Teoria Crítica e Pós-Modernismo: Principais Paradigmas e Produção Científica no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teoria Crítica e Pós-Modernismo: Principais Paradigmas e Produção Científica no Brasil"

Transcrição

1 Teoria Crítica e Pós-Modernismo: Principais Paradigmas e Produção Científica no Brasil Autoria: Davi de Castro Rocha, Sofia Batista Ferraz, Augusto Cézar de Aquino Cabral, Sandra Maria dos Santos, Maria Naiula Monteiro Pessoa Resumo Ao analisar o campo de estudos organizacionais, percebe-se a sólida hegemonia de princípios norteados pela ortodoxia funcionalista e pelo positivismo lógico. Como formas alternativas de resistência a este mainstream, observa-se então, desde o final da década de 1980, o desenvolvimento de vertentes epistemológicas que buscam, mediante a proliferação da diversidade e de suas novas perspectivas, a geração de debates e diálogos dentro e entre as abordagens da área (VIEIRA; CALDAS, 2006; CLEGG; HARDY, 1999). Este artigo objetiva apresentar algumas considerações teóricas acerca das mais recentes vertentes epistemológicas dos estudos críticos organizacionais: a Teoria Crítica e o Pós-modernismo. A pesquisa, de caráter quantitativo e analítico, por tratar-se de um estudo bibliométrico, é contextualizada primeiramente por meio de revisão bibliográfica, pelas quais foram abordadas obras de filósofos clássicos do pensamento crítico, como Adorno e Horkheimer (1985), além de publicações mais recentes, provenientes de teóricos (críticos e pós-modernos) nacionais, como Vieira e Caldas (2006) e Paula (2008), e estrangeiros, como Fournier e Grey (2006) e Cooper, Burrell (2006) e Harvey (2007). Neste estudo, são identificadas, introdutoriamente, as principais correntes filosóficas que impulsionaram o surgimento dos estudos críticos, o Iluminismo e o Modernismo, assim como é caracterizado o contexto social e histórico que favoreceu o desenvolvimento de abordagens contrárias à ortodoxia funcionalista vigente desde meados do século XIX. Em seguida, o trabalho demonstra conceitos, características e teorias que embasam os paradigmas crítico e pós-moderno. São expostas ainda as principais contribuições destas abordagens para a gestão, assim como apresentados estudiosos reconhecidos de cada área, no intuíto de aprofundar o conhecimento acerca da temática de tais vertentes e atribuir maior significância às mesmas quando comparadas aos princípios funcionalistas aplicados aos estudos organizacionais. Por fim, o foco central do trabalho que busca realizar uma atual contextualização dos estudos organizacionais críticos no Brasil, revelando suas futuras perspectivas, evidenciando dados estatísticos sobre estudos neste campo, coletados a partir de publicações da Revista de Administração de Empresas (RAE), do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa em Administração (EnANPAD) e dos encontros do Critical Managment Studies (CMS). Após realizada a pesquisa bibliométrica, observou-se discreto volume, porém em constante crescimento, da produção acadêmica no âmbito dos estudos críticos em gestão no Brasil, reflexo da influência de autores brasileiros na difusão do pensamento crítico, além da perceptível relevância deste viés teórico no presente cenário nacional e mundial das organizações. 1 Introdução Ao analisar o campo de estudos organizacionais, percebe-se a sólida hegemonia de princípios norteados pela ortodoxia funcionalista e pelo positivismo lógico. Como formas alternativas de resistência a este mainstream, observa-se então, desde o final da década de 1980, o desenvolvimento de vertentes epistemológicas que buscam, mediante a proliferação da diversidade e de suas novas perspectivas, a geração de debates e diálogos dentro e entre as abordagens da área (VIEIRA; CALDAS, 2006; CLEGG; HARDY, 1999). Com uma orientação voltada à mudança social, são introduzidas a Teoria Crítica das organizações e, posteriomente, o pós-modernismo. A primeira evidenciando-se ao final dos anos de 1970 e começo da década de 1980, enquanto as teorias pós-modernistas ganham força ao final da mesma década (ALVESSON; DEETZ, 1998). Tais abordagens, segundo Wood Jr.

2 (1999), apareceram a partir do esgotamento dos ideais modernistas e da crítica da razão, além de serem declaradamente avessas ao positivismo, à noção de progresso e às sofisticadas formas de controle encontrando amparo no perspectivismo de Nietzsche, na visão de conflito de Marx e no complexo conceito de homem de Freud. Vieira e Caldas (2006), em contraponto, são contudentes ao afirmar que a Teoria Crítica e o pós-modernismo são completamente dissidentes e coincidem apenas quanto ao fato de serem vertentes alternativas ao positivismo lógico, de modo que abarcar ambas sob o rótulo de crítica é um pecado de ordem ontológica. É válido alertar ao leitor que, apesar das frequentes concordâncias e discordâncias entre os autores - que poderão ser encontradas ao longo da leitura e revisão bibliográfica aqui apresentadas -, a grande maioria dos estudiosos da área é uníssona ao afirmar que estas vertentes constituem caminhos únicos e imprescindíveis para uma macro compreensão das organizações e de sua administração. Mais do que isto, como argumenta Wood Jr. (1999), tais abordagens constituem frutas maduras em um supermercado repleto de idéias mofadas, que encontram-se em tempo de serem consumidas e de trazerem frescor à seara dos Estudos Organizacionais. Dadas a importância dos estudos sobre a Teoria Crítica e o pós-modernismo para os estudos contemporâneos em Administração e a nebulosidade que ainda circunda o tema, o presente artigo tem como objetivo apresentar um panorama geral sobre os principais paradigmas norteadores destas abordagens. Esta proposição será concretizada por meio da explanação de suas origens e princípios, assim como suas contribuições para a gestão e o desenvolvimento dos estudos organizacionais críticos no Brasil. Desta forma, o estudo aqui apresentado baseia-se, principalmente, nos escritos de Paula (2008), Paula et al. (2010), Harvey (2007), Vieira e Caldas (2006), Fournier e Grey (2006), Cooper e Burrell (2006), Foucault (2001), Alvesson e Deetz (1999), Clegg e Hardy (1999), Wood Jr. (1999) e Burrell e Morgan (1979). Entender tais vertentes exige o abandono das amarras seguras proporcionadas pelo funcionalismo e, como afirma Paula (2008), demanda apego à incerteza e um exercício à reflexividade, de forma a se trilhar um caminho permeado por leituras desafiantes com o intuito de, ao final, se ter construído uma veia crítica própria. A seguir, como ponto de partida, apresenta-se uma visão geral sobre as correntes do iluminismo e do modernismo, de modo a se contextualizar a origem e os ideais inerentes à Teoria Crítica das organizações e ao pós-modernismo, seguida de explanação sobre o processo metodológico de pesquisa e referencial teórico abordado. 2 Metodologia Pode-se classificar este trabalho, predominantemente, como um ensaio teóricoempírico, a partir de uma pesquisa bibliométrica relativa aos trabalhos realizados na temática da Teoria Crítica e do pós-modernismo no Brasil. Trata-se, portanto, de método quantitativo e analítico. a partir de uma revisão bibliográfica e seguido de pesquisa bibliométrica. Parte da metodologia alinha-se ao modelo de tese de compilação apresentado por Eco (1991), em que busca-se compulsar criticamente parte significativa da literatura pertinente disponível e expôla de forma clara. A harmonização de relevantes pontos de vista em uma visão panorâmica coerente, com alto valor informativo, constitui um objetivo especial neste tipo de empreendimento. Ao mesmo tempo, há uma orientação para o trabalho de pesquisa e descoberta científicas. A este respeito, Eco (1991, p. 2-3) esclarece que quando se fala em descoberta, em especial no campo humanista, não cogitamos de invenções revolucionárias [...] podem ser descobertas mais modestas, considerandose resultado científico até mesmo uma maneira nova de ler e entender um texto clássico, a identificação de um manuscrito que lança nova luz sobre a biografia de um autor, uma reorganização e releitura de estudos precedentes que conduzem à maturação e sistematização das idéias que se encontravam dispersas em outros textos. 2

3 Utiliza-se, dentre outros mecanismos, a técnica do esquema e da síntese, que teve como orientação básica a aplicação combinada das seguintes características defendidas por Salomon (1991): fidelidade ao texto original; estrutura lógica do assunto; adequação ao tema estudado e funcionalidade; utilidade de seu emprego; e cunho pessoal. A síntese, esquematização e análise da literatura pesquisada visou a concentração nas idéias centrais e detalhes mais relevantes, como meio de facilitar o processo de compreensão e exposição do material trabalhado em termos de seus conceitos, definições, origens e implicações. Pretendese, assim, expor a atual situação dos estudos críticos no cenário brasileiro das organizações. 3 Iluminismo e Modernismo: uma breve contextualização A saber que, de acordo com Wood Jr. (1999) e Harvey (2007), tanto a Teoria Crítica quanto o pós-modernismo partem de ideologias de negação à doutrina iluminista e ao projeto modernista, é importante delimitar o significado e importância de ambos pontos de partida. Baseados na pespectiva kanteana, Alvesson e Deetz (1999) definem Iluminismo como uma espécie de fuga do ser humano a uma tutelagem auto-imposta, isto é, uma saída à incapacidade - auto-infligida pelo sujeito - de fazer uso da própria razão. Ademais, informam que o sujeito iluminado é aquele autônomo, gradualmente emancipado pelo conhecimento obtido por métodos científicos e, consequentemente, aquele pautado predominantemente pela razão (esta, privilegiada e acima das autoridades e dos valores tradicionais). Pode-se afirmar, também de acordo com Alvesson e Deetz (1999), que o Iluminismo oficializou uma linguagem transparente e uma verdade de representações, positividade e otimismo na aquisição de um entendimento cumulativo que guiaria à aprimoração progressiva da qualidade de vida. Harvey (2007) afirma ainda que o modelo iluminista abraçou o ideal de progresso e lutou pela ruptura com a história e a tradição esposada com a modernidade. Os ideais de liberdade, igualdade, fé e na inteligência humana também eram amplamente difundidos. Por outro lado, como inimigos declarados do Siècle des Lumières devem ser citados: as trevas, a tradição, a ideologia, a irracionalidade, a ignorância e a autoridade hierárquica (ALVESSON; DEETZ, 1999). Como argumenta Habermas (1983), o projeto modernista entrou em evidência durante o século XVIII e equivalia ao esforço intelectual despendido pelos iluministas, propondo, desta forma, o desenvolvimento da ciência objetiva, da moralidade e da lei universais e a arte autônoma na própria lógica interna destas. O modernismo é caracterizado por um momento em que o homem se inventa e não mais é reflexo da natureza ou de Deus. Implica um senso crítico apurado no qual intenta-se resolver poderes de discriminação racional e ter coragem de expressá-los quando assim for apropriado. Aude sapere, estimulava Kant (COOPER; BURRELL, 2006). Zygmunt Bauman (2001) amplia a caracterização elucidada pelos autores e complementa com sua concepção de modernidade líquida, na qual o desapego, a provisoriedade, o acelerado processo de individualização e tempo de liberdade encontram-se no cerne de suas prioridades. Pensadores como Saint-Simon e Comte apropriaram-se de expedientes da razão e ambos direcionavam suas aplicações em problemas cada vez mais importantes de governo, administração e planejamento, acarretados pela industrialização da sociedade: a partir daí, revelam-se as primeiras noções de pensamento organizacional na filosofia iluminista. O modernismo divide-se, assim, em duas tipologias: o modernismo crítico (reanimação do modelo iluminista kantiano) e o modernimso sistêmico, como instrumentalização da razão de Saint-Simon e Comte. Apesar das diferenças entre a forma sistêmica e crítica uma debruçada sobre a mecanização da ordem social e, a outra, na liberação do mundo da vida, ambas compartilham a crença em um mundo construído pela razão (COOPER; BURRELL, 2006). No contexto organizacional, como asseveram Alvesson e Deetz (1999), o intuito do modernismo é instrumentalizar as pessoas e a natureza mediante o conhecimento técnico- 3

4 científico para realizar estudos norteados pela previsibilidade, medidos por produtividade e resolução técnica de problemas. Além disso, é representado pela busca pela boa vida econômica e social, acumulação de riquezas para quem investe em produção, consumo (consumidores) e emancipação em relação ao mito, à autoridade e aos valores tradicionais. A Teoria Crítica e o pós-modernismo, como ressaltam Alvesson e Deetz (1999), encontraram espaço no campo dos Estudos Organizacionais devido, principalmente, à desilusão relacionada aos pressupostos modernistas. É válido informar que tais pressupostos correspondem ao principal alvo de ataque para os estudos críticos e pós-modernos. Além dos fortes ataques destinados à ideologia modernista, é importante evidenciar a mudança do panamorama global contemporâneo, sobre o qual é possível perceber o crescimento exponencial das organizações, a implementação veloz de tecnologias de comunicação e informação, a globalização, a mudança na natureza do trabalho, os conflitos de classes menos evidentes, a profissionalização das forças de trabalho, as economias em estagnação, os problemas ecológicos mundiais, a mudança da manufatura para indústria de serviços e os mercados cada vez mais competitivos e turbulentos. Ao caracterizar este novo cenário, no qual a crescente racionalização e o aumento do controle não representam mais um bom custo-benefício para os envolvidos no processo e os objetos para controle administrativo são, cada vez mais, o poder da mente e a subjetividade dos empregados, percebe-se a emergência de temas voltados para a cultura organizacional, a identidade, administração de qualidade, serviço e renovado apelo à liderança no fim dos anos de 1980 e começo da década de 1990 (ALVESSON; DEETZ, 1999). Nota-se, a partir daí, condições que proporcionam a consolidação de novas urgências e áreas de aplicação nas quais o trabalho crítico e pós-moderno encontram sólo fértil para se desenvolverem. Ambos enfoques são discutidos neste artigo. Inicialmente, apresenta-se a seguir uma síntese acerca da Teoria Crítica, com destaque para suas origens, princípios e principais características. 4 Teoria Crítica Alicerçada pelo pensamento iluminista de Kant (1988), pelo ideal reflexivo e contestador da dialética proposta por Karl Marx (1980) e pelos estudos dos pensadores da Escola de Frankfurt, a Teoria Crítica surge como alternativa ao panorama de dominação e instrumentalização da razão humana em que a sociedade contemporânea encontra-se a partir do advento da Revolução Industrial, onde a autonomia humana cede espaço ao controle e ao poder de opressão sistemática, oferecido pelo capitalismo (PAULA, 2008). Tem-se que o auge da discussão crítica sobre tal contexto ocorreu em meados do século XIX, com os estudos resultantes do esforço de pensadores europeus, como Adorno e Horkheimer (1985). Tais estudos foram cruciais para o desenvolvimento da abordagem Crítica e, consequentemente, exerceram forte influência nos Estudos Organizacionais. Contudo, antes de aprofundar o conhecimento sobre a visão de Teoria Crítica por parte destes autores, é necessário conhecer melhor as origens e o desenvolvimento do pensar crítico e como esta forma de observar os fenômenos sociais culminou na criação de uma teoria. 4.1 O Pensamento Crítico Pensar de maneira crítica, como afirmam Boje e Dennehy (2003), exige a compreensão de que a ordem vigente não necessariamente é a correta e que tal ordem pode (e deve) ser questionada, contestada e reavaliada constantemente. Observar os fenômenos de maneira crítica exige, não apenas vontade, mas uma consciência de que o caminho que será trilhado pelo pesquisador é incerto, como adverte Paula (2008). Filósofos humanistas, como Sócrates, Cícero e Michelangelo, desde tempos antigos, já observavam a influência de forças externas e de poder dominador que agiam sobre o sujeito social, controlando suas atitudes e regulando seu modo de pensar. Tais pensadores, 4

5 acreditavam que, apesar das diferentes filosofias a respeito do universo, a responsabilidade pelo tipo de mundo em que o homem vive, cabe unicamente a ele mesmo (SAID, 2007). Tal perspectiva se reflete nos trabalhos de Karl Marx acerca do que o próprio define como Materialismo Dialético. A dialética, segundo o discurso de Marx durante seu período mais jovem, bem antes da publicação de O Capital (1867), atesta, dentre outros, que o ser humano é antes de tudo um ser natural. Marx assevera que o ser humano, diferente de todos os outros seres naturais, possui uma característica que lhe é particular, a consciência, que se manifesta como saber (SILO, 1996). Figura 1: Descritivo dos paradigmas das ciências sociais Fonte: BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann, No universo das ciências sociais, como argumentam Burrel e Morgan (1979), há abordagens que explicam, de um lado, a natureza da regulação, e de outro, a mudança radical advinda do questionamento das forças opressoras que agem sobre os indivíduos. A sociologia da razão, ou da mudança radical, privilegia a emancipação do homem da estrutura, que limita seu desenvolvimento. Estes dois modelos, combinados com as dimensões subjetiva e objetiva sobre a natureza da sociedade, definem quatro distintos paradigmas científicos: funcionalista, interpretativo, humanista radical, e estruturalista radical. Transpondo a questão da emancipação do homem, discutida pelos pensadores apresentados anteriormente à luz dos estudos em ciência social e, consequentemente, organizacionais, Burrel e Morgan (1979) alocam o pensamento crítico no quadrante paradigmático do humanismo radical. Faz-se necessário, portanto, analisar com maior profundidade a relação entre o paradigma que detém o pensamento crítico e seu contraponto, o funcionalismo. 4.2 Crítica ao Funcionalismo No campo dos estudos organizacionais, como afirmam Vieira e Caldas (2006), há uma hegemonia, datada desde o final da década de 80, do paradigma funcionalista como modelo de organização dos processos que compõem as estruturas sociais atuais. No intuito de elucidar o entendimento acerca do funcionalismo enquanto paradigma controlador dos mecanismos sociais contemporâneos, Carrieri (1998 apud DIAS, 2002, p.153) assevera: Esta orientação tem raízes na corrente da regulação, e sua abordagem é objetiva, caracterizando-se pela preocupação em explicar o status quo, a ordem social, o consenso, a integração social, a solidariedade, a satisfação de necessidades e a realidade. O ponto de vista é realista, positivista, determinista e nomotético. 5

6 Fornece explicações racionais das relações sociais e é ligado com a efetiva regulação e controle dos fatos sociais. Aceitar a realidade funcionalista atual do mundo, é, para os críticos, negar a própria realidade humana, onde um oceano de oportunidades e novas descobertas se finda diante de um modelo predeterminado (PAULA, 2008). Caldas e Fachin (2005) observam a predominância de uma perspectiva objetivista e controladora nas práticas organizacionais, visto que grande parte das abordagens utilizadas hoje fazem parte do grande escopo da abordagem funcionalista, como é o caso da contingencial. É, portanto, papel das abordagens humanísticas radicais, dentre elas, a Teoria Crítica, se opor à dominação e regulação dos postulados funcionalistas presentes nas corporações atuais, como salienta Dias (2002). Neste contexto, Paula (2008), Caldas e Vieira (2006) corroboram ao aferir que o homem imerso no paradigma objetivo e funcional abdica da identificação de suas próprias potencialidades em detrimento da regulação de uma ordem maior. Tal repúdio à realidade paradigmática atual, presente entre os pensadores contemporâneos que ganha força após a década de 1980, no limiar de um novo século, possui raízes no início do século XIX, durante a revolução industrial e é marcado por nomes que compuseram a renomada Escola de Frankfurt. É válido, portanto, analisar o que pensavam alguns dos autores frankfurtianos mais influentes. 4.3 A Escola de Frankfurt e a Teoria Crítica Apresenta-se agora, algumas das principais idéias relativas à Teoria Crítica que surgiram em meados de 1940, provenientes de grandes nomes dos estudos críticos, cada qual com suas próprias idéias e trabalhos referentes à visões alternativas dos paradigmas científicos e sociais trazidos pela revolução industrial e pelo capitalismo. Vários destes pensadores não concordavam inteiramente entre sí. Contudo, todos detinham uma singular semelhança: fizeram, ou fazem parte, ainda hoje, da chamada Escola de Frankfurt. Como já apresentado anteriormente neste estudo, considera-se que o papel da Teoria Crítica é resgatar o caráter humano da razão, relativa aos ensinamentos iluministas e que foi esquecida pelos ortodoxos modernos. Tal esquecimento acarreta a substituição da razão reflexiva pelo domínio da razão instrumental, que opera de acordo com interesses do capitalismo, deixando a autonomia humana em segundo lugar. O escopo dos processos de produção funcionalistas gera uma ideologia que suprime o indivíduo (ALVESSON; DEETZ, 1998). Tal entendimento da realidade corrobora os postulados de Adorno (2002), um dos membros do Instituto de Pesquisa Social de Frankfurt e para quem os aspectos componentes da vida humana são suplantados pelo interesse dos negócios. Por meio de tal indústria, o homem, conforme Focault (2001), pensador francês que transitava entre ideologias críticas e pós-modernas, torna-se dócil, manipulado por ideologias dogmáticas e reduzido a simples consumidor. É Fromm (1980), mais um autor frankfurtiano, quem afirma que o ter toma o lugar do ser na medida em que o homem torna-se dócil e impotente em relação às formas de controle social que o circundam. Adorno e Horkheimer (1985), membros da Escola de Frankfurt, atestam em A Dialética do Esclarecimento, uma das obras mais significativas para os estudos críticos modernos, que o indivíduo encontra-se alienado dentro dessa configuração de controle social, onde até mesmo o lazer e a arte se apresentam como uma forma de dominação ideológica e comportamental criada pela indústria cultural. Para os autores, a luz da razão kantiana tornou-se artificial e controlada pelo poder do capital. Desta forma, a consciência e o poder reflexivo do sujeito, capaz de decidir sobre sua vida de maneira autônoma, torna-se dormente e prisioneira dos processos de trabalho, como argumenta Marx (2004). Por isso, aponta-se uma ansiedade perene presente no 6

7 comportamento do homem-funcional que busca aplacar tal angústia por meio do consumo, tornado o ato de comprar um padrão de vida (ADORNO, 2002). Esta força controladora trazida pelo capitalismo encontra-se presente em todos os elementos da sociedade moderna. Nas organizações, em especial nas empresariais, a situação não é diferente. Por operarem prioritariamente com base em preceitos regidos pelo capital e pela obtenção do lucro acima de tudo, nas empresas, formas de docilização similares às apontadas pelos filósofos de Frankfurt são facilmente encontradas e aplicadas de maneira hegemônica. Abordagens contingenciais e instrumentais, de ordem funcionalista, agem sobre o operário, regulando seu comportamento e assegurando a minimização de sua individualização e conscientização de agente modificador dentro da organização (PAULA, 2008). Seguindo o caminho questionador trilhado pela Teoria Crítica, que busca alcançar um patamar de mudança da organização estrutural advinda da doutrina capitalista, presente na sociedade e nas organizações da atualidade, apresenta-se, a seguir, a vertente dos pensadores pós-modernos, seus principais estudos e o reflexo destes para a teoria organizacional. 5 Pós-modernismo Pós-modernismo pode ser entendido, segundo Lyotard (1984), como o conjunto particular de eventos e condições que caracterizam o final do século XX e o início do século XXI, estudado por grupo de filósofos e cientistas sociais como uma ruptura à era moderna. O campo pós-moderno é percebido pela globalização, pelo relativismo, pelo pluralismo, pela dissipação da objetividade e da racionalidade, pela espetacularização da sociedade (mídia e imagem), pela cultura de massa, pelo indivíduo primordialmente como consumidor e pela comoditização do conhecimento (HARVEY, 2007). Apesar da conceituação acima definida, Harvey (2007, p. 47) questiona o termo e a caracterização da ideologia pós-modernista, suscitando as seguintes dúvidas: [...] representa uma ruptura radical ao modernismo ou é apenas uma revolta no interior deste último [...]? ; será o pós-modernismo um estilo [...] ou devemos vê-lo estritamente como um conceito periodizador? ; e terá ele um potencial revolucionário em virtude de sua oposição a todas as formas de metanarrativa (incluindo o marxismo, o freudismo e todas as modalidades de razão iluminista) e de sua estreita relação a outros mundos e outras vozes que há muito estavam silenciadas (negros, gays, etc)?. Giddens (1991a, 19991b) ousa definir pós-modernidade como uma modernidade tardia, enquanto Bauman (2001) prefere introduzi-la como um estágio distinto de modernidade. Desta forma, e mediante tantos diferentes pontos de vista, é interessante atentar que, segundo Fontenelle (2009, p. 4), a modernidade pode ser saudada como projeto libertário ou criticado pelo seu conservadorismo. Pode estar associada às luzes do esclarecimento e da razão ou ao horror da diferença. Ao sugerir que, para alguma teoria da modernidade haver sentido é preciso haver uma ruptura entre o moderno e o pós-moderno, Jameson (2005) ajuda a sustentar a definição de Eagleton (1998, p.7), quando este afirma que: Pós-modernidade é uma linha de pensamento que questiona as noções clássicas de verdade, razão, identidade e objetividade: a idéia de progresso ou emancipação universal, os sistemas únicos, as grandes narrativas ou os fundamentos definitivos de explicação. Contrariando essas normas do Iluminismo, vê o mundo como contingente, gratuito, diverso, instável, imprevisível, um conjunto de culturas ou interpretações desunificadas gerando um certo grau de ceticismo em relação à objetividade da verdade, da história e das normas, em relação às idiossincrasias e à coerência de identidades. De acordo com Bauman (2005), a própria modernidade já nutria uma ruptura pósmoderna. Ainda segundo ele, essa dúvida na própria modernidade, juntamente à formulação crítica de autores como Lyotard, Foucault e Derrida, culminaria um novo estágio de 7

8 existência. Contextualizadas algumas referências universais entre as vertentes modernistas e pósmodernistas, são apresentadas, em seguida, a origem e conceituação da abordagem pósmoderna, aprofundando-se na sua contribuição para a gestão e uma breve apresentação de seus principais autores. 5.1 Origem e Conceituação do Paradigma Pós-Moderno De forma genérica, o pós-modernismo, como afirmam Vieira e Caldas (2006), consiste em um movimento teórico multidisciplinar que compreende desde a filosofia à estética, envolvendo as artes, a sociologia, chegando ao campo dos estudos organizacionais. Fontenelle (2009, p.11) informa que alguns autores tiveram importância crucial na construção do conceito de pós-modernidade. De acordo com a autora, Lyotard, que em 1993 assumiu que o mundo estaria numa condição pós-moderna, deu o pontapé inicial para que autores como Foucault e Derrida, que apareceram posteriormente, pudessem protestar contra a noção de um sujeito consciente de si e idêntico a si mesmo. Além destes, a autora cita os trabalhos de Bakthin, Lacan, Cixous, Kristeva e Barthes como essenciais à formulação de um pensamento pós-moderno. A base da estrutura pós-moderna, dentro e circundante ao campo de Estudos Organizacionais, inicia-se pela oposição a teóricos sociais críticos cunhados como modernistas (como Habermas, Luhmann e Bell), em função do que afirmavam ser uma crença infundada de que a humanidade, por meio da razão e do progresso, poderia aperfeiçoar a si mesma (VIEIRA; CALDAS, 2006). Desta forma, os pós-modernistas declaram a morte ao Iluminismo, afirmando que o projeto é inteiramente problemático e proclamando a ausência de um futuro imaginável. Ademais, os autores pós-modernistas tendem a argumentar que a racionalidade é muito mais difusa do que o Iluminismo supunha, e que o conhecimento apenas pode ser entendido à luz do tempo, espaço e contexto social em que é construído por indivíduos e por seus respectivos grupos. Ao referir-se ao contexto social, é importante notificar que, de acordo com Alvesson e Deetz (1999), o homem é declarado morto e, em seu lugar, aparece o sujeito fragmentado, descentrado, com um gênero e uma classe social; narrativas da teoria e da história são substituídas por narrativas locais, disjuntas e fragmentadas, potencialmente articuladas e saturadas; além da existência de perspectivas múltiplas e uma diversificada gama de posições e estruturações. 5.2 Pós-modernismo nas Organizações Em Estudos Organizacionais, o tema passou a ser abordado no final da década de 1980 e no começo da década de Foi de 1988 a 1994 que Cooper e Burrell publicaram, em Organization Studies, uma análise de quatro trabalhos, intitulada de Modernismo, pósmodernismo e análise organizacional (WOOD JR., 1999; FONTENELLE, 2009). Segundo Cooper e Burrell (2006), o pós-modernismo apresenta uma concepção de homem e de organização bastante particulares. Do ponto de vista modernista, a organização é considerada um instrumento social e uma extensão da racionalidade humana. Já pelo viés pósmodernista, a organização é menos a expressão do pensamento planejado e da ação calculada e mais uma ação defensiva a forças intrínsecas ao corpo social que ameaçam a estabilidade da vida organizada. É de fundamental importância saber reconhecer a relevância do pensamento pósmoderno para os estudos organizacionais e, inerente a ele, suas potencialidades e limitações. Dentre os pontos fortes apontados por Vieira e Caldas (2006), está a legitimação de metodologias como a desconstrução de narrativas e análises genealógicas que se encontram, 8

9 atualmente, em processo de franca expansão; a revisão da herança de elementos fornecida pela modernidade e pelos ideais iluministas que manifestados na contemporaneidade; e, mais direcionado ao cenário brasileiro, pode-se aferir que o pós-modernismo abriu incontáveis caminhos, metodologias e questões de análise em estudos das organizações. Como principal limitação ressaltada pelos autores, encontra-se o ideal pós-modernista radical de indagar o projeto e potencialidades da crítica e da autonomia humana, pressuposto de difícil aceitação frente a um contexto global indubitavelmente conflituoso, demarcado por iniqüidades e miséria. Wood Jr. (1999, p. 269) corrobora com uma perspectiva pessimista acerca da contextualização do atual cenário do mundo de negócios que, segundo ele: [...] transformou-se em mundo das artes e do entretenimento. Tudo é business: cinema, teatro, pintura. Em contrapartida, o mundo do entretenimento também transforma o mundo dos negócios em espetáculo: os modismos gerenciais oferecem os enredos, os best-sellers de gestão oferecem os roteiros, e os gurus e gerentes simbólicos são personagens de infinitos roteiros de péssima qualidade. O mundo dos negócios constitui, hoje, a mais exuberante cena da sociedade do espetáculo. Apesar deste panorama, como enfatizado por Wood Jr. (1999), e também devido à diversidade e quantidade expressiva de seus pontos fortes e fracos, singularidades e contradições, a abordagem pós-modernista apresenta-se como solo fértil passível de múltiplas possibilidades para os pesquisadores da área. Com o intuito de revelar importantes nomes responsáveis pelo desenvolvimento da vertente pós-moderna, cabe, aqui, dedicar uma breve exposição dos principais autores da discutida área. 5.3 Autores Pós-Modernistas no Âmbito Organizacional Ao saber das definições centrais acerca do movimento pós-modernista, deve-se elucidar que este foi especialmente impulsionado ao menos em seu cenário organizacional por teóricos europeus provenientes da tradição pós-estruturalista e por críticos tradicionalmente considerados positivistas em sociologia e, também, em estudos organizacionais. Para entender a evolução do movimento, Vieira e Caldas (2006) indicam a leitura de Calás (1999), Hassard (1993), Hassard e Parker (1993) ou Chia (1995). Vieira e Caldas (2006) são enfáticos ao definir também Gibson Burrell e John Hassard, no Reino Unido, e Marta Calás e Linda Smircich, nos Estados Unidos como peçaschave na disseminação da abordagem tanto por suas perspectivas, quanto pelas metodologias de pesquisas. No Brasil, como evidenciado por Wood Jr. (1999), são escassos aqueles autores e pensadores considerados pós-modernistas dentre as abordagens de Estudos Organizacionais, embora a produção na área seja relevante e bem significativa. O que se percebe, na verdade, é uma maior facilidade em encontrar sinais de influência pós-modernista na produção brasileira, mediante o uso das teorias de seus expoentes (Foucault, Derrida, Baudrillard e Latour), do que, até uma assunção do rótulo de pós-modernista por parte destes estudiosos. Deve-se destacar aqui o prestígio adquirido por Nietzsche, validado por Cooper e Burrell (2006), por ser talvez a principal influência do pensamento pós-moderno devido ao fornecimento do suporte necessário ao entendimento dos elementos subjacentes à racionalidade pós-modernista. Além dele, Cooper e Burrell (2006) exaltam o trabalho de Jacques Derrida e, entre outros reconhecidos estudos, sua abordagem acerca da racionalidade e da racionalização. Por último e de imprescindível papel para os Estudos Organizacionais, encontra-se Foucault que, conforme afirmam Motta e Acaldipani (2003), não encontrou muitos entusiastas até meados da década de 1980, quando, no contexto da efervescência do debate entre modernistas e pós-modernistas nas ciências sociais, Gibson Burrell (1988) publicou artigo que tratava das novas possibilidades que uma abordagem foucaultiana poderia abrir para a teoria das organizações. Desta forma, o pensamento de Foucault exerce uma influência 9

10 significativa na teoria das organizações em sua vertente crítica. Motta e Acaldipani (2003) revelam ainda que o desenvolvimento da análise organizacional pós-moderna e as derivações nas discussões no Labor Process Theory fizeram com que as idéias e pensamento do mero francês desconhecido passassem a ser aceitas e largamente utilizadas por teóricos organizacionais. É interessante demonstrar, após explanações acerca de ambas vertentes relacionadas ao pensamento crítico, a aferição proferida por Alvesson e Deetz (1999, p. 258), na qual concluem que as duas abordagens são necessárias e complementares para os Estudos Organizacionais, de forma que a teoria crítica tende a tornar-se não reflexiva quanto ao elitismo cultural e às condições de poder modernas e, ainda acerca desta reflexão, sem incorporar alguma medida de pensamento de teoria crítica ou algo semelhante, que proveja direção e relevância social o pós-modernismo simplesmente se torna esotérico. Wood Jr. (1999, p. 270), um dos conhecidos autores que se dedica aos estudos críticos, revela, por fim, sua maior torcida: que tanto a Teoria Crítica como a pós-modernista representem formas de vincular vitalidade ao desenvolvimento e renovação dos Estudos Organizacionais. 6 O Desenvolvimento dos Estudos Organizacionais Críticos no Brasil Os estudos críticos em gestão surgiram nos últimos 20 anos em países europeus, buscando englobar diferentes percepções críticas nas mais diversas áreas da Administração (VIEIRA; CALDAS, 2006). Consequentemente, tais estudos não apresentam unidade ou coerência de conhecimento, devido à diversidade de suas bases epistemológicas. Dado que a gestão está emaranhada com o poder social e político, não surpreende que tenha sido sempre sujeita a alguma análise crítica. Porém, foi apenas na década de 1990 que se fez realmente alguma tentativa de unificar essa análise, ao delineá-la em conjunto sob um nome: Estudos Críticos em Gestão (ECGs) (FOURNIER; GREY, 2006, p.73). Os ECGs, ou Critical Management Studies (CMS), agora com mais de duas décadas de criação, apresentam-se, conforme Vieira e Caldas (2006)como um grupo restrito de pensadores críticos, com suas definições e parâmetros próprios das fronteiras do que define um estudo organizacional como sendo crítico. Alvesson e Willmott (1992), principais teóricos críticos que compõem o CMS, atestam que a gestão, embora muitas vezes concebida como uma função meramente técnica, agindo atrelada aos interesses dos trabalhadores e em prol do sucesso da corporação é, na verdade, uma fenômeno sociopolítico. Sobre ele, deve ser exercido um olhar constantemente crítico, visto que pelo cargo de manager transita um intenso fluxo de poder e de tensão entre a base e o topo de todas as organizações. Tal fluxo de poder, se não observado e analisado atentamente, em grande parte das vezes, tende ao lado do capital, tornando o material humano de uma empresa menos importante que a preocupação em ampliar o lucro, mesmo que tal ação implique no detrimento da liberdade do empregado. Os teóricos críticos, cientes de tais questões de injustiça para com o operário, buscam formas de identificar e contestar práticas desleais e opressoras dentro das organizações. Fournier e Grey (2006) atestam que os estudos críticos em Administração organizam-se em torno de três proposições centrais: intenções desvinculadas da performance, visão desnaturalizada da administração e reflexividade. Estas, detém grande parte das questões relativas ao controle do comportamento e a instrumentalização da razão do indivíduo organizacional. Basicamente, estes são os principais focos dos estudiosos que compõem o CMS. De certa forma, os Estudos Críticos em Gestão, pela restrição de seus objetos de análise dentro das corporações, acabam por gerar uma certa elitização dos estudos críticos em âmbito organizacional. Contudo, para Vieira e Caldas (2005), os estudos críticos desta natureza não se limitam a apenas alguns temas, tão pouco se restringem à Europa ou até mesmo ao CMS como fontes únicas de conhecimentos na área. 10

11 No Brasil, pode-se encontrar um espaço bem mais amplo sobre o tema que aqueles já delimitados pelo CMS, apresentando um ponto de vista diferente daquele mantido pela academia na Europa. Expoentes como Alberto Guerreiro Ramos (1983, 1984, 1989) e Maurício Tragtenberg (1971, 1992) apresentam críticas à ciência domesticada, galgada na pouca criatividade e reflexividade do pensamento humano contemporâneo, e ao conceito de Administração enquanto legitimação burocrática, onde o poder é atrelado a processos e ideologias de opressão e controle sobre o operário (PAULA, 2008). Tais autores iniciaram os estudos críticos em Administração no Brasil, formando escolas de pensamento nacionais e propagando os conceitos críticos a autores que surgiram posteriormente. Tanto os teóricos europeus do CMS quanto os brasileiros, apesar de algumas diferenças presentes na amplitude do alcance da análise crítica dos fenômenos, corroboram acerca da aferição de que só é possível crer na real libertação do homem quando for recuperada sua consciência e posição enquanto ser pensando na sociedade e no interior das organizações (VIEIRA; CALDAS, 2006). 6.1 Produção acadêmica nacional no campo dos estudos críticos Ao longo deste estudo, foram apresentadas as origens, o desenvolvimento e as principais características dos estudos críticos contemporâneos, tomando por base a abordagem crítica e pós-moderna. É natural que, a partir deste momento, avalie-se as influências destes conceitos na produção acadêmica nacional. Com o foco nos estudos organizacionais, serão apresentados, a seguir, dados estatísticos relativos ao que foi produzido, em termos acadêmicos, sobre temáticas organizacionais críticas, entre 1989 e Para tanto, utilizouse a consulta de fontes secundárias, como a pesquisa de Paula et al. (2010) e fontes primárias, originadas do mapeamento das expressões Teoria Crítica e pós-modernismo enquanto palavras-chave dos resumos dos anais dos Encontros Nacionais de Pós-Graduação em Administração - EnANPAD s e dos exemplares da Revista de Administração de Empresas RAE dos anos de 2005 a Dentre os artigos selecionados pelo filtro escolhido, 42 artigos foram elencados. Por meio da relação entre os resultados da pesquisa e o que já foi discutido neste documento, pode-se traçar um panorama das perspectivas acerca dos estudos críticos organizacionais nacionais. A partir dos dados coletados pela pesquisa de Paula et al. (2010), em que foram analisados 772 artigos, publicados nas cinco edições ( ) das conferências do CMS (Tabela 1); e pelo grupo de pesquisadores deste trabalho (Tabela 2), é possível observar o desenvolvimento dos conceitos críticos organizacionais ao longo dos anos. Tabela 2: Percentual de artigos críticos nos encontros do CMS Fonte: Paula et al. (2010). 11

12 Tabela 3: Quantidade total de publicações (RAE e EnANPAD) Embora os períodos de pesquisa não sejam totalmente equivalentes, é possível observar um crescimento no número de publicações de âmbito crítico no evento nas edições analisadas. Na Tabela 2, destaca-se o ano de 2008, como o de maior produção acadêmica sobre o tema, possivelmente em detrimento do fórum da CMS, realizado no mesmo ano. Apesar das críticas acerca da escassez da produção acadêmica crítica, feita por Alvesson e Deetz (1998), verificase, por meio da análise dos dados apresentados, um significativo aumento da produção acadêmica desde o seu início. Como no Brasil, e em muitos outros países, o funcionalismo opera em praticamente todas as esferas do cenário organizacional, não há ainda, conforme a pesquisa, um expressivo incremento do número de estudos organizacionais críticos. Entretanto, observa-se na tabela a seguir, relativa à incidência de citações feitas a autores críticos nos trabalhos das CMS s, uma alta frequência de referências a Guerreiro Ramos, autor crítico brasileiro. Tabela 4: Autores mais citados nos artigos críticos selecionados. Fonte: Paula et al. (2010). Com um total de 14% do número de citação feitas a autores críticos em trabalhos apresentados no CMS, Guerreiro Ramos demonstra que, apesar de ainda pouco difundidos no Brasil, os estudos críticos do país obtém destaque em âmbito internacional. A abordagem crítica advinda dos estudos de Ramos (1989) promove o resgate dos conceitos Marxistas, com destaque para as temáticas da evolução das forças de operação e o seu efeito na racionalização do indivíduo (PAULA, 2008). Percebe-se, ao comparar os dados da primeira e da terceira tabela, que, mesmo antes da difusão dos estudos gerados a partir do CMS, já havia uma tradição em trabalhos críticos por 12

13 parte da cena acadêmica local. Tal fato ocorre por conta da identificação, realizada por meio da análise dos dados, de que 6% dos artigos produzidos entre , ou seja, anteriores à expansão dos estudos da CMS, onde Alberto Guerreiro Ramos possui 18,66% de citações já naquela época. Em síntese, apesar da pouca quantidade de trabalhos críticos identificados por meio dos resultados da pesquisa, a importância dos estudos críticos organizacionais torna-se evidente, pois tais abordagens constituem trajetos singulares e essenciais para a compreensão do homem, da sociedade e das organizações que interagem com os demais termos. Ao contrário de outras teorias, a crítica procura, acima de tudo, a valorização e o bem-estar do ser humano por meio da ação e da constante reflexão dos panoramas e dos poderes que a eles pertencem. Considerações finais Espera-se que este trabalho sirva como base para produção e valorização das teorias críticas nacionais, sem que se percam os ideais que influenciaram os autores brasileiros. É notável também, no intuito de reduzir a imagem meramente teórica dos estudos críticos, o encorajamento de trabalhos empíricos, que ajam diretamente sobre as estruturas de dominação presentes na sociedade brasileira, como recomendavam Guerreiro e Tragtenberg, adeptos da militância política. Ao buscar-se o equilíbrio sugerido entre teoria e práxis, novos caminhos serão explorados e consolidados, de forma ainda mais convidativa aos novos pesquisadores que ousam aventurar-se pelo instigante e (des)conhecido campo permeado pelos estudos críticos organizacionais. Referências ADORNO, T. W. A indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro, Zahar, ALVESSON, M.; DEETZ, S. Teoria crítica e abordagens pós-modernas para estudos organizacionais. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: Reflexões e Novas Direções. vol. 1. São Paulo: Atlas, 1998, p ALVESSON, M.; WILLMOTT, H. Critical Management Studies. London: Sage, BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BAUMAN, Z. Identidade: entrevista à Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: J. Zahar Editor, BOJE, D. M; DENNEHY, R. Managing in the postmodern world: America's revolution against exploitation. Dubuque: Kendall Hunt Publishing, BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann, CALDAS, M. P.; FACHIN, R. Paradigma funcionalista: desenvolvimento de teorias e institucionalismo nos anos 1980 e Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, 2005, p CARRIERI, A. P. Pesquisa sobre estratégia: do discurso dominante à uma nova narrativa, In: Anais do XXII ENANPAD, Foz do Iguaçu, COOPER, R.; BURRELL, G. Modernismo, pós-modernismo e análise organizacional: uma introdução. Revista de Administração de Empresas. vol. 46, n. 1, 2006, jan./mar., p CLEGG, S. R.; HARDY, C. Organização e estudos organizacionais. In:. Handbook de estudos organizacionais: Reflexões e Novas Direções, v1. São Paulo: Atlas, 1999, p

14 DAVEL, E.; ALCADIPANI, R. Estudos críticos em administração: reflexões e constatações sobre produção brasileira. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2., 2002, Recife. Anais... Recife: PROPAD/UFPE, DIAS, C. C. Administração estratégica, conflito, cooperação e aprendizado. Diálogos Possíveis: Revista da Faculdade Social da Bahia, vol. 1. n.0, jul-dez. Salvador, ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, FARIA, J. H. de. Economia Política do Poder e Subjetividade. In: Gelson Silva Junquilho; Mônica de Fátima Bianco; Ricardo Roberto Behr; Susane Petinelli-Souza. (Org.). Tecnologias de Gestão: por uma abordagem multidisciplinar. 1 ed. Vitória: EDUFES, 2007, v. II, p FONTENELLE, I. A. Pós-modernidade: Trabalho e Consumo. São Paulo: Cengage Learning, FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 24a ed. Petrópolis:Vozes, FOURNIER, V.; GREY, C. Na hora da crítica: condições e perspectivas para estudos críticos de gestão. Revista de Administração de Empresas. vol. 46, n. 1, 2006, jan./mar, p FROMM, E. Ter ou Ser?. 4 ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991a.. Modernity and self-identity. Cambridge: Polity Press, 1991b. GREY, C. Critical management studies: towards a more mature politics. In: International Critical Management Studies, 4, 2005, Cambridge. HABERMAS, J. Modernidade versus pós- modernidade. Arte em Revista, nº.7, 1983, p HARVEY, D. Condição pós-moderna. 16. ed. São Paulo: Loyola, HASSAN, I. The culture of postmodernism. Theory, Culture and Society, Londres, v. 2, n. 3, 1985, p KANT, I. Ideia de uma História Universal com um Propósito Cosmopolita. In: Kant, I, A paz perpétua e outros opúsculos, Lisboa: Edições 70, LYOTARD, J. The Postmodern Condition: a report on knowledge. Minneapolis: University of Minnesota Press, MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Lisboa: Edições 70, Teorias sobre a Mais-Valia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, PAULA, A. P. Teoria crítica nas organizações. São Paulo: Thomson Learning, PAULA, A. P.; MARANHÃO, C. S.; BARRETO, R.; KLECHEN, C. F. A tradição e a autonomia dos estudos organizacionais críticos no Brasil. Revista de Administração de Empresas, p , v. 50, RAMOS, A. G. Administração e Contexto Brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, RAMOS, A. G. Modelos de homem e teoria administrativa. Revista de Administração Pública, n.18, 1984, p RAMOS, A. G. A Nova Ciência das Organizações: uma reconceitualização da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1989 SAID, E. W. Orientalismo: o Oriente como invenção do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, SILO. Humanizar a Terra. 2. ed. São Paulo: Palas Athena, TRAGTENBERG, M. Burocracia e ideologia. São Paulo: Ática, TRAGTENBERG, M. A Teoria Geral da Administração é uma Ideologia? Revista de Administração de Empresas, v.11, n.4, 1971, p

15 VIEIRA, M.; CALDAS, M. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. Revista de Administração de Empresas. vol. 46, n. 1, 2006, jan./mar, p WOOD JR., T. Nota técnica: frutas maduras em supermercado de idéias mofadas. In: CLEGG, S.; E. HARDY, C.; NORD, W. (org.). Handbook de Estudos Organizacionais: Reflexões e Novas Direções. Vol. 1. São Paulo: Atlas, 1999, p

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011 QUESTÃO 51 A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto de intenso debate entre intelectuais

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. AULA 2 Módulo 1. TÍTULO: Autores clássicos em Administração Brasileira

CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. AULA 2 Módulo 1. TÍTULO: Autores clássicos em Administração Brasileira CEDERJ - CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO BRASILEIRA CONTEUDISTA: ALESSANDRA MELLO DA COSTA AULA 2 Módulo 1 TÍTULO: Autores

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA

TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA TÍTULO: LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES DA EMPRESA COR BELLA- AURIFLAMA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Introdução à Sociologia Clássica 1

Introdução à Sociologia Clássica 1 Introdução à Sociologia Clássica 1 Eleandro Moi 2 A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes,

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO

O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Maria Angélica Batista Universidade de Mogi das Cruzes De um modo geral, as pesquisas atuais na área da formação de professores apontam

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II DATA:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios

GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios 1 GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios São Carlos, SP 05/2009 Daniel Mill UFSCar - mill@ufscar.br Nara D. Brito UFSCar - nara.diasbrito@gmail.com 2.2.1. - Categoria: Gerenciamento e Logística

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB

Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB Reflexões a respeito da disciplina Pesquisa e prática pedagógica dos cursos de licenciatura do UniCEUB 1 Breve histórico Carlos Charalambe Panagiotidis 1 Em 4 de março de 2002, o Diário Oficial da União

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR

SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR SEMINÁRIO TEMÁTICO II: RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA E TERCEIRO SETOR AULA 02: TERCEIRO SETOR (PARTE I) TÓPICO 01: EIXOS TEÓRICOS Os fundamentos da Gestão Social não se restringem a ideais históricos.

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL.

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. RICOMINI, Ingrid da Silva; GIROTTO, Cyntía Graziella Guizelim Simões.

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

10 Como ler Foucault

10 Como ler Foucault Introdução Michel Foucault (1926-84) foi um filósofo de extraordinário talento, um ativista político, teórico social, crítico cultural, historiador criativo, professor na mais prestigiosa instituição acadêmica

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.02.00.00-6 ADMINISTRAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DO GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ADONILTON ALMEIDA DE SOUZA Curso

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA: ANÁLISE DO PLANO DE ESTUDO Melo, Érica Ferreira Melo 1 SILVA, Lourdes Helena 2 RESUMO Nos CEFFAs o processo de ensino e aprendizagem se

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE

EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE INTRODUÇÃO Aflânia Dantas Diniz de Lima UFRPE aflanialima@hotmail.com Jackson Diniz Vieira UFRPE Jacksondv.sb@hotmail.com

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Este texto visa a registrar as principais diretrizes dos Sumários Executivos do Programa de Avaliação

Leia mais