Empreendimentos Prioritários e de Caráter estratégico. Empreendimentos de iniciativa isolada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendimentos Prioritários e de Caráter estratégico. Empreendimentos de iniciativa isolada"

Transcrição

1 Critérios para hierarquização Demanda Induzida Empreendimentos Prioritários e de Caráter estratégico 20% dos Recursos Disponibilizados Demanda Espontânea Empreendimentos de iniciativa isolada

2 Critérios para hierarquização Demanda Induzida (2012) Propostos pelas Câmaras Técnicas dos Comitês PCJ CT-PL aprova Indica o Tomador Envolver ações de administração, planejamento e gestão de Recursos Hídricos Enquadradas nas Ações Elegíveis do Plano das Bacias PCJ 2010 a 2020.

3 Critérios para hierarquização Demanda Induzida (2012) Abranger pelo menos a totalidade de uma sub-bacia: Rio Atibaia; Rio Jaguari; Rio Capivari; Rio Jundiaí; Rio Corumbataí; Rio Piracicaba; Rio Camanducaia; Sistema Cantareira, nos territórios de São Paulo e da sub-bacia PJ (MG)

4 Prioridade de Aplicação (atendimento ao limite): Critérios para hierarquização 1º Grupo 4; 2º Grupo 1; Distribuição dos Recursos para investimentos 3º Grupo 3; -Demanda Espontânea: 4º Grupo 2 Estudos, planos e projetos limite máximo de 28% Distribuição por Grupos: Grupo 1:Mínimo de 50% e máximo de 75% o PDC3 o elaboração de PMSB para municípios com mais de habitantes o Saldo Remanescente de recursos deste Grupo será aplicado no Grupo 2 Grupo 2: até 40% o Demais PDCs o Saldo Remanescente de recursos deste Grupo será aplicado nos Grupos 1 e 3 Grupo 3: até 2% o Ações de estudos e pesquisas Grupo 4: até 8% o Elaboração de PMSB para municípios com até habitantes

5 Pré-requisitos requisitos para inscrição na Pré-qualificação Exceto Grupo 4 VG mínimo R$ ,00 Planos e Projetos VG máximo R$ ,00 Grupo 3 VG mínimo R$ ,00 VG máximo R$ ,00 Grupo 1 (serviços, equip. e obras) Grupo 2 VG mínimo R$ ,00 VG máximo R$ ,00 VG mínimo R$ ,00 VG máximo R$ ,00 Os empreendimentos não poderão contemplar aquisição de veículos.

6 Pré-requisitos requisitos para inscrição na Pré-qualificação Empreendimentos de ações de controle de perdas devem estar contempladas no Plano Diretor de Combate a Perdas ou Plano Municipal de Saneamento Básico 70% do conteúdo mínimo apresentado no Manual Orientativo. Empreendimentos de ações de drenagem urbana devem estar contempladas no Plano Diretor de Drenagem Urbana ou Plano Municipal de Saneamento Básico 70% do conteúdo mínimo apresentado no Manual Orientativo. Obras e serviços de engenharia Projeto de Engenharia conforme especificações do Manual Orientativo.

7 Pré-requisitos requisitos para inscrição na Pré-qualificação Serviços de Reflorestamento Certidão Negativa de Multa (Área não multada por desmatamento); Prefeituras do Estado de São Paulo: Termo de Adesão ao Termo de Compromisso da Outorga do Sistema Cantareira; Adesão ao Programa Município Verde Azul Comprovantes de quitação das 6 últimas parcelas referentes às Cobranças (parcela única ou Abril a Setembro/2011); Para empreendimentos do Grupo 3 (Estudos e Pesquisas): Prazo de execução máximo de 2 anos; Não deve constar aquisição de equipamentos de informática; Candidatos a tomador: Universidades, Institutos de Pesquisas, Órgãos e entidades com atribuição na área de pesquisa Não serão aceitos empreendimentos cuja licitação tenha sido realizada antes da aprovação do Agente Técnico

8 Grupos 1 a 4 Tomador poderá inscrever até 2 empreendimentos; SABESP e COPASA: Deliberação 129/2011 Pré-requisitos requisitos para inscrição na Pré-qualificação Montante solicitado inferior a 30% dos recursos disponíveis para distribuição para os Grupos 1 e 2; Somente 1 ação por município. Escolha dentro dos limites Entidades públicas e concessionárias de serviços de saneamento Montante solicitado inferior a 20% dos recursos disponíveis para distribuição para os Grupos 1 e 2; Recursos reembolsáveis: Até o limite disponível pela legislação vigente; Até 35% do montante dos recursos disponíveis para distribuição. Municípios cujos serviços de saneamento são de administração indireta podem ter empreendimentos inscritos tanto pela Prefeitura como pela Concessionária, desde que respeitem os limites anteriores (CNDs válidas); Entidades privadas (exceto concessionárias) limite de 10% dos recursos disponíveis para distribuição para os Grupos 1 e 2; Apenas 1 objeto por empreendimento Adequação

9 Pesquisas, estudos, planos e projetos; Serviços; Deliberação 129/2011 Empreendimentos passíveis de financiamento Equipamentos instalados imediatamente após sua aquisição ou utilizados em empreendimentos em implantação; Obras que possam entrar em funcionamento imediatamente após sua conclusão. Classificação das obras: Completas integralidade do projeto; Parte de obras atendimento de porcentagem do objetivo do empreendimento.

10 Tipo de financiamento: Reembolsável 5 pontos Não-reembolsável 0 pontos Tipo de empreendimento: Caso ultrapasse 35% -não reembolsável Projetos de ETEspara municípios de a habitantes 7pontos; PMSB (Manual Orientativo) 6 pontos; Obra com projeto já financiado pelas Cobranças PCJ 5pontos; Obra com projeto não financiado pelas Cobranças PCJ 4pontos; Equipamentos cujo projeto foi financiado pelas Cobranças PCJ 3 pontos; Equipamentos cujo projeto não foi financiado pelas Cobranças PCJ 2 pontos; Serviço cujo projeto/tr foi financiado pelas Cobranças PCJ 1,5 pontos; Serviço cujo projeto/tr não foi financiado pelas Cobranças PCJ 1 pontos. Empreendimentos que se enquadrem em mais de uma situação Média

11 Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ: onde: PG = número de pontos a ser recebido: Candidato foi Tomador e teve contrato cancelado nos últimos 6 anos PG = 0 Candidato possui contrato assinado há mais de 3 anos, não concluído PG = 2 Candidato nunca foi Tomador PG = 5 Candidato foi Tomador e empreendimento concluído ou possui contrato assinado há menos de 2 anos não concluído PG = 10 Demais situações dos candidatos PG = 8 Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

12 Participação no Processo de Gestão: onde: n = número de participações dos representantes do município em Reuniões Plenárias, no período de 15/09/2011 a 31/12/2011; y = número de participações do prefeito municipal em Reuniões Plenárias, no período de 15/09/2011 a 31/12/2011; N = número de Reuniões Plenárias realizadas no período de 15/09/2011 a 31/12/2011.

13 Participação no Processo de Gestão: Exemplo: Foram realizadas 2 Reuniões Plenárias no período, os representantes participaram de todas as reuniões e o prefeito de uma. N = 2 n = 2 y = 1

14 Contrapartida Oferecida: onde: PCP = pontuação a receber Pmáx= pontuação máxima = 10 pontos CPof = contrapartida oferecida CPmín = contrapartida mínima CPmáx = contrapartida máxima O valor do PCP deve ser arredondado para duas casas decimais; Limites CPmáx e CPmín Anexo II e Manual Orientativo Caso o Tomador ofereça contrapartida superior à CPmáx, deverá ser considerado o valor do CPmáxpara o cálculo; A contrapartida oferecida não poderá ser inferior a CPmín. Empreendimentos que envolvam mais de um município CPmáx.

15 Contrapartida Oferecida: Exemplo: Município de Santa Bárbara oferece Contrapartida de 20%. Índice de Contrapartida Santa Bárbara D Oeste CPmín= 17% e CPmáx= 29% CPof= 20% Pmáx = 10

16 Contrapartida Município Limites de Contrapartida Inferior Superior Campinas 32% 55% Jundiaí 25% 43% Piracicaba 23% 39% Sumaré 21% 35% Limeira 21% 35% Americana 19% 33% Indaiatuba 18% 31% Hortolândia 18% 31% Paulínia 18% 30% Rio Claro 18% 30% Santa Bárbara D Oeste 17% 29% Itu 17% 29% Louveira 15% 26% Vinhedo 15% 26% Bragança Paulista 15% 26% Valinhos 15% 26% Atibaia 15% 25%

17 Objetivo do empreendimento: PMSB 7pontos ETEs, tratamento de chorume, tratamento de efluentes 5 pontos; Sistema de transporte e afastamento de esgotos que se interliguem a ETE em operação 4pontos; Sistema de transporte e afastamento de esgotos que se interliguem a ETE em construção 3pontos; Sistema de transporte e afastamento de esgotos que não estejam interligados a ETE 2 pontos. Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos: Município que possui Lei Municipal e Conselho implantado e em operação 5 pontos Município que possui Lei Municipal 3 pontos Município que não possui Lei Municipal 0 pontos Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

18 Prioridade para a alocação de recursos em intervenções em afastamento e tratamento de esgotos Plano de Bacias PCJ 2010 a 2020: onde: P = pontuação total alcançada pelo município, de acordo com o Plano de Bacias PCJ Pmáxinscrito= número de pontos do município com maior pontuação, dentre os inscritos, de acordo com o Plano das Bacias PCJ Pmíninscrito= número de pontos do município com menor pontuação, dentre os inscritos, de acordo com o Plano das Bacias PCJ Criticidade quanto à evolução da carga orgânica Plano de Bacias PCJ: Empreendimentos enquadrados na classe 5 (Mapa 01) 7 pontos; Empreendimentos enquadrados na classe 4 (Mapa 01) 5 pontos; Empreendimentos enquadrados na classe 3 (Mapa 01) 3 pontos; Empreendimentos enquadrados na classe 2 (Mapa 01) 2 pontos; Empreendimentos enquadrados na classe 1 (Mapa 01) 1 pontos.

19 Pontuação dos Municípios Município Pontos Município Pontos Município Pontos Campinas 22 Piracicaba 12 B. Jesus Perdões 7 Atibaia 20 Valinhos 11 Tuiuti 6 Indaiatuba 19 Salto 10 Rio das Pedras 6 Limeira 19 Rio Claro 10 Corumbataí 6 Americana 19 Sto. Ant. Posse 9 Rafard 6 Cosnópolis 17 Sta. Gertrudes 9 Analândia 6 Amparo 15 Camanducaia 8 Saltinho 6 Artur Nogueira 15 Extrema 8 Ipeúna 4 Pedreira 15 Cápivari 8 Monte A. Sul 4 Jundiaí 15 Cordeirópolis 8 Iracemápolis 4 Jaguariúna 13 Louveira 8 Itapeva 3 Vinhedo 12 São Pedro 8 Toledo 2 Sumaré 12 Nova Odessa 8 Sta. B. D Oeste 12 Holambra 8

20 Pontuação dos Municípios - SABESP Município Pontos Município Pontos Bragança Paulista 20 Morungaba 6 Várzea Paulista 19 Vargem 6 Campo. L. Paulista. 15 Pedra Bela 6 Itupeva 13 Nazaré Paulista 6 Paulínia 13 Águas São Pedro 5 Hortolândia 13 Elias Fausto 5 Jarinu 11 Sta. Maria Serra 5 Itatiba 9 Charqueada 4 Mairiporã 8 Joanópolis 4 Cabreúva 8 Pinhalzinho 4 Piracaia 8 Mombuca 3 Monte Mor 7

21 Critérios de Desempate: 1. Prioridade para a alocação de recursos; 2. Pontuação Cargas por Zona ; 3. Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ; 4. Objetivo do empreendimento; 5. Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos; 6. Contrapartida oferecida; 7. Participação no processo de gestão; 8. Tipo de empreendimento; 9. Sorteio.

22 Tipo de financiamento: Reembolsável 5 pontos Não-reembolsável 0 pontos Tipo de empreendimento: Deliberação 129/2011 Caso ultrapasse 35% -não reembolsável Obra cujo projeto já financiado pelas Cobranças PCJ 5pontos; Obra cujo projeto não financiado pelas Cobranças PCJ 4,5 pontos; Serviço ou equipamentos cujo projeto foi financiado pelas Cobranças PCJ 4 pontos; Serviço ou equipamentos cujo projeto não foi financiado pelas Cobranças PCJ 3,5 pontos; Projeto ou plano cujo TR foi financiado pelas Cobranças PCJ 3pontos; Projeto ou plano cujo TR não foi financiado pelas Cobranças PCJ 2pontos; Termo de Referência 1 ponto. Empreendimentos que se enquadrem em mais de uma situação Média

23 Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ: onde: PG = número de pontos a ser recebido: Candidato foi Tomador e teve contrato cancelado nos últimos 6 anos PG = 0 Candidato possui contrato assinado há mais de 4 anos, não concluído PG = 2 Candidato nunca foi Tomador PG = 5 Candidato foi Tomador e empreendimento concluído ou possui contrato assinado há menos de 2 anos não concluído PG = 10 Demais situações dos candidatos PG = 8 Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

24 Participação no Processo de Gestão: onde: n = número de participações dos representantes do município em Reuniões Plenárias, no período de 15/09/2011 a 31/12/2011; y = número de participações do prefeito municipal em Reuniões Plenárias, no período de 15/09/2011 a 31/12/2011; N = número de Reuniões Plenárias realizadas no período de 15/09/2011 a 31/12/2011. Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

25 Contrapartida Oferecida: onde: PCP = pontuação a receber Pmáx= pontuação máxima = 10 pontos CPof = contrapartida oferecida CPmín = contrapartida mínima CPmáx = contrapartida máxima O valor do PCP deve ser arredondado para duas casas decimais; Limites CPmáx e CPmín Anexo II e Manual Orientativo Caso o Tomador ofereça contrapartida superior à CPmáx, deverá ser considerado o valor do CPmáxpara o cálculo; A contrapartida oferecida não poderá ser inferior a CPmín. Empreendimentos que envolvam mais de um município CPmáx.

26 Objetivo do empreendimento: Controle de perdas 5pontos Conservação e proteção dos corpos d água, educação ambiental 4 pontos; Outros 3 pontos; Empreendimentos de Conservação e Proteção dos corpos d água Implantação em áreas definidas como de prioridade muito alta no PDR 5 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade alta no PDR 4 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade média no PDR 3 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade baixa no PDR 2 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade muito baixa no PDR 1 ponto Empreendimentos de Controle de Perdas Empreendimentos enquadrados na classe 4 (Mapa 02) 7 pontos; Empreendimentos enquadrados na classe 3 (Mapa 02) 5 pontos; Empreendimentos enquadrados na classe 2 (Mapa 02) 3 pontos; Empreendimentos enquadrados na classe 1 (Mapa 02) 1 ponto.

27 Localização do empreendimento (Excluindo Controle de Perdas): Sub-bacia Cantareira 5 pontos Sub-baciasa montante de captações em afluentes dos rios: Atibaia, Camanucaia, Capivari, Corumbataí, Jaguari, Jundiaí e Piracicaba 4 pontos; Sub-baciasa montante das captações de Campo Limpo Paulista, no rio Jundiaí; de Amparo, no rio Camanducaia; de Campinas, no rio Capivari e de Rio Claro, no rio Corumbataí 3 pontos; Sub-baciasa montante das captações de Piracicaba, no rio Piracicaba; de Sumaré, no rio Atibaia; de Limeira, no rio Jaguarie de Piracicaba, no rio Corumbataí 2pontos; Outros 1ponto. Pontuações excludentes em relação às posteriores. Empreendimento enquadrado em mais de uma classificação Maior Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos: Município que possui Lei Municipal e Conselho implantado e em operação 5 pontos Município que possui Lei Municipal 3 pontos Município que não possui Lei Municipal 0 pontos Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

28 Critérios de Desempate: 1. Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ; 2. Objetivo do empreendimento; 3. Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos; 4. Contrapartida oferecida; 5. Participação no processo de gestão; 6. Tipo de empreendimento; 7. Sorteio.

29 Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ: onde: PG = número de pontos a ser recebido: Candidato foi Tomador e teve contrato cancelado nos últimos 6 anos PG = 0 Candidato possui contrato assinado há mais de 3 anos, não concluído PG = 2 Candidato nunca foi Tomador PG = 5 Candidato foi Tomador e empreendimento concluído ou possui contrato assinado há menos de 2 anos não concluído PG = 10 Demais situações dos candidatos PG = 8

30 Participação no Processo de Gestão: onde: n = número de participações dos representantes do candidato em reuniões da CT-ID, no período de 15/09/2011 a 31/12/2011; N = número de Reuniões da CT-ID realizadas no período de 15/09/2011 a 31/12/2011. Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

31 Contrapartida Oferecida: onde: PCP = pontuação a receber Pmáx= P = pontuação máxima = 10 pontos CPof = contrapartida oferecida CPmín = contrapartida mínima CPmáx = contrapartida máxima O valor do PCP deve ser arredondado para duas casas decimais; Limites CPmáx e CPmín Anexo II e Manual Orientativo Caso o Tomador ofereça contrapartida superior à CPmáx, deverá ser considerado o valor do CPmáx para o cálculo; A contrapartida oferecida não poderá ser inferior a CPmín. Empreendimentos que envolvam mais de um município CPmáx.

32 Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos: Município que possui Lei Municipal e Conselho implantado e em operação 5 pontos Município que possui Lei Municipal 3pontos Município que não possui Lei Municipal 0pontos0 Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

33 Serão financiados estudos e pesquisas para as seguintes ações: Base de dados, cadastros, estudos e levantamentos (PDC 1): Definição de indicadores ambientais de quantidade e qualidade da água, nas bacias ou trechos de corpos hídricos de abastecimento público (sub-programa 1.01); Sistema de informação sobre uso e conservação da água no meio rural (sub-programa 1.01); Diagnósticos de projetos de educação ambiental em recursos hídricos (sub-programa 1.01); Mapeamento do risco de contaminação das águas subterrâneas e delimitação em áreas críticas (sub-programa 1.02); Vulnerabilidade dos mananciais a acidentes com transporte de cargas perigosas e locais de armazenagem e manipulação de substâncias perigosas (sub-programa 1.02); Mapeamento de áreas de recarga de aqüíferos (sub-programa 1.02). Gerenciamento dos recursos hídricos (PDC 2): Implementação da cobrança, tarifas e de seus impactos e acompanhamento da sua implementação (sub-programa 2.02). Recuperação da qualidade dos corpos d água (PDC 3): Levantamento de trechos críticos quanto ao assoreamento e à qualidade dos corpos d água (sub-programa 3.02); Minimização da erosão do solo no meio urbano e rural (sub-programa 3.02); Estudos sobre disposição final de lodos oriundos de ETAs e ETEs (sub-programa 3.04); Tratamento de efluentes industriais, urbanos e rurais (sub-programa 3.04); Controle das fontes difusas de poluição (sub-programa 3.04); Sistemas de disposição final dos resíduos sólidos urbanos, industriais e rurais (sub-programa 3.04);

34 Serão financiados estudos e pesquisas para as seguintes ações (continuação): Conservação e proteção dos corpos d água (PDC 4): Mapeamento da ocorrência das espécies nativas nas bacias PCJ (sub-programa 4.01); Valoração de Serviços Ambientais (sub-programa 4.01); Parâmetros biológicos físicos, químicos e de toxicidade dos efluentes (sub-programa 4.01). Promoção do uso racional dos recursos hídricos (PDC 5): Uniformização de uma metodologia para o cálculo do índice de perdas nos sistemas de abastecimento público (sub-programa 5.01); Adequação e melhoria do sistema de abastecimento de água (sub-programa 5.01); Difusão de valores ótimos de consumo das culturas irrigáveis, junto aos produtores rurais (sub-programa 5.04). Preservação e defesa contra eventos hidrológicos extremos (PDC 7): Mapeamento georreferenciadodas principais áreas que estão sujeitas a inundação (sub-programa7.01); Estudos e modelagem de eventos climáticos extremos (sub-programa 7.08).

35 Critérios de Desempate: 1. Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ; 2. Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos; Participação no processo de gestão; Contrapartida oferecida; 5. Sorteio.

36 Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ: onde: PG = número de pontos a ser recebido: Candidato foi Tomador e teve contrato cancelado nos últimos 6 anos PG = 0 Candidato possui contrato assinado há mais de 4 anos, não concluído PG = 2 Candidato nunca foi Tomador PG = 5 Candidato foi Tomador e empreendimento concluído ou possui contrato assinado há menos de 2 anos não concluído PG = 10 Demais situações dos candidatos PG = 8

37 Participação no Processo de Gestão: onde: n = número de participações dos representantes do município em Reuniões Plenárias, no período de 15/09/2011 a 31/12/2011; y = número de participações do prefeito municipal em Reuniões Plenárias, no período de 15/09/2011 a 31/12/2011; N = número de Reuniões Plenárias realizadas no período de 15/09/2011 a 31/12/2011. Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

38 Contrapartida Oferecida: onde: PCP = pontuação a receber Pmáx= pontuação máxima = 10 pontos CPof = contrapartida oferecida CPmín = contrapartida mínima CPmáx = contrapartida máxima O valor do PCP deve ser arredondado para duas casas decimais; Limites CPmáx e CPmín Anexo II e Manual Orientativo Caso o Tomador ofereça contrapartida superior à CPmáx, deverá ser considerado o valor do CPmáxpara o cálculo; A contrapartida oferecida não poderá ser inferior a CPmín. Empreendimentos que envolvam mais de um município CPmáx.

39 Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos: Município que possui Lei Municipal e Conselho implantado e em operação 5 pontos Município que possui Lei Municipal 3pontos Município que não possui Lei Municipal 0pontos Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

40 Critérios de Desempate: 1. Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ; 2. Programa de Gestão Municipal dos Recursos Hídricos; 3. Participação no processo de gestão; 4. Contrapartida oferecida; 5. Sorteio.

41 Tipo de financiamento: Reembolsável 5 pontos Não-reembolsável 0 pontos Tipo de empreendimento: Deliberação 129/2011 Critérios de Hierarquização Caso ultrapasse 35% -não reembolsável Obra cujo projeto já financiado pelas Cobranças PCJ 5pontos; Obra cujo projeto não financiado pelas Cobranças PCJ 4,5 pontos; Serviço ou equipamentos cujo projeto foi financiado pelas Cobranças PCJ 4 pontos; Serviço ou equipamentos cujo projeto não foi financiado pelas Cobranças PCJ 3,5 pontos; Projeto ou plano cujo TR foi financiado pelas Cobranças PCJ 3pontos; Projeto ou plano cujo TR não foi financiado pelas Cobranças PCJ 2pontos; Termo de Referência 1 ponto. Emprendimentos que se enquadrem em mais de uma situação Média

42 Eficiência no uso dos recursos das Cobranças PCJ: onde: PG = número de pontos a ser recebido: Candidato foi Tomador e teve contrato cancelado nos últimos 6 anos PG = 0 Candidato possui contrato assinado há mais de 4 anos, não concluído PG = 2 Candidato nunca foi Tomador PG = 5 Candidato foi Tomador e empreendimento concluído ou possui contrato assinado há menos de 2 anos não concluído PG = 10 Demais situações dos candidatos PG = 8 Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

43 Objetivo do empreendimento: Controle de perdas 5pontos Conservação e proteção dos corpos d água, educação ambiental 4 pontos; Outros 3 pontos; Empreendimentos de Conservação e Proteção dos corpos d água Implantação em áreas definidas como de prioridade muito alta no PDR 5 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade alta no PDR 4 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade média no PDR 3 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade baixa no PDR 2 pontos Implantação em áreas definidas como de prioridade muito baixa no PDR 1 ponto Empreendimentos que envolvam mais de um município Média

44 Localização do empreendimento: Sub-bacia Cantareira 5 pontos Sub-baciasa montante de captações em afluentes dos rios: Atibaia, Camanucaia, Capivari, Corumbataí, Jaguari, Jundiaí e Piracicaba 4 pontos; Sub-baciasa montante das captações de Campo Limpo Paulista, no rio Jundiaí; de Amparo, no rio Camanducaia; de Campinas, no rio Capivari e de Rio Claro, no rio Corumbataí 3 pontos; Sub-baciasa montante das captações de Piracicaba, no rio Piracicaba; de Sumaré, no rio Atibaia; de Limeira, no rio Jaguarie de Piracicaba, no rio Corumbataí 2pontos; Outros 1ponto. Pontuações excludentes em relação às posteriores. Empreendimento enquadrado em mais de uma classificação Maior

45

46 Obrigada!!! Adriana Isenburg

PESQUISA SANEAMENTO Recursos financeiros assegurados para saneamento Bacias PCJ

PESQUISA SANEAMENTO Recursos financeiros assegurados para saneamento Bacias PCJ PESQUISA SANEAMENTO Recursos financeiros assegurados para saneamento Bacias PCJ GT/CRITÉRIOS (13/11/12) CT/PB (14/11/12) CT/PL (23/11) Oficina preparatória Cobranças PCJ e Fehidro DADOS NÃO OFICIAIS, EM

Leia mais

Comitês PCJ Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ nº 052/06, de 28/09/2006

Comitês PCJ Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ nº 052/06, de 28/09/2006 Comitês PCJ Comitês das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Criados e instalados segundo a Lei Estadual (SP) n o 7.663/91 e Lei Federal n o 9.433/97) Deliberação Conjunta dos

Leia mais

2.5. SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA. 2.5.1. Os serviços de saneamento básico.

2.5. SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA. 2.5.1. Os serviços de saneamento básico. 2.5. SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA 2.5.1. Os serviços de saneamento básico. Nos municípios pertencentes as bacias hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí os sistemas de abastecimento de água

Leia mais

RELATÓRIO SEMANA DA ÁGUA 2013

RELATÓRIO SEMANA DA ÁGUA 2013 RELATÓRIO SEMANA DA ÁGUA 2013 Sistema Cantareira: Compartilhando Desafios Programa de Educação e Sensibilização Ambiental Consórcio PCJ INTRODUÇÃO O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba,

Leia mais

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO. Coordenadas Geográficas. Lat.: -22º41'44.00 Long.: -47º40'18.99

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO. Coordenadas Geográficas. Lat.: -22º41'44.00 Long.: -47º40'18.99 1 DO CAIXÃO Código: 62697400 Lat.: 22º41'44.00 Long.: 47º40'18.99 Piracicaba Piracicaba 2 Estação: FOZ RIO PIRACICABA Código: 62711000 Lat.: 22º41'03.99 Long.: 47º40'36.99 Corumbataí Piracicaba 3 Estação:

Leia mais

A fórmula para a identificação dos indicadores será apresentada segundo as convenções existentes no SNIS, conforme apresentado no Quadro 5.1.

A fórmula para a identificação dos indicadores será apresentada segundo as convenções existentes no SNIS, conforme apresentado no Quadro 5.1. 5. SANEAMENTO AMBIENTAL Os dados referentes a este tema tratam exclusivamente da porção urbana dos municípios, isto é, todos os índices apresentados foram calculados com base na população urbana dos municípios,

Leia mais

ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DE ENQUADRAMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS EM PROJETOS REGIONAIS JUNTO AOS COMITÊS PCJ

ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DE ENQUADRAMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS EM PROJETOS REGIONAIS JUNTO AOS COMITÊS PCJ ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DE ENQUADRAMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS EM PROJETOS REGIONAIS JUNTO AOS COMITÊS PCJ Francisco Carlos Castro Lahóz 1 ; Karla Carolina Balan Yanssen 2 ; Vanessa Cristina

Leia mais

ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE MORUNGABA - SP

ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE MORUNGABA - SP ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE MORUNGABA - SP PAUTA - Escopo Contratado/Nivelamento Conceitual - Base Legal - Metodologia

Leia mais

2. CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

2. CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS 2. CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS 2.1. Caracterização geral A área de abrangência dos estudos, apresentada no Desenho 1, é de 15.303,67 km 2 e contem as bacias hidrográficas dos rios Piracicaba (incluindo as

Leia mais

Lat.: -22º41'57.12 Long.: -47º37'45.84. Lat.: -22º41'20.00 Long.: -47º34'58.00

Lat.: -22º41'57.12 Long.: -47º37'45.84. Lat.: -22º41'20.00 Long.: -47º34'58.00 Código Estação Tipo 1 62697400 PONTE DO CAIXÃO 2 62711000 FOZ RIO PIRACICABA 3 6270500 PIRACICABA 4 62697300 CAPTAÇÃO DE JAGUARIUNA DAE Qualiquantitativo Coordenadas Geográficas Lat.: 22º41'44.00 Long.:

Leia mais

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ÁREAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA José Fernando (Zéca) Bianca 1. Objetivo Informar agentes de transformação social: instituições representantes do poder público; da sociedade

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO DE VIABILIDADE DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA PROTEÇÃO DA ÁGUA PARA O SUB-SISTEMA CANTAREIRA

ESTUDO TÉCNICO DE VIABILIDADE DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA PROTEÇÃO DA ÁGUA PARA O SUB-SISTEMA CANTAREIRA ESTUDO TÉCNICO DE VIABILIDADE DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PARA PROTEÇÃO DA ÁGUA PARA O SUB-SISTEMA CANTAREIRA Joanópolis, São Paulo Julho de 2011 Associação Terceira Via foi fundada em 20 de fevereiro

Leia mais

Oficina Preparatória para Captação FEHIDRO. Cronograma e Anexos

Oficina Preparatória para Captação FEHIDRO. Cronograma e Anexos Oficina Preparatória para Captação de Recursos das Cobranças PCJ e FEHIDRO Cronograma e Anexos Comitês PCJ 14/12/2012 Itapeva -MG Deliberação dos Comitês PCJ nº 164/12 Cronograma Relação das Ações Financiáveis

Leia mais

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO

AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007. Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ CONSÓRCIO PCJ COMITÊS PCJ PARECER TÉCNICO Nº: 01/2007 Assunto: SOLICITAÇÃO DE ABATIMENTO DO VALOR DBO - 2006 1. IDENTIFICAÇÃO Tomador: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA www.granziera.com.br REGULAÇÃO: OBJETIVOS OBJETIVOS DA REGULAÇÃO estabelecer padrões e normas para a adequada prestação dos serviços e para a sadsfação dos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (MINUTA)

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (MINUTA) RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (MINUTA) 2 0 1 4 Relatório de Avaliação de Desempenho 2014 (MINUTA) 1 Relatório de Avaliação de Desempenho 2014 (MINUTA) 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 MUNICÍPIOS

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem.

TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. TÍTULO: A Gestão de Clientes geradores de efluentes não domésticos para garantir o bom funcionamento do sistema de esgotamento em bacia de drenagem. Nome do Autor: Engº Renan Moraes Sampaio, engenheiro

Leia mais

Artigo 2º - Esta Deliberação entra em vigor na data de sua aprovação pelo CBH-AP.

Artigo 2º - Esta Deliberação entra em vigor na data de sua aprovação pelo CBH-AP. Deliberação CBH-AP 022/2000 de 04/02/00. Aprova critérios para fins de hierarquização e seleção dos investimentos a serem indicados ao FEHIDRO. O Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Aguapeí e Peixe,

Leia mais

Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ

Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ Bragança Paulista 01 a 0 de dezembro de 009 Atribuições da Câmara Técnica de Educação Ambiental (CT-EA) Criada pela

Leia mais

Otimização dos aterros sanitários *

Otimização dos aterros sanitários * L. Gandelini, J. V. Caixeta Filho Otimização dos aterros sanitários 509 Otimização dos aterros sanitários * Luciana Gandelini ** José Vicente Caixeta Filho *** resumo A escolha do local para acomodar resíduos

Leia mais

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema - CBH-PP, no uso de suas atribuições legais, e;

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Pontal do Paranapanema - CBH-PP, no uso de suas atribuições legais, e; Deliberação CBH-PP/147/2013, de 12/04/2013. Aprova diretrizes, critérios e estabelece prazos para fins de hierarquização e indicação de empreendimentos para utilização dos Recursos do FEHIDRO de 2013.

Leia mais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais

Água. Restauração Florestal para Gestão da Água. Mata Atlântica e Serviços Ambientais Água Mata Atlântica e Serviços Ambientais Restauração Florestal para Gestão da Água Malu Ribeir Coordenadora da Rede das Água Fundação SOS Mata Atlântic Dia Mundial da Água Instituído por resolução da

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-AT nº 04 de 31/03/2008

DELIBERAÇÃO CBH-AT nº 04 de 31/03/2008 Dispõe sobre a hierarquização e indicação de empreendimentos para financiamento com recursos oriundos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos FEHIDRO, referentes ao exercício de 2007/2008, e dá outras providências.

Leia mais

O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira

O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira Departamento de Infraestrutura Diretoria de Saneamento Básico O Plano para a Macrometrópole e a renovação da outorga do Sistema Cantareira Hiroaki Makibara Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos

Leia mais

PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998

PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998 PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998 CELSO PITTA, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, e Considerando a necessidade de aprovar documentos a serem expedidos

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

2. Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Nota Informativa nº 03/2011/SAG Documento nº 030178/2011-46 Em 23 de novembro de 2011 Ao Senhor Superintendente de Apoio à Gestão de Recursos Hídricos Assunto: Resumo dos resultados da pesquisa de impacto

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Crise da água: Desafios e Soluções

Crise da água: Desafios e Soluções Núcleo PCJ-Campinas/Piracicaba Crise da água: Desafios e Soluções São Paulo, 3 de junho de 2014. Regramento Legal do Sistema Hídrico Lei Estadual nº 7.663, de 30 de dezembro de 1991 (Política Estadual

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

MÍDIA KIT JANEIRO DE 2015

MÍDIA KIT JANEIRO DE 2015 MÍDIA KIT JANEIRO DE 2015 RELEASE DA PROGRAMAÇÃO SEGUNDA A SÁBADO 7H00 ÀS 7H30 PRIMEIRA HORA (REDE) Apresentação: Dimas Aguiar e Silvânia Alves Noticiário completo, que leva aos ouvintes os principais

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Plano de Recursos Hídricos Plano diretor de longo prazo que

Leia mais

período de 2015 Relatório Final. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ.

período de 2015 Relatório Final. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. Monitoramento e acompanhamento das metas do Plano de Bacias 2010-2020, nas ações relacionadas ao esgotamento sanitário para o período de 2015 Relatório Final. CONTRATANTE: FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ PROJETO DE MAPEAMENTO E TRANSPOSIÇÃO INTERNA DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ VIA: TUBULAÇÕES DE ALUMÍNIO; ADUTORAS CONVENCIONAIS; CANAIS;

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ RELATÓRIO SOBRE A EXECUÇÃO DO CONTRATO DE GESTÃO (CONTRATO N.º 030/ANA/2005) PERÍODO: 01 DE JANEIRO A 30 DE JUNHO DE PIRACICABA

Leia mais

Seminário sobre a Cobrança pelo uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais

Seminário sobre a Cobrança pelo uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Seminário sobre a Cobrança pelo uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Experiência das bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Cláudia Hornhardt Siqueira Fonseca Caroline

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ Resultado da Avaliação dos membros Titulares e Suplentes dos Comitês PCJ realizada no dia 23 de Setembro de 2011, durante a 6º Reunião Plenária dos Comitês PCJ em Camanducaia

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GESTÃO PARA REMEDIAÇÃO E PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DA SUB-BACIA ATIBAIA COM ENFASE NO RESERVATÓRIO DE SALTO GRANDE AMERICANA SP TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PLANO DE AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS

PLANO DE AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS PLANO DE AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E SERVIÇOS Prezado Expositor, Estamos na reta final para a realização da EXPOLAZER 2015 e queremos compartilhar com você tudo que preparamos para fazer uma grande feira. Aqui

Leia mais

2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas

2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas 2ª Seminário Internacional de Biotecnologia Bacia Hidrográfica: Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas Mesa Redonda Cobrança pelo Uso da Água e Aplicação Recursos Arrecadados Cláudia Hornhardt

Leia mais

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA CENÁRIO GLOBAL A empresa do novo milênio está comprometida com a preservação dos recursos naturais respeitando sua capacidade de renovação. Tem como meta utilizar recursos

Leia mais

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES:

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: Novembro/2007 A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS:

Leia mais

A COBRANÇA A PELO USO DE DA UNIÃO. de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB

A COBRANÇA A PELO USO DE DA UNIÃO. de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB 3º Reunião da Câmara Técnica T de Cobrança a do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu u e Afluentes do Alto Ribeira CT-COB COB A COBRANÇA A PELO USO DE RECURSOS HÍDRICOS H DE DOMÍNIO DA UNIÃO PATRICK THOMAS

Leia mais

MÍDIA KIT JUNHO DE 2015

MÍDIA KIT JUNHO DE 2015 MÍDIA KIT JUNHO DE 2015 RELEASE DA PROGRAMAÇÃO SEGUNDA A SÁBADO 7H00 ÀS 7H30 JORNAL DA PRIMEIRA HORA (REDE) Apresentação: Dimas Aguiar, Silvânia Alves e Rafael Colombo Noticiário completo, que leva aos

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

O Contexto Hídrico Atual da Bacia do Paraíba do Sul: Influência dos Agentes e Demandas da Sustentabilidade. Eng Edson G L Fujita MSc AGEVAP

O Contexto Hídrico Atual da Bacia do Paraíba do Sul: Influência dos Agentes e Demandas da Sustentabilidade. Eng Edson G L Fujita MSc AGEVAP O Contexto Hídrico Atual da Bacia do Paraíba do Sul: Influência dos Agentes e Demandas da Sustentabilidade. Eng Edson G L Fujita MSc AGEVAP 17 de novembro de 2010 CEIVAP AGEVAP Contexto hídrico atual Quanto

Leia mais

No HÁ creación creación 1º CICLO 2 Ciclo CAMPAÑA PROVINCIA Nº de Perfiles de Perfiles Auto-evaluación Auto-evaluación

No HÁ creación creación 1º CICLO 2 Ciclo CAMPAÑA PROVINCIA Nº de Perfiles de Perfiles Auto-evaluación Auto-evaluación 5/07/204 INSCRITOS EM LA No HÁ creación creación º CICLO 2 Ciclo CAMPAÑA PROVINCIA Nº de Perfiles de Perfiles Auto-evaluación Auto-evaluación Angra dos Reis RJ Duque de Caxias RJ Macaé RJ Magé RJ Nova

Leia mais

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas

Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Implementação do Plano de Segurança da Água na SANASA Campinas Bacia Hidrográfica do Piracicaba, Capivari e Jundiaí Plano de Segurança da Água na SANASA Um Breve Histórico A SANASA sempre se preocupou

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO

PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO Diretrizes para Contratação de Consultoria para elaboração do Resumo do Plano e Complementações. 1.INTRODUÇÃO O CEIVAP aprovou recursos

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim BOLETIM DIGITAL Edição 5 - Julho 2014 Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim Estresse hídrico na Bacia do Paraíba do Sul preocupa Comitê Foto:

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil

a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil a) Título do Empreendimento Levantamento e monitoramento de áreas de risco na UGRHI-11 e apoio à Defesa Civil b) Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 Índice 6 -... 1 6.1 - Delimitação das... 2 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 6.1.2 - Área de Influência Indireta (AII)... 2 Índice de Quadros Quadro 1 - Lista dos Municípios da Área de Influência

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ / AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ / AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ / AGÊNCIA DE ÁGUA PCJ RELATÓRIO SOBRE A EXECUÇÃO DO CONTRATO DE GESTÃO (CONTRATO N.º 030/ANA/2005) PERÍODO: 01 DE JANEIRO A 31

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) Dispõe sobre a recuperação e conservação de mananciais por empresas nacionais ou estrangeiras especializadas em recursos hídricos ou que oferecem serviços

Leia mais

EXECUÇÃO EQUIPE TÉCNICA

EXECUÇÃO EQUIPE TÉCNICA EXECUÇÃO IRRIGART - ENGENHARIA E CONSULTORIA EM RECURSOS HIDRICOS E MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ: 03.427.949/0001-60 CREA-SP: 1176075 Endereço: Rua Alfredo Guedes, 1949 Sala 709 Bairro: Higienópolis. CEP:

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012 Ref.: Autos DAEE nº 49.559, prov. 1 PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006 Reti-ratificada em 03/08/2012 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições

Leia mais

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social

Palavras-chave: Gestão da Água; Cobrança do Uso da Água; Comunicação Social METODOLOGIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A IMPLANTAÇÃO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA NAS BACIAS PJ INTEGRANDO O SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Francisco Carlos Castro Lahóz 1 ; Elaine

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí O que é? O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí é uma associação de direito privado, sem

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS DELIBERAÇÃO CBH RIO DAS VELHAS Nº 001, de 05 de fevereiro de 2014 Estabelece procedimentos para o acompanhamento e a avaliação de projetos hidroambientais, planos e projetos municipais de saneamento, para

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO JUNDIAÍ (SP)*

IMPACTOS DO SISTEMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO JUNDIAÍ (SP)* RESULTADOS DE PESQUISA/RESEARCH RESULTS IMPACTOS DO SISTEMA ESTADUAL DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO JUNDIAÍ (SP)* MIRNA APARECIDA NEVES 1 SUELI YOSHINAGA PEREIRA 2 HAROLD GORDON

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

Comunicado da Chefia. Resultados. Dia 06 de abril de Domingo. Bocha. Malha. Voleibol Feminino A. Voleibol Feminino B. Voleibol Masculino A

Comunicado da Chefia. Resultados. Dia 06 de abril de Domingo. Bocha. Malha. Voleibol Feminino A. Voleibol Feminino B. Voleibol Masculino A Comunicado da Chefia PM de Capivari Oficio s/n de 06 de abril de 204 PM de Capivari Oficio s/n de 06 de abril de 204 PM de Capivari Oficio s/n de 06 de abril de 204 PM de Capivari Oficio s/n de 06 de abril

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Interligação entre as Represas Jaguari (bacia Paraíba do Sul) e Atibainha (bacias PCJ) Esclarecimentos à ONG Associação Eco Vital

Interligação entre as Represas Jaguari (bacia Paraíba do Sul) e Atibainha (bacias PCJ) Esclarecimentos à ONG Associação Eco Vital Interligação entre as Represas Jaguari (bacia Paraíba do Sul) e Atibainha (bacias PCJ) Esclarecimentos à ONG Associação Eco Vital Em atendimento ao ofício CETESB 578/15/IE, de 24/07/2015, a Sabesp apresenta,

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

COBRIMOS 334 CIDADES

COBRIMOS 334 CIDADES COBRIMOS 334 CIDADES Caso tenham interesse em alguma praça que cobrimos,por favor nos envie um e-mail informando seu dados e logo estará sendo atendido.. Tel.(011) 42437371 contato@casamayor.com.br Cobrimos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS 11 DE AGOSTO DE 2012 EDSON APARECIDO DEPUTADO FEDERAL MACROMETRÓPOLE PAULISTA EM NÚMEROS PIB MM PAULISTA PIB da MM Paulista - 2009 (R$ bilhões)

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA INVESTIMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA INVESTIMENTO ANEXO II DA DELIBERAÇÃO COFEHIDRO Nº 158/2015 FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS - FEHIDRO CONSELHO DE ORIENTAÇÃO DO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS - COFEHIDRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

Fundação Agência das Bacias PCJ

Fundação Agência das Bacias PCJ Fundação Agência das Bacias PCJ Entidade delegatária de funções de Agência de Água nas Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Relatório sobre a execução do contrato de Gestão nº 003/ANA/2011 Período

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

IRRIGART ENGENHARIA E CONSULTORIA EM RECURSOS HIDRICOS E MEIO AMBIENTE LTDA.

IRRIGART ENGENHARIA E CONSULTORIA EM RECURSOS HIDRICOS E MEIO AMBIENTE LTDA. 1. PRESETÇÃ 1.1. Introdução Constitui finalidade dos Relatórios de Situação dos Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas do Estado de São Paulo a avaliação da eficácia dos Planos de Bacia desenvolvidos

Leia mais

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP De acordo com a Anatel, são esperadas instabilidades momentâneas. Ligações sem o 9 ainda acontecem normalmente até 7 de agosto. Márcio

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO

COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO COMITÊ DE BACIAS PCJ SISTEMA CANTAREIRA CONDICIONANTES DE 2004 CONDICIONANTES PARA 2014 BARRAGENS DE PEDREIRA E DUAS PONTES TRANSPOSIÇÃO DO RIO PARAÍBA DO SUL ADENSAMENTO POPULACIONAL DA RMC COMITÊ DE

Leia mais

Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA. INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011

Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA. INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011 Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011 Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do CRH Coordenador Gerôncio Rocha

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 25-06-2010 SEÇÃO I PÁG 75 RESOLUÇÃO SMA-061, DE 24 DE JUNHO DE 2010 Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D água - Projeto de Pagamento por Serviços

Leia mais