Informe Epidemiológico Mensal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informe Epidemiológico Mensal"

Transcrição

1 Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas Superintendência de Vigilância a Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Informe Epidemiológico Mensal Ano V Nº 01 Edição Mensal Janeiro 2012 Nesta Edição Os Sistemas de Informação em Saúde - SIS e a Vigilância Epidemiológica EDITORIAL 01 Os Sistemas de Informação em Saúde - SIS da Vigilância Epidemiológica 01 Regularidade dos SIS de racionalidade epidemiológica 02 Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos SINASC 03 Sistema de Informação de Febre Amarela e Dengue SISFAD 03 Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 04 Sistema de Informação sobre Mortalidade - SIM 06 EDITORIAL Este informe tem como objetivo fornecer informações mensais sobre a ocorrência de doenças de notificação compulsória, óbitos, nascidos vivos e dos programas de controle de endemias no estado de Alagoas. É de circulação geral e tem como populaçãoalvo qualquer profissional ou cidadão que necessita ter acesso as estas informações, sendo disponibilizado por meio eletrônico na página da Secretaria de Saúde do Estado de Alagoas (www.saude.al.gov.br). As informações aqui disponibilizadas têm como fonte de dados os três sistemas de informação em saúde (SIS) de racionalidade epidemiológica (SINAN, SIM e SINASC) e dos sistemas dos programas de controle de endemias (SISFAD, SISPCP e SISPCE), todos desenvolvidos e regulamentados pelo Ministério da Saúde A alimentação e consolidação desses Sistemas é realizada por intermédio de dados provenientes das Secretarias Municipais de Saúde. O cumprimento das funções de vigilância epidemiológica depende de dados que sirvam para subsidiar ao processo de INFORMAÇÃO PARA A AÇÃO. O SINASC, SINAN e SIM são os sistemas oficiais norteadores das ações, por conter os dados dos eventos vitais (nascimentos e óbitos) e principais morbidades do ponto de vista da intervenção da vigilância (agravos de notificação compulsória). O estado de Alagoas tem 100% dos seus municípios implantados e informatizados com os sistemas de informação de vigilância epidemiológica. O desafio colocado para todos os municípios e o estado é a melhoria da cobertura dos sistemas, da qualidade dos dados e, a transformação desses dados em informação para subsidiar as intervenções em tempo oportuno e ao planejamento das ações. Para isso se faz necessário que os profissionais da vigilância realizem sistematicamente entre outras atividades: Revisão do preenchimento dos instrumentos de coleta e recuperação de dados ignorados ou em branco junto as unidades e profissionais de saúde. Busca ativa em prontuários, comparando os dados informados com os existentes nas unidades de saúde. Cruzamento e resgate de dados junto aos outros sistemas de informação, principalmente com o Sistema de Informação da Atenção Básica- SIAB e Sistema de Informação Hospitalar SIH. Utilização e análise dos Sistemas operacionais complementares das ações de vigilância, principalmente o Sistema de Avaliação d Programa de Imunização - API-PNI, Sistema de Febre Amarela e Dengue -SISFAD e Sistema do Programa de Controle da Esquistossomose SISPCE Supervisão e busca ativa dos dados em cartórios e cemitérios. Produção, Divulgação e Retroalimentação das informações para gestores, profissionais e população. 1

2 REGULARIDADE DOS SIS DE RACIONALIDADE EPIDEMIOLÓGICA A regularidade e oportunidade na alimentação dos SIS é outro aspecto importante que visa garantir a produção de dados em tempo hábil à intervenção em todos os níveis. A Portaria SVS/MS nº 201/2011 estabelece os parâmetros para o monitoramento dessa regularidade e cabe ao nível estadual o acompanhamento dos seus municípios. Para os sistemas SINASC e SIM a regularidade é mensurada a partir do envio dos dados mensal na data estabelecida e, para o Sinan é medida pelo envio semanal dos dados até a sexta-feira da semana subsequente. Para que a informação tenha melhor oportunidade é fundamental que os municípios encaminhem os dados no máximo até a quarta-feira da semana subsequente. No período janeiro a novembro de 2011, o sistema que proporcionalmente apresentou maior regularidade de envio pelos municípios foi o SINAN 92 municípios (79%), seguido do SINASC 69 municípios (65%) e o SIM - 69 municípios (65%). Analisando a regularidade cumulativa (janeiro a novembro) dos municípios nos 3 sistemas, tendo como parâmetro a meta pactuada de 90% para o SIM e SINASC e 80% para o SINAN, observa-se que apenas 66 (65%) municípios obtido regularidade nos 3 sistemas, 4 (4%) municípios em 2 sistemas, 24 (23%) municípios em apenas 1 Sistema e 8 (8%) municípios em nenhum deles ( Figuras1 a 5). Regular nos 3 Regular em 2 Regular em 1 Irregular nos 3 Figura 2 Regularidade dos 3 Sistemas de Informação de Saúde ( SINASC/SIM e SINAN) segundo município. Alagoas, janeiro a novembr o de Figura 3 Percentual de Regularidade do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos segundo município. Alagoas, janeiro a novembro de Regularidad e no % Irregular nos 3 8 8% Regularidade nos 3 Figura 4 Percentual de Regularidade do Sistema de Informação sobre Mortalidade segundo município, Alagoas, janeiro a novembro de Regularidade nos 2 Regularidade no 1 Regularidad e nos 2 4 4% Regularidad e nos % Irregular nos 3 Figura 1 Proporção de Regularidade nos Sistemas de Informação em Saúde (SINASC,SINAN e SIM) dos municípios do estado. Alagoas, janeiro a novembro de FONTE: N_SIVE/DIVEP/SEUVISA/SES/AL *Dados tabulados em 14/12/2011, sujeitos a revisão. Figura 5 Percentual de Regularidade do Sistema de Informação de Agravos de Notificação segundo município, Alagoas, janeiro a novembro de

3 SISTEMA DE INFORMAÇÃO SOBRE NASCIDOS VIVOS - SINASC O Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos Sinasc foi implantado em 1990 pelo Ministério da Saúde com o objetivo de reunir informações epidemiológicas referentes aos nascimentos informados em todo território nacional. Um dos indicadores de acesso aos serviços de atenção à saúde materno-infantil, amplamente utilizado na análise dos riscos de morte materna e de morte fetal e infantil que pode ser analisado pelo Sinasc é o número de consultas no pré-natal. Comparando as informações referentes ao período janeiro a novembro dos 2010 e 2011 no estado de Alagoas, observa-se queda percentual no número de gestantes com 4 consultas ou mais e aumento nas gestantes com menos de 4 consultas ou nenhuma (Figura 1). Nos nascidos vivos de janeiro a novembro de 2011, em apenas 12 municípios o percentual de mães com 7 consultas ou mais de pré-natal foi acima de 50%, em 43 municípios este percentual foi de 50% a 37%. O município com maior percentual foi Paulo Jacinto e com menor percentual foi Traipú (Figura 2). Não inform/ign 7 e vezes 1-3 vezes Nenhuma Figura 1 Percentual de consultas pré-natal segundo informação do Sinasc. Alagoas, janeiro a novembro de 2010 e Figura 2 Distribuição dos municípios (de residência) segundo a proporção de gestantes com 7 consultas ou mais no pré-natal. Alagoas, janeiro a novembro de Tabela 1 Agravos de notificação compulsória e variação (%), Alagoas, janeiro a novembro, 2010 e Not.Compulsoria Variação ( ) Aids Atendimento anti-rabico Humano Acidente por animais peçonhentos Botulismo Carbúnculo ou Antraz Cólera ,0 Coqueluche Criança Exposta ao HIV Dengue Difteria Doenças de Chagas Aguda Doença de Creutzfeldt-Jacob Doenças Exantemáticas Esquistossomose Eventos Adversos Pós-vacina Febre Amarela Febre do Nilo Febre Maculosa Febre Tifóide Gestantes HIV Hanseníase Hantaviroses Hepatites Virais Influenza Hum. por novo subtipo Intoxicações Exógenas Leish. Tegumentar Americana Leishmaniose Visceral Leptospirose Malária Meningite Paralisia Flác. Aguda/Poliomielite Peste Raiva Humana 0 1 Sifilis Adquirida Sífilis Congênita Sífilis em Gestante Sindrome do Corrimento Uretral Síndrome da Rubéola Congênita Síndrome Respiratória Aguda Grave por coronavirus Tétano Acidental Tétano Neonatal Tuberculose Tularemia Varíola Violencia Domestica, Sexual e outras Total FONTE: SES/AL/SINASC *Dados tabulados em 13/12/2011, sujeitos a revisão. FONTE: SES/AL/SINAN *Dados tabulados em 14/12/2011, sujeitos a revisão. 3

4 SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO - SINAN O Sinan tem como objetivo a coleta de informação e o processamento dos dados sobre agravos de notificação em todo o território nacional, fornecendo informações para a análise do perfil da morbidade e contribuindo para a tomada de decisões nas três esferas de governo. A lista de notificação compulsória atual é a que consta na portaria GM/MS Nº 104 de 25/01/2011 e aqueles em que o estado ou município, determinou como compulsório. Comparativamente em 2011, no período analisado o volume de notificação é menor que o mesmo período do ano de 2010, no entanto, considerando o possível atraso de notificação ou inclusão dos dados no sistema, esses dados ainda podem sofrer alterações (Tabela 1). Ressalta-se que esse atraso de notificação causa prejuízos no conhecimento do perfil e na oportunidade de intervenção. O maior volume de notificação foi de atendimento antirrábico humano com (32%), seguido de Dengue (26%). Nas meningites é importante observar que dos casos notificados no período, 21 (14%) estão sob investigação, 105 (87%) tiveram sua etiologia especificada e 15 (10%) não especificada. Entre os agravos que tiveram incremento na notificação, está a Gestante HIV+ (26%) e Sífilis Congênita que apresentou aumento de (48%) em relação ao mesmo período do ano anterior, sendo que o maior número de casos confirmados são residentes na zona da mata e litoral norte do estado. A inserção dos agravos a saúde do trabalhador no Sinan se deu no ano de No ano de 2011, o volume de notificação é maior que no mesmo período do ano anterior. Neste período em 2011, o maior percentual de notificação foi de acidente de trabalho com exposição a material biológico ( 81%) (Tabela 2). Todas as intoxicações exógenas devem ser notificadas, entretanto para identificar se decorrente de exposição ocupacional, o campo: se a exposição foi decorrente da ocupação/ trabalho tem que está preenchido, esse campo vem apresentando melhoria no seu preenchimento, mas ainda apresenta considerável percentual de incompletitude (jan. a novembro % e %). A publicação da portaria GM/MS Nº 104 de 25/01/2011, torna universal a notificação de violência doméstica, sexual e/ou outras violências interpessoal e todos os casos devem ser notificados pelos profissionais de saúde. Observa-se incremento na notificação (38%) em 2011 em relação ao mesmo período do ano anterior, principalmente no município de Maceió (jan a novembro: e casos, entretanto continua a observar a diminuição dos dados relativos a notificação de Arapiraca (município com maior freqüência de notificação até 2010) e comparativamente apresentou os seguintes dados- janeiro a novembro: casos e casos (decremento de 62%). Figura 1 Casos confirmados de Sífilis Congênita segundo município de residência, Alagoas, janeiro a novembro de Dos casos notificados em Alagoas, observa-se a predominância do sexo feminino ( % e %). 4

5 Na análise do total de casos por faixa etária observase aumento em todas as faixas etárias. Na faixa etária de 60 e mais observa-se que o número de casos foi o mesmo referente ao período do ano anterior.(figura 2). Com relação ao tipo de violência, observa-se aumento da notificação de casos com relato de violência física ( % e %). O alto grau de incompletitude (>78% ign/branco) inviabiliza análise dos outros tipos de violência (sexual, psicologia/moral, sexual e tortura), assim como o campo ocupação (> 92% ign/branco), que poderiam contribuir bastante no perfil dos casos de violência e alerta para o melhor preenchimento desses campos por parte dos profissionais. Quanto a evolução dos casos, observa-se que apenas 53 casos tem como evolução - óbito por violência, entretanto no SIM o número de óbitos por tipo violência nesse período em 2011 corresponde a 2022 óbitos (Figura 3). Tabela 2 Nº. de casos notificados de agravos de saúde do trabalhador segundo ano. Alagoas, janeiro a novembro, 2010 e Agravos a Saúde Trabalhador Acid. Trabalho c/exp. a Material Biológico Acidente de Trabalho Grave Dermatoses Ocupacionais 3 3 Intoxicações Exógenas LER DORT PAIR 1 6 Transtorno Mental 0 1 Total <1 Ano 1 a 4 5 a 9 10 a 19 20a a e Figura 2 Frequência de casos de violência segundo faixa etária. Alagoas, janeiro a novembro, 2010 e Figura 3 Distribuição dos óbitos por violência segundo município de ocorrência e referencia circular nos municípios com notificação de violência com evolução para óbito. Alagoas, janeiro a novembro de FONTE: SES/AL/SINAN *Dados tabulados em 15/12/2011, sujeitos a revisão. SISTEMA DE INFORMAÇÃO SOBRE MORTALIDADE - SIM O SIM é o mais antigo dos sistemas de informação em saúde de abrangência nacional em funcionamento no Brasil. Sua instituição pelo Ministério da Saúde data de Analisando as causas de óbitos segundo os capítulos da CID-10, a mortalidade proporcional por doenças do aparelho circulatório ocupou o 1º lugar no período analisado nos dois, observado também aumento no nº de óbitos por essas causas, seguido das causas externas e em 3º lugar as neoplasias. O nº total de óbitos teve um decremento de -1,9% em relação ao mesmo período do ano anterior (Tabela 1). Nos óbitos por causas externas, o maior percentual correspondeu aos homicídios (62%), seguido dos acidentes (34%) (Figura 1). Entre as neoplasias o maior número de óbitos foi de neoplasias malignas dos brônquios e pulmões (152 óbitos), seguido da neoplasia maligna de próstata( 117) e da mama ( 108). 5

6 Outros 6 0% Homicidio % Acidente % Ign 50 2% Suicídio 75 2% Acidente Suicídio Homicidio Outros Figura 1 Frequência (absoluta e relativa) dos óbitos por tipo de causas externas Alagoas, janeiro a novembro de Tabela 1 Número de óbitos e variação (%) segundo capítulos da CID 10. Alagoas, janeiro a novembro de 2010 e Variação % (2010- Causa CID ) Alg. doenças infec. e parasitárias ,2 Neoplasias (tumores) ,3 D. endócrinas. nut. e metabólicas ,9 Doenças do sistema nervoso ,0 Doenças do aparelho circulatório ,4 Doenças do aparelho respiratório ,1 Doenças do aparelho digestivo ,8 Doenças do aparelho geniturinário ,7 Gravidez parto e puerpério Alg. afecorigin.no período perinatal Malf cong e anom.cromossômicas ,7 Causas Mal definidas ,9 Causas externas de mortalidade ,2 Outros capitulos ,9 Total ,9 Os óbitos por doenças infecto-parasitárias que são de notificação compulsória apresentou aumento nos óbitos por AIDS (35%) tuberculose (30%)e esquistossomose (20%). As causas mal definidas corresponderam proporcionalmente a 8,7%,dos óbitos, tendo apenas 34 (33%) dos municípios atingido a meta (>95% dos óbitos com causas básicas bem definidas) sendo classificados como excelente (Figura 2). Ign Figura 2 Classificação dos municípios segundo a proporção de óbitos por causas bem definidas. Alagoas, janeiro a novembro de Fonte dos dados: SES/AL/SIM *Dados tabulados em 15/12/2011, sujeitos a revisão. Expediente O Informe Mensal é uma publicação oficial do Núcleo do Sistema de Informação da Diretoria de Vigilância Epidemiológica ligado a Superintendência de Vigilância a Saúde da Secretária de Estado da Saúde de Alagoas. Governador do Estado: Teotônio Vilela Filho Secretário de Estado da Toledo Saúde: Alexandre Superintendente de Vigilância à Saúde: Sandra T.enório de Accioly Canuto Diretora de Maria da Silva Moreira Vigilância Epidemiológica: Cleide Diagramação : Denise Leão Ciríaco Granja e Laiza Tabulação e análise: Diana do Couto Rebêlo Denise Leão Ciríaco, Dayse Mércia Cavalcante de Oliveira, Laiza Granja e Alessandra Xavier. Endereço para correspondência: Disponibilizado na pagina: 6

Informe Epidemiológico Mensal

Informe Epidemiológico Mensal Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas Superintendência de Vigilância a Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Informe Epidemiológico Mensal Ano VII Nº 09 Setembro de 2014 Nesta Edição EDITORIAL

Leia mais

Informe Epidemiológico Mensal

Informe Epidemiológico Mensal Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas Superintendência de Vigilância a Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Informe Epidemiológico Mensal Ano VII Nº 10 Outubro de 2014 Nesta Edição EDITORIAL

Leia mais

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR

NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR NÚCLEO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR Enfª Dda. Verginia Rossato Enfª Danieli Bandeira Santa Maria, 2012 Portaria GM/MS nº 2529, de 23 de novembro de 2004 Institui o Subsistema Nacional de Vigilância

Leia mais

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho;

ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; ANEXO I - Lista de Doenças e Agravos de Notificação Compulsória (LDNC). 1 Caso suspeito ou confirmado de: 1. Acidente com exposição a material biológico relacionado ao trabalho; 2. Acidente de Trabalho

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégias e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica do SINAN FLUXO DE RETORNO

Leia mais

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer

Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância Epidemiológica: Informar para conhecer Vigilância epidemiológica no Brasil 1990: Sistema de Informação de Agravos de Notificação SINAN 2007 SINAN Net - http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 104, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO SES Nº 3244 DE 25 DE ABRIL DE 2012 Acrescenta agravos estaduais a Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória e dá outras providências. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, Gestor do Sistema

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde.

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Conceito: Forma tradicional de utilização da Epidemiologia nos serviços de saúde. Vigilância: (1) Observação de pessoas (2) Observação de doenças ou danos à saúde - VE Com vistas

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

NORMA PROCEDIMENTAL REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS 10.03.002 1/09 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e disciplinar o processo para realização de exames laboratoriais no Hospital de Clínicas - HC. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todas as unidades do HC, em

Leia mais

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica

Determinantes do Processo Saúde-Doença. Prevalência e Fatores de Risco. Vigilância Epidemiológica Determinantes do Processo Saúde-Doença Prevalência e Fatores de Risco Vigilância Epidemiológica Indicadores de Saúde É o que indica, ou seja, o que reflete uma particular característica (...) revela a

Leia mais

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM

Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM ATUALIZAÇÃO EM VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Profª.Drª.Sybelle de Souza Castro Coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do HC_UFTM Vigilância Epidemiológica Pressupõe a coleta e análise de todas

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS

VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS VIGILÂNCIA EM SAÚDE CONCEITOS Superintendência de Vigilância em Saúde Centro de Informações Estratégicas e Respostas às Emergências em Saúde Pública Setembro /2013 Evolução do conceito de vigilância em

Leia mais

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES

BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES BENTO GONÇALVES SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES Serviço de Vigilância em Saúde (SVS) A partir da criação do SVS, em junho de 2003, todas as ações

Leia mais

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória

ANEXO I. Lista de Notificação Compulsória 1. Acidentes por animais peçonhentos; 2. Atendimento antirrábico; 3. Botulismo; 4. Carbúnculo ou Antraz; 5. Cólera; 6. Coqueluche; 7. Dengue; 8. Difteria; 9. Doença de Creutzfeldt-Jakob; ANEXO I Lista

Leia mais

Epidemiologia Hospitalar

Epidemiologia Hospitalar Epidemiologia Hospitalar Construindo um novo pensar na Vigilância Epidemiológica... Secretaria da Saúde A implantação dos NHE Márcia Sampaio Sá SESAB/SUVISA/DIVEP Setembro-2009 I Encontro Nacional de Vigilância

Leia mais

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR

Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Serviço de Epidemiologia Hospitalar: Hospital de Clínicas/UFPR Comunicações: 1. Vigilância da Coqueluche; 2. Vigilância das Síndromes Respiratórias Agudas Graves; 3. Liberação de tratamento para tuberculose

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIAS DEFINIÇÃO São doenças cuja gravidade, magnitude, transcendência, capacidade de disseminação do agente causador e potencial de causar surtos e epidemias exigem medidas

Leia mais

Boletim Informativo - SVE

Boletim Informativo - SVE Boletim Informativo SVE Ano 2012, Nº 01 Setor de Vigilância Epidemiológica - DVS/SMS Boletim Informativo - SVE Editorial Nesta edição: 1. O que é a Vigilância Epidemiológica? 2. Organograma 3. Núcleos

Leia mais

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas

Alcançado (b) Número total de casos notificados. Número total de notificações negativas recebidas INSTRUTIVO PARA PREENCHIMENTO DO ROTEIRO DE ACOMPANHAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PACTUADA INTEGRADA DE EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DE DOENÇAS PPI-ECD - NAS UNIDADES FEDERADAS 1 2 Este instrutivo contém informações

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

Epidemiologia Vigilância Epidemiológica Conceitos Básicos. Nara Melo SMS - Recife

Epidemiologia Vigilância Epidemiológica Conceitos Básicos. Nara Melo SMS - Recife Epidemiologia Vigilância Epidemiológica Conceitos Básicos Nara Melo SMS - Recife Epidemiologia Histórico Grécia antiga (ano 400 a.c.) Hipócrates Dos Ares, Águas e Lugares Era Moderna (século XVII) Meados

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009

PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 PROGRAMAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - 2008/2009 1.Notificação AÇÃO 1.1 Realizar notificação dos casos de sífilis em gestante 48.950 casos de sífilis em gestantes notificados. 1.2 Definir Unidades

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01

SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS/DST E HEPATITES VIRAIS Ano III nº 01 1 2013. Secretária de Saúde do Estado de Alagoas É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SinanNET - Versão 4.0 Patch 4.2. Diretoria de Informação em Saúde

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO SinanNET - Versão 4.0 Patch 4.2. Diretoria de Informação em Saúde SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO - Versão 4.0 Patch 4.2 Diretoria de Informação em Saúde Objetivo Facilitar a formulação e avaliação das políticas, planos e programas de saúde, subsidiando

Leia mais

INFORME SOBRE A VIGILÂNCIA DO ÓBITO MATERNO

INFORME SOBRE A VIGILÂNCIA DO ÓBITO MATERNO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA A SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Ano I nº 1 Edição: Trimestral JANEIRO/2011 INFORME SOBRE A VIGILÂNCIA DO ÓBITO MATERNO

Leia mais

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS)

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS) Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS) Herbert Charles S. Barros Diretor de Informação e Análise da Situação de Saúde DIASS/SUVISA/SESAU OBJETIVO Induzir o aperfeiçoamento das

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996

Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 Índice dos Boletins Epidemiológicos de Porto Alegre de 2014 a 1996 XV 55 Novembro de 2014 Especial Vigilância Ambiental da Dengue em Porto Alegre XV 54 Fevereiro de 2014 Atual Cenário Epidemiológica da

Leia mais

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico.

Indicador de nº 1: Percentual de casos notificados que foram encerrados oportunamente após notificação, exceto dengue clássico. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GT-SINAN/CGDT NOTA TÉCNICA PARA ORIENTAÇÃO DE COMO CALCULAR OS INDICADORES DE ACOMPANHAMENTO DO SINAN Indicador

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP GERÊNCIA DE AGRAVOS DE TRANSMISSÃO RESPIRAT, SEXUAL, VIG DO ÓBITO E SIST DE INFORMAÇÃO E - GATRSVOSI NÚCLEO

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

INFORME TRIMESTRAL SOBRE A RAIVA

INFORME TRIMESTRAL SOBRE A RAIVA ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE SUVISA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP INFORME TRIMESTRAL SOBRE A RAIVA Ano I nº 1 Edição:

Leia mais

SINAN Relatórios. Manual de Operação. Versão do produto: 4.2. Edição do documento: 1ª - Julho de 2011. Brasília DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE

SINAN Relatórios. Manual de Operação. Versão do produto: 4.2. Edição do documento: 1ª - Julho de 2011. Brasília DF 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SINAN Relatórios Manual de Operação Versão do produto: 4.2 Edição do documento: 1ª - Julho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação-Geral

Leia mais

(((Sinan))) Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Normas e Rotinas

(((Sinan))) Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Normas e Rotinas MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Sistema de Informação de Agravos de Notificação (((Sinan))) 2.ª edição Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO Sumario de Assuntos por Boletim Epidemiológico AGRAVO NÚMERO DO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO AIDS 3-4 - 13-14 - 17-18 - 28-34 - 36-38 - 42-44 - 45 Cobertura Vacinal 7-8 - 9-10 - 12-14 - 16-18 - 19-22 - 23-25

Leia mais

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos Mestrado Internacional em Saúde Pública/Peru ModúloDisciplinar: Vigilância em Saúde : Vigilância Ambiental e à Saúde do Trabalhador Aplicabilidade de Conceitos de Vigilância em Saúde: O monitoramento de

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Lisiane Morelia Weide Acosta Mestre em Epidemiologia/UFRGS Vigilância Epidemiológica VIGILÂNCIA EM SAÚDE: Mais do que a soma das VIGILÂNCIA SANITÁRIA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE TEMAS DESTE INFORME Entendendo um pouco mais

Leia mais

GOVERNO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA RELATÓRIO DE GESTÃO

GOVERNO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA RELATÓRIO DE GESTÃO GOVERNO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA RELATÓRIO DE GESTÃO João Pessoa Abril de 2005 GOVERNADOR CÁSSIO CUNHA LIMA SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE: JOSÉ

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA

DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA DOENÇAS OU AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA IMEDIATA NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA HNSC/HCC A Portaria do Ministério da Saúde Nº 1.271, de 06 de Junho de 2014 atualizou a Portaria Nº 104, de 25

Leia mais

GUIA DE IMPLANTAÇÃO. Núcleo Hospitalar de Epidemiologia

GUIA DE IMPLANTAÇÃO. Núcleo Hospitalar de Epidemiologia GUIA DE IMPLANTAÇÃO Núcleo Hospitalar de Epidemiologia ETAPAS PARA IMPLANTAÇÃO I. Interesse por parte da Instituição II. Passar por aprovação pelo corpo diretivo da instituição III. Liberação de recursos

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL IOLANDA DERENIEVICZ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL IOLANDA DERENIEVICZ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL IOLANDA DERENIEVICZ SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO: AMPLIAÇÃO DA COBERTURA DE NOTIFICAÇÃO NO MUNICÍPIO SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 2011

Leia mais

(((Sinan))) Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Normas e Rotinas

(((Sinan))) Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Normas e Rotinas MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Sistema de Informação de Agravos de Notificação (((Sinan))) Série A. Normas e Manuais Técnicos Normas e Rotinas

Leia mais

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN

Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN REUNIÃO DA COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN Jarbas Barbosa da Silva Jr Secretário de Vigilância em Saúde Brasília, 12 de dezembro de 2013 SISTEMA

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008

ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 ANO: 02 Nº 01 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTANA DO IPANEMA AL JANEIRO Á JUNHO - 2008 Informe Este informe tem como objetivo fornecer informação semestral sobre a ocorrência de doenças de notificação

Leia mais

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09

DOENÇA DIARREICA AGUDA. Edição nº 9, fevereiro / 2014 Ano III. DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 NOME DO AGRAVO CID-10: DOENÇA DIARRÉICA AGUDA CID 10: A00 a A09 A doença diarreica aguda (DDA) é uma síndrome clínica de diversas etiologias (bactérias, vírus e parasitos) que se caracteriza por alterações

Leia mais

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSORIA E AS COMISSÕES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSORIA E AS COMISSÕES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR INFORME TÉCNICO XV Outubro 06 DOENÇAS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSORIA E AS COMISSÕES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR As doenças de notificação compulsória são assim designadas por constarem da Lista de Doenças

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Compartilhando informações de Saúde do Trabalhador

Compartilhando informações de Saúde do Trabalhador Vigilância em Saúde do Trabalhador: Temas Emergentes e Saúde do Trabalhador Compartilhando informações de Saúde do Trabalhador Luiz Belino F. Sales luiz.sales@saude.gov.br Coordenação Geral de Saúde do

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE (PQA-VS) FICHAS DE QUALIFICAÇÃO DOS INDICADORES Setembro de 2013 Brasília - DF 2 Sumário Apresentação...3 Rol de Indicadores do Programa de Qualificação

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PLANO DE TRABALHO DOCENTE IDENTIFICAÇÃO: COLÉGIO ESTDUAL DARIO VELLOZO CURSO: TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF. ENFª. ARLETE JUÇARA REFOSCO TANURE DISCPLINA: ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA APLICADA A ENFERMAGEM

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cheila Marina de

Leia mais

Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Relatório de Situação. Alagoas. Brasília / DF

Ministério da Saúde. Sistema Nacional de Vigilância em Saúde. Relatório de Situação. Alagoas. Brasília / DF Ministério da Saúde Sistema Nacional de Vigilância em Saúde Relatório de Situação Alagoas Brasília / DF Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Sistema Nacional de Vigilância em Saúde Relatório

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006.

PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. PORTARIA Nº. 5, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2006. Inclui doenças na relação nacional de notificação compulsória, define doenças de notificação imediata, relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09

Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09 Biologia Atividade 3 os anos Marcos/Juliano ago/09 Nome: Nº: Turma: Caríssimas e caríssimos! Dando continuidade ao nosso trabalho, mantida a distância corporal entre nós (prevenção), mas preservada a lembrança

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal

Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos. Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal O U T U B R O 2011 Secretaria Municipal da Saúde de Guarulhos Vigilância e Investigação do Óbito Materno,Infantil e Fetal Dra.Telma de Moura Reis Médica Pediatra Coordenadora da Área Estratégica da Saúde

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Curitiba 12/07/2012

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde. Curitiba 12/07/2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial da Saúde - PSMC-Saúde Curitiba 12/07/2012 Processo de Construção do Plano Setorial da Saúde 1. Definição dos

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família

As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família As Ações de Imunizações e o Programa de Saúde da Família 1º. a 3 de junho de 2004 lourdes.maia@funasa.gov.br PNI. Dados Históricos No Brasil, vacina-se desde 1804. 1973 foi criado um Programa Nacional

Leia mais

Regulamento Sanitário Internacional (2005)

Regulamento Sanitário Internacional (2005) Regulamento Sanitário Internacional (2005) CIEVS Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde CNE Centro Nacional de Enlace - BRASIL Eliana Tiemi Masuda Visão geral Doenças infecciosas

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO 2010/2011 AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE LONDRINA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO GESTÃO MUNICIPAL GERSON ARAÚJO PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA EDSON ANTONIO DE

Leia mais