CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO DA MORFOSSINTAXE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO DA MORFOSSINTAXE"

Transcrição

1 MÁTHESIS CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO DA MORFOSSINTAXE 0. Ns us últims écs o conhcimnto sobr língu portugus rgistou vnços muito significtivos rltivmnt o qu nts s possuí sobr qulqur um s componnts su grmátic contmporân. Aos poucos, prátic pgógic rflct, form mnos incisiv o qu porvntur sri sjávl, sss sbrs novos qu comuni cintífic tm gro. Um vz ultrpsss ficint ifusão por prt s instituiçõs cintífics os rsultos qu prouzm, ficint procur s novis qu ciênci coloc o ispor os intrssos, strão ncontrs s vis pr um frutuos cooprção cintífico-pgógic. Pnso há muito qu, inpnntmnt s circunstâncis qu conicionm o nsino língu portugus ns nosss comunis scolrs, é missão os ocnts formr lunos não pns proficints n su língu mtrn, ms tmbém possuiors um sbr spcilizo qulifico crc strutur o funcionmnto st. Conhcr o mis profunmnt possívl noss língu é um form privilgi cultivr tmbém confrontr, contrstivmnt, com s mis língus strngirs qu os lunos vm sbr utilizr. Ain qu os progrms português s putm por objctivos qu, olhos mis xignts, pom sr consiros xíguos, quno xclum ou scunrizm o conhcimnto grmátic xplícit língu, o profssor português v, o invés, promovr st conhcimnto, útil toos os títulos, à cbç os quis o intlctul o cogn(osc)itivo. E os nossos lunos não são, nst como noutros cpítulos, mnos cpzs ou mnos otos o qu os sus congénrs outrs ltitus. Dfno por isso qu scol, nos nívis nsino mis básicos, v ssgurr prnizgm conscint língu mtrn, não pns um corrct ficz utilizção st. À scol cumpr grntir prnizgm comptêncis linguístics crscis, qu stão muito pr lém s spontnmnt prnis, ntr s

2 260 quis vult o conhcimnto técnico grmátic o uso língu mtrn, um os objctivos primoriis isciplin português qu, por isso, não po sr torno. Tornr st conhcimnto trnt sm scurr o rigor técnico cintífico qu lh é vio são sirtos pr os quis os profssors crtmnt stão hbilitos, rcortno pr tl s strtégis iáctics pgógics qus. Não é missívl qu, à sí o básico ou té o scunário, os nossos lunos não possum su língu mtrn snão um sbr mis ou mnos intuitivo imprssionist, ou criticmnt clssifictório não rflxivo, não s ncontrno hbilitos pr s pronuncir com um mínimo proficiênci mtlinguístic sobr strutur o funcionmnto su língu mtrn. Fomntr o gosto pl rflxão sobr o fnómno linguístico, lrgr profunr os conhcimntos sobr s ctgoris cognitivs, rfrnciis linguístics qu mnipulmos, snvolvr o conhcimnto crítico tcnicmnt qulifico sobr grmátic língu mtrn são, pois, trfs primir orm qu cumpr o profssor pôr m prátic, form progrm, oprtóri ficz. Dus são s rzõs miors qu prsim à borgm qu m proponho lvr cbo. Em primiro lugr, o fcto tr consciênci qu um s árs m rlção às quis invstigção grmticl sobr noss língu mis tm vnço nos últimos nos é sgurmnt morfossintx. É por isso fácil o sfsmnto ntr o qu qulqur um nós prnu urnt su formção suprior os conhcimntos crscios rnovos qu ctulmnt pomos ispor sobr morfologi sintx noss língu. Em sguno lugr consttção qu prsist lgum zon pnumbr rltivmnt às frontirs ntr clsss struturs morfológics clsss ( té msmo funçõs) sintáctics. São, pois, sts ois tipos ctgoris grmticis qu nos vmos ocupr Clsss morfológics As clsss morfológics cujs mnifstçõs m vou ocupr são s ricl, tm (simpls ou rivo), vogl tmátic (VT) ou ínic tmático, mrcor clss, morfm tmpo-spcto- 1. Sguno Cmpos (1991, p. 32, not 2), n trição uropi, signm-s por ctgoris grmticis «s ctgoris smântics qu, m c língu s xprimm bsicmnt trvés um sistm fcho morfms grmticis (incluino morfms suprssgmntis orm plvrs)». Porqu usmos grmticl m sntio mplo, ns clsss grmticis inclum-s s morfológics s sintáctics.

3 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 261 -moo, morfm pssoo-numrl, fixo, bs gnolxicl 1. Pr intificr crctrizr sts constituints, tomo por xmplo um form vrbl rgulr, flxion, com sguint configurção intrn: Tm + Morfms flxionis O tm é constituío plo Ricl pl Vogl Tmátic (VT). O ricl é, portnto, o constituint qu prmnc pós suprssão VT o tm. Por su turno, os morfms flxionis, imprtivmnt colocos à irit o Tm, istribum-s ssncilmnt por us clsss: os morfms tmporo-spctuo-mois (ou tmbém tmpo-spcto-moo) os morfms pssoo-numris (ou númro- -pssois). Como s própris nominçõs vincim, trt-s m c um os csos ctgoris qu frquntmnt s ncontrm mlgms. Por isso, muits vzs s bstri o fcto, por xmplo, ctgori spcto str ssoci à tmpo moo. No âmbito os vrbos rgulrs o português ispomos vrbos tm ( VT) m - (1ª conjugção), m - (2ª conjugção) m -i (3ª conjugção). O constituint tmático (VT) é, pois, o constituint qu rliz ctgori morfológic tm vrbl m qu o ricl s inscrv. O squm sguint visuliz strutur intrn típic os vrbos. Tm (Ricl + VT) + + Morfms flxionis (Tmpo-Aspcto-Moo Númro-Psso) O quro sguint xmplific lgums s ocorrêncis flxions vrbos rgulrs inscritos ns três clsss conjugcionis qu língu portugus ispõ. A fim simplificr 1. A sts clsss morfológics por-s-im congrgr s ríz (nominor comum os trmos um fmíli plvrs), núclo (simpls ou primário rivo ou scunário), sinênci, normlmnt grmticl, fixo, flxionl ou rivcionl. Pr um clrificção sts concitos, lguns os quis mnos unívocos ou ispnsávis pr o objcto nális qui lv cbo, vj-s Hrculno Crvlho (1984 b: ).

4 262 visulizção, rprsntção opt rprouz configurção gráfic com qu os signos s prsntm, não strutur fonomorfológic sts.

5 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 263 Form citção Ricl Vogl Tmátic Morfm tmpospcto-moo Morfm pssonúmro nr n v mos consirr consir ss m conhcr conhc r s r [] o rptir rpt i ss ir i r s A obsrvção st quro prmit consttr qu os constituints nuncios como típicos strutur intrn os vrbos prão rgulr não s ncontrm ncssrimnt xplicitos. Como vrmos, nos próprios prigms rgulrs flxão vrbl vrificm-s qur suprssõs /ou ltrçõs configurção lguns constituints o qu contc frquntmnt com VT, qur usênci mrc flxionl tmpo-spcto-moo (vj-s o Prsnt o Inictivo) /ou psso-númro (vj-s rprsntção 3ª psso o singulr). Por último, não rro um morfm prsnt-s sob ivrss configurçõs, qu hbitulmnt s á o nom lomorfs. Um xmplo prototípico é o morfm Prsnt o Conjuntivo, qu s mnifst trvés os lomorfs (primir mis conjugçõs, rspctivmnt). Um nális mis circunstnci strutur intrn o vrbo srá lv cbo m 1.1. Nos noms, sjm substntivos proprimnt itos, pronoms, numris nos jctivos, o ricl po ssocir-s, à su irit, um mrcor/ínic clss 1, um morfm númro (plurl). Os mrcors clss são - (ms, méic, fntsm, pot), -o (livro, méico, tribo, ráio) - (pnt, gnt, livr). N trição grmticl sts morfms são invimnt consiros sufixos génro. Não s trt fctivmnt oprors génro, pois st é, fcto, trmino plo trminnt qu s ncontr à squr o Nom. Comprov-o o cráctr ltorimnt fminino ou msculino os noms trminos m qulqur um os oprors 1. A signção "mrcor clss", qu qui opto, foi primirmnt utiliz por Jms Hrris, m Spnish wor mrkrs (1985). Em ltrntiv outros utors usm s signçõs constituint ou ínic tmático.

6 264 mncionos, bm ssim o cráctr mbígno outros. O quro sguint, m qu os noms prcm mrcos como [+Fm], [-Fm], ou como [±Fm], quno mbígnos, ilustr o xposto. Mrcor clss - -o - [+Fm] [-Fm] [±Fm] ms méic vist tribo ráio ()mão gnt pr r o fntsm o pot o comt o livro o méico o ráio prlho o pnt o nt o scrot o/ tlt o/ rtist o/ fcínor o/ soprno o/ cônjug o/ clint o/ issint S stblcrmos um prllismo com strutur intrn os vrbos, os mrcors clss prsnts m noms m jctivos funcionm lgum moo como constituints tmáticos, ou sj, como os constituints qu rlizm ctgori morfológic tm m qu o ricl s inscrv. A st função constituints tmáticos crsc, supltivmnt, co-significnts génro. À função primári "ctulizors léxicos", como lhs chm Hrculno Crvlho no su conhcio rtigo com st título (1984 ), ou sj, à constituints qu, juntos um ricl, prmitm o tm ssim constituío funcionr como plvr, como signo lxicl oto utonomi sintáctic, os mrcors clss ssocim, cumultivmnt, função não tnto vriros morfms génro, como sustnt st utor, ms co-inicors o msmo, mnifstno clss grmticl o génro qu prtnc o substntivo. Por-s-á ntão consirr qu, como fni m Prõs formção vrbos m português (Rio-Torto, 1998), o constituint tmático/ Vogl Tmátic s fin ssncilmnt como um intgror prigmático o ricl num clss morfológic, como um formtor morfológico o ricl, qu, no cso os noms os jctivos, prmit qu os sus ricis s constitum os tms nominis suscptívis funcionr como plvrs lxicl sintcticmnt utónoms. Em rlção o constituint tmático (VT) qu figur nos vrbos, rtomri qui crctrizção já fit no rtigo mnciono: «constituint qu fin conjugção, porqu mrcor clss

7 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 265 tmátic, vogl tmátic fin-s como um opror tmático, ou sj, como um constituint formtor morfologi intrn o vrbo como um formtor bs flxão rivção, qu só é ctivo m contxto flxionl ou rivcionl» (Rio-Torto: 1998, p. 322). Divrss são s árs m rlção às quis o conhcimnto strutur intrn s unis lxicis rprsnt um mis-vli instimávl. Um prn-s com o conhcimnto circunstncio, tcnicmnt sustnto, strutur intrn o vrbo (cf. 1.1.), lmnto cntrl to rlção proposicionl. Outr prn-s com limitção s frontirs strutur intrn s bss os fixos rivcionis o português (cf. 1.3.). Outr com motivção /ou inciênci morfológic ou lxicl lguns os tipos rros gráficos qu os nossos lunos prticm (cf. 1.2.). Finlmnt, outr iz rspito o conhcimnto ifrncio, rltivmnt àqul qu ispúnhmos té há pouco, sobr strutur cntul s plvrs noss língu (cf. 1.4.) Morfologi flxionl o vrbo Comçri por trçr lgums s coorns funmntis por qu s rg o sistm flxionl os vrbos rgulrs o português. Trt-s lgums s trvs-mstrs morfologi flxionl o vrbo qu, m mu r, os ocnts língu portugus, sj st língu mtrn ou língu sgun, não porão sconhcr qu, pultinmnt, vrim r conhcr plo mnos os univrsos iscnts mis ifrncios. A su utili m trmos contrstivos, sobrtuo quno s prnm outrs língus românics, é por mis vint pr ispnsr quisqur comntários. O objctivo último consistirá m fzr conhcr os constituints intrnos os vrbos rgulrs, sjm s configurçõs qu os ricis os tms ssumm nos ifrnts cotxtos flxionis qu o sistm proporcion, sjm s configurçõs qu os morfms tmporo- -mois pssoo-numris prsntm, nos ifrnts prigms flxionis. Comçno pl flxão tmporo-mol, importri sublinhr usênci mrc flxionl tmpo-moo m too o Prsnt o Inictivo (bm como no Prtérito Prfito), m qulqur um s conjugçõs rgulrs, por contrst com o Prsnt o Conjuntivo, mnifsto trvés os lomorfs -- --, n primir ns mis conjugçõs, rspctivmnt. Em prllo v nlisr-s o

8 266 comportmnto VT, qu é sistmticmnt suprimi m prsnç um morfm xprsso trvés sgmnto vocálico, como n 1ª Psso o Prsnt o Inictivo (n()o) m too o Prsnt o Conjuntivo (n()), qu s mntém suprficilmnt xprss quno não mnifstção mrc tmporo-mol, como ns mis pssos o Prsnt o Inictivo (ns, n, nmos, nis, nm). Assim contc tmbém quno ctgori tmporo-mol é vs num strutur CV, como no Imprfito o Inictivo (-v- nos vrbos 1ª conjugção), no Mis- -qu-prfito o Inictivo (-r-), no Prtérito Imprfito o Conjuntivo (-ss-), porqunto nsts csos VT s mntém suprficilmnt instnci. Em prsnç vogl igul, como contc no Imprfito o Inictivo, n 3ª conjugção, VT sofr crs. Os quros qu s sgum ilustrm o xposto. Nl os constituints prsntm-s com configurção qu possum m strutur profun, hvno sfsmntos snsívis com su rprsntção m suprfíci (cf. 2ª, 3ª 6ª Pssos o Prsnt o Inictivo ir 5ª Psso toos os vrbos no Imprfito o Inictivo). Entr ( ) rprsnt-s suprssão VT. O sinl sinliz usênci constituint. Prsnt o Inictivo Ricl VT TM PN Ricl VT TM PN Ricl VT T rlmbr rlmbr rlmbr rlmbr rlmbr rlmbr () o s mos is /N/ () o s mos is /N/ (i) i i i i i M PN o s mos is /N/ Prsnt o Conjuntivo Ricl VT T M PN Ricl VT T M PN Ricl VT T M PN

9 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 267 rlmbr rlmbr rlmbr rlmbr rlmbr rlmbr () () () () () () s mos is /N/ () () () () () () s mos is /N/ (i) (i) (i) (i) (i) (i) s mos is /N/ Imprfito o Inictivo Ricl VT T M rlmbr v rlmbr v rlmbr v rlmbr v rlmbr v rlmbr v PN Ricl VT T M () i s () i () i mos () i is () i /N/ () i PN Ricl VT T M i i s i i i i mos i i is i i /N/ i i PN s mos is /N/

10 268 Imprfito o Conjuntivo Ricl VT TM PN Ricl VT TM PN Ricl VT TM PN rlmbr ss ss i ss rlmbr ss s ss s i ss s rlmbr ss ss i ss rlmbr ss mos ss mos i ss mo rlmbr ss is ss is i ss s rlmbr ss /N/ ss /N/ i ss is /N/ Prtérito Prfito o Inictivo 1 Ricl VT TM PN Ricl VT TM PN Ricl V rlmb r rlmb r rlmb r rlmb r rlmb r rlmb r i st u mos sts rn/wn i st u mos sts rn/wn T i i i i i i TM PN i st u mos sts rn/w N No qu às ctgoris pssoo-numris iz rspito, os quros trços prmitm consttr qu sts s putm por rgulris bstnt ssinlávis, qu s truzm (i) pl usênci mrc fxionl 3ª psso, com xcpção /w/ no Prtérito Prfito o Inictivo, (ii) pl usênci mrc flxionl 1ª psso, xcpção fit o Prsnt o Inictivo, m qu s mnifst sob loform - o-, o Prtérito Prfito o Inictivo, m qu s mnifst pl gli /j/, (iii) pls sguints mnifstçõs os morfms pssoonumris: -st (2ª Psso o Prtérito Prfito o Inictivo) -s (2ª Psso o Prsnt o Inictivo o Conjuntivo o Imprfito o Inictivo o Conjuntivo); -mos (4ª Psso), -rn ou /wn/ (6ª Psso o Prtérito Prfito o Inictivo) 2 /N/ (6ª Psso o 1 Sobr s ivrgêncis opinião crc strutur morfológic o Prtérito Prfito Simpls, nommnt no qu iz rspito à xprssão ctgori tmpo-spcto-moo psso-númro, n sxt psso, vj-s o qu s iz ns us nots sguints. 2. Porqu consir qu n sxt psso o morfm Prtérito Prfito Simpls tm configurção -r-, Joquim Mttoso Câmr Jr. fn qu o morfm psso prsnt, nst cso, o lomorf /wn/, grficmnt rprsnto por <m>

11 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 269 Prsnt o Inictivo o Conjuntivo o Imprfito o Inictivo o Conjuntivo); -sts (5ª Psso o Prtérito Prfito o Inictivo) - is- (5ª Psso o Prsnt o Imprfito, nos moos Inictivo Conjuntivo). Um s trfs qu os lunos s porão consgrr po, pois, consistir, m trçr utivmnt os quros gris os constituints tmporo-mois pssoo-numris os vrbos flxão rgulr, qu os quros sguints sinttizm, sm xplicitr s vrints lomórfics cotxtulmnt trmins. Tmpos-moos vrbis 1ª conjugção 2ª conjugção 3ª conjugção Prsnt o Inictivo Prsnt o Conjuntivo Imprfito o Inictivo -v- -i- -i- Imprfito o Conjuntivo -ss- -ss- -ss- Prtérito Mis qu Prfito -r- -r- -r- Inictivo Prtérito Prfito o Inictivo 1 Futuro o Prsnt (o Inictivo) -r/- -r/- -r/- Futuro o Prtérito ou Conicionl -ri- -ri- -ri- Futuro o Conjuntivo -r()- -r()- -r()- Imprtivo Grúnio -no -no -no Prticípio -o -o -o Pssos vrbis P1 P2 -o: Prs. o Inictivo /j/: Prtério Prfito Futuro o Inictivo : mis tmpos-moos -st: Prtérito Prfito o Inictivo : Imprtivo -s: mis tmpos-moos (1986: cp. XIII, 53). Ao invés, o scrvr o Prtérito Prfito o Inictivo como sprovio, m tos s pssos, morfm tmpo-spcto-moo, Mri Hln Mir Mtus tribui o morfm sxt psso configurção -rn (1997, p. 698). Não isponho, momnto, rgumntos m fvor um ou outr solução. 1. Não são unânims s opiniõs crc configurção constituição morfológic o Prtérito Prfito o Inictivo. Joquim Mttoso Câmr Jr, m Estrutur língu portugus (1986: cp. XIII, 53), consir qu n sxt psso o morfm Prtérito Prfito Simpls tm configurção -r-. Por su turno, Mri Hln Mir Mtus (1997, p. 698), scrv o Prtérito Prfito o Inictivo como sprovio, m tos s pssos, morfm tmpo-spcto-moo.

12 270 P3 /w/: Prtérito Prfito o Inictivo : mis tmpos-moos P4 -mos P5 -sts: Prtérito Prfito o Inictivo -s: Futuro o Conjuntivo -is: mis tmpos-moos P6 wn ou rn: Prtérito Prfito o Inictivo 1 /N/: mis tmpos-moos 1.2. Erros intificção rprsntção constituints O conhcimnto morfologi intrn os prigms vrbis, ns sus vriçõs flxionis, vitri muitos os rros n rprsntção gráfic os tmpos os moos vrbis, os pronoms átonos lguns ssocios. Ain qu s trt um omínio não nglignciávl, porqunto ficint rprsntção scrit truz um ficint conhcimnto morfologi intrn s plvrs, limitr-m-i sumrir lgums rflxõs qu os tipos rros mis gnrlizos m suscitm, prmitino-m rmtr o litor pr um stuo mis circunstncio qu st mtéri consgri m Pr um pgogi o rro (1999), cujs iis cntris qui rtomo. Muitos os rros morfologi vrbl mis comuns no Ensino Básico ricm num ficint omínio inti s funçõs os constituints qu intgrm o vrbo, rflctm um invi inistinção ntr unis prss, ntr s quis s contm os constituints intrnos o vrbo, sjm os sus morfms tmpo- - spcto-moo ou númro-psso, unis pnnts, como os clíticos (-s, m istriu-s, mbintou-s). Assim s xplic qu oprors flxionis, como -ss, sjm rprsntos como clíticos (cf. *ingri-s m vz ingriss, *fiz-s m vz fizss). Um luno língu portugus, sobrtuo no finl o nsino básico, não po sconhcr qu os morfms flxionis vrbis são constituints ncssrimnt prsos, sjm ls -mos, morfm 4ª Psso (nmos, commos, rronmnt rprsntos por *nmos, *com-mos), ou -ss-, morfm Imprfito o Conjuntivo, m nss, chgss, smiss, invimnt rprsnto como *n-s, *chg-s, *smi-s). O rro é tnto mis grv qunto sts ois últimos tipos rprsntçõs gráfics (nss 1. Sobr configurção st constituint vjm-s s três nots ntriors.

13 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 271 n- -s) stão ssocis struturs cntuis ifrnts qu, por s sconhcrm, os lunos tnm igulizr. Obsrvmos gor os rros qu nvolvm um ficint prcpção /ou rprsntção os morfms tmporo-mois. Ilustr st rli confusão ntr o Futuro o Inictivo, n 3ª psso o plurl, com form homólog o Prtérito Prfito o Inictivo, qu s truz pl inistinção ntr comrão comrm, igulmnt rvlor o sconhcimnto ifrnt strutur cntul s plvrs (com'rão vs co'mrm). Frqunt é tmbém ficint rprsntção 3ª psso o singulr o Prtérito Prfito o Inictivo (pnhou, voltou) trvés um strutur formlmnt igul à 1ª psso o singulr o Prsnt o Inictivo ('pnho, 'volto), qu rronmnt s tribui um virtul cnto guo (*p'nho, *vol'to). O sconhcimnto ifrnt strutur cntul s us forms vrbis o lhmnto possívl confusão ntr os ois tipos struturs morfológics são intolrávis no trmo o Ensino Básico, num luno qu tm língu portugus como língu mtrn. Pr st rro po porvntur contribuir crscnt tnênci pr s pronuncir o itongo <ou> form monotong. Ms cb o profssor, socorrno-s xplicção qu, contornr st insustntávl situção rro Muitos os rros gráficos /ou fonéticos, qu s truzm por içõs, omissõs, simplificçõs, invrsõs substituiçõs têm motivção fonétic lcnc morfo-lxicl, rflctino rr configurção fónic qu é tribuí à plvr, rprcutino-s n su strutur morfofonológic. N vr, trt-s rros xprssão ou mnifstção fónic gráfic qu ricm no não (r)conhcinmnto strutur morfo-lxicl plvr m jogo. Ests rros pom sr fcilmnt corrigios com rcurso à composição uni lxicl nos sus constituints, ou sj, com rcurso à intificção su strutur bs /ou os fixos nl prsnts. Os rros qu s sgum (cf. Quro A) rprsntm um proximção um scrit qus fonétic (*mcin) ou rflctm um ficint rprsntção strutur forml té msmo sígnic plvr (*fcli, *ftubolist). Em numrosos csos o sconhcimnto qu sts rros ptntim po sr mitigo trvés simpls ssocição plvr com su bs ou com um plvr

14 272 msm fmíli/prigm timológico (ntr [ ] nos quros st scção). Quro A Grfi corrct Grfi incorrct Erros suprávis com rcurso à strutur morfo-lxicl futbolist [cf. futbol] micin [cf. méico] molho [cf. molh] ftubolist mcin mulho Grfis o tipo *sfrço m vz isfrço, bm como *stinto por istinto ricm no não rconhcimnto o prfixo is-, prsnt m numross outrs plvrs (iscorr, issocir). A xmplificção composição bunnts proutos portors st prfixo, n mi m qu promovm um conscincilizção strutur forml smântic is-, vm snr st ificul.

15 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 273 Obsrvmos gor (cf. Quro B) rros qu nvolvm omissão lgums unis fónics/gráfics. Os rros qu fctm s vogis pré-tónics têm origm no fnómno lvção rcuo sts vogis átons (mistério vs mistrioso, ofrt vs ofrcr), no português uropu. Quro B Grfi corrct Grfi incorrct Erros por omissão suprávis trvés o conhcimnto strutur morfológic ptcr [cf. ptit] mistrioso [cf. mistério] prigoso [cf. prigo] ptcr mistrioso prigoso Por último, os rros invrsão qu o quro C ilustr têm um nturz clrmnt morfo-lxicl: n su origm stá, um vz mis, insnsibili à composicionli plvr, o sconhcimnto qul uni prfixl ou qul bs lxicl m jogo /ou qul su corrct rprsntção. Quro C Grfi corrct Grfi incorrct Prfixo pr- prfurr prcorrr prfurr prcorrr Prfixo pr- prconcito prjuízo prconcito prjuízo Ricis lxicis trcir [cf. ois trços, trç prt] imprssionr [cf. prssão] trcir imprcionr Mis ou mnos cmuflos sob form rprsntçõs fónics /ou silábics ltrs ou ultrs, os rros intificção/iniviulizção lxicl são grvi crsci, pois nvolvm um ficitári prnsão comprnsão strutur plvr, o smntismo, portnto o vlor smiótico os sus constituints. A composição strutur intrn/morfológic plvr, xplicção su composicionli, volução o smntismo no sntio s lxiclizçõs ctuis, jum issipr lgums s fonts o rro.

16 Sgmntção constituints fixis O não conhcimnto ou o scso m rlção à strutur intrn os vrbos é rsponsávl por scriçõs rróns por prt s nosss grmátics pgógics lguns proutos vrbis. Em jctivos ou m noms o tipo junt, ssistnt, combtnt, constituint, contribuint, ouvint, polunt, rplnt, rsistnt, sguint, srvnt, tolrnt vijnt, o sufixo não é *nt, *nt ou *int, como invimnt s prconiz m lguns mnuis, ms -nt 1, sno -- (junt, tolrnt, vijnt), -- (ssistnt, combtnt, ont, lnt, polunt, rplnt, rsistnt, srvnt) -i- (constituint, contribuint, pint, ouvint, sguint) instnciçõs s vogis tmátics bs. A vogl qu prc o sufixo é VT, plo qu, como constituint bs qu á form à vrição lomórfic st, v sr issoci o constituint sufixl. Os mis sufixos vrbis são, ssim, -ção, -mnt-, -vl, não */ição, *-/imnt-, *á/ívl. Acrsc qu um cbl conhcimnto strutur intrn os tms vrbis prsnts m rivos portors sts sufixos prmitiri scortinr qu, tl como nos noms vrbis m -ção (rrumção, prição, fruição), tmbém no cso os portors -mnto os tms vrbis slccionos plo sufixo são os Psso (ou não-prsnt), vrificno-s o msmo tipo nutrlizção s vogis tmátics qu ocorr nos prticípios pssos s sgun (ormcio, trvio, prio, rsponio) trcir conjugçõs (frio, trío, conuzio, molio, mntio, trnsfrio). Assim nos noms m -mnto, VT (-i-) é comum os noms qu têm por bs vrbos sgun (ormcimnto, qucimnto, conhcimnto, movimnto, sofrimnto, vrrimnto) trcir conjugçõs (spimnto, frimnto, impimnto). Os noms qu têm por bs tms vrbis inscritos n 1ª conjugção prsntm, nturlmnt, vogl tmátic -- (lojmnto, rrumnto, intrnmnto, jurmnto, lotmnto, rcrutmnto, visionmnto). O msmo tipo istribuição é qu ocorr quno junção o sufixo -vl bss vrbis, um vz qu quno s trt vrbos primir conjugção VT é -- (ucávl, trtávl), sno -i- m bss vrbis sgun (combtívl, tmívl) trcir 1. Sobr s frontirs os constituints fixis os princípios qu prsim à su intificção vr Rio-Torto (1998, p ).

17 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 275 conjugçõs (constituívl, punívl).

18 276 Sufixo VT o prouto: - VT o prouto: - VT o prouto: -i -nt [tolr] TV nt [vij] TV nt [ssist] TV nt [combt] TV nt [polu] TV nt [constitui] TV nt [contribui] TV nt [sgui] TV nt [rpl] TV nt -ção [rrum] TV ção [pri] TV ção [frui] TV ção [loj] TV mnto [ormci] TV mnto -mnto [rru] TV mnto [quci] TV mnto [lot] TV mnto [conhci] TV mnto [vision] TV mnto [spi] TV mnto [fri] TV mnto [impi] TV mnto -vl [ucá] TV vl [trtá] TV vl [combtí] TV vl [tmí]t TV vl [constituí] TV vl [puní] TV vl Um outro spcto pr o qul import chmr tnção prn- -s com ncssi procr um corrct intificção s unis fixis, issocino-s, por xmplo, os mrcors clss qu lhs são jcnts, à irit. Assim, o sufixo prsnt m vnturiro não é -iro, ms -ir-. Como própri vrição m génro vinci (vnturiro/), -iro ou -ir rprsntm um squênci constituints, sno -ir- um sufixo rivcionl -o/- o mrcor clss. O msmo s plic -os- (fmoso), -ic- (mtóico), -sc- (gigntsco), -n- (pssono), -ári- (lnário), - n- (chilno), -nt- (ciumnto), -in- (mnulino), -onh- (monho). D igul moo, frontir irit os fixos vrbis, sjm sufixos ou circunfixos, situ-s imitmnt à squr VT. Como intgror prigmático o tm vrbl qu é, VT não fz prt o corpo o sufixo ou o circunfixo. Assim, são os sguints os fixos (sufixos circunfixos) vrblizors o português: Sufixos -iz- -ific- -c- -sc- -- Vrbos nominis ou jctivis mnizr, cnlizr, comrcilizr, scnlizr, scrvizr, trnizr clrificr, stupiificr, xmplificr lvorcr, mrlcr, scurcr, fvorcr florscr, ruborscr ltr, brnqur, cbcr, chpr, clrr, coxr, custr, flsr

19 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 277 -j- mrljr, frqujr, gotjr, vrjr, rumorjr, vrsjr, vojr

20 278 Circunfixos Vrbos nominis ou jctivis - iz- trrorizr, tmorizr -n iz- ncolrizr - c- murcr, molcr, porcr, mnhcr, noitcr -n c- mbrtcr, mplicr, ngrncr, nrivcr, nrouqucr -s c- sclrcr - - ssnhorr -n - nlmr -s - sfqur, sprnr, stontr, svrr - j- prjr -s j- sbrvjr O omínio os concitos clsss morfológics qu srvm bs os proutos gnolxicis rvl-s funmntl pr corrct intificção strutur intrn sts. Nst cpítulo, rsslt ncssi procr um corrcto rconhcimnto qul o tipo clss morfológic qu stá n bs o prouto m jogo, obvino ssim qu VT qu fz prt o tm bs sj invimnt ssoci o sufixo. Dispomos hoj m i um conhcimnto suficintmnt lrgo quis os tipos clsss morfológics qu oprm nos ifrnts prigms rivcionis. As bss sobr s quis oprm os procssos sufixção pom sr tms vrbis (sufixção vrbl), ricis vrbis, nominis jctivis (sufixção vrbl, nominl jctivl), mis rstritmnt, plvrs. O quro qu s sgu contém xmplos proutos qu têm por bs tms vrbis, ricis vrbis, nominis jctivis. Nls os proutos ncontrm-s pns ctgorizos com bs n clss sintáctic (N, A, V).

21 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 279 Bs: tm vrbl [[obr] TmV gm] N [[contci] TmV mnt] N [[uc] TmV ção] N [[rni] TmV ção] N [[florscê] TmV nci] N [[spir] TmV or] N [[trnsit] TmV vl] A Bs: ricl jctivl [[pct] RA z] N [[vlh] RA ic] N [[sgui] RA ismo] N [[obscur] RA c] V [[soli] RA ific] V Bs: ricl vrbl [[rspon] RV ão] A [[fcilit] RV ismo] N [[rbuj] RV ic] N Bs: ricl nominl [[mbint] RN l] A [[rug] RN os] A [[mto] RN ic] A [[xmpl] RN ific] V [[flor] RN sc] V Um nális mis circunstnci s clsss morfológics bs nvolvis nos prigms rivcionis o português (cf. Rio- -Torto, ) prmit consttr qu, no âmbito s rlçõs htroctgoriis, o tm vrbl é ominntmnt uso como bs proutos vrbis, qu nos mis csos é slccção ricis, nominis jctivis, qu impr n formção proutos htroctgoriis Clsss morfológics strutur cntul Um os omínios rltivmnt o qul o conhcimnto morfologi intrn s plvrs s rvl importânci fulcrl é o strutur cntul s msms. N trição grmticl qu, m grn prt, s grmátics pgógics rflctm, strutur cntul s plvrs prc putr-s por rgulris não struturlmnt motivs ( strutur cntul ominnt m português é proxíton), por xcpçõs (plvrs oxítons proproxítons), mrcs como iiossincrátics, ou xplicávis historicmnt. A clssificção cntul s plvrs é fit com bs n strutur fonétic, mis prcismnt, m função posição sílb qu rcb mior prominênci ou pso cntul/prosóico. Assim s istingum s plvrs gus, grvs srúxuls, consont o cnto intnsi s mnifst n últim, n pnúltim

22 280 n ntpnúltim sílb. Est borgm não prmit infrir quisqur tipos rgulris qunto à strutur cntul noss língu, possibilitno quno muito intificr como contorno cntul mis comum o proxítono. Est tipo trtmnto tm sobrtuo o inconvnint não stblcr um rlção orgânic ntr strutur cntul strutur morfológic s plvrs. Or, stuos rcnts monstrm pnênci strutur cntul rltivmnt à constituição morfológic s plvrs, ou sj, os tipos clsss morfológics qu s constitum. Em trblho 1983, Mri Hln M. Mtus stblcr s sguints rgrs gris cntução o português: (i) cntur sílb qu contém últim vogl o ricl, nos N A; (ii) cntur sílb qu contém últim vogl o tm, nos V. Nls s vinci conxão ntr strutur cntul constituição morfológic s plvrs. Sm sofrr contstção, no ssncil, s rgrs nuncis virim sr rvists por Isbl Prir (1999: ), n su issrtção Doutormnto (inéit), intitul O cnto plvr m português: um nális métric, cujos pontos vist qui rprouzo Acnto nos Noms Ajctivos A nális morfologi intrn os noms/jctivos os vrbos s clsss morfológics, mis prcismnt, s crctrístics formis funcionis os morfms qu os constitum, prmit istinguir, sguno Prir (1999), ois grns grupos noms/jctivos qunto à su strutur cntul: (I) os qu são portors cnto não mrco, m qu st rci n sílb qu contém últim vogl (nuclr) o ricl, sj simpls (I.1.1.) ou rivo (I.1.2.); (II) o os qu são portors cnto mrco, m qu st rci n sílb qu contém pnúltim ou ntpnúltim vogl o ricl. O primiro grupo (cf. Quro I) comport, ssim, plvrs grvs tmbém plvrs gus, constituís pns plo Ricl, qu trminm m vogl ou itongo tónicos, ou m /R/, /S/ /L/. O contorno cntul não mrco é tipicmnt o mis comum, portnto, o mis rprsnto n língu. O sguno grupo (cf. Quro II) comport os csos mnos comuns, por isso, mrcos quls m qu o cnto rci n sílb qu contém pnúltim (II.1.) ou ntpnúltim (II.2.) vogl o ricl. No primiro sts ois últimos csos, qu intgr plvrs srúxuls plvrs grvs, sílb portor cnto

23 CLASSES GRAMATICAIS: SUA IMPORTÂNCIA PARA O ENSINO 281 intnsi é mrc o mis s vzs por icrítico ortográfico, obrigtório no cso s srúxuls, muito frqunt no s grvs. O rriro conjunto (II.2.), qu configur o conjunto cntul mis ifrncio priférico, intgr pns plvrs xrúxuls, intrinscmnt mrcs sob o ponto vist ortográfico. Os quros qu s sgum, trços coro com nális snvolvi por Prir (1999), ilustrm o xposto. Quro I. Acnto não mrco: o cnto rci n sílb qu contém últim vogl (nuclr) o ricl, sj st simpls ou rivo I.1. Plvrs trmins m vogl áton I.2. Plvrs trmins m vogl ou itongo tónico, orl ou nsl I.3. Plvrs gus trmins m /R/, /S/, /L/ I.1.1. Ricl simpls: [[pont] R ], [[pont] R ], [[pont] R o] [[pr] R ], [[jnl] R ], [[qur] R o] I.1.2. Ricl rivo: [[florist] R ] [[florir] R ] [[corori] R ] [[corm] R ] [[cblir] R ] [[cblirir] R o] [[prigosi] R ] [[clintlism] R o] [[contcimnt] R o] I.2.1. Vogl/itongo tónic/o orl [vô] R [vó] R [rubi] R [cju] R [boné] R [sofá] R [chmpô] R [jcré] R [fró] R [orgni] R [chpéu] R [hrói] R [blnru] R [crpu] R I.2.2. Vogl/itongo tónic/o nsl [romã] R [tum] R [frolim] R [irmão] R [lrbão] R. [tmbor] R [fmilir] R [pomr] R. [fliz] R [juiz] R [rroz] R [inglês] R [snstz] R. [niml] R [juvnil] R

24 282 Quro II. Acnto mrco: o cnto rci n sílb qu contém pnúltim ou ntpnúltim vogl o ricl II.1. sílb cntu é qu contém pnúltim vogl o ricl, por vi rgr mrc por icrítico ortográfico (obrigtório no cso s srúxuls frqunt no s grvs): II.1.1. plvrs srúxuls: [[rápi] R o] [[séquit] R o] [[stômg] R o] [[sóbri] R o] [[úvi] R ] [[súplic] R ] [[cómo] R ] [[cólr] R ] [[águ] R ] [[cálic] R ] [[spéci] R ] [[célbr] R ] II.2. sílb cntu é qu contém ntpnúltim vogl o ricl II.1.2. plvrs grvs: [fútil] R [nívl] R [réptil] R [suávl] R [çúcr] R [âmbr] R [óscr] R [fémur] R [lápis] R [húmus] R [cútis] R [forum] R [órgão] R [orégão] R [tróli] R [póni] R [táxi] R, [júri] R [[álcool] R [[Júpitr] R [[sífilis] R [[júnior] R [[spécimn] R, [[álibi] R [[ípsilon] R Muits vzs historicmnt motivs, sts forms qu intgrm os csos mrcos não são prigm pr ntr novs plvrs no português, qu, por vi rgr, s putm plo prão mis grl. Um brv not pr xplicitr qu os vérbios ou configurm csos mrcos, historicmnt motivos, ou inscrvm-s no prão mis grl cntução, qu s conjunçõs, s prposiçõs os pronoms, ou não são cntu/os, ou sgum um s rgrs formuls. A obsrvção sts quros impõ o sguint comntário: continu váli istribuição os não vrbos pls três clsss cntuis tricionlmnt consgrs: gus, grvs srúxuls. Não obstnt, um nális qu ssnt n rlção ntr strutur prosóic strutur morfológic plvr prmit ristribuir outr form os noms os jctivos, nommnt os oxítonos, rprsntos m I.2. m I.3., prtir gor consiros como não mrcos, isto é, como instncino o prão mis típico cntução (qul m qu o cnto rci n sílb qu contém últim vogl o ricl), in qu configurm conjuntos rltivmnt mnos numrosos mis priféricos o qu o qu é constituío pls unis tipo I.1. Por outro lo, muits plvrs grvs, rprsnts m II.1., pssm intgrr o conjunto s unis

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito

A atual relevância do ensino do inglês jurídico nos cursos de graduação em Direito A tul rlvânci nsino nos cursos grdução m Brv rflxão crc d ncssid s pssr lcionr o nos cursos grdução m sort mlhor prprr os futuros profissionis r pr o xrcício d dvocci mgistrtur promotori Cro migo litor:

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min.

Borboletas da vida. Direção de Vagner de Almeida. Rio de Janeiro: Abia, 2004, 38 min. Borbolts d vid. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2004, 38 min. BASTA um di. Dirção Vgnr Almid. Rio Jniro: Abi, 2006, 55min. Brnic Bnto Univrsid Doutor m Brclon. Sociologi Autor pl Univrsid s livr A Rinvnção

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE AS QUESTÕES DA DIVERSIDADE NO CURRÍCULO

REFLEXÃO SOBRE AS QUESTÕES DA DIVERSIDADE NO CURRÍCULO REFLEXÃO SOBRE S QUESTÕES D DIVERSIDDE NO CURRÍCULO CURRÍCULO: DIVERSIDDE N EDUCÇÃO BÁSIC 1 1 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO divrsi socioculturl brsilir prsnt no contxto ducção scolr tm suscitdo divrsi discussõs

Leia mais

É com grande agrado e sentido de responsabilidade que a Associação Portuguesa de Linguística

É com grande agrado e sentido de responsabilidade que a Associação Portuguesa de Linguística Associação Portugusa d Linguística Faculdad d Ltras d Lisboa Alamda da Univrsidad 1600-214 Lisboa Portugal [Parcr rdigido nviado pla Profssora Doutora Inês Duart, na qualidad d Prsidnt da Associação Portugusa

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA

CASA DE DAVI CD VOLTARÁ PARA REINAR 1. DEUS, TU ÉS MEU DEUS. E B C#m A DEUS, TU ÉS MEU DEUS E SENHOR DA TERRA S VI VOLTRÁ PR RINR 1. US, TU ÉS MU US #m US, TU ÉS MU US SNHOR TRR ÉUS MR U T LOUVRI #m SM TI NÃO POSSO VIVR M HGO TI OM LGRI MOR NST NOV NÇÃO #m #m OH...OH...OH LVNTO MINH VOZ #m LVNTO MINHS MÃOS #m

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

A DERIVADA DE UM INTEGRAL

A DERIVADA DE UM INTEGRAL A DERIVADA DE UM INTEGRAL HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. O cálculo o valor a rivaa um ingral ocorr com cra frquência na via profissional físicos, químicos, ngnhiros, conomisas ou biólogos. É frqun, conuo,

Leia mais

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos

Calendário de Treinamentos 2014 Academia Grundfos. Bem-vindos a Academia Grundfos Clnário Trinmntos 24 Acmi Grunfos Bm-vinos Acmi Grunfos Grunfos Brsil Acmi Grunfos Clnário 24 1 2008 2006 7 200 i m c A s r o t u r t s n I p i Equ 2004 Ds 2004 Acmi Grunfos nftiz importânci qu tribuimos

Leia mais

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO

ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO ANEXO IX DO EDITAL Nº 015/2012 PROCESSO SELETIVO DAS BOLSAS AUXÍLIO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL QUESTIONÁRIO DE PERFIL SOCIOECONÔMICO LEIA COM ATENÇÃO: O PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR

IFC Câmpus Santa Rosa do Sul capacita 18 profissionais locais para elaboração do Cadastro Ambiental Rural CAR IFC Câmpus Snt Ros do Sul cpcit 18 profissionis locis pr lborção do Cstro Ambintl Rurl CAR No di 10 bril 2015, no Cntro Trinmnto Arrnguá (CETRAR), foi rlizdo um curso cpcitção profissionis rgião pr lborção

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas

+ fotos e ilustrações técnicas de outras usinas Imgns problms mbintis no sul Snt Ctrin, corrnts s tivis minrção crvão, su lvgm su uso m usin trmlétric + fotos ilustrçõs técnics outrs usins Fotos fits por Oswl Svá ntr 1992 2001, durnt visits fits juntmnt

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês

Apenas 5% dos Brasileiros sabem falar Inglês Apns 5% ds Brsilirs sb flr Inglês D crd cm um lvntmnt fit pl British Cncil pns 5% d ppulçã sb fl r Dvs lbrr stms épcs pré-vnts sprtivs s lhs d mund td cmçm s vltr cd vz mis pr Brsil pr iss nã bst dminr

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

ORION 6. Segunda Porta USB. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. ORION 6 Sgun Port USB Hnry Equipmntos Eltrônios Sistms Lt. Ru Rio Piquiri, 400 - Jrim Wissópolis Cóigo Postl: 83.322-010 Pinhis - Prná - Brsil Fon: +55 41 3661-0100 INTRODUÇÃO: Pr orrto unionmnto, é nssário

Leia mais

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires

Projeto de extensão Judô Escolar certifica alunos da Escola de Ensino Básico Professor Mota Pires Projto xtnsão Judô Escolr crtific lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs No di 7 julho 2015 form crtificdos os lunos d Escol Ensino Básico Profssor Mot Pirs, Arrnguá, qu prticiprm do curso Judô

Leia mais

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO

1 A ELE A GLÓRIA 2 AINDA QUE A FIGUEIRA 3 AO ERGUERMOS 4 ATRAI O MEU CORAÇÃO 5 DEUS É BOM 6 EM ESPÍRITO, EM VERDADE 7 EM TODO TEMPO 8 EU TE QUERO 1 L GLÓRI 2 IND QU FIGUIR 3 O RGURMOS 4 TRI O MU CORÇÃO 5 DUS É OM 6 M SPÍRITO, M VRDD 7 M TODO TMPO 8 U T QURO 9 LOUV 10 LOUV TI 11 MIS QU UM MIGO 12 M DLITO M TI 13 ND LÉM DO SNGU 14 O LÃO D TRIO D JUDÁ

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio.

Taxas de Câmbio. A condição de paridade não coberta da taxa de juro. O fenómeno do sobreajustamento da taxa de câmbio. II A condição d pridd não cobrt d tx d juro Introdução Prtndu-s chmr tnção do studnt d Polític conómic pr concitos lmntrs, indispnsávis pr comprnsão d dtrminção do quilíbrio no mrcdo cmbil qu srão utilizdos

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: EMRC ANO: 5º 1º PERÍODO ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Vivr juntos AULAS PREVISTAS: 12 COMPETÊNCIAS (O aluno dvrá sr capaz d:) CONTEÚDOS

Leia mais

Descrição Fonológica do Sistema Vocálico da Língua Ofayé

Descrição Fonológica do Sistema Vocálico da Língua Ofayé 100 LINGÜÍSTICA/FONOLOGIA Dscriço Fonológic Sistm Vocálico Língu Ofyé Luci Hln Tozzi Silv Mstrn m Lingüístic UFMS Profssor Coornri Ltrs s FIRB RESUMO Est sistm stu vocálico prtn língu scrvr Ofyé, xmplificr

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz Curso Profissional d 10º I Português Planificação Anual - Módulos: 1,2,3,4 5 Ano Ltivo: 2015/2016 Módulos Âmbito dos Contúdos Avaliação Módulo Um (30 horas) 40 Tmpos 21/09/2015 Trmo: 13/11/2015 Módulo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO PLANIFICAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 Ano 12º Ano DISCIPLINA: Docnt HISTÓRIA A Carlos Eduardo da Cruz Luna Contúdos Comptências Espcíficas Estratégias RECURSOS Módulo 7 Criss, Embats Iológicos Mutaçõs Culturais

Leia mais

XI Congresso SPCE Guarda: 30 de Junho a 2 de Julho de 2011

XI Congresso SPCE Guarda: 30 de Junho a 2 de Julho de 2011 XI Congrsso SPCE Guarda: 30 d Junho a 2 d Julho d 2011 A FORMAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR PARA A MEDIAÇÃO 1 Ana Viira [1], Ricardo Viira [2] [1] CIIDIPL Cntro d Invstigação Idntidads Divrsidads do Politécnico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Orçmnto Emprsri Copyrit Prir, F. I. Pro. Isiro MINI CASE # 12

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física rsão rliminr mrço 4 Nots ul Físic. EORI CINÉIC DOS GSES... UM NO MNEIR DE ER OS GSES... O NÚMERO DE OGDRO... GSES IDEIS... rblho com tmrtur constnt... CÁLCULO CINÉICO D PRESSÃO... ENERGI CINÉIC DE RNSLÇÃO...

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

A abordagem do Aspecto verbal no material produzido para o ensino a distância. Valdecy de Oliveira Pontes - UFC. Introdução

A abordagem do Aspecto verbal no material produzido para o ensino a distância. Valdecy de Oliveira Pontes - UFC. Introdução A abordagm do Aspcto vrbal no matrial produzido para o nsino a distância Valdcy d Olivira Ponts - UFC Introdução No prsnt trabalho, assumimos os prssupostos tóricos do Funcionalismo m Linguística, por

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis

São Paulo capta a maior parte dos fluxos aéreos, como mostra zona de influência potencial, regional, local dos aeroportos do Rio de Janeiro, vis-àvis Sã Pul cpt mir prt s fluxs rs, cm mstr zn influênci ptncil, rginl, lcl s rprts Ri Jnir, vis-vis principis rprts vizinhs - Sã Pul, Mins Gris Espírit Snt 148 Sã ftrs strtgics ligs rprts n snvlvimnt rginl

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação de Setúbal. Imaginar, Criar e Apresentar. Módulo de Curta Duração

Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação de Setúbal. Imaginar, Criar e Apresentar. Módulo de Curta Duração Instituto Politécnico d Stúbl Imginr, Crir Aprsntr Módulo d Curt Durção Filomn Izidro Stúbl 1999 Sumário págin 1. Aprsntção do Progrm Powr Point...r... 2 2. Crir um dipositivo d txto...r... 3 3. Formtr

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo

Vortice. Magnetismo. Espiritismo. Jornal. Informativo sobre Magnetismo Vortic Jornl Informtivo sobr Mgntismo ANO II, n.º 03 Arcju/Srgip/Brsil, gosto/2009 jvortic@gmil.com Mgntismo & Espiritismo Durnt um psquis qu rlizi nos Ests Unis sobr o Mgntismo, ncontri vários livros

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Plano anual de atividades das Bibliotecas Escolares

Plano anual de atividades das Bibliotecas Escolares 204- Plno nul tivis s ibliotcs Escolrs Págin 32 PLNO NUL E TIVIES S ILIOTES ESOLRES O GRUPMENTO 204/20 o longo o no Público-lvo Locl rlizção Projto Euctivo vlição tivis/ scrição Objtivos inmizors/ Intrvnints

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

PLANO PEDAGÓGICO DE ENSINO (PPE)

PLANO PEDAGÓGICO DE ENSINO (PPE) I. IDENTIFICAÇÃO CURSO: CST Anális Dsnvolvimnto d Sistmas DISCIPLINA: Inglês instrumntal PROFESSOR(A): Gicl V. Viira Prbianca CARGA HORÁRIA (smanal/smstrsl/anual): 60H/R MODALIDADE/FORMA: Prsncial CÓDIGO/SIGLA:

Leia mais

O uso do subjuntivo no português coloquial do Brasil e o processo de gramaticalização

O uso do subjuntivo no português coloquial do Brasil e o processo de gramaticalização Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais MERCOSUL O uso subjuntivo no português coloquial Brasil o procsso d gramaticalização Adriano Stfflr - UNIOESTE No prsnt artigo, srá discutida a forma

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (pedidos) em português e em espanhol

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (pedidos) em português e em espanhol Pragmática intrcultural ntoação: os nunciados intrrogativos (pdidos) m português m spanhol Priscila C. Frrira d Sá PG/UFRJ Natalia dos Santos Figuirdo PG/UFRJ Profa. Dra. Lticia Rbollo Couto - UFRJ 1 Introdução

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM

DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO DE AUTOMAÇÃO NESS LRC MULTILINHAS C/ IHM 4 5 6 7 8 9 0 QUIPNOS ONROLOS 5 LINS RSRIOS OU LINS ONLOS LIN RSRIOS IR INRLIÇÃO UOÇÃO NSS LR ULILINS O I 8 0/0/5 URÇÃO LRÇÃO OS UNIUS, RPOSIIONNO O POLI LRÇÂO N LIS RIIS LOUV 7 7 0/0/5 LRO O LYOU, SUSIUIO

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual Química Química A A Química 0. ano Química 0. ano Manual Manual Cadrno Laboratório + Guia Cadrno dd Laboratório + Guia dodo (ofrta aluno) (ofrta ao ao aluno) À Prova Exam À Prova dd Exam Cadrno Atividads

Leia mais

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas

Normalmente TI. padarias. Além. dormitórios. Assistência. Temos. Por. Nos. região. Nas Aprsntçã Instlçõs ds A l A Nrmlmnt A Além sc Filipins. ds sgur mis lugr Cbu trnnd td, tmp sgurnç ficiis prsnç cm cnt rgiã diss, pdris. tips váris Strbucks Dnld's, Mc cm 24hrs ljs tmbém váris prt pr Tms

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA CONVERSÃO EETROMECÂNICA DE ENERGIA Ivn Cmrgo Rvisão 1 (mio d 007) Pr nális d um convrsor, é fundmntl o conhcimnto d forç ltromgnétic dsnvolvid plo convrsor. Existm divrss forms d cálculo dst forç (ou conjugdo),

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã Ar Do io PG. io. DOUTRINA CRISTÃ ACERCA o 03 INTRODUÇÃO. 03 I, A FONTE DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Dus DE DE Ministério Smors Plvr PG. = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =DOUTRINA

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

OLETIM COOPERATIVISTA

OLETIM COOPERATIVISTA O COOPERTIVISMO É DE I N I C I T I V POPULR EM T U D O. TODO ELE É EDIFICDO PEL CTIVIDDE DOS CIDDÃOS OLETIM COOPERTIVIST REDCÇÃO E DMINISTRÇÃO: Ru Cruziro, 1 - Tlf. 63 26 49 - Lisbo-3 COORDENDO POR N.

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Comunidades tradicionais caiçaras. Resumo

Comunidades tradicionais caiçaras. Resumo Rvist Gogrfi (2013) R R vviist ist st st G o ogr grfi fi - vv.. 2, nnºº 2 ((2 200113) 3) POPULAÇÕES P OPULAÇÕES TRADICIONAIS TRADICIONAIS LITORÂNEAS: LITORÂNEAS: OM ODO D EV IDA CAIÇARA CA I ÇA R A MODO

Leia mais

Redes Sem Fio. Luiz Carlos Pessoa Albini

Redes Sem Fio. Luiz Carlos Pessoa Albini Rs Sm Fio Luiz Crlos Psso Albini Rotiro - ª Prt Introução Ons Ráio Ons Eltromgnétics Espctro Eltromgnético Moos Propgção Espctro Frqüênci Lrgur Bn Acsso Múltiplo 802. - WiFi 802.5 - Blutooth - rro no livro

Leia mais

GAZETA SUMÁRIO. por Ruy Luís Gomes. Movimento Científico. Matemáticas Elementarcs. Matemáticas Superiores. Problemas

GAZETA SUMÁRIO. por Ruy Luís Gomes. Movimento Científico. Matemáticas Elementarcs. Matemáticas Superiores. Problemas GAZETA DE MATEMATICA JORNAL DOS CONCORRENTES AO EXAME DE APTIDÃO E DOS ESTUDA TES DE l\latel\iática DAS ESCOLAS SUPERIORES ANO XV 57 MAIO 1954 SUMÁRIO Von ur Zrlgung r Kugl in klillr 'fil (Sobr divisão

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a),

QUESTIONÁRIO DO DIRETOR. Senhor(a) Diretor(a), 2013 QUSTONÁRO O RTOR Senhor(a) iretor(a), s avaliações do Sistema Nacional de valiação da ducação ásica (S) são compostas por dois tipos de instrumentos de avaliação: as provas aplicadas aos estudantes

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA

ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Plnih01 ANEXO II MODELO DE PROPOSTA Lot Itm Dsrição Uni 1 2 3 4 5 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m, Ppl rilo, 120 g/m² Nº ors: 4/0 ors. Qunti Rgistrr: 6.000 Imprssão CARTAZ: Formto A4, 21x29,7 m Ppl

Leia mais

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia

Ministério Semeadores da Palavra. Curso de Teologia www.smorsplvr.om.r Curso Tologi Mtril ompilo por José Joquim Gonçlvs Fri Assssori Milton Vill Doutrin Cristã D Orção PG. ORAÇÃO. DOUTRINA CRISTÃ DA 04 INTRODUÇÃO. 04 I, O QUE É ORAÇÃO CRISTÃ? 06 II, COMO

Leia mais

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete,

Quem falou foi Henrieta, toda arrumada com a camisa de goleira. E tinha mais um monte de gente: Alice, Cecília, Martinha, Edilene, Luciana, Valdete, Cpítul 3 N ã p! Abu! On já viu? Et qu é n! Cê minh mã? Qun mnin chgm p jg nqul ming, qu ncntm? Um gup mnin. D cmit, têni, clçã muit ipiçã. E g? Afinl, qum tinh ti qul ii mluc? D qun vcê gtm futl? pguntu

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR LCE2 Físic do mbint grícol CPÍTULO 6: UMIDDE DO R 6.1 PRESSÃO PRCIL E LEI DE DLTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Mudando conceitos uma experiência de ensino de Português para estrangeiros

Mudando conceitos uma experiência de ensino de Português para estrangeiros Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Mudando concitos uma xpriência d nsino d Português para strangiros Luana Rnata Pinhiro Dias (Instituto Crvants SP) Schirli Schustr (Univrsidad

Leia mais

A Praia da Claridade, a Torre do Relógio e a Marginal Oceânica Parque das Abadias Doc a de Recreio ...

A Praia da Claridade, a Torre do Relógio e a Marginal Oceânica Parque das Abadias Doc a de Recreio ... A Pri Clri, Torr Rlógio Mrginl Ocânic Prqu s Abdi Doc Rcrio Jrdim Municipl A Pri Clri, Torr Rlógio Mrginl Ocânic (Av. 25 Abril) Autori: Isbl Hnriqus* 1/7 Qum pl primir vz visit ci, não consgu sconr surprs

Leia mais