Promoção de Saúde e Qualidade de Vida Por que investir?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Promoção de Saúde e Qualidade de Vida Por que investir?"

Transcrição

1 Promoção de Saúde e Qualidade de Vida Por que investir? Discussão de Cases- Boas Práticas Luiz Henrique Picolo Furlan, MD, MSc Responsável Técnico do Plano de Saúde Fundação Copel

2 Criada em 21/10/1971 pela Copel (estratégia de RH) Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC) ( participantes) 15º maior EFPC do Brasil, maior da Região Sul do Brasil (patrimônio de R$ 6,5 bilhões) Autogestão em Saúde Prosaúde ( beneficiários)

3 Patrocinadoras

4 Visão Geral Missão Administrar, com excelência, planos de previdência e de saúde para que os participantes vivam melhor e vivam mais Visão Até 2017 ser a melhor entidade de previdência e assistência à saúde do Brasil

5 Características do PROSAÚDE Plano de saúde único; Plano de abrangência Estadual; Plano Coletivo Empresarial; Principio do Mutualismo/Solidariedade; Coparticipação de 30% nas despesas de assistência ambulatorial. Compreende as modalidades: Assistência Médico/Hospitalar Assistência Farmacêutica Assistência Odontológica

6 Visão Geral distribuição da população no Paraná 12% 13% 11% 14% 49%

7 Visão Geral dezembro %

8 Visão Geral Por que investir em Promoção?

9 Visão Geral Por que investir em Promoção?

10 Visão Geral Por que investir em Promoção? 1ª Faixa de 0 a 18 anos 2ª Faixa de 19 a 23 anos 3ª Faixa de 24 a 28 anos 4ª Faixa de 29 a 33 anos 5ª Faixa de 34 a 38 anos ANTI-BACTERIANOS ANTI-BACTERIANOS ANTI-BACTERIANOS ANTI-BACTERIANOS DEPRESSÃO SISTÊMICOS SISTÊMICOS SISTÊMICOS SISTÊMICOS ANTIINFLAMATÓRIO E ANTI-BACTERIANOS ANALGÉSICOS ANALGÉSICOS DEPRESSÃO ANTI-REUMÁTICOS SISTÊMICOS ANTIINFLAMATÓRIO E ANTIINFLAMATÓRIO E PREPARAÇÕES NASAIS ANALGÉSICOS DEPRESSÃO ANTI-REUMÁTICOS ANTI-REUMÁTICOS ANTIGRIPAIS E ANTIINFLAMATÓRIO E ANTICONVULSIVANTES ANALGÉSICOS ANTICONVULSIVANTES ANTITUSSIGENOS ANTI-REUMÁTICOS ANTIINFLAMATÓRIO E DEPRESSÃO ANTICONVULSIVANTES ANTICONVULSIVANTES ANALGÉSICOS ANTI-REUMÁTICOS ANTIPROTOZOÁRIOS E ANTI-HELMINTICOS DPOC/ASMA ANTIDIARRÉICOS, REPOSITORES ANTIHISTAMÍNICOS SISTÊMICOS CORTICOSTERÓIDES SISTÊMICOS ANTIGRIPAIS E ANTITUSSIGENOS ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E PREPARAÇÕES NASAIS CORTICOSTERÓIDES SISTÊMICOS FARMACOS DESORDENS FUNCIONAIS GASTRO- ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E PREPARAÇÕES NASAIS PREPARAÇÕES NASAIS ANTIGRIPAIS E ANTITUSSIGENOS ANTIDIARRÉICOS, REPOSITORES PSICOLÉPTICOS PSICOLÉPTICOS CORTICOSTERÓIDES SISTÊMICOS ANTIGRIPAIS E ANTITUSSIGENOS ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E HIPERTENSÃO PSICOLÉPTICOS CORTICOSTERÓIDES SISTÊMICOS LAXANTES

11 Visão Geral Por que investir em Promoção? 6ª Faixa de 39 a 43 anos 7ª Faixa de 44 a 48 anos 8ª Faixa de 49 a 53 anos 9ª Faixa de 54 a 58 anos 10ª Faixa mais de 59 a DEPRESSÃO DEPRESSÃO HIPERTENSÃO HIPERTENSÃO HIPERTENSÃO ANALGÉSICOS HIPERTENSÃO DEPRESSÃO DISLIPIDEMIA DISLIPIDEMIA ANTIINFLAMATÓRIO E ANTI-REUMÁTICOS ANTI-BACTERIANOS SISTÊMICOS HIPERTENSÃO ANTIINFLAMATÓRIO E ANTI-REUMÁTICOS DISLIPIDEMIA DEPRESSÃO DIABETES ANALGÉSICOS ANALGÉSICOS ANALGÉSICOS ANALGÉSICOS ANTI-BACTERIANOS SISTÊMICOS ANTICONVULSIVANTES ANTICONVULSIVANTES ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E DISLIPIDEMIA DISLIPIDEMIA ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E ANTIINFLAMATÓRIO E ANTI-REUMÁTICOS ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E ANTI-BACTERIANOS SISTÊMICOS ANTICONVULSIVANTES PSICOLÉPTICOS DIABETES ANSIOLÍTICOS ANTIGRIPAIS E ANTITUSSIGENOS DIABETES ANTIINFLAMATÓRIO E ANTI-REUMÁTICOS ANTICONVULSIVANTES ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E ANTI-BACTERIANOS SISTÊMICOS PSICOLÉPTICOS DIABETES TERAPIA TIROIDEANA DEPRESSÃO AGENTES ANTITROMBÓTICOS ANTIÁCIDOS, ANTIFISÉTICOS E ANTICONVULSIVANTES ANTIINFLAMATÓRIO E ANTI-REUMÁTICOS ANTI-BACTERIANOS SISTÊMICOS

12 Visão Geral Por que investir em Promoção? Mudança de modelo de atenção Uma ação preventiva pode ocorrer em momentos diferentes da história da doença (Leavell & Clark) Prevenção primária Prevenção secundária Prevenção terciária Fatores de risco Instalação da doença Sintomas e detecção clínica complicações morte Duncan, BB. Medicina ambulatorial, 2004

13 SEGMENTAÇÃO POR GRUPO DE RISCO Gestão de Doenças Crônicas 600 beneficiários = 1,4 % - 25% do custo Assistencial Assistência Farmacêutica 2000 beneficiários Rastreamento Câncer: Mama, Colo de Útero, Colorretal Gestação Saudável Incentivo ao Aleitamento Materno Sensibilização Atividades Físicas Feira de Saúde Comunicação em Saúde

14 Visão Geral Copel exame periódico Condição Ativos Aposentados Pensionistas Total Titular Dependentes Total Fonte: Sistema BEN / FC

15 Visão Geral Exame Periódico de Saúde da Copel funcionários Exame periódico em 2 fases: 1. Ocupacional verificação da aptidão 2. Preventivo Inclui exames de rastreamento como Papanicolaou, consulta com ginecologista, mamografia, glicose, perfil lipídico; PSA avaliação cardiológica, oftalmologica, ortopedica, urologista Rastreamento de cancer colorretal

16 Visão Geral Equipe envolvida com o programa Diretamente SGS: Vanessa Coordenadora dos Programas Furlan Médico Responsável Técnico Mauricio Superintendente Maria José- enfermeira Vanele administrativo Gustavo administrativo Melissa administrativo Dryele estagiária de enfermagem

17 Programa de Gerenciamento de doenças crônicas Início do programa abril 2013 Foco de atenção do programa Doenças Crônicas 60% da carga de doença 1,5% da carteira corresponde a 25% do custo assistencial Objetivo-alvo do programa melhorar o auto-cuidado Coordenação do cuidado Adequação da utilização do plano de saúde

18 Programa de Gerenciamento de doenças crônicas Público-alvo do programa 600 pessoas Portadores de HAS, DM, dislipidemia, obesidade, coronariopatias, DPOC/asma, depressão Como os participantes são identificados Levantamento realizado nos últimos 2 anos Ordem decrescente de custo assistencial Ser usuários do Programa de medicamentos de uso contínuo Exclusão: pacientes com câncer em quimioterapia

19 Programa de Gerenciamento de doenças crônicas Como as informações são gerenciadas Sistema de Informação da Fundação Copel Utilização / custo assistencial Assistência Farmacêutica Integração com os Sistemas de Informação da empresa que fará o Gerenciamento de Crônicos Informações clínicas

20 Programa de Gerenciamento de doenças crônicas Como éfeito o acompanhamento da gestão do programa? Corpo de Gestão de análise de resultados composto por técnicos da FC e empresa contratada Reuniões bimensais

21 Como éfeita a avaliação dos resultados? Indicadores: Programa de Gerenciamento de doenças crônicas Avaliação da utilização / custo assistencial; Consultas de pronto socorro e internamentos Indicadores clínicos: PA, HbA1c, LDL, IMC Satisfação dos participantes

22 Programa de Gerenciamento de doenças crônicas Qual iniciativa considera inovadora? Integração das empresas que farão a Gestão de doenças crônicas e a Assistência Farmacêutica; Credenciamento de Médicos de Família e Comunidade para referenciamento

23 Programa de Assistência Farmacêutica Previsão de cobertura para medicamentos 30% de uso ocasional 60% de uso contínuo 90% de alto custo (tratamento de cancer, AR, asma) Data de início da ação Maio 2013 Foco de atenção do programa Doenças crônicas em pacientes com baixa utilização

24 Programa de Assistência Farmacêutica Objetivo-alvo do programa Melhorar a adesão à medicação de uso contínuo, reduzir interações medicamentosas danosas. Público-alvo do programa 2000 Pacientes inscritos no Programa de Assistência Farmacêutica

25 Programa de Assistência Farmacêutica Como os participantes são identificados Atualmente temos 4029 pacientes inscritos no Programa de Medicação de uso contínuo; Iniciaremos com 2000 pacientes em uso de 2 ou mais classes de medicamentos(antihipertensivo, antilipemico, antidiabéticos) Sobreposição com a gestão de crônicos nos 600 pacientes

26 Programa de Assistência Farmacêutica Como as informações são gerenciadas Integração com o Sistema de Informação da empresa que prestaráa assistência farmacêutica, Gestão de doenças crônicas e Superintendência de Gestão em Saúde da Fundação Copel Relatórios mensais da utilização e adesão terapêutica

27 Programa de Assistência Farmacêutica Como éfeito o acompanhamento da gestão do programa? Avaliação da adesão do pacientes à medicação Entrega programada em domicílio de 2 em 2 meses Como éfeita a avaliação dos resultados? Redução de utilização em pronto atendimento Redução de hospitalização

28 Programa de Assistência Farmacêutica Qual iniciativa considera inovadora? Resgate do papel do farmacêutico na assistência Redução da tributação em folha para os beneficiários; Entrega da medicação em domicílio

29 Programa Rastreamento de Câncer mama, colo de útero e colorretal Data de início do programa Outubro 2012 Foco de atenção do programa Neoplasias, Segunda maior causa de mortalidade Objetivo-alvo do programa Diagnóstico precoce de canceres com alto potencial de tratamento e cura

30 Programa Rastreamento de Câncer mama, colo de útero e colorretal

31 Programa Rastreamento de Câncer mama, colo de útero e colorretal Público-alvo do programa Mama: mulheres na faixa etária de 50 a 70 anos Colo uterino: mulheres na faixa etária de 18 a 65 anos Colorretal: homens e mulheres na faixa etária de 50 a 70 anos

32 Programa Rastreamento de Câncer mama, colo de útero e colorretal Como os participantes são identificados Pesquisa na Base de dados da FC Beneficiários que não realizaram estes exames de rastreamento nos últimos 2 anos; Como as informações são gerenciadas Levantamento da Base de dados da FC pela TI Avaliação das informações pela Equipe da SGS

33 Programa Rastreamento de Câncer mama, colo de útero e colorretal Como éfeito o acompanhamento da gestão do programa? Equipe Interna da SGS Como éfeita a avaliação dos resultados? Número de guias emitidas versus faturadas Aumento da cobertura destes exames - IDSS

34 Programa Rastreamento de Câncer mama, colo de útero e colorretal Qual iniciativa considera inovadora? Utilização de evidências científicas na escolha dos tipos de cânceres a serem rastreados Não incluso o câncer de Próstata

35 Programa Rastreamento de Câncer mama, colo de útero e colorretal

36 Prevenção Quaternária ria A detecção de indivíduos em risco de tratamento excessivo para protegê-los de novas intervenções médicas inapropriadas e sugerir-lhes alternativas eticamente aceitáveis. (Jamoulle, Medico de Familia e Comunidade Belga, 1999) um dos fundamentos centrais da medicina éo primum non nocere; Iatrogenia Clínica -3ªcausa de morte nos EUA Norman, et al. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25(9): , set, 2009

37 Programa Gestação Saudável Data de início do programa abril 2012 Foco de atenção do programa Saúde Materno infantil Objetivo-alvo do programa Reduzir a taxa de partos cesáreos Aumentar a cobertura do aleitamento

38 Programa Gestação Saudável Público-alvo do programa 300 gestantes ao ano 92% de parto cesáreo Como os participantes são identificados Utilização: bhcg, ultrasson obstétrico

39 Programa Gestação Saudável Como éfeito o acompanhamento da gestão do programa? Equipe Gestora local organiza o evento Como éfeita a avaliação dos resultados? Avalia satisfação dos participantes Taxa de parto cesáreo Cobertura do Programa (Curitiba e Região) monitoramento do aleitamento materno por telefone até o bebe completar 1 ano de vida (em implantação)

40 Programa Gestação Saudável Qual iniciativa considera inovadora? Realização de atividades a distância para ampliar a cobertura e interiorizar as ações; Em avaliação a possibilidade de comprar acesso de conteúdos relacionados a Saúde Materno infantil em plataforma web; Produção de material a ser enviado para as gestantes em DVDs e impressso

41 Programa Check Up do Aposentado Data de início do programa Há20 anos Foco de atenção do programa Revisão periódica de saúde do aposentado Objetivo-alvo do programa Diagnóstico precoce e Promoção do auto cuidado

42 Programa Check Up do Aposentado Público-alvo do programa Aposentados; Como os participantes são identificados Pela base de dados condição aposentado Como as informações são gerenciadas O próprio sistema de informação emite as guias de consultas e exames

43 Programa Check Up do Aposentado Como as informações são gerenciadas O próprio sistema de informação emite as guias de consultas e exames Homens 3 consultas: cardio, urologista, e livre escolha Exames: teste de esforço ou ECG, PSA, glicose, perfil lipidico e hemograma Mulheres 3 consultas: cardio, GO, e livre escolha Exames: teste de esforço ou ECG, mamografia, Papanicolaou, glicose, perfil lipidico e hemograma

44 Programa Check Up do Aposentado Como éfeita a avaliação dos resultados? Sem avaliação sistemática de resultados Faz parte da cultura do aposentado

45 Programa Check Up do Aposentado Qual iniciativa considera inovadora Estásendo discutido com os aposentados a efetividade de realização dos exames e consultas fornecidos neste check up Prevenção Quaternária Identitificação de formas para se obter os resultados dos exames e identificar população sob risco; Incluir os pacientes com doenças crônicas no PGDC

46 Programa Feira de Saúde Data de início do programa 2011 Foco de atenção do programa Saúde dos aposentados / Parceria com a Associação dos aposentados da Copel Objetivo-alvo do programa Sensibilizar para o auto cuidado e diagnóstico precoce Realizado teste de glicemia, colesterol, aferição da PA e IMC Educação Previdenciária

47 Programa Feira de Saúde Público-alvo do programa Aposentados e dependentes participantes do domingo com a Familia Copeliana Reuniões mensais pelo interior do Paraná Como as informações são gerenciadas São tabulados os resultados dos exames realizados

48 Programa Feira de Saúde Como éfeita a avaliação dos resultados? Equipe da SGS e Associação dos aposentados avaliam satisfação dos participantes Identificação de pacientes com doenças crônicas; Qual iniciativa considera inovadora? Em avaliação com a Associação dos Aposentados a Concepção do evento: carater festivo, confraternização, Promoção de Saúde

49 Programas a serem implantados Programa de Tabagismo; início no segundo semestre de 2013; Programa de Incentivo a atividade física; Pesquisa junto aos funcionários das Patrocinadoras Identificar possibilidades para estímulo a atividade física Potencializar os clubes dos funcionários

50

51

52 Dificuldades e Barreiras A utilização de evidências científicas para sustentar as ações Preventivas; Evitar a achologia (Profissionais Saudáveis Empresas Produtivas, Alberto Ogata, 2012) Cultura de Prevenção baseada no check up e não em mudança de comportamento;

53 Dificuldades e Barreiras Convencimento do Conselho Deliberativo sobre as novas propostas de ações Preventivas Falta de sistema de informação que permita gerenciar informações clínicas e de Medicina Preventiva - Portal BI em andamento Alinhamento das ações com entidades representativas dos funcionários e Patrocinadoras

54 Àdisposição para esclarecimentos Obrigado!

Promoção de Saúde e Qualidade de Vida Por que investir?

Promoção de Saúde e Qualidade de Vida Por que investir? Promoção de Saúde e Qualidade de Vida Por que investir? Discussão de Cases- Boas Práticas Luiz Henrique Picolo Furlan, MD, MSc Responsável Técnico do Plano de Saúde Fundação Copel Criada em 21/10/1971

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR 1 Objetivo - identificar e valorizar, na saúde suplementar, experiências exitosas e inovadoras no Brasil, quanto a ações e programas

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014 Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho ANS maio/2014 Perfil da Cemig Maior empresa integrada deutilites do Brasil. Composta por 58 empresas e 15 consórcios. Lucro líquido

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010

Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica. Setembro/2010 Seminário Anual de Saúde 2010: Cultura de Saúde e Dividendos para o Negócio Uma Visão Estratégica Setembro/2010 Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Instituição de Saúde composta

Leia mais

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Jamil Luminato 1981 Jamil Luminato 1981 2013 Visão Geral Medicina de Grupo de Curitiba 117.187

Leia mais

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011

Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 Sistema Público de Saúde em Curitiba - 2011 09 Distritos Sanitários 109 US (55 ESF) - informatizada 8 CMUMs 10 CAPS 1 Laboratório Municipal 1 Hospital Municipal 1.851.213 habitantes 223.000 mulheres acima

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Saúde Urbana, Ambiente e Desigualdades Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Francisco Arsego de Oliveira Serviço

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1 UNIMED FESP Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini Gerente de Gestão em Saúde manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 1 PERFIL UNIMED UNIMED FESP Quantidade de usuários 565.582 Área de abrangência Quantidade

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4:

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas EXPOSIÇÃO 4: O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS POR QUE UM MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Programas de Atenção à Saúde Unimed-BH. Flávia Roza

Programas de Atenção à Saúde Unimed-BH. Flávia Roza Programas de Atenção à Saúde Unimed-BH Flávia Roza Condições de saúde Risco 0 Risco 1 Linha de vida do indivíduo Risco 2 Ó B I T Paciente Normal Fatores de Pré Disposição Manifestações Pré Patológicas

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde

Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na Perspectiva de Redes de Atenção à Saúde Linhas de Cuidado na RELEMBRANDO... Perspectiva de RAS A RAS é definida como arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes

Leia mais

Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde

Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde Auditoria, Prevenção e sustentabilidade no Sistema de Saúde Tânia Kadima M. Ferreira tania@mutuadosmagistrados.com.br VII Congresso Brasileiro de Auditoria em Sistemas de Saúde Auditoria Médica Instrumento

Leia mais

Towers Watson. Pública

Towers Watson. Pública Towers Watson Pública Gestão Estratégica da Saúde Corporativa 2012 3ª edição Seminário Anual de Saúde 2012 A Nova Era da Gestão de Saúde nas Empresas Dividindo responsabilidades, otimizando resultados

Leia mais

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014

ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS 3º Workshop Regional de Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças Brasília/DF 09/10/2014 ANS Panorama dos Programas para Promoção de Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

Superintendência Médica Bradesco Saúde Dra. Maristela Duarte Rodrigues

Superintendência Médica Bradesco Saúde Dra. Maristela Duarte Rodrigues Superintendência Médica Bradesco Saúde Dra. Maristela Duarte Rodrigues Destaques Presença nacional Operadora líder do mercado brasileiro de saúde suplementar, em faturamento e em vidas 12,4% de Market

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Título do Projeto! JUNTOS PELA SAÚDE

Título do Projeto! JUNTOS PELA SAÚDE Título do Projeto! JUNTOS PELA SAÚDE População Saudável Campanhas para realização dos exames preventivos Material Educativo Comunicação População Saudável Educação em Saúde: Esta ação tem como objetivo

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional

VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional VIII JORNADA DE EXTENSÃO Mostra de Trabalhos Grupo 1 - Área: Saúde 12/11 08:00 Hall do Centro Educacional Nº CAVALETE TÍTULO 1 25 ANOS DO CURSO DE ENFERMAGEM DA UFTM: TRAJETORIAS 2 A ATENÇÃO A USUÁRIOS

Leia mais

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013

PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 PANORAMA DO CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AVANÇOS E DIFICULDADES TROCANDO IDEIAS XVII 30/08/2013 Vânia Stiepanowez de Oliveira Rocha Dados epidemiológicos Incidência

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

Objetivos Específicos

Objetivos Específicos Missão Promover a melhoria da qualidade de vida dos empregados do Prodest, através de ações específicas que estimulam e facilitam a mudança individual em busca de estilos de vida mais saudáveis. Programa

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

5º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SISTEMA FINANCEIRO

5º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SISTEMA FINANCEIRO 5º FÓRUM FEBRABAN DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DO SISTEMA FINANCEIRO PROGRAMA DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA PHILIPS OUTUBRO 08 ROYAL PHILIPS ELECTRONICS Fundada em 1891 Sede: Amsterdam, Holanda Uma

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

CARTÃO MEDICAMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL PROGRAMA DE FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO À POPULAÇÃO

CARTÃO MEDICAMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL PROGRAMA DE FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO À POPULAÇÃO CARTÃO MEDICAMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL PROGRAMA DE FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO À POPULAÇÃO PROGRAMA CARTÃO MEDICAMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL, MEDICAMENTOS AO ALCANÇE DE TODOS. Os processos burocráticos

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III PESQUISA SOBRE SAÚDE CORPORATIVA EFETUADA POR UM CONSORCIO DE EMPRESAS DA ÁREA DE SAUDE CONSTATAÇÕES E IMPLICAÇÕES Duração: 4 semanas 44 respondentes Respondentes

Leia mais

PROGRAMAÇÃO OUTUBRO ROSA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS AOS SÁBADOS UNIDADE DE SAÚDE DATA HORÁRIO ATIVIDADES. 8 às 13 horas. 7 às 13 horas.

PROGRAMAÇÃO OUTUBRO ROSA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS AOS SÁBADOS UNIDADE DE SAÚDE DATA HORÁRIO ATIVIDADES. 8 às 13 horas. 7 às 13 horas. PROGRAMAÇÃO OUTUBRO ROSA ATIVIDADES DESENVOLVIDAS AOS SÁBADOS UNIDADE DE SAÚDE DATA HORÁRIO ATIVIDADES MARUÍPE GRANDE VITÓRIA 11/10/2014 8 às 13 horas 7 às 13 horas Proporcionar ações de promoção e prevenção

Leia mais

Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio. Superintendência de Atenção à Saúde

Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio. Superintendência de Atenção à Saúde Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio Superintendência de Atenção à Saúde 52,4% dos trabalhadores terão 45 anos ou mais em 2050 (Atualmente - 33,8%) Idade média da força de trabalho será 44,3 anos (Atualmente

Leia mais

UNIMED SEMPRE PRESENTE SIMONE MARIA CASTELLANO

UNIMED SEMPRE PRESENTE SIMONE MARIA CASTELLANO UNIMED SEMPRE PRESENTE SIMONE MARIA CASTELLANO UNIMED SEMPRE PRESENTE Frase de efeito: Ações de Promoção à Saúde: para melhorar é preciso participar! Equipe Multiprofissional Diretor de Recursos Próprios

Leia mais

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003.

O primeiro Planejamento Estratégico em 2003. Missão Desenvolver ações de promoção, proteção e reabilitação da saúde em nível ambulatorial, com equipe multiprofissional e interdisciplinar, propondo e implementando políticas de saúde articuladas em

Leia mais

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS)

Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Implantação dos Requisitos Acreditação RN 277 (ANS) Debates GVSaúde Acreditação Operadoras de Planos de Saúde Helton Marcondes Coordenação de Processos e Qualidade - GEPP Roteiro Unimed-BH em Números;

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Mesa-Redonda: Responsabilidade Social Empresarial 23-24 de Novembro de 2006 Mário Páscoa (Wyeth/ Painel Febrafarma) E-mail: pascoam@hotmail.com

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Unidades de Negócios

Unidades de Negócios Grupo Clivale Como surgiu? História Tudo começou com a iniciativa de Raphael Serravalle ao perceber a carência de um serviço médico especializado na cidade do Salvador, calçada, induziu dois de seus filhos:

Leia mais

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Hospital do Coração Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Rosa Bosquetti Coordenadora de Enfermagem Unidade Coronariana O Hospital O Hospital O Hospital HCor: missão, visão e valores

Leia mais

5º Fórum Febraban de Segurança e Saúde no Trabalho do Sistema Financeiro. Programa Qualidade de Vida CAIXA. São Paulo - SP Outubro 2008

5º Fórum Febraban de Segurança e Saúde no Trabalho do Sistema Financeiro. Programa Qualidade de Vida CAIXA. São Paulo - SP Outubro 2008 5º Fórum Febraban de Segurança e Saúde no Trabalho do Sistema Financeiro Programa Qualidade de Vida CAIXA São Paulo - SP Outubro 2008 Sistema de Saúde e Segurança no Trabalho 1º NÍVEL 2º NÍVEL 3º NÍVEL

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA RELATÓRIO DE 2011 Em 2011, o Vila Fátima deu continuidade aos seus programas de ensino-serviço. Esta unidade acadêmica descentralizada é uma projeção da Universidade ao seu meio, e, como tal, oferece um

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

Superintendência de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Primária

Superintendência de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Primária Superintendência de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Primária MARÇO/2014 Política Nacional de Atenção Básica Portaria n. 2488, de 21 de outubro de 2011. Das Funções na Rede de Atenção à Saúde Decreto

Leia mais

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL

CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL CONSTRUINDO UMA NOVA PROPOSTA PARA REMUNERAÇÃO VARIÁVEL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE CURITIBA - JULHO 213 CONTEXTO 22 CONTRATO DE GESTÃO E O IDQ Objetivo de incentivar qualidade e produtividade Componente

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

Programação de Teleducação em APS 2011

Programação de Teleducação em APS 2011 Programação de Teleducação em 2011 JANEIRO Atividade Horário Público-alvo Responsáveis Técnicos 27/Jan/2011 Telegero 06 às 7h00 Participantes da UNATI Dr. Euler Ribeiro FEVEREIRO 16/Fev/2011 Teletrauma

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Projetos de pesquisa no Saúde Instituto de Ciências da 10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Título: Avaliação da autoeficácia materna para prevenir diarreia infantil em Redenção-CE

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014

Debates GVsaúde. Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões. Denise Eloi Maio/2014 Debates GVsaúde Perspectivas da Assistência para a População de Idosos Visão das Autogestões Denise Eloi Maio/2014 Sistema de Saúde Suplementar 1.274 operadoras de planos de saúde com beneficiários Mais

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

Saúde Ativa Gestão de Saúde: Bem Estar, Doenças / Alto Risco e Casos Complexos

Saúde Ativa Gestão de Saúde: Bem Estar, Doenças / Alto Risco e Casos Complexos 1 Saúde Ativa Gestão de Saúde: Bem Estar, Doenças / Alto Risco e Casos Complexos Resultados A SulAmérica e o Saúde Ativa Ações para Adesão Nova fase Adesão e Engajamento Experiência da SulAmérica Programas

Leia mais

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015

Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios. Para o ano de 2015 Campanhas, Atividades Semanais, Comemorações, Avanços e Desafios Para o ano de 2015 O Plano Anual de Saúde de 2015 guarda uma característica própria: é o espelho da programação do PMS 2014/2017 aplicado

Leia mais

Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional

Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional O SESAO na Estrutura Organizacional Divisão de Administração de Pessoas e Saúde Ocupacional - DAPSO Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional - SESAO Núcleo de Benefícios

Leia mais

MESA REDONDA: O papel do MFC na Saúde Suplementar. A Experiência da Saúde da Família na CASSI GRAÇA MACHADO DIRETORA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

MESA REDONDA: O papel do MFC na Saúde Suplementar. A Experiência da Saúde da Família na CASSI GRAÇA MACHADO DIRETORA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO MESA REDONDA: O papel do MFC na Saúde Suplementar A Experiência da Saúde da Família na CASSI GRAÇA MACHADO DIRETORA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO A SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL

Leia mais