UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS LUANA AZEVEDO DE FREITAS ULTRASSONOGRAFIA BIDIMENSIONAL E DOPPLER DO TRATO REPRODUTOR DE CÃES FORTALEZA

2 LUANA AZEVEDO DE FREITAS ULTRASSONOGRAFIA BIDIMENSIONAL E DOPPLER DO TRATO REPRODUTOR DE CÃES Dissertação apresentada no Programa de Pós- Graduação em Ciências Veterinárias da Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências Veterinárias. Área de concentração: Reprodução e Sanidade Animal Linha de pesquisa: Reprodução de Carnívoros, Onívoros, Herbívoros e Aves. Orientadora: Profa. Dra. Lúcia Daniel Machado da Silva FORTALEZA

3 F862u Freitas, Luana Azevedo de. Ultrassonografia bidimensional e doppler do trato reprodutor de cães. / Luana Azevedo de Freitas CD-ROM : 94 f.: il. (algumas color.); 4 ¾ pol. CD-ROM contendo o arquivo no formato PDF do trabalho acadêmico, acondicionado em caixa de DVD Slin (19 x 14 cm x 7 mm). Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Veterinária, Curso Pós-Graduação em Ciências Veterinária, Fortaleza, Orientação: Profª. Drª. Lúcia Daniel Machado da Silva. Área de concentração: Reprodução e sanidade animal. 1. Próstata. 2. Testículos. 3. Doppler. 4. Boxer. 5. Buldogue Francês. I. Título. CDD: dade Animal. Orientação: Profa. Dra. Lúcia Daniel Machado da Silva. 1. Próstata. 2. Testículo. 3. Ultrassonografia. 4. Doppler 5. Cães. I. Título. CDD: xxx.xxxx 3

4

5 DEDICATÓRIA Aos alicerces de minha vida, cujo amor é alimento para continuar trilhando pelos caminhos da vida: Deus, meus pais, meu filho e meu marido. Aos$ anjos$de$quatro$patas $que$se$submeteram$ a$este$$trabalho,$por$ter$permitido$a$realização$ deste$estudo.$ Dedico. 5

6 HOMENAGEM O cão é a virtude que, impedida de tomar formas humanas, fez-se animal Victor Hugo $ $ 6

7 AGRADECIMENTOS A Deus, acima de tudo, por me amparar nos momentos difícies, me dar força interior para superar as dificuldades, mostrar os caminhos nas horas incertas. Estar presente na minha vida nas alegrias e nas tristezas e me permitir minhas conquistas com o aprendizado dos erros. À instituição de fomento, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), pelo apoio financeiro concedido para a execução deste trabalho. À Universidade Estadual do Ceará (UECE), ao Programa de Pós Graduação em Ciências Veterinárias (PPGCV), `a Faculdade de Veterinária (FAVET) e ao Laboratório de Reprodução de Carnívoros (LRC) por me conceder a oportunidade de contribuir com a minha formação e profissionalização e por conceder o espaço físico para a execução deste trabalho. Aos meus pais, Ernane Carneiro de Freitas e Maria Lucimar Azevedo de Freitas por me daram a vida e me ensinarem a vivê-la com dignidade, por me terem dado o mais precioso tesouro: amor, educação, dignidade e oportunidade de conhecimento. Agradeço pelos conselhos, pelas broncas, pelo carinho, pela compreensão, a vocês que se doaram por inteiro e renunciaram aos seus sonhos, muitas vezes, estas palavras são poucas para definir o que significam para mim. Amo vocês. À família que constituí. Meu esposo, Rafael de Sá Cruz, pelo amor, compreensão, carinho, conversas, paciência, incentivo e apoio financeiro. Meu companheiro, meu amor, meu amigo, meu parceiro de todas as horas. Ao meu filho, João Rafael Azevedo de Sá, que esta chegando e já esta enchendo minha vida de felicidade. Aos meus filhos de quarto patas, Meg e Frederico, que me ensinaram o que é o amor incondicional, me proporcionaram alegria depois de um dia cansativo, algumas vezes, tristezas, falta de dinheiro, raiva e preocupações, mas que valem a pena ter para tê-los ao meu lado. À minha irmã Ludimilla Azevedo de Freitas por me dar ajudinhas extra experimentais na minha mudança de vida e pela companhia. À minha orientadora Profª. Dra. Lúcia Daniel Machado da Silva por acreditar em mim, me mostrar o caminho da ciência, me orientar durante esta jornada, contribuir para o meu crescimento profissional, ser um exemplo a ser seguido de 7

8 profissional e de pessoa, fazer parte da minha vida e me compreender quando mais precisei. Ao José Nicodemos Pinto, meu IC (iniciação científica) querido. Aturou-me com paciência, sempre calmo mesmo quando quase foi mordido, insistindo quando muitas vezes eu desistia. Ajudou-me do início ao final do experimento, tendo que me aguentar lamentando, reclamando, brigando, cansada, mandando, feliz, alegre por conseguir os animais, triste por ser enganada pelos proprietários, e tudo sem reclamar, mesmo quando os animais não colaboravam. Pelas nossas longas conversas, muitas vezes fofocas, durante as avaliações. Pelos aromas sentidos e longas viagens feitas juntos só tenho a agradecer. Ao Herlon Victor Rodrigues da Silva, grande figura, vulgo IC nº 01. Agradeço por me ajudar na avaliação seminal, algumas vezes reclamando, mas sempre fazendo de forma correta, pelos momentos engraçados, pelas viagens. Obrigado cabeça de maçã À Henna Roberta Quinto, amiga e ex-companheira de carona. Sempre me ajudando, me aguentando reclamar e se preocupando comigo e com os pedidos de material em cima da hora. Aos ICs Gabriella Guedelha de Carvalho, Carmen Vládia Soares de Sousa, Jorge Luís Vidal de Lima Alencar, Luma Morena Passos Freire e ao agregado Thalles Gothardo Pereira Nunes, pela ajuda durante a fase experimental e pelos momentos de descontração. À dupla Antônio Cavalcante Mota Filho e Cynthia Levi Baratta Monteiro companheiros de ponto no laboratório hehehe.por me ajudarem durante o experimento, pela disposição em me ajudar a completar meu n experimental, por me ajudarem muito quando estava preocupada com meus cães, em cirurgias, nas minhas dúvidas, com medicamentos Ao Daniel Couto Uchoa (Canil Grande Canafístula) por me confiar e conceder seus cães e por meio de seus contatos, me ajudar a completar meu n experimental. Ao Daniel Viana de Araújo e ao Laboratório Biociência pela realização de exames. Às minhas colegas de laboratório: Cláudia da Cunha Barbosa, Mirley Barbosa de Souza e Ticiana Franco Pereira da Silva pelo convívio durante essa jornada. Aos muitos proprietários que conheci no decorrrer deste experimento: Roberta, Gustavo, Gustavo Brígido; Hanrry e Roberto Studart (Canil Bull & Bulls), Tereza, Leonardo (Canil La Dogue Vita Bulls), Juliana, Sara, Edson, Wagner, 8

9 Wilson.. e a pessoa que se empenhou bastante em me ajudar, Fabio Castro, me concedendo seus cães sem mesmo me conhecer e sem recomendação de ninguém me indicou para a maioria dos proprietários dos animais deste experimento. Muito obrigada E finalmente aos animais que fizeram parte deste trabalho, pois afinal, tudo isso não poderia ter sido concretizado sem eles Essas criaturas que quem vê de longe acha feio, mas que tem um coraçãozinho que conquista a todos e me conquistou tanto que me apaixonei pelas raças e por todos que passaram por mim mesmo os que fizeram sujeira no meu carro e no laboratório; os que quiseram fugir; os que quiseram morder Os meus fedidos que sempre aromatizavam o laboratórios e nos contemplava com suas fungadas e seus roncos um muito obrigado 9

10 RESUMO Este trabalho foi dividido em duas partes com o objetivo geral de caracterizar e mensurar a próstata e os testículos da raça Boxer e Buldogue Francês por meio da ultrassonografia bidimensional e Doppler. Na primeira parte foram utilizados 33 cães da raça Buldogue Francês saudáveis, sendo estes divididos em 3 grupos de acordo com a faixa etária: grupo 1 de 8 meses a 19 meses; grupo 2 de 24 a 36 meses e grupo 3 de 48 a 72 meses. Foram avaliados ultrassonograficamente uma única vez para as características ultrassonográficas, mensuração prostática e características Doppler colorido e espectral. Foi observada uma alta correlação positiva entre a idade e o volume prostático. Os parâmetros dopplervelocimétricos diferiram de acordo com a localização avaliada da artéria prostática. E foi encontrada diferença estatística entre os grupos 1 e 3. Na segunda parte, foram avaliados ultrassonograficamente a próstata e os testículos de 5 cães da raça Boxer de 4 a 7 anos saudáveis. Foi empregada a mesma metodologia do trabalho 1, acrescentando a avaliação testicular para os mesmos parâmetros. A próstata e os testículos direito e esquerdo apresentaram um volume médio de 18,20 ± 0,14; 10,89 ± 0,27 e 10,70 ± 0,41, respectivamente. Os parâmetros Doppler colorido e espectral diferiram em todas as localizações de ambos os vasos, exceto quanto aos valores das velocidades de pico sistólico e diastólica final em todas as localizações da artéria prostática e os índices de pulsatilidade e resistência das localizações cranial e caudal da artéria prostática. Não foi encontrado diferença estatística nos dados avaliados entre o testículo direito e esquerdo. Conclui-se que a ultrassonografia bidimensional associada a Doppler pode servir como uma ferramenta a mais na avaliação reprodutiva de cães e que a localização, tanto da artéria prostática, como testicular irão influenciar os resultados encontrados. Além disso, a idade é uma variável importante na avaliação prostática. Desta forma, estudos adicionais devem ser realizados com o intuito de entender o comportamento das efermidades prostáticas e assim poder se utilizar desta técnica. Palavra chave: Próstata. Testículos. Doppler. Boxer. Buldogue Francês. 10

11 ABSTRACT This study was divided into two parts with the overall objective of characterizing and measuring the prostate and testes Boxer and French Bulldog through two-dimensional and Doppler ultrasound. In the first part we used 33 dogs breed healthy French Bulldog, which are divided into 3 groups according to age: group 1 from 8 months to 19 months, group 2 of 24 to 36 months and group 3 of 48 to 72 months Were evaluated sonographically once for the sonographic features, prostatic measurement, color and spectral Doppler features. We observed a high positive correlation between age and prostate volume. The Doppler parameters differ according to the location evaluated prostatic artery. And statistical difference was found between groups 1 and 3. In the second part, were evaluated sonographically the prostate and testes of 5 Boxer dogs 4-7 healthy years. The same methodology was employed labor 1, adding testicular evaluation for the same parameters. The prostate and testicles right and left had an average volume of ± 0.14, ± 0.27 and ± 0.41, respectively. The color and spectral Doppler parameters differed in all locations from both vessels, except for the values of peak systolic velocity and end diastolic in all locations prostatic artery and the pulsatility and resistance indices of the locations cranial and caudal artery prostatic. No statistical difference was found in the data evaluated between right and left testicle. We conclude that the associated two-dimensional ultrasound Doppler can serve as an additional tool in assessing reproductive dogs and that the location of both the artery prostate, testicular as will influence the results. In addition, age is an important variable in assessing prostate. Thus, further studies should be conducted in order to understand the behavior of prostate efermidades and thus able to use this technique. Keyword: Prostate. Testicles. Doppler. Boxer. French Bulldog. 11

12 LISTA DE FIGURAS Pág Figura 1: Anatomia dos órgãos reprodutivos do cão Figura 2: Molde de corrosão canina da artéria testicular (em vermelho), do plexo pampiniforme (em azul) e o ducto deferente (em amarelo).. 22 Figura 3: Origem vascular da artéria prostática Figura 4: Mensuração testicular. (A) Plano longitudinal. (B) Plano transversal. (C) Comprimento, (L) Largura e (E) Espessura Figura 5: Sonograma prostático. (A) Plano longitudinal. (B) Plano trasversal. (C) Comprimento, (P 1 ) Profundidade ou altura na longitudinal, (P 2 ) Profundidade na transversal e (L) Largura Figura 6: Ilustração esquemátca das localizações testiculares: cordão espermático (vermelho), marginal ou capsular (azul) e intracapsular (amarelo) 35 Figura 7: Anatomia vascular da artéria prostática canina nas localizações: cranial (vermelha), capsular (amarelo), intracapsular ou parenquimal (laranja) e caudal (azul). 37 Capítulo 1 Figura 1: Gráficos de regressão linear para as variáveis idade e peso em relação ao volume prostático Figura 2: Morfologia espectral dos vasos estudados nas suas diferentes localizações. (A) Artéria próstatica cranial. (B) Artéria próstatica subcapsular. (C) Artéria prostática intracapsular. (D) Artéria prostática caudal Capítulo 2 Figura 1: Morfologia espectral dos vasos estudados nas suas diferentes localizações. (A) Artéria próstatica cranial. (B) Artéria próstatica subcapsular. (C) Artéria prostática intracapsular. (D) Artéria prostática caudal. (E) Artéria testicular no cordão espermático (F) Artéria testicular marginal

13 LISTA DE TABELAS Pág Capítulo 1 Tabela 1: Divisão dos grupos e seus respectivos pesos, idades e volumes prostáticos (cm 3 )... Tabela 2: Média ± desvio padrão da quantidade de pixels da artéria prostática nas localizações cranial, subcapsular, parenquimal e caudal dos grupos avaliados de cães da raça Buldogue Francês... Tabela 3: Média ± desvio padrão do diâmetro da artéria prostática nas localizações cranial, subcapsular, parenquimal e caudal dos grupos avaliados de cães da raça Buldogue Francês... Tabela 4: Média ± desvio padrão do índice de resistência da artéria prostática nas localizações cranial, subcapsular, parenquimal e caudal dos grupos avaliados de cães da raça Buldogue Francês... Tabela 5: Média ± desvio padrão do índice de pulsatilidade da artéria prostática nas localizações cranial, subcapsular, parenquimal e caudal dos grupos avaliados de cães da raça Buldogue Francês Capítulo 2 Tabela 1: Média ± desvio padrão do diâmetro e a quantidade de pixels da artéria prostática nas localizações cranial, subcapsular, parenquimal e caudal de 5 cães da raça Boxer Tabela 2: Média ± desvio padrão do diâmetro e a quantidade de pixels da e artéria testicular nas localizações marginal e de cordão espermático de 5 cães da raça Boxer Tabela 3: Valores das velocidades de pico sistólico (VPS) e diastólica final (VDF) e dos índices de resistência (IR) e pulsatilidade (IP) das artérias prostática e testicular nas diferentes localizações

14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CAPES cm FAVET FSH HCG IC IP IR LRC LH ml PPGCV UECE VDF VPD VPS 5α -DHT : Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior : Centímetros : Faculdade de Veterinária : Hormônio Folículo Estimulante : Hormônio Gonadotrofina Coriônica Humana : Iniciação científica : Índice de pulsatilidade : Índice de de resistência : Laboratório de Reprodução de Carnívoros : Hormônio Luteinizante : Milímetros : Programa de Pós Graduação em Ciências Veterinárias : Universidade Estadual do Ceará : Velocidade Diastólica Final : Velocidade de Pico Sistólico : Velocidade de Pico Diastólico : 5 alfa Diidrotestosterona 14

15 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Sistema reprodutor masculino Anátomo fisiologia Irrigação artério venosa Avaliação diagnóstica da próstata e dos testículos caninos Ultrassonografia bidimensional Ultrassonografia Doppler JUSTIFICATIVA HIPÓTESES CIENTÍFICAS OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos CAPÍTULO CAPÍTULO CONCLUSÕES PERSPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

16 1. INTRODUÇÃO O estudo ultrassonográfico é, atualmente, um procedimento comum de diagnóstico por imagem bastante difundido na Medicina Veterinária, por ser considerado uma técnica não invasiva, segura para o paciente, acessível e que fornece diagnósticos, muitas vezes, precisos, principalmente na avaliação reprodutiva de pequenos animais (DAVIDSON; BAKER, 2009). Desta forma, com o aumento da expectativa de vida da população canina (PETER; STEINER; ADAMS, 1995), a grande incidência de problemas reprodutivos, o perfil crescente de criadores pets de cães e a busca pela seleção de animais comerciais com a melhor genética tem-se tido a necessidade da realização de exames completos que atestem e avaliem preventivamente a sua sanidade (DAVIDSON; BAKER, 2009). Pesquisas indicam que mais de 90% dos estudos aplicados à reprodução dos animais domésticos estão concentrados na fisiologia reprodutiva. Sendo a maioria destinada à pesquisa do sistema reprodutor feminino, pela complexidade na reprodução e da anatomia interna. Trabalhos abordando a reprodução de machos são escassos na literatura, podendo ser mais frequentes os relacionados à avaliação e preservação espermática, fato este, que impulsiona novas pesquisas direcionadas à anatomia, fisiologia e métodos atuais de diagnóstico (HAHN et al., 1999; KING, 2006). Em cães, a próstata é a glândula sexual mais importante e os testículos são a unidade funcional de produção espermática (DYCE et al., 2010). A avaliação destes órgãos por meio da ultrassonografia convencional permite a mensuração e caracterização das suas estruturas de forma acurada e fiel. No entanto, por esta espécie apresentar uma variedade de raças com portes e pesos diversificados, tem-se a dificuladade de se obter parâmetros de normalidade para o tamanho destes órgãos (NYLAND; MATTOON, 2005), já que o cão sofre influências hormonais ao longo da vida que modificam o tamanho prostático (DYCE et al., 2010), desenvolve espontaneamente a hiperplasia prostática fisiológica (BARSANTI; FINCO, 1992), e o dimensionamento normal, tanto da próstata, como dos testículos variam com fatores como o peso (BARSANTI; FINCO, 1992; GREEN; HONCO, 1996; ATALAN et al., 1999b; JOHNSTON; KUSTRITZ; OLSON, 2001). Além disso, a caracterização 16

17 anatômica normal juntamente com a avaliação da fisiologia do macho permitem atestar o potencial de fertilidade destes animais (MITTERBERGER et al., 2010). Aliado a esta técnica, a ultrassonografia Doppler, surge como uma nova modalidade diagnóstica empregada na Medicina Humana (FORESTA et al SHIRAISHI et al.,2009), e mais recentemente na Medicina Veterinária, que permite a avaliação da dinâmica do fluxo sanguíneo e a detecção da neovascularização (FLEMMING FORSBERG, et al., 2002). Em cães, a maior parte dos seus estudos e emprego estão voltados principalmente para a caracterização da hemodinâmica dos grandes vasos e de vasos periféricos de diversos órgãos (CARVALHO; ADDAD, 2009). Porém, para os órgãos reprodutivos, próstata e testículos caninos, esta técnica ainda é pouco estudada e os trabalhos que existem utilizam pequenas e variadas amostras (NEWELL et al., 1998; GÜNZEL-APEL et al., 2001; VIGNOLI et al., 2001; FLEMMING FORSBERG, et al., 2002; GUMBSCH et al., 2002; RUSSO et al., 2009; BIGLIARDI; FERRARI, 2011 CARRILLO et al., 2012). Além disso, é importante que se conheça a hemodinâmica normal dos vasos que irrigam estes órgãos a fim de se detectar mais precocemente possíveis alterações patológicas (GÜNZEL-APEL et al., 2001; SZATMÁRI; SÓTONYI; VÖRÖS, 2001). Para uma melhor compreensão do presente trabalho, far-se-á uma revisão de literatura, enfocando os principais aspectos referentes à anatomia e fisiologia do sistema reprodutor do macho canino bem como a técnica de ultrassonografia bidimensional e Doppler no estudo testicular e prostática de cães. 17

18 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO CANINO Anátomo fisiologia O trato reprodutor do macho canino é composto por: escroto, testículos, epidídimos, ductos deferentes, funículo espermático, ampolas, próstata, uretra, pênis e prepúcio (DYCE et al., 2010). PRÓSTATA' AMPOLA' MÚSCULO' RETRATOR' DO'PÊNIS' DUCTO'DEFERENTE' URETER' URETRA' BEXIGA' EPIDÍDIMO' BULBO'PENIANO' PREPÚCIO' TESTÍCULO' OSSO'PENIANO' GLANDE'DO'PÊNIS' CORPO'CAVERNOSO'DO'PÊNIS' CORPO'ESPONJOSO'DO'PÊNIS' Figura 1: Anatomia dos órgãos reprodutivos do cão. Fonte: Os testículos caninos localizam-se externos a cavidade abdominal, dentro de sexta-feira, 5 de outubro de 12 uma bolsa pendular membranosa derivada da pele e da fáscia da parede abdominal, denominada de escroto, localizados aproximadamente em posição intermediária entre o períneo e a virilha (ELLENPORT, 1986; HAFEZ, 2004). O escroto é recoberto por uma pele delgada pigmentada e escassamente por finos pelos, suprida abundantemente por glândulas sudoríparas e é dividido em duas cavidades por um septo mediano não muito evidente, denominado de rafe. Cada cavidade comportando um testículo, seguido do epidídimo e da parte distal do funículo espermático (ELLWNPORT, 1986; DOGRA et al., 2003; DYCE et al., 2010). O escroto 18

19 desempenha um importante papel na regulação da temperatura testicular, por meio dos mecanismos de troca de calor contra-corrente e por meio da atividade dos músculos cremáster e da túnica dartos (STABENFELDT; EDQVIST, 1996). Os cães possuem um par de testículos relativamente pequenos e de formato redondo ovalado, sendo o seu eixo longo oblíquo direcionado dorsal e caudalmente. Relata-se que o tamanho médio do testículo canino, independente da raça, é de: 3,63 cm de comprimento, 2,67 cm de diâmetro dorsoventral e 2,67 cm de diâmetro látero medial (PUGH; KONDE; PARK, 1990). Os testículos são recobertos pelas túnicas vaginal, visceral e albugínea. A túnica albugínea forma uma cápsula densa e fibrosa de tecido conjuntivo, que adentra o interior do parênquima testicular formando uma estrutura bastante desenvolvida, o mediastino, que por sua vez, emite septos de tecido conjuntivo dividindo os testículos em lóbulos incompletos compostos de 1 a 3 túbulos seminíferos. (ELLENPORT, 1986). Têm como funções principais produzir células germinais, os espermatozoides; e produzir andrógenos e outros hormônios, que dão ao indivíduo as características que incluem o impulso e os meios para liberar as células germinais para a fêmea (SWENSON; REECE, 1996; DYCE et al. 2010). O período em que os cães atingem à puberdade é dependente da raça, ou seja, as raças pequenas atingem a puberdade mais precocemente do que raças de porte maior, que em alguns casos a atingem após 12 meses de idade (JOHNSTON; KUSTRITZ; OLSO, 2001) A puberdade indica que estão aptos a se reproduzirem, ou seja, estão produzindo gametas. A produção de espermatozoides se dá por influência neuroendócrina (STABENFELDT; EDQVIST, 1996). Após a produção dos espermatozoides estes são liberados na luz dos túbulos seminíferos que formam um sistema coletor que, por sua vez, formam uma rede testicular, localizada no mediastino. A rede testicular drena para os ductos eferentes, que se unem para formar a cabeça do epidídimo (ELLENPORT, 1986). O funículo espermático tem início no ânulo inguinal profundo, onde suas partes constituintes se reunem e estendem-se obliqua e ventralmente através do canal inguinal, passando sobre o lado do pênis e terminando na borda inserida do testículo. Consiste das seguintes estruturas: artéria testicular, as veias testiculares que formam o plexo pampiniforme ao redor da artéria, o plexo testicular de nervos autônomos, os ductos deferentes, feixes de tecido muscular liso ao redor dos vasos e a camada visceral da tunica vaginal (ELLENPORT, 1986). A glândula prostática pode ser encontrada em quase todos os mamíferos, e 19

20 está presente em todas as espécies domésticas (ELLENPORT, 1986). No cão, as ampolas e, principalmente, a próstata são as glândulas genitais acessórias que fornecem todo o complemento seminal (DYCE et al., 2010). A glândula prostática é do tipo lobulada e composta por tecido músculoglandular produtor de secreções exócrinas que constituem o líquido prostático (ELLENPORT, 1986; EVANS; CHRISTENSEN, 1993; SOUZA; TONIOLLO; TRINCA., 2002; KUSTRITZ; KLAUSNER, 2004), importante para a sobrevivência e transporte dos espermatozoides (DORFMAN; BARSANTI, 1995; GARTNER; HIATT, 2002). Anatomicamente, a próstata canina é um órgão relativamente grande, de coloração esbranquiçada a amarelada, (EVANS; CHRISTENSEN, 1993; SOUZA; TONIOLLO; TRINCA, 2002; KUSTRITZ; KLAUSNER, 2004), inervada pelos nervos hipogástricos e pélvico. Tem um formato de ovoide a globular (ELLENPORT, 1986) bilobulado simétrico pela presença de um proeminente sulco dorsal e ventral (FOSSUM, 2005) acompanhado por um evidente septo medial interno fibroso que divide a próstata em lobos direito e esquerdo, e que são subdivididos em lóbulos por finos septos de tecido conjuntivo que se irradiam para trabeculações oriundas da cápsula (ELLENPORT, 1986; DYCE et al., 2010). Possui uma espessa cápsula que a circunda completamente de tecido fibromuscular homogêneo infiltrado por moderada quantidade de tecido gorduroso em sua superfície ventral (BARSANTI; FINCO, 1992; GREEN; HONCO, 1996). Sendo que tanto a cápsula, quanto o estroma contêm uma grande quantidade de músculo liso (ELLENPORT, 1986). A próstata canina se origina de um brotamento epitelial, a partir da uretra pélvica, por volta da sexta semana de gestação. Esta permanece no abdome do nascimento até aproximadamente dois meses de idade, e a partir daí, ou seja, após a degeneração do úraco remanescente, assume uma posição pélvica (BASINGER et al., 2003). Em animais pré-púberes é um órgão pequeno, localizado em torno da uretra proximal, medindo não mais de um centímetro de diâmetro em cães da raça Beagle (JAMES; HEYWOOD, 1979; BERRY et al., 1986). Estudos relatam que cães com menos de quatro anos, a próstata se localiza usualmente na cavidade pélvica na margem do púbis, no entanto, ao passar desta idade metade da glândula já se encontra no abdome (BASINGER et al., 2003). Na puberdade, por ser um órgão androgênico dependente, há um crescimento 20

21 fisiológico e a próstata adquire proporções maduras de tamanhos variáveis devido a ação da testosterona e da 5α-diidrotestosterona (5α-DHT) atuante ao longo da vida do cão. Estes hormônios causam proliferação dos componentes glandulares e do estroma e aumento no tamanho e número das células epiteliais prostáticas resultando em hiperplasia e hipertrofia da parte parenquimatosa da próstata (ZIRKIN; STRANDBERG, 1984; BARSANTI; FINCO, 1992; LEE, 1996). Nesta fase, a próstata esta normalmente localizada no espaço retroperitoneal delimitada caudalmente à vesícula urinária, ventralmente ao reto e dorsalmente à sínfise púbica e a parede abdominal ventral (EVANS; CHRISTENSEN, 1993; SOUZA; TONIOLLO; TRINCA, 2002; KUSTRITZ & KLAUSNER, 2004). Entre os quatro e dezesseis meses de idade, cães da raça Beagle apresentam crescimento da glândula constante e duplicado, correspondendo ao período em que a testosterona sérica aumenta até alcançar o nível adulto (JAMES; HEYWOOD, 1979; BERRY et al., 1986). Em um estudo de O Shea (1962) foi descrito que em cães adultos da raça Scottish Terrier a próstata apresentava um tamanho quatro vezes maior comparado com a próstata de cães de outras raças de pesos e idades similares. Com o avançar da idade, em animais maduros não castrados, a próstata canina continua a crescer em tamanho por um processo denominado de hiperplasia fisiológica ou mesmo, patológica, que pode afetar os lobos de forma desigual (LEE, 1996; DYCE et al., 2010) e deslocar a próstata cranialmente (DORFMAN; BARSANTI, 1995; ATALAN et al., 1999c). O peso, o comprimento, a altura, a largura e o volume da próstata são positivamente correlacionados com a idade até os 11 anos, após este tempo, na senilidade, ocorrem processos de involução, alterações fibróticas e de retração (O SHEA, 1962; ZIRKIN; STRANDBERG, 1984; LEE, 1996; RUEL, et al., 1998). Desta forma, a glândula prostática do cão apresenta três fases de atividade distinta durante a vida: crescimento normal (de 1 a 5 anos), desenvolvimento da hiperplasia fisiológica ou patológica (de 6 a 10 anos) e atrofia prostática (cães com idades superiores a 10 anos) (O SHEA, 1962; BERRY, 1986). Desta forma, o seu tamanho e suas relações anatômicas podem variar de acordo com a idade, estado patológico, distensão da vesícula urinária (BARSANTI; FINCO, 1992; GREEN; HONCO, 1996; ATALAN et al., 1999b), a raça, o tamanho do animal (O SHEA, 1962; ATALAN et al., 1999b), a influência hormonal e a variação do tamanho da parte compacta da próstata (DYCE et al., 2010), tornando difícil o sugestionamento normal prostático nessa espécie. 21

22 2.1.2 Irrigação artério-venosa Os testículos e epidídimo tem seu suprimento sanguíneo fornecido pela artéria testicular. A artéria testicular direita e esquerda compõem a vascularização primária dos testículos e tem origem dos ramos da artéria aorta abdominal dorsal próximo ao local de origem embrionária dos testículos, surgindo distalmente às artérias renais (DOGRA et al., 2003; HAFEZ, 2004). Figura 2: Molde de corrosão canina da artéria testicular (em vermelho), do plexo pampiniforme (em azul) e o ducto deferente (em amarelo). Fonte: DYCE et al., 2010 Após entrar no cordão espermático, a artéria testicular segue a superfície posterior do testículo e penetra a túnica albugínea, formando, desta forma, a artéria capsular que corre marginalmente ao testículo. Ramos dessa artéria, penetram o parênquima testicular fornecendo suprimento sanguíneo em direção ao mediastino, se ramificando para o interior dos testículos (DOGRA et al., 2003). Os principais vasos sanguíneos que formam a vascularização da glândula prostática são as artérias prostáticas, e as veias prostáticas e uretrais (EVAN; CHRISTENSEN, 1993). As artérias prostáticas se originam de duas ou três ramificações dos ramos 22

23 principais da artéria ilíaca interna que por meio de ramos das artérias pudenda interna e urogenital a formam (SIMOENS et al., 1983; STEFANOV et al., 1996). Podem também se originar das artérias vesicais inferiores (SUZUKI et al., 1991), e também das artérias uretrais e retal média (BARSANTI; FINCO, 1992; WAKUI et al., 1993; MUZZI et al., 1997; VANNUCHI, et al., 1997; DYCE et al., 2010). A vascularização da glândula consiste de um suprimento sanguíneo independente, para cada lobo, proveniente da artéria prostática homolateral (STEFANOV, 2004) que penetra a cápsula na superfície dorsolateral ou caminha lateralmente a glândula, fornencendo, desta forma, suprimento sanguíneo para a bexiga urinária após derivar os ramos prostático vesical e prostático uretral (STEFANOV et al., 1996; BASINGER et al., 2003). ARTÉRIA PUDENDA INTERNA NERVO SACRO NERVO PÉLVICO NERVO PUDENDO NERVO HIPOGÁSTRICO ARTÉRIA UROGENITAL ARTÉRIA URETRAL ARTÉRIA UMBILICAL PRÓSTATA BEXIGA NERVO PUDENDO (RAMO URETRAL Figura 3: Origem vascular da artéria prostática. Fonte: FOSSUM, 2005 A artéria prostática é uma estrutura pequena que tem um diâmetro médio de µm (STEFANOV; MARTIN-ORTI, 1997; GARTNER; HIAT, 2002). Sua parede é constituída da mesma forma que a das artérias musculares, ou seja, com sexta-feira, 5 de outubro de 12 grande quantidade de músculo liso, no entanto, com o diferencial de possuir um evidente desenvolvimento das suas túnicas (íntima, adventícia e muscular) (GARTNER; HIAT, 2002) e possuir estruturas em seu interior similares as valvas presentes nas veias (STEFANOV, 2004). De acordo com sua localização, pode ser classificada como prostática cranial, prostática medial ou lateral, prostática parenquimal ou intracapsular e prostática caudal (STEFANOV, 2004; DYCE et al., 23

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

Anatomia da Reprodução Masculina

Anatomia da Reprodução Masculina FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Uberlândia CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Anatomia da Reprodução Masculina Prof.

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino

Sistema reprodutor masculino e feminino ANATOMIA E FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema reprodutor masculino e feminino Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Introdução O sistema genital masculino está constituído principalmente por:

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano 1 ESPERMATOGÊNESE Definição Processo pelo qual se formam os gametas masculinos, os espermatozóides, a partir de células germinativas

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V UNIC UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V Roteiro de aula prática de Anatomia Veterinária Prof a. Juliana

Leia mais

Sistema reprodutor masculino

Sistema reprodutor masculino Sistema reprodutor masculino O sistema reprodutor masculino é composto por: Testículos Vias espermáticas Glândulas anexas Pênis Saco escrotal Assim como o pênis está localizado externamente ao corpo,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário

ANATOMIA HUMANA II. Sistema Urinário ANATOMIA HUMANA II Educação Física Sistema Genito-urinário Prof. Me. Fabio Milioni Sistema Urinário Função Excretar substâncias do corpo urina (Micção) (ác. úrico, ureia, sódio, potássio, etc) Órgãos rins

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO Bexiga urinária Vesícula seminal Canal deferente Osso Púbis Pênis Uretra Corpos cavernosos Glande peniana Prepúcio Escroto Testículo Glândula bulbouretal

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES Autora: Débora Ferreira Diehl PORTO ALEGRE 2011 UNIVERSIDADE

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso

Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor. Funções corporais são reguladas por dois sistemas principais: Sistema Nervoso Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula 5- Estrutura e Função dos Sistemas Endócrino e Reprodutor Sistema Endócrino Funções corporais são reguladas por dois sistemas

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Introdução SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Wagner Iared; José Eduardo Mourão; David C. Shigueoka A ultrassonografia é provavelmente o método de imagem mais frequentemente solicitado

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Aparelho Reprodutor Masculino 250 (partem septos fibrosos) TESTÍCULOS Ä Funções: produzir espermatozóides e hormônio (testosterona) Ä Desenvolvem-se dentro da cavidade abdominal,

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Introdução Durante a gestação, a diferenciação sexual se dá ou não pela presença do hormônio antimülleriano e da

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br

REUNIÃO DE CASOS. Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) RAPHAEL SALGADO PEDROSO. www.digimaxdiagnostico.com.br REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br RAPHAEL SALGADO PEDROSO Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Nome: I. G. A. B.; Idade: 28 anos; Sexo: Feminino; CASO Queixa: Atraso menstrual há 45 dias.

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS. Profa. Dra. Maria. Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA

SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS. Profa. Dra. Maria. Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA SISTEMA UROGENITAL MASCULINO: ASPECTOS EMBRIOLÓGICOS Profa. Dra. Maria Angélica Spadella Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Sistema Urogenital Sistema urinário: Excreção Sistema genital: Reprodução Origem

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ARTÉRIAS O suprimento arterial do abdome é todo proveniente da aorta, que torna-se aorta abdominal após passar pelo hiato aórtico do diafragma ao nível de T12, e termina dividindose

Leia mais

Profª. Drª. Josaine C. S. Rappeti Pedrozo Médica Veterinária

Profª. Drª. Josaine C. S. Rappeti Pedrozo Médica Veterinária OVARIOSALPINGOHISTERECTOMIA (OSH) EM PEQUENOS ANIMAIS Ovariosalpingohisterectomia remoção dos ovários, trompas e útero. Indicações: Esterilização eletiva, suspensão de cio, tumores ovarianos, cistos ovarianos,

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB. Leonardo S. Carvalho

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB. Leonardo S. Carvalho SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Resumir os principais sinais clínicos da torção do cordão espermático. Ilustrar e resumir brevemente as características no US, incluindo as

Leia mais

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária

Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Universidade Federal do Acre Curso de Medicina Veterinária Sistema Circulatório I Coração e Circulação Prof. Adj. Dr. Yuri Karaccas de Carvalho Anatomia Descritiva Animal I Objetivos da Aula Definição

Leia mais

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA

PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA 1 Sumário PROTOCOLOS E ORIENTAÇÃO PRÁTICA PARA A REALIZAÇÃO DE ULTRASSONOGRAFIA... 4 Preâmbulo:... 4 Introdução... 4 Qualificações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS MÍRLEY BARBOSA DE SOUZA ULTRASSONOGRAFIA BIDIMENSIONAL

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

Sistema circulatório. Coração e generalidades

Sistema circulatório. Coração e generalidades Sistema circulatório Coração e generalidades Sistema Circulatório Coração propulsão do sangue Vasos centrípetos veias e linfáticos: condução Vasos centífugos artérias: condução Capilares: trocas Função:

Leia mais

Exame Andrológico em Cães

Exame Andrológico em Cães Exame Andrológico em Cães ProfªIsabel Candia Nunes da Cunha UENF Indicações Compra ou venda de reprodutores Seleção de doadores para o uso em IA Diagnóstico de patologias do sistema genital masculino Histórico

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária

Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Princípios Gerais de Anatomia Veterinária Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional I juliana.pinheiro@kroton.com.br DEFINIÇÃO A anatomia é a ciência que estuda o corpo animal no que se refere á sua

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra

Sistema genital feminino pudendo feminino lábios maiores lábios menores clitóris vestíbulo vaginal clitóris uretra Sistema Reprodutor 1. Sistema genital feminino a) Órgãos - Clítoris - Vagina - Útero - Tubas uterinas - Ovários b) Hormônios sexuais femininos c) Controle hormonal do ciclo menstrual d) Fecundação O sistema

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1)

AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL. Tronco celíaco (ímpar e visceral) (2) Artérias frênicas inferiores (1) AORTA ABDOMINAL IRRIGAÇÃO E DRENAGEM DA REGIÃO ABDOMINAL Prof. Erivan Façanha Tem início no hiato aórtico do diafragma (T12). Trajeto descendente, anterior aos corpos vertebrais e à esquerda da veia cava

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Figueira Carvalho, Cibele; Guido Cerri, Giovanni; Chammas, Maria Cristina Parâmetros Doppler velocimétricos

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III

ARTÉRIAS E VEIAS. Liga Acadêmica de Anatomia Clínica. Hugo Bastos. Aula III ARTÉRIAS E VEIAS Aula III Liga Acadêmica de Anatomia Clínica Hugo Bastos Salvador BA 23 de Agosto de 2011 Sistema circulatório Responsável pelo transporte de líquidos (sangue ou linfa) por todo o corpo.

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA DOPPLER VASCULAR: ASPECTOS IMPORTANTES PARA APLICAÇÃO DA TÉCNICA

ULTRASSONOGRAFIA DOPPLER VASCULAR: ASPECTOS IMPORTANTES PARA APLICAÇÃO DA TÉCNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS ULTRASSONOGRAFIA DOPPLER VASCULAR: ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A.

Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat. Prof. Claudio A. Aparelho Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Testículos Epidídimos URI Campus de Santo Ângelo Curso de Psicologia - Anatomofisiologia Prof. Claudio Alfredo Konrat Canais Deferentes Vesículas Seminais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL CAMPUS DE PATOS-PB CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA MONOGRAFIA Exame Ultrassonográfico da próstata em caninos: Revisão de literatura.

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL

I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL Ecografia Clínica para Gastrenterologistas - Curso Prático 2014 I. APARELHO URINÁRIO E GENITAL Ana Nunes* A ultra-sonografia do rim e aparelho urinário é um método importante na abordagem diagnóstica da

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Sangue Nesta lâmina observa-se um esfregaço de sangue, que constitui um tipo de tecido conjuntivo fluído constituído por células emersas em matriz extracelular plasma. O plasma é uma solução aquosa de

Leia mais

www.rhvida.com.br Copyright RHVIDA S/C Ltda.

www.rhvida.com.br Copyright RHVIDA S/C Ltda. A próstata é uma glândula que só existe no homem. Tem como função produzir substâncias que vão ajudar a tornar o sêmen mais fluido, facilitando a viagem dos espermatozóides. Quando nos alimentamos, o que

Leia mais

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO Daniela Brum Anatomia do Sistema Urinário Rins Ureteres Bexiga Uretra Sistema Urinário - Funções Filtrar o sangue removem, armazenam e transportam produtos residuais meio

Leia mais

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa 1 Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa Órgãos Reprodutores Externos (fig.01) - Monte de Vênus (monte pubiano): Constituído

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br 01. Sabe-se que a esteatose hepática é resultante de depósito intracelular de triglicerídeo no hepatócitos e seu aspecto ultra-sonográfico já é bastante conhecido. Qual das questões abaixo é a mais correta

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONTRIBUIÇÃO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DE LITÍASES EM URETRA PENIANA EM UM SCHNAUZER: RELATO DE CASO NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 1, PATRÍCIA DE CASTRO STEHLING 2, PAULA LAISE RIBEIRO DE OLIVEIRA

Leia mais

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé Hipófise, Testículos e Ovários Marcela Ludwig e Nathália Crusoé hipófise considerações glândula endócrina: possui 6 mm no sentido ântero-posterior e 10 mm de largura, com um peso de 500 mg localização:

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis.

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. REPRODUÇÃO HUMANA APARELHO REPRODUTOR MASCULINO É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. TESTÍCULO O testículo produz espermatozóides e hormônio masculino e localiza-se

Leia mais

Posso fazer a barba?

Posso fazer a barba? A UU L AL A Posso fazer a barba? Você estudou na Aula 6 as transformações que acontecem durante a puberdade feminina. Agora chegou a hora de falarmos da puberdade masculina. Para os meninos, a puberdade

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino FISIOLOGIA 7. Sistema Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Masculino Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Espermatogênese e condução do espermatozóide Função da Vesícula Seminal Função

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007.

ESTUDO RETROSPECTIVO DOS TUMORES MAMÁRIOS EM CANINOS E FELINOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED ENTRE 2003 A 2007. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 USG Geral SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio 1 Generalidades As células corporais quando desempenham suas funções: Consome O 2 e nutrientes, Bem como produzem substâncias como

Leia mais

Ilustração Olaff Behrend

Ilustração Olaff Behrend Autora José Luiz Jivago de Paula Rôlo Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de Brasília (2009). Atualmente é médico veterinário da Universidade de Brasília. Tem experiência na área

Leia mais

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação Sistema Urinário Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional IV juliana.pinheiro@kroton.com.br O organismo animal depende de várias reações metabólicas para se manter vivo e saudável. Estas reações

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 -

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito Dr. Lucas Torres Dra. Elisa Brentas Departamento de Diagnóstico por Imagem www.unifesp.br/ddi/abdome Métodos de Diagnóstico por Imagem

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA A adolescência é uma fase de transição, mudança da infância para a vida adulta. Nesse momento acontecem várias modificações no corpo, surgem várias dúvidas, medo,

Leia mais

Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação.

Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação. Arquivo criado por RH VIDA. Entendendo ser importante, solicitamos e conseguimos autorização para sua divulgação. Academia Snooker Clube Sorocaba - SP Paulo Dirceu Dias www.snookerclube.com.br paulodias@pdias.com.br

Leia mais

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada.

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. 1. Liste todos os ossos do esqueleto axial. 2. Liste todos os

Leia mais

CHUC Clínica Universitária de Radiologia

CHUC Clínica Universitária de Radiologia CHUC Clínica Universitária de Radiologia Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Reunião Bibliográfica 03/06/2013 Mafalda Magalhães Introdução Incidência dos tumores da tiróide aumentou nos últimos anos

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES

ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ESPECIALIZAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS ALTERAÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES Julio César Ferecini Bueno Ribeirão Preto, out. 2008. JULIO CÉSAR FERECINI BUENO Aluno do

Leia mais

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara

Placenta e Membranas Fetais. Prof. Daniela B. Hara Placenta e Membranas Fetais Prof. Daniela B. Hara 2009/2 Anexos embrionários no desenvolvimento humano Placenta e o cordão umbilical O córion O âmnio O saco vitelínico O alantóide Membranas fetais A parte

Leia mais

SAÚDE DA MULHER FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFª DANIELE REZENDE FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

SAÚDE DA MULHER FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFª DANIELE REZENDE FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO SAÚDE DA MULHER FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFª DANIELE REZENDE FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO As estruturas reprodutivas femininas externas e internas desenvolvem-se

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Conteúdo: - Puberdade e adolescência: A maturidade sexual - Os sistemas genitais masculinos e femininos - O que é menstruação CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: - Puberdade e adolescência: A maturidade sexual - Os sistemas genitais masculinos e femininos - O que é menstruação CIÊNCIAS DA NATUREZA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Puberdade e adolescência: A maturidade sexual - Os sistemas genitais masculinos e femininos - O que é menstruação 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

Oi, pai! Nós, da RHVIDA, queremos congratular você pelo seu dia. www.rhvida.com.br. Copyright RHVIDA S/C Ltda.

Oi, pai! Nós, da RHVIDA, queremos congratular você pelo seu dia. www.rhvida.com.br. Copyright RHVIDA S/C Ltda. Oi, pai! Nós, da RHVIDA, queremos congratular você pelo seu dia. Se você não é pai com certeza é filho, e então vamos parabenizar você e seu pai. Você sabe que existem muitas coisas a fazer pelo seu filho.

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 14 InFERTILIDADE MASCULInA 1. INTRODUçãO Aproximadamente 15% dos casais se tornam incapazes de conceber após um ano de relações sexuais desprotegidas. O fator masculino é responsável exclusivo

Leia mais

Preparo para os Exames de Ultrassonografia A ultrassonografia é um método alicerçado no fenômeno de interação de som e tecidos. A partir da transmissão de onda sonora de alta frequência (>20.000 Hz), observamos

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais