PROJETO BÁSICO: Contratação de prestação de serviço para desenvolvimento do Sistema de Informação para a Sala de Situação de Atividades Legislativas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO BÁSICO: Contratação de prestação de serviço para desenvolvimento do Sistema de Informação para a Sala de Situação de Atividades Legislativas"

Transcrição

1 PROJETO BÁSICO: Contratação de prestação de serviço para desenvolvimento do Sistema de Informação para a Sala de Situação de Atividades Legislativas Versão: 1.0 1

2 SUMÁRIO 1. OBJETO JUSTIFICATIVA PARA AQUISIÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SALA DE SITUAÇÃO DE ATIVIDADES LEGISLATIVAS ARQUITETURA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Convenções e Termos Utilizados Descrição Geral do Sistema Atores do sistema Levantamento de Requisitos Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Análise do Projeto Tipos de dados do Sistema Dicionário de dados Processo Ação Agendamento Usuário Mensagens Log Conteúdo Tecnologias Arquitetura do Sistema Arquitetura interna Padrões de Projeto Globais Camadas do sistema Salasituacao.data Saladesituacao.web Salasituacao.utils API de Integração Arquitetura Parâmetros Telas do sistema TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA E DE CONHECIMENTO DOCUMENTAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA NA ENTREGA DO SISTEMA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Documentação de especificação e desenvolvimento Documentação de implantação e instalação Documentação de usuário

3 6. CONDIÇÕES COMERCIAIS Garantia, Manutenção e Suporte Licença de Uso e Propriedade do Sistema de Informação Hospedagem do Sistema de Informação Condições de Pagamento Prazo para entrega Local de Entrega Responsável pelo recebimento

4 1. OBJETO Contratação prestação de serviço para desenvolvimento do Sistema de Informação para a Sala de Situação de Atividades Legislativas, para o Projeto Sala de Situação, visando o Acompanhamento da Tramitação Legislativa no âmbito do Poder Executivo. 2. JUSTIFICATIVA PARA AQUISIÇÃO O Projeto Sala de Situação visa acompanhar a Tramitação Legislativa no âmbito do Poder Executivo, disponibilizando informações estratégicas ao Poder Executivo de forma ágil, inovadora e confiável e aperfeiçoando o acompanhamento da tramitação legislativa. Desta forma, a implantação da Sala de Situação busca atender às demandas do Gabinete da Seccri, da Segov e de outros órgãos e entidades do Governo, por informações completas e em tempo real, com o intuito de consolidar-se como centro de referência para acompanhamento de questões de interesse governamental, em tramitação na ALMG, e subsidiar o processo de tomada de decisões dos Gestores Estaduais. A Sala de Situação é caracterizada por um ambiente físico, dotado de infraestrutura tecnológica, para acessar, compilar e disponibilizar informações técnicas e estratégicas relativas à tramitação legislativa e às audiências públicas, subsidiando a tomada de decisões por parte do Governo do Estado e o norteamento dos trabalhos realizados pelo Núcleo de Acompanhamento da Tramitação Legislativa na ALMG. Para atingir os resultados descritos acima, pretende-se implantar a Sala de Situação, composta por 4 módulos de execução: (1) Mapeamento dos processos; (2) Estrutura de Tecnologia da Informação; (3) Estrutura Física; 4

5 (4) Estrutura Humana; Em relação à estrutura de tecnologia da informação é essencial a aquisição de um sistema de informação capaz de atender às necessidades da Sala de Situação, possibilitando a acesso ágil, confiável e com qualidade de informações estratégicas para a tomada de decisão. A seguir, seguem as especificações técnicas mínimas do Sistema de Informação para a Sala de Situação de Atividades Legislativas, fornecendo aos desenvolvedores as informações necessárias para o projeto e implementação, assim como para a realização dos testes e homologação do referido sistema. Cabe destacar que deve ser prevista a realização de treinamento para a transferência de conhecimentos acerca da operação e manutenção do sistema de informação. 5

6 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A SALA DE SITUAÇÃO DE ATIVIDADES LEGISLATIVAS 3.1. ARQUITETURA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Para melhor visualização das informações, este item foi dividido em 5 itens principais, a saber: Convenções e Termos Utilizados Apresenta a organização, métricas e as convenções utilizadas para elaboração deste documento; Descrição Geral do Sistema Apresenta de forma sumária o objetivo e as restrições do sistema, bem como os usuários (atores) que terão acesso ao mesmo; Levantamento de Requisitos Apresenta o minimundo do sistema, os requisitos funcionais e os não funcionais; Análise do Projeto Apresenta informações sobre as estruturas de dados e as atividades; Arquitetura do Sistema Apresenta os padrões de projeto desejados para o desenvolvimento do sistema, a divisão em pacotes das camadas e a estrutura básica para a API integradora; Telas do sistema Apresenta um esboço geral da tela do sistema Convenções e Termos Utilizados API - Application Programming Interface - Interface de Programação de Aplicativos - conjunto de rotinas e padrões estabelecidos por um software para a utilização das suas funcionalidades por aplicativos que não pretendem envolver-se em detalhes da implementação do software, mas apenas usar seus serviços. URL - Uniform Resource Locator Localizador Padrão de Recursos - endereço de um recurso de arquivo, impressora, etc., disponível em uma rede; seja a Internet, ou uma rede corporativa. REST - Representational State Transfer - Transferência de Estado Representativo - técnica de engenharia de software para sistemas hipermídia Descrição Geral do Sistema O Governador do Estado, no processo de tomada de decisões e articulação política, necessita de dados gerenciais qualitativos para o direcionamento preciso das ações do executivo estadual, frente às atividades legislativas estaduais. 6

7 Atualmente, existem vários repositórios informacionais tanto dentro do poder executivo, quanto do poder legislativo que fomentam tais necessidades e contribuem para o direcionamento de tais ações articuladoras. O sistema da Sala de Situação do governador, inicialmente deverá apresentar de forma estratégica todos os processos relacionados à atividade parlamentar, bem como a interação dos atores do poder executivo que se relacionam às atividades supracitadas. Entende-se por processo neste caso, os artefatos e toda a tramitação de um ato legislativo pelas diversas etapas que compõe o ciclo de vida da atividade parlamentar. Como escopo inicial, dois repositórios de informações que contêm uma ampla gama de dados estratégicos serão utilizados: o primeiro, é o Sistema de Acompanhamento de Projetos e Proposições de Lei, da Casa Civil. O sistema registra toda a mensageria relacionada a prospecção de leis e emendas constitucionais. O segundo repositório corresponde aos dados abertos disponibilizados pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Este possui dados em tempo real sobre o andamento dos processos legislativos dentro da Assembleia. Os utilizadores da Sala de Situação não cadastrarão processos. Tais dados serão cadastrados pelos dos sistemas citados acima, através das API s de integração da Sala de Situação. Para cada processo cadastrado, um número N de ações não préestabelecidas poderão ser cadastradas a fim de interagir com sistemas externos através de URL s previamente cadastradas. Tais urls poderão conter variáveis de ambiente, que deverão ser substituídas por informações inerentes ao processo. Os usuários da Sala de Situação necessitam também de visualizar agendamentos de eventos relacionados ao processo. Tais eventos deverão ser exibidos em formato de agenda e poderão ser cadastrados tanto por uma tela de administração da sala de situação, quanto por um aplicativo externo. Para exibir os dados, o sistema será dividido em quatro módulos funcionais que serão exibidos em quatro quadrantes de igual tamanho na tela. São eles: Módulo de Listagem de Processos Responsável por apresentar sumariamente os dados de um determinado processo, de forma tabular, mantendo informações como o tipo de processo, a data da última interação, resumo da ementa, prioridade, e um conjunto pré-definido de indicadores de que irão representar o interesse do executivo em relação àquele processo. A lista deverá possuir suporte a filtragem e agrupamento de dados. 7

8 Módulo de Visualização de Processo Responsável por apresentar os detalhes de um processo previamente selecionados na lista acima. Este módulo não deverá ser desenvolvido dentro do sistema da sala de situação. Ao invés disso, deverá ser criada uma API e um padrão de layout que possibilite o desenvolvimento das dashboards dentro dos sistemas transacionais. Módulo de Agendamento de Eventos Responsável por armazenar e gerenciar os eventos que ocorrem nas comissões da Assembleia e em Audiências Públicas. Módulo de Comunicação Responsável por controlar ativos de videoconferência, streams de vídeo, a troca de mensagem entre os usuários da sala de situação, demandas provenientes dos usuários da sala de situação, emissão de relatórios gerenciais a serem especificados em fase de desenvolvimento, um histórico dos deputados e um basômetro Atores do sistema Usuário Usuário abstrado do sistema. Todos os atores são derivados deste ator. Ele pode realizar trocas de senhas, autenticação no sistema, alterar seus dados cadastrais e outras tarefas inerentes a autenticação de usuários. Operador Ator que representa os operadores da Sala de Situação. Este ator pode realizar cadastramentos manuais, porém não pode interagir com as ações e marcações de um processo. Assessor Ator que representa operadores estratégicos com poder de decisão. Este ator além de poder gerenciar cadastramentos manuais, pode interagir com ações e marcações de um processo. Gestor Ator que representa a alta gestão do sistema. Tal ator não gerencia cadastramentos manuais, porém pode interagir com ações e marcações de um processo, realizar videoconferências, enviar mensagens e outras atividades a serem enumeradas. Sistema Externo Ator que representa a integração com um sistema interno. Este ator pode gerenciar cadastramentos no sistema e gerenciar marcações, porém não pode executar ações no sistema Levantamento de Requisitos Requisitos Funcionais RF 1. O sistema deve apresentar de forma tabular, com opção de filtragem e agrupamento a listagem de processos que serão passíveis de visualização dentro da Sala de Situação. RF 2. O sistema deverá permitir o gerenciamento dos processos e das ações de um processo, permitindo o cadastramento, recuperação, 8

9 edição e deleção dos mesmos. O gerenciamento poderá ser realizado através de sistemas externos, previamente autorizados. RF 3. O sistema deverá permitir a execução das ações cadastradas em um processo. Tais ações serão executadas em sistemas externos à Sala de Situação. RF 4. O sistema deverá permitir a sinalização de processos e a ordenação dos itens por estes sinalizadores. RF 5. O sistema deverá permitir o gerenciamento de tipos de processos, permitindo o cadastramento, recuperação, edição e deleção dos mesmos. RF 6. O sistema deve apresentar um aplicativo web externo que apresenta os detalhes de um determinado processo quando um usuário clicar em um ítem da lista de processos. RF 7. O sistema deverá armazenar um conjunto de ações não préestabelecidas de um determinado processo, sendo que essas devem ser executadas em outros aplicativos web, através de integração. RF 8. O sistema deve gerenciar uma agenda de eventos, exibindo um calendário e uma lista com os eventos do dia e permitindo o cadastramento, a edição e a deleção de tais eventos. Deve ser permitida a filtragem de eventos por Data, por tipo de evento e pela descrição do evento. RF 9. O sistema deve permitir o vínculo de um agendamento a um ítem da lista de processos. RF 10. O sistema deve possibilitar a troca de mensagens entre seus usuários. RF 11. O sistema deve permitir o gerenciamento do sistema de videoconferência contratado. Caso o mesmo não seja possível, o sistema deverá possuir uma área que permita a exibição do aplicativo de gerenciamento externo, dentro do quadrante especificado. RF 12. O sistema deve permitir o gerenciamento de conteúdo estático, como listas de deputados e outras informações de interesse, permitindo o cadastramento, recuperação, edição e deleção de tais conteúdos Requisitos Não Funcionais RNF 1. O sistema deve ser Web, e deve se adaptar ao videowall, desktop, tablets e celulares. RNF 2. O sistema deve recuperar listas de informações de seu bando de dados em no máximo 5 segundos. RNF 3. Deve ser criada uma API para a manipulação de todos os dados do sistema, utilizando o padrão REST, que possibilite a leitura dos mesmos por sistemas externos. RNF 4. O sistema deve possuir um layout baseado em 4 quadrantes de igual tamanho na disposição 2x2. RNF 5. O sistema deve permitir a visualização de qualquer quadrante em tela inteira. 9

10 RNF 6. O quadrante superior direito do sistema deve executar aplicativos web externos baseados na url de detalhes de um processo. RNF 7. O sistema deve coibir acesso não autorizado ou tentativas de quebra de segurança. RNF 8. Deve ser possível controlar a interface do sistema através de dispositivos de controle remoto ou aplicativos com propósito similar. RNF 9. Deve ser criada uma API para a manipulação das telas do sistema através de sistemas externos. RNF 10. O sistema deve possuir no quadrante inferior direito recursos que possibilitem a execução de aplicativos externos. RNF 11. O sistema deverá utilizar o SQL Server como banco de dados. RNF 12. O sistema deve respeitar a disposição do layout abaixo: 10

11 Análise do Projeto Tipos de dados do Sistema O sistema armazenará em seu banco de dados a lista de processos, os agendamentos, um log de eventos, o sistema de mensagens e o conteúdo estático. Para isso, será utilizada uma estrutura análoga à descrita abaixo: Dicionário de dados Processo Campo Tipo de Dados Descrição Alerta NivelAlerta Armazena qual a prioridade de um determinado processo. Os valores possíveis são Normal, Prioritário, Urgente, Em desacordo e Indiferente. Autoria String(200) Armazena o autor do processo. DataCriacao DateTime Armazena a data da criação do processo DataUltAtualizacao DateTime Armazena a data da ultima atualização de status do processo Descrição String Armazena a Ementa do processo. ID String(30) Armazena o Identificado do Processo Status String(100) Armazena o status do processo UrlAppDetalhes String(300) Armazena a URL para acesso ao sistema externo responsável por exibir a tela de detalhes. Acoes IList<Acao> Referencia as ações do processo. 11

12 Agendamentos IList<Agendamento> Referencia os agendamentos do processo Ação Campo Tipo de Descrição Dados Descricao String Armazena a descrição da ação, sendo esse texto utilizado para fins de ajuda ID Int Armazena a Identificação da Ação Nome String(100) Armazena o nome da ação. Este campo será exibido como título da ação URLRetorno String(300) Armazena URL que será acionada quando a ação for executada. Processo Processo Referencia o processo em que a ação é vinculada Agendamento Campo Tipo de Descrição Dados Descricao String Armazena a descrição do evento HorarioInicio DateTime Armazena a data e a hora do inicio do evento HorarioTermino DateTime Armazena a data e a hora do término do evento ID Int Armazena a identificação do Agendamento Local String(200) Armazena o nome do local onde ocorrerá o evento Tipo TipoEvento Armazena o tipo de evento cadastrado. Este valor pode ser Comissoes, Audiencia Publica e Outros, sendo este último, o padrão Processo Processo Referencia o processo em que o agendamento é vinculado Usuário Campo Tipo de Dados Descrição CPF String(16) Armazena o CPF do usuário com caracteres de formatação String(200) Armazena o do usuário ID Int Armazena a Identificação do usuário Login String(20) Armazena o nome de usuário Senha String(100) Armazena a senha do usuário em Hash SHA1 Tipo TipoUsuario Armazena o tipo de usuário do sistema. Este valor pode ser Operador, Assessor, Gestor ou Sistema Externo MsgRecebidas IList<Mensagem> Referencia as mensagens recebidas pelo usuário MsgEnviadas IList<Mensagem> Referencia as mensagens enviadas pelo usuário 12

13 Mensagens Campo Tipo de Descrição Dados DataEnvio DateTime Armazena a data e a hora em que a mensagem foi enviada ID Int Armazena a Identificação da Mensagem Mensagem String(100) Armazena o nome da ação. Este campo será exibido como título da ação URLRetorno String(300) Armazena URL que será acionada quando a ação for executada. UsuarioOrigem Usuario Referencia o Usuário remetente da mensagem UsuarioDestino Usuario Referencia o usuário destinatário da mensagem Log Campo Tipo de Descrição Dados Horario Datetime Armazena o Horário da Ocorrencia ID Int Armazena a Identificação do Log Ocorrencia String Armazena a descrição da ocorrência Usuario String(20) Armazena o login do usuário que gerou a ocorrência Conteúdo Campo Tipo de Descrição Dados ID Int Armazena a Identificação do conteúdo Conteudo String Armazena o conteúdo HTML a ser exibido Tecnologias O sistema deve ser desenvolvido utilizando todas as tecnologias citadas abaixo: Microsoft.NET Framework 4.5 Framework de Aplicação utilizado para criação do sistema ASP.NET MVC 4 Framework para ciração de sites baseada no padrão de projeto MVC JQuery Framework para codificação de scripts Javascript Twitter Bootstrap Framework para criação de layouts de sites responsivos Entity Framework 5 Framework para gerenciamento de camada de persistêrncia de dados Ninject Framework para auxilio da implementação do padrão Dependency Injection 13

14 Microsoft SQL Server 2012 Sistema Gerenciado de Banco de dados utilizado para armazenamento pela aplicação IIS 7 Servidor de aplicativos utilizado para execução da aplicação Arquitetura do Sistema Arquitetura interna O sistema deverá ser desenvolvido seguindo as melhores práticas de padrões de projeto para web e levando em conta a seguinte proposta de padrão de projeto e camadas: Padrões de Projeto Globais A aplicação deverá ser desenvolvida seguindo o padrão de projeto Dependency Injection, utilizando a framework Ninject. Todas as classes da aplicação deverão ser desacopladas e as dependências devem ser fornecidas em tempo de instanciação. Nenhuma tipo concreto poderá ser instanciado diretamente, salvaguardado as Regras de Negócios, Modelos de Dados e Modelos de Visões Todos os componentes de visualização de dados devem ser encapsulados em Helpers de Visão Todos os componentes de autenticação e autorização devem ser encapsulados em filtros de ação Os componentes de segurança da aplicação devem ser especializações de MembershipProvider e ProfileProvider e devem efetuar acesso a dados através da Entity Framework Camadas do sistema 14

15 Salasituacao.data Responsável pelo acesso a dados, criação dos modelos de dados e validação de regras de negócio. Este pacote fornece ao resto da aplicação os repositórios de dados, onde todas as operações de consulta e manipulação de dados são encapsuladas. Os demais pacotes da aplicação possuem apenas acesso aos modelos de dados e aos repositórios, que serão responsáveis por todas as operações de dados na camada da aplicação. Deve-se criar uma interface para cada repositório, afim de garantir desacoplamento, promovendo a injeção de dependência Saladesituacao.web Responsável pela manipulação de dados no nível mais elevado do sistema. Armazena as telas de visualização e cadastro, as APIs de integração e os controladores, que são responsáveis pela interlocução com os outros pacotes. O pacote também fornece os modelos de visão que serão utilizados para formatar os dados necessários para visualização nas interfaces de usuário Salasituacao.utils Responsável por encapsular todas as classes utilitárias do sistema. Este pacote oferece classes que propiciam a autenticação e autorização de usuário, filtros de ações que são utilizados para manipulação de ações na camada de controle, Serializadores e Desserializadores responsáveis por traduzir os dados oriundos da API de integração e os Helpers de visões, que encapsulam a renderização de componentes visuais API de Integração Para garantir a manipulação de dados através de outros sistemas informacionais, a Sala de Situação deverá contar com uma API para manipulação de dados, baseada no padrão REST. Tal API possibilita operações cadastrais de processos, agendamentos e permite também a execução de ações em diversos sistemas alvo, como mostra o diagrama abaixo: 15

16 Arquitetura Para realizar a interface com o sistema externo, a sala de situação disponibiliza uma série de endereços que interpretam informações em XML baseados no padrão REST. Para execução de uma determinada função, a aplicação transacional deve usar a URL referente à funcionalidade que deseja utilizar e enviar através do corpo do fluxo HTTP (post) as informações pertinentes. Para o gerenciador de processos, deve ser especificada uma url de chamada para a tela de detalhes do processo. Tal URL será criada pelo sistema transacional e cadastrada conjuntamente na Sala de Situação Cada processo poderá conter diversas ações. Tais ações também são definidas no sistema transacional e exibidas na tela do sistema. Uma URL que remete ao acionador de operações do sistema transacional deve ser fornecida. A utilização dos parâmetros abaixo citados podem dinamizar o comportamento das ações. O padrão de projetos utilizados para a API de integração será o Observer, pois o foco principal é o desacoplamento do modelo de domínio da camada de acesso a dados. Deve-se obrigatoriamente utilizar REST e XML para a manipulação de dados e execução de rotinas. O diagrama abaixo elucida como as operações serão realizadas através da API: Parâmetros Para auxiliar na integração entre os sistemas, uma série de parâmetros nomeados poderão ser utilizados para troca de informações. Na verdade, dentro de seus devidos escopos, todos os campos de dados relacionados acima deverão possuir um parâmetro nomeado relacionado, que uma 16

17 vez executado dentro da sala de situação substitui o nome do parâmetro na url de ação pelo valor armazenado no sistema. 17

18 Telas do sistema 18

19 4. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA E DE CONHECIMENTO A entrega do sistema de informação deve contemplar as atividades de transferência de tecnologia e de conhecimento. Deve ser prevista a realização de treinamento, teórico e prático, para os usuários do sistema de informação e para a equipe técnica do Núcleo de Tecnologia de Informação/Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação. Para o treinamento dos usuários do sistema de informação deve ser prevista a realização de até 06 (seis) turmas, com a participação de até 10 (dez) alunos por turma e carga horária mínima de 12 (doze) horas por turma. O treinamento para os usuários do sistema de informação deve ser estruturado, de forma modular, contemplando a formação segundo cada perfil de acesso definido para o sistema. Para o treinamento da equipe do Núcleo de Tecnologia de Informação/Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação deverá ser prevista a realização de até 01(uma) turma, com até 05 (cinco) participantes, com carga horária mínima de 40 (quarenta) horas. O treinamento deverá permitir que a equipe possa realizar customizações corretivas e evolutivas no sistema, bem como sua instalação, configuração e migração de infraestrutura. Deverão ser abordados tópicos como arquitetura utilizada, linguagens e tecnologias, gestão de mudanças, métricas de otimização, teste e implantação. Os treinamentos mencionados neste item deverão ser realizados pela empresa contratada, na modalidade presencial, em Belo Horizonte Minas Gerais, na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves. Os recursos/materiais instrucionais e de apoio para o treinamento de que trata este item tais como apostilas, manuais, são de responsabilidade do contratado, incluindo a disponibilização de ambiente específico para a prática no sistema de informação (por exemplo, ambiente de treinamento). Para comprovação da realização dos treinamentos é necessário a emissão de declaração de participação e envio de lista de presença. 19

20 5. DOCUMENTAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA NA ENTREGA DO SISTEMA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO 5.1. Documentação de especificação e desenvolvimento Documento de Visão; Documento de levantamento de requisitos, incluindo diagrama de caso de uso; Documentação de análise, incluindo diagramas de classes, de sequência, objeto, atividades e pacote; Documentação de arquitetura e padrões de projetos utilizados e a aplicabilidade dos mesmos dentro do software; Caso seja utilizado técnicas orientadas a testes devem ser fornecidos também os casos de testes e/ou storyboards; Apostila para treinamento 5.2. Documentação de implantação e instalação Tutorial para instalação em ambiente Windows; Lista de problemas e soluções; Tabela com as dependências e procedimentos para instalação das mesmas; Requisitos mínimos de software e hardware; Apostila para treinamento Documentação de usuário Manual do Usuário Administrativo; Manual do Usuário Gestor; Manual do Usuário Assessor; Apostila de Treinamento de Usuários. 20

21 6. CONDIÇÕES COMERCIAIS 6.1. Garantia, Manutenção e Suporte Garantia de 12 (doze) meses, devendo apresentar suporte técnico 5 (cinco) dias por semana, 08 (oito) horas por dia, em horário comercial, com tempo de solução de até 24 (vinte e quatro) horas. Os prazos de garantia serão contados a partir da data de implantação do sistema em ambiente de produção. Antes disso, todo e qualquer intervenção será realizada como ajuste. A contratada fornecerá à contratante os meios de contato (telefone e ) com vistas a receber os chamados técnicos para prestar os eventuais serviços de suporte Licença de Uso e Propriedade do Sistema de Informação Toda a propriedade intelectual do sistema de informação deverá ser transferida formalmente para a Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais. Todo código fonte assim como os arquivos complementares de projeto e comentários deverão ser fornecidos no ato da entrega do sistema de informação. A contratada não poderá utilizar nenhum componente ou módulo desenvolvido exclusivamente para o sistema em outros sistemas comercializados por ela. No caso de utilização de componentes ou ferramentas de terceiros todo o licenciamento deverá ser transferido para a Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais, em caráter definitivo. Em casos de componentes cuja transferência de licenciamento não seja possível os mesmos deverão ser adquiridos em nome da Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais com os custos assumidos pela contratada. Tanto o sistema de informação quanto componentes de terceiros não poderão ensejar custos anuais ou renovação de licenças. Ou seja, todo o licenciamento deverá ser realizado em caráter definitivo Hospedagem do Sistema de Informação O ambiente de hospedagem será fornecido pela contratante ficando sobre responsabilidade da mesma a implantação do sistema de informação com o devido suporte da contratada. 21

22 6.4. Condições de Pagamento O sistema de informação deverá ser entregue, implementado, testado e liberado para utilização, juntamente com toda a documentação-suporte. O pagamento será realizado, após aceite do Núcleo de Tecnologia da Informação/Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação, conforme marcos e percentuais estabelecidos a seguir: Marco Percentual Especificação do Sistema de Informação 15% Desenvolvimento do Sistema de Informação 30% Testes 15 % Implantação do Sistema em Ambiente de Homologação 15% Realização do Treinamento dos Usuários e recebimento da documentação do sistema de informação 15% Implantação do Sistema em Ambiente de Produção 10% Total 100% A realização do Treinamento deverá ser comprovada com a emissão de declaração de participação e envio lista de presença Prazo para entrega A entrega do sistema de informação deverá ser realizada em até 04 (quatro) meses da publicação do contrato. O treinamento para os usuários deverá ser concluído em até 02 (dois) meses após a entrega do sistema de informação Local de Entrega Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves Endereço: Rodovia Pref. Américo Gianetti, s/nº. Bairro Serra Verde - Belo Horizonte/MG. Núcleo de Tecnologia da Informação/Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação. Prédio Gerais 1º andar Responsável pelo recebimento Núcleo de Tecnologia da Informação/Assessoria de Gestão Estratégica e Inovação: Giovanni Alphonsus de Guimaraens (31)

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

NFS-e AGL Versão X.X.0.26

NFS-e AGL Versão X.X.0.26 NFS-e AGL Versão X.X.0.26 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One e diversas prefeituras para emissão de notas fiscais de serviços

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.

Cetac - Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com. Manual Técnico do Sistema Administrativo do site Cetacvet.com.br SÃO PAULO - SP SUMÁRIO Introdução... 3 Autenticação no sistema administrativo... 4 Apresentação do sistema administrativo... 5 Gerenciamento

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 2.0 Histórico de Revisão

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Manual de Utilização. Obter Acesso aos Sistemas Educação. Projeto: Obter Acesso Versão Doc.: <1.0> Data de criação: 15/10/2010

Manual de Utilização. Obter Acesso aos Sistemas Educação. <Versão: 1.0> Projeto: Obter Acesso Versão Doc.: <1.0> Data de criação: 15/10/2010 Obter Acesso aos Sistemas Educação Manual de Utilização Página 1/9 Conteúdo 1. Introdução... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Escopo... 3 1.3 Acesso... 3 1.4 Requisitos básicos... 3 2. Interface de

Leia mais

CSI IT Solutions. WebReport2.5. Relatórios abertos. Acesso controlado Extensibilidade de módulos IMPACTO AMBIENTAL

CSI IT Solutions. WebReport2.5. Relatórios abertos. Acesso controlado Extensibilidade de módulos IMPACTO AMBIENTAL CSI IT Solutions 2.5 solução CSI PrintManager G e s t ã o d e A m b i e n t e d e I m p r e s s ã o O CSI dá aos gestores de TI o poder de uma gestão integral através do acesso fácil às informações gerenciais

Leia mais

Grifon Alerta. Manual do Usuário

Grifon Alerta. Manual do Usuário Grifon Alerta Manual do Usuário Sumário Sobre a Grifon Brasil... 4 Recortes eletrônicos... 4 Grifon Alerta Cliente... 4 Visão Geral... 4 Instalação... 5 Pré-requisitos... 5 Passo a passo para a instalação...

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

Manual dos Serviços de Interoperabilidade

Manual dos Serviços de Interoperabilidade MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Manual dos Serviços de Interoperabilidade Sumário Lista de Figuras...3 Lista de Tabelas...4 Introdução...5

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG

Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge. Manual do Usuário. Versão 1.1. ExpressoMG Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais - Prodemge Manual do Usuário Versão 1.1 ExpressoMG 14/10/2015 Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Objetivos do Manual... 4 1.2 Público Alvo...

Leia mais

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas)

Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) Como Configurar Tabelas Básicas do OASIS (Informações Básicas) O OASIS foi desenvolvido de forma parametrizada para poder atender às diversas particularidades de cada usuário. No OASIS também, foi estabelecido

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES GERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES GERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES GERAIS IMPORTAÇÃO DE ARQUIVOS XML VIA WEB RECIFE - 2015 1 ÍNDICE 1. ACESSANDO O PORTAL TISS... 3 2. USUÁRIO E SENHA... 5 2.1. Usuário... 5 2.2. Senha... 5 2.3. Alteração de Senha...

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 41/2010

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 41/2010 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 41/2010

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO WEB SIGAP - SISTEMA GESTOR DE ATENDIMENTOS E PROCESSOS

MANUAL DO USUÁRIO WEB SIGAP - SISTEMA GESTOR DE ATENDIMENTOS E PROCESSOS MANUAL DO USUÁRIO WEB SIGAP - SISTEMA GESTOR DE ATENDIMENTOS E PROCESSOS Sumario Sumario... 2 1 Introdução... 3 2 Eventos Gerais... 3 Trâmite dos Processos... 3 Consulta Ao Andamento do Processo... 4 Ícones

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES Página 1 de 6 Este sistema automatiza todos os contatos com os clientes, ajuda as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando atendimentos com informações

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

MANUAL. Recurso QChat

MANUAL. Recurso QChat MANUAL Recurso QChat Publicação: Dezembro / 2011 Versão oficial Qualitor Advanced: 6.50.00 Versão oficial Qualitor Start: 1.00.06 Revisão: 02 Cópia oficial Sumário Recurso Chat do Qualitor NOVIDADES DA

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas

Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009. Rafael Polo e Sabrina Arêas Centro Universitário Metodista Benne1 Rio de Janeiro, Dezembro de 2009 Rafael Polo e Sabrina Arêas Contexto 60 s - Primeiros sistemas de informação corporativos. 70 s Desenvolvimento e comercialização

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL CRIAÇÃO DE SITE GERENCIÁVEL PROPOSTA_1408_0401_(FLAMEL_FACTORY) Página 1 de 10 PROPOSTA COMERCIAL CRIAÇÃO DE SITE GERENCIÁVEL

PROPOSTA COMERCIAL CRIAÇÃO DE SITE GERENCIÁVEL PROPOSTA_1408_0401_(FLAMEL_FACTORY) Página 1 de 10 PROPOSTA COMERCIAL CRIAÇÃO DE SITE GERENCIÁVEL Página 1 de 10 Santo André, 04 de Agosto de 2014. À Flamel Factory A/c.: Sra. Lucenir Ramos de Andrade Hott PROPOSTA COMERCIAL SOBRE A PROPOSTA A proposta desenvolvida pela World Online tem como objetivo

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente

WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente WebMail --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente www.plugin.com.br 1 ÍNDICE Prefácio...3 Sobre Este Manual... 3

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Guia de Instalação do SARA Portal Web TOTVS [06/2015]

Guia de Instalação do SARA Portal Web TOTVS [06/2015] Guia de Instalação do SARA Portal Web TOTVS [06/2015] Sumário 1. Instalação do Portal WEB SARA... 3 2. Instalação do Protheus... 4 3. Atualização do Binário do Protheus... 5 4. Atualização do RPO... 6

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0 Documento de Visão Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto Versão 1.0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 23/10/2010 #1 Elaboração do documento. Eduardo Neto Versão 1.0 Documento de Visão A2ME

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: SERASA Experian. Produto: Autorizador Básico. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: SERASA Experian. Produto: Autorizador Básico. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: SERASA Experian Produto: Autorizador Básico Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0 Índice I ENVIO DE BOLETOS POR E-MAIL... 2 APRESENTAÇÃO... 2 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO... 4 ALTERAÇÕES NO SIGADM IMÓVEIS... 6 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONCILIAÇÃO BANCÁRIA... 8 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO

Leia mais

a. A plataforma recomendada é Web, com arquitetura Microsoft.Net; b. A linguagem recomendada para codificação de Sistemas de Informações é C#;

a. A plataforma recomendada é Web, com arquitetura Microsoft.Net; b. A linguagem recomendada para codificação de Sistemas de Informações é C#; 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é definir as normas e os padrões que deverão ser adotados pelos desenvolvedores da equipe interna e externa (fornecedores) que venham a desenvolver soluções de software

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

formação em WeB developer

formação em WeB developer formação em WeB developer O Treinamento de Web Developer com duração de 40 semanas (média de 1 ano), ensinará como desenvolver sistemas web de alta performance e interatividade. Através das linguagens

Leia mais

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido.

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido. Respostas aos Questionamentos Nº Itens Pergunta Resposta 1 R T-1. 2. 4. 4; R T-1.3.2. 2; R T-1.3.3. 3; RT-2. 2.8; RT-5.7; RT-1.2.4. 3; RT-1. 3.2.1; RT-1. 3. 3. 2; R T- 2. 1. 2; R T-2. 2. 11; O sistema

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 2. Tela Inicial... 2 3. Abrindo uma nova Solicitação... 3 4. Acompanhando as solicitações abertas... 4 5. Exibindo Detalhes da Solicitação... 6 6.

Leia mais

Manual Geral do OASIS

Manual Geral do OASIS Manual Geral do OASIS SISTEMA DE GESTÃO DE DEMANDA, PROJETO E SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO OASIS Introdução Esse manual tem como objetivo auxiliar aos usuários nos procedimentos de execução do sistema

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário Setor de Tecnologia da Informação 2012 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

Dicionário da EAP - Software FarmaInfor

Dicionário da EAP - Software FarmaInfor Software FarmaInfor 1.Gerenciamento 2.Iniciação 3.Elaboração 4. Desenvolvimento 5.Trenferência 6. Finalização 6.1 Assinatura 1.1 Montar Equipe 2.1 Levantar Requisitos 3.1 Definir Módulos 4.1 Codificar

Leia mais

ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS APLICADA A SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE SOFTWARE

ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS APLICADA A SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE SOFTWARE ALOCAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS APLICADA A SOLICITAÇÕES DE MUDANÇA DE SOFTWARE RICARDO VOIGT Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro Introdução Objetivo do trabalho Fundamentação Teórica Desenvolvimento

Leia mais

Na página que se abre, o usuário informa os seguintes campos (todos obrigatórios):

Na página que se abre, o usuário informa os seguintes campos (todos obrigatórios): WebPlan MVC Manual de Operação Ouvidoria O módulo de ouvidoria fornece acesso a beneficiários, prestadores e outras entidades (inclusive que não se relacionam com a operadora) de forma que possam abrir

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

Senha: Dígitos do CPF (sem pontos ou traço)

Senha: Dígitos do CPF (sem pontos ou traço) 1. Login Para realizar o acesso à ferramenta de suporte FAPAM, basta acessar o endereço: http://www.fapam.edu.br/helpdesk/ Usuário: Número da Chapa - FAPAM Senha: Dígitos do CPF (sem pontos ou traço) 2.

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2.1. OBJETIVO DOS SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.2. NÃO SE COMPREENDE COMO SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.3. RESPONSABILIDADE SOBRE ARTEFATOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas.

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Sistema Digital de Controle Distribuido DeltaV Especificação do produto DeltaV Logbooks Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Melhore

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX)

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX) ANEXO 2 INFORMAÇÕES GERAIS VISTORIA 1. É obrigatória a visita ao hospital, para que a empresa faça uma vistoria prévia das condições, instalações, capacidade dos equipamentos, migração do software e da

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica

Tutorial. O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Tutorial O Trade e a Nota Fiscal Eletrônica Este tutorial explica como configurar o Trade Solution e realizar as principais atividades relacionadas à emissão e ao gerenciamento das Notas Fiscais Eletrônicas

Leia mais