3. Métodos eléctricos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. Métodos eléctricos"

Transcrição

1 3. Métodos eléctricos Existem vários métodos de prospecção eléctrica. Uns usam os campos naturais da Terra, enquanto que outros se servem da introdução de campos artificiais (correntes eléctricas) no solo. Os métodos resistivos são usados para estudar as descontinuidades horizontais e verticais das propriedades eléctricas do solo e também na detecção de corpos 3D. Estes métodos têm grande uso em geotécnica, hidrologia e no estudo da geologia sub-superficial de pouca profundidade. Nos métodos resistivos, uma corrente artificial é introduzida no solo e a diferença de potencial resultante é medida à superfície. Os desvios do padrão de ΔV esperados de um solo homogéneo fornecem informação sobre a forma e propriedades eléctricas das heterogeneidades. Resistividade das rochas e minerais A resistividade de um material é definida como a resistência em Ohms entre as faces opostas de um cubo de aresta unitária desse material. Num cilindro conductor de resistência δr, comprimento δl e área δa, a resistividade ρ é dada por Figura δrδa ρ = (3.) δl A unidade S.I. da resistividade é o ohmmetro e o inverso da resistividade é designada por conductividade, cujas unidades são o Siemen/metro. A resistividade é uma das propriedades físicas que apresenta maior variabilidade. Alguns minerais conduzem a electricidade via deslocamento dos electrões (condução electrónica). No entanto, a maioria dos minerais das rochas são isolantes eléctricos e a corrente eléctrica é transportada principalmente pela passagem de iões nas águas intersticiais. Os iões que conduzem a corrente eléctrica resultam da dissociação de sais resultante da dissolução desses sais na água. Dado que cada ião transporta uma diminuta quantidade de carga, quantos mais estiverem presentes na solução, maior é a carga eléctrica transportada. Deste modo, as soluções que tiverem um maior número de iões terão uma conductividade mais elevada. De uma maneira geral, para uma dada porosidade, uma rocha cujos poros estrão impregnados com uma água salina será tanto mais conductiva quanto maior for a salinidade dessa água. A salinidade é assim um dos dois factores principais que condicionam a resistividade das rochas. O outro é, obviamente, a porosidade já que quanto maior ela for, maior poderá ser o número Universidade do Algarve

2 de iões dissolvidos nas águas intersticiais. Temos, no entanto, de ter em atenção que a porosidade, por si só, não tem uma relação tão directa com a conductividade como aquela que se poderia depreender pela afirmação anterior. É que, sendo a condução eléctrica processada por via electrolítica, é necessário que exista uma interconecção dos vários poros, de maneira a que a corrente eléctrica possa circular ao longo das rochas. Tecnicamente, a este efeito chama-se a turtuosidade dos poros que tem uma relação estreita com a textura dos materiais. Figura 2 Várias texturas de rochas. A figura 2 mostra alguns exemplos de texturas de rochas que encontramos com frequência. Da sua análise podem-se tirar algumas conclusões qualitativas. a) arenitos grosseiros têm com uma grande percentagem de espaços vazios, e por isso uma baixa resistividade. b) arenitos com grãos de várias dimensões têm uma porosidade mais reduzida e, logo, uma maior resistividade. c) a dissolução de rochas calcáreas ao longo de fracturas aumenta a porosidade e baixa a resistividade. d) a precipitação de minerais baixa a porosidade e aumenta a resistividade. e) as rochas graníticas conduzem a electricidade ao longo de fissuras. As porosidades são, nestes casos, baixas e as resistividades elevadas. f) os basaltos têm frequentemente a característica de os seus poros estarem isolados uns dos outros. Assim, mesmo se tiverem uma elevada porosidade eles podem exibir uma alta resistividade. As rochas comuns e os solos típicos apresentam uma considerável gama de resistividades (figura 3) que reflectem, em parte, os vários tipos texturas que acabámos de mencionar, o que faz com que seja impossível identificá-las só através da análise deste parâmetro. Universidade do Algarve 2

3 Figura 3 Variação típica da resistividade das rochas. Figura 4 Representação esquemática dos iões adsorvidos por uma partícula de argila. Efeito dos minerais de argila As partículas de argila fornecem, em relação ao percurso electrolítico, um percurso alternativo de baixa resistência para a condução de electricidade. A origem da conductividade anormalmente elevada dos minerais de argila assenta na distribuição de catiões em torno desses minerais que está representada na figura 4. As dimensões finitas dos catiões impedem a formação de uma camada única em torno do mineral. Em vez disso, forma-se uma camada dupla constituida por uma camada fixa nas imediações do mineral e uma camada difusa, cuja densidade decai exponencialmente com a distância à camada fixa. Contrariamente à camada fixa, a camada difusa tem liberdade para se mover quando é sujeita à acção de um campo eléctrico exterior. O efeito resultante é o do aumento da conductividade, que neste caso se chama conductividade superficial. Todas as rochas que têm minerais de argila possuem uma elevada conductividade devido a este efeito. Voltando de novo à equação (3.) ela refere-se, de um modo estrito, só à condução electrónica, mas é também possível usá-la para descrever a resistividade efectiva de uma rocha, isto é, a resistividade da rocha e da água intersticial. A resistividade efectiva pode também ser expressa em termos da resistividade e volume da água intersticial, de acordo com a fórmula empírica (Archie) ρ = aφ b c f ρ w onde φ é a porosidade, f a fracção de poros que contêm água de resistividade ρ w e a, b e c são constantes empíricas. ρ w pode variar consideravelmente consoante a quantidade e conductividades dos materiais dissolvidos. A razão de ser do uso desta expressão, e Universidade do Algarve 3

4 outras do género, prende-se com o propósito de tentar estimar a quantidade de água presente num aquífero a partir de medições da sua resistividade. Fluxo de corrente no solo Consideremos o elemento cilíndrico da figura anterior. A corrente I que passa pelo cilindro provoca uma queda de potencial δv entre as extremidades do elemento. A lei de Ohm diz que δv = IδR e a partir da equação (3.) sabemos que δr = (ρδl)/δa, substituindo: δv δl ρi = = ρi (3.3) δa δv/δl, representa o gradiente do potencial através do elemento do volume (em volt/m) e i é a densidade de corrente em A/m 2. Em geral a densidade de corrente numa direcção qualquer é dada pela derivada parcial do potencial nessa direcção, dividida pela resistividade. Consideremos agora, um único eléctrodo de corrente na superfície de um meio de resistividade uniforme. O circuito é fechado a uma grande distância do eléctrodo. A corrente flui radialmente, do eléctrodo de tal modo que a distribuição de corrente é uniforme em calotes hemisféricas centradas na fonte. A uma distância r do eléctrodo a calote tem de área 2πr² e a densidade de corrente será Figura 5 Fluxo de corrente a partir de um único electrodo à superfície. I i = (3.4) 2 2πr Da equação (3.3) o gradiente de potencial associado à densidade de corrente i é dado por: δv δr I = ρi = ρ (3.5) 2 2πr O potencial V r à distância r é obtido por integração: Vr = δv = ρi dr = 2 2πr ρi 2 r r r π (3.6) Universidade do Algarve 4

5 A equação (3.6), permite-nos o cálculo do potencial num ponto qualquer do hemiespaço. As calotes da figura são equipotenciais. Consideremos agora o caso do outro eléctrodo de corrente estar a uma distância finita da fonte. O potencial V C no eléctrodo interno C é dado pela soma das contribuições devidas aos potenciais V A e V B dos eléctrodos de corrente A e B. Figura 6 B A C V V V + = Da equação (3.6) = r A r B I Vc 2π ρ e = B A D R R I V 2π ρ Os potenciais absolutos são difíceis de medir, por isso, o que se costuma medir é a diferença de potência ΔV entre os eléctrodos C e D. = = Δ B A B A D C R R r r I V V V 2π ρ (3.8) ou seja Δ = B A B A R R r r I V 2π ρ (3.9) Quando o solo é homogéneo, a resistividade calculada pela equação anterior deverá ser constante e independente do espaçamento dos eléctrodos e da localização espacial. Quando existem heterogeneidades, porém, a resistividade irá variar com a posição relativa dos eléctrodos. O valor calculado chama-se então resistividade aparente ρ a, que é função da forma da heterogeneidade. k I V a Δ = ρ, onde k é chamado o factor geométrico do dispositivo. Universidade do Algarve 5

6 Num solo homogéneo a profundidade de penetração de corrente aumenta com a separação dos eléctrodos de corrente. A figura mostra a percentagem de corrente que flui abaixo de uma dada profundidade Z em função da razão de separação L dos eléctrodos de corrente e a profundidade Z. Quando L=Z cerca de 30% da corrente flui abaixo de Z e quando L=2Z cerca de 50% flui abaixo de Z. Assim, para pequenos valores de L/Z só a parte superficial é sondada, enquanto que para grandes L/Z só as maiores profundidades são sondadas. A separação dos eléctrodos de corrente tem que ser escolhida de modo a que o solo seja energetizado até à profundidade requerida e deve ser pelo menos igual a essa profundidade. Este facto coloca um limite prático à profundidade de Figura 7 Fracção de corrente que passa abaixo da profundidade Z para uma separação de electrodos L sondagem que se consegue nos métodos resistivos (tipicamente da ordem de km). Existem dois tipos de procedimentos que são empregues nos métodos resistivos. Sondagens eléctricas verticais são usadas sobretudo para estudar a estratificação horizontal das interfaces. Neste procedimento os eléctrodos de corrente e potencial são mantidos com o mesmo espaçamento relativo e todo o aparato é expandido em torno de um ponto central que é mantido fixo. Em consequência as leituras são feitas para profundidades de penetração progressivamente maiores. O grande problema é que a natureza não é muito estratificada. No entanto, este procedimento encontra boas aplicações na hidrogeologia para definir zonas horizontais de estratos porosos. Perfis eléctricos são usados para determinar variações laterais de resistividade. Nestes casos, os potenciais de corrente e de potencial são mantidos com uma separação fixa e deslocados progressivamente ao longo do perfil. Figura 8 Dispositivos mais comuns usados nos métodos resistivos e respectivos factores geométricos. Universidade do Algarve 6

7 Equipamentos dos métodos resistivos basicamente são voltímetros e geradores de corrente porque o que se quer medir é o quociente ΔV/I. Os aparelhos modernos usam correntes alternas de baixa frequência para evitar a polarização dos eléctrodos de potencial e para anular os efeitos das correntes telúricas. Para uma penetração de aproximadamente 0 m podem-se usar frequências de 00 Hz que deverão decrescer para 0 Hz para uma penetração de 00 m. Interpretação das S.E.V. os levantamentos eléctricos estão entre os mais difíceis métodos geofísicos de interpretar quantitativamente devido aos fundamentos teóricos da técnica. Mesmo assim, as S.E.V. ainda são as mais fáceis. Considere-se o resultado medido com um dispositivo de Wenner sobre uma interface única e infinita entre dois meios com resistividades ρ >ρ 2. Figura 9 Variação da resistividade aparente em função da separação dos electrodos a. Ao passar pela interface, as linhas do fluxo de corrente são deflectidas em direcção à interface de um modo semelhante à refracção das ondas sísmicas, já que a camada inferior, mais conductiva, fornece um percurso mais atractivo para a corrente. Quando a separação dos eléctrodos é pequena a maior parte da corrente flui pela camada superior, com a consequência de que a resistividade aparente tende para ρ. Quando a separação dos eléctrodos aumenta progressivamente, mais corrente passa através da camada inferior e ρ a ρ 2. Uma situação semelhante ocorre quando ρ 2 >ρ, embora neste caso a ρ a ρ 2 mais lentamente já que a camada inferior é mais resistiva. Quando temos três camadas horizontais as curvas de ρ a são mais complexas. Apesar de ρ a tender para ρ e ρ 3 para pequenos e grandes espaçamentos dos eléctrodos, a presença de uma camada intermédia provoca a deflexão da curva de ρ a para os espaçamentos intermédios. O modo tradicional de representar as curvas de ρ é num Universidade do Algarve 7 Figura 0 Variação da resistividade aparente com a separação dos electrodos para uma situação de 3 camadas horizontais.

8 gráfico logarítmico (ln ρa ln(l/2)). Nesta representação os casos das figuras anteriores são classificados em 4 tipos: Na prática o que se faz é uma inversão matemática que pretende calcular o número de camadas, a sua espessura e a sua resistividade. Estas soluções não se livram da indeterminação devido ao problema inverso ( ρ t = ρ t ). Camadas muito finas não podem ser detectadas em curvas de sondagens a grande profundidade. Figura Quatro tipos básicos de curvas de resistividade. Figura 2 SEV obtida com um dispositivo de Schlumberger e modelo calculado para uma curva tipo H. Universidade do Algarve 8

9 Interpretação dos perfis eléctricos Os perfis fazem-se movendo o dispositivo (isto é, mantendo fixa posição relativa dos quatro eléctrodos ) ao longo de uma linha. A ideia é, como vimos, detectar contrastes de resistividade. Os resultados obtidos referemse a um nível constante de penetração. A curva da ρ a varia suavemente de ρ para ρ 2 através da zona de contacto dos dois corpos. Se existirem mais discontinuidades laterais o princípio é o mesmo. Figura 3 Perfil de resistividade aparente ao longo de uma descontinuidade vertical. A figura 4 mostra o exemplo de vários perfis calculados para o caso de uma esfera conductiva enterrada a uma certa profundidade, usando três dispositivos diferentes. O método que melhores resultados dá é o do dipólo-dipólo. Figura 4 Perfis de resistividade sob uma esfera enterrada. Combinação de sondagem vertical e perfil Nestes casos o que procuramos estudar são os contrastes verticais e horizontais da resistividade (muito mais interessante) e os dispositivos mais utilizados são o dipólodipólo e pólo-dipólo. Universidade do Algarve 9

10 A figura 5 apresenta o método mais comum que é usado para representar os resultados. É conhecido por pseudo-secção. Os dipólos de injecção são primeiro colocados nas posições e 2 e os dipólos de recepção em 3 e 4 e o ρ a = (ΔV/I)k é calculado. Esta resistividade é então representada na intersecção das linhas traçadas a 45º (ver figura) e por aí além. A pseudo-secção não é uma verdadeira representação da Figura 5 Método de representação de uma pseusosecção. distribuição da resistividade em profundidade. A interpretação consiste na modelação iterativa (ou modelo inverso) de um modelo 2D até que as pseudo-secções teóricas e observadas coincidam o melhor possível (figura 6). Universidade do Algarve 0

11 Limitações dos métodos resistivos Os métodos resistivos são eficientes na delineação de sequências estratificadas de baixa profundidade e na detecção de descontinuidades verticais, que envolvem variações de resistividade. Têm contudo algumas limitações :. A interpretação pode ser ambígua 2. A interpretação é limitada a configurações estruturais simples 3. A topografia e os efeitos das variações resistivos muito superficiais podem mascarar (esconder) os efeitos das variações mais profundas. 4. A profundidade de penetração do método está limitada pela máxima potência eléctrica que pode ser introduzida no solo. Um limite prático anda pelos km. Aplicação dos métodos resistivos Os métodos resistivos são usualmente restritos a zonas relativamente pequenas devido ao trabalho que dá fazer estes levantamentos. São muito usados em engenharia (geotécnia) para investigar sítios antes das construções. As SEV são métodos muito convenientes (não destrutivos) para determinar a profundidade das rochas para propósitos de determinar a profundidade das fundações e fornecem também informação sobre o grau de saturação do solo. No campo ambiental podem ter muita utilidade na detecção dos limites de lixeiras contendo materiais contaminados e inclusive poder seguir eventuais fugas nos lençóis freáticos (prospecção de água, invasões de águas salinas, etc ) Figura 6 (a) Pseudo-secção observada. (b) Pseudosecção calculada. (c) modelo usado no cálculo de (b). A figura 7 representa uma situação de um terreno de cultivo que sufreu vários episódios de salinizaçãodessalinização. A salinização vem da irrigação-evaporação que provoca a subida dos sais à superfície. A dessalinização vem da fuga de água doce do canal de irrigação. Figura 7 Contornos da resistividade aparente de um solo sujeito a efeitos de salinização. Universidade do Algarve

12 Figura 8 - profis com o dispositivo de Schlumberger (AB=00m e MN=5m) de uma zona de chistos e gneisses. As regiões de baixa resistividade pensam-se estar associadas com descontinuidades devidas a falhamentos nos quais a água se pode acumular. Figura 8 Perfis de Schlumberger sobre uma zona de falha em chistos. Figura 9 Espessura estimada de um aquífero conhecido. Figura 20 Espessura estimada de um aquífero potencial. Figura 9 Espessura calculada por SEV de um aquífero que se sabia existir. Figura 20, o mesmo para um aquífero potencial. Estes mapas de espessura dos aquíferos foram calculados por inversão de 2 curvas de sondagens verticais. Universidade do Algarve 2

13 A figura 2 mostra mínimos de resistividade associados às argilas que preenchem as cavidades de uma rocha calcárea. A figura mostra também um grande máximo que marca a presença de uma caverna. Figura 2 Perfil da resistividade aparente numa zona kársica. Aterros e Lixeiras - Dever-se-á esperar que tenham uma resistividade baixa (os lixos são normalmente salinos, têm metais que são pouco resistivos, etc.) Figura 22 neste caso o conteúdo é muito resistivo. Figura 22 Perfil da resistividade aparente sob uma lixeira Deslizamentos de terreno (a parte central está mais saturada de água e por isso será mais fluída) Figura 23 Contornos da resistividade sob uma zona sujeita a deslizamentos de terreno. A figura 24 mostra uma situação na Sibéria onde a injecção de contaminantes líquidos industriais é claramente revelada pela variação da resistividade pré e pós injecção. Universidade do Algarve 3 Figura 24 Mudança nas condições de um permafrost numa zona de depósito de lixos industriais na Sibéria.

14 A figura 25 mostra o caso de uma lixeira doméstica mapeada com um dispositivo do Wenner com uma separação de electrodos de 0 m. O mínimo ocorre no centro e diminui para a periferia. Os elementos eléctricos do lixo integram-se todos para formar uma única anomalia. Segundo Vogeslang quase todos os lixos domésticos exibem esta característica de possuírem uma baixa resistividade. Admite-se que não só os componentes sólidos do lixo baixam a resistividade da lixeira, mas também os efluentes líquidos contribuem para esse efeito devido ao alto conteúdo em sal dos lixos domésticos. Assim, a Figura 25 Resistividade aparente numa lixeira de lixos domésticos. salinidade das plumas originadas nas lixeiras podem ser usadas como traçadores eléctricos (figura 26). Figura 26 Resistividade aparente numa lixeira de lixos domésticos. As setas indicam possíveis canais de escoamento de líquidos. Universidade do Algarve 4

15 Figura 27 Mapa da resistividade aparente a 0 m de profundidade Figura 28 Mapa da resitividade aparente a 30 m de profundidade. Universidade do Algarve 5

16 O canal Cross-Florida foi um projecto maluco dos militares americanos que quiseram abrir um canal na península da florida, para não terem de ir à volta. O canal, de 4 m de profundidade, começou a ser aberto através do solo kársico e foi depois interrompido quando o pessoal civil começou a protestar muito. Em resultado desta brincadeira, e devido também à grande extracção de água doce, a pressão hidráulica da água salgada fez com que esta se começasse a introduzir no solo. Fizeram-se 70 SEV com o dispositivo de Schumberg (AB= m e AB/2 = ). A figura 27 mostra a resistividade a 0m de profundidade. As resistividades são elevadas (> 200Ωm ) a norte e sul do canal e decrescem em direcção ao Golfo do México. A figura 28 mostra as mesmas resistividades a 30m de fundo. A distribuição é muito semelhante à dos 0m. No entanto o contorno dos 25 e 75 Ωm estão mais próximos ao longo do canal, indicando que a fronteira entre as baixas resistividades devidas à água salgada e as mais altas da zona circundante, está melhor definida. Figura 29 Mapa da resitividade aparente a 90 m de profundidade. A figura 29 mostra as resistividades a 90 m de profundidade. Tal como nos mapas precedentes as resistividades mais baixas estão do lado do Golfo do México e no canal. Contudo, aos 90 m o contorno dos 75 Ωm não está restrito às fronteiras do canal. As figuras 30 e 3 mostram os resultados da investigação da intrusão de água salgada no aquífero segundo uma direcção paralela e perpendicular ao canal. Descobriuse também que, para além da intrusão de água salina, ocorria um afloramento de água sulfatada a partir de baixo(figura 3 ). Universidade do Algarve 6

17 Figura 30 Perfil geoeléctrico longitudinal ao Canal da Florida. Figura 3 Perfil geoeléctrico transversal ao canal. As setas indicam a posição das SEV. Universidade do Algarve 7

18 A intrusão da água do mar sob o canal é delineada pela linha dos 25Ωm e a zona de mistura pela linha dos 75. A sua área de influência é estreita mas profunda (40m). A maior profundidade sob o canal, um poço detectou que o contorno do 75Ωm define uma zona onde a água tem uma concentração elevada em sulfatos. Figura 30 Perfil de resistividade obtido por um dispositivo de dipólo-dipólo numa lixeira de resíduos químicos. - Um dispositivo de dipólo-dipólo usado sobre uma lixeira de resíduos químicos deu os resultados representados na figura 32. Universidade do Algarve 8

19 Enquanto que a secção superior dos dados observados mostra uma baixa resistividade sobre os ditches o modelo numérico mostra claramente que resistividades < 0 Ωm ocorrem também numa camada espessa a maiores profundidades. Figura 32d interpretação geológica. As resistividades elevadas > 000Ω m perto da superfície são atribuídas a hidrocarbonetos visíveis à superfície e em furos de controle. Universidade do Algarve 9

20 Polarização induzida Usando um método standard de quatro eléctrodos (dois para a injecção de corrente e dois para medir a tensão) em corrente contínua e se desligar-mos a corrente, o potencial entre os eléctrodos de potencial não se anula instantaneamente. O que se verifica é que após um decréscimo inicial elevado a voltagem decai gradualmente para zero. Figura 3 Um fenómeno semelhante ocorre quando se liga a corrente. Primeiro a tensão aumenta subitamente e depois mais devagar. Quer isto dizer que o solo actua como um condensador que armazena carga eléctrica, ou seja, fica polarizado electricamente. Mecanismo da Polarização Induzida Experiências laboratoriais indicam que a energia eléctrica é armazenada nas rochas sobretudo por processos electroquímicos. Isto acontece por dois modos: A passagem de corrente através das rochas (devido a uma diferença de potencial a elas aplicada) ocorre sobretudo por fluxos electrolíticos através dos poros cheios de fluído. A maioria dos minerais das rochas têm uma resultante de cargas negativas na sua interface com o fluído dos poros e atraem iões positivos a essa interface (fig.34a). Figura 32 Universidade do Algarve 20

21 A concentração de iões positivos estende-se a uma distância de cerca de 00 μm no poro e, se essa distância for da mesma ordem do diâmetro do estrangulamento do poro, a movimentação dos iões no fluído resultante da diferença de potencial é inibida. Os iões positivos e negativos acumulam-se em ambos os lados do estrangulamento e, com a remoção da ΔV, regressam às suas posições originais ao fim de um período de tempo finito, provocando assim um decréscimo gradual da voltagem. Este efeito, designado por polarização de membrana é mais acentuado na presença de minerais de argila (figura 35), caso em que os poros são particularmente pequenos, mas o seu efeito decresce com o aumento da salinidade do fluído nos poros. Figura 33 Ilustração do efeito de polarização de membrana. (a) antes da aplicação do campo. (b) depois de aplicar o campo. Quando existem minerais metálicos nas rochas estabelece-se um caminho electrónico, por onde a corrente pode fluir (fig. 34b). Quando uma diferença de potencial é aplicada, cargas positivas e negativas são impressas (induzidas) nos lados opostos do grão. Em consequência disso, acumulam-se iões positivos e negativos em ambos os lados do grão, que tentam tanto libertar como capturar electrões conduzidos através do grão. Quando a ΔV exterior é removida os iões difundem-se lentamente para as suas posições originais, provocando um decaimento da voltagem. Este efeito é designado por polarização metálica ou de eléctrodo. A magnitude deste efeito depende da intensidade da ΔV e da concentração de minerais metálicos. Este efeito diminui com o aumento da porosidade, já que neste caso há mais caminhos alternativos para a condução iónica (que é mais eficiente). As medições de I.P no domínio temporal envolvem a medição do decréscimo da voltagem após a corrente ter sido desligada. O parâmetro mais usado é a cargabilidade M, definida como a área A abaixo da curva de decaimento, estendida a um certo intervalo de tempo Δt, normalizada pela ΔV c contínua (porque o M depende da ΔV inicial). 2 A t M = = Δ Δ v( t) dt Vc Vc t A cargabilidade M, é medida num dado intervalo de tempo pouco depois de a corrente ter sido desligada. A área A é medida pelo aparelho. Quando se planeia um levantamento de I.P. é importante saber que a voltagem de decaimento normalmente só atinge -2% da voltagem primária. Como em muitas áreas, o ruído telúrico e/ou industrial é elevado, a corrente primária deve ser aumentada de modo a manter a voltagem transiente acima de mv. Universidade do Algarve 2

22 Para aplicações ambientais é importante que as águas salinas dificultem a polarização induzida, já que a sua alta condutividade não permite a acumulação de iões. Este efeito permite a discriminação entre a água subterrânea salina e argilas com a mesma resistividade. O sinal I.P. desaparece quando entramos nas águas salinas, mas pode aumentar, ou permanecer constante, quando se vai para as argilas. As aplicações ambientais da I.P. são a determinação dos limites dos lixos perigosos e o solo não contaminado; a localização de depósitos especiais de materiais com grande M no meio do lixo; e a determinação de plumas salinas em rochas com muitas argilas. Os dispositivos usados para fazer levantamentos de I.P. são os mesmos dos métodos de corrente contínua, mas o mais usado é dipólo-dipólo. No entanto, tecnicamente este método é muito mais complicado que as medições com corrente contínua e só deve ser usado quando se suspeita a presença de materiais polarizáveis (metálicos) que muitas vezes se encontram nas lixeiras. A pseudo-secção (dipólo-dipólo) da M na figura 36, mostra um padrão que é completamente diferente do da pseudo-secção da resistividade. Os valores muito elevados de M dos resíduos galvânicos correspondem apenas a um ligeiro aumento da ρ a de 25 a 50 Ωm. Neste, tal como noutros casos, só os métodos de I.P. são capazes de fornecer informação acerca de depósitos de materiais especiais numa lixeira. Figura 34 Pseudo-secção de IP sob uma lixeira de resíduos tóxicos. Os contornos de resistividade sobre uma lixeira (figura 25), mostram só um máximo. O mapa da I.P. da mesma lixeira (figura 37) apresenta dois máximos. A pseudosecção da figura 38 atravessa o máximo a sul. Universidade do Algarve 22

23 Figura 35 Contornos da cargabilidade sob uma lixeira Figura 36 Pseudo-secção de IP da lixeira da figura anterior. As cargabilidades mais elevadasmostram um maior detalhe sobre o material depositado que as baixas resistividades. Universidade do Algarve 23

24 As diferenças entre ρ a e a M, quer em localização quer em valor, mostram que as anomalias de I.P. devem ser originadas por outras fontes que as das anomalias de resistividade. Não se sabe que tipo de material no lixo provocou as fontes de M. Para responder a esta questão é preciso determinar as cargabilidades e as resistividades aparentes dos diferentes tipos de lixo em laboratório e compará-las com medições no campo onde se reconhecem as composições dos depósitos. Figura 37 Carta de contornos de IP (η(%)) e extensão da pluma contaminante. O ponto A é fonte da contaminação. Universidade do Algarve 24

25 A figura 39 e tabela mostra o caso de uma lixeira da Bohémia que largava contaminantes de metais pesados (chumbo, crómio, cádmio e níquel). A contaminação foi descoberta depois de se alargar a estrada para fazer uma auto-estrada. Foram feitas medições em laboratório em materiais do tipo dos da lixeira tabela. Estas medições indicam que tanto a resistividade como a polarizabilidade (η= ΔV IP /ΔV * 00%) eram mais elevadas que o material do sub-estrato. No entanto as medições de campo da resistividade não revelaram anomalias (provavelmente as condições do laboratório não reproduziram as do terreno, possivelmente por diferenças do grau da saturação de água) e porque eles ainda não estariam oxidados, como será o caso dos da lixeira. No entanto, os metais pesados, com boa conductividade electrónica, disseminaram-se no resto do material provocando um boa anomalia de η. A figura 39, diz respeito à zona de contaminação da lixeira. Considerou-se que η< 0.75 significava uma não contaminação. O grande interesse deste caso é ele ter sido feito acompanhado de medições em laboratório, indicando a boa aplicabilidade do métodos I.P para o estudo de contaminação de minerais pesados. Universidade do Algarve 25

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA RESISTIIDADE ELÉCTRICA A resistência eléctrica de um material é expressa pela sua resistividade eléctrica. Se a resistência entre as faces opostas de um corpo condutor de comprimento L e secção uniforme

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PLUMA DE

CARACTERIZAÇÃO DA PLUMA DE UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA TERRA CARACTERIZAÇÃO DA PLUMA DE CONTAMINAÇÃO NUMA ANTIGA LIXEIRA COM O MÉTODO DE RESISTIVIDADE ELÉCTRICA João

Leia mais

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Unidade curricular: Projeto FEUP Supervisores: Alexandre Leite Feliciano Rodrigues Jorge Carvalho Monitores:

Leia mais

Medição da resistividade do solo

Medição da resistividade do solo 30 Apoio Aterramentos elétricos Capítulo XI Medição da resistividade do solo Jobson Modena e Hélio Sueta* O projeto da norma ABNT NBR 7117, atualmente em revisão, estabelece os requisitos para a medição

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS

FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS FÍSICA NUCLEAR E PARTÍCULAS Apêndice - O Tubo de Geiger - Müller 1 - Descrição sumária O tubo de Geiger é constituido essencialmente por dois eléctrodos, o cátodo e o ânodo, encerrados num recipiente de

Leia mais

Investigações Geotécnicas

Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Interpretação de imagens; Métodos geofísicos ou indiretos; Amostragem e ensaios de laboratório; Ensaios de campo. Imagem de satélite simples Argila mole

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro

RELATÓRIO TÉCNICO. Joaquim Carneiro Escola de Ciências RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE DE CHAPAS REVESTIDAS Cliente AMT COATINGS Engenharia e Tratamento de Superfícies, Lda. CACE-Ruas das Novas Empresas, Fontiscos PT-4780-511 Santo Tirso PORTUGAL

Leia mais

4.1 MOVIMENTOS DE TERRAS 4.2 DEFINIÇÃO DE ATERRO 4.3 ASSENTAMENTOS DOS ATERROS

4.1 MOVIMENTOS DE TERRAS 4.2 DEFINIÇÃO DE ATERRO 4.3 ASSENTAMENTOS DOS ATERROS CAPÍTULO IV ATERROS 4.1 MOVIMENTOS DE TERRAS Entende-se por movimentos de terras, todas as alterações intencionais na forma dos terrenos quer por escavação quer por aterro. O terreno pode ser natural ou

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

Corrosão e Protecção

Corrosão e Protecção Corrosão e Protecção Capítulo 1.2 Fundamentos Docente: João Salvador Fernandes Lab. de Tecnologia lectroquímica Pavilhão de Minas, 2º Andar xt. 1964 Princípios de lectroquímica Quando se imerge uma placa

Leia mais

Sistemas eléctricos e magnéticos

Sistemas eléctricos e magnéticos Sistemas eléctricos e magnéticos A corrente eléctrica como forma de transferência de energia Prof. Luís Perna 2010/11 Geradores de corrente eléctrica Um gerador eléctrico é um dispositivo que converte

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

Capítulo V Capacitância e Dieléctricos

Capítulo V Capacitância e Dieléctricos ELECTROMAGNETISMO Curso de Electrotecnia e de Computadores º Ano 2º Semestre 200-20 5. Capacitância 5.. Condensador Capítulo V Capacitância e Dieléctricos Um condensador é um sistema formado por dois condutores

Leia mais

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Equação de Poisson, Corrente Elétrica

Eletromagnetismo e Ótica (MEAer/LEAN) Equação de Poisson, Corrente Elétrica letromagnetismo e Ótica (Mer/LN) quação de Poisson, orrente létrica 6ª Semana Probl. 1) ois tubos cilindricos de metal, coaxiais e muito compridos, são ligados a uma bateria de forma que o cilindro interior,

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns:

Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Díodos Há um conjunto de dispositivos electrónicos que são designados por díodos. Estes dispositivos têm 3 características fundamentais comuns: Têm dois terminais (tal como uma resistência). A corrente

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO

EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO EFEITO DA ÁGUA EM MINAS A CÉU-ABERTO redução da resistência ao cisalhamento em superfícies potenciais de ruptura devido à poropressão ou mesmo a mudanças no teor de umidade do material; o aumento das forças

Leia mais

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial.

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial. CIRCUITOS ELÉCTRICOS FÍSICA 12 1 CORRENTE ELÉCTRICA A corrente eléctrica é um movimento orientado de cargas eléctricas através de um condutor e só ocorre se houver diferença de potencial. O sentido convencional

Leia mais

6200 Métodos geofísicos

6200 Métodos geofísicos 6200 Métodos geofísicos 1 Geofísica aplicada à detecção da contaminação do solo e das águas subterrâneas Os métodos geofísicos são técnicas indiretas de investigação das estruturas de subsuperfície através

Leia mais

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação)

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Conservação de Volume O princípio de conservação de volume ou Equação de Continuidade deriva do facto de a compressibilidade da água

Leia mais

Pedra Natural em Fachadas

Pedra Natural em Fachadas Pedra Natural em Fachadas SELEÇÃO, APLICAÇÃO, PATOLOGIAS E MANUTENÇÃO Real Granito, S.A. Índice Características típicas dos diferentes tipos de Rochas Ensaios para a caracterização de produtos em Pedra

Leia mais

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um

Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um O Díodo Os elementos de circuito que estudámos até agora foram elementos lineares. Ou seja, se duplicamos a ddp aos terminais de um componente, a intensidade da corrente eléctrica que o percorre também

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica. Pedro Araújo

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica. Pedro Araújo UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Sistemas Lógicos - Elementos de Electricidade e Electrónica Pedro Araújo ------------------------------------------------ PRELIMINAR 1 - Introdução A electricidade é um conjunto

Leia mais

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html 1 de 5 12/8/2009 11:34 O Que é Geofísica? (* Adaptado por C.A. Bertulani para o projeto de Ensino de Física a Distância) Geofísica é o estudo da Terra usando medidas físicas tomadas na sua superfície.

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de micro-ondas I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Injecção de CO 2-40 anos de prática?! Injecção de CO 2 efectuada desde 1972 como tecnologia

Leia mais

Teorias da luz. Experiências

Teorias da luz. Experiências Teorias da luz. Experiências Jaime E. Villate Departamento de Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Exposição na Biblioteca da FEUP 21 de Abril a 13 de Junho de 2005 1 A luz é um fenómeno

Leia mais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais

Física II Eng. Química + Eng. Materiais Física II Eng. Química + Eng. Materiais Carga Eléctrica e Campo Eléctrico Lei de Gauss Potencial Eléctrico Condensadores 1. Nos vértices de um quadrado ABCD, com 10 cm de lado, estão colocadas cargas pontuais

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA

INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA TEC 204: GEOGRAFIA DAS ÁGUAS CONTINENTAIS PROFª ROSÂNGELA LEAL SANDRA MEDEIROS SANTOS ALUNO(A) INVESTIGAÇÕES DA ÁGUA SUBTERRANEA Generalidades

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Notas para a apresentação dos hologramas:

Notas para a apresentação dos hologramas: Notas para a apresentação dos hologramas: Folha 2 -> Imagem representando um holograma analisado no laboratório de feixes de iões do ITN Folha 3 -> O que se pretende estudar. No que diz respeito à composição

Leia mais

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday

Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Campo Magnético de Espiras e a Lei de Faraday Semestre I - 005/006 1.Objectivos 1) Estudo do campo magnético de espiras percorridas por corrente eléctrica. ) Estudo da lei de indução de Faraday.. Introdução

Leia mais

Cap. 4 - MOS 1. Gate Dreno. Fonte

Cap. 4 - MOS 1. Gate Dreno. Fonte Cap. 4 - MO 1 Fonte ate reno O princípio de funcionamento do transístor de efeito de campo (TEC ou FET, na designação anglo-saxónica) assenta no controlo de uma carga móvel associada a uma camada muito

Leia mais

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1. Introdução Neste capítulo é apresentado um breve resumo sobre os tópicos envolvidos neste trabalho, com o objetivo de apresentar a metodologia empregada na prática para realizar

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo.

Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Capacitores e Dielétricos Um capacitor é um sistema elétrico formado por dois condutores separados por um material isolante, ou pelo vácuo. Imaginemos uma configuração como a de um capacitor em que os

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

Independentemente do formato destes condutores, os chamamos de placas.

Independentemente do formato destes condutores, os chamamos de placas. Após a introdução dos conceitos básicos de Força Eletrostática, Campo Elétrico e Potencial Elétrico, damos início ao estudo das aplicações elétricas e eletrônicas, começando com as mais simples. Qualquer

Leia mais

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial.

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. Ligue o controlador Power Saver na primeira tomada mais próxima

Leia mais

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA Departamento de Física da Faculdade de iências da Universidade de Lisboa Electromagnetismo 2007/08 IRUITOS DE ORRENTE ONTÍNU 1. Objectivo Verificar as leis fundamentais de conservação da energia e da carga

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 2: PROTEÇÃO CATÓDICA DE DUTOS TERRESTRES Este material contém informações classificadas como NP1 PROGRAMAÇÃO 1.Introdução: Projeto de dutos;

Leia mais

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA A PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA define-se como: Um conjunto de operações com vista a averiguar a constituição, características mecânicas e outras propriedades do solo e do substrato do ou

Leia mais

Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos

Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos Relatório Final de Atividades apresentado à disciplina de F-809. Aluna: Cris Adriano Orientador: Prof. Mauro de Carvalho Resumo Este trabalho

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

Condensadores (capacitores)

Condensadores (capacitores) es (capacitores) O condensador (capacitor) é um componente de circuito que armazena cargas eléctricas. O parâmetro capacidade eléctrica (C) relaciona a tensão aos terminais com a respectiva carga armazenada.

Leia mais

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA

A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA A EQUAÇÃO DO MOVIMENTO EM OCEANOGRAFIA Escrever a equação do movimento corresponde a escrever a 2ª Lei de Newton (F = ma) numa forma que possa ser aplicada à oceanografia. Esta Lei diz-nos que como resultado

Leia mais

Transmissão de calor

Transmissão de calor UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia ransmissão de calor 3º ano Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Aula 5 * 3.Condução em regime permanente em uma parede plana Condução em regime permanente

Leia mais

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 - INTRODUÇÃO A característica que determina a utilização em engenharia de muitos materiais é a sua porosidade. A forma, o tamanho e o volume de poros que um material apresenta

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA

ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3. SALTO PARA A PISCINA Questão: Como projectar um escorrega para um parque aquático, de um, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina?

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO

Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Cap 04 INVESTIGAÇÃO DO SUBSOLO Sondagens Rotativas, Métodos Semi-Diretos e Métodos Indiretos Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Sondagens Rotativas Quando se atinge material impenetrável à percussão (estrato

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FCT Engenharia do Ambiente, 4º ano. SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO SOLOS E POLUIÇÃO DO SOLO Exercício para a componente prática Formato: Relatório técnico É obrigatória a entrega em formato digital de todos os ficheiros usados nas simulações. Data limite para entrega

Leia mais

ATERRAMENTO EM ELEVADORES

ATERRAMENTO EM ELEVADORES ATERRAMENTO EM ELEVADORES Rodrigo D Carlo Bessa Rodrigues¹ Eduardo Henrique Gonçalves² RESUMO: O trabalho em questão trata o tema aterramento de sistemas elétricos, sendo realizado um estudo geral sobre

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista Noções básicas de Geometria Descritiva e sua aplicação naa análise de estruturas geológicas António Alexandre Araújo (Centro de Geofísica de Évora, Departamento de Geociências, Escola de Ciências e Tecnologia

Leia mais

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica Resumo Técnico Perfilagem Geofísica PERFILAGEM GEOFÍSICA A perfilagem geofísica é um método de investigação indireta que tem se mostrado muito eficaz na identificação de anomalias petrofísicas e na caracterização

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Isabel Abreu Maria Alzira Dinis UFP 2005/2006 ESTRUTURA ATÓMICA E LIGAÇÕES 1. Calcule: a. A massa em

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE

a) os módulos das velocidades angulares ωr NOTE E ADOTE 1. Um anel condutor de raio a e resistência R é colocado em um campo magnético homogêneo no espaço e no tempo. A direção do campo de módulo B é perpendicular à superfície gerada pelo anel e o sentido está

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática

Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática Departamento de Informática Guia do Trabalho 4 Sistemas de Instrumentação esi Engenharia de Sistemas e Informática Data de Entrega: 2005/2006 2.º Ano/ 1.º Semestre Título: Condicionamento de Sinal Montagens

Leia mais

COMPACTAÇÃO E MELHORAMENTO DE TERRENOS

COMPACTAÇÃO E MELHORAMENTO DE TERRENOS Capítulo 9 COMPACTAÇÃO E MELHORAMENTO DE TERRENOS 1. Compactação A compactação é uma técnica de adensamento do terreno (diminuição do índice de vazios, ou aumento do peso volúmico seco) por aplicação de

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006 Trabalho Prático Nº 3 ESTUDO DA DIFRAÇÃO Tópicos de Física Moderna ano 005/006 Objectivos: Familiarização com os fenómenos de interferência e difracção da luz, com utilização de uma rede de difracção para

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e-

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e- 1 Proteção catódica A proteção catódica é um dos métodos mais empregados para a proteção de grandes estruturas quer seja enterradas ou submersas (parcial ou totalmente). Assim, tubulações e tanques de

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra

Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE2012 FEUP, 24-26 de outubro de 2012 Viadutos da Rib.ª de S. Braz e da Rib.ª da Várzea Concepção, Projecto e Obra António Costa 1 Nuno Travassos 2 Júlio Appleton 3

Leia mais