TEORIA CONTINGENCIAL: UMA ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE SUA EVOLUÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA CONTINGENCIAL: UMA ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE SUA EVOLUÇÃO."

Transcrição

1 TEORIA CONTINGENCIAL: UMA ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE SUA EVOLUÇÃO. RESUMO Dany dos Santos Pereira 1 Marcos Rogério Rodrigues 2 Nedisson Luis Gessi 3 A Teoria da Contingência, uma das principais teorias administrativas, é apresentada e comentada na ótica de diversos autores e aborda, em seu contexto geral, os pontos de divergência de ideias dos autores num sentido de evolução do conhecimento e de ação e interferência dos fatores contingenciais, principalmente o ambiente, na interpretação e entendimento do assunto. Durante o desenvolvimento desta idéia, faz-se uma abordagem e revisão bibliográfica pela origem e crescimento da administração e comenta-se acerca dos primeiros pensadores e filósofos, passando-se pela revolução industrial e a grande explosão da atividade administrativa. Chega-se, por fim, aos princípios básicos e às teorias construídas durante o crescimento desta atividade cujo principal foco é a evolução da Teoria Contingencial. Dessa forma, conclui-se que a teoria da contingência enfatiza o fato de que não há um único modelo de gestão, pois os diversos fatores contingenciais, tais como, estrutura, tempo de vida da empresa, tecnologia, ambiente, dentre outros, interferem de forma decisiva na tomada de decisões e, como estes fatores também estão em constante mudança, as decisões tomadas hoje não necessariamente serão as mesmas a serem admitidas em processos futuros. A evolução social e empresarial mostra que os acontecimentos atuais são vistos de forma diferente de como eram no passado e, muito provavelmente, de como serão no futuro. Palavras Chave: teoria contingencial evolução das escolas da Administração gestão. INTRODUÇÃO A teoria da Contingência é, dentre as teorias de administração, provavelmente a mais divulgada e comentada atualmente e, surgiu quando a maioria das organizações utilizava os princípios da teoria clássica em sua gestão. O enfoque principal desta teoria vem da condição de que tudo é relativo, tudo depende e, neste contexto, diversos fatores contingenciais surgem e são levados em conta para a tomada de decisões e definição dos rumos das organizações, dentre os quais, pode-se citar como exemplo o ambiente, a tecnologia, o tamanho da organização, a estratégia e o ciclo de vida. A teoria da Contingência conseguiu aliar pressupostos, tanto da teoria clássica quanto da teoria dos sistemas, mas é claro que também recebeu influências das outras teorias antecedentes. Sua visão sistêmica, com enfoque principal no ambiente externo, mas sem esquecer-se dos funcionários e suas necessidades. A elaboração deste artigo se deu pelo fato desta teoria ser uma das principais teorias administrativa, com conceitos simples na forma de visualização do trabalho a ser desenvolvido, porém que se tornam bastantes complexos em virtude de aplicar conceitos e atividades diferentes em cada ambiente, além de estar em constante evolução devido a alta velocidade da comunicação e a rápida melhora dos processos tecnológicos, fato este que influencia na atividade do Administrador tornando necessário um constante aperfeiçoamento nos processos de gestão. 1 Acadêmico do Curso de Administração das Faculdades Integradas Machado de Assis. 2 Administrador. Professor dos Cursos de Administração e Recursos Humanos das Faculdades Integradas Machado de Assis. 3 Administrador. Coordenador do Curso Superior de Gestão da Tecnologia da Informação e Professor do Curso de Administração das Faculdades Integradas Machado de Assis.

2 2 O artigo apresenta diferentes visões e entendimentos dos autores sobre esta teoria, buscando fazer um resgate histórico de sua evolução simultâneo a um comparativo das ideias apresentadas pelos autores buscando não só compreender melhor esta abordagem administrativa, porém também verificar a influência do ambiente na forma de entender e utilizar os pressupostos propostos pela Teoria da Contingência. Observou-se que o entendimento geral da teoria é o mesmo para todos os autores, mas cada um, em função de condições ambientais diferentes em que se encontravam, acaba tendo algum ponto de divergência ou uma forma um pouco diferente de abranger a Teoria da Contingência. Além desta introdução, o presente artigo está estruturado da seguinte maneira: no primeiro tópico apresentam-se alguns conceitos relacionados à Administração de empresas, na sequência o enfoque recai sobre as principais escolas da Administração, por fim apresenta-se a discussão sobre a teoria da contingência mostrando sua evolução no contexto da Administração. 1 METODOLOGIA De acordo com Marconi e Lakatos (2009) o método é o conjunto de atividades sistemáticas e racionais que permite atender o objetivo de forma mais confiável. No entanto, para a realização deste estudo, adotou-se como metodologia a pesquisa bibliográfica, pois o presente trabalho trata-se de um ensaio teórico. Portanto, utilizou-se o método bibliográfico o qual permitiu descobrir informações acerca das temáticas descritas neste artigo, além disso, fez-se o uso de outras publicações da área de foco deste estudo. 2 ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS De acordo com Chiavenato (2004), a História da administração começa com os filósofos gregos em 470 a.c., momento em que se destacam Sócrates, Platão e Aristóteles; passa por influências da Igreja e das organizações militares em que os aspectos de organização, valorização do ser humano, liderança, hierarquia e unidade de comando são muito referenciadas e desenvolve- se passando por Francis Bacon (1561 a 1626) fundador da lógica moderna, Descartes (1596 a 1650), fundador da filosofia moderna, Jean-Jacques Rousseau (1712 a 1778) com visão otimista do homem, dentre outros, até a revolução industrial. A revolução industrial foi marco para o desenvolvimento das teorias administrativas, haja vista a tecnificação das atividades agrárias e, principalmente, o surgimento da indústria, produção em escala e crescimento das cidades. Com a evolução do pensamento administrativo e o desenvolvimento da Administração, desenvolveram-se os princípios básicos que segundo Chiavenato (2004) são: a) planejamento: visa a estabelecer objetivos e a missão da empresa, ou seja, por que ela existe e quais seus serviços e atividades; examinar e identificar as alternativas para se atingir os objetivos e determinar os recursos necessários para que isso seja possível. Criam-se, portanto, estratégias para a efetivação das atividades propostas; b) organização: é onde se cria a estrutura da organização, cargos e funções, bem como forma de trabalho; definem-se posições de apoio para os possíveis e prováveis momentos de dificuldade. Ainda durante a fase de organização, coordenam-se as atividades de trabalho e define-se a alocação dos recursos; c) direção: neste princípio ocorre o comando e a motivação dos funcionários na realização das atividades preestabelecidas, gerencia mudanças, apresenta soluções aos conflitos e dificuldades que apareçam e institui a comunicação com os colaboradores; d) controle: tem por finalidade verificar se os objetivos foram atingidos, medindo-se desempenho, estabelecendo comparação deste com os padrões e adotando as ações pertinentes para melhoria do desempenho. As funções Administrativas têm por objetivo levar a empresa a atingir sua potencialidade, porém é relevante a compreensão de que suas atividades, que são maximizadoras de desempenho e não milagres assistenciais que transformam uma empresa mal estruturada em organização lucrativa. Segundo Chiavenato (2004, p.19), A tarefa básica da administração é fazer as coisas por meio de pessoas, com os melhores resultados. Em qualquer tipo de organização humana, busca-se o alcance de

3 3 determinados objetivos com eficiência e eficácia. O autor enfatiza também que a Administração visa relacionar atividades entre si e com as pessoas que as exercem, o que demonstra a constante interrelação empresa pessoas ambiente. Todas as atividades relacionadas à produção de bens (produtos) ou prestação de serviços (atividades especializadas) são planejadas, coordenadas, dirigidas, executadas e controladas pelas organizações. Todas as organizações são constituídas por pessoas e por recursos não-humanos (como recursos físicos e materiais, financeiros, tecnológicos, mercadológicos etc.). A vida das pessoas depende intimamente das organizações e essas dependem da atividade e do trabalho daquelas. (CHIAVENATO, 2004, p.2). De uma forma geral, a evolução da sociedade com seus anseios e desejos aliados ao crescimento tecnológico influenciam sobremaneira os processos administrativos, assim, verifica-se mais uma vez o ambiente, a estrutura e a tecnologia, gerando mudanças e transformações contínuas na questão gerencial como um todo, principalmente nas funções e ações do Administrador, refletindo então no surgimento das escolas ou teorias administrativas, tema que será aprofundado no tópico a seguir. 3 ESCOLAS DA ADMINISTRAÇÃO Após a revolução industrial, as organizações ascendem, tornam-se maiores e mais complexas e passam a necessitar de atividades administrativas, pois a concorrência está maior e os lucros menores. Assim, nascem as teorias administrativas, que visam a proporcionar solução aos problemas crescentes advindos desta situação (CHIAVENATO, 2004). A Teoria Científica, criada Frederick Winslow Taylor, tem como princípios a Organização e a Administração que devem ser estudadas e tratadas cientificamente e a distribuição de cada tarefa deve ser realizada levando-se em conta a aptidão do funcionário. Nessa teoria busca-se substituir a improvisação pela ciência, selecionar cientificamente o funcionário preparando-o para execução das atividades planejadas, mas a supervisão deve ser rígida sobre o trabalho, devendo haver distribuição das responsabilidades a fim de orientar a execução do mesmo. Segundo Maximiano (2009, p.52), Taylor e seus seguidores transformaram a administração da eficiência do trabalho em um corpo de conhecimentos com vida, segundo ele a gestão de qualquer grande empresa industrial moderna é uma combinação dos princípios de eficiência de Taylor, das técnicas de produção de Ford e da estrutura de Sloan. A Teoria Clássica, criada por Henry Fayol, é também chamada escola de chefes e segue até hoje como uma das principais teorias da Administração, servindo de base para o que se desenvolveu posteriormente à sua criação. Tem como princípios gerais delinear a capacidade administrativa, estabelecer regras para conduzir a organização, flexibilidade na administração pela experiência e conhecimentos adquiridos, estrutura piramidal baseada na disciplina, autoridade e organização. Considerando Chiavenato (2004, p.85), a divisão do trabalho conduz à especialização e à diferenciação das tarefas, ou seja, à heterogeneidade. A ideia era a de que as organizações com maior divisão do trabalho seriam mais eficientes do que aquelas com pouca divisão do trabalho. A Teoria das Relações Humanas, criada a partir dos trabalhos de Elton Mayo, surge em oposição às ideias de Taylor e busca humanizar o trabalho. De acordo com Motta (1995) as principais conclusões dessa teoria destacam que o trabalho é uma atividade grupal; o mundo social adulto é padronizado pelo trabalho que o individuo realiza; as necessidades sociais (reconhecimento, segurança, pertencer a algo etc.) são mais importantes que as condições físicas em que o colaborador trabalha. O autor destaca ainda que normalmente reclamações estão ligadas a problemas ligados ao status; as atitudes e resultados do trabalhador estão condicionados às questões sociais dentro e fora da empresa, os grupos informais exercem controle sobre o comportamento dos indivíduos e, a colaboração não ocorre por acaso, mas sim deve ser planejada e desenvolvida. A Teoria da Burocracia, criada por Max Weber, visa melhorar os processos por meio de normas e processos bem definidos e com atribuições específicas a cada trabalhador. Seus pontos fortes

4 4 são a organização e clareza das atividades a serem desenvolvidas e os pontos fracos são a inflexibilidade e a dificuldade em visualizar a atividade como um todo, pelos funcionários. Para Maximiano (2009, p. 99), as organizações modernas baseiam-se em leis, que as pessoas acreditam serem racionais, isto é, definidas em função do interesse das próprias pessoas e não para satisfazer caprichos de um dirigente. A Teoria Estruturalista surgiu de um aperfeiçoamento da teoria burocrática e concilia a teoria Clássica, a das Relações Humanas e a Burocrática, e sua principal característica é uma abordagem múltipla, que envolve organização formal e informal em todos os níveis hierárquicos, com recompensas materiais e simbólicas e uma análise intraorganizacional (MAXIMIANO, 2009). Segundo Motta (1995, p. 54), é de especial importância o relacionamento das partes na constituição do todo, ou seja, que o estruturalismo implica totalidade e interdependência. De acordo com Maximiano (2009) a Teoria dos Sistemas surge a partir dos trabalhos de Ludwig Von Bertalanffy e tem como principal diferencial o fato de ser a primeira teoria a analisar o ambiente externo e possui três fundamentos básicos em que os sistemas existem dentro de sistemas, os sistemas são abertos e as funções de um sistema dependem da sua estrutura ; assim, dentro do pensamento sistêmico entende-se que o sistema é um conjunto de elementos que interagem e, ao mesmo tempo, necessitam uns dos outros, cada qual dentro de sua atividade específica e que, quando atuam de forma harmônica e organizada, atingem os objetivos em sua totalidade. Para Maximiano (2009, p. 315), A teoria geral dos sistemas tem como outro objetivo classificar os sistemas segundo a maneira como seus componentes organizam-se e identificar as leis ou padrões característicos de comportamento de cada categoria de sistemas. Conforme Chiavenato (2004) a abordagem Neoclássica que tem como proponente Peter F. Drucker e apresenta como característica o fato de não ser propriamente uma teoria, mas sim abordar e defender o pragmatismo e a aplicabilidade dos princípios administrativos. Seus autores concentram-se na prática e em conceitos utilizáveis e visam sempre à ação propriamente administrativa. A abordagem neoclássica nada mais é do que a redenção da Teoria Clássica devidamente atualizada e redimensionada aos problemas administrativos atuais e ao tamanho das organizações de hoje. Em outros termos, a Teoria Neoclássica representa a Teoria Clássica colocada em um novo figurino e dentro de um ecletismo que aproveita a contribuição de todas as demais teorias administrativas (CHIAVENATO, 2004, p. 148). A Teoria Comportamentalista tem como um dos principais precursores Chester Barnard. Esta escola rejeita o enfoque ingênuo da teoria das relações humanas e tem sua abordagem baseada nas ciências do comportamento, ela visualiza o homem e suas necessidades. Esta teoria vê o homem como ser e não como máquina, tendo desejos e necessidades que variam com sua condição socioeconômica e, respeitando estas necessidades, viabiliza-se seu crescimento e desenvolvimento dentro da organização com ganhos para o próprio homem e para a empresa e /ou atividade. Segundo Chiavenato (2004, p. 329), esta teoria traz uma redefinição aos conceitos administrativos, pois, enquanto critica as teorias anteriores, o behaviorismo na Administração não somente redimensiona as abordagens anteriores como amplia seu conteúdo e diversifica sua natureza. A Teoria do Desenvolvimento Organizacional segue o caminho e os princípios da teoria comportamental e tem como principal objetivo desenvolver os colaboradores através de uma gestão baseada na integração, informação, cooperação e autonomia nas decisões, visando o crescimento conjunto de funcionários e organização. Define-se desenvolvimento organizacional, segundo Motta (1995, p.110), como mudança organizacional planejada e mudança organizacional como um conjunto de alterações no ambiente de trabalho de uma organização, resta citar os principais tipos de alterações que caracterizam o desenvolvimento. A Teoria da Contingência surge dos trabalhos de Woodward e Burns e Stalker e tem como principal ideia que não há um jeito único de Administrar e tudo depende das condições do ambiente, de tecnologia e do planejamento ou função da empresa no ambiente em que se insere. É a teoria mais

5 5 divulgada e utilizada, mesmo tendo fortes bases em princípios da teoria clássica e, por sua fundamental importância nos processos de gestão, segue como nosso objeto de estudo. A Teoria da Contingência enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa. Tudo é relativo. Tudo depende. A abordagem contingencial explica que existe uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas apropriadas para o alcance eficaz dos objetivos da organização (CHIAVENATO, 2004, p. 504). Observando-se a sequência das teorias, verifica-se que, apesar de serem estudadas separadamente, todas são de fundamental importância visto que o processo evolutivo leva ao surgimento de novas teorias. A cada novo contexto que surge, vem em busca de melhorias aos pontos fracos da ideia anterior e assim cada vez aprimora-se mais e surgem novas teorias. 4 TEORIA DA CONTINGÊNCIA Segundo Chiavenato (2004), a Teoria da Contingência enfatiza que nas organizações tudo é relativo, tudo depende. Ela foi desenvolvida principalmente a partir dos trabalhos desenvolvidos por Burns e Stalker e Joan Woodward. Esta teoria afirma que não existe um melhor jeito ou único jeito de Administrar, pois considerando o ambiente interno e, principalmente o ambiente externo, os fatores que afetam e determinam os caminhos a serem seguidos pelas organizações são inúmeros e, dependendo do intuito e planejamento de cada empresa, influenciados por estas variáveis, é que será decidido o melhor rumo a ser seguido dentro de cada organização. Com trabalhos efetuados a fim de verificar se as empresas que eram bem sucedidas utilizavam a mesma forma de gestão, e na época buscava-se confirmar os pressupostos da teoria clássica, foi o que motivou a abordagem contingencial, pois foram encontrados resultados que colocavam fatores como o ambiente, a tecnologia e a estrutura em destaque e, assim, estes se tornavam definidores de estratégias e processos administrativos confirmando, então, que a interface ambiente interno ambiente externo é quem define quais métodos e caminhos devem ser empregados no processo gerencial. Chega-se, então, à máxima tudo depende, tudo é relativo. Considerando Chiavenato (2004), a Teoria da Contingência surgiu da tentativa de verificar se empresas com sucesso seguiam os pressupostos da Teoria Clássica; no entanto, constatou-se que seu desempenho dependia das suas relações com o ambiente externo. Assim surgem as necessidades e provocam mudanças. Notou-se que durante o desenvolvimento das empresas, passaram por etapas que necessitaram de formas diferentes de Administração. Num primeiro momento, houve acumulação de recursos com ampliação da estrutura e aquisição de empresas fornecedoras de matérias-primas. Este crescimento levou à necessidade de uma racionalização do uso dos recursos e um melhor gerenciamento, pois a grande estrutura leva a alto custo e dificuldade nos controles. Chiavenato (2004) destaca que após esta primeira adaptação, ou seja, mudança de forma gerencial, houve novo crescimento, pois melhoraram as redes de distribuição, as vendas, dentre outras, porém diferenças entre as empresas diminuíram também, tornando o mercado mais competitivo e os lucros menores e, assim, surge novo momento com necessidade de racionalização dos recursos em expansão, a fim de melhorar as técnicas mercadológicas tanto na produção, buscando novas linhas de produtos, quanto na distribuição e comercialização, objetivando novos mercados. Morgan (1996) ressalta que organizações são sistemas abertos, não existe melhor forma de organizar; tudo depende do tipo da tarefa e do ambiente em que se encontra, devendo ser utilizados enfoques distintos para desempenhar diferentes tarefas. A organização bem sucedida precisa encontrar equilíbrio entre estratégia, estrutura, tecnologia, envolvimento e necessidades das pessoas, todos ajustados ao ambiente externo. Já para Caravantes (1999), a Teoria da Contingência talvez nem devesse ser chamada de teoria, pois ela incorporou os pressupostos da teoria dos sistemas sobre a interdependência e a natureza orgânica da organização, além do caráter aberto e adaptativo, a fim de preservar a flexibilidade, devido às frequentes mudanças do ambiente, isto detectado por Scott e Michell.

6 Caravantes (1999) segue com a ideia de que preocupar se mais com as contingências do que com as regras já vem de Burns e Stalker, ao desenvolverem sistemas organizacionais orgânicos e mecânicos onde sua diferenciação se da por sua relação com o ambiente e as variáveis existentes neste contexto. Segundo Chiavenato (2004), Burns e Stalker identificaram dois procedimentos administrativos que são influenciados pelo ambiente e que foram classificados em Organizações Mecanísticas e Organizações Orgânicas; a primeira caracteriza-se por estrutura burocrática, atribuições claramente definidas, decisões centralizadas, hierarquia rígida e comando único, sistema rígido de controle, interação vertical, amplitude de controle estreita, ênfase em regras e procedimentos formais, princípios de teoria clássica, apropriada para condições ambientais estáveis. Já a segunda no entendimento Chiavenato (2004) é uma estrutura flexível com pouca divisão do trabalho, interação entre os cargos, decisões descentralizadas e delegadas a cargos de nível inferior, visão sistêmica da empresa, hierarquia flexível com predomínio da interação lateral, ampla amplitude de controle e maior confiabilidade nas informações informais, ênfase na Teoria das Relações Humanas, apropriada para condições ambientais instáveis. Morgan (1996) segue esta linha de pensamento e comenta sobre os trabalhos de Burns e Stalker nos anos 50, que demonstraram o valor deste enfoque em seus estudos, estabelecendo por fim dois tipos de organizações: mecanicista e orgânica. A primeira é favorecida em ambientes estáveis e a segunda é beneficiada em ambientes turbulentos e instáveis. O autor cita também os trabalhos desenvolvidos por Paul Lawrence e Jay Lorsch, condutores de estudos que levaram a confirmar duas principais ideias: diferentes tipos de organização são necessários para atuarem em diferentes tipos de mercado com diferentes tecnologias; quanto mais incertos e turbulentos forem os mercados maiores as necessidades de diferenciação interna nas organizações. Henry Mintzberg, também citado por Morgan (1996), identificou em seu trabalho cinco configurações de organizações, iniciando pela máquina burocrática e a forma departamentalizada, mais apropriadas a sistemas simples e estáveis; a burocracia profissional, que permite autonomia profissional, mas ainda com muitas normas, e finalizou com a estrutura simples e a adhocracia, que são apropriadas a ambientes instáveis e a última aproxima-se do sistema orgânico de Burns e Stalker. Chiavenato (2004) comenta o trabalho que Lawrence e Lorsch realizaram e, em sua pesquisa, constataram que existem dois fatores influenciados pelo ambiente que apesar de antagônicos influenciam diretamente no resultado da empresa: diferenciação e integração. A diferenciação referese aos setores ou departamentos criados pela empresa para um melhor controle e gerenciamento de suas atividades, já a integração refere-se à necessidade de que as decisões dos departamentos sejam integradas e complementares aos outros departamentos visto que todos trabalham com objetivo de crescimento da empresa como um todo. Desta pesquisa, surge o nome Teoria da Contingência. Outra pesquisadora importante, segundo Chiavenato (2004), foi Joan Woodward, socióloga industrial, que realizou uma pesquisa a fim de verificar se as práticas dos princípios administrativos estavam correlacionadas ao êxito nas empresas. Ela estudou 100 empresas inglesas que tinham atividades variadas e quadro de funcionários entre 100 e As empresas foram divididas em três grupos: produção unitária ou oficina, produção em massa ou mecanizada e produção por processo ou automatizada. Surgiram então as seguintes conclusões: 1) a tecnologia afeta o desenho industrial, empresas de produção em massa bem sucedidas se enquadram na utilização de um modelo burocrático de administração, já os outros modelos não se enquadram nos princípios clássicos de administração; 2) estrutura organizacional e previsibilidade de técnicas de produção estão fortemente associadas, assim quanto menor a previsibilidade de resultados menor a necessidade de níveis hierárquicos e vice-versa; 3) o gênero de atividade demanda um tipo de estrutura, ou seja, operações estáveis demandam sistema mecanístico e operações instáveis demandam sistema orgânico. 4) alguma função na empresa seja vendas, produção, engenharia etc., sempre será predominante e ao redor dela serão desenvolvidas as outras atividades. Segundo Morgan (1996), Joan Woodward, com seu trabalho no início dos anos 60, apoiou as ideias de Burns e Stalker, pois em seu estudo verificou que as mudanças na organização e a forma de organização dependem da tecnologia utilizada e da estrutura das organizações. 6

7 7 Caravantes (1999) encontra como grande mérito a Teoria da Contingência sua capacidade de fazer a gerência passar a preocupar-se com o ambiente e, assim, visualizar também seu mercado competidor, posições de apoio, os clientes e resultados pretendidos e descreve que, para James D. Thompson, existem duas formas de abordar as organizações: De acordo com Caravantes (1999) os sistemas fechados, em que se verificam as certezas e as formas racionais e lógicas. Aqui se enquadram perfeitamente os pressupostos da teoria clássica e teoria da burocracia, com sua estruturação e previsibilidade. Já nos sistemas abertos encontram diversas variáveis que impossibilitam controlar ou predizer os fatos e ações. Neste caso, a interação organização-ambiente é ampla, ilimitada e compreende fatores culturais, políticos e legais, levando assim ao tudo depende, pois cada condição encontrada implicará uma forma diferente de gestão. No quadro a seguir apresenta-se a sua evolução. AUTORES Woodward (1958) Burns e Stalker (1960) Lawrence e Lorsch (1967) Perrow (1976) Pesquisadores da Universidade de Aston PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES Evidenciou que, à medida que a tecnologia avança, as empresas utilizam inicialmente uma estrutura mais mecanicista e depois uma estrutura mais orgânica. O desempenho organizacional é afetado pela tecnologia utilizada. Todo ciclo de funcionamento na empresa será condicionado pela tecnologia. Evidenciaram que quando uma organização enfrenta um ambiente estável, com poucas mudanças, a estrutura mecanicista é mais eficaz. Ao contrário disso, quando uma organização enfrenta um ambiente mais dinâmico, com elevado grau de mudanças faz-se necessário ter uma estrutura orgânica. Analisaram as estruturas internas em termos de diferenciação e integração. Deu seguimento aos primeiros estudos de Woodward sobre a variável tecnologia, identificou duas importantes dimensões da tecnologia: a) a possibilidade de analisar a tecnologia; b) a previsibilidade ou variabilidade do trabalho. Também deram seguimento às pesquisas de Woodward de (1958 e 1965). Os estudiosos da Universidade de Aston, concluíram que, para empresas pequenas, existe pouca necessidade de estrutura formal, porém à medida que a empresa vai evoluindo, deveria aumentar também sua formalização. Quadro 1: Evolução da teoria da contingência Fonte: Fagundes et al (2010) A máxima da teoria contingencial, tudo depende, fica evidente com a sua evolução. Vários foram os trabalhos e estudos para seu desenvolvimento e aprimoramento e mesmo sendo trabalhos diferentes, com abordagens ou tipos de empresas diversos, os resultados levaram a um caminho semelhante, em que não existe uma forma única de gerenciar as organizações, pois fatores contingenciais, principalmente a estrutura, a tecnologia e o ambiente estarão sendo definidores da melhor estratégia a ser utilizada. CONSIDERAÇÕES FINAIS A Teoria Contingencial tem sido amplamente estudada por vários autores e está em constante evolução e melhoramento. Durante o estudo, percebe-se que de uma forma geral, a percepção dos princípios básicos da teoria é muito semelhante pela grande maioria dos autores. A máxima da Teoria da Contingência é que na Administração não há um modelo ideal de gerenciamento, não existe um jeito único de gerência, pois fatores contingenciais sempre estarão interferindo e transformando o ambiente em que a organização está inserida e, dentre os fatores contingenciais mais importantes, estão a estrutura, a tecnologia e fundamentalmente o ambiente, dentre outros. Neste contexto, torna-se fácil entender que cada região, estado ou país sempre terá condições de ambiente diferentes visto que são influenciadas diretamente pela cultura, religião, política, o que

8 8 produz necessidades diferentes de todos os envolvidos com o sistema, sejam consumidores, colaboradores, sociedade e a organização propriamente dita. Mesmo sabendo-se da inexistência de modelos prontos de gestão, cabe ressaltar que os processos mecânico e orgânico de Administração se enquadram perfeitamente nos tipos de empresas existentes e são de relevância para os processos gerenciais. O Sistema Orgânico se adapta bem a ambientes turbulentos, com mudanças constantes e concorrência acirrada, baseado em estruturas flexíveis e com pouca divisão do trabalho, contínua modificação dos cargos e intensa interação entre os colaboradores, descentralização das decisões e autonomia aos níveis inferiores, flexibilidade hierárquica com predomínio da interação lateral e ênfase nos princípios da teoria das relações humanas. Já o Sistema Mecânico é bem adaptado a condições estáveis de ambiente, com estrutura burocrática baseada na divisão meticulosa do trabalho, cargos com especialistas e atribuições bem definidas, decisões centralizadas na alta cúpula da empresa e hierarquia rígida de autoridade com sistema rígido de controle dos funcionários, predomínio de interação vertical, regras e procedimentos formais e ênfase nos princípios clássicos da administração. Pode-se perceber que a teoria da contingência sofreu grande interferência das teorias clássica, das relações humanas, dos sistemas, dentre outras, fato este que mostra a constante evolução das teorias administrativas atingindo seu ápice com a Teoria Contingencial, que se manteve em constante melhoramento e adaptação, visto que, é influenciada pelas condições ambientais, o que hoje ocorre com extrema velocidade e rapidez devido às ações tecnológicas. A questão ambiental é entendida aqui como fator primordial, pois o ambiente molda as localidades, municípios, países, ou seja, todos os lugares e sistemas, e estes são os influenciadores da estrutura, tecnologia e função das organizações as quais influenciam e são influenciadas pelos componentes destas sociedades. O próprio entendimento da teoria, que evoluiu com o passar do tempo, e com as pesquisas e diversos trabalhos dentro de sua ótica de atuação e ambiente em que se encontravam, afetou a interpretação e entendimento dos autores, haja vista que, apesar de num contexto geral, todos entendem da mesma forma a essência da teoria. Várias divergências apareceram e foram defendidas de acordo com interpretação de cada autor. Por fim, reafirma-se a fundamental importância da teoria contingencial como ferramenta e aprimoramento ao processo gerencial, que a cada dia é mais importante para a sustentabilidade dos negócios, contudo também se torna mais complexo em face da globalização, da velocidade de comunicação e das constantes evoluções tecnológicas, confirmando que não existe um jeito único de fazer ou uma melhor forma de Administrar; deve-se assumir a condição de que é essencial estar preparado e pronto para uma constante evolução do mercado. REFERÊNCIAS [1] MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria.Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas [2] CHIAVENATO, Idalberto. Introdução a Teoria Geral da Administração Editora Elsevier. São Paulo. [3] MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: Da Revolução Urbana à Revolução Digital. 6ª edição, Editora Atlas, São Paulo, [4] MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração: Uma Introdução. Livraria Pioneira Editora. 12ª edição. São Paulo 1995, [5] MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas 1ª edição Paginas 53 a 79. [6] CARAVANTES, Geraldo Ronchetti. Teoria Geral da Administração Pensando e Fazendo. 4ª edição AGE editora Porto Alegre 1999, páginas 123 a 126. [7] FAGUNDES, J. A. ; LAVARDA, C. E. F. ; LAVARDA, R. ; SOLLER, C. C. ; PETRY, M. ; [1] RODRIGUES, M. R.. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E GESTÃO SOB A ÓTICADA TEORIA DA CONTINGÊNCIA. Gestão & Regionalidade, v. 26, p , 2010.

INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL

INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL Idalberto Chiavenato INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Elsevier/Campus www.elsevier.com.br www.chiavenato.com PARTE NOVE ABORDAGEM CONTINGENCIAL DA ADMINISTRAÇÃO Capítulo 18 Teoria da Contingência

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA O exame a ser aplicado na Certificação por Prova, na ênfase Recursos

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática

Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Idalberto Chiavenato Administração Teoria, Processo e Prática Elsevier/Campus www.elsevier.com.br www.chiavenato.com SUMÁRIO RESUMIDO PARTE I: Os fundamentos da Administração PARTE II: O contexto em que

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TEORIAS DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Cassimiro Nogueira Junior CONCEITOS Administração é o processo de conjugar recursos humanos e materiais de forma a atingir fins

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

Introdução... teor i neoclá neocl ss s i s ca da a dmini mi s ni t s r t ação

Introdução... teor i neoclá neocl ss s i s ca da a dmini mi s ni t s r t ação Teoria neoclássica da administração Prof. Paulo Barreto Introdução... A teoria neoclássica da administração é o nome dado a um conjunto de teorias que surgiram na década de 50 e que propõem uma retomada

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO Código: ADM 150 Pré-Requisito: ------ Período Letivo: 2013.1 Professor:

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

45 Questões Quizz Int. Administração 1sem 2009

45 Questões Quizz Int. Administração 1sem 2009 45 Questões Quizz Int. Administração 1sem 2009 Questão 1 Entende-se por organização o conjunto de... a) técnicas que favorecem o processo de produção, cabendo a seus dirigentes encontrar métodos de trabalho

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

CÓDIGO: IH 129 CRÉDITOS: 04 (4T-0P) INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

CÓDIGO: IH 129 CRÉDITOS: 04 (4T-0P) INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CÓDIGO: IH 129 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração

ADMINISTRAÇÃO. Fundamentos da Administração UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA: BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO Fundamentos da Fábio Júnio Ferreira Patos de Minas, 26 de novembro de

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Idalberto Chiavenato INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Editora Campus/Elsevier www.elsevier.com.br www.chiavenato.com SUMÁRIO RESUMIDO PARTE 1: INTRODUÇÃO À TGA PARTE 2: OS PRIMÓRDIOS DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

20/04/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Autorizado plea Portaria nº 1.399 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: AMPE - ADM DE MICRO E PEQ EMPRESAS Código: ADM 253 Pré-requisito: ------ Período Letivo: 2013.2

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Atualizado em 09/11/2015 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Os alicerces fundamentais da Administração Científica, descritos por Taylor,

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: UMA VISÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO E SUAS PERSPECTIVAS

TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: UMA VISÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO E SUAS PERSPECTIVAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: UMA VISÃO GERAL DA ADMINISTRAÇÃO E SUAS PERSPECTIVAS 1. TEORIAS ADMINISTRATIVAS Ao longo do tempo, na medida em que foram surgindo problemas na gestão empresarial, várias Teorias

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

Gestão da Produção. 1- Histórico. Revolução Industrial:

Gestão da Produção. 1- Histórico. Revolução Industrial: Gestão da Produção Prof. Miguel Antonio Pelizan 1- Histórico 1.1 Produção e Administração Revolução Industrial: processo de transição de uma sociedade, passando de uma base fundamentalmente agrícola-artesanal

Leia mais

PLANO DE CURSO. organizações. Novas configurações organizacionais. Organização. Planejamento. Direção: comunicação,

PLANO DE CURSO. organizações. Novas configurações organizacionais. Organização. Planejamento. Direção: comunicação, PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Teoria da Administração I Professor: Salomão David Vergne Cardoso e-mail: vergne07@gmail.com Código: MAR00 Carga

Leia mais

10. Abordagem Neoclássica

10. Abordagem Neoclássica 10. Abordagem Neoclássica Conteúdo 1. Abordagem Neoclássica 2. Características da Abordagem Neoclássica 3. Administração como Técnica Social 4. Aspectos Administrativos Comuns às Organizações 5. Eficiência

Leia mais

11/05/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

11/05/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.10 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Idalberto Chiavenato Conceitos; Evidências históricas; e Estruturando a administração. 1 Administração I Administração é criar um ambiente para o esforço grupal

Leia mais

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas

Gestão de pessoas. Gestão de pessoas Gestão de pessoas Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Gestão de pessoas Gestão de pessoas ou administração de RH? Uma transformação das áreas e de seus escopos de atuação; Houve mudança ou é somente semântica;

Leia mais

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS Pessoas em Primeiro Lugar!!! DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A REVOLUÇÃO DIGITAL Prof. Flavio A. Pavan O velho conceito das organizações: Uma organização é um conjunto integrado

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico PLANO DE ENSINO FACITEC Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas Teorias de Administração IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pelas Portarias MEC 292, de 15.02.2001

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II DATA:

Leia mais

Sociologia das organizações

Sociologia das organizações Sociologia das organizações Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Pessoas: recursos X parceiros Pessoas como recursos Empregados isolados nos cargos Horário rigidamente estabelecido Preocupação com normas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO

TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO TEORIAS E MODELOS DE GESTÃO Capítulo 02 1 EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ORGANIZACIONAIS INICIADAS DE FATO POR FAYOL E TAYLOR NO INÍCIO DO SÉCULO XX PRODUZIDAS COM BASE EM UMA NECESSIDADE DE CADA MOMENTO DA GERAÇÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Unidade 2.4 2 ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO 2.4 Abordagem das Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando

Leia mais

Síntese de TGA. Teoria Comportamental da Administração

Síntese de TGA. Teoria Comportamental da Administração Síntese de TGA Teoria Comportamental da Administração A Teoria Comportamental surgiu nos Estados Unidos por volta de 1950, com uma redefinição dos conceitos antigos administrativos ao criticar as teorias

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

3. Introdução à Teoria Geral da Administração (TGA)

3. Introdução à Teoria Geral da Administração (TGA) 3. Introdução à Teoria Geral da Administração (TGA) Conteúdo 1. Conceitos Básicos 2. Histórico da Teoria Geral da Administração (TGA) 3. Abordagem Clássica da Administração 1 Bibliografia Recomenda Livro

Leia mais

MODELOS DE GESTÃO EM CONTROLADORIA

MODELOS DE GESTÃO EM CONTROLADORIA MODELOS DE GESTÃO EM CONTROLADORIA Partindo-se do princípio de que administrar é fazer coisas através de pessoas, do dito popular, tem-se a necessidade de enfocar tudo sob este aspecto. Como se deseja

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM NÚCLEO 15 TEORIAS GERAIS DA ADMINISTRAÇÃO. Profa. Ivete Maroso Krauzer

CURSO DE ENFERMAGEM NÚCLEO 15 TEORIAS GERAIS DA ADMINISTRAÇÃO. Profa. Ivete Maroso Krauzer UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ CURSO DE ENFERMAGEM NÚCLEO 15 TEORIAS GERAIS DA ADMINISTRAÇÃO Profa. Ivete Maroso Krauzer TEORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO 1.Administração Científica 2.Teoria

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

Fundamentos de Gestão

Fundamentos de Gestão Fundamentos de Gestão Aula 4 Professora Cláudia de Stefani CCDD Centro de Criação e Desenvolvimento Dialógico 1 Conversa inicial Olá, aluno! Preparado para mais uma aula da disciplina Fundamentos de Gestão?

Leia mais

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa

Gestão Empresarial. Um Pouco de História... Administração Científica. Aula 2. Comércio Exterior. Frederick Taylor (1856-1915) Tarefa Gestão Empresarial Um Pouco de História... Aula 2 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Administração Pré-Científica Administração Científica Maior interesse

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1 Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens Psicossociologia do trabalho 1 Sumário As organizações modernas A transferência do papel da comunidade para as organizações O processo de interdependência

Leia mais

XII CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 09 a 11 de setembro de 2009 Bento Gonçalves-RS. Área Temática 2 Contabilidade Gerencial

XII CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 09 a 11 de setembro de 2009 Bento Gonçalves-RS. Área Temática 2 Contabilidade Gerencial XII CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 09 a 11 de setembro de 2009 Bento Gonçalves-RS Área Temática 2 Contabilidade Gerencial Estrutura de Gestão: um estudo sob a ótica da Teoria da Contingência

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais. Sistemas de Informações Gerenciais. Tecnologia e Gestão. Prof. Ms. André Ricardo Nahas

Sistemas de Informação Gerenciais. Sistemas de Informações Gerenciais. Tecnologia e Gestão. Prof. Ms. André Ricardo Nahas Sistemas de Informações Gerenciais Tecnologia e Gestão Pauta: Contexto Histórico Teoria Geral de Sistemas Administração de Sistemas de Informação Conceituação Instrumentos de Gestão Tendências Administração

Leia mais

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014

Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 Prof. Dr.Onofre Miranda Agosto/2014 1 OBJETIVOS Objetivo Geral: Revisar conceitos e abordagens clássicas das Teorias da Administração (Introdução à Administração); Objetivos Específicos: Contextualizar

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. Alessandra Cristina Rubio¹ Regina Aparecida de Alcântara Gonzaga 1 Thiago Silva Guimarães³ RESUMO É notória e cada vez mais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade Federal do Pampa 2. Campus: Uruguaiana 3. Curso: Enfermagem

Leia mais

Teoria da Contingência

Teoria da Contingência Teoria da Contingência Eduardo de Oliveira Fargnoli Etel Maria Mendes de Almeida Gustavo Diniz Palhares Keiliane Souza Silvério Raphaela Gomes Marques RESUMO O objetivo principal de presente ensaio é demonstrar

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais

MATRIZ BCG: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DO SEGMENTO DE INFORMÁTICA.

MATRIZ BCG: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DO SEGMENTO DE INFORMÁTICA. 1 MATRIZ BCG: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DO SEGMENTO DE INFORMÁTICA. RESUMO Álvaro Sarturi de Oliveira 1 Andréia Cristiane Vogel 2 Danieli Carlson Writzl 3 Marcos Rogério Rodrigues 4 O presente trabalho

Leia mais

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL Ricardo de Miranda Deiró Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail: ricardo.deiro@light.com.br João Antonio da Silva Cardoso Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail:

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

Objetivos da aula 9/8/2012. Gestão de Recursos Humanos. Teorias da Administração. Empresas X Pessoas X Administração: uma coisa tem a ver com a outra?

Objetivos da aula 9/8/2012. Gestão de Recursos Humanos. Teorias da Administração. Empresas X Pessoas X Administração: uma coisa tem a ver com a outra? Gestão de Recursos Humanos Profª: Silvia Gattai Teorias da Administração Objetivos da aula Construir conhecimentos sobre as várias teorias da administração, que embasam as metodologias de gestão de pessoas

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA

TGS TEORIA GERAL DE SISTEMAS 17/09/2015 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA TEORIA GERAL DE SISTEMAS TGS Fundamentos Prof. Reginaldo Brito Egípcios e Babilônios (3000 a. C) Jacó e Labão (4000 a.c.) Frederick Taylor (1856-1915) 1890 - Modelo de Administração científica (taylorismo)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem

ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM. As Teorias de administração e os serviços de enfermagem ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM As Teorias de administração e os serviços de enfermagem Teorias da administração no processo da enfermagem Administrar: é um processo de planejamento, organização, liderança

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

MBA EM PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA MAPAS ESTRATÉGICOS PROF. MSC. ADRIANO STADLER

MBA EM PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA MAPAS ESTRATÉGICOS PROF. MSC. ADRIANO STADLER MBA EM PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA MAPAS ESTRATÉGICOS PROF. MSC. ADRIANO STADLER Aula 1 Planejamento e Gestão Estratégica Abertura da Aula Na aula 1 faz-se necessário abordar os principais conceitos

Leia mais

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1. INTRODUÇÃO As origens da Abordagem Clássica da Administração remontam às conseqüências geradas pela Revolução Industrial e que poderiam ser resumidas

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Tipos de Organização. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Tipos de Organização Professor: Roberto César CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA ORGANIZAÇÃO FORMAL A organização consiste em um conjunto de posições funcionais e hierárquicas orientado

Leia mais

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização

Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização Capítulo 8 Decorrências da Teoria Neoclássica: Tipos de Organização ESTRUTURA LINEAR Características: 1. Autoridade linear ou única. 2. Linhas formais de comunicação. 3. Centralização das decisões. 4.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 8 - Abordagem Sistêmica da Administração De acordo com CHIAVENATO (2003), esta abordagem surge em 1951, nos Estados Unidos da América do Norte, enfocou a variável

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA.

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 218 CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. RESUMO Paulo Roberto de Castro Gomes 1 A pesquisa

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO: UM ESTUDO NA EMPRESA B2W DIGITAL *

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO: UM ESTUDO NA EMPRESA B2W DIGITAL * A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE PESSOAS NA ORGANIZAÇÃO: UM ESTUDO NA EMPRESA B2W DIGITAL * Eliane Barbosa Martins (FACEQ) ** Reginaldo dos Santos Cunha (FACEQ) *** Maria Clara Lopes Saboya (USP/FAFE/FACEQ)

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina UNIVAP/ Estudante do curso de Administração de Empresas/fabianacgoncalves@eaton.com

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. A Evolução do Pensamento Administrativo. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. A Evolução do Pensamento Administrativo. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial A Evolução do Pensamento Administrativo Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO Vamos iniciar nossos estudos em Gestão Empresarial procurando entender a evolução

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais