UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LUCIANA PEREIRA DE SOUZA BUONO CORROSÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ENSAIOS ELETROQUÍMICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LUCIANA PEREIRA DE SOUZA BUONO CORROSÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ENSAIOS ELETROQUÍMICOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LUCIANA PEREIRA DE SOUZA BUONO CORROSÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ENSAIOS ELETROQUÍMICOS SÃO PAULO 2006

2 LUCIANA PEREIRA DE SOUZA BUONO CORROSÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ENSAIOS ELETROQUÍMICOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Profº Tiago Garcia Carmona SÃO PAULO 2006

3 LUCIANA PEREIRA DE SOUZA BUONO CORROSÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ENSAIOS ELETROQUÍMICOS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho em de de Tiago Garcia Carmona Fernando José Relvas Comentários:

4 AGRADECIMENTOS À Deus, que a todo momento mostra-se presente em minha vida. À empresa EXATA Engenharia, Eng. Tiago, Eng. Thomas e Eng. Antonio Carmona que mostraram uma imensa vontade de dividir e aumentar conhecimentos que me motivaram. Ao Eng. Eder Toshio, Eng. Cláudio Murakami, Eng. Carlos Eduardo Takaoka e a muitos outros companheiros de trabalho que me apoiaram. Ao meu marido, que teve paciência com minha falta de tempo. Aos meus pais, que sempre estão por perto.

5 RESUMO Este trabalho apresenta os principais ensaios eletroquímicos utilizados para avaliação, monitoração e controle da corrosão em concreto armado. Descreve os aspectos do problema da corrosão de metais: formas de ocorrência e particularidades, fatores intervenientes e uma aplicação destes ensaios em uma análise crítica de um caso prático em uma estrutura em concreto armado no porto em Santos. Finalmente, faz uma comparação dos ensaios de potencial elétrico realizados antes e após a recuperação de parte da estrutura. Palavras chave: Corrosão. Ensaio Eletroquímico. Concreto Armado.

6 ABSTRACT This work shows the main electrochemicals tests used for valuation, monitoring and control of steel corrosion in concrete. It describes the aspects of steel corrosion problems: forms of occurrence and features, intervenient factors and an application of this test on a critical analysis of a practical case in reinforced concrete structure on a port in Santos. Finally, it does a comparison between the electrochemicals tests applied before and after the recuperation of structure part. Words key: Corrosion. Electrochemical. Test. Reinforced Concrete.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Tipos de corrosão e fatores que as provocam (CASCUDO, 1997) Figura 5.2 Pilha eletroquímica clássica (CASCUDO, 1997) Figura 5.3- Diagrama de Pourbaix de equilíbrio termodinâmico, delimitando os domínios de corrosão, passivação e imunidade (CASCUDO, 1997) Figura 5.4 Esforços produzidos que levam à fissuração e destacamento do concreto, devidos à corrosão de armaduras (CASCUDO, 1997) Figura 5.5 Vista de um pilar apresentando flambagem da armadura longitudinal (CASCUDO, 1997) Figura 5.6 Detalhe da estrutura de concreto armado de uma plataforma de pesca no Rio Grande do Sul (CASCUDO, 1997) Figura 5.7 Curva de Tafel ideal (CASCUDO, 1997) Figura 5.8 Evolução do Rp aparente dos circuitos A e B (CASCUDO, 1997) Figura 5.9 Variação de Rp e Icorr (CASCUDO, 1997) Figura 5.10 Sistema para medida de resistência de polarização (CASCUDO, 1997) Figura 5.11 Distribuição não uniforme do sinal elétrico pelo CE sobre a armadura área polarizada indefinida (CASCUDO, 1997) Figura 5.12 Camada superficial de concreto altamente resistivo (CASCUDO, 1997) Figura 5.13 Medida de potencial afetada pelo cobrimento do concreto (CASCUDO, 1997) Figura 5.14 Mapas de potenciais (CASCUDO, 1997) Figura 5.15 Circuito básico para a técnica de medida de resistência elétrica de uma sonda embutida no concreto (CASCUDO, 1997) Figura 5.16 Instalação de sonda de resistência elétrica embutido em concreto (CASCUDO, 1997) Figura 6.1 Vista geral do cais Figura 6.2 Vista das estacas Figura Estaca próxima a junta de dilatação (EXATA, 2005)... 61

8 Figura 6.4 Estacas de periferia (EXATA, 2005) Figura 6.5 Estaca com ruptura junto a laje (EXATA, 2005) Figura 6.6 Estacas com ruptura abaixo do nível d água (EXATA, 2005) Figura 6.7 Exposição de armaduras nas estacas (EXATA, 2005) Figura 6.8 Ensaio de ultra-som (EXATA, 2005) Figura 6.9 Medida de perda de seção (EXATA, 2005) Figura 6.10 Amostras de concreto (EXATA, 2005) Figura 6.11 Ensaio de profundidade de carbonatação (EXATA, 2005) Figura 6.12 Medida de temperatura e umidade (EXATA, 2005) Figura 6.13 Determinação da temperatura da água (EXATA, 2005) Figura 6.14 Coleta de amostra de água para realização de ensaios em laboratório (EXATA, 2005) Figura 6.15 Pólo do milivoltímetro conectado à armadura Figura 6.16 Traçado de malha para orientação Figura 6.17 Medida de potencial Figura 6.18 Esquema, em vista da realização dos ensaios Figura 6.19 Posição dos ensaios Figura 6.20 Gráfico de potenciais versus tempo (CASCUDO, 1992)

9 LISTA DE TABELAS Tabela 5.1 Critério para avaliação da corrosão pela velocidade obtida pelos métodos de resistência de polarização Tabela 5.2 Avaliação dos resultados obtidos mediante a técnica de medida de potenciais de eletrodo Tabela 5.3 Risco de dano da corrosão e em função do potecial e das condições do concreto e do meio-ambiente Tabela 6.1 Resistência à compressão Tabela 6.2 Absorção de água por imersão Tabela 6.3 Absorção de água por capilaridade Tabela 6.4 Parâmetros para análise do ensaio de ondas de ultrasom Tabela 6.5 Ultra-som Tabela 6.6 Dureza superficial Tabela 6.7 Cobrimento de armaduras Tabela 6.8 Perda de seção de concreto das estacas Tabela 6.9 Perda de seção das armaduras Tabela 6.10 Teor de cloretos Tabela 6.11 Teor de sulfatos Tabela 6.12 Profundidade de carbonatação Tabela 6.13 Risco de corrosão de armadura (CEB, 2002) Tabela 6.14 Umidade e temperatura Tabela 6.15 Característica da água Tabela 6.16 Ensaio eletroquímico de potenciais elétricos Tabela 6.17 Ensaio de Potencial na estaca E Tabela 6.18 Ensaio de potencial na estaca E Tabela 6.19 Ensaio de Potencial na estaca E Tabela 6.20 Ensaio de potencial na estaca E

10 LISTA DE SÍMBOLOS E DE SIGLAS ddp mg/dc²/dia mpy mmpy ipy μmpy i i corr A/cm² ΜA/ cm² Ca(OH) 2 NaOH KOH ph Rp ΔE ΔI B mv βa βc E corr c τ CA IR l L D Diferença de potencial Miligramas por decímetro quadrado por dia Milésimos de polegadas por ano Milímetros por ano Polegadas por ano Micrometros por ano Corrente elétrica Corrente de corrosão Ampere por centímetro quadrado Micro Ampere por centímetro quadrado Hidróxido de cálcio Hidróxido de sódio Hidróxido de potássio Potencial hidrogeniônico Resistência de polarização Variação do potencial Intensidade de corrosão Constante de proporcionalidade obtido por Stern & Geary Milivolts Constante de Tafel anódica Constante de Tafel catódica Potencial de corrosão Capacitância da dupla camada elétrica Tempo necessário para atingir o estado estacionário na polarização galvanostática Corrente alternada Queda ôhmica comprimento Comprimento do sinal elétrico Diâmetro da área circular do anel de confinamento

11 Cl - UR Cu/CuSO 4 O 2 H 2 O CO 2 k SO 3 E A Ω Ωm Íons de cloreto Umidade relativa do ar Cobre/ sulfato de cobre Oxigênio Água Gás carbônico Coefiente de carbonatação do concreto Anidrido sulfúrico Diferença de potencial Área da seção transversal Ohms Ohms x metro

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivo específico 17 3 MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Generalidades da corrosão eletroquímica em meio aquoso Definição Classificação Mecanismo Definições Corrosão Eletroquímica em Meio Aquoso Corrosão de armaduras em concreto Caso específico do concreto Período de Iniciação Período de Propagação Conceito de micro e macropilha Produtos de corrosão Efeitos da corrosão Fatores intervenientes Cobrimento Temperatura Tipo de cimento e adições Tipo de aço Fissuras do concreto de cobrimento Relação água/ cimento Permeabilidade e absorção Resistividade elétrica do concreto Avaliação da corrosão de armaduras Inspeção de estruturas de concreto com ênfase no controle... 35

13 Identificação da corrosão e natureza do ataque Avaliação qualitativa e quantitativa da corrosão Técnicas eletroquímicas para monitoramento, avaliação e estudo da corrosão em armaduras de concreto Técnica da resistência de polarização A interferência da queda ôhmica na determinação de Rp Aplicação da técnica Procedimentos de aplicação Informações obtidas Critério de avaliação Técnica de potenciais de corrosão Histórico Princípio da técnica Fatores intervenientes nas medidas de potencial Camadas superficiais de concreto de alta resistividade Qualidade do concreto e espessura do cobrimento Frentes de carbonatação e cloretos Teor de umidade do concreto Correntes de fuga Apresentação dos resultados Critérios de avaliação Técnica da resistência elétrica Procedimentos de aplicação ESTUDO DE CASO CAIS TERMAG Descrição do local Introdução Danos encontrados nas estacas Ensaios para caracterização da estrutura Análise visual Resistência à compressão Absorção de água por imersão Absorção de água por capilaridade Velocidade de propagação de ondas de ultrasom Dureza superficial do concreto... 68

14 6.4.7 Cobrimento das armaduras Perda de seção de concreto das estacas Perda de seção das armaduras Teor de cloretos Teor de sulfatos Profundidade de carbonatação Umidade relativa do ar e temperatura ambiente e da água Agressividade da água Ensaio de Potencial elétrico para avaliação da corrosão -1ª série (2005) Ensaio de Potencial elétrico para avaliação da corrosão -2ª série (agosto/ 2006) Procedimentos Resultados COMPARAÇÃO CRÍTICA...87 CONCLUSÕES...89 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...90 ANEXO A ANÁLISE VISUAL DAS ESTACAS...92 ANEXO B PLANTA DE FUNDAÇÕES...97 ANEXO C DETALHE DE REPARO COM USO DE ÂNODO DE SACRIFÍCIO...99 ANEXO D DETALHE DE REPARO SEM O USO DO ÂNODO...101

15 15 1 INTRODUÇÃO É notório o uso do concreto pela humanidade. Este material só perde em utilização no nosso planeta para a água; pois, segundo METHA (1994) apud NOBREGA, (2002), apesar de não ser tão resistente e tenaz quanto o aço, apresenta resistência à ação da água, mostra-se de fácil execução quando em elementos estruturais, e por último, apresenta-se mais barato e mais facilmente produzido no canteiro. Hoje vemos uma grande quantidade de obras de reestruturação e reforço (viadutos, edifícios, etc), devido a diversos fatores: desgaste por intempéries com o tempo, desgaste pela agressividade do meio (áreas litorâneas ou grandes centros urbanos, poluição), além de deficiência no dimensionamento e execução, aumento de carga atuante e muitos outros fatores que interferem no uso de uma estrutura. Além disso, se observa que a vida útil das estruturas em muitos casos supera as expectativas de projeto. Diversas são as manifestações patológicas observadas nas estruturas, entre elas: degradação química, flechas, nichos, fissuras ativas e passivas, manchas superficiais e corrosão das armaduras. Estas manifestações diminuem a vida útil da estrutura, elevam o custo de manutenção e em casos extremos podem levar até a ruína. De acordo com a Lei de Custos (SITTER, 1984 apud HELENE, 2001 ) o custo de uma ação corretiva, ou seja, após a manifestação do problema, varia 5 a 25 vezes o custo da manutenção preventiva. Por essa razão a identificação precoce de danos resulta em uma substancial economia na manutenção de estruturas. A avaliação dos níveis de corrosão e a monitoração de sua evolução são importantes ferramentas quando se deseja realizar a manutenção de uma estrutura.

16 16 Dentro dos ensaios não destrutivos que permitem a monitoração e avaliação, os ensaios eletroquímicos são de maior importância, por ser a corrosão um fenômeno eletroquímico. Neste trabalho temos o fenômeno de corrosão das armaduras sob o enfoque nos principais ensaios eletroquímicos disponíveis, suas características, aplicações e relação com outros ensaios (físicos, químicos e etc).

17 17 2 OBJETIVOS Neste trabalho se objetiva estudar os fenômenos relacionados à corrosão com enfoque nos ensaios eletroquímicos. 2.1 Objetivo geral Identificar os principais aspectos relacionados ao processo da corrosão em estruturas de concreto armado: os mecanismos de corrosão, suas principais características, classificações e apresentar os principais métodos de avaliação e monitoração da corrosão por ensaios eletroquímicos. 2.2 Objetivo específico Identificar as características, vantagens e desvantagens dos diversos ensaios eletroquímicos utilizados na avaliação e monitoração de corrosão em estruturas de concreto armado. Analisar um caso, comparando os resultados de um ensaio eletroquímico antes e após a recuperação.

18 18 3 MÉTODO DE TRABALHO Este trabalho tem como base, pesquisa em publicações, livros, teses, sites e conhecimento adquirido com visitas a profissionais que militam na área. Ao final do trabalho um estudo de caso que exemplifica a aplicação dos ensaios eletroquímicos.

19 19 4 JUSTIFICATIVA De acordo com a NBR 6118/2003, As estruturas de concreto devem ser projetadas, construídas e utilizadas de modo que sob as condições ambientais e respeitadas as condições de manutenção preventivas especificadas no projeto, conservem sua segurança, estabilidade, aptidão em serviço e aparência aceitável durante um período prefixado de tempo, sem exigir medidas extras de manutenção e reparo. Nas últimas décadas está sendo verificada a necessidade de que essas estruturas resistam por muito mais tempo do que sua vida útil de projeto, pois não é viável a substituição de pontes, viadutos, prédios, etc, muito menos a sua inutilização. Além de que existe a necessidade de monitoração destas estruturas devido a mudanças de uso, aumento de carga entre outros fatores. Sendo assim atualmente se torna maior a importância dos métodos para a avaliação das condições de estabilidade e segurança das estruturas. Este trabalho trata do problema da corrosão de armaduras de estruturas em concreto armado, visto ser um dano que representa 20% de incidência nas manifestações patológicas em estruturas de concreto armado (HELENE, 2001). E sendo os ensaios eletroquímicos uma forma de avaliação e monitoração in loco de estruturas em concreto armado, não destrutivos e ainda capazes de indicar a probabilidade de corrosão antes do aparecimento de sintomas aparentes, estes, são o enfoque do trabalho.

20 20 5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Na seqüência, uma introdução ao problema da corrosão, sua ocorrência no concreto armado, avaliação e monitoração por Ensaios Eletroquímicos. 5.1 Generalidades da corrosão eletroquímica em meio aquoso Este item apresenta algumas generalidades da corrosão eletroquímica em meio aquoso Definição Diversas são as definições dadas ao processo de corrosão entre elas: Processo inverso da Metalurgia Extrativa, em que o metal retorna ao seu estado original. Destruição ou deterioração de um material devido à reação química ou eletroquímica com seu meio Transformação de um material pela sua interação química ou eletroquímica com o meio Para o estudo aqui apresentado, a melhor definição é a apresentada por CASCUDO (1997), A corrosão pode ser definida como a interação destrutiva ou a interação que implique inutlização para uso, de um material com o ambiente, seja por reação química, ou por eletroquímica. No caso de um metal, ele é convertido a um estado não metálico; quando isto ocorre, o metal perde suas qualidades essenciais tais como resistência mecânica, elasticidade e ductilidade.

21 Classificação Para um melhor entendimento dos processos e características envolvidos nos processo de corrosão de armaduras, as diversas bibliografias, vem ao longo da história apresentando diversas formas de classificá-los. A seguir apresentamos as classificações que são de interesse neste estudo: Segundo a natureza do processo a corrosão é classificada como: corrosão eletroquímica: é um ataque de natureza eletroquímica, ocorrendo em meio aquoso, formando uma pilha 1, com eletrólito 2 (formado a partir da presença de umidade no concreto) e diferença de potencial entre trechos da superfície metálica. Esse é o caso mais nocivo às obras civis; corrosão química: que acontece com a reação gás-metal, formando uma película de óxido. Não provoca deterioração substancial das superfícies metálicas, exceto quando interagirem com gases extremamente agressivos. Segundo a morfologia, a corrosão é separada conforme Figura 5.1: corrosão generalizada: ocorre em toda a superfície metálica. Pode ser uniforme (superfície regular) ou não uniforme (superfície irregular); corrosão puntiforme (pite): é localizada, tendendo a aprofundar-se e causar ruptura pontual. Tende a ser gravíssima, pois a corrosão é tão intensa quanto maior a relação área catódica/ anódica, no entanto, nos casos práticos da corrosão aço-carbono no concreto não é registrada a ocorrência do pite clássico, como visto em outros meios e com outros materiais (CASCUDO, 1997) ; 1 PILHA OU CÉLULA ELETROQUÍMICA: fonte geradora de corrente onde se tem uma zona anódica (onde ocorrem reações de oxidação, tendo-se a dissolução do metal), uma zona catódica (onde ocorrem as reações de redução de espécies eletroquímicas ou íons do eletrólito), um condutor metálico que permite a condução do fluxo eletrônico no sentido ânodo-cátodo e o eletrólito (CASCUDO, 1997). 2 ELETRÓLITO: constitui uma solução carregada ionicamente, essa fase líquida é essencial ao processo eletroquímico de corrosão porque permite ocorrerem as reações anódicas e catódicas, além, de possibilitar também a ocorrência do fluxo iônico do processo, o qual compõe a corrente elétrica de corrosão (CASCUDO, 1997).

22 22 corrosão sob tensão fraturante: também localizada, ocorre em armaduras sujeitas a altas tensões de tração, dando origem a fissuras na estrutura do aço. Geralmente ocorre em estruturas protendidas, mas pode ocorrer também em estruturas em concreto armado. Caracteriza-se por se tratar de uma corrosão sem sintomas visuais e por rupturas bruscas. Figura 5.1 Tipos de corrosão e fatores que as provocam (CASCUDO, 1997) Mecanismo Apresentamos, na seqüência, uma descrição dos mecanismos do processo de corrosão. Para o melhor entendimento, inicialmente se apresenta as principais definições e conceitos utilizados Definições Eletrodo Conforme CASCUDO (1997), É definido quando, ao mergulhar um metal numa solução aquosa, observase uma situação de equilíbrio ou estado estacionário, caracterizada pela

23 23 formação da dupla camada elétrica (arranjo de partículas carregadas e/ou dipolos orientados existentes em qualquer interface material/ meio aquoso). Potencial de eletrodo Quando se examina a dupla camada elétrica temos uma distribuição de cargas elétricas, estabelecendo uma diferença de potencial (ddp) entre o metal e a solução que varia com a relação entre o eletrólito e o eletrodo. Caso o sistema esteja em equilíbrio, o potencial do eletrodo é chamado de Potencial de Equilíbrio. Eletrodo de referência Medir o valor absoluto da diferença de potencial (ddp) é inviável, visto que para se medir seria necessária a inserção de um outro elemento metálico na solução, causando uma nova diferença de potencial, formando assim uma célula eletroquímica (dois eletrodos metálicos em contato elétrico, imersos em eletrólito). Com isso foi necessária a utilização de eletrodos de referência, para o caso de armaduras para concreto armado são mais utilizados os de calomelano saturado e sulfato de cobre. Polarização do eletrodo Numa condição de equilíbrio, através da dupla camada elétrica temos um potencial de equilíbrio que caracteriza a reação de um determinado eletrodo. Se esse potencial for alterado de alguma forma, temos que o eletrodo sofreu polarização. Particularmente quando uma amostra metálica apresenta corrosão eletroquímica, ela assume um potencial, no qual a taxa de oxidação no ânodo é exatamente igual à taxa de reação de redução no cátodo, ou seja, todos os elétrons liberados nas reações anódicas de oxidação são consumidas nas reações catódicas de redução, caracterizando assim a pilha ou célula eletroquímica de corrosão; esse potencial está em um equilíbrio dinâmico com o meio (embora a corrosão se processe indefinidamente) e é conhecido por Potencial de Corrosão (Ecorr) (CASCUDO, 1997). Taxa de corrosão

24 24 Expressa a velocidade do processo de corrosão. As principais unidades são mg/dm2/dia (mmd miligramas por decímetro por dia) ou mpy (milésimos de polegadas por ano) ou mmpy (milímetros por ano). Essa medida é importante visto que a corrosão depende da área de superfície metálica exposta ao meio aquoso e por quanto tempo. Ainda existem outras duas formas de medir a profundidade do ataque, ipy (pol/ ano) e μmpy (micrometros/ ano). Outra forma de medir a taxa de corrosão é medindo o movimento de elétrons de regiões anódicas para catódicas, através da densidade de corrente de corrosão (icorr), cujas unidades são Ampere por centímetro quadrado (A/cm²) ou micro Ampere por centímetro quadrado (μa/ cm²). Quanto maior a corrente elétrica, maior a taxa de corrosão. Assim, temos como calcular a quantidade de metal, em massa, que se corrói, quando conhecemos a densidade da corrente elétrica do sistema, que é dado pelo quociente entre a corrente de corrosão e a área anódica Corrosão Eletroquímica em Meio Aquoso Quando um metal é introduzido em uma solução contendo íons, inclusive íons desse metal, há um movimento entre o potencial do metal e da solução a fim de entrarem em equilíbrio, formando a dupla camada elétrica. Se forem inseridos dois metais diferentes poderemos ter dois equilíbrios entre os metais e a solução. Se esses metais tiverem um condutor metálico, haverá a passagem espontânea de elétrons pelo condutor no sentido do metal de maior densidade (eletrodo de potencial mais eletronegativo) para aquele de densidade menor, ou seja, do metal menos nobre para o mais nobre, formando assim uma fonte geradora de corrente, uma pilha eletroquímica, conforme figura 5.2.

25 25 Figura 5.2 Pilha eletroquímica clássica (CASCUDO, 1997) A pilha eletroquímica pode acontecer também entre o mesmo metal, ocorrendo entre regiões diferentes da superfície do mesmo, como acontece nas armaduras das estruturas em concreto armado. As pilhas são formadas por: ânodo: eletrodo (metal) que sofre oxidação. Perde elétrons para o cátodo. cátodo: há um ganho de elétrons, onde ocorre a deposição catódica; eletrólito: condutor (usualmente um líquido) com íons que transportam a corrente elétrica; circuito metálico (condutor): ligação metálica entre o ânodo e o cátodo, por onde escoam os elétrons no sentido ânodo-cátodo. 5.2 Corrosão de armaduras em concreto A corrosão de armaduras em concreto é um caso específico de corrosão eletroquímica, como segue:

26 Caso específico do concreto No concreto, o eletrólito apresenta características de resistividade elétrica mais altas que os eletrólitos típicos (meio aquoso comum, não confinado a uma rede de poros, como é o caso do concreto) (CASCUDO, 1997). O interior do concreto é um meio altamente alcalino (ph em torno de 12,5). Esta alcalinidade se deve da fase líquida dos poros do concreto, onde nas primeiras idades, é uma solução saturada de hidróxido de cálcio (Ca(OH)2), oriunda das reações de hidratação do cimento. Via de regra, o concreto mantém esta alcalinidade em idades avançadas, sendo que composta por hidróxido de sódio (NaOH) e hidróxido de potássio (KOH), originados no álcalis do cimento. O diagrama potencial versus ph do sistema ferro-água a 25 C (figura 5.3), que para a ordem de grandeza do ph do concreto (aproximadamente 12,5) e para uma faixa usual de potencial de corrosão, também no concreto, da ordem de +0,1 a 0,4 V em relação ao eletrodo padrão de hidrogênio, as reações de eletrodo verificadas no ferro são de passivação (CASCUDO, 1997). Figura 5.3- Diagrama de Pourbaix de equilíbrio termodinâmico, delimitando os domínios de corrosão, passivação e imunidade (CASCUDO, 1997).

27 27 Esse diagrama demonstra um processo particular de reação corrosiva termodinamicamente favorável. Assim, a armadura presente no interior do concreto, no meio alcalino, está protegido da corrosão, devido a uma película de proteção, de caráter passivo, que envolve a armadura. Esta película é muito aderente ao aço e invisível. Ela é formada rapidamente nas reações de oxidação do ferro e de redução do oxigênio inicialmente presente na fase líquida dos poros do concreto. No estado de passivação, a corrosão não é nula, mas é extremamente limitada pela resistência ôhmica da película. Dessa forma, iremos dividir o mecanismo de corrosão em duas fases: Iniciação e propagação Período de Iniciação O período de iniciação vai da aplicação da armadura ao momento da ação do agente agressivo sobre a armadura. A presença da película de passivação protege a armadura de processos corrosivos, no entanto, pode ser perdida em duas situações: - presença de uma quantidade suficiente de íons cloreto: podem vir do meio externo e atingir a armadura por difusão ou já estarem no interior do concreto, devido à água de amassamento e/ou agregados contaminados, ou até pela adição de aceleradores de pega à base de cloretos; - diminuição da alcalinidade do concreto: pode ocorrer devido a reações de carbonatação ou à penetração de substâncias ácidas no concreto. Em algumas situações, a queda da alcalinidade pode ocorrer devido a lixiviação (lavagem) do concreto, mas é necessário que haja uma certa pressão hidráulica no concreto devido a ação de águas.

28 Período de Propagação É o período que vai do início do processo de corrosão até este atingir um nível inaceitável de corrosão. Uma vez despassivada a armadura, ela fica vunerável à corrosão, iniciando-se o processo de propagação do fenômeno desde que haja os elementos básicos (eletrólito, diferença de potencial e oxigênio) Conceito de micro e macropilha As macropilhas são pilhas onde as áreas anódicas e catódicas são consideravelmente afastadas uma das outras, já nas micropilhas, as distâncias são microscópicas. A ação de macropilhas no concreto ocorre quando há variação de qualidade (porosidade, permeabilidade, etc) no concreto. Só é possível com condutividade elétrica elevada, havendo continuidade do eletrólito entre o ânodo e o cátodo. Consistindo em áreas corroídas (ânodo) e outras em perfeito estado (cátodo). A ação de micropilhas no concreto pode ocorrer devido a cloretos (em altos níveis) e à queda do ph (carbonatação), mas sua ocorrência tende a ser em regiões de menor heterogeneidade do concreto. Temos que em estruturas de concreto predominam a ação de micropilhas. Se forem observadas grandes desuniformidades ou variação acentuada na espessura do cobrimento no concreto ou mesmo ataques diferenciados do ambiente, geralmente se instala uma situação mista. Nas áreas onde os agentes agressivos penetram,

29 29 formam-se zonas de micropilhas. Como próximo a essas áreas existem zonas em perfeito estado, estas começam a funcionar como ânodo, fornecendo elétrons para as áreas sem processo de corrosão, havendo a redução de oxigênio, processo da macropilha. Então temos a área de micropilha funcionando como ânodo da macropilha, sem perder totalmente suas características, sendo que somente as condições do concreto indicarão qual processo será predominante Produtos de corrosão Os produtos finais da corrosão de armaduras dependem de diversos fatores como, por exemplo, a temperatura, teor de cloretos, poluição. Os produtos geralmente encontrados são a goetita, a lepidocrocita e a magnetita. Sendo que os produtos goetita e a lepidocrocita são expansivos, enquanto a magnetita não apresenta um volume tão grande na formação da ferrugem Efeitos da corrosão Os produtos da corrosão são uma variedade de óxidos e hidróxidos de ferro que ocupam o local da armadura, com volumes de 3 a 10 vezes superiores ao volume original do aço da armadura, o que causam grandes tensões internas no concreto. Conforme o processo de corrosão aumenta, esses produtos expansivos vão se acumulando ao redor das armaduras, formando crostas. Os esforços agem de forma radial na barra, gerando tensões de tração que fissuram o concreto, fissuras que aumentam com o decorrer do processo, podendo, inclusive causar o destacamento de placas de concreto.

30 30 Em peças como pilares, submetidas a flexocompressão, esse destacamento do concreto significa perda de seção da estrutura, fazendo com que a armadura passe a suportar as cargas de compressão, fazendo com que as armaduras sofram deformações como a flambagem das barras verticais (figura 5.5). Figura 5.4 Esforços produzidos que levam à fissuração e destacamento do concreto, devidos à corrosão de armaduras (CASCUDO, 1997). Figura 5.5 Vista de um pilar apresentando flambagem da armadura longitudinal (CASCUDO, 1997). Mas, nem toda corrosão provoca fissuras no concreto. Se o concreto estiver úmido, os óxidos podem migrar através dos poros e aparecerem na superfície em forma de manchas marrom-avermelhadas, que podem aparecer não coincidenetes com a posição das armaduras (figura 5.6).

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande.

ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO. Campina Grande. ESTUDO ELETROQUÍMICO PARA DETECTAR A CORROSÃO EM CONCRETO ARMADO DEGRADADO POR CLORETO DE SÓDIO E ÁCIDO SULFURICO K. D. NERI 1, V. C. P. VITORINO 2, E.O.VILAR 3 e G.R.MEIRA 4 1 UAEQ - Mestranda do Programa

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Ponte de Vitória (ES) é um trabalho pioneiro no Brasil, principalmente

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

ESTUDO DA CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO NO AMBIENTE MARINHO

ESTUDO DA CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO NO AMBIENTE MARINHO ELAINE DE PINHO FONSECA NATHANY PIMENTEL FIORAVANTE PRISCILA TEBALDI RICARDO TARGINO NETO ESTUDO DA CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO NO AMBIENTE MARINHO SÃO PAULO 2012 2 ELAINE DE PINHO FONSECA

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl

corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl Artigo Técnico 18 Aplicação da técnica de polarização linear para detectar - - corrosão em concreto armado atacados por SO e Cl 1 2 3 4 5 Helton G. Alves, Kátya D. Neri,Pablo R. R. Ferreira, Eudésio O.

Leia mais

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 Resumo Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 1 Votorantim Metais / Desenvolvimento de Mercado / luiza.abdala@vmetais.com.br

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Proteção Catódica em Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Definição Proteção Catódica (PC) é um método de proteção contra a corrosão de estruturas enterradas ou submersas baseado no princípio

Leia mais

ANÁLISE DE PROCEDIMENTOS PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CORROÍDAS

ANÁLISE DE PROCEDIMENTOS PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CORROÍDAS ANÁLISE DE PROCEDIMENTOS PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CORROÍDAS Ana Carolina Lopes Duarte (1) ; Thiago Thielmann Araújo (2) ; Maria Teresa Gomes Barbosa (3) ; José Alberto Castanon

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1 Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado Marcelo H. F. de Medeiros 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil RESUMO A

Leia mais

Instrumentos de análise da corrosão

Instrumentos de análise da corrosão corrosion analysis Instrumentos de análise da corrosão Todas as estruturas de concreto estão sujeitas a influências agressivas que, com o tempo, causam desgaste. São especialmente suscetíveis as estruturas

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Engenharia de Diagnóstico A engenharia Diagnóstica é a disciplina da ciência que procura a natureza e a causa das anomalias patológicas das construções, com

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS

PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS Conceito de Segurança Métodos de Verificação da Segurança Método das Tensões Admissíveis Métodos Probabilísticos Método Semi-Probabilístico

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ANODO DE SACRIFÍCIO PARA PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CONTRA CORROSÃO

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ANODO DE SACRIFÍCIO PARA PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CONTRA CORROSÃO ANÁLISE DO DESEMPENHO DE ANODO DE SACRIFÍCIO PARA PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CONTRA CORROSÃO RESUMO César Augusto Madeira Trevisol (1), Fernando Pelisser (2); UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Estruturas de Concreto Concreto Armado Brita Cimento, areia Adições, aditivos + aço Cimento Hidratado Cimento

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

06/08/2014 FUNDAMENTOS DA CORROSÃO, PROTEÇÃO E DURABILIDADE DAS ARMADURAS FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO

06/08/2014 FUNDAMENTOS DA CORROSÃO, PROTEÇÃO E DURABILIDADE DAS ARMADURAS FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO Profa. Eliana Barreto Monteiro Corrosão Eletroquímica Quais as condições para que haja a corrosão eletroquímica? A maioria dos materiais em contato com o meio ambiente forma um sistema termodinamicamente

Leia mais

Corrosão em estruturas de concreto armado

Corrosão em estruturas de concreto armado 1 Corrosão em estruturas de concreto armado Ivan Rocha arq.ivanrocha@gmail.com MBA Projeto, Execução e Controle de Estruturas e Fundações. Instituto de Pós-Graduação - IPOG Goiânia, GO, 02 de abril de

Leia mais

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Realização: Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Ricardo Leopoldo e Silva França PALESTRA do Gogó da Ema! Quatro apresentações,

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários

Pilha de moedas. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A pilha eletroquímica é um sistema constituído por anodo (eletrodo de oxidação), catodo (eletrodo de redução), eletrólito (condutor iônico) e condutor metálico (condutor de corrente

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Introdução: corrosão das armaduras Principais i i fatores desencadeadores d d da corrosão de armaduras de concreto (corrosão induzida por

Introdução: corrosão das armaduras Principais i i fatores desencadeadores d d da corrosão de armaduras de concreto (corrosão induzida por Zehbour Panossian CONTEÚDO Introdução: corrosão das armaduras Principais i i fatores desencadeadores d d da corrosão de armaduras de concreto (corrosão induzida por carbonatação e corrosão induzida por

Leia mais

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico 4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico Um termopar é um transdutor formado simplesmente por dois pedaços de fios de diferentes metais ou ligas, unidos eletricamente apenas em suas extremidades

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa

SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO. OE Lisboa 25 de Outubro de 2013. José Paulo Costa SEMINÁRIO TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO OE Lisboa 25 de Outubro de 2013 José Paulo Costa TÉCNICAS NÃO TRADICIONAIS DE REABILITAÇÃO ESTRUTURAL DO BETÃO ARMADO 1. REFORÇO

Leia mais

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão.

Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão. Prevenção a Corrosão. Aula 12 : Corrosão Definição Tipos de Corrosão Prevenção a Corrosão. o Definição Corrosão é definida como um ataque destrutivo e não intencional de um metal; esse ataque é eletroquímico e, normalmente,

Leia mais

ESTUDO DE INIBIDORES DE CORROSÃO RECOMENDADOS PARA CONCRETO

ESTUDO DE INIBIDORES DE CORROSÃO RECOMENDADOS PARA CONCRETO ESTUDO DE INIBIDORES DE CORROSÃO RECOMENDADOS PARA CONCRETO Ana Cecília Vieira da Nóbrega (1) anacecilia@eol.com.br Djalma Ribeiro da Silva (1) djalma@ccet.ufrn.br (1) Laboratório de Corrosão Departamento

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a deterioração de um material, geralmente metálico, por ação eletroquímica ou química do meio ambiente, associada ou não a esforços mecânicos. Isto

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO Prof. Bernardo F Tutikian Desempenho das Construções Problemas patológicos Quando uma edificação fica doente, ou apresenta algum problema em

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL

TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL TÉCNICAS DE REPARO TRADICIONAL Profa. Eliana Barreto Monteiro Você sabia? Que na maioria das vezes a aplicação da argamassa de reparo deve ser manual? A diferença entre reparo superficial e profundo? Procedimentos

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

LÉO SÉRGIO NASCIMENTO SILVA

LÉO SÉRGIO NASCIMENTO SILVA i LÉO SÉRGIO NASCIMENTO SILVA AVALIAÇÃO DE CONCRETOS ESTRUTURAIS PRODUZIDOS SEGUNDO AS PRESCRIÇÕES DA NBR 6118, QUANDO SUBMETIDOS A ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE CLORETOS Monografia submetida à Coordenação do

Leia mais

Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1

Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira de Melo 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE AGRESSIVIDADE DA ÁGUA DO SOLO NAS ESTRUTURAS DE FUNDAÇÃO EM CONCRETO CONSTRUIDOAS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE. Carlos Welligton de Azevedo Pires Sobrinho 1,2 Luciana Vieira

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2 Influência de ciclos de molhamento e secagem, da altura e do posicionamento de pilares no teor de íons cloreto presentes no concreto de estrutura com 30 anos de idade Paulo Barbosa 1, Paulo Helene 2, Fernanda

Leia mais

TÉCNICAS PARA INSPEÇÃO

TÉCNICAS PARA INSPEÇÃO 1 TÉCNICAS PARA INSPEÇÃO SISTEMAS DE PROTEÇÃO CATÓDICA E REVESTIMENTOS DE TUBULAÇÕES 1. Generalidades 1.1. Corrosão Nada mais é, em seu princípio mais básico, do que o processo inverso da metalurgia onde

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE. José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3)

3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE. José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3) 3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3) (1) Engenheiro civil, Recuperação Serviços Especiais de Engenharia

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Inspecções e ensaios não destrutivos em pontes localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Duarte Abecasis, Tiago Ribeiro OZ, Lda. Ambientes agressivos

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Departamento de Química Inorgânica Instituto de Química UFRJ Profa. Eliane D Elia Linhas de Pesquisa: Corrosão Dissolução metálica Inibidores de Corrosão

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

Termopares Convencionais I

Termopares Convencionais I Termopares Convencionais I Introdução Definimos Termopares como sensores de medição de temperatura que são constituídos por dois condutores metálicos e distintos, puros ou homogêneos. Em uma de suas extremidades

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão

Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão Capitulo 2 - Aspectos Termodinâmicos e Cinéticos de Corrosão 2.1- Termodinâmica das reações químicas Termodinâmica é a ciência que estuda transformações de energia Avaliando se a reação é ou não espontânea.

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LUIS FLAVIO DA SILVA BARROSO

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LUIS FLAVIO DA SILVA BARROSO UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LUIS FLAVIO DA SILVA BARROSO AVALIAÇÃO DA RESISTIVIDADE ELÉTRICA DE CONCRETOS COM ADIÇÃO DE METACAULIM BELÉM/PA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES ALCALINAS PARA REALCALINIZAÇÃO DE CONCRETOS CARBONATADOS: UMA ALTERNATIVA PARA PONTES DE CONCRETO ARMADO

APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES ALCALINAS PARA REALCALINIZAÇÃO DE CONCRETOS CARBONATADOS: UMA ALTERNATIVA PARA PONTES DE CONCRETO ARMADO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES ALCALINAS PARA REALCALINIZAÇÃO DE CONCRETOS CARBONATADOS: UMA ALTERNATIVA PARA PONTES DE CONCRETO ARMADO REUS G C 1 ; BECKER A C C 2 ; RAISDORFER J 3 ; SOUZA D J 4 ; CEZARIO H C 5

Leia mais