FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO Profª Cyntia Cajado Filo Platyhelmintes classe Trematoda Schisto : FENDIDO Soma: CORPO - Espécies: S. mansoni S.hematobium S. japonicum S. mekongi S. intercalatum 1

2 GÊNERO haematobium japonicum mansoni mekongi intercalatum ESPÉCIE Descobridor Doença Ocorrência BILHARZ, ; - BilharzioseVertical ; -Hematúria do Egito. África(Egito); Oriente Médio. KATSURADA, E. japonica; -Moléstia Katayama. China, Japão, Ilhas Filipinas. SAMBON, 1907, PIRAJÁ DA SILVA, Mal do Caramujo; -Bilharziose intestinal; -Moléstia de Pirajá da Silva; -Xistose; -Barriga d água; -Mal do Caramujo. África, Antilhas, América do Sul Voge Brickner, 1978 Esquistossomo se Rio Mekongi (Camboja) FISCHER, 1934 África Central Origem no Brasil -Imigrantes orientais e asiáticos; -Tráfico de escravos. 2

3 EPIDEMIOLOGIA - Acredita-se que a introdução em nosso país se deu através do tráfico de escravos (cerca de 3 milhões de pessoas); - Somente o S. mansoni se estabeleceu em nosso país por conta do hospedeiro intermediário (Biomphalaria); Biomphalaria glabrata - é endêmica em diferentes partes do mundo; - Ásia, África e América Latina; - Estima-se que 600 milhões de pessoas sejam expostas a infecção por este parasita e que em torno de 200 milhões estejam infectadas; - No Brasil existem entre 6 e 8 milhões de pessoas infectadas; 3

4 - Shistosoma mansoni: esquistossomose mansoni, conhecida popularmente como xistosa, doença do caramujo ou barriga d água. -Única espécie encontrada em nosso país; - S. haematobium (BILHARZ, 1852), esquistossomose hematóbia, vesical ou urinária. O parasito se localiza no plexo vesical sendo encontrado principalmente no Egito (hospedeiro intermediário do gênero Bullinus); -S. japonicum (Katsurada, 1904), esquistossomose japônica, encontrado no Japão, China, Indonésia, Filipinas e Tailândia; - S. mekongi e S. intercalatum, o primeiro é uma zoonose de cães e roedores e o segundo é comum nas regiões da África Central parasitando o homem. Ovo S. haematobium Ovo S. japonicum 4

5 MORFOLOGIA - Os vermes apresentam sexo separado e são longos e delgados. Ciclo biológico e formas evolutivas: Vermes adultos, ovo, miracídio, esporocisto, cercária e esquistossômulo. Verme Adulto Macho Fêmea A fêmea é cilíndrica e mais fina medindo de 10 a 20mm por 0,16mm de largura. Eles não apresentam sistema circulatório como a maior parte dos trematódeos. 5

6 Ovo O ovo não é operculado, com forma oval, com espinho lateral que facilita a identificação. O ovo é colocado imaturo (primeiro estágio) e leva sete dias para amadurecer, passando pelos segundo, terceiro e quarto estágios. Nas fezes do homem, 90 a 95% dos ovos são maduros com um mirácidio no seu interior. Miracídio Primeiro estágio de vida livre. Formato oval revestido por um grande número de cílios além de outras estruturas como o terebratorium (papila apical). 6

7 Esporocisto Durante a penetração no molusco, através das partes moles, o miracídio perde estruturas como glândulas, terebratorium (papila apical), etc. Em 48 horas as células se reorganizam e formam um saco alongado, esporocisto primário, repleto de células germinativas. Eles após alguns dias atingem o hepatopâncreas e gônadas do molusco. No interior dos esporocistos secundários as células germinativas se transformam em cercárias. Cercária Segunda fase de vida livre Possui um mobilidade muito grande que é importante para sua capacidade de infecção. 7

8 Esquitossômulos As cercarias perdem a cauda durante a penetração originado os esquitossômulos. 8

9 Biologia -Longevidade; -Habitat; -Hospedeiros Schistososma HD HOMEM HI PLANORBIDEOS HS ROEDORES E MAMÍFEROS -Ciclo heteroxênico Moluscos Planorbideos -Família Planorbidae -Gênero Biomphalaria B. glabrata B. tenagophila B. straminea a 300 mil cercárias de um miracídio. 9

10 - ciclo No Homem (Ciclo Endógeno) Pele > Tecido Subcutâneo > Vasos > Arteríolas e veias Pulmonares > Coração esquerdo > Aorta > Circulação Geral > Sistema Intra Hepático > Mesentérica Inferior. 10

11 TRANSMISSÃO Pessoas com a doença evacuando próximo a lagoas, rios, represas. Transmissão Fezes contaminando as águas 11

12 - Transmissão Adultos e crianças em contato com água contaminada. SCHISTOSOMA- Transmissão Adultos e crianças se contaminam. 12

13 Assintomático Imunidade Fase aguda: Tosse, dores musculares e abdominais, Hepatite aguda. Dermatite Cercariana Urticária Edema Eritema 13

14 Sensação de estômago cheio Astenia e tontura. Náuseas vômito 14

15 Diarréia Constipação intestinal Emagrecimento 15

16 Fase Crônica: Aumento do baço e do fígado; Dores à palpação; Tumoração pseudoneoplásica. Varizes esofagianas. Barriga d'água (ascite). Hepatoesplenomegalia. 16

17 Vômito com sangue (hematêmese) Sangue nas fezes (Melena) 17

18 Patogenia - Fatores importantes: carga parasitária, linhagem do parasito, background do hospedeiro (genético, idade, estado nutricional e imunidade); - Todos os estágios da infecção sofre influência dos diferentes fatores; - A imunidade é importante para impedir o aumento da carga parasitária, determinar a sintomatologia e controlar as reinfecções; - Diferentes fases do parasito desenvolvem mecanismos de escape imunológico. Patogenia -Verme Adulto São encontrados na luz dos vasos sanguíneos do sistema porta. Circulação Portal 18

19 Patogenia Cercárias: -Dermatite cercariana; -Lesões Cutâneas; -Prurido; -Eritema; -Urticária; -Ação polimorfonucleares, linfócitos, macrófagos Patogenia Esquistossômulos: - Lesões pulmonares- Bronquite - Pneumonia; - Linfadenia generalizada; -Febre, Esplenomegalia; - Sintomas pulmonares 19

20 Patogenia Verme Adulto: -Mortos = Flebite, Obstrução de pequenos vasos; - Produtos de desintegração dos vermes= Lesões difusas Fígado, Intestino, Baço, Pulmões. - Ação espoliativa Patogenia Ovos - Lesões mínimas (luz intestinal); - Grande n - Hemorragias, Edemas, Fenômenos degenerativos, Úlceras pequenas e superficiais. Ovos maduros - Reação inflamatória granulomatosa. 20

21 Patogenia - Os ovos são os principais fatores patogênicos já que somente 30% dos ovos produzidos são eliminados; - A penetração das cercárias pode produzir uma dermatite conhecida como dermatite de nadadores ou cercariana; - Os vermes adultos do sistema porta sem causar lesões importantes; - A maior ou menor morbidade da esquistossomose depende em grande parte da carga parasitária. -O tempo de parasitismo e o estado nutricional, além de outros fatores influenciam a doença. Epidemiologia - Endêmica em 74 países existindo cerca de 200 milhões de indivíduos infectados; - No continente americano somente o S. mansoni existe causando doença no homem; - Cerca de 70 milhões de indivíduos encontram-se infectados pelo S. mansoni no mundo; 21

22 Epidemiologia - A B. glabrata ocupa grandes extensões do Brasil: Norte (Belém do Pará), Nordeste, Sudeste e Sul (Estado do Paraná). -Fatores como migrações, internas ou externas, irrigação com grandes reservatórios de água, falta de saneamento básico entre outros favorecem a disseminação de parasitoses como a esquistossomose; - O número de ovos nas fezes de indivíduos em áreas endêmicas mantém uma relação direta. Epidemiologia - Da mesma forma a forma grave está relacionada com alta carga parasitária além de outros fatores; - Áreas com prevalência menor que 25% raramente encontra-se a forma grave da doença; - A forma grave está relacionada também com a possibilidade de reinfecção; - Após tratamento com cura crianças podem reinfectar-se até dez vezes. 22

23 Epidemiologia - Mudanças em nossa sociedade proporcionaram a urbanização desta parasitose; DIAGNÓSTICO CLÍNICO - Baseado na história do paciente; - Pode se apresentar com diarréia mucosa ou mucossanguinolenta, febre elevada, anorexia, náuseas, vômitos, hepatohesplenomegalia dolorosa, manifestações, etc. - Diagnóstico diferencial deve ser feito com outras patologias como febre tifóide, calazar, salmoneloses, infecções agudas. Diagnóstico laboratorial - Ovos nas fezes é a certeza no diagnóstico laboratorial; - Esse método é eficaz em cerca de 85% dos casos positivos; - O método de eclosão de miracídios. 23

24 Direto: Diagnóstico: - Kato, Mariano & -Clínico : Anamnese Carvalho, sedimentação, - Laboratorial: Parasitológico e fezes centifugação São coletadas amostras de fezes em 3 dias alternados. Direto: - Biopsia Retal ou Hepática Retirados fragmentos do reto para análise 24

25 Indireto: -Imunológicos: Falsos - Intradermorreação; - Reação de Imunofluorescência; - Elisa. - Profilaxia Não evacue próximo à lagoa, rio e represa SANEAMENTO BÁSICO: Utilize um banheiro com rede de esgoto 25

26 - Profilaxia Não use água contaminada com o verme da esquistossomosse Ensinar para as outras pessoas como não deixar o verme da esquistossomose pegá-los - Profilaxia COMBATE AO CARAMUJO 26

27 - Tratamento Oxamniquina (VO - Mansil) - Posologia: Adultos: 15mg/kg. Crianças < 12 anos: 20mg/kg. - Contra-indicação: hipersensibilidade e durante a gestação ou lactação. PRAZIQUANTEL(VO- Cestox, Cistid) - Posologia: Adultos e crianças > 4 anos: 20mg/kg, 3x ao dia, 4/4h ou 6/6h, durante 1 dia. 27

ESQUISTOSSOMOSE. Universidade Federal de São Paulo AMBULATÓRIO DE ESQUISTOSSOMOSE

ESQUISTOSSOMOSE. Universidade Federal de São Paulo AMBULATÓRIO DE ESQUISTOSSOMOSE Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Departamento de Enfermagem Departamento de Medicina (Disciplina de Gastroenterologia) ESQUISTOSSOMOSE AMBULATÓRIO DE ESQUISTOSSOMOSE Universidade Federal de São

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria Filo Platyhelminthes Características: Do grego, platy = plano + helmins = verme Animais de corpo alongado e achatado dorsoventralmente; Maioria aquática (marinhos e dulcícolas). Os terrestres vivem em

Leia mais

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago Parasitoses - Verminoses Prof. Tiago INTRODUÇÃO PLATELMINTOS E NEMATÓDEOS: RESPONSÁVEIS POR ALGUMAS PARASITOSES CONHECIDAS COMO VERMINOSES. TENÍASE E ESQUISTOSSOMOSE SÃO CAUSADAS POR PLATELMINTOS; ASCARIDÍASE

Leia mais

ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA CID 10: B65

ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA CID 10: B65 Esquistossomose Mansônica ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA CID 10: B65 Características gerais Descrição A esquistossomose mansônica é uma doença parasitária, causada pelo trematódeo Schistosoma mansoni, cujas

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt ESQUISTOSSOMOSE Profa Carolina G. P. Beyrodt AGENTE ETIOLÓGICO Agente etiológico da esquistossomose mansônica: Schistosoma mansoni Schisto = fenda + soma = corpo (corpo em forma de fenda) Ocorre na África,

Leia mais

Aspectos epidemiológicos e medidas de controle da Esquistossomose Mansônica no Brasil

Aspectos epidemiológicos e medidas de controle da Esquistossomose Mansônica no Brasil Aspectos epidemiológicos e medidas de controle da Esquistossomose Mansônica no Brasil Vitor Gaudencio de Andrade Passos Engenheiro Sanitarista e Ambiental, Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia

Leia mais

DEFINIÇÕES AGENTE ETIOLÓGICO: HÁBITAT: INFECÇÃO: INFESTAÇÃO:

DEFINIÇÕES AGENTE ETIOLÓGICO: HÁBITAT: INFECÇÃO: INFESTAÇÃO: AGENTE ETIOLÓGICO: o responsável por causar uma certa doença (agente infeccioso). HÁBITAT: local em que o parasita vive e pode ser encontrado. INFECÇÃO: instalação e reprodução de um parasita dentro de

Leia mais

25/03/2014. Vermes achatados dorsoventralmente; Vida livre e parasitas; Triblásticos; Acelomados; Protostômios; Simetria bilateral;

25/03/2014. Vermes achatados dorsoventralmente; Vida livre e parasitas; Triblásticos; Acelomados; Protostômios; Simetria bilateral; FILO PLATYHELMINTES FILO NEMATODA(NEMATELMINTOS) Vermes achatados dorsoventralmente; Vida livre e parasitas; Triblásticos; Acelomados; Protostômios; Simetria bilateral; Revestimento Vida livre : muco e

Leia mais

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição Ascaris lumbricoides Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva Nutrição Introdução O A.lumbricoides é encontrado em quase todos os países do globo, estimando-se que 30% da população mundial estejam por ele

Leia mais

TEMA: VERMINOSES HUMANAS

TEMA: VERMINOSES HUMANAS TEMA: VERMINOSES HUMANAS COLEGIO ESTADUAL MARIO AUGUSTO TEIXIRA DE FREITAS NOME: DEISIANE FELZEMBOURGH N 10 2 ANO TURMA: F VESPERTINO PROFESSORA: CAROLINA INTRODUÇÃO Verminoses é um grupo de doenças causadas

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE DENTRO DO NOSSO CORPO

OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE DENTRO DO NOSSO CORPO OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE DENTRO DO NOSSO CORPO OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE DENTRO DO NOSSO CORPO Série Esquistossomose n 8 Parte I Catalogação-na-fonte Rede de Bibliotecas da FIOCRUZ Biblioteca

Leia mais

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes.

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. Sub-Reino Metazoa - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. - Suspeita-se que 20% da população mundial esteja infectada com algum

Leia mais

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose Aula 4 1. Leia a notícia a seguir. Atividades IV. o mapeamento genético do verme pode auxiliar no controle dos problemas ambientais, como a falta de saneamento básico. V. resolverá definitivamente os problemas

Leia mais

Os Invertebrados. Prof. Luis Bruno

Os Invertebrados. Prof. Luis Bruno Os Invertebrados Prof. Luis Bruno Os Poríferos Animais simples que habitam o planeta; Não apresentam órgãos; Sésseis; Maioria de ambiente marinho, mas existem poucas espécies de água doce; São animais

Leia mais

Características Gerais Classe Turbellaria Classe Trematoda Classe Cestoda. Platelmintos. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail.

Características Gerais Classe Turbellaria Classe Trematoda Classe Cestoda. Platelmintos. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail. Platelmintos Prof. Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com 2014 1 / 33 Sumário Características Gerais 1 Características Gerais 2 Características garais Sistema Digestório 3 Risco à saúde: esquistossomose

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

GASTROTRICHA (~430sp) ROTIFERA (1800 sp) NEMATODA (~12000 sp) Kynorhyncha (75 sp) Loricifera (?) Priapulida (18 sp)

GASTROTRICHA (~430sp) ROTIFERA (1800 sp) NEMATODA (~12000 sp) Kynorhyncha (75 sp) Loricifera (?) Priapulida (18 sp) GASTROTRICHA (~430sp) ROTIFERA (1800 sp) NEMATODA (~12000 sp) Kynorhyncha (75 sp) Loricifera (?) Priapulida (18 sp) São todos: bilatérias Protostômios trato digestivo completo pseudocelomados* Maioria

Leia mais

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA

PARASITISMO E SAÚDE HUMANA PARASITISMO E SAÚDE HUMANA Antes de começar O que é um parasita? O que é um hospedeiro? Qual a diferença entre um ciclo monoxeno e um heteroxeno? Qual a diferença entre endemia, epidemia e pandemia? Endemia

Leia mais

CAPÍTULO 14 SISTEMA POLIEDRO DE ENSINO PROFESSORA GISELLE CHERUTTI

CAPÍTULO 14 SISTEMA POLIEDRO DE ENSINO PROFESSORA GISELLE CHERUTTI CAPÍTULO 14 SISTEMA POLIEDRO DE ENSINO PROFESSORA GISELLE CHERUTTI Origem grega helmin: verme platy: achatado Variam de milímetros a metros de comprimento Surgiram na Terra há cerca de 600 milhões de anos.

Leia mais

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires Nematódeos parasitas do ser humano Prof.: Chico Pires Ascaris lumbricoides Ascaris lumbricoides (lombriga) Doença: Ascaridíase Modo de transmissão: Ingestão de alimentos e de água contaminados por ovos

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC A pesquisa foi realizada pelo Laboratório Freitag & Weingärtner durante o período de 01/06/2005 a 31/08/2005 na cidade de Rio dos Cedros-SC em

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste

Universidade Estadual do Centro-Oeste Universidade Estadual do Centro-Oeste MÁRCIA REGINA TERRA ESQUISTOSSOMOSE E EDUCAÇÃO HIGIENICO-SANITÁRIA Apucarana 2013 Márcia Regina Terra ESQUISTOSSOMOSE E EDUCAÇÃO HIGIENICO-SANITÁRIA Projeto de pesquisa

Leia mais

PARASITAse alimenta dos tecidos ou fluídos de outro, no caso, o HOSPEDEIRO. Ectoparasitas superfície externa do hospedeiro. Endoparasitas dentro do

PARASITAse alimenta dos tecidos ou fluídos de outro, no caso, o HOSPEDEIRO. Ectoparasitas superfície externa do hospedeiro. Endoparasitas dentro do BA. 07 -Parasitismo: aspectos gerais e protozooses Apostila 1 Página 39 Generalidades PARASITAse alimenta dos tecidos ou fluídos de outro, no caso, o HOSPEDEIRO. Ectoparasitas superfície externa do hospedeiro.

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 3 PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS 1 Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico de fezes, Jequinha leu Positivo para ovos de Ascaris

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

Cestódeos intestinais:

Cestódeos intestinais: Cestódeos intestinais: k Hymenolepis nana Hymenolepis diminuta Diphyllobothrium latum Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hymenolepis nana Reino: Animalia Filo: Platyhelminthes

Leia mais

BIOLOGIA - AULA 09: VERMES I (platelmintos e nematelmintos)

BIOLOGIA - AULA 09: VERMES I (platelmintos e nematelmintos) BIOLOGIA - AULA 09: VERMES I (platelmintos e nematelmintos) I. PLATELMINTOS São também conhecidos como vermes achatados. Dentre eles, os mais representativos são as planárias, tênias e o esquistossomo.

Leia mais

Exercícios de Ciências

Exercícios de Ciências nome: n o : 7 o urma Ivana Fundamental a no: t : e nsino: data: p rofessor(a): b imestre: nota: Exercícios de Ciências 1) (1,0) Começamos nosso estudo do reino animal pelo grupo dos Poríferos, os invertebrados

Leia mais

Vigilância Epidemiológica e Controle da Esquistossomose

Vigilância Epidemiológica e Controle da Esquistossomose Vigilância Epidemiológica e Controle da Esquistossomose Normas e Instruções CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac Ano 2007 Governador do Estado de São Paulo José Serra Secretário

Leia mais

Epidemiologia da Esquistossomose no Município de Itajubá - MG

Epidemiologia da Esquistossomose no Município de Itajubá - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS Epidemiologia da Esquistossomose no Município de Itajubá - MG Adeylson Guimarães Ribeiro Itajubá, abril de

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO Taenia sp Profª Cyntia Cajado Taxonomia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família: Taenidae Hermafroditas Corpo achatado dorsoventralmente Gênero:

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

Prof. João Carlos. aula 3. botânica e parasitoses

Prof. João Carlos. aula 3. botânica e parasitoses Prof. João Carlos aula 3 botânica e parasitoses Briófitas : musgos Os musgos (verdes) produzem gametas, seus filhos produzem esporos Esporos gametas Pteridófitas: samambaias Ciclo das samambaias O gameta

Leia mais

MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS

MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS MAPEAMENTO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EM VINTE E SEIS MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE ALFENAS, MINAS GERAIS Lucas Emanuel Servidoni 1 Ericson Hideki Hayakawa 2 lucas_servidoni@hotmail.com, ericson_geo@yahoo.com.br

Leia mais

FASCIOLOSE NO BRASIL

FASCIOLOSE NO BRASIL MEC UFRRJ DISCIPLINA DE DOENÇAS PARASITÁRIAS. MATERIAL DIDÁTICO. REPRODUÇÃO DE TRANSPARÊNCIAS UTILIZADAS FASCIOLOSE NO BRASIL Trematódeo Digenético. HOSPEDEIROS DEFINITIVOS: Resistência inerente Resistência

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 42

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 42 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 42 QUESTÃO 17 São funções da vigilância epidemiológica, EXCETO: a) Efetividade das medidas adotadas. b) Divulgação de informações pertinentes. c) Promoção das

Leia mais

ESQUISTOSSOMOSE NO VALE DO RIBEIRA/ SP: INCIDÊNCIA E PREVENÇÃO LEVANTAMENTO LITERÁRIO.

ESQUISTOSSOMOSE NO VALE DO RIBEIRA/ SP: INCIDÊNCIA E PREVENÇÃO LEVANTAMENTO LITERÁRIO. ESQUISTOSSOMOSE NO VALE DO RIBEIRA/ SP: INCIDÊNCIA E PREVENÇÃO LEVANTAMENTO LITERÁRIO. Autor: Letícia Florido Povisnke¹, Ana Fabíola Rollo de Oliveira Prestes² 1 Aluna do curso de Farmácia das Faculdades

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE NO MEIO AMBIENTE

OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE NO MEIO AMBIENTE OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE NO MEIO AMBIENTE OS CAMINHOS DA ESQUISTOSSOMOSE NO MEIO AMBIENTE Série Esquistossomose n 8 Parte II Catalogação-na-fonte Rede de Bibliotecas da FIOCRUZ Biblioteca do CPqRR

Leia mais

2ªsérie 2º período B I O L O G I A

2ªsérie 2º período B I O L O G I A 2.2 B I O L O G I A 2ªsérie 2º período QUESTÃO 1 O filo Platyhelminthes inclui tanto formas de vida livre como organismos endo e ectoparasitas. Considerando a biologia destes animais, marque a opção que

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

Platelmintos e Nematelmintos

Platelmintos e Nematelmintos Platelmintos e Nematelmintos Verminoses Características PLATELMINTOS:VERMES ACHATADOS Platelmintos: PLATELMINTOS:ESQUISTOSSOMOSE LARVA CERCÁRIA CARAMUJO Biomphalaria FEZES COM OVOS LARVA MIRACÍDIO PLATELMINTOS:ESQUISTOSSOMOSE

Leia mais

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22 Animais de companhia: O verme do coração do cão Quando se fala em vermes, as primeiras imagens que vêm à mente das pessoas são: "lombrigas"

Leia mais

NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (3) PROF. C. FREDERICO

NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (3) PROF. C. FREDERICO NOÇÕES DE PARASITOLOGIA (3) PROF. C. FREDERICO VERMINOSES TENÍASE AGENTES ETIOLÓGICOS GICOS: Taenia solium saginata,, platelmintos da classe Cestoda. e Taenia CONTÁGIO GIO: Direto,, através s do consumo

Leia mais

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana

Doença de Chagas ou Tripanossomíase Americana ou Tripanossomíase Americana Distribuição geográfica: América latina, afetando 12-14 milhões de pessoas. Agente Etiológico: Trypanosoma cruzi Ordem: Kinetoplastida Família: Trypanosomatidae Gênero: Trypanosoma

Leia mais

Difilobotríase: alerta e recomendações

Difilobotríase: alerta e recomendações MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Difilobotríase: alerta e recomendações Desde março de 2005, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS) tem sido notificada da

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

Características dos Nematoides

Características dos Nematoides Nematoides Características dos Nematoides Possuem o corpo cilíndrico e alongado, com pontas afiladas e musculatura desenvolvida. Apresentam tamanhos variados. Tubo digestório completo (boca e ânus). Podem

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel ANCILOSTOMÍASE OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

Introdução. 1. Características Gerais

Introdução. 1. Características Gerais Introdução Os platelmintos são os primeiros animais da escala zoológica a apresentarem simetria bilateral com um formato corporal tal que só podem ser divididos imaginariamente em duas metades iguais.

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Os Platelmintos. Caracteristicas exclusivas

Os Platelmintos. Caracteristicas exclusivas Os Platelmintos Caracteristicas exclusivas 1) Apresentam o corpo achatado. 2) Apresentam uma cabeça com um par de ocelos, que são órgãos sensíveis a luz. A função do ocelo é detectar quando o ambiente

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

APÊNDICE D - Cartilha doenças veiculadas e transmitidas pela água. Erica Irene Dealessandri

APÊNDICE D - Cartilha doenças veiculadas e transmitidas pela água. Erica Irene Dealessandri 56 APÊNDICE D - Cartilha doenças veiculadas e transmitidas pela água Erica Irene Dealessandri CARTILHA: Principais doenças transmitidas e veiculadas pela água MATERIAL DE APOIO PARA PROFESSORES DO ENSINO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores Gestão em Saúde e Segurança a no Trabalho em Serviços de Saúde Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores 2007 As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Principais parasitas em cães e gatos:

Principais parasitas em cães e gatos: Principais parasitas em cães e gatos: Nematódeos: Ancylostoma caninum Ancylostoma caninum nenhum Comum em zonas tropicais e subtropicais Maior patogenicidade em filhotes Filhotes: anemia, perda de peso,

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Questão 2 PARASITAS NÃO HABITUAIS Vera Lucia Pagliusi Castilho. Médica Patologista Clinica, Doutora em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/

Patologia Geral. Tuberculose. Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider. http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Patologia Geral Tuberculose Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ A tuberculose é uma doença infecciosa, crônica, causada por uma micobactéria. AGENTEs:

Leia mais

Platelmintos e Nematelmintos

Platelmintos e Nematelmintos Simuladão 2º ano Platelmintos e Nematelmintos 01 - No início do século, o Jeca Tatu, personagem criado por Monteiro Lobato, representava o brasileiro de zona rural, descalço, mal vestido e espoliado por

Leia mais

Introdução à Parasitologia

Introdução à Parasitologia Parasitologia Médica CBS06625 Carlos Eugênio Silva Aulas teóricas e práticas* Verificações Nota, conceito e aprovação Referências bibliográficas Representação Discente Todas as informações relativas à

Leia mais

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD

INFLUENZA. Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD INFLUENZA Cinthya L Cavazzana Médica Infectologista COVISA/CCD GRIPE x RESFRIADO Resfriado: é uma doença do trato respiratório superior. É geralmente causada por um vírus, mais freqüentemente um rhinovirus

Leia mais

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA.

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. Caso Clínico ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. QUEIXA PRINCIPAL: Febre alta e adinamia há 15 dias. Caso Clínico ANAMNESE HMA: Há 15 dias paciente iniciou

Leia mais

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa

Biologia. Setor 1423 Móds. 03 a 06. Prof. Rafa Biologia Setor 1423 Móds. 03 a 06 Prof. Rafa PROTISTAS PROTISTAS ALGAS FOTOSSINTETIZANTES PROTOZOÁRIOS PARASITAS Protozoários (Reino Protista) Características: Estrutura Formas de vida Eucariontes Unicelulares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ROSINEIDA SOFIA BARROS LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ROSINEIDA SOFIA BARROS LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA. ROSINEIDA SOFIA BARROS LIMA INFECÇÃO POR SCHISTOSSOMA SPP. ENTRE ESTUDANTES

Leia mais

Modelagem Computacional Sobre a Expansão. Epidemiológica da Esquistossomose

Modelagem Computacional Sobre a Expansão. Epidemiológica da Esquistossomose Modelagem Computacional Sobre a Expansão Epidemiológica da Esquistossomose ANDERSON PAULO DA SILVA JEFFERSON CAVALCANTI COSTA PEREIRA MARCOS ANTONIO CORREIA UFRPE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EXAMES LABORATORIAIS PARASITOLOGIA HUMANA O que é parasitologia? É a ciência que estuda os parasitas, os seus hospedeiros e relações entre eles. Parasitas são seres vivos que retiram

Leia mais

Avaliação das Atividades do Programa de Controle da Esquistossomose nos municípios da II Regional de Saúde no período de 2005 a 2009.

Avaliação das Atividades do Programa de Controle da Esquistossomose nos municípios da II Regional de Saúde no período de 2005 a 2009. 0 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES III Curso de Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde Maria Betânia Andrade Ferreira de Souza Avaliação das Atividades do Programa de Controle

Leia mais

Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Nematoda. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/

Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Nematoda. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Reino Animalia 0 (Metazoa) Filo Nematoda Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Reino Animalia Filos: 1) Porifera; 2) Cnidaria; 3) Platyhelminthes; 4) Nematoda;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E MEDICINA LEGAL MESTRADO EM PATOLOGIA MARTA CRISTHIANY CUNHA PINHEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E MEDICINA LEGAL MESTRADO EM PATOLOGIA MARTA CRISTHIANY CUNHA PINHEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA E MEDICINA LEGAL MESTRADO EM PATOLOGIA MARTA CRISTHIANY CUNHA PINHEIRO AVALIAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS COPROSCÓPICOS PARA DIAGNÓSTICO

Leia mais

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Guedes, PP 1 ; Pinto, PLS 1 e Oliveira, KC 1. 1 Núcleo de Enteroparasitas, Centro de Parasitologia

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg

IMOSEC (cloridrato de loperamida) comprimidos. 2 mg IMOSEC (cloridrato de loperamida) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. comprimidos 2 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Imosec cloridrato de loperamida comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

DENER PÁDUA PIMENTA AVALIAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA O DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSONI.

DENER PÁDUA PIMENTA AVALIAÇÃO DE DIFERENTES METODOLOGIAS PARA O DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO DA ESQUISTOSSOMOSE MANSONI. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DENER PÁDUA PIMENTA AVALIAÇÃO DE

Leia mais