Submissão de alterações aos termos da AIM de acordo com o novo Regulamento. ticos-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Submissão de alterações aos termos da AIM de acordo com o novo Regulamento. ticos-"

Transcrição

1 Submissão de alterações aos termos da AIM de acordo com o novo Regulamento - Aspetos Práticos ticos- INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P Lisboa, 09 julho 2013 Gilda Calado

2 Sumário Submissão de alterações aos termos da AIM de acordo com o Novo Regulamento -AspetosPráticos Tipos de pedidos de alteração Orientações da Comissão Europeia e outros documentos de apoio sobre classificação de alterações e aspetos processuais Preenchimento do formulário de pedido de alteração Orientações para a submissão de pedidos de alteração por procedimento nacional

3 Tipos de Pedidos de Alteração

4 Tipos de pedido de alteração: quanto à tipificação de alteração Alterações que não necessitam de aprovação prévia Tipo IA Tipo IA IN Alt menor, pouco impacto Q/S/E Supervisão constante Alterações que necessitam de aprovação prévia Tipo IB Tipo II Extensão Por defeito, Extensão, IA ou II Alt maior, impacto Q/S/E; Extensão Anexo I do Regulamento Avaliação adaptada ao nível de risco

5 Tipos de submissão: Alterações Tipo IA versus IA IN Alterações tipo IA -sistema Do andtell ATUAR e INFORMAR Notificação no prazo máximo de doze mesesapós a implementaçãoda alteração ou imediatamenteapós a implementaçãoda alteração no caso de alterações menores que exijam uma notificação imediata (tipo IA IN ) para efeitos de controlo permanente do medicamento Épossível implementar a alteração após notificação, embora o princípio geral seja de que a implementação de alterações tipo IA ocorra previamente à notificação

6 Tipos de pedido de alteração: quanto ao tipo de submissão ALTERAÇÃO ISOLADA: uma alteração aplicável a uma ou mais dosagens da mesma AIM AGRUPAMENTO DE ALTERAÇÕES: uma ou várias alterações aplicáveis a uma ou mais AIM do mesmo titular, submetidas num único pedido Relatório anual: várias alterações tipo IA, relativas a uma ou mais AIM do mesmo titular que tenham sido implementadas nos 12meses anteriores; pode incluir tipo IA IN se notificadas de imediato WORKSHARING: uma ou várias alterações de tipo IB/II aplicáveis a várias AIMsdo mesmo titular, submetidas num único pedido, com o objetivoda partilha de trabalho entre autoridades competentes Definição Mesmo Titular de AIM : para efeitos de aplicação do Regulamento CE n.º1234/2008 consideram-se os titulares de uma autorização de introdução no mercado pertencentes àmesma empresa-mãe, ou ao mesmo grupo de empresas, e os titulares da autorização de introdução no mercado que tenham concluído acordos ou exerçam práticas concertadas no que respeita àintrodução no mercado de um medicamento terão de ser considerados como único titular da autorização de introdução no mercado («titular»). [Orientações da CE ( )]

7 Tipos de pedido de alteração Agrupamento de Alterações Princípios a considerar: Todas as alterações têm que se aplicar de igual forma a todas as AIM incluídas no grupo Justificação para agrupamento: as alterações a agrupar devem ser consequentes ou relacionadas fazendo sentido serem avaliadas simultaneamente Alterações Q/S/E não devem ser agrupadas a não ser que seja dada justificação aceitável Alterações da substância ativanão devem ser agrupadas com alterações do produto acabado, a menos que sejam consequentes ou justificadas Consulta prévia do Anexo III do Regulamento, da Lista de Grupos Aceitáveis/Não aceitáveis do CMDh ou da Autoridade Competente

8 Tipos de pedido de alteração Agrupamento de Alterações Grupos Tipo IA AIM A (IA1 + IA2 + IA3) ou IA1(AIM A) + IA1(AIM B) Grupos Tipo IB AIM A (IB1 + IA2) Grupos Tipo II AIM A (II1 + IB2 + IA3) Várias alterações IA aplicáveis a uma AIM Mesma alteração ou alterações IA aplicáveis a mais do que uma AIM mesmo Titular; Não necessitam de estar relacionadas Várias alterações aplicáveis a uma AIM, sendo a de maior nível de tipo IB Necessitam de estar relacionadas, ou a sua submissão conjunta tem que fazer sentido do ponto de vista da avaliação Várias alterações aplicáveis a uma AIM, sendo a de maior nível de tipo II Necessitam de estar relacionadas, ou a sua submissão conjunta tem que fazer sentido do ponto de vista da avaliação De acordo com o Regulamento revisto épossível agrupar alterações IB/II relativas a várias AIM exclusivamente nacionais da mesma Autoridade(se previamente acordado com a autoridade competente)

9 Tipos de pedido de alteração Worksharing Worksharing AIM A (II1) + AIM B (II1) AIM A (IB1) + AIM B (IB1) Uma ou mais alterações IB/II aplicáveis a mais do que uma AIM do mesmo TAIM, numa única submissão (pode incluir alterações tipo IA) Procedimento de partilha de trabalho éescolhida uma Autoridade para efetuara avaliação em nome das restantes serásempre a Agência no caso de incluir AIM centralizada Evita duplicação de esforços de avaliação Opcional e iniciado por iniciativa do Titular de AIM Implica aceitação prévia do CMDh De acordo como Regulamento n.º712/2012 pode incluir AIM autorizadas por procedimento centralizados, de reconhecimento mútuo e nacional

10 Orientações da Comissão Europeia e outros documentos de apoio sobre classificação de alterações e aspetos processuais

11 Classificação de altera Orientações da CE ão de alterações & Procedimentos aplicáveis Nova guidelinecombina informação sobre classificações de alterações e procedimentos de submissão e análise dos pedidos Reflete revisão do Regulamento (CE) n. º 1234/2008 Inclui novas categorias de alterações (resultantes da legislação da Farmacovigilância e de recomendações ao abrigo do artigo 5º) Será publicada no Jornal Oficial da União Éaplicável a 4 de agostode 2013

12 Orientações da CE Classificação de alterações Deve ser utilizada a lista de classificações constante do Anexo (ponto 4) das Orientações da CE Outros instrumentos Anexo II do Regulamento CE nº1234/2008 revisto pelo Regulamento EU nº 712/2012 (define genericamente alterações de tipo IA e tipo II) Recomendações para classificação de alteração não previstas ao abrigo do artigo 5º CMDhQ/A List for the submission of variations according to Comissionregulation (EC) 1234/2008 Contacto prévio com o EMR ou autoridade nacional competente

13 Orientações da CE Classificação de alterações Estruturada em Categorias Principais A. Administrativas B. Qualidade C. Segurança, eficácia e Farmacovigilância D. DPP/DPAV (alteraçõesdos dossiêsprincipaisdo plasma e dos antigénios de vacinas)

14 Orientações da CE Classificação de alterações Tipificações possíveis Alterações tipo IA Condições a serem verificadas Documentação a submeter Alterações tipo II Alterações tipo IB Listadas como exemplos na Guideline Classificadas como tipo IB após procedimento de recomendação artigo 5º Alteração listada como tipo IA para a qual não são cumpridas condições/documentação e que não está classificada como alteração tipo II Alterações não previstas na Guideline z) Othervariation podem ser classificadas como IB ou II dependendo do impacto na Q/S/E

15 Exemplos de alteração Orientações da CE ão à guideline de classificações Alteração àredaçãode categorias existentes na versão anterior da Guideline: refletema experiência de utilização da guidelinee as dificuldades sentidas na interpretação da mesma

16 Exemplos de alteração Orientações da CE ão à guideline de classificações Novas categorias de alteração resultantes de pedidos de recomendação para classificação de alterações não previstas Novas categorias de alteração que refletem nova Legislação da Farmacovigilância

17 Classificação de alterações não previstas Recomendação de classificação ao abrigo do artigo 5º (revisto no Regulamento n.º 712/2012) «1. Antes da apresentação de um pedido de alteração cuja classificação esteja omissa no presente regulamento, um titular pode solicitar uma recomendação sobre a classificação da alteração do seguinte modo: a) ÀAgência, quando a alteração se referir a uma autorização de introdução no mercado concedida ao abrigo do Regulamento (CE) n. o 726/2004; b) Àautoridade competente do Estado-Membro em causa, quando a alteração se referir a uma autorização de introdução do mercado exclusivamente nacional; c) Àautoridade competente do Estado-Membro de referência, nos restantes casos. A recomendação referida no primeiro parágrafo deve respeitar as orientações previstas no artigo 4. o, n. o 1. Deve ser formulada no prazo de 45 dias após a receçãodo pedido e transmitida ao titular, àagência e ao grupo de coordenação referido no artigo 31. o da Diretiva2001/82/CE ou no artigo 27. o da Diretiva 2001/83/CE. ( )

18 Classificação de alterações não previstas FORMULÁRIO DE PEDIDO DE RECOMENDAÇÃO PARA CLASSIFICAÇÃO

19 Classificação de alterações não previstas Procedimento aplicável CMDh BPG (Cap.8) Validação do pedido de recomendação pela Autoridade PEDIDO INVÁLIDO MOTIVOS PARA INVALIDAÇÃO: - A alteração está prevista na guideline - Foi previamente emitida recomendação para a mesma alteração - A alteração é claramente uma alteraçãotipoib pordefeitode acordocom osprincípiosdo regulamento PEDIDO VÁLIDO - Se a alteração for realmente uma alteração não prevista, o pedido é considerado válido e a Autoridade deverá encaminhar o mesmo para o CMDhde forma a assegurara harmonização das recomendações Até25 diasdepoisdareceção do pedido

20 Classificação de alterações não previstas Procedimento aplicável CMDh BPG (Cap.8) A destacar: - A autoridadequeencaminhao pedido para o CMDh atuará como Rapporteur - O procedimento seguirá os calendários inidcados na página do CMDh - A propostade recomendaçãodo rapporteur é comentada pelos EM e aprovadaemreunião plenária do CMDh - A recomendação é comunicada aorequerenteaofimde 45 diase depoispublicadannapáginado CMDh

21 Orientações da CE Aspetos processuais Ponto 2 das Orientações da CE: 2.1. Alterações menores de tipo IA 2.2. Alterações menores de tipo IB 2.3. Alterações maiores de tipo II Descreve os requisitos e aspetos processuais relativos à apresentação e análise/avaliação de alterações submetidas por procedimento nacional, RM/DC e centralizado Outros instrumentos CMDhBest Practice Guides for the Submission and Processing of Variations in the Mutual Recognition Procedure

22 Orientações da CE Aspetos processuais REQUISITOS DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO Os pedidos de alteração devem ser acompanhados de: Requerimento Formulário do pedido, devidamente preenchido Cópia da página relevante da guidelinede classificações com condições/documentação assinalada (Tipo IA/IB) Documentação de suporte apropriada Atualização/adenda aos resumos da qualidade, clínico, não clínico, conforme aplicável(tipo II) Proposta de modificação de RCM, FI e rotulagem (se aplicável) A não apresentação do pedido de acordo com os requisitos implica o indeferimento (no caso de alterações tipo IA) ou a invalidação do pedido no caso de alterações IB/II

23 Orientações da CE Aspetos processuais Tipo IA/IAIN Tipo IB Analisadas no prazo de 30 dias a contar da data de receção Em caso de indeferimento do pedido, o requerente deve cessar de imediato a implementação da alteração Autoridade deve proceder àmodificação da decisão que concedeu a AIM no prazo de 6 meses Analisadas no prazo de 30 dias a contar da data de notificação de recepção de pedido válido Consideradas tacitamente aceites caso não seja comunicado o resultado da análise pela autoridade ao fim de 30 dias Em caso de parecer desfavorável, o pedido pode ser alterado pelo requerente no prazo de 30 dias: Dia zero(após validação) Dia 30 (aceita/pedido de elemento) Resposta a pedido de elementos (prazo 30dias) Novo Dia 30 (Aceita/Indefere) Autoridade deve proceder àmodificação da decisão que concedeu a AIM no prazo de 6 meses

24 Orientações da CE Aspetos processuais Tipo II Analisadas no prazo de 60 dias*a contar da data de notificação de recepção de pedido válido (o prazo pode ser encurtado no caso de alterações relacionados com questões urgentes de segurança, ou alargado para 90 dias, no caso de alterações indicadas no anexo I do Regulamento ou no caso de agrupamentos complexos) Em caso de pedido de informação suplementar, o pedido pode ser alterado pelo requerente no prazo de 30 dias: Dia zero(após validação) AtéDia 60 (Aceita/Pedido de elementos) Resposta (em geral prazo 30dias) Avaliação respostas 30-60d (Aceita/Indefere) Autoridade deve proceder àmodificação da decisão que concedeu a AIM no prazo de 2 meses NOTA: No caso de agrupamento de alterações, o pedido égerido de acordo com o procedimento aplicável à alteração de maior nível do grupo

25 Implementação das alterações Artigo 24º do Regulamento 712/2012 Execução das Alterações 1. A execução de alterações menores de tipo IA pode realizar-se em qualquer altura antes da conclusão dos procedimentos previstos nos artigos 8. o, 13. o -A e 14. o. Se uma notificação relativa a uma ou várias alterações menores de tipo IA for indeferida, o titular deve pôr cobro àexecução da alteração ou alterações em causa imediatamente após a receçãoda informação referida no artigo 11. o, n. o 1, alínea a), no artigo 13. o -E, alínea a), e no artigo 17. o, n. o 1, alínea a). 2. A execução de alterações menores de tipo IB pode realizar-se apenas nos seguintes casos: b) Relativamente às alterações apresentadas em conformidade com os procedimentos estabelecidos no capítulo II-A, depois de a autoridade competente ter informado o titular de que aceitou a notificaçãonos termos do artigo 13. o -B, ou depois de se considerar aceite a notificação nos termos do artigo 13. o -B, n.o2 3. A execução de alterações maiores de tipo II pode realizar-se apenas nos seguintes casos: b) Relativamente às alterações apresentadas em conformidade com os procedimentos estabelecidos no capítulo II-A, depois de a autoridade competente ter informado o titular de que aceitou a alteração nos termos do artigo 13. o -C;

26 Informação disponibilizada pelo CMDh Outros documentos de apoio

27 Informação disponibilizada pelo CMDh Outros documentos de apoio

28 Outros documentos de apoio Eudralex Volume 2 (NTA)

29 Preenchimento do Formulário rio do Pedido de Alteração

30 Formulário rio do Pedido de alteração Formulário do pedido de Alteração (EN) eudralex/vol- 2/c/variation_form _en. pdf Nova versão publicada a 4 de julho de 2013!! EMA/CMDhexplanatory notes on Variation Application Form - Human medicinal products only

31 Informações de carácter administrativo MUH/MUV; Tipo de procedimento; Número de procedimento; EMR/Autoridade de Referência; Estados Membros Envolvidos; Tipo de pedido de alteração; Requerente/Titular de AIM e Pessoa de Contacto; Medicamentos a que se aplica o pedido; Tipos de Alteração Alterações incluídas no pedido; Âmbito e justificação; Actual vs Proposto; Outros pedidos; Alterações Tipo II Formulário rio do Pedido de alteração Novas Indicações informação sobre medicamentos orfãos; Requisitos Pediátricos; Extensão de protecção de dados/exclusividade de comercialização; Identificação da informação do medicamento em anexo Declaração do requerente Documentos em anexo Estrutura Página relevante da Guidelinede Classificação de Alterações; Lista de datas de submissão; Textos RCM/FI/ROT se aplicável;

32 Formulário rio do pedido Informações de carácter cter administrativo Apresentação de um formulário por submissão

33 Formulário rio do pedido Nº de procedimento A ser completadopelotitular de AIM* * Para procedimentos de Worksharingénecessário contactar previamente a autoridade competente para atribuição do número de procedimento; Nota: para o procedimento nacional será aplicável o sistema de numeração sequencial descrito nas instruções aos requerentes

34 Informações de carácter cter administrativo Tipo e âmbito do pedido Assinalar todas as opções aplicáveis

35 Informações de carácter cter administrativo Informação sobre o requerente No caso de WS ou Grupos de alteração tipo IA aplicáveis a mais do que uma AIM, deve ser indicado o titular responsável pela gestão do procedimento

36 Informações de carácter cter administrativo Medicamentos a que se refere o pedido Devem ser listados todos os medicamentos aos quais se aplica o pedido de alteração MRP Variation Number Corresponde ao Número de processo individual; não deve ser utilizado para identificação do procedimento durante a comunicação com o EMR/EME, sendo apenas referido nesta secção do formulário

37 Tipos de Alterações Alterações incluídas no pedido A cópia da página relevante da Guideline(assinalando condições e documentação de suporte aplicáveis) deve ser entregue em anexo ao formulário quando são submetidas alterações tipo IA ou IB Deve ser incluída nesta secção a alteração ou alterações incluídas no pedido, de acordo com a lista de alterações em anexo ao formulário.

38 Tipos de Alteração Alterações incluídas no pedido Alterações Tipo IA/IA IN (Do andtell) Notificadas até12 meses após implementação ou imediatamente após implementação.

39 Tipos de Alteração Alterações incluídas no pedido Alterações IB previstas: -Descritas na Guidelinecomo Tipo IB - 9) Quando uma das condições para Tipo IA não écumprida e a alteração não está especificamente listada como tipo II -z) Outras alterações, classificadas como tipo IB por recomendação ao abrigo do artigo 5º.

40 Tipos de Alteração Alterações incluídas no pedido Alterações não previstas z) Outras alterações: Deve utilizar-se esta alínea para alterações não previstas na Guideline, fazendo referência ao nível de classificação mais baixo possível (ex: B.II.d.1). O titular propõe a classificação IB ou II, de acordo com o impacto da alteração.

41 Tipos de Alteração Âmbito, Descrição e Justificação para grupo/ws ou classificação de alteração não prevista Atual vs Proposto Identificação clara dos aspetos a alterar/alterados Outros Pedidos a decorrer

42 Declaração do Titular - Assinalar apenas as hipóteses aplicáveis - Indicar data de implementação apenas para alterações tipo IB e II

43 Orientações para a submissão de pedidos de alteração por procedimento nacional

44 Submissão de alterações por procedimento nacional SISTEMA DE NUMERAÇÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO O Infarmed considerou necessário desenvolver um sistema de numeração de pedidos de alteração submetidos por PN (baseado no sistema RM/DC) Estrutura base Identifica o n.ºde processo do medicamento, atribuído em sede de pedido de AIM (Ex. Sinvastatina XPTO 20 mg: 05/H/0999/001) + Elementos adicionais Identificam o tipo de pedido de alteração submetido e o seu n.º sequencial (Ex. IA/IB/II/G/WS)

45 Submissão de alterações por procedimento nacional SISTEMA DE NUMERAÇÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO N.º PROCESSO: Corresponde ao n.ºindicado na primeira página do formulário do pedido de alteração e serve para identificação do pedido na comunicação entre o requerente e DAM deverá corresponder ao n.ºsequencial de submissão de alterações por procedimento nacional ao Infarmed, por requerente e em cada ano. N.º PROCESSO INDIVIDUAL: Corresponde ao n.ºindicado na tabela de medicamentos do formulário do pedido de alteração ao qual o pedido se aplica, que identifica o medicamento/dosagem/forma farmacêutica deverácorresponder ao n.ºsequencial cronológico de submissão de alteração por procedimento nacional, por medicamento.

46 Submissão de alterações por procedimento nacional SISTEMA DE NUMERAÇÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO N.º Processo: AAAA/[Requerente]/QQ/vvvv Alterações isoladas (single) AAAA= Ano de submissão do pedido Requerente = Nome abreviado ou sigla do requerente QQ= IA, IB ou II, de acordo com o tipo de alteração vvvv= N.ºcronológico da submissão efetuadaao Infarmed por requerente e por ano Ex: 2013/XPTO/IA/ /XPTO/IB/0002 N.º Processo Individual: [Estrutura base]/qq/vvv QQ= IA, IB ou II, de acordo com o tipo de alteração vvvv= N.ºcronológico da alteração para o medicamento Ex: 20 mg Comprimidos: 05/H/0999/001/IA/ mg Comprimidos: 05/H/0999/002/IA/ mg Comprimidos: 05/H/0999/001/IB/004

47 Submissão de alterações por procedimento nacional SISTEMA DE NUMERAÇÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO Grupos de Alterações (grouped applications) Grupo de alterações Tipo IA/IB/II aplicável a uma AIM. Grupo de alterações Tipo IA/IB/II aplicável a mais do que uma AIM do mesmo Titular, autorizadas pela mesma autoridade nacional competente, i.e., pelo Infarmed. N.º Processo: AAAA/[Requerente]/QQ/vvvv/G AAAA= Ano de submissão do pedido Requerente = Nome abreviado ou sigla do requerente QQ= IA, IB ou II, de acordo com o tipo de alteração de maior nível no grupo vvvv= N.ºcronológico da submissão efetuadaao Infarmed por requerente e por ano G = Identificador de grupo de alterações Ex: 2013/XPTO/IA/0007/G N.ºProcesso Individual: [Estrutura base]/qq/vvv/g QQ= IA, IB ou II, de acordo com o tipo de alteração de maior nível no grupo vvvv = N.º cronológico da alteração para o medicamento G = Identificador de grupo de alterações Ex: 20 mg Comprimidos: 05/H/0999/001/IA/004/G 40 mg Comprimidos: 05/H/0999/002/IA/003/G 125 mg Supositórios: G9/099/93/IB/007/G

48 Submissão de alterações por procedimento nacional SISTEMA DE NUMERAÇÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO N.º Processo: CC/H/xxxx/WS/vvvv (estrutura definida para o RM/DC) CC =Código de duas letras que identifica a Autoridade de Referência H = Medicamento de uso humano WS = Identificador de Worksharing vvvv = N.º sequencial atribuído pelo Autoridade de Referência Ex: PT/H/xxxx/WS/002 Worksharing N.º Processo Individual: [Estrutura base]/ws/vvv WS = Identificador de Worksharing vvv = N.º cronológico da alteração para o medicamento EX: PT/H/0999/ PT/H/0999/001/WS/39; PT/H/0999/002/WS/39; NO/H/ 0999/001 NO/H/0999/001/WS/22 Sinvastatina XPTO (20 mg e 40 mg) 05/H/0999/001/WS/10 05/H/0999/002/WS/07

49 Submissões de alterações por procedimento nacional ALTERAÇÕES EXCLUSIVAMENTE NACIONAIS Pedidos de passagem a medicamento genérico De acordo com o artigo 31.ºdo Decreto-Lei n.º176/2006, de 30 de agosto, os pedidos de passagem a medicamento genérico deverão ser submetidos como alteração tipo II. Deveráser utilizada a categoria C.I.z) Alterações de segurança, eficácia e farmacovigilância. Outra alteração. Serão divulgadas instruções aos requerentes que incluem instruções relativas à submissão destas alterações

50 Submissão de alterações por procedimento nacional ALTERAÇÕES EXCLUSIVAMENTE NACIONAIS Pedidos de alteração da classificação quanto à dispensa ao público Os pedidos de alteração da classificação quanto àdispensa ao público deverão ser submetidos como alteração tipo II. Deveráser utilizada a categoria C.I.z) Alterações de segurança, eficácia e farmacovigilância. Outra alteração. Serão divulgadas instruções aos requerentes que incluem orientações sobre a submissão destas alterações

51 Submissão de alterações por procedimento nacional ORIENTAÇÕES SOBRE PAGAMENTO DE TAXAS APLICÁVEIS A ALTERAÇÕES Taxasaplicáveis: Descritasnosn.ºs5 e 9 do anexodaportarian.º377/2005 (reduçãode 40% para as AIMsnacionaisde acordocom a alínead) damesmaportaria) Agrupamentos e worksharing a taxa total corresponde ao somatório das taxas individuais aplicáveis A partir de 5 de agostoo pagamento de taxas passa a estar integrado na plataforma de submissão eletrónicade alterações e tem que ser efetuadoatravés de Referência MB emitida pelo Infarmed O pagamento éefetuadoapós submissão do pedido e validação de proposta de guia de pagamento pela DAM Serão divulgadas instruções aos requerentes que incluem orientações sobre pagamento de taxas aplicáveis a pedidos de alteração

52 Submissão de alterações por procedimento nacional COMUNICAÇÕES POR VIA EXCLUSIVAMENTE ELETRÓNICA ( ) Permitiráa agilizar as comunicações entre o Infarmed e os requerentes no que se refere a validação e início do procedimentos, notificação de pedidos de elementos e notificação da decisão sobre os pedidos de alterações aos termos de AIM; Aquando da submissão dos pedidos de alteração na plataforma eletrónica, será obrigatório anexar documento que identifica o endereço eletrónicopara onde devem ser enviadas as comunicações sobre os pedidos O Infarmed utilizará as seguintes caixas de correio: pedidos de alteração por PN pedidos de alteração por RM/DC emqeu PT atua como EMR para pedidos de alteração por RM/DC emq eu PT atua como EME

53 Obrigado pela atenção Lisboa, 09 julho 2013 Gilda Calado

Instruções aos requerentes sobre submissão de pedidos de alteração aos termos da Autorização de Introdução no Mercado

Instruções aos requerentes sobre submissão de pedidos de alteração aos termos da Autorização de Introdução no Mercado Instruções aos requerentes sobre submissão de pedidos de alteração aos termos da Autorização de Introdução no Mercado Foi publicado em agosto de 2012 o Regulamento (UE) n.º 712/2012 da Comissão, de 3 de

Leia mais

SUBMISSÃO ELETRÓNICA Apresentação do Sistema de Gestão de Medicamentos de Usos Humano (SMUH)

SUBMISSÃO ELETRÓNICA Apresentação do Sistema de Gestão de Medicamentos de Usos Humano (SMUH) SUBMISSÃO ELETRÓNICA Apresentação do Sistema de Gestão de Medicamentos de Usos Humano (SMUH) INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. Lisboa, 09 julho 2013 Rute Nogueira 1

Leia mais

Instruções aos requerentes Submissão de pedidos de Autorização de Introdução no Mercado

Instruções aos requerentes Submissão de pedidos de Autorização de Introdução no Mercado Instruções aos requerentes Submissão de pedidos de Autorização de Introdução no Mercado O presente documento tem como objetivo clarificar aspetos relativos à submissão ao INFARMED Autoridade Nacional do

Leia mais

Questões Frequentes sobre Medicamentos de dispensa exclusiva em farmácia

Questões Frequentes sobre Medicamentos de dispensa exclusiva em farmácia Questões Frequentes sobre Medicamentos de dispensa exclusiva em farmácia 1- O que são Medicamentos sujeitos a receita médica de dispensa exclusiva em farmácia (MSRM-EF)? É uma sub-categoria dos Medicamentos

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

Deliberação n.º 85/CD/2010

Deliberação n.º 85/CD/2010 Deliberação n.º 85/CD/2010 Nos últimos anos registou-se um aumento significativo de pedidos de autorização de introdução no mercado de medicamentos de uso humano pelos procedimentos de reconhecimento mútuo

Leia mais

PRÉ-SUBMISSÃO ELETRÓNICA DE PEDIDOS DE AIM. Utilização da plataforma SMUH-AIM

PRÉ-SUBMISSÃO ELETRÓNICA DE PEDIDOS DE AIM. Utilização da plataforma SMUH-AIM PRÉ-SUBMISSÃO ELETRÓNICA DE PEDIDOS DE AIM Utilização da plataforma SMUH-AIM INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P. 1 Pré-Submissão eletrónica de pedidos de AIM Pedidos de

Leia mais

FORMULÁRIO DE PEDIDO DE ALTERAÇÃO AOS TERMOS DA AIM

FORMULÁRIO DE PEDIDO DE ALTERAÇÃO AOS TERMOS DA AIM FORMULÁRIO DE PEDIDO DE ALTERAÇÃO AOS TERMOS DA AIM USO HUMANO VETERINÁRIO PROC. RECONHECIMENTO MÚTUO PRM número alteração: /_/ / / / PROCEDIMENTO NACIONAL Processo Nacional n.º: Estado Membro de Referência

Leia mais

O processo de Autorização de Introdução no Mercado de medicamentos. Ana Margarida Oliveira Direcção de Avaliação de Medicamentos

O processo de Autorização de Introdução no Mercado de medicamentos. Ana Margarida Oliveira Direcção de Avaliação de Medicamentos O processo de Autorização de Introdução no Mercado de medicamentos Ana Margarida Oliveira Direcção de Avaliação de Medicamentos ETAPAS DO CICLO DE VIDA DO MEDICAMENTO CICLO DE VIDA DO MEDICAMENTO 1º Fase:

Leia mais

Plataforma de Submissão de Pedidos de Alteração do Sistema de Gestão de Medicamentos de Uso Humano (SMUH ALTER) do INFARMED, I.P.

Plataforma de Submissão de Pedidos de Alteração do Sistema de Gestão de Medicamentos de Uso Humano (SMUH ALTER) do INFARMED, I.P. Plataforma de Submissão de Pedidos de Alteração do Sistema de Gestão de Medicamentos de Uso Humano (SMUH ALTER) do INFARMED, I.P. Página 1 de 55 Índice 1 Introdução...4 2 Plataforma SMUH ALTER Externo...5

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO EM FORMATO ELECTRÓNICO MANUAL DE CARREGAMENTO

SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO EM FORMATO ELECTRÓNICO MANUAL DE CARREGAMENTO SUBMISSÃO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO EM FORMATO ELECTRÓNICO MANUAL DE CARREGAMENTO INTRODUÇÃO...3 OBJECTIVO...3 ESTRUTURA DO MANUAL...3 REGRAS GERAIS DE CARREGAMENTO...4 CAMPOS DE TEXTO...4 CAMPOS DE SELECÇÃO...4

Leia mais

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS GLOSSÁRIO... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivo... 3 DEFINIÇÕES... 3 Certificado de um medicamento

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares) POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE SEGURANÇA PRIVADA (SIGESP) Manual do Utilizador do Registo Prévio (Entidades Coletivas e Singulares)

Leia mais

Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT

Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT 1. Segurança do sistema e confidencialidade P: Como posso ter a certeza de que os dados introduzidos estarão seguros? 2. Configuração do sistema P: Como

Leia mais

Plataforma REAI. Guia prático de alterações e novas funcionalidades Versão 2.1.9 (implementada em 28 setembro de 2012)

Plataforma REAI. Guia prático de alterações e novas funcionalidades Versão 2.1.9 (implementada em 28 setembro de 2012) Plataforma REAI Guia prático de alterações e novas funcionalidades Versão 2.1.9 (implementada em 28 setembro de 2012) ÍNDICE 1 Enquadramento 2 Licença de Exploração 3 Novos mecanismos de validação nos

Leia mais

Deliberação n.º 939/2014, de 20 de março (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014)

Deliberação n.º 939/2014, de 20 de março (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014) (DR, 2.ª série, n.º 75, de 16 de abril de 2014) Aprova o formulário de notificação, a efetuar ao INFARMED, I. P., e orientações sobre a prática de reprocessamento de dispositivos médicos de uso único pelo

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES * Aprovado em assembleia-geral de 1/7/2003 Nos termos do al f) do n.º 1 do art.º 30.º, do n.º 6 do art.º 33.º e da alínea j) do art.º

Leia mais

PROJETO DE REGRAS RELATIVAS À UTILIZAÇÃO PARTILHADA DO NÚMERO 16XY DO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA O SERVIÇO DE APOIO A CLIENTES

PROJETO DE REGRAS RELATIVAS À UTILIZAÇÃO PARTILHADA DO NÚMERO 16XY DO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA O SERVIÇO DE APOIO A CLIENTES PROJETO DE REGRAS RELATIVAS À UTILIZAÇÃO PARTILHADA DO NÚMERO 16XY DO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA O SERVIÇO DE APOIO A CLIENTES 1. INTRODUÇÃO O ICP-ANACOM recebeu, em 11 de setembro de 2013, um pedido

Leia mais

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

SEGURANÇA PRIVADO - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA Rua da Artilharia 1, n.º 21, 4.º andar 1269-003 LISBOA Telefones: 213 703 990 213 703 900 Fax 213 874 770 E-mail depspriv@psp.pt M 40.1 - PEDIDO DE EMISSÃO DE CARTÃO PROFISSIONAL

Leia mais

(de acordo com o nº1 do artigo 41º do Decreto-Lei nº 145/2009 de 17 de junho e com o artigo 12º do Decreto-Lei nº189/2000) INTRODUÇÃO pág.

(de acordo com o nº1 do artigo 41º do Decreto-Lei nº 145/2009 de 17 de junho e com o artigo 12º do Decreto-Lei nº189/2000) INTRODUÇÃO pág. ORIENTAÇÕES PARA O REGISTO ON-LINE DE DISPOSITIVOS MÉDICOS, E DISPOSITIVOS MÉDICOS PARA DIAGNÓSTICO IN VITRO POR PARTE DOS DISTRIBUIDORES QUE OPEREM NO MERCADO NACIONAL (de acordo com o nº1 do artigo 41º

Leia mais

Manual do Utilizador Externo. Aplicação para Registo de Utilizadores do Sistema de Gestão de Medicamentos de Uso Humano (SMUH)

Manual do Utilizador Externo. Aplicação para Registo de Utilizadores do Sistema de Gestão de Medicamentos de Uso Humano (SMUH) Aplicação para Registo de Utilizadores do Sistema de Gestão de Medicamentos de Uso Humano (SMUH) Página 1 de 12 Índice 1 Introdução... 3 2 Utilização da Aplicação... 4 2.1 Primeiros Passos Termos de Utilização...4

Leia mais

M a n u a l d o C a n d i d a t o

M a n u a l d o C a n d i d a t o Para efetuar o processo de candidatura deve aceder ao link: http://ff.academicos.ul.pt/cssnetff Tenha sempre em atenção que durante o seu processo de candidatura todos os campos assinalados com * são de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA, BIOQUÍMICA E FARMÁCIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA, BIOQUÍMICA E FARMÁCIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA, BIOQUÍMICA E FARMÁCIA Autorização de Introdução no Mercado de novos medicamentos em Portugal MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

PROMOTOR. Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROMOTOR. Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROMOTOR Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Apresentação O objetivo deste curso é proporcionar uma formação avançada, bem como a aquisição de competências e conhecimentos, de forma

Leia mais

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM

SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM SERVIÇOS DE VALOR ACRESCENTADO BASEADOS NO ENVIO DE MENSAGEM REGISTO PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE Pessoa Coletiva (Decreto-Lei n.º 177/99, de 21 de maio, na redação dada pela Lei n.º 95/2001, de 1 de

Leia mais

DENOMINAÇÃO, FORMA FARMACÊUTICA, DOSAGEM DO MEDICAMENTO, ESPÉCIES-ALVO, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

DENOMINAÇÃO, FORMA FARMACÊUTICA, DOSAGEM DO MEDICAMENTO, ESPÉCIES-ALVO, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO ANEXO I DENOMINAÇÃO, FORMA FARMACÊUTICA, DOSAGEM DO MEDICAMENTO, ESPÉCIES-ALVO, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO 1 Requerente/Titular da Autorização de Introdução

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada.

instituições de comprovada valia social, o qual visa concretizar, especificando, o compromisso a que está vinculada. DECISÃO relativa ao programa para a atribuição de subsídio à aquisição de equipamentos de recepção das emissões de TDT por parte de cidadãos com necessidades especiais, grupos populacionais mais desfavorecidos

Leia mais

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO COMO GESTOR GERAL DA QUALIDADE DE EMPREENDIMENTOS DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES DE CANDIDATURA 1. DESTINATÁRIOS A Marca de

Leia mais

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016

Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à. Bolsa de Estudo 2015/2016 Guia Prático de Registo, Preenchimento e Submissão de Candidaturas à Bolsa de Estudo 2015/2016 O que é? A bolsa de estudo é uma prestação pecuniária anual para comparticipação nos encargos com a frequência

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões

relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões EBA/GL/2015/01 11.05.2015 Orientações da EBA relativas às listas provisórias nacionais dos serviços mais representativos associados a contas de pagamento e sujeitos a comissões 1 Obrigações em matéria

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software agosto, 2015 Versão 2,0 Este trabalho não pode ser reproduzido ou divulgado, na íntegra ou em parte, a terceiros nem utilizado para outros fins que não

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

(Comunicações) COMUNICAÇÕES ORIUNDAS DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA COMISSÃO EUROPEIA

(Comunicações) COMUNICAÇÕES ORIUNDAS DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA COMISSÃO EUROPEIA 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia C 17/1 (Comunicações) COMUNICAÇÕES ORIUNDAS DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA COMISSÃO EUROPEIA Comunicação da Comissão Orientações relativas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º 7/SP/2014 07-04-2014 ASSUNTO: RECONHECIMENTO E EQUIVALÊNCIA DAS FORMAÇÕES OBTIDAS NO ESTRANGEIRO PARA AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS DE VIGILANTE E DIRETOR DE SEGURANÇA

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Institui o protocolo eletrônico para emissão de Certificado de Registro de Medicamento e Certidão de Registro para

Leia mais

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office

Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais - Front-Office Manual Utilizador - Gestão de Processos de Acidentes de Trabalho e - Front-Office V1.0 Página 1 Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Instruções Gerais... 4 2.1 Acesso... 5 2.1.1 Regras para Aceder

Leia mais

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos

Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Perguntas frequentes procedimentos Código dos Contratos Públicos Questões de âmbito geral - Os novos procedimentos adotados pela FFCUL aplicam-se a que tipologias de projeto? Os novos procedimentos implementados

Leia mais

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares

Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E DA INDÚSTRIA Bruxelas, 1.2.2010 - Documento de orientação 1 Aplicação do Regulamento «Reconhecimento Mútuo» a suplementos alimentares 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE AGOSTO/2014 1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Orientações Gerais... 4 2.1 Entrega de guias... 4 2.2 Numeração de guias... 4 2.3 Pacotes - Autorização e cobrança...

Leia mais

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI Programa CAPES- Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, Fundação Pública, criada pela Lei nº. 8.405, de 09 de janeiro de

Leia mais

PEDIDO DE HABITAÇÃO. Formulário de pedido de habitação (versão 1.0.0 junho 2015) Página 1 de 6

PEDIDO DE HABITAÇÃO. Formulário de pedido de habitação (versão 1.0.0 junho 2015) Página 1 de 6 PEDIDO DE HABITAÇÃO O presente formulário visa instruir o processo do pedido para atribuição de uma habitação propriedade do Instituto de Habitação e de Reabilitação Urbana, I. P. (IHRU, I. P.). O preenchimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO A Caixa Central Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L., contribuinte nº 501464301, com sede na Rua Castilho, nº233, 1099-004 LISBOA, através da Direcção de Marketing

Leia mais

Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC. (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho)

Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC. (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho) Procedimento para o Registo de Entidades na ANPC (Portaria n.º 773/2009, de 21 de Julho) 1. O presente documento explana os procedimentos necessários ao registo obrigatório das entidades com actividade

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo.

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo. Sua Excelência A Ministra da Administração Interna Praça do Comércio 1149-015 Lisboa Sua referência Sua comunicação Nossa referência Proc. Q-1553/12 (UT5) e outros Assunto: Forças policiais; denúncia;

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução para inglês 2015/S 152-279505. Anúncio de concurso. Serviços

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução para inglês 2015/S 152-279505. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279505-2015:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução para inglês 2015/S 152-279505 Anúncio de concurso

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

Breves indicações para a utilização do sistema pelo Fabricante/Mandatário

Breves indicações para a utilização do sistema pelo Fabricante/Mandatário Registo de Dispositivos Médicos e Dispositivos Médicos para Diagnóstico In Vitro pelos Fabricantes/Mandatários Breves indicações para a utilização do sistema pelo Fabricante/Mandatário Índice 1 Introdução...

Leia mais

Registo de operadores económicos de Produtos Cosméticos

Registo de operadores económicos de Produtos Cosméticos Manual do Utilizador Registo de operadores económicos de Produtos Cosméticos Manual do Utilizador Manual do Utilizador ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO......3 2 ÁREA DO UTILIZADOR... 4 2.1 REGISTO DO UTILIZADOR...

Leia mais

O CONTROLO DE QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE ENSAIOS CLÍNICOS

O CONTROLO DE QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE ENSAIOS CLÍNICOS O CONTROLO DE QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE ENSAIOS CLÍNICOS GRUPO DE TRABALHO - VI EAMI BOAS PRÁTICAS CLÍNICAS E FARMACOVIGILÂNCIA Catarina Martins, INFARMED 16 de Outubro de 2006 Departamento de Ensaios

Leia mais

Concurso Externo Extraordinário

Concurso Externo Extraordinário MANUAL DE INSTRUÇÕES Aperfeiçoamento da Candidatura Eletrónica Concurso Externo Extraordinário NOS TERMOS DO PONTO 3.2 do Nº 3 DO CAPÍTULO VIII DO AVISO N.º 1340-A/2013, PUBLICADO EM DIÁRIO DA REPÚBLICA,

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 2 Departamento de Segurança Privada Março de 2014 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 2. (Março de 2014)

Leia mais

Instruções para preenchimento de contratos

Instruções para preenchimento de contratos Instruções para preenchimento de contratos Este documento tem como objetivo esclarecer o correto preenchimento dos contratos de emissão e renovação dos certificados digitais qualificados fornecidos pela

Leia mais

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: Reunir informação: Para o correcto preenchimento do formulário de candidatura deverá ter consigo os

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DE UM PEDIDO DE AIM SUBMETIDO POR PROCEDIMENTO NACIONAL

LISTA DE VERIFICAÇÃO DE UM PEDIDO DE AIM SUBMETIDO POR PROCEDIMENTO NACIONAL LISTA DE VERIFICAÇÃO DE UM PEDIDO DE AIM SUBMETIDO POR PROCEDIMENTO NACIONAL Nome do medicamento Nº de processo Data de Entrada Substância activa Forma farmacêutica Dosagem Requerente Tipo de pedido Contacto

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16 REGULAMENTO DO CONCURSO ESTÁGIOS DE CURTA DURAÇÃO EM PORTUGAL PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE PROVENIENTES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E TIMOR-LESTE 5ª EDIÇÃO, 2015-16 Artigo 1º Âmbito O presente

Leia mais

PROCESSO DE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Linhas de orientação

PROCESSO DE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Linhas de orientação PROCESSO DE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Linhas de orientação DSQA / Agosto 2015 Este documento tem como objetivo orientar as entidades formadoras certificadas pela Direção-Geral do Emprego e das Relações

Leia mais

Índice. 1. Introdução... 1. 2. O Registo de Medicamentos... 3. 3. Procedimentos de processo de registo... 6

Índice. 1. Introdução... 1. 2. O Registo de Medicamentos... 3. 3. Procedimentos de processo de registo... 6 Índice 1. Introdução... 1 2. O Registo de Medicamentos... 3 3. Procedimentos de processo de registo... 6 A. Autorização de Introdução no Mercado (AIM)... 6 B. Procedimentos Europeus de Autorização de Medicamentos...

Leia mais

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/

Guia do Candidato. http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ http://www.dges.mec.pt/wwwbeon/ Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura Para o correto preenchimento do formulário de candidatura deverá ter consigo os seguintes documentos,

Leia mais

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO nº 020

ORDEM DE SERVIÇO nº 020 ORDEM DE SERVIÇO nº 020 Disciplina as solicitações, indicações, tramitações e inscrições de servidores em eventos de capacitação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Versão 2.4 agosto de 2015 Perfil SILiAmb O perfil de utilizador 3. Pessoa que trata da transferência em Movimentos Transfronteiriços

Leia mais

GoWorkFlow Gestão de Processos

GoWorkFlow Gestão de Processos GoWorkFlow Gestão de Processos Desde criar processos a seguir o seu trajeto, esta plataforma permite uma completa gestão do fluxo de informação entre várias entidades A Dimep Europa S.A. é uma empresa

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

Nome Dosagem Forma farmacêutica. Leflunomid Actavis 10 mg Filmtabletten 10 mg. Leflunomid Actavis 100 mg Filmtabletten

Nome Dosagem Forma farmacêutica. Leflunomid Actavis 10 mg Filmtabletten 10 mg. Leflunomid Actavis 100 mg Filmtabletten Anexo I Lista das denominações, forma farmacêutica, dosagens, via de administração dos medicamentos, do requerente titular da autorização de introdução no mercado nos estados-membros 1 Estado-Membro UE/EEE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO DA FURG 1 -DA ISENÇÃO DE TAXA O Programa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO E OBJETO. Artigo 1. Denominação e Regime jurídico. O Comité de Agentes do Mercado constitui-se como um órgão

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

Notas sobre o formulário de pedido de registo de marca comunitária

Notas sobre o formulário de pedido de registo de marca comunitária INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, desenhos e modelos Notas sobre o formulário de pedido de registo de marca comunitária Observações gerais 1.1 Utilização do formulário Este formulário

Leia mais

Circular n.º 13 Colónia, Maio de 2013

Circular n.º 13 Colónia, Maio de 2013 Endereço postal: Conterganstiftung für behinderte Menschen (Fundação Contergan para Pessoas com Deficiência) 50964 Köln (Colónia) ENDEREÇO DA EMPRESA Sibille-Hartmann-Str. 2-8 50969 Köln (Colónia) ENDEREÇO

Leia mais

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS

OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01/ SAMA/ 2012 SISTEMA DE APOIOS À MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA (SAMA) OPERAÇÕES INDIVIDUAIS E OPERAÇÕES TRANSVERSAIS Nos termos do Regulamento do SAMA, a apresentação

Leia mais

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. ibict. Autores

Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. ibict. Autores Autores Autores normalmente podem se cadastrar e submeter seus trabalhos através do sistema. O Autor envia o documento original, alimenta os metadados (ou a indexação associada ao documento) de seu trabalho,

Leia mais

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I

Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I P7_TA-PROV(2013)0417 Pilhas e acumuladores portáteis que contenham cádmio ***I Resolução legislativa do Parlamento Europeu, de 10 de outubro de 2013, sobre a proposta de diretiva do Parlamento Europeu

Leia mais

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA)

JC 2014 43 27 May 2014. Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) JC 2014 43 27 May 2014 Joint Committee Orientações sobre tratamento de reclamações para os setores dos valores mobiliários (ESMA) e bancário (EBA) 1 Índice Orientações sobre tratamento de reclamações para

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

Processo de submissão - Informação para autores

Processo de submissão - Informação para autores Processo de submissão - Informação para autores O sistema de submissão on-line da Colóquios Garcia de Orta oferece aos autores a possibilidade de enviarem as suas submissões directamente para a revista.

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 48, de 13 de julho de 2012. D.O.U de 23/07/12 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 451, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 92)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 451, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 92) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 451, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 92) Estabelece procedimentos para o acesso ao sistema CAEPI - Certificado de Aprovação de Equipamento

Leia mais

Mobilidade por Doença

Mobilidade por Doença MANUAL DE INSTRUÇÕES Candidatura Eletrónica Mobilidade por Doença Tipo de candidato Docentes de carreira dos estabelecimentos de ensino da rede pública de Portugal Continental e das Regiões Autónomas nos

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 10.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 329/5 DIRETIVA 2013/56/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de novembro de 2013 que altera a Diretiva 2006/66/CE do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais