TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO/ANÁLISE DE DADOS AULA 09. Universidade Federal Fluminense

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO/ANÁLISE DE DADOS AULA 09. Universidade Federal Fluminense"

Transcrição

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA 7 DE OUTUBRO DE 2014 TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO/ANÁLISE DE DADOS AULA 09 Humberto José Bortolossi Universidade Federal Fluminense

2 SEÇÃO 14.3: RESUMOS NUMÉRICOS DE DADOS

3 RESUMOS NUMÉRICOS DE DADOS Como vimos, uma figura pode ser uma excelente ferramenta para resumir grandes conjuntos de dados. Infelizmente, as circunstâncias nem sempre permitem o uso de imagens: diagramas de barras e diagramas de setores não podem ser facilmente usados na conversação diária. Uma abordagem diferente e muito importante é usar alguns números bem escolhidos para resumir um conjunto de dados. Nas próximas seções, vamos discutir dois tipos de resumos numéricos de um conjunto de dados: medidas de posição e medidas de dispersão. Medidas de posição, tais como a média, a mediana e os quartis, são números que fornecem informações sobre os valores dos dados. Medidas de dispersão, como a amplitude, a amplitude interquartílica, e o desvio padrão são números que fornecem informações sobre a dispersão dentro do conjunto de dados. Na Seção 14.3 vamos nos concentrar nas medidas de posição. Na Seção 14.4 vamos discutir medidas de dispersão.

4 A MÉDIA A média A de um conjunto de N números d 1, d 2,..., d N é definida por i N i= 1. d d d A = = N N N d

5 EXEMPLO 14.9: RESULTADOS DO EXAME DE ESTATÍSTICA PARTE 4

6 EXEMPLO 14.9: RESULTADOS DO EXAME DE ESTATÍSTICA PARTE 4 A soma das 75 pontuações pode ser simplificada consideravelmente se tivermos à disposição uma tabela de frequências. S = (1 1) + (6 1) + (7 2) + (8 6) (16 1) + (24 1) = 814. A = S/N = 814/75 10,85 pontos.

7 A MÉDIA Mais geralmente, dada uma tabela de frequência com valores d 1, d 2,..., d k e respectivas frequências f 1, f 2,..., f k, a média A associada é dada por d f + d f + + d f A = = k k i= 1 k f1+ f2 + + fk k d i= 1 i f i f i.

8 EXEMPLO 14.10: SALÁRIOS INICIAIS DOS FORMANDOS DE FILOSOFIA Imagine que você acabou de ler no jornal a seguinte notícia: O salário médio inicial dos 75 alunos de filosofia que se formaram recentemente na Universidade Estadual da Tasmânia é de US$ ,00 por ano! Este salário médio é bem alto! Acontece que um dos formandos, Hoops Tallman, também é jogador da NBA (National Basketball Association), com salário anual de US$ ,00! Qual é a média dos demais 74 formandos de filosofia?

9 EXEMPLO 14.10: SALÁRIOS INICIAIS DOS FORMANDOS DE FILOSOFIA O total dos 75 salários é igual a 75 vezes o salário médio: 75 US$ ,00 = US$ ,00. O total dos outros 74 salários (excluindo-se o salário de US$ ,00 de Hoops Tallman) é igual a US$ ,00 US$ ,00 = US$ ,00. A média dos outros 74 salários é então igual a US$ ,00/74 US$ ,00.

10 EXEMPLO 14.11: VIVENDO ALÉM DA MÉDIA A Tabela 14-9 exibe o balanço mensal (ganhos menos gastos mensais) de Billy durante o último ano. Uma quantidade negativa indica que Billy gastou mais do que ganhou (ele usou seu cartão de crédito). A média do balanço mensal de Billy é de US$ 26,00. Esta média esconde a verdadeira situação de Billy: ele tem vivido além de seus meios, mas foi socorrido por um golpe de sorte e pela ajuda de uma mãe generosa.

11 PERCENTIS Enquanto que um resumo numérico único (como a média) pode ser útil, raramente isto é suficiente para obter uma descrição significativa de um conjunto de dados. Uma descrição melhor do conjunto de dados pode ser apresentada por meio de um quadro bem organizado de resumos numéricos. A maneira mais comum de se fazer isto é por meio de percentis. O p-ésimo percentil (ou percentil de ordem p) de um conjunto de dados é um valor tal que p% dos dados coincidem ou estão abaixo deste valor e os demais dados coincidem ou estão acima dele. O p-ésimo percentil divide o conjunto de dados em duas partes: os p% dos valores inferiores e os (100 p)% dos valores superiores. Existem várias maneiras diferentes para calcular os percentis de modo a satisfazer a definição dada. Livros de Estatística diferentes descrevem métodos diferentes. Vamos ilustrar um tal método a seguir.

12 PERCENTIS O primeiro passo para calcular o p-ésimo percentil de um conjunto de dados com N números é ordenar esses números do menor para o maior. Vamos denotar os valores ordenados por d 1, d 2,..., d N, onde d 1 representa o menor número no conjunto de dados, d 2 representa o segundo menor número no conjunto de dados, etc. Note que d 2 pode ser igual a d 1. Em algumas situações será necessário considerar a média de dois números consecutivos na lista ordenada, de modo que usaremos subscritos pouco usuais tais como d 3,5 para representar a média entre os valores d 3 e d 4, d 7,5 para representar a média entre os valores d 7 e d 8 e assim por diante. O próximo e mais importante passo é identificar qual d representa o p-ésimo percentil do conjunto de dados. Para fazer isto, calculamos p% de N, cujo valor denominaremos de localizador e o denotaremos por L: L = (p/100) N. Se L é um número inteiro, então o p-ésimo percentil será d L,5 (a média de d L e d L + 1 ). Se L não é um número inteiro, então o p-ésimo percentil será d L+, onde L+ representa o valor de L arredondado para cima.

13 PROCEDIMENTO PARA CALCULAR O P-ÉSIMO PERCENTIL DE UM CONJUNTO DE DADOS Passo 0. Ordene o conjunto de dados do menor para o maior: d 1, d 2,..., d N. Passo 1. Calcule o localizador L = (p/100) N. Passo 2. Dependendo se L é um número inteiro ou não, o p-ésimo percentil é dado por d L,5 se L é um número inteiro. d L+ se L não é um número inteiro (L+ é L arredondado para cima).

14 EXEMPLO 14.12: BOLSAS DE ESTUDO POR PERCENTIS Para recompensar o desempenho acadêmico de seus atletas, a Universidade Estadual da Tasmânia tem um programa no qual os seus atletas com CR no 20 o percentil superior entre os CRs de seus times ganham uma bolsa de US$ 5 000,00. Atletas com CR no 45 o percentil superior entre os CRs de seus times que não ganharam uma bolsa de US$ 5 000,00 ganham uma bolsa de US$ 2 000,00. O time de futebol feminino tem N = 15 jogadoras. A lista de seus CRs é a seguinte: 3,42; 3,91; 3,33; 3,65; 3,57; 3,45; 4,0; 3,71; 3,35; 3,82; 3,67; 3,88; 3,76; 3,41; 3,62. Ordenando essa lista, obtemos: 3,33; 3,35; 3,41; 3,42; 3,45; 3,57; 3,62; 3,65; 3,67; 3,71; 3,76; 3,82; 3,88; 3,91; 4,0. Uma vez que a lista vai do menor para o maior CR, estamos procurando pelo 80 o percentil e acima (20 o percentil superior) para as bolsas de US$ 5 000,00 e pelo 55 o percentil e acima (45 o percentil superior) para as bolsas de US$ 2 000,00.

15 EXEMPLO 14.12: BOLSAS DE ESTUDO POR PERCENTIS Lista ordenada: 3,33; 3,35; 3,41; 3,42; 3,45; 3,57; 3,62; 3,65; 3,67; 3,71; 3,76; 3,82; 3,88; 3,91; 4,0. Bolsas de US$ 5 000,00: o localizador do 80 o percentil é 0,8 15 = 12. Aqui o localizador é um número inteiro, de modo que o 80 o percentil é dado por d 12,5 = 3,85 (a média entre d 12 = 3,82 e d 13 = 3,88). Assim, três estudantes (aqueles com CRs de 3,88, 3,91 e 4.0) vão ganhar uma bolsa de US$ 5 000,00. Bolsas de US$ 2 000,00: o localizador do 55 o percentil é 0,55 15 = 8,25. Aqui o localizador não é um número inteiro. Arredondando-o para cima, obtemos 9 e, portanto, o 55 o percentil é dado por d 9 = 3,67. Assim, os estudantes com CRs de 3,67, 3,71, 3,76 e 3,82 (todos os estudantes com CR de 3,67 ou superior exceto aqueles que já ganharam uma bolsa de US$ 5 000,00) vão ganhar uma bolsa de US$ 2 000,00.

16 A MEDIANA E OS QUARTIS O 50º percentil de um conjunto de dados é conhecido como mediana. Denotaremos a mediana por M. A mediana divide o conjunto de dados em duas metades: metade do conjunto de dados é igual ou está acima da mediana e a outra metade é igual ou está abaixo da mediana. Podemos calcular a mediana simplesmente aplicando a definição de percentil com p = 50. Assim: (1) quando N é ímpar, a mediana é o valor na posição (N + 1)/2 da lista ordenada de dados; (2) quando N é par, a mediana é a média dos valores nas posições N/2 e (N/2) + 1 da lista ordenada de dados. Tudo isto se segue do fato de que o localizador para a mediana é L = N/2. Quando N é par, L é um número inteiro; quando N é ímpar, L não é um número inteiro.

17 PROCEDIMENTO PARA CALCULAR A MEDIANA DE UM CONJUNTO DE DADOS Ordene o conjunto de dados do menor para o maior: d 1, d 2,..., d N. Se N é ímpar, a mediana é d (N+1)/2. Se N é par, a mediana é a média entre d N/2 e d (N/2) + 1.

18 A MEDIANA E OS QUARTIS Depois da mediana, os percentis mais usados são o primeiro e terceiro quartis. O primeiro quartil (denotado por Q 1 ) é o 25º percentil. O terceiro quartil (denotado por Q 3 ) é o 75º percentil.

19 EXEMPLO 14.13: VENDA DE CASAS NO VALE VERDE Durante o ano passado, 11 casas foram vendidas no Vale Verde. Os preços de venda, em ordem cronológica, foram US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00, US$ ,00 e US$ ,00. Vamos calcular a mediana e os quartis dos N = 11 preços dos imóveis. Classificando os preços das casas do menor para o maior (e omitindo os 000 ) obtemos a lista: 221, 228, 234, 238, 245, 252, 255, 263, 267, 270, 292. O localizador da mediana é 0,5 11 = 5,5, o localizador do primeiro quartil é 0,25 11 = 2,75 e o localizador do terceiro quartil é 0,75 11 = 8,25. Uma vez que os localizadores não são números inteiros, eles devem ser arredondados para cima: 5,5 par 6, 2,75 para 3 e 8,25 para 9. Assim, a mediana dos preços de venda é igual a d 6 = 252 (isto é, M = US$ ,00), o primeiro quartil é dado por d 3 = 234 (isto é, Q 1 = US$ ,00) e o terceiro quartil é dado por d 9 = 267 (isto é, Q 3 = US$ ,00).

20 EXEMPLO 14.13: VENDA DE CASAS NO VALE VERDE (CONTINUAÇÃO) Oops! Uma casa acaba de ser vendida esta manhã no Vale Verde por US$ ,00. Precisamos recalcular a mediana e quartis para os agora N = 12 preços dos imóveis. Podemos utilizar os dados que já ordenamos, basta inserir o preço novo (264) no lugar certo (lembre-se, não estamos escrevendo o 000!): 221, 228, 234, 238, 245, 252, 255, 263, 264, 267, 270, 292. Agora N = 12 e neste caso a mediana é a média de d 6 = 252 e d 7 = 255. Segue-se, portanto, que a mediana dos preços de venda é M = US$ ,00. O localizador do primeiro quartil é 0,25 12 = 3. Desde que o localizador é um número inteiro, o primeiro quartil é a média de d 3 = 234 e d 4 = 238 (isto é, Q 1 = US$ ,00). Analogamente, o terceiro quartil é Q 3 = US$ ,00 (a média de d 9 = 264 e d 10 = 267).

21 EXEMPLO 14.14: RESULTADOS DO EXAME DE ESTATÍSTICA PARTE 5 Vamos agora calcular a mediana e os quartis das pontuações do exame de estatística. A tabela de frequências elimina a necessidade de ordenar as pontuações: de fato, a tabela de frequências já fez isso por nós. Como N = 75 é ímpar, então a mediana é a trigésima oitava pontuação (a contar da esquerda) na tabela de frequências. Para encontrar o trigésimo oitavo número na Tabela 14-10, contamos ao nos mover da esquerda para a direita: = 2, = 4, = 10, = 20, = 36. Neste ponto, sabemos que a 36ª pontuação é um 10 (o último dos 10s) e as próximas 13 pontuação são todas de iguais a l1. Podemos concluir que a 38ª pontuação do exame é 11. Assim, M = 11.

22 EXEMPLO 14.14: RESULTADOS DO EXAME DE ESTATÍSTICA PARTE 5 Vamos agora calcular a mediana e os quartis das pontuações do exame de estatística. O localizador do primeiro quartil é L = 0,25 75 = 18,75. Então Q 1 = d 19. Para encontrar a décima nona pontuação na tabela de frequências, contamos as frequências da esquerda para a direita: = 2; = 4; = 10; = 20. Neste ponto, percebemos que d 10 = 8 (o último dos 8s) e que de d 11 a d 20 todas as pontuações são iguais a 9. Assim, o primeiro quartil das pontuações do exame de estatística é igual a Q 1 = d 19 = 9.

23 EXEMPLO 14.14: RESULTADOS DO EXAME DE ESTATÍSTICA PARTE 5 Vamos agora calcular a mediana e os quartis das pontuações do exame de estatística. Uma vez que os primeiro e terceiro quartis estão a uma "distância" igual dos dois extremos da lista ordenada pontuações, uma maneira rápida de se localizar o terceiro quartil é olhar para a décima nona pontuação na tabela de frequências quando contamos frequências da direita para a esquerda. Deixamos para o leitor verificar que o terceiro quartil do conjunto de dados é igual a Q 3 = 12.

24 EXEMPLO 14.15: OS RESULTADOS EM MATEMÁTICA DO TESTE SAT EM 2007 PARTE 2

25 EXEMPLO 14.15: OS RESULTADOS EM MATEMÁTICA DO TESTE SAT EM 2007 PARTE 2 Lembre-se N = alunos americanos fizeram o teste SAT em Conforme relatado pelo Conselho Universitário, a mediana das pontuações do teste foi igual a M = 510, o primeiro quartil foi igual a Q 1 = 430 e o terceiro quartil foi igual a Q 3 = 590. O que podemos concluir com estas informações? Vamos começar com a mediana. De N = (um número ímpar), podemos concluir que a mediana (510 pontos) é a pontuação de número na lista ordenada de pontuações do teste. Isto significa que existem pelo menos estudantes que marcaram 510 pontos ou menos. Por que usamos pelo menos" na frase anterior? Poderia haver mais alunos que marcaram 510 pontos ou menos? Sim, quase certamente. Como o número de alunos que marcou 510 pontos está na casa dos milhares, é muito improvável que a pontuação de número seja a última dos 510s. Do mesmo modo, podemos concluir que havia pelo menos pontuações iguais ou menores do que Q 1 = 430 (o localizador do primeiro quartil é (0,25) = ,75) e pelo menos pontuações iguais ou menores do que Q 3 = 590.

26 UMA NOTA DE ADVERTÊNCIA Medianas, quartis e percentis gerais são frequentemente calculados usando-se calculadoras ou softwares estatísticos, o que é necessário desde que os cálculos envolvidos podem ser tediosos. O problema é que não há um consenso universal sobre o procedimento para calcular percentis. Por isso, diferentes tipos de calculadoras e diferentes softwares estatísticos podem apresentar respostas ligeiramente diferentes umas das outras (todos concordam com a mediana). Tenha isso em mente ao fazer os exercícios: a resposta dada pela sua calculadora pode ser um pouco diferente daquela que se obtém a partir dos procedimentos que apresentamos aqui.

27 O RESUMO DOS CINCO NÚMEROS Uma maneira comum de se resumir um conjunto de dados grande é através do resumo dos cinco números. O resumo dos cinco números é dado por (1) o menor valor no conjunto de dados (denominado o Min), (2) o primeiro quartil Q 1, (3) a mediana M, (4) o terceiro quartil Q 3 e (5) o maior valor no conjunto de dados (denominado o Max). Estes cinco números, juntos, frequentemente nos dizem muito sobre os dados.

28 EXEMPLO 14.16: RESULTADOS DO EXAME DE ESTATÍSTICA PARTE 6 Para os resultados do exame de estatística do Exemplo 14.1 (lembre-se que as pontuações variam de 0 a 25), o resumo dos cinco números é Min = 1, Q 1 = 9, M = 11, Q 3 = 12 e Max = 24. Que informação útil podemos obter com isto? Logo de cara, podemos ver que os N = 75 os resultados do exame não estão uniformemente distribuídos ao longo do intervalo de pontuações possíveis. Por exemplo, a partir de M = 11 e Q 3 = 12 pode-se concluir que pelo menos 25% da classe (o que significa, pelo menos, 18 estudantes) tiraram 11 ou 12 pontos no exame. Ao mesmo tempo, a partir de Q 3 = 12 e Max = 24 pode-se concluir que menos de um quarto da classe (isto é, no máximo, 18 alunos) tiveram pontuações na faixa de 13 a 24 pontos. Utilizando argumentos semelhantes, podemos concluir que pelo menos 18 alunos tiveram pontuações entre Q 1 = 9 e M = 11 pontos e não mais de 18 alunos pontuaram na faixa de 1 a 8 pontos.

29 BOXPLOTS Inventado em 1977 pelo estatístico John Tukey, um boxplot (também conhecido como diagrama de caixa e bigodes) é uma representação gráfica do resumo de cinco números de um conjunto de dados. O boxplot consiste em uma caixa retangular que fica acima de uma escala e que se estende do primeiro quartil Q 1 para o terceiro quartil Q 3. A linha vertical que atravessa a caixa indica a posição da mediana M. Em ambos os lados da caixa são desenhados bigodes ( whiskers ) que se estendem para o menor valor, Min, e o maior valor, Max, dos dados. A Figura mostra um boxplot genérico para um conjunto de dados.

30 BOXPLOTS A Figura (a) mostra um boxplot para os resultados do exame de Estatística (Exemplo 14.14). Os bigodes longos neste diagrama são devidos aos outliers 1 e 24. A Figura (b) mostra uma variação do mesmo boxplot, mas com os dois outliers marcados com um e separados do resto dos dados. Quando existem outliers, é útil separá-los do resto do conjunto de dados: podemos pensar em outliers como "anomalias" dentro do conjunto de dados.

31 EXEMPLO 14.17: COMPARANDO OS SALÁRIOS ANUAIS INICIAIS EM AGRONOMIA E EM ENGENHARIA A Figura mostra dois boxplots para os salários anuais iniciais de duas populações diferentes: os formandos em engenharia e em agronomia da Universidade Estadual da Tasmânia. Sobrepor os dois boxplots em uma mesma escala nos permite fazer algumas comparações úteis. É claro, por exemplo, que, em geral, os formandos de engenharia estão se saindo melhor do que os formandos em agronomia, embora os melhores salários em agronomia são mais bem pagos do que os melhores salários em engenharia.

32 EXEMPLO 14.17: COMPARANDO OS SALÁRIOS ANUAIS INICIAIS EM AGRONOMIA E EM ENGENHARIA A Figura mostra dois boxplots para os salários anuais iniciais de duas populações diferentes: os formandos em engenharia e em agronomia da Universidade Estadual da Tasmânia. Outro ponto interessante é que a mediana dos salários dos diplomados em agronomia ( dólares) é menor do que o primeiro quartil dos salários dos diplomados em engenharia ( dólares).

33 EXEMPLO 14.17: COMPARANDO OS SALÁRIOS ANUAIS INICIAIS EM AGRONOMIA E EM ENGENHARIA A Figura mostra dois boxplots para os salários anuais iniciais de duas populações diferentes: os formandos em engenharia e em agronomia da Universidade Estadual da Tasmânia. O bigode muito curto no lado esquerdo do boxplot da agronomia nos diz que os 25% salários mais baixos em agronomia estão concentrados em uma faixa salarial muito estreita (US$32.500,00 US$35.000,00).

34 EXEMPLO 14.17: COMPARANDO OS SALÁRIOS ANUAIS INICIAIS EM AGRONOMIA E EM ENGENHARIA A Figura mostra dois boxplots para os salários anuais iniciais de duas populações diferentes: os formandos em engenharia e em agronomia da Universidade Estadual da Tasmânia. Também podemos ver que os salários em agronomia estão muito mais dispersos do que os salários de engenharia, embora a maioria da dispersão ocorre no ponto mais alto da escala salarial.

35 AGORA: EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações.

Análise descritiva de Dados. a) Média: (ou média aritmética) é representada por x e é dada soma das observações, divida pelo número de observações. Análise descritiva de Dados 4. Medidas resumos para variáveis quantitativas 4.1. Medidas de Posição: Considere uma amostra com n observações: x 1, x,..., x n. a) Média: (ou média aritmética) é representada

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF)

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) O BOXPLOT Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) Introdução O boxplot é um gráfico construído com base no resumo dos cinco números, constituído por: Valor mínimo Primeiro quartil

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Posição Depois de se fazer a coleta e a representação dos dados de uma pesquisa, é comum analisarmos as tendências

Leia mais

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1

Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Aula 03 Análise Exploratória dos Dados (Medidas Descritivas de Variáveis Quantitativas) Parte 1 Medidas de Tendência Central Stela Adami Vayego - DEST/UFPR 1 Medidas de Tendência Central dos Dados Para

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 0 - DIIAGRAMA DE EXTREMOS E QUARTIIS Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES 1 Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática e Estatística para Técnico Administrativo para o BNDES 2008 organizado pela CESGRANRIO. Sem mais delongas,

Leia mais

Aula 11 Esperança e variância de variáveis aleatórias discretas

Aula 11 Esperança e variância de variáveis aleatórias discretas Aula 11 Esperança e variância de variáveis aleatórias discretas Nesta aula você estudará os conceitos de média e variância de variáveis aleatórias discretas, que são, respectivamente, medidas de posição

Leia mais

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância.

Guia do professor. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. números e funções Guia do professor Objetivos da unidade 1. Analisar representação gráfica de dados estatísticos; 2. Familiarizar o aluno com gráfico de Box Plot e análise estatística bivariada; 3. Utilizar

Leia mais

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 1 Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 (1 Passo) Vamos digitar os dados na planilha. Para isso temos três banco de dados (Dados 1, Dados 2 e Dados 3), no qual irão gerar três Boxplot. Figura 1

Leia mais

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva

Lista de Exercícios 1 - Estatística Descritiva 1. O arquivo satisfaçãocomuniversidade.xlsx contém informações de uma amostra de 400 alunos de uma universidade. Deseja-se construir um histograma para a variável desempenho acadêmico, com intervalos de

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Medidas de Tendência Central

Medidas de Tendência Central Medidas de Tendência Central Generalidades Estatística Descritiva: Resumo ou descrição das características importantes de um conjunto conhecido de dados populacionais Inferência Estatística: Generalizações

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta

Karine Nayara F. Valle. Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2012 Karine Nayara F. Valle Métodos Numéricos de Euler e Runge-Kutta Monografia

Leia mais

Decis: dividem os dados em décimas partes (cada parte tem 10% dos dados). São indicados por D 1, D 2,..., D 9.

Decis: dividem os dados em décimas partes (cada parte tem 10% dos dados). São indicados por D 1, D 2,..., D 9. Quartis, Decis e Percentis Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 7 A mediana é o valor que separa a quantidade de dados em duas partes igus: 50% dos dados abxo dela e 50% acima. Assim como a

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ

Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para. ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Resoluções comentadas das questões de Estatística da prova para ANALISTA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E METAS da PREFEITURA/RJ Realizada pela Fundação João Goulart em 06/10/2013 41. A idade média de todos

Leia mais

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade.

LISTA DE MATEMÁTICA. Aluno(a): Nº. 1. Determinada editora pesquisou o número de páginas das revistas mais vendidas em uma cidade. LISTA DE MATEMÁTICA Aluno(a): Nº. Professor: Rosivane Série: 2 ano Disciplina: Matematica Data da prova: Pré Universitário Uni-Anhanguera MEDIDAS DE DISPERSÃO 1. Determinada editora pesquisou o número

Leia mais

MEDIDAS DE DISPERSÃO

MEDIDAS DE DISPERSÃO MEDIDAS DE DISPERSÃO 1) (PETROBRAS) A variância da lista (1; 1; 2; 4) é igual a: a) 0,5 b) 0,75 c) 1 d) 1,25 e) 1,5 2) (AFPS ESAF) Dada a seqüência de valores 4, 4, 2, 7 e 3 assinale a opção que dá o valor

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2003 Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2003 Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2003 Professor Marcelo Menezes Reis Índice Analítico 1. Filtragem... 5 1.1 Filtragem para identificação de células vazias...

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial

1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial Escola Superior de Tecnologia de Viseu Fundamentos de Estatística 2010/2011 Ficha nº 1 1. Registou-se o número de assoalhadas da população de 100 apartamentos vendidos num bairro residencial 0; 0; 0; 1;

Leia mais

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática

Afinal o que são e como se calculam os quartis? Universidade do Algarve Departamento de Matemática Afinal o que são e como se calculam os quartis? Susana Fernandes Mónica Pinto Universidade do Algarve Departamento de Matemática Introdução Imaginemos que queremos calcular os quartis de um conjunto de

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Estatística Descritiva II

Estatística Descritiva II Estatística Descritiva II Bacharelado em Economia - FEA - Noturno 1 o Semestre 2015 Gilberto A. Paula G. A. Paula - MAE0219 (IME-USP) Estatística Descritiva II 1 o Semestre 2015 1 / 47 Objetivos da Aula

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados

(Modelo de) Relatório: 1-Introdução. 2-Materiais e métodos. 3-Análise descritiva dos dados (Modelo de) Relatório: 1-Introdução (Nessa seção faz-se uma apresentação/contextualização do problema e descreve-se como está organizado o relatório) Ex: Neste trabalho temos o objetivo de traçar o perfil

Leia mais

6) Estatística Gráfica:

6) Estatística Gráfica: Estatística Descritiva Básica prof. Ilydio Pereira de Sá 36 UNIDADE II: ESTATÍSTICA GRÁFICA E MEDIDAS DE POSIÇÃO OU TENDÊNCIA CENTRAL Gráficos: barras, colunas, histogramas e polígonos de freqüências.

Leia mais

Anexo 1. Definição das variáveis de análise

Anexo 1. Definição das variáveis de análise Métodos Anexo 1 Definição das variáveis de análise 1. Saúde: a. Taxa de mortalidade infantil (TMI): número de óbitos de menores de um ano de idade, por mil nascidos vivos, na população residente em determinado

Leia mais

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR

Prof. Júlio Cesar Nievola Data Mining PPGIa PUCPR Uma exploração preliminar dos dados para compreender melhor suas características. Motivações-chave da exploração de dados incluem Ajudar na seleção da técnica correta para pré-processamento ou análise

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA. Município: CRUZ DAS ALMAS

ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA. Município: CRUZ DAS ALMAS ENFERMAGEM FACULDADE MARIA MILZA Município: CRUZ DAS ALMAS O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) apresenta o Relatório do Curso com os resultados do Exame Nacional

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B 1 QUESTÃO 1 Marcos tem 10 0,25 = 2,50 reais em moedas de 25 centavos. Logo ele tem 4,30 2,50 = 1,80 reais em moedas de 10 centavos, ou seja, ele tem 1,80 0,10 = 18 moedas de 10 centavos. Outra maneira

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

XXXI Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

XXXI Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas Gabarito da Prova da Primeira Fase Nível Alfa 1 Questão 1 0 pontos Na Tabela 1 temos a progressão mensal para o Imposto de Renda Pessoa Física 014 01. Tabela 1: Imposto de Renda Pessoa Física 014 01. Base

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

MATEMÁTICA ENEM 2009

MATEMÁTICA ENEM 2009 MATEMÁTICA ENEM 2009 19 de setembro PROF. MARCELO CÓSER Essa apresentação pode ser baixada em http://www.marcelocoser.com.br. 01) (UFRJ) Uma operadora de celular oferece dois planos no sistema pós-pago.

Leia mais

Batalha Naval Algoritmos de Busca. Correlações curriculares Matemática: Números: maior que, menor que, iguais a.

Batalha Naval Algoritmos de Busca. Correlações curriculares Matemática: Números: maior que, menor que, iguais a. Atividade 6 Batalha Naval Algoritmos de Busca Sumário Computadores são freqüentemente requisitados a encontrar informação em grandes coleções de dados. Estes precisam desenvolver métodos rápidos e eficientes

Leia mais

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF)

Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 2010 ExercíciosProgramados1e2 VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Métodos Estatísticos II 1 o. Semestre de 010 ExercíciosProgramados1e VersãoparaoTutor Profa. Ana Maria Farias (UFF) Esses exercícios abrangem a matéria das primeiras semanas de aula (Aula 1) Os alunos

Leia mais

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas.

EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS. Definições Básicas. Definições Básicas. Definições Básicas. Introdução à Estatística. Dados: valores de variáveis observadas. Definições Básicas Introdução à Estatística ESTATÍSTICA: estudo dos métodos para coletar, organizar, apresentar e analisar dados. População: conjunto constituído por todos os indivíduos que apresentem

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS INTERVALOS DE CLASSE

CRITÉRIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS INTERVALOS DE CLASSE CRITÉRIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS INTERVALOS DE CLASSE Número de classes a considerar (k): a) Tabela de Truman L. Kelley n 5 10 25 50 100 200 500 1000 k 2 4 6 8 10 12 15 15 b) k=5 para n 25 e para n >25.

Leia mais

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados Estatística descritiva Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados 1 Estatística descritiva vs inferencial Estatística Descritiva: conjunto de métodos estatísticos que

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula.

Em duplas os alunos receberão uma folha contendo o material que será desenvolvido em aula. Série: 5ª série Carga horária: 2 períodos Conteúdo: Frações Objetivo: O aluno ao final da aula deverá verificar por meio de representações concretas, que o resultado de dividir a por b é o mesmo que dividir

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

MÓDULO 1. Números. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA

MÓDULO 1. Números. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 1 Números As questões destas aulas foram retiradas ou adaptadas de provas das Olimpíadas Brasileiras de Matemática (OBM), fonte considerável

Leia mais

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão Estatística Descritiva com Excel Complementos. 77 3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão 3.1- Introdução No módulo de Estatística foram apresentadas as medidas ou estatísticas

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS

CURSO ONLINE REGULAR ESTATÍSTICA BÁSICA PROF. SÉRGIO CARVALHO AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Olá, amigos! AULA 13 RELAÇÃO DOS EXERCÍCIOS FINAIS Ainda não é chegada nossa aula derradeira! Sei que muitos estão chateados e com toda a razão do mundo pelo atraso destas últimas aulas. Noutra ocasião

Leia mais

Apresentação Caule e Folha. Exemplo

Apresentação Caule e Folha. Exemplo Análise Exploratória de Dados As técnicas de análise exploratória de dados consistem em gráficos simples de desenhar que podem ser utilizados para resumir rapidamente um conjunto de dados. Uma destas técnicas

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE II! Como implementar o escore de crédito?! Como avaliar o escore de crédito?! Como calcular a função discriminante usando o Excel?! Como aplicar a função

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Diferenciar grandezas escalares e vetoriais; compreender a notação

Leia mais

2008 mdsaraiv@umich.edu. Mini-manual do SAS

2008 mdsaraiv@umich.edu. Mini-manual do SAS Mini-manual do SAS Este mini-manual do SAS tem a finalidade de apenas ensinar alguns comandos de estatísticas comuns e dar possibilidade de se iniciar a manusear dados. Abrindo o SAS A inteface do SAS

Leia mais

a soma dois números anteriores da primeira coluna está na segunda coluna: (3m +1) + (3n +1) = 3(m + n) + 2.

a soma dois números anteriores da primeira coluna está na segunda coluna: (3m +1) + (3n +1) = 3(m + n) + 2. OBMEP 01 Nível 3 1 QUESTÃO 1 ALTERNATIVA A Basta verificar que após oito giros sucessivos o quadrado menor retorna à sua posição inicial. Como 01 = 8 1+ 4, após o 01º giro o quadrado cinza terá dado 1

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito.

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 41 DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. Carlos Alexandre Sá (calex@marlin.com.br)

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA

PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA PROFMAT - UNIRIO COORDENADOR GLADSON ANTUNES ALUNO JOÃO CARLOS CATALDO ANÁLISE COMBINATÓRIA Questão 1: Entre duas cidades A e B existem três empresas de avião e cinco de ônibus. Uma pessoa precisa fazer

Leia mais

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE

INE 5111 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade INE 5111 LISTA DE EXERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 LISTA DE EERCÍCIOS DE PROBABILIDADE INE 5 Gabarito da Lista de Exercícios de Probabilidade ) Em um sistema de transmissão de dados existe uma probabilidade igual a 5 de um dado ser transmitido erroneamente.

Leia mais

Aula 7 Medidas de Tendência Central 2ª parte

Aula 7 Medidas de Tendência Central 2ª parte 1 Estatística e Probabilidade Aula 7 Medidas de Tendência Central 2ª parte Professor Luciano Nóbrega Medidas de posição Resumo Média aritmética ( x ) É a razão entre o somatório dos valores das variáveis

Leia mais

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais:

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais: Caro Professor, A BM&FBOVESPA preparou para você algumas sugestões de planos de aula. Compreendem atividades que podem ser desenvolvidas em sala de aula para o tratamento de temas econômicos e financeiros.

Leia mais

Valor Prático da Distribuição Amostral de

Valor Prático da Distribuição Amostral de DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA DA AMOSTRA OU DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DE Antes de falarmos como calcular a margem de erro de uma pesquisa, vamos conhecer alguns resultados importantes da inferência estatística.

Leia mais

CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02

CURSOS ON-LINE - ESTATÍSTICA BÁSICA CURSO REGULAR PROFESSOR SÉRGIO CARVALHO AULA 02 Olá, amigos! AULA 02 Tudo bem com vocês? E aí, revisaram a aula passada? Espero que sim. Bem como espero que tenham resolvido as questões que ficaram pendentes! A propósito, vamos iniciar nossa aula de

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES Caros concurseiros, Como havia prometido, seguem comentários sobre a prova de estatística do ICMS RS. Em cada questão vou fazer breves comentários, bem como indicar eventual possibilidade de recurso. Não

Leia mais

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial.

Primeiro, vamos explicar o fundo teórico do assunto, depois praticamos nossos conhecimentos seguindo as instruções dum pequeno tutorial. 45 Capítulo 4 Juros, Taxas e tudo isso Neste livro não quero enfatizar as aplicações do Excel aos negócios, mas uma breve introdução ao uso das funções financeiras é indispensável, assim como, num capítulo

Leia mais

BrOffice Calc Inserindo Funções

BrOffice Calc Inserindo Funções C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 14 Informática BrOffice Calc Inserindo Funções Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = =

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 6. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo de a para b é dado por: = = Energia Potencial Elétrica Física I revisitada 1 Seja um corpo de massa m que se move em linha reta sob ação de uma força F que atua ao longo da linha. O trabalho feito pela força para deslocar o corpo

Leia mais

Aula 5 Técnicas de estimação causal. Aula 7. Cálculo do Retorno Econômico: Prática

Aula 5 Técnicas de estimação causal. Aula 7. Cálculo do Retorno Econômico: Prática Aula 5 Técnicas de estimação causal Aula 7 Cálculo do Retorno Econômico: Prática O Curso Aula 1: Introdução - escopo e objetivos do curso Aula 2: Como estruturar projetos sociais pela ótica da avaliação

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Instruções: XXXVI OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (11 de agosto de 2012) Nível (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Folha de Perguntas A duração da prova é de 3h30min. O tempo

Leia mais

Economia da Educação 2012/2013 Pedro Telhado Pereira Frequência 5/6/2011 (Duração - 120 minutos) Tópicos de resolução

Economia da Educação 2012/2013 Pedro Telhado Pereira Frequência 5/6/2011 (Duração - 120 minutos) Tópicos de resolução Economia da Educação 2012/2013 Pedro Telhado Pereira Frequência 5/6/2011 (Duração - 120 minutos) Tópicos de resolução Nome: Nº: As respostas devem ser dadas na folha de enunciado I Estudos têm mostrado

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental

Soluções Nível 1 5 a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental a e 6 a séries (6º e 7º anos) do Ensino Fundamental 1. (alternativa C) Os números 0,01 e 0,119 são menores que 0,12. Por outro lado, 0,1 e 0,7 são maiores que 0,. Finalmente, 0,29 é maior que 0,12 e menor

Leia mais

Prova Parcial de Estatística I. Turma: AE1 AE2 AE3 AE4

Prova Parcial de Estatística I. Turma: AE1 AE2 AE3 AE4 ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Prova Parcial de Estatística I Data: Setembro / Professores: Eduardo Francisco Francisco Aranha Nelson Barth A Nome do Aluno: GABARITO

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 Este é o 6º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2007 Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2007 Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Exploratória de Dados utilizando o Excel 2007 Professor Marcelo Menezes Reis Índice Analítico 1. Filtragem... 4 1.1 Filtragem para identificação de células vazias...

Leia mais

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 03 Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis 2 OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição.

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

Estatística Descritiva I

Estatística Descritiva I Estatística Descritiva I Bacharelado em Economia - FEA - Noturno 1 o Semestre 2016 Profs. Fábio P. Machado e Gilberto A. Paula MAE0219 (Economia-FEA-Noturno) Estatística Descritiva I 1 o Semestre 2016

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

Introdução ao GetResponse

Introdução ao GetResponse Guia rápido sobre... Introdução ao GetResponse Neste guia... Aprenda a construir sua lista, a criar envolventes e-mails e a converter contatos em clientes em GetResponse, com acesso aos melhores recursos

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Medidas de Variação ou Dispersão

Medidas de Variação ou Dispersão Medidas de Variação ou Dispersão Estatística descritiva Recapitulando: As três principais características de um conjunto de dados são: Um valor representativo do conjunto de dados: uma média (Medidas de

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais