4.2 Estudo Geotécnico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4.2 Estudo Geotécnico"

Transcrição

1 4.2 Estudo Geotécnico O Estudo Geotécnico foi desenvolvido de acordo com o Termo de Referência do Edital e baseados na Instrução de Serviço IS-206 das Diretrizes Básicas para Elaboração de Estudos e Projetos Rodoviários, do DNIT/2010. O estudo realizado objetivou avaliação das condições atuais do pavimento existente nas interseções e do terreno natural da Av. Júlia Rodrigues Torres com vistas a elaboração de revisão do projeto de melhoria da Travessia Urbana na BR-232 em Belo Jardim, assim como a indicação das ocorrências de materiais para emprego nas diversas camadas do pavimento Terreno Natural O Estudo do Terreno Natural abrangeu sondagens e coletas com retirada de amostras para caracterização do material até 1,00 m abaixo do greide do projeto geométrico, suficientes para definição do perfil geotécnico do terreno. As sondagens foram executadas a pá e picareta com espaçamento de 100 em 100 metros e nos intervalos, quando houve variação de material. Com o material coletado das sondagens foram feitos os seguintes ensaios que estão apresentados no final desse capítulo: - Granulometria por Peneiramento - Granulometria por Sedimentação - Limite de Plasticidade e Liquidez - Compactação - Índice de Suporte Califórnia - Índice de Forma - Durabilidade - Adesividade

2 4.2.2 Areal O areal estudado está situado a 10,10 km, será utilizado na camada de cimento com areia para assentamento do paralelepípedo e nas obras de concreto de cimento Portland. Para o estudo do areal foi coletado material de cada furo para realização dos ensaios de granulometria, equivalente de areia e teor de matéria orgânica. No final desse capítulo, é apresentado um croqui com sua localização, o boletim de sondagem e o resumo dos ensaios Material Pétreo localização. As pedreiras estudadas estão apresentadas no final desse capitulo mostrando sua A pedreira Britac está localizada a 12,10 km deverá ser utilizada nas obras de concreto de cimento Portland, base de brita graduada e CBUQ e também no revestimento em paralelepipedos. A pedreira Brical foi estudada e está apresentada no final desse capitulo. Para o estudo dessas pedreiras serão executados os seguintes ensaios: - Abrasão de Los Angeles - Adesividade - Índice de Forma - Durabilidade Os resultados desses ensaios estão apresentados no final desse capitulo Material para Terraplenagem A escolha no campo da área de jazida foi feita em função do volume necessário a execução dos aterros, foi estudado apenas uma jazida.

3 Para o estudo desta jazida foram executadas sondagens com coleta de amostras de cada horizonte detectado para realização dos seguintes ensaios: - Granulometria por Peneiramento - Limite de Plasticidade e Liquidez - Compactação - Índice de Suporte Califórnia - Equivalente de Areia Os resultados desses ensaios estão apresentados no final desse capitulo Ocorrência de Materiais para Pavimentação No estudo de ocorrência de materiais para pavimentação, serão abordados estudos distintos para jazida de solo, areal e pedreira Jazida de Solo Não foi encontrada na região, próxima a obra, nenhuma ocorrência de solo com característica para emprego na execução de base. Então optou-se em utilizar base de brita graduada tratada com cimento em função do pequeno volume a ser utilizado. Quanto ao material para sub-base será utilizada a mesma jazida indicada para terraplenagem, uma vez que as características do material também é adequado para utilização em subbase.

4 FURO Nº ESTACA POSIÇÃO E-X-D PROFUNDIDADE (cm) DE A REGISTRO Nº CLASSIFICAÇÃO ,00 E ,00 D ,00 E ,00 D ,00 E Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. OBSERVAÇÕES : AV. JULIA RODRIGUES RODOVIA: BR-232/PE TRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM Extensão: 4,79 km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO BOLETIM DE SONDAGEM - SUBLEITO EG - 01

5 Registro Nº Furo Nº Estaca ou Km Posição E D E D E Profundidade DE (cm) A " " /8" Nº Nº Nº Nº Faixa do DNIT FF FF F FF F L.L NL NL NL NL NL I.P NP NP NP NP NP E.A Granulometria AASHO No ormal 12 Golpe es AASHO Inter. 26 Golpes AASHO Mod. 56 Golpes Peneiramento - % Passando I.G Classif. T.R.B A-2-4 A-4 A-2-4 A-4 A-2-4 DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA 10,1 10,7 9,5 10,5 11,2 I.S.C Expansão 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão D. "In Situ"(g/dm³) UMID. Nat. (%) 5,2 5,2 4,1 5,3 5,3 Grau de Comp. (%) OBSERVAÇÕES: Dados de Campo AV. JULIA RODRIGUES RODOVIA: TRECHO: Extensão: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM SUBTRECHO: SEGMENTO: 4,79 Km ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 ( CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN RESUMO DE ENSAIOS - SUBLEITO EG - 02 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

6 FURO Nº ESTACA POSIÇÃO E-X-D PROFUNDIDADE (cm) DE A REGISTRO Nº CLASSIFICAÇÃO ,00 D ,00 E Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. OBSERVAÇÕES : INTERSEÇÃO Nº 1 RODOVIA: BR-232/PE TRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM Extensão: 4,79 km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO BOLETIM DE SONDAGEM - SUBLEITO EG - 03

7 Registro Nº Furo Nº 1 2 Estaca ou Km Posição D E Profundidade DE 0 0 (cm) A " " /8" Nº Nº Nº Nº Faixa do DNIT FF FF L.L NL NL I.P NP NP E.A Granulometria AASHO No ormal 12 Golpe es AASHO Inter. 26 Golpes AASHO Mod. 56 Golpes Peneiramento - % Passando I.G 0 0 Classif. T.R.B A-2-4 A-2-4 DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA 8,7 8,2 I.S.C Expansão 0,0 0,0 DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão D. "In Situ"(g/dm³) UMID. Nat. (%) 3,1 3,1 Grau de Comp. (%) OBSERVAÇÕES: Dados de Campo INTERSEÇÃO Nº 1 RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 ( CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO RESUMO DE ENSAIOS - SUBLEITO EG - 04

8 FURO Nº ESTACA POSIÇÃO E-X-D PROFUNDIDADE (cm) DE A REGISTRO Nº CLASSIFICAÇÃO ,00 D ,00 E Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. OBSERVAÇÕES : INTERSEÇÃO Nº 2 RODOVIA: TRECHO: Extensão: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM SUBTRECHO: SEGMENTO: 4,79 km ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO BOLETIM DE SONDAGEM - SUBLEITO EG - 05

9 Registro Nº Furo Nº 1 2 Estaca ou Km Posição D E Profundidade DE 0 0 (cm) A " " /8" Nº Nº Nº Nº Faixa do DNIT F FF L.L NL NL I.P NP NP E.A Granulometria AASHO No ormal 12 Golpe es AASHO Inter. 26 Golpes AASHO Mod. 56 Golpes Peneiramento - % Passando I.G 0 0 Classif. T.R.B A-2-4 A-2-4 DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA 8,9 10,1 I.S.C Expansão 0,0 0,0 DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão D. "In Situ"(g/dm³) UMID. Nat. (%) 3,1 5,2 Grau de Comp. (%) OBSERVAÇÕES: Dados de Campo INTERSEÇÃO Nº 2 RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: SUBTRECHO: BR / PE RECIFE - PARNAMIRIM SEGMENTO: 4,79 Km ENTR. PE / ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN RESUMO DE ENSAIOS - SUBLEITO EG - 06 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

10 FURO Nº ESTACA POSIÇÃO E-X-D PROFUNDIDADE (cm) DE A REGISTRO Nº CLASSIFICAÇÃO ,00 E ,00 D Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr Ar.si.c/pedr. OBSERVAÇÕES : INTERSEÇÃO Nº 3 RODOVIA: BR-232/PE TRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM Extensão: 4,79 km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO BOLETIM DE SONDAGEM - SUBLEITO EG - 07

11 Registro Nº Furo Nº Estaca ou Km Posição Profundidade (cm) Granulometria AASHO No ormal 12 Golpe es AASHO Inter. 26 Golpes AASHO Mod. 56 Golpes Dados de Campo Peneiramento - % Passando Faixa do DNIT L.L I.P E.A I.G Classif. T.R.B DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DE A 2" 1" 3/8" Nº 4 Nº 10 Nº 40 Nº 200 D. "In Situ"(g/dm³) UMID. Nat. (%) Grau de Comp. (%) OBSERVAÇÕES: E D F FF NL NL NP NP 0 0 A-2-4 A ,4 10, ,0 0, ,2 4, INTERSEÇÃO Nº 3 RODOVIA: SUBTRECHO: BR-232/PE TRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM SEGMENTO: Extensão: 4,79 Km ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 ( CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN RESUMO DE ENSAIOS - SUBLEITO EG - 08 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

12 FURO Nº ESTACA POSIÇÃO E-X-D PROFUNDIDADE (cm) DE A REGISTRO Nº CLASSIFICAÇÃO ,00 E ,00 D Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. Ar.si.c/pedr. OBSERVAÇÕES : INTERSEÇÃO Nº 4 RODOVIA: BR-232/PE TRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM Extensão: 4,79 km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO BOLETIM DE SONDAGEM - SUBLEITO EG - 09

13 Registro Nº Furo Nº Estaca ou Km Posição Profundidade (cm) Granulometria AASHO No ormal 12 Golpe es AASHO Inter. 26 Golpes AASHO Mod. 56 Golpes Dados de Campo Peneiramento - % Passando Faixa do DNIT L.L I.P E.A I.G Classif. T.R.B DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C Expansão DE A 2" 1" 3/8" Nº 4 Nº 10 Nº 40 Nº 200 D. "In Situ"(g/dm³) UMID. Nat. (%) Grau de Comp. (%) OBSERVAÇÕES: E D F FF NL NL NP NP 0 0 A-2-4 A ,1 10, ,0 0, ,30 4, INTERSEÇÃO Nº 4 RODOVIA: SUBTRECHO: BR-232/PE TRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM SEGMENTO: Extensão: 4,79 Km ENTR. PE - 144/ ENTR. PE (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 ( CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN RESUMO DE ENSAIOS - SUBLEITO EG - 10 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

14 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO JAZIDA Nº LOCALIZAÇÃO DISTÂNCIA AO EIXO UTILIZAÇÃO J.01 - ATERRO ESTACA ,00 - LE 3,40 Km ÁREA UTILIZÁVEL 4.500,00 m² EXPURGO MÉDIO 450,00 m³ ESPESSURA MÉDIA UTILIZÁVEL BASE C/MISTURA - SUB-BASE - MAT.SELEC. - C.DE ATERRO 5,00 m VOLUME TEÓRICO (100%) ,00 m³ VOLUME UTILIZÁVEL (90%) ,00 m³ PROPRIETÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO JARDIM - PE SÃO BENTO DO UNA JAZIDA J.01 - ATERRO ENDEREÇO DO PROPRIETÁRIO BELO JARDIM-PE - TELEFONE: BENFEITORIAS EXISTENTES NÃO HÁ COORDENADAS N MALHA TIPO DE VEGETAÇÃO 30 m x 30 m RASTEIRA 30m L JAZIDA J.01 - ATERRO CARACTERÍSTICAS GEOTÉCNICAS GRANULOMETRIA % PASSANDO FAIXA DO DNER L.L I.P E.A I.G CLASSIFICAÇÃO TRB nº X ó Mmín Mmáx Xmín Xmáx 2" " /8" Nº Nº Nº Nº F/F NP A.4 DENSIDADE MÁXIMA UMIDADE ÓTIMA 9 7,6 0,3 7,1 8,1 7,3 7,9 CBR EXPANSÃO 9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 M. E. " IN SITU " UMIDADE NATURAL 9 2,6 0,4 2,3 3,1 2,2 3,0 GRAU DE COMPACTAÇÃO (%) KM 178 EST. 0+0,00 CARUARU KM 182,0 EST ,00 1,10 km BR m 15m 0,50 km 2,00 km KM 183,1 F-3 F-2 F-1 F-6 F-5 F-4 F-9 F-8 F-7 PESQUEIRA EG - 11 BELO JARDIM AASHO INTERM. 26 GOLPES DADOS DE CAMPO PE-180

15 FURO Nº ESTACA POSIÇÃO E-X-D PROFUNDIDADE (cm) DE A REGISTRO Nº CLASSIFICAÇÃO E Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. Ag. ar. si. am. esc. OBSERVAÇÕES : JAZIDA J.01 - ATERRO (ESTACA ,00 - LE A 3,40 Km) RODOVIA : TRECHO : EXTENSÃO : BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO : SEGMENTO : ENTR.PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO BOLETIM DE SONDAGEM - JAZIDA EG - 12

16 DENOMINAÇÃO LOCALIZAÇÃO REGISTRO Nº FURO Nº PROFUNDIDADE - cm - GRANULOMETRIA FAIXA DNER PENEIRAS - % PASSANDO LIMITE DA LIQUIDEZ ÍNDICE DE PLASTICIDADE EQUIVALENTE DE AREIA ÍNDICE DE GRUPO CLASSIFICAÇÃO T.R.B. CLASSIFICAÇÃO USC JAZIDA J.01 - ATERRO ESTACA ,00 - LE A 3,40 Km DE A " " /8" Nº Nº Nº Nº F/F F/F F/F F/F F/F F/F F/F F/F F/F NP NP A.4 A.4 A.4 A.4 A.4 A.4 A.4 A.4 A.4 AASHO NORMAL 12 GOLPES AASHO INTERM. 26 GOLPES AASHO MODIF. 56 GOLPES DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA C.B.R. EXPANSÃO DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA C.B.R. EXPANSÃO DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA C.B.R. EXPANSÃO ,8 8,6 8,2 9,0 8,9 8,5 8,7 9,1 8, ,2 0,1 0,1 0,2 0,0 0,1 0,0 0,1 0, ,3 7,5 7,1 8,1 7,8 7,5 7,7 7,9 7, ,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 DADOS DECAMPO DENS. IN SITU (g/dm 3 ) UMID. NATURAL (%) GRAU DE COMP. (%) APROVEITÁVEL OBSERVAÇÕES: ,5 2,5 2,1 3,1 3,1 2,3 2,3 3,1 2, RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO : BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO RESUMO DE ENSAIOS - JAZIDA EG - 13

17 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO JAZIDA Nº LOCALIZAÇÃO DISTÂNCIA AO EIXO UTILIZAÇÃO ESPESSURA MÉDIA UTILIZÁVEL PROPRIETÁRIO BASE C/MISTURA ÁREA UTILIZÁVEL 4.500,00 m² EXPURGO MÉDIO 450,00 m³ 5,00 m VOLUME TEÓRICO (100%) ,00 m³ VOLUME UTILIZÁVEL (90%) ,00 m³ J.01 - ATERRO C/MISTURA DE 30% DE BRITA CORRIDA, EM PESO ESTACA ,00 - LE 3,40 Km PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO JARDIM - PE SÃO BENTO DO UNA JAZIDA J.01 - ATERRO JAZIDA J.01 - ATERRO C/ MISTURA ENDEREÇO DO PROPRIETÁRIO BELO JARDIM-PE - TELEFONE: BENFEITORIAS EXISTENTES MALHA TIPO DE VEGETAÇÃO CARACTERÍSTICAS GEOTÉCNICAS FAIXA DO DNER L.L I.P E.A I.G CLASSIFICAÇÃO TRB nº X ó Mmín Mmáx Xmín Xmáx 2" " /8" Nº Nº Nº Nº D 5 NL 5 NP 0 A.2.4 DENSIDADE MÁXIMA UMIDADE ÓTIMA 5 7,2 6,8 7,5 CBR EXPANSÃO 5 0,0 0,0 0,0 KM 178 EST. 0+0,00 CARUARU KM 182,0 EST ,00 1,10 km BR m 15m 0,30 km 2,00 km KM 183,1 COORDENADAS N L m F-3 F-2 F-1 F-6 F-5 F-4 F-9 F-8 F-7 PESQUEIRA EG - 13A BELO JARDIM GRANULOMETRIA % PASSANDO AASHO INTERM. 26 GOLPES NÃO HÁ 30 m x 30 m RASTEIRA PE-180 DADOS DE CAMPO M. E. " IN SITU " UMIDADE NATURAL GRAU DE COMPACTAÇÃO (%)

18 DENOMINAÇÃO LOCALIZAÇÃO REGISTRO Nº FURO Nº PROFUNDIDADE - cm - GRANULOMETRIA FAIXA DNER PENEIRAS - % PASSANDO LIMITE DA LIQUIDEZ ÍNDICE DE PLASTICIDADE EQUIVALENTE DE AREIA ÍNDICE DE GRUPO CLASSIFICAÇÃO T.R.B. CLASSIFICAÇÃO USC NAT MIST NAT MIST NAT MIST NAT MIST NAT MIST DE A " " /8" Nº Nº10 85 Nº JAZIDA J.01 - ATERRO C/MISTURA DE 30% DE BRITA CORRIDA, EM PESO ESTACA ,00 - LE A 3,40 Km Nº F/F D F/F D F/F D F/F D F/F D 22 NL 24 NL 22 NL 23 NL 25 NL 4 NP 5 NP NP NP 4 NP 5 NP A.4 A.2.4 A.4 A.2.4 A.4 A.2.4 A.4 A.2.4 A.4 A AASHO NORMAL 12 GOLPES AASHO INTERM. 26 GOLPES AASHO MODIF. 56 GOLPES DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA C.B.R. EXPANSÃO DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA C.B.R. EXPANSÃO DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA C.B.R. EXPANSÃO ,3 6,8 7,1 7,5 7,8 7,0 7,7 7,4 7,6 7, ,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 DADOS DECAMPO DENS. IN SITU (g/dm 3 ) UMID. NATURAL (%) GRAU DE COMP. (%) APROVEITÁVEL OBSERVAÇÕES: ,5 2,1 3,1 2,3 2, RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO : BR-232/PE SUBTRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM SEGMENTO: 4,79 Km ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,1515 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO RESUMO DE ENSAIOS - JAZIDA EG - 14

19 CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO SÃO JOSÉ DO BONFIM / MÃE D'ÁGUA ANÁLISE ESTATÍSTICA DE JAZIDAS EG - 15 BR-232/PE 4,79 Km RODOVIA: TRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM EXTENSÃO: ENSAIOS GRANULOMETRIA PENEIRAS % PASSANDO JAZIDAS JAZIDA J.01 - ATERRO ESTACA ,00 - LE A 3,40 Km JAZIDA J.01 - C/MISTURA ESTACA ,00 - LE A 3,40 Km X σ n X min. X máx. X σ n M min. M máx. X σ n X min. X máx. 2" " /8" Nº Nº Nº Nº % de Silte FAIXA D.N.E.R. OU D.E.R. F/F D L.L NL I.P NP E.A I.G. 1 0 CLASSIF. T.R.B. A.4 A.2.4 DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA I.S.C EXPANSÃO DENS. MÁXIMA UMID. ÓTIMA 7,6 0,3 9 7,3 7,9 7,2 5 6,8 7,5 I.S.C EXPANSÃO 0,0 0,0 9 0,0 0,0 0,0 5 0,0 0,0 D. "IN SITU"(g/dm 3 ) GRAU DE COMPACT. 2,6 0,4 9 2,2 3,0 UMID.NATURAL AASHO NORMAL 12 GOLPES AASHO NTERM. 26 GOLPES DADOS DE CAMPOS ELEMENTOS ESTAT.

20 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO AREAL Nº LOCALIZAÇÃO DISTÂNCIA AO EIXO PROPRIETÁRIO ENDEREÇO DO PROPRIETÁRIO BENFEITORIAS EXISTENTES TIPO DE VEGETAÇÃO ÁREA A.01 - RIO IPOJUCA ESTACA ,00 - LE 14,10 Km AREIA COMERCIAL ESTOQUE AREAL A.01 - RIO IPOJUCA DEPÓSITO DE AREIA DO RIO IPOJUCA SÃO BENTO DO UNA EXPURGO MÉDIO PROFUNDIDADE COORDENADAS 2,00 km VOLUME TEÓRICO (100%) VOLUME UTILIZÁVEL (90%) SUFICIENTE L N AREAL A.01 - RIO IPOJUCA MALHA UTILIZAÇÃO CARACTERISTICAS GEOTÉCNICAS GRANULOMETRIA POR PENEIRAMENTO PENEIRAS % PASSANDO MÓDULO DE FINURA EQUIVALENTE DE AREIA 1'' 3/4" 3/8'' Nº 4 Nº 8 Nº 16 Nº 30 Nº 50 Nº 100 Nº 200 PAV. - DREN. Nº X ó Mmin Mmax Xmin Xmax ,72 2,48 2, CARUARU KM 178 EST. 0+0,00 KM 182,0 EST ,00 11,00 km 1,10 km BR-232 PE-180 KM 183,1 PESQUEIRA TEOR DE MATÉRIA ORGÂNICA TEOR DE AEGILA EM TORRÕES TEOR DE MAT. PULVERULENTO EG - 16 PERMEABILIDADE PESO ESPECÍFICO REAL UMIDADE NATURAL 5 2,65 2,65 2,66 BELO JARDIM

21 FURO Nº ESTACA POSIÇÃO E-X-D PROFUNDIDADE (cm) DE A REGISTRO Nº CLASSIFICAÇÃO AM Areia média grossa lavada AM Areia média grossa lavada AM Areia média grossa lavada AM Areia média grossa lavada AM Areia média grossa lavada OBSERVAÇÕES : AREAL A.01 - RIO IPOJUCA (ESTACA ,00 LE A 10,10 Km RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: SUBTRECHO: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM SEGMENTO: 4,79 Km ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO BOLETIM DE SONDAGEM - AREAL EG - 17

22 AREAL Nº LOCALIZAÇÃO REGISTRO Nº FURO Nº AREAL A.01 - RIO IPOJUCA ESTACA ,00 - LE A 10,10 Km AM.01 AM.02 AM.03 AM.04 AM.05 PROFUNDIDADE (cm) DE A GRANULOMETRIA PENEIRAS - % PASSANDO MÓDULO DE FINURA 3/4" 3/8" Nº 4 Nº 8 Nº 16 Nº 30 Nº 50 Nº 100 Nº ,70 2,48 2,91 2,85 2,64 EQUIVALENTE DE AREIA TEOR DE MATÉRIA ORGÂNICA TEOR DE ARGILA EM TORRÕES TEOR DE MAT. PULVERULENTO PERMEABILIDADE PESO ESPECÍFICO REAL 2,65 2,66 2,65 2,66 2,65 UMIDADE NATURAL OBSERVAÇÕES : RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km182,15 15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO RESUMO DE ENSAIOS - AREAL EG - 18

23 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO PEDREIRA Nº LOCALIZAÇÃO DISTÂNCIA AO EIXO MATERIAL UTILIZAÇÃO ÁREA UTILIZÁVEL EXPURGO MÉDIO ESPESSURA MÉDIA UTILIZÁVEL P.01 - BRITAC ESTACA ,00 - LE 16,10Km GRANITO CINZA PAV. - DRENAGEM - OAC - OAE - CONCRETO SUFICIENTE - - PEDREIRA P.01 - BRITAC PEDREIRA BRITAC COORDENADAS N L SÃO BENTO DO UNA VOLUME TEÓRICO (100%) - VOLUME UTILIZÁVEL (90%) PROPRIETÁRIO SUFICIENTE SR, MARCELO ALVES 4,00 km ENDEREÇO DO PROPRIETÁRIO TEL BENFEITORIAS EXISTENTES EXPLORAÇÃO COMERCIAL PEDREIRA P.01 - BRITAC MALHA TIPO DE VEGETAÇÃO GRANULOMETRIA % PASSANDO AMOSTRA TIPO 3" 2 1/2" 2" 1/2" CARUARU KM 178 EST. 0+0,00 KM 182,0 EST ,00 11,00 km 1,10 km BR-232 KM 183,1 PESQUEIRA EG - 19 BELO JARDIM - - CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS ENSAIOS IN NATURA BRITA 19 BRITA 12 AMOSTRA TIPO IN NATURA BRITA 19 BRITA 12 1" ABRASÃO LOS ANGELES DESGASTE 23,0 FAIXA MASSA ESPECÍFICA REAL MASSA APARENTE COMPAC.g/cm³ SOLTA-g/cm³ ABSORÇÃO DE ÁGUA - % 3/4" CRIVO 0,73 5/8" ÍNDICE DE FORMA PAQUÍMETRO 1/2" PLACA 3/8" ADESIVIDADE S/DOPE MÁ Nº RR-MODIF. 0,50% SATISF. Nº ADESIVIDADE S/DOPE MÁ Nº 40 RIEDEL WEBER 0,50% BOA B PE-180 Nº 100 DESAGR.-% 3,2 DURABILIDADE Nº 200 Nº CICLO 0 OBSERVAÇÕES:

24 NBR NM 51 - ABRASÃO LOS ANGELES - DNER ME - 035/98 PENEIRAS DE ABERTURAS DE AMOSTRA - MASSA PARCIAL MALHAS QUADRADAS PASSANDO RETIDO GRADUAÇÕES Nº / POL mm Nº / POL mm A B C D E F G 3 " / 2 " ± / 2 " 63 2 " ± 50 2 " / 2 " 37, ± ± / 2 " 37,5 1 " ± ± ± 25 1 " 25 3 / 4 " ± ± 25 3 / 4 " 19 1 / 2 " 12, ± ± 10 1 / 2 " 12,5 3 / 8 " 9, ± ± 10 3 / 8 " 9,5 1 / 4 " 6, ± 10 1 / 4 " 6,3 N º 4 4, ± 10 N º 4 4,75 Nº 8 2, ± 10 NÚMERO DE ESFERASDE AÇO MASSAS TOTAIS ( gramas) 5000 ± ± ± ± ± ± ± 50 NÚMERO ROTAÇÕES DO TAMBOR RESULTADO DO ENSAIO FAIXA VALOR DO ABRASÃO B ENQUADRADA "LOS ANGELES" 23 COMPOSIÇÃO DA AMOSTRA PENEIRAS DE ABERTURAS DE FRAÇÕES OBSERVAÇÃO MALHAS QUADRADAS MASSA PASSANDO RETIDO gramas Nº / POL mm Nº / POL mm 3 / 4 " 19 1 / 2 " 12, / 2 " 12,5 3 / 8 " 9, PESO TOTAL DA AMOSTRA MASSA RETIDA DIAMETRO >1,7 mm PROPRIETÁRIO: PROCEDÊNCIA PEDREIRA BRITAC - Britas Belo Jardim Ltda. Marcelo Alves LOCALIZAÇÃO: AMOSTRA: NATUREZA : REGISTRO: Km 7 da PE-180 Belo Jardim Granito Cinza 134 LABORATÓRIO OPERADOR: DATA: CALCULISTA: VISTO: CENTRAL ROSEANE 22/06/12 ELETRONICA JOSÉ GARCIA RODOVIA: BR-232/PE TRECHO : RECIFE - PARNAMIRIM SUBTRECH0: ENTR.PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) SEGMENTO : Km 178,0 - Km 182,15 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO EXTENSÃO: 4,79 Km CONSULPLAN ABRASÃO LOS ANGELES EG - 20

25 PESO DA AMOSTRA TOTAL 2.411,00 PESO PESO QUE PENEIRAS RETIDO PASSA % PASSANDO OBSERVAÇÕES PARCIAL ACUMULADO 1/2 100,0 3/8 261, ,85 89, ,15 98,70 4, ,60 7,10 0,3 FUNDO 6,13 0,97 0,0 A R E I A P E D R E G U L H O mm 100 0,050 0,074 0,15 0,18 0,30 0,42 0,6 1,2 2,0 2,4 4,8 6,4 9,5 12,7 19,1 25,4 38,1 50,8 63,5 76, PERCENTAGEM QUE PASSA Pol /4" 3/8" 5/8" 1 1/4" 1/2" 3/4" 1" 11/2" " OBSERVAÇÕES : PROCEDÊNCIA : FURO : ESTACA : POSIÇÃO : AMOSTRA : PROFUNDIDADE : DATA : Brita Nº RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN GRANULOMETRIA DOS AGREGADOS EG - 21 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

26 PESO DA AMOSTRA TOTAL 3.117,74 PESO PESO QUE PENEIRAS RETIDO PASSA % PASSANDO OBSERVAÇÕES PARCIAL ACUMULADO FUNDO 1" 100,0 3/ , ,22 58,0 3/ ,60 676,62 22, ,34 3,28 0,1 10 3,28 0,00 0,0 A R E I A P E D R E G U L H O mm 100 0,050 0,074 0,15 0,18 0,30 0,42 0,6 1,2 2,0 2,4 4,8 6,4 9,5 12,7 19,1 25,4 38,1 50,8 63,5 76, PERCENTAGEM QUE PASSA Pol. OBSERVAÇÕES : /4" 3/8" 5/8" 1 1/4" 1/2" 3/4" 1" 11/2" " PROCEDÊNCIA : FURO : ESTACA : POSIÇÃO : AMOSTRA : PROFUNDIDADE : DATA : Brita Nº RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO: SEGMENTO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN GRANULOMETRIA DOS AGREGADOS EG - 22 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

27 ÍNDICE DE FORMA DE AGREGADO - MÉTODO DO CRIVO GRADUAÇÃO CRIVO REDUTOR I CRIVO REDUTOR II FÓRMULA ABERTURA PESOS DAS ABER- PESO ABER- PESO RETIDO % RETIDO % + (1/2 ) CIRCULAR FRAÇÕES TURA RETIDO TURA RETIDO 1 2 FAIXA IF = PASS. RETIDO (g) (mm) (mm) 100.n 76,0 63, ,0 25,0 CÁLCULO: A 63,5 50, ,0 21,0 201,0 +(1/2. 35,5 IF = ( ) 50,0 38, ,0 17,0 100.n 38,0 32, ,0 12,7 RESULTADO: B C D 32,0 25, ,0 10,5 IF = 0,73 25,0 19, ,7 8,5 OBS.: 19, ,5 6,3 19,0 16, , ,4 6,3 196,1 15,0 16,0 12, , ,8 5,3 184,4 13,0 12,7 9, , ,8 4,2 97,2 7,5 12,7 9, ,3 4,2 9,5 6, ,8 3,2 OPERADOR: 1 SOMA DAS PERCENTAGENS - ÍNDICE DE FORMA DE AGREGADO - MÉTODO PAQUÍMETRO 2 DATA: - 201,0 35,5 VISTO: FAIXA A GRADUAÇÃO PENEIRAMENTO MÉDIA DAS MEDIDAS FÓRMULA MALHA ABERTURA PESO ARITIMÉTRICA PONDERADA % RETIDO PASS. RETIDO C e C e 76,0 64,0 Nº DE GRÃOS MEDIDOS 64,0 50,0 IF = 50,0 38,0 IF = C e RESULTADO: B C D 38,0 32,0 32,0 25,0 25,0 19,0 19,0 12,5 19,0 12,5 12,5 9,5 SOMATÓRIO OBS.: 1 2 DATA: OPERADOR: VISTO: OBSERVAÇÃO : RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-232/PE SUBTRECHO: RECIFE - PARNAMIRIM ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) 4,79 Km SEGMENTO: Km 178,0 - Km 182,15 15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO ÍNDICE DE FORMA DE AGREGADO EG - 23

28 COMPOSIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE AMOSTRA ANTES DO ENSAIO COMPOSIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE AMOSTRA APÓS ENSAIOS PENEIRAS - mm FRAÇÕES PESO PERDA S MÉDIA PONDERADA GRAN. ORIG. PASSANDO RETIDO PESO - g % RETIDO - g PESO - g % 63,5 38, ,7 2912,9 87,1 2,9 1,50 38,0 19, ,9 1464,2 35,8 2,4 0,62 19,0 9, ,2 969,0 31,0 3,1 0,53 9,5 4, ,2 269,4 30,6 10,2 0,53 T O T A I S ,0 5615,5 184,5-3,2 9,5 4, ,0 4,8 2, ,0 2,4 1, ,0 1,2 0, ,0 0,6 0, ,0 0,3 0, , T O T A I S ,0 OBSERVAÇÃO : Nos Agregados não se observa os indícios de tricamentos RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-232/PE RECIFE - PARNAMIRIM SUBTRECHO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) SEGMENTO: 4,79 Km Km178,0 - Km 182,15 (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO DURABILIDADE DE AGREGADOS EG - 24

29 CONSULTORIA E PLANEJAMENTO PEDREIRA P.02 - BRICAL EG - 25 PEDREIRA Nº LOCALIZAÇÃO DISTÂNCIA AO EIXO MATERIAL UTILIZAÇÃO ÁREA UTILIZÁVEL EXPURGO MÉDIO - ESPESSURA MÉDIA UTILIZÁVEL - VOLUME TEÓRICO (100%) - VOLUME UTILIZÁVEL (90%) PROPRIETÁRIO - ENDEREÇO DO PROPRIETÁRIO - BENFEITORIAS EXISTENTES MALHA - TIPO DE VEGETAÇÃO - GRANULOMETRIA % PASSANDO OBSERVAÇÕES: AMOSTRA TIPO 3" 2 1/2" 2" 1/2" P.02 - BRICAL ESTACA ,00 - LD 54,50 Km GRANITO CINZA PAV. - DRENAGEM - OAC - OAE - CONCRETO SUFICIENTE SUFICIENTE EXPLORAÇÃO COMERCIAL CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E MECÂNICAS ENSAIOS IN NATURA BRITA 19 BRITA 12 AMOSTRA TIPO IN NATURA BRITA 19,1 BRITA 25,4 ABRASÃO LOS ANGELES MASSA ESPECÍFICA REAL MASSA APARENTE DESGASTE 19,2 16,2 16,1 FAIXA A B G COMPAC.g/cm³ SOLTA-g/cm³ 2,67 1" ABSORÇÃO DE ÁGUA - % 0,30 3/4" CRIVO 0,71 5/8" ÍNDICE DE FORMA PAQUÍMETRO 1/2" PLACA 3/8" ADESIVIDADE S/DOPE N.SAT. N.SAT. N.SAT. Nº 04 RR-MODIF. 0,50% SATISF. SATISF. SATISF. Nº 10 ADESIVIDADE S/DOPE REG. Nº 40 RIEDEL WEBER 0,50% OTIMA Nº 100 DESAGR.-% 8,33 DURABILIDADE Nº 200 Nº CICLO 5 PEDREIRA P.02 - BRICAL COORDENADAS N L BELO JARDIM PEDREIRA BRICAL 600 m BR-232 PESQUEIRA CARUARU KM 182,0 KM 124,1 EST ,00

30 ABRASÃO LOS ANGELES GRADUAÇÃO DAS AMOSTRAS PARA ENSAIO DE DESGASTES PENEIRAS POLEGADAS OU NUMEROS PESO DAS FRAÇÕES EM GRAMAS PASSANDO RETIDO A B C D E F G 3'' 2 1/2'' a 2 1/2'' 2'' a 2'' 1 1/2'' a a 1 1/2'' 1'' a a 1'' 3/4'' a 3/4'' 1/2'' /2'' 3/8'' /8'' 1/4'' /4'' Nº Nº 4 Nº NUMEROS DE ESFERAS PESO DAS ESFERAS (grs.) ± ± ± ± ± ± ± 25 NUMEROS DE REVOLUÇÕES RESULTADOS PESO INICIAL: PESO RETIDO NA PEN. Nº 12 PESO PASSANDO NA PEN. Nº 12 ABRASÃO LOS ANGELES (%) ADESIVIDADE MÉTODO R. R. L. FAIXA 5.000, ,0 808,0 16,2 B LIGANTE TIPO DOPE TIPO CAP 50/70 D 20 % DOPE SEM DOPE 0,3 0,75 OCORRÊNCIA HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 24 HORAS NÃO HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 48 HORAS NÃO HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 72 HORAS RESULTADO LIGANTE TIPO NÃO SATISFATÓRIO SATISFATÓRIO SATISFATÓRIO ADESIVIDADE MÉTODO ''RIEDEL WEBER" CAP 50/70 % DOPE DESLOCAMENTO SOL. INICIAL Nº SOL. FINAL Nº RESULTADO OBRA: LOCALIZAÇÃO: PROCEDÊNCIA: CARUARU PE PEDREIRA BRICAL LABORATÓRIO: NATUREZA: AMOSTRA: CENTRAL DO DER PE GRANITO OPERADOR: DATA: CALCULISTA: Jonas Jonas Monteiro OBSERVAÇÕES: Brita 19,1 mm RODOVIA : BR-232/PE TRECHO : RECIFE - PARNAMIRIM CONSULPLAN SUBTRECHO : ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) CONSULTORIA E PLANEJAMENTO SEGMENTO : Km 178,0 - Km 182,15 EXTENSÃO: 4,79 Km 1 FINALIDADE: VISTO: CBUQ REGISTRO: LOS ANGELES ADESIVIDADE 135 EG - 26

31 ABRASÃO LOS ANGELES GRADUAÇÃO DAS AMOSTRAS PARA ENSAIO DE DESGASTES PENEIRAS POLEGADAS OU NUMEROS PESO DAS FRAÇÕES EM GRAMAS PASSANDO RETIDO A B C D E F G 3'' 2 1/2'' a 2 1/2'' 2'' a 2'' 1 1/2'' a a 1 1/2'' 1'' a a 1'' 3/4'' a 3/4'' 1/2'' /2'' 3/8'' /8'' 1/4'' /4'' Nº Nº 4 Nº NUMEROS DE ESFERAS PESO DAS ESFERAS (grs.) ± ± ± ± ± ± ± 25 NUMEROS DE REVOLUÇÕES RESULTADOS PESO INICIAL: PESO RETIDO NA PEN. Nº 12 PESO PASSANDO NA PEN. Nº 12 ABRASÃO LOS ANGELES (%) FAIXA , , ,0 16,1 G ADESIVIDADE MÉTODO R. R. L. LIGANTE TIPO DOPE TIPO % DOPE SEM DOPE CAP 50/60 D 20 0,3 0,75 OCORRÊNCIA HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 24 HORAS NÃO HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 48 HORAS NÃO HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 72 HORAS RESULTADO LIGANTE TIPO NÃO SATISFATÓRIO SATISFATÓRIO SATISFATÓRIO ADESIVIDADE MÉTODO ''RIEDEL WEBER" CAP 50/60 % DOPE DESLOCAMENTO SOL. INICIAL Nº SOL. FINAL Nº RESULTADO OBRA: LOCALIZAÇÃO: PROCEDÊNCIA: FINALIDADE: CARUARU PE PEDREIRA BRICAL CBUQ LABORATÓRIO: NATUREZA: AMOSTRA: REGISTRO: CENTRAL DO DER PE GRANITO OPERADOR: DATA: CALCULISTA: VISTO: Jonas Jonas Monteiro OBSERVAÇÕES: Brita 25,4 mm LOS ANGELES ADESIVIDADE RODOVIA : BR-232/PE TRECHO : RECIFE - PARNAMIRIM CONSULPLAN SUBTRECHO : ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) CONSULTORIA E PLANEJAMENTO EG - 27 SEGMENTO : Km 178,0 - Km 182,15 EXTENSÃO: 4,79 Km

32 ENSAIOS DE ABRASÃO LOS ANGELES E ADESIVIDADE ABRASÃO "LOS ANGELES" P E N E I R A S (POL.) PASSANDO RETIDO A B C D 1 1/2" 1" " 3/4" /4" 1/2" /2" 3/8" P E S O E M G R A M A S 3/8" 1/4" /4" Nº Nº 4 Nº R E S U L T A D O PESO INICIAL: 5.000,00 gr PESO RETIDO # Nº ,2 gr PESO PASSANDO # Nº12 959,8 gr ABRASSÃO "LOS ANGELES" 19,2 - FAIXA "A" OBSERVAÇÃO GRANITO ALCALINO COM BIOTITA NÚMERO DE ESFERAS PESO DAS ESFERAS - g NÚMERO DE = DEVOLUÇÕES ± ± ± ± LIGANTE TIPO DOPE TIPO DOPE - % ADESIVIDADE - MÉTODO R.R.L. CAP - 50/60 KLING BETA SEM DOPE COM 0,5% COM 0,7% OCORRÊNCIA HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 24 HORAS NÃO HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 48 HORAS NÃO HOUVE DESLOCAMENTO NO PERÍODO DE 72 HORAS RESULTADO NÃO SATISFATÓRIO SATISFATÓRIO SATISFATÓRIO DOPE TIPO DOPE - % ADESIVIDADE - MÉTODO "RIEDEL-WEBER" KLING BETA SEM DOPE COM 0,5% COM 0,7% DESLOCAMENTO SOL. INICIAL N.º I I I SOL. FINAL N.º VI VII X RESULTADO REGULAR ÓTIMA ÓTIMA PROCEDÊNCIA: LOCALIZAÇÃO: NATUREZA: GRANITO ALCALINO COM BIOTITA LABORATÓRIO: OPERADOR: DATA: CALCULISTA: VISTO: OBS: CENTRAL PAULO JOSÉ PEDREIRA BRICAL P.02 - EXPLORADA COMERCIALMENTE CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO RODOVIA : BR-232/PE TRECHO : RECIFE - PARNAMIRIM SUBTRECHO : ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) SEGMENTO : Km 178,0 - Km 182,15 EXTENSÃO: 4,79 Km EG - 28

33 ÍNDICE DE FORMA DE AGREGADO PESO ESPECÍFICO REAL - DNER -ME 81/94 GRADUAÇÃO DA FAIXA CRIVO DE ABERTURA CIRCULAR (POL.) PASSAN. RETIDO PESOS DAS FRAÇÕES DA AMOSTRA ABERTURA ( Pol.) CRIVO REDUTOR I PÊSO RETIDO ( g.) RETIDO ( % ) ABERT. ( Pol.) CRIVO REDUTOR I I PÊSO RETIDO ( g.) RETIDO ( % ) A B C D 3" 2 1/2 " /2" 1 " 2 1/2" 2 " /4 " 27/32 " 2" 1 1/2 " " 11/16 " 1 1/2 " 1 1/4 " /4 " 1/2 " 1 1/4 " 1 " /8 " 13/32 " 1 " 3/4 " /2 " 11/32 " 3/4 " 5/8 " /8 " 1/4 " 3/4 " 5/8 " /8 " 1270,0 63,50 1/4 " 505,0 25,25 5/8 " 1/2 " /16 " 1100,0 55,00 7//32 " 465,0 23,25 1/2 " 3/8 " /4 " 1205,0 60,25 5/32 " 440,0 22,00 1/2 " 3/8 " /4 " 5/32 " 3/8 " 1/4 " /16 " 1/8 " SOMA DAS PERCENTAGENS FÓRMULA : Número de frações 3 SOMA (1) 178, SOMA (2) 70,50 CÁLCULO : RESULTADO : ÍNDICE = 0,5 x SOMA (2) + SOMA (1) ÍNDICE DE FORMA 100 x Número de frações 0,71 PESO ESPECÍFICO REAL DO AGREGADO GRAUDO E ABSORÇÃO DETERMINAÇÃO N. PÊSO DO AGREGADO ÚMIDO PESO DO AGREGADO SECO PÊSO DO AGREGADO IMERSO PÊSO DA ÁGUA ABSORVIDA VOLUME DO AGREGADO PESO ESPECIFICO REAL N g. g. g. g. dm 3 g/dm ,1 1040,0 649,9 3,1 390,1 2, ,5 993,8 621,5 2,7 372,4 2, ,4 1033,2 647,1 3,2 386,1 2,676 PESO ESPECÍFICO REAL - MÉDIO 2,670 g/dm3 TEOR DE ABSORÇÃO % 0,3 0,3 0,3 TEOR DE ABSORÇÃO MÉDIO 0,3 % PREOCEDÊNCIA LOCALIZAÇÃO NATUREZA AMOSTRA PEDREIRA BRICAL GRANITO 1 LABORATORIO OPERADOR DATA CALCULISTA VISTO CENTRAL PAULO JOSÉ SEBASTIÃO ARMANDO RODOVIA : BR-232/PE TRECHO : RECIFE - PARNAMIRIM CONSULPLAN SUBTRECHO : ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) CONSULTORIA E PLANEJAMENTO SEGMENTO : Km 178,0 - Km 182,15 EXTENSÃO: 4,79 Km EG - 29

34 DURABILIDADE DO AGREGADO DNER-ME SANIDADE DE AGREGRADO POR PENEIRAMENTO SOUNDNESS OF AGGREGATES BY USE OF Na 2 SO4 Mg SO4 X DADOS DA AMOSTRA REGISTRO N PROCEDENCIA P - BRICAL CARACTREISTICAS DO ENSAIO NÚMERO DE CICLOS 5 LOCALIZAÇÃO: PERÍODO DO ENSAIO 17 HORAS DADOS DA SOLUÇÃO COMPOSIÇÃO DATA PREPARAÇÃO Sulfato de Sódio DENSIDADE 2,807 ENSAIO DATA DO INICIO DATA DO TERMINO COMPOSIÇÃO GRANULOMETRICA DA AMOSTRA INICIAL PESO DAS FRAÇÕES DA AMOSTRA POL OU N PASSANDO RETIDO - ANTES DEPOIS PERCENTAGEM DE PERDA APÓS O ÚLTIMO CICLO PERCENTAGEM DE PERDA CORRIGIDA - mm mm % g. g. % % 2 1/2-1 1/2 63,5 38,0 0,00 0,0 0, /2-3/4 38,0 19,0 0,00 0,0 0, /4-3/8 19,0 9,5 76, ,0 1000,0 0,00 0,00 3/8 - N 4 9,5 4,8 23,08 300,0 285,0 4,99 1,15 3/8 - N 4 9,5 4,8 20,00 110,00 106,12 3,53 0,71 N 4 - N 8 4,8 2,4 20,00 110,00 103,21 6,17 1,23 N 8 - N 16 2,4 1,2 20,00 110,00 101,87 7,39 1,48 N 16 - N 30 1,2 0,6 20,00 110,00 100,33 8,79 1,76 N 30 - N 50 0,6 0,3 20,00 110,00 98,98 10,02 2,00 N 50 - N 100 0,3 0, < N 100 0,15 - SOMA 8,33 EXAME QUANTITATIVO Não houve partículas maiores do que 19 mm. Não houve fedilhamento em nenhuma fração da amostra. As partículas menores do que 9,5 mm., apresentaram quebra. A amostra apresentou uma perda de : 8,33 % após 5 ciclos. CONCLUSÃO MENOR QUE 12 % - ATENDE AS ESPECIFICAÇÕES DO D.N.E.R. PREOCEDÊNCIA PEDREIRA BRICAL LOCALIZAÇÃO NATUREZA GRANITO CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO RODOVIA : BR-232/PE TRECHO : RECIFE - PARNAMIRIM SUBTRECHO : ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) SEGMENTO : Km 178,0 - Km 182,15 EXTENSÃO: 4,79 Km EG - 30

35 SUBLEITO ENSAIOS DE SEDIMENTAÇÃO

36 Amostra total AMOSTRA PA ARCIAL UMIDADE NATURAL AMOSTRA TOTAL PARCIAL RESULTADOS CÁPSULA Nº CÁPSULA Nº 750/ PEDREGULHO PESO BRUTO ÚMIDO (g) 129,44 142,46 PESO BRUTO ÚMIDO ,5 PESO BRUTO SECO (g) 129,11 142,04 PESO ÚMIDO 3719,60 121,9 AREIA PESO DA CÁPSULA (g) 26,33 21,5 PESO RETIDO NA PEN. Nº10 871,21 51,0 PESO DA ÁGUA (g) 0,33 0,42 PESO ÚMIDO PASS. NA PEN. Nº ,39 SILTE P. DO SOLO SECO (g) 102,78 120,54 PESO SECO PASS. NA PEN. Nº ,27 22,8 2 3 UMIDADE (%) 0,32 0,35 PESO DA AMOSTRA SECA 3710,48 121,49 ARGILA MÉDIA (%) 0,33 2,7 PENEIRAMENTO PESO ESPECÍFICO REAL P.R P. QU E PASSA % QUE PASSA CÁPSULA Nº: PENEIRAS PARCIAL ACUMULADO AM TOTAL PENEI. PICNOMÊTRO Nº 9 5 POL. MM. POL. PICNOMÊTRO + SOLO g 164,24 160,84 3" 76,2 0, ,48 100,00 3" PICNOMÊTRO g 137,92 140,95 2 1/2" 63,5 0, ,48 100,00 2 1/2" SOLO g 26,32 19,89 2" 50,8 0, ,48 100,00 2" PICNOMÊTRO + ÁGUA g 623,9 626,50 1 1/2" 38,1 0, ,48 100,00 1 1/2" PICN + ÁGUA + SOLO g 640,2 638,8 1" 25,4 0, ,48 100,00 1" ÁGUA DESLOCADA g 16,30 12,30 3/4" 19,1 10, ,48 99,73 3/4" TEMPERATURA ºC /2" 12,7 8, ,48 99,51 1/2" CORR. DEVIDO À TEMP. - 0,9977 0,9977 3/8" 9,5 200, ,87 94,11 3/8" VOLUME DO SOLO cm 3 10,02 7,59 Nº 4 4,8 256, ,97 87,18 Nº 4 P. ESPECÍFICO REAL g/cm 3 2,621 2,615 Nº 8 2,4 370, ,85 77,21 Nº 8 PESO ESPECÍFICO REAL (MÉDIA) Nº 10 2,0 25, , ,52 Nº 10 2,618 g/cm 3 Nº 16 1,19 15,41 106,08 66,81 Nº 16 K 1 = 100 = 0,03 K2= 4 = 0,63 Nº 30 0,59 21,36 84,72 53,36 Nº 30 Nº 40 0,42 15,46 69,26 43,62 Nº 40 Nº 50 0,297 8,04 61,22 38,56 Nº 50 Nº 100 0,149 12,88 48,34 30,45 Nº 100 Nº 200 0,074 7,81 40,53 25,53 Nº 200 BÉCHER 03 HORA OBSERVADA TEMPO (MIN) DECORRIDO TEMPERAT. ºC 2 LEITURA CORRIGIDA DIÂMETRO DAS PART (MM) ALTURA DE QUEDA 3 % DAS PARTICULA S % DA AM. 07:52 30 seg 1, ,5 0, ,0209 0, ,56 27,8 21,27 07:53 1 min 1, ,5 0, ,0159 0, ,41 21,1 16,17 07:54 2 min 1, ,5 0, ,0147 0, ,26 19,5 14,95 07:56 4min 1, ,5 0, ,0129 0, ,72 17,1 13,12 08:00 8min 1, ,5 0, ,0119 0, ,57 15,8 12,10 08:07 15min 1, ,0 0, ,0100 0, ,27 13,3 10,16 08:22 30min 1, ,0 0, ,0083 0, ,96 11,0 8,43 08:52 1h 1, ,0 0, ,0058 0, ,66 7,7 5,88 09:52 2h 1, ,5 0, ,0046 0, ,50 6,1 4,07 11:52 4h 1, ,5 0, ,0038 0, ,35 5,0 2,68 15:52 8h 1, ,0 0, ,0030 0, ,20 4,0 1,73 08:52 25h 1, ,0 0, ,0028 0, ,20 3,7 1,42 OBSERVAÇÕES : AV. JULIA RODRIGUES OBSERVAÇÃO: SEDIMENTAÇÃO PESO DA AMOSTRA ÚMIDA: PESO DA AMOSTRA SECA: PROVETA: DENSÍMETRO: 121,9 121, LEITURA DO DENSIOMETRO COOR. DEVIDO À TEMP + MENI + DENSI TOTAL PROCEDÊNCIA: PROFUNDIDADE: FURO : LOCALIZAÇÃO: LADO: REGISTRO : SUBLEITO EST. 2 LE 121 RODOVIA : TRECHO : EXTENSÃO : BR / PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO : SEGMENTO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 - (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO ENSAIO DE GRANULOMETRIA POR SEDIMENTAÇÃO EG - 31

37 SEDIMENTAÇÃO PENEIRAMENTO Nº 200 Nº 100 Nº 50 Nº 40 Nº 16 Nº 10 Nº 4 3/8 3/ / ,001 0,01 0, ARGILA COLOIDAL ARGILA ARGILA E SILTE SILTE SILTE AREIA FINA MÉDIA AREIA FINA MÉDIA GROSSA AREIA FINA PEDREGULHO GROSSA PEDREGULHO PEDREGULHO ABNT AASHTO DNER SUCS

38 UMIDADE NATURAL AMOSTRA CÁPSULA Nº 738/ ,01 147,76 PESO BRUTO ÚMIDO ,71 147,42 PESO ÚMIDO 5285,50 124,55 26,41 21,72 PESO RETIDO NA PEN. Nº ,31 0,30 0,34 PESO ÚMIDO PASS. NA PEN. Nº ,19 109,30 125,70 PESO SECO PASS. NA PEN. Nº ,70 CÁPSULA Nº PESO BRUTO ÚMIDO (g) PESO BRUTO SECO (g) PESO DA CÁPSULA (g) PESO DA ÁGUA (g) P. DO SOLO SECO (g) TOTAL PARCIAL RESULTADOS PEDREGULHO AREIA SILTE 20,62 54,28 23,45 Amostra total AMOSTRA PARCIAL A CÁPSULA Nº: UMIDADE (%) MÉDIA (%) 0,27 0,27 PESO DA AMOSTRA SECA 5274, ,21 3 0,27 PENEIRAMENTO PESO ESPECÍFICO REAL P.R PARCIAL P. QU E PASSA ACUMULADO % QUE PASSA ARGILA PENEIRAS AM TOTAL PENEI. PICNOMÊTRO Nº 5 6 POL. MM. POL. PICNOMÊTRO + SOLO g 166,63 58,59 3" 76,2 0, ,01 100,00 3" PICNOMÊTRO g 140,95 46,94 2 1/2" 63,5 0, ,01 100,00 2 1/2" SOLO g 25,68 11,65 2" 50,8 0, ,01 100,00 2" PICNOMÊTRO + ÁGUA g 626,3 151,30 1 1/2" 38,1 0, ,01 100,00 1 1/2" PICN + ÁGUA + SOLO g 642,3 158,55 1" 25,4 8, ,01 99,85 1" ÁGUA DESLOCADA g 16,00 7,25 3/4" 19,1 9, ,01 99,68 3/4" TEMPERATURA ºC /2" 12,7 10, ,01 99,49 1/2" CORR. DEVIDO À TEMP. - 0,9974 0,9974 3/8" 9,5 150, ,10 96,63 3/8" VOLUME DO SOLO cm 3 9,68 4,40 Nº 4 4,8 351, ,80 89,97 Nº 4 P. ESPECÍFICO REAL g/cm 3 2,646 2,641 Nº 8 2,4 470, ,80 81,05 Nº 8 PESO ESPECÍFICO REAL (MÉDIA) Nº 10 2,0 88, , ,38 Nº 10 2,643 g/cm 3 Nº 16 1,19 24,59 99,62 63,67 Nº 16 K 1 = 100 = 0,02 K2= 4 = 0,64 Nº 30 0,59 21,84 77,78 49,71 Nº 30 Nº , ,09 71,69 45,82 Nº 40 Nº 50 0,297 7,91 63,78 40,76 Nº 50 Nº 100 0,149 15,11 48,67 31,11 Nº 100 Nº 200 0,074 9,39 39,28 25,10 Nº 200 BÉCHER 02 HORA OBSERVADA PESO DA AMOSTRA ÚMIDA: SEDIMENTAÇÃO 124,55 124,21 2 OBSERVAÇÃO: DENSIDADE REAL CAPSULA 753 PESO DA AMOSTRA SECA: PROVETA: DENSÍMETRO: 1 1 TEMPO (MIN) LEITURA DO TEMPERAT. COOR. DEVIDO À LEITURA DIÂMETRO ALTURA DE % DAS % DA AM. DECORRID TEMP + MENI + DAS PART O DENSIOMETRO ºC DENSI CORRIGIDA (MM) QUEDA PARTICULAS TOTAL 08:01 30 seg 1, ,0 0, ,0210 0, ,72 27,2 21,56 08:02 1 min 1, ,0 0, ,0158 0, ,41 20,4 16,21 08:03 2 min 1, ,0 0, ,0138 0, ,11 17,8 14,16 08:05 4min 1, ,0 0, ,0107 0, ,42 13,8 10,97 08:09 8min 1, ,0 0, ,0078 0, ,96 10,1 7,99 08:16 15min 1, ,0 0, ,0048 0, ,50 6,2 4,90 08:31 30min 1, ,0 0, ,0047 0, ,50 6,0 4,80 09:01 1h 1, ,0 0, ,0033 0, ,20 4,2 3,36 10:01 2h 0, ,0 0, ,0027 0, ,20 3,5 2,20 12:01 4h 0, ,0 0, ,0026 0, ,20 3,3 1,65 16:01 8h 0, ,0 0, ,0010 0, ,89 1,3 0,58 09:01 25h 0, ,5 0, ,0008 0, ,89 1,0 0,41 3 1,65 OBSERVAÇÕES : AV. JULIA RODRIGUES PROCEDÊNCIA: PROFUNDIDADE: FURO : LOCALIZAÇÃO: LADO: SUBLEITO EST. 12 LE 123 RODOVIA : TRECHO : EXTENSÃO : BR / PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO : CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) SEGMENTO: REGISTRO : Km 178,0 - Km 182,15 - (CIDADE DE BELO JARDIM) ENSAIO DE GRANULOMETRIA POR SEDIMENTAÇÃO EG - 32

39 100 SEDIMENTAÇÃO PENEIRAMENTO Nº 200 Nº 100 Nº 50 Nº 40 Nº 16 Nº 10 Nº 4 3/8 3/ / , , , , ARGILA COLOIDAL ARGILA ARGILA E SILTE SILTE SILTE AREIA FINA MÉDIA AREIA FINA MÉDIA GROSSA AREIA FINA PEDREGULHO GROSSA PEDREGULHO PEDREGULHO ABNT AASHTO DNER SUCS

40 Amostra total AMOSTR RA PARCIAL UMIDADE NATURAL AMOSTRA TOTAL PARCIAL RESULTADOS CÁPSULA Nº CÁPSULA Nº 763/ PEDREGULHO 138,02 142,65 PESO BRUTO ÚMIDO ,0 137,76 142,32 PESO ÚMIDO 4435,50 121,11 26,75 21,89 PESO RETIDO NA PEN. Nº ,61 AREIA 0,26 0,33 PESO ÚMIDO PASS. NA PEN. Nº ,89 SILTE 111,01 120, ,91 27,1 UMIDADE (%) 0,23 0,27 PESO DA AMOSTRA SECA 4427, ,80 3 ARGILA MÉDIA (%) 0,25 9,7 PENEIRAMENTO PESO ESPECÍFICO REAL PENEIRAS P.R % QUE PASSA % QUE PASSA PARCIAL ACUMULADO AM TOTAL PENEI. PICNOMÊTRO Nº 6 4 POL. MM. POL. PICNOMÊTRO + SOLO g 75,58 157,68 3" 76,2 0, ,52 100,00 3" PICNOMÊTRO g 46,94 142,13 2 1/2" 63,5 0, ,52 100,00 2 1/2" SOLO g 28,64 15,55 2" 50,8 8, ,52 99,82 2" PICNOMÊTRO + ÁGUA g 151,36 626,70 1 1/2" 38,1 9, ,52 99,62 1 1/2" PICN + ÁGUA + SOLO g 169,43 636,5 1" 25,4 35, ,62 98,81 1" ÁGUA DESLOCADA g 18,07 9,80 3/4" 19,1 102, ,31 96,49 3/4" TEMPERATURA ºC /2" 12,7 108, ,35 94,03 1/2" CORR. DEVIDO À TEMP. - 0,9977 0,9977 3/8" 95 9,5 106, ,71 91,62 3/8" VOLUME DO SOLO cm 3 10, ,75 Nº 4 4,8 298, ,41 84,89 Nº 4 P. ESPECÍFICO REAL g/cm 3 2,703 2,698 Nº 8 2,4 215, ,92 80,02 Nº 8 PESO ESPECÍFICO REAL (MÉDIA) Nº 10 2,0 135, , ,97 Nº 10 2,701 g/cm 3 Nº 16 1,19 10,82 109,98 70,08 Nº 16 K 1 = 100 = 0,02 K2= = 0,64 PESO BRUTO ÚMIDO (g) PESO BRUTO SECO (g) PESO DA CÁPSULA (g) 40,2 PESO DA ÁGUA (g) P. DO SOLO SECO (g) PESO SECO PASS. NA PEN. Nº 10 CÁPSULA Nº: Nº 30 0,59 12,81 97,17 61,91 Nº 30 Nº 40 0,42 9,32 87,85 55,98 Nº 40 Nº 50 0, ,73 79,12 50,41 Nº 50 Nº 100 0,149 11,28 67,84 43,23 Nº 100 Nº 200 0,074 10,00 57,84 36,86 Nº 200 SEDIMENTAÇÃO BÉCHER 05 HORA OBSERVADA TEMPO (MIN) PESO DA AMOSTRA ÚMIDA: LEITURA DO 121,11 120,80 TEMPERAT. 2 OBSERVAÇÃO: DENSIDADE REAL CAPSULA 737 PESO DA AMOSTRA SECA: PROVETA: DENSÍMETRO: COOR. DEVIDO À 2 1 LEITURA DIÂMETRO DAS ALTURA DE % DAS % DA AM :19 08:20 08:21 08:23 08:27 08:34 08:49 09:19 10:19 12:19 16:19 09:19 OBSERVAÇÕES : DECORRIDO DENSIOMETRO ºC TEMP + MENI + DENSI CORRIGIDA PART (MM) QUEDA PARTICULAS TOTAL 30 seg 1, ,0 0, ,0323 0, ,41 42,4 32,65 1 min 1, ,0 0, ,0253 0, ,26 33,2 25,57 2 min 1, ,0 0, ,0233 0, ,95 30,6 23,54 4min 1, ,0 0, ,0218 0, ,57 28,6 22,03 8min 1, ,0 0, ,0195 0, ,27 25,6 19,70 15min 1, ,0 0, ,0177 0, ,96 23,2 17,88 30min 1, ,0 0, ,0160 0, ,66 21,0 16,16 1h 1, ,0 0, ,0146 0, ,50 19,2 14,74 2h 1, ,0 0, ,0136 0, ,35 17,8 12,50 4h 1, ,0 0, ,0120 0, ,05 15,7 9,74 8h 1, ,5 0, ,0106 0, ,89 13,9 7,78 25h 1, ,5 0, ,0086 0, ,89 11,3 5,68 AV. JULIA RODRIGUES PROCEDÊNCIA: PROFUNDIDADE: FURO : LOCALIZAÇÃO: LADO: REGISTRO : SUBLEITO EST. 22 LE 125 RODOVIA : TRECHO : EXTENSÃO : BR / PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO : SEGMENTO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 - (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO ENSAIO DE GRANULOMETRIA POR SEDIMENTAÇÃO EG - 33

41 100 SEDIMENTAÇÃO PENEIRAMENTO Nº 200 Nº 100 Nº 50 Nº 40 Nº 16 Nº 10 Nº 4 3/8 3/ / ,0001 0,001 0,01 0, ARGILA COLOIDAL ARGILA ARGILA E SILTE SILTE SILTE AREIA FINA MÉDIA AREIA FINA MÉDIA GROSSA AREIA FINA PEDREGULHO GROSSA PEDREGULHO PEDREGULHO ABNT AASHTO DNER SUCS Peneiras

42 Amostra total AMOSTRA PA ARCIAL UMIDADE NATURAL AMOSTRA TOTAL PARCIAL RESULTADOS CÁPSULA Nº CÁPSULA Nº 750/ PEDREGULHO PESO BRUTO ÚMIDO (g) 129,44 142,46 PESO BRUTO ÚMIDO ,8 PESO BRUTO SECO (g) 129,11 142,04 PESO ÚMIDO 3719,60 121,9 AREIA PESO DA CÁPSULA (g) 26,33 21,5 PESO RETIDO NA PEN. Nº10 771,21 56,0 PESO DA ÁGUA (g) 0,33 0,42 PESO ÚMIDO PASS. NA PEN. Nº ,39 SILTE P. DO SOLO SECO (g) 102,78 120,54 PESO SECO PASS. NA PEN. Nº ,95 20,4 2 3 UMIDADE (%) 0,32 0,35 PESO DA AMOSTRA SECA 3710,16 121,49 ARGILA MÉDIA (%) 0,33 2,8 PENEIRAMENTO PESO ESPECÍFICO REAL P.R P. QU E PASSA % QUE PASSA CÁPSULA Nº: PENEIRAS PARCIAL ACUMULADO AM TOTAL PENEI. PICNOMÊTRO Nº 9 5 POL. MM. POL. PICNOMÊTRO + SOLO g 164,24 160,84 3" 76,2 0, ,16 100,00 3" PICNOMÊTRO g 137,52 140,95 2 1/2" 63,5 0, ,16 100,00 2 1/2" SOLO g 26,72 19,89 2" 50,8 0, ,16 100,00 2" PICNOMÊTRO + ÁGUA g 623,9 626,50 1 1/2" 38,1 0, ,16 100,00 1 1/2" PICN + ÁGUA + SOLO g 640,2 638,8 1" 25,4 0, ,16 100,00 1" ÁGUA DESLOCADA g 16,30 12,30 3/4" 19,1 10, ,16 99,73 3/4" TEMPERATURA ºC /2" 12,7 8, ,16 99,51 1/2" CORR. DEVIDO À TEMP. - 0,9977 0,9977 3/8" 9,5 30, ,55 98,69 3/8" VOLUME DO SOLO cm 3 10,42 7,59 Nº 4 4,8 306, ,65 90,42 Nº 4 P. ESPECÍFICO REAL g/cm 3 2,558 2,615 Nº 8 2,4 370, ,53 80,44 Nº 8 PESO ESPECÍFICO REAL (MÉDIA) Nº 10 2,0 45, , ,21 Nº 10 2,586 g/cm 3 Nº 16 1,19 15,41 106,08 69,17 Nº 16 K 1 = 100 = 0,03 K2= 4 = 0,65 Nº 30 0,59 21,36 84,72 55,24 Nº 30 Nº 40 0,42 14,46 70,26 45,81 Nº 40 Nº 50 0,297 8,04 62,22 40,57 Nº 50 Nº 100 0,149 12,88 49,34 32,17 Nº 100 Nº 200 0,074 13,81 35,53 23,17 Nº 200 BÉCHER 03 HORA OBSERVADA TEMPO (MIN) DECORRIDO TEMPERAT. ºC 2 LEITURA CORRIGIDA DIÂMETRO DAS PART (MM) ALTURA DE QUEDA 3 % DAS PARTICULA S % DA AM. 07:52 30 seg 1, ,5 0, ,0209 0, ,56 28,0 22,18 07:53 1 min 1, ,5 0, ,0159 0, ,41 21,3 16,87 07:54 2 min 1, ,5 0, ,0147 0, ,26 19,7 15,59 07:56 4min 1, ,5 0, ,0129 0, ,72 17,3 13,68 08:00 8min 1, ,5 0, ,0119 0, ,57 15,9 12,62 08:07 15min 1, ,0 0, ,0100 0, ,27 13,4 10,60 08:22 30min 1, ,0 0, ,0083 0, ,96 11,1 8,79 08:52 1h 1, ,0 0, ,0058 0, ,66 7,7 6,13 09:52 2h 1, ,5 0, ,0046 0, ,50 6,1 4,24 11:52 4h 1, ,5 0, ,0038 0, ,35 5,1 2,79 15:52 8h 1, ,0 0, ,0030 0, ,20 4,0 1,83 08:52 25h 1, ,0 0, ,0028 0, ,20 3,7 1,51 OBSERVAÇÕES : INTERSEÇÃO Nº 1 OBSERVAÇÃO: SEDIMENTAÇÃO PESO DA AMOSTRA ÚMIDA: PESO DA AMOSTRA SECA: PROVETA: DENSÍMETRO: 121,9 121, LEITURA DO DENSIOMETRO COOR. DEVIDO À TEMP + MENI + DENSI TOTAL PROCEDÊNCIA: PROFUNDIDADE: FURO : LOCALIZAÇÃO: LADO: REGISTRO : SUBLEITO EST. 30 LD 126 RODOVIA : TRECHO : EXTENSÃO : BR / PE RECIFE - PARNAMIRIM 4,79 Km SUBTRECHO : SEGMENTO: ENTR. PE-144 / ENTR. PE-180 (BELO JARDIM) Km 178,0 - Km 182,15 - (CIDADE DE BELO JARDIM) CONSULPLAN CONSULTORIA E PLANEJAMENTO ENSAIO DE GRANULOMETRIA POR SEDIMENTAÇÃO EG - 34

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA " DESCIDAS D AGUA". 1 - DIMENSÕES EM cm.d

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA  DESCIDAS D AGUA. 1 - DIMENSÕES EM cm.d 1 - DIMENSÕES EM cm.d 2 - AJUSTAR NA OBRA A ZONA DE CONTATO DA ENTRADA COM A DESCIDA D ÁGUA TIPO RÁPIDO EM MEIO - CANA DE CONCRETO OU CALHA METÁLICA 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT RODOVIA : BR-304/CE TRECHO : ENTR. BR-116 (BOQUEIRÃO DO CESÁRIO) DIVISA CE/RN SUBTRECHO

Leia mais

17/04/2015 SOLOS MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS. Referências. Prof. Ricardo A. de Melo

17/04/2015 SOLOS MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS. Referências. Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS 2.2.1 - INTRODUÇÃO Os Estudos Geotécnicos foram realizados com o objetivo de conhecer as características dos materiais constituintes do subleito

Leia mais

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SMURBE SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS URBANAS A/C GERENTE DO CONTRATO SMURBE 097/2009 ENG.º LUIZ CARLOS MACHADO ROSA CONTRATO SMURBE 097/09 ORDEM DE SERVIÇO 21/09

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA PONTE PARAUAPEBAS - PARÁ DATA Outubro de 2011 Belém, 11 de outubro de 2011 Referência: Ponte em Parauapebas,

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

TABELA. A seguir é apresentada a tabela que ajudou na escolha dos valores de CN.

TABELA. A seguir é apresentada a tabela que ajudou na escolha dos valores de CN. TABELA - Método do Hidrograma Unitário Triangular (Grandes Bacias) A determinação das vazões máximas das grandes bacias foi possível com a utilização do Método do Histograma Triangular Unitário (MHTU)

Leia mais

Pavimentação - base estabilizada granulometricamente

Pavimentação - base estabilizada granulometricamente MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Laboratório de Geotecnia. Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA

Laboratório de Geotecnia. Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Laboratório de Geotecnia Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Relatório LABGEO - 22 Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Relatório LABGEO - Out/22 Ensaios

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

RUA CAETANO GONÇALVES e RUA VEREADOR PINTO MACHADO

RUA CAETANO GONÇALVES e RUA VEREADOR PINTO MACHADO PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONVITE nº 008/2008 PROJETOS: GEOMÉTRICO, TERRAPLENAGEM, PAVIMENTAÇÃO, DRENAGEM E SINALIZAÇÃO DE VIAS RUA CAETANO GONÇALVES e RUA VEREADOR PINTO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA

TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA TRANSPORTES E OBRAS DE TERRA Movimento de Terra e Pavimentação NOTAS DE AULA MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Edson de Moura Aula 04 Granulometria de Solos 2011 17 Granulometria de Solos A finalidade da realização

Leia mais

Compactação dos Solos

Compactação dos Solos Compactação dos Solos Compactação dos Solos A compactação de um solo consiste basicamente em se reduzir seus vazios com o auxílio de processos mecânicos. Adensamento - expulsão da água Compactação - expulsão

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD A classificação HRB (Highway Research Board), é resultante de alterações da classificação do Bureau

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL

FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL 1 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA CIVIL EXECUÇÃO DE CONCRETO ASFÁLTICO EM OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO Vladimir de Souza Amorim Caruaru - 2010 2 FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP ENGENHARIA

Leia mais

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico

Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Utilização de Resíduos Oriundos do Corte de Rochas Graníticas Como Agregado Mineral Em Misturas de Concreto Asfáltico Wilber Feliciano Chambi Tapahuasco Universidade Federal do Pampa, Alegrete-RS, Brasil,

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

INSTRUÇÃO GEOTÉCNICA

INSTRUÇÃO GEOTÉCNICA 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar os procedimentos para o adequado desenvolvimento de estudos e projetos de pavimentação no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO DO SUBLEITO Os

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

Total de páginas: 8 1

Total de páginas: 8 1 1/24 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T6 Pavimentos 2/24 Sumário da aula Pavimentos rodoviários: Tipos de pavimentos Funções das camadas do pavimento Materiais de pavimentação:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTO FLEXÍVEL Aula 2/4

DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTO FLEXÍVEL Aula 2/4 200799 Pavimentos de Estradas II DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTO FLEXÍVEL Aula 2/4 Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 04 1. INTRODUÇÃO: Para o dimensionamento

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica OUTUBRO DE 2012 T E R R E S T R E. empresa sedeada em Itu/SP fornece consultas, projetos, ensaios especiais e serviços na área de geotecnia, drenagem, pavimentação,

Leia mais

supervisão das obras no Rodoanel - Trecho Sul

supervisão das obras no Rodoanel - Trecho Sul /2008 Os serviços DE supervisão das obras no Rodoanel - Trecho Sul VALTER BOULOS* CARLOS YUKIO SUZUKI** O sucesso de uma obra de porte como o Rodoanel Metropolitano Mário Covas depende de uma série de

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO III INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO POR SPT

Leia mais

VALOR (R$) - c/ BDI 12.675.927,42 74,64% 15.818.304,02 74,67% 4.307.581,46 25,36% 5.366.018,71 25,33% 16.983.508,88 21.184.322,73

VALOR (R$) - c/ BDI 12.675.927,42 74,64% 15.818.304,02 74,67% 4.307.581,46 25,36% 5.366.018,71 25,33% 16.983.508,88 21.184.322,73 LOCAL OBRA : RIO VERDE : CANALIZAÇÃO E PISTAS MARGINAIS - CÓRREGO SAPO R E S U M O D O O R Ç A M E N T O SERVIÇO VALOR (R$) - s/ % VALOR (R$) - c/ % 1.0 - CANAL 1.1 - TERRAPLENAGEM... 5.269.441,44 31,03%

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo.

Durante o evento serão fornecidas novas informações pelo Prof. Claudio Mahler que será responsável pela condução do mesmo. CONCURSO PREVISÃO DE PROVA DE CARGA EM PLACA O concurso de previsão de prova de carga em placa será realizado no dia 27 de novembro de 2015 durante o ÑSAT2015. O concurso tem por objetivo a previsão de

Leia mais

DER/PR ES-P 05/05 PAVIMENTAÇÃO: BRITA GRADUADA

DER/PR ES-P 05/05 PAVIMENTAÇÃO: BRITA GRADUADA PAVIMENTAÇÃO: BRITA GRADUADA Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/transportes

Leia mais

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas submetidas a tráfego leve e médio no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: Pavimentação Asfáltica em Concreto Betuminoso Usinado a Quente (CBUQ) sobre revestimento existente. LOCAL: Rua Olímpio Maciel e Rua José Coelho. Fevereiro / 2010 1 SUMÁRIO

Leia mais

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993.

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993. 1.1. ÂMBITO Refere-se esta especificação a agregados para betão. Agregados para betão são os constituintes pétreos usados na composição de betões nomeadamente areias e britas. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14 1- ESTUDO TRÁFEGO 1.1 16 h e cálculo nº n) - tráfego baixo 1500 un 3.093,57 1.3 24 h e cálculo nº n) - tráfego baixo

Leia mais

ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Os Estudos Geotécnicos serão desenvolvidos em duas fases:

ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Os Estudos Geotécnicos serão desenvolvidos em duas fases: ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes dos Estudos Geotécnicos nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES DOS ESTUDOS Os Estudos Geotécnicos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO

RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO RECUPERAÇÃO ASFÁLTICA DOS ACESSOS INTERNOS MEMORIAL DESCRITIVO Concórdia, dezembro de 2008 1 - APRESENTAÇÃO Este projeto refere-se à recuperação da pavimentação asfáltica em CAUQ (Concreto Asfáltico Usinado

Leia mais

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto para pavimentos com peças pré-moldadas de concreto no Município de São Paulo, orientando e padronizando os procedimentos de caráter

Leia mais

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação EN 303 para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação Características dos agregados grossos e finos Granulometria (análise granulométrica) Resistência

Leia mais

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas.

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas. MEMORIAL DESCRITIVO CAPEAMENTO ASFÁLTICO SOBRE PEDRAS IRREGULARES Proprietário: MUNICÍPIO DE ITATIBA DO SUL Local: - Rua Argentina = 5.910,43 m²; - Rua Estados Unidos = 1.528,98 m². Total = 7.439,41 m²

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

Procedimento para Serviços de Sondagem

Procedimento para Serviços de Sondagem ITA - 009 Rev. 0 MARÇO / 2005 Procedimento para Serviços de Sondagem Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1

COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 COMPARATIVO LABORATORIAL DE MISTURAS ASFÁLTICAS MOLDADAS NO CENTRO E LIMITES DAS FAIXAS B E C DO DNIT 1 Janaína Terhorst Pizutti 2, José Antônio Santana Echeverria 3, João Paulo Avrella 4, Ricardo Zardin

Leia mais

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Disciplina Materiais de Construção Civil A Agregados para concreto Profa. Lia Lorena Pimentel 1 1. AGREGADOS PARA ARGAMASSAS E CONCRETOS Uma vez que cerca

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE INDÍCE 1- Introdução/ Objectivos... 2- Análise Granulométrica... 2.1- Introdução e descrição dos ensaios... 2.2- Cálculos efectuados, resultados encontrados e observações... 2.3- Conclusão... 3- Ensaio

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO Conceitos Básicos de Pavimento Definição

PAVIMENTAÇÃO Conceitos Básicos de Pavimento Definição - Conceitos Básicos de PAVIMENTO - Camadas do pavimento - Projeto de Pavimentação - Materiais para pavimentação - Dimensionamento de pavimentos flexíveis - Dimensionamento de pavimentos rígidos - Bases

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA

FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA EDITAL N o 258/2004-00 - LOTE 01 (Duplicação e Restauração da Pista Existente) TÓPICOS PONTUAÇÃO MÁX CONSOL-ENGENHEIROS CONSULTORES ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA. ENGESPRO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

PLASTICIDADE DOS SOLOS

PLASTICIDADE DOS SOLOS INTRODUÇÃO Solos finos granulometria não é suficiente para caracterização; formados por partículas de grande área superficial (argilominerais) interação com a água propriedades plásticas f(tipo de argilomineral);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 01 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS

Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS 318 Eixo Temático ET-06-003 - Recuperação de Áreas Degradadas CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA BIORRETENÇÃO EM LOTES RESIDENCIAIS Mayco Sullivan Araújo de Santana RESUMO Para implantar

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS IBIRAMA Rua Getúlio Vargas, 3006 Bela Vista Furos F-1 a

Leia mais

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS Introdução Pavimentos permeáveis são definidos como aqueles que possuem espaços livres na sua estrutura onde a água pode atravessar. (FERGUSON, 2005).

Leia mais

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO Av. JC-15, com R.BF-25 e BF-23, Jd. Curitiba Cidade: Goiânia GO Goiânia, 11 de outubro de 2011. AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação

CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação CONSTRUÇÃO DA SUPERESTRUTURA Tipos de Serviços em Pavimentação IMPRIMAÇÃO (Prime Coat) ADP Bases Granulares - Aumentar coesão superficial - Impermeabilização - Aderência com revestimento ADP: CM-30 e CM-70

Leia mais

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MUNICÍPIO: INDAIAL PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PROJETO: PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA COM BLOCO DE CONCRETO LOCALIZAÇÃO: TRECHO: RUA MINAS GERAIS (EST. 0+00 PP) AO PARQUE MUNICIPAL

Leia mais

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas INTRODUÇÃO AO DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Por que pavimentar? Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA)

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) 4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) Esse ensaio foi concebido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da California (USA) para avaliar a resistência dos solos. No ensaio de CBR,

Leia mais

DNIT. Pavimentação rodoviária Sub-base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço

DNIT. Pavimentação rodoviária Sub-base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço DNIT /2009 NORMA DNIT - ES Pavimentação rodoviária Sub-base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE ME-3

PREFEITURA DO RECIFE ME-3 ME-3 MÉTODOS DE ENSAIO GRÃOS DE PEDREGULHO RETIDOS NA PENEIRA DE 4,8 MM DETERMINAÇÃO DA MASSA ESPECÍFICA, DA MASSA ESPECÍFICA APARENTE DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG.

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES DNIT /2009 NORMA DNIT - ES Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

área da bacia e sua forma; comprimento e declividade do canal mais longo (principal); tipo, recobrimento vegetal, uso da terra, etc.

área da bacia e sua forma; comprimento e declividade do canal mais longo (principal); tipo, recobrimento vegetal, uso da terra, etc. 3.5.4. TEMPO DE RECORRÊNCIA (TR) O tempo de recorrência para o projeto dos dispositivos de drenagem foi fixado, levandose em consideração os seguintes fatores: Importância e segurança da obra; No caso

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM CAL PARA USO EM PAVIMENTAÇÃO Juliane Barbosa Rosa 1,4., Carla Janaína Ferreira 2,4., Renato Cabral Guimarães 3,4.. 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

ESTUDO DA ESCÓRIA DE ACIARIA LD COM UMECTAÇÃO PARA USO EM PAVIMENTOS URBANOS- PMF

ESTUDO DA ESCÓRIA DE ACIARIA LD COM UMECTAÇÃO PARA USO EM PAVIMENTOS URBANOS- PMF ESTUDO DA ESCÓRIA DE ACIARIA LD COM UMECTAÇÃO PARA USO EM PAVIMENTOS URBANOS- PMF Hebert da Consolação Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, hebertalvesa@yahoo.com.br Ronderson

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 17º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 17º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 17º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA Maceió, AL - 29 de julho a 01 de agosto de 2014. MELHORAMENTO DE SOLOS PARA CAMADAS DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA ITEM REFER. ESPECIFICAÇÕES UN QUANT P. UNIT. MELHORAMENTO, RECONSTRUÇÃO E REFORMA DO SISTEMA VIÁRIO NO DISTRITO DE ABRANTES. 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.0.1 ORSE 0004 1.0.2 1.1.4.27 1.0.3 SINAPI 12488

Leia mais