A VIVÊNCIA ESCOLAR PRIMÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA DECISÃO PELA CONTINUIDADE DOS ESTUDOS ACADÊMICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VIVÊNCIA ESCOLAR PRIMÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA DECISÃO PELA CONTINUIDADE DOS ESTUDOS ACADÊMICOS"

Transcrição

1 Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1): A VIVÊNCIA ESCOLAR PRIMÁRIA E SUA INFLUÊNCIA NA DECISÃO PELA CONTINUIDADE DOS ESTUDOS ACADÊMICOS Soares, Juliana Machado (A) Gomes, Leda (O) RESUMO: A vida escolar primária é a primeira experiência social da criança fora do seu círculo familiar. É na escola que ela começa a perceber o mundo de que faz parte. Os colegas, a professora, a própria instituição de ensino que freqüenta, com suas regras, são o modelo, o referencial da sociedade que começa a conhecer e com a qual irá se relacionar. O que indicará qual experiência com a professora, com os colegas e com a escola uma criança irá desenvolver? Serão as condições externas, ou seja, aquelas que ela encontrará neste novo convívio? Ou será sua própria estrutura de personalidade que se constituiu até o momento? Ou serão as duas possibilidades? Esta pesquisa exploratória foi realizada com base na teoria do Desenvolvimento de Erikson e tem como objetivo não apenas de encontrar uma resposta para estas indagações, mas para promover reflexões a respeito da interferência da vida escolar primária especialmente na opção ou não por continuar a estudar na idade adulta e seguir profissões que exigem dedicação ao estudo acadêmico. O interesse em saber como foi a vivência escolar de pessoas que optaram por seguir carreira profissional que exige horas e anos de estudo, surgiu pela simples curiosidade de conhecer se sua experiência foi de um ambiente escolar favorável, se as relações, de um modo geral, estabelecidas naquele período foram positivas. Isto, porque acredita-se que há relação entre ter uma boa experiência escolar e o surgimento do prazer de estudar. Ainda que com uma pequena amostra e com o caráter exploratório do estudo pode-se perceber que as pessoas que interromperam seus estudos após concluído o Ensino Médio tiveram uma vivência escolar primária

2 Juliana Machado Soares; Leda Gomes predominantemente negativa, com recordações ruins, medo dos professores e dos colegas. Já os sujeitos que prosseguiram os estudos, intelectualizam mais as relações com colegas e professores e parecem ter mais estabelecido o sentimento de produtividade a que se refere Erikson, buscando competência e tendo desejo de aprender e de trabalhar. Palavras-chave: Educação; Relação profesor-aluno; Erikson. THE PRIMARY SCHOOL EXPERIENCE AND ITS INFLUENCE ON THE CHOISE OF CONTINUING THE ACADEMIC STUDIES ABSTRACT: The period of primary school is the child first social experience out of the family environment. It is at school that children begin to perceive the world. The colleagues, the teacher, the institution of education itself and its roles, are the model and reference of society that they begin to know and to relate to. What could indicate which kind of experience with the teacher, with the colleagues and with the school a child will develop? Would be the external factors that they will face at this new environment? Or would be the child own personality? Or even, both of them? This exploratory study has as objective not only to answer these questions, but also to promote reflection on the influence of the primary school experience in adults option to continue to study or to follow an academic career. The initial hypothesis is that a good early scholar experience is related to the later pleasure on studying. From the sample studied it is possible to verify that the subjects that interrupted their studies after the conclusion of high school have had a prevailing negative experience on primary school marked by bad memories and fear from teachers and pals. Yet, the subjects that continued their studies, intellectualize their relationship with pals and teachers and seem to have established a feeling of productivity, as Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

3 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos refereed by Erikson, searching competency and keeping interest in learning and work Keywords: Education, Teacher-student relationship, Erickson. O Desenvolvimento Humano de Acordo com a Teoria de Erikson Profundo conhecedor da teoria psicanalítica, Erikson procurou adaptá-la aos novos tempos.uma de suas contribuições fundamentais foi o reconhecimento de que, além da importância atribuída às experiências decisivas do período infantil, o desenvolvimento humano se dá ao longo do processo vital. Mesmo com o advento da juventude e da maturidade, ocorrem profundas modificações, novas modalidades de funcionamento psíquico, que têm características peculiares na adolescência, passam pela vida adulta e chegam à velhice com interações peculiares com o meio. E a cada nova etapa, a cada novo momento do processo evolutivo, surgem novas exigências tanto por parte do ser em desenvolvimento como por parte do meio. Tais estímulos e necessidades, que assumem características distintas em cada estágio, constituem-se, de acordo com Erikson, em crises virtuais, que decorrem da modificação substancial de perspectiva (PISANI, PEREIRA E RIZZON, 1994). Cada estágio, que não tem um tempo cronológico rígido, traz consigo uma nova crise a ser superada pelo ego em desenvolvimento. E a solução implica sempre em duas possibilidades: um desfecho positivo ou negativo. Para isso, requer a mobilização de todos os recursos internos do indivíduo e do meio representado pelas pessoas com quem interage, de acordo com aqueles autores. A forma como são solucionadas as crises de cada estágio influi sobre como serão vivenciadas as etapas posteriores, fazendo com que cada estágio se torne presente e se atualize no próximo que virá. E a personalidade vai se estruturando, se reformulando, se Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

4 Juliana Machado Soares; Leda Gomes adaptando, tendo sempre como fundamento as experiências vividas: as soluções adaptativas que se mostraram eficazes e satisfatórias bem como os fracassos dos estágios anteriores. A esse princípio Erikson chamou de epigenético. Da solução positiva de cada crise de desenvolvimento emerge um ego mais fortalecido, e de cada desfecho negativo, um ego mais fragilizado. Erikson chama de crise normativa ou conflitos nucleares os oito desafios a serem resolvidos pelo ser humano desde o seu nascimento até a sua morte. Porém, ele afirma que, como nem todos os desejos são satisfeitos e jamais uma pessoa está totalmente livre de ansiedades, essas crises não são resolvidas definitivamente, mas buscam o equilíbrio. Dessa forma, os estágios foram chamados por Erikson de: 1) Confiança Básica X Desconfiança; 2) Autonomia X Vergonha e Dúvida; 3) Iniciativa X Culpa; 4) Produtividade X Inferioridade; 5) Identidade X Confusão de Papel; 6) Intimidade X Isolamento; 7) Generatividade X Estagnação; e 8) Integridade X Desesperança. Para atingir os objetivos deste trabalho serão destacadas a quarta, a quinta e a sétima idades do homem, uma vez que se referem à vivência escolar inicial, à definição da identidade e à consolidação da vida adulta e da carreria. A quarta idade corresponde à fase escolar primária do indivíduo e coincide com a que Freud chamou de fase de latência. Para Erikson (1963) esta é a etapa mais importante socialmente. Após ter conseguido alcançar um nível maior de controle de seus impulsos, a criança vive um momento de certa tranqüilidade emocional e, portanto, está mais apta a canalizar seu potencial para produzir coisas e identificar-se com os adultos. A diferença da etapa anterior (Iniciativa versus Culpa) é que agora a criança é capaz de iniciar e perseverar em um empreendimento até sua conclusão, e nisso encontrar prazer e competência. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

5 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos Segundo Gallatin (1978), apesar do sistema educacional das sociedades mais avançadas ser geralmente mais formal, Erikson considera que a diferença é apenas uma questão de grau: Os povos mais instruídos, onde há profissões mais especializadas, devem preparar a criança começando pela sua alfabetização. Pois é-lhe dada a educação básica mais ampla possível, para o maior número de carreiras possíveis. Quanto maior for a especialização, mais indistinto se torna o objetivo da iniciativa, mais complicada a realidade social e mais vagos os papéis do pai e da mãe (ERIKSON apud GALALTIN, 1978, p. 198). É nesse momento, em que inicia seus anos escolares, que a criança começa a adquirir habilidades para o trabalho que, nas mais diversas culturas consistem nas habilidades para leitura, escrita e aritmética, pois essas são as ferramentas da tecnologia. Porém, é necessário que haja uma disciplina, então todas as sociedades têm a missão de transformar um inicial sentimento de iniciativa em um sentido de produtividade. Segundo Gallatin (1978) é possível que a escola não esteja apta para sustentar as promessas das etapas anteriores e nada do que a criança aprendeu a fazer parece ter importância para colegas e professores. Além disso, ela pode ter oportunidade para que aflorem aspectos latentes que, se não se manifestarem agora, podem se manifestar mais tarde ou talvez nunca se desenvolvam. O mais importante é que é na escola que o ser humano começa a aprender algo sobre o padrão de ação de sua sociedade, ou seja, inicia seu contato com a discriminação e o preconceito. Em algumas palavras de Erikson, Gallatin explicita o núcleo do conflito vivenciado na quarta idade do homem: É neste ponto que a sociedade mais ampla torna-se significativa para a criança, ao admiti-la em papéis preparatórios para a tecnologia e a economia reais. Entretanto, é quando ela descobre, imediatamente, que a cor de sua pele ou os antecedentes de sua Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

6 Juliana Machado Soares; Leda Gomes família, mais do que o seu desejo e a vontade de aprender, são os fatores que decidem o seu valor como aluno ou aprendiz. A propensão humana para sentir-se imprestável pode ser fatalmente agravada como um determinante do desenvolvimento do caráter. (ERIKSON apud GALLATIN, 1978, p. 199). Com isso, pode-se perceber que o sentimento de produtividade da criança, nesta etapa, competirá com o de inferioridade. Mas, como diz Erikson, nenhum desses sentimentos deve se sobressair ao outro em demasia. O malefício da criança desenvolver um sentimento de inferioridade já foi destacado, mas também será prejudicial se ela desenvolver um sentimento de produtividade excessivo, porque isso pode fazer com que ela se torne totalmente dependente dos deveres. Gallatin (1978), afirma que um desfecho adequado para esta quarta idade seria sair dela com uma auto-estima íntegra e com um sentimento de produtividade apto a se transformar mais tarde em um sentimento de competência. É neste estágio do ciclo vital humano que a criança começa a aprender muitas coisas a respeito dos tipos de ocupação que sua sociedade valoriza e qual será a posição que poderá aspirar nesta hierarquia ocupacional (GALLATIN, 1978 p. 200). Na quinta idade do homem Identidade X Confusão de Papéis o ser humano continua a se desenvolver e a conhecer e apreender sua cultura, os valores que lhe são oferecidos pela família e pela sociedade, mas também começa a compreender muito sobre si mesmo. Sua interação com as pessoas faz com que perceba características que possuem em comum e também aquelas que lhe são peculiares, ou seja, verifica que é um ser único. Isto significa que sua identidade está se formando. Segundo Erikson (1963), o indivíduo passa a se comparar com os outros, atentando-se àquilo que aparenta aos olhos alheios e àquilo que sente que é. Passa a comparar habilidades adquiridas anteriormente com os protótipos sociais do mundo adulto. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

7 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos Devido a estarem em busca de uma continuidade (ERIKSON, 1963) os adolescentes acabam vivenciando situações e conflitos dos anos anteriores e, para isso, designam pessoas para representarem seus adversários. Também instituem ídolos, a fim de que sua identidade permaneça sustentada por algo aparentemente inabalável, já que é idealizado. A integração que ocorre agora é algo maior que apenas a soma das identificações da infância, mas é a integração destas com as funções sociais que lhe estão dispostas. O sentimento de identidade do ego, então, é a segurança acumulada de que a coerência e a continuidade interiores elaboradas no passado equivalem à coerência e à continuidade do próprio significado para os demais, tal como se evidencia na promessa tangível de uma careira. (ERIKSON, 1963 p. 241). O adolescente precisa fazer suas escolhas. De acordo com Pisani, Pereira e Rizzon (1994), seu futuro profissional é definido nesta etapa, assim como seu papel sexual se consolida. Porém, como as opções são inúmeras o adolescente necessita guiar-se por alguns parâmetros, que podem ser as identificações do passado (sentimentos de confiança, iniciativa e produtividade), mas também deve considerar os conflitos a serem vivenciados na fase adulta, de modo que desenvolva recursos próprios para enfrentá-los. Segundo Gallatin (1978), diante de tantas decisões que precisa tomar e da gama de possibilidades que pode seguir, o adolescente se percebe desorientado. É por este motivo que Erikson denominou esta etapa de Identidade versus Confusão de Papéis. Portanto, é no decorrer deste período que o jovem, fundamentado pelos desafios que já superou, precisa encontrar sua própria identidade, seu estilo de vida e integrar os papéis que a vida lhe oferece e definir seu projeto de vida (PISANI, PERREIRA, RIZZON, 1994). A Sétima Idade do homem é a Generatividade X Estagnação na qual o indivíduo deverá garantir a continuidade das aquisições Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

8 Juliana Machado Soares; Leda Gomes obtidas na idade anterior (Intimidade X Isolamento). O que foi aprendido até agora requereu muitos investimentos, por isso há o anseio de preservar e perseverar suas conquistas. Enfim, o adulto vai transmitir valores, educação, idéias, suas vivências ao mais jovens, pois a preocupação é gerar o saber. O adulto, demonstrando a preocupação em produzir uma nova geração, manifesta-a da forma mais óbvia, criando uma família. É nesta etapa que os indivíduos enfrentam maior responsabilidade pelo desenvolvimento saudável daqueles que estão passando pelas idades anteriores (GALLATIN, 1978). Contudo, não é apenas através do gerar uma nova família que o ser humano pode transmitir suas aquisições. Na verdade, há aqueles que, por diversos motivos, não convergem para a procriação, mas encontram outras formas de perpetuar nas gerações seguintes, como, por exemplo, o altruísmo. Assim, ter filhos, simplesmente, não garante que se estabeleça o sentimento de generatividade no indivíduo, ao contrário, essa obrigatoriedade pode até contribuir para o sentimento de estagnação, porque torna-se algo não desejado e pouco recompensador para a pessoa. Ocorrendo, então, o contraponto da generatividade (GALLATIN, 1978). Contudo, de acordo com Pisani, Pereira e Rizzon (1994), quando a rigidez e o autoritarismo se tornam a marca distinta dos relacionamentos para esses adultos, um sentimento de estagnação também pode surgir. Manifestam-se o descontentamento, a insatisfação e o tédio, que dificultam e empobrecem as relações interpessoais. Os indivíduos passam a se preocupar excessivamente consigo mesmos e tornam-se menos produtivos e menos interessados nas gerações seguintes. Dessa forma a transmissão do saber construído ao longo da experiência de vida assume uma direção unilateral rigorosa, que desconsidera as possibilidades de troca e Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

9 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos torna difícil o convívio, provocando ou acirrando os conflitos com os mais jovens. Dentro desse panorama, é nas lembranças da vivência escolar da 4ª e 5ª idades do homem que o presente estudo procurou encontrar as raízes da determinação por continuar os estudos acadêmicos avançados. Relação professor-aluno De um modo geral, a relação professor-aluno é de natureza ativa para um e passiva para o outro. No entanto, a função do professor não é ensinar, simplesmente, mas é de ser mediador, de orientador. Ele deverá auxiliar que o aprendizado do aluno se desenvolva sem ansiedade e sem angústia. Enfim, se o prazer no aprender foi trabalhado com o aluno, a aprendizagem ocorrerá mais naturalmente. A tarefa do professor é criar condições para que o aluno possa desenvolver sua potencialidade, garantir seu diálogo com o meio ao qual pertence (família, sociedade, humanidade) a fim de que se torne uma unidade com ele. Ou seja, o pensar é uma função inata, mas o conhecimento resulta da interação (SANCHES, s/d). Uma vez que a educação se processa através de interações, pode-se dizer que a natureza e o curso de cada interação são influenciados pela história de interações passadas dos indivíduos em questão e talvez por suas expectativas de interações no futuro (COUTHENX, 1997). É na escola que a criança enfrenta a primeira experiência social, estabelecendo relações humanas e procurando consolidar suas atividades num ambiente diferente daquele em que vivera até então: o ambiente familiar. De acordo com Hillal (apud Couthenx, 1997, pág. 08), as atitudes do professor, bem como as atitudes dos alunos, estão em relação de causa e efeito mútuos. Reconhece-se que as atitudes do professor dependem das atitudes dos alunos e variam de uma para outra. Cada Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

10 Juliana Machado Soares; Leda Gomes aula tem o seu clima próprio estabelecido pela interdependência dos alunos. O ambiente da sala de aula é, portanto, muito complexo, e a causa disso reside na relação professor-aluno. De acordo com Couthenx (1997), a inteligência dos alunos pode ser bloqueada por motivos afetivos. Com isso, conclui-se que é preciso que exista uma preocupação não somente com o aspecto intelectual da criança, mas também de seu emocional. Por isso, é desejável que o professor esteja com a afetividade desenvolvida e qualidade de relacionamento satisfatória a ponto de conseguir utilizar-se de suas capacidades físicas e intelectuais para ajudar o aluno. Uma vez que o professor demonstra seu afeto em sala de aula, o aluno percebe que existe respeito para com sua pessoa e não é tratado com indiferença. Somente desta forma o professor será capaz de auxiliar o aluno a vencer muitas de suas dificuldades afetivas, caso contrário, seu comportamento poderá proporcionar um aumento dessas dificuldades, ou até mesmo desencadear algumas delas. Professores que possuem imaturidade emocional se exaltam e conduzem os outros à angústia e à inibição. Um nível mental elevado não representa exatamente uma personalidade com um quantum satisfatório de maturidade emocional (COUTHENX, 1997). Pode-se destacar alguns sinais de imaturidade emotiva do professor. São eles: perder, com freqüência, o controle, principalmente nas situações atípicas; dirigir críticas aos alunos; demonstrar claramente suas aversões e desejos; não gostar dos alunos, em geral; trazer os problemas de fora da escola para a classe. Quando existe uma boa relação entre o professor e seus alunos, os problemas tendem fortemente a ser resolvidos com tranqüilidade, esclarecimento e crescimento pessoal para ambos. Assim, são criados na relação sentimentos de cumplicidade, de confiança, que possibilitarão o bom desenvolvimento da aprendizagem e da formação emocional e social dos alunos. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

11 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos Autoridade e autonomia são dois pólos do processo pedagógico. A autoridade do professor e a autonomia dos alunos são realidades aparentemente contraditórias, mas de fato, complementares. O professor representa a sociedade, exercendo um papel de mediação entre um indivíduo e a sociedade. O aluno traz consigo a sua individualidade e liberdade. Entretanto, a liberdade individual está condicionada pelas exigências grupais e pelas exigências da situação pedagógica, implicando a responsabilidade. Neste sentido, a liberdade é o fundamento da autoridade e a responsabilidade é a síntese da autoridade e da liberdade. Habilidades importantes para o escolar No início da fase escolar a criança necessita de orientações sobre o que é apropriado fazer, mas com o passar do tempo é esperado que tenha discernimento para perceber, analisar e desenvolver valores próprios, configurando o conceito de responsabilidade em algo mais subjetivo. Segundo Bean (1995) à medida que o senso de responsabilidade é ensinado a uma criança, ela vai aprendendo a planejar, organizar e assumir conseqüências de suas atitudes, porque as tarefas domésticas envolvem certas condições, hora certa para acontecer e trazem conseqüências. Na escola as coisas ocorrem de forma semelhante, por isso, as crianças que tiveram contato com estas condições não consideram a escola como um ambiente estranho, mas sentem-se à vontade. As crianças que desenvolveram capacidade para fazer coisas sozinhas têm melhor desempenho na escola do que aquelas a quem é preciso sempre dizer o que fazer. Isto ocorre porque em uma sala de aula há em média trinta alunos e apenas uma professora, portanto, aquele que tiver autonomia para desempenhar as atividades fará sem que seja necessário a professora dar a permissão. O fato de, em casa, a criança ter sido ensinada (a partir dos padrões e valores dos pais, certamente) a ter responsabilidades, Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

12 Juliana Machado Soares; Leda Gomes possibilitou que cometesse erros, aprendesse, avaliasse e se corrigisse. Ensinar os filhos a serem responsáveis não apenas forma seu caráter, mas traz uma série de habilidades imprescindíveis para o aproveitamento escolar (BEAN, 1995). Há, ainda, outras habilidades que contribuem para o bom aproveitamento escolar de uma criança, mas é importante que comecem a ser desenvolvidos em casa a partir do empenho dos pais e, posteriormente, do reforço dos professores: a persistência, a atenção, a sociabilidade, a confiança, a condescendência, a autodisciplina, entre outras. Auto-estima Segundo Harter (apud Bee, 1997) o nível de auto-estima de uma criança passa por dois juízos internos. Inicialmente, ela vivencia algum grau de discrepância entre o que gostaria de ser e aquilo que pensa ser. Se a discrepância é baixa, certamente a auto-estima é alta, ao contrário, se a discrepância é alta a auto-estima é baixa. Os padrões são diferentes para cada criança; algumas valorizam habilidades acadêmicas, outras, habilidades esportivas, ou boas amizades, mas para o autor acima citado, o que determina a auto-estima é a quantidade de discrepância entre o que deseja e o que acredita ter alcançado. Outra influência importante é o sentimento de apoio que a criança tem de uma pessoa significativa próxima a ela que, geralmente, são seus pais. Uma criança com auto-estima rebaixada é tão incapacitada quanto uma criança portadora de deficiência física. Isto, porque uma auto-estima baixa limita a capacidade de alcançar sucesso na aprendizagem, nos relacionamentos humanos e em todas as áreas produtivas da vida (CLEMES e BEAN, 1995). Segundo Clemes e Bean (1995) os momentos em que uma pessoa sente-se bem consigo mesma são caracterizados pelas seguintes sensações: sentir-se importante para alguém que julga Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

13 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos importante; sentir-se especial sem saber o motivo que o leva a isso; sentir-se bem sucedido, fazendo o que é preciso e sentindo-se confiante de poder resolver o que é necessário; sentir-se diante de um objetivo e trabalhando para alcançá-lo. Enfatizam ainda que uma criança com auto-estima bem desenvolvida tem orgulho de suas realizações, age com independência, assume responsabilidades facilmente, tolera bem as frustrações, enfrenta com entusiasmo novos desafios, sente-se capaz de influenciar os outros, demonstra uma ampla série de emoções e sentimentos. Já aquela criança que possui auto-estima rebaixada evita situações que provocam ansiedade, rebaixa os talentos que tem, sente que os outros não a valorizam, culpa os outros pelas próprias fraquezas, é influenciada pelos outros com facilidade, tornase defensiva e fica frustrada com facilidade, sente-se impotente, demonstra uma série restrita de emoções e sentimentos. No aproveitamento escolar a auto-estima entra como um dos fatores mais importantes. Se uma criança com elevado nível de inteligência possui auto-estima rebaixada, seu desempenho será reduzido, já uma criança com nível intelectual mediano, mas com auto-estima bem desenvolvida, certamente terá um rendimento escolar superior. Além disso, a criança que apresenta baixa autoestima tende a obter pouca satisfação na escola, uma vez que se envolve com questões emocionais referentes a sentimentos sobre si mesma, relações com os outros, medos e ansiedades. Com isso, uma quantidade menor de energia é canalizada para as atividades escolares, gerando um rendimento inferior e reforçando a baixa autoestima, o que configura um círculo vicioso. Uma auto-estima elevada, faz com que bons relacionamentos sejam vividos por uma criança. Enquanto que, uma deficiência na auto-estima tornará a criança tímida ou agressiva em demasia. Relacionar-se com outras pessoas é de extrema importância para uma criança com baixa auto-estima, porque ela poderá encontrar nas Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

14 Juliana Machado Soares; Leda Gomes outras pessoas apoio e aprovação que não consegue atribuir a si mesma. O único risco é que ela pense que as pessoas pensam dela o mesmo que ela pensa de si. Objetivos: Estudar se existe diferença entre a lembrança da escola de 1ª a 4ª séries para indivíduos pós-graduados e indivíduos que optaram por não prosseguir os estudos conseguintes ao Ensino Médio; e aferir a qualidade dessas lembranças para os dois grupos estudados. Método A pesquisa tem um caráter exploratório e foi realizada com 08 sujeitos, de classe média, com idades entre 30 e 50 anos, sendo que, dessas, 04 pessoas estudaram até o Ensino Médio (concluído ou não) e 04 pessoas cursaram a pós-graduação. Dos sujeitos que cursaram até o Ensino Médio, 02 são do sexo masculino e 02 do sexo feminino. Dos que possuem pós-graduação, os 04 são do sexo feminino. Foram excluídos da amostra professores universitários, para os quais a pósgraduação é exigida por lei e não uma opção genuína. Foi aplicado um questionário de doze questões que abordam dados objetivos da fase de escolaridade em questão e assuntos referentes às imagens e recordações daquele período. O questionário foi entregue a cada sujeito individualmente em um envelope fechado com etiqueta adesiva. Cada sujeito levou seu questionário e devolveu em outra data. A escolha foi aleatória, apenas era questionada a escolaridade da pessoa. Foi solicitado que respondessem ao questionário com seriedade e veracidade. Resultados Na amostra estudada todos os sujeito, independente de terem continuado os estudos, cursaram o antigo primário em escolas públicas, o que pode sugerir que a qualidade da educação oferecida há 20 anos em média era mais eficiente do que a de hoje em dia. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

15 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos Houve repetência escolar nos dois grupos, no entanto, no grupo dos que cursaram até o Ensino Médio a justificativa é mais genérica, transmitindo a impressão que não havia o interesse para o estudo e a escola como um todo. É possível que este grupo não tenha desenvolvido adequadamente o senso de responsabilidade sobre o significado do estudo em suas vidas, o que impossibilitou um melhor aproveitamento escolar. No segundo grupo, a justificativa da repetência indica uma questão pessoal não gostar e específica de matemática. Com isso, pôde-se verificar que a repetência não foi um fator determinante no que se refere ao prazer pelo estudo e ao fato de dar continuidade ou não aos estudos após concluído o Ensino Médio, para essa amostra. Sugere-se que mais estudos acerca do assunto sejam feitos. No grupo dos que cursaram até o Ensino Médio nenhum dos sujeitos considerou seu rendimento como ótimo e isto aconteceu em apenas 1 dos sujeitos do grupo dos pós-graduados. Predominou a classificação do rendimento como bom em ambos os grupos, e houve um sujeito que o classificou como regular. Os sujeitos que optaram por cursar a pós-graduação obtiveram melhor rendimento na fase escolar primária do que os sujeitos que interromperam os estudos no Ensino Médio. Esse dado evidencia que, para as pessoas dessa amostra, embora a repetência escolar não seja decisiva, a avaliação de um rendimento positivo foi um fator significativo. Além disso, como se trata de uma auto-avaliação, ou seja, não a escola, mas os próprios sujeitos estão avaliando seu rendimento escolar e isso está sendo feito muitos anos após o acontecimento, verifica-se que os sujeitos pós-graduados revelam uma auto-estima melhor desenvolvida. Permaneceram registradas as lembranças positivas a respeito de seu desempenho escolar. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

16 Juliana Machado Soares; Leda Gomes Esse fato demonstra a idéia de Clemes e Bean (1995), em que ele diz que uma criança com a auto-estima bem desenvolvida tem orgulho de suas realizações, tolera frustrações e enfrenta com entusiasmo novos desafios. Quando se perguntava acerca da matéria que mais gostavam, o grupo do ensino médio apontou o critério cognitivo "importante" mas também afetivo gosto por e novidade. Isso pode significar que metade dessas pessoas tinham consciência da necessidade do estudo para a vida, mas o afeto é citado apenas por duas das pessoas da amostra. Já no segundo grupo(pós-graduação), todos os sujeitos justificaram a escolha das matérias através de critérios afetivos. Ou seja, as pessoas que optaram por dar continuidade aos estudos possuem uma referência de afeto no que se refere ao prazer de estudar. Este fato sugere que essas pessoas contaram com situações favoráveis, provavelmente já no ambiente familiar e, conseqüentemente na escola, e com isso as instruções puderam ser apreendidas de maneira mais natural e espontânea, desenvolvendo ainda melhor o senso de responsabilidade, o que originou o interesse genuíno pelos estudos. Os sujeitos que cursaram até o Ensino Médio, em sua maioria, atribuíram o fato de não gostar de algumas matérias a questões afetivas - dificuldades pessoais e relação com o professor. Quanto aos sujeitos pós-graduados, percebe-se que metade da amostra não apontou uma matéria de que não tenha gostado, e na outra metade houve referência a um fator externo troca de professor e a uma questão afetiva não gostar de alguma disciplina. Ou seja, novamente as pessoas que cursaram a Pós-graduação revelam a auto-estima bem desenvolvida, pois não apontaram limitações suas, mas interferências do meio externo. Ainda assim, apesar do meio desfavorável, a sua estrutura interna não foi abalada, Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

17 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos provavelmente em função da auto-estima que possuem e que os preservou. Contudo, as pessoas que cursaram até o Ensino Médio demonstram terem sofrido influência do meio externo. Isso pode indicar que não contavam com uma auto-estima suficientemente desenvolvida de modo que fossem capazes de superar o ambiente ruim. No que se refere a sintomas físicos relacionados à época escolar em questão, predominou no grupo dos sujeitos que cursaram até o Ensino Médio o nervosismo e apenas um deles não indicou qualquer sintoma. No grupo dos pós-graduados, metade dos sujeitos relatou não ter algum sintoma físico na época escolar primária. Talvez o nervosismo seja o sintoma mais comumente apresentado por uma criança que está enfrentando problemas na vivência escolar. Conclui-se, então, que nessa amostra, a somatização se fez presente com mais freqüência em pessoas que optaram por não dar continuidade aos estudos acadêmicos. Esse dado remete às reflexões de Bean (1995) de que o ambiente escolar apresenta pressão constante às crianças e elas precisam tomar decisões em todos os aspectos: o que fazer, como fazer, a que horas fazer. Com isso, sentem como mais real a possibilidade e o medo do fracasso, o medo das outras crianças, de ser rejeitadas, de ser reprovadas. Uma criança que aprendeu a assumir responsabilidades, ainda no ambiente familiar, já experimentou pressões e, provavelmente, saberá lidar melhor com elas na escola. Então, pode-se levantar a possibilidade de que a ansiedade que o ambiente escolar traz a uma criança, de modo que esta apresente sintomas somáticos, possa indicar que não houve uma preparação adequada da mesma por parte da família para iniciar sua vida escolar e social. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

18 Juliana Machado Soares; Leda Gomes Todos os sujeitos do grupo de pós-graduados afirmam que gostavam de ir e de estar na escola. Este dado pode demonstrar que gostar do ambiente escolar favorece a opção de ingressar no meio acadêmico e dar continuidade aos estudos. Quando a questão referia-se às lembranças da professora, no grupo do ensino médio a relação com a professora foi problemática para a maioria da amostra, ocasionando medo e mal-estar no aluno, ou sendo distante deste. Porém, um dos sujeitos a classificou como mãe, ou seja, o professor não exercia seu papel real, ou posicionava-se com autoritarismo ou com superproteção materna. Já no segundo grupo (pós-graduação), o professor foi visto de forma positiva por metade dos sujeitos e depreciado pela outra metade, ou porque não se recordava não foi importante ou porque não dispunha de competência para a função exercida. Ocorreu uma intelectualização do grupo dos pós-graduados ao se referirem à professora. Talvez esse dado revele mais uma vez a auto-estima elevada deste grupo. Ao contrário, a maioria das pessoas que cursaram até o Ensino Médio revelaram terem se sentido inferiorizadas diante delas, revelando baixa auto-estima. Segundo Clemes e Bean (1995), a criança com baixa auto-estima rebaixa seus talentos e culpa os outros pelas próprias fraquezas, e isso pode ser verificado neste grupo, quando afirmam sentir-se mal diante da professora e não conseguir falar com ela devido à sua postura de distanciamento. No que se refere às lembranças dos colegas, os sujeitos do primeiro grupo, em sua maioria citaram bom relacionamento, referência às brincadeiras. Apenas um sujeito se via em posição inferior aos colegas e diz, por este motivo, ter-se mantido afastado deles. Aqui, a lembrança é relacionada a motivos de ordem social e financeira. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

19 A vivência escolar primária e sua influência na decisão pela continuidade dos estudos acadêmicos Os sujeitos do grupo de pós-graduação citam bom relacionamento com os colegas em sua totalidade, no entanto, dois dos sujeitos ainda acrescentaram que os selecionavam de acordo com o interesse em seu comportamento. Novamente pode-se notar uma conduta racional, desta vez no fato de selecionar amizades de acordo com os próprios interesses. Metade dos sujeitos do grupo que cursou até o Ensino Médio acredita que os colegas tinham uma imagem positiva a respeito deles. Uma pessoa apenas afirmou que foi vista pelos colegas como alguém de classe social inferior e que não contava com a participação de sua mãe. Um dos sujeitos do grupo dos pós-graduados disse não saber que imagem os colegas tinham de si; apenas um disse ter uma boa imagem perante os colegas. Metade da amostra deste grupo acredita que era vista como alguém que se afastava deles possivelmente por um sentimento de superioridade. Com isso, revelam auto-estima elevada e que pode ter sido reforçada pelos pais e até mesmo pelos professores, por exemplo. Quando foram questionados sobre as próprias lembranças um sujeito do grupo dos que cursaram até o Ensino Médio, classificou-as como ótimas e outro disse que hoje, apenas, sente saudade. Os demais se referiram a lembranças negativas. No grupo de pós-graduados houve metade das respostas positivas no que se refere às lembranças da fase escolar em discussão. Um sujeito afirmou que a vivência escolar primária não fez parte de si, ao passo que um outro sujeito disse que tais vivências foram a base para o que é hoje. Ou seja, o grupo de pessoas que deu continuidade aos estudos acadêmicos possui melhores recordações referentes à fase escolar primária. O que se pode concluir: Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

20 Juliana Machado Soares; Leda Gomes Ainda que com uma pequena amostra e com o caráter exploratório do estudo pode-se perceber que as pessoas que interromperam seus estudos após concluído o Ensino Médio tiveram uma vivência escolar primária predominantemente negativa. Há mais recordações ruins e problemas ligados ao afeto, como o sentimento de desamparo da família, dos colegas e medo da professora. Um dos sujeitos, inclusive, revela angústia por não se recordar de muita coisa, o que sugere dificuldade para entrar em contato com algumas vivências que podem ter sido desfavoráveis. Já os sujeitos que prosseguiram seus estudos até a pósgraduação revelam forte intelectualização, inclusive das relações que tinham no período escolar primário. Ou seja, não permitiram que questões afetivas os angustiassem, mas racionalizaram e penderam para o sentimento, segundo Erikson, de produtividade, buscando a competência e o desejo de aprender e trabalhar. Porém, essa atitude parece tê-los feito lidar com as relações humanas de forma prática, pouco afetiva, racional e seletiva. A oportunidade de realizar esse estudo suscitou na pesquisadora importantes reflexões acerca do cuidado que educadores e todos os profissionais que trabalham com crianças deveriam tomar em sua conduta diária. Além disso, demonstrou que a vivência escolar primária é rica em possibilidades enriquecedoras ou destrutivas e que a possibilidade de lembrar dela desencadeia boas oportunidades de pensar e reavaliar a própria vida. Referências Bibliográficas COUTHENX, M. H. T. S. (1997) Uma Contribuição ao Estudo da Relação Professor-aluno. Trabalho de graduação interdisciplinar apresentado à Faculdade de Psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo. Boletim de Iniciação Científica em Psicologia 2001, 2(1):

A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO SENSO DE LIMITES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ALMASAN, Daisy Ariane Acadêmica do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG Garça/SP - Brasil e-mail: daisyalmasan@yahoo.com.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com.

A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com. A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com.br Inúmeras são as razões pelas quais uma pessoa busca psicoterapia.

Leia mais

Afetividade: Caminho pada a aprendizagem

Afetividade: Caminho pada a aprendizagem PEREIRA, Maria José de Araújo 1 GOLÇALVES, Renata 2 Afetividade: Caminho pada a aprendizagem 12 RESUMO Este artigo tem como objetivo investigar a importância da afetividade na aprendizagem, identificando

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO

PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO PLANEJAMENTO ANUAL DE PSICOLOGIA ENSINO MÉDIO DOCENTE: Luciana Armesto Pedrassi ANO:2013 Para Marcel Proust: O verdadeiro ato da descoberta não consiste em encontrar novas terras, mas, sim, em vê-las com

Leia mais

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO (BOARDED SUBJECTS IN THE PHYSICAL EDUCATION FOR HIGH SCHOOL) Andreia Cristina Metzner 1 ; Juliana da Silva 2 1 Bebedouro SP acmetzner@hotmail.com

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON

O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON DADOS BIBLIOGRÁFICOS Erik Erikson nasceu na Alemanha, em 1902, e morreu em 1990. Uniu-se ao grupo de Freud em 1927; Psiquiatra infantil, emigrou para os EUA

Leia mais

A PERCEPÇÃO DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL POR PROFESSORES E ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UM COLÉGIO DA REDE ESTADUAL DE CURITIBA-PR

A PERCEPÇÃO DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL POR PROFESSORES E ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UM COLÉGIO DA REDE ESTADUAL DE CURITIBA-PR A PERCEPÇÃO DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL POR PROFESSORES E ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UM COLÉGIO DA REDE ESTADUAL DE CURITIBA-PR Resumo Sandra Larson * PUCPR Romilda Teodora Ens ** - PUCPR A pesquisa objetiva

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA *Sandra Rejane Silva Vargas **Luiz Fernandes Pavelacki RESUMO O presente trabalho tem como principal objetivo identificar qual a importância

Leia mais

Faça amizades no trabalho

Faça amizades no trabalho 1 Faça amizades no trabalho Amigos verdadeiros ajudam a melhorar a saúde, tornam a vida melhor e aumentam a satisfação profissional. Você tem um grande amigo no local em que trabalha? A resposta para essa

Leia mais

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL INFLUÊNCIAS NO PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL 2011 Bruno Fernandes Carla Brasilino Juliano Fávero Mariabile Túlio Email: bruno.fergon@hotmail.com RESUMO O objetivo deste artigo é discutir a questão

Leia mais

RESUMO. O recurso dos Jogos como ferramenta importante utilizada pelos bolsistas do PIBID para o ensino de matemática nas series iniciais.

RESUMO. O recurso dos Jogos como ferramenta importante utilizada pelos bolsistas do PIBID para o ensino de matemática nas series iniciais. RESUMO O recurso dos Jogos como ferramenta importante utilizada pelos bolsistas do PIBID para o ensino de matemática nas series iniciais. Kayte Katiane Linhares Pereira 1 Pedro Winícius de Almeida Gomes

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR A importância do brincar na educação infantil segundo uma visão Winnicottiana Márcia Molina Cavalcanti Faculdade Carlos Drummond de Andrade Docente de Metodologia do Trabalho

Leia mais

Psicologia da Educação de Jovens e Adultos. Professora Ivalina Porto Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento humano

Psicologia da Educação de Jovens e Adultos. Professora Ivalina Porto Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento humano Psicologia da Educação de Jovens e Adultos Professora Ivalina Porto Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento humano Psicologia no processo ensino aprendizagem Porto (1999) Humanidade é tarefa

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas *Vanessa Ferreira Silva Breve histórico da psicopedagogia De acordo com Bossa (2000, p.37) a psicopedagogia surgiu na Europa, mais precisamente

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Autor(es) MAGDA J. ANDRADE DE BARROS Co-Autor(es) ALCIDES JOSÉ SCAGLIA RILLER SILVA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO ARTIGO A RESILIÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR E O PAPEL DO PROFESSOR ZÍPORA RAQUEL DE PAULA Resende RJ 2014.1

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

A criatividade a serviço do saber

A criatividade a serviço do saber A criatividade a serviço do saber Walmir Gomes A escola é o espaço responsável pelo desenvolvimento do homem como sujeito de sua história, ela deve prepará-lo para uma socialização com o meio, no entanto

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA Kelly Christinne Maia de Paula* Márcia Regina Ferreira de Brito** RESUMO O desenvolvimento das habilidades matemáticas das crianças é interesse de professores

Leia mais

GERAÇÃO CANGURU : UMA NOVA CONFIGURAÇÃO DA FAMÍLIA CONTEMPORÂNEA

GERAÇÃO CANGURU : UMA NOVA CONFIGURAÇÃO DA FAMÍLIA CONTEMPORÂNEA GERAÇÃO CANGURU : UMA NOVA CONFIGURAÇÃO DA FAMÍLIA CONTEMPORÂNEA Bruna Gonzalez Machado 1 Juliana Carmona Predebon 2 RESUMO O presente artigo aborda o tema da Geração Canguru com o objetivo de conhecer

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD A CONTRIBUIÇÃO DOS FATORES MOTIVACIONAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES ANDREA FERREIRA DA COSTA rafaela modolo de pinho EDINALVA DELL ARMI MAROTTO ACONTRIBUIÇÃODOSFATORESMOTIVACIONAISPARAOSUCESSODASORGANIZAÇÕES

Leia mais

A família da criança deficiente

A família da criança deficiente A família da criança deficiente Leonice Moura Naiana Valério Alunas do Curso de Mestrado do Programa de em Distúrbios do da Universidade Presbiteriana Mackenzie RESUMO Este trabalho buscou mostrar a estrutura

Leia mais

A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Resumo O presente artigo aborda de forma qualitativa e quantitativa os fatores motivacionais

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA VUNESP

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA VUNESP RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DA VUNESP TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental SELEÇÃO DAS QUESTÕES 1. EDITAL DO CONCURSO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO; 2. BANCA VUNESP REQUISITOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

TÍTULO: EXPERIÊNCIA RELIGIOSA E DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO NA ADOLESCÊNCIA: UMA COMPREENSÃO FENOMENOLÓGICA

TÍTULO: EXPERIÊNCIA RELIGIOSA E DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO NA ADOLESCÊNCIA: UMA COMPREENSÃO FENOMENOLÓGICA TÍTULO: EXPERIÊNCIA RELIGIOSA E DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO NA ADOLESCÊNCIA: UMA COMPREENSÃO FENOMENOLÓGICA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Psicologia

Revista Científica Eletrônica de Psicologia A IMPORTÂNCIA DE ATIVIDADES LÚDICAS NO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DE CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA DE 3 A 6 ANOS. RESUMO. Daniela, SCARPINELLI¹. Gabriel Gonçalves, MATTOS². O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

A Pedagogia Ontopsicológica na formação do aluno como um ser responsável de sua aprendizagem

A Pedagogia Ontopsicológica na formação do aluno como um ser responsável de sua aprendizagem A Pedagogia Ontopsicológica na formação do aluno como um ser responsável de sua aprendizagem Estela Maris Giordani Universidade Federal de Santa Maria / Faculdade Antonio Meneghetti estela@pesquisador.cnpq.br

Leia mais

O que é Ser Adulto Ari Batista de Oliveira Mestre em Andragogia pela University of Minnesota - USA

O que é Ser Adulto Ari Batista de Oliveira Mestre em Andragogia pela University of Minnesota - USA X SÉRIE: FACILITAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1. Introdução 2. A Educação do Adulto 3. O que é Ser Adulto 4. A Aprendizagem de Adulto 5. Compartilhamento de Adultos 6. Conclusão/Bibliografia O que é Ser Adulto

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL A TEORIA DE ERIK

ASPECTOS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL A TEORIA DE ERIK PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS A TEORIA T DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL DE ERIK ERIKSON Notas Biográficas Aspectos teóricos Proposições

Leia mais

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL

ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL ADOLESCÊNCIA, FAMÍLIA E PROTEÇÃO SOCIAL: INTERVENÇÕES DA PSICOLOGIA NO CONTEXTO FAMILIAR E EDUCACIONAL CEZAR, Pâmela Kurtz; MELLO, Lauren Machado. Revisão Bibliográfica Curso de Pós Graduação: Especialização

Leia mais

A Importância Da Educação Infantil No Processo De Alfabetização

A Importância Da Educação Infantil No Processo De Alfabetização A Importância Da Educação Infantil No Processo De Alfabetização Autora: Joseana Pereira Silva (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A educação infantil é a primeira fase da escolarização

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. & HERCULANO, L. R. F. 2013. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E O SERVIÇO SOCIAL

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. & HERCULANO, L. R. F. 2013. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E O SERVIÇO SOCIAL 13 Artigo original GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA E O SERVIÇO SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S 1 ; HERCULANO, L. R. F. Nome Completo: Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido em: 21/05/2013 Aceito em: 30/08/2013

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja.

Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. Dicas do que você deve fazer desde cedo para educar seu filho a ser determinado e capaz de conquistar o que ele deseja. O primeiro passo para conquistar algo é acreditar que é possível. Se não, a pessoa

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL Emiliano Jaskulski 1 Milena da Silva Costa 2 Roselaine Londero Mossatti 3 Mara Regina Nieckel da Costa 4 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

IMAGINÁRIO SOCIAL DOS ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN EM RELAÇÃO SEU FUTURO

IMAGINÁRIO SOCIAL DOS ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN EM RELAÇÃO SEU FUTURO Título: IMAGINÁRIO SOCIAL DOS ADOLESCENTES COM SÍNDROME DE DOWN EM RELAÇÃO SEU FUTURO Área Temática: Educação Especial Autores: LADIMARI TOLEDO GAMA (1) SORAIA NAPOLEÃO FREITAS (2) E REINOLDO MARQUEZAM

Leia mais

BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE

BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE Jenifer Malgarin Kitamura RESUMO A proposta deste artigo é apresentar os benefícios da inserção de atividades lúdicas do brincar na escola. A mesma pode

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Equipe de Alta Performance

Equipe de Alta Performance Equipe de Alta Performance Como chegar a ser uma EAP? Intelectual Razão Cognição Meta Estratégia EQUIPE EAP (Time) BANDO GRUPO Emocional Motivação Relação Ajuda O que é uma Equipe? Éumgrupodepessoas: com

Leia mais

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA

NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Criando Filhos Edificação da Família 45 Sétima Lição NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA NECESSIDADES BÁSICAS DA CRIANÇA Todo ser humano tem necessidades que são básicas em sua vida. A primeira delas todos

Leia mais

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física. 1-Resumo

Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física. 1-Resumo Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física Professora Denise Cristina Mazia Facio Pires -Resumo O objetivo desta pesquisa foi verificar o

Leia mais

Envelhecimento e atividade física: Análise das relações pedagógicas professor/aluno

Envelhecimento e atividade física: Análise das relações pedagógicas professor/aluno OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 345-350 INTEGRAÇÃO 345 Envelhecimento e atividade física: Análise das relações pedagógicas professor/aluno GLÁUCIA REGINA FALSARELLA* mariangela gagliardi caro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

O papel das emoções na nossa vida

O papel das emoções na nossa vida O papel das emoções na nossa vida Ao longo da vida, os indivíduos deparam-se com uma variedade de situações que exigem o recurso a variadas competências de modo a conseguirem uma gestão eficaz das mesmas.

Leia mais

AS RELAÇÕES AFETIVO-COGNITIVAS PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E O SUCESSO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

AS RELAÇÕES AFETIVO-COGNITIVAS PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E O SUCESSO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM ISSN 1981-2566 AS INTER-RELAÇÕES AFETIVO- COGNITIVAS PROFESSOR-ALUNO E O SUCESSO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Celeida Belchior Garcia Cintra Pinto UniCEUB celeidacintra@uol.com.br INTRODUÇÃO O artigo

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371

Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371 Portaria nº 17/99, de 22 de Abril JORNAL OFICIAL Nº 16 I SÉRIE 22-4-1999 PAG. 371 Considerando que a Portaria 100/97, de 18 de Dezembro, determina que no âmbito da educação Extra-Escolar podem ser criados

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES PARA O DESENVOLVIMENTO NA TERCEIRA INFÂNCIA.

ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES PARA O DESENVOLVIMENTO NA TERCEIRA INFÂNCIA. ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES PARA O DESENVOLVIMENTO NA TERCEIRA INFÂNCIA. RESUMO Patrícia Pedroso Fernandes¹, Reivane Lopes Cassiano¹, Ricardo Bortolieiro Palazetti¹ Ana Paula Barbosa². UNIVERSIDADE DE

Leia mais

PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS

PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS Piaget PRINCÍPIOS EPISTEMOLÓGICOS Vygotsky Wallon Freire EXPERIÊNCIA BASE COGNITIVA INTERNA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO UM DOS MECANISMOS DA CONSTRUÇÃO DO SABER ESFORÇO DE COMPREENDER E DAR SIGNIFICADO

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 486 VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA * Camila Tworkowski ** Luciano Leal Loureiro RESUMO O presente artigo procura relatar através de uma revisão de literatura a importância

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler LIDERANÇA Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Conceito de liderança Primeiras teorias Abordagens contemporâneas Desafios à liderança Gênero

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA?

AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? AFETIVIDADE E EDUCAÇÃO: A RELAÇÃO PROFESSOR/ALUNO INTERFERE NA PREFERÊNCIA DA DISCIPLINA? ZONTA, Marinez Arruda FACIAP/UNIPAN FERREIRA, Josiane Peres FACIAP/UNIPAN e PUCRS RESUMO

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

Jogos Lúdicos na Educação Infantil CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS

Jogos Lúdicos na Educação Infantil CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Jogos Lúdicos na Educação Infantil EDUARDO A. SCORZELLI (grupo_meer@hotmail.com) CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Resumo: A importância do lúdico,

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais