12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos"

Transcrição

1 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ FERRAMENTA BASEADA EM LÓGICA DIFUSA PARA AUXÍLIO À TOMADA DE DECISÃO EM INSPEÇÕES DE INTEGRIDADE DE DUTOS Amauri Gutierrez Martins Júnior a, Antônio Carlos Rodrigues Valente b Copyright 2013, ABENDI, ABRACO e IBP. Trabalho apresentado durante a 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos. As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do(s) autor(es). SINOPSE Desenvolve uma metodologia quantitativa, baseada em lógica difusa, para interpretação de dados de integridade de tubulações enterradas. A abordagem proposta associa informações provenientes de inspeções indiretas do revestimento (ECDA) com os fatores determinantes da corrosividade do solo local e respectivos níveis de proteção catódica, em função dos quais se define um indicador que expressa a susceptibilidade à corrosão de um dado ponto de defeito no revestimento. O modelo matemático utiliza os seguintes parâmetros de entrada: 1) graduação de falha segundo o método DCVG; 2) nível de atenuação de corrente segundo o método PCM; 3) potencial tubo-solo polarizado OFF no ponto de falha, obtido pela inspeção CIPS; 4) resistividade elétrica do solo local; 5) ph do solo local; 6) umidade do solo local, 7) presença de BRS no solo local; e 8) tipo do solo local. A saída é um valor que foi denominado Índice de Prioridade, delimitado pelo intervalo [0, 3] e que dimensiona, qualitativa e quantitativamente, o grau de exposição do aço à corrosão. De implementação simples, a abordagem apresentada constitui mais uma ferramenta destinada a auxiliar os operadores de tubulações na tomada de decisão quanto à necessidade e priorização de ações corretivas. Palavras-chave: Lógica difusa, integridade de dutos, corrosividade do solo, proteção catódica, ECDA. a Engenheiro Eletricista ENGECORR ENGENHARIA b Engenheiro Eletricista CIA. DE GÁS DE SÃO PAULO / COMGÁS

2 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 - Classificação de falhas no revestimento segundo o %IR... 9 Tabela 2 - Classificação dos níveis de atenuação de corrente Tabela 3 - Classificação dos solos em função da resistividade elétrica Tabela 4 - Classificação dos solos em função do ph Tabela 5 - Classificação dos solos em função do percentual de material fino Tabela 6 - Intensidades de importância do AHP, conforme Saaty et al [18] Tabela 7 - Dados coletados em campo e cálculo do Índice de Prioridade Tabela 8 - Coeficientes de correlação entre I P e os demais parâmetros dos defeitos

3 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Função de pertinência para o %IR Figura 2 - Função de pertinência para a atenuação de corrente db Figura 3 - Função de pertinência para o potencial tubo-solo polarizado OFF Figura 4 - Função de pertinência para a resistividade elétrica do solo Figura 5 - Função de pertinência para o ph do solo Figura 6 - Função de pertinência para a umidade do solo Figura 7 - Função de pertinência para o teor de sulfetos no solo S Figura 8 - Função de pertinência para o percentual de material fino no solo Figura 9 - Gráfico de dispersão I P versus Grau de severidade DCVG (%IR) Figura 10 - Gráfico de dispersão I P versus Atenuação de corrente PCM (db) Figura 11 - Gráfico de dispersão I P versus Potencial tubo-solo (OFF) Figura 12 - Gráfico de dispersão I P versus Resistividade elétrica do solo (ρ) Figura 13 - Gráfico de dispersão I P versus ph do solo Figura 14 - Gráfico de dispersão I P versus Umidade do solo (H) Figura 15 - Gráfico de dispersão I P versus Presença de BRS (S) Figura 16 - Gráfico de dispersão I P versus Tipo de solo (%MF) Figura 17 - Gráfico de dispersão I P versus Tamanho físico do defeito (Área)

4 GLOSSÁRIO DE ABREVIAÇÕES E SÍMBOLOS NACE ECDA BRS DCVG PCM CIPS AHP %IR μ %IR S (x) μ %IR M (x) μ %IR P (x) db μ db S (x) μ db M (x) μ db P (x) OFF μ OFF S (x) μ OFF M (x) μ OFF P (x) ρ μ ρ S (x) μ ρ M (x) μ ρ P (x) National Association of Corrosion Engineers External Corrosion Direct Assessment (avaliação direta de corrosão externa) Bactérias redutoras de sulfato Direct Current Voltage Gradient (método do gradiente de potencial em corrente contínua) Pipeline Current Mapper (método de atenuação de corrente) Close Interval Potential Survey (levantamento de potenciais passo-a-passo) Analytic Hierarchy Process Medida de severidade de uma falha no revestimento, segundo o método DCVG Função de pertinência do %IR à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência do %IR à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência do %IR à classe de susceptibilidade de corrosão pequena Medida do nível de atenuação de corrente, segundo o método PCM Função de pertinência da atenuação de corrente db à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência da atenuação de corrente db à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência da atenuação de corrente db à classe de susceptibilidade de corrosão pequena Potencial tubo-solo polarizado OFF, obtido por meio de levantamentos CIPS Função de pertinência do potencial polarizado tubo-solo OFF à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência do potencial polarizado tubo-solo OFF à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência do potencial polarizado tubo-solo OFF à classe de susceptibilidade de corrosão pequena Resistividade elétrica do solo Função de pertinência da resistividade elétrica do solo à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência da resistividade elétrica do solo à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência da resistividade elétrica do solo à classe de susceptibilidade de corrosão pequena - 4 -

5 ph μ ph S (x) μ ph M (x) μ ph P (x) H μ H S (x) μ H M (x) μ H P (x) S μ S S (x) μ S M (x) μ S P (x) %MF μ %MF S (x) μ %MF M (x) μ %MF P (x) I P M AD C P I P S/C M/C P/C ph do solo Função de pertinência do ph do solo à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência do ph do solo à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência do ph do solo à classe de susceptibilidade de corrosão pequena Umidade do solo Função de pertinência da umidade do solo H à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência da umidade do solo H à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência da umidade do solo H à classe de susceptibilidade de corrosão pequena Teor de sulfetos no solo, indicativo da presença de BRS Função de pertinência do teor de sulfetos no solo S à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência do teor de sulfetos no solo S à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência do teor de sulfetos no solo S à classe de susceptibilidade de corrosão pequena Percentual de material fino, indicativo da composição do solo Função de pertinência do percentual de material fino no solo %MF à classe de susceptibilidade de corrosão severa Função de pertinência do percentual de material fino no solo %MF à classe de susceptibilidade de corrosão moderada Função de pertinência do percentual de material fino no solo %MF à classe de susceptibilidade de corrosão pequena Matriz de importância do modelo difuso Vetor de ponderação do modelo difuso Matriz de análise difusa Característica preponderante de corrosividade Índice de Prioridade resultado do modelo difuso que expressa a susceptibilidade à corrosão de uma dada anomalia analisada Indicação com resultado severamente corrosivo Indicação com resultado moderadamente corrosivo Indicação com resultado pouco corrosivo - 5 -

6 1. INTRODUÇÃO A corrosão é, reconhecidamente, o mais importante fator de contribuição, direta ou indireta, para a falha estrutural em tubulações metálicas enterradas. Os pontos com maior probabilidade de ocorrência de corrosão são aqueles onde estão presentes defeitos no revestimento isolante do duto, associado à ausência de proteção catódica adequada, devido à exposição do metal não-suficientemente protegido ao solo circunvizinho (eletrólito), o qual, por sua vez é caracterizado, do ponto de vista da agressividade/corrosividade, por uma série de parâmetros intrínsecos, relacionados à sua constituição. A National Association of Corrosion Engineers NACE estabelece uma metodologia para avaliação direta de corrosão externa (tradução livre de External Corrosion Direct Assessment) denominada ECDA [1], a qual constitui um processo estruturado e pró-ativo que visa à melhoria da segurança das instalações, por meio da identificação de dados da tubulação, inspeção de anomalias, análise da atividade corrosiva, reparo de defeitos e atuação sobre as causas que os originaram. A metodologia ECDA determina a adoção de, pelo menos, duas técnicas diferentes de inspeção indireta, para identificação de defeitos no revestimento da tubulação, bem como a coleta de dados associados ao ambiente/solo local, a saber: potenciais tubo-solo, resistividade elétrica, composição, umidade, ph e presença de bactérias redutoras de sulfato (BRS). Em função desses dados, associados ao histórico do duto e/ou critérios específicos do operador, são definidas prioridades para inspeção direta (escavação) e reparo. As ferramentas de inspeção indireta mais difundidas são: o método do gradiente de potencial em corrente contínua ( Direct Current Voltage Gradient DCVG), método de atenuação de corrente (conhecido pelo nome comercial Pipeline Current Mapper PCM) e método do levantamento de potenciais passo-a-passo ( Close Interval Potential Survey CIPS). Cada uma dessas técnicas é dotada de critérios específicos para caracterização de anomalias, em função dos quais se definem seus respectivos graus de severidade [2] e quais as medidas corretivas pertinentes. Atualmente, estão disponíveis no mercado equipamentos que possibilitam a aplicação simultânea de técnicas distintas de inspeção de integridade de dutos (por exemplo, inspeções combinadas DCVG+CIPS [3], fornecendo dados mais completos de integridade e viabilizando a metodologia ECDA da NACE com elevado grau de precisão (pois as duas inspeções são executadas no mesmo instante e no mesmo ponto geográfico), e sem custo adicional ao operador do duto, uma vez que duas inspeções são realizadas com um único instrumento, uma única equipe, uma única mobilização e um único esforço laboral. A tomada de decisão eficaz quanto à necessidade e priorização de ações corretivas é, contudo, tarefa complexa e de grande responsabilidade, requer experiência do operador da tubulação e a análise simultânea de múltiplas informações e com critérios diversos de classificação. Quando realizada sem uma sistemática consistente, incorre-se no risco de 1) desperdício de tempo e recursos com intervenções não prioritárias (ou mesmo desnecessárias); e 2) incerteza de que foram tomadas todas medidas corretivas efetivas no sentido de assegurar a integridade da tubulação. No presente trabalho é apresentada uma metodologia, baseada em lógica difusa, para análise dos dados de inspeção de integridade do revestimento de tubulações, correlacionados aos parâmetros determinantes da corrosividade do solo local e eficiência do sistema de proteção - 6 -

7 catódica atuante. É definido um indicador que quantifica, analiticamente, a susceptibilidade ao processo corrosivo de um dado ponto de defeito no revestimento. O modelo matemático proposto utiliza os seguintes parâmetros de entrada: 1) graduação de falha segundo o método DCVG; 2) nível de atenuação de corrente segundo o método PCM; 3) potencial tubo-solo polarizado OFF no ponto de indicação de falha, obtido pela inspeção CIPS; 4) resistividade elétrica do solo local; 5) ph do solo local; 6) umidade do solo local; 7) presença de BRS no solo local; e 8) tipo do solo local. A saída é um valor que foi denominado Índice de Prioridade, delimitado pelo intervalo [0, 3] e que dimensiona, qualitativa e quantitativamente, o grau de exposição do aço à corrosão. É importante frisar que o processo ECDA é um conjunto mais rico que ações isoladas de manutenção preventiva e corretiva de uma tubulação. É, em verdade, uma ferramenta de elevada complexidade que se configura em uma análise de riscos completa, levando em consideração uma série de outras variáveis, não necessariamente ligadas à corrosão, tais como: classe de locação, riscos à vida humana, histórico de ocorrências, densidade de anomalias, dentre outros. Portanto, o método apresentado é nada mais que uma ferramenta auxiliar, que encontra espaço para aplicabilidade em apenas uma das quatro etapas que integram o ECDA a que lida com inspeções indiretas. É um modelo matemático de tomada de decisão, com o qual se espera ser capaz de nortear os operadores de dutos e responsáveis por sua manutenção em questões como: Quais defeitos necessitam intervenção imediata? Se disponho de verba para o reparo de X defeitos, quais devo priorizar? Tenho uma falha grande, porém protegida catodicamente, e outra pequena, com proteção catódica insuficiente; qual intervenção devo realizar primeiro? Mais ainda, pretende-se uma implementação simples e de baixo custo, independente de pacotes computacionais complexos para análise de riscos, totalmente adaptável a quaisquer planos de inspeção e manutenção, e que requer entrada de informações que, atualmente, já estão facilmente disponíveis para a maioria dos operadores de tubulações. 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE LÓGICA DIFUSA O conceito de lógica difusa, também conhecido como lógica fuzzy, foi introduzido por L. A. Zadeh [4], para lidar com o aspecto vago da informação, consistindo em uma das abordagens mais bem sucedidas [5] no tratamento de problemas complexos de engenharia, quando o modelo matemático está sujeito a incertezas. A lógica difusa fornece um conjunto de ferramentas que possibilitam traduzir e operar com um entendimento qualitativo em termos de raciocínio numérico, o que se torna especialmente interessante no processamento de dados cuja informação relevante é expressa em termos de variáveis linguísticas (e, de certa maneira, vagas), tais como: muito grande, grande, médio, muito pequeno, pequeno etc. Um modelo simples em lógica difusa atribui um valor difuso µ(p) a uma proposição p, expressando o grau de veracidade dessa proposição, sendo µ(x) uma função arbitrária, denominada função de pertinência, com conjunto imagem definido entre [0, 1]. Um conjunto difuso é uma extensão da teoria de conjuntos clássica (em que um valor x pertence a um conjunto A ou não), na qual: x pertencer ao conjunto A é a proposição p, µ(p)=1 se x pertence conjunto A e µ(p)=0 se x não pertence ao conjunto A, sendo admitida uma gama infinita de valores intermediários. Seguindo esse raciocínio, pode-se, por exemplo, afirmar que uma anomalia é 0,9 severa e 0,1 irrelevante (a depender de como se define - 7 -

8 qualitativamente a escala de gravidade). Dessa forma, a dita anomalia é severa e irrelevante ao mesmo tempo, sem que se incorra em erro, uma vez que possuem valores distintos de pertinência. Um modelo baseado em lógica difusa é obtido a partir das seguintes etapas: 1. Conversão das variáveis do problema em números difusos, processo conhecido, também, por fuzzificação ; 2. Aplicação dos operadores aritméticos difusos; 3. Aplicação das regras de inferência difusa, ou regras de implicação; 4. Combinação das saídas difusas possíveis; 5. Conversão do resultado difuso em um resultado nítido, processo denominado, também, defuzzificação. Recentemente, a lógica difusa vem sendo aplicada com sucesso em diversos problemas de engenharia ambiental e civil, inclusive modelagem matemática da deterioração de tubulações [6] e avaliação da corrosividade de solos [7]. 3. MODELAGEM MATEMÁTICA Na metodologia proposta, são adotados um total de 8 parâmetros de entrada, sendo os três primeiros provenientes de inspeções indiretas, e escolhidos em função das ferramentas mais utilizadas no mercado brasileiro: 1) severidade da falha segundo o método DCVG %IR; 2) nível de atenuação de corrente segundo o método PCM; e 3) potencial tubo-solo polarizado OFF no ponto de falha, obtido pela inspeção CIPS. Os outros cinco, classicamente reconhecidos como determinantes da agressividade do solo, foram considerados seguindo os trabalhos de Sadiq et al [7], o qual, por sua vez, é baseado no método dos dez pontos [8]: 4) resistividade elétrica do solo local; 5) ph do solo local; 6) umidade do solo local; 7) presença de BRS no solo local; e 8) tipo do solo local. Para cada parâmetro foram definidas funções de pertinência, que associam seus respectivos critérios de classificação a três números difusos os quais, por sua vez, expressam o grau de exposição do ponto à corrosão em condições típicas, nomeados, neste trabalho, como: SEVERA, MODERADA e PEQUENA. A escolha da terminologia foi no sentido de manter a compatibilidade com a nomenclatura proposta na norma NACE RP [1], que trata do processo ECDA. As funções de pertinência e respectivos intervalos de domínio foram definidos heuristicamente, com base na experiência e avaliação dos autores. Da mesma forma, os expoentes k i utilizados em cada função, introduzidos no intuito de permitir um melhor ajuste das curvas nas regiões de transição entre as categorias, devem ter seus valores escolhidos segundo a opinião de especialistas (operadores de dutos) Definição das funções de pertinência Grau de severidade da falha pelo método DCVG O método de inspeção DCVG permite a localização e avaliação quantitativa de defeitos no revestimento de uma tubulação enterrada, por meio da identificação de variações no gradiente - 8 -

9 de potencial em regime de corrente contínua, no solo circunvizinho ao duto. Em inspeções DCVG, as falhas encontradas são classificadas por meio do cálculo de um índice relativo conhecido por %IR, definido como a razão percentual entre o gradiente de potencial medido do epicentro da falha para a terra remota (conhecido por over the line to remote earth OL/RE) e a diferença entre os potenciais tubo-solo ON e OFF, medidos em relação à terra remota nos pontos de teste à montante e à jusante do trecho inspecionado, e estimados para o ponto de defeito por meio de interpolação aritmética (conhecido por pipe to remote earth P/RE). O valor %IR indica o grau de atividade elétrica de um defeito, e é classificado em quatro categorias, indicadas na tabela seguinte em ordem decrescente de gravidade [2]: Tabela 1 - Classificação de falhas no revestimento segundo o %IR Categoria %IR (%) A 71 a 100 B 36 a 70 C 16 a 35 D 1 a 15 Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 1 a 3, em termos do %IR de um defeito, expresso pelo argumento x: x μ %IR S (x) k ; 45,00 < x < 51,00 = 0; x 45,00 1; x 51,00 (1) μ %IR M (x) = 1 μ %IR S (x) μ %IR P (x) (2) 35 x 1 11,67 k ; 23,33 < x < 35,00 μ %IR P (x) = 1; x 23,33 0; x 35,00 (3) em que μ %IR S (x) é o valor de pertinência do %IR à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ %IR M (x) é o valor de pertinência do %IR à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ %IR P (x) é o valor de pertinência do %IR à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é o %IR do defeito, expresso em termos percentuais. Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 1 foi determinado empiricamente igual a 1,0. As funções de pertinência do %IR foram definidas de forma mais conservadora que os critérios recomendados na Tabela 1, por maior coerência com a situação verificada no cenário nacional, sobretudo em regiões urbanas e condições de elevados níveis de interferências, segundo o julgamento dos autores. A figura seguinte ilustra as funções de pertinência para o grau de severidade %IR, considerando k 1 = 1,0: - 9 -

10 Figura 1 - Função de pertinência para o %IR Função de pertinência µ%ir(x) 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0, SEVERA MODERADA PEQUENA Nível de atenuação de corrente pelo método PCM O método da atenuação de corrente combina técnicas de localização de tubulações metálicas enterradas e de avaliação do revestimento anticorrosivo de dutos por meio de uso de campos eletromagnéticos. Utiliza uma corrente (denominada corrente PCM) cujo comportamento é similar à corrente de proteção catódica, mas passível de ser detectada a partir da superfície. Baseia-se em realizar o mapeamento desta corrente PCM, por meio de leituras em intervalos regulares, o que permite obter a distribuição da corrente ao longo da tubulação e identificar os pontos de consumo desta corrente, que podem ser ocasionados por defeitos no revestimento. Os níveis de atenuação de corrente, expressos em db/m, são classificados de acordo com a tabela seguinte [2]: Tabela 2 - Classificação dos níveis de atenuação de corrente Categoria db/m Severa > 0,030 Média 0,021 a 0,030 Suave 0,000 a 0,020 Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 4 a 6, em termos do nível de atenuação de corrente db no trecho de duto, expresso pelo argumento x: x 25,5 2 4,5 k ; 25,50 < x < 30,00 μ db S (x) = 0; x 25,50 1; x 30,00 (4) μ db M (x) = 1 μ db S (x) μ db P (x) (5) 20 x 2 20 μ db P (x) k ; 0,00 < x < 20,00 = 1; x 0,00 0; x 20,00 (6)

11 em que μ db S (x) é o valor de pertinência da atenuação de corrente db à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ db M (x) é o valor de pertinência da atenuação de corrente db à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ db P (x) é o valor de pertinência da atenuação de corrente db à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é o nível de atenuação de corrente no trecho, expresso em decibéis por quilômetro. Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 2 foi determinado empiricamente igual a 1,0. A figura seguinte ilustra as funções de pertinência para a atenuação de corrente db, considerando k 2 = 1,0: Figura 2 - Função de pertinência para a atenuação de corrente db Potencial tubo-solo polarizado OFF O potencial polarizado tubo-solo OFF é o parâmetro que define o nível de proteção catódica atuante sobre a tubulação objeto de estudo, sendo tipicamente obtido por meio de inspeções CIPS com interrupção das fontes de energia ON/OFF. Em um levantamento de potenciais CIPS são coletadas medições regularmente espaçadas a intervalos curtos, ao longo de todo o traçado do duto, do potencial tubo-solo sob influência do sistema de proteção catódica (potencial ON), bem como do potencial polarizado da estrutura, imediatamente após uma breve interrupção da corrente de proteção catódica aplicada (potencial OFF). As leituras são comumente realizadas em relação ao eletrodo de cobre / sulfato de cobre (Cu/CuSO 4 ), para o qual é admitido como critério de proteção catódica o valor preceituado pela NACE [9] igual ou mais eletronegativo que -850 mv e mais eletropositivo que -1200,00 mv, em solos isentos de bactérias redutoras de sulfato. Em regiões de interferências elétricas provenientes de fontes DC externas, notadamente os casos de correntes dinâmicas, torna-se inviável a aquisição de leituras precisas do potencial OFF. Nestas condições, a prática usual é a coleta de registros contínuos, com períodos entre 1 a 24 horas, a critério do operador, do potencial tubo-solo e interpretação dos resultados em termos do perfil predominante. Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 7 a 9, em termos do potencial polarizado tubo-solo OFF, expresso pelo argumento x:

12 k 3 ; 650,00 < x < 600,00 50 μ OFF S (x) = 0; x 650,00 1; x 600,00 x ( 650) (7) μ OFF M (x) = 1 μ OFF S (x) μ OFF P (x) (8) k 3 ; 850,00 < x < 800,00 50 μ OFF P (x) = 1; 1200,00 x 850,00 0; x 800, x (9) em que μ OFF S (x) é o valor de pertinência do potencial polarizado tubo-solo OFF à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ OFF M (x) é o valor de pertinência do potencial polarizado tubo-solo OFF à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ OFF P (x) é o valor de pertinência do potencial polarizado tubo-solo OFF à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é o potencial polarizado tubo-solo OFF no ponto considerado, expresso em mv. Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 3 foi determinado empiricamente igual a 1,0. Convém observar que, neste trabalho, a análise de dados de inspeção CIPS proposta segue uma abordagem distinta da que vem sendo adotada em outras referências [1] [10]: anomalias nos potenciais tubo-solo ON/OFF vêm sendo categorizadas segundo o critério de proteção catódica estabelecido e, também, em função de quedas abruptas e concomitantes nos valores ON e OFF, uma vez que podem indicar presença de defeitos no revestimento do duto (ou variações na resistividade do solo local). Entretanto, uma vez que o modelo descrito já leva em conta dados de inspeções DCVG e PCM, os quais fornecem indicações pontuais e precisas, considera-se que já se dispõe de dados suficientes sobre a presença e gravidade de falhas no revestimento, pelo que as indicações de inspeções CIPS são caracterizadas, exclusivamente, do ponto de vista do critério de proteção catódica. Portanto, as funções de pertinência propostas indicam que, quanto mais próximo do potencial natural do metal estiver o valor polarizado OFF, tanto maior será a probabilidade de corrosão e, consequentemente, mais severa a anomalia. Reciprocamente, quanto mais próximo do critério de proteção catódica estiver o valor polarizado OFF, menor a probabilidade de corrosão e, assim, menos severa a anomalia. A figura seguinte ilustra as funções de pertinência para o potencial polarizado tubo-solo OFF, considerando k 3 = 1,0:

13 1,2 Figura 3 - Função de pertinência para o potencial tubo-solo polarizado OFF Função de pertinência µoff(x) 1 0,8 0,6 0,4 0, SEVERA MODERADA PEQUENA Resistividade elétrica do solo A resistividade elétrica do solo ρ depende de sua natureza e da quantidade de íons presentes, sendo afetada, também, pela umidade, temperatura, compactação e presença de materiais inertes, tais como rocha e cascalho. A tabela seguinte descreve a classificação dos solos em função da resistividade elétrica [11][9]: Tabela 3 - Classificação dos solos em função da resistividade elétrica Corrosividade do solo Resistividade (Ω.cm) Severamente corrosivo 0 a 500 Muito corrosivo 500 a 1000 Corrosivo 1000 a 3000 Moderadamente corrosivo 3000 a Levemente corrosivo a Pouco corrosivo Acima de Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 10 a 12, em termos da resistividade elétrica do solo, expressa pelo argumento x: 2500 x μ ρ S (x) k ; 2000,00 < x < 2500,00 = 1; x 2000,00 0; x 2500,00 (10) μ ρ M (x) = 1 μ ρ S (x) μ ρ P (x) (11) x μ ρ P (x) k ; 9500,00 < x < 10000,00 = 0; x 9500,00 1; x 10000,00 (12)

14 em que μ ρ S (x) é o valor de pertinência da resistividade elétrica à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ ρ M (x) é o valor de pertinência da resistividade elétrica à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ ρ P (x) é o valor de pertinência da resistividade elétrica à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é a resistividade elétrica do solo, expressa em Ω.cm. Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 4 foi determinado empiricamente igual a 1,0. A figura seguinte ilustra as funções de pertinência para a resistividade elétrica do solo, considerando k 4 = 1,0: 1,2 Figura 4 - Função de pertinência para a resistividade elétrica do solo Função de pertinência µρ(x) 1 0,8 0,6 0,4 0, SEVERA MODERADA PEQUENA ph do solo O valor de ph é uma medida da concentração de íons positivos H + no substrato, indicando seu grau de acidez ou alcalinização, sendo fator determinante de uma série de características do solo, dentre as quais: disponibilidade de nutrientes, presença de microorganismos, solubilidade de metais pesados e corrosividade. Solos com ph inferior a 5 contribuem para severa corrosão de materiais enterrados [11]. A tabela seguinte descreve o grau de agressividade dos solos em função do ph [12][9]: Tabela 4 - Classificação dos solos em função do ph Classificação ph Extremamente ácido 3,5 a 4,4 Muito fortemente ácido 4,5 a 5,0 Fortemente ácido 5,1 a 5,5 Moderadamente ácido 5,6 a 6,0 Levemente ácido 6,1 a 6,5 Neutro 6,6 a 7,3 Levemente alcalino 7,4 a 7,8 Moderadamente alcalino 7,9 a 8,4 Fortemente alcalino 8,5 a 9,0-14 -

15 Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 13 a 15, em termos do ph do solo, expresso pelo argumento x: 6,3 x 5 0,3 k ; 6,00 < x < 6,30 μ ph S (x) = 1; x 6,00 0; x 6,30 (13) μ ph M (x) = 1 μ ph S (x) μ ph P (x) (14) x 8,55 5 0,45 k ; 8,55 < x < 9,00 μ ph P (x) = 0; x 8,55 1; x 9,00 (15) em que μ ph S (x) é o valor de pertinência do ph do solo à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ ph M (x) é o valor de pertinência do ph do solo à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ ph P (x) é o valor de pertinência do ph do solo à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é o ph do solo. Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 5 foi determinado empiricamente igual a 1,0. A figura seguinte ilustra as funções de pertinência para o ph do solo, considerando k 5 = 1,0: 1,2 Figura 5 - Função de pertinência para o ph do solo Função de pertinência µph(x) 1 0,8 0,6 0,4 0, SEVERA MODERADA PEQUENA Umidade do solo É sabido que corrosão eletroquímica está diretamente associada à exposição do material metálico a um eletrólito no qual estão presentes moléculas de água, devido à disponibilidade de oxigênio e íons de hidrogênio, e também de compostos solúveis em água, incluindo formadores de bases como o sódio, potássio, cálcio e magnésio, e formadores de ácidos como carbonato, bicarbonato, cloro, nitrato e sulfato. O estado predominante de umidade do solo, portanto, fornece um indicador direto do potencial corrosivo e será classificado em termos de sua característica de drenagem de água [8]: drenagem ruim (predominantemente molhado), drenagem mediana (predominantemente úmido) e drenagem boa (predominantemente seco)

16 Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 16 a 18, em termos da umidade H, expresso pelo argumento x: (x) k 6; 0,00 < x < 1,00 μ H S (x) = 0; x 0,00 1; x 1,00 (16) μ H M (x) = 1 μ H S (x) μ H P (x) (17) ( x) k 6; 1,00 < x < 0,00 μ H P (x) = 1; x 1,00 0; x 0,00 (18) em que μ H S (x) é o valor de pertinência da umidade H à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ H M (x) é o valor de pertinência da umidade H à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ H P (x) é o valor de pertinência da umidade H à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é a umidade H (adimensional). Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 6 foi determinado empiricamente igual a 1,20. A figura seguinte ilustra as funções de pertinência para a umidade H, considerando k 6 = 1,20: Figura 6 - Função de pertinência para a umidade do solo Presença de BRS no solo local / teor de sulfetos A compreensão do efeito da corrosão microbiológica, também conhecida por corrosão bacteriológica, é fundamental para o entendimento da corrosividade dos solos [14]. Micróbios não atacam diretamente o metal, mas criam condições que intensificam o mecanismo de corrosão. Destaca-se as bactérias do gênero Desulfovibrio ssp, redutoras de sulfato (BRS) a enxofre sob condições anaeróbias, formando o produto de corrosão sulfeto ferroso (FeS) [15]. Portanto, é possível detectar a presença de BRS no solo a partir da análise de amostras, pelo teor de sulfetos, cujos resultados são reportados, usualmente, como: positivo, índícios e negativo [6]

17 Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 19 a 21, em termos do teor de sulfetos no solo S, expresso pelo argumento x: (x) k 7; 0,00 < x < 1,00 μ S S (x) = 0; x 0,00 1; x 1,00 (19) μ S M (x) = 1 μ S S (x) μ S P (x) (20) ( x) k 7; 1,00 < x < 0,00 μ S P (x) = 1; x 1,00 0; x 0,00 (21) em que μ S S (x) é o valor de pertinência do teor de sulfetos no solo S à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ S M (x) é o valor de pertinência do teor de sulfetos no solo S à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ S P (x) é o valor de pertinência do teor de sulfetos no solo S à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é o teor de sulfetos no solo S, expresso em log(mg/l). Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 7 foi determinado empiricamente igual a 1,20. A figura seguinte ilustra as funções de pertinência para o teor de sulfetos no solo S, considerando k 7 = 1,20: 1,2 Figura 7 - Função de pertinência para o teor de sulfetos no solo S Função de pertinência µs(x) 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0-1,5-1 -0,5 0 0,5 1 1,5 2 SEVERA MODERADA PEQUENA Tipo do solo local O tipo de solo, caracterizado por sua textura e granulometria, define a quantidade de poros presentes, por onde a água é absorvida, assim como a concentração de oxigênio e materiais dissolvidos, sendo fator determinante de sua umidade. Esta, por sua vez, relaciona-se inversamente à resistividade elétrica do solo [16], constituindo, portanto, parâmetro de grande relevância em sua corrosividade. Os tipos de solo são categorizados segundo o Sistema Unificado de Classificação de Solos [17], em função do percentual de material fino (partículas com tamanho inferior a 0,074 µm) presente. Valores maiores indicam maior capacidade de retenção de umidade e,

18 consequentemente, maior corrosividade do solo. A tabela seguinte descreve a classificação dos solos em função do percentual de material fino: Tabela 5 - Classificação dos solos em função do percentual de material fino Classificação % Saibro arenoso / cascalho 15 Areia 22 Areia siltosa 25 Silte 30 Argila siltosa 35 Argila Acima de 40 Os números difusos que representam as classes de susceptibilidade de corrosão severa, moderada e pequena são definidos nas equações 22 a 24, em termos do percentual de material fino no solo %MF, expresso pelo argumento x: x (30) 8 15 μ %MF S (x) k ; 30,00 < x < 45,00 = 0; x 30,00 1; x 45,00 (22) μ %MF M (x) = 1 μ %MF S (x) μ %MF P (x) (23) 30 x 8 10 μ %MF P (x) k ; 20,00 < x < 30,00 = 1; x 20,00 0; x 30,00 (24) em que μ %MF S (x) é o valor de pertinência do percentual de material fino no solo %MF à classe de susceptibilidade de corrosão severa, μ %MF M (x) é o valor de pertinência do percentual de material fino no solo %MF à classe de susceptibilidade de corrosão moderada, μ %MF P (x) é o valor de pertinência do percentual de material fino no solo %MF à classe de susceptibilidade de corrosão pequena e x é o percentual de material fino no solo %MF, expresso em termos percentuais. Os valores das funções de pertinência variam entre 0 e 1. O fator k 8 foi determinado empiricamente igual a 1,

19 1,2 Figura 8 - Função de pertinência para o percentual de material fino no solo Função de pertinência µ%mf(x) 1 0,8 0,6 0,4 0, SEVERA MODERADA PEQUENA 3.2. Definição dos fatores de ponderação O modelo de ponderação proposto é definido segundo o método desenvolvido por Saaty et al [18], denominado Analytic Hierarchy Process (AHP). O AHP encontra aplicações em problemas de engenharia envolvendo tomada de decisões em sistemas complexos e com múltiplos critérios. Consiste na decomposição de um problema em uma hierarquia de subproblemas e atribuição de fatores de importância relativa a cada subproblema ou critério. Os critérios são sistematicamente comparados entre si, permitindo uma tomada de decisão racional e consistente, ainda que abrangendo variáveis de naturezas distintas e, frequentemente, incomensuráveis. A matriz de importância I é construída com uma linha e uma coluna para cada parâmetro de entrada considerado (i.e. 8 8), de modo que cada elemento j mn na matriz triangular superior representa o grau de importância de um parâmetro m com relação a outro parâmetro n. Cada elemento posicionado na matriz triangular inferior corresponde ao respectivo recíproco da matriz triangular superior, ou seja: j nm = 1/j mn. As importâncias relativas entre diferentes fatores são atribuídas heuristicamente, segundo a tabela de intensidades abaixo: Tabela 6 - Intensidades de importância do AHP, conforme Saaty et al [18] Intensidadede de importância Definição 1 Mesma importância 3 Importância pequena de uma sobre a outra 5 Importância grande ou essencial 7 Importância muito grande ou demonstrada 9 Importância absoluta 2, 4, 6, 8 Intermediários entre valores adjacentes O valor de cada elemento j mn na matriz de importância I é determinado segundo o julgamento de especialistas, histórico da tubulação, condições de campo e critérios específicos do operador do duto. Para este estudo, o modelo proposto por Sadiq et al [7] foi adaptado, resultando na matriz de importância I abaixo:

20 %IR OFF db ρ ph H S %MF 1,00 5,00 7,00 7,00 8,00 9,00 9,00 9,00 %IR 0,20 1,00 7,00 7,00 8,00 9,00 9,00 9,00 OFF 0,14 0,14 1,00 7,00 8,00 9,00 9,00 9,00 db 0,14 0,14 0,14 1,00 3,00 4,00 6,00 8,00 ρ I = 0,13 0,13 0,13 0,33 1,00 1,50 2,00 4,00 ph 0,11 0,11 0,11 0,25 0,67 1,00 2,00 2,00 H 0,11 0,11 0,11 0,17 0,50 0,50 1,00 2,00 S 0,11 0,11 0,11 0,13 0,25 0,50 0,50 1,00 %MF (25) Normalizando a matriz acima é obtida a matriz auxiliar I. Tomando a soma dos elementos de cada linha desta última, é derivado o vetor I, isto é: 0,5144 0,7414 0,4487 0,3060 0,2720 0,2609 0,2338 0,2045 0,1029 0,1483 0,4487 0,3060 0,2720 0,2609 0,2338 0,2045 0,0735 0,0212 0,0641 0,3060 0,2720 0,2609 0,2338 0,2045 0,0735 0,0212 0,0092 0,0437 0,1020 0,1159 0,1558 0,1818 I = 0,0643 0,0185 0,0080 0,0146 0,0340 0,0435 0,0519 0,0909 0,0572 0,0165 0,0071 0,0109 0,0227 0,0290 0,0519 0,0455 0,0572 0,0165 0,0071 0,0073 0,0170 0,0145 0,026 0,0455 0,0572 0,0165 0,0071 0,0055 0,0085 0,0145 0,0130 0,0227 2,9816 1,9770 1,4359 0,7031 I = 0,3257 0,2407 0,1910 0,1449 (26) (27) Por fim, o vetor de ponderação P é obtido por meio da normalização e transposição de I : P = [P %IR P OFF P db P ρ P ph H P S P %MF ] P = [0,3727 0,2471 0,1795 0,0879 0,0407 0,0301 0,0239 0,0181] (28)

Modelo em Lógica Fuzzy para análise quantitativa de riscos baseada em dados de inspeções ECDA ABSTRACT

Modelo em Lógica Fuzzy para análise quantitativa de riscos baseada em dados de inspeções ECDA ABSTRACT Modelo em Lógica Fuzzy para análise quantitativa de riscos baseada em dados de inspeções ECDA Amauri G. Martins Jr. ENGECORR Engenharia SIA Trecho 03, 990, Sala 111 Brasília, Distrito Federal, 71.200-030

Leia mais

TÉCNICAS PARA INSPEÇÃO

TÉCNICAS PARA INSPEÇÃO 1 TÉCNICAS PARA INSPEÇÃO SISTEMAS DE PROTEÇÃO CATÓDICA E REVESTIMENTOS DE TUBULAÇÕES 1. Generalidades 1.1. Corrosão Nada mais é, em seu princípio mais básico, do que o processo inverso da metalurgia onde

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda. LPgomes@iecengenharia.com.br www.iecengenharia.com.br

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 2: PROTEÇÃO CATÓDICA DE DUTOS TERRESTRES Este material contém informações classificadas como NP1 PROGRAMAÇÃO 1.Introdução: Projeto de dutos;

Leia mais

C - T CI-15/GPS. Antena GPS com base imantada. Adaptador CA bivolt. Carregador de bateria 12 V Manual de operação CONSTRUTIVAS

C - T CI-15/GPS. Antena GPS com base imantada. Adaptador CA bivolt. Carregador de bateria 12 V Manual de operação CONSTRUTIVAS C - T CI-15/ 230 mm 160 mm 100 mm 2 kg Ni-MH 12 V, 1 Ah CI-15/ é uma ferramenta sincronizada por e, portanto, de elevadíssima precisão, capacidade de interrupção é de 15 A / 50 V. Excelente portabilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Escola Federal de Engenharia de Itajubá Av. BPS, 1303 Itajubá, MG CEP: 37500-000 e-mail: pamplona@iem.efei.br Prof.

Leia mais

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER José Luiz de França Freire DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Alberto

Leia mais

Estudo de Corrosão em Fundação de Torres Estaiadas

Estudo de Corrosão em Fundação de Torres Estaiadas Estudo de Corrosão em Fundação de Torres Estaiadas Neusvaldo Lira de Almeida 1, Sidney O. Pagotto Jr. 2, Leandro Santos Escudero 3 Marcus Garbelotti 4, José Antonio Jardini 5, Mário Masuda 6 Resumo - Estruturas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A.

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Materiais 22 CONBRASCORR

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua

Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua Inferências Geográfica: Inferência Bayesiana Processo Analítico Hierárquico Classificação contínua Análise Multi-Critério Classificação continua (Lógica Fuzzy) Técnica AHP (Processo Analítico Hierárquico)

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE ELETRODOS DE REFERÊNCIA EM RELAÇÃO A UM PADRÃO DE Ag/AgCl

VERIFICAÇÃO DE ELETRODOS DE REFERÊNCIA EM RELAÇÃO A UM PADRÃO DE Ag/AgCl VERIFICAÇÃO DE ELETRODOS DE REFERÊNCIA EM RELAÇÃO A UM PADRÃO DE Ag/AgCl Telma Regina Salgado Villela Alexandre Magno de Souza Hosam Abdel-Rehim Laboratório de Medidas Elétricas LAMEL INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia 44 3 FORMAS DE CORROSÃO Neste capítulo serão apresentadas as classificações utilizadas para corrosão em dutos considerando o mecanismo, morfologia, fenomenologia, dimensionamento e gerenciamento. 3.1.

Leia mais

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Proteção Catódica em Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Proteção Catódica em Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Definição Proteção Catódica (PC) é um método de proteção contra a corrosão de estruturas enterradas ou submersas baseado no princípio

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL COTEQ A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL Hermann Schubert 1, Edvaldo H. K. Ide 2, Higor Gerbovic 3, Reginaldo Luz 4, Ronaldo K. Shiomi 5 Copyright 2011, ABENDI. Trabalho apresentado

Leia mais

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa

Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Complemento III Noções Introdutórias em Lógica Nebulosa Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

4 FUZIFICAÇÃO DO MODELO MUHLBAUER

4 FUZIFICAÇÃO DO MODELO MUHLBAUER 4 FUZIFICAÇÃO DO MODELO MUHLBAUER Neste capítulo se avaliará o Risco em sistemas de tubulação que transportam petróleo e/ou gás baseado nos capítulo dois e três. Isto significa que a aplicação do modelo

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 180

Norma Técnica SABESP NTS 180 Norma Técnica SABESP NTS 180 Sistemas de proteção catódica projeto e implantação Procedimento São Paulo Novembro - 2002 NTS 180 : 2002 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 CAMPO DE APLICAÇÃO...1

Leia mais

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 1 O Teste de corrosão é a interpretação dos resultados que pode ser um dos mais controvertidos assuntos na indústria de galvanoplastia.

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado Ultrafiltração -

A ÁGUA COMO REAGENTE PURA PURA PURA Destilação - Deionização Osmose Reversa - Filtração através de Carvão Ativado  Ultrafiltração - 1 A ÁGUA COMO REAGENTE A água é o suprimento do Laboratório Clínico de menor custo. Talvez, por este motivo, sua qualidade seja tão negligenciada, apesar de ser um reagente importante e o mais utilizado.

Leia mais

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS

INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 5: INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Este material contém informações classificadas como NP-1 INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS INTERFERÊNCIAS ELÉTRICAS Aproximações

Leia mais

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy.

Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Análise crítica dos resultados oriundos de certificados de calibração relativo à calibração de bloco-padrão utilizando lógica fuzzy. Flávio Carnelli Frade 1,2, Pedro Bastos Costa 1,3, Giovane Quadreli

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Alexandre de Oliveira - out/2013 No atual estágio de desenvolvimento das metodologias para mensuração do risco de crédito

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS

PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS PEF 2303 ESTRUTURAS DE CONCRETO I INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DAS ESTRUTURAS Conceito de Segurança Métodos de Verificação da Segurança Método das Tensões Admissíveis Métodos Probabilísticos Método Semi-Probabilístico

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia

A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia Andreia Mingroni Besteiro Giovani Paiva Valeria Miucciato Jomar Bueno

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

Introdução, motivação e conjuntos fuzzy

Introdução, motivação e conjuntos fuzzy Lógica Fuzzy Introdução, motivação e conjuntos fuzzy Professor: Mário Benevides Monitores: Bianca Munaro Diogo Borges Jonas Arêas Renan Iglesias Vanius Farias Introdução "A lógica difusa tem por objetivo

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2

Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 Resumo Vergalhão Galvanizado: Vantagens, Aplicações e Desempenho em Estruturas de Concreto Armado. Luiza Abdala 1, Daniele Albagli 2 1 Votorantim Metais / Desenvolvimento de Mercado / luiza.abdala@vmetais.com.br

Leia mais

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO:

MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL SUMÁRIO: MANEJO DO CICLO DO ph PARA MANTER A SAÚDE ANIMAL Por Claude E. Boyd, Ph.D. Department of Fisheries and Allied Aquacultures Alburn University Alburn, Alabama 36849 USA Artigo publicado na Revista Advocate

Leia mais

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1

Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado. Marcelo H. F. de Medeiros 1 Estudo de variáveis que influenciam nas medidas de resistividade de estruturas de concreto armado Marcelo H. F. de Medeiros 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil RESUMO A

Leia mais

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação 1 AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação Ernesto F. L. Amaral 14 e 26 de abril de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas

Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Biomatemática 22 (2012), 61 76 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Sistemas p-fuzzy modificados para o modelo do controle de pragas Thiago F. Ferreira 1, Rosana S. M.

Leia mais

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5

Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços. Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 Informação Técnica 10.08.01 E 09.2003 Offset Serviços Molhagem em impressão offset Fatos importantes para o uso nos aditivos de molhagem offset 1/5 O processo de impressão offset Offset continua a ser

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE FRAÇÃO DE VIDA CONSUMIDA DE AÇOS 1CR-0,5MO ATRAVÉS DE ENSAIOS ACELERADOS DE FLUÊNCIA Hector Reynaldo Meneses Costa CEFET-RJ/DEPES Ari Sauer Guimarães UFRJ/PEMM/COPPE Ivani

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

OCORRÊNCIA DE CORROSÃO NAFTÊNICA EM CARCAÇA DE BOMBA DE DIESEL LEVE. Paulo Pio Alvisi PETROBRAS-UN REGAP -MI-IE

OCORRÊNCIA DE CORROSÃO NAFTÊNICA EM CARCAÇA DE BOMBA DE DIESEL LEVE. Paulo Pio Alvisi PETROBRAS-UN REGAP -MI-IE OCORRÊNCIA DE CORROSÃO NAFTÊNICA EM CARCAÇA DE BOMBA DE DIESEL LEVE Paulo Pio Alvisi PETROBRAS-UN REGAP -MI-IE 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 22 CONBRASCORR Congresso Brasileiro de

Leia mais

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA

Leia mais

FUNDAMENTOS DA CORROSÃO

FUNDAMENTOS DA CORROSÃO FUNDAMENTOS DA CORROSÃO Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Os metais raramente são encontrados no estado puro. Eles quase sempre são encontrados em combinação com um ou mais elementos não-metálicos

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição Project Management Institute UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição NOTA As

Leia mais

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Ponte de Vitória (ES) é um trabalho pioneiro no Brasil, principalmente

Leia mais

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Leila Keiko Canegusuco Jansen (POLIUSP) leila.jansen@poli.usp.br Tamio Shimizu (POLIUSP) tmshimiz@usp.br José Ulisses Jansen (IPEN) nana021295@uol.com.br

Leia mais

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello

Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas. Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Aula 04 Método de Monte Carlo aplicado a análise de incertezas Aula 04 Prof. Valner Brusamarello Incerteza - GUM O Guia para a Expressão da Incerteza de Medição (GUM) estabelece regras gerais para avaliar

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico

4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico 4 Termometria termoelétrica 4.1 Fenômeno termoelétrico Um termopar é um transdutor formado simplesmente por dois pedaços de fios de diferentes metais ou ligas, unidos eletricamente apenas em suas extremidades

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP

PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP Autor: Edmilson de Novais Silva Orientador: Prof. Dr. Marcelo Duduchi 1 Introdução Objetivo Aplicar

Leia mais

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Gubiani, P. I. 1 ; Reinert, D. J. 1 ; Reichert, J. M. 1 ; Gelain, N. S. 1 ; Oliveira,

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA em Gestão Avançada de Projetos - Turma nº20 28 de maio de 2015 Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização

Leia mais

Relato de experiência WAMPS2014 Gestão de Portfólio como ferramenta de execução da estratégia

Relato de experiência WAMPS2014 Gestão de Portfólio como ferramenta de execução da estratégia Relato de experiência WAMPS2014 Gestão de Portfólio como ferramenta de execução da estratégia Quem somos Karina Klein Hartmann, PMP, CFPS, CPRE Gerente de projetos e membro do GEPS. Osmar A. M. Pedrozo,

Leia mais

Estudo de corrosão por correntes alternadas (AC) em uma linha de transporte de gás

Estudo de corrosão por correntes alternadas (AC) em uma linha de transporte de gás Copyright 2014, ABRACO Trabalho apresentado durante o INTERCORR 2014, em Fortaleza/CE no mês de maio de 2014. As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do(s) autor(es).

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

Medição da resistividade do solo

Medição da resistividade do solo 30 Apoio Aterramentos elétricos Capítulo XI Medição da resistividade do solo Jobson Modena e Hélio Sueta* O projeto da norma ABNT NBR 7117, atualmente em revisão, estabelece os requisitos para a medição

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Instrumentos de análise da corrosão

Instrumentos de análise da corrosão corrosion analysis Instrumentos de análise da corrosão Todas as estruturas de concreto estão sujeitas a influências agressivas que, com o tempo, causam desgaste. São especialmente suscetíveis as estruturas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 242 Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 1Instituto Federal Farroupilha Campus São Borja

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS

Aula ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS ERROS E TRATAMENTOS DE DADOS METAS Apresentar os algarismos significativos e operações que os envolvem; apresentar os conceitos de precisão e exatidão; apresentar os tipos de erros experimentais; apresentar

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática e Estatística para Técnico Administrativo para o BNDES 2008 organizado pela CESGRANRIO. Sem mais delongas,

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais