Programa de Residência Médica em Pediatria do Hospital Universitário Sul Fluminense

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Residência Médica em Pediatria do Hospital Universitário Sul Fluminense"

Transcrição

1 Programa de Residência Médica em Pediatria do Hospital Universitário Sul Fluminense Vassouras/RJ 1

2 Sumário 1. Contextualização do Programa de Residência Médica (PRM) Nome do curso Endereço de funcionamento do curso Número de vagas Carga horária anual Coordenador da Programa ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Contexto Educacional e Perfil do Ingressante Objetivos Perfil profissional do egresso Estrutura Curricular Conteúdos Curriculares Teórico-Complementares Metodologia de Avaliação Avaliação do Médico Residente Processo de Avaliação do Programa Atividades Práticas dos Residentes Atividades Teóricas Cenários de Ensino

3 Contextualização do Programa de Residência Médica (PRM) 1.1. Nome do curso Programa de Residência Médica em Pediatria 1.2 Endereço de funcionamento do curso HUSF: Rua Vicente Celestino, 201 Bairro Madruga, Vassouras, RJ. 1.3 Número de vagas 02 vagas R1 02 vagas R2 1.4 Carga horária anual. Atividades práticas: h Atividades teóricas: 288 h Carga-horária total: h 1. 5 Coordenadora do Programa de Clínica Médica Nome: Kleiton Santos Neves Residência Médica em Pediatria - Hospital Federal dos Servidores do Estado-RJ Residência Médica - R3 em Gastrenterologia Pediátrica, Hospital Federal dos Servidores do Estado-RJ. Mestre em Epidemiologia e Vigilância em Saúde-UERJ. Professor Titular da disciplina de Medicina da Criança e Adolescente na Faculdade de Medicina de Valença-RJ. Chefe do Departamento de Medicina da Criança e do Adolescente da Faculdade de Medicina de Valença-RJ. Coordenador do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina de Valença-RJ. Médico Preceptor do Serviço de Pediatria do Hospital dos Servidores do Estado-RJ. 3

4 2. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 2.1 Contexto Educacional e Perfil do Ingressante A definição da Área de Concentração do Programa considerou as demandas locorregionais e a capacidade operacional da instituição. A análise das demandas permitiu definir áreas onde existe a necessidade de profissionais com formação específica e que não estão disponíveis em abundância no mercado de trabalho. A análise da capacidade operacional da Instituição inferiu que esta possui a infraestrutura necessária, em termos de recursos humanos, equipamentos e estrutura física para o bom aproveitamento do residente. A articulação com os gestores de saúde do município, através da Superintendência de Saúde do HUSF, Direção Médica, e Direção de Ensino do HUSF, mostrou ser de fundamental importância. Desta forma, na criação e na organização da área de concentração proposta neste PP, foram consideradas as demandas do Sistema de Saúde para que o egresso tenha uma formação que lhe permita visualizar a organização e o funcionamento deste sistema. O sistema de saúde de Vassouras tem Gestão Plena do Sistema Municipal, dispondo de 3 hospitais conveniados ao SUS, 1 filantrópico, 1 universitário e 1 contratado. Oferece um total de 421 leitos hospitalares, numa proporção de 13,0 leitos por mil munícipes, enquanto a média no Estado é de 2,9 leitos por cada mil habitantes. Na rede de saúde municipal, contamos com 100% de cobertura da Estratégia de Saúde da Família distribuídas em 14 equipes, das quais 08 estão localizadas na zona urbana e 06 na zona rural. O Centro de Vigilância em Saúde Dr. José Augusto Teixeira Lima, tem como objetivos congregar os setores de Vigilância Epidemiológica, Dados Vitais, Vigilância Sanitária, Vigilância Ambiental, o Núcleo de Educação Em Saúde, Divisão de DST/AIDS e Hepatites Virais, Programa de Tuberculose, Programa de Hanseníase, Sistema de Informações dos Programas Nacionais de Imunização, Saúde da Mulher, da Criança, Adolescentes, Idosos, Bolsa Família, Programa de Combate a Dengue. A Policlínica Municipal funciona como unidade de referência da Estratégia de Saúde da Família para as especialidades de Clinica Médica, Ginecologia, Clinica Cirúrgica, Obstetrícia, Nefrologia, Pediatria, Dermatologia, Cardiologia, Gastroenterologia, ambulatório de Saúde 4

5 Mental (Psicologia e Psiquiatria), Geriatria, Shiatsuterapia e Fonoaudiologia. Ficam nesta unidade, as coordenações de Saúde Mental e Assistência Farmacêutica Para atuar nesse sistema de saúde o perfil desejado do ingressante é o de um médico capaz de pautar sua conduta profissional numa postura humanística, crítica e reflexiva. Um médico capacitado a responder aos desafios criados pelas mudanças demográficas, políticas, financeiras e tecnológicas do século XXI, mantendo-se fiel cumpridor dos mais elevados princípios éticos. Entende-se como sendo o perfil adequado de um profissional de saúde habilitado: A atuar na promoção e recuperação da saúde, em todos os níveis de atenção à saúde; Atuar com proficiência nas questões de Saúde Coletiva sendo agente educador da comunidade, melhorando a sua qualidade de vida; Atuar em equipes multidisciplinares na perspectiva da interdisciplinaridade, pautado nos princípios do SUS, aprimorando as competências específicas da profissão; Identificar em diferentes níveis de atenção à saúde, mecanismos gerenciais que possibilitem alcançar as metas da integralidade e resolutividade da atenção em saúde; Desenvolver pesquisas e socializar o conhecimento, com ética e responsabilidade social. 2.2 Objetivos Tornar o médico residente em pediatria apto a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as afecções relacionadas à criança e ao adolescente, nas diferentes fases da vida do crescimento e desenvolvimento, bem como desenvolver habilidades e raciocínio crítico nas subespecialidades e nas diversas áreas de atuação, proporcionando uma formação profissional e humana no seu sentido mais profundo. Mais especificamente pretende-se que o residente seja capaz de: Aprimorar habilidades técnicas, o raciocínio clínico e a capacidade de tomar decisões; Desenvolver atitude que permita valorizar a significação dos fatores somáticos, 5

6 psicológicos e sociais que interferem na doença; Valorizar as ações de saúde de caráter preventivo; Promover a integração do médico em equipes multiprofissionais para a prestação da assistência aos pacientes; Estimular a capacidade de aprendizagem independente e de participação em programas de educação continuada; Estimular a capacidade de crítica da atividade Médica, considerando-a em seus aspectos científicos, éticos e sociais; Conhecer os principais problemas socioeconômicos e culturais que interferem na saúde da criança; Executar o processo de atendimento a criança sadia e saber reconhecer e diagnosticar seus desvios com ênfase ao atendimento ambulatorial. 2.3 Perfil profissional do egresso Os egressos do PRM do HUSF devem desenvolver as seguintes habilidades e competências: Diagnosticar e tratar as principais doenças e grandes síndromes prevalentes na criança; Diagnosticar e tratar as principais emergências pediátricas e neonatais; Aprimorar o conhecimento e habilidades para realizar anamnese e exame físico, bem como, saber solicitar e interpretar os exames complementares no diagnóstico das principais doenças e síndromes clínicas pediátricas; Avaliar e orientar o processo normal do crescimento e desenvolvimento na infância; Fazer orientação alimentar nas diversas faixas etárias de vida; Saber avaliar o cartão vacinal, bem como indicar adequadamente todas as vacinas recomendadas pelas Sociedade Brasileira de Pediatria; Saber reconhecer as patologias mais frequentes na infância e saber distinguir sua gravidade para indicar internação; Orientar a prevenção de acidentes na infância; 6

7 Fazer o atendimento pediátrico em sala de parto e orientar as mães puérperas no ambiente hospitalar; Fazer prescrição médica das principais doenças e síndromes clínicas pediátricas; Realizar procedimentos na área diagnóstica e tratamento da clínica pediátrica (Ex: punção venosa e arterial, intubação orotraqueal, punção liquórica, etc ); Desenvolver projetos, sob orientação adequada, de trabalhos científicos; Trabalhar com equipe médica, multidisciplinar e com internos (graduandos do Curso de Medicina); Saber encaminhar os pacientes, em situações que se façam necessárias, aos diversos especialistas obedecendo aos critérios de referência e contra referência. O residente formado pelo Programa de Residência Médica em Pediatria do HUSF deverá agregar ao seu perfil, qualidades de espírito de equipe, comportamento crítico e ético somados a uma sólida formação para que seja incessante na busca do conhecimento, sem desrespeitar o ser humano e a natureza. Pautado nestes princípios, o perfil do egresso contempla as seguintes características: Ser um profissional com uma visão integral da criança e do adolescente inseridos em seu meio e ser capaz de reconhecer a importância das condições ambientais, psicológicas e socioculturais; Tenha visão humanística; Saiba atuar no contexto de um ambiente em constantes transformações sociais, culturais e científicas, com capacidade de realizar a busca ativa de novos conhecimentos; Comportamento ético no desempenho da profissão; Participe dos processos educativos dos pacientes e de seus familiares em relação às questões de saúde mais prevalentes e atue com respeito pela autonomia e privacidade dos mesmos; Ser capaz de atuar em equipe interdisciplinar, sabendo interagir de forma adequada com os demais profissionais de saúde: outros residentes; médicos assistentes; médicos 7

8 de outras especialidades; outros profissionais de equipe multidisciplinar e funcionários dos serviços de saúde; Tenha conhecimentos científicos para o desempenho das funções de médico pediatra em diferentes áreas de atuação, além de ter condições de desenvolver a capacidade de manter-se atualizado, buscando material adequado para reciclagem constante; Tenha capacidade de liderança dentro da equipe de saúde no atendimento da criança e do adolescente; Tenha conhecimento dos problemas relativos à Pediatria regional, nacional e global tanto na esfera pública quanto no âmbito privado. 2.4 Estrutura Curricular A estrutura curricular dos Programas de Residência Médica será determinada conforme a RESOLUÇÃO CNRM Nº 02/2006, de 17 de maio de Os programas de Residência Médica serão desenvolvidos com 90% da carga horária, sob a forma de treinamento em serviço e 10% da carga horária em atividades teóricas complementares. 2.5 Conteúdos Curriculares Teórico-Complementares As atividades teórico-complementares utilizarão metodologias ativas que visam a problematização da prática e do cotidiano. A problematização permitirá que o residente construa o conhecimento, alicerçando teoria e prática. A ementa dos cursos obrigatórios está apresentada no Anexo I. Serão abordados nas atividades teórico complementares os temas relacionados ao programa de residência médica em Clínica Médica. 2.6 Metodologia de Avaliação Avaliação do Médico Residente Tendo como fundamento os princípios da educação problematizadora como metodologia ativa de ensino, a avaliação neste processo está entendida e implementada com a finalidade diagnóstica, promovendo a crítica e a transformação da realidade através de 8

9 propostas fundamentadas em argumentos cientificamente construídos. Portanto, ela é processual e contínua, gradativa e integra os sujeitos envolvidos do processo ensinoaprendizagem de forma abrangente, sistemática e inclusiva. Desta forma, ela esta presente em todo o processo e não somente nas etapas finais estando contempladas de várias maneiras de avaliação, tais como: Cognitiva, Prática e Atitudinal. As avaliações serão realizadas a cada três meses como determina o Comissão Nacional de Residência Médica. E como avaliação final será necessário a apresentação do trabalho de conclusão de curso. As avaliações trimestrais serão compostas pelos 03 critérios de avaliações. Cada avaliação terá valor 10 e será feito uma média das 03 avaliações para obtenção da nota média trimestral. O critério de aprovação será nota igual ou a 7,0 nas avaliações realizadas durante o ano A avaliação escrita ocorrerá em um dia único para todos os programas de residência e resultará na nota do critério cognitivo, será composta por questões priorizando o raciocínio clinico e conduta, será realizada sobre a forma de testes de múltipla escolha, questões abertas discursivas, questões de respostas curtas. As avaliações práticas serão realizadas por exercícios de avaliação clínica para a avaliação de habilidades e atitudes no dia a dia, e também a utilização de portfólios. Utilizaremos como cenário para as avaliações práticas o local de trabalho e também o laboratório de habilidades. O processo de avaliação prática do residente será realizado pelos preceptores e pelos próprios residentes que deverão fazer sua autoavaliação. A avaliação atitudinal utilizará os seguintes critérios: Frequência; Pontualidade; Vestimenta roupa branca adequada para o ambiente hospitalar e jaleco; Organização/Eficiência: prioriza, é oportuno e sucinto; Relacionamento com o preceptor; Relacionamento com o grupo de trabalho (outros médicos, enfermagem, alunos e equipes multidisciplinares); Relacionamento com o paciente ; 9

10 Qualidades Humanísticas/Profissionalismo: demonstra respeito, compaixão e empatia, transmite confiança, atende às necessidades de conforto do paciente, demonstra modéstia e respeita informações confidenciais; Habilidades na Entrevista Médica e no exame físico: facilita ao paciente contar sua história, direciona efetivamente as questões para obter informações necessárias, adequadas e precisas, responde apropriadamente ao afeto e mensagens não verbais. Segue uma sequência lógica e eficiente, se direciona ao problema utilizando passos de triagem/diagnóstico de forma balanceada, informa o paciente, é sensível ao conforto do paciente e demonstra modéstia; Raciocínio Clínico: ordena seletivamente, executa um levantamento diagnóstico apropriado, considera risco e benefícios. Esta avaliação se dará mensalmente ou ao final das atividades em cada local de prática, de acordo com os critérios descritos em uma ficha concebida para este fim (Anexo II). A entrega e aprovação do Trabalho de Conclusão de Curso são indispensáveis para a obtenção do título a ser concedido ao residente. Deverá ser escrito de acordo com as normas da ABNT, concluído e entregues na data prevista pela COREME. Deverá ser submetido a revista indexada e apresentado e aprovado por uma banca composta pelo orientador e dois professores, designada para esta finalidade. O residente será aprovado se obtiver nota final (média das notas dos 2 membros da banca) igual ou 7,0 pontos Processo de Avaliação do Programa A atuação dos preceptores, docentes e coordenadores também será avaliada nas reuniões trimestrais de avaliação do programa, com vistas a melhoria do Programa e da inserção do residente nos campos de prática. O processo de autoavaliação do Programa é contínuo, de permanente interação, visando ao aperfeiçoamento. Requer coragem para refletir e mudar. As mudanças, em geral, implicam rever caminhos, posições, atitudes e mesmo dogmas. Neste aspecto, a avaliação necessita de um olhar imparcial, crítico. Assim, através do resultado da avaliação são realizadas melhorias pedagógicas e/ou administrativas. A avaliação do Programa de Residência Médica será realizada através da ficha de 10

11 avaliação que se encontra no Anexo III 2.7 Atividades Práticas dos Residentes Tabela 1: Atividades Práticas do Residente do Primeiro Ano (R1): Campo de Prática Estágio Descrição da Atividade Local Ambulatório Geral obrigatório Atendimento ambulatorial Ambulatório HUSF Enfermaria obrigatório Visita clinica diária com Enfermaria anotação em prontuários HUSF e interpretação de exames radiológicos, analises clinica, procedimentos e técnicas em Pediatria, discussão dos casos. Dedicação Semanal (h) Duração (semanas) Percentual sobre o total da cargahorária (%) % % Emergencia obrigatório Atendimentos de Urgência e emergência em pediatria Neonatologia obrigatório Atendimento do R.N em sala de Parto, acompanhamento evolutivo em Alojamento Conjunto, visitas clinicas diárias ao R.N. em alojamento conjunto, aconselhamento em Aleitamento materno, procedimentos e técnicas em Neonatologia. Emergência do HUSF Alojamento conjunto e centro obstétrico % % TOTAL DE ATIVIDADES PRÁTICAS DO R1: 54 h Tabela 2: Atividades Práticas do Residente do Segundo Ano (R2): Campo de Prática Estágio Descrição da Atividade Local Ambulatório Geral obrigatório Atendimento ambulatorial Ambulatório HUSF Enfermaria obrigatório Visita clínica diária com Enfermaria anotação em prontuários e HUSF interpretação de exames radiológicos, análises clínica, procedimentos e técnicas em Pediatria, discussão dos casos. Dedicação Semanal (h) Duração (semanas) Percentual sobre o total da cargahorária (%) 15 hs 48 25% 12 hs 48 20% 11

12 Emergência Obrigatório Atendimentos de Urgência e emergência Neonatologia Obrigatorio Atendimento do R.N em sala de Parto, acompanhamento evolutivo em Alojamento Conjunto. Visitas clinicas diárias ao R.N. em alojamento conjunto, aconselhamento em Aleitamento materno, procedimentos e técnicas em Neonatologia, discussão de casos UTI NEONATAL Emergência do HUSF Alojamento conjunto e centro obstétrico 15hs 48 25% 12hs 48 10% Obrigatório UTI neonatal 36hs 8 meses de julho e agosto) TOTAL DE HORAS PRÁTICAS DO R2: 54 h 10% 2.8 Atividades Teóricas Tabela 3: Atividades Teóricas dos Residentes (R1 e R2 ) Descrição da Atividade Local Dedicação Semanal Cursos (Epidemiologia Clínica, Biologia Molecular Aplicada, Organização dos Serviços de Saúde, Bioética, Ética Médica, Metodologia Científica e Bioestatística, Biossegurança). Sessões teóricas, aulas teóricas, Discussão de casos clínicos, Sessões anatomo-clínicas, Sessões clinico-radiológicas Centro de Estudos Centro de Estudos TOTAL DE HORAS DO R1/ R2 = 6 h Duração (semanas) Carga-horária (%)

13 3. Cenários de Ensino Os cenários de ensino estarão constituídos pelos serviços que compõem o Hospital Universitário Sul Fluminense (ambulatório, unidades de internação clínicas e cirúrgicas, UTI, serviço de emergência e serviços específicos de alta complexidade) e as unidades de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Vassouras e demais convênios realizados para o cumprimento dos estágios necessários a todos os Programas de Residência Médica. Como cenário de prática serão utilizados, também, o laboratório de habilidades médicas para treinamento nos manequins e nos simuladores. Adicionalmente, os residentes participarão dos trabalhos desenvolvidos pelos núcleos de pesquisa e extensão, de atividades relacionadas a Comissão de Controle de Infecções Hospitalares e das atividades teóricas complementares no Centro de Estudos. 13

14 Anexos Anexo I Conteúdo Programático dos cursos obrigatórios aos Programas de Residência Médica Bioética e Ética Médica Ementa: O surgimento da Bioética. As correntes da Bioética. Educação e Bioética. Direitos do paciente. Autonomia. Comunicação de diagnóstico. Fim da vida. Eutanásia e distanásia. Cuidados paliativos. Bioética do início da vida. Ética em pesquisa em humanos. Ética nas experimentações com animais. Referencias: FRANÇA, G. V. Direito médico. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense, CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO RIO DE JANEIRO. Bioética e Medicina. 2 ed.rio de Janeiro: Navegantes Editora e Gráfica, PESSINI, L.; BARCHIFONTAINE, C.P. de. Fundamentos da bioética. 3ª ed. São Paulo: Paulus, FORTES, P A C. Ética e saúde: questões éticas, deontológicas legais, autonomia e direitos do paciente: estudo de casos. São Paulo: EPU, c2002. SEGRE, M.; COHEN, C. Bioética. 3. ed. São Paulo: EDUSP, FRANÇA, G. V. Comentários ao Código de Ética Médica. 3ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, Metodologia Científica Ementa: Procedimentos técnicos e conceituais da aplicação do método científico para a construção de conhecimento em saúde. Classificações das pesquisas, os métodos científicos, a revisão da literatura, o problema e as hipóteses de pesquisa e demais aspectos constituintes do projeto de pesquisa. Questões de método e de ética na conduta da pesquisa na área de saúde. Referências LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas,

15 SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortes, 2008 COSTA, Antonio Fernando Gomes da. Guia para elaboração de monografias - relatórios de pesquisa trabalhos acadêmicos, trabalhos de iniciação científica, dissertações, teses e editoração de livros. Rio de Janeiro: Interciências, Epidemiologia Ementa: Medidas de ocorrência das doenças; Desenhos de estudos epidemiológicos de base individual: a) estudos observacionais: estudos seccionais, estudos de coorte, estudos casocontrole; b) estudos experimentais: ensaio clínico randomizados; medidas de associação e estimadores de risco; inferência causal, viés e confundimento; estudos diagnósticos e de rastreamento. Referências: BONITA, Ruth.; BEAGLEHOLE, Robert.; KJELLSTRÖM, Tord. Epidemiologia básica. 2.ed. Washington: Organização Mundial da Saúde, ROUQUAYROL, M.Z.; ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e Saúde. 6a..ed., Rio de Janeiro: MEDSI, 2003: ALMEIDA FILHO, N. e ROUQUAYROL, M.Z. Introdução à Epidemiologia. 3ª ed. MEDSI. Rio de Janeiro Bioestatística Ementa: Estatística: conceitos e aplicações. Análise exploratória, teorias de dados. Noções de probabilidades. Testes diagnósticos, medidas de associação. Distribuição de probabilidades. Noções de amostragem, distribuições amostrais. Intervalos de confiança. Testes de hipótese. Testes não-paramétricos. Referências: ARANGO, H. G. Bioestatística teórica e computacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, RODRIGUES, P. C. Bioestatística. 3. ed. Rio de Janeiro: EDUFF, PEREIRA, J.C.R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. 3. ed. São Paulo: USP,

16 Anexo II Ficha de avaliação das atividades atitudinais Frequência 0 ( não observado ) Pontualidade 0 ( não observado ) Vestimenta 0 ( não observado ) Organização e eficiência 0 ( não observado ) Relacionamento com o preceptor 0 ( não observado ) Relacionamento com o grupo de trabalho 0 ( não observado ) Relacionamento com o paciente 0 ( não observado ) Qualidades humanísticas e profissionalismo 0 ( não observado ) Habilidades na entrevista e no exame clínico 0 ( não observado ) Raciocínio Clinico 0 ( não observado ) AUTOAVALIAÇÂO Grau de satisfação do residente com a avaliação Grau de satisfação do preceptor com a avaliação. 16

17 Anexo III Avaliação do PRM AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PELO MÉDICO RESIDENTE 1) Você foi informado a respeito dos objetivos no início do estágio/ ou programa? ( ) Não. ( ) Sim. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 2) Os objetivos do estágio foram atingidos? ( ) Não. ( ) Sim. Nota:1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 3) Ao longo desse estágio você sofreu qualquer tipo de constrangimento? ( ) Não. ( ) Sim. Nota:1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 4) Em caso de resposta positiva ao item anterior. assinale o autor (quantos for o caso): ( ) interno ( ) assistente do próprio local ( ) enfermagem ( ) do próprio grupo de trabalho ( ) assistente de outro local ( ) psicologia ( ) residente de outra área ( ) prof. titular do local ( ) nutrição ( ) serviço social ( ) serviço de segurança ( ) apoio diagnóstico ( ) médicos da radiologia ( ) funcionários da radiologia ( ) laboratório ( ) Same ( ) coordenador do estágio 5) Em relação ao acesso ou disponibilidade de apoio multiprofissional: Funcionários: ( ) adequado ( ) inadequado Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) Profissionais da saúde: ( ) adequado ( ) inadequado Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10 ( ) Relacionamento multiprofissional: ( ) adequado ( ) inadequado Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 6) A supervisão docente foi adequada: (Considere a quantidade, a qualidade e a resolubilidade.) ( ) Não. ( ) Sim. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 7) A rede mundial de computadores para consulta científica está disponível? (Considere a agilidade, qualidade do material disponível e franqueamento de acesso) ( ) Não. ( ) Sim. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) ( ) 24h ( ) horário comercial ( ) 8h-22h 8) Há acesso facilitado e qualidade a uma biblioteca médica? (Considere a agilidade, qualidade do material disponível e franqueamento de acesso) ( ) Não.( ) Sim. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 9) Quanto às estratégias de ensino: (Considere: visitas, supervisão nos diferentes locais, reuniões, clubes de revista, etc.) ( ) inadequada. ( ) adequada. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 10) Em relação à estrutura do serviço, o volume de atendimento estava adequado aos objetivos do estágio? ( ) Excessivo. ( ) Insuficiente. ( ) Adequado. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 11) Em relação à estrutura física, considerando o conteúdo programático, em função das habilidades a serem adquiridas: (Ambulatórios, Centro Cirúrgico, Enfermaria, etc.) ( ) Adequada. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) ( )Inadequada. 17

18 12) Em relação à estrutura do serviço, o tipo de paciente atendido estava adequado aos objetivos do estágio? (Considere habilidades (procedimentos) e a especialidade, nº de vezes que os executou, segurança atual em fazê-los.) ( ) Não. ( ) Sim. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 13) O programa teórico foi adequado? (Considere o horário, a carga horária e a qualidade.) ( ) Não. ( ) Sim. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 14) Aprendizagem no estágio: ( ) inadequada.( ) adequada. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 15) O principal agente da resposta do item anterior foi: ( ) motivação e empenho pessoal. ( ) características do serviço. ( ) empenho docente. ( ) conjunto das anteriores. ( ) adequada. Nota: 1( ) 2( ) 3( ) 4( ) 5( ) 6( ) 7( ) 8( ) 9( ) 10( ) 16) Descreva os aspectos positivos do programa: 17) Descreva os aspectos negativos do programa: 18) Sugestões para melhorar o estágio: 18

Programa de Residência Médica em Medicina Intensiva Do Hospital Universitário Sul Fluminense

Programa de Residência Médica em Medicina Intensiva Do Hospital Universitário Sul Fluminense Programa de Residência Médica em Medicina Intensiva Do Hospital Universitário Sul Fluminense Vassouras/RJ 1 Sumário 1. Contextualização do Programa de Residência Médica (PRM)... 3 1.1. Nome do curso...

Leia mais

Programa de Residência Médica em Clínica Médica do Hospital Universitário Sul Fluminense

Programa de Residência Médica em Clínica Médica do Hospital Universitário Sul Fluminense Programa de Residência Médica em Clínica Médica do Hospital Universitário Sul Fluminense Vassouras/RJ 1 Sumário 1. Contextualização do Programa de Residência Médica (PRM)... 3 1.1. Nome do curso... 3 1.2

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde

Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Projeto de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde 1- Identificação do Programa de Residência Multiprofissional 1.1- Instituição Formadora: 1.2- Unidade Responsável/ Instituição Executora: 1.3

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 3. CURSO DE NUTRIÇÃO Área de atuação De acordo com a RESOLUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO Disciplina: Saúde da Criança e do Adolescente Código: 106209 Crédito: 04.07.00

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM 2014 O Estágio Supervisionado é um componente curricular obrigatório. O estágio supervisionado obrigatório será desenvolvido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ANESTESIOLOGIA 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1- Hospital: Rubens de Souza Bento Hospital Geral de Roraima. 1.2- Entidade Mantenedora: Secretaria Estadual de Saúde/SESAU-RR 1.3- Curso:

Leia mais

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos, atividades

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10.

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EMERGENCIAL DE PROFISSIONAIS PARA ÁREA MÉDICA ESPECIALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI LEONARDO CHERINI PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II Código: ENF - 226 Pré-requisito: ENF

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

Enfermagem. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC Enfermagem Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: Enfermagem Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora residente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. Programa de Residência Médica em Alergia e Imunologia Clínica A - Objetivos gerais da ASBAI para o programa de Residência Médica em Alergia e Imunologia Clínica. 1- Aprimorar as habilidades técnicas, o

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

EDITAL 002/2015 SELEÇÃO DE PRECEPTORES PARA ATUAR NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE/2016

EDITAL 002/2015 SELEÇÃO DE PRECEPTORES PARA ATUAR NO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL E EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE/2016 EDITAL 002/2015 SELEÇÃO PRECEPTORES PARA ATUAR NO PROGRAMA RESIDÊNCIA MULTI E EM ÁREA DA SAÚ/2016 A Secretaria Municipal de Saúde publica edital para realização do processo seletivo simplificado para a

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA PARACATU MG 2013 SUMÁRIO REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS 2 CAPÍTULO I - DA NATUREZA

Leia mais

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH

Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH Processo Pedagógico de Formação do aluno do curso medico do UNI-BH A proposta pedagógica para formação do medico dentro do curso do UNI-BH baseia-se na estruturação em três módulos de conteúdo bem definido

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013)

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) Coordenador: Prof ª Aurea Tamami Minagawa Toriyama Carga horária total: 60 horas 30 horas práticas

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

EDITAL Nº 003/2010 PROCESSO SELETIVO INTERNO DE PROFESSORES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS - UNIFEMM

EDITAL Nº 003/2010 PROCESSO SELETIVO INTERNO DE PROFESSORES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS - UNIFEMM EDITAL Nº 003/2010 PROCESSO SELETIVO INTERNO DE PROFESSORES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS - UNIFEMM Artigo 1º - O Centro Universitário de Sete Lagoas - UNIFEMM, informa que no período de 11 a

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru/SP Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna. Manual de Pós-Graduação

Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna. Manual de Pós-Graduação Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna Manual de Pós-Graduação CARACTERIZAÇÃO DO CURSO Desde 2014 INSTITUIÇÕES Instituto ID Or- Hospital Quinta D Or (HQD) ENDEREÇO HOSPITAL

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP EEUSP PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE

ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP EEUSP PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP EEUSP PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE Resumo do Projeto: A proposta apresentada ao PRÓ-SAÚDE tem como foco principal a superação

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso:

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE)

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE) Treinamento em Clínica Médica 2014 do Pesquisas de Gastroenterologia (IBEPEGE) Reconhecido pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica São Paulo - 2014/2016 Coordenador: Dr. Norton Wagner Ferracini O IBEPEGE

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

Preenchimento dos Pedidos de Credenciamento Provisório, Credenciamento 5 anos, Recredenciamento e Aumento de Vagas

Preenchimento dos Pedidos de Credenciamento Provisório, Credenciamento 5 anos, Recredenciamento e Aumento de Vagas 1 Preenchimento dos Pedidos de Credenciamento Provisório, Credenciamento 5 anos, Recredenciamento e Aumento de Vagas I. Introdução O Sistema da Comissão Nacional de Residência Médica (SisCNRM), em 2011,

Leia mais

COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA

COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA Hospital Regional de Cotia Seconci SP OSS COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA CAPÍTULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1 0. A COREME - Comissão de Residência Médica

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

Ensino e Segurança: Educar para transformar cultura. Graduação Universidade Federal Fluminense

Ensino e Segurança: Educar para transformar cultura. Graduação Universidade Federal Fluminense Ensino e Segurança: Educar para transformar cultura. Graduação Universidade Federal Fluminense Luis Antonio dos Santos Diego Docente da Faculdade de Medicina da Uff Presidente da Comissão de Qualidade

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO 1. Apresentação O curso de Pós Graduação Lato Sensu em Psicologia Educacional da POSGLOGAL visa a formação profissional de graduados que tenham

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais