211A02 Artes Visuais - Bacharelado 212C02 Produção cênica - Tecnológico Código Área Nome Área 1 Educação 2 Humanidades e Artes TABELA DE CURSO DE FORMAÇÃO SUPERIOR Código OCDE Nome do Curso - Grau Grau 142C01 Ciência da educação - 142P01 Pedagogia - Licenciatura Licenciatura

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES

O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social O desenvolvimento da indústria fornecedora de bens e serviços para petróleo e gás no Brasil e o BNDES 20.10.2009 Luciano Coutinho Mensagem Inicial Pré-sal:

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

Feira Internacional do Maputo (FACIM) 2015. e do Dia do Exportador

Feira Internacional do Maputo (FACIM) 2015. e do Dia do Exportador REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, por Ocasião da Abertura da 51ª. Edição da Feira Internacional do

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais