Uma solução de m-commerce para a força de vendas de empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma solução de m-commerce para a força de vendas de empresas"

Transcrição

1 Uma solução de m-commerce para a força de vendas de empresas Elvis Felipe Savi (UNISUL) Oscar Ciro López (UNISUL) Resumo A nova economia é uma realidade que vem modificando o dia a dia das organizações. Com o mundo WEB, novas tecnologias revolucionam a forma como as organizações fazem negócios. As empresas passam a desfrutar de vantagens oferecidas pelo e-business, e-commerce e mais recentemente o m-commerce. O relacionamento com os clientes passa a ser ponto central na estratégia competitiva das empresas. Informação e conhecimento são armas poderosas que devem estar à disposição de quem realiza uma negociação. Este trabalho discute o desenvolvimento de uma solução de m-commerce para a automação de força de vendas. Palavras chave: M-commerce, automação de força de vendas, e-business. 1. Introdução Neste início de século, a empresas estão vivênciando momentos de transição nas questões que envolvem os aspectos organizacionais, culturais e tecnológicos. A sociedade mudará muito nas próximas décadas e desenhará um novo ambiente para os negócios, caracterizados pela mobilidade social, no qual o conhecimento será o principal significado da produção (DRUCKER, 2003). Nesse intuito, os lideres de empresas estão estimulando um ambiente para o desenvolvimento do pensamento sistêmico, onde o novo modelo de negócios será marcado por mudanças fundamentais e não incrementais. Os negócios, no nível operacional, não podem ser planejados para horizonte muito longos, porém dever ser dotados de estratégias flexíveis que possibilitem antecipar surpresas. Assim, inicia-se a procura de algo que, na prática, venha a agregar valor à informação e que sirva como uma ferramenta que facilite os fluxos interativos de conhecimento através de toda a corporação. Trata-se da gestão do conhecimento, uma realidade da nova economia que esta presente na estratégia empresarial das organizações contemporâneas. SVEIBY reforça que o principal é aproveitar os recursos que já existem na empresa para que os colaboradores, procurem, encontrem e empreguem as melhores práticas em vez de reinventar a roda (SVEIBY, 2000: 51-53), Diante dessa nova percepção dos negócios, quando se pensa em soluções tecnológicas, não é suficiente apenas utilizar o que o estado da arte em tecnologia apresenta. As organizações precisam ter a sua disposição soluções que, através da integração da tecnologia com mecanismos, permitam o tratamento dos novos valores existentes na nova economia. Entretanto, o que se percebe é que os recursos tecnológicos mais recentes, disponíveis no mercado, são desconhecidos para a maioria dos pequenos e médios empresários. Eles continuam utilizando as tecnologias tradicionais que, na maioria das vezes, não contemplam as necessidades exigidas na nova economia. É sabido que a empresa que estiver preparada para a nova era, a era do conhecimento e da interatividade global, poderá buscar a liderança em seus segmentos, agindo com atitudes inovadoras e decisões inteligentes (SANTOS, 1999). Especificamente, na gestão comercial das empresas, a junção dos valores da na nova economia e as novas tecnologias, determina o ponto central para se obter sucesso nas negociações. As técnicas, propostas pela gestão do conhecimento, contribuem para bons ENEGEP 2003 ABEPRO 1

2 relacionamentos entre as partes envolvidas; a inovação tecnológica contribui para implementação de soluções computacionais que aproximem as relações comerciais. Especialmente, no que tange as relações comerciais com os clientes, grande atenção esta sendo despendida pela comunidade empresarial aos assuntos relacionados à aplicação de soluções computacionais que levem a uma redução de custos inerente ao processo de vendas, bem como, formas de gerar um diferencial competitivo junto ao cliente. O presente artigo apresenta uma solução voltada para a gestão comercial, com ênfase na automação da força de vendas. A solução gera uma proposição diferenciada para os clientes que possui, na sua essência, os conceitos e valores amplamente discutidos na nova economia. 2. E-business e m-commerce Se, por um lado, com a difusão da informática, grande parte das empresas de médio e grande porte, implementam sistemas de gestão voltados para as necessidades internas, por outro lado, a realidade das pequenas empresas não é a mesma. Na maioria dos casos, esta classe de empresas não possuem um sistema de gestão, do tipo ERP - Enterprise Resource Planning. Mesmo assim, hoje em dia, muitas delas já passam a usufruir dos recursos disponíveis na WEB. A Internet, e mais específicamente o e-business, se apresenta como uma grande solução para suprir essa carência nos fluxos externos das organizações. O e-business pode ser entendido como a estratégia de uma empresa para exploração da Internet com fins comerciais. Entretanto, o crescimento da complexidade das tecnologias WEB, sua rápida evolução, impõem desafios para os gerentes de tecnologia das empresas. Utilizar os sistemas de informação, combinando os recursos atuais da Internet com os disponíveis no passado (legado), não é uma tarefa simples. A integração das soluções legadas com soluções de e-business é um grande desafio, pois, exigem infraestrutura tecnológica apropriada. Integrações entre sistemas ERP (Planejamento dos recursos empresariais), SCM (Gerenciamento do canal de suprimentos) e CRM (Gerenciamento do relacionamento com os clientes) são o caminho natural para compartilhar e estender as informações entre as empresas. A nova geração de e-business será marcada pela integração e extensão de aplicações empresariais, com foco principal na velocidade e flexibilidade de acesso à informação. Esta característica deve permitir atender os fluxos internos e os externos da empresa, automatizar, acelerar e otimizar as tomadas de decisões de seus clientes, fornecedores e parceiros de negócios. Pesquisas realizadas pela Avantgo (2002), indicam que as forças de vendas das empresas estão carentes de informação e reforçam a necessidade do desenvolvimento de soluções de e- business que envolvam mobilidade e tecnologia wireless, como o m-commerce. Esses mecanismos possibilitarão a criação de valor e obtenção de vantagem competitiva nas empresas pela disponibilidade de comunicação e o acesso às informações durante as transações comerciais. Para Moskors (2002), m-commerce é a sigla usada para designar MobilE-Commerce que, numa tradução livre, poderia se chamar de Comércio Eletrônico Móvel. Siau, Lim E Shen (apud MOSKORS, 2002), caracterizam o m-commerce como sendo a tecnologia que oferece ao usuário alto grau de acesso apenas às informações desejadas, onde quer que esteja; que permite conduzir transações comerciais enquanto se locomove de um lugar para outro, bem como a possibilidade de entrega simultânea dos dados a todos os usuários em uma área geográfica específica. ENEGEP 2003 ABEPRO 2

3 Em resumo, o uso da tecnologia m-commerce oferece aos negociadores uma ferramenta computacional que possibilita acesso as informações em tempo de negociação. Soluções de m-commerce oferecem a possibilidade de se realizar negociações utilizando-se da tecnologia de Internet e um computador de mão ou PDAs (Personal Digital Assistant), coloquialmente conhecidos como PalmTops. O que realmente diferencia e caracteriza essa tecnologia é o fato de que a informação necessária pelo agente de negócios está sempre a sua disposição e com facilidades de acesso. Ter a informação no momento da negociação muitas vezes faz a diferença. Para a Avantgo (2002), entre as principais vantagens em se utilizar o m-commerce na automação de força de vendas podem ser citadas: o incremento da eficiência do atendimento dos representantes de vendas, o acréscimo da satisfação dos clientes, bem como uma melhoria do processo de tomada de decisão, decorrente do aumento da acuracidade das previsões em função da captação de dados em campo. Além disso, entre os pontos expressivos que afloram como vantagens significativas no processo de automação da força de vendas, através da tecnologia m-commerce, podem ser citados a redução de custos, o diferencial competitivo e o retorno sobre o investimento. 3. Tecnologia PDA (Assistente Digital Pessoal) Os assistentes pessoais digitais ou PDAs (Personal Digital Assistant), são equipamentos de mão projetados para serem utilizados como agendas pessoais e com capacidades de comunicação. A tecnologia PDA surgiu em 1996, como lançamento dos produtos PalmPilot pela empresa US-Robotics, hoje uma subsidiaria da 3COM. Os equipamentos são pequenos, leves e baratos, além de serem muito fáceis de usar. Seus programas são intuitivos e bem objetivos. Todas essas características impulsionaram a difusão e a participação expressiva desta tecnologia na economia mundial. Além das tradicionais aplicações já incorporadas, tais como agendas eletrônicas, editor de textos, calculadora básica e conexão com Internet, hoje em dia muitos modelos incluem interfaces de conexão com outros equipamentos, tais como, modens, cartões de expansão de memória, leitores de código de barras entre outros. Alguns modelos novos já possuem interface infra-vermelho (infraread) que possibilita a comunicação com outros periféricos, tais como impressoras e outros PDAs. Um Palm poderá se conectar a Internet ou mesmo a um desktop utilizando um modem para Palm. O meio de comunicação poderá ser uma linha de telefone convencional, um celular que possua a tecnologia infra-vermelho ou um celular com cabo de comunicação. Assim como um micro computador precisa de um sistema operacional para funcionar, os PalmTops e os handhelds (equipamento semelhante, porém menor que Notebook) também precisam de um. Dentre os sistemas operacionais utilizados pelos PalmTops e handhelds estão, EPOC, Linux, Newton OS, Windows CE e PalmOs. Para desenvolver aplicativos para PalmTop existem várias ferramentas e linguagens de programação muito parecidas com C, Visual Basic, Java, Delphi entre outras, que facilitam a programação para as diferentes plataformas. As plataformas mais utilizadas para desenvolvimento em PalmTop são o Pocket PC e o PalmOs. Entre as ferramentas de desenvolvimento e linguagem de programação podemos citar: App Forge, Super Waba, Satellite Forms, NS Basic, Code Warrior, Pocket Studio e outras. Segundo Takenami (2002), com a popularização destes pequenos portáteis, os modelos de desenvolvimento foram evoluindo e ficaram cada vez mais semelhantes com os que temos hoje em nosso PC. Surgiram aplicações RAD (Desenvolvimento Rápido de Aplicativo) que são tão poderosas e eficientes quanto um Delphi é para o PC. ENEGEP 2003 ABEPRO 3

4 Muitas vezes, o desenvolvimento soluções computacionais de m-commerce requer de sistemas gerenciadores de banco de dados. Dentre os sistemas gerenciadores de banco de dados para a plataforma PalmOs, os mais conhecidos e utilizados são: o ThinkDB 2.0 que, entre as suas mais variadas funções, permite suportar o formato.mdb (formato padrão do Access); o Oracle9i Lite que representa a plataforma Oracle para desenvolver e controlar aplicações de negócio em dispositivos móveis; o DB2 Everyplace, que é um banco de dados relacional pequeno, projetado pela IBM especificamente para PDAs, finalmente, o PalmDatabase (PDB) que é o formato padrão que o PalmOs utiliza para armazenamento de dados, em forma de registros. A aplicação da tecnologia m-commerce na gestão comercial é uma conseqüência natural da evolução do comércio eletrônico. Os PDAs (assistente digital pessoal), são ferramentas ideais para serem utilizados na automação de força de vendas, porque são equipamentos portáteis, leves, pequenos e de baixo custo. Nesses pequenos computadores de mãos ou, simplesmente, Palms, são armazenadas as informações vitais da empresa, que estarão disponíveis para cada agente de negócios no próprio local de negociação. 4. Projeto do software para a automação da força de vendas: Sophia Sales Como já foi dito, na atualidade as organizações, inseridas num ambiente econômico globalizado, estão preocupadas com suas estratégias de relacionamento com clientes e buscam, constantemente, mecanismos, sistemas e procedimentos que contribuam de alguma forma para otimizar a gestão comercial. Os sistemas de informação utilizados nas relações comerciais tornam-se, desta forma, os instrumentos indicados para canalizar as informações necessárias para suportar o processo de tomada de decisão. As informações, além de apoiar a área estratégica da empresa, também devem estar a disposição do representante comercial no momento de negociar com o cliente. Isso facilitará a transação e possibilitará uma venda mais inteligente e, eventualmente, mais lucrativa. Assim, tendo como premissa básica o uso da tecnologia mais adequada para auxiliar os relacionamentos comercias, desenvolveu-se um software para automação da força de vendas, baseado na tecnologia de m-commerce, batizado de Sophia Sales (sabedoria em vendas). O software foi projetado a partir da identificação e análise do maior número possível de regras de negócio que regem a gestão comercial de uma organização. No intuito de levantar as regras de negócio, foram realizadas entrevistas e aplicados questionários à especialistas e profissionais da indústria de plásticos, alimentos (arroz e carnes) e distribuição (lubrificantes, cosméticos e acessórios para computador). Além disso, foram realizados análises de sistemas de Planejamento de Recursos Empresarias - ERPs (Enterprise Resource Planning), entrevistas com profissionais de empresas de software, aplicação de questionário para empresas que, teoricamente, teriam necessidade ou interesse em automatizar sua força de vendas, bem como para empresas que já implantaram algum sistema de força de vendas. A análise das informações geradas pelas entrevistas e pelos questionários respondidos, permitiu estabelecer que qualquer sistema, que pretenda automatizar a força de vendas, deve ter o seu foco centrado no processo de negociação realizado entre o cliente e o representante. Isto porque, basicamente, os clientes definem os itens a serem adquiridos e realizam seus pedidos em conversas diretas com os representantes da empresa. Os representantes, após o fechamento do negócio, inserem os dados no sistema e os remetem para empresa. Posteriormente, esses pedidos são processados e entregues aos clientes nos endereços especificados. Os representantes são os profissionais que representam a empresa no mercado e são os ENEGEP 2003 ABEPRO 4

5 encarregados de, além de vender os produtos, realizar cobranças, renegociar dívidas, avaliar a satisfação do cliente e analisar a concorrência. Na maioria das vezes, os representantes atuam em regiões diferentes com características de consumo diferentes. Nesse sentido, torna-se um diferencial competitivo se o representante puder ter acesso a informações personalizadas para sua região de vendas, tais como: políticas comerciais, linhas de produtos especiais, política de remuneração entre outras. A partir das informações coletadas, foram identificadas as diversas regras de negócios e agrupadas em conjuntos de regras que caracterizaram: a estratégia da empresa, o processo de pedidos, a logística de entrega, as informações financeiras do cliente, a política de preços, a comunicação, o mercado, o produto e, finalmente a manutenção do sistema. 5. Funcionalidades do Sophia Sales A interação entre os personagens da gestão comercial (representante comercial, clientes, gerentes de venda, etc.) com a solução computacional proposta para automação da força de vendas, definiram as funcionalidades do sistema. A análise das regras de negócio, definiu os casos de uso, além das pessoas e sistemas que interagirão com a solução proposta. Os casos de uso caracterizam as interações entre o usuário e o sistema. Cada caso de uso é uma indicação de uma funcionalidade a ser disponibilizada no software (veja Figura 1). Foi utilizada a Linguagem de Modelagem Unificada - UML (Unified Modeling Language) ) como linguagem de notação. Figura 1 - Caso de Uso Visão Geral do Sophia Sales 6. Identificação dos Casos de Usos do sistema A apresentação dos casos de uso de negócios, segundo Jacobson (1992), objetiva facilitar o entendimento das regras que serão implementadas na solução computacional, obtendo assim a certificação dos requisitos mínimos de negócios a serem contemplados. Os casos de uso de negócios do sistema, apresentados de uma forma macro e seguindo um linguajar entendido pelo usuário do negócio, são: representante realiza pesquisa de mercado, representante acessa informações dos produtos disponíveis para venda, representante acessa o acervo de clientes de sua carteira, representante envia e recebe mensagens com a empresa, representante registra novos clientes, representante registra as visitas comerciais, ENEGEP 2003 ABEPRO 5

6 representante acompanha sua produtividade em comparação com o planejamento, representante realiza as negociações com os clientes, representante realiza sincronismo de dados, sistema corporativo gera arquivos de dados, gerar arquivo para o sistema corporativo, realiza atualização completa de dados, agente analisa a performance do sistema e, por último, retransmite os pedidos para Palm. 7. Componentes de Software O Sophia Sales, construído na plataforma PalmOs, contempla características necessárias a aplicações de m-commerce, como escalabilidade, segurança e performance. A ferramenta utilizada para a programação foi o Code Warrior. A solução proposta utiliza banco de dados relacional para armazenar os dados no servidor e no cliente (Palm). O aplicativo dispõe dos mais modernos recursos de comunicação de dados garantindo segurança e nas transmissões, preservando baixos tempos de comunicação para realizar o envio e recebimento de dados. O Sophia Sales, como ilustrado na Figura 2, é composto por três módulos de softwares: (1) Sophia Sales Servidor (tsophia), (2) Sophia Sales Cliente (msophia) e (3) Sophia Sales Comunicação (SophiaSync), os quais agem integrados e sincronizados. Figura 2 Componentes de Softwaer do Sophia Sales O tsophia é o componente de software servidor do Sophia Sales. Ele é instalado em um microcomputador que tenha acesso ao sistema corporativo (ERP) da empresa. Seu principal objetivo é integrar plataformas operacionais distintas (PalmOs e ERP), filtrando, traduzindo e mapeando os dados que são originados nos dois extremos (sistema corporativo e Palm). O msophia é o componente de software cliente do Sophia Sales que é executado no palm. Através dessa interface, o representante pode consultar informações estratégicas da empresa para a tomada de decisão, coletar informações na fonte, criar novos pedidos de venda, gerar novas mensagens, adicionar novos clientes, entre outras funcionalidade. A figura 3, ilustra algumas interfaces do usuário. ENEGEP 2003 ABEPRO 6

7 Figura 3 I interface do usuário O SophiaSync (ilustrado na Figura 4) é o componente de software responsável pela comunicação de dados entre o servidor e os clientes (palms). A tecnologia permite que vários usuários (representantes) possam conectar-se simultaneamente com a empresa, através de conexões baseadas no protocolo TCP/IP. Assim, caso a empresa tenha uma entrada via Internet, o representante poderá conectar seu Palm para transmitir e receber os arquivos. Quando não é possível o uso da Internet, o representante têm a possibilidade de conectar-se a um Servidor de Acesso Remoto - RAS (Remote Access Server)), localizado dentro da empresa, através de uma conexão discada. Figura 4 Sincronismo via Sophia Sync. Para implementar o processo de automação da força de vendas em uma empresa, via Sophia Sales, devem ser observados os seguintes passos: (1) análise da empresa; (2) identificação das regras de negócios da empresa; (3) identificação dos problemas e níveis de gravidade; (4) identificação dos riscos com a implementação do projeto; (5) integração do sistema de força de vendas ao sistema corporativo; (6) implantação da solução e treinamento aos usuários; e (7) análise e apuração dos resultados. ENEGEP 2003 ABEPRO 7

8 8. Considerações Finais O cenário econômico desenhado pela nova economia, sinaliza para um mercado global. O foco deverá cada vez mais ser centrado nos clientes e na valorização dos relacionamentos comerciais como formas de obter vantagem competitiva. Esta nova maneira de competição global impõe que as empresas estejam compromissadas com o contínuo aperfeiçoamento de seus produtos e processos, buscando diminuir custos e melhorar o atendimento na prestação de seus serviços. A partir de uma análise de contexto, a artigo apresentou uma solução computacional aplicada à Automação da Força de Vendas. A solução proposta preserva os pontos positivos das relações comerciais tradicionais entre empresas, e oferece recursos inovadores que contemplam os valores existentes na nova economia combatendo assim os pontos críticos detectados nas relações comerciais. O software desenvolvido recebeu o nome de Sophia Sales. A solução criada é flexível, podendo ser personalizada para cada empresa, a partir da identificação das reais necessidades de cada uma e disponibilizado, na ferramenta, os recursos mais adequados para resolução dos problemas em evidência. Finalmente para implantação do Sophia Sales, foi desenvolvido um roteiro que suporta todas as fases necessárias para que a implantação da solução seja um sucesso. Referências AVANTGO, Móbile SFA Ressearch Disponível em Acesso em 30/11/2002. DRUCKER,Peter. A próxima sociedade e o management. HSMManagement, São Paulo, n.32, p.,58-62, jan/fev JACOBSON, Ivar. Object-oriented software engeneering. 12 Edition, PO Box 1128 s Kista, Sweden, ACM press, MALHOTRA, Yogesh. Knowledge Management for E-Business Performance: Advancing Information Strategy to Internet Time. Executive s Journal, vol.16(4),summer 2000,pp MOSKORZ, Rafael Roberto. M-Commerce: Estratégias Para Difusão E Implantação Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis. NONAKA,I.; TAKEUCHI, H. Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Editora Campus, SANTOS, Neri; Gestão Estratégica do Conhecimento. Apostila da disciplina de Gestão do Conhecimento. Programa de Pó-Graduação em Engenharia de Produção. UFSC, 1999; SVEIBY, Karl Erik. Gestão do conhecimento, um novo caminho. HSM Management. São Paulo, n.29, p.52-69, set./out TAKENAMI, Igor. Projeto Waba Forms. Disponível em : Acesso em:22 out ENEGEP 2003 ABEPRO 8

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

CATEGORIAS E TIPOS DE TI

CATEGORIAS E TIPOS DE TI CATEGORIAS E TIPOS DE TI 1 SISTEMAS INFORMÁTICOS 1.1 MAINFRAMES Um mainframe é um computador de grande porte, dedicado normalmente ao processamento de um volume grande de informações. Os mainframes são

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes

Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Me. Elvis Pontes Unidade II TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Me. Elvis Pontes Conceitos e Componentes de Software Software (SW) são: os programas de computador; é a parte intangível do computador, representada pelos programas,

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios

Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios Soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios Criamos informação e conhecimento, através de nossa suíte de soluções em Tecnologia e Sistemas para Gestão de Negócios, ajudando as pessoas a tomarem

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

Soluções móveis em ambientes corporativos

Soluções móveis em ambientes corporativos 1 Soluções móveis em ambientes corporativos Quais são os principais conceitos em mobilidade corporativa? Quais são as soluções móveis? O que significam m-business, m-commerce e m-learning? Introdução Muito

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Apresentamos a divisão Portal Moveleiro Tecnologia, habilitada para o desenvolvimento de projetos alinhados a estratégias de e-business.

Apresentamos a divisão Portal Moveleiro Tecnologia, habilitada para o desenvolvimento de projetos alinhados a estratégias de e-business. SOLUÇÕES E-BUSINESS PERSONALIZADAS Apresentação Apresentamos a divisão Portal Moveleiro Tecnologia, habilitada para o desenvolvimento de projetos alinhados a estratégias de e-business. Atuando há 4 anos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS

GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS GESimob GERENCIAMENTO DE IMOBILIÁRIAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado).

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado). Tecnologia da Informação (TI) A tecnologia é o meio, o modo pelo qual os dados são transformados e organizados para a sua utilização (LAUDON; LAUDON, 1999). Os dados podem ser considerados como fatos básicos,

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Apresentação da plataforma

Apresentação da plataforma SMS CORPORATIVO Apresentação da plataforma Vitor Lopes Maio de 2010 Conteúdo 1. VISÃO GERAL... 3 1.1 COBERTURA SMS NO BRASIL... 3 2. VANTAGENS DO SMS... 4 2.1 SMS É A FERRAMENTA QUE ESTÁ MAIS PRÓXIMA DO

Leia mais

Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação

Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI Departamento de Informática & Estatística Curso de Ciência da Computação GESTÃO DO CONHECIMENTO Vinicius Ponte Machado Aulas 6 & 7 Sistemas de Informação TECNOLOGIA Clique

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento

Tecnologia da informação sob a perspectiva da CiênCia da informação e da. Gestão do ConheCimento Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Disciplina: Gestão do Conhecimento Prof.:Lillian Alvares Tecnologia da informação

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Subáreas. Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos. Formação. Experiência. Conhecimentos. Habilidades

Subáreas. Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos. Formação. Experiência. Conhecimentos. Habilidades Subáreas Incubadoras tecnológicas, polos e parques tecnológicos Design Área: Inovação Perfil Profissional: Instrutor/Consultor Competências Implantação de incubadoras de empresas; Processo de seleção de

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis

Comércio Eletrônico AULA 18. Sistemas para Internet. Professora Ms Karen Reis Comércio Eletrônico AULA 18 Professora Ms Karen Reis 2011 Sistemas para Internet 1 REFLEXÃO Faça uma busca na internet por certificados digitais. Escreva quatro ou cinco parágrafos sobre como usar os certificados

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

de TI 17/09/2015 http://www.gartner.com/technology/home.jsp

de TI 17/09/2015 http://www.gartner.com/technology/home.jsp Consumerização é o termo dado para o uso de dispositivos pessoais no ambiente de trabalho. Tablets, netbooks, iphones e Androids que são usados nas empresas por funcionários e que tendem* a aumenta a produtividade.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas Operacionais 1- Introdução aos SOs Prof. Sílvio Fernandes Disciplina Sistemas

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais