O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais"

Transcrição

1 O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais Fernando Michelis - Resumo O Cemitério Municipal São Jose localizado na cidade de Ponta Grossa do Paraná constitui uma grande fonte de espacialização de uma sociedade como da manifestação de sua cultura e de suas relações sociais. A abordagem do cemitério possibilita ler a sociedade como interpretar sua relação com o meio físico. Palavras-chave: geografia cultural, cemitério, religião, patrimônio cultural, simbolismo e espacialidade. Introdução No presente estudo, o cemitério São Jose é abordado nos seus vários enfoques culturais pensando desde as manifestações religiosas, sociais como em aspectos de simbolismo na formação do espaço. Com a evolução temporal e espacial procura-se compreender com as pessoas lêem essa espacialidade e modificam por práticas culturais até os tempos atuais. Por apresentarem uma grande manifestação temporal a abordagem de seu patrimônio histórico e cultural também está presente permitindo compreender o desenvolvimento da cidade de Ponta Grossa localizada no Estado do Paraná. Desenvolvimento O Cemitério Municipal São José localizado na parte central da cidade de Ponta Grossa entre as Ruas Balduíno Taques, Largo Dr. Colares, Travessa Pasteur e Travessa Santa Cruz, formado por entorno de 20 quadras e com em média de túmulos com as mais diversas formas e tamanhos. Há desde túmulos maçônicos até mausoléus ricamente decorados com a cultura egípcia e das mais variadas formas arquitetônicas. Apresenta características peculiares

2 do seu próprio contexto histórico. Antes da criação deste cemitério havia outros dois, sendo o cemitério São João e outro que se localizava perto da Igreja Sant Ana o qual no futuro viria a ser a Igreja Matriz. Devido a problemas com as chuvas onde túmulos e covas rasas propiciaram ao aparecimento de restos e ossadas dos mortos enterrados neste local. Com esses problemas este cemitério ao lado da Igreja Matriz foi praticamente abandonado, sendo o enterro dos familiares da cidade transferidos para o cemitério São José que era mais plano e não tinha problemas com as chuvas e de serem levados os restos mortais em enxurradas. Atendendo a recomendações higienistas em 1865 por iniciativas de vereadores da cidade o Cemitério Municipal São José foi construído e posteriormente em 1890 o cemitério São João foi desativado. Pensar o Cemitério Municipal São José dentro da geografia permite interpretar as varias realidades e espacialidades existentes nessa cidade. Com sua dimensão sócio-cultural e sua pluralidade de discursos, este cemitério constitui um grande campo de estudos. A partir das diferentes formas de pensar a sociedade, a cultura pode ser definida por um conjunto de símbolos comuns, praticas sociais, relações e idéias comuns que se constroem por experiências vividas no cotidiano. O Cemitério Municipal São José é de grande importância na compreensão do homem com o espaço, de sua cultura e de como interage com a sociedade. Perceber a paisagem tanto física como cultural e definir o conceito de unidade possibilita interpretar a espacialidade como captar os vários aspectos sociais e culturais de determinados grupos de uma sociedade (SAUER; 2004, MACDOWELL; 1995). Diferenciar aspectos sociais, apresentar um registro do passado, conhecer aspectos econômicos, ler sua simbologia e signos, compreender como o espaço é construído, ler as varias formas de como o homem interage

3 com o meio natural e como esses espaços se constroem, o Cemitério São José apresenta características peculiares de sua própria espacialidade que permite abordar o objeto de estudo de forma diferente. Interpretar o conceito de espaço dando ênfase a uma abordagem cultural centrada, compreender as varias categorias de imaginário, pensar o homem por meio da ontologia ou com sua subjetividade como interpretar dentro da ótica da Geografia da Religião de Rozendahl (2002), possibilita ler e olhar o Cemitério Municipal São José dentro de um campo de representações diferente. Entender as manifestações culturais no espaço geográfico como compreender como uma população da cidade de Ponta Grossa interage e pensa em sociedade, pode vir de práticas culturais como o ambiente desta necrópole. As manifestações religiosas são de grande importância no ambiente deste cemitério, pois a morte sempre esta ligada normalmente ao sobrenatural. Como grande parte das pessoas interpreta o mundo por meio de relações divinas o cemitério também acaba ligado às varias religiões existentes. Pensando o sagrado e o profano consegue-se fazer ligações com as manifestações espaciais religiosas. A apropriação desse espaço acontece de forma diferente, pois pode ser encarado como sagrado para certa religião como profano para outra. As relações sociais também acabam acontecendo neste cemitério, pois esses espaços são usados por certos grupos como drogados a noite, relacionamentos sexuais, formação de seitas, moradia para mendigos e a pessoas em volta de seu entorno com prostitutas e travestis. Devido o cemitério ser um lugar místico a criação de lendas e mitos nesses locais é bem presentes, como por exemplo, o túmulo da Corina Portugal que merece bastante atenção devido a sua historia e seu caráter milagroso, sendo este túmulo usado como lugar santo por pessoas da cidade e

4 da região dos Campos Gerais. Outra forma de conhecer está necrópole é por meio do patrimônio cultural, pois possuem túmulos maçônicos, representações positivistas, arquitetura européia, demonstração e ligação com certas etnias estrangeiras que demonstra a riqueza desse local e sua grande diversidade cultural e de sua gente. A divisão simbólica neste cemitério também acaba acontecendo como representações cristãs, alegóricas e celebrativas. No Cemitério Municipal São José é um espaço onde vários enfoques culturais podem ser expressos. Uma leitura da paisagem cultural possibilita perceber o lugar, a espacialidade, aspectos históricos, econômicos relevantes a diversidade cultural das pessoas da cidade, como da produção do espaço da sua população. Este cemitério apresenta vários elementos culturais que permitem compreender a realidade histórico-geográficas podendo interagir com varias formas de saber como religião, filosofia e ciência. Dentro da paisagem cultural do Cemitério Municipal São José o caráter simbólico acaba dando várias formas de relações e leituras de mundo. Conclusão Assim, nesta pesquisa procurou-se fazer um levantamento bibliográfico e documental sobre o assunto pesquisado. Devido a limitações e ao pouco material disponível sobre o assunto, a pesquisa tomou outros rumos obtendo materiais de outras áreas de saber e de outras regiões possibilitando analisar e relacionar com a temática abordada. O Cemitério São José é um grande campo de estudos, pois possibilita uma analise dos valores culturais de um tempo passado pensando a sociedade atual de forma complexa e diferente. Demonstrar a formação histórica da população, lembrando e percebendo os valores de tempos atuais, olhar a formação do espaço da cidade de Ponta Grossa vem a ser uma das opções para compreendermos este cemitério e utilizá-lo não somente para tempos de

5 tristeza com também para estudos na educação, turismo e atividades. em outras REFERÊNCIAS COSGROVE, D. A Geografia está em toda a parte: Cultura e simbolismo nas paisagens humanas. Rio de Janeiro CLAVAL, P. A Geografia Cultural. Florianópolis. UFSC, CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny. Paisagem, Tempo e cultura. Rio de Janeiro: UERJ,1998. CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny ORG. Introdução a Geografia Cultural. Rio de Janeiro A.R.B. Nogueira. O Cemitério de São João Batista. Manaus. A.M. Como paisagem de aprendizagem. Porto Alegre, ROSENDAHL, Zeny; Geografia e Religião. Uma proposta. UERJ. Rio de Janeiro MORENO, Tania Maria. O Sagrado e o Profano: O cemitério na Cidade de São Paulo. PUC. São Paulo SOUZA, José Arilson Xavier. Religião: Um tema de interesse geográfico. UVA. Sobral. CE GIL FILHO, Sylvio Fausto. Geografia da Religião: Reconstruções teóricas sob idealismo crítico. UFPR MONASTIRSKY, Leonel Brizolla. Espaço Urbano: memória social e patrimônio cultural. UEPG SCHNEIDER, Silvia Danielle. Cemitério Municipal São José: Simbolismo e Imagens Funerárias. UEPG

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

MESTRADO EM EDUCAÇÃO. Mestranda Barbara Raquel do Prado Gimenez Corrêa. Prof. Orientador Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira

MESTRADO EM EDUCAÇÃO. Mestranda Barbara Raquel do Prado Gimenez Corrêa. Prof. Orientador Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira MESTRADO EM EDUCAÇÃO Mestranda Barbara Raquel do Prado Gimenez Corrêa Prof. Orientador Dr. Sérgio Rogério Azevedo Junqueira TEMA A CONCEPÇÃO DO SAGRADO DO PROFESSOR DE ENSINO RELIGIOSO PROBLEMA Que concepção

Leia mais

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural.

AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL. META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. AS ABORDAGENS DA RELIGIÃO NA GEOGRAFIA CULTURAL META Compreender como abordamos a religião nos estudos de Geografi a Cultural. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: ser capaz de abordar a religião

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA

REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA REPRESENTAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MAPAS MENTAIS UMA LINGUAGEM NO ENSINO DA GEOGRAFIA Kelli Carvalho Melo Mestre em Geografia - PPGG/UNIR. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Modos de Vidas e Culturas

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

PAISAGEM E LUGAR: O RESSIGNIFICADO DAS PAISAGENS DA ORLA DA PRAIA DA PONTA NEGRA (RIO NEGRO-MANAUS-AM)

PAISAGEM E LUGAR: O RESSIGNIFICADO DAS PAISAGENS DA ORLA DA PRAIA DA PONTA NEGRA (RIO NEGRO-MANAUS-AM) Valdelice Carvalho Sousa Mestranda da Universidade Federal do Amazonas valdelice.geo@gmail.com Amélia Regina Batista Nogueira Doutora da Universidade Federal do Amazonas ab.nogueira@uol.com.br PAISAGEM

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDO EM CULTURA, TEOLOGIA E ARTE PROJETO. Prof. Me. Carlos César Borges Nunes de Souza

NÚCLEO DE ESTUDO EM CULTURA, TEOLOGIA E ARTE PROJETO. Prof. Me. Carlos César Borges Nunes de Souza NÚCLEO DE ESTUDO EM CULTURA, TEOLOGIA E ARTE PROJETO Prof. Me. Carlos César Borges Nunes de Souza SALVADOR 2010 2 O Núcleo de Estudo em Cultura, Teologia e Arte NECTAR está vinculado e subordinado ao Centro

Leia mais

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Raphael Oliveira Site: http://oliraf.wordpress.com/ Venho, por este meio, deixar-vos um pequeno artigo sobre o conceito de Paisagem. Como sabem, a Paisagem é uma das

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

UMA OFERENDA A YEMANJÁ: A RELIGIOSIDADE PRESENTE NA FESTA DE 1º DE JANEIRO NAS PRAIAS CARIOCAS. PALITOT, Fernanda Souto Maior (UERJ/NEPEC)

UMA OFERENDA A YEMANJÁ: A RELIGIOSIDADE PRESENTE NA FESTA DE 1º DE JANEIRO NAS PRAIAS CARIOCAS. PALITOT, Fernanda Souto Maior (UERJ/NEPEC) UMA OFERENDA A YEMANJÁ: A RELIGIOSIDADE PRESENTE NA FESTA DE 1º DE JANEIRO NAS PRAIAS CARIOCAS. PALITOT, Fernanda Souto Maior (UERJ/NEPEC) A pesquisa, em fase inicial, faz parte de um estudo maior sobre

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : MUNDO SOCIAL OBJETIVOS GERAIS Demonstrar interesse e curiosidade pelo mundo social e natural, formulando

Leia mais

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN

A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN A TERRITORIALIDADE DA IGREJA EVANGÉLICA NO BAIRRO VALE DO SOL EM PARNAMIRIM/RN Allan Fernandes Bezerra Licenciado em Geografia Plena pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte-IFRN.

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA : GEOGRAFIA - PROFESSOR: GERSON HUCHAK SÉRIE: 7ª

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

UM ENFOQUE GEOGRÁFICO À FESTA DE SENHORA SANT ANA 1 : ESPACIALIZAÇÃO, EVOLUÇÃO E TURISMO

UM ENFOQUE GEOGRÁFICO À FESTA DE SENHORA SANT ANA 1 : ESPACIALIZAÇÃO, EVOLUÇÃO E TURISMO UM ENFOQUE GEOGRÁFICO À FESTA DE SENHORA SANT ANA 1 : ESPACIALIZAÇÃO, EVOLUÇÃO E TURISMO Ariane Siqueira de Oliveira Graduanda em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe Bolsista do Programa de

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

GEOGRAFIA DA RELIGIÃO: RECONSTRUÇÕES TEÓRICAS SOB O

GEOGRAFIA DA RELIGIÃO: RECONSTRUÇÕES TEÓRICAS SOB O GEOGRAFIA DA RELIGIÃO: RECONSTRUÇÕES TEÓRICAS SOB O IDEALISMO CRÍTICO. Sylvio Fausto GIL FILHO 1 I - SOBRE A GEOGRAFIA DA RELIGIÃO O presente ensaio visa apresentar possibilidades analíticas para uma Geografia

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

Elisa Pinheiro de Freitas. Mestre e Doutoranda em Geografia Humana USP E mail: elisafreitas@usp.br

Elisa Pinheiro de Freitas. Mestre e Doutoranda em Geografia Humana USP E mail: elisafreitas@usp.br Elisa Pinheiro de Freitas Mestre e Doutoranda em Geografia Humana USP E mail: elisafreitas@usp.br Participação no IX Curso de Uso Escolar de Sensoriamento Remoto (INPE) 2006 Participação do I curso de

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

Projeto Meu Brasil Brasileiro

Projeto Meu Brasil Brasileiro 1 Projeto Meu Brasil Brasileiro 1.0 - APRESENTAÇÃO O presente projeto será realizado pelos estudantes da Escola Carpe Diem de forma transdisciplinar, sob a orientação do corpo docente como objeto de estudo

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional

O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional Sugestão de plano de aula Disciplina: História O mundo perdido, de Arthur Conan Doyle Companhia Editora Nacional Plano de aula: Riqueza da Vegetação Brasileira Objetivos Reconhecer os principais tipos

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE

LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE LUGAR E MEMÓRIA: O IDOSO E A IMAGEM DA CIDADE Mônica Farias Pinheiro Mestranda da Universidade Federal do Amazonas Monica973@hotmail.com Amélia Regina Batista Nogueira Doutora da Universidade Federal do

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG Tamiris Batista Diniz tamirisbdiniz@hotmail.com Discente Geografia UNIFAL-MG 349 Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA. Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA. Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA Prof.º Evandro Cardoso do Nascimento DEFINIÇÕES Metodologia Científica: Universalização da comunicação do conhecimento científico; Dessa forma, pode-se deduzir que a

Leia mais

Paisagem: Um texto a ser decifrado

Paisagem: Um texto a ser decifrado Paisagem: Um texto a ser decifrado Caroline Pinho de Araújo (UERJ/FFP) Taís de Santana Ferreira (UERJ/FFP) Resumo A paisagem se constitui por uma diversidade de conhecimentos que geralmente são abordados

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: As paisagens do mundo. O que é paisagem? A paisagem e as marcas do tempo. Aula 2: A paisagem e as desigualdades sociais.

Conteúdo: Aula 1: As paisagens do mundo. O que é paisagem? A paisagem e as marcas do tempo. Aula 2: A paisagem e as desigualdades sociais. Conteúdo: Aula 1: As paisagens do mundo. O que é paisagem? A paisagem e as marcas do tempo. Aula 2: A paisagem e as desigualdades sociais. 2 Habilidades: Aula 1: Entender que as características peculiares

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 MATRÍCULA PARA ALUNOS REGULARES 1º SEMESTRE DE 2015 MESTRADO EM GESTÃO DO TERRITÓRIO E DOUTORADO EM GEOGRAFIA

EDITAL Nº 01/2015 MATRÍCULA PARA ALUNOS REGULARES 1º SEMESTRE DE 2015 MESTRADO EM GESTÃO DO TERRITÓRIO E DOUTORADO EM GEOGRAFIA EDITAL Nº 01/2015 MATRÍCULA PARA ALUNOS REGULARES 1º SEMESTRE DE 2015 MESTRADO EM GESTÃO DO TERRITÓRIO E DOUTORADO EM GEOGRAFIA O Programa de Pós-Graduação em geografia da UEPG torna pública a sistemática

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

PORTARIA SEE Nº 332/2014 ANEXO ÚNICO MATRIZES CURRICULARES. MATRIZ CURRICULAR - ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ano Alfabetização e Letramento

PORTARIA SEE Nº 332/2014 ANEXO ÚNICO MATRIZES CURRICULARES. MATRIZ CURRICULAR - ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ano Alfabetização e Letramento PORTARIA SEE Nº 332/2014 ANEXO ÚNICO MATRIZES CURRICULARES conhecimento e ano MATRIZ CURRICULAR - ENSINO FUNDAMENTAL 1º ao 5º ano Alfabetização e Letramento Fase I Fase II 1º ano 2º ano 3º ano 4º ano 5º

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

PROVAS E TRABALHOS 1º TRIMESTRE

PROVAS E TRABALHOS 1º TRIMESTRE Turma 61 PROVAS E TRABALHOS 1º TRIMESTRE Disciplina: Língua Inglesa 19 e 24 de março Trabalho a ser desenvolvido em sala de aula 26/03 Entrega Avaliação Dissertativa Trimestral de Língua Inglesa COMICS

Leia mais

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto 1 de 7 04/06/2013 12:52 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos ASSINE JÁ CENTRAL E-MAIL criar e-mail globomail free globomail pro ENTRAR Paraná 04/06/2013 09h20 - Atualizado em 04/06/2013 12h15

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Ensino Médio Regular e EJA

Ensino Médio Regular e EJA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE Ciências Humanas Ensino Médio Regular e EJA Elementos que compõem a Matriz domínio/tópico/ tema DOMÍNIO I Memória e RepresenTAções D01 (H) D02 (H) Agrupam por afinidade D03 (H)

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional CAPITULO I Do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Art. 1º. Constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis

Leia mais

Representações do Sagrado: ratificando o domínio da emoção e do sentimento do ser-no-mundo

Representações do Sagrado: ratificando o domínio da emoção e do sentimento do ser-no-mundo Representações do Sagrado: ratificando o domínio da emoção e do sentimento do ser-no-mundo Zeny Rosendahl UERJ Coordenadora do NEPEC rosendahl@pesquisador.cnpq.br Nesta reflexão, enfatiza-se a experiência

Leia mais

IMPORTANCIA DA PESQUISA DE DEMANDA EM EVENTOS

IMPORTANCIA DA PESQUISA DE DEMANDA EM EVENTOS 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE (X) TRABALHO (

Leia mais

PROVAS E TRABALHOS 1º TRIMESTRE

PROVAS E TRABALHOS 1º TRIMESTRE Turma 61 PROVAS E TRABALHOS 1º TRIMESTRE Disciplina: Língua Inglesa 19 e 24 de março Trabalho a ser desenvolvido em sala de aula 26/03 Entrega Avaliação Dissertativa Trimestral de Língua Inglesa COMICS

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Metodologia e Introdução à Pesquisa Prof. Ricardo Bicalho Redes de Computadores Ciência e Método Científico AULA 3 1 AGENDA PORQUE ESTUDAR METODOLOGIA ENSINO SUPERIOR E PESQUISA ELEMENTOS

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

Marilia Leite Conceição

Marilia Leite Conceição Marilia Leite Conceição Introdução Presença dos conhecimentos sobre natureza e sociedade na Educação Infantil: idéias e práticas correntes A criança, a natureza e a sociedade Objetivos Crianças de zero

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA.

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. Caroline Kavan Bueno (PIBIC/FA), Ronaldo Schiaber, João Coelho Neto (Orientador), e-mail: carolinekavan@hotmail.com.

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro.

Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. Dreamshaper, Jovens empreendedores construindo o futuro. E.E. Prof. José Pereira Éboli Sala 12 - Sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Meire Regina de Almeida Siqueira Maria Regina Nunes de Campos Realização:

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920)

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015. I. Contexto histórico

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ASPECTOS QUANTITATIVOS DO 26º FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DA CANÇÃO FUC

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ASPECTOS QUANTITATIVOS DO 26º FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DA CANÇÃO FUC 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO (X) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ASPECTOS QUANTITATIVOS

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS NO BAIRRO JÓQUEI CLUBE: DA DESATIVAÇÃO DO JÓQUEI CLUBE CEARENSE A GENTRIFICAÇÃO DO BAIRRO

MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS NO BAIRRO JÓQUEI CLUBE: DA DESATIVAÇÃO DO JÓQUEI CLUBE CEARENSE A GENTRIFICAÇÃO DO BAIRRO Helania Martins de Souza Universidade Federal do Ceará helania.martins@yahoo.com.br Pesquisa em conclusão MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS NO BAIRRO JÓQUEI CLUBE: DA DESATIVAÇÃO DO JÓQUEI CLUBE CEARENSE A GENTRIFICAÇÃO

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS

UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS UMA ANÁLISE SOBRE AS DIVERSAS PAISAGENS DA LAGOA MAIOR EM TRÊS LAGOAS/MS Cínthia dos Santos Sêna 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO O presente trabalho visa analisar as diversas paisagens que compõem a

Leia mais

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES

O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA POR PARTE DOS GRADUANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS O CONHECIMENTO E O INTERESSE PELA PESQUISA CIENTÍFICA

Leia mais

DECLARAÇÃO DE QUÉBEC

DECLARAÇÃO DE QUÉBEC DECLARAÇÃO DE QUÉBEC Sobre a preservação do "Spiritu loci" Assumido em Québec, Canadá, em 4 de outubro de 2008 INTRODUÇÃO Reunião na histórica cidade de Québec (Canadá) de 29 de setembro a 4 de outubro,

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais