. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ". Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos"

Transcrição

1 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

2 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação. Otimização da Proteção Radiológica. Limitação de Doses Individuais. Prevenção de Acidentes

3 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação Nenhuma prática deve ser autorizada a menos que o benefício para o indivíduo exposto compense o detrimento que possa ser causado. Aplicar considerando: A exposição médica deve resultar em um benefício real para a saúde do indivíduo e/ou para a sociedade. A eficácia, os riscos de técnicas alternativas com o mesmo objetivo, mas que envolvam menos exposição. Justificação da exposição individual: Justificar considerando os objetivos específicos da exposição e as características do indivíduo. Proibida toda exposição que não possa ser justificada.

4 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Otimização da Proteção Radiológica As instalações e as práticas devem ser planejadas de modo que a magnitude das doses individuais, o número de pessoas expostas e a probabilidade de exposições acidentais sejam tão baixo quanto razoavelmente exeqüível. A otimização deve ser aplicada nos projetos de equipamentos e instalações e nos procedimentos de trabalho. Otimizar as exposições médicas de pacientes ao valor mínimo necessário para obtenção do objetivo radiológico.

5 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Limitação de Doses Individuais São valores de dose efetiva ou dose equivalente para exposição ocupacional ou do público decorrentes de prática controlada. Incidem sobre o indivíduo, decorrente de todas as práticas a que está exposto. Não devem ser utilizados para cálculos de blindagem ou levantamento radiométrico.

6 . Limitação de Doses Individuais Exposições ocupacionais: - Dose Efetiva média 20 msv/ano em 5 anos sem exceder 50 msv em nenhum ano. Para grávidas: Garantir que a dose na superfície do abdômen não exceda 2 msv. Menor de 16 a 18 anos: somente em treinamento com Dose Efetiva 6 msv/ano. Exposição de indivíduo do público: Dose Efetiva 1 msv/ano

7 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS. Obrigações Básicas CONSTRUÇÃO DE NOVAS INSTALAÇÕES DEVE SER DE ACORDO COM ESTE REGULAMENTO.. Registro OS EQUIPAMENTOS DEVEM TER REGISTRO NO MS.. Licenciamento PROJETO DE CONSTRUÇÃO - ALVARÁ - MEMORIAL DESCRITIVO.. Requisitos de organização IMPLEMENTAR CULTURA DE SEGURANÇA SPR - RT - COMITÊ DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA.. Responsabilidades básicas OS EMPREGADORES E TITULARES SÃO RESPONSÁVEIS PELA APLICAÇÃO DA PORTARIA.. Qualificação Profissional PARA OPERAR O EQUIPAMENTO DE RAIOS-X.. Treinamentos Periódicos

8 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS Licenciamento MEMORIAL DESCRITIVO A Descrição do estabelecimento e instalações 1 - Identificação do serviço e seu responsável legal 2 - Relação dos procedimentos radiológicos 3 - Equipamento e componentes Marca Modelo N o. Rg MS gerador Ano fabr. Data inst. 4 - Sistema de registro de imagem 5 - Câmara escura e sistema de processamento

9 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS Licenciamento MEMORIAL DESCRITIVO B Programa de proteção radiológica 1 - Relação da equipe, atribuição, responsabilidade, qualificação e carga horária. 2 - Instruções para equipe, visando executar as atividades com segurança. 3 - Programa de treinamento periódico e atualização da equipe. 4 - Sistema de sinalização, aviso e controle das áreas. 5 - Programa de monitoração de área (verificação das blindagens e dispositivo de segurança). 6 - Programa de monitoração individual e controle de saúde ocupacional 7 - Descrição das vestimentas de proteção individual (n o. por sala) 8 - Descrição do sistema de assentamentos 9 - Programa de garantia de qualidade (inclui manutenção dos R-X e processadoras) 10 - Procedimentos para os casos de exposições acidentais de pacientes, membros da equipe ou do público, incluindo notificação e registro. C Relatórios de aceitação da instalação 1 Teste de aceitação do equipamento, emitido pelo fornecedor após sua instalação. 2 Relatório do levantamento radiométrico 3 Certificado de adequação do cabeçote emitido pelo fabricante

10 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS. Controle de áreas do serviço. Controle Ocupacional. Restrições de Dose em Exposições Médicas. Assentamentos. Características Gerais dos Equipamentos. Garantia de Qualidade

11 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS TREINAMENTO PERIÓDICO Os titulares devem implementar treinamento anual com pelo menos os seguintes tópicos: a - Operação dos equipamentos b - Uso de VPIs c - Minimizar as exposições médicas d - Uso de dosímetros individuais e - Processamento radiográfico f - Dispositivos legais

12 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS CONTROLE DE ÁREAS DO SERVIÇO Os ambientes do serviço devem ser delimitados e classificados em áreas livres ou controladas Áreas controladas - salas de procedimentos radiológicos e de comando Área livre - toda circunvizinhança da área controlada Programa de monitoração de área - Levantamento radiométrico Níveis de equivalente de Dose Ambiente: Área controlada -- 5 msv/ano Área livre -- 0,5 msv/ano

13 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS Controle Ocupacional Compensações financeiras não devem substituir a observância das medidas de proteção estabelecidas neste regulamento Monitoração individual Controle de saúde.

14 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS Restrições de Dose em Exposições Médicas Exposição médica de pacientes CONSIDERAR OS NÍVEIS DE REFERÊNCIA Exposição de acompanhantes SOMENTE QUANDO IMPRESCINDÍVEL.

15 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS Assentamentos O responsável legal deve manter um sistema de assentamento de dados sobre: a) OS PROCEDIMENTOS RADIOLÓGICOS; b) GARANTIA DE QUALIDADE; c) LEVANTAMENTO RADIOMÉTRICO; d) CONTROLE OCUPACIONAL; e) TREINAMENTOS.

16 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS Características Gerais dos Equipamentos Todo equipamento de raios-x diagnóstico importado ou fabricado no país deve estar de acordo com os padrões nacionais além dos requisitos estabelecidos neste regulamento.

17 3 - REQUISITOS OPERACIONAIS GARANTIA DE QUALIDADE Os titulares devem implementar um programa de garantia de qualidade, integrante do programa de proteção radiológica.

18 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. Dos Ambientes. Dos Equipamentos. Procedimentos de Trabalho. Controle de Qualidade

19 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO Dos Ambientes Devem estar em conformidade com as normas do MS para Projetos Físicos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde. Port /11/94. Blindagem das paredes cm. Cabine de comando ou biombo fixo - permita comunicação oral e observação visual, altura mínima de 210 cm.. Sinalização na porta - símbolo e quadros de aviso. VPI - para pacientes, equipe e acompanhante. Tabela de exposição. Somente um equipamento. Avisos para mulheres grávidas. Câmara escura - Vedação, interruptores, exaustão, luz de segurança. Revelação manual - cronômetro, termômetro e tabela T x T 0 C. Guarda dos filmes - vertical, longe R-X, T 0 C e umidade.

20 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. Dos Equipamentos Blindagem no cabeçote 1 mgy/h.. Filtração total mínima de 2,5 mmal - para mamografia 0,03 mm de molibdênio.. Diafragma regulável com localização luminosa.. Sistema para identificar a perpendicularidade do feixe em relação ao receptor de imagem.. Indicação visual do tubo no painel de controle.. Cabo disparador com no mínimo 2 metros.. Tubo estável durante a exposição.

21 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. Dos Equipamentos 4.17 Equipamento de fluoroscopia - intensificador de imagem; tempo acumulado de 5 min.; alarme sonoro; saiote plumbífero, Equipamento de mamografia - compressão adequada; tubo específico; ponto focal 0,4 mm; uso do phantom de mama Tomografia linear - indicação e ajuste da posição do centro de corte Tomografia computadorizada - determinação visual do plano de referência; interruptor de exposição; indicação visual da técnica, ajuste do n o. de CT, phantom para calibração, proibido uso de CT de 1a e 2 a geração,...

22 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. PROCEDIMENTO DE TRABALHO 4.25 Produzir dose mínima para o paciente 4.26 procedimentos de proteção de pessoal na sala de exame 4.27 Uso de equipamento móvel 4.28 Exposição autorizada. Repetição anotada Evitar exposição em mulheres grávidas 4.30 Limitação e alinhamento do feixe de raios-x Exames somente com equipamentos com potência suficiente para realizá-los Exames contrastados do aparelho digestivo, o aparelho deve possuir seriógrafo R-X móvel com potência < 4 kw usado como fixo, deve somente fazer extremidades Chassis nunca devem ser segurados com a mão.

23 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. PROCEDIMENTO DE TRABALHO 4.35 Tensão do tubo, filtração e DFP devem ser a maior possível para reduzir a dose Radiografia de pulmão somente com DFF > 120 cm exceto em leito Filme e écran de maior sensibilidade. O uso de chassis sem écran está proibido Em mamografia o mamógrafo, receptores de imagem, processadora e negatoscópios devem ser específicos e exclusivos para este tipo de procedimento Abreugrafia deve ser desativada e substituída por fotofluorografia Em fluoroscopia deve ser utilizado luvas Pb para palpações, não expor sem olhar, anotar o tempo de exposição A fluoroscopia não deve substituir a radiografia Guardar as VPIs adequadamente Assegurar o processamento correto dos filmes.

24 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. CONTROLE DE QUALIDADE 4.44 Manutenção das condições de funcionamentos do aparelho de raios-x Testes de controle de qualidade: Bianual Valores de dose no paciente em radiografia e CT; Valores de Taxa de dose em fluoroscopia e tempo de exame.

25 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. CONTROLE DE QUALIDADE 4.45 Testes de controle de qualidade: Anual Exatidão do kv, do tempo de exposição; Camada semi-redutora, alinhamento do eixo central de raios-x; Rendimento do tubo (mgy / ma.min m 2 ); Linearidade da taxa de Kerma no ar com mas; Reprodutibilidade da taxa de Kerma no ar; Reprodutibilidade do CAE; Tamanho do ponto focal; Integridade das VPIs; Vedação da câmara escura;

26 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. CONTROLE DE QUALIDADE 4.45 Testes de controle de qualidade: Semestral Colimação; Resolução de alto e baixo contraste em fluoroscopia; Contato filme- écran; alinhamento de grade; Integridade dos écrans e chassis; Condições dos negatoscópios; Índice de rejeição de radiografias. Semanal Calibração, constância e uniformidade dos números de CT; Sensitometria e temperatura do sistema de processamento;

27 4 - REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA RADIODIAGNÓSTICO MÉDICO. CONTROLE DE QUALIDADE 4.46 Testes devem ser realizados sempre que houver indícios de problemas Para mamografia: Teste diário na processadora e limpeza semanal dos écrans 4.48 No mamógrafo: Avaliação mensal da qualidade da imagem do phantom.

28 1) Qual a importância da Portaria 453 em termos de garantia da qualidade? Quais as principais recomendações? 1)

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico

Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico III Congresso Nacional dos Profissionais das Técnicas Radiológicas Controle de Qualidade em Equipamentos de Radiodiagnóstico Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

DDQBN. Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA. Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica. Luciano Santa Rita Oliveira

DDQBN. Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA. Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica. Luciano Santa Rita Oliveira DDQBN Implementação da Portaria 453/98 da ANVISA Seção Defesa Nuclear DDQBN/CTEx Subseção de Proteção Radiológica Luciano Santa Rita Oliveira luciano@ctex.eb.br Assessória Científica DDQBN / CTEx Seção

Leia mais

Portaria SVS/MS n 453, de 1 de junho de 1998

Portaria SVS/MS n 453, de 1 de junho de 1998 Portaria SVS/MS n 453, de 1 de junho de 1998 Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos

Leia mais

PORTARIA FEDERAL Nº 453, DE 1 DE JUNHO DE 1998

PORTARIA FEDERAL Nº 453, DE 1 DE JUNHO DE 1998 PORTARIA FEDERAL Nº 453, DE 1 DE JUNHO DE 1998 Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos

Leia mais

PORTARIA 453, de 01 de junho de 1998

PORTARIA 453, de 01 de junho de 1998 PORTARIA 453, de 01 de junho de 1998 Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico, dispõe sobre o uso dos raios-x

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico

Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico Apresentação Este Regulamento é um componente básico da política nacional de proteção radiológica e segurança na área de radiodiagnóstico,

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

Radiodiagnóstico Médico

Radiodiagnóstico Médico As inovações tecnológicas produzidas pela inteligência humana, embora signifiquem avanços, podem também gerar riscos à saúde, quando não monitoradas de maneira adequada. Por isso, a qualidade do atendimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM RELAÇÃO À PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NAS SALAS DE RAIOS-X DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UFRGS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM RELAÇÃO À PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NAS SALAS DE RAIOS-X DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UFRGS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO EM RELAÇÃO À PROTEÇÃO RADIOLÓGICA NAS SALAS DE RAIOS-X DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UFRGS José Tullio Moro - jtmoro@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

Evolução tecnológica do radiodiagnóstico

Evolução tecnológica do radiodiagnóstico Evolução tecnológica do radiodiagnóstico Marcus Vinícius Teixeira Navarro SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NAVARRO, MVT. Evolução tecnológica do radiodiagnóstico. In: Risco, radiodiagnóstico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Memorial Descritivo de Proteção Radiológica 1 Estabelecimento Consultório Odontológico do Dr.(a). XXX (nome do dentista), CRORJ nº XXX, inscrito no CPF sob nº.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA CBMRJ. Versão 1.0

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA CBMRJ. Versão 1.0 MEMORIAL DESCRITIVO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA CBMRJ Versão 1.0 Cel. Dr. Ronaldo Bassil Lasmar Responsável Técnico / Supervisor de Proteção Radiológica Formação: Médico Radiologista CRM: 5238345-3 CPF: 636.436.187-00

Leia mais

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier

II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP. Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica. Clarice Cardoso Xavier II CONGRESSO DE FÍSICA MÉDICA DA UNICAMP Para além da Radioterapia Atuação do Físico Médico na Proteção Radiológica Clarice Cardoso Xavier Trajetória Graduação Atividades extra-curriculares 5º ano - Estágio

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICA/CONSULTORIO ODONTOLOGICO. I - DADOS CADASTRAIS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF: Nome Fantasia: Rua/Avenida nº Bairro:

INSPEÇÃO EM CLINICA/CONSULTORIO ODONTOLOGICO. I - DADOS CADASTRAIS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF: Nome Fantasia: Rua/Avenida nº Bairro: Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICA/CONSULTORIO ODONTOLOGICO I - DADOS CADASTRAIS

Leia mais

Sumário. capítulo 1 Aparelho radiográfico 1. capítulo 2 Fonte de raios X 13. Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4

Sumário. capítulo 1 Aparelho radiográfico 1. capítulo 2 Fonte de raios X 13. Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4 capítulo 1 Aparelho radiográfico 1 Histórico 2 Evolução 3 Aparelho básico 4 Componentes básicos 5 Aparelho fixo 6 Aparelho móvel 8 Aparelho portátil 9 capítulo 2 Fonte de raios X 13 História 14 Produção

Leia mais

PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 14/12/94

PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 14/12/94 PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 14/12/94 GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução SS 625, de 14-12-94 Aprova Norma Técnica que dispõe sobre o uso, posse e armazenamento de fontes de radiação ionizante,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 7, de 04 de fevereiro de 2015 D.O.U de 09/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico

Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Mapeamento de curvas de isoexposição para avaliação de equivalente de dose ambiente para equipamentos móveis de radiodiagnóstico Alexandre Bacelar 1, José Rodrigo Mendes Andrade 2, Andréia Caroline Fischer

Leia mais

Metodologia de Investigação de Doses Elevadas em Instalações de Radiodiagnóstico Médico

Metodologia de Investigação de Doses Elevadas em Instalações de Radiodiagnóstico Médico Metodologia de Investigação de Doses Elevadas em Instalações de Radiodiagnóstico Médico Adriana Elisa Barboza Cíntia Pinheiro de Souza Martins Dr. Francisco Cesar Augusto da Silva IRD / CNEN Objetivos

Leia mais

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional

Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Otimização da Análise e Controle de Qualidade de Imagens Radiográficas Através da Simulação Computacional Autores: Maria Lucia Nana Ebisawa Irita Dra. Maria de Fátima Magon Prof. Dra. Yvone Mascarenhas

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA)

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA) 50.05.005 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos básicos de proteção radiológica para as pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Em toda a Instituição onde houver

Leia mais

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca

Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada. Fernando Mecca Controle da Qualidade em Tomografia Computadorizada Fernando Mecca Quais são os parâmetros testados? qualidade da imagem ruído da imagem e homogeneidade número de TC resolução espacial espessura da imagem

Leia mais

Radiografias: Aplicações

Radiografias: Aplicações Radiografias: Aplicações Prof. Emery Lins Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC E como ocorre uma radiografia? Fundamentos físicos para imagens Filtragem dos Raios-X O feixe é atenuado

Leia mais

Nuclear; XII - providenciar o recolhimento das fontes radioativas fora de uso no Serviço de Medicina Nuclear; XIII - notificar à CNEN, imediatamente

Nuclear; XII - providenciar o recolhimento das fontes radioativas fora de uso no Serviço de Medicina Nuclear; XIII - notificar à CNEN, imediatamente NEXO NORM CNEN NN 3.05 REQUISITOS DE SEGURNÇ E PROTEÇÃO RDIOLÓGICPR SERVIÇOS DE MEDICIN NUCLER Dispõe sobre os requisitos de segurança e proteção radiológica em Serviços de Medicina Nuclear in vivo. CPITULO

Leia mais

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS TESTES DE QUALIDADE DA IMAGEM E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA - CBR

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS TESTES DE QUALIDADE DA IMAGEM E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA - CBR INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DOS TESTES DE QUALIDADE DA IMAGEM E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE EM MAMOGRAFIA - CBR O Programa de Certificação da Qualidade em Mamografia

Leia mais

ATUALIZA O PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA (PNQM)

ATUALIZA O PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA (PNQM) Circular 598/2013 São Paulo, 04 de Dezembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ATUALIZA O PROGRAMA NACIONAL DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA (PNQM) Diário Oficial da União Nº 232, Seção 1, sexta-feira, 29

Leia mais

Dispõe sobre os requisitos necessários para a segurança e a proteção radiológica em Serviços de Radioterapia.

Dispõe sobre os requisitos necessários para a segurança e a proteção radiológica em Serviços de Radioterapia. Resolução CNEN nº 130, de 31.05.2012 - DOU de 04.06.2012 Dispõe sobre os requisitos necessários para a segurança e a proteção radiológica em Serviços de Radioterapia. A Comissão Nacional de Energia Nuclear,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS

Leia mais

Norma CNEN NN 6.10 Resolução CNEN 176/14 Novembro / 2014 REQUISITOS DE SEGURANÇA E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA

Norma CNEN NN 6.10 Resolução CNEN 176/14 Novembro / 2014 REQUISITOS DE SEGURANÇA E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA Norma CNEN NN 6.10 Resolução CNEN 176/14 Novembro / 2014 REQUISITOS DE SEGURANÇA E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA Resolução CNEN 176/14 Publicação: DOU 10.12.2014 RESOLUÇÃO CNEN N 176,

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

Validação. Revalidação

Validação. Revalidação NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação 1) Médico Responsável pelo Serviço 1.1. Membro Titular do CBR, SBM ou FEBRASGO. 1.2. Título de Especialista em

Leia mais

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA

NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA NORMAS BÁSICAS PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA Validação Revalidação (versão atualizada: 27.03.15) O Programa de Certificação de Qualidade em Mamografia do CBR, para

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

CARTA DE CORREÇÃO III

CARTA DE CORREÇÃO III CARTA DE CORREÇÃO III PREGÃO PRESENCIAL Nº 05/2013 ALTERAR DE: APARELHO DE RAIO-X FIXO DE NO MÍNIMO 500 MA COM GERADOR DE ALTA FREQÜÊNCIA E COM AS SEGUINTES ESPECIFICAÇÕES: POTÊNCIA NOMINAL MÁXIMA DE,

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES

TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CAMPUS DA SAÚDE PROF. JOÃO CARDOSO NASCIMENTO JÚNIOR HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - UNIDADE DE IMAGENS E MÉTODOS GRÁFICOS TÉCNICA DE MARFRAN PARA CÁLCULO DE CONSTANTES PROJETO

Leia mais

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 1 PRINCÍPIOS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Radiação pode ser definida como a energia que vem de uma fonte e viaja através do vácuo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA

AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA AVALIAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA EM FUNÇÃO DA ESPESSURA DA MAMA Fátima F.R. Alves 1, Silvio R. Pires 2, Eny M. Ruberti Filha 1, Simone Elias 3, Regina B. Medeiros 1 Universidade Federal de São Paulo Escola

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

Secretaria da Saúde de Pelotas UPA Nível III

Secretaria da Saúde de Pelotas UPA Nível III 1 Porto Alegre, 10 de dezembro de 2012. Secretaria da Saúde de Pelotas UPA Nível III Relatório de Cálculo de Blindagens Sala de Raios X Convencional 2 Cálculo de Blindagens Índice: 1 - Identificação da

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE METROLÓGICA DE

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO

CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO CONTROLO DE QUALIDADE DE EQUIPAMENTOS DE RADIODIAGNÓSTICO DENTÁRIO Gomes, P., Cardoso, J., Medina, J. Labmetro Saúde do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) RESUMO O Decreto-Lei n.º 180/2002, de 8

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO OTIMIZADA DE UM SETOR DE RADIOLOGIA

UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO OTIMIZADA DE UM SETOR DE RADIOLOGIA UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO OTIMIZADA DE UM SETOR DE RADIOLOGIA CARLAINE BATISTA DE CARVALHO (CEFET) carlaine.carvalho@gmail.com Ricardo José Matos de Carvalho (CEFET) rjmatos@terra.com.br Marcus Aurélio

Leia mais

Aula 10: Radiografia Panorâmica

Aula 10: Radiografia Panorâmica Aula 10: Radiografia Panorâmica Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Conceito É uma técnica radiográfica extrabucal usada para examinar os maxilares superior e

Leia mais

CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR

CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR CNEN NE 3.05 abril/1996 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE MEDICINA NUCLEAR 2 Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Medicina Nuclear Resolução CNEN 10/96 Publicação:

Leia mais

PORTARIA No- 2.898, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.898, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.898, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013 Atualiza o Programa Nacional de Qualidade em Mamografia (PNQM). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

Circular 635/2014 São Paulo, 11 de Dezembro de 2014.

Circular 635/2014 São Paulo, 11 de Dezembro de 2014. Circular 635/2014 São Paulo, 11 de Dezembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) APROVAÇÃO DA NORMA REFERENTE REQUISITOS DE SEGURANÇA E PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA Diário Oficial

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA

PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA PROGRAMA DE CONTROLE DA QUALIDADE E DOSE EM MAMOGRAFIA Rosangela da Silveira CORRÊA, Ruffo FREITAS-JÚNIOR, João Emílio PEIXOTO, Maria Eugênia da Fonseca LEMOS, Rosemar Macedo de Sousa RAHAL Programa de

Leia mais

RESOLUÇÃO ESTADUAL N XXXX/ 2014

RESOLUÇÃO ESTADUAL N XXXX/ 2014 RESOLUÇÃO ESTADUAL N XXXX/ 2014 Dispõe sobre os requisitos de boas práticas para instalação e funcionamento de Estabelecimentos de Odontologia (EO). O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO:

PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: PARECER CFM nº 1/15 INTERESSADO: ASSUNTO: RELATOR: Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Norma da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, que normatiza e preconiza a obrigatoriedade de

Leia mais

Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná

Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná Avaliação de kerma de entrada na pele em exames radiológicos no Hospital de Clínicas do Paraná Lorena E. Porto 1 ; Hugo R. Schelin 1,2 ; Amanda C. Dos Santos 1 ; Ana Paula Bunick 1 ; Sergei Paschuk 1 ;

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL XX CONGRESSO BRASILEIRO DE FÍSICA MÉDICA SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM MEDICINA OTIMIZAÇÃO DA DOSE GLANDULAR MÉDIA NA MAMA E DA QUALIDADE DA IMAGEM NOS SISTEMAS DE MAMOGRAFIA DIGITAL

Leia mais

Unidade Curricular: Manutenção e Calibração de Equipamentos

Unidade Curricular: Manutenção e Calibração de Equipamentos Unidade Curricular: Manutenção e Calibração de Equipamentos Prof. Luciano Santa Rita Oliveira Tecnológo em Radiologia Especialista em Gestão da Saúde e Administração Hospitalar e-mail:tecnologo@lucianosantarita.pro.br

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Proteção Radiológica OBJETIVO. O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano

Proteção Radiológica OBJETIVO. O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano Proteção Radiológica OBJETIVO O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano As recomendações da Proteção Radiológica são baseadas no conhecimento

Leia mais

METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO DE DOSES ELEVADAS EM RADIOADIGNÓSTICO MÉDICO

METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO DE DOSES ELEVADAS EM RADIOADIGNÓSTICO MÉDICO IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR METODOLOGIA DE

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE QUALIDADE EM UM SERVIÇO DE MAMOGRAFIA

IMPLANTAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE DE QUALIDADE EM UM SERVIÇO DE MAMOGRAFIA 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 IMPLANTAÇÃO E APLICAÇÃO DE UM

Leia mais

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares

CIRCULAR Nº 23/2012 de 19.11.2012 Lei da Videovigilância em Locais Públicos de Utilização Comum Publicação de Diplomas Complementares A regulamentação da utilização de sistemas de vigilância por câmaras de vídeo pelas forças e serviços de segurança em locais públicos de utilização comum, para captação e gravação de imagens e som e seu

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 (Publicada no D.O.U. de 19 jan 2009, Seção I, pg. 94-5) Define e normatiza a Telerradiologia O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela lei nº. 3.

Leia mais

I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista. Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista

I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista. Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista Físico Alexandre Bacelar Histórico Os primeiros dados a respeito

Leia mais

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO

VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE EM VARREDURAS DE TC DE CRÂNIO USANDO UM FANTOMA FEMININO 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 VARIAÇÃO DE DOSE NO PACIENTE

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

Análise de laudos radiométricos em radiologia odontológica Analysis of radiation protection reports in dental radiology

Análise de laudos radiométricos em radiologia odontológica Analysis of radiation protection reports in dental radiology ORIGINAL ORIGINAL Análise de laudos radiométricos em radiologia odontológica Analysis of radiation protection reports in dental radiology Melquisedec Oliveira da SILVA¹ Alessandro Martins da COSTA² Thomaz

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDENTE DA FUNDACENTRO Humberto Carlos

Leia mais

DIGISTAR 600. Equipamento DIGISTAR 600.

DIGISTAR 600. Equipamento DIGISTAR 600. DIGISTAR 600 Equipamento DIGISTAR 600. O equipamento SISMED DIGISTAR 600 consiste numa completa sala para a realização de exames cárdio-angiográficos por meio de raios-x de alta freqüência. O equipamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

Figura 1 : Foto embalagem c/filme para Radiografia Geral Modelo TMAT-G/RA

Figura 1 : Foto embalagem c/filme para Radiografia Geral Modelo TMAT-G/RA INSTRUÇÕES DE USO FILMES KODAK PARA RADIOGRAFIA GERAL TMAT-G/RA (TMG/ RA); MXG; INSIGHT IT; INSIGHT IP, INSIGHT VHC (ITC) Kodak da Amazônia Indústria e Comércio Ltda. Fabricante: Kodak da Amazônia Indústria

Leia mais

TNR.ADRIANO LIMA E SILVA

TNR.ADRIANO LIMA E SILVA TNR.ADRIANO LIMA E SILVA HISTÓRICO CRIAÇÃO DA PROFISSÃO Lei n.º 7.394/85 REGULAMENTAÇÃO Decreto n.º 92.790/86 HISTÓRICO ATÉ 1990 PRATICAMENTE INEXISTIAM ESCOLAS NO PAÍS 1 Escola Técnica no RS 1991 inicio

Leia mais

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS Silvia Maria Velasques de Oliveira INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÃO E DOSIMETRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL

Leia mais

Resumo... 1. 1. Introdução...1. 2. Radioproteção...1

Resumo... 1. 1. Introdução...1. 2. Radioproteção...1 Sumário Resumo... 1 1. Introdução...1 2. Radioproteção...1 2.1 Diretrizes Básicas de Radioproteção...1 2.2 Legislação... 2 2.3 Equipamentos Proteção Radiológica Individual (EPI)... 5 2.4 Equipamentos Proteção

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

BOM PLANEJAMENTO: PERMITE A REDUÇÃO DE TEMPO E MOVIMENTOS NA EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES.

BOM PLANEJAMENTO: PERMITE A REDUÇÃO DE TEMPO E MOVIMENTOS NA EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES. NORMAS: RDC/ANVISA N.º 50, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2002 REGULAMENTA: CONSTRUÇÕES, REFORMAS E AMPLIAÇÕES, INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE. PROJETO BÁSICO PROJETO EXECUTIVO

Leia mais

Daros, K A C e Medeiros, R B

Daros, K A C e Medeiros, R B 1 ESTUDO DAS FONTES DE RUÍDO DA IMAGEM PARA FINS DE OTIMIZAÇÃO DAS DOSES NA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO E ABDOME ADULTO Daros, K A C e Medeiros, R B Universidade Federal de São Paulo São Paulo

Leia mais

1 2176788 (T3488S) BANDEJA PORTA

1 2176788 (T3488S) BANDEJA PORTA ITEM Código Principal 1 2176788 (T3488S) BANDEJA PORTA CASSETE UTILIZADA EM EQUIPAMENTO DE RAIO-X. P/N# 2176788. (MATERIAL RECONDICIONADO). Descrição NCM Finalidade (s) Registro(s) ANVISA 90229090 Partes

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM Direção: Dr. Carlos Alberto Martins de Souza Coordenação: Fis. Antonio Pires Filho Supervisão: Drª Leolinda Maria E.

Leia mais

PARÂMETROS DOS EQUIPAMENTOS RADIOLOGIA

PARÂMETROS DOS EQUIPAMENTOS RADIOLOGIA PARÂMETROS DOS EQUIPAMENTOS RADIOLOGIA PARÂMETROS A SEREM AVALIADOS CRITÉRIOS DE DESEMPENHO FREQUÊNCIA MÍNIMA Levantamento Radiométrico Valores de dose externa com níveis inferiores a QUADRIANUAL/ Na aceitação

Leia mais

Prof. AGUINALDO SILVA

Prof. AGUINALDO SILVA Caro aluno e colega de profissão, disponibilizo este material mas caso tenha interesse em usá-lo favor não alterar os slides e não retirar os meus créditos. Obrigado e bons estudos!!! Direitos autorais

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial NR 07-PCMSO-Quadro II-Parâmetros para Monitorização PORTARIA SIT nº 223/2011-DOU:

Leia mais

SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE

SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE SENSOR INFRAVERMELHO ATIVO DUPLO FEIXE duoiva-3010 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. INTRODUÇÃO

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

PROCESSO N 988/2006 PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO

PROCESSO N 988/2006 PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO PROTOCOLO N.º 9.041.582-4 PARECER N.º 652/06 APROVADO EM 08/12/06 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ALVO MUNICÍPIO: APUCARANA ASSUNTO: Renovação do Reconhecimento do Curso

Leia mais