BID LIST Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BID LIST 2013. Ayslan Verticchio. Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores"

Transcrição

1 BID LIST 2013 Ayslan Verticchio Business Process Engenharia Qualidade Fornecedores

2 Time Line Main changes & improvements KPI (internal) KPI (internal & external) + Quality System Evaluation + Human Skill Evaluation Rules more rigorous 2013 Quality Tools Focus and Logic Simplification Best Practices > RED range PPM & IP (-10% target) PPM & IP (over 300%) YARD HOLD (30 points) FERMO AUTO (40 points). Four RANK of Evaluation. 20 extra points. KPIs only Informate. Tools SQE separate of Supply Quality

3 BID LIST 2013 NEW

4 BID LIST 2013 NEW

5 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI QUALIDADE CLIENTE QUALIDADE FORNECIMENTO HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB AMBIENTAL OPERATION LICENSE SERVICE TECHNOLOGY FINANCIAL COST REDUCTION AMBIENTAL IMDS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH 360º RANK G G G 100 G G G 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE Jan'12 Jan'12 TOOLS Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB OPERATION LICENSE ISO TS 16949

6 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE OPERATION LICENSE ISO TS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH + 5 PTS SCORE = SCORE = SCORE + 5 PTS SCORE Jan'12 Jan'12 TOOLS Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N

7 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE OPERATION LICENSE ISO TS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH Jan'12 Jan' PTS OF SCORE TOOLS Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N

8 BID LIST 2013 NEW 360º RANK QUALITY KPI CUSTOMER QUALITY SUPPLY QUALITY HUMAN SKILL QUALITY SYSTEM BASICS - QSB 6M 6M Jan'12 Jan' LEGISLATIVE/ NORMATIVE OPERATION LICENSE ISO TS Controlled Shipping Level I Controlled Shipping Level II Controlled Shipping Level III Boleta Voz 6 NBH Jan'12 Jan'12 TOOLS NEW Open Open Open Roll 6M Open Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan' N SUBTRACTED OF SCORE KPI 360º

9 BID LIST 2013 NEW

10 BID LIST 2013 NEW DRIVERS OF PERFORMANCE GQC CR% SERVICE IP/E SERVICE PA SERVICE COST REDUCTION FRF "FERMO AUTO" INTERNAL SQP (BILL V9) IMDS Roll 6M Roll 6M Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 100, % G G NO SUBTRACTED OF SCORE KPI 360º

11 BID LIST 2013 NEW

12 BID LIST 2013 NEW EXTRA POINTS ISO QUALITAS AWARDS APQP MANAGEMENT WCM LIGHT Jan'12 Jan'12 Jan'12 Jan'12 G Y G G IMPLEMENTATION LEVEL WCM LIGHT: G = GREEN -ACCORDING TO THE WCM SCORECARD (+5 POINTS) Y = YELLOW -ACCORDING TO THE WCM SCORECARD (EMPTY): NO IN FASE OF IMPLEMENTATION

13 BID LIST 2013 NEW = Mensal [ ] R E S E R V E D

14 BID LIST 2013 NEW = [ ] R E S E R V E D

15

16 CONTENÇÃO AGRESSIVA Gleison Evangelista Araújo EQF Business Process

17 Contenção Agressiva REFERÊNCIAS Capitolato07171 Piano di Controllo Rinforzato Requisitos Específicos FIASA APLICAÇÃO Inicio de produção apóspausasuperiorà3meses; Mudançassignificativas no processo produtivo; Férias Coletivas; Paradas Programadas; Req. Espec. FIAT;

18 Contenção Agressiva ATIVIDADES REQUERIDAS Identificação responsável pela atividade; Duração da atividade; Enrobustecimento dos controles já previstos no Plano de Controle de Processo ; Inclusão de novos controles; Eficácia dos dispositivos de Error proofing ; PdT específico para a realização da atividade; Gestão de embalagem e identificação padronizada dos componentes controlados;

19 Contenção Agressiva FRAGILIDADES EVIDENCIADAS NA GESTÃO 2011 / 2012 Iniciotardio da aplicação da metodologia no fornecedor; Prazosinsuficientes para realização robusta de cada etapa da metodologia; Etapas da entrega do Check-List nãoconcluídas no prazo previsto; Validações não realizadas;

20 Contenção Agressiva IMPACTOS AO FORNECEDOR NA OCORRÊNCIA BLOQUEIO PÁTIO BP - 30 pts Ranking Qual. Fornecimento Bid List RED CSL 2-10 pts Bid List Compromete New Business Custos de reparação;

21 Contenção Agressiva ESTRATÉGIA PARA CONTENÇÃO AGRESSIVA 2012/2013 Iniciarantecipadamente a atividade; Reestruturação do Check-List ; Severidade naspenalizações pertinentes; Disponibilização e/ou envio dasevidências das atividades / auditoria; Verificação / validação daeficácia; OBS: Independente da estratégia de trabalho definida pelo fornecedor, o mesmo deve construir um Plano de Controle de Contenção Agressiva robusto, abrangente, visando conter os distúrbios qualitativos e de abastecimento decorrentes da reativação da produção após pausa, conforme preconizado nocapitolatofiat07171.;

22 Contenção Agressiva ROAD MAP EQF/BP (17/dez) Envio da Carta e Check-List FORNEC. Auto Avaliação + Confecção registros EQF Validação da estratégia FORNEC. Realização da Contenção Auditoria dos fornecedores críticos DEZ/12 JAN/13 FEV/13 MAR/13 EQF EQF (15/mar) Fechamento da Contenção 1ª FASE 17/dez à 06/jan 21 dias 2ª FASE 07/ à 29/jan 23 dias 3ª e 4ª FASES 30/jan à 15/mar 45 dias

23 Contenção Agressiva CHECK-LIST CHECK LIST - PROGRAMA DE CONTENÇÃO AGRESSIVA PARA FÉRIAS COLETIVAS / RECESSO FINAL DE ANO ESTRATÉGIA DE TRABALHO DO FORNECEDOR QUESTÕES STATUS 1 Manterá integralmente atividade produtiva. 2 Manterá parcialmente atividade produtiva. 3 Irá parar totalmente atividade produtiva. X 4 Realizará manutenções, inventários, ajuste em lay-out ou transferências produtivas.

24 Contenção Agressiva CHECK-LIST INFORMAÇÕES DE ENTRADA PARA DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA DE TRABALHO QUESTÕES 1 Foi levantado o histórico dos indicadores de qualidade PPM e IP/E? 2 Foi levantado o histórico dos Bloqueios de Pátio? 3 Foi levantada a lista de características chaves dos produtos? 4 Foi levantada a lista de características reports dos produtos? REALIZADO? INFORMAÇÕES em GERAL REGISTRO? INTENÇÃO ESTRATÉGICA Assegurar que todas as características a serem geridas estejam contempladas no Plano de Controle de Conteção Agressiva (OBS: anexar registros). N Status Final da Estratégia N Boleta Voz 6 emitida? N INFORMAÇÕES DE ENTRADA PARA DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA DE TRABALHO QUESTÕES 1 Foi levantado o histórico dos indicadores de qualidade PPM e IP/E? 2 Foi levantado o histórico dos Bloqueios de Pátio? 3 Foi levantada a lista de características chaves dos produtos? 4 Foi levantada a lista de características reports dos produtos? REALIZADO? INFORMAÇÕES em GERAL REGISTRO? INTENÇÃO ESTRATÉGICA Assegurar que todas as características a serem geridas estejam contempladas no Plano de Controle de Conteção Agressiva (OBS: anexar registros). N Status Final da Estratégia N Boleta Voz 6 emitida? N

25 Contenção Agressiva CHECK-LIST CRITÉRIOS / AÇÕES ESPECÍFICAS DA ATIVIDADE DE CONTENÇÃO AGRESSIVA QUESTÕES O Plano de Contenção Agressiva contém, no mínimo, a lista das características chaves 1 do produto(críticas, funcionais e REPORT) validado como EQF? 2 3 Está definido no Plano de Contenção Agressiva o aumento do número de amostras e também da frequência de controle em relação ao realizado atualmente? Está disponível posto de trabalho fora de linha dedicado à contenção e controle reforçado, com todos os meios é métodos validados com o EQF, necessários para a realização da atividade? 4 Os registros dos controles realizados foram preenchidos e estão disponíveis? 5 Foram designados colaboradores específicos para a realização das atividades previstas na"conteção Agressiva"? Os mesmos foram treinados? 6 Foi verificado a eficácia de todos os dispositivos de"error proofing"? 7 Todas as peças controladas possuem etiqueta de identificação padronizada prevista (adesivo circular verde com diâmetro em torno de 25mm)?

26 Contenção Agressiva CHECK-LIST VALIDAÇÃO EFICÁCIA VALIDAÇÃO DA EFICÁCIA STATUS Aplicado CSL 2? COMPONENTE CARACTERÍSTICA Foram identificados produtos não conforme no processo Fiat após adoção programa Conteção Agressiva para Férias Coletivas?

Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD. Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores

Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD. Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores Manual BID LIST 2013 REGRAS SCORECARD Jan 13 Engenharia Qualidade Fornecedores QUALITY KPI 360º QUALITY KPI 360⁰ (100 pontos) O Quality KPI 360⁰ é o resultado final qualitativo do fornecedor, sendo a soma

Leia mais

New Layout Report Bid Lists. Mar 14 Supplier Quality Engineering

New Layout Report Bid Lists. Mar 14 Supplier Quality Engineering New Layout Report Bid Lists 2014 Mar 14 Supplier Quality Engineering BID LIST Novo layout relatório BID LIST 2014 Versão em Português 2 Novo layout relatório BID LIST 2014 Quality Bid List -Layout 2014

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Manual Quality Bid list 2015

Manual Quality Bid list 2015 Manual Quality Bid list 2015 REGRAS SCORECARD FCA LATAM ENGENHARIA QUALIDADE FORNECEDORES BUSINESS PROCESS JANEIRO, 2015 Aplicação da regras As seguintes regras são aplicadas para o Bid List 2015 referentes

Leia mais

SQP Supply Quality Performance

SQP Supply Quality Performance SQP Supply Quality Performance Ferramenta de Suporte para Solicitação de Serviços - Fornecedores Betim Março 2015 Index Fornecedores sem cadastro no Sistema Fornecedores já cadastrados no Sistema Ferramenta

Leia mais

Manual QSB Quality Systems Basics CNHi

Manual QSB Quality Systems Basics CNHi Manual QSB Quality Systems Basics CNHi Conjunto de requisitos específicos para os fornecedores de material direto da CNHi 1ª Edição: Maio de 2015 Direitos reservados. Permitida a reprodução, citando a

Leia mais

Technical Review Documentação necessária

Technical Review Documentação necessária Technical Review Documentação necessária Para a realização do Technical Review, o fornecedor deve trazer a documentação abaixo relacionada preenchida: AQR assinado; Rasi chart (quando aplicável); Cronograma

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria

INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA. Michel Epelbaum ellux consultoria INDICADORES DE DESEMPENHO E A MELHORIA CONTÍNUA Michel Epelbaum ellux consultoria 25/08/2006 Temos poucos acidentes c/ afastamento, então porque precisamos melhorar a gestão de SOS? Enquanto isto, por

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

40 o BPM Day SP -16/04/2014

40 o BPM Day SP -16/04/2014 SejamBemVindos! 40 o BPM Day SP -16/04/2014 Abrange 28 anos como Operador Logístico. Presente em 5 estados brasileiros. Atende empresas de pequeno, médio e grande porte. Abrangência nacional. Certificado

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Requisitos Específicos para ISO TS 16949

Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Requisitos Específicos para ISO TS 16949 Revisão 01 MWM INTERNATIONAL Motores 1 Requisitos Específicos da MWM INTERNATIONAL Motores Para uso em conjunto com a norma ISO/TS 16949 1. ESCOPO Este documento

Leia mais

BPM (Business Process Management)

BPM (Business Process Management) Instituto Superior de Economia e Gestão Ano lectivo 2007/2008 Cadeira de Tecnologias de Informação BPM (Business Process Management) Planeamento e Controlo de Gestão Baseados nos Processos de Negócio José

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE GESTÃO AUTOMOTIVA SEMINÁRIO APQP / PPAP Propiciar aos participantes uma visão crítica do APQP e do PPAP, seus benefícios

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril

Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo. HR BPO Desafios nos próximos anos. 14 de Março 2012 Centro Congressos do Estoril Nuno Fernandes Mara Ferreira & João Grilo HR BPO Desafios nos próximos anos Agenda Enquadramento Serviços HR BPO Selecção de parceiros Implementação e operação do HR BPO Exemplo prático Meta4 Agenda Enquadramento

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL

INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL INTRODUÇÃO ÀS BOAS PRÁTICAS DE ENGENHARIA APLICADAS À GESTÃO DOS SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA: UMA ABORDAGEM DE SIL Ana Cristina Costa Almeida Risk and Reliability Senior Consultant DNV Energy

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Gap Analysis ITIL ISO 20.000 Gerenciamento de Serviços de TI Integrado com Negócio Avalie seus processos de TI ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Gap Analysis ITIL ISO 20.000: Benefícios;

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

Management criteria and tools for inoperative iron mines

Management criteria and tools for inoperative iron mines Management criteria and tools for inoperative iron mines Simone Picarelli, Vale S/A, Brazil Alessandro Resende, Vale S/A, Brazil Filipe Silveira, Vale S/A, Brazil Germano Araújo, Vale S/A, Brazil Gersonito

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Marta Ferreira Sistemas de Gestão e Melhoria 21

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000

Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 Comparação das normas ISO 9001 e ISO 20000 1 Whoi am RESUME OF THE PRESENTER Coordenador de processos de Certificação na APCER Auditor ISO 9001 / ISO 27001 / ISO 20000 / SA 8000 Assessor Qweb e IQNET 9004

Leia mais

Otimização. Processos I

Otimização. Processos I Saiba Como o Six Sigma Convive com Outras Metodologias de Gestão e Como Otimização Alinhadas Podem Promover de a Otimização de Processos e Resultados Expressivos Processos I Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br

Leia mais

Air-/water channel. Supply plug. Suction channel

Air-/water channel. Supply plug. Suction channel Air-/water channel Suction channel Operation part Biopsy channel Distal end Exit to insertion tube Water-/ disinfectant supply Supply plug Channel for rinse of lens Additional channel for rinse of biopsy

Leia mais

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Implantação do Quality System Basics (QSB) GM / Fiat

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Implantação do Quality System Basics (QSB) GM / Fiat Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Implantação do Quality System Basics (QSB) GM / Fiat

Leia mais

Auditoria para Certificação de Software Baseado nas normas ISO 25000

Auditoria para Certificação de Software Baseado nas normas ISO 25000 SQS the world s leading specialist in software quality sqs.com Please copy a slide with a suitable picture from the file Title Slides_EN.pptx (change to presentation mode to download) and paste it here.

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Entidade Organizadora Ricardo Mansur São Paulo, Junho de 2007

Entidade Organizadora Ricardo Mansur São Paulo, Junho de 2007 Entidade Organizadora Ricardo Mansur São Paulo, Junho de 2007 Uma abordagem integrada entre Six Sigma e PMBOK Ricardo Mansur O Ricardo Mansur é formado nas principais e mais importantes universidades brasileiras

Leia mais

Certificação de Software Baseado nas normas ISO 25000

Certificação de Software Baseado nas normas ISO 25000 SQS the world s leading specialist in software quality sqs.com Please copy a slide with a suitable picture from the file Title Slides_EN.pptx (change to presentation mode to download) and paste it here.

Leia mais

www.pwc.com/pt Disclosure management Breakfast seminar 17 de Janeiro de 2011

www.pwc.com/pt Disclosure management Breakfast seminar 17 de Janeiro de 2011 www.pwc.com/pt Disclosure management Breakfast seminar 17 de Janeiro de 2011 Agenda 08:45 Registo de participantes 09:00 Introdução 09:10 A divulgação e produção de declarações financeiras na perspectiva

Leia mais

BENEFÍCIOS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ATIVOS

BENEFÍCIOS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ATIVOS BENEFÍCIOS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE ATIVOS Benefícios Econômicos com os Protocolos Digitais 50% das atividades de manutenção das indústrias são ações corretivas 12% dos custos

Leia mais

Suporte Remoto / Sustentação

Suporte Remoto / Sustentação Suporte Remoto / Sustentação 1 Suporte Remoto / Sustentação A IntegrationSys é uma empresa especializada na prestação de serviços de suporte remoto / sustentação Nivel I. II e III. Soluções eficazes e

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Outubro 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Leia mais

A implantação do CMM em um

A implantação do CMM em um A implantação do CMM em um ambiente de P&D EPQS - Campinas, 16/Setembro2004 Ana Pavan Lúcia Gastal 2004 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Tópicos a serem abordados Parte I : A organização HP P&D

Leia mais

Performance Measurement Dashboard. António Almeida INESC Porto. VFF project. Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework

Performance Measurement Dashboard. António Almeida INESC Porto. VFF project. Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework Performance Measurement Dashboard António Almeida INESC Porto VFF project Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework Agenda 1. Motivações e Desafios 2. Projeto Virtual Factory

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Gestão da Qualidade TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Interpretação / Implantação da ISO 9001:2008 Compreender a filosofia

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Guia do Módulo Automação em Coleta de Dados - SIGAACD

Guia do Módulo Automação em Coleta de Dados - SIGAACD Guia do Módulo Automação em Coleta de Dados - SIGAACD Junho/2015 Sumário Título do documento 1. Introdução... 3 2. Configurações iniciais... 3 3. Como gerar etiquetas de identificação interna?... 4 4.

Leia mais

A certificação CS&OP-P

A certificação CS&OP-P A certificação CS&OP-P Em mercados competitivos o profissional que dominar o processo de S&OP possuirá grande diferencial estratégico e vantagem competitiva no ambiente de negócios. Neste cenário onde

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

Sourcing Travel Management Services. Patrocinado por

Sourcing Travel Management Services. Patrocinado por Sourcing Travel Management Services Patrocinado por February 2009 Components Moderator: Ricardo Mandarino Santander, Brasil Panelists: Robert Suquet DuPont, América Latina Paulo Lima TSA, Brasil Federico

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

Best Practices in Managing Customs Compliance. Ana Luísa Poiani GE Customs COE Brasil

Best Practices in Managing Customs Compliance. Ana Luísa Poiani GE Customs COE Brasil Best Practices in Managing Customs Compliance Ana Luísa Poiani GE Customs COE Brasil Melhores Práticas Monitoramento de Risco CSAT auto avaliação IdentificarRiscose Possibilidadesde Melhorias Processos

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

We make things move. Acesse: fastalways.com.br. We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur

We make things move. Acesse: fastalways.com.br. We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur We make things move We make things move Officid ullupta ctota poreper oremqui conse Minum Peris ius enitio voluptatur Acesse: fastalways.com.br www.yoursite.com 2 21. 2716.6601 www.fastalways.com.br Quem

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior European Foundation for Quality Management na Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 1 ÍNDICE 1. A Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Leia mais

INOVAÇÃO A Era da Mobilidade. Março/2013 A Era da Mobilidade Responsável E. Pugliesi / O. Santos

INOVAÇÃO A Era da Mobilidade. Março/2013 A Era da Mobilidade Responsável E. Pugliesi / O. Santos INOVAÇÃO A Era da Mobilidade Março/2013 A Era da Mobilidade Responsável E. Pugliesi / O. Santos Sociedade de Tratores e Equipamentos S/A - Sotreq Segmento de atuação: O Grupo, que possui capital 100% nacional,

Leia mais

Logistics / Supply Chain

Logistics / Supply Chain Deixar descongelar o produto durante cerca de 60minutos Colocar o creme no saco de pasteleiro Efectuar um corte inclinado até meio da bola, na sua parte superior (logo a seguir á emenda) Cortar o bico

Leia mais

7/10/2008. Gestão Do Negócio. Auditoria do. Negócio. Gestão Do. Negócio. risk management is good management: Make the unknow known if Relevant

7/10/2008. Gestão Do Negócio. Auditoria do. Negócio. Gestão Do. Negócio. risk management is good management: Make the unknow known if Relevant 5º Passo: Reinvenção do Papel da Auditoria: Visão Prática Foco da Gestão de Riscos Gestão Do Negócio Auditoria do Negócio Gestão Do Negócio risk management is good management: Make the unknow known if

Leia mais

FLAVIO RENATO DA COSTA ABAID MÉDICO VETERINÁRIO

FLAVIO RENATO DA COSTA ABAID MÉDICO VETERINÁRIO FLAVIO RENATO DA COSTA ABAID MÉDICO VETERINÁRIO GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR CONSUMIDOR FERRAMENTA DE CONTROLE DO PROCESSO GOVERNO COMPROMISSO CONSCIÊNCIA CONHECIMENTO HACCP MEDIDAS GERAIS HIGIENE INDUSTRIAL

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Certificado de Profissional em Gerenciamento de Serviços: Liberação & Controle (baseado em ITIL )

Certificado de Profissional em Gerenciamento de Serviços: Liberação & Controle (baseado em ITIL ) Requisitos do Exame Certificado de Profissional em Gerenciamento de Serviços: Liberação & Controle (baseado em ITIL ) Data da Publicação 21-8-2007 Data de Início 1-12-2004 Grupo Alvo O Exame para o Profissional

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio

Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio Sales and Operations Planning S&OP, Integrated Business Planning - IBP, Planejamento Integrado do Negócio Novembro de 2009 STEFANO JR, Wilson Principal - Oliver Wight Together We Make a Difference wstefano@oliverwight.com

Leia mais

Apresentação da Empresa e seus Serviços.

Apresentação da Empresa e seus Serviços. Apresentação da Empresa e seus Serviços. 1 Conteúdo do Documento Sobre a MSCTI... 3 Portfólio de Serviços... 4 O que a consultoria MSCTI faz?... 5 Outros Serviços e Soluções... 6 Certificações... 7 Clientes

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007

MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007 MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 1º TRIMESTRE Financial Reporting e Normas Internacionais - Harmonização contabilística internacional - Estrutura

Leia mais

Café da Manhã Corporativo

Café da Manhã Corporativo Café da Manhã Corporativo O ITIL como ferramenta de Governança de TI Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Especialista Newtrend em Governança de TI, é um profissional

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC Código de Boas Práticas da APOL PwC Agenda Enquadramento Principais riscos/desafios dos clientes Benefícios do Outsourcing Continnunm da criação de valor Código de Boas Práticas Enquadramento Definição

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Rumos Consultor ITSM desde 2006 ITIL v2/v3 ISO 20000 ISO / IEC 27001/2 Certificação ITIL Foundation Certificação ITIL Expert Certificação Cisco CCNA 6 Anos de Experiencia

Leia mais

Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM

Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM SAP FORUM BRASIL GRUPO ARG Daniel Brito Faria Maciel daniel.maciel@grupoarg.com Antônio de Pádua Pereira antonio.pereira@grupoarg.com

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais