Infarto agudo do miocárdio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infarto agudo do miocárdio"

Transcrição

1 Infarto agudo do miocárdio 01 Infarto agudo do miocárdio é quando as artérias do coração ficam entupidas e deixam de fornecer oxigênio ao músculo cardíaco, denominado miocárdio. Dor no peito opressora (sensação de aperto), angustiante e insuportável Duração maior que 10 minutos Dor não diminui com o repouso Irradiação para a mandíbula e membros superiores, particularmente para o braço esquerdo, eventualmente para o estômago (abdome superior medial) Posicionar a pessoa na posição supina (tronco levemente inclinado, posição confortável) Afrouxe as roupas, remova os sapatos Se a vítima perder os sentidos monitore a respiração Se a vítima parar de respirar iniciar, deite a vítima completamente e inicie massagem cardíaca até a chegada do bombeiro ou a vítima voltar a respirar. Transporte preferido para HOUC, PROCARDIO outro com especialidade em cardiologia Transporte preferencial com vítima na posição de supina Monitoras sinais vitais e instalar Desfibrilador Externo Automático (DEA) Administrar O 2 em baixo fluxo (4 litros/minuto) Iniciar RCP, se parada cardíaca

2 Ataque epilético 02 A epilepsia é uma perturbação neurológica que se caracteriza perda de consciência súbita, espasmos musculares, riscos de traumas associados devido à queda desamparada provocada pelo desmaio. Perda de consciência seguida de contratura muscular (10 a 20 seg) Sucessivas contraturas musculares (espasmos musculares) com hipersalivação (baba excessiva) (30 a 120 seg) Pós-crise há relaxamento muscular com urina e/ou fezes Paciente letárgico (não lembra o que aconteceu), confuso e sonolento (2 a 25 minutos) Tente amparar a queda da vítima para evitar lesões decorrentes Afaste os objetos próximos, criando uma zona de segurança Apoie a cabeça do doente com as mãos evitando as sucessivas pancadas no solo Não coloque nada na boca da vítima Não coloque sal e não dê qualquer tipo de bebida Não bata na face ou pés do doente Aguarde a convulsão cessar, nunca abandone a vítima Pode-se facilitar o escoamento da salivação excessiva lateralizando a cabeça Quando a crise terminar deite a vítima lateralmente Se a vítima retomar a consciência, não existir lesão e puder caminhar, conduza-a para um local reservado para que possa se higienizar Se for a primeira crise convulsiva Repetidas crises convulsivas durante o dia Convulsão persiste por mais de 10 minutos Repetidas convulsões pode repercutir em déficit de oxigenação cerebral

3 Engasgo: adulto 03 Obstrução respiratória por corpo estranho levando a insuficiência respiratória, inconsciência e morte, se não forem adotadas condutas corretivas. A vítima leva as mãos ao pescoço e não consegue falar Ausência de sons ou sons inexpressivos Ausência de tosse ou tosse ineficaz Pele arroxeada Desmaio quando a obstrução persistir (vítima em pé) Traquilize a vítima Abrace a vítima por traz segurando as mãos acima do umbigo e abaixo das costelas Realize uma sequência de compressões (trazendo as mãos contra o abdome), imagine um cabo de guarda-chuva (desenho de um J ), realize esse movimento para cima repetidamente Se existir dificuldade de entendimento orientar o movimento em diagonal para cima Repita o movimento até o objeto ser expelido ou a vítima desmaiar (vítima desmaiou) Deite a vítima de costas no solo (superfície rígida) Realize compressões torácica com as mãos (igual a massagem cardíaca), compressões fortes e rápidas (uma compressão a cada contagem 1,2,3,4,5...), mesmo com pulso presente Manter as compressões até o objeto ser expelido e vítima voltar a respirar Não precisa realizar respiração boca a boca Se ocorrer desmaio ou objeto não for expelido completamente Incentivar a tosse efetiva Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto se existir tosse Não pode cessar as compressões até o objeto ser expelido e a vítima voltar a respirar

4 Engasgo: gestante, obeso ou criança de 01 (um) a 08 (oito) anos de idade 04 Obstrução respiratória por corpo estranho levando a insuficiência respiratória, inconsciência e morte, se não forem adotadas condutas corretivas. A vítima leva as mãos ao pescoço e não consegue falar Ausência de sons ou sons inexpressivos Ausência de tosse ou tosse ineficaz Pele arroxeada Desmaio quando a obstrução persistir (vítima em pé) Traquilize a vítima Abrace a vítima por traz envolvendo o tórax Realize uma sequência de compressões para trás Repita o movimento até o objeto ser expelido ou a vítima desmaiar (vítima desmaiou) Deite a vítima de costas no solo (superfície rígida) Realize compressões torácica com as mãos (igual a massagem cardíaca), compressões fortes e rápidas (uma compressão a cada contagem 1,2,3,4,5...), mesmo com pulso presente Manter as compressões até o objeto ser expelido e vítima voltar a respirar Não precisa realizar respiração boca a boca Se ocorrer desmaio ou objeto não for expelido completamente Incentivar a tosse efetiva Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto se existir tosse Não pode cessar as compressões até o objeto ser expelido e a vítima voltar a respirar

5 Engasgo: crianças menores de 01 (um) ano de idade 05 Obstrução respiratória por corpo estranho levando a insuficiência respiratória, inconsciência e morte, se não forem adotadas condutas corretivas. A vítima não consegue respirar Ausência de sons ou sons inexpressivos Ausência de tosse ou tosse ineficaz Pele arroxeada Desmaio quando a obstrução persistir Apoie o corpo do bebê no seu braço (face voltada para baixo), segurando a cabeça firme pela mandíbula e posicionando o corpo inclinado para baixo Efetue 05 (cinco) tapas nas costas Apoie o outro braço nas costas e gire o corpo do bebê para cima Realize 05 (cinco) compressões torácicas Veja se a criança voltou a respirar (choro é um sinal que a vítima respira) Observe se o objeto pode ser visualizado na boca, se for: remova-o com utilizando o dedo mínimo Se a obstrução persistir realize 02 (dois) sopros na boca da vítima, gire o corpo apoiando o tórax no braço e repita os procedimentos (05 tapas nas costas 05 compressões torácicas inspeção da boca 02 sopros) Não parar até a vítima voltar a respirar (sinal clássico é o choro) Transportar para o hospital mesmo que o objeto tenha sido expelido Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto no transporte, se objeto expelido Manter manobra, se vítima continuar engasgada sem respirar Não pode cessar as compressões até o objeto ser expelido e a vítima voltar a respirar

6 Acidente vascular cerebral - Derrame 06 Obstrução de um vaso sanguíneo que irriga o encéfalo, pode ser classificada como isquêmico (vasos não rompem) ou hemorrágico (ruptura do vaso e extravasamento de sangue intracraniano). Fraqueza muscular com dormência subida num dos lados do corpo Confusão mental, dificuldade de falar e responder a estímulo Dificuldade para enxergar Dificuldade para andar, tontura ou falta de coordenação Dor de cabeça forte sem causa aparente Boca torta quando sorrir Aplicar a escala de Cincinatti Sugerir o transportar o paciente para uma UPA Urgente, se houver proximidade, informando que estará mantendo contato com equipe médica da unidade escolhida O transporte por viatura de resgate é aconselhado se estiver muito próxima do local Aferir PA, pulso, FR, SpO 2 e aplicar escala de Cincinatti Fornecer O 2 se SaO 2 <92% Determinar hora do início dos sintomas Registrar fatores de risco: hipertensão arterial, diabetes mellitus, tabagismo, dislipidemia (colesterol e triglicerídes), histórico de AVC ou de infarto.

7 Choque elétrico 07 É a passagem da corrente elétrica através do corpo causando queimadura, lesões de músculos e órgãos ou mesmo arritmias cardíacas. Contratura muscular enquanto o corpo estiver energizado Queimaduras, sendo possível visualizar na maioria das vezes um ponto de entrada e saída da corrente elétrica Desligue a rede elétrica. Não toque na vítima enquanto a rede elétrica não tiver sido desligada Assegure que a chave geral realmente está desligada Utilize um isolante elétrico para remover fios ou equipamentos em contato com a vítima e/ou a afastar vítima do contato com a fonte energizada Quando não houver mais risco de choque elétrico, posicione a vítima deitada de costas e observe se está respirando Se respiração ausente abra a boca e desenrole a língua Se respiração ausente inicie massagem cardíaca (não é necessário realizar respiração boca a boca) Se vítima respira, afrouxe as roupas e remova sapatos agasalhando a vítima Cubra a área queimada com um pano limpo umedecido Cobrir a queimadura com compressas estéreis umedecidas por soro fisiológico, água destilada ou ringer lactato Agasalhar a vítima Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto Instalar desfibrilador externo automático (DEA), monitorando os sinais vitais Realizar RCP, se parada cardíaca O choque elétrico pode causar parada cardíaca (fibrilação ventricular), prováveis queimaduras internas e fraturas tardias Não toque o paciente se rede elétrica energizada

8 Queimadura térmica 08 Lesão da pele e seus anexos provocada pela exposição e/ou contato com agente térmico. Queimadura de 1º Grau (epiderme) Vermelhidão Dolorosa Pele quente e seca Queimadura de 2º Grau (epiderme + derme) Bolhas + Dolorosa Pele úmida e brilhante Queimadura de 3º Grau (todas as camadas) Necrose Dor ao redor Pele seca, esbranquiçada, cor de couro, chamuscada Queimadura de 4º Grau (camadas + órgãos) Além do tecido adiposo atinge: músculos, ossos e órgãos internos Interromper o processo térmico Molhar a área afetada repetidas vezes (avalie a possibilidade de mergulhar a região) Não romper bolhas Não usar gelo ou água gelada Remover as roupas da área queimada, sem remover tecidos grudados Remover jóias, anéis e adereços Proteja as partes queimadas com panos limpos Possível proteger área queimada com filme plástico estéril (utilizado para envolver alimentos) Borrifar água repetidas vezes sobre a pele alivia a dor Proteger a área queimada com compressas cirúrgicas estéreis umedecidas com água deslidada, soro fisiológico ou ringer lactato, se área queimada menor que 10% da superfície corporal Proteger a área queimada com compressas cirúrgicas estéreis secas, se área queimada maior que 10% da superfície corporal Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto no transporte Impedir contato das superfícies queimadas da pele entre si evitar dobras articulares, contato entre dedos) Queimaduras graves: Queimadura de face, seios, genitália, períneo, mãos, pés e as que atingem articulações Queimaduras químicas, elétricas (incluindo raios) Queimaduras associada ao trauma, idosos e/ou crianças Queimaduras com mais de 10% da superfície corporal Queimaduras de 3º e 4º graus

9 Queimadura química 09 Lesão da pele e seus anexos provocada por substâncias químicas. Queimadura de 1º Grau (epiderme) Vermelhidão Dolorosa Pele quente e seca Queimadura de 2º Grau (epiderme + derme) Bolhas + Dolorosa Pele úmida e brilhante Queimadura de 3º Grau (todas as camadas) Necrose Dor ao redor Pele seca, esbranquiçada, cor de couro, chamuscada Queimadura de 4º Grau (camadas + órgãos) Além do tecido adiposo atinge: músculos, ossos e órgãos internos Interromper o processo térmico Lavar abundantemente a área afetada com água corrente (mínimo de 10 minutos) Não romper bolhas Não usar gelo ou água gelada Remover as roupas da área queimada Remover jóias, anéis e adereços Proteja as partes queimadas com panos limpos Proteger a área queimada com compressas cirúrgicas estéreis umedecidas com água deslidada, soro fisiológico ou ringer lactato, se área queimada menor que 10% da superfície corporal Proteger a área queimada com compressas cirúrgicas estéreis secas, se área queimada maior que 10% da superfície corporal Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto no transporte Impedir contato das superfícies queimadas da pele entre si evitar dobras articulares, contato entre dedos) Queimaduras graves: Queimadura de face, seios, genitália, períneo, mãos, pés e as que atingem articulações Queimaduras químicas, elétricas (incluindo raios) Queimaduras associada ao trauma, idosos e/ou crianças Queimaduras com mais de 10% da superfície corporal Queimaduras de 3º e 4º graus

10 Queimadura provocada por caravelas 10 Lesão da pele e seus anexos provocada por substâncias urticantes alojadas em vesículas dos tentáculos das caravelas ou água-vivas. Dor local Queimaduras, sendo possível visualizar na maioria das vezes um ponto de entrada e saída da corrente elétrica Não aplicar gelo ou água doce na área afetada O socorrista deve proteger as mãos e derramar vinagre sobre a área afetada (30 segundos) e cuidadosamente remover os tentáculos aderidos à pele A imersão em água quente tolerável é o tratamento após remoção dos tentáculos Não utilize água doce (a água doce rompe vesículas que armazenam a substância urticante que provoca a queimadura) Não esfreque a área atingida, aumenta a queimadura e possibilita infecções Não urinar sobre a superfície Não remover tentáculos com as mãos desprotegidas Remover tentáculos ainda agregados à pele Proteger a área afetada com compressas estéreis Avaliar respiração Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto no transporte Não utilizar água doce Risco de reação alérgica se for observado tosse e falta de ar Queimaduras na região abdominal e torácica podem comprometer a respiração

11 Parada cardíaca - adulto 11 É quando o coração para de funcionar como bomba, consequentemente, deixa de promover a circulação sanguínea. Ausência de respiração Não reage a dor Não emite sons Confirmar se a vítima não respira: repouse uma mão sobre a parte inferior do tórax e início do abdome Se vítima não respira iniciar massagem cardíaca Posicionar as mãos sobrepostas no tórax no meio do peito, sobre o osso denominado esterno (mantenha o braço estendido Comprimir o tórax para baixo mantendo um ritmo de 100 massagens/minuto Permitir o retorno completo do tórax após a compressão, sem perder o contato das mãos com o tórax Manter a massagem até a vítima voltar a respirar ou a chegada da equipe de bombeiro Confirmar a parada cardíaca avaliando a respiração Se respiração ausente: realizar RCP e solicitar o desfibrilador Instalar desfibrilador esterno automático (DEA) enquanto realiza RCP Quando o equipamento estiver instalado e ligado, seguir orientação de voz do equipamento Se choque indicado afastar todos e proceder o choque e retomar a massagem cardíaca imediatamente após descarga elétrica Se choque não indicado continuar RCP Conectar o ventilador manual (AMBU) no O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto no transporte, conectando a bolsa reserva de oxigênio, se disponível Não desconectar o DEA // Manter massagem cardíaca por 3x[5x(30:2)] // observar protocolo de conduta para CESSAR ESFORÇOS NA RCP Não cessar a RCP até a chegada do Corpo de Bombeiros Não é necessário a respiração boca a boca (a massagem cardíaca garante circulação e respiração)

12 Parada cardíaca criança 12 É quando o coração para de funcionar como bomba, consequentemente, deixa de promover a circulação sanguínea. Ausência de respiração Não reage a dor Não emite sons Confirmar se a vítima não respira: repouse uma mão sobre a parte inferior do tórax e início do abdome Se vítima não respira iniciar massagem cardíaca Posicionar uma das mãos no tórax no meio do peito, sobre o osso denominado esterno (mantenha o braço estendido) Comprimir o tórax para baixo mantendo um ritmo de 100 massagens/minuto Permitir o retorno completo do tórax após a compressão, sem perder o contato das mãos com o tórax Manter a massagem até a vítima voltar a respirar ou a chegada da equipe de bombeiro Confirmar a parada cardíaca avaliando a respiração Se respiração ausente: realizar RCP e solicitar o desfibrilador Instalar desfibrilador esterno automático (DEA) enquanto realiza RCP Quando o equipamento estiver instalado e ligado, seguir orientação de voz do equipamento Se choque indicado afastar todos e proceder o choque e retomar a massagem cardíaca imediatamente após descarga elétrica Se choque não indicado continuar RCP Conectar o ventilador manual (AMBU) no O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto no transporte, conectando a bolsa reserva de oxigênio, se disponível Não desconectar o DEA // Manter massagem cardíaca por 3x[5x(30:2)] // observar protocolo de conduta para CESSAR ESFORÇOS NA RCP Não cessar a RCP até a chegada do Corpo de Bombeiros Não é necessário a respiração boca a boca (a massagem cardíaca garante circulação e respiração)

13 Parada cardíaca bebê 13 É quando o coração para de funcionar como bomba, consequentemente, deixa de promover a circulação sanguínea. Ausência de respiração Não reage a dor Não emite sons Confirmar se a vítima não respira: repouse uma mão sobre a parte inferior do tórax e início do abdome Se vítima não respira iniciar massagem cardíaca Localizar o centro do peito com um dedo (entre os mamilos) Com dois dedos comprima o tórax (imediatamente abaixo ao centro do peito) mantendo um ritmo de 100 massagens/minuto Permitir o retorno completo do tórax após a compressão, sem perder o contato dos dedos com o tórax Manter a massagem até a vítima voltar a respirar ou a chegada da equipe de bombeiro Confirmar a parada cardíaca avaliando a respiração Se respiração ausente: realizar RCP e transportar para o hospital mais próximo Conectar o ventilador manual (AMBU) no O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto no transporte, conectando a bolsa reserva de oxigênio, se disponível Não cessar a RCP até a chegada do Corpo de Bombeiros Não é necessário a respiração boca a boca (a massagem cardíaca garante circulação e respiração)

14 Desmaio 14 É a perda da consciência geralmente associada a falta de açúcar ou oxigênio no cérebro Palidez (lábios descorados) Suor frio Falta de forças Pulso fraco Traquilize a vítima e deite-a com costas no solo Afrouxe as roupas Remova sapatos Facilite a respiração (peça para se afastarem) Eleve as pernas um palmo do solo Avaliar respiração Se respiração ausente realizar RCP Afrouxar roupas Remover sapatos Eleve membros inferiores de 20 a 30 centímetros Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto Aferir a pressão arterial Não oferecer nada para comer ou beber Não esfregar álcool, éter ou outras substâncias no nariz ou corpo do vitimado

15 Intoxicação por plantas venenosas 15 È a intoxicação do organismo decorrente da mastigação ou ingestão de substâncias ou plantas venenosas Sensação de queimação Inchaço dos lábios e língua Náuseas e vômitos Diarreia ou cólica Salivação abundante Pele fria Dificuldade de engolir, asfixia Vermelhidão, queimadura ou lesões na pele Distúrbios cardíacos Confusão mental, sonolência ou inconsciência Retire cuidadosamente o resto da planta da boca da criança Enxague a boca da vítima com água em abundância Guarde amostra da planta num recipiente para ser apresentada ao médico no hospital Procure saber o nome da planta Transportar a vítima para a UPA mais próxima Transporte obrigatório Avaliar respiração Se respiração ausente realizar RCP Afrouxar roupas Remover sapatos Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto Aferir a pressão arterial Transportar para o Hospital da Restauração (CEATOX) Não oferecer nada para comer ou beber

16 Intoxicação por substâncias químicas sólidas 16 È a intoxicação do organismo decorrente da ingestão de substâncias químicas na fase sólida Náuseas e vômitos Cólica Salivação abundante Pele fria Dificuldade de engolir, asfixia Vermelhidão na pele Distúrbios cardíacos Confusão mental, sonolência ou inconsciência Incentivar o vômito da substância ingerida, sugerir a ingestão de água morna com sal Guarde amostra do medicamento ou recipiente para ser apresentada ao médico no hospital Agasalhar a vítima Procure saber o nome do medicamento Transportar a vítima para a UPA mais próxima Transporte obrigatório Avaliar respiração Se respiração ausente realizar RCP Afrouxar roupas Remover sapatos Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto Aferir a pressão arterial Transportar para o Hospital da Restauração (CEATOX) Monitorar respiração todo o tempo

17 Intoxicação por substâncias químicas líquida 17 È a intoxicação do organismo decorrente da ingestão de substâncias químicas na fase líquida Sensação de queimação Inchaço dos lábios e língua Náuseas e vômitos Diarreia ou cólica Salivação abundante Pele fria Dificuldade de engolir, asfixia Vermelhidão, queimadura ou lesões na pele Distúrbios cardíacos Confusão mental, sonolência ou inconsciência Incentivar o vômito da substância ingerida, sugerir a ingestão de água morna com sal Não incentivar o vômito se a substância for corrosiva ou derivada de petróleo Guarde amostra do medicamento ou recipiente para ser apresentada ao médico no hospital Agasalhar a vítima Procure saber o nome do medicamento Transportar a vítima para a UPA mais próxima Transporte obrigatório Avaliar respiração Se respiração ausente realizar RCP Afrouxar roupas Remover sapatos Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto Aferir a pressão arterial Transportar para o Hospital da Restauração (CEATOX) Monitorar respiração todo o tempo

18 Animais peçonhentos 18 É a intoxicação do organismo decorrente da inoculação de veneno através da peçonha do animal Inchaço e dores, com sensação de formigamento no local da picada Sangramento no local da inoculação do veneno Pulso acelerado Fraqueza e visão turva Náuseas, vômitos e dificuldade para respirar Sensação de frio Distúrbios cardíacos Confusão mental, sonolência ou inconsciência Lavar o local com água e sabão Manter a vítima deitada e evitar que ela fique se movimentando para mão favorecer a absorção do veneno Transportar para a UPA ou hospital mais próximo Não faça torniquete Não perfure nem corte a pele Não chupe a área da picada Não dê nada para a vítima beber Remova o ferrão da abelha raspando o local com um cartão Transporte obrigatório Avaliar respiração Se respiração ausente realizar RCP Afrouxar roupas Remover sapatos Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto Aferir a pressão arterial Transportar para o Hospital da Restauração (CEATOX) Não realizar torniquete

19 Sangramento - Hemorragia 19 É a perda sanguínea decorrente de uma lesão vascular (artéria ou veia) Batimentos cardíacos acelerados (taquicardia) Sangramento ou mancha roxa na área da lesão Pulso fino e rápido Pele pálida ou arroxeada Pele fria e úmida Retorno sanguíneo nas pontas dos dedos lento (superior a 2 segundos) Sede Traquilize a vítima e deite-a com costas no solo Comprimir o local com compressas de pano limpo Faça um curativo para manter a pressão realizada Se o sangramento não estancar aplique um torniquete e não afrouxar Deite a vítima de costas no solo (superfície rígida) Afrouxe as roupas Remova sapatos Facilite a respiração (peça para se afastarem) Eleve as pernas um palmo do solo Cubra o vitimado com um cobertor para manter a temperatura corporal Transporte obrigatório Controlar sangramento com o curativo mais adequado Aferir FR, FC, pressão arterial Prevenir o choque hemorrágico: o Afrouxar roupas e remover sapatos o Elevar membros inferiores de 20 a 30 centímetros, se não houver TCE associado o Agasalhar a vítima para prevenir hipotermia o Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto o Solicitar regulação médica para repor volemia Indicado reposição volêmica se: FC > 120bpm Pressão de pulso (PP)tendendo a zero (PP (Pressão de pulso) = PA Sistólica PA Diastólica) Perfusão capilar periférica > 2 segundos Coma

20 Fratura exposta 20 É a quando o osso fratura foi exposto ao meio ambiente. Exposição do osso ao meio ambiente Incapacidade total ou parcial dos movimentos Ferimento associado a fratura Diminuição de perfusão Traquilize a vítima e deite-a com costas no solo Comprimir o local com compressas de pano limpo Faça um curativo para manter a pressão realizada Se o sangramento não estancar aplique um torniquete e não afrouxar Deite a vítima de costas no solo (superfície rígida) Afrouxe as roupas Remova sapatos Facilite a respiração (peça para se afastarem) Eleve as pernas um palmo do solo Cubra o vitimado com um cobertor para manter a temperatura corporal Transporte obrigatório Controlar sangramento com o curativo mais adequado Aferir FR, FC, pressão arterial Prevenir o choque hemorrágico: o Afrouxar roupas e remover sapatos o Elevar membros inferiores de 20 a 30 centímetros, se não houver TCE associado o Agasalhar a vítima para prevenir hipotermia o Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto o Solicitar regulação médica para repor volemia Indicado reposição volêmica se: FC > 120bpm Pressão de pulso (PP)tendendo a zero (PP (Pressão de pulso) = PA Sistólica PA Diastólica) Perfusão capilar periférica > 2 segundos Coma

21 Choque hemorrágico 19 É colápso do sistema cardiovascular Batimentos cardíacos acelerados (taquicardia) Sangramento ou mancha roxa na área da lesão Pulso fino e rápido Pele pálida ou arroxeada Pele fria e úmida Retorno sanguíneo nas pontas dos dedos lento (superior a 2 segundos) Sede Traquilize a vítima e deite-a com costas no solo Comprimir o local com compressas de pano limpo Faça um curativo para manter a pressão realizada Se o sangramento não estancar aplique um torniquete e não afrouxar Deite a vítima de costas no solo (superfície rígida) Afrouxe as roupas Remova sapatos Facilite a respiração (peça para se afastarem) Eleve as pernas um palmo do solo Cubra o vitimado com um cobertor para manter a temperatura corporal Transporte obrigatório Controlar sangramento com o curativo mais adequado Aferir FR, FC, pressão arterial Prevenir o choque hemorrágico: o Afrouxar roupas e remover sapatos o Elevar membros inferiores de 20 a 30 centímetros, se não houver TCE associado o Agasalhar a vítima para prevenir hipotermia o Administra O 2 em alto fluxo de 12 a 15 litros por minuto o Solicitar regulação médica para repor volemia Indicado reposição volêmica se: FC > 120bpm Pressão de pulso (PP)tendendo a zero (PP (Pressão de pulso) = PA Sistólica PA Diastólica) Perfusão capilar periférica > 2 segundos Coma

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis tivessem mais orientações ou tomassem mais cuidado

Leia mais

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS PREVENT SENIOR Sumário 1. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)...1 1.1. Apresentação... 1 1.2. Causas... 1 1.3. Sintomas... 2 1.4. Como agir... 2 2. QUEDAS...2 2.1. Apresentação...

Leia mais

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO Primeiros Socorros TST FILIPE MUNIZ RODRIGUES Introdução Primeiros Socorros, são as medidas imediatas aplicadas à uma vítima fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações Primeiros Socorros Objetivos Salvar a vida humana Minimizar a dor Evitar complicações Abordagem na vítima Verificar Sinais Vitais Verificar se há sangramento, fraturas e etc. Informar-se,se possível o

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Frio» Enregelamento dos membros

Frio» Enregelamento dos membros Frio» Enregelamento dos membros O enregelamento é uma situação que resulta da exposição excessiva ao frio ou pelo contacto com objetos extremamente frios. Consiste no congelamento das camadas superficiais

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS Núcleo de Educação em Urgência Rua Jaraguá, 858, Bom Retiro São Paulo SP - CEP 01129-000 PABX. 11.3396-1400 1 NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS I- DEFINIÇÕES

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente?

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente? Primeiros Socorros Dicas de Primeiros Socorros Você não precisa ser um socorrista experiente para conseguir ajudar alguém que se machucou no meio da natureza. Mas algumas coisas são fundamentais ter em

Leia mais

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com QUEIMADURAS Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Problemática da queimadura no Brasil São lesões frequentes em acidentes de trabalho. Considera-se a quarta causa de óbitos

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS

PRIMEIROS SOCORROS. Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS PRIMEIROS SOCORROS Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS SOCORROS AQUELE ATENDIMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO PRESTADO A UMA VITIMA EM SITUAÇÃO DE ACIDENTE. O PRINCIPAL OBJETIVO É MANTER A VITIMA

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

Introdução: O Problema dos Acidentes

Introdução: O Problema dos Acidentes Introdução: O Problema dos Acidentes Os acidentes representam um dos mais sérios problemas de saúde pública, constituindo-se na principal causa de mortes e invalidez entre jovens e crianças. Os acidentes

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção QUEIMADURAS Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção GRAVIDADE DAS QUEIMADURAS DEPENDE: Zona atingida pela queimadura Extensão da pele queimada Profundidade da queimadura: - 1ºGRAU - 2ºGRAU

Leia mais

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 Formador: Enfermeiro Paulo Oliveira (HUC) Síntese elaborada por Ana Sofia Frias Quando ligamos para o 112, quem atende a nossa

Leia mais

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA E MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Parada cardíaca ou parada cardiorrespiratória (PCR) é a cessação súbita da circulação sistêmica e da respiração. As principais causas

Leia mais

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio

Índice. Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio 2 Índice Como evitar um AVC e um Infarte do miocardio... 3 Quantas mortes são causadas por AVC?... 3 Como dimininuir o risco de AVC?... 3 Quais as pessoas com

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes?

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Com a queda da produção de insulina, hormônio importante para o funcionamento do organismo, resultando no aumento da quantidade de açúcar. Áreas afetadas pelo

Leia mais

Cartilha de Primeiros - socorros para a Comunidade

Cartilha de Primeiros - socorros para a Comunidade Cartilha de Primeiros - socorros para a Comunidade Dra. Patricia Bover Draganov São Paulo 2007 INDICE Introdução Conteúdo - Hematroma e edema - Hemorragia - Epistaxe - Ferimentos - Queimaduras - Corpos

Leia mais

Introdução O bom samaritano Lucas 10:25

Introdução O bom samaritano Lucas 10:25 PRIMEIROS SOCORROS Introdução Os Primeiros Socorros ou socorro básico de urgência são as medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar, executadas por qualquer pessoa, treinada,

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO PROBLEMAS CAUSADOS PELO DIABETES MELLITUS CORAÇÃO: Doença arterial coronariana e risco de infarto do miocárdio RINS: Nefropatia CÉREBRO: Acidente vascular cerebral

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Introdução. Introdução COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

PRIMEIROS SOCORROS. Introdução. Introdução COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 PRIMEIROS SOCORROS Introdução Os Primeiros Socorros ou socorro básico de urgência são as medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar, executadas por qualquer pessoa, treinada,

Leia mais

Choque incapaz perda de sangue

Choque incapaz perda de sangue Choque Profª Karin O bom samaritano Para ser um socorrista é necessário ser um bom samaritano, isto é, aquele que presta socorro voluntariamente, por amor ao seu semelhante. Para tanto é necessário três

Leia mais

Sobre o Processo de Morrer

Sobre o Processo de Morrer Sobre o Processo de Morrer Se você nunca viu alguém morrendo, poderá ter medo do que acontecerá, mas o momento de morte é normalmente sereno. Este folheto tem o objetivo de ajudá-lo. Encontre mais informações

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPILADOR ELÉTRICO AT-3184 POR FAVOR, LEIA ESTE MANUAL ATENTAMENTE ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO Você acabou de adquirir um produto ETERNY, da mais alta qualidade. Agradecemos a sua

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS FÉRIAS ESCOLARES X ACIDENTES DOMÉSTICOS As férias escolares exigem mais cuidados com os acidentes domésticos porque as crianças ficam mais tempo em casa e isso aumenta o risco de ocorrerem acidentes que

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Ondas de calor medidas de prevenção Recomendações dirigidas à população Conhecimento de todos os estabelecimentos

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS

PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS PRIMEIROS SOCORROS DADOS BÁSICOS Apenas alguns conhecimentos sobre primeiros socorros podem ajudá-lo a lidar melhor com emergências. As suas competências podem ajudá-lo a salvar a vida de um familiar,

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES Introdução As crianças pequenas não têm a capacidade para avaliar o perigo, pelo que qualquer objeto que encontram em casa pode transformar-se num brinquedo

Leia mais

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros:

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros: Primeiros socorros Os primeiros socorros é o tratamento inicial dado a alguém que se magoou ou sofreu um acidente. Se o acidente for grave, não deves mexer na pessoa lesionada e chamar o 112, explicando-lhe

Leia mais

NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS INSTITUTO DE QUÍMICA 2015

NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS INSTITUTO DE QUÍMICA 2015 NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS INSTITUTO DE QUÍMICA 2015 PRIMEIROS SOCORROS Atenção imediata dada à uma vítima ferida ou acometida por doença súbita. A ajuda é realizada até a chegada do atendimento médico

Leia mais

Resumo de Primeiros Socorros

Resumo de Primeiros Socorros Resumo de Primeiros Socorros Avaliação da Vítima Exame Primário Deve ser realizado rapidamente com o objetivo de se verificar se existe perigo imediato de vida A Airway Via Aérea: Verificar Permeabilidade

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Zelãene dos Santos SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Primeiros Socorros Atendimento imediato à vítima no próprio local, com recursos disponíveis no momento, enquanto aguardamos ou buscamos a assistência

Leia mais

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS -

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS - - CURSO PRIMEIROS SOCORROS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). FRATURAS

Leia mais

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA

EMERGÊNCIA. Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA EMERGÊNCIAS MÉDICAS EM ODONTOLOGIA Experiência não é o que acontece a você. Éo que você faz com o que acontece a você. Aldous Huxley EMERGÊNCIA Éuma situação crítica, acontecimento perigoso ou dificuldade

Leia mais

FERIMENTOS. Classificação dos ferimentos abertos

FERIMENTOS. Classificação dos ferimentos abertos FERIMENTOS Ferimentos são lesões resultantes de agressão sobre as partes moles, provocadas por um agente traumático, acarretando dano tecidual. Podem ser classificados em abertos ou fechados, superficiais

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Acidentes com Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO VIII ACIDENTES COM PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Acidentes com Os são seguros se forem utilizados com cuidado, de acordo com todas as indicações

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Manual de Primeiros Socorros Idosos

Manual de Primeiros Socorros Idosos Manual de Primeiros Socorros Idosos Situações de Emergência Regras Gerais de Actuação FLBA.114.01 Aprovado por: Data: 12.09.2012 APRESENTAÇÃO Um acidente é sempre inesperado e pode ser grave, com um risco

Leia mais

FRATURA 21/6/2011. Ruptura total ou parcial de um osso.

FRATURA 21/6/2011. Ruptura total ou parcial de um osso. FRATURA Ruptura total ou parcial de um osso. CLASSES TRAUMATISMOS Fechada (simples): A pele não perfurada pelas extremidades ósseas. foi Aberta (exposta): O osso se quebra, atravessando a pele, ou existe

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Quem ajuda, amigo é. Nas aulas anteriores deste módulo, um mesmo. Nossa aula. Até onde vão os primeiros socorros?

Quem ajuda, amigo é. Nas aulas anteriores deste módulo, um mesmo. Nossa aula. Até onde vão os primeiros socorros? A U A UL LA Quem ajuda, amigo é Introdução Nas aulas anteriores deste módulo, um mesmo fator foi sempre enfatizado: a PREVENÇÃO! Mas, e se apesar de todos os cuidados, um acidente acontecer na nossa frente?

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

Manual de Primeiros Socorros

Manual de Primeiros Socorros Manual de Primeiros Socorros DSE - Departamento de Saúde Escolar Apresentação O Departamento de Saúde Escolar da Rede Educacional Franciscana responsável pela saúde dos alunos e funcionários elaborou este

Leia mais

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR

Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Qualidade et ecnologia MANUAL DO USUÁRIO PRENSA DIGITAL A VAPOR ELETRÔNICA MODELO QPFB-16 WWW.SUNSPECIAL.COM.BR Este produto foi projetado para dar ao seu vestuário um aspecto profissional, sem rugas e

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina da UFMG Projeto Creche das Rosinhas. Cartilha de Primeiros Socorros

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina da UFMG Projeto Creche das Rosinhas. Cartilha de Primeiros Socorros Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina da UFMG Projeto Creche das Rosinhas Cartilha de Primeiros Socorros Introdução Durante a infância, as crianças estão suscetíveis a inúmeras situações

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR SUMÁRIO 01. Apresentação 02. Definições de Termos 03. Síntese Histórica 04. Causas de Acidentes 05. Estatísticas de Acidentes 06. Prioridades

Leia mais

Dicas e Conselhos. Guia de 1º Socorros para Cães e Gatos. Medidas Gerais: Analisar se o Caso é de Emergência ou Urgência

Dicas e Conselhos. Guia de 1º Socorros para Cães e Gatos. Medidas Gerais: Analisar se o Caso é de Emergência ou Urgência O intuito deste guia é orientar o proprietário como agir em situações em que o socorro imediato ao animal é necessário. E disso, muitas vezes, irá depender a vida do animal até que o socorro veterinário

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA A POPULAÇÃO Nº: 24/DA DATA: 09/07/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

MANUAL DE PRIMEIROS SOCORROS

MANUAL DE PRIMEIROS SOCORROS MANUAL DE PRIMEIROS SOCORROS ELABORAÇÃO: ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UnC CANOINHAS/PORTO UNIÃO 2009/2010 Departamento Saúde e Bem Estar Elaborado por Cinthya Oliveira Floriano SUMÁRIO Introdução Acidentes

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Pronto Atendimento no Esporte

Pronto Atendimento no Esporte Centro de Treinamento Autorizado Pronto Atendimento no Esporte Artur Padão Gosling Obter ajuda qualificada Preservar a vida PRIMEIRO ATENDIMENTO Funções do Socorrista Minimizar a dor e o agravamento das

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings

SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings SAÚDE E SEGURANÇA oculus.com/warnings * Estes avisos sobre saúde e segurança são atualizados periodicamente para proporcionar precisão e integridade. Acesse oculus.com/warnings para conferir a versão mais

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão No trabalho, todos os dias, toda hora, nossas mãos contribuem decisivamente para nos tornar hábeis,

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BENICAR olmesartana medoxomila APRESENTAÇÕES Benicar é apresentado em embalagens com 10 ou 30 comprimidos revestidos de olmesartana medoxomila nas concentrações de 20 mg ou

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO CONDOMINIO ESPAÇO MÉDICO EMPRESARIAL Telefones em caso de emergências: CORPO DE BOMBEIROS 193 SAMU 192 POLÍCIA MILITAR 190 JF BRIGADA`S JOÃO PAULO: 63 92090197

Leia mais

RISCOS PARA A SAÚDE RESULTANTES DA OCORRÊNCIA DE INCÊNDIOS

RISCOS PARA A SAÚDE RESULTANTES DA OCORRÊNCIA DE INCÊNDIOS RISCOS PARA A SAÚDE RESULTANTES DA OCORRÊNCIA DE INCÊNDIOS Os incêndios florestais e urbanos para além das consequências económicas e ambientais, representam riscos para a saúde das populações decorrentes

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

O primeiro atendimento mal sucedido pode levar vítimas de acidentes a seqüelas irreversíveis.

O primeiro atendimento mal sucedido pode levar vítimas de acidentes a seqüelas irreversíveis. INTRODUÇÃO A prestação dos depende de conhecimentos básicos, teóricos e práticos por parte de quem os está aplicando. O restabelecimento da vítima de um acidente, seja qual for sua natureza, dependerá

Leia mais

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor

Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Algumas medidas podem salvar vidas durante uma onda de calor Quando ocorre uma Onda de Calor emitem-se Alertas: Amarelo ou Vermelho, com menos e mais gravidade, respectivamente. Devem adoptar-se cuidados

Leia mais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais

SAÚDE.sempre. Gripe. newsletter. medidas de auto cuidado. Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Janeiro * 2014 Instituto de Administração da Saúde e Assuntos Sociais, IP-RAM Gripe medidas de auto cuidado newsletter Secretaria Regional dos Assuntos Sociais Ficha Técnica Newsletter - Janeiro de 2014

Leia mais

www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções

www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções 11/12 917-09-05 781120 REV0 www.philco.com.br 0800 645 8300 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE, DESTINADA AOS DOENTES, SOBRE COMO TOMAR A SUA MEDICAÇÃO

INFORMAÇÃO IMPORTANTE, DESTINADA AOS DOENTES, SOBRE COMO TOMAR A SUA MEDICAÇÃO INFORMAÇÃO IMPORTANTE, DESTINADA AOS DOENTES, SOBRE COMO TOMAR A SUA MEDICAÇÃO 1 INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE, DESTINADA AOS DOENTES, SOBRE O TASIGNA O QUE É IMPORTANTE SABER SOBRE TASIGNA O que

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais