Produção Integrada de Frutas. Dra. Adriana Dantas Tecnólogo em fruticultura UERGS, Vacaria, RS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção Integrada de Frutas. Dra. Adriana Dantas Tecnólogo em fruticultura UERGS, Vacaria, RS"

Transcrição

1 Produção Integrada de Frutas Dra. Adriana Dantas Tecnólogo em fruticultura UERGS, Vacaria, RS

2 Introdução Incremento da produção de frutas alcança, em média, 2,5% ao ano, desde 1990, mantendo a mesma taxa do crescimento das exportações; O processamento de frutas na forma de sucos, doces e outros produtos: concessão de Linha Especial de Crédito (LEC) goiaba, maçã, manga, maracujá, pêssego, banana e mamão incentivar a agroindustrialização no setor, O Brasil, com mais de 30 pólos produtivos, é o terceiro maior produtor mundial de frutas (43 milhões de toneladas), depois da China (175 milhões de toneladas) e da Índia (57 milhões de toneladas);

3 Produção Brasileira de Frutas Cerca de 23 milhões de toneladas de frutas de processamento,; Cerca de 30% destinam-se ao mercado internacional. Desse volume, 18 milhões de toneladas são de laranja, das quais 80% vão para as indústrias e geram mais de US$ 1,2 bilhão de exportação.

4 Colheita brasileira de frutas no Brasil Climas diversos no país Condições de produção a todos os tipos de frutas, tanto de clima tropical como temperado, Produção de frutas durante o ano todo A colheita brasileira de frutas de clima temperado ocorre no período de entressafra no Hemisfério Norte atisticas/producao.asp O aumento da perspectiva de vida e a produção de alimentos saudáveis, fez surgir a chamada geração saúde, difundida principalmente entre europeus e americanos.

5 Principais medidas da União Européia nas importações de frutas de origem brasileiras. Certificado de Importação controla a entrada de frutas dentro dos limites estabelecidos pela Comunidade. O Certificado é liberado pelos países membros em atendimento à solicitação do importador para realizar a importação dentro do prazo especificado, a partir do qual esse certificado perde a validade. Certificado de Importação passou a vigorar na União Européia para maçã, melão, laranja, tangerina entre outras frutas;

6 Principais medidas da União Européia nas importações de frutas de origem brasileiras. Selo Ecológico a questão ecológica e de proteção ambiental é de interesse geral da Comunidade Criado na União Européia o selo ecológico para o produto - instrumento de proteção do consumidor Regras a que o produto é submetido para obter o referido selo atinge desde a produção até descarte, as embalagens no que se refere ao material de fabricação;

7 Principais medidas da União Européia nas importações de frutas de origem brasileiras. c) opinião de operadores elementos restritivos dizem respeito mais diretamente a visão de operadores sobre o comportamento dos exportadores brasileiros e as condições de chegada das frutas Firmar uma marca comercial ou marcas vinculadas às frutas frescas de boa qualidade, ter regularidade e estabilidade no fornecimento das mercadorias, apresentar preços competitivos, trabalhar com distribuidores especializados e fazer campanhas de divulgação promocionais.

8 Sistemas alternativos de Produção Agricultura orgânica; agricultura biodinâmica; agricultura biológica, agricultura ecológica, permacultura Reciclagem de produtos naturais presentes nas propriedade agrícola Solo mais fértil ação benéfica de microorganismos Compostagem de resíduos Cobertura vegetal Diversificação e integrações de explorações Produção Integrada no contexto dos sistemas alternativos de produção MAPA Instruções Normativas n de setembro de 2001 Diretrizes Gerais para a Produção Integrada de Frutas (DGPIF) Normas técnicas Gerais para a Produção Integrada de Frutas (NTGPIF)

9 Características da Produção Integrada Regulação do ecossistema, bem-estar dos animais e preservação dos recursos naturais Minimização dos inconvenientes decorrentes das atividades agrícolas Exploração agrícola no seu conjunto é a unidade de implementação de PI Reciclagem regular dos conhecimentos do empresário agrícola sobre PI Manutenção da estabilidade dos ecossistemas Equilíbrio dos ciclos de nutrientes Preservação e melhoria da fertilidade do solo Fomento a atividade Biológica Qualidade de produtos agrícolas avaliada por parâmetros ecológicos Obrigatoriamente adotada para a proteção das plantas

10 Disposições Gerais PIF Fruticultura moderna Produtos de alta qualidade Conformidade com requisitos da sustentabilidade ambiental Saúde humana Modelo de Avaliação da Conformidade da PIF - setembro de 2002, estabelece a regulamentação da PIF: através de auditorias nas áreas produtivas, receber um selo de conformidade, atestando a qualidade, com a garantia de que todos os procedimentos foram realizados sob o controle de um organismo certificador credenciado pelo Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro, 2004) Conformidade de Frutas Exigência do mercado Legislação Controle e rastreabilidade hábil e permanente

11 Evolução da Produção Integrada de Frutas

12 Definição de PIF Gera alimento e demandas de alta qualidade, mediante a aplicação de recursos naturais ; Substituição de insumo poluentes e a garantia da sustentabilidade da produção agrícola; Enfatiza o enfoque do sistema holístico, Totalidade ambiental como unidade básica Papel central do agro-ecossistema Equilíbrio do ciclo de nutrientes Preservação e melhoria da Fertilidade do Solo Diversidade ambiental - componente essencial Métodos e Técnicas biológico e químico equilibrados Proteção ambiental x retorno econômicos = requisitos sociais

13 Visão holística Um dos princípios da Agroecologia, considera a produção agrícola como uma totalidade maior e mais complexa do que a simples soma das partes (adubação, controle de pragas e doenças, gestão dos resíduos, entre outros) Significa planejar a produção de forma integrada, considerando a propriedade como um "organismo vivo", dinâmico e repleto de interações o enfoque holístico monta e busca lidar com todo o conjunto de fatores (ecológicos, culturais, econômicos, políticos, sociais) que compõem um sistema de produção sustentável

14 Diretrizes Gerais para a PIF Inspeção e Fiscalização, Produção e Comércio de Sementes, Mudas e Produção e Certificação Inspeção, Fiscalização da Produção e Comércio de Fertilizantes, Corretivos, Inoculantes, estimulantes ou Biofertilizantes Legislação Federal de Agrotóxicos; Programa Nacional de Monitoramento e Controle de Resíduos Químicos e Biológicos em Vegetais, Partes de Vegetal e seus Subprodutos; Proteção de Cultivares Regulamento de Defesa Sanitária Vegetal Legislação vigentes sobre Controle de Pragas Importação de Material Vegetal Propagativo procedente de países infestados; Produção, Tipificação, Processamento, Envase, Distribuição, Identificação e Certificação da Qualidade de Produtos Orgânicos; Certificação Fitossanitária de Origem e processos de Permissão de trânsito.

15 Normas Técnicas Gerais para a Produção Integrada de Frutas - NTGPIF Capacitação de Recursos Humanos; Organização de Produtores; Recursos Naturais; Material Propagativo; Implantação de Pomares; Nutrição de Plantas; Manejo e Conservação do Solo; Recursos Hídricos e Irrigação; Manejo da Parte Aérea; Proteção Integrada da Planta; Colheita e Pós-colheita; Análise de Resíduos; Processo de Empacotadoras; Sistema de Rastreabilidade e Cadernos de Campo; Assistência Técnica.

16 Modelo esquemático do processo de manejo da Produção Integrada de Frutas. (adaptado de Titi et. al., 1995).

17 PORTOCARRERO, M.A.; KOSOSKI, A.R. Artigo Alimento Seguro Uma Parceria Salutar. junho de Brasília/DF. MAPA.

18 Normas Técnicas específicas de cada fruta Maçã Instrução Normativa n 5, 22 de setembro de 2005 Uva Instrução Normativa n 11, 18 de setembro de 2003 Manga Instrução Normativa n 12, 18 de setembro de 2003 Mamão- Instrução Normativa n 4, 13 de março de 2003 Caju Instrução Normativa n 10, 26 de agosto de 2003 Pêssego Instrução Normativa n 16, 1 de dezembro de 2003 Melão Instrução Normativa n 13, 1 de dezembro de 2003 Banana Instrução Normativa n 001, 20 de janeiro de 2003 Maracujá Instrução Normativa n 003, 15 de março de 2005 Figo Instrução Normativa n 02, 22 de fevereiro de 2005 Citros Instrução Normativa n 06, 06 de setembro de 2004 Caqui Instrução Normativa n 04, 19 de julho de 2005 Côco Instrução Normativa n 16, 20 de dezembro de 2004 Goiaba Instrução Normativa n 07, 11 de novembro de 2004

19 Histórico da PIF O conceito de Produção Integrada foi criado na Europa na década de 70. Preocupações : manejo integrado de pragas, racionalização e redução de uso de agroquímicos Adequar todos os componentes do sistema produtivo para diminuir a demanda de uso dos agroquímicos de maior risco, criaram-se grupos de trabalho, com especialistas de diferentes países, visando obter a definição, alcance e organização dos Sistemas de Produção Integrada de Frutas, Assim, em 1989, estabeleceu-se um regulamento e este foi aceito e reconhecido pela Organização Internacional de Luta Biológica de Pragas (IOBC).

20 Diferenças entre o sistema de manejo do pomar convencional, integrado e orgânico na Europa.

21 Produção Integrada Maçãs no Cone Sul Todos os países produtores de maçãs do Cone Sul têm programas de produção Integrada de maçãs e, também trabalhos com outras fruteiras de clima temperado. Na Argentina, a região de Rio Negro, com apoio do INTA e da GTZ - Agência de Cooperação Alemã, foi a primeira região a desenvolver Produção Integrada de maçãs e, há três anos iniciou a comercialização de fruta com selo. No Chile e Uruguai, o sistema está ainda em fase de pesquisa e implementação, com apoio de exportadores e do setor público. É importante ressaltar que a introdução da Produção Integrada nos países exportadores é uma questão crítica para manutenção da competitividade no mercado Internacional e, portanto, um desafio regional.

22 Produção Integrada de Maçãs Os primeiros trabalhos na Embrapa Uva e Vinho Técnicos de pesquisa e assistência técnica publica e privada, vinculados diretamente à produção de maçãs Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM) Em definição das normas para a Produção Integrada de Maçãs no Brasil, documento publicado em 1998, Base os conceitos estabelecidos nas Normas européias para Produção Integrada e os conhecimentos gerados pela pesquisa e produção de maçãs no Brasil. Em 1998, setor envolvido - Embrapa Uva e Vinho, EPAGRI, UFRGS, Instituto Biológico de São Paulo e ABPM Definiram-se cinco áreas em três municípios (Vacaria, Fraiburgo e São Joaquim) Cultivares Gala e Fuji Em cada local, áreas de 3,4 a 6,4 hectares foram alocadas para cada variedade e sistema de produção, perfazendo um total de 100 ha de área sob avaliação.

23 Marco Legal PIF maçã O Sistema PIF teve seu Marco Legal institucionalizado em 11 de setembro de 2001 em conjunto com a Logomarca PIF Brasil, a PIF Maçã e seu respectivo Selo de Conformidade. A implantação do sistema de PIF no Brasil tem apresentado A implantação do sistema de PIF no Brasil tem apresentado resultados de destaque como: aumento de emprego e renda na ordem de 3,0% (PIF Maçã); diminuição dos custos de produção em maçã (em torno de 14,5% total e 40,0% em fertilizantes) 60% da área total nacional de produção de maçã está em PIF; diminuição da aplicação de agrotóxicos e de resíduos químicos; melhoria do meio ambiente, da qualidade do produto consumido, da saúde do trabalhador rural e do consumidor final (alimento seguro).

24 Manejo da Sarna na PI da maçã Principal doença da macieira Agente Venturia inaequalis Fase saprofitica (sexuada) x fase parasítica (assexuada) Distribuição generalizada Severidade da epidemia depende de fatores: Fonte de inóculo Condições ambientais Uso de fungicidas protetores

25 Manejo da Sarna na Produção Integrada da Maçã Clima Sarna período crítico - Julho

26 Estratégias de controle químico na PI de maçã Pulverizações Inicio estádio de ponta verde (inicio de setembro) Período residual 1º PI 2º PI 3º PI Fungicidas protetores (dormência) mistura com óleo mineral Período de molhamento continuo mistura de preventivo com curativo Raleio evita-se o uso de fungicidas tóxicos uso de fungicidas IBEs

27 Fungicidas Fonte de inóculo (histórico) Risco de resistência Modo de Ação Clima.. Momento ideal de Aplicação Tecnologia de aplicação Eficiência de Controle

28 Eliminação da Fonte de inóculo Redução

29 Efeito a uréia na incidência da sarna Tratamento Sarna nas folhas (%) Golden Delicious Starkrimson Uréia 5% 13,0 a 4,0 a Testemunha 25,0 b 7,4 b Aplicação da uréia 5% no outono (16/5/84) e avaliação da sarna nas folhas da macieira na primavera (19/11/84). Pomar não pulverizado com fungicidas. Aplicado na queda natural das folhas, ativa flora microbiana, bactérias saprófitas, rápida decomposição das folhas Fonte: Boneti & Katsurayama, 1985

30 Medidas de Manejo Integrado de doenças Dar preferência para aplicações preventivas (protetores) Aplicações curativas o mais rápido possível após o início do PI Fungicida curativo sempre em mistura com protetor Aplicação depois de 96 horas:ibe (dose cheia) + protetor Reaplicação 7 dias após (IBE + Protetor) Evitar o estabelecimento da doença Evitar aplicações erradicantes (pós-sintoma) Medidas de redução de inóculo O Brasil tornou-se exportador de maçãs graças às pesquisas voltadas para a área de produção e controle de doenças.

31 Manejo Integrado de Pragas em macieira Normatização do controle químico: inseticidas/acaricidas são proibidos, outros com restrições e/ou liberados Alternativas no controle Técnica de confusão sexual para controle da grafolita e lagarta enroladeira Desenvolver técnicas alternativas para controle da mosca-das-frutas inseticidas fosforados Três pontos essenciais de controle integrado Monitoramento Nível de Controle Seletividade de Agroquímicos

32 Monitoramento de Pragas Mosca da frutas frascos caça moscas com suco de uva a 25% como atrativo Controle: Presença da praga tamanho superior de 1,5 cm de diâmetro Aplicação de inseticida: em cobertura - nivel de 0,5 moscas/frasco/dia Isca aplicada pelo menos duas vezes por semana (periferia do pomar) Lagarta enroladeira (Bonagota cranaodes) - armadilha com feromônio a cada 5 ha instalação inicio de setembro e mantendose até a colheita da ultima cv. Controle da praga quando houver 20 machos/armadilha/semana Aplicação de inseticidas: em níveis críticos

33 Vantagens do Manejo Integrado de Pragas Eliminação de aplicações de inseticidas preventivos Ênfase no Monitoramento de pragas, Utilização do inseticida só em nível critico O controle biológico natural com a preservação dos inimigos naturais tem sido preconizado por meio da utilização, quando necessário, de pesticidas seletivos.

34 Controle biológico de insetos-praga Ácaro-vermelho-europeu (Panonychus ulmi) 1992, liberado em um pomar de macieira da Agropastoril Rincão das Flores, Vacaria, RS 1995, Fraiburgo, SC. - reduziu drasticamente o uso de acaricidas, passando de 2,6 aplicações ao ano para menos de 0,1, ou seja, menos de 15 ha a cada 100 receberam acaricidas. - reduziu-se o uso de acaricida em 95% - Estima-se, atualmente, ha de macieira já implementaram o controle biológico com o predador Neoselulus californicus

35 Produção Integrada de Pêssego (PIP) Iniciou-se em 1999, em quatro áreas representativas da persicultura Pelotas, Serra Gaúcha, Grande Porto Alegre e Região da Campanha Parcerias: UFPEL, UFRGS, Embrapa Clima Temperado, Embrapa Uva e Vinho, Universidade da Campanha e Associação da Cadeia Produtiva de Frutas e Conservas do Rio Grande do Sul. No segundo semestre de 2001, nova área de pesquisa no município de Lapa PR, junto com a Universidade Federal do Paraná A produção integrada de pêssego tem como objetivos: reduzir o uso de agroquímicos de síntese; minimizar as perdas pré e pós-colheita; utilizar práticas de manejo do solo que reduzam o impacto ambiental e o gasto de energia; oferecer à sociedade frutas de qualidade e manter a competitividade do produtor com oferta de frutas certificadas e rastreadas.

36

37 Produção Integrada de Pêssego

38 Manejo Integrado de doenças Podridão parda [Monilinia fructicola (Wint.) Honey] e a Destruição dos restos culturais Tratamentos de inverno Adubação equilibrada Tratamento: floração e pré-colheita bacteriose [Xantomonas arboricola pv. Pruni (E. F. Smith)] Quebra ventos Pulverização com cobre durante o outono alta precipitação pluviométrica, acima de mm/ano alta umidade relativa do ar e incidência de ventos fortes durante a primavera e o verão, obrigando o produtor a intensificar o uso de insumos (Fachinello et al., 2002).

39 Tibola, C.S., Fachinello, J.C., Grutzmacher, L.P., Kruger, L; Manejo de pragas e doenças na produção Integrada e convencional de pêssegos. Rev.ista Brasileira de Fruticultura, v. 27, n. 2, p , Agosto 2005

40 Eliminação de restos Culturais

41 Adubação equilibrada

42 Poda Verde Retirada ramos ladrões interior da copa Desponte de ramos do ano 30 a 40 dias antes da colheita

43 Proteção de ferimentos

44 Raleio adequado dos frutos

45 Eliminação das fontes de inóculo

46 Fungicidas registrados para o pêssego

47 Resistência a agentes químicos

48 Maçã e pêssego com o selo da produção integrada atraem os consumidores

49 Produção Integrada de Uva Organização dos produtores Recursos Naturais Material propagativo Implantação de parrerais Nutrição de plantas Manejo do solo Irrigação Manejo da parte aérea Proteção integrada da planta Colheita e pós-colheita Análise de resíduos Processos de embalagem Sistema de rastreamento Caderneta de campo Assistência técnica

50 Produção Integrada de Uvas Finas de mesa Em 1999, Embrapa Meio Ambiente, Embrapa Semi-Árido, a Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco VALEXPORT, = Qualidade Ambiental em Fruticultura Irrigada no Nordeste Brasileiro Ecofrutas, Implantação do Sistema de Acompanhamento da Produção Integrada de Finas de Mesa com 4 empresas exportadoras de uva, associadas a VALEXPORT

51 Boas práticas Agrícolas (Doenças)

52 Metodologia de amostragem e nível de ação das pragas da videira

53

54

55 BOAS PRÁTICAS NOS AGRONEGÓCIOS Exigências dos mercados importadores, principalmente, europeu e norte americano, impondo protocolos que consideram imprescindíveis a negociação EUREPGAP, TESCO, TNC, BRC, USAGAP, dentre outros, impõem a que sejam reconhecidos internacionalmente por todos os países e blocos econômicos compradores de nossos alimentos SEGURANÇA E QUALIDADE DOS ALIMENTOS PAS (Programa de Alimentos Seguros) APPCC (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle) RASTREABILIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL

56

57 Certificações segurança alimentar

58 Boas práticas agrícolas Registro -Rastreabilidade REGISTRO DAS ATIVIDADES Caderno de campo RASTREABILIDADE Capacidade de encontrar o histórico de localização e utilização de um produto, por Capacidade de encontrar o histórico de localização e utilização de um produto, por meio de uma identificação única registrada.

59 Desinfestantes utilizados em pós-colheita na Produção Integrada de Maçã (PIM) * Com registro de saneante na Anvisa ** Autorizados na Produção Integrada de Maçã (PIM) somente para as frutas que serão frigorificadas por período maior que três meses *** Utilizar somente na água com ph 6 a 7

60

61

62 "O mercado não exige esta qualidade porque não sabe que ela existe. Podemos garantir, por exemplo, que a fruta não apresenta resíduos químicos", destaca o engenheiro agrônomo e Chefe-Geral da Embrapa Uva e Vinho, Alexandre Hoffmann. Demonstradoras conscientizam os consumidores dos benefícios da produção integrada

63 Considerações Finais substituir as práticas convencionais onerosas diminuição dos custos de produção; melhoria da qualidade; redução dos danos ambientais confiabilidade do consumidor em relação às frutas brasileiras.

64 Potencial das frutas brasileiras O país é capaz de produzir 37 milhões de toneladas por ano e apresenta atualmente um potencial exportador de US$ 3 bilhões? Na verdade, o grande potencial de exportação não é realizado devido a um conjunto de fatores, tais como os de sanidade, deficiência logística, etc. vários obstáculos comerciais são utilizados por importadores, e, a União Européia, como maior importador dos produtos brasileiros é um dos maiores responsáveis pela colocação desses obstáculos. Todas as frutas brasileiras sofrem pelo menos um tipo de incidência dessas barreiras porque interessa à União Européia que as frutas estrangeiras entrem no mercado europeu na entressafra da sua produção. As barreiras tornam o setor de frutas exportáveis brasileiro vulnerável às mudanças em sua estrutura de acordo com a própria evolução política na União Européia e de acordos bilaterais e multilaterais de comércio com outros blocos econômicos.

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico José Antonio Alberto da Silva Pesquisador Científico APTA-Colina Coordenador da PIC no Estado de

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil): Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil): Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil): Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Coordenador de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Secretaria

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

Certificação garante produção integrada e alimento seguro

Certificação garante produção integrada e alimento seguro Política pública Certificação garante produção integrada e alimento seguro José Rozalvo Andrigueto e Adilson Reinaldo Kososki* Disponibilizar alimentos seguros para a população brasileira é tarefa que

Leia mais

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br

Epagri. Manejo de pragas da maçã: safra 2014. www.epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014 Epagri www.epagri.sc.gov.br Cristiano João Arioli Epagri Estação Experimental de São Joaquim cristianoarioli@epagri.sc.gov.br Manejo de pragas da maçã: safra 2014

Leia mais

Produção Integrada Agropecuária PI Brasil Novembro/2011 AGROPECUÁRIA BRASILEIRA (2006) Fonte: Conab/MAPA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA CUSTO DA POSIÇÃO DE DESTAQUE DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA * Pode ter sido

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Produzir com Qualidade, Necessidade para Sobreviver. Implicações técnicas, etapas para as certificações PIM e EurepGap

Produzir com Qualidade, Necessidade para Sobreviver. Implicações técnicas, etapas para as certificações PIM e EurepGap Governo do Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina Gerência Regional de Caçador Estação

Leia mais

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A produção de frutas e hortaliças para exportação obedece procedimentos estabelecidos pelos diferentes sistemas de certificação determinados pelo comprador,

Leia mais

Certificação da Produção de Orgânicos. Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS

Certificação da Produção de Orgânicos. Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS Certificação da Produção de Orgânicos Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS Mas afinal, o que são produtos orgânicos? São aqueles produzidos de forma orgânica ou extrativista

Leia mais

POSSIBILIDADES DA PRODUÇÃO INTEGRADA EM HORTALIÇAS

POSSIBILIDADES DA PRODUÇÃO INTEGRADA EM HORTALIÇAS POSSIBILIDADES DA PRODUÇÃO INTEGRADA EM HORTALIÇAS Paulo Roberto Coelho Lopes 1 e Aderaldo de Souza Silva 2 (1) Pesquisador da Embrapa Semi-Árido BR 428, km 152, Zona Rural, Caixa Postal 23, 56302-970

Leia mais

Fruit Logística 2009

Fruit Logística 2009 Fruit Logística 2009 Projeto Brazilian Fruit: HISTÓRICO Projeto Brazilian Fruit É realizado desde 1998 pelo Ibraf em parceria com a Apex- Brasil - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos

Leia mais

Título da. Apresentação

Título da. Apresentação SITUAÇÃO ATUAL DO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTEGRADA PI-BRASIL Título da Coordenação de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Apresentação Luzia Maria Souza Gisele Ventura Garcia Grilli Brasília-DF Setembro-2014

Leia mais

Protocolo Oficial de Boas Práticas Agropecuárias

Protocolo Oficial de Boas Práticas Agropecuárias Produção Integrada Agropecuária PI Brasil Protocolo Oficial de Boas Práticas Agropecuárias Agosto/2011 CUSTO DA POSIÇÃO DE DESTAQUE DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA * Pode ter sido produzido com antibióticos

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA NO VALE DO SÃO FRANCISCO

PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA NO VALE DO SÃO FRANCISCO 1 CAPITULO 7 PRODUÇÃO INTEGRADA DE UVA NO VALE DO SÃO FRANCISCO José Eudes de Morais Oliveira 1 ; Paulo Roberto Coelho Lopes 1 ; Francisca Nemaura Pedrosa Haji 2 ; Andréa Nunes Moreira 3 ; Janaina dos

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer RESUMO 221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Enilton Fick Coutinho

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA

CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUTENTÁVEIS: PROGRAMAS EM ANDAMENTO NO BRASIL SÉRGIO PARREIRAS PEREIRA Imperial Estação Agronômica de Campinas 27/06/1887 Centro de Café Alcides Carvalho INTRODUÇÃO O Agronegócio

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

TEMA: Encaminhamento da proposição de PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE UVA

TEMA: Encaminhamento da proposição de PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS DE UVA Programa para produção e transferência de plantas matrizes de videira de qualidade superior José Fernando da Silva Protas TEMA: Encaminhamento da proposição de PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA A

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

Yes, nós temos maçãs

Yes, nós temos maçãs a g r o n e g ó c i o Yes, nós temos maçãs A produção de maçãs no Brasil nas últimas três décadas teve um impressionante aumento de mais de 6.%. De importador o País passou não apenas a abastecer todo

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

48º Congresso Brasileiro de Olericultura

48º Congresso Brasileiro de Olericultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 48º Congresso Brasileiro de Olericultura Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops Dr. Débora Maria Rodrigues Cruz Maringá, 29 de julho de 2008

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS

CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal CONTROLE HIGIÊNICO- SANITÁRIO DE PRODUTOS VEGETAIS Brasília/DF, 26 de novembro de 2010 LUZIA M. SOUZA FFA(ENGª AGRª,

Leia mais

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista

O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil. André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista O Papel do Inmetro na Produção Integrada PI Brasil André Luis de Sousa dos Santos, D.Sc. Pesquisador-Tecnologista 20 de maio de 2011 Inmetro - Principais Atividades Metrologia Científica e Industrial Metrologia

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 Resumo com base em dados publicados pela Andef- Associação Nacional das Empresas de Defensivos Agrícolas (ORGANIZADOS pelo Diretor executivo da ANDEF

Leia mais

A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações. Visão do Campo

A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações. Visão do Campo A Metrologia na Gestão da Segurança a dos Alimentos e os Impactos sobre as Exportações Visão do Campo METROALIMENTOS 2008 24/09/2008 José Luiz Viana de Carvalho OBJETIVOS Barreiras não-tarifárias Boas

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais

Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais Certificação de Cosméticos Orgânicos e Naturais 1 No processo de certificação o foco é a garantia da rastreabilidade orgânica da cadeia produtiva INSTITUIÇÃO CREDENCIADORA CERTIFICADORAS VIG./INSP. SANITARIA

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO DISSEMINAÇÃO Liberação Dispersão Deposição (Inoculação) SOBREVIVÊNCIA ciclo secundário ciclo primário PENETRAÇÃO INFECÇÃO Estabelecimento das relações parasitárias

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FOMENTO E FISCALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO VEGETAL

DEPARTAMENTO DE FOMENTO E FISCALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO DEPARTAMENTO DE FOMENTO E FISCALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO VEGETAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 18 DE SETEMBRO DE

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

CERTIFICAÇÃO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA INTERNACIONAL DOS PRODUTORES DE FRUTAS NO BRASIL

CERTIFICAÇÃO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA INTERNACIONAL DOS PRODUTORES DE FRUTAS NO BRASIL CERTIFICAÇÃO COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA INTERNACIONAL DOS PRODUTORES DE FRUTAS NO BRASIL Maria do Socorro Barbosa Guedes1, Marcos Sena2, Sebastião Toledo3 RESUMO: Programas de qualidade na cadeia de produção

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br

DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA. Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A CITRICULTURA DE MESA BRASILEIRA Camilo Lázaro Medina clmedina@conplant.com.br DESAFIOS PARA A FRUTICULTURA DE MESA BRASILEIRA Importância: 73% do volume de produção brasileira se destinam

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

II Simpósio de Mecanização. na Cultura do Cacau

II Simpósio de Mecanização. na Cultura do Cacau PRODECAU BRASIL - MAPA - CEPLAC II Simpósio de Mecanização na Cultura do Cacau Instalação de: 12 fábricas de chocolate; 12 usinas de beneficiamento de borracha; 325 unidades de extração de óleo de pequeno

Leia mais

MÁRCIO ANTONIO PORTOCARRERO ANEXO: NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ - NTEPI-MAÇÃ

MÁRCIO ANTONIO PORTOCARRERO ANEXO: NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ - NTEPI-MAÇÃ INSTRUÇÃO NORMATIVA SDC N o 01 DE 14 DE SETEMBRO DE 2006. O SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que

Leia mais

ANEXO NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ - NTEPI-MAÇÃ

ANEXO NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ - NTEPI-MAÇÃ ANEXO NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ - NTEPI-MAÇÃ ÁREAS TEMÁTICAS OBRIGATÓRIAS RECOMENDADAS PROIBIDAS 1. CAPACITAÇÃO 1.1. Práticas agrícolas 1.2 Capacitação de produtores

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF

WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE A NOVA LEGISLAÇÃO DA UNIÃO EUROPÉIA PARA PRODUTOS QUÍMICOS- REACH 07/04/2009 BRASÍLIA - DF 1 REACH REGISTER EVALUATION AUTHORIZATION OF CHEMICALS RESTRICTION 2 O que é o REACH?

Leia mais

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC

II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC II SEMANA INTEGRADA DE CURSOS CFO/CFOC 29/06/15 A 03/07/15 CENTRO DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIA IAPAR LONDRINA-PR CFO/CFOC CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PARA EMISSÃO DE CFO/CFO FDA Juliano

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Relatora Elíria Alves Teixeira Engenheira Agrônoma, M.Sc. Coordenadora da Câmara Especializada de Agronomia CREA/GO Presidente do Colegiado de

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Programa úmero de Ações 8 1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Objetivo Indicador(es) Incrementar a base de conhecimentos científicos e tecnológicos

Leia mais

Conferência Mundial de Desenvolvimento Sustentável Rio+20. ria - pós s conferência

Conferência Mundial de Desenvolvimento Sustentável Rio+20. ria - pós s conferência Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Conferência Mundial de Desenvolvimento Sustentável Rio+20 Visão da Agropecuária

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Café, Manga e Embaúba

Café, Manga e Embaúba Laranja Café, Manga e Embaúba CAFÉ + CEDRO AUSTRALIANO Café + Macadâmia - Viçosa - MG Café + Nativas - Simonésia - MG SISTEMAS SIMULTÂNEOS Cacau sombreado Cacau + seringueira (sul da Bahia) Sistema cabruca

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura

Instrumento de Defesa Sanitária. Programa de Seguro Sanitário da Citricultura Instrumento de Defesa Sanitária Programa de Seguro Sanitário da Citricultura 1 Reportagem com comentários do Dr. Lourival Monaco e Dr. Juliano Ayres do FUNDECITRUS O setor produtivo e pesquisadores estimam

Leia mais

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Seminário Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronomico, Comercialização e Uso - Aspectos Técnicos e Legais Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Engº Agrº Júlio Sérgio

Leia mais

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja

A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja A China e o agronegócio brasileiro: Complexo Soja Conselho Empresarial Brasil China ABIOVE Carlo Lovatelli Presidente Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais 1 de Junho de 2005 1 Brasil

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES Engº Marcos Vinicius L. Tubino Coordenador de Qualidade IRGOVEL A IRGOVEL Origem da empresa Goiás Em 1972 RS Pelotas Pioneirismo na produção óleo

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Realização da Visita: Recepção da fruta Conservação

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Tecnologia de Aplicação Introdução Cultivo de plantas graníferas (culturas anuais) na safra 2014/15: Área de 57,21 milhões de ha

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

RESERVA LEGAL. Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação. Autora: Mônica Bilibio

RESERVA LEGAL. Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação. Autora: Mônica Bilibio RESERVA LEGAL Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação Autora: Mônica Bilibio INTRODUÇÃO Como acadêmica de Tecnologia em Agronegócios e sabedora da importância

Leia mais

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile

A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Comparativo A logística para exportação de frutas do Brasil e do Chile Rufino Fernando Flores Cantillano* Goiabas em embalagens de feijoa: específicas para o transporte a longa distância A logística de

Leia mais

C A T Á L O G O D E S E R V I Ç O S

C A T Á L O G O D E S E R V I Ç O S CATÁLOGO DE SERVIÇOS QUALIDADE INTRODUÇÃO O Laboratório Terranálises é uma empresa que trabalha com soluções analíticas voltadas ao meio ambiente. Oferece ensaios laboratoriais de excelência, aliando tecnologia

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL

PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL Buenos Aires/2009 PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL Laboratório de Resíduos de Pesticidas/IB/APTA Legislação de Pesticidas Brasil - Fluxograma

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

PRODUTOR ORGÂNICO: PARCEIRO DA NATUREZA NA PROMOÇÃO DA VIDA

PRODUTOR ORGÂNICO: PARCEIRO DA NATUREZA NA PROMOÇÃO DA VIDA PRODUTOR ORGÂNICO: PARCEIRO DA NATUREZA NA PROMOÇÃO DA VIDA A natureza trabalha o tempo todo para promover a Vida. Podemos notar isso facilmente observando o que se passa à nossa volta, com plantas nascendo

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI PROF. DR. MÁRCIO CLEBER DE MEDEIROS CORRÊA Departamento de Fitotecnia Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará Fortaleza - CE III Simpósio

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Categorias do Controle Biológico e MIP Micro biológico Nutrição Vegetal Semio químicos Controle

Leia mais