BID LIST Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BID LIST 2013. Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores"

Transcrição

1 BID LIST 2013 Ayslan Verticchio Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores

2 Time Line Main changes & improvements KPI (internal) KPI (internal & external) + Quality System Evaluation + Human Skill Evaluation Rules more rigorous 2013 Quality Tools Focus and Logic Simplification Best Practices > RED range PPM & IP (-10% target) PPM & IP (over 300%) YARD HOLD (30 points) FERMO AUTO (40 points). Four RANK of Evaluation. 20 extra points. KPIs only Informate. Tools SQE separate of Supply Quality

3 BID LIST 2013 NEW

4 BID LIST 2013 NEW

5 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI QUALIDADE CLIENTE QUALIDADE FORNECIMENTO HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB AMBIENTAL OPERATION LICENSE SERVICE TECHNOLOGY FINANCIAL COST REDUCTION AMBIENTAL IMDS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH 360º RANK G G G 100 G G G 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE Jan'12 Jan'12 TOOLS Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB OPERATION LICENSE ISO TS 16949

6 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE OPERATION LICENSE ISO TS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH + 5 PTS SCORE = SCORE = SCORE + 5 PTS SCORE Jan'12 Jan'12 TOOLS Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N

7 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE OPERATION LICENSE ISO TS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH Jan'12 Jan' PTS OF SCORE TOOLS Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N

8 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE OPERATION LICENSE ISO TS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH Jan'12 Jan'12 TOOLS NEW Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N SUBTRACTED OF SCORE KPI 360º

9 BID LIST 2013 NEW

10 BID LIST 2013 NEW DRIVERS OF PERFORMANCE GQC CR% SERVICE IP/E SERVICE PA SERVICE COST REDUCTION FRF "FERMO AUTO" INTERNAL SQP (BILL V9) IMDS Roll 6M Roll 6M Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 100, % G G NO SUBTRACTED OF SCORE KPI 360º

11 BID LIST 2013 NEW

12 BID LIST 2013 NEW EXTRA POINTS ISO QUALITAS AWARDS APQP MANAGEMENT WCM LIGHT Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 G Y G G IMPLEMENTATION LEVEL WCM LIGHT: G = GREEN -ACCORDING TO THE WCM SCORECARD (+5 POINTS) Y = YELLOW -ACCORDING TO THE WCM SCORECARD (EMPTY): NO IN FASE OF IMPLEMENTATION

13 BID LIST 2013 NEW = Mensal [ ] R E S E R V E D

14 BID LIST 2013 NEW = [ ] R E S E R V E D

15

16 CONTENÇÃO AGRESSIVA Gleison Evangelista Araújo EQF Business Process

17 Contenção Agressiva REFERÊNCIAS Capitolato07171 Piano di Controllo Rinforzato Requisitos Específicos FIASA APLICAÇÃO Inicio de produção apóspausasuperiorà3meses; Mudançassignificativas no processo produtivo; Férias Coletivas; Paradas Programadas; Req. Espec. FIAT;

18 Contenção Agressiva ATIVIDADES REQUERIDAS Identificação responsável pela atividade; Duração da atividade; Enrobustecimento dos controles já previstos no Plano de Controle de Processo ; Inclusão de novos controles; Eficácia dos dispositivos de Error proofing ; PdT específico para a realização da atividade; Gestão de embalagem e identificação padronizada dos componentes controlados;

19 Contenção Agressiva FRAGILIDADES EVIDENCIADAS NA GESTÃO 2011 / 2012 Iniciotardio da aplicação da metodologia no fornecedor; Prazosinsuficientes para realização robusta de cada etapa da metodologia; Etapas da entrega do Check-List nãoconcluídas no prazo previsto; Validações não realizadas;

20 Contenção Agressiva IMPACTOS AO FORNECEDOR NA OCORRÊNCIA BLOQUEIO PÁTIO BP - 30 pts Ranking Qual. Fornecimento Bid List RED CSL 2-10 pts Bid List Compromete New Business Custos de reparação;

21 Contenção Agressiva ESTRATÉGIA PARA CONTENÇÃO AGRESSIVA 2012/2013 Iniciarantecipadamente a atividade; Reestruturação do Check-List ; Severidade naspenalizações pertinentes; Disponibilização e/ou envio dasevidências das atividades / auditoria; Verificação / validação daeficácia; OBS: Independente da estratégia de trabalho definida pelo fornecedor, o mesmo deve construir um Plano de Controle de Contenção Agressiva robusto, abrangente, visando conter os distúrbios qualitativos e de abastecimento decorrentes da reativação da produção após pausa, conforme preconizado nocapitolatofiat07171.;

22 Contenção Agressiva ROAD MAP EQF/BP (17/dez) Envio da Carta e Check-List FORNEC. Auto Avaliação + Confecção registros EQF Validação da estratégia FORNEC. Realização da Contenção Auditoria dos fornecedores críticos DEZ/12 JAN/13 FEV/13 MAR/13 EQF EQF (15/mar) Fechamento da Contenção 1ª FASE 17/dez à 06/jan 21 dias 2ª FASE 07/ à 29/jan 23 dias 3ª e 4ª FASES 30/jan à 15/mar 45 dias

23 Contenção Agressiva CHECK-LIST CHECK LIST - PROGRAMA DE CONTENÇÃO AGRESSIVA PARA FÉRIAS COLETIVAS / RECESSO FINAL DE ANO ESTRATÉGIA DE TRABALHO DO FORNECEDOR QUESTÕES STATUS 1 Manterá integralmente atividade produtiva. 2 Manterá parcialmente atividade produtiva. 3 Irá parar totalmente atividade produtiva. X 4 Realizará manutenções, inventários, ajuste em lay-out ou transferências produtivas.

24 Contenção Agressiva CHECK-LIST INFORMAÇÕES DE ENTRADA PARA DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA DE TRABALHO QUESTÕES 1 Foi levantado o histórico dos indicadores de qualidade PPM e IP/E? 2 Foi levantado o histórico dos Bloqueios de Pátio? 3 Foi levantada a lista de características chaves dos produtos? 4 Foi levantada a lista de características reports dos produtos? REALIZADO? INFORMAÇÕES em GERAL REGISTRO? INTENÇÃO ESTRATÉGICA Assegurar que todas as características a serem geridas estejam contempladas no Plano de Controle de Conteção Agressiva (OBS: anexar registros). N Status Final da Estratégia N Boleta Voz 6 emitida? N INFORMAÇÕES DE ENTRADA PARA DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA DE TRABALHO QUESTÕES 1 Foi levantado o histórico dos indicadores de qualidade PPM e IP/E? 2 Foi levantado o histórico dos Bloqueios de Pátio? 3 Foi levantada a lista de características chaves dos produtos? 4 Foi levantada a lista de características reports dos produtos? REALIZADO? INFORMAÇÕES em GERAL REGISTRO? INTENÇÃO ESTRATÉGICA Assegurar que todas as características a serem geridas estejam contempladas no Plano de Controle de Conteção Agressiva (OBS: anexar registros). N Status Final da Estratégia N Boleta Voz 6 emitida? N

25 Contenção Agressiva CHECK-LIST CRITÉRIOS / AÇÕES ESPECÍFICAS DA ATIVIDADE DE CONTENÇÃO AGRESSIVA QUESTÕES O Plano de Contenção Agressiva contém, no mínimo, a lista das características chaves 1 do produto(críticas, funcionais e REPORT) validado como EQF? 2 3 Está definido no Plano de Contenção Agressiva o aumento do número de amostras e também da frequência de controle em relação ao realizado atualmente? Está disponível posto de trabalho fora de linha dedicado à contenção e controle reforçado, com todos os meios é métodos validados com o EQF, necessários para a realização da atividade? 4 Os registros dos controles realizados foram preenchidos e estão disponíveis? 5 Foram designados colaboradores específicos para a realização das atividades previstas na"conteção Agressiva"? Os mesmos foram treinados? 6 Foi verificado a eficácia de todos os dispositivos de"error proofing"? 7 Todas as peças controladas possuem etiqueta de identificação padronizada prevista (adesivo circular verde com diâmetro em torno de 25mm)?

26 Contenção Agressiva CHECK-LIST VALIDAÇÃO EFICÁCIA VALIDAÇÃO DA EFICÁCIA STATUS Aplicado CSL 2? COMPONENTE CARACTERÍSTICA Foram identificados produtos não conforme no processo Fiat após adoção programa Conteção Agressiva para Férias Coletivas?

Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD. Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores

Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD. Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores QUALITY KPI 360º QUALITY KPI 360⁰ (100 pontos) O Quality KPI 360⁰ é o resultado final qualitativo do fornecedor, sendo a soma

Leia mais

New Layout Report Bid Lists. Mar 14 Supplier Quality Engineering

New Layout Report Bid Lists. Mar 14 Supplier Quality Engineering New Layout Report Bid Lists 2014 Mar 14 Supplier Quality Engineering BID LIST Novo layout relatório BID LIST 2014 Versão em Português 2 Novo layout relatório BID LIST 2014 Quality Bid List -Layout 2014

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

Manual BID LIST Qualidade

Manual BID LIST Qualidade Manual BID LIST Qualidade 2014 REGRAS SCORECARD Jan 14 Engenharia Qualidade Fornecedores Score Final O Relatório BID LIST é gerado com um periodicidade mensal e elaborado para cada linha de produto (commodity)

Leia mais

Manual Quality Bid list 2015

Manual Quality Bid list 2015 Manual Quality Bid list 2015 REGRAS SCORECARD FCA LATAM ENGENHARIA QUALIDADE FORNECEDORES BUSINESS PROCESS JANEIRO, 2015 Aplicação da regras As seguintes regras são aplicadas para o Bid List 2015 referentes

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Manual Quality BID LIST

Manual Quality BID LIST Manual Quality BID LIST 2014 REGRAS SCORECARD Rev1 - Mar 14 Engenharia Qualidade Fornecedores As seguintes regras são aplicadas aos fornecedores FIAT CHRYSLER LATAM para o Bid List 2014 2 Final Score O

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 07 de outubro de 2013. CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 02/12/2013, a CARTA DE

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

Manual QSB Quality Systems Basics CNHi

Manual QSB Quality Systems Basics CNHi Manual QSB Quality Systems Basics CNHi Conjunto de requisitos específicos para os fornecedores de material direto da CNHi 1ª Edição: Maio de 2015 Direitos reservados. Permitida a reprodução, citando a

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

Technical Review Documentação necessária

Technical Review Documentação necessária Technical Review Documentação necessária Para a realização do Technical Review, o fornecedor deve trazer a documentação abaixo relacionada preenchida: AQR assinado; Rasi chart (quando aplicável); Cronograma

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

SQP Supply Quality Performance

SQP Supply Quality Performance SQP Supply Quality Performance Ferramenta de Suporte para Solicitação de Serviços - Fornecedores Betim Março 2015 Index Fornecedores sem cadastro no Sistema Fornecedores já cadastrados no Sistema Ferramenta

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Marta Ferreira Sistemas de Gestão e Melhoria 21

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA Michel Epelbaum ellux consultoria 25/08/2006 Temos poucos acidentes c/ afastamento, então porque precisamos melhorar a gestão de SOS? Enquanto isto, por

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

40 o BPM Day SP -16/04/2014

40 o BPM Day SP -16/04/2014 SejamBemVindos! 40 o BPM Day SP -16/04/2014 Abrange 28 anos como Operador Logístico. Presente em 5 estados brasileiros. Atende empresas de pequeno, médio e grande porte. Abrangência nacional. Certificado

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC Código de Boas Práticas da APOL PwC Agenda Enquadramento Principais riscos/desafios dos clientes Benefícios do Outsourcing Continnunm da criação de valor Código de Boas Práticas Enquadramento Definição

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

business case financial services seguros

business case financial services seguros business case financial services seguros Empresa Instituição Seguradora Enquadramento O setor segurador em Portugal enfrenta, atualmente, importantes desafios. Estes, colocam estas empresas numa posição

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade Total, do inglês Total Quality Management - TQM é uma estratégia de administração completa que tem como objetivo

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Metodologia de Priorização Gestão de Ações no Combate às Perdas Reais de Água Setembro/2010 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

SISTEMA DE INTELIGÊNCIA COMERCIAL

SISTEMA DE INTELIGÊNCIA COMERCIAL SISTEMA DE INTELIGÊNCIA COMERCIAL Obras Online CRM Versão Premium A informação é a moeda de ouro em pó da nossa geração. O segredo está em transformar esse pó em ouro. O up grade que faltava para ajudá-lo

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr

VAGAS. Ger Supply Chain. Coord Adm Vendas / Gerente Jr VAGAS Ger Supply Chain Coord Adm Vendas / Gerente Jr Superior Completo e MBA em Logística Experiência na posição de 5 anos mínimo Reporte: Diretor Industrial Inglês Fluente e desejável espanhol Reportando-se

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002

CRE - Sistema de Controle de Requisitos Específicos. Requisitos Específicos Dos Processos. Data 27/5/2010 13:20:15 Página 1 de 20 Relatório frmrel002 s Específicos Dos Processos CRE - Sistema de Controle de s Específicos Página 1 de 20 ADM - ADMINISTRAÇÃO 4.2.4 CONTROLE DE REGISTROS DA 5 RESPONSABILIDADES DA DIRECAO 5.1 COMPROMETIMENTO DA DIRECAO PGI

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

CRM: Gerência de Relacionamento de Clientes

CRM: Gerência de Relacionamento de Clientes CRM: Gerência de Relacionamento de Clientes ACADÊMICOS: ARTHUR HENRIQUE BARATTO CINTHIA GRACIELA JOHANN PROFESSOR:JOSE EDEMAR PALUBIACK MARINHO DISCIPLINA: SISTEMA DE INFORMAÇÃO ENG 371 CRM: Gerência de

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 S u m á r i o INTRODUÇÃO XIX PARTE I - DEFINIÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS E SUA GESTÃO Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 1.1 Sua fundamentação teórica: a teoria

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 1 Whoi am RESUME OF THE PRESENTER Coordenador de processos de Certificação na APCER Auditor ISO 9001 / ISO 27001 / ISO 20000 / SA 8000 Assessor Qweb e IQNET 9004

Leia mais

Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo

Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo Novo estudo da Roland Berger São Paulo, março de 2015 O mercado de reposição oferece grande potencial, mas empresários do setor precisam de suporte

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 11 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

Artigo: Lista de verificação dos documentos obrigatórios da ISO 22301

Artigo: Lista de verificação dos documentos obrigatórios da ISO 22301 Artigo: Lista de verificação dos documentos obrigatórios da ISO 22301 ARTIGO 6 de agosto de 2014 Copyright 2014 27001Academy. Todos direitos reservados. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO A lista abaixo mostra o conjunto

Leia mais

We make things move. Acesse: fastalways.com.br. We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur

We make things move. Acesse: fastalways.com.br. We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur We make things move We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur Acesse: fastalways.com.br www.yoursite.com 2 21. 2716.6601 www.fastalways.com.br Quem

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Management criteria and tools for inoperative iron mines

Management criteria and tools for inoperative iron mines Management criteria and tools for inoperative iron mines Simone Picarelli, Vale S/A, Brazil Alessandro Resende, Vale S/A, Brazil Filipe Silveira, Vale S/A, Brazil Germano Araújo, Vale S/A, Brazil Gersonito

Leia mais

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ

MQ-06-TM. Estrutura e Âmbito do SGQ Objetivo e Âmbito da Atividade O Manual da Qualidade define os princípios e os meios adotados para assegurar a qualidade adequada aos serviços fornecidos pelo Programa de Telemedicina da ARSA. O âmbito

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

Suporte Remoto / Sustentação

Suporte Remoto / Sustentação Suporte Remoto / Sustentação 1 Suporte Remoto / Sustentação A IntegrationSys é uma empresa especializada na prestação de serviços de suporte remoto / sustentação Nivel I. II e III. Soluções eficazes e

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Compliance Performance Management (Gerenciamento da Performance da Conformidade)

Compliance Performance Management (Gerenciamento da Performance da Conformidade) Compliance Performance Management (Gerenciamento da Performance da Conformidade) //2 ISO 9:2 (Baseado no Manual da da empresa) Visão inicial: Indicadores do SGQ com detalhamento dos gráficos anuais dos

Leia mais

INOVAÇÃO A Era da Mobilidade. Março/2013 A Era da Mobilidade Responsável E. Pugliesi / O. Santos

INOVAÇÃO A Era da Mobilidade. Março/2013 A Era da Mobilidade Responsável E. Pugliesi / O. Santos INOVAÇÃO A Era da Mobilidade Março/2013 A Era da Mobilidade Responsável E. Pugliesi / O. Santos Sociedade de Tratores e Equipamentos S/A - Sotreq Segmento de atuação: O Grupo, que possui capital 100% nacional,

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva Apresentação Aliança Consultoria José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva SOBRE A ALIANÇA Empresa fundada em 1993, através de uma parceria com a Fundação Christiano Otoni da Universidade

Leia mais

DNIT. Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento NORMA DNIT 013/2004 - PRO. 2 Referências normativas... 2.

DNIT. Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento NORMA DNIT 013/2004 - PRO. 2 Referências normativas... 2. DNIT NORMA DNIT 013/2004 - PRO Requisitos para a qualidade na execução de obras rodoviárias - Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES Autor: Diretoria

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Luciana de Souza Martins Ferreira Celso Yamamoto reluferreira@ig.com.br celsoyamamoto@uol.com.br Resumo. Este artigo tem como objetivo avaliar os resultados

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION Relatório 2014 Novo Olhar para o Futuro DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Fibria Celulose

Leia mais

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006 Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Agenda Elementos centrais da Seg. da Informação O Par ABNT:ISO 27001 e ABNT:ISO 17799 Visão

Leia mais