Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS"

Transcrição

1 Perfilagem Geofísica Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS 2013

2 Sumário: 1.Introdução 2.Resumo de propriedades físicas de rochas e minerais relacionadas com perfilagem geofísica 3.Generalidades 4.Perfil de Radiação Gama Natural 5.Perfil de Densidade 6.Perfil de Neutrons 7.Perfil de Resistividade 8.Perfil de Indução 9.Perfil Sônico 10.Perfil de Caliper 11.Perfil de Susceptibilidade Magnética 12.Exemplos de Aplicações 13.Referências Anexos (sondas do LPM)

3 1.INTRODUÇÃO

4 1.Introdução Perfilagem geofísica é a ciência de registrar e analisar medidas em poços ou furos de sondagem para determinar propriedades físicas e químicas de solos e rochas situadas nas vizinhanças dos furos de sondagem.

5 Este texto é destinado principalmente aos fundamentos de perfilagem, com ênfase em aplicaçõ ções não-petróleo (como na prospecção de carvão, minério de ferro e outros estudos).

6 Alguns dos objetivos da técnica de perfilagem geofísica: -identificação estratigráfica; de litologias e correlação -determinação de espessura de estratos, porosidade, saturação de fluidos, permeabilidade, densidade (massa específica), propriedades mecânicas de rochas, movimentação e características físico-químicas das águas subterrâneas; -caracterização de fraturas e porosidade secundária; -verificação de aspectos construtivos (integridade) de poços.

7 Benefícios/vantagens do uso da perfilagem geofísica -A perfilagem fornece registros praticamente contínuos das propriedades d in situ de solos e rochas; -Em furos de sondagem com baixas recuperações de testemunhos, é possível remediar esta dificuldade usando-sese informações vindas da perfilagem para inferir o comportamento das rochas em trechos não recuperados satisfatoriamente;

8 -Em poços de petróleo, onde não é possível extrair testemunhos ao longo de todo o furo, a perfilagem é uma grande fonte de informações sobre as litologias, inclusive originando parâmetros usados na avaliação econômica dos poços.

9 -A aplicação repetitiva dos perfis (também denominados logs ) fornece a base para medidas de mudanças em sistemas de águas subterrâneas ao longo do tempo. Mudanças em aquíferos, como na porosidade ou na qualidade da água, salinidade ou temperatura, podem ser acompanhadas pela técnica geofísica. Assim, logs podem ser usados para estabelecer características básicas de aquíferos e determinar se degradação está ocorrendo. -Sondas de perfilagem investigam um volume de rocha várias vezes maior que o amostrado por testemunhos de sondagem ou gerado pela coleta de fragmentos de perfuração.

10 -Perfis geofísicos (p.ex. acústicos, resistividade, id d susceptibilidade magnética, densidade) fornecem dados detalhados que são usados na interpretação de métodos geofísicos de superfície. -Correlação estratigráfica éum uso comum dos logs, que também permitem extrapolação lateral de características litológicas a partir de furos de sondagem testemunhados. Deste modo, a perfilagem pode ser usada para reduzir a necessidade da perfuração de furos testemunhados.

11 Limitações da perfilagem geofísica -Perfilagem não substitui completamente a amostragem direta. Algumas informações da geologia local sempre são necessárias em cada nova área, para auxiliar o analista dos logs. -Logs não tem resposta única (várias litologias apresentam comportamento similar em relação a um parâmetro físico). -Para maximizar o aproveitamento dos logs, pelo menos um furo com amostragem direta deve ser perfurado em cada nova situação geológica. Análise de laboratório de amostras é essencial para calibração direta dos logs ou para checar a calibração feita por outros meios.

12 -Apesar da existência de muitos recursos de interpretação para a definição de propriedades físicas e químicas essenciais, os registros geofísicos ainda são afetados por muitas variáveis não completamente entendidas. -O bom entendimento da teoria e princípios de operação do equipamento de perfilagem é essencial para o analista de perfis, que precisa reconhecer as situações onde os registros não são confiáveis.

13 Custos de perfilagem -Os custos de perfilagem são, naturalmente, significativamente ifi i mais baixos que os da perfuração com extração de testemunhos de sondagem; -Os custos de perfilagem podem ser reduzidos executando-se unicamente os perfis que proporcionam as informações mais úteis e confiáveis.

14 Planejando uma campanha de perfilagem -Uma das mais difíceis questões de planejamento é decidir quais logs fornecerão as melhores informações, para acapacidade de investimento disponível. Neste processo de decisão, algumas perguntas importantes devem ser respondidas: Quais são os objetivos do projeto? Qual são as características geológicas e hidrológicas gerais da área de interesse? Quantos furos testemunhados serão feitos, e com quais profundidades? Quais perfis serão executados e quem fará a analise de registros? Quais são as limitações financeiras do projeto?

15 -Do ponto de vista da seleção dos perfis que devem ser executados em um dado projeto, a tabela do slide a seguir fornece um conjunto de informações úteis para uma escolha inicial.

16 Carta para seleção de perfis geofísicos

17 Informações necessárias para a identificação e interpretação de perfis O conjunto de informações necessárias para a perfilagem pode ser dividido em dois grupos: informações sobre o furo de sondagem e dados relacionados ao equipamento esua operação. a)denominação do furo b)localização c)empresa responsável pela execução do furo d)técnica de perfuração (rotativa, roto-percussiva percussiva, equipamento de testemunhagem, etc.) e)profundidade total do furo e inclinação f)cota da boca do furo g)descrição completa do revestimento, tipo, espessura, diâmetro e intervalos de colocação

18 Informações necessárias... h)localização de intervalos com cimentação i)diâmetros de perfuração do furo j)tipo de fluido de usado na perfuração e tipo de fluido presente na perfilagem l)tipo de perfil geofísico (incluindo acessórios como centralizadores, tipo de fonte, etc.) e data de execução m)operadores do equipamento de perfilagem e auxiliares n)velocidade de perfilagem o)registros de calibrações de sondas p)outros registros, como p. ex. problemas ou respostas incomuns observadas durante a perfilagem.

19 Análise de perfis geofísicos O processo de análise de perfis pode ser constituído pelas seguintes etapas... - processamento de dados, o que inclui ajuste de profundidade, união (merge) de todos os logs eoutros dados (p.ex. geológicos) de um furo de sondagem, edição e suavização dos registros; - correção dos efeitos do poço e outros êrros; - conversão dos registros geofísicos em parâmetros de interesse em engenharia e geologia (como porosidade, densidade, etc.);

20 ...cont -combinação de logs eoutras informações de furos de sondagem, para fazer extrapolações laterais de parâmetros, afim de construir seções e mapas.

21 ...cont Análise qualitativa: Os perfis foram primeiramente i usados para identificar tipos de rochas e fluidos, sua correlação (extensão) lateral ea seleção de intervalos de interesse para o projeto (no caso de petróleo - intervalos para completação do poço, para água subterrânea - intervalos de captação de água, na mineração - intervalos de enriquecimento em minerais de valor). A análise qualitativa é baseada essencialmente no conhecimento da geologia local ena resposta local dos perfis. A interpretação litológica precisa ser comparada com dados de outras fontes (testemunhos de sondagem, p.ex.) pois logs geofísicos não tem resposta única. A acuracidade da interpretação qualitativa em geral aumenta com o número de furos de sondagem perfilados em uma área.

22 ...cont Análise quantitativa: A obtenção de dados quantitativos é um importante objetivo para muitos projetos de perfilagem. Para isto vários procedimentos de calibração e padronização devem ser efetuados, de acordo com a propriedade física cujos registros estão sendo colhidos. Em geral, se as rochas sendo perfiladas não são as mesmas nas quais os equipamentos foram calibrados, testemunhos devem ser usados para validar os registros dos logs. As medidas devem também ser corrigidas quanto ao diâmetro do furo, tipo de fluido, etc. (há correções específicas, conforme olog) log).

23 ...cont Registros de logs são de valor questionável se: - o diâmetro do furo é significativamente diferente do nominal, -se a espessura do estrato geológico cuja propriedade deseja-se inferir for menor ou igual ao volume de investigação da sonda.

24

25 Equipamentos de perfilagem geofísica Para os propósitos p deste curso, ou seja, aplicações não-petróleo (às vezes denominadas Slimline Logging), em furos de pequena profundidade e diâmetro, usam-se se equipamento de pequeno porte, envolvendo as seguintes partes -guincho -unidade de aquisição de dados -computador (notebook) -sondas de perfilagem -veículo para transporte em configurações

26 Equipamentos transporte de perfilagem em veículo de

27 Guincho Sondas de perfilagem Unid. aquisição de dados

28 Equipamentos Um conjunto típico de perfilagem para pequenas profundidades (p.ex ex. furos com comprimento até 200 metros, com diâmetro inferior a 100mm) contando com duas ou três sondas, pode pesar algo em torno de 200 kg. As sondas são peças metálicas cilíndricas com diâmetro em torno de 50 a60mm, comprimento variável de 1.5 a3.0 metros, pesando entre 10 e30 kg.

29 Equipamentos Nos slides a seguir são apresentadas as dimensões de uma sonda de densidade slimline (figura A) e sonda de densidade e neutron para uso em poços de petróleo (Halliburton figura B).

30 Figura A

31 Figura B Spectral Density Log (SDL ) Tool HALLIBURTON

32 Execução da perfilagem -Um perfil de furo de sondagem (poço) é a imagem, ao longo da profundidade, de uma ou mais características ou propriedades de uma estratigrafia interceptada pelo furo. -O registro de perfilagem em geral é obtido com a movimentação da sonda a partir do fundo do furo, finalizando a aquisição na superfície. -Em uma mesma sonda, mais de um parâmetro pode ser medido. -O tempo de perfilagem pode ser estimado com base numa velocidade de coleta de dados de 3a5 metros/min, acrescido do tempo de preparação dos equipamentos.

33 Exemplo de dados coletados com sonda de perfilagem...

34

35 2.RESUMO DE PROPRIEDADES FÍSICAS DE ROCHAS E MINERAIS RELACIONADAS COM PERFILAGEM

36 2.1 MASSA ESPECÍFICA (ρ): No SI, a massa específica é expressa em kg/m 3. Em termos gerais, rochas da crosta terrestre possuem massa específica variando entre 1000 e 3000kg/m. Diversos minerais podem, individualmente, apresentar valores acima de 3000kg/m. Exemplos importantes são os minerais de ferro hematita, magnetita e martita (4900 a 5200kg/m 3 ). Além da composição mineralógica, espaços vazios causados pelos diversos processos geológicos eotipo de preenchimento destes vazios também controlam a massa específica dos materiais da crosta. A tabela do próximo slide apresenta uma relação de materiais geológicos juntamente com as respectivas massas específicas.

37 MASSA ESPECÍFICA (ρ)

38 2.2 POROSIDADE (φ): É uma propriedade d importante t das rochas, pois mede a sua capacidade de armazenamento de fluidos. É definida como a relação entre ovolume de espaços vazios (Vv) de uma rocha e o volume total (Vt) da mesma, expressa em percentagem. φ = (Vv/Vt) x 100% Exemplos de porosidades observadas em litologias diferentes

39 - Porosidade primária é aquela que a rocha adquire durante a sua deposição. Exemplo: porosidade intergranular dos arenitos ea porosidade interpartículas dos calcários. - Porosidade secundária é aquela resultante de processos geológicos subseqüentes à conversão dos sedimentos em rochas. Exemplo: fraturas em rochas eas cavidades devidas à dissolução em calcários.

40 A porosidade absoluta leva em conta ovolume total de vazios presentes na rocha, enquanto que a porosidade efetiva é expressa a quantidade de poros interconectados e que podem transmitir fluidos ou corrente elétrica. Os principais fatores que afetam a porosidade de rochas porosas como os arenitos são: -Grau de seleção e irregularidade dos grãos -Arranjo dos grãos -Cimentação -Compactação -Conteúdo de argila

41 2.3 PERMEABILIDADE (k): Permeabilidade absoluta de um meio poroso é a capacidade de escoar fluidos em seus poros interconectados e/ou fraturas, desde que o meio poroso esteja 100% saturado com este fluido. Permeabilidade relativa é a capacidade de escoar um fluido na presença de um outro. Apesar de ser aparentemente simples a definição da permeabilidade, ela é na realidade bastante complexa. A vazão do fluido aumenta a proporção que aumenta o diferencial de pressão exercido sobre o mesmo. Por outro lado, esse fluido terá maior dificuldade em escoar através da rocha, na proporção em que sua viscosidade aumenta.

42 2.4 PROPRIEDADES ELÉTRICAS A resistência elétrica de um material é definida como sendo a habilidade daquela substância em impedir passagem de corrente elétrica. A resistência i (r) () de um condutor é diretamente t proporcional ao comprimento (L), a ser percorrido pela corrente elétrica, e inversamente proporcional a área (A) atravessada. Isto é: r =R L /A. A constante (R) introduzida nesta equação é denominada resistividade. Como a unidade de resistência éohm, a unidade de resistividade será portanto: Ohm x m 2 /m (Ohm-m) m). A condutividade id d elétrica (σ) é definida id como o inverso da resistividade: σ = 1 / R. No sistema SI, a condutividade é dada em (Ohm-m) m) - 1 ou siemens/metro (S/m).

43 PROPRIEDADES ELÉTRICAS No caso das rochas, sendo sua matriz geralmente formada de minerais não condutivos de eletricidade, tais como silicatos, óxidos ou carbonatos, a condutividade elétrica é devida à presença de fluidos condutivos (eletrólitos) nos poros. Uma rocha se torna mais condutora da corrente elétrica, quanto maior for a interconexão entre seus poros ea concentração iônica dos fluidos. Fluidos isolantes, tais como água doce, óleo e/ou gás, torna a rocha menos condutiva.

44 PROPRIEDADES ELÉTRICAS Minerais bons condutores de eletricidade, em geral metálicos, ocorrem dispersos nas rochas e em pequena quantidade, tendo pouca participação nas propriedades elétricas das mesmas. Já as argilas, por serem volumetricamente mais importantes e por apresentarem elevada quantidade de cátions em sua superfície externa, aumentam a condutividade das rochas. Os condutores metálicos permitem a passagem de corrente elétrica através da transferência de elétrons de seus átomos, enquanto que nas rochas ela é geralmente transmitida por meio da livre movimentação iônica, isto é, eletroliticamente. li i

45 PROPRIEDADES ELÉTRICAS Alguns exemplos de resistividades de rochas presentes na crosta (observe a ampla faixa de valores possíveis para uma mesma litologia). l i

46 SALINIDADE E TEMPERATURA Em uma rocha a condução da corrente elétrica é feita de maneira eletrolítica. O material que conduz a corrente é a água entre os poros contendo maior ou menor quantidade de sais ou íons dissolvidos. Os íons resultam da dissociação dos sais na água intersticial i i das rochas (água de formação). O mais abundante deles é o cloreto de sódio. Em água, o NaCl dissocia-sese em Na+ ecl-. Éo movimento desses íons positivos e negativos que permite a solução salina conduzir eletricidade. Desde que cada íon conduz uma quantidade finita de cargas elétricas, subtende-sese que quanto mais íons em uma solução maior será asua condutividade, ou menor asua resistividade. Assim, o primeiro conceito na interpretação de perfis, considerando-sese os demais fatores equilibrados, é relativo à quantidade de sais dissolvidos. id

47 SALINIDADE... A temperatura da solução é também de grande importância. A viscosidade do fluido diminui a proporção que a temperatura aumenta, ficando os íons cada vez mais livres. Assim, as soluções eletrolíticas líti apresentam maiores condutividades em temperaturas mais elevadas.

48 FATOR DE FORMACÃO Suponha a rocha como se fosse uma caixa cheia de água de resistividade igual a Rw. A porosidade desta caixa será 100% (φ =1). Ao se colocar grãos de sílica (isolante elétrico) dentro da caixa, verifica-se que a resistividade da mesma (Ro) aumentará proporcionalmente ao número de grãos, enquanto que diminui, também proporcionalmente, sua porosidade. Ou seja, Ro varia na razão direta da resistividade da água (Rw) e inversa da porosidade (φ). Em relação às resistividades, verifica-se que: Ro = F x Rw sendo F = Fator de Formação; Ro = Resistividade de uma rocha saturada de água; Rw = Resistividade da água que satura essa rocha. Quando a porosidade for igual a1(ou 100%), Ro =Rw ef=1.

49 FATOR DE FORMACÃO Em relação à porosidade, verifica-se que: F=a / φ m ; sendo a= coeficiente litológico ou de tortuosidade; m= coeficiente de cimentação; φ = porosidade. Conclui-se, que o fator de formação (F) de uma rocha está relacionado com: A resistividade da rocha saturada por fluido qualquer; A resistividade do fluido que satura a rocha; A porosidade da rocha; A litologia l i e/ou tortuosidade t d de seus capilares condutivos.

50 Alguns valores de a em em litologias 0.62 < a < < m < 2.15 A relação F = Ro / R w = a / φ m é válida considerando-se se rochas porosas, com matriz de alta resistividade, sem argilas e saturação de água nos poros igual a 100%. Para um mesmo tipo litológico gico, a e m são constantes.

51 RESISTIVIDADE DE UMA ROCHA SATURADA DE ÁGUA (Ro Ro) SATURAÇÃO FLUIDA: O espaço poroso de uma rocha está preenchido por fluidos: água intersticial (ou de formação) e/ou hidrocarbonetos. A fração do volume de poros ocupados por água é definida como saturação em água (Sw). Assim, Sw +So =1. Caso os poros de uma rocha estejam com 1/4 de água e 3/4 de óleo, asw será de 25% enquanto que a saturação em hidrocarbonetos (So) será de 75%.

52 RESISTIVIDADE DE UMA ROCHA CONTENDO HIDROCARBONETOS (Rt) No caso em que a rocha contenha gás, óleo e/ou água misturados em seus poros, a resistividade dessa rocha aumentará consideravelmente devido a capacidade isolante da fração hidrocarboneto. Quanto maior for a quantidade de hidrocarboneto isolante maior a dificuldade da corrente elétrica para atravessar um certo volume dessa rocha. Rt é uma função de Ro: caso uma rocha tenha somente água salgada em seus poros, uma substituição parcial dessa água por óleo, aumentará a resistividade dessa mesma rocha. Esta relação (Lei de Archie) possui a forma : Rt = a Rw / (φ m Sw n ) ; onde n éum coeficiente de proporcionalidade denominado de coeficiente de saturação. Em geral, n=2.

53 2.5 PROPRIEDADES ACÚSTICAS DE ROCHAS Ondas sísmicas viajam com diferentes velocidades, dependendo do meio em que se propagam. São mais rápidas nos sólidos do que nos líquidos e gases. Caso um meio qualquer seja composto de materiais sólidos, líquidos e gasosos (como as rochas), a velocidade de propagação depende diretamente da proporção de cada um de seus componentes. Onda Compressional ou onda P: a oscilação das partículas se processa na direção da propagação.

54 PROPRIEDADES ACÚSTICAS DE ROCHAS Onda Cisalhante ou onda S: aoscilação das partículas se processa perpendicularmente à direção de propagação. Esta onda é própria dos corpos sólidos porque eles resistem às tensões de cisalhamento, o que não acontece nos líquidos ou gases. Vp (velocidade de onda P) será sempre maior do que Vs (velocidade de onda S) para um mesmo meio considerado. d Geralmente se diz que: Vp 2 Vs.

55 PROPRIEDADES ACÚSTICAS Exemplos de velocidades de propagação de onda P e S em materiais diversos...

56 PROPRIEDADES ACÚSTICAS A propagação de uma onda sonora através de um corpo poroso, como uma rocha, é modificada por várias razões, sendo as principais: -o tipo do material sólido (litologia litologia) l i -a porosidade da rocha -o tipo do fluido contido nos poros. Assim, otempo gasto por uma onda para percorrer um trajeto fixo e bem definido de uma rocha qualquer pode conduzir a determinações quantitativas da porosidade dessa mesma rocha. A atenuação de uma onda sonora através de um meio, éa medida da mudança de sua amplitude por unidade de distância.

57 PROPRIEDADES ACÚSTICAS A resistência da rocha e constantes elásticas (UCS, módulo de Young, módulo de Poisson, etc.) também está relacionada com a propagação de ondas sísmicas. Tais informações são essenciais para projetos de escavações em céu aberto e subterrâneas (estabilidade de taludes, túneis, métodos de fragmentação de rocha com ou sem uso de explosivos, etc.). Rochas com menor competência caracterizam-se por apresentar módulos de Young, Shear e Bulk baixos, ao mesmo tempo em que omódulo de Poisson é alto.

58 Módulo de Young (E): É a relação tensão/deformação ã existente em uma compressão (ou expansão) linear simples. Módulo de Poisson (λ): É a relação entre deformação lateral e deformação axial existente em uma compressão linear.

59 Equações para os módulos mecânicos:

60 2.6 PROPRIEDADES RADIOATIVAS DAS ROCHAS Basicamente um átomo consiste de: -Nêutrons de massa igual a 1 U.M.A. e nenhuma carga elétrica; -Prótons Pót de massa igual a 1 U.M.A. e carga elétrica positiva; -Elétrons negativa. com massa desprezível e carga elétrica O número de massa (A) representa onúmero de prótons e nêutrons existente no núcleo. O número atômico (Z) indica a quantidade de prótons do núcleo ou de elétrons da eletrosfera. Chama-se de isótopo aos diferentes estados de um elemento qualquer onde se observam valores diferentes de A enquanto Z permanece inalterado.

61 PROPRIEDADES RADIOATIVAS DAS ROCHAS Alguns isótopos são estáveis, enquanto que outros, instáveis, trocam naturalmente de estrutura e emitem energia em forma de radiações, transformando-se se em elementos diferentes. A maior parte da energia liberada por estes núcleos, durante sua fase de instabilidade temporária, consiste de: Radiações ALFA de natureza positiva, possuem 4 vezes a massa do próton. Devido a sua grande massa, penetram apenas algumas folhas de papel. Radiações BETA de natureza negativa, são elétrons de pequena massa, sendo portanto t facilmente desviados d pelos campos magnéticos. Podem penetrar vários milímetros em alumínio.

62 PROPRIEDADES RADIOATIVAS DAS ROCHAS Raios GAMA - não são desviados pelos campos magnéticos por não possuírem carga. São radiações eletromagnéticas similares às ondas de luz e de rádio. Penetra espessos materiais e é absorvido apenas por várias polegadas de chumbo. Destas radiações, apenas a GAMA é detectada pelos equipamentos normais de perfilagem e usada em interpretações litológicas, devido à sua alta capacidade de penetração em materiais densos.

63

64 Algumas respostas típicas de perfilagem...

65 Algumas respostas típicas de perfilagem...

66 3.GENERALIDADES

67 Invasão de formações porosas pelos fluidos de perfuração A lama de perfuração, ao penetrar em estratos porosos e permeáveis, sofre segregação das suas fases líquida e sólida. Reboco é uma camada de partículas sólidas da lama que se acumula em frente às camadas permo-porosas. Filtrado é a fase líquida da lama que penetra nas camadas permo-porosas, invadindo e expulsando os fluidos originalmente presentes nos poros da rocha permo-porosa. Este processo de invasão se dá até uma certa distância radial a partir do eixo do poço. Formam -se assim, radialmente ao poço, zonas de distintas misturas fluidas : Zona lavada: Nesta primeira zona o fluido original foi totalmente substituído pelo filtrado de lama;

68 Invasão de formações porosas... Zona invadida: É uma zona de transição onde há uma mistura de fluido original e de filtrado; Zona virgem: É a zona mais distante, onde o fluido original não foi perturbado. A figura no próximo slide ilustra as diferentes zonas de invasão. A nomenclatura indicada tem o seguinte significado:

69 Invasão das formações porosas pelo fluido filtrado de lama: Zona lavada Zona de transição Zona virgem

70

71 Alguns termos usados em perfilagem a) volume de investigação da sonda b) resolução vertical c) resolução horizontal

72 a)volume de investigação: O volume de investigação pode ser definido como a parte do furo de sondagem eda rocha em torno do furo que contribuem com 90% do sinal registrado pelo log. A geometria do volume de investigação varia com as condições do furo de sondagem, com as propriedades físicas da rocha (meio geológico) e espaçamento da fonte e detectores.

73 b)resolução vertical A resolução vertical é a espessura mínima de um estrato que a sonda consegue distinguir. A resolução vertical de uma sonda é a capacidade d de discriminar um único estrato, ao invés de uma média das camadas no entorno. Sondas capazes de medir camadas pouco espessas são sondas de alta resolução.

74 c)resolução horizontal (prof prof. de investigação) O raio de investigação é a distância, perpendicularmente ao eixo do poço, que define o limite de 90% de contribuição (o volume de investigação não é necessariamente esférico).

75 Resolução vertical e horizontal para diversas sondas de perfilagem

76 Efeitos de Poço (furo de sondagem) Para obter-se medidas confiáveis, não só o equipamento de perfilagem deve estar em perfeitas condições de funcionamento, como o poço deve apresentar condições favoráveis à prática da perfilagem geofísica. Uma das grandes razões para descarte de dados coletados por perfilagem geofísica é amá qualidade d das paredes do poço, isto é, se existirem caimentos e formação de cavernas nas paredes. A diferença de diâmetro do furo afeta as leituras. Adicionalmente, a penetração de fluido de furação nos vazios das paredes dos furos altera as leituras, com alteração das propriedades físico químicas das litologias perfiladas.

77 Efeitos do furo de sondagem...

78

79 4.PERFIL DE RADIAÇÃO GAMA NATURAL

80 Os Raios Gama naturais primariamente de três fontes distintas: se originam dos principais elementos filhos desintegração do Urânio238 provenientes do principal elemento filho proveniente desintegração do Tório232 (Tálio208) do Potássio40 da da

81 A razão principal destes três elementos serem predominantes nas radioatividades naturais das rochas está na ordem de grandeza da meia-vida deles (aproximadamente a idade da própria Terra - 4,5 x 10 9 anos). Cada elemento filho das 3 séries radioativas naturais (U, Th e K), emite raios gama, distintos t em número e nível de energia, caracterizando-os os qualitativa e quantitativamente. O K 40 emite raios gama monoenergéticos da ordem de 1,46 MeV, enquanto o Tório e o Urânio emitem vários níveis de energia, ao mesmo tempo, sendo usado para suas detecções os picos correspondentes a 2,62 e 1,76 MeV, respectivamente.

82 Emissões de radiação gama para K40, Th232 eu238.

83 A DEPOSIÇÃO DOS RADIOELEMENTOS As argilas e/ou folhelhos são os elementos mais naturalmente radioativos entre as rochas sedimentares, devido à habilidade d em reter íons de Uâ Urânio eo Tório. A radiação emitida pelo Potássio40 geralmente é da ordem de 20% do total registrado. Rochas ígneas e metamórficas possuem níveis variados de atividade radioativa, podendo ficar acima ou abaixo dos materiais sedimentares.

84 PRINCÍPIO DE MEDIÇÃO DO PERFIL DE RAIOS GAMA Atualmente os detectores são eficientes cristais (cintilômetros) que emitem luz quando atingidos por um fóton. Os cristais são acoplados a um tubo fotomultiplicador, que amplifica eletronicamente a corrente elétrica 10 6 de vezes. A sensibilidade dos detectores por cintilação é função da forma e do tamanho do cristal. Por outro lado, a intensidade da cintilação é diretamente proporcional à energia do fóton. Identifica-se os diferentes tipos de radiação, provenientes do K40, Th232 ou U238 pela altura do pulso.

85 SONDAS DE RAIOS GAMA Existem dois tipos de sondas de Raios Gama: aquelas que se utilizam de um só canal analisador da altura do pulso (que por essa razão não discrimina só um pulso mas sim o somatório deles) e, aquelas com multicanais analisadores, que conseguem identificar todo o espectro energético, discriminando cada um dos seus componentes isoladamente. São denominadas d respectivamente, t de perfil de Raios Gama convencional (GR) e Perfil de Espectrometria Natural (ou Gama Espectral).

86 FATORES QUE RAIOS GAMA AFETAM AS LEITURAS DOS PERFIS -Detectores de Radiação Contador Geiger-Mueller Câmara de Ionização Cintilômetro -Raio de Investigação -Variações Estatísticas -Efeitos do furo de sondagem

87 O Cintilômetro baseia sua detecção no fato de que os Raios Gama apresentam a propriedade de produzir finas centelhas de luz ao atingirem certos tipos de cristais. i Essas centelhas são convertidas em pulsos elétricos, cuja altura depende da quantidade de energia absorvida. Esse tipo de detector é muito mais eficiente que os detectores a gás porque possui uma maior massa de material (por unidade de volume) sensível à radiação.

88 Raio de Investigação Estudos mostram que 90% do valor registrado pela curva de Raios Gama provém de uma zona localizada dentro de um raio das 6(seis) primeiras polegadas a partir da parede do poço. O efeito da interposição de material adicional, entre a formação e o detector, além da lama, tais como cimento e revestimento, reduz sensivelmente e quantidade total dos Raios Gama úteis mas não descarta totalmente o valor registrado pelo perfil.

89 Variações Estatísticas As emissões radioativas têm natureza estatística. As flutuações estatísticas são mais perceptíveis quando se realiza baixas contagens de pulsos. Entretanto, o número de Raios Gama, contados durante um período suficientemente longo, será praticamente constante. Nas sondas do tipo slimline, o perfil de GN é executado em velocidades menores ou iguais a3m/min.

90 APRESENTAÇÃO DO PERFIL DE RAIOS GAMA O Raios Gama é registrado em geral na primeira faixa, em escala crescente da esquerda para a direita (escala em API).

91 UNIDADES DO PERFIL DE RAIOS GAMA A radioatividade total registrada por um detector qualquer pode ser expressa em termos de peso de um elemento conhecido que produza uma quantidade de radiação equivalente. Assim, surgiu a Unidade Padrão API (API), que é a medida da radioatividade de uma rocha (radioativa artificialmente) que serve de normalização, na qual foi disseminada quantidades conhecidas de Urânio, Tório e Potássio. A unidade API é definida como sendo 1/200 da diferença entre as deflexões de duas zonas de diferentes intensidades de Raios Gama num poço teste da Universidade de Houston, USA. A diferença na radioatividade entre o maior e o menor valor é, por definição, igual a 200 unidades API.

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica Resumo Técnico Perfilagem Geofísica PERFILAGEM GEOFÍSICA A perfilagem geofísica é um método de investigação indireta que tem se mostrado muito eficaz na identificação de anomalias petrofísicas e na caracterização

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

Capítulo 12 Detectores

Capítulo 12 Detectores Capítulo 12 Detectores terceira versão 2006.1 Embora haja uma variedade enorme de detectores para as mais diversas aplicações, todos são baseados no mesmo princípio fundamental: o depósito de parte ou

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

O CONTADOR GEIGER-MULLER

O CONTADOR GEIGER-MULLER O CONTADOR GEIGER-MULLER O contador Geiger (ou contador Geiger-Müller ou contador G-M) serve para medir certas radiações ionizantes. Este instrumento de medida, cujo princípio foi imaginado por volta de

Leia mais

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html 1 de 5 12/8/2009 11:34 O Que é Geofísica? (* Adaptado por C.A. Bertulani para o projeto de Ensino de Física a Distância) Geofísica é o estudo da Terra usando medidas físicas tomadas na sua superfície.

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL Introdução A medição de nível.engloba, também, a medição do volume e do peso de líquidos e sólidos contidos em recipientes. Basicamente, a medição

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A

(A) (B) (C) (D) (E) Resposta: A 1. (UFRGS-2) Ao resolver um problema de Física, um estudante encontra sua resposta expressa nas seguintes unidades: kg.m 2 /s 3. Estas unidades representam (A) força. (B) energia. (C) potência. (D) pressão.

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari Eletricidade Aula 1 Profª Heloise Assis Fazzolari História da Eletricidade Vídeo 2 A eletricidade estática foi descoberta em 600 A.C. com Tales de Mileto através de alguns materiais que eram atraídos entre

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de cada questão será restrita somente ao que estiver registrado no espaço

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Sistemas de Medidas e Instrumentação

Sistemas de Medidas e Instrumentação Sistemas de Medidas e Instrumentação Parte 3 Prof.: Márcio Valério de Araújo 1 Medição de Nível Capítulo VII Nível é a altura do conteúdo de um reservatório Através de sua medição é possível: Avaliar o

Leia mais

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Industrial Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Fundamentos de Radiologia Industrial Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens, navios, submarinos, etc todas estas máquinas não poderiam

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a interdependência das várias áreas de conhecimento dentro da Física, julgue os itens a seguir. 61 A temperatura de um cubo de gelo a 0 ºC, ao ser colocado em um

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Marcelly da Silva Sampaio RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Termistor. Termistor

Termistor. Termistor Termistor Aplicação à disciplina: EE 317 - Controle e Automação Industrial Este artigo descreve os conceitos básicos sobre termistores. 1 Conteúdo 1 Introdução:...3 2 Operação básica:...4 3 Equação de

Leia mais

4. Programa Experimental

4. Programa Experimental 4. Programa Experimental Para a determinação das propriedades de deformabilidade e resistência dos arenitos em estudo a serem utilizados no modelo numérico, foram executados ensaios de compressão simples

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Avaliação da Formação

Avaliação da Formação Avaliação da Formação 01. Conceito Estudos e Atividades que visam avaliar qualitativamente e quantitativamente o potencial uma jazida petrolífera, ou seja, a sua capacidade produtiva e a valoração das

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule

FÍSICA-2012. Da análise da figura e supondo que a onda se propaga sem nenhuma perda de energia, calcule -2012 UFBA UFBA - 2ª - 2ª FASE 2012 Questão 01 Ilustração esquemática (fora de escala) da formação da grande onda Em 11 de março de 2011, após um abalo de magnitude 8,9 na escala Richter, ondas com amplitudes

Leia mais

RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica RAIOS GAMA PRINCÍPIOS FÍSICOS E INSTRUMENTOS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Geração de Raios Gama Geração de Raios-x Geração de Raios gama Raios-γsão as radiações eletromagnéticas de mais alta energia

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

Completação Inteligente

Completação Inteligente Petróleo Orientador: Profº Robson Dourado Completação Inteligente Grupo de trabalho: Bruno Luiz Dias dos Santos José Maria Soares Luis Carlos Laranjeira Petroleum - petra = pedra - oleium = óleo Resultado

Leia mais

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO Guillermo Ruperto Martín-Cortés 1,2 ; Fabio José Esper 1,3 ; Jofer Miziara Nogueira 1 ; Francisco Rolando Valenzuela-Díaz 1. 1 PMT-EPUSP - Departamento

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Capítulo 6 - Medição de pressão

Capítulo 6 - Medição de pressão 6.1 - Introdução A pressão significa força por unidade de área que atua sobre uma superfície. Unidades: - mmhg (milimetros de mercúrio) - mh 2 0 (metro de água) - psi (libras por polegada quadrada) - kgf/cm

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Processamento Sísmico:

Processamento Sísmico: Processamento Sísmico: Até aqui vimos que um pulso sísmico artificial atravessa as camadas e parte de sua energia é refletida em cada superfície de contraste de impedância acústica. A fração da amplitude

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE PETRÓLEO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE PETRÓLEO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DE PETRÓLEO CURSO DE ENGENHARIA DE PETRÓLEO LEANDRO PUGLIA SOUZA TEORIA E INTERPRETAÇÃO DA PERFILAGEM DE INDUÇÃO

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Aquisição e Avaliação de Dados para Projetos de Geomecânica do Petróleo

Aquisição e Avaliação de Dados para Projetos de Geomecânica do Petróleo Aquisição e Avaliação de Dados para Projetos de Geomecânica do Petróleo Flavia Mara Guzmán Villarroel Geomechanics International/Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro. Ewerton Moreira Pimentel

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

Espectrometria de Emissão Óptica e Espectrometria de Massas com Plasma Indutivamente acoplado (ICP-OES e ICP-MS)

Espectrometria de Emissão Óptica e Espectrometria de Massas com Plasma Indutivamente acoplado (ICP-OES e ICP-MS) Espectrometria de Emissão Óptica e Espectrometria de Massas com Plasma Indutivamente acoplado (ICP-OES e ICP-MS) Prof. Aloísio J.B. Cotta e-mail: acotta@ceunes.ufes.br Bibliografia: Cap 28 do SKOOG 1 ICP-OES

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

suficientemente, a corrente satura num valor limite como

suficientemente, a corrente satura num valor limite como 5.3 Condução em gases (Geralmente esta seção não pode ser apresentada num curso de 4 horas semanais. O conteúdo tem relevância para alunos de engenharia de meio ambiente, geociências, engenharia elétrica,

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Detectores de Partículas. Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009

Detectores de Partículas. Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009 Detectores de Partículas Thiago Tomei IFT-UNESP Março 2009 Sumário Modelo geral de um detector. Medidas destrutivas e não-destrutivas. Exemplos de detectores. Tempo de vôo. Detectores a gás. Câmara de

Leia mais

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE Definição CAPÍTULO 2 ELEMENTOS SOBRE A TERRA E A CROSTA TERRESTRE A Terra Esferóide achatado nos Pólos e dilatado no Equador. Diâmetro Polar: 12.712 Km. Diâmetro Equatorial: 12.756 Km. Maior elevação:

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2

e R 2 , salta no ar, atingindo sua altura máxima no ponto médio entre A e B, antes de alcançar a rampa R 2 FÍSICA 1 Uma pista de skate, para esporte radical, é montada a partir de duas rampas R 1 e R 2, separadas entre A e B por uma distância D, com as alturas e ângulos indicados na figura. A pista foi projetada

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

Lição 6. Instrução Programada

Lição 6. Instrução Programada Lição 6 Na lição anterior, estudamos os geradores e vimos que a produção de energia elétrica, não poderia ser feita simplesmente a partir do nada. A produção de energia elétrica, só era possível, quando

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem:

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem: 46 c FÍSICA Um corpo de 250 g de massa encontra-se em equilíbrio, preso a uma mola helicoidal de massa desprezível e constante elástica k igual a 100 N/m, como mostra a figura abaixo. O atrito entre as

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

Método Magnetométrico

Método Magnetométrico Método Magnetométrico Teoria Conceitos Básicos e Unidades Força entre dois pólos magnéticos F = p1 p2 4πµ R 2 Densidade de fluxo magnético (indução magnética) B = µh Unidade de B (SI) weber / m 2 = teslas(t)

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-08/94 Instrução

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Completação. Prof. Delmárcio Gomes

Completação. Prof. Delmárcio Gomes Completação Prof. Delmárcio Gomes Ao final desse capítulo, o treinando poderá: Explicar o conceito de completação; Diferenciar os tipos de completação; Identificar as etapas de uma intervenção de completação;

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO redução da resistência ao cisalhamento em superfícies potenciais de ruptura devido à poropressão ou mesmo a mudanças no teor de umidade do material; o aumento das forças

Leia mais

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS. Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Viana - Felipe Dalla Vecchia 2013

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS. Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Viana - Felipe Dalla Vecchia 2013 INSTRUMENTAÇÃO SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS Jocarli Alencastro Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Viana - Felipe Dalla Vecchia 2013 Introdução Os sensores indutivos e capacitivos foram desenvolvidos

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais