Transdutores metálicos Termístores Termopares Transdutores de outros tipos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transdutores metálicos Termístores Termopares Transdutores de outros tipos"

Transcrição

1 INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO CAPÍTULO III Transdutores de temperatura 2012/2013 Índice do capítulo Introdução Transdutores metálicos Termístores Termopares Transdutores de outros tipos Luis Filipe Baptista MEMM 2

2 Transdutores metálicos (RTD) RTD Resistance Temperature Detector Princípio físico: baseia-se na variação de resistência de um metal com a temperatura Característica de um metal: Cada átomo cede um electrão chamado electrão de valência, que se pode mover livremente através do metal Banda de valência e banda de condução estão sobrepostas Luis Filipe Baptista MEMM 3 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Num material semicondutor: Existe um pequeno intervalo entre o valor máximo da energia da banda de valência e o valor mínimo da energia da banda de condução Num material isolador: Existe um grande intervalo entre os electrões de valência e os de condução Quando passa corrente através de um metal, os electrões da banda de condução são portadores de corrente, ou a corrente Luis Filipe Baptista MEMM 4

3 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Bandas de energia para sólidos. Só os electrões da banda de valência são livres para poder transportar corrente Luis Filipe Baptista MEMM 5 Transdutores resistivos metálicos (RTD) O metal apresenta uma resistência à passagem da corrente eléctrica A resistência do metal é uma função da vibração dos átomos e por conseguinte da temperatura Luis Filipe Baptista MEMM 6

4 Transdutores resistivos metálicos (RTD) À medida que a temperatura aumenta, os átomos vibram com maior amplitude e frequência, o que causa ainda mais colisões com os electrões, impedindo mais o seu fluxo e absorvendo mais energia CONSEQUÊNCIA PRÁTICA: A RESISTÊNCIA DE UM METAL AUMENTA COM A TEMPERATURA Luis Filipe Baptista ENIDH/MEMM 7 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Lei de variação da resistência de um metal L R ρ (Temp constante) A Em que: R Resistência do metal (Ω) L comprimento do metal (m) A Secção transversal (m 2 ) ρ resistividade (Ω-m) Luis Filipe Baptista MEMM 8

5 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Luis Filipe Baptista MEMM 9 Transdutores resistivos metálicos (RTD) O aumento de resistência é causado por variações da resistividade id d do metal com a temperatura Curvas de resistividade com a temperatura (Exemplo): R(T) ρ(t) L/A R(25º C) ρ(25º C) L/A ρ(t) ρ(25º C) Na maior parte dos casos, utiliza-se uma aproximação analítica das curvas Luis Filipe Baptista MEMM 10

6 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Gráficos de variação da resistência de metais com a temperatura (função quase linear > Platina, Cobre) Luis Filipe Baptista MEMM 11 Sondas metálicas (RTD) Aproximação linear: em muitos casos, utiliza-se uma aproximação linear para obter a resistência da sonda no intervalo de temperaturas com interesse prático Deste modo, tem-se: ( 1 α ΔT ) R(T) R(T ) R(T) valor aproximado da resistência para T R(To) valor da resistência para To Luis Filipe Baptista MEMM 12

7 Sondas metálicas (RTD) Na expressão anterior, tem-se: ΔT T - T 0 α variação relativa de resistência 0 por grau de temperatura a T O valor da variação relativa pode ser obtido a partir dos valores de resistência e temperatura, tirados a partir de um gráfico ou tabela Luis Filipe Baptista MEMM 13 T 0 Sondas de Temperatura Sondas metálicas (RTD) α α 1 R(T ( inclinação em ) 0 T0 0 ) 0 1 R(T R 2 R ) T 2 T Luis Filipe Baptista MEMM 14

8 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Gráfico de um transdutor de variação de resistência com a temperatura: A inclinação L representa a aproximação linear entre T1 e T2 Luis Filipe Baptista MEMM 15 Sondas de Temperatura Sondas metálicas (RTD) Exemplo de aplicação: Considere a tabela de variação da resistência da sonda Pt100 com a temperatura. Determine a aproximação linear desta sonda em função da temperatura, na gama de temperaturas com interesse para ventilação e aquecimento [0 ; 100] ºC. Luis Filipe Baptista MEMM 16

9 Sondas de Temperatura Sondas metálicas (RTD) Resolução: Luis Filipe Baptista MEMM 17 Sondas de Temperatura Sondas metálicas (RTD) Resolução: T 0 1 T 0º C R Ω 100º C R Ω T α /º C R(T) (T 0) R(T) T [ ] ( Ω ) Luis Filipe Baptista MEMM 18

10 Sondas de Temperatura Sondas metálicas (RTD) Resolução: verificação da validade da expressão R(T 0º C) Ω R(T 25º C) Ω R(T 50º C) Ω R(T 75º C) Ω R(T 100º C) Ω (Tabela Ω ) (Tabela Ω) (Tabela Ω) (Tabela Ω) (Tabela Ω) Luis Filipe Baptista MEMM 19 Transdutores resistivos i metálicos (RTD) Aproximação quadrática: é mais exacta para um dado intervalo de temperaturas. É dada por: [ 2 1+ α ΔT α ] R(T) R(T + ) 0 1 2ΔT Em que: α variação linear relativa da resistência com a temperatura 1 ΔT T T 0 α 2 variação quadrática dái relativa da resistência i com a temperatura Luis Filipe Baptista MEMM 20

11 Exemplo 4.6: Determine a aproximação quadrática da resis- tência versus temperatura em torno de 75ºF entre 60ºF e 90ºF, usando a tabela de valores. Resolução: R(T ) Ω ; T 75º F 0 R(T) R(T ) [ + α1 ΔT + α2 ΔT ] 2 [ + α 1(60 75) + α 2(60 75) ] 2 [ + α (90 75) + α (90 75) ] 1 α /º F ; α /(º F) Luis Filipe Baptista MEMM 21 2 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Para o caso da Pt100 (sonda de platina com 100 Ω a T0ºC), e para aproximações com elevada precisão, utiliza-se a equação de Callendar-Van Dussen de 4ª ordem: R(T) R 0 + R 0α T - δ(t/100-1)(t/100) -β(t/100-1)(t/100) R 0 R(T 0º C) Constantes típicas da equação: 3 [ ] α δ β Luis Filipe Baptista MEMM 22

12 Sondas de Temperatura Sondas metálicas (RTD) Características típicas de diversas sondas Níquel Cobre Platina Tungsténio Gama de medida (ºC) -100 a a a a 2700 Resistividade (Ω m) 5.91* * * *10-8 Sensibilidade a 0ºC (ºC -1 ) Linearidade baixa alta alta média Transdutor de platina: preciso, gama de temperaturas elevada, preço elevado Luis Filipe Baptista MEMM 23 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Detalhes construtivos de um transdutor de platina (Ex: Pt100) Luis Filipe Baptista MEMM 24

13 Esquema em corte de uma sonda de resistência metálica (RTD) Transdutores resistivos metálicos (RTD) Aspecto típico de sondas Pt100 industriais (corpo em alumínio ou ferro fundido) Luis Filipe Baptista MEMM 26

14 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Condicionamento de sinal de RTD s Usando uma linha de compensação, surge a mesma variação de resistência também no lado de R3, pelo que não vai provocar um desvio no equilíbrio da ponte Luis Filipe Baptista MEMM 27 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Auto-aquecimento das RTD s: devido à corrente que passa na RTD, esta aquece fenómeno de auto-aquecimento, o qual deve ser limitado de modo a não introduzir erros de leitura Para as RTD s especifica-se geralmente a Constante de dissipação P D (W/ºC) -> potência P (W) necessária para aumentar a temperatura da RTD de T1ºC, geralmente no ar, sem agitação ΔT(º ( C) P P (W) (W/º C) Luis Filipe Baptista MEMM 28 D

15 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Exemplo 4.7: Uma RTD tem α /ºC, R500 Ω, ep D 30 mw/ºc. O RTD é usado no circuito em ponte da pag.23 (Fig.4.4), com R1R2500 Ω e R3 uma resistência variável que serve para anular a ponte. Se Vcc10V e a RTD for colocada num líquido a 0ºC, determine o valor de R3 para equilibrar a ponte. Resolução: R(T 0º C) 500 R(T 0º C) 450 Ω [ (0 20) ] Luis Filipe Baptista MEMM 29 Transdutores resistivos metálicos (RTD) Exemplo 4.7 (Resolução) V 10 Na ponte : I R + R P R I 2 2 P R cc RTD RTD I A P W ΔT 1.8º C Resistência real da sonda devido ao auto - aquecimento : R 500 R 454.4Ω Logo R 3 [ (1.8 20) ] Ω Luis Filipe Baptista MEMM 30 2

16 Termístores (NTC) Estes transdutores dependem do comporta- mento da resistência de um semicondutor em função da temperatura Resistência do semicondutor vs. Temperatura: Um semicondutor, à medida que a temperatura aumenta torna-se um melhor condutor de corrente, o que implica que a sua resistência diminui Temperatura baixa -> Resistência elevada Temperatura alta -> Resistência baixa (variação não linear) Luis Filipe Baptista MEMM 31 Termístores Gráficos de diversos tipos de termístores NTC e de Pt100 em função da temperaturat Luis Filipe Baptista MEMM 32

17 Termístores (NTC) Termístores de Silício Resistências de 10Ω a 10kΩ Tolerâncias de 1% a 20% Sensibilidade 0,7 % ºC 1 Linearidade ± 0,5% ( 65ºC a 200ºC) Termístores de Cerâmicas Semicondutoras Cerâmicas NTC Obtidas a partir de óxidos de Fe, Ni, Cr, Mn ou Co (óxidos de elevada resistividade) Tornam-se semicondutoras pela adição de impurezas (iões) com valência diferente Luis Filipe Baptista MEMM 33 Termístores (NTC) Termístores de Cerâmicas Semicondutoras (NTC s) Elevada sensibilidade (S) e estabilidade S 5%/ºC S 0,39 % /ºC (Pt100) Variação da resistência com a temperatura R(T) B 1 T 0 R(T0 ) e Luis Filipe Baptista MEMM 34 1 T

18 Termístores (NTC) Obtenção do valor da temperatura a partir da resistência de um termístor: No caso de instrumentação baseada em microprocessador (DAS), utiliza-se, em vez de tabelas, a expressão de STEINHART-HART, que aproxima bastante bem a expressão exponencial de R f(t): 1 3 T A + B ln(r(t)) + C ln (R(T)) A, B, C: coeficientes de calibração Nota: para uma gama de 50 ºC, erro < 0,01% Luis Filipe Baptista MEMM 35 Termístores (NTC) Condicionamento analógico de sinal: Meia-ponte de Wheatstone ou divisor de tensão Ponte completa de Wheatstone Para leitura por sistemas de aquisição de dados: fonte de corrente ligada directamente aos terminais da NTC Leitura através do ADC da queda de tensão na própria NTC Luis Filipe Baptista MEMM 36

19 Termístores (NTC) O sinal de saída da ponte é não-linear Para melhorar a não linearidade, pode utilizar-se uma resistência em paralelo com a NTC (reduz a sensibilidade da sonda) Constante de dissipação típico > 1mW/ºC noar 10 mw/ºc em banho de óleo Luis Filipe Baptista MEMM 37 Termístores (NTC) Exemplo 4.8. Um termístor é utilizado para monitorizar i a temperatura t de uma sala (R3.5 kω a 20ºC, P D 5 mw/ºc com uma inclinação de -10%/ºC) C). Propõe-se a utilização do termístor num divisor de tensão (R3.5 kω) para dar uma tensão de 5.0 V a 20ºC. Determine os efeitos de auto-aquecimento. Resolução: R T VD 10 5 V R T R T 3500 Ω Luis Filipe Baptista MEMM 38

20 Termístores (NTC) R T VD 10 5 V R T 3500 Ω R P R T V R 2 T T mW (0.1/º C) 3500 Logo, no divisor i de tensão, ter -se - á : ΔT R P P T D º C (!!) Ω 3000 V D V A temperatura da sala 20º C, mas na medida não é!! Conclusão :Sistema de medição insatisfatório. Luis Filipe Baptista MEMM 39 Termístores: aproximação linear Luis Filipe Baptista MEMM 40

21 Termístores Aspecto típico de um termístor NTC para sistemas de ventilação e aquecimento Luis Filipe Baptista MEMM 41 Termístores (NTC) Aplicações das NTC s: medição do caudal de fluidos - ΔT é proporcional p à velocidade do caudal. R - resistência de aquecimento. As NTC s podem ser inseridas numa ponte de Wheatstone permitindo obter uma grande precisão Luis Filipe Baptista MEMM 42

22 Termístores (NTC) Aplicações das NTC s: controlo de nível de tanques Luis Filipe Baptista MEMM 43 Termístores (NTC) Aplicações dos termístores: Controlo de velo- cidade de um ventilador de arrefecimento Luis Filipe Baptista MEMM 44

23 Termístores (NTC) Aplicações dos termístores : medição da tempe- ratura numa máquina de lavar roupa. Luis Filipe Baptista MEMM 45 Termístores (PTC) Acima de uma temperatura designada por temperatura de Curie, os termístores de cerâmica podem comportar-se como PTC s Aplicações: Protecção de circuitos it electrónicos corrente, sobre-tensão Limitações Características menos estáveis que os termístores do tipo NTC Luis Filipe Baptista MEMM 46

24 Termístores (PTC) Característica R(T) de um interruptor térmico ideal e de uma PTC Luis Filipe Baptista MEMM 47 Termopares Efeito termoeléctrico: deriva de conceitos sobre as propriedades de transporte eléctrico e térmico de diferentes materiais Quando se mantém uma diferença de temperatura ΔT entre dois pontos do mesmo metal, a vibração dos átomos e o movimento dos electrões são afectados de tal forma, que se cria uma diferença de potencial ΔE entre esses dois pontos Luis Filipe Baptista MEMM 48

25 Termopares ΔE está relacionada com o facto de os electrões na extremidade mais quente do material terem mais energia térmica do que os da extremidade d mais fria -> estes deslocam-se para a extremidade mais fria Se se fechar o circuito ligando as extremidades por meio de outro condutor -> passa uma corrente eléctrica Luis Filipe Baptista MEMM 49 Trandutores de Temperatura Termopares Circuito eléctrico Luis Filipe Baptista MEMM 50

26 Termopares Efeito de SEEBECK: a fem ε, gerada aos terminais de dois metais diferentes, sujeitos a T1 e T2, é dada por: ε T 2 (Q A Q B )dt T 1 Luis Filipe Baptista MEMM 51 Termopares Efeito de SEEBECK: Na expressão anterior: ε f.e.m produzida [mv] T1, T2 temperaturas nas junções QA, QB constantes de transporte térmico dos dois metais Luis Filipe Baptista MEMM 52

27 Termopares Efeito de SEEBECK Na prática: ái as constantes QA, QB, são quase independentes da temperatura -> relação é aproximadamente linear (α coeficiente de Seebeck) ε α ( T T ) T 2 T 1 Luis Filipe Baptista MEMM 53 Termopares Efeito de PELTIER: Se aplicarmos uma tensão externa ao circuito anterior com os dois metais A e B, verifica-se que uma junção é aquecida e a outra arrefecida Este fenómeno deve-se ao facto de os dois metais terem características de transporte eléctrico diferentes Aplicações práticas: arrefecer pequenas partes de circuitos electrónicos Luis Filipe Baptista MEMM 54

28 Termopares Curvas de ε α T (Tref0ºC) Luis Filipe Baptista MEMM 55 Termopares: Tabelas As tabelas de termopares fornecem a temperatura do termopar considerando uma temperatura de referência T0ºC. Para saber valores intermédios de T, pode-se utilizar a seguinte expressão: T M T L T + V H H T V L L ( V V ) Luis Filipe Baptista MEMM 56 M L

29 Termopares: Tabelas Nesta expressão, tem-se: TM Tensão intermédia VH Tensão mais elevada VL Tensão mais baixa TH Temperatura mais elevada TL Temperatura menos elevada Luis Filipe Baptista MEMM 57 Termopar tipo K (Cromel/ Alumel) l) Termopar de uso geral, sendo o mais utilizado em aplicações industriais. Tem um baixo custo e, devido à sua popularidade estão disponíveis diversos tipos de sondas. Sensibilidade: 41µV/ºC. Termo-elemento positivo (KP): Ni90%Cr10% (Cromel) Termo-elemento negativo (KN): Ni95%Mn2%Si1%Al2% (Alumel) Faixa de utilização: -270 C a 1200 C Faixa de f.e.m. produzida: mv a mv Luis Filipe Baptista MEMM 58

30 Tipos de Termopares: Existem diversos tipos de termopares. Os mais comuns, são os seguintes (I): Luis Filipe Baptista MEMM 59 Tipos de Termopares (II): Luis Filipe Baptista MEMM 60

31 Termopares: Mudança de referência da tabela Aplicação de uma tensão de correcção devido à mudança de referência da tabela Luis Filipe Baptista MEMM 61 Termopares: Junção de referência A tensão ε é proporcional p a duas temperaturas desconhecidas Como só temos uma equação, temos que saber uma das temperaturas, que éd designada d por temperatura de referência Ex: fazer com que T Ref 0 ºC Luis Filipe Baptista MEMM 62

32 Termopares: Junção de referência Luis Filipe Baptista MEMM 63 Termopares: compensação através de circuito electrónico Luis Filipe Baptista MEMM 64

33 Termopares: Junção de referência Compensação da fonte fria por software Neste caso, a placa de aquisição de dados (DAQ) recorre a um sensor externo para medir a temperatura ambiente O programa compensa com uma tensão correspondente à temperatura ambiente de modo a obter-se: ε α (T-T0), T0), com T00ºC0 Luis Filipe Baptista MEMM 65 Termopares: Junção de referência Compensação da fonte fria por software Luis Filipe Baptista MEMM 66

34 Exemplo de aplicação Considere a tabela do termopar tipo K que indica os valores de fem na faixa de temperaturas com interesse para ventilação e aquecimento. Suponha que queria testar t o funcionamento de um termopar de medição da temperatura de água de aquecimento numa conduta a T50ºC. Sabendo que só dispunha de um multímetro, diga como o poderia verificar através a do valor obtido se o termopar estaria a funcionar correctamente. A temperatura ambiente no local é de 18 ºC, e o valor lido no multímetro é mv Luis Filipe Baptista MEMM 67 Sondas de Temperatura Exemplo de aplicação Tabela do termopar tipo K Luis Filipe Baptista MEMM 68

35 Sondas de Temperatura Resolução: cálculo l do coeficiente i de Seebeck (α) T 0ºC E1 100º C E 1 T2 2 E T - E - T 0 mv mv α T mv/º C α 41μV/º C termopar do tipo K Luis Filipe Baptista MEMM 69 Sondas de Temperatura Resolução T T E ff fq lida 18º C 50º C *(T fq T somar ao valor lido a E ff ) *(50 18) mv Este valor é bastante próximo do valor lido no multímetro mv Para comparar este valor com o da tabela para T 50º C, temos que (T amb Assim : fem comp 18º C), ou seja mv corrigida E lida + E comp correspondente à temperatura ambiente mv E (da tabela para T 50º C) mv (referência da junção fria a 0º C) Luis Filipe Baptista MEMM 70

36 Termopares : Técnicas de redução do ruído O maior obstáculo ao uso de termopares, é o ruído (tensões geradas < 50 mv). Um termopar é uma excelente antena de captação de ruído da radiação electromagnética, nas bandas de rádio, TV e micro-ondas Para reduzir os efeitos do ruído: Os fios de extensão ou ligação ao termopar, são enrolados e depois embrulhados com uma bainha de folha metálica ligada à terra. A junção de medida é ligada à terra no ponto da medida. Amplificador de instrumentação com elevada CMRR. Luis Filipe Baptista MEMM 71 Tipos de encapsula- mento de termopares Luis Filipe Baptista MEMM 72

37 Termopares : constituição de uma sonda de termopar industrial Luis Filipe Baptista MEMM 73 Aplicações dos termopares : medição da temperatura dos gases de evacuação de um motor Diesel Luis Filipe Baptista MEMM 74

38 Díodo de Zener (junção PN) Num díodo de silício, a característica I-V varia em função da temperatura. O valor típico, para um díodo de silício, é de 2 mv/ºc, valor muito superior ao de um termopar (0,04 a 0,08 mv/ºc) Conclusão: os elementos semicondutores são excelentes para efectuar medições de temperatura Luis Filipe Baptista MEMM 75 Díodo de Zener (junção PN) Exemplo de aplicação: LM335 da National Semicondutor (díodo de Zener de elevada precisão -> G 10 mv/k Luis Filipe Baptista MEMM 76

39 Circuito integrado LM335 Montagens típicas do sensor LM335 da National Semicondutor (G 10 mv/k) Luis Filipe Baptista MEMM 77 Circuito it integrado da Analog Devices (AD590) Termómetro em graus centígrados, com base no circuito integrado AD590 O circuito integrado LM385 gera uma tensão de referência ajustada através de RV Esta tensão é subtraída à tensão em R1 permitindo obter uma escala de temperaturas em ºC (G -> 10mV/ºC) Luis Filipe Baptista MEMM 78

40 Circuito integrado da Analog Devices (AD590) Luis Filipe Baptista MEMM 79 Transdutor bimetálico Princípio físico: baseia-se na propriedade de dilatação de um sólido (metal) com a temperatura, ou seja: L L + 0 [ 1 γδt ] δ coeficiente de dilatação térmica linear Ex: alumínio 25*10-6 /ºC ; cobre 16,6*10-6 /ºC ; aço 6,7*10-6 /ºC Luis Filipe Baptista MEMM 80

41 Transdutor bimetálico Características típicas: impreciso, barato, histerese, resposta bastante lenta Construção: É constituído através da ligação de duas tiras de metais diferentes,,que possuem obviamente coeficientes de dilatação diferentes Efeito: Quando o transdutor é aquecido, o material curva-se devido ás taxas de dilatação serem diferentes Luis Filipe Baptista MEMM 81 Transdutor bimetálico Aplicação prática (Controlo): Este efeito, pode ser utilizado para fazer actuar interruptores ou elementos de controlo ON-OFF, OFF quando a temperatura t atingir i um determinado valor Aplicação prática (Indicadores d de temperatura): pode ser obtido através da conversão do movimento devido à dilatação num deslocamento de um ponteiro ao longo de uma escala Luis Filipe Baptista MEMM 82

42 Transdutor bimetálico Transdutor Bimetálico: Curva-se para T > T 0 Luis Filipe Baptista MEMM 83 Transdutor bimetálico Diagrama em corte de um termómetro t baseado no efeito bimetálico Luis Filipe Baptista MEMM 84

43 Transdutor bimetálico Curvas de resposta temporal de transdutores bimetálicos Luis Filipe Baptista MEMM 85 Transdutor bimetálico Aspecto típico de um termómetro do tipo bimetálico Luis Filipe Baptista MEMM 86

44 Transdutor baseado na dilatação de líquidos Princípio físico: Um líquido apresenta uma dilatação com o aumento de temperatura Fórmula relativa a este fenómeno: V(T ) [ 1 βδt ] V(T) + 0 Luis Filipe Baptista MEMM 87 Transdutor baseado na dilatação de líquidos Em que: V(T) volume à temperatura T V(T 0 ) volume à temperatura T 0 ΔT T- T 0 β coeficiente volumétrico de dilatação térmico Luis Filipe Baptista MEMM 88

45 Transdutor baseado na dilatação de líquidos Erros de leitura: é necessário ter em consideração os efeitos de dilatação do próprio vidro, para obter indicações com grande exactidão Aplicações típicas: indicadores de temperatura Desvantagem: não deve aplicar-se em controlo, pois é necessário efectuar uma conversão da dilatação provocada pelo aumento de temperatura num sinal eléc. Luis Filipe Baptista MEMM 89 Transdutor baseado na dilatação de líquidos Antigamente, o fluido mais utilizado era o mercúrio Actualmente a sua utilização é proibida devido à sua elevada toxicidade e problemas de poluição Características do mercúrio: Alta temperatura de ebulição Faixa ampla de temperatura Baixo coeficiente de atrito Luis Filipe Baptista MEMM 90

46 Transdutor baseado na dilatação de líquidos Esquema típico de um termómetro baseado na dilatação de um líquido (mercúrio, etc..) Luis Filipe Baptista MEMM 91 Transdutor baseado na dilatação de líquidos Termómetro industrial baseado no efeito da dilatação de um líquido (Ex: mercúrio) Luis Filipe Baptista MEMM 92

47 Outros transdutores t de temperatura t (Ver bibliografia da Unidade Curr.): Transdutores ópticos (Pirómetros ópticos) Transdutores de radiação (Pirómetros de radiação) Transdutores piroelétricos Transdutores acústicos Transdutores de ruído Luis Filipe Baptista MEMM 93 Ex Dimensione um sistema de alarme que liga um LED quando a temperatura numa câmara atinge 10 +/- 0,5 ºC, e que se desliga para T8ºC. (Nota: transdutor -> termístor da Fig.4.5, pág.168) Auto aquecimento ± 05º 0,5 C P 5 mw/º C (NTC) P D I PD ΔT 5 0,25 1,25 mw P/R 1,25 10 / º 0,25 C 0, Luis Filipe Baptista MEMM 94 A

48 Ex Resolução (II): Usando Vcc 5 V e um divisor de tensão como circuito i de condicionamento i de sinal, tem-se: V R NTC 2 R 2 R 1 I V/I (5 3.54)/ Ω 4.3 kω 10º C VD 1.503V 8º C VD 1.405V V Luis Filipe Baptista MEMM 95 Ex Resolução (III): Falta dimensionar o comparador de histerese que iá irá comandar o LED de alarme da câmara R 50V 5,0 1,503 1,405 R f R 0,0196 R f R f 500 kω R 98kΩ 9,8 0, V Luis Filipe Baptista MEMM 96

49 Ex Resolução (IV): Circuito de condicionamento de sinal (Ver Anexo) Luis Filipe Baptista MEMM 97 Ex Num processo industrial, uma linha de vapor passa por um depósito contendo um líquido a 100 ºC. Luis Filipe Baptista MEMM 98

50 Ex (continuação). Um sistema de controlo vai regular a temperatura do vapor, de modo que, no condicionador i d de sinal do transdutor (RTD), 50ºC a 80ºC sejam convertidos em [0 2,0 V]. O erro não deve exceder +/- 1ºC. Se o nível de líquido subir até à ponta do transdutor, a sua temperatura irá aumentar subitamente para T100ºC. Este facto, deve fazer com que a saída de um comparador de alarme vá para nível alto. Luis Filipe Baptista MEMM 99 Ex Resolução (I) Especificações da RTD : R(T 65 º C) 150 Ω α(t 65 º C) 0, /º C P D 30 mw/º C R RTD (T 50º C) 150 [ 1+ 0,004 ( 50 65) ] 141Ω R (T 80º C) , Ω R RTD RTD (T 100º C) 150 [ ( ) ] Ω [ 1+ 0,004 ( ) ] 171Ω Luis Filipe Baptista MEMM 100

51 Ex Resolução (II) P PD ΔT (30 mw) (1º C) P 30 mw I P/R I 13,7 10 V 217V 2, A 3 /159 Ω V R I , R2 V/I (5 2,17)/13,7 10 R2 206,5 Ω R2 220 Ω Luis Filipe Baptista MEMM Ex Resolução (III) Tensões na ponte de Wheatstone : T 50 º C ΔV T 80 º C ΔV 5, ΔV 0,1447 V T 100 º C ΔV 50 5, ΔV 0,2338 V Luis Filipe Baptista MEMM 102

52 Ex Resolução (IV) Gama do Transdutor [50 80] º C Saída do circuito em ponte [0 0,1447] V Saída do amplificador [0 2,0] V Ganho do amplificador G 13,8 G 2,0 0 0, Luis Filipe Baptista MEMM 103 Ex Resolução (V) Comparador de alarme (Nível alto para T V ref 100º C) 13,8 0, V 3,23 Assumindo R Ω 1kΩ 1000 V 50V 5,0 323V 3,23 ref R var R var 548 Ω Luis Filipe Baptista MEMM 104

53 Ex Resolução (VI) Circuito de condicionamento de sinal Luis Filipe Baptista MEMM 105 (Anexo) Comparador: Compara duas tensões analógicas aplicadas aos seus terminais de modo a fornecer à saída um sinal digital it de nível alto (1 lógico) ou baixo (0 lógico) Utiliza-se geralmente em circuitos i de alarme e de processamento digital, como, por exemplo nos conversores A/D e D/A Va Vb + - Vo 1 0 Va Va > Vb < Vb Luis Filipe Baptista MEMM 106

54 (Anexo) Comparador de histerese Utiliza-se quando existe ruído no sinal a medir que poderia provocar oscilações na saída dos comparadores Utiliza-se uma histerese ou zona morta junto ao sinal de referência onde se irão dar as alterações na tensão de saída do comparador Quando o circuito atinge o nível alto, o nível de referência desce automáticamente, de tal modo, que o sinal de entrada tem que descer abaixo de um determinado valor para que o comparador passe a nível baixo (0 lógico) Luis Filipe Baptista MEMM 107 (Anexo) Comparador de histerese Evolução temporal da resposta de um compara-dor a um sinal com ruído (Ex: nível de água num tanque) Luis Filipe Baptista MEMM 108

55 (Anexo) Comparador de histerese Montagem típica de um comparador de histerese (realimentação positiva) e diagrama de funcionamento Luis Filipe Baptista MEMM 109 (Anexo) Comparador de histerese Dimensionamento do comparador de histerese >> R Critério de projecto R f Vin >> Vref Leva o comparador para1 (V0 5 V) R V Vref V0 Leva o comparador para 0 (V0 R in f R V R f 0 Zona morta (histerese) 0 V) 110

SENSORES DE TEMPERATURA

SENSORES DE TEMPERATURA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA TECNOLOGIA EM AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL DISCIPLINA DE INSTRUMENTAÇÃO SENSORES DE TEMPERATURA PROFESSOR: Valner Brusamarello COMPONENTES:

Leia mais

Sensores de Temperatura

Sensores de Temperatura Sensores de Temperatura Principais tipos: RTD (altas temperaturas) Termopar (altas temperaturas) NTC / PTC (alta sensibilidade) Junções semicondutoras (facilidade de uso) Temperatura - RTD RTD Resistance

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

1 Medição de temperatura

1 Medição de temperatura 1 Medição de temperatura 1.1 Medidores de temperatura por dilatação/expansão 1.1.1 Termômetro à dilatação de líquido Os termômetros à dilatação de líquidos baseiam -se na lei de expansão volumétrica de

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº TRANSDUTORES DE TEMPERATURA Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H.

Leia mais

Termistor. Termistor

Termistor. Termistor Termistor Aplicação à disciplina: EE 317 - Controle e Automação Industrial Este artigo descreve os conceitos básicos sobre termistores. 1 Conteúdo 1 Introdução:...3 2 Operação básica:...4 3 Equação de

Leia mais

7. Sensores de Temperatura - Termopar

7. Sensores de Temperatura - Termopar 7. Sensores de Temperatura - Termopar Para a compreensão dos termopar de forma objetiva, precisamos compreender alguns efeitos físicos bem conhecidos, entre eles o Efeito Termoelétrico de Seedbeck, Efeito

Leia mais

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100

Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Relatório do trabalho sobre medição de temperatura com PT100 Alunos: António Azevedo António Silva Docente: Paulo Portugal Objectivos Este trabalho prático tem como finalidade implementar uma montagem

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

O termopar é um sensor activo, isto é, ele próprio gera uma força electromotriz (fem), não sendo portanto necessário alimentá-lo.

O termopar é um sensor activo, isto é, ele próprio gera uma força electromotriz (fem), não sendo portanto necessário alimentá-lo. De entre todas as grandezas a temperatura é provavelmente aquela que é medida com mais frequência. Na industria, o controlo da temperatura é essencial para que as reacções químicas, as soldaduras, a destilação

Leia mais

Universidade de Coimbra. Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008)

Universidade de Coimbra. Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008) Universidade de Coimbra Biosensores e Sinais Biomédicos (2007-2008) Trabalho Prático N 1 ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE SENSORES DE TEMPERATURA: Objectivo TERMOPARES E TERMÍSTORES Determinação da resposta

Leia mais

SENSORES DE TEMPERATURA

SENSORES DE TEMPERATURA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO DEPARTAMNETO ACADÊMICO DE ELETROELETRÔNICA E SISTEMA DA INFORMAÇÃO Disciplina Controle e Instrumentação Industrial SENSORES DE TEMPERATURA

Leia mais

EXERCICIOS PARA A SEGUNDA UNIDADE

EXERCICIOS PARA A SEGUNDA UNIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA- UESB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL DISCIPLINA: INTRUMENTAÇÃO APLICADA Prof. Dr. Modesto Antonio Chaves EXERCICIOS PARA

Leia mais

Instrumentos de Temperatura 1. Instrumentação Industrial. Autor: Perez

Instrumentos de Temperatura 1. Instrumentação Industrial. Autor: Perez Instrumentos de Temperatura 1 Instrumentação Industrial Autor: Perez AULA III - Instrumentos de Temperatura Instrumentos de Temperatura 2 Objetivos Estudar Elementos e Transmissores de Temperatura Mais

Leia mais

Sensores piezoeléctricos

Sensores piezoeléctricos Sensores piezoeléctricos Materiais piezoeléctricos (Titanato de Bário (BaTi), poli(fluoreto de vinilideno) (PVDF) ) geram potencial eléctrico quando sujeitos a vibração ou stress mecânicos (& vice versa)

Leia mais

Dispositivos utilizados para medir temperatura

Dispositivos utilizados para medir temperatura ERMOPARES Dispositivos utilizados para medir temperatura Gustavo Monteiro da Silva Professor Adjunto Área Científica de Instrumentação e Medida ESSetúbal/IPS Escola Superior de ecnologia de Setúbal R.

Leia mais

Sensores de Temperatura: Termopares Prof. Leonimer F Melo Termopares: conceito Se colocarmos dois metais diferentes em contato elétrico, haverá uma diferença de potencial entre eles em função da temperatura.

Leia mais

Análise de Circuitos com Díodos

Análise de Circuitos com Díodos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Análise de Circuitos com Díodos Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC- ACElectrónica

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Temperatura Profa. Michelle Mendes Santos Métodos de Medição Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA KILIAN, Christopher. Modern Control Technology: Components & Systems,

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho Definição: Termoresistores (RTD) São metais condutores que variam sua resistência ôhmica com a temperatura (dado que sua geometria é bem definida e conhecida). Equação: R T R n a T a T 2 a T n 0 1 1 Onde:

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Universidade Paulista - UNIP Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia Elétrica Modalidade Eletrônica. Instrumentação e Controle

Universidade Paulista - UNIP Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia Elétrica Modalidade Eletrônica. Instrumentação e Controle Universidade Paulista - UNIP Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia Elétrica Modalidade Eletrônica Instrumentação e Controle TERMORESISTENCIAS 1.0 TERMORESISTENCIAS 1.1 Introdução

Leia mais

Aula 4 Instrumentos de Temperatura. Prof. Geronimo

Aula 4 Instrumentos de Temperatura. Prof. Geronimo Aula 4 Instrumentos de Temperatura Prof. Geronimo Os medidores de temperatura mais usados na indústria são os termômetros baseados em bimetal e os sensores do tipo termopar e termorresistência, que servem

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Termopares Convencionais I

Termopares Convencionais I Termopares Convencionais I Introdução Definimos Termopares como sensores de medição de temperatura que são constituídos por dois condutores metálicos e distintos, puros ou homogêneos. Em uma de suas extremidades

Leia mais

Luis Filipe Baptista MEMM 2

Luis Filipe Baptista MEMM 2 INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO CAPÍTULO V Transdutores Optoelectrónicos 2012/2013 Índice do capítulo Introdução Transdutores ópticos Transdutores optoelectrónicos - Absolutos - Incrementais Aplicações industriais

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM TERMOPAR DE COBRE CONSTANTAN

CALIBRAÇÃO DE UM TERMOPAR DE COBRE CONSTANTAN CALIBRAÇÃO DE UM TERMOPAR DE COBRE CONSTANTAN 1. OBJECTIVOS Calibração de um termopar de cobre constantan, com o traçado da curva θ(v) na gama de temperaturas (0ºC a 90ºC); Determinação do coeficiente

Leia mais

Medição de Temperatura

Medição de Temperatura Medição de Temperatura Fonte: Simone Massulini Acosta Conceitos Básicos TERMOMETRIA PIROMETRIA: medição de altas temperaturas, na faixa onde os efeitos de radiação térmica visíveis passam a se manifestar.

Leia mais

Conversores de sinais (I/V e V/I)

Conversores de sinais (I/V e V/I) INSTUMENTAÇÃO E CONTOLO CAPÍTULO II Condicionamento de sinais 0/03 Índice do capítulo Conceitos básicos Pontes de Wheatstone Filtros C passivos e activos Amplificadores operacionais Amplificadores de instrumentação

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA E MEDIDAS 2º ANO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA ANO LECTIVO 2008/2009 CADERNO DE EXERCÍCIOS (VERSÃO PROVISÓRIA)

INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA E MEDIDAS 2º ANO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA ANO LECTIVO 2008/2009 CADERNO DE EXERCÍCIOS (VERSÃO PROVISÓRIA) INSTRUMENTAÇÃO ELECTRÓNICA E MEDIDAS 2º ANO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA ANO LECTIVO 2008/2009 CADERNO DE EXERCÍCIOS (VERSÃO PROVISÓRIA) 1. Um dado sensor possui um erro de linearidade de 1% da leitura

Leia mais

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015 Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Sensores São dispositivos que

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA Introdução O uso de termômetros de resistência esta se difundindo rapidamente devido a sua precisão e simplicidade

Leia mais

APLICAÇÕES DE TERMOPARES RESUMO

APLICAÇÕES DE TERMOPARES RESUMO APLICAÇÕES DE TERMOPARES Camila de Lima da Silva 1-20970020 Valdinei Dias da Costa 2-20970079 RESUMO Os termopares são os sensores de temperatura mais utilizados nas aplicações industriais, seja por sua

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS 4º Ano da Licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas ºTESTE DE INTRUMENTAÇÃO (M42) Data -.2.2006 Duração - 2.5 horas ª Parte

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Informática Disciplina Sistemas de Instrumentação Engenharia de Sistemas e 1 Ano Curso Ano 2º Semestre Informática º Lectivo Aulas TeóricoPráticas Ficha de Trabalho N.º5 2005/2006 Título Sistemas

Leia mais

SENSOR DE TEMPERATURA COM O USO DO AMPLIFICADOR OPERACIONAL

SENSOR DE TEMPERATURA COM O USO DO AMPLIFICADOR OPERACIONAL SENSOR DE TEMPERATURA COM O USO DO AMPLIFICADOR OPERACIONAL (1) Dayse CORREIA; (2) Fabiola ANDRADE;(3) Maria Auxiliadora BLUM; (4)Felipe MENDES; (5) Iara RAMOS (1)Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA ASADES Avances en Energías Renovables y Medio Ambiente Vol. 15, 2011. Impreso en la Argentina. ISSN 0329-5184 DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Instrumentação

Introdução aos Sistemas de Instrumentação Introdução aos Sistemas de Instrumentação Electrónica e Instrumentação 2º Semestre 2002/2003 Electrónica e Instrumentação - 1 Elementos Constituintes do Sistema Mesurando Processo ou variável física a

Leia mais

DEFINIÇÃO, LEIS BÁSICAS E CIRCUITOS A TERMOPAR

DEFINIÇÃO, LEIS BÁSICAS E CIRCUITOS A TERMOPAR DEFINIÇÃO, LEIS BÁSICAS E CIRCUITOS A TERMOPAR 1. 0 PAR TERMOELÉTRICO OU TERMOPAR A experiência mostra que um circuito constituído por dois materiais diferentes X e Y é percorrido por uma corrente elétrica

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL: APLICAÇÕES DO SENSOR DE TEMPERATURA PT-100 NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL: APLICAÇÕES DO SENSOR DE TEMPERATURA PT-100 NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL: APLICAÇÕES DO SENSOR DE TEMPERATURA PT-100 NOS PROCESSOS INDUSTRIAIS KLEBER VIANA FRANÇA 21376136 KLEBERFRANCA17@HOTMAIL.COM

Leia mais

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS

CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS RECOMENDAÇÃO TÉCNICA ISSN 1413-9553 agosto, 1998 Número 11/98 CUIDADOS NA MANUTENÇÃO EM ESTUFAS Luiz F. de Matteo Ferraz Ladislau Marcelino Rabello Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional

Leia mais

Temperatura Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico.

Temperatura Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico. Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico. Energia Térmica: É a somatória das energias cinéticas dos seus átomos,

Leia mais

Propriedades termicas Termopares Tipo T

Propriedades termicas Termopares Tipo T Propriedades termicas Tipos de termopares- linearização-uso de tabela Cabos de compensação e normas Correção por efeito da junta de referencia na medição Termistores PTC e NTC Resistores de referencia

Leia mais

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial.

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial. CIRCUITOS ELÉCTRICOS FÍSICA 12 1 CORRENTE ELÉCTRICA A corrente eléctrica é um movimento orientado de cargas eléctricas através de um condutor e só ocorre se houver diferença de potencial. O sentido convencional

Leia mais

PROPRIEDADES ELECTROMAGNÉTICAS DOS MATERIAIS. 2ª Série A - EFEITOS TERMOELÉCTRICOS DE SEEBECK E PELTIER E VARIAÇÃO DA CONDUTIVIDADE COM A TEMPERATURA

PROPRIEDADES ELECTROMAGNÉTICAS DOS MATERIAIS. 2ª Série A - EFEITOS TERMOELÉCTRICOS DE SEEBECK E PELTIER E VARIAÇÃO DA CONDUTIVIDADE COM A TEMPERATURA PROPREDADES ELEROMAGNÉAS DOS MAERAS ª Série A - EFEOS ERMOELÉROS DE SEEBEK E PELER E VARAÇÃO DA ONDUVDADE OM A EMPERAURA. DEEORES RESSVOS DE EMPERAURA (RD), ERMSORES E ERMOPARES.. RADAÇÃO DUM FLAMENO MEÁLO

Leia mais

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico 4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico Um termopar é um transdutor formado simplesmente por dois pedaços de fios de diferentes metais ou ligas, unidos eletricamente apenas em suas extremidades

Leia mais

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P

O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P O inglês John A. Fleming, em 16 de novembro de 1904, percebeu que ao se juntar um elemento P a um elemento N, teria a seguinte situação: o elemento P tem excesso de lacunas; o elemento N tem excesso de

Leia mais

Método Termométrico Diferencial

Método Termométrico Diferencial Método Termométrico Diferencial Neste problema vamos utilizar o método termométrico diferencial para realizar as seguintes tarefas: 1. Determinar o ponto de fusão de uma substância sólida cristalina 2.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada.

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. 1 Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. Fig.01 Sistema de controle manual para regular o nível de fluído em um reservatório.

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

4. Sensores/Transdutores

4. Sensores/Transdutores 4.1. Conceitos Gerais Um sensor converte um fenómeno físico de interesse num sinal eléctrico, que alimenta a entrada do sistema (hardware) DAQ (conversor). Existem dois grandes tipos de sensores, dependendo

Leia mais

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Sensores Resistivos

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Sensores Resistivos Instrumentação e Técnicas de Medidas Sensores Resistivos Sensores resistivos (potenciômetros, termistores, rtd, strain-gage,...) Instrumentação e Técnicas de Medida UFRJ, 2013/1 1 Controle de Versões 2013

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CONTROLE ELÉTRICO DA TEMPERATURA DO FLUIDO DE UM TROCADOR DE CALOR Área de Engenharia Elétrica por Hélcio Benedito Rodrigues de Moraes Prof. Dr.

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

Projeto de termômetro digital usando termistor NTC 50D-9

Projeto de termômetro digital usando termistor NTC 50D-9 Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Instrumentação Eletrônica Projeto de termômetro digital usando termistor NTC 50D-9 Alunos: Leonardo Augusto M. De Oliveira

Leia mais

TEEE: Colheita de Energia Termogeração

TEEE: Colheita de Energia Termogeração TEEE: Colheita de Energia Termogeração Prof. Protásio Laboratório de Microengenharia/DEE/CEAR/UFPB Conversão de Energia Termoelétrica Energia termoelétrica é aquela gerada a partir da conversão de calor

Leia mais

CAPÍTULO 4 TRANSDUTORES E CONDICIONAMENTO DE SINAL

CAPÍTULO 4 TRANSDUTORES E CONDICIONAMENTO DE SINAL CAPÍTULO 4 TRANSDUTORES E CONDICIONAMENTO DE SINAL 4.1. Aspectos Fundamentais dos Transdutores 4.1.1. DEFINIÇÃO Um transdutor é um dispositivo que faz corresponder, segundo uma determinada lei, uma grandeza

Leia mais

Sensores. unesp. Prof. Marcelo Wendling 2010 Versão 2.0 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Sensores. unesp. Prof. Marcelo Wendling 2010 Versão 2.0 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Sensores Prof. Marcelo Wendling 2010 Versão 2.0 2 Índice

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão

Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Termopares: calibração por comparação com instrumento padrão Os termopares são dispositivos elétricos utilizados na medição de temperatura. Foram descobertos por acaso em 1822, quando o físico Thomas Seebeck

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

6. Transdutores, Sensores e Atuadores

6. Transdutores, Sensores e Atuadores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 6. Transdutores, Sensores e Atuadores Igor

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

Medir a variação da resistência elétrica de um enrolamento de fio de Cu e um diodo com a temperatura;

Medir a variação da resistência elétrica de um enrolamento de fio de Cu e um diodo com a temperatura; 29 4.3 Experimento 3: Variação da Resistência com a Temperatura 4.3.1 Objetivos Medir a variação da resistência elétrica de um enrolamento de fio de Cu e um diodo com a temperatura; Realizar ajustes lineares

Leia mais

4 - Dispositivos de entrada/saída

4 - Dispositivos de entrada/saída 4 - Dispositivos de entrada/saída 4.1 - Introdução Um sistema de medida existe para dar informação acerca do valor físico de uma grandeza. O conhecimento desse valor, o mais exacto possível, é componente

Leia mais

Comando de motor passo a passo bipolar

Comando de motor passo a passo bipolar Comando de motor passo a passo bipolar Associado a um microprocessador ou simplesmente ligada à tomada paralelo dum computador, esta montagem permitirá o comando dum motor passo a passo de tipo bipolar.

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Enunciado do 2º Trabalho de Laboratório CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO DE CIRCUITOS DE CONVERSÃO ANALÓGICO-DIGITAL E DIGITAL-ANALÓGICO

Leia mais

Problemas sobre DACs

Problemas sobre DACs Problemas sobre DACs Problema Considere um DAC de entradas ponderadas de bits, e determine a razão entre as resistências correspondentes ao LSB e MSB, respectivamente. Soluções: a) 048 Problema Assuma

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO

AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO 1107 AVALIAÇÃO DE DIFERENTES SENSORES PARA CONSTRUÇÃO DE UM PIRELIÔMETRO Winnie Queiroz Brandão¹; Germano Pinto Guedes²; Mirco Ragni³ 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduanda em Bacharelado em Física, Universidade

Leia mais

Física Experimental B Turma G

Física Experimental B Turma G Grupo de Supercondutividade e Magnetismo Física Experimental B Turma G Prof. Dr. Maycon Motta São Carlos-SP, Brasil, 2015 Prof. Dr. Maycon Motta E-mail: m.motta@df.ufscar.br Site: www.gsm.ufscar.br/mmotta

Leia mais

AL 1.3. Capacidade térmica mássica

AL 1.3. Capacidade térmica mássica 36 3. ACTIVIDADES PRÁTICO-LABORATORIAIS AL 1.3. Capacidade térmica mássica Fundamento teórico da experiência A quantidade de energia que se fornece a materiais diferentes, de modo a provocar-lhes a mesma

Leia mais

SENSORES INDUSTRIAIS

SENSORES INDUSTRIAIS SENSORES INDUSTRIAIS Sensores: são dispositivos que transformam grandezas físicas em um sinal Sensores Analógicos e Digitais Caracterís:cas Alcance Precisão Resolução Sensibilidade Tempo de Resposta Não

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

Resistividade de Materiais Condutores

Resistividade de Materiais Condutores Roteiro Experimental n 2 da disciplina de Materiais Elétricos vidade de Materiais Condutores COMPONENTES DA EQUIPE: NOTA: Data: / / 1. OBJETIVOS: Estimar a resistividade do material a partir das suas dimensões;

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA 4323 DISCIPLINA DE FÍSICA TERMOTESTE

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA 4323 DISCIPLINA DE FÍSICA TERMOTESTE FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA 4323 DISCIPLINA DE FÍSICA TERMOTESTE GUILHERME DOS REIS GUSTAVO HOLDEFER MARCOS A. SCHNEIDER RICARDO S. CITOLIN Novo

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

Medições com strain gage

Medições com strain gage Medições com strain gage Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Conceitos básicos de strain gage Conceitos básicos das medições

Leia mais

Tem uma aparência translúcida ou encontra-se na fase gasosa (ex. gases de combustão) Requer medições de temperatura rápidas e frequentes.

Tem uma aparência translúcida ou encontra-se na fase gasosa (ex. gases de combustão) Requer medições de temperatura rápidas e frequentes. O pirómetro de radiação insere-se na classe dos medidores de temperatura de não-contacto, mais especificamente, é um termómetro de radiação. O termo não-contacto refere-se ao facto do sensor não necessitar

Leia mais

12/03/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES DE PRESSÃO

12/03/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES DE PRESSÃO IV.2_Controle e Automação II Formando Profissionais Para o Futuro SENSORES DE PRESSÃO Conteúdo Introdução Células de Carga Piezoelétrico Tubo de Bourdon Outros sensores de pressão Introdução Os sensores

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Apresentação. Controle de Automação Industrial

Apresentação. Controle de Automação Industrial Apresentação O Objetivo deste trabalho foi reunir material sobre os principais componentes empregados hoje na automação industrial para um curso de técnicos em automação ou técnicos em mecatrônica. Visando

Leia mais

Materiais usados em resistores

Materiais usados em resistores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Elétrica Materiais usados em resistores EEL7051 Laboratório de Materiais Elétricos Aluno: Cristiano P. Costa Neves Turma:

Leia mais

CONDICIONADORES DE SINAIS

CONDICIONADORES DE SINAIS Condicionadores de Sinais de Montagem em Trilho DIN A/IN A/OUT Série DRG-SC U Modelos disponíveis para termopares, RTDs, tensão e corrente CC, frequência, ponte do sensor de deformação/tensão, tensão e

Leia mais

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um O Díodo Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um componente, a intensidade da corrente eléctrica que o percorre também

Leia mais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais

Controle II. Estudo e sintonia de controladores industriais Controle II Estudo e sintonia de controladores industriais Introdução A introdução de controladores visa modificar o comportamento de um dado sistema, o objetivo é, normalmente, fazer com que a resposta

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Física do Estado Sólido Efeitos termoeléctricos nos metais

Física do Estado Sólido Efeitos termoeléctricos nos metais Física do Estado Sólido Efeitos termoeléctricos nos metais Trabalho prático n o 4 2003-2004 Objectivos: Estudar os efeitos termoeléctricos num termopar do tipo K e do tipo J. Material termopar NiCr/NiAl

Leia mais