Deterioração de marquises de concreto armado na cidade de Bambuí (MG)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Deterioração de marquises de concreto armado na cidade de Bambuí (MG)"

Transcrição

1 a r t i g o Envie artigo para: O texto não deve ultrapassar o limite de 15 mil caracteres (com espaço). Fotos devem ser encaminhadas separadamente em JPG Deterioração de marquises de concreto armado na cidade de Bambuí (MG) As patologias nas marquises, assim como nas demais estruturas de concreto armado ocorrem em fases distintas do processo construtivo, as quais são: projeto, construção, utilização e manutenção. O colapso da estrutura não ocorre sempre pela ação de agentes causadores de forma isolada, mas geralmente por agentes causadores principais e outros que aceleram o processo de deterioração (Braguim, 2006). A patologia mais comum nas marquises é a fissuração do concreto, seja pela ação de sobrecargas, erros de projeto ou na fase de construção fissuras pelas quais percolam agentes oriundos da poluição do ar, das fezes de animais, e a própria água de chuva, que causam a corrosão de armaduras, levando a estrutura à ruína (Dorigo, 1996). De acordo com cálculos do Crea-RJ em 2007, cerca de 500 marquises na cidade do Rio de Janeiro apresentam problemas estruturais. Ainda no Rio de Janeiro, a Defesa Civil confirma que 70% das marquises dos edifícios do centro não passam por manutenção há anos. A marquise que ruiu em Copacabana em 04 de março de 2006, matando duas pessoas e ferindo oito, não era vistoriada há quase Marco Antônio do Carmo Professor Msc. do Instituto Federal de Minas Gerais, Campus Bambuí, doutorando em Engenharia na Universidade Federal de Viçosa Turibio José da Silva Professor-doutor da Faculdade de Engenharia Civil, Universidade Federal de Uberlândia 13 anos. Ainda segundo a Defesa civil, 16 marquises foram demolidas em Em Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, a prefeitura identificou após inspeções de rotina 190 marquises em situação de risco, dessas, 157 (82,6%) já possuem laudo técnico de estabilidade e segurança emitido por engenheiro civil após recuperação efetuada pelos proprietários. Outros levantamentos foram realizados em várias cidades brasileiras indicando a gravidade do problema. Em virtude do alto índice de acidentes com marquises, visando evitar a ruína e posterior queda dessas estruturas, é imprescindível tomar medidas que levem ao conhecimento das causas de patologias nessas estruturas, visando evitar a repetição dos mesmos erros na construção de novas marquises. O conhecimento das causas dessas patologias deve ser feito por uma metodologia que leve em consideração a análise de projeto, o levantamento das características geométricas da estrutura, e a inspeção visual e/ou detalhada pela realização de ensaios não destrutivos. O objetivo deste artigo é aplicar uma metodologia simplificada e objetiva que possa ser capaz de diagnosticar, por métodos de inspeção adequados, os aspectos estruturais, de utilização e de deterioração de marquises em edificações. Com isso, busca-se a implementação de normas e regulamentos que tratam da inspeção de marquises, com preocupação de garantir a durabilidade desta, e consequentemente uma maior segurança para pedestres que passam pelos locais. Vários trabalhos foram desenvolvidos abordando a inspeção de marquises (Gomes et al, 2003, Souza et al, 2007) ou de estruturas em geral. O CEB 243 (1998) aponta as estratégias disponíveis por inspecionar e avaliar as estruturas de concreto com referência particular para corrosão das armaduras. No documento abordam-se as atividades de Tabela 1 Características geométricas das marquises cadastradas em Bambuí Dimensões Marquises Espessura (cm) 13,0 13,0 10,0 10,0 12,0 12,0 13,0 13,00 8,0 12,0 Comprimento (m) 12,50 5,60 13,30 5,50 4,65 12,20 13,20 12,80 9,20 7,20 Largura (m) 1,05 1,50 1,0 1,55 0,88 1,30 1,20 1,27 1,00 1,00 4 Téchne 153 DEZEMBRo de 2009 artigo.indd 4 1/12/ :51:12

2 Tabela 2 Resultado de Inspeção Visual de Marquises Tipo de patologia % Tipo de patologia % Ferragens expostas 30 Sinais de enchimento da laje 20 Ferragens sombreadas 10 Tubos e dutos presos à laje 30 Desplacamento de concreto 10 Furos na laje 30 Trincas transversais 60 Evidência de reparos na laje Trincas longitudinais 40 Forro rebaixando a laje _ Desplacamento de reboco 20 Flecha na direção transversal 10 Sobrecarga por letreiro luminoso 10 Flecha na direção longitudinal 10 Sinais de infiltração de água 50 Trinca longitudinal junto ao engaste 10 preparação, rotina e inspeções detalhadas, o procedimento de avaliação e a proposta para intervenção. Nesse sentido, este trabalho foi desenvolvido na região central da cidade de Bambuí, visando identificar patologias em marquises de edifícios nessa região, por inspeção visual e com realização de ensaios de pacometria, potencial de corrosão, resistividade elétrica e ultrassom e assim diagnosticar o grau de deterioração dessas marquises. Um trabalho similar foi iniciado na cidade de Uberlândia (MG), atualmente paralisado, onde a região central conta com aproximadamente 105 edifícios (antigos e recentes) com marquises. Materiais e métodos A cidade de Bambuí tem população de habitantes (IBGE, 2007) e possui na sua região central edifícios com no máximo três pavimentos, e idade de construção de mais de 30 anos, edifícios os quais na sua maioria contam com marquises, e sob as quais circulam diariamente centenas de pessoas, pois nessa região concentram-se grande parte das lojas comerciais e agências bancárias. Nessa cidade foi feito cadastramento de todas as marquises da região central, e posteriormente realizada inspeção visual e ensaios não destrutivos de pacometria, ultrassonografia, medida de potencial de corrosão e resistividade do concreto. Cadastramento de inspeção visual de marquises As atividades de cadastro e inspeção visual das marquises foram realizadas de forma simultânea, com o objetivo de reunir, em uma primeira pesquisa, dados sobre as condições das marquises de edifícios da região central da cidade de Bambuí. Foram cadastrados todos os edifícios das ruas da região central que possuem marquises, sendo nessas estruturas efetuadas inspeção visual, registrando suas características geométricas (tabela 1), assim como registro das patologias em fotos digitais. Na inspeção visual, utilizou-se a planilha onde se busca a identificação das seguintes patologias: ferragens expostas ou sombreadas; desplacamento de concreto ou reboco; trincas transversais e longitudinais ou junto ao engaste; sobrecargas por letreiros, placas, sobreposição de camadas de impermeabilização, paredes nas bordas; infiltração de água; furos e rebaixamento na laje; flechas na direção transversal ou longitudinal; esmagamento da parede existente abaixo do engaste. Ensaios não destrutivos nas marquises Os ensaios foram realizados em quatro pontos por marquise, sempre no alinhamento do engaste dessa laje, um ponto em cada extremidade e dois pontos intermediários. Antes da realização de cada ensaio, realizaram-se os seguintes procedimentos: Verificação da rugosidade da superfície superior da marquise, pois superfícies com alta rugosidade impossibilitam a realização dos ensaios Verificação da umidade da superfície Limpeza da superfície utilizando espátula e vassoura Preenchimento de planilhas, com anotação de patologias observadas Registro fotográfico da fachada do edifício que contém a marquise Registro fotográfico de patologias na marquise Em virtude dos diferentes teores de umidade da superfície necessários para cada ensaio, a sequência de ensaios sempre obedeceu à seguinte ordem: 1 o ) Medida da velocidade do pulso ultrassônico 2 o ) Pacometria 3 o ) Potencial de corrosão 4 o ) Resistividade elétrica Medida da velocidade do pulso ultrassônico No ensaio de ultrassonografia foi usado o equipamento Ultrasonic Pulse Velocity Tester, modelo 58-E0048, marca Controls (figura 1), sendo necessária antes do seu uso, a calibração feita por medida do tempo que a onda emitida pelo aparelho leva para percorrer uma de barra ferro, de 30 cm de comprimento, o qual deve ser de 57,2 µs (conforme Tabela 3 Cobrimento das armaduras determinado por pacometria Cobrimento da armadura (cm) 1 2,854 b 4,090 c 2,375 c 5,41 c 9,84 c 1,55 b 2,65 c 3,06 c 2,85 c 3,01 c 2 1,905 b 2,94 c 4,44 b 1,55 c 10,22 c 1,485 b 2,22 c 1,65 c 3,02 c 2,65 c 3 5,040 c 4,38 c 5,87 c 6,81 b 6,63 c 3,18 c 2,27 c 1,63 c 3,00 c 2,05 c 4 3,74 c 1,74 c 7,504 c 5,96 c 7,98 c 2,60 c 2,61 c 1,62 c 1,99 c 2,54 c c = laje analisada na parte superior b = laje analisada na parte inferior 5 artigo.indd 5 1/12/ :51:12

3 artigo E L 1 L 2 L 3 L 4 R 1 R 2 R 3 R 4 a existência de armadura nas proximidades do ponto, fazendo-se então a leitura do cobrimento da armadura e o espaçamento horizontal entre essas. Sendo, no entanto, para este estudo necessário apenas a informação do cobrimento da armadura, os quais foram expressos em milímetros. Figura 1 Ultrassom orientação do fabricante), sendo esse o tempo de calibração. A distância entre os transdutores para cada ponto da laje foi igual a 30 cm. Para cada leitura da velocidade da onda aplicou-se vaselina industrial na superfície dos transdutores, a fim de permitir o contato dos transdutores com a superfície do concreto sem a interferência do ar. As leituras de tempo que a onda leva para percorrer a estrutura de concreto foram expressas em µs e foram feitas pelo método indireto, conforme NBR 8802:1994 (figura 2), uma vez que pela posição dos pontos de análise foi impossível a colocação dos transdutores na face superior e inferior das lajes. Figura 2 Esquema de medição indireta Pacometria O pacômetro é o termo adotado para o aparelho que, por ondas eletromagnéticas de baixa frequência, é usado para localizar as barras de aço da armadura e para estimar a sua posição em relação à superfície onde está a sonda. A base do método de ensaio está descrita em ACI 228 2R-98. Nesse ensaio foi usado o equipamento da marca James Instruments Inc., sendo necessária antes do seu uso a sua calibração. Pela definição da unidade de medida para os parâmetros desejados, a unidade escolhida foi a de milímetros para o cobrimento e distância horizontal entre armaduras e do diâmetro da armadura para a estrutura; na falta dessa informação estimou-se o diâmetro conforme orientação do fabricante. Com o aparelho calibrado iniciouse o ensaio, que consiste em percorrer os pontos previamente marcados com a sonda, identificando por sinal sonoro Potencial de corrosão A medida do potencial de corrosão se baseia em determinar a diferença de potencial entre o aço da armadura e um eletrodo de referência em contato com o concreto, geralmente situado na superfície. Medindo-se o potencial ao longo da armadura podem-se detectar áreas com altos gradientes, que corresponderão a forças eletromotrizes elevadas e consequentemente a um grande risco de corrosão. Neste ensaio foi usado o equipamento Canin (Corrosion Analysing Instrument), modelo E, marca Proceq (figura 4). O ensaio foi realizado em malhas formadas por quatro quadrados de 25 cm de lado, dispostos nas marquises conforme descrito na introdução do item sobre ensaios não destrutivos. O terminal positivo do voltímetro foi ligado na armadura exposta (na inexistência desta foi feita a conexão em Tabela 4 Tempo de propagação de onda por ultrassonografia nas marquises Tempo de propagação da onda (µ s) 1 159,4 123,3 151,9 98,8 183,7 251,2 101,1 623,70 162,4 0, ,0 119,2 150,2 101,2 183,1 264,2 112,5 0,0 159,8 184, ,2 140,2 152,1 99,2 190,2 162,4 115,1 0,0 158,7 166, ,3 127,4 158,7 98,7 196,9 287,8 114,7 698,9 163,8 197,2 1 µ s= 10-6 s Tabela 5 Velocidade de propagação de onda por ultrassonografia nas marquises. Velocidade da onda (m/s) V= L*/ T , , , , , , ,36 481, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,25 434, , ,30 L = distância entre os transdutores igual a 30 cm T = tempo que a onda leva para percorrer a estrutura (método indireto) Segundo Lorenzi (2003), em um concreto íntegro, a velocidade de propagação da onda é sempre superior a m/s. Assim verificouse que apenas o concreto das marquises 4 e 7 apresentam-se íntegros, já que as demais, pela velocidade detectada, apresentam vazios internos, fissuras e falhas de adensamento do concreto, com especial atenção para as marquises número 6 e 8 que apresentaram velocidade de propagação da onda muito baixa. 6 Téchne 153 DEZEMBRo de 2009 artigo.indd 6 1/12/ :51:14

4 Figura 3 Pacômetro Figura 4 Medidor de potencial de corrosão contatos elétricos são perfeitos. Este método está descrito na ASTM G (1984) e os valores encontrados por ele têm obtido boa correlação, com uma margem de erro de 20%. Neste ensaio foi usado o equipamento ResI-Resistivity Meter, modelo , marca Proceq, sendo necessário antes do seu uso o umedecimento da superfície a ser realizado o ensaio, a fim de se ativar diferenças apreciáveis de leituras nas zonas secas e úmidas. Todas as leituras realizadas foram expressas em KΩ.cm. Tabela 6 Classificação da qualidade do concreto em função da velocidade de propagação da onda ultrassônica Velocidade da onda ultrassônica (m/s) Qualidade do concreto V > Excelente < V < Ótimo < V < Bom < V < Regular V < Ruim grampos metálicos já chumbados na marquise) da marquise, e o terminal negativo no eletrodo de referência (sulfato de cobre), buscando dar continuidade elétrica das armaduras. A superfície do concreto foi umedecida uniformemente, de maneira a se ativar diferenças apreciáveis nas leituras de zonas secas e úmidas. A esponja do eletrodo de referência também foi umedecida em água. Todas as leituras realizadas foram expressas na unidade de mv. Resistividade do concreto A resistividade do concreto é um dos parâmetros que estão relacionados com a velocidade de corrosão das armaduras. Esta é responsável pelo fluxo de íons na solução aquosa dos poros do concreto, pelo que, a umidade dos poros é um fator fundamental para a resistividade (Cost, 1996). Assim como é possível estimar a corrosão pelas armaduras, também se pode fazê-lo pelo concreto, que é o eletrólito do sistema. A determinação direta da resistividade do concreto normalmente é realizada por um método denominado os quatro eletrodos, que foi desenvolvido para a prospecção elétrica geo física e foi adaptado para o concreto para medir a resistividade superficial. A adaptação é devida ao fato de que o método assume como hipótese básica que o meio homogêneo, que se trata de espaço semi-infinito e que os Resultados e discussão Inspeção visual Na inspeção visual foram levantados os problemas mais comuns das marquises e que podem contribuir para o comprometimento da segurança. Na tabela 2 encontram-se relacionados os percentuais para um dos tipos de patologia. Nela pode-se notar que as trincas longitudinais e verticais são as patologias que mais aparecem. A situação crítica foi a marquise 10 que apresentou trincas transversais (que transpassam toda a espessura da estrutura), equidistantes ao longo de todo o seu comprimento. Inspeção detalhada Na inspeção detalhada buscou-se verificar se as características do concreto e das armaduras foram influenciadas ou estavam influenciando as patologias apresentadas. Pacometria Na determinação do cobrimento das armaduras, em algumas lajes ou regiões, não foi possível a determinação na Tabela 7 Potencial de corrosão nas marquises Potencial de corrosão relativo ao eletrodo de referência de cobre/sulfato de cobre (mv) artigo.indd 7 1/12/ :51:18

5 artigo Tabela 8 Resistividade do concreto nas marquises Resistividade do concreto (KΩ.cm) Tabela 9 Recomendação do CEB 192 (1989) para avaliar a probabilidade de corrosão nas armaduras no concreto Resistividade do concreto (KΩ.cm) Taxa provável de corrosão > 20 Desprezível 10 a 20 Baixa 5 a 10 Alta < 5 Muito alta parte superior, onde normalmente encontram-se as armaduras. Nesses casos, o cobrimento foi analisado tendo-se como base a espessura medida da laje. De acordo com a NBR 6118:2003, as marquises em questão enquadramse na classe ambiental II, agressividade moderada e com risco de deterioração pequeno. Para essa classe de agressividade o cobrimento nominal deve ser no mínimo de 25 mm. Na análise do cobrimento das armaduras das marquises, determinada pelo ensaio de pacometria, verificou-se que somente as estruturas 7 e 10 não apresentaram cobrimento insuficiente em nenhum ponto. Sendo o caso mais grave o da marquise 8. Medida da velocidade do pulso ultrassônico Seguindo os procedimentos indicados no item sobre medida de velocidade do pulso ultrassônico, foram obtidos os tempos de propagação de onda por ultrassonografia relacionados na tabela 4. A partir dos tempos medidos e da distância entre as sondas, determinou-se a velocidade de propagação de onda por ultrassonografia nas marquises, obtendo-se os valores indicados na tabela 5. Segundo Lorenzi (2003), em um concreto íntegro, a velocidade de propagação da onda é sempre superior a m/s. Assim verificou-se que apenas o concreto das marquises 4 e 7 apresentam-se íntegros, já que as demais, pela velocidade detectada, apresentam vazios internos, fissuras e falhas de adensamento do concreto, com especial atenção para as marquises número 6 e 8 que apresentaram velocidade de propagação da onda muito baixa. Se analisada a qualidade dos concretos segundo a tabela 6, confirma-se que somente o concreto da marquise 4 pode ser considerado bom, das marquises 2 e 3 regular e os demais ruins. Figura 5 Medidor de resistividade elétrica do concreto Potencial de corrosão Na medição dos potenciais de corrosão, apresentados na tabela 7, para minimizar os efeitos da umidade nos resultados aplicou-se o procedimento descrito no item resistividade do concreto, ou seja, toda a superfície foi umedecida. Entretanto outras variáveis podem ter afetado os resultados, dentre elas, as microfissuras. De acordo com a norma ASTM C , para potenciais de corrosão mais negativo que -350 mv, tem-se uma probabilidade de corrosão de 90%, potenciais de corrosão entre -200 m V e -350 mv indicam uma probabilidade de corrosão incerta, e mais positivo que -200 mv, indicam a probabilidade de corrosão menor que 10%. Neste sentido verificou-se que nenhuma das armaduras das marquises apresenta probabilidade de corrosão da ordem de 90%, com 10% de probabilidade de corrosão temos a marquise 08, a laje 06 com probabilidade de corrosão elevada, porém abaixo de 90%. Todas as demais marquises apresentam probabilidade de corrosão incerta para suas armaduras. Resistividade elétrica Os valores obtidos nas medidas de resistividade do concreto apresentados na tabela 8 demonstram que esse parâmetro varia de um ponto a outro de uma marquise, apesar de ter-se adotado o procedimento de umedecer uniformemente as regiões ensaiadas. O que se pode extrair em relação à uniformidade dos resultados é que, embora variem, no conjunto eles indicam o real estado do concreto de uma marquise e, se eliminados os valores de 8 Téchne 153 DEZEMBRo de 2009 artigo.indd 8 1/12/ :51:22

6 maior dispersão, os restantes caracterizam a região ensaiada. O CEB 192 (1989) propõe que se pode avaliar a probabilidade de corrosão no concreto relacionado com a resistividade do concreto segundo a tabela 9. De acordo com CEB 192 (1989), a marquise 8 apresentou probabilidade de corrosão muito alta (menor que 5 KΩ.cm) e alta (5 a 10 KΩ.cm) em alguns pontos analisados. A marquise 6 e 10 apresentaram probabilidade de corrosão baixa (maior que 20 KΩ.cm), enquanto que as demais marquises apresentaram probabilidade de corrosão desprezível. Considerações finais Pela realização do ensaio de pacometria, houve a constatação de falhas quanto ao cobrimento das armaduras em 80% das marquises analisadas, o que evidencia mesmo para as estruturas com menor idade de construção falha no processo construtivo quanto à adequada posição das armaduras. No ensaio de ultrassonografia verificou-se concreto pouco compacto em também 80% das marquises analisadas, o que mostra concreto pouco adensado, alto grau de fissuras e, portanto, alta probabilidade de percolação de agentes agressivos à integridade da armadura. Já para os ensaios de potencial de corrosão e resistividade elétrica, ficou clara a corrosão das armaduras nas marquises 6 e 8, que têm idade de construção maior e manutenção muito precária. Dessa forma, fica evidente que essas duas marquises devem ser recuperadas com urgência, caso contrário, poderão tornar-se mais um caso de ruína a ser relatado nos noticiá rios do País. Deve-se ressaltar que nenhuma das marquises analisadas apresenta sistema de impermeabilização, a manutenção é precária, nem tampouco é realizada a limpeza, haja vista a quantidade de sujeira encontrada sobre essas marquises. Ao projetar e construir uma marquise, é necessário considerar a incidência muito elevada de acidentes que vêm ocorrendo no Brasil e no exterior. Sendo assim, deve ser dado maior rigor no projeto, na escolha dos materiais, na execução e conservação de marquises, observando os seguintes aspectos: na construção, seguir os projetos estabelecidos e as precauções usuais como as relativas à dosagem e à vibração do concreto; cuidado especial quanto à posição correta da armadura negativa no engastamento. A armadura pode sair de posição, por exemplo, por pisoteamento durante o transporte ou manuseio de equipamentos e de materiais na laje; observar o cobrimento do concreto adequado para proteção da armadura; realizar a cura do concreto adequadamente para evitar fissuras por Leia Mais ACI 228 2R-98 Nondestructive Test Methods for Evaluation of Concrete Structures. ACI Manual of Concrete Practice. American Concrete Institute. Farmington Hills, USA, ASTM C Standard Test Method for Half-Cell Potentials of Uncoated Reinforcing Steel in Concrete. Annual Book of ASTM Standards. American Society For Testing And Materials, Standard Method for Field Measurement of Soil Resistivity Using the Wenner Four-Electrode Method. Annual Book of ASTM Standards, Vol. 03,02. American Society For Testing And Materials Committee G-57. ASTM G 57 78(84) NBR 8802:1994 Concreto Endurecido Determinação da Velocidade de Propagação de Ondas Ultrassônicas. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de Janeiro, NBR 6118:2003 Projeto de Estruturas de Concreto Procedimento. Rio de Janeiro, Perigo Suspenso: Queda de Marquises Alerta para o Risco de Projetos. Revista Téchne. São Paulo, 27 de junho de Suplemento IPT Responde, p J. R. Braguim. Diagnosis and Assessment of Concrete Structures State-of- Art Report. Comite Euro- International Du Beton. Ceb 192. Lausanne, CEB-FIP Strategies for Testing and retração; evitar acúmulo de água de chuva (represamento), que implica sobrecarga não prevista em projeto; uso e ocupação devem ser de acordo com o previsto em projeto. Por último devem-se programar inspeções visuais rotineiras e periódicas na estrutura, nos sistemas de drenagem e de impermeabilização, fazendo os reparos necessários dos danos e deficiências encontrados. Na realização deste trabalho não houve transtorno para os usuários e, por serem ensaios não destrutivos, as lajes continuam no mesmo estado anterior à inspeção. Assessment of Concrete Structures affected by Reinforcement Corrosion Lausanne. CEB-FIP COST 509 Corrosion and Protection of Metals in Contact with Concrete. Draft final report COST 509 Workshop. Edinburgh, Reino Unido, 132 pp Acidentes em Marquises de Edifícios. Acidentes Estruturais na Construção Civil. F. Dorigo, São Paulo, PINI, 1996, v. 1, Capítulo 21, p Proposta de Norma para Inspeção de Marquise. A. M. I Gomes; B. B. Zeferino; L. Z. Castro; F. Linhales; M. M. C. Canut; R. C. Souza; L. G. D. Botelh. Anais do XII Cobreap Congresso Brasileiro de Avaliações e Perícias, Belo Horizonte, IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Aplicação de Testes Ultrassônicos para a Avaliação de Estruturas de Concreto Armado Utilizando Elementos de Inteligência Artificial. A. Lorenzi. Dissertação de Mestrado. Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Maria Proposta de Checklist para a Inspeção de Marquises em Concreto Armado. R. A. Souza; F. A. B. Cordovil. In: VI Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura, 2007, Maringá. 9 artigo.indd 9 1/12/ :51:22

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TOMOGRAFIA ULTRASSÔNICA 3D PARA AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO

UTILIZAÇÃO DE TOMOGRAFIA ULTRASSÔNICA 3D PARA AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO UTILIZAÇÃO DE TOMOGRAFIA ULTRASSÔNICA 3D PARA AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Alexandre Lorenzi alexandre.lorenzi@ufrgs.br Lucas Alexandre Reginato lucas.reginato@ufrgs.br Rafael Burin Fávero rafael.favero@ufrgs.br

Leia mais

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1 Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado Marcelo H. F. de Medeiros 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil RESUMO A

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS

ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS ENGº DANIEL GARCIA DE GARCIA LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA - FORO DA COMARCA PELOTAS PORTO ALEGRE MARÇO DE 2013 DADOS DO SERVIÇO: Cliente: DEAM - TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FORO DA

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian

DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO. Prof. Bernardo F Tutikian DIAGNÓSTICO, ENSAIOS PARA DIAGNÓSTICO E TIPOS DE INTERVENÇÃO Prof. Bernardo F Tutikian Desempenho das Construções Problemas patológicos Quando uma edificação fica doente, ou apresenta algum problema em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO PROTEÇÃO DE ESTRUTURAS CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Referência: Projeto: Data: MD-SPDA CER - BRASIL OUTUBRO/2013 SUMÁRIO 1 GENERALIDADES 2 DESCRIÇÃO DO PROJETO 3

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Ponte de Vitória (ES) é um trabalho pioneiro no Brasil, principalmente

Leia mais

ANÁLISE E PROCEDIMENTOS CONSTRUTIVOS DE ESTRUTURAS DE MARQUISES COM PROPOSTAS DE RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL

ANÁLISE E PROCEDIMENTOS CONSTRUTIVOS DE ESTRUTURAS DE MARQUISES COM PROPOSTAS DE RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL ANÁLISE E PROCEDIMENTOS CONSTRUTIVOS DE ESTRUTURAS DE MARQUISES COM PROPOSTAS DE RECUPERAÇÃO ESTRUTURAL JOÃO CASSIM JORDY (1), LUIZ CARLOS MENDES (2) (1) UFF Eng. MSc., Doutorando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Realização: Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Ricardo Leopoldo e Silva França PALESTRA do Gogó da Ema! Quatro apresentações,

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Engenharia Diagnóstica

Engenharia Diagnóstica Engenharia Diagnóstica Ensaios Não Destrutivos - END Concreto Armado e Instalações PATOLOGIAS, DANOS E ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENG. LEONARDO MEDINA ROSARIO,ESP,MBA Engenharia Diagnóstica

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL: ESTUDO DE CASO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, CRICIÚMA - SC

INSPEÇÃO PREDIAL: ESTUDO DE CASO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, CRICIÚMA - SC RESUMO INSPEÇÃO PREDIAL: ESTUDO DE CASO DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL, CRICIÚMA - SC Anderson dos Santos Costa (1), Evelise Chemale Zancan (2); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)andersoncric@hotmail.com.br,

Leia mais

3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE. José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3)

3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE. José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3) 3ª PONTE DE VITÓRIA MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO PERMANENTE José Eduardo de Aguiar (1); Djardiere Dalvi (2); Abdias Magalhães Gomes (3) (1) Engenheiro civil, Recuperação Serviços Especiais de Engenharia

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL

UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES UTILIZAÇÃO DO ENSAIO DE ULTRASSONOGRAFIA PARA A INVESTIGAÇÃO DE PATOLOGIA ESTRUTURAL Rodrigo Moysés Costa (1); Ubirajara Alvim Camargos (2) (1) Professor Doutor, Departamento

Leia mais

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INCIDÊNCIAS PATOLÓGICAS EM FACHADAS E ÁREAS COMUNS DE EDIFICAÇÕES PARA ENSINO CASO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO PADARATZ, Ivo J. (1); CANOVA, José A. (2); DE MORI, Luci M. (3);

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

MANUTENÇÃO DAS ESTRUTURAS METALICAS COM UTILIZAÇÃO DOS ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

MANUTENÇÃO DAS ESTRUTURAS METALICAS COM UTILIZAÇÃO DOS ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS MANUTENÇÃO DAS ESTRUTURAS METALICAS COM UTILIZAÇÃO DOS ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS RESUMO. Engº. Fabio Gomes da Costa; M.Sc* *Engenheiro Civil Pós-Graduado Engenharia e Ciências dos Materiais e Processos Metalúrgico

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DEDISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: REVISÃO: PAGINA: 1/33 A P R E S E N T A Ç Ã O Esta Norma fixa as características básicas de poste de concreto

Leia mais

MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL IMPLEMENTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO BÁSICO PARA O ENSAIO DE DESEMPENHO DE EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO

Leia mais

! "#$%" & & '!' ( 1 2 3 ( ( )* +, ) -. / 0

! #$% & & '!' ( 1 2 3 ( ( )* +, ) -. / 0 ! "#$%" &&'!' (123 (()*+,)-./ 0 !""#$% # &!""'( )*!!""$+,%$) -!!""./ (!""$+$) -!""* *!""012 0"!""./ (!""3!""2 4!""0. ) 5!6 76 ". ) 1 1 7# 85 )!""2 7 * 9'!: 0# $ ;5!

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA FISSURAÇÃO DE REVESTIMENTOS NA DURABILIDADE DE PILARES DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS Turíbio J. da Silva (1); Dogmar A. de Souza Junior (2); João F. Dias (3); Gercindo Ferreira (4)

Leia mais

Universidade Federal de Goiás (CMEC/EEC/UFG), ds.andrade@hotmail.com; 2 Professor Titular do CMEC/EEC/UFG, epazini@eec.ufg.br

Universidade Federal de Goiás (CMEC/EEC/UFG), ds.andrade@hotmail.com; 2 Professor Titular do CMEC/EEC/UFG, epazini@eec.ufg.br CORRELAÇÃO ENTRE A VELOCIDADE DA ONDA ULTRASSÔNICA E A RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E O MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DE TESTEMUNHOS DE CONCRETO EXTRAÍDOS DE UMA ESTRUTURA DE 60 ANOS: ESTUDO DE CASO DO ESTÁDIO MARACANÃ

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

ESTUDO DA DETERIORAÇÃO DE MARQUISES DE CONCRETO ARMADO NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA E BAMBUÍ.

ESTUDO DA DETERIORAÇÃO DE MARQUISES DE CONCRETO ARMADO NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA E BAMBUÍ. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ESTUDO DA DETERIORAÇÃO DE MARQUISES DE CONCRETO ARMADO NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA E BAMBUÍ. MARCO ANTÔNIO DO CARMO UBERLÂNDIA, 03 DE JULHO DE 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

Leia mais

Instrumentos de análise da corrosão

Instrumentos de análise da corrosão corrosion analysis Instrumentos de análise da corrosão Todas as estruturas de concreto estão sujeitas a influências agressivas que, com o tempo, causam desgaste. São especialmente suscetíveis as estruturas

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL COTEQ A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL Hermann Schubert 1, Edvaldo H. K. Ide 2, Higor Gerbovic 3, Reginaldo Luz 4, Ronaldo K. Shiomi 5 Copyright 2011, ABENDI. Trabalho apresentado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

ANÁLISE DO ALCANCE DA AGRESSIVIDADE PROVOCADA PELOS ÍONS CLORETOS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE DO ALCANCE DA AGRESSIVIDADE PROVOCADA PELOS ÍONS CLORETOS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO II Workshop Mudanças Climáticas e Impactos sobre Regiões Costeiras Litoral Norte de São Paulo ANÁLISE DO ALCANCE DA AGRESSIVIDADE PROVOCADA PELOS ÍONS CLORETOS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Mestrando:

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES

CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES CICLO DE PALESTRAS OBRAS EM CONDOMÍNIOS: PRECAUÇÕES E RESPONSABILIDADES INSPEÇÃO PREDIAL CHECK UP E PREVENÇÃO DE ACIDENTES IBAPE/SP Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia de São Paulo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: setembro/08 FOLHA : 1 / 6 FURAÇÃO DA CRUZETA

Leia mais

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS Marcos Alberto da Silva Figueredo SGS DO BRASIL LTDA. Trabalho apresentado na 6a COTEQ Conferência

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) Critérios de Avaliação Fabril Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) O presente subitem tem como objetivo orientar fabricantes de artefatos de concreto para redes de distribuição

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

FALHA DE CONSTRUÇÃO ou FALTA DE MANUTENÇÃO?

FALHA DE CONSTRUÇÃO ou FALTA DE MANUTENÇÃO? FALHA DE CONSTRUÇÃO ou FALTA DE MANUTENÇÃO? UBIRAJARA ALVIM CAMARGOS Engenheiro civil Especialista em Estruturas Áreas de atuação : Recuperação de estruturas Patologia das construções uac.bh @ terra.com.br

Leia mais

PATOLOGIAS QUE COMPROMETEM A DURABILIDADE DO CONCRETO EM GALERIAS DE ÁGUAS PLUVIAIS

PATOLOGIAS QUE COMPROMETEM A DURABILIDADE DO CONCRETO EM GALERIAS DE ÁGUAS PLUVIAIS PATOLOGIAS QUE COMPROMETEM A DURABILIDADE DO CONCRETO EM GALERIAS DE ÁGUAS PLUVIAIS José Eduardo de Aguiar Recuperação Serviços Especiais de Engenharia RESUMO: O objetivo deste trabalho é mostrar as principais

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

Manifestações Patológicas em laje de cobertura: estudo de caso

Manifestações Patológicas em laje de cobertura: estudo de caso TEMA 1 - Patologia das construções Manifestações Patológicas em laje de cobertura: estudo de caso Profa. Dra. Sandra Maria de Lima,a, Graduando Tecgo. Controle de Obras Wilson Gomes Siqueira,b 1,2 Instituto

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

MANUAL DE ENGENHARIA

MANUAL DE ENGENHARIA 02.04.2007 1/6 1. OBJETIVO Esta especificação padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas de concreto armado destinadas ao suporte

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS

INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS INSPEÇÃO DE TUBOS DE TROCADORES DE CALOR E DE CALDEIRAS COM AS TÉCNICAS IRIS E CAMPO REMOTO CONJUGADAS Marcos Alberto da Silva Figueredo SGS DO BRASIL LTDA Rua São Januário, 187 São Cristóvão Rio de Janeiro

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo

localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Inspecções e ensaios não destrutivos em pontes localizadas em ambientes agressivos Casos de estudo - Pontes localizadas em ambiente marítimo Duarte Abecasis, Tiago Ribeiro OZ, Lda. Ambientes agressivos

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

A PREVISÃO DA VIDA ÚTIL DA 3ª PONTE DE VITÓRIA

A PREVISÃO DA VIDA ÚTIL DA 3ª PONTE DE VITÓRIA Resumo A PREVISÃO DA VIDA ÚTIL DA 3ª PONTE DE VITÓRIA José Eduardo Aguiar (1) ; Abdias M. Gomes (2) ; Turibio J. Da Silva (3) (1) Engenheiro civil, Recuperação Ltda Rua: Paulo Afonso, 146 30350-060- Belo

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA

HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA 1 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA HOSPITAL MUNICIPAL DE MARACANAU CEARÁ HOPSITAL DR. JOÃO ELÍSIO DE HOLANDA ENFERMARIA Foto 1. Lateral do antigo Centro Cirúrgico. Abril de 2012 2 INTRODUÇÃO Fundado em 4 de junho

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

D E P E R Í C I A T É C N I C A

D E P E R Í C I A T É C N I C A MOACYR MOLIINARII perito engenheiro L A U D O D E P E R Í C I A T É C N I C A Que faz MOACYR MOLINARI, brasileiro, casado, residente à rua, Curitiba-PR, professor universitário e engenheiro civil, portador

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda. LPgomes@iecengenharia.com.br www.iecengenharia.com.br

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO Resumo A utilização de estruturas pré fabricadas em concreto está numa crescente nesses últimos anos. Para a ABCIC (Associação

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2

Doutorando do Departamento de Construção Civil PCC/USP, São Paulo, SP paulo.barbosa@poli.usp.br 2 Influência de ciclos de molhamento e secagem, da altura e do posicionamento de pilares no teor de íons cloreto presentes no concreto de estrutura com 30 anos de idade Paulo Barbosa 1, Paulo Helene 2, Fernanda

Leia mais

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DAS GEOMEMBRANAS POLIMANTA

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DAS GEOMEMBRANAS POLIMANTA 32 CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DAS GEOMEMBRANAS POLIMANTA 1. Introdução Este capítulo tem por objetivo informar e recomendar os procedimentos corretos a serem adotados na instalação da POLIMANTA, não se tratando,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA

ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA A CONSTRUÇÃO DE MALHAS DE ATERRAMENTO NUM SOLO COM ALTA RESISITIVIDADE ELÉTRICA Kaisson Teodoro de Souza, Msc; Ricardo Frangiosi de Moura,Msc; Gabriel Cintra Escola Técnica

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia.

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia. Investigação dos Agentes Causadores de Corrosão nas Armaduras em Pontes de Concreto na Região do Curimataú Oriental Paraibano. Túlio Raunyr Cândido Felipe 1, Maria das Vitorias do Nascimento 2, Weslley

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 POSTE DE AÇO QUADRADO PARA ENTRADA DE CLIENTES 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.001 01 APROVADO POR PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO...

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO

Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Ensaios Não Destrutivos END CONCRETO ARMADO Engenharia de Diagnóstico A engenharia Diagnóstica é a disciplina da ciência que procura a natureza e a causa das anomalias patológicas das construções, com

Leia mais

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO

TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO TT32 REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO GILBERTO COURI ENGENHEIRO CIVIL (PUC/RJ), MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA (PUC/RJ), DOUTORADO EM ENGENHARIA (COPPE/UFRJ). PROFESSOR TITULAR NA FACULDADE DE

Leia mais

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: ECC 1008 Estruturas de Concreto DESENHOS DE FORMAS ESTRUTURAIS EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO

MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO MFL DE ALTA RESOLUÇÃO PARA CHAPAS DE FUNDO E TETO DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO Certificada ISO 9001:2008 1 A técnica de MFL consiste na magnetização com imãs permanentes poderosos capazes de criar um campo

Leia mais

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS

PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS Setembro, 2009 PATOLOGIAS NOS SISTEMAS DE REVESTIMENTOS DE FACHADAS 1 O QUE NÃO QUEREMOS: O QUE NÃO QUEREMOS, MESMO!! 2 NUNCA!!!! JAMAIS! 3 NA MINHA OBRA NÃO! Fonte:FUMEC É CADA UMA... 4 JÁ? TÃO CEDO...

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL ENGENHARIA DIAGNÓSTICA

LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL ENGENHARIA DIAGNÓSTICA LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL ENGENHARIA DIAGNÓSTICA SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 Dos dados 1.2 Identificação do imóvel 1.3 Tipologia 2. OBJETIVOS 2.1 Critérios utilizados 2.2 Nível de inspeção

Leia mais

DNIT. Dispositivos de segurança lateral: guarda-rodas, guarda-corpos e barreiras Especificação de serviço NORMA DNIT 088/2006 ES

DNIT. Dispositivos de segurança lateral: guarda-rodas, guarda-corpos e barreiras Especificação de serviço NORMA DNIT 088/2006 ES DNIT NORMA DNIT 088/2006 ES Dispositivos de segurança lateral: guarda-rodas, guarda-corpos e barreiras Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança KNAUF SAFEBOARD HOMOLOGADO IRD-CNEN Nº 140312 Knauf Folheto Técnico 08 / 2014 Knauf Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança Estabilidade e blindagem de ambientes submetidos à radiação

Leia mais

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

INSPEÇÃO E MONITORAMENTO DE EDIFÍCIOS COM ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO INFORMAÇÕES OBJECTIVOS Detalhar e analisar a inspeção de edifícios, avaliando os fatores que a influenciam e as ferramentas disponíveis. Dar a conhecer os diferentes tipos de ensaios experimentais em edifícios,

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA NO ESTÁDIO OCTÁVIO MANGABEIRA

RELATÓRIO VISTORIA NO ESTÁDIO OCTÁVIO MANGABEIRA RELATÓRIO DE VISTORIA NO ESTÁDIO OCTÁVIO MANGABEIRA Nº. 004/2007 1 RELATÓRIO DE VISTORIA Salvador, 27 de novembro de 2007. 1 - SOLICITANTE: Presidência do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA PRAÇA XV DE NOVEMBRO

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA PRAÇA XV DE NOVEMBRO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE SUPERVISÃO DE PARQUES PRAÇAS E JARDINS DIVISÃO DE PROJETOS E CONSTRUÇÃO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA

Leia mais