Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 Maputo, Moçambique 2008

2

3

4

5

6 6

7 Factores Externos Demográficos: (idade, sexo) Socio-económicos: (educação, ocupação) Ambiente: (conflitos, clima) Sistemas Saúde (DOTS) Disponibilidade Acesso Utilização Detecção Casos Prevalência Incidência HIV co-infecção MDR-TB Compromisso Político Envolvimento Doador Programa Nacional Estigma Tratamento Sintomas HIV Desnutrição Alcoolismo Diabetes Fonte: MEASURE Evaluation 2004

8 Desnutrição infantil, morte e incapacidade Resultado Consumo nutricional inadequado Doença Causas Imediatas Acesso insuficiente de alimentos Práticas inadequadas de cuidado materno-infantil Agua e saneamento pobre e serviços de saúde inadequados Causas fundamentais a nível de moradia e família Fonte: UNICEF. State of the World s Children 1998 Quantidade e qualidade de recursos - humanos, económicos e organizacionais e como são controlados Recursos potenciais: ambiente, tecnologia, capital humano Causas básicas a nível de sociedade

9

10

11 SO1: Incrementado o Uso de PF, SMI, medidas Preventivas de HIV/SIDA IR1: Incrementada a Disponibilidade de serviços com qualidade IR2: Incrementada Procura de serviços IR1.1: Informação e serviços aumentados IR1.2: Conhecimentos sobre reprodução e saúde infantil dos clientes (Alvo) melhorados IR1.2: Capacidade e Conhecimento dos Técnicos Melhorados IR1.3: Gestão eficaz e sustentada

12 stakeholders

13 O que investimos Funcionários Voluntários Tempo Dinheiro Pesquisas base Materiais Equipamentos Tecnologia Parceiros Que fazemos Workshops Encontros Entrega servicos Desenvolvimento produtos, curriculum, pesquisas Treinamentos Aconselhamentos Facilitamos Fazemos parceria Trabalhamos com imprensa Quem alcancamos Participantes Aprender Acção Condições Clientes Agências Decisores Consciência Conhec. Atitudes Habilidades Opiniões Aspirações Motivações Acreditar Praticar Decisão Políticas Acção social Sociais Económicas Civil Meio ambiente Saúde

14

15

16 Descrição do Projecto Indicadores Meios de Pressupostos verificação Goal: Descrição ampla do Impacto Mede até que ponto o programa Fonte e métodos de que se pretende com o programa contribuiu de forma sustentável para o recolha e ao nível nacional ou sectorial Goal. Usa-se durante a Avaliação. apresentação dos dados Enquadramento do Problema As condições no fim do programa que Fonte e métodos de Pressupostos (Propósito): Define de forma geral indicam que o propósito foi alcançado recolha e referentes a relação e abrangente, as intenções e os resultados esperados do programa. e os benefícios são sustentáveis. Usa- se na conclusão do projecto e na sua apresentação dos dados. entre o propósito e goal. avaliação. Objectivos : O resultado esperado Mede ate que ponto os objectivos Fonte e metodos de Pressupostos na produção de determinado foram alcançados e conduzem de recolha e referentes a relação Output forma sustentável aos benefícios apresentacao dos entre os outcomes e esperados. Usa-se durante a Revisão dados. o proposito. e Avaliação. Outputs: Os Resultados directos e Mede a quantidade e qualidade dos Fonte e metodos de Pressupostos mensuraveis( bens ou serviços), do output, bem como o tempo em que recolha e referentes a relação projecto. Normalmente sob controlo dos gestores do programa são entregues. Usa-se durante a monitoria e review. apresentação ds dados. entre os output se os outcomes. Actividades: As tarefas As metas da implementação do Fonte e métodos de Pressupostos executadas para produzir os programa/projecto.usa-se durante a recolha e referentes a relação outputs identificados monitoria apresentação dos dados. entre o actividades e os outputs.

17 Estrutura / Breve descrição Gestão do Programa Base para a Monitoria e Modelo Avaliação Conceptual Interacção dos vários Determina quais factores Não. Pode ajudar a explicar componentes e serão influenciados pelo os resultados factores programa Resultados Objectivos do Mostra a relação causal Sim Ao nível dos objectivos programa ligados de forma lógica entre os objectivos do programa Modelo Lógico Liga de forma lógica Mostra a relação causal Sim Em todos estágios do os inputs, processes, entre inputs e os objectivos programa, desde os inputs ao outputs, e outcomes, process para o outputs e destes para outcomes/ objectivos Quadro Lógico Liga de forma lógica Mostra a relação causal Sim ao nível dos outputs e (Logical Framework) os objectivos, outputs entre as actividades e os objectivos e actividades do objectivos programa

18

19 19

20 MEASURE Evaluation is funded by the U.S. Agency for International Development (USAID) through Cooperative Agreement GPO-A and is implemented by the Carolina Population Center at the University of North Carolina in partnership with Constella Futures, John Snow, Inc., Macro International, and Tulane University. Visit us online at

Pressupostos verificação

Pressupostos verificação Maputo, Moçambique 2008 Descrição do Projecto Indicadores Meios de Pressupostos verificação Goal: Descrição ampla do Impacto Mede até que ponto o programa Fonte e métodos de que se pretende com o programa

Leia mais

Capacitação em Monitoria e Avaliação Apresentação. Maputo, Moçambique 2008

Capacitação em Monitoria e Avaliação Apresentação. Maputo, Moçambique 2008 Capacitação em Monitoria e Avaliação Apresentação Maputo, Moçambique 2008 Objectivo Principal Criar e estabelecer capacidade técnica institucional em Monitoria e Avaliação Porque é importante uma capacidade

Leia mais

ANÁLISE ANÁ DE DADOS DAD

ANÁLISE ANÁ DE DADOS DAD ANÁLISE DE DADOS Maputo, Moçambique 2008 Objectivos No final deste módulo espera-se que o participante seja capaz de: Distinguir as etapas na Análise de Dados Qualitativos Distinguir as etapas na Análise

Leia mais

Módulo 11 Por que escrevemos relatórios? Maputo, Moçambique 2008

Módulo 11 Por que escrevemos relatórios? Maputo, Moçambique 2008 Módulo 11 Por que escrevemos relatórios? Maputo, Moçambique 2008 Conteúdo Objectivos de um relatório Aspectos importantes de um relatório Partes componentes de um relatório Dicas para um relatório de avaliação

Leia mais

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES CMSC-FAC COMUNICAÇÃO PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES PARTE II: FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO Esta publicação é tornada possível graças

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

Guia de Aprendizagem Combinada K4Health Perguntas de Acompanhamento

Guia de Aprendizagem Combinada K4Health Perguntas de Acompanhamento Guia de Aprendizagem Combinada K4Health Perguntas de Acompanhamento A finalidade das Perguntas de Acompanhamento do Guia de Aprendizagem Combinada K4Health é auxiliar aos instrutores que dirigem workshops

Leia mais

Maputo, Moçambique 2008 200

Maputo, Moçambique 2008 200 Maputo, Moçambique 2008 MÓDULO 1: COLECTA DE DADOS Objectivos No final deste Módulo espera-se que o participante seja capaz de Identificar os vários métodos de colecta de dados o seu uso e limitações Conhecer

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão

Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Acção Social Produtiva em Moçambique: algumas questões chave para discussão Denise Magalhães Projecto STEP em Moçambique Maputo, 12 de Maio de 2010 1 Elementos chave na definição de um Programa Nacional

Leia mais

MICRO-FINANCIAMENTO PARA HABITAÇÃO SUSTENTAVEL NA AFRICA SUB-SAHARIANA: UMA INICIATIVA DE APOIO REGIONAL 1 Maputo, Moçambique 25 Janeiro 2012 URBAN FINANCE BRANCH Sept 11, 2009 CPR Working Group meeting

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Comunicação para alterações sociais

Comunicação para alterações sociais + Orientação Técnica Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Comunicação para alterações sociais A comunicação é um elemento essencial dos esforços de prevenção, tratamento e cuidados

Leia mais

Guião para a elaboração da Teoria de Mudança. ... juntos pela boa governação!

Guião para a elaboração da Teoria de Mudança. ... juntos pela boa governação! Guião para a elaboração da Teoria de Mudança... juntos pela boa governação! Guião para a elaboração da Teoria de Mudança Maputo, Março de 2013 FICHA TÉCNICA Título: Guião para a elaboração da Teoria de

Leia mais

NOÇÕES DE. Maputo, Moçambique

NOÇÕES DE. Maputo, Moçambique NOÇÕES DE ESTATISTICA BÁSICA Maputo, Moçambique 2008 Objectivos No final deste módulo espera-se que o participante seja capaz de: Distinguir variáveis e constantes Identificar variáveis qualitativas e

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA

EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL EXPERIÊNCIA DE MOÇAMBIQUE NA IMPLEMENTAÇÃO DA SEGURANÇA SOCIAL BÁSICA 16 DE OUTUBRO DE 2013 1 CONTEXTO DE MOÇAMBIQUE Cerca de 23 milhões de

Leia mais

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Estoril, 22 de Setembro de 2009 1 Aspectos a Abordar Porquê Comunicar?

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ

1. SUMÁRIO EXECUTIVO 2. GERAÇÃO BIZ 1. SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Geração Biz (PGB) é um programa de promoção de Saúde Sexual e Reprodutiva e prevenção do HIV que teve o seu inicio em 1999, como um projectopiloto na Cidade de Maputo e

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Formulário de PEPFAR para Financiamento de Actividades de Prevenção A/B

Formulário de PEPFAR para Financiamento de Actividades de Prevenção A/B Formulário de PEPFAR para Financiamento de Actividades de Prevenção A/B O Escritório dos Assuntos Públicos do Governo Americano em Moçambique tem fundos disponíveis para apoiar projectos de HIV/SIDA em

Leia mais

Ciclo de Vida de Projetos Sociais

Ciclo de Vida de Projetos Sociais P R O N O R D 2004 Ciclo de Vida de Projetos Sociais Um estudo dos projetos de Vitae Apoio à Cultura, Educação e Promoção Social Eduardo Marino, Everton L. P. de Lorenzi Cancellier 1. Introdução É cada

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

A protecção social e as crianças

A protecção social e as crianças A protecção social e as crianças Anthony Hodges Consultor ao UNICEF Seminário do MMAS e da OIT no Bilene, Moçambique, do 7 ao 9 de Maio de 2010 Plano da apresentação Importância da protecção social para

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Ministério dos Negócios Estrangeiros Instituto da Cooperação Portuguesa

Ministério dos Negócios Estrangeiros Instituto da Cooperação Portuguesa GLOSSÁRIO DA AVALIAÇÃO E DA GESTÃO CENTRADA NOS RESULTADOS Termos agrupados por categorias Garantia de qualidade Apreciação prévia Auditoria Conclusões Avaliabilidade Avaliação Retroacção / Assimilação

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Data países

Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Data países Linhas de Financiamento com Candidaturas abertas - Abril 2012 Regiões / Links Financiador Tema Questões chave Data Montantes países importantes Notas 1 Gates Advocacy Melhorar o apoio da opinião pública

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Apresentação de 4 anos de actividade. DNA Cascais. Apoiamos Empreendedores

Apresentação de 4 anos de actividade. DNA Cascais. Apoiamos Empreendedores Apresentação de 4 anos de actividade DNA Cascais Apoiamos Empreendedores 7 de Fevereiro 27 de Outubro de 2011 de 2010 ECOSSISTEMA EMPREENDEDOR COMO INDUTOR DO TALENTO E DA SUSTENTABILIDADE ECONÓMICA E

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA

REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA APROVADO POR UNANIMIDADE NA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 22 DE OUTUBRO DE

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

A Formação ao Longo da Vida (LLL) e o Processo de Bolonha

A Formação ao Longo da Vida (LLL) e o Processo de Bolonha A Formação ao Longo da Vida (LLL) e o Processo de Bolonha Resultados do Projecto Beflex+ Estela Pereira Universidade de Aveiro-Portugal Comissão de gestão do Beflex+ Objectivos de Beflex+ Avaliar a evolução

Leia mais

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções?

Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? Seminário Acção Social Produtiva em Moçambique: Que possibilidades e opções? A Acção Social Produtiva no Quadro da Regulamentação do Subsistema de Segurança Social Básica e da Estratégia Nacional e Segurança

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+

Jornadas da Medicus Mundi: Coordenação no Pais do Fundo Global. Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ Jornadas da Medicus Mundi: Cooperação no Sector Saúde em Moçambique: Aspectos Contemporâneos Funcionamento do Mecanismo de Coordenação no Pais do Fundo Global Kate Brownlow membro do MCP/NAIMA+ O que é

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio»

«Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» Regulamento «Conta-nos: Voluntariado pelos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio» 1. Promotor O Projecto de apoio a implementação do Programa Nacional de Voluntariado de Cabo Verde (PNV), executado

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

PARTE VI Habilidades Básicas para Análise Orçamental IESE (Instituto de Estudos Sociais e Económicos) BEIRA 1 E 2 DE DEZEMBRO 2010

PARTE VI Habilidades Básicas para Análise Orçamental IESE (Instituto de Estudos Sociais e Económicos) BEIRA 1 E 2 DE DEZEMBRO 2010 PARTE VI Habilidades Básicas para Análise Orçamental IESE (Instituto de Estudos Sociais e Económicos) BEIRA 1 E 2 DE DEZEMBRO 2010 Introdução O objectivo deste módulo é introduzir algumas técnicas básicas

Leia mais

Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará

Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará Programa para Resultados - PforR IPECE 16/10/2014 Estrutura Geral das Áreas de Atuação

Leia mais

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA Um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente de saúde em mudança constante. O programa de Liderança Para a Mudança teve o apoio

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Processo do Design. Atividades básicas:

Processo do Design. Atividades básicas: Design de Interface Processo do Design Atividades básicas: Análise da Situação Atual (identificação do problema) Síntese de uma Intervenção Avaliação da Intervenção Projetada Segunda Parte do Curso Iremos

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

1130 portugueses espalham se pelo mundo em projectos de Voluntariado Missionário

1130 portugueses espalham se pelo mundo em projectos de Voluntariado Missionário FUNDAÇÃO EVANGELIZAÇÃO E CULTURAS COMUNICADO DE IMPRENSA (2011_004) 1130portuguesesespalham sepelo mundoemprojectosdevoluntariado Missionário Emtempodefestivaiseviagensdelazer,jovenseadultos preferemdedicarasfériasaovoluntariado

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos Raquel Moreira NIC Núcleo de Investigação em de Recursos Pesquisa e Consultoria Tema e objetivos de nossa conversa Reflexão sobre:

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

CAP Mozambique. Strengthening Leading Mozambican NGOs and Networks. Ferramenta para a Avaliação da Saúde Financeira. da Autoria da MANGO.

CAP Mozambique. Strengthening Leading Mozambican NGOs and Networks. Ferramenta para a Avaliação da Saúde Financeira. da Autoria da MANGO. CAP Mozambique Strengthening Leading Mozambican NGOs and Networks Ferramenta para a Avaliação da Saúde Financeira da Autoria da MANGO Maio- 2010 The Strengthening Leading Mozambican Organizations and Networks

Leia mais

Bilene, Manica e Mogovolas

Bilene, Manica e Mogovolas CONTRIBUIÇÃO DO FDD NO FOMENTO DO EMPREGO RURAL- Criando Postos de Trabalho Através do Empreendedorismo A experiência dos Distritos de Bilene, Manica e Mogovolas Apresentado por André Calengo (Lexterra,

Leia mais

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique

Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique República de Moçambique Ministério da Educação Modelos Legais e Políticos para o Desenvolvimento de um Programa Nacional de Alimentação Escolar em Moçambique Senhor Augusto Jone Ministro da Educação Vamos

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Bandeira Azul. Educação ambiental Planear e avaliar em educação:

IV Seminário Nacional do Programa Bandeira Azul. Educação ambiental Planear e avaliar em educação: IV Seminário Nacional do Programa Bandeira Azul Educação ambiental Planear e avaliar em educação: revendo conceitos para mudar conceções e práticas Enquadramento As campanhas/projectos/actividades começam

Leia mais

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS 2013-03-16 1 Alfredo Bruto da Costa Pontos de reflexão: 1.Desde o século XII, a sociedade portuguesa revela uma preocupação activa pelos pobres (em termos culturais,

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO Painel 2: Serviço público de excelência casos de sucesso na Administração Pública O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO 08 de Outubro de 2010 Visão da Cidade

Leia mais

Protecção Social em Moçambique

Protecção Social em Moçambique Republica de Moçambique Missão de Estudo Brasil - África de Cooperação e Promoção da Protecção Social Protecção Social em Moçambique Brasília, 25 de Agosto de 2008 Protecção Social em Moçambique Protecção

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa Porto, 22FEV2013 Vitor Alaiz, vitoralaiz@gmail.com

Universidade Católica Portuguesa Porto, 22FEV2013 Vitor Alaiz, vitoralaiz@gmail.com Universidade Católica Portuguesa Porto, 22FEV2013 Vitor Alaiz, vitoralaiz@gmail.com 1 Era uma vez um docente, amigo crítico, 2 Avaliação? http://www.radiodramarevival.com/wpcontent/uploads/2009/06/mblogoo.jpg

Leia mais

André Campos Sistema de Segurança da Informação Controlando os Riscos 2 a Edição Visual Books Sumário Parte I - Sistema de Gestão 13 1 Conceitos Essenciais 15 1 1 Informação 15 1 2 A Informação e sua Importância

Leia mais

Tecnologias de Energias Renováveis e uso sustentável da energia - Caso das Escolas Secundárias em Moçambique

Tecnologias de Energias Renováveis e uso sustentável da energia - Caso das Escolas Secundárias em Moçambique CENTRO DE TECNOLOGIAS EDUCATIVAS(CTE) NÚCLEO DE ELECTRÓNICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Campus de Lhanguene, Av. de Moçambique, km1; Telefone +258 21401078; Fax: +258 21401082; Maputo - Moçambique Tecnologias

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Id: 40938 (31 years)

Id: 40938 (31 years) Ver foto Id: 40938 (31 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 01/08/1984 País: Mozambique, Região: Maputo, Cidade: Maputo Cidade Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO: Objectivo:

Leia mais

Sumário. Parte I - Sistema de Gestão... 13. 1 Conceitos Essenciais... 15. 2 O que é a Segurança da Informação?... 17

Sumário. Parte I - Sistema de Gestão... 13. 1 Conceitos Essenciais... 15. 2 O que é a Segurança da Informação?... 17 Sumário Parte I - Sistema de Gestão... 13 1 Conceitos Essenciais... 15 1.1 Informação... 15 1.2 A Informação e sua Importância... 16 2 O que é a Segurança da Informação?... 17 2.1 Confidencialidade...

Leia mais

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades

Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades PROJECTO DE NUTRIÇÃO INFANTIL RESUMO DAS ACTIVIDADES MOÇAMBIQUE Avanço da Iniciativa Hospital Amigo da Criança em institucionais e comunidades Apresentação do projecto IYCN em Moçambique O Projecto de

Leia mais

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul

O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA. Pretoria Africa du Sul O VALOR DAS VERDADEIRAS PARCERIAS PARA O REFORÇO DAS CAPACIDADAES LOCAIS: A EXPERIÊNCIA DO FOJASSIDA Pretoria Africa du Sul Conteúdo 1. Apresentação da FOJASSIDA 2. Introdução 3. Diferentes formas de parcerias

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica

Avaliação Ambiental Estratégica Mestrado em Engenharia do Ambiente Avaliação Ambiental Estratégica O que é a AAE? Evolução, âmbito, formas, benefícios 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento (processo)

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

A Comunicação Social nas Organizações do Terceiro Setor. Sylvia Bojunga Ciclo de Debates FIJO/PUCRS Porto Alegre, 29/9/2010

A Comunicação Social nas Organizações do Terceiro Setor. Sylvia Bojunga Ciclo de Debates FIJO/PUCRS Porto Alegre, 29/9/2010 A Comunicação Social nas Organizações do Terceiro Setor Sylvia Bojunga Ciclo de Debates FIJO/PUCRS Porto Alegre, 29/9/2010 Contexto de mudanças Maior aproximação entre as OSC, empresas e setor público

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos

15/10/2012. Oficina de Mobilização de Recursos. Apresentação. Estrutura de um Projeto. Programação. Conteúdos Apresentação Oficina de Mobilização de Recursos 1. Nome 2. Instituição 3. Você conhece os ODM? 4. Já trabalhou com projetos? 5. Expectativas com a Oficina? odm@fiepr.org.br Programação Estrutura de um

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

MENSAGEM AO FORNECEDOR

MENSAGEM AO FORNECEDOR MENSAGEM AO FORNECEDOR O Código de Conduta da AABB Porto Alegre para fornecedores é um documento abrangente, que trata de temas diretamente ligados ao nosso cotidiano de relações. Neste material, explicitamos

Leia mais

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos

Código de Conduta. Os nossos cinco princípios fundamentais: O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos O nosso compromisso de cuidar e curar Código de Conduta Os nossos cinco princípios fundamentais: Doentes O benefício e a segurança do doente estão no centro de tudo o que fazemos Colaboradores Tratamos

Leia mais

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura Catalysing sustainable Investment in Agriculture Oportunidade de Investmento no Corredor da Beira Quase 10 milhões de hectares de solos apropriados

Leia mais

Monitoramento e avaliação como instrumentos complementares para o desenho e operação de políticas públicas eficazes. Ricardo Paes de Barros - SAE

Monitoramento e avaliação como instrumentos complementares para o desenho e operação de políticas públicas eficazes. Ricardo Paes de Barros - SAE Monitoramento e avaliação como instrumentos complementares para o desenho e operação de políticas públicas eficazes Ricardo Paes de Barros - SAE Roo de Janeiro, 20 de Março de 2013 Construindo um Sistema

Leia mais

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP

Vencendo os desafios da Educação nos PALOP WORKSHOP INTERNACIONAL Vencendo os desafios da Educação nos PALOP Seminário para o diálogo e a troca de conhecimento e experiências na área do ensino básico destinado aos Países Africanos de expressão

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais