GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008

2 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor muito baixo no final de 2008, reflexo de uma crise económica e financeira que eclodiu em meados de 2007 e que se agravou no último quadrimestre do ano Esta crise, que juntou altos preços de matérias-primas e de habitação em vários países desenvolvidos provocou, a partir daquela data, uma recessão nessas economias e uma forte desaceleração no desenvolvimento dos mercados emergentes. Dado ser uma economia aberta e plenamente integrada em termos económicos e financeiros, Portugal viu-se afectado por estes desenvolvimentos, acrescentando também ao facto de ter um elevado nível de endividamento externo. Os indicadores económicos referentes a 2008 apontam para uma quebra no Produto Interno Bruto (PIB) para valores muito baixos, de 0,3%, após se ter verificado um crescimento de 1,9% em Este abrandamento foi determinado por várias componentes da procura global, com destaque para a redução dos investimentos e das exportações. Embora a inflação tenha crescido de 2,4% em 2007 para 2,6% em 2008, sobretudo devido ao preço do petróleo no primeiro semestre do ano, a desaceleração na última parte do ano foi evidente. A intensificação da crise financeira internacional, sobretudo desde o último quadrimestre de 2008 provocou um impacto sobre as expectativas de rendimento e riqueza das famílias, junto à persistência de uma elevada incerteza, levaram a uma retracção do consumo e do investimento. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 2 de 18

3 O MERCADO SEGURADOR Em 2008, o mercado segurador apresentou uma evolução positiva de 11,5%, tendo ultrapassado os 15 mil milhões de euros de volume de prémios, com uma quota do ramo Vida de 72% e dos ramos Não Vida apenas de 28%. Este crescimento da actividade seguradora deve-se, exclusivamente, ao Ramo Vida sendo que os Ramos Não Vida decresceram, mantendo uma tendência de estagnação iniciada em Valor Variação Quota Vida ,5% 72% Não Vida ,3% 28% Total ,5% 100% O forte desenvolvimento do Ramo Vida nos últimos anos justifica que, nesta área, a actividade seguradora portuguesa tenha uma taxa de penetração moderada sobre o PIB, acima do nível médio europeu, o que não acontece nos Ramos Não Vida onde ainda temos um índice de equipamento deste tipo de seguros relativamente baixo. Mercado Segurador Vida O valor total de prémios alcançado pelo mercado Vida em 2008 foi de 11 mil milhões de euros e apresentou um crescimento de 17,5%. A forte evolução do Ramo Vida confirma a tendência de crescimento por patamares a que vimos assistindo desde há anos; esta evolução irregular justifica-se, essencialmente, pelas flutuações dos mercados financeiros (evolução de taxa de juro e comportamento das Bolsas) o que provoca fortes evoluções nas atitudes dos Clientes face aos produtos de investimento, bem como alteração na política de distribuição dos grandes líderes de bancassurance do mercado. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 3 de 18

4 Estes números escondem porém situações bastante heterogéneas pois, se retirarmos os quatro líderes do mercado (grupos de bancassurance que pesam 78% e que cresceram 28%) o restante mercado apresenta um decrescimento significativo (-10,3%), e num conjunto de 24 Companhias a operar no mercado, metade está a decrescer ou em estagnação. Esta evolução em 2008, com ritmos tão diferentes, revela a fortíssima concorrência existente no interior do mercado e sobretudo a forte concorrência com produtos bancários de curto prazo, que apresentaram, em 2008, taxas muito elevadas e permitiram aos Bancos captar fundos aos Clientes que deram preferência aos produtos de grande liquidez e de curto prazo. A subida registada nalgumas companhias justifica-se também pela preocupação de aforro das famílias, na procura de produtos financeiros das Companhias de Seguros que, em grande parte, oferecem o refúgio ideal no contexto difícil da situação económica e financeira actual. Do montante total de prémios, 56% refere-se a produtos de poupança e investimento, em grande parte prémios únicos, sujeitos à forte influência da actividade dos operadores de bancassurance que pesam mais de 80% do mercado Vida; este tipo de produtos teve em 2008 uma evolução muito significativa (+19%). A forte subida do sector Vida deve-se, também e em grande parte, ao aumento significativo dos PPR s (+44%), o que está certamente ligado à cada vez maior preocupação dos portugueses pelo futuro das suas reformas, o que tem sido bem aproveitado pelo sector segurador que continua a ser o principal operador na oferta de PPR s em todo o sector financeiro nacional. Os seguros ligados a fundos de investimento ressentiram-se das performances negativas das bolsas, tendo portanto o mercado sido dirigido, em parte, para produtos não ligados a fundos de investimentos, e portanto com garantia de capital e juros. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 4 de 18

5 No seu conjunto, os produtos financeiros pesam 68% da actividade vida, o que revela o papel importantíssimo das Companhias Vida na recolha de poupanças, a médio e longo prazo, e consequente peso na gestão de activos financeiros na economia portuguesa. A confirmar essa importância das Companhias Vida como gestores financeiros, salienta-se que o volume de provisões matemáticas do ramo Vida, em Dezembro 2008 já atingiam, o montante de 40 mil milhões de euros, com uma evolução positiva (+0,3%) e ao contrário de outros sectores financeiros em crise houve no mercado segurador uma manutenção dos valores em gestão, o que é um sinal positivo de estabilidade e segurança do sector segurador. A carteira de seguros de Risco e Rendas cresceu também em 2008 a uma taxa interessante (+13%), muito superior à inflação. GROUPAMA SEGUROS (Vida e Não Vida) O volume total de receita processada em 2008 alcançou 87,4 milhões de euros, apresentando uma evolução positiva de 4,3%, notando-se o peso do Ramo Vida maior que no mercado e uma evolução do Ramo Não Vida muito positiva, em contra ciclo com os números da actividade. Valor (milhões euros) Variação 2008/2007 Quota Ramos Groupama Vida ,1% 78% Groupama Seguros ,9% 22% Total ,3% 100% GROUPAMA SEGUROS DE VIDA A receita processada da Groupama Vida, em 2008, evoluiu positivamente de 3,1% alcançando o valor de mil euros, incluindo o montante de mil euros, relativo a contratos de investimento, que de acordo com a IFRS 4, não se encontram registados no Ganhos e Perdas da Companhia, mas sim no Balanço. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 5 de 18

6 A nossa Companhia faz parte do pequeno grupo de Seguradoras Vida que conseguiu apresentar um crescimento, claramente, acima da inflação em Esta evolução foi possível devido a uma forte aposta na área das reformas individuais (PPR s) que tem sido, desde há anos, um sector estratégico para a nossa Companhia; assim, acompanhámos o mercado, com uma evolução de +33,8%. Contribuiu também para a evolução positiva da receita processada, as vendas de uma operação de capitalização a 5 anos, no primeiro trimestre do ano, no montante de 5 milhões de euros, à semelhança do que fizeram algumas importantes operadoras do mercado. Assim, a receita Vida Individual foi de 37 milhões de euros evoluindo positivamente em 3%. Os seguros Colectivos, num montante de 31 milhões de euros, representam 49% do volume de prémios da Groupama Vida, conforme é tradição da nossa Companhia nesta área de negócio, e tiveram uma evolução positiva de 3,3%. Na área dos seguros Colectivos sentiu-se já os efeitos da crise económica com a massa salarial das empresas a crescer pouco, devido a poucas admissões e saídas de colaboradores, bem como empresas a fechar ou a não cotisar para os seguros de reforma em vigor. Apesar da crise económica, os seguros colectivos de Risco apresentaram uma evolução favorável de +3,2% sendo o seu peso de aproximadamente 24% da carteira de seguros colectivos. Este tipo de contratos continua a ser um dos pilares essenciais da actividade da Companhia e um dos pontos fortes e tradicionais da sua estratégia comercial e das suas importantes parcerias com os principais Corretores da área dos employee benefits. Nesta área de negócio continuámos a desenvolver com sucesso a nossa parceria com a Swiss Life Network iniciada em Os seguros de reforma e capitalização das empresas evoluíram de 3,2% e continuam a ser um sector onde a Groupama tem uma importante quota de mercado. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 6 de 18

7 Estrutura dos Prémios Vida Risco Colectivo 11% Risco Individual 3% Rendas Individual 1% PPR's 11% Ref orma Colectivo 34% Financeiros 40% ACTIVIDADE FINANCEIRA GESTÃO DE ACTIVOS FINANCEIROS Investimentos financeiros GPV Activos financeiros detidos para negociação Activos financeiros reconhecidos ao justo valor através de ganhos e perdas Activos financeiros disponíveis para venda Terrenos e Edifícios Caixa e seus equivalentes e depósitos à ordem Outros TOTAL GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 7 de 18

8 Estratégia de investimentos Investimentos GPV Investimentos brutos Vendas e Reembolsos Reajustamentos e flut. Valores Investimentos líquidos Obrigações Acções Unidades de Participação Total de valores mobiliários Imóveis Depósitos a prazo Total activos financeiros Variação saldo de tesouraria em Total dos investimentos A variação negativa dos investimentos (de 9,9 milhões de euros de investimentos líquidos), deveu-se essencialmente à flutuação de mercado negativa dos títulos em carteira, sobretudo no último trimestre do ano. Dada a política bastante conservadora da Companhia no mercado de obrigações de forma a garantir rentabilidades futuras, permitirá recuperar assim o valor dos títulos até à sua maturidade. Relativamente à gestão dos investimentos, para além dos comités trimestrais, foram efectuadas reuniões intercalares as quais permitiram um melhor acompanhamento do desempenho dos gestores. Carteira de títulos GPV Obrigações Dívida Pública OT's Outra Div. Pública Empresas Acções Unidades de Participação Mobiliárias Imobiliárias TOTAL GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 8 de 18

9 Composição da carteira de títulos GARANTIAS FINANCEIRAS Margem de solvência Margem de solvência Cobertura Excedente GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 9 de 18

10 A taxa de cobertura da margem de solvência apresentou-se positiva no final do ano, em cerca de 1,0 milhões de euros. Apesar dos movimentos negativos em reservas devido sobretudo à desvalorização dos títulos obrigacionistas, o accionista da Companhia aumentou os capitais próprios em 17,5 milhões de euros, bem como efectuou um empréstimo subordinado de 16,5 milhões de euros. Provisões técnicas e investimentos (euros) Provisões técnicas (incluindo passivos por contratos de Investimentos investimento) O rácio de cobertura das provisões técnicas pelos investimentos mantém um nível positivo, considerando que os títulos livres poderão, em caso extremo, ser considerados para cobrir as responsabilidades dos clientes. Embora o valor das provisões técnicas tenha tido uma quebra (de cerca de 3%), isso significa que, a manutenção de praticamente toda a estrutura de clientes que já estavam com a Groupama reflecte um sentimento de confiança na gestão. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 10 de 18

11 PERFORMANCE FINANCEIRA / PARTICIPAÇÃO NOS RESULTADOS Prémios Processados e Participação nos Resultados Prémios brutos emitidos Participação nos resultados Observações: 1) A Participação nos resultados inclui a Taxa Técnica. 2) Os Prémios brutos emitidos em 2008, não incluem o montante de euros relativos a operações de capitalização. A Companhia continua a privilegiar as suas relações com os clientes, verificando-se que existe uma preocupação em remunerar convenientemente as suas aplicações financeiras. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 11 de 18

12 Taxas de revalorização Record 4,0% 4,0% 4,0% Record/PPR 4,0% 4,0% 6,0% Record XXI 3,0% 3,5% 3,1% Gancapi 4,0% 4,0% 4,0% Gancapi/PPR 4,0% 4,0% 4,0% Vivacapi XXI 3,8% 3,7% 3,1% VivaPPR-E XXI 4,0% 3,8% 2,6% Recogan 4,0% 4,0% 4,0% Recogan XXI 4,0% 3,8% 3,3% VivaPPR-E Seguro 3,5% 3,6% 3,2% Viva Poupança 4,1% 4,0% 5,0% Inflação 3,1% 2,5% 2,6% Uma gestão financeira prudente mas activa, junto com uma estratégia de buy-and-hold nas obrigações, permitiu a verificação de performances que possibilitaram a manutenção das taxas em níveis que podemos considerar como muito interessantes, nomeadamente no que respeita aos produtos da gama XXI, em todos eles acima da taxa mínima garantida. Taxas de rendibilidade média dos fundos de pensões ,45% 2,47% -7,90% O desempenho dos mercados em 2008, não permitiu manter a perfomance dos fundos de pensões geridos pela GROUPAMA Seguros Vida, estando no entanto de acordo com a Mediana de Mercado, estimada pela Mercer Consulting (-7%). COBRANÇAS Prémios em cobrança / Prémios brutos emitidos 0,25% 0,76% 0,92% Prazo médio 1 dia 3 dia 3 dia GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 12 de 18

13 O prazo médio de cobrança mantém-se em níveis bastante aceitáveis. RESULTADOS Ganhos e Perdas /2007% Valor % Valor % Variação Prémios líquidos de resseguro , ,00-3,85 Rendimentos de investimentos , ,88 15,39 Ganhos / Perdas realizadas investimentos , ,28-108,16 Mais / menos valias latentes , ,23 384,85 Outros rendimentos / gastos , ,84-1,23 Total dos proveitos ,43 Custos c/ sinistros liq. resseguro , ,62 30,53 Custos e gastos de exploração líquidos , ,46-9,99 Gastos financeiros , ,43 18,81 Variação dos passivos financeiros , ,00 52,54 Provisão matemática , , ,86 Variação da provisão - Unit Link , ,21-106,29 Outras Provisões técnicas ,00 0,00 Participação nos resultados liq, resseguro , ,91-16,30 Perdas de imparidade , ,00-513,72 Total dos custos ,88 Imposto s/ o rendimento , ,87-512,79 Resultado líquido do exercício , ,69-364,01 GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 13 de 18

14 Os Prémios de Seguro Directo líquidos de Resseguro processados em 2008 totalizaram mil euros, menos mil euros que no ano anterior, apresentando um decréscimo de 3,85% face a O total dos custos com sinistros líquidos de resseguro atingiu o montante de mil euros em 2008, apresentando um crescimento de 30,5% face ao exercício de Os proveitos dos investimentos no montante de mil euros apresentaram um decréscimo de 27,2% face ao período homólogo. O resultado líquido de 2008 totaliza o montante de mil euros, mais baixo que o de 2007 em milhares de euros devido essencialmente às quebras do valor dos títulos. No entanto, os rendimentos atingiram o valor histórico de milhares de euros, superiores em 15,4% face a Resultado Líquido / Capital Próprio a) 3,96% -197,74% Rendimentos dos investimentos / Prémios liq. resseg. 25,73% 30,88% Rendimentos dos investimentos / Provisões técnicas 3,96% 4,81% Custos c/ sinistros liq. resseguro / Prémios liq. resseg. 108,74% 147,62% Custos de exploração líquidos / Prémios liq. resseguro 6,90% 6,46% Nº médio empregados em Prémios brutos / Nº Empregados a) O montante do capital próprio inclui as reservas de reavaliação e o resultado líquido do exercício INFORMAÇÕES SOBRE TRABALHADORES Total Mest. Lic. Bac. Ens. Secundário Ens. Técnico 3º Ciclo 2º Ciclo 1º Ciclo Administração de Direcção Comerciais Administrativos Empregadas de Limpeza Total GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 14 de 18

15 PROPOSTA DE APLICAÇÃO DOS RESULTADOS Dos resultados líquidos obtidos de ,58, propomos a seguinte aplicação: Para Resultados Transitados: ,58 Após esta aplicação dos resultados, a conta de Resultados Transitados fica a apresentar um saldo credor de ,18. CONSIDERAÇÕES FINAIS Após o termo do exercício e até à presente data não ocorreu nenhum facto relevante que altere substancialmente a situação patrimonial da sociedade. Durante o exercício a sociedade não adquiriu nem alienou acções próprias, nem foram concedidas autorizações para a efectivação de negócios entre a sociedade e os membros do Conselho de Administração. Na observância do disposto no nº 1 do Artº 22º do Decreto-Lei nº 411/91 de 17 de Outubro, informamos que esta sociedade não tem qualquer dívida à Segurança Social. CONCLUSÃO O ano 2008 foi um ano particularmente difícil devido ao contexto internacional que derivou numa grave crise financeira, sem paralelo nos últimos decénios. Apesar dos fortes impactos financeiros que se fizeram sentir no sector segurador, sobretudo no Balanço e Ganhos e Perdas das Companhias Vida, a actividade seguradora em geral conseguiu resistir bem à crise, dando um sinal da capacidade financeira e gestão prudente, o que é neste contexto uma forte mais valia para o sector e, para todos aqueles que com ele se relacionam. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 15 de 18

16 No que respeita ao Groupama, o facto de pertencermos a uma grande Grupo internacional, detentor de uma forte robustez financeira, permitiu-nos facilmente aceder aos capitais necessários para fazer face às consequências da crise financeira, a fim de cumprir os rácios de solvabilidade e dotar a Companhia Vida dos meios financeiros exigíveis pela regulamentação nacional. Assim, aumentámos o capital social, da Companhia Vida no decorrer de 2008 em 17,5 milhões de euros, terminando o exercício com uma margem de solvência de 106%. Se considerarmos que a Companhia Não Vida tem uma margem de solvência de 541%, podemos, globalmente, concluir que à data de , a Groupama Seguros Portugal apresenta uma margem de solvência total de 178% o que mostra a sua capacidade financeira no mercado português. O total de capitais próprios das duas Companhias, nesta data, incluindo os empréstimos subordinados de Vida, elevam-se a 33 milhões de euros e o volume de reservas técnicas é de 398 milhões de euros, excluindo operações de capitalização, sendo o total dos activos de 474 milhões de euros. Para além, dos aspectos financeiros que marcaram fortemente este exercício, há a salientar vários aspectos positivos que permitiram às duas companhias apresentar um resultado operacional melhor do que o previsto. Em primeiro lugar, há a destacar o bom comportamento dos indicadores técnicos; a sinistralidade da Companhia Não Vida e o rácio combinado, bem como a margem técnica de exploração da Companhia Vida, que apresentaram valores correctos e conforme os objectivos. Contribuiu também para esse bom resultado um bom controlo das despesas gerais nas duas Companhias, sem colocar em causa os importantes investimentos em curso na área dos sistemas de informação que têm permitido progressivamente aumentar a produtividade e a eficácia dos serviços, o que é essencial para melhorar o serviço aos Clientes e aos Parceiros de Negócio. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 16 de 18

17 Na área comercial continuámos em 2008 a dar especial relevo à consolidação da nova Lei de Mediação que representou um enorme desafio para a nossa Companhia e uma oportunidade de desenvolvimento da nossa capacidade comercial. Assim, continuámos o apoio ao desenvolvimento das nossas redes comerciais através de recrutamento, formação e profissionalização que são as bases da estratégia a fim de aumentar a nossa presença e eficácia da Rede Comercial, dando-lhe os meios e recursos para alcançar os objectivos ambiciosos que temos para os próximos anos. Neste exercício abrimos vários escritórios e agências, a fim de alargar as nossas presenças no território, nomeadamente em Barcarena, Vialonga, Loures e Funchal. Cabe-nos salientar, neste momento, a excelente colaboração que tivemos da parte dos principais Agentes e Mediadores, bem como das Sociedades de Mediação nossos parceiros que deram um excelente contributo para a evolução da Companhia em 2008, quer no Ramo Vida quer nos Ramos Não Vida. Em paralelo com as Redes tradicionais do segmento de particulares, devemos referir a manutenção da excelente relação com os principais Corretores de Lisboa e Porto, especialmente na área dos employee benefits e outros seguros do mercado das empresas, nomeadamente no sector agrícola, mantendo assim parcerias antigas e em permanente desenvolvimento. Deve-se também registar a qualidade dos vários acordos de bancassurance, que temos mantido com sucesso desde há anos, na área Não Vida com o Finibanco e na Companhia Vida com os Bancos BBVA e BEST, o que nos permite participar na actividade da bancassurance que tanto peso tem no sector segurador português. GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 17 de 18

18 Para o ano 2009 vamos manter a nossa estratégia de crescimento orgânico no mercado português aliada a objectivos de rentabilidade e, estamos certos que, mais uma vez, podemos contar com todos quadros, colaboradores internos, redes comerciais e parceiros de negócios para alcançarmos os objectivos que traçámos para este novo ano que se apresenta, desde já, com imensos desafios, dificuldades, muitas incógnitas mas também algumas oportunidades. Para terminar resta-nos agradecer ao Fiscal Único a excelente colaboração que sempre nos prestou durante o exercício que agora finda. Paris, 13 de Fevereiro de 2009 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Florent Louis Jean Hillaire - Presidente Charles Marie Philippe de Tinguy de la Girouliere - Administrador Didier Joseph Marie Roger Peigner - Administrador Pierre Henri Erbs Administrador João Maria Azevedo de Quintanilha e Mendonça - Administrador-Delegado GROUPAMA SEGUROS VIDA - Relatório do Conselho de Administração 2008 Página 18 de 18

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2012 I. SITUAÇÃO ECONÓMICA INTERNACIONAL A análise da situação macroeconómica actual não pode ficar dissociada dos acontecimentos

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP

6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP 6. Fundos Autónomos Geridos pelo ISP i. Fundo de Garantia Automóvel Actividade Desenvolvida Em 2007 foram participados ao Fundo de Garantia Automóvel 5 515 acidentes, menos 12,8% do que em 2006. É de assinalar

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA página 3.1. Indicadores Gerais 40 3.1.1. Volume de Negócios 40 3.1.2. Valor Acrescentado Bruto 40 3.2. Capitais Próprios 41 3.3. Indicadores de Rendibilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Relatório do Mercado de Seguros de 2013

Relatório do Mercado de Seguros de 2013 II Seminário Anual Sobre Legislação do Sector de Seguros Relatório do Mercado de Seguros de 2013 Por Francelina Nhamona Directora dos Serviços de Estudos e Estatística Maputo, 02 de Dezembro de 2014 1

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2010 Banco de Cabo Verde 2 INDICE 1. Introdução... 3 2. Caracterização do Sector 3 3 Índice de penetração e indicador de densidade dos seguros. 4 4 Comparação internacional.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014

RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 RELATÓRIO DE GESTÃO Período findo em 31 de Dezembro de 2014 INTRODUÇÃO A sociedade SEGURSENA-MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA (doravante designada por sociedade) Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Introdução aos seguros

Introdução aos seguros Universidade Técnica de Lisboa ISEG Introdução aos seguros O equíbrio financeiro e os rácios nas empresas de seguros Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Mestrado em Ciências Actuarias Ano Lectivo

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Relatórios Informa D&B

Relatórios Informa D&B Relatórios Informa D&B RELATÓRIO COMPLETO Toda a informação sobre uma empresa, em comparação com o seu sector, para quem necessite de decidir com plena confiança. - Sumário executivo Novo - Avaliação de

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005 BANIF S G P S, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30 - Funchal Capital Social: 200.000.000 Euros Matrícula Nº 3658 Conservatória do Registo

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009

ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE - Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO E CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2009 ACP MOBILIDADE Sociedade de Seguros de Assistência S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2009 1. Enquadramento

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL (Não Auditada) Empresa: COFINA, SGPS, S.A. Sede: R. GENERAL NORTON DE MATOS, 68, PORTO NIPC: 502 293 225 Período de referência: Valores em Euros 1º Trimestre 3º Trimestre

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

GNB, Companhia de Seguros Vida, SA

GNB, Companhia de Seguros Vida, SA GNB, Companhia de Seguros Vida, SA Relatório e Parecer do Conselho Fiscal (Contas Individuais) Exmos. Senhores Accionistas 1. Cumprindo as disposições legais e estatutárias apresentamos, o nosso relatório

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008

Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Grupo Reditus reforça crescimento em 2008 Nota Prévia Os resultados reportados oficialmente reflectem a integração do Grupo Tecnidata a 1 de Outubro de 2008, em seguimento da assinatura do contrato de

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A.

GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. INTRODUÇÃO A GROUPAMA SEGUROS DE VIDA, S.A. (ex GAN PORTUGAL VIDA Companhia de Seguros, S.A.) foi constituída em 1991 com um capital social inicial de 1.5. contos, sendo

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

Allianz Portugal Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A.

Allianz Portugal Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Relatório e Contas 2014 Allianz Portugal Companhia de Seguros Allianz Portugal, S.A. Seguros de A a Z. Companhia de Seguros Allianz Portugal S.A. Allianz Portugal A Allianz Portugal posiciona-se no mercado

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A

Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Gestão Financeira Método de analise com recurso a rácios IESF Licenciatura Gestão Financeira Fiscal 2008/2009 Trabalho Wikipedia Rita Pinto Turma: A Índice Índice...2 Introdução...3 Tipos de rácios...4

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais