UNI *CARD: Protótipo em tecnologia Java Card para unificar o acesso a serviços universitários básicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNI *CARD: Protótipo em tecnologia Java Card para unificar o acesso a serviços universitários básicos"

Transcrição

1 UNI *CARD: Protótipo em tecnologia Java Card para unificar o acesso a serviços universitários básicos Adriana Fernandes Alves 1, Fernanda Strapazzon 1, Roberson Fernandes Alves 1 1 Universidade do Oeste de Santa Catarina Campus de São Miguel do Oeste (UNOESC) Rua Oiapoc, 211 Agostini São Miguel do Oeste SC Brasil. Abstract. This article presents a summary of the study and implementation of Smart Card with Java Card technology in the context of universities. Aiming to demonstrate the advantages and difficulties offered by these technologies, we developed the prototype UNI*CARD which is divided into two parts: Desktop application and Java Card application. Through the UNI*CARD sought to represent the actual shape the applicability of the technologies studied. Resumo. Este artigo apresenta uma síntese do estudo e da implementação de Smart Card com tecnologia Java Card no contexto de universidades. Com o objetivo de demonstrar as vantagens e também as dificuldades proporcionadas pelo uso dessas tecnologias, foi desenvolvido o protótipo UNI*CARD que está divido em duas partes: aplicação Desktop e aplicação Java Card. Através do UNI*CARD buscou-se representar de forma real a aplicabilidade das tecnologias estudadas. 1. Introdução A busca pela segurança e mobilidade impulsiona o desenvolvimento de muitas tecnologias, como: celulares, netbooks, palmtops, entre outros. Muitas destas tecnologias requerem dispositivos menores que ofereçam mais recursos, sejam portáveis, e que garantam segurança ao seu proprietário. Seguindo esta tendência, surgiram os Smarts Cards, cartões com chip inseridos, que além de melhorar processos, menor uso de papel, trouxeram comodidade aos usuários e maior confiabilidade aos dados. Eles apresentam diversas aplicabilidades, como cartões de créditos, cartões de celulares, cartões de acessos, e cada dia estão mais inseridos no cotidiano da maioria das pessoas. É por estes motivos que o uso de cartões inteligentes fazem parte da evolução da tecnologia sem fio e juntamente com plataformas de alto nível como o Java Card vem ganhando espaço em diversas áreas (JURGENSEN; GUTHERY, 2002). No leque de serviços oferecidos pelas Universidades é comum utilizarem sistemas diferentes para gerenciá-los, estes possuem pouco, ou às vezes nenhuma integração. Essa fraca integração dos sistemas administrativos aumenta a chance de dados redundantes, erros, complexidade nas formas de atendimento, conflitos operacionais e organizacionais, entre outros. Para o usuário se torna exaustivo e

2 inseguro a necessidade de carregar consigo diferentes formas de identificação e memorizar diversos código e senhas (HENDRY, 2007). O uso de Smart Card com a tecnologia Java Card não é uma aplicação desconhecida em IES (Instituição de Ensino Superior). Nos EUA (Estados Unidos da América) várias universidades utilizam esta tecnologia para integrar vários serviços em um único cartão. O cartão aproxima os serviços universitários dos usuários e permite criar barreiras de proteção para este grupo (HENDRY, 2007). A universidade Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) é um dos exemplos de aplicação de Smart Cards e Java Card, com sucesso no Brasil. O projeto foi iniciado em 2002 e proporcionou a melhora na qualidade dos serviços da universidade (UNICAMP, c2009). Este artigo visa, portanto, demonstrar o estudo realizado sobre a tecnologia Java Card e a inserção da mesma no cenário universitário, a partir de um prototipo. Para facilitar a compreensão, está dividido em quatro seções: a presente Introdução; Smart Card e Java Card, contemplando as tecnologias estudadas; UNI*CARD, onde são expostas as características e desenvolvimento do protótipo; os Resultados obtidos através deste estudo e, para finalizar as Conclusões sobre o mesmo. 2. Smart Card e Java Card O Smart Card pode ser considerado um computador portátil. Apesar da aparência com um simples cartão, contém todos os elementos no que se refere a uma plataforma de computação (limitada): um processador e vários tipos de memória (RAM, ROM, EEPROM). Os Smart Cards fornecem segurança, portabilidade e armazenamento de dados programáveis, permitindo assim, segurança dos dados, privacidade e mobilidade aos seus usuários (JURGENSEN; GUTHERY, 2002). Os Smart Cards possuem algumas características que lhe oferecem vantagens sobre outros tipos de cartões. Segundo Lisbôa (2003) essas características são: segurança, processamento, presença de micro-processador e co-processador, armazenamento de dados, baixo consumo de energia, maior produtividade, resistência e durabilidade. Ainda é possível citar, segundo Cunha (2004), a confiabilidade, pois seguem a norma ISO 7816 (International Organization for Standardization) e permitem vários ciclos de leitura/escrita. A tecnologia Java Card é uma plataforma de desenvolvimento para aplicativos que possuem uma capacidade de processamento e armazenamento limitados, como por exemplo: os Smart Cards (SUN MICROSYSTEMS, c a). Mantém o conceito da linguagem Java, de independência de hardware, ou neste caso independência em relação ao Smart Card utilizado. Para Jurgensen e Guthery (2002), a tecnologia Java Card é líder quase absoluta no segmento de desenvolvimento de sistemas para cartões em comparação a outras tecnologias existentes. Segundo Chen (2000), por ser uma plataforma para aplicativos limitados, Java Card também suporta apenas um subconjunto dos recursos pertinentes à tecnologia Java. Apesar disso, garante um ambiente seguro para aplicações em Smart Cards. Como características importantes da tecnologia Java Card devem ser citadas a interoperabilidade, a segurança, a multiaplicação, a dinâmica e o suporte a normas ISO 7816, que rege as especificações de Smart Cards a nível mundial; EMV (Europay-

3 Mastercard-Visa Standards) e especificações da GlobalPlatform (SUN MICROSYSTEMS, c b). 3. UNI*CARD O protótipo UNI*CARD está dividido em duas aplicações: a aplicação desktop e a aplicação Java Card. O aplicativo desktop comunica-se com as aplicações no Smart Card, e por meio de comandos realiza a leitura e escrita de dados no cartão. Contempla uma interface (em Java) que permite a interação com os dados do cartão e acesso a um banco de dados no PC (Personal Computer). Já a aplicação Java Card está gravada no próprio cartão, contém miniaplicações para cada módulo universitário e guarda os dados relevantes dos usuários. No desenvolvimento do protótipo UNI*CARD, foram utilizados hardwares específicos e softwares de apoio. As tecnologias utilizadas são descritas no Quadro 1. Hardware Software Tecnologias Utilizadas 1) Um Cartão Smart Card modelo JCOP 21; do tipo Contact Card (com contato), com suporte a tecnologia Java Card 2.2.1; 2) Um CAD (Dispositivo de reconhecimento de cartão), modelo SCM Microsystems Inc. SCR33x USB Smart Card Reader, suporte a PC/SC. 1) Framework PC/SC: Arquitetura para conectar um PC a um Smart Card. 2) Java Development Kit (JDK): Kit de desenvolvimento da tecnologia Java, utilizado na criação da aplicação desktop. 3) Java Card Development Kit (JCDK): Kit de desenvolvimento da tecnologia Java Card, utilizado para simulação de aplicações antes da gravação no cartão. 4) Aplicativo de desenvolvimento NetBeans (aplicação Desktop). 5) Aplicativo de desenvolvimento Eclipse com o plugin JCOP Tools (Java Card). Quadro 1: Tecnologias utilizadas para o desenvolvimento do protótipo UNI*CARD (Fonte: Os autores, 2010). O protótipo foi baseado nas tecnologias Java e Java Card, por isso as ferramentas e tecnologias de desenvolvimento utilizadas são Open Source ou gratuitas. 3.1 Modelagem UNI*CARD Para modelagem foram selecionadas apenas algumas atividades consideradas básicas em instituições de ensino superior: Biblioteca, Financeiro e Secretaria (TACHIZAWA; ANDRADE, 1999). O serviço da Cantina também foi utilizado, pois este permite demonstrar o funcionamento do Smart Card como moeda eletrônica. Como metodologia de desenvolvimento foi utilizada a Prototipação Descartável, já que ajuda a compreender todos os requisitos que não estão bem definidos e avalia os custos de desenvolvimento de um software (SOMMERVILLE, 2004). A plataforma Java Card não possui uma modelagem específica, mas se tratando de uma linguagem Orientada a Objetos foi optado pelo uso da UML (Unified Modeling Language). Ela é uma linguagem de modelagem gráfica estruturada em um conjunto de diagramas, onde cada diagrama permite um nível de detalhamento diferente (FOWLER, 2005). No projeto UNI*CARD optou-se pelo Diagrama de Casos de Uso e o de Classes.

4 Ainda no processo de modelagem foi definida a forma de funcionamento geral. A figura 1 demonstra como o hardware e o software interagem, desde as camadas de alto nível até as mais internas de cada tecnologia envolvida. Figura 1: funcionamento do UNI*CARD (Fonte: Os autores, 2010). O protótipo visa demonstrar o uso da tecnologia Java Card em Smart Card através de uma estrutura simples que simula os serviços universitários mencionados anteriormente. Porém essa tecnologia poderia ser integrada a sistemas já existentes baseados na linguagem Java, apenas integrando-se as bibliotecas necessárias, como a API Smart Card I/O Aplicação Desktop Para que o usuário do sistema interaja com as aplicações no cartão é preciso uma interface de comunicação, sendo este o papel da aplicação desktop. Possui uma divisão por módulos, conforme Figura 2, que representam os serviços universitários escolhidos. Figura 2: tela Principal da aplicação Desktop UNI*CARD (Fonte: Os autores, 2010).

5 O UNI*CARD implementa duas formas de segurança: a senha, visível ao usuário, e o PIN (Personal Identification Number), encapsulado no código da aplicação. A primeira verificação realizada é a autenticação do PIN (Figura 3). Esse número está armazenado no banco de dados da aplicação e toda vez que o UNI*CARD necessitar selecionar um applet no cartão é realizada a verificação do PIN. Este processo ocorre internamente, sem conhecimento do usuário. É uma maneira de garantir que apenas a aplicação desktop do UNI*CARD consiga se comunicar com o Smart Card. A segunda verificação é através do uso da senha do usuário. Conforme a Figura 3, o usuário é identificado e fornece a senha, que é verificada dentro do Smart Card. Figura 3: processo de validação e autenticação de usuários (Fonte: Os autores, 2010). A tecnologia Java Card permite combinar elementos que oferecem mais confiabilidade ao Smart Card. Na Figura 4 é possível observar que quanto mais fatores envolvidos e combinados, maior é o nível de segurança. Figura 4: níveis de segurança do Smart Card (Fonte: Adaptado de Roos, 2004). Efetuado o processo de validação é possível que os módulos interajam com as aplicações no cartão Comunicação com Smart Cards A especificação PC/SC (Personal Computer/Smart Card) pertence e é definida pelo PC/SC Workgroup, um grupo formado pelas principais empresas da indústria de Smart Cards. A partir dela as funcionalidades do cartão são encapsuladas e podem ser

6 acessadas por meio de interfaces de programação de alto nível, permitindo maior interoperabilidade entre Smart Cards e PCs. (PC/SC WORKGROUP, 1996). Para utilizar a solução Java PC/SC, é necessária uma interface de comunicação (wrapper JNI - Java Native Interface) com esta tecnologia. A API Smart Card I/O é esta solução, e permite que a aplicação desktop interaja com o cartão. Esta API é proveniente da JSR 268 e foi incluída no Java 6. É muito fácil de utilizar e implementa as especificações PC/SC e ISO 7816 (MEDEIROS, 2007). O APDU (Application Protocol Data Unit) é o protocolo que permite a comunicação entre o Smart Card e a aplicação desktop. Esse protocolo se divide em dois mecanismos: a mensagem enviada pela aplicação desktop (command APDU) e a resposta enviada pelo Smart Card (response APDU). Essa troca de mensagens ocorre de forma half-duplex, ou seja, APDUs podem ser enviados e respondidos pelo cartão, mas apenas uma mensagem pode ser enviada por vez (CHEN, 2000). Figura 5: trecho de código do envio do comando APDU (Fonte: Os autores, 2010). A Figura 5 mostra como a API Smart Card I/O permite a troca de APDUs entre a aplicação desktop e o cartão. O próprio APDU, por ser um padrão ISO, permite que uma aplicação host possa se comunicar com o Smart Card sem necessidade de o cartão possuir um sistema especial Aplicação Java Card A aplicação que reside dentro do cartão é denominada applet, também conhecida como cardlet (applet para Smart Cards). Um Smart Card que obedece a padrões estabelecidos pela plataforma Java Card tem a capacidade de suportar multiaplicações, ou seja, é capaz de ter mais de um applet (CHEN, 2000). Os applets do UNI*CARD foram projetados para atender os serviços universitários selecionados, conforme Quadro 2. Applet Descrição Métodos Aluno Cliente Security Contém todos os dados referentes aos serviços da universidade em que o usuário seja um Aluno. Contém os dados referentes aos serviços da Cantina, funcionando como dinheiro eletrônico. Contém o PIN global, compartilhado entre os outros applets. Garante segurança ao cartão. Gerenciar: Matricula, Nome, Curso, Validade, Senha, Status. Gerenciar: Código, Nome, Créditos, Senha. Gerenciar: PIN, PUK (Personal Unblocking Code) Quadro 2: descrição dos Applets da aplicação Java Card (Fonte: Os autores, 2010). Para selecionar um applet a aplicação desktop envia um comando APDU com o AID de instância do mesmo. Após selecioná-lo é preciso escolher a instrução desejada. A instrução está definida no applet selecionado.

7 3.5. Validação do protótipo Como a metodologia de desenvolvimento é a prototipação descartável o projeto visa avaliar a viabilidade desta solução. Os testes foram realizados pelos autores conforme desenvolvimento, levando em consideração a intregação do cartão e aplicação Desktop, segurança, capacidade de armazenamento/processamento e facilidade de uso do cartão. Na realizaçãos dos testes foram utilizados, para dados de entrada, informações reais dos próprios autores do protótipo. A validação/verificação ocorreu executando-se o sistema, utilizando alguns dados de entrada e verificando se seu comportamento estava de acordo com o esperado. Não foram realizados testes com usuários reais. Apesar de ser um protótipo, UNI*CARD possibilitou ampliar o processo de análise de requisitos e fornecer informações que beneficiam projetos futuros, e poderá ser utilizado como uma referência a aplicação desta tecnologia em instituições reais. 4. Resultados As tecnologias Java Card e Smart Cards permitem várias aplicações coexistindo de forma harmônica dentro do cartão. Nos testes o firewall interno do cartão protegeu os applets e os limitou ao seu contexto. O PIN e a senha não são visíveis fora do cartão. E os dados contidos no cartão só são acessíveis após a validação do PIN e senha do usuário. Esses processos garantem um grande nível de segurança. Os sistemas operacionais dos Smart Cards trabalham com limitações de memória, devido a pouca capacidade do cartão, ficando em torno 3kb a 250kb, entre ROM e EEPROM. Foi observado que as aplicações Java Card devem ser otimizadas, evitando redundância de código ou instanciar muitos objetos para melhorar o desempenho. Apesar dessa restrição de armazenamento (Smart Card utilizado possuía 36k de memória), muita informação pôde ser inserida no cartão. Essa vantagem decorre da forma como as informações são guardadas, ou seja, em forma de bytes, o tipo de dado inteiro que guarda as mesmas informações que outros tipos, porém ocupa o menor espaço de memória (CHEN, 2000). Existem cartões no mercado com mais memória que o modelo utilizado, e muitos projetos, em breve realidade, de cartões com mais de 1Mb (Um Megabyte) de memória. Há uma dificuldade inicial para trabalhar com o APDU. Este comando trabalha com informações em nível de bytes em hexadecimal, toda e qualquer informação trocada com o cartão necessita da aplicação de uma conversão para ser compreendida por ambas. A linguagem Java Card é muito semelhante à Java, o que facilita muito seu estudo para quem possui conhecimento desta. Porém, adota diversos padrões como a ISO 7816, exigindo maior rigorosidade no código fonte. Pela escassez de desenvolvedores é difícil encontrar material sobre as tecnologias, principalmente em Língua Portuguesa. 5. Conclusão O protótipo UNI*CARD implementa apenas uma parte das funcionalidades que a tecnologia Java Card possibilita. É imprescindível notar a facilidade que um cartão de

8 crédito proporciona a quem necessita usá-lo fora do país de origem, ou a segurança das ligações realizadas por maio de celulares. Foi concluído que utilizar a tecnologia Java Card em Smart Cards traz benefícios aos seus utilizadores, como: mobilidade, segurança, interoperabilidade, multiaplicação e mais qualidade a todos os serviços oferecidos. Por isso, é possível vislumbrar que essa tecnologia engrandece as instituições que a utilizam. Referências CHEN, Zhiqun. Java Card Technology for Smart Cards: Architecture and Programmer's Guide. New Jersey: Prentice Hall, p. CUNHA, Ricardo Marquini. Smart Card e e-tag Disponível em: <http://www.gta.ufrj.br/grad/04_2/smartcard/>. Acesso em: 21 ago FOWLER, Martin. UML Essencial: Um breve guia para a linguagem-padrão de Modelagem de Objetos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, p. HENDRY, Mike. Multi-application Smart Cards: Technology and Applications. New York: Cambridge University Press, p. JURGENSEN, Timothy M.; GUTHERY, Scott B.. Smart Cards: The Developer's Toolkit. New Jersey: Prentice Hall, p. LISBÔA, Carlos Arthur Lang. Smart Cards: Requisitos da Aplicação Disponível em: <http://www.inf.ufrgs.br/~flavio/ensino/cmp502/smartcards.ppt>. Acesso em: 07 ago MEDEIROS, Igor. Smart Card I/O: Terminais Desktop Java para Smart Cards em 10 minutos. Revista MundoJava. Rio de Janeiro: Mundo, ano V, n. 25, p , set./out PC/SC WORKGROUP. PC/SC Technical Overview Disponível em: <http://www.pcscworkgroup.com/library/presentations.php>. Acesso em: 10 jun RANKL, Wolfgang; EFFING, Wolfgang. Smart Card Handbook. 3. ed. Chichester: John Wiley & Sons Ltda, p. ROOS, Alexis. Mobility With Security Using Java Card Technology and Biometrics. Java Sun Developer Conference. Sun Microsystems p. SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 6. ed. São Paulo: Pearson Addison- Wesley, p. SUN MICROSYSTEMS. About Java Technology. c a. Disponível em: <http://www.sun.com/java/about/>. Acesso em: 30 set Java Card Technology Overview. c b. Disponível em: <http://java.sun.com/javacard/overview.jsp>. Acesso em: 02 set TACHIZAWA, Takeshy; ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de. Gestão de instituições de ensino. 3 ed. Rio de Janeiro: FGV, p. UNICAMP. Cartão Universitário Inteligente. c2009. Disponível em: <http://www.smartcard.unicamp.br/smartcard/index.html>. Acesso em: 13 ago. 2009

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD. Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD. Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD Cleber Giovanni Suavi Orientador: Marcel Hugo Roteiro introdução objetivos relevância fundamentação teórica smart cards

Leia mais

SMART INTERFACE: FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA CARD

SMART INTERFACE: FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA CARD SMART INTERFACE: FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA CARD Gleison Tavares DIOLINO (1); Leonardo Ataíde MINORA (2); Fellipe Araújo ALEIXO (3); (1) CEFET-RN, Av. Sen. Salgado Filho,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE JAVA CARD COMO PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EM SMART CARD.

UTILIZAÇÃO DE JAVA CARD COMO PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EM SMART CARD. UTILIZAÇÃO DE JAVA CARD COMO PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES EM SMART CARD. Lucas Plis Dolce, Francisco Assis da Silva, Silvio Antonio Carro Faculdade de Informática (FIPP) Universidade

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

Orientador: Ricardo Alexsandro de Medeiros Valentim, Mestre (DACGEM/CEFET-RN) Co-orientador: Ana Maria Guimarães Guerreiro, Doutora (DCA/UFRN)

Orientador: Ricardo Alexsandro de Medeiros Valentim, Mestre (DACGEM/CEFET-RN) Co-orientador: Ana Maria Guimarães Guerreiro, Doutora (DCA/UFRN) ANÁLISE DO MIDDLEWARE SUN JAVA SYSTEM RFID SOFTWARE: ESTUDO DE CASO APLICADO AO CONTROLE DE ACESSO Orientador: Ricardo Alexsandro de Medeiros Valentim, Mestre (DACGEM/CEFET-RN) Co-orientador: Ana Maria

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

CARDS / 2001 SMART CARDS & O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA A SAÚDE PROTEA INFORMÁTICA ISABEL PELLEGRINO

CARDS / 2001 SMART CARDS & O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA A SAÚDE PROTEA INFORMÁTICA ISABEL PELLEGRINO 01 SMART CARDS & O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA A SAÚDE 02 Agenda: I II III IV V VI Smart Cards - Visão Geral O Smart Card & Aplicação Planejando Uma Solução Inteligente - perguntas básicas

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Tema; Delimitação do Problema; Hipóteses ou questões de pesquisa; Objetivos; Justificativa; Revisão Bibliográfica; Cronograma; Referências. Desenvolver

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE JOHNI DOUGLAS MARANGON

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE JOHNI DOUGLAS MARANGON 1 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE JOHNI DOUGLAS MARANGON ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS UTILIZANDO A PLATAFORMA JAVA

Leia mais

Aplicações Java em Sim Cards

Aplicações Java em Sim Cards Aplicações Java em Sim Cards Este tutorial apresenta as características e formas de uso de Aplicações Java a partir dos Sim Cards instalados nos terminais celulares de tecnologia GSM. Flávia Schreiber

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO TECNOLOGIA JAVA CARD

DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO TECNOLOGIA JAVA CARD UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO DOCUMENTOS E DINHEIRO ELETRÔNICO COM SMART CARDS UTILIZANDO TECNOLOGIA JAVA CARD CLEBER

Leia mais

Pág. 3 de 7 EMV PARA EMISSORES

Pág. 3 de 7 EMV PARA EMISSORES EMV PARA EMISSORES A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas em

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Java Card & Java 6. Agenda Smart cards Leitoras de smart cards Arquitetura de software Controle de Comunicação. Arquiteturas. Igor Medeiros APDU PC/SC

Java Card & Java 6. Agenda Smart cards Leitoras de smart cards Arquitetura de software Controle de Comunicação. Arquiteturas. Igor Medeiros APDU PC/SC Java Card & Java 6 Igor Medeiros www.igormedeiros.com.br Agenda Smart cards Leitoras de smart cards Arquitetura de software Controle de Comunicação APDU Arquiteturas PC/SC Nova API Smartcard IO exemplo

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software SUMÁRIO Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento Etapas de preparação Hardware Software Aplicação Discussão Conclusão Perguntas MOTIVAÇÃO Interesse em novas tecnologias Interesse no desenvolvimento

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

EMV PARA ADQUIRENTES

EMV PARA ADQUIRENTES EMV PARA ADQUIRENTES A Argotechno traz ao mercado brasileiro o melhor da educação profissional para o conhecimento e aplicação da norma EMV. São cursos e workshops sobre as abordagens mais utilizadas em

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais

Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais Correção de cartões de respostas utilizando análise e processamento de imagens digitais Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Samuel Pereira DIAS² ¹ Tecnólogos em Análise

Leia mais

Cartões multimídia externos

Cartões multimídia externos Cartões multimídia externos Número de peça: 405763-201 Maio de 2006 Este guia explica como utilizar cartões multimídia externos. Sumário 1 Cartões para slot de mídia digital Inserção de um cartão digital......................

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DAVI PEREIRA DO CARMO JULIANO ASSUNÇÃO MEDEIROS DE SOUZA RODRIGO LOVAGLIO BEZERRA TIAGO GODOI

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DAVI PEREIRA DO CARMO JULIANO ASSUNÇÃO MEDEIROS DE SOUZA RODRIGO LOVAGLIO BEZERRA TIAGO GODOI UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI DAVI PEREIRA DO CARMO JULIANO ASSUNÇÃO MEDEIROS DE SOUZA RODRIGO LOVAGLIO BEZERRA TIAGO GODOI IMPLEMENTANDO APLICAÇÕES SMART CARDS NA PLATAFORMA JAVA CARD São Paulo 2009 DAVI

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Orientado por Marcel Hugo. Eduardo Paniz Mallmann

Orientado por Marcel Hugo. Eduardo Paniz Mallmann Orientado por Marcel Hugo Eduardo Paniz Mallmann Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Requisitos Implementação Desenvolvimento Resultados e Discussão Conclusão Extensões Introdução

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação (Instalação do SafeSign para Linux) Elaborado Validado Aprovado Silvio Murilo Belo 2012 - VALID Certificadora Digital 1 Controle de Versões Autor Descrição Versão Data Silvio Murilo

Leia mais

Smart Card Memory Card

Smart Card Memory Card CARTÃO PLÁSTICO COM CIRCUITO INTEGRADO Smart Card Cartões com Memória Smart Card Memory Card 2 CARTILHA ABNT - CB 21 SC 21:01 FEBRABAN SIMPRO CT012 e CT013 Índice Capítulo 1) Visão Geral Introdução Classificação

Leia mais

Cartão de Cidadão Portuguese Electronic Identity Card (PTeID) André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES

Cartão de Cidadão Portuguese Electronic Identity Card (PTeID) André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES Cartão de Cidadão Portuguese Electronic Identity Card (PTeID) André Zúquete, João Paulo Barraca SEGURANÇA INFORMÁTICA E NAS ORGANIZAÇÕES Cartão de Cidadão Cartão de identificação das dimensões de um cartão

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

MOBILOGO: UMA EXPERIÊNCIA DO LOGO NO CELULAR

MOBILOGO: UMA EXPERIÊNCIA DO LOGO NO CELULAR MOBILOGO: UMA EXPERIÊNCIA DO LOGO NO CELULAR Romerito C. Andrade 1, Maurício D. Avelino 1, Wellington C. de Araújo 1, Frederico M. Bublitz 2 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Patos PB Brasil 2

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço Adriano Alves da Silva 1, José Flávio Gomes Barros 2, Henrique Rocha Fontenele e Jean Carlo Galvão Mourão 3 1 Bacharel em Sistemas de Informação - Faculdade

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

SO Sistemas Operacionais

SO Sistemas Operacionais GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO A ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA SO Sistemas Operacionais Curso de Informática ETE REPÚBLICA - Rua Clarimundo de Melo, 847, Quintino

Leia mais

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Wagner da Costa Araújo 1, José Flávio Gomes Barros 2 1 Bacharel em Sistemas de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas Operacionais 1- Introdução aos SOs Prof. Sílvio Fernandes Disciplina Sistemas

Leia mais

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Java & OpenJDK Thiago S. Gonzaga Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Tópicos Sobre a Sun Microsystems Algumas tecnologias da Sun Linguagem de Programação Ciclo de Desenvolvimento O que é Java?

Leia mais

CONTROLE DE PONTO UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD

CONTROLE DE PONTO UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD P CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UNICEUB CONTROLE DE PONTO UTILIZANDO A TECNOLOGIA JAVA CARD ALUNO: GIOVANNI FERREIRA DE SOUSA Orientador: Profª. M.C. Maria Marony Sousa F. Nascimento Brasília - DF,

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Proposta de PFC. Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME.

Proposta de PFC. Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME. Proposta de PFC Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME. Aluno: Vitor Gobato Orientador: Fábio Nogueira 1 1. Introdução

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil Gestão de uma Farmácia Solidária a partir de um Aplicativo Pautado em Normas, Padrões e Requisitos preconizados pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde Osmani José Sadzinski 1, Fabio Duarte 1,4,

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES Célia Hirata Aoki - celia@unisalesiano.edu.br Prof. M.Sc. Anderson Pazin - pazin@unisalesiano.edu.br RESUMO As fortes expansões

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CASO DE USO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CASO DE USO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Caso de Uso Descreve o modelo funcional (comportamento) do sistema Técnica de especificaçao de requisitos Especifica um serviço que o sistema

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

4758 LINUX PROJECT. - Disponível para os ambientes Windows NT, Windows 2000, AIX, OS/400, z/os, e usuários de sistemas OS/390 ;

4758 LINUX PROJECT. - Disponível para os ambientes Windows NT, Windows 2000, AIX, OS/400, z/os, e usuários de sistemas OS/390 ; UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA ELETRICIDADE HABILITAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS DISTRIBUÍDOS

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PADRÕES DE PROJETO E FRAMEWORK NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Nelson Ribeiro de Carvalho Júnior 1 RESUMO Atualmente o cenário mundial cuja dependência do software está cada vez mais evidente requer que

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Me. Eng. JOÃO ALVAREZ PEIXOTO. Sistemas Multi-agentes em Java utilizando a plataforma JADE

Me. Eng. JOÃO ALVAREZ PEIXOTO. Sistemas Multi-agentes em Java utilizando a plataforma JADE Me. Eng. JOÃO ALVAREZ PEIXOTO Sistemas Multi-agentes em Java utilizando a plataforma JADE Objetivo: implementar sistemas de manufatura utilizando sistemas multiagentes, a partir da plataforma JADE. Tópicos

Leia mais

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE

FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE FERRAMENTA DE WORKFLOW DE DOCUMENTOS PARA O AMBIENTE COLABORATIVO ARCASE Marcello Thiry thiry@univali.br Ana Frida da Cunha Silva anafrida@univali.br Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Campus São José

Leia mais

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com MODELOS DE PROCESSO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar os modelos de processos de desenvolvimento de software Permitir uma melhor compreensão do processo de desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

SISTEMA PARA AUDITORIA DE SEGURANÇA DE BANCO DE DADOS ORACLE.

SISTEMA PARA AUDITORIA DE SEGURANÇA DE BANCO DE DADOS ORACLE. UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA PARA AUDITORIA DE SEGURANÇA DE BANCO DE DADOS ORACLE. Alan Filipe Mattiollo Prof. Cláudio Ratke, Orientador Introdução Objetivos

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS Anexo I Modelo para inscrição e apresentação dos projetos EDITAL DE CONVOCAÇÃO PÚBLICA nº 01/2016 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome ou Razão Social 1.2 Ramo de atividade (se empresa) 1.3 Endereço completo 1.4

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil 1 Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web OBJETIVOS Neste capítulo, você aprenderá: Conceitos básicos de hardware e software. Conceitos básicos de tecnologia de objeto, como classes,

Leia mais

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Uma Introdução ao J2ME Computação Móvel (MAC5743/MAC330) DCC-IME-USP Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Visão Geral do Java 2 (1) A plataforma Java 2 engloba três elementos:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Célia Hirata Aoki Anderson Pazin LINS SP 2009 2 JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS RESUMO As fortes expansões do mercado de desenvolvimento de softwares,

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

Produtos da Fábrica de Software

Produtos da Fábrica de Software Produtos da Fábrica de Software Módulo Biométrico Computer ID - MBC O que é? O Módulo Biométrico Computer ID é um produto, constituído por componentes de software, cuja finalidade é oferecer recursos tecnológicos

Leia mais

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado

Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado INTERFACE E AMBIENTE Versão - 09/2007 OBJETIVO OBJETIVO O Guia Técnico da Solução TEF Discado/Dedicado foi elaborado para apoiar a integração de Aplicativos

Leia mais

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PORTÁVEIS PARA A PLATAFORMA POCKET PC

Leia mais