UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ JALMIR DA SILVA REIS CENTRAL DE RELACIONAMENTO COMO FATOR CRÍTICO DE SUCESSO NA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ JALMIR DA SILVA REIS CENTRAL DE RELACIONAMENTO COMO FATOR CRÍTICO DE SUCESSO NA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ JALMIR DA SILVA REIS CENTRAL DE RELACIONAMENTO COMO FATOR CRÍTICO DE SUCESSO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE EMPRESAS DO SETOR INDUSTRIAL E DO SETOR DE SERVIÇOS. Rio de Janeiro 2006

2 JALMIR DA SILVA REIS CENTRAL DE RELACIONAMENTO COMO FATOR CRÍTICO DE SUCESSO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES. UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE EMPRESAS DO SETOR INDUSTRIAL E DO SETOR DE SERVIÇOS. Dissertação de mestrado apresentada a Universidade Estácio de Sá como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Administração. ORIENTADOR: Prof. Dr. Guilherme Santana. Rio de Janeiro 2006

3 DEDICATÓRIA Dedico esta dissertação a minha mulher Solange, meus filhos Ingrid, Victor e Vinícius e a minha mãe Djalmira.

4 AGRADECIMENTO Nesse momento tão especial, não posso deixar de registrar o meu reconhecimento pelas pessoas que muito contribuíram para a realização dessa dissertação. Ao professor Dr. Guilherme Santana, meu orientador, pela sua valiosa contribuição nas idéias e nas revisões dos meus textos, tornando-o significativamente melhor; Ao professor Dr. Harvey Consenza pela participação nas banca examinadora e pelo incentivo, conselhos e apoio desde o primeiro até o último dia desse mestrado. À minha mulher Solange Machado de Farias Reis pelo apoio na decisão de iniciar esse duro passo, incentivo nos momentos de quase desistência, paciência na privação de passeios e férias durante estes dois anos e meio de estudos, e contribuição pela leitura dos textos originais e sugestões de melhorias dessa dissertação. Também agradeço aos meus queridos filhos Ingrid, Victor e Vinícius Farias Reis que suportaram eventuais ausências durante os períodos mais críticos e a minha falecida mãe Djalmira de Carvalho Reis pela imprescindível ajuda na minha formação educacional, pelos conselhos e principalmente exemplos para minha formação moral. Aos meus professores de Mestrado da Universidade Estácio de Sá pela minha capacitação e esse grande passo na minha vida acadêmica. Aos meus professores de pósgraduação realizados na Fundação Getúlio Vargas, Escola Superior de Propaganda e Marketing e Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), e os de graduação na Universidade Federal Fluminense (UFF) pelo aprimoramento da minha formação acadêmica. À todas as empresas na pessoa dos funcionários que responderam a pesquisa e tiveram a paciência nos meus vários contatos com cada um deles, permitindo a realização dessa dissertação.

5 RESUMO Essa pesquisa teve por objetivo fazer uma análise entre empresas do setor industrial e do setor de serviços, comparando o papel das áreas de atendimento em projetos CRM nessas empresas. A fundamentação teórica abordou em primeiro lugar a estratégia, que foi estudada de forma geral e na sua utilização nas empresas. Os principais textos utilizados nesse item foram os de Porter, Mintzberg e Bethlem. Em seguida foram estudados os projetos CRM e as estratégias para sua implementação, onde Bretzke, Kotler e Peppers tiveram uma maior contribuição teórica. Finalmente, foi estudado o papel da central de relacionamento em todo esse contexto, e Fitzsimmons, Mancini e novamente Peppers foram os autores mais utilizados. A pesquisa utilizou uma ampla revisão bibliográfica em periódicos, jornais, Internet e principalmente livros. Também, foi realizada uma pesquisa de campo junto às empresas estudadas, com coleta de informações no formato de pesquisa de opinião. Os resultados obtidos nas empresas pesquisadas, confirmam a suposição de que as empresas do setor de serviços têm uma melhor estrutura de atendimento para se relacionar com seus clientes, e dão uma importância mais acentuada a utilização de uma central de relacionamento em projetos CRM. Palavras-chave: Central de atendimento. Call Center. CRM. Marketing de relacionamento.

6 ABSTRACT The purpose of this research is to make an analysis among companies from industrial and service sectors, comparing the role of their call centers in CRM projects. At first, in the literature review, we studied strategy, focusing in enterprises strategy. The main authors used were Porter, Mintzberg and Bethlem. Secondly, we studied CRM projects and implementation strategies, where Bretzke, Kotler e Peppers gave valuable contributions. Finally, the role of contact centers was studied in all these contexts, and Fitzsimmons, Mancini and Peppers were the more used authors. The research used an extensive literature review in periodicals, newspapers, Internet and mainly books. Field research was also done in the studied companies using a pool format. The result confirms the supposition that companies from service sector have bigger call center structure to form a relationship with their clients, and they also use them, more frequently, in CRM projects. Keywords: Contact center. Call center. CRM.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1: Forças que governam a competição num setor TABELA 1: Diferenças entre o marketing tradicional e o CRM FIGURA 2: Linha do tempo Central de Relacionamento TABELA 2: Vencedores do prêmio Consumidor Moderno entre 2003 e FIGURA 3: Gráfico de monitoria por setor TABELA 3: Monitoramento de atendimento FIGURA 4: Gráfico de pesquisa de satisfação - % de ótimo ou bom FIGURA 5: Gráfico comparativo de TME e TMA (em segundos) FIGURA 6: Gráfico de indicadores de atendimento TABELA 4: Resumo dos indicadores da área de atendimento FIGURA 7: Gráfico de acesso a informações de compra dos clientes TABELA 5: Distribuição por tipo de cliente FIGURA 8: Gráfico de autonomia de pós-venda FIGURA 9: Gráfico de administração do tempo de atendimento TABELA 6: Resumo dos indicadores da central de relacionamento FIGURA 10: Gráficos da importância personalização FIGURA 11: Gráfico de melhoria de processos na empresa FIGURA 12: PEM x Projetos CRM FIGURA 13: Empresas com áreas de atendimento que participam de projetos CRM FIGURA 14: % de empresas com o processo completo de CRM FIGURA 15: Política relacionamento por rentabilidade FIGURA 16: Painel resumo da pesquisa... 77

8 LISTA DE SIGLAS CRM: Consumer Relationship Management, o que em português significa Administração do relacionamento com o consumidor. CTI: Computer and Telephone Integration, o que em português significa Integração do telefone e computador. EUA: Estados Unidos da América. PA: Posto de Atendimento. PEM: Plano Estratégico de Marketing TMA: Tempo Médio de Atendimento. TME: Tempo Médio de Espera. TMO: Tempo Médio de Operação. URA: Unidade de Resposta Audível

9 SUM ÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA DE PESQUISA SUPOSIÇÃO OBJETIVO FINAL OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS DELIMITAÇÃO DO ESTUDO RELEVÂNCIA DO ESTUDO DEFINIÇÃO DOS TERMOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ESTRATÉGIA Competição e estratégia Estratégia empresarial CRM OU MARKETING DE RELACIONAMENTO O que é CRM Diferenças entre o CRM e o marketing tradicional Implantando o CRM Estratégias de CRM CENTRAL DE RELACIONAMENTO Alguns termos sobre Central de Relacionamento Uma visão histórica da central de relacionamento Do atendimento ao relacionamento METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA UNIVERSO, AMOSTRA E SELEÇÃO DOS SUJEITOS Universo Amostra Seleção dos sujeitos LIMITAÇÕES DO MÉTODO COLETA DE DADOS TRATAMENTO DOS DADOS...51

10 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO FUNCIONAMENTO DA ÁREA DE ATENDIMENTO Estrutura da área de atendimento: Estrutura da central de relacionamento: Importância que a área de atendimento tem na empresa: ESTRATÉGIAS DE FIDELIZAÇÃO E DE CRM Estratégia de relacionamento / fidelização das empresas em relação à área de atendimento CONCLUSÃO SUGESTÕES PARA AS EMPRESAS SUGESTÕES PARA FUTUROS ESTUDOS REFERÊNCIAS ANEXOS Anexo A: Questionário da pesquisa Anexo B: Racional da pesquisa...88

11 10 1 INTRODUÇÃO Quatro anos após a invenção do telefone, apareceu a primeira área de televendas e, logo em seguida, os centros de encomenda de peças de reposição e os centros de suporte a distribuidores e varejistas. Com o passar do tempo esses centros passaram, de forma não planejada, a serem utilizados para suprir uma necessidade crescente dos consumidores: a comunicação rápida e eficiente com a empresa. Logo, o número de contatos aumentou drasticamente, principalmente em virtude da conscientização do consumidor em reclamar seus direitos e de leis que alguns países criaram para obrigar as empresas a terem um canal de comunicação diretamente com seu consumidor. Isso ocorreu também no Brasil com promulgação da Lei de Defesa do Consumidor, lei n 24/96 de 31 de julho, que em seu artigo 8 - Direito à informação em particular, estabelece que o fornecedor de bens ou prestação de serviços deve informar de forma clara, objetiva e adequada ao consumidor sobre características, composição, preço do bem ou serviço, garantias, prazos de entrega e assistência técnica, mesmo após a conclusão da aquisição do bem ou serviço. Com a dificuldade de disponibilizar junto aos produtos todas as informações ao consumidor previstas na referida lei, os fabricantes tiveram como única opção a criação de centrais de atendimento, com o objetivo de complementar tais informações. Atualmente, com o aumento dos contatos, a maioria das centrais de atendimento passou a se preocupar muito mais com a quantidade, duração e custo das ligações recebidas do que com a satisfação dos clientes e a oportunidade de utilizar este contato direto para a criação de fidelidade ou mesmo aumento de vendas e, sem ter o respeito e o apoio do alto nível executivo da empresa, elas são geralmente relegadas a um segundo plano e vistas como um mal necessário para ouvir reclamações dos clientes. Falta a visão de que tal central possa ser a janela pela qual o cliente veja a empresa, além de ser uma ferramenta de interação poderosa, permitindo que se aprenda cada vez mais a respeito do cliente.

12 11 Por outro lado, as empresas têm investido cada vez mais em projetos CRM, que têm como proposta trocar o foco do produto para o cliente e possibilitar o relacionamento individualizado com eles. Este relacionamento tem o objetivo de criar um valor agregado ao produto, de forma que ele seja percebido pelo cliente não apenas pelo seu preço e qualidade, cada vez mais iguais em todos os produtos. Percebendo que as centrais de atendimento têm a capacidade de incrementar o relacionamento com seus parceiros comerciais e agilizar sua comunicação com o mundo externo, várias empresas têm investido no aprimoramento de suas estratégias de relacionamento, seus recursos humanos e tecnológicos, com o objetivo de aprimorar os contatos com estes clientes. Este tipo de central de atendimento recebe o nome de Central de Relacionamento. 1.1 PROBLEMA DE PESQUISA As empresas dos setores industrial e de serviços dão igual importância à criação de uma central de relacionamento a clientes para suportar projetos CRM? 1.2 SUPOSIÇÃO A central de relacionamento tem uma importância mais acentuada para suportar projetos CRM nas empresas do setor de serviços, quando comparadas às do setor industrial, e por isso essas empresas têm uma estrutura de atendimento mais preparada para o relacionamento.

13 OBJETIVO FINAL Essa dissertação tem como objetivo realizar uma análise comparativa das empresas dos setores industrial e de serviços, identificando e comparando a importância que cada setor dá, na estruturação de sua área de atendimento para suportar projetos CRM. 1.4 OBJETIVOS INTERMEDIÁRIOS Analisar o funcionamento das centrais de relacionamento ou atendimento das empresas estudadas. Analisar as estratégias de fidelização e CRM nas empresas estudadas. 1.5 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO O estudo ficou limitado a empresas que receberam o Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente concedido anualmente pela Revista Consumidor Moderno, pois este é um dos prêmios de maior importância para o setor de central de atendimento e relacionamento no Brasil e houve o entendimento, de que as empresas que ganharam tal prêmio, podem ser comparadas entre si ao nível de relacionamento com clientes. Não se pretende pesquisar os clientes das empresas estudadas. Apesar de algumas vezes acontecer a comparação dos conceitos entre o marketing tradicional e o CRM, este estudo não teve o objetivo de comparar suas estratégias e resultados. Também não fez parte do estudo a aplicação das estratégias estudadas. Não se pretendeu extrapolar os resultados identificados neste estudo, para todo o setor industrial ou de serviço, e muito menos para as empresas como um todo.

14 RELEVÂNCIA DO ESTUDO As empresas investem em projetos de marketing, incluídos aí os projetos de CRM, procurando manter contato com seus clientes e, em geral, não dando a atenção devida aos clientes que ligam reclamando e solicitando informações de seus serviços ou produtos. Desta forma, é de suma importância entender como as empresas dos setores industrial e de serviços deveriam investir em centrais de relacionamento com seus clientes. 1.7 DEFINIÇÃO DOS TERMOS Seguem abaixo apenas as definições que fazem sentido nessa dissertação, mesmo quando o termo tem várias delas. Devido à necessidade de uma descrição histórica e comparativa, alguns desses termos estão definidos no item Alguns termos sobre Central de Relacionamento. Abandono: É um dos principais índices de uma área de atendimento e ocorre quando uma ligação é abandonada, antes do atendimento pelo agente de atendimento. Em geral, acontece quando existe uma demora maior para o atendimento da ligação, do que o cliente pode ou acha aceitável. Uma alta taxa de abandono demonstra uma inadequação pontual ou constante, entre a quantidade de ligações e a quantidade de agentes de atendimento disponíveis para o atendimento. Área de atendimento: Veja Alguns termos sobre Central de Relacionamento. Associação da marca ao produto: Processo de ligação, consciente ou inconsciente, que o consumidor faz, entre a necessidade ou desejo a satisfazer e uma dada marca de produto. Back office: Retaguarda da operação de uma área de atendimento. Banco de dados: É qualquer conjunto de informações sobre um determinado assunto e, apesar de tecnicamente poder ser uma simples lista de compras, estaremos nos referindo ao termo, como um conjunto complexo de informações sobre um determinado assunto.

15 14 Benchmark das melhores práticas: Processo que as empresas utilizam para comparar seu desempenho em certas áreas em relação a outras empresas do setor. Canal: Meio pelo qual os produtos ou serviços são fornecidos ou prestados para o cliente final. Varejistas, revendedores e atacadistas de produtos alimentícios são exemplos de canais (PEPPERS; ROGERS, 2001). Canal de atendimento ou call center: São os meios pelos quais são realizados os contatos com uma área de atendimento. Exemplos: telefone, fax, correio eletrônico ( ), comunicação instantânea eletrônica (chat ou vídeo conferência). Canal off line: É o canal de atendimento em que a comunicação com o cliente não ocorre em tempo real. Ex. Fax, carta ou . Canal on line: É o canal de atendimento em que a comunicação com o cliente ocorre em tempo real. Ex. Telefone, chat ou vídeo conferencia. Central de atendimento: Veja Alguns termos sobre Central de Relacionamento. Central de Relacionamento: Veja Alguns termos sobre Central de Relacionamento. CRM ou Marketing de Relacionamento: Estratégia de negócio voltado ao entendimento e à antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa (PEPPERS; ROGERS, 2001). Contact Center: Veja Alguns termos sobre Central de Relacionamento. Contato ativo (outbound): É um contato, via qualquer um dos canais de atendimento, acionado pelo agente de atendimento de uma área de atendimento. Contato receptivo (inbound): É um contato, via qualquer um dos canais de atendimento, acionado pelo cliente para uma área de atendimento. CTI: Integração do telefone e computador. Permite que computadores realizem funções de controle de telefonia, como fazer e receber ligações de voz, fax e dados, bem como identificar a origem da ligação.

16 15 Fatores críticos de sucesso: São os fatores importantes para se atingir um objetivo. No caso dessa dissertação, são os fatores importantes para se fidelizar clientes. Fidelidade a uma marca: Preferência que o consumidor mantém pela marca de um produto, para a satisfação regular da necessidade ou desejo determinantes da sua compra (FREITAS; TUPINIQUIM, 2001). Marketing de banco de dados (database marketing): O marketing de banco de dados preconiza o acúmulo de informações dos clientes, de forma a conhecê-los profundamente, para orientar o marketing direto, sendo um dos pilares do CRM. Monitoramento de atendimento: Atividade realizada pelo supervisor de uma área de atendimento, que consiste em monitorar para efeito de avaliação, um percentual dos atendimentos realizados por todos os agentes de atendimento. Participação de mercado: É o percentual de vendas do produto ou empresa em relação ao mercado total. Personalização: Adaptação de algumas características de um produto ou serviço, para as necessidades de um cliente. Posto de Atendimento (PA): É o conjunto de recursos necessários para o atendimento ativo ou receptivo. Geralmente uma PA é composta de um agente de atendimento, linha telefônica, computador, softwares, etc. Resposta on-line: Ocorre quando o agente de atendimento consegue responder de forma imediata ao cliente e sem que seja necessária uma complementação posterior. Retenção do cliente: Processo que tem o objetivo de reverter a insatisfação do cliente, evitando que ele migre para outro fornecedor. SAC: Veja Alguns termos sobre Central de Relacionamento. Telemarketing: Veja Alguns termos sobre Central de Relacionamento. Televendas: Veja Alguns termos sobre Central de Relacionamento.

17 16 Tempo Médio de Atendimento (TMA): É uma média do tempo que um agente de atendimento leva no atendimento de suas ligações. É um dos indicadores utilizados na avaliação de áreas de atendimento e pode ser calculado por faixa horária, por agente de atendimento, por turno, por tipo de atendimento, por toda a área de atendimento, etc. Tempo Médio de Espera (TME): É uma média do tempo que as ligações receptivas ficam na fila de espera, até o seu atendimento por um dos agentes de atendimento. É um dos indicadores utilizados na avaliação de áreas de atendimento e pode ser calculado por faixa horária, por turno, por tipo de atendimento, por toda a área de atendimento, etc. Tempo Médio de Operação (TMO): É uma média do tempo que um atendimento completo é realizado, ou seja, é o tempo desde o início do atendimento que o agente de atendimento realiza até a conclusão do processo de documentação, registro da ação ou até mesmo das operações de back office.. Pode ser calculado por faixa horária, por agente de atendimento, por turno, por tipo de atendimento, por toda a área de atendimento, etc. Unidade de Resposta Audível (URA): Equipamento que permite o auto-atendimento via telefone. A URA permite identificar a pessoa que está ligando dentro de um cadastro, informar as opções através de um menu de voz, permitir a escolha de uma dessas opções, buscar informações em um sistema de computador e repassar a quem ligou a informação desejada, via interface vocal. É possível também a execução de funções, tais como: emissão de segunda via de extratos ou contas e cancelamento de assinaturas. Venda cruzada (cross selling):vender mercadorias e serviços relacionados entre si a um cliente. Segmentação de mercado: Classificação do mercado (compradores) em segmentos com as mesmas características. Podem ser características demográficas (habitam ou trabalham na mesma região), psicográficas (têm os mesmos hábitos), por estilos de vida, etc.

18 17 Software de administração de campanhas: É um tipo de software que permite a criação e administração de campanhas de marketing, no caso desse estudo, via telefone. A maioria das empresas utilizam processos manuais e planilhas para essa administração, mas existem softwares bastante sofisticados, que permitem o planejamento da campanha, importação de listas de clientes a serem utilizados nessa campanha e o cadastramento de scripts de abordagem; discagem automática para os clientes da campanha e a ajuda ao agente de atendimento via scripts cadastrados e finalmente, permite o acompanhamento a qualquer momento do andamento e dos resultados da campanha. Valor agregado: Serviços agregados a um produto, que o consumidor considera valioso e está disposto a pagar adicionalmente por ele.

19 18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O CRM virou moda entre as empresas, mas segundo Grupo Gartner (2000 apud PEPPERS; ROGERS, 2001), existem muito mais casos de insucessos do que de sucessos em projetos deste tipo, principalmente devido às empresas não se preocuparem em mudar a sua filosofia e por consequência, seus processos internos. Não basta a empresa disponibilizar uma área de atendimento ou criar um banco de dados sobre seus clientes. Um projeto CRM é toda uma estratégia de relacionamento e as ferramentas podem até incluir uma área de atendimento e um banco de dados sobre seus clientes, mas devem de forma obrigatória ter seus funcionários e processos internos com o foco no cliente e não no produto ou serviço, como é ainda muito mais comum entre as empresas. Mas nem todas as empresas necessitam de um projeto CRM. Em primeiro lugar, deve haver uma análise estratégica de onde a empresa quer se posicionar e o CRM pode ser um dos programas necessários, para se atingir seus objetivos. Somente neste caso, deve-se planejar um projeto de CRM, sendo imprescindível a criação de uma estratégia, para que se tenha efetivamente o sucesso esperado. Logo, nessa revisão teórica, foi abordado em primeiro lugar a estratégia, que será estudada de forma geral e na sua utilização nas empresas. Em seguida foram estudados os projetos CRM e as estratégias para sua implementação, concluindo-se com o papel da central de atendimento em todo esse contexto.

20 ESTRATÉGIA Competição e estratégia Até a década de 70, praticamente não existia competição na grande maioria dos mercados, a demanda era maior que a oferta e tudo que era produzido era imediatamente vendido. Assim, o produtor não se preocupava com a criação de estratégias consistentes ou eficiência na produção e seu único desafio era aumentar a capacidade produtiva, para ganhar ainda mais clientes. Segundo Fleury e Fleury (2000), entre as décadas de 70 e noventa, três ondas de mudanças transformaram o mercado para o modelo conhecido atualmente: a passagem do mercado regido pelo vendedor para o mercado regido pelo comprador; a globalização dos mercados e da produção; e o advento da economia baseada em conhecimento. A primeira das três mudanças, a transformação do mercado vendedor em mercado comprador, ocorreu na segunda metade da década de 70, durante a chamada crise do petróleo, com a entrada no mercado americano de empresas japonesas e de outros países asiáticos. Devido a esse incremento de oferta de produtos, passou a haver mais disponibilidade de produção do que de compradores, acirrando-se a competitividade e obrigando as empresas a um profundo processo de reestruturação. A segunda mudança foi a globalização do processo produtivo, isto é, a organização de empresas internacionais segundo uma lógica de operações integradas globalmente, aumentando ainda mais a competitividade do mercado. A terceira e última mudança foi o destaque dado às atividades inteligentes em detrimento às atividades rotineiras e manuais, incentivando o trabalho intelectual. Assim, as empresas passaram a priorizar as atividades de desenvolvimento de produtos, marketing e finanças, terceirizando as atividades manuais em qualquer lugar do mundo que tivesse mão de obra mais barata.

21 20 Com o impacto dessas mudanças, as empresas tiveram que se reorganizar com o objetivo de competir com os concorrentes e de lutar pelo seu espaço no mercado, seja em termos de estratégia empresarial, de arranjos empresariais ou simplesmente gestão. Mas, para essa reorganização, as empresas tinham que saber avaliar seu desempenho, principalmente em relação à concorrência. Segundo Porter (1999), o desempenho de qualquer empresa num determinado ramo de atividade é dividido em duas partes: a primeira é definida pelo desempenho médio de todos os concorrentes do setor e a segunda é resultado do desempenho relativo da empresa acima ou abaixo desse desempenho médio. O desempenho no primeiro caso é definido pela forma com que a empresa se relaciona com o poder de negociação dos compradores e dos fornecedores, a ameaça de novos concorrentes e de produtos substitutos e a intensidade da rivalidade encontrada no mercado, conforme figura 1. Já o desempenho relativo da empresa acima da média do setor pode ser conseguido por um posicionamento estratégico da empresa e / ou de eficácia operacional (melhores práticas em seus processos internos). FIGURA 1: Forças que governam a competição num setor. Amea ça de novos entrantes Poder de negociação dos fornecedores O Setor As manobras pelo posicionamento entre os atuais concorrentes Poder de negociação dos clientes Amea ça de produtos ou serviços substitutos Fonte: PORTER, Michael E. Competição: Estratégias competitivas essenciais. 6. ed.

22 21 Ainda segundo Porter (1999), ter um posicionamento estratégico significa exercer atividades diferentes das dos rivais ou até exercer atividades semelhantes, mas de um modo diferente. Desta forma, estratégia seria a integração de um conjunto de atividades da empresa em uma configuração singular, o que dificulta em muito a imitação pura e simples por parte da concorrência, que sem o conhecimento da estratégia da empresa, consegue apenas copiar algumas ações visíveis. Por outro lado, as empresas devem fomentar algumas competências essenciais com o intuito de se aprimorar frente à concorrência, e devem ser flexíveis para reagir com rapidez às mudanças competitivas do mercado, isto é, devem realizar o benchmarking para atingir a eficácia operacional. Mas apenas essa eficácia não é suficiente para um desempenho superior, pois com cada empresa copiando os processos operacionais dos concorrentes, a tendência é que elas tenham desempenho similar a eles, sem destaque para nenhuma delas, e conforme Henderson (1998), duas empresas que operam de maneira idêntica não podem coexistir num mercado competitivo, sobrevivendo a médio / longo prazo, a que tiver um custo menor. Segundo Porter (1999), uma empresa só é capaz de superar seus concorrentes em desempenho, se for capaz de criar e manter processos superiores, processos esses que não sejam facilmente copiáveis por estes concorrentes. Isso significa ter um posicionamento estratégico. No entanto, muitas empresas confundem a utilização de ferramentas e técnicas gerenciais com um posicionamento estratégico, e isso não é um problema somente das empresas, pois diversos autores que abordam o tema têm visões e definições diferentes sobre o que seria estratégia e a sua relação com táticas, metas e objetivos, mesmo que em muitos aspectos essas definições sejam complementares. Mintzberg (1998) considera que as estratégias empresariais podem se formar assim como podem ser formuladas, isto é, uma estratégia realizada pode emergir como resposta a

23 22 uma situação em evolução (estratégias emergentes) ou podem ser introduzidas deliberadamente através de um processo de formulação seguido de implementação (estratégia deliberada). Ele ainda considera que não existem estratégias puramente deliberadas ou puramente emergentes, pois até mesmo as estratégias deliberadas são em geral ajustadas através de ações e experiências da organização, durante a sua implementação. Assim, nenhuma estratégia conseguiria ser suficientemente completa para antecipar tudo que está por vir, incluindo aí as ações do mercado em resposta a estratégia que está sendo implementada. Detalhando mais ainda sua definição, Mintzberg (2001) também apresenta a estratégia como tendo vários significados e apresenta cinco deles, que ele chama os cinco Ps da estratégia: Plano: Neste caso, as ações que compõem a estratégia são preparadas previamente e desenvolvidas consciente e deliberadamente (estratégias deliberadas). Pretexto: A estratégia é uma manobra para enganar a concorrência. Padrão: Neste caso, a estratégia seria uma consistência no comportamento, quer seja pretendida ou não. A estratégia emergente seria um padrão não pretendido previamente. Posição: A estratégia é um posicionamento, às vezes um nicho de mercado. Perspectiva: A estratégia é uma perspectiva, uma forma de ver o mundo dos indivíduos com um pensamento e /ou comportamento comum. Por outro lado, Bathlem (1999) define estratégia como um conceito a ser aprendido e que para ser bem executada, tem que ser aprendida e aceita por várias pessoas. Comparando com a definição de Porter (1999), fica claro que as definições são complementares. Quinn (2001) por sua vez exibe uma definição mais estruturada de estratégia, metas, políticas e programas, como se pode ver a seguir: Estratégia: É o padrão ou plano que integra as principais metas, políticas e sequências de ações de uma organização em um todo coerente;

24 23 Metas ou objetivos: Definem quais os resultados necessários para a estratégia e quando eles precisam ser alcançados, sem contudo definir como. As metas que afetam a direção e a viabilidade da estratégia são chamadas de metas estratégicas; Políticas: São regras ou diretrizes que expressam os limites dentro dos quais a ação deve ocorrer. Programas ou sequência de ações: Estabelecem a sequência, passo a passo, das ações necessárias para se atingir as principais metas. Definem como as metas serão alcançadas dentro dos limites estabelecidos pela política, assegurando que os recursos necessários estejam comprometidos. Ainda segundo Quinn (2001), uma estratégia eficiente deve ter objetivos claros, decisivos e diretos, deve preservar a liberdade de ação garantindo a iniciativa e concentrar o foco nos pontos importantes. Deve ser flexível para permitir reposicionamentos, ter uma liderança coordenada e comprometida e ter os recursos vitais para o empreendimento. Novamente notamos que a definição de Quinn (2001) pode ser entendida de forma complementar a de Porter (1999). Então, o que é estratégia afinal? Nesse estudo, será utilizada a definição de Quinn (2001), que exibe uma definição mais estruturada de estratégia, metas, políticas e programas Estratégia empresarial Segundo Andrews (2001), a estratégia empresarial é o padrão de decisões em uma empresa que determina e revela seus objetivos, propósitos ou metas, produz as principais políticas e planos para a obtenção dessa metas e define a escala de negócios em que a empresa deve se envolver, o tipo de organização econômica e humana que pretende ser e a natureza da contribuição econômica e não econômica que pretende proporcionar aos acionistas, funcionários e a comunidade.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Livraria Saraiva A Livraria Saraiva é uma empresa brasileira, fundada em 1914 e hoje é a maior livraria

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por:

Conceitos. Qual é a infra-estrutura de um Call Center? Uma central de atendimento é composta por: 1 Conceitos Call Center - O que é? Denominamos Call Center ou Central de Atendimento ao conjunto de soluções e facilidades (Equipamentos, Sistemas e Pessoal) que tem como objetivo fazer o interface entre

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

CompuStream Representação

CompuStream Representação Por Maximilian Immo Orm Gorissen Gerenciamento dos técnicos de campo Uma visão estratégica do business intelligence associado às operações de serviço a produtos. Nos últimos anos, o conceito de atendimento

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais