DOING B U S I N E S S BRAZIL. Perfil do País Tipos de Sociedade Sistema Trabalhista Sistema Tributário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOING B U S I N E S S BRAZIL. Perfil do País Tipos de Sociedade Sistema Trabalhista Sistema Tributário"

Transcrição

1 Todos os direitos reservados - Controller - Proibida a impressão total ou parcial sem autorização DOING B U S I N E S S BRAZIL Perfil do País Tipos de Sociedade Sistema Trabalhista Sistema Tributário

2 CONTROLLER attitude changes everything Quem Somos A Controller iniciou suas atividades em 1989, destacando-se no segmento de prestação de serviços de Auditoria e Consultoria, compreendendo as áreas: Contabilidade, Tributos, Recursos Humanos e Legalização de Empresas. > A Controller é a única associada no Ceará da Rede Nacional de Contabilidade RNC, que oferece solução nacional em serviços com o mesmo padrão contábil e tributário em todo o Brasil. A Controller é firma membro da Moore Stephens International MSI com atuação em auditoria e consultoria nas principais cidades do mundo. Serviços Auditoria Contabilidade Outsourcing Fiscal Estadual e Municipal Tributário Federal Legalização de Empresas Perícia Advocacia Empresarial Recursos Humanos Contato: Rua Tibúrcio Cavalcante, Aldeota - Cep: Tel: (55 85) Fax: (55 85) Fortaleza - Ceará - Brasil

3 SUMÁRIO PALAVRA DO PRESIDENTE PALAVRA DO PRESIDENTE 4 Editorial...5 PERFIL DO PAÍS Território... 7 Demografia... 9 Infraestrutura Idioma Cédulas e moedas Sistema político CONSTITUIÇÃO FEDERAL 13 TIPOS DE SOCIEDADE Sociedade Simples Sociedade em Nome Colet Sociedade em Com. Simples SOCIEDADE LIMITADA 17 Sociedade por Ações Sociedade Cooperativa Empresa Individual Empreendedor Individual EIRELI SISTEMA TRABALHISTA SISTEMA TRIBUTÁRIO Consolidação das leis de trab. CLT Termos para registro/contratratação..23 Condições de trabalho Duração do trabalho Transferência de empregados Período de experiência Término do emprego Remuneração TRIBUTOS FEDERAIS 33 Tributos Estaduais Tributos Municipais Incentivos fiscais Aspectos tributários internacionais.. 51 Tratado de tributação Alíquotas de imp. retido na fonte Benefícios agregados Salário Adicional SALÁRIO MÍNIMO 28 Deduções e reduções Igualdade de oportunidades Direitos trabalhitas Imposto sobre os salários Jurisdição com baixa tributação Juros sobre capital próprio Royalties Honorários por serviços Ganhos de capital Tributação e lucros estrangeiros Registro como contribuinte CNPJ ENGLISH VERSION Country profile Types of companies Labor system Consolidation of Labor Laws (CLT) Tax system... 65

4 PALAVRA DO PRESIDENTE > ROBINSON DE CASTRO E SILVA Desde 1989, a Controller está comprometida com os resultados de seus clientes, numa relação de confiança construída e cultivada com base na competência, comportamento ético, pensamento estratégico e perfil inovador. A busca contínua pela excelência na prestação dos serviços, sintonizada com as tendências e avanços tecnológicos, o investimento no aprimoramento pessoal e profissional dos auditores e consultores, a ênfase no atendimento às necessidades e expectativas dos clientes, além de ações voltadas à responsabilidade social com reflexos para a comunidade, têm sido os norteadores da Controller. 4

5 EDITORIAL Presidente: Robinson de Castro e Silva Diretora Geral: Solange Marinho Diretora Técnica: Sabrina Cavalcante Diretor Técnico: Moisés Gomes Texto: Controller/ Moore Stephens Brasil Fotos: Controller, StockFotos, freepik.com, stock.xchng Diagramação: Arte Final Comunicação (85) (85) Projeto Gráfico: Fco. Cláudio R. Veras - Arte Final Comunicação 5

6 PERFIL DO PAÍS PERFIL DO PAÍS > Território... 7 Demografia... 9 Infraestrutura...10 Idioma...11 Cédulas e moedas...11 Sistema político...12 Constituição Federal

7 PERFIL DO PAÍS Território O Brasil é o 5 maior país do mundo, com área total de 8.5 milhões de metros quadrados, cobrindo aproximadamente metade da América do Sul. O país é dividido em cinco regiões: Norte: compreende a maior parte da Bacia Amazônica, além dos Estados do Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, Pará, Amapá e Tocantins. A região abrange cerca de 45% do território brasileiro, mas possui apenas 7% da população total do país. Nordeste: compreende os Estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia. A região ocupa 18% da área total do País. Centro-Oeste: compreende os Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Na região está localizada a capital do País Brasília. Na região vive cerca de 6% da população brasileira. Sudeste: compreende os Estados de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo. A região ocupa cerca de 10% do território brasileiro e abriga a maior população do País, quase 65 milhões de pessoas. Sul: compreende os Estados de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Na região, vive 22 milhões de brasileiros. Essas regiões contemplam os seguintes Estados, capitais e principais cidades: Região Norte Estados Capitais Principais cidades Acre (AC) Rio Branco Cruzeiro do Sul Amazonas (AM) Manaus Itacoatiara, Coari, Maués, Parintins Roraima (RR) Boa Vista Caracaraí Rondônia Porto Velho Ji Paraná, Vilhena Pará (PA) Belém Ananindeua, Castanhal, Santarém, Altamira, Marabá, São Felix do Xingu Amapá (AP) Macapá Oiapoque, Calçoene Tocantins (TO) Palmas Araguaina 7

8 PERFIL DO PAÍS Região Nordeste Estados Capitais Principais cidades Maranhão (MA) São Luis Pinheiro, Imperatriz, Bacanal, Balsas Piauí (PI) Teresina Parnaíba, Picos, Floriano Ceará (CE) Fortaleza Sobral, Juazeiro do Norte, Caucaia, Maracanaú, Crato Rio grande do Norte (RN) Natal Mossoró, Parnamirim Paraíba (PB) João Pessoa Campina Grande, Patos, Souza Pernambuco (PE) Recife Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Caruaru, Petrolina Alagoas (AL) Maceió Arapiraca, Palmeira dos Índios Sergipe (SE) Aracaju Estância, Itabaiana Bahia (BA) Salvador Feira de Santana, Vitória da Conquista, Ilhéus, Porto Seguro, Camaçari, Itabuna Região Centro-Oeste Estados Capitais Principais cidades Mato Grosso (MT) Cuiabá Varzea Grande, Rondonópolis Mato Grosso do Sul (MS) Campo Grande Dourados, Corumbá Goiás (GO) Goiânia Anápolis, Jataí, Itumbiara, Rio Verde Distrito Federal (DF) Brasília - Região Sudeste Estados Capitais Principais cidades Minas Gerais (MG) Belo Horizonte Montes Claros, Uberlândia, Uberaba, Ouro Preto, Contagem, Betim, Juiz de Fora Espírito Santo (ES) Vitória Cachoeiro do Itapemirim Rio de Janeiro (RJ) Rio de Janeiro Niterói, São Gonçalo, Petrópolis, Volta Redonda, Duque de Caxias São Paulo (SP) São Paulo São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, Presidente Prudente, Bauru, Campinas, Sorocaba, Santos Região Sul Estados Capitais Principais cidades Paraná (PR) Curitiba Londrina, Maringá, Cascavel, Paranaguá, Foz do Iguaçu Santa Catarina (SC) Florianópolis Joinville, Chapecó, Lages, Blumenau, Criciúma Rio Grande do Sul (RS) Porto Alegre Caxias do Sul, Uruguaiana, Pelotas, Rio Grande, Chuí, Canoas, Novo Hamburgo 8

9 PERFIL DO PAÍS Demografia Segundo os dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2010 (última pesquisa de Censo realizada no País), as áreas urbanas concentram 84,36% da população, sendo a região Sudeste a mais populosa, com mais de 80 milhões de habitantes. Os dados do Censo 2010 revelam: População total: milhões de habitantes Densidade demográfica: 22,4 habitantes/km² Habitantes por região: Norte ; Nordeste ; Centro-Oeste ; Sudeste ; Sul População por sexo: Mulheres ; Homens Expectativa de vida: 73,48 anos (73 anos, 5 meses e 24 dias) Taxa de fecundidade: 1,86 filhos por mulher 9

10 PERFIL DO PAÍS Infraestrutura Os dados abaixo foram obtidos por levantamento realizado em 2010, pelo Ministério de Minas e Energia, Ministério dos Transportes, Ministério das Cidades, Agência Nacional de Transportes Terrestres e Infraero: Malha rodoviária: ,4 km de malha rodoviária federal pavimentada; e ,0 km de malha rodoviária total pavimentada Aeroportos: 67 aeroportos com capacidade total para 128,1 milhões de passageiros/ano Portos: 216 Hidrovias: 58 Saneamento básico: atendimento total de água 81,2%; atendimento de água urbano 94,7%; atendimento de coleta de esgoto total 43,2%; atendimento de coleta de esgoto urbana 50,6 %; tratamento de esgoto total 34,6% Matriz energética: Produção de petróleo: 2,18 milhões de barris por dia Energia elétrica: consumo total de GWh. Gás natural: 69 milhões de metros cúbicos por dia Pré-sal: 65,2 mil bbl/d e 2,312 milhões m³/d de gás natural Biodiesel: 2,4 bilhões de litros Etanol: 27,9 bilhões de litros Usinas: Hidrelétrica Gás Biomassa Petróleo Nuclear - 2 Carvão Mineral - 9 Eólica - 50 Solar 4 10

11 > PERFIL DO PAÍS Idioma O português é atualmente a oitava língua mais falada no mundo e terceira entre os países ocidentais, atrás apenas do inglês e espanhol. Cerca de 200 milhões de pessoas se comunicam através do idioma, adotado oficialmente em oito países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. É também uma das línguas oficiais da União Européia, desde que Portugal passou a integrar o grupo. O português foi introduzido no Brasil com a colonização portuguesa. Cédulas e moedas A moeda atual de circulação no País é o Real. O Real surgiu em 1994 e possui seis cédulas e seis moedas. O processo inflacionário fez com que o governo efetuasse sete mudanças no padrão monetário brasileiro: Cruzeiro Novo em 1967, novamente Cruzeiro em 1970, Cruzado em 1986, Cruzado Novo em 1989, que pela primeira vez trazia a imagem da Efígie da República, que hoje ilustra as notas do Real, em seguida, mais uma vez o Cruzeiro em 1990, Cruzeiro Real em 1993 e, finalmente, o Real, em

12 PERFIL DO PAÍS Sistema político O Brasil é uma República Federativa Presidencialista, formada pela União, Estados e Municípios, em que o exercício do poder é atribuído a órgãos distintos e independentes, submetidos a um sistema de controle para garantir o cumprimento das leis e da Constituição. O Brasil é uma República porque o Chefe de Estado é eleito pelo povo, por período de tempo determinado. É Presidencialista porque o presidente da República é Chefe de Estado e também Chefe de governo. É Federativa porque os Estados têm autonomia política. A União está divida em três poderes, independentes e harmônicos entre si: o Legislativo, que elabora leis; o Executivo, que atua na execução de programas ou prestação de serviço público; e o Poder Judiciário, que soluciona conflitos entre cidadãos, entidades e o Estado. O Brasil tem um sistema político pluripartidário, ou seja, admite a formação legal de vários partidos. O partido político é uma associação voluntária de pessoas que compartilham os mesmos ideais, interesses, objetivos e doutrinas políticas, que tem como objetivo influenciar e fazer parte do poder político. O Brasil é uma República porque o Chefe de estado é eleito pelo povo, por período de tempo determinado. 12

13 PERFIL DO PAÍS Constituição Federal A Constituição de 1988 pode ser considerada o auge de todo o processo de redemocratização brasileiro. Lei fundamental e suprema do país, a Constituição da República Federativa do Brasil, foi promulgada em 5 de outubro de Isto é, a Assembleia Constituinte, formada por deputados e senadores eleitos, escreveu e aprovou uma nova Constituição, que também pode ser chamada de Carta Constitucional. A Constituição de 1988 pode ser considerada o auge de todo o processo de redemocratização brasileiro. Ela é a sétima versão na história da República. Sua promulgação marcou o início da consolidação da democracia, após os anos da ditadura militar. Os brasileiros entraram nos anos 90 sob comando do primeiro presidente eleito diretamente pelo povo desde

14 TIPOS DE SOCIEDADE TIPOS DE SOCIEDADE > Sociedade Simples...15 Sociedade em Nome Coletivo...16 Sociedade em Comandita Simples...16 Sociedade Limitada...17 Sociedade por Ações...18 Sociedade Cooperativa...19 Empresa Individual...20 Empreendedor Individual...20 EIRELI

15 TIPOS DE SOCIEDADE Sociedade Simples É considerada sociedade simples aquela cujo objeto social seja decorrente de profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com concurso de auxiliares ou colaboradores, ou seja, considerase sociedade simples a antiga sociedade civil. Esta sociedade tem natureza contratual, não sendo caracterizada como sociedade empresária. Os bens particulares dos sócios poderão ser executados por dívidas da sociedade, mas apenas depois de executados os bens sociais, se estes forem insuficientes para saldar as dívidas. Neste caso, os sócios respondem com o seu patrimônio social na proporção que participam das perdas sociais, salvo se houver no contrato social cláusula estipulando a responsabilidade solidária. Para se alterar o contrato social, é necessária votação e unanimidade, quando o contrato determina quorum diferente. Esta sociedade tem natureza contratual, não sendo caracterizada como sociedade empresária. 15

16 TIPOS DE SOCIEDADE Sociedade em Nome Coletivo Na sociedade em nome coletivo os sócios respondem pelas obrigações da sociedade solidária e ilimitadamente. Isto significa que, os credores podem exigir o que lhes é devido de qualquer um dos sócios e sócios respondem com todo o patrimônio pessoal. Apesar disso, assim como o contrato pode estabelecer que sócios são os administradores, o mesmo pode estabelecer e limitar a responsabilidade de cada sócio. Sociedade em Comandita Simples A sociedade em comandita simples é formada por sócios de duas categorias: os comanditados, pessoas físicas, responsáveis solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais; e os comanditários, obrigados somente pelo valor de sua quota. As sociedades por comandita simples são regidas supletivamente pelas normas da sociedade em nome coletivo, cabendo aos sócios comanditados os mesmos direitos e obrigações dos sócios em nome coletivo. Sem prejuízo da faculdade de participar das deliberações da sociedade e de fiscalizar suas operações, não pode o comanditário praticar nenhum ato de gestão nem ter o nome da firma social, sob pena de ficar sujeito às responsabilidades de sócio comanditado. Neste caso, o contrato deve discriminar os comanditados e os comanditários. 16

17 TIPOS DE SOCIEDADE > Sociedade Limitada Na sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social. Este tipo de sociedade passa a ter um regime consolidado em apenas um diploma legal, pois, a sociedade ente denominada de sociedade por quotas de responsabilidade limitada, tinha seu regime jurídico determinado pelo Decreto n 3.708/1919, revogado, e subsidiariamente pela Lei das Sociedades Anônimas (Lei n 6.404/1976). A aplicação subsidiária da lei das sociedades anônimas continua sendo possível, desde que haja previsão expressa no contrato social. A responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. 17

18 TIPOS DE SOCIEDADE Sociedade por Ações Na sociedade por ações, cabe fazer uma divisão: a sociedade anônima e a sociedade em comandita por ações. Sociedade anônima Na sociedade anônima ou companhia, o capital divide-se em ações, obrigando-se cada sócio ou acionista somente pelo preço de emissão das ações que subscrever ou adquirir. A sociedade anônima rege-se por lei especial (Lei n 6.404/1976 e disposições posteriores), aplicando-se, nos casos omissos, as disposições do Novo Código Civil (artigos e 1.089). Sociedade em Comandita por Ações Esta sociedade tem o capital dividido em ações, regendo-se pelas normas relativas à sociedade anônima. Todavia, neste tipo societário, somente o acionista tem qualidade para administrar a sociedade e, como diretor, responde subsidiária e ilimitadamente pelas obrigações da sociedade (artigos a do Novo Código Civil). A sociedade anônima rege-se por lei especial (Lei n 6.404/1976 e disposições posteriores). 18

19 TIPOS DE SOCIEDADE Sociedade Cooperativa É uma sociedade simples, dessa forma, regulamentada pela Lei 5.764/1971, e deve ser inscrita na Junta Comercial. As características que a definem são: Variabilidade ou dispensa do capital social; Concurso de sócios em número mínimo necessário à composição de seu órgão de administração, sem, entretanto, haver restrição ao número máximo; Limitação das quotas de capital social que cada sócio pode deter; Intransferibilidade das quotas do capital a terceiros estranhos ao corpo de cooperados, ainda que em razão de herança; Quorum de instalação e deliberação da assembléia dos cooperados, estabelecido em razão do número de sócios presentes ao encontro social e não com base no capital representado; Direito de cada cooperado a um só voto; Distribuição do resultado em proporção direta ao valor das operações efetuadas pelo sócio cooperado com a sociedade; Indivisibilidade do fundo de reserva entre os sócios, mesmo em caso de dissolução da sociedade; Responsabilidade dos sócios limitada ou ilimitada em relação às dívidas. 19

20 TIPOS DE SOCIEDADE Empresário Individual O empresário individual nada mais é do que aquele que exerce em nome próprio, atividade empresarial. Trata-se de uma empresa que é titulada apenas por uma só pessoa física, que integraliza bens próprios à exploração do seu negócio. Um empresário em nome individual atua sem separação jurídica entre os seus bens pessoais e os seus negócios, ou seja, não vigora o princípio da separação do patrimônio. Empreendedor Individual O Empreendedor Individual é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza. É aquele que fatura até R$ ,00 por ano, não participa em outra empresa como sócio ou titular e poderá ter apenas um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. A Lei Complementar nº 128, de 19/12/2008, criou condições especiais para que o trabalhador conhecido como informal, possa se tornar um Empreendedor Individual legalizado. Entre as vantagens oferecidas por essa lei, está o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), o que facilitará a abertura de conta bancária, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais. Além disso, o Empreendedor Individual será enquadrado no Simples Nacional. Pagará apenas o valor x mensal de R$ 60,40 (comércio ou indústria) ou R$ 64,40 (prestação de serviços), que será destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS. Essas quantias serão atualizadas anualmente, de acordo com o salário mínimo. Com essas contribuições, o Empreendedor Individual terá acesso a benefícios como auxíliomaternidade, auxílio-doença, aposentadoria, entre outros. 20

21 TIPOS DE SOCIEDADE EIRELI A partir de 9 de janeiro de 2012, pode ser constituída a EIRELI - Empresa Individual de Responsabilidade Limitada, cuja existência decorre da publicação da Lei /2011. A EIRELI será constituída por uma única pessoa titular da totalidade do capital social, devidamente integralizado, que não será inferior a 100 (cem) vezes o maior salário-mínimo vigente no País. O nome empresarial deverá ser formado pela inclusão da expressão EIRELI após a firma ou a denominação social da empresa individual de responsabilidade limitada. A pessoa natural que constituir empresa individual de responsabilidade limitada somente poderá figurar em uma única empresa dessa modalidade. O nome empresarial deverá ser formado pela inclusão da expressão EIRELI após a firma ou a denominação social da empresa individual de responsabilidade limitada. 21

22 SISTEMA TRABALHISTA SISTEMA TRABALHISTA > Sist. Trabalhista Consolidação das leis de trabalho (CLT)...23 Termos para registro/contratação...23 Condições de trabalho...23 Duração do trabalho...24 Transferência de empregados...24 Período de experiência...24 Término do emprego...25 Litígio...25 Remuneração...26 Benefícios agregados...26 Salário Adicional...27 Salário mínimo...28 Deduções e reduções...28 Igualdade de oportunidades...28 Direitos trabalhistas...29 Férias...29 Décimo terceiro salário (bônus de natal)...29 Auxílio família...29 Distribuição de lucros...29 Aviso prévio...30 Considerações gerais...30 Imposto sobre os salários...30 Fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS)...30 Instituto Nacional de Seguro Social...30 Contribuição do empregador...30 Contribuição do empregado

23 SISTEMA TRABALHISTA Sistema trabalhista Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) A Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) juntamente com a Constituição Federal de 1988 são os principais diplomas que regulamentam a legislação trabalhista no País. A seguir, apresenta-se um resumo dos principais temas abordados na legislação: Termos para registro/ contratação Aos empregados é garantido o direito à Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), documento assinado pelo empregador, que apresenta informações como a função exercida, remuneração e jornada de trabalho, constituindo a síntese de qualificações que integram o contrato de trabalho firmado entre as partes. Termos especiais de emprego ou contratos especiais também devem sofrer anotação na CTPS. A contratação de empregados estrangeiros é garantida mediante a apresentação de sua identidade internacional (emitido pelas autoridades brasileiras RNE). Além da assinatura da CTPS, é necessário que o empregador mantenha um registro atualizado de todos os empregados no Livro de Registros da Empresa. Anualmente, deve-se informar ao Ministério do Trabalho sobre o total de empregados existentes na firma, especificando o número de estrangeiros e menores. Condições de trabalho A legislação trabalhista assegura o direito a um ambiente de trabalho digno e saudável. A fim de garantir o conforto e conveniência dos trabalhadores, facilidades de refeição apropriada ou tickets de refeição devem ser fornecidos no local, para empresas com mais de 300 empregados. O início de operações de empresas relacionadas a atividades potencialmente perigosas e/ou insalubres depende da inspeção e aprovação prévia das condições de trabalho oferecidas pelo Ministério do Trabalho. 23

24 SISTEMA TRABALHISTA > Duração do trabalho A jornada de trabalho comum do trabalhador brasileiro tem oito horas diárias, e a semana de trabalho padrão é de quarenta horas. Os empregados têm direito a um período de descanso semanal de 24 horas consecutivas e intervalos regulares para alimentação. Categorias profissionais específicas estão sujeitas a regimes de jornada diferenciados. Transferência de empregados A legislação permite apenas a transferência geográfica do empregado cuja necessidade for comprovada pela empresa. As transferências em caráter temporário exigem o pagamento de adicional de salário não inferior a 25% e as despesas com locomoção devem ser custeadas pelo empregador. Período de experiência Os empregados podem ser admitidos por um período de experiência não superior a 90 dias e prorrogáveis por apenas uma única vez, denominado contrato de experiência. Findo esse prazo, se o vínculo laboral não for encerrado, o contrato torna-se definitivo. 24

25 SISTEMA TRABALHISTA Término do emprego A demissão sem justa causa exige do empregador o pagamento de multa equivalente 50% do valor depositado na conta de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) do empregado. O empregado receberá 40% desse valor e os outros 10% irão para o governo. Se o empregado for demitido por justa causa, o empregador fica dispensado do recolhimento da multa. Se a demissão ocorrer durante a vigência do contrato de experiência, não há incidência dessas verbas. Litígio A rigidez da legislação trabalhista é apontada como um fator de atenção, em comparação as normas de outros países. A cultura de litígio trabalhista e a ausência de flexibilidade das normas que regem o contrato de trabalho são fatores de que vem ser observados, uma vez que as reclamações trabalhistas podem representar despesas para as empresas envolvidas. A legislação trabalhista brasileira permite o ingresso no tribunal até o prazo máximo de 2 anos contados do encerramento do contrato de trabalho, sendo que o empregado pode pleitear o pagamento de verbas referentes aos últimos cinco anos trabalhados. 25

26 SISTEMA TRABALHISTA Remuneração A remuneração é periódica e a regra geral determina que seja paga em moeda corrente nacional mensalmente. O montante salarial é pago 13 vezes durante o ano, em virtude do abono de Natal ou 13º salário, concedido aos empregados ao final do ano calendário. Benefícios agregados Benefícios agregados são aqueles que não integram o salário remuneração ou a parcela salarial in natura e normalmente estão relacionados aos programas de incentivos fiscais promovidos pelo Governo Federal, que concedem benesses fiscais às empresas que custeiam a alimentação, transporte e/ou educação dos trabalhadores. As grandes companhias oferecem ainda planos de pensão e políticas de seguro de vida que também são considerados benefícios agregados, dada sua natureza não salarial. 26

27 SISTEMA TRABALHISTA Salário adicional A legislação estabeleceu as hipóteses em que são devidos adicionais ao salário de remuneração do trabalhador. O pagamento de adicionais está ligado a intensificação do desgaste físico e mental a que o empregado é submetido nas situações em que o adicional é devido, conforme veremos: Horas extras: é o adicional devido pelo trabalho que excede a jornada diária de 8 horas. O valor do adicional deve ser pelo menos 50% superior ao valor da hora regular trabalhada, embora percentuais superiores possam ser estabelecidos por meio de acordos e convenções coletivas entre trabalhados e empregadores. Adicional noturno: é devido pelo trabalho realizado no período noturno, devendo ter remuneração pelo menos 20% superior a hora normal trabalhada no turno do dia. Adicional de periculosidade: é devido aos trabalhadores sujeitos a atividades consideradas perigosas pela legislação, não podendo ser inferior a 30% do salário do empregado. Adicional de insalubridade: é devido aos trabalhadores sujeitos a condições de trabalho consideradas insalubres pela legislação, podendo variar de 10 a 40% do salário do empregado, em virtude do grau de risco de dano potencial à saúde ou ao bem-estar do empregado. O valor do adicional deve ser pelo menos 50% superior ao valor da hora regular trabalhada. 27

28 SISTEMA TRABALHISTA > Salário mínimo Salário mínimo é a contraprestação mensal mínima estabelecida que deve ser paga ao trabalhador. Não pode haver remuneração inferior ao salário mínimo, que atualmente é de R$ 622,00 vigente para o ano de 2012, contudo variações podem ser estabelecidas por categorias profissionais ou regiões geográficas. Deduções e reduções Em virtude da inflexibilidade a que se submetem os direitos trabalhistas no País, não é possível ao empregador efetuar quaisquer deduções das compensações pagas ou creditada aos empregados, com exceção aos cargos comissionados ou deduções prescritas em lei ou acordos coletivos, tais como retenção de impostos, contribuições sociais e sindicais. Igualdade de oportunidades A Legislação criminal brasileira criminaliza a prática da discriminação, inclusive no ambiente de trabalho. As leis trabalhistas consideram que todo o trabalho da mesma função deve ser remunerado em igualdade, independentemente da nacionalidade, idade, sexo ou Estado civil do trabalhador. O Governo Federal promove uma série de programas de ação diretiva para a integração no mercado de trabalho de deficientes físicos, ex-detentos e aprendizes, entre outros. Contudo, diferenças de tempo de serviços, podem ser consideradas nos cálculos para justificar diferentes níveis salariais. Companhias que tem plano de carreira podem ter diferenças em níveis salariais, de acordo com o mérito ou maturidade; contudo, quaisquer planos de carreira devem ser registrados no Ministério do Trabalho. 28

29 SISTEMA TRABALHISTA Direitos trabalhistas Férias Os empregados têm direito a férias remuneradas de até trinta dias, para cada período de 12 meses trabalhados, bem como o recebimento de um bônus de férias equivalente a 1/3 do salário mensal do trabalhador. A legislação estabelece a possibilidade do empregador adquirir até 10 dias de férias do trabalhador, desde que com sua anuência. Décimo terceiro salário (bônus de natal) O trabalhador tem direito ao recebimento do bônus de Natal, ou 13º salário, equivalente a doze avos do salário recebido no mês de dezembro para cada mês de trabalho durante o ano civil. Esse bônus deve ser incluído na base de cálculo das contribuições sociais ou previdenciárias. A legislação estabelece a possibilidade de pagamento do bônus em duas parcelas distantes durante o ano calendário. Auxílio família Para cada filho menor de 14 anos de idade ou dependentes, o trabalhador tem garantido um benefício mensal suplementar por dependente, variável conforme o salário recebido. Essa remuneração suplementar não compõe o cálculo de contribuições sociais (INSS) e outras taxas devidas. Distribuição de lucros As empresas podem estabelecer condições para a distribuição de lucros e resultados obtidos aos trabalhadores. Embora inicialmente não haja obrigação pelo empregador, uma vez concedido o benefício, este submete-se as disposições da legislação vigente, de acordo com as formalidades previstas pela Lei /2000. Sendo atendidas as condições previstas pela legislação, os pagamentos são considerados como despesas dedutíveis pela empresa. 29

30 SISTEMA TRABALHISTA Aviso prévio A rescisão do contrato de trabalho é facultada tanto ao empregado quanto ao empregador, desde que comunicada com antecedência de 30 dias (aviso prévio). Se uma das partes interromper o contrato de trabalho sem observar o aviso prévio, os 30 dias devem ser indenizados a parte contrária, como se tivessem sido trabalhados. Considerações gerais Conforme já foi debatido anteriormente, a Constituição Federal e a Consolidação das Leis do Trabalho são os principais diplomas que regulamentam o direito trabalhista no País, contudo outras normas podem ser estabelecidas por meio de leis federais e acordos e convenções coletivas de trabalho de categorias profissionais. Não incluímos esses detalhes nesta publicação, porém as considerações aqui realizadas são as que têm maior impacto no dia-a-dia das empresas. Impostos sobre os salários Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) A empresa deve contribuir mensalmente ao equivalente a 8% do salário total de cada trabalhador para o FGTS, depositando essa quantia em conta própria de um banco do governo em nome do trabalhador. A utilização do fundo somente é disponibilizada ao empregado em condições especiais, tais como a aposentadoria, demissão sem justa causa, aquisição de casa própria e doença grave, entre outros. Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) Contribuição do empregador 30 As contribuições ao seguro social devem ser pagas mensalmente ao INSS (Instituto Nacional de Segurança Social) pela empresa, em taxa de 20% aplicada aos salários brutos dos empregados acrescido de encargos minoritários (seguro da compensação do trabalhador, contribuição da educacional e contribuições para outras instituições governamentais como o Funrural, Senac, Sesc e Sebrae). > Pagamentos a empregados individuais ou honorários de serviços de gestão para diretores ou gerentes sem vínculo empregatício também estão sujeitos ao pagamento do INSS à taxa de 20%.

Página 1 de 8 IPI - Jurisdição - Regiões fiscais 18 de Maio de 2012 Em face da publicação da Portaria MF nº 203/2012 - DOU 1 de 17.05.2012, este procedimento foi atualizado (novas disposições - tópico

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS

Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS Proposta para a Licitação da Folha de Pagamentos de Benefícios do INSS Brasília, 11 de junho de 2014. SISTEMÁTICA ATUAL Desde 01/01/2010, o INSS direciona os benefícios para o vencedor do Lote, desde que

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA Técnico Bancário Novo AC Cruzeiro do Sul 1618 CR* Técnico Bancário Novo AC Rio Branco 6648 CR * Técnico Bancário Novo AC Sena Madureira 1065 CR* Técnico Bancário Novo AL Maceió 22524 CR * Técnico Bancário

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010

Seleção Territorial Enfrentamento a Violência contra Juventude Negra Classificação 2010 Posição Nome do Município Estado Região RM, RIDE ou Aglomeração Urbana 1 Salvador BA Nordeste RM Salvador 2 Maceió AL Nordeste RM Maceió 3 Rio de Janeiro RJ Sudeste RM Rio de Janeiro 4 Manaus AM Norte

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO NÚCLEO DE ESTUDOS EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1 AC Rio Branco Cerest Estadual (68) 3223-4266 cerest.saude@ac.gov.br AL Maceió Cerest Estadual (82) 3315-2759 (82) 3315-3920 cerest@saude.al.gov.br AL Maceió Cerest Regional (82) 3315-5260 cerest@sms.maceio.al.gov.br

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Regime Fiscal Brasileiro Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Introdução - Base Legal Constituição Federal de 1988 Código Tributário Nacional de 1966 ("CTN") Constituição: estabelece os

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2013 INFORMAÇÕES GERAIS Pessoa Jurídica Lucro Real Tributação com base no lucro efetivo demonstrado através do livro diário de contabilidade (obrigatório) 1. Empresas obrigadas à apuração

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Tributos incidentes sobre os combustíveis

Tributos incidentes sobre os combustíveis Tributos incidentes sobre os combustíveis MARCELO SOBREIRO MACIEL Consultor Legislativo da Área III Tributação e Direito Tributário DEZEMBRO/2011 MARCELO SOBREIRO MACIEL 2 2011 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003

Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Ato Declaratório Executivo Corat nº 27, de 27 de março de 2003 Divulga a Agenda Tributária do mês de abril de 2003. O COORDENADOR-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA, no uso de suas atribuições declara:

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008

PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO. Maio/2008 PGDAS CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Maio/2008 1 CÁLCULO DO VALOR DEVIDO Será disponibilizado sistema eletrônico para realização do cálculo simplificado do valor mensal devido referente ao Simples Nacional. (LC123/2006,

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015

Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil. Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de Bens e Serviços no Brasil Setembro 2015 Investimento Direto Estrangeiro e Tributação de bens e serviços 1. Investimento Direto Estrangeiro Constituição de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Instituto Nacional do Seguro Social INSS Concurso Público para Analista do Seguro Social

Instituto Nacional do Seguro Social INSS Concurso Público para Analista do Seguro Social As inscrições para o concurso público do Instituto Nacional do Seguro Social INSS estarão abertas no período de 12 de agosto a 13 de setembro. São 300 vagas para o cargo de Analista do Seguro Social, sendo

Leia mais

Anexo 3 - Questionários da Pesquisa Industrial Anual - Empresa - 2003 UF MUNICÍPIO NÚMERO DA PASTA

Anexo 3 - Questionários da Pesquisa Industrial Anual - Empresa - 2003 UF MUNICÍPIO NÚMERO DA PASTA Anexo 3 - Questionários da Pesquisa Industrial Anual - Empresa - 2003 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL - EMPRESA

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.11.2014,

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011

ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011 ADE COFIS nº 31 - DOU DE 08/09/2011 Anexo II TABELAS DE CÓDIGO E plano de contas referencial INTRODUÇÃO As tabelas de códigos internas ao Sped terão o seguinte leiaute (separados por ; ponto e vírgula):

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR

ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR ANEXO I DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR A CPSA deverá solicitar, salvo em caso de dúvida, somente um dos seguintes comprovantes de identificação: 1. Carteira

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA

CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO ESPECIALISTA EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA PROGRAMA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS

Leia mais

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS

RENDIMENTOS DO TRABALHO NÃO-ASSALARIADO E ASSEMELHADOS PROGRAMA CURSO DE EXTENSÃO EM TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS - (PIS, COFINS, IRPJ, IRPF, CSLL) 1. MÓDULO DE IMPOSTO DE RENDA TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS FÍSICAS CONTRIBUINTES E RESPONSÁVEIS PESSOAS FÍSICAS

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO SIMPLES NACIONA

CARGA TRIBUTÁRIA PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO SIMPLES NACIONA 49 CARGA TRIBUTÁRIA S NÃO PARA AS EMPRESA OPTANTES PELO L SIMPLES NACIONA A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização

Leia mais

Instituto Nacional do Seguro Social INSS Concurso Público para Analista do Seguro Social

Instituto Nacional do Seguro Social INSS Concurso Público para Analista do Seguro Social As inscrições para o concurso público do Instituto Nacional do Seguro Social INSS estarão abertas no período de 12 de agosto a 13 de setembro. São 300 vagas para o cargo de Analista do Seguro Social, sendo

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS

IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: O IMPACTO DA MODALIDADE DE TRIBUTAÇÃO NO FLUXO DE CAIXA DAS EMPRESAS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA CATEGORIA PROFISSIONAL: CONTADOR NR DO CRC: CRC-DF Nº 2.864 ENDEREÇO

Leia mais

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015

Gestão da Carga Tributária. Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Gestão da Carga Tributária Clube de Empresários CIESP Leste 14/10/2015 Âmbitos: Federal Estadual Municipal Previdenciário e Trabalhista A Carga Tributária Brasileira Produção Normativa Nos últimos 25 anos,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12

TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 TRIBUTÁRIO EM FOCO # Edição 12 Dezembro de 2012 / Janeiro 2013 NOVIDADES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA IOF - OPERAÇÕES DE CÂMBIO - EMPRÉSTIMO EXTERNO - ALÍQUOTA - ALTERAÇÃO DO PRAZO MÉDIO MÍNIMO - DECRETO Nº

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

NELSON WILIANS ADVOGADOS ASSOCIADOS

NELSON WILIANS ADVOGADOS ASSOCIADOS www.nwadv.com.br NELSON WILIANS ADVOGADOS ASSOCIADOS CNPJ UF Cidade CNPJ SP São Paulo 03.584.647/0001-04 PR Londrina 03.584.647/0002-87 RJ Rio de Janeiro 03.584.647/0003-68 DF Brasília 03.584.647/0004-49

Leia mais

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 10 de junho de 2014

Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes. Brasília, 10 de junho de 2014 Audiência Pública Comissão Especial PL 4238/12 Piso Salarial de Vigilantes 1 Brasília, 10 de junho de 2014 Quem Somos? A Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores- FENAVIST,

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011.

INFORMATIVO MENSAL. Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. INFORMATIVO MENSAL Apresentamos a seguir as principais alterações ocorridas na legislação tributária no mês de maio de 2011. I FEDERAL IPI - NOVAS DISPOSIÇÕES SOBRE A SUSPENSÃO DO IMPOSTO NA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

Aspectos Tributários

Aspectos Tributários Aspectos Tributários Principais Tributos IMPOSTOS Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ); Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); Imposto sobre serviços de qualquer natureza

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 1.138, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Aprova a NBC T 3.7 - Demonstração do Valor Adicionado. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS

MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS MANUAL DE PERGUNTAS E RESPOSTAS E-COMMERCE TRIBUTAÇÃO E PRÁTICAS 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS

DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS DECRETO-LEI Nº 7.841 DE 8 DE AGOSTO DE 1945 CÓDIGO DE ÁGUAS MINERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º - Águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99,

ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, ATO DECLARATÓRIO EXECUTIVO CODAC Nº - 99, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2011(DOU de 02/01/2012) Dispõe sobre o preenchimento da Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), em relação a fatos geradores

Leia mais

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação

ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) ANEXO II IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE (IRRF) Item Código/ Variação 1 ANEXO I IMPOSTO SOBRE A RENDA DAS PESSOAS JURÍDICAS (IRPJ) Item Código/ Variação Periodicidade Período de Apuração do Fato Denominação Gerador 1 0220/01 Tr i m e s t r a l A partir do 1º trimestre de

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

GFIP/SEFIP GFIP (Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social) transmitida via Conectividade Social - referente ao mês

GFIP/SEFIP GFIP (Guia de Recolhimento do FGTS e de Informações à Previdência Social) transmitida via Conectividade Social - referente ao mês 04/03 (4ª Feira) IR Retido na Fonte - Fato Gerador - 21 a 28/02/2015. IRRF - Juros sobre Capital Próprio e Aplicações Financeiras, Prêmios e outros rendimentos de Capital - pagamento ou crédito. IOF -

Leia mais