A seleção das unidades alvo de inspeções ordinárias obedecerá, prioritariamente, aos seguintes critérios:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A seleção das unidades alvo de inspeções ordinárias obedecerá, prioritariamente, aos seguintes critérios:"

Transcrição

1 DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO PLANO DA IGAMAOT PARA O ANO DE 2014 (RESPEITANTE ÀS ATIVIDADES DA EM CIA), CONFORME O DISPOSTO NA RECOMENDAÇÃO N.º 2001/331/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 4 DE ABRIL DE 2001, RELATIVA AOS CRITÉRIOS MÍNIMOS APLICÁVEIS ÀS INSPEÇÕES AMBIENTAIS NOS ESTADOS-MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA Em termos das atividades com incidência ambiental, as inspeções ordinárias compreendem as efetuadas aos setores de atividade económica definidos no Despacho da IGAMAOT nº10/2012, de 1 de setembro, podendo envolver todas as vertentes ambientais ou apenas algumas, designadamente as mais relevantes face ao historial já existente de determinadas unidades. Estão, portanto, englobadas neste tipo, as inspeções completas ou integradas, as inspeções a instalações SEVESO, as inspeções de acompanhamento e ainda as inspeções realizadas no âmbito de campanhas específicas, designadamente ao nível do Controlo de Movimentos Nacionais ou Transfronteiriços de Resíduos, por via terrestre e marítima. No âmbito da sua atividade, a IGAMAOT assegura igualmente a realização de ações de inspeção extraordinárias, em resposta a reclamações, queixas ou denúncias relacionadas com o ambiente, pedidos institucionais, inspeções para verificação do cumprimento de mandados, inspeções na sequência de incidentes/acidentes, inspeções na sequência de inquéritos delegados pelo Ministério Público, bem como, ainda, inspeções, inquéritos, auditorias e processos de naturezas várias, todos determinados pela tutela. Para o ano de 2014 propõe-se a realização de 500 ações de inspeção. A seleção das unidades alvo de inspeções ordinárias obedecerá, prioritariamente, aos seguintes critérios: a) Unidades abrangidas pelo âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 127/2013, de 30 de agosto, que estabelece o regime de emissões industriais aplicável à prevenção e ao controlo integrados da poluição (PCIP), transpondo para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 2010/75/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de novembro de No caso destas unidades, a seleção é efetuada com base nos resultados obtidos a partir da base de dados de risco Modelo de Análise para a Gestão do Risco RISK ; Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

2 b) Unidades abrangidas pelo âmbito de aplicação do Decreto-Lei nº 151-B/2013, de 31 de outubro, relativo ao regime jurídico da avaliação de impacte ambiental (AIA) dos projetos públicos e privados suscetíveis de produzirem efeitos significativos no ambiente, transpondo para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 2011/92/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de dezembro de 2011, relativa à avaliação dos efeitos de determinados projetos públicos e privados no ambiente; c) Unidades abrangidas pelo âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 254/2007, de 12 de julho, que estabelece o regime de prevenção de acidentes graves que envolvam substâncias perigosas e de limitação das suas consequências para o homem e o ambiente, transpondo para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 2003/105/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro, que altera a Diretiva n.º 96/82/CE, do Conselho, de 9 de dezembro, relativa ao controlo dos perigos associados a acidentes graves que envolvam substâncias perigosas (SEVESO); d) Unidades abrangidas pelo âmbito de aplicação do Decreto-Lei n.º 293/2009, de 13 de outubro, que assegura a execução na ordem jurídica interna das obrigações decorrentes do Regulamento (CE) n.º 1907/2006, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de dezembro, relativo ao registo, avaliação, autorização e restrição dos produtos químicos (REACH) e que cria a Agência Europeia dos Produtos Químicos. No caso destas unidades, e sempre que aplicável, a seleção é preferencialmente efetuada com base nos resultados obtidos a partir da base de dados existente para o REACH; e) Operações de gestão de resíduos, nomeadamente as previstas no Decreto-Lei n.º 183/2009, de 10 de agosto, o qual transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 1999/31/CE, do Conselho, de 26 de Abril (relativa à deposição de resíduos em aterros) e no Decreto-Lei n.º 3/2004, de 3 de janeiro, o qual consagra o regime jurídico do licenciamento da instalação e da exploração dos centros integrados de recuperação, valorização e eliminação de resíduos perigosos; f) Unidades abrangidas pelo capítulo IV do Decreto-Lei n.º 127/2013, de 30 de agosto, o qual se aplica a todas as instalações de incineração ou coincineração de resíduos que incineram ou coincineram resíduos sólidos ou líquidos; g) Unidades abrangidas pelo Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de setembro com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 73/2011, de 17 de Junho (o qual estabelece o regime geral aplicável à prevenção, produção e gestão de resíduos, transpondo para a ordem jurídica Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

3 interna a Diretiva n.º 2008/98/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de novembro), com exceção das unidades licenciadas ao abrigo do regime simplificado. No âmbito desta atuação pretende-se continuar a desenvolver uma estratégia de intervenção, tendencialmente utilizada a nível dos parceiros IMPEL, designada como inteligence led audits, em alternativa às inspeções conhecidas como snapshot inspections, a qual envolve uma abordagem mais aprofundada e detalhada, baseada em conhecimento ou informação - e logo mais eficaz - em detrimento de fiscalizações rápidas e superficiais; h) Decreto-Lei n.º 45/2008, de 11 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 23/2013, de 15 de fevereiro, relativo aos movimentos transfronteiriços de resíduos, o qual assegura a execução e garante o cumprimento, na ordem jurídica interna, das obrigações decorrentes para o Estado Português do Regulamento (CE) n.º 1013/2006, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de junho, relativo à transferência de resíduos; i) Decreto-Lei n.º 152/97, de 19 de junho, relativo à recolha, tratamento e descarga de águas residuais urbanas no meio aquático, o qual procedeu à transposição para o direito interno da Directiva n.º 91/271/CEE, do Conselho, de 21 de maio de A seleção das ETAR Urbanas que servem ou têm uma capacidade projetada de tratamento igual ou superior a habitantes-equivalente é efetuada com base nos resultados obtidos a partir da bases de dados designada RISK-ETAR. j) Instalações e atividades que utilizam solventes orgânicos, abrangidas pelo capítulo V do Decreto-Lei n.º 127/2013, de 30 de Agosto; k) Instalações onde são utilizados os produtos identificados no D.L.181/2006 de 6 de setembro (na sua atual redação), o qual limita o teor de orgânicos voláteis (COV), tendo em vista prevenir ou reduzir a poluição atmosférica devida à formação de ozono troposférico resultante das emissões dos COV, transpondo para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 2004/42/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de abril; l) Unidades que apresentam problemas específicos e cujo historial requer um acompanhamento sistemático, bem como aquelas que se situem na proximidade de meios recetores ambientalmente degradados; m) Unidades que sistematicamente apresentam desempenhos ambientais insatisfatórios, quer ao nível da gestão ambiental, quer ao nível da conformidade legal com todo o acervo legislativo que direta ou indiretamente tem a ver com o ambiente; Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

4 n) Unidades que nunca foram inspecionadas, em relação às quais se privilegiará aquelas em que a potência elétrica contratada é superior a 99 kva ou em que a potência térmica é superior a 12x10 6 kj/h ou em que o número de trabalhadores seja superior a 20. CAMPANHAS DE ENFORCEMENT As campanhas dizem respeito a áreas específicas de atuação desta Inspeção-Geral ou setores de atividade mais problemáticos, com incidência numa ou mais vertentes ambientais. As campanhas são normalmente concentradas num determinado intervalo de tempo e/ou numa determinada região/área, consoante o objetivo que se pretende atingir. Campanha de enforcement do Regulamento nº 1013/2006 relativo aos movimentos transfronteiriços de resíduos As ações a desenvolver em 2014, enquadram-se no Projeto da Rede IMPEL/TFS (http://impeltfs.eu) Enforcement Actions III e visam contribuir para um entendimento comum e um nível consistente de enforcement na Europa através da realização de 3 campanhas de controlo de movimentos transfronteiriços de resíduos em simultâneo nos diferentes Estados Membros durante um período de 3 dias. Nestas campanhas de controlo é verificado o cumprimento do Regulamento (CE) n.º 1013/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de junho de 2006, relativo a transferências de resíduos, que entrou em vigor em 12 de julho de 2007, cuja execução e cumprimento estão previstos no Decreto-Lei n.º 45/2008, de 11 de março. Para atingir o seu objetivo, o projeto Enforcement Actions III envolve: - Realização de inspeções conjuntas em transportes de resíduos, bem como nas origens e destinos dos mesmos; - Intercâmbio de conhecimentos e experiências, melhorando a colaboração entre as diferentes entidades competentes de enforcement a nível europeu, mas também africanas e asiáticas. A nível nacional, esta campanha é efetuada em estreita colaboração com a APA, como Autoridade Competente de Notificação, com o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da Guarda Nacional Republicana (GNR/SEPNA), no controlo das transferências terrestres, e com a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), no controlo das transferências de resíduos via marítima. Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

5 Campanha de enforcement REACH-EN-FORCE 3 (Fase II) Esta campanha insere-se no projeto harmonizado e coordenado pelo Fórum REACH, designado como REACH-EN-FORCE 3, o qual teve a sua primeira fase operacional em 2013, tendo o fórum REACH decidido efetuar o seu prolongamento para o ano de 2014, pretendendo-se que nesta 2ª fase operacional se aprofundem as investigações suscitadas no âmbito das inspeções realizadas. Esta 2ª fase do projeto REF-3 incidirá especialmente nas importações para as quais os agentes com obrigações a cumprir no âmbito do REACH não têm qualquer obrigação de registo, devido ao facto de ter sido nomeado um representante único ou de se tratar de uma situação de reimportação (os agentes com obrigações tornam-se utilizadores a jusante-importadores). Pretende-se ainda associar as inspeções efetuadas aos utilizadores a jusante-importadores às correspondentes inspeções de acompanhamento aos representantes únicos, a fim de investigar o cumprimento das obrigações dos agentes do REACH no contexto de um representante único nomeado. Além do objetivo fixado pelo Fórum REACH, de verificar o cumprimento das obrigações de registo do Regulamento REACH por parte dos fabricantes, dos importadores e dos representantes únicos, em estreita colaboração com os serviços alfandegários, a IGAMAOT incluirá na presente campanha a verificação do cumprimento das obrigações de notificação de classificação e rotulagem previstas no artigo 40º do Regulamento 1272/2008 (Regulamento CLP), tal como já tinha efetuado na campanha de 2013, e contemplará adicionalmente, no âmbito da campanha, a verificação do cumprimento do Regulamento n.º 649/2012 (PIC). Analogamente ao efetuado na campanha de 2013, será promovida a articulação e cooperação com a AT e com a ASAE, sendo de realçar a importância dos dados das declarações aduaneiras, quer a nível da seleção dos alvos, quer a nível das investigações que se pretendem realizar. Oficinas e concessionários automóveis (2014 e 2015) Esta campanha será realizada em conjunto com o SEPNA e a PSP e visa verificar o cumprimento da legislação ambiental deste setor, em particular a gestão de resíduos e o regime legal respeitante ao controlo do teor de COV nas tintas e vernizes utilizados na repintura automóvel. Na primeira fase (2014) será efetuada a recolha da informação que permita selecionar o universo adequado a inspecionar no ano subsequente. Ainda na primeira fase serão encetados os contactos com as associações industriais relevantes, visando uma ampla divulgação e sensibilização sobre os requisitos legais aplicáveis. Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

6 AVALIAÇÃO E MELHORIA DO DESEMPENHO AMBIENTAL Com base nos princípios descritos no Guia IMPEL do planeamento das inspeções ambientais Doing the Right Things, apresentam-se, de seguida, para o ano de 2014, os objetivos específicos da área de controlo e inspeção das atividades com incidência ambiental, bem como as respetivas metas. A este respeito importa salientar que o primeiro objetivo específico abaixo descrito corresponde a um objetivo multianual transitado do ano de 2013, cuja conclusão/avaliação final será realizada no final do ano de Melhorar a integração de empresas e população ao nível ambiental na ZIL de Sines e na zona industrial de Estarreja - objetivo multianual a desenvolver em 4 anos (2013 a 2016) Este objetivo específico envolve a implementação das metodologias IMPEL Sistemas de gestão da conformidade (CMS) e Resolução informal de conflitos através do diálogo com a vizinhança. No ano de 2013 foi efetuada a preparação e recolha da informação e documentação relevante, foi caracterizado o estado atual relativo aos CMS, foi promovida a articulação e concertação das atividades de licenciamento e de enforcement e foi elaborado um plano de ação para a implementação dos projetos IMPEL referidos. Metas associadas: Ano de 2014 Apresentação das metodologias IMPEL às empresas alvo do projeto, para informação e promoção da implementação dos CMS (no sentido de aferir a respetiva disponibilidade e vontade em aderir aos 2 projetos); Desenvolvimento de um modelo de supervisão baseado no sistema de gestão da conformidade (SBS); Envolvimento de outras entidades, tais como a APA (autoridade competente na atribuição do registo EMAS) e os serviços municipais de proteção civil, com o objetivo de divulgar e sensibilizar todas as partes envolvidas para as metodologias propostas; Ano de 2015 Acompanhamento dos trabalhos realizados pelas empresas, identificação dos mecanismos de comunicação externa já adotados pelas empresas, implementação do modelo de supervisão baseado no sistema (SBS) de gestão da conformidade; Ano de 2016 Alcançar uma percentagem de adesão de 50% das empresas a (pelo menos) uma das novas abordagens (uma correspondendo à supervisão dos sistemas de gestão de conformidade implementados nas empresas e a outra correspondendo à resolução informal de conflitos ambientais com a vizinhança através do diálogo) Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

7 Indicador de desempenho % de adesão das empresas (dentro do universo selecionado) aos 2 projetos. Avaliar e melhorar o cumprimento da legislação das empresas do setor do tratamento de superfície de metais ou matérias plásticas que utilizem um processo eletrolítico ou químico e que sejam abrangidas pelo regime de emissões industriais aplicável à prevenção e ao controlo integrados da poluição (PCIP) e/ou pelo regime da prevenção dos acidentes industriais graves (SEVESO) objetivo multianual (2014 a anos). A Diretiva 2010/75/EU, de 24 de novembro de 2010, transposta para o direito nacional através do D.L. 127/2013 de 30 de agosto, reforça a importância das BREF ("Best Available Technologies (BAT) REFerence documents"), assumindo a aplicação dos valores limite de emissão associados (VEA s) uma importância central. A BREF existente designada por Reference Document on Best Available Techniques for the Surface Treatment of Metals and Plastics (BREF STM) aplica-se em especial a operadores abrangidos pelo regime legal em causa, que exercem atividade em setores tão diferenciados como o da manutenção de equipamento aeronáutico, o fabrico e tratamento de materiais para a construção civil, a indústria automóvel (entre outros) e cuja atividade apresenta um elevado potencial de impacte para o ambiente e saúde humana, persistindo a existência de situações de concorrência desleal por incumprimento da legislação ambiental em vigor ou ausência de licenciamento da atividade. No âmbito deste objetivo específico, pretende-se aprofundar o conhecimento técnico neste tipo de atividade, construir uma ferramenta estruturada de divulgação de informação setorial, apontando tendências e indicadores de desempenho do setor, melhorar o desempenho ambiental dos operadores económicos em causa e incrementar a conformidade legal com os requisitos ambientais aplicáveis, assumindo especial importância a conformidade com a diretiva das emissões industriais. Metas associadas: Ano de 2014 Com base na análise das melhores técnicas disponíveis previstas na BREF STM e nos critérios de abrangência da SEVESO, construção de ferramentas de apoio à realização das inspeções, listas de verificação, determinação do impacte económico da aplicação dos valores de emissão associados (VEA) aos operadores, definição de indicadores de desempenho ambiental, definição do universo de operadores a inspecionar e estabelecimento de uma estratégia de comunicação e de intervenção; Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

8 Ano de 2015 Realização de inspeções ao universo definido no ano anterior, com a aplicação das ferramentas previamente desenvolvidas e considerando o estabelecimento da meta quantificada de melhoria a alcançar no ano de 2016; Ano de 2016 Melhorar o desempenho ambiental das unidades inspecionadas em 2015 através da redução, na percentagem definida em 2015, das inconformidades ambientais detetadas nas inspeções realizadas nesse ano, com elaboração de um relatório final. Indicador de desempenho % de redução das inconformidades ambientais verificadas em 2015 Avaliar e melhorar o cumprimento da legislação e o desempenho ambiental das unidades de valorização ou de eliminação de subprodutos animais - objetivo multianual (2014 a anos). Os subprodutos animais não destinados ao consumo humano são uma fonte potencial de riscos para a saúde pública e animal, e para o ambiente. Entende-se por subprodutos animais os cadáveres inteiros ou partes de animais, ou produtos de origem animal, não destinados ao consumo humano. Estes encontram-se classificados em três categorias, com níveis de risco decrescentes. As matérias incluídas em cada categoria de subprodutos animais estão descritas no Regulamento (CE) n.º 1774/2002, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 3 de outubro (que foi revogado pelo Regulamento (CE) n.º 1069/2009, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de outubro), transposto para a legislação nacional através do DL n.º 244/2003, de 7 de outubro (com as alterações introduzidas pelo DL n.º 122/2006, pelo DL n.º 19/2011, e pelo DL n.º 38/2012). As instalações que se dedicam à incineração e co-incineração de subprodutos de origem animal estão contempladas no capítulo IV do DL n.º 127/2013, de 30 de agosto, estando sujeitas a licenciamento pela APA (aplicando-se subsidiariamente o disposto no capítulo III do DL n.º 178/2006, de 5 de setembro, na redação conferida pelo DL n.º 73/2011, de 17 de junho), e devendo cumprir os VLE que constam no Anexo VI, parte 4 do DL n.º 127/2013. Com o presente objetivo específico pretende-se efetuar um diagnóstico da situação de cumprimento da legislação e avaliar o desempenho ambiental das unidades de valorização ou de eliminação de subprodutos animais, em especial das que se encontrarem abrangidas pelo regime de emissões industriais aplicável à prevenção e ao controlo integrados da poluição (PCIP), visando atuar sobre as mesmas, no sentido de promover uma melhoria da respetiva conformidade legal. Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

9 Metas associadas: Ano de 2014 Avaliação do cumprimento da legislação e do desempenho ambiental das unidades industriais que valorizam ou eliminam subprodutos animais, para caracterização da situação de referência, estabelecimento de um plano de ação que englobe a realização de inspeções, no ano de 2014, das instalações de eliminação ou valorização de carcaças ou resíduos de animais abrangidas pelo regime de emissões industriais aplicável à prevenção e ao controlo integrados da poluição (PCIP), bem como a definição do universo a inspecionar no ano de 2015 e o estabelecimento de uma estratégia de intervenção que permita alcançar uma meta a definir no final do ano de Ano de 2015 Continuação da realização de inspeções ao universo de operadores definido no ano anterior, com a aplicação das medidas consideradas necessárias para se alcançar a meta de melhoria definida no ano de 2014 para este setor de atividade; Ano de 2016 Melhorar o desempenho ambiental das unidades inspecionadas em 2014 e 2015 através da redução, na percentagem definida em 2014, das inconformidades ambientais detetadas nas inspeções realizadas no período de tempo referido, com elaboração de um relatório final. Indicador de desempenho % de redução das inconformidades ambientais verificadas em 2014 e 2015 Melhorar a implementação das medidas de gestão do risco previstas nos cenários de exposição das fichas de dados de segurança alargadas objetivo multianual (2014 a anos) O Regulamento REACH tem por objetivo assegurar um elevado nível de proteção da saúde humana e do ambiente, baseando-se no princípio de que cabe aos fabricantes, aos importadores e aos utilizadores a jusante garantir que as substâncias que fabricam, colocam no mercado ou utilizam não afetam negativamente a saúde humana nem o ambiente. Este Regulamento determina, salvo exceções previstas no mesmo, que todas as substâncias estremes, contidas em misturas ou contidas em artigos -, quando fabricadas ou importadas em quantidades iguais ou superiores a 1 tonelada por ano sejam sujeitas a registo. Além disso, sempre que as substâncias sujeitas a registo sejam produzidas ou importadas em quantidades iguais ou superiores a 10 toneladas por ano por registante, deve realizar-se uma avaliação de segurança química e completar-se um relatório de segurança química relativamente às mesmas. O relatório de segurança química deve documentar a avaliação de segurança química e esta deve incluir, entre outras, as seguintes etapas: avaliação do perigo para a saúde humana e avaliação do perigo para o ambiente. Caso se conclua que a substância em causa preenche determinados critérios de perigosidade de acordo com o Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

10 estabelecido no Regulamento CRE 1 relativo à classificação, rotulagem e embalagem de substâncias e misturas, deverão ser efetuadas, adicionalmente, uma avaliação da exposição, incluindo a definição de cenários de exposição e uma estimativa da exposição, e uma caracterização dos riscos, que devem referir-se a todas a utilizações identificadas pelo registante. Estas informações deverão ser posteriormente transmitidas ao longo da cadeia de abastecimento das substâncias em apreço, nomeadamente através da elaboração de Fichas de Dados de Segurança (FDS) e através da inclusão em anexo às FDS dos cenários de exposição FDS alargada -, por forma a que os vários intervenientes na cadeia de abastecimento possam munir-se de informação adequada à gestão do risco da substância. Note-se que a apreciação da informação constante nas FDS (e FDS alargadas) é competência das autoridades de fiscalização de cada Estado Membro, nomeadamente da IGAMAOT. Por outro lado, para que o Regulamento REACH possa ver concretizado um dos seus objetivos centrais, que se prende com o assegurar um elevado nível de proteção da saúde humana, levanta-se a questão da proteção dos trabalhadores contra os riscos para a segurança e saúde devido à exposição a agentes químicos, cujo regime jurídico está previsto na Diretiva dos Agentes Químicos (CAD) 2, a qual foi transposta para o direito interno pelo Decreto-Lei n.º 24/2012, de 6 de fevereiro, que consolida as prescrições mínima em matéria de proteção dos trabalhadores contra os riscos para a segurança e a saúde devido à exposição a agentes químicos no trabalho, cuja fiscalização é da competência da ACT Autoridade para as Condições do Trabalho. Atendendo à complementaridade existente entre o REACH e a CAD, considera-se importante a criação de sinergias e de partilha de conhecimentos e de informações em matéria de substâncias químicas entre a IGAMAOT e ACT. Com o presente objetivo específico, pretende-se promover a capacitação técnica da IGAMAOT para o controlo da implementação das medidas de gestão do risco por parte dos operadores no que diz respeito aos cenários de exposição das fichas de dados de segurança dos produtos químicos utilizados e desenvolver mecanismos de colaboração, de sinergias e de partilha de informação com a ACT, enquanto autoridade inspetiva no domínio da segurança e saúde no trabalho. No âmbito desta capacitação técnica serão desenvolvidas ferramentas e conhecimentos adequados à realização de ações de controlo no que concerne à implementação de medidas de gestão e minimização de riscos previstas em cenários de exposição e serão construídas metodologias de verificação do conteúdo de algumas das secções das FDS. O presente trabalho terá em consideração os documentos de melhores práticas para as inspeções REACH e CLP desenvolvidos pelo Fórum REACH, tais como os critérios mínimos para inspeções REACH adoptados pelo Forum em Dezembro de 2009, Minimum Criteria for REACH Inspections December 2009 e as estratégias de controlo 1 Regulamento (CE) n.º 1272/2008, 2 Directiva n.º 98/24/CE, do Conselho, de 7 de abril de 1998, e subsequentes alterações. Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

11 do cumprimento dos Regulamentos REACH e CLP, adotados pelo Fórum em março de 2011, Stategies for enforcement of Regulation (EC) n.º 1907/2006 concerning the Registration, Evaluation, Authorisation and Restriction of Chemicals (REACH) and of Regulation (EC) n.º 1272/2008 on the classification, labelling and packaging of substances in mixtures (CLP). Metas associadas: Ano de Definição do âmbito e competências; definição do grupo/universo alvo, análise do respetivo grau de cumprimento da legislação em causa (Regulamento REACH) e apuramento dos fatores que o influenciam (definição da situação de referência), articulação com as outras autoridades competentes, definição de necessidades de formação e desenvolvimento de ferramentas de trabalho, estabelecimento dos aspetos legais/técnicos a verificar e/ou alvos (análise de risco) e a fixação da meta final a alcançar no final do projeto; Ano de 2015 Controlo do cumprimento (enforcement) das medidas de gestão de riscos previstas em cenários de exposição, através da realização de inspeções ao universo estabelecido no ano anterior, considerando a utilização de indicadores e a tomada das medidas consideradas necessárias por parte da IGAMAOT; Ano de 2016 Avaliação das medidas tomadas pela IGAMAOT no âmbito das ações de controlo executadas no ano anterior, incluindo a realização de eventuais ações de acompanhamento, e avaliação do cumprimento da meta estabelecida no ano de 2014, com elaboração de um relatório final. Indicador de desempenho % de redução das inconformidades ambientais verificadas em 2014 e 2015 FORMAÇÃO/FISCALIZAÇÃO COM AUTORIDADES POLICIAIS No âmbito do protocolo de cooperação estabelecido entre a IGAMAOT e a Direção Nacional da PSP, interessa continuar a promover a operacionalização do mesmo, através da realização de ações de formação e fiscalização conjuntas. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE ANÁLISE DE RISCO Um dos aspetos fundamentais da Recomendação Europeia para os Critérios Mínimos das Inspeções Ambientais (Recomendação n.º 2001/331/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 4 de abril de Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

12 2001) é o estabelecimento de prioridades no planeamento das inspeções ambientais, sendo uma parte essencial deste processo a avaliação do risco que as atividades humanas podem ter ao nível do impacto no ambiente e na saúde humana. É com base nos resultados de uma análise de riscos sistemática que a frequência das ações de inspeção deverá ser fixada. Após o desenvolvimento, no ano de 2013, dos critérios de avaliação de risco para as unidades abrangidas pela Diretiva SEVESO II, para as ETAR Urbanas e para os operadores de gestão de resíduos que atuem no fluxo dos resíduos elétricos e eletrónicos (REEE), importa dar continuidade a esses trabalhos, nomeadamente através da respetiva implementação (recolha e inserção de dados). Por outro lado, tendo sido transposta para o direito nacional a Diretiva das Emissões Industriais através da publicação do D.L nº 127/2013, de 30 de agosto, o qual introduz requisitos específicos para a IGAMAOT, no que diz respeito ao planeamento das inspeções, torna-se necessário fazer a revisão do sistema de análise de risco existente para o planeamento das inspeções abrangidas por este regime legal, de forma a contemplar a obrigação referente à necessidade de realizar uma ação de inspeção complementar no prazo máximo de 6 meses após ter sido detetado um não cumprimento grave das condições de licenciamento. Este projeto de revisão deverá ainda contemplar a reconversão do sistema de análise de risco em apreço à metodologia desenvolvida pela rede IMPEL para o efeito (IRAM Integrated Risk Assessment Method ). Encontrando-se a Comissão a consultar os Estados Membros sobre as alterações a implementar no Regulamento (CE) n.º 1013/2006 (MTR), as quais vão introduzir obrigações adicionais para as autoridades de inspeção, nomeadamente no que diz respeito ao facto do planeamento ter de ser baseado num sistema de análise de risco, será desenvolvido em 2014 um projeto que permita a definição dos critérios de avaliação de risco para o planeamento das inspeções aos movimentos transfronteiriços de resíduos.. Rua do Século, nº Lisboa - Telf.: (351) Fax:: (351)

No âmbito da atividade desenvolvida no ano de 2013 foram alcançados os resultados apresentados seguidamente.

No âmbito da atividade desenvolvida no ano de 2013 foram alcançados os resultados apresentados seguidamente. DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO RELATÓRIO DA IGAMAOT PARA O ANO DE 2013 (RESPEITANTE ÀS ATIVIDADES DA EM CIA), CONFORME O DISPOSTO NA RECOMENDAÇÃO N.º 2001/331/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 4 DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão 17.7.2015 B8-0000/2015 PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B8-0000/2015 nos termos do artigo

Leia mais

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas!

Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! COMISSÃO EUROPEIA MEMORANDO Bruxelas, 14 de fevereiro de 2014 Carne de cavalo: um ano depois medidas anunciadas e realizadas! Há cerca de um ano, o escândalo da carne de cavalo foi notícia de primeira

Leia mais

FAQ. Regulamento CLP

FAQ. Regulamento CLP FAQ Regulamento Questões mais frequentes no âmbito do Regulamento n.º 1272/2008 () Versão 2.1 novembro 2012 Índice Âmbito 3 O que é o? 3 Quem é afetado pelo? 3 O que acontece à anterior legislação sobre

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE PORTEL CÂMARA MUNICIPAL Sistema da Industria Responsável _ SIR Projeto de alteração à Tabela de taxas e licenças municipais decorrente da aplicação do SIR _ Sistema da Industria Responsável

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente;

LAVANDARIAS. Emissões quaisquer descargas de COV de uma instalação para o ambiente; RLG Atualizado a: 18 de julho de 2012 1 O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL LAVANDARIAS

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207)

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) 1 5 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 00081/2012 (S08958-201207) Nos termos do Artigo 32º do Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro, com a redação conferida

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I P7_TA-PROV(2013)0417 Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I Resolução legislativa do Parlamento Europeu, de 10 de outubro de 2013, sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu

Leia mais

ATENDIMENTO AO REACH PELA PETROBRAS. Diretrizes

ATENDIMENTO AO REACH PELA PETROBRAS. Diretrizes ATENDIMENTO AO REACH PELA PETROBRAS Diretrizes 2012 Conteúdo Cláusula Página 1. Origem da Legislação...2 2. Alinhamento da PETROBRAS ao REACH...2 3. O que está abrangido pelo REACH e CLP?...3 4. O que

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 10.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 329/5 DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de novembro de 2013 que altera a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Óleos Alimentares Usados (OAU) GERAL/ENQUADRAMENTO 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de óleos alimentares usados? 2. Quais as proibições previstas no âmbito da gestão

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES PREÂMBULO O Decreto Lei n.º 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs s para o direito interno a diretiva

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR)

Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Plano Nacional de Gestão de Resíduos 2011-2020 (PNGR) Em consulta pública O Projecto de Plano Nacional de Gestão de Resíduos (PNGR 2011-2020), bem como o Relatório Ambiental e o Resumo Não Técnico da Avaliação

Leia mais

SISTEMA DA INDUSTRIA RESPONSÁVEL - SIR

SISTEMA DA INDUSTRIA RESPONSÁVEL - SIR SISTEMA DA INDUSTRIA RESPONSÁVEL - SIR DL 169/2012 de 01/08 1 O Sistema de Indústria Responsável aplica-se às atividades económicas incluídas nas subclasses da Classificação Portuguesa das Atividades Económicas

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Guias para a atuação das Entidades Acreditadas

Guias para a atuação das Entidades Acreditadas Domínio do Ambiente Guias para a atuação das Entidades Acreditadas Notas Gerais EA.NG.01.01.00 - janeiro 2013 Ficha técnica Título Guias para a atuação das Entidades Acreditadas (EA) no Domínio do Ambiente

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG SQ.S.p.. Novembro 2 Índice Introdução 2 2 Campo de aplicação 2 Documentos de referência 2 4 Documento de apoio 5 Metodologia

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA ENTIDADE ENQUANTO ENTIDADE ADJUDICANTE

1. ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA ENTIDADE ENQUANTO ENTIDADE ADJUDICANTE - A PREENCHER POR CADA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO Salvo indicação em contrário, os artigos mencionados constam do Código dos Contratos Públicos 1. ENQUADRAMENTO JURÍDICO DA ENTIDADE ENQUANTO ENTIDADE

Leia mais

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Maria Helena Franco, Alice C. Rodrigues, João Paulo Sousa Direcção de Serviços de Prevenção de Riscos Profissionais (DSPRP), Instituto

Leia mais

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado?

Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? Porquê uma Campanha Nacional contra o Trabalho não Declarado? O trabalho não declarado é um flagelo aumenta o risco de pobreza dos trabalhadores e favorece condições de trabalho potencialmente perigosas.

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Desde a década de 1980 que a melhoria da segurança e da saúde no trabalho é uma questão importante para a UE. Com a introdução de legislação a nível europeu, foram fixadas

Leia mais

Lisboa, 02 de Dezembro 2014

Lisboa, 02 de Dezembro 2014 JOSÉ BARARDO RIBEIRO Lisboa, 02 de Dezembro 2014 TODO O INDIVÍDUO TEM DIREITO À VIDA, À LIBERDADE E À SEGURANÇA PESSOAL (Artigo 3º, Declaração Universal dos Direitos Humanos, Nações Unidas, 10 de Dezembro

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS O setor de serviços de águas compreende: as atividades de abastecimento de água às populações urbanas e rurais e às atividades

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública 4 de Junho de 2015 Auditório da Casa das Histórias da Paula Rego 1 1991: Arranque das Políticas

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro

Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro Portaria n.º 29-B/98 de 15 de Janeiro A Portaria n.º 313/96, de 29 de Julho, regulamentou o Decreto-Lei n.º 322/95, de 28 de Novembro, que estabelecia os princípios e as normas aplicáveis à gestão de embalagens

Leia mais

RECOMENDAÇÕES. (Texto relevante para efeitos do EEE) (2013/473/UE)

RECOMENDAÇÕES. (Texto relevante para efeitos do EEE) (2013/473/UE) 25.9.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 253/27 RECOMENDAÇÕES RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO de 24 de setembro de 2013 relativa às auditorias e avaliações realizadas por organismos notificados no domínio

Leia mais

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Conferência Privacidade, Inovação e Internet 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Com a Colaboração Patrocinadores Globais APDSI Privacidade, Inovação e Internet Enquadramento Nacional e Europeu sobre

Leia mais

N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014

N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014 N.º 126 Síntese de Legislação Nacional De 24.04.2014 a 08.05.2014 LEGISLAÇÃO: ROTULAGEM EMBALAGENS AEROSSÓIS Decreto-Lei n.º 62/2014. D.R. n.º 80, Série I de 2014-04-24 Ministério da Economia Transpõe

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas 1. Legislação e Regulamentos Aplicáveis Decreto-Lei n.º 38/2007, de 19 de Fevereiro, do

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora

Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Página 1 de 12 Projeto de Regulamento de Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços do Município de Évora Nota Justificativa No final de 2011, entrou em vigor

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO

NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO NOVO REGIME DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RESTAURAÇÃO OU DE BEBIDAS COM CARÁCTER NÃO SEDENTÁRIO CONCEITO: «Prestação de serviços de restauração ou de bebidas com carácter não sedentário», a prestação, mediante

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática Investir na ação climática investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020 Ação Climática O que é o novo subprograma LIFE Ação Climática? Em fevereiro de 2013, os Chefes de

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

GUIA RESUMIDO. Partilha de dados

GUIA RESUMIDO. Partilha de dados GUIA RESUMIDO O documento tem por objetivo explicar em termos simples os principais princípios e obrigações relacionados com a partilha de dados e a apresentação conjunta de dossiês 2 Guia Resumido ADVERTÊNCIA

Leia mais

DIRETIVA DELEGADA../ /UE DA COMISSÃO. de 30.1.2015

DIRETIVA DELEGADA../ /UE DA COMISSÃO. de 30.1.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.1.2015 C(2015) 383 final DIRETIVA DELEGADA../ /UE DA COMISSÃO de 30.1.2015 que altera, para efeitos de adaptação ao progresso técnico, o anexo III da Diretiva 2011/65/UE

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS

O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS O novo regime jurídico da gestão de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) 13.º Encontro de Verificadores Ambientais EMAS Marta Carvalho 3 dezembro 2014 Diretiva 2002/95/CE (RoHS) Diretiva

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DE OBRA Luísa Pinto Maio. 2008, Tektónica Lisboa O que é? Definição, aplicação ou fiscalização da aplicação de medidas de gestão ambiental, incluindo

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

Introdução e Objetivos do Regulamento REACH

Introdução e Objetivos do Regulamento REACH Introdução e Objetivos do Regulamento REACH Dr JOSÉ V. TARAZONA Membro do Comitê de Avaliação de Riscos, ECHA Vice-presidente do Comitê Científico de Riscos Sanitários e Ambientais, UE REGULAMENTO REACH

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

mhtml:file://c:\users\pm760120\appdata\local\microsoft\windows\inetcache\con...

mhtml:file://c:\users\pm760120\appdata\local\microsoft\windows\inetcache\con... Página 1 de 5 Problemas na visualização deste email? Clique aqui #14 Junho 2015 Neste boletim Governo dos Açores disponibiliza sistema eletrónico de consulta de reclamações ou denúncias à IRAE Melhor treino

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

DIREÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE. Campanha de supervisão de Produtos Cosméticos para Proteção Solar - Relatório Final -

DIREÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE. Campanha de supervisão de Produtos Cosméticos para Proteção Solar - Relatório Final - DIREÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Campanha de supervisão de Produtos Cosméticos para Proteção Solar - Relatório Final - Lisboa, 04 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO O INFARMED, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos

Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Comerciante/Corretor Versão 2: 08 de julho de 2014 Conceito de Comerciante e Corretor nos termos do Regime Geral de Gestão de Resíduos Índice 1. Enquadramento legislativo e pressupostos... 1 1.1 Pressupostos

Leia mais

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS

SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA SAMA2020 OPERAÇÕES TEMÁTICAS 1 DE JULHO DE 2015 OPERAÇÕES TEMÁTICAS OPERAÇÃO TEMÁTICA M/C DOTAÇÃO ORÇAMENTAL CAPACITAÇÃO PARA AVALIAÇÕES DE IMPACTO REGULATÓRIO

Leia mais

O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos

O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Fiscalização da venda e distribuição de Produtos Fitofarmacêuticos Fitofarmacêuticos São as substâncias ativas e as preparações, que contendo uma ou mais

Leia mais

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Versão 2.4 agosto de 2015 Perfil SILiAmb O perfil de utilizador 3. Pessoa que trata da transferência em Movimentos Transfronteiriços

Leia mais

GUIA DO LICENCIAMENTO INDUSTRIAL

GUIA DO LICENCIAMENTO INDUSTRIAL GUIA DO LICENCIAMENTO INDUSTRIAL OUTUBRO 2015 No quadro do novo Sistema da Indústria Responsável, previsto no Decreto-Lei n.º 73/2015, de 11 de maio, é atribuído ao IAPMEI um conjunto de novas competências

Leia mais

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Formação de Agricultores na Região centro Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Objetivo das ações de formação: Utilização correta no uso e manuseamento

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015 Implementação de Sistemas de Garantia da Qualidade em linha com o Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) Orientação Metodológica

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

(artigo 7.º (9) da Diretiva 2002/21/CE Diretiva-Quadro, alterada pela Diretiva 2009/140/CE Diretiva Legislar Melhor)

(artigo 7.º (9) da Diretiva 2002/21/CE Diretiva-Quadro, alterada pela Diretiva 2009/140/CE Diretiva Legislar Melhor) Adoção de medidas provisórias e urgentes ao abrigo do artigo 9.º da Lei n.º 5/2004, de 10 de fevereiro, alterada pela Lei n.º 51/2011, de 13 de setembro Lei das Comunicações Eletrónicas (LCE) relativas

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Regulamento de Funcionamento

Regulamento de Funcionamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. PEDRO DO SUL Avaliação de Desempenho Pessoal não Docente Regulamento de Funcionamento Regulamento da Avaliação de Desempenho do Pessoal não Docente do Agrupamento de Escolas

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4

5fe0d90107e74964b15fe89af08c53e4 DL 35/2014 2014.01.23 A Lei 64-B/2011, de 30 de dezembro, que aprovou o orçamento do Estado para o ano de 2012, promoveu a criação de novas medidas de combate à fraude e evasão fiscais. Neste contexto

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas.

ÂMBITO Aplica-se à instalação e ao funcionamento dos recintos com diversões aquáticas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL RECINTOS COM DIVERSÕES AQUÁTICAS CAE REV_3: 93210

Leia mais