Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira"

Transcrição

1 Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente

2 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente hab. Densidade populacional 103 hab/km 2 Porto Moniz São Vicente Santana Porto Santo Calheta Machico Ponta do Sol Ribeira Brava Santa Cruz Câmara de Lobos Funchal Área 758,5 km 2 População residente hab. População flutuante pessoas/dia. Densidade populacional 318 hab/ km 2 Valor Ambiente (Fonte: Direcção Regional de Estatística da Madeira, Estimativa para

3 Responsabilidade pela Gestão dos Resíduos Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de Setembro Regime Jurídico de Gestão de Resíduos A gestão do resíduo constitui parte integrante do seu ciclo de vida, sendo da responsabilidade do respectivo produtor. Excepção: é da responsabilidade dos municípios a gestão dos resíduos urbanos cuja produção não exceda 1100 l/dia. A responsabilidade pela gestão dos resíduos extingue-se: Pela transmissão dos resíduos a operadores licenciados de gestão de resíduos; Pela sua transferência para as entidades responsáveis por sistemas de gestão de fluxos de resíduos. Valor Ambiente

4 Gestão dos Resíduos na RAM Autarquias o Recolha indiferenciada (RSU e equiparados): Porta-a-porta; Colectiva; Locais centralizados de deposição. o Recolha selectiva: Embalagens: Porta-a-porta - Funchal (vidro; embalagens plásticas e metálicas); Ecopontos e ecocentros (papel/cartão, vidro, plástico, metal e pilhas e acumuladores). Outros resíduos Resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (por solicitação); Monstros (por solicitação); Resíduos verdes (por solicitação); Matéria orgânica / Resíduos verdes (Santa Cruz e Funchal): Junto dos grandes produtores (Restaurantes, cafés, cantinas, mercados, hipermercados, entre outros). Valor Ambiente

5 Gestão dos Resíduos na RAM Valor Ambiente É a empresa responsável pela gestão do Sistema de Transferência, Triagem, Tratamento e Valorização dos Resíduos da Região Autónoma da Madeira (RAM). Constituição Em 2004 constituída a Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira, S.A., uma sociedade anónima de capitais exclusivamente públicos Foi atribuída pela RAM à Valor Ambiente a concessão da exploração e manutenção do Sistema, em regime de serviço público e de exclusividade Valor Ambiente

6 Evolução da Produção de Resíduos na RAM Produção de Resíduos Toneladas Capitação média 1992: 571 g/hab./dia 2007: g/hab./dia g/hab./dia Valor Ambiente

7 Recolha de Resíduos na RAM % 97% % 87% % Recolha Indiferenciada Recolha Selectiva 69% Valor Ambiente

8 Recolha Indiferenciada Estações de Transferência Porto Moniz Porto Santo São Vicente Santana Calheta Machico Ponta do Sol Ribeira Brava Santa Cruz Câmara de Lobos Funchal ETRS da Meia Serra Transporte para as Estações de Transferência Estação de Transferência do Funchal ETZO ETZL/ET CPRS Transporte para a ETRS Valor Ambiente

9 Recolha Selectiva Estações de Triagem e Ecocentros Porto Moniz Porto Santo São Vicente Santana Calheta Machico Ponta do Sol Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal Santa Cruz Ecocentro da Estação de Transferência do Funchal Ecocentro da ETZO Ecocentro da ETZL/ET Ecocentro do CPRS Valor Ambiente

10 Ecocentro Resíduos Recepcionados: Papel/cartão, vidro e embalagens de plástico/metal (também colocados no Ecoponto) Pilhas e acumuladores usados Resíduos verdes, madeiras Monstros ou resíduos domésticos volumosos Resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) Pneus usados Baterias Sucata metálica Óleos lubrificantes usados Cais do vidro Valor Ambiente

11 Recolha Selectiva Estações de Triagem e Ecocentros Porto Moniz São Vicente Santana Porto Santo Papel/Cartão Vidro Embalagens metálicas e plásticas Calheta Machico Ponta do Sol Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal Santa Cruz Ecocentro da Estação de Transferência do Funchal Ecocentro da ETZO Ecocentro da ETZL/ET Ecocentro do CPRS Triagem da ETZL/ET Triagem do CPRS Transporte para a Estação de Triagem Transporte para a indústria recicladora Valor Ambiente

12 Recolha Selectiva Porto Moniz São Vicente Santana Porto Santo Calheta Machico Ponta do Sol Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal Santa Cruz Estação de Tratamento de Resíduos Sólidos da Meia Serra Circuito da matéria orgânica Locais de recolha selectiva (grandes produtores de matéria orgânica) Outros circuitos -Resíduos Hospitalares -Subprodutos animais não destinados ao consumo humano Valorização orgânica Valorização energética Valor Ambiente

13 Sistema de Transferência, Triagem, Tratamento e Valorização da RAM Porto Moniz Porto Santo São Vicente Santana Calheta Machico ETZO Ponta do Sol Santa Cruz Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal ETZL/ET CPRS Estação de Transferência do Funchal ETRS da Meia Serra Resíduos de Embalagens Outros Fluxos de Resíduos: (Pilhas e Acumuladores, Óleos Lubrificantes Usados, Pneus Usados, REEE e Sucata) Resíduos para Tratamento/Valorização/Deposição Valor Ambiente

14 Fluxos com Sistema Integrado de Gestão Fluxo Embalagens Pilhas e Acumuladores Óleos Usados Pneus Usados Entidade Gestora SOCIEDADE PONTO VERDE ECOPILHAS SOGILUB VALORPNEU Veículos em fim de vida VALORCAR Equip. tos Eléctricos e Electrónicos Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos Embalagens e Medicamentos fora de uso AMB3E ERP VALORFITO VALORMED Valor Ambiente

15 Outros Fluxos de Resíduos Fluxo Óleos Alimentares Resíduos Construção e Demolição Operador licenciado Sucata Resíduos Industriais Perigosos Valor Ambiente

16 Resíduos Industriais Perigosos 1ª fase Centro de Recolha Autorizado (Concurso Prestação de Serviços) 2ª fase Centro de Processamento de Resíduos Perigosos (Avançar com Estudos para a Concepção e Construção caso se verifiquem grandes quantidades de resíduos industriais perigosos) OBJECTIVO: Recepção; Triagem; Armazenamento temporário; Envio para a Reciclagem, Tratamento e,ou Destino Final Adequado. Valor Ambiente

17 ETRS da Meia Serra Local: Meia Serra Camacha Santa Cruz Cota: m Área: m 2 Porto Moniz São Vicente Santana Porto Santo Calheta Machico Ponta do Sol Ribeira Brava Santa Cruz Câmara de Lobos Funchal Valor Ambiente

18 ETRS da Meia Serra Aterros Sanitários Instalação de Incineração de Resíduos Sólidos Urbanos Parque Pneus Instalação de Incineração de Resíduos Hospitalares e de Matadouro Estação de Tratamento de Águas Residuais Instalação de Compostagem de Matéria Orgânica (Resíduos Verdes) Valor Ambiente

19 Instalação de Incineração de Resíduos Sólidos Urbanos (IIRSU) Plataforma de descarga Fossa Garra Forno 850 ºC 2 segundos Resíduos urbanos 2 linhas - 8 toneladas de RU/hora cada Gases de Combustão Escórias para aterro (200 Kg / 1000 Kg RU) Filtro de Mangas Depurador de Gases Caldeira Gases tratados Cinzas (50 Kg / 1000 Kg RU) Gases de combustão Vapor de água Turbina Inertização e Aterro Energia eléctrica (Venda à EEM 48 GWh/ano 15% do Consumo doméstico da RAM em 2007) 64 GWh/ano Valor Ambiente

20 Instalação de Incineração de Resíduos Hospitalares e de Matadouros (IIRHM) Sistema e alimentação Câmara de combustão primária Câmara de combustão secundária Resíduos Hospitalares e de Matadouro 2 linhas - 0,5 toneladas/hora cada Gases de combustão 1100 ºC 2 segundos Aterro sanitário Escórias (Resíduos não perigosos) Gases de combustão Inertização e aterro Filtro de mangas Depurador de gases Gases de combustão Permutador de calor Cinzas volantes Gases tratados Produção de vapor para auxílio na produção de energia eléctrica Valor Ambiente

21 Instalação de Compostagem de Resíduos Sólidos Urbanos (ICRSU) Local de armazenamento Biofiltro Resíduos Orgânicos/ Resíduos Verdes Ar limpo de odores Ar do parque de maturação fermentação Tratamento primário Parque de fermentação e maturação Linha de afinação Composto Até 60 toneladas / dia Composto afinado (Até 30 toneladas / dia) Valor Ambiente

22 Aterros Sanitários (AS) Aterro em operação Aterros Selados 2ª fase B do aterro sanitário (em operação desde finais de 2003) Célula de deposição das cinzas inertizadas Antigo aterro sanitário 1ª fase do aterro sanitário Área: ± 1,1 hectares; Volume de encaixe de cinzas: m 3. Célula de deposição das escórias e RSU Área: ± 2,5 hectares; Operação: de 1992 até Outubro de 1997; Quantidade: ± toneladas de RSU. 2ª fase A do aterro sanitário Área: ± 4 hectares; Operação: de Novembro de 1997 a 2001; Quantidade: ± toneladas de RSU. Área: ± 2,8 hectares; Operação: de 2001 a finais de 2003; Volume de encaixe RSU: m 3. Volume de encaixe de cinzas: m 3. Área: ± 2,3 hectares; Volume de encaixe RSU: m 3. Valor Ambiente

23 Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) Tratamento Biológico Tratamento Físico-Químico Águas residuais e lixiviantes Caudal: 10 a 20 m 3 /h Caudal: 20 m 3 /h (capacidade para m 3 ) Tratamento Terciário Caudal: 10 m 3 /h Lamas Água tratada (Rega, processo de incineração, etc.) Água limpa Tratamento das Lamas Concentrado Inertização / Incineração / Aterro Aterro sanitário Lamas desidratadas Valor Ambiente

24 Parque Armazenamento e Trituração de Pneus Parque de armazenamento de pneus Pneus Trituradora de pneus Pneus triturados Valorização/Reciclagem Portugal Continental Valor Ambiente

25 Monitorização Ambiental Programas de Monitorização Qualidade do Ar Condições Meteorológicas Poiso 2 km Pico da Silva Estação de Qualidade do Ar Estação Meteorológica Ribeiro Serrão Valor Ambiente

26 Monitorização Ambiental Qualidade das Águas Superficiais e Subterrâneas Aspectos Psicossociais Aterros Fauna e Flora Emissões Gasosas da Incineração Saúde Pública Poluentes Atmosféricos ao Nível do Solo Ruído Valor Ambiente

27 CPRS Localização Porto das Salemas, Porto Santo Área m 2 Abertura 23 de Agosto de 2006 Porto Moniz São Vicente Santana Porto Santo Calheta Ponta do Sol Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal Santa Cruz Machico Valor Ambiente

28 CPRS Sistema de Transferência Zona de deposição de terras e entulhos Sistema de Triagem Ecocentro Instalações de apoio Aterro RSU (emergência) Valor Ambiente

29 ETZO Localização Meia Légua, Ribeira Brava Área m 2 Abertura 7 de Fevereiro de 2007 Porto Moniz São Vicente Santana Porto Santo Calheta Ponta do Sol Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal Santa Cruz Machico Valor Ambiente

30 ETZO Instalações de apoio Ecocentro Sistema de Transferência Valor Ambiente

31 ETZL/ET Localização Porto Novo, Santa Cruz Abertura Abril de 2007: - Estação de Transferência - Estação de Triagem - linha papel/cartão Novembro de 2007: - Estação de Triagem - linha automática de embalagens plásticas e metálicas Porto Moniz São Vicente Santana Porto Santo Calheta Ponta do Sol Ribeira Brava Câmara de Lobos Funchal Santa Cruz Machico Valor Ambiente

32 ETZL/ET Instalações de apoio Sistema de Transferência Sistema de Triagem Ecocentro Valor Ambiente

33 Recolha Selectiva de Resíduos ,4% 5,9% 0,1% 2,8% 22,1% Cartão Papel Vidro Embalagens plásticas e metálicas Plástico Não Embalagem REEE 2,1% 12,0% Sucata/Metais Pneus 0,2% 2,8% 21,7% Pilhas Óleos Usados Valor Ambiente

34 Recolha Selectiva de Resíduos Resíduos de embalagem enviados para reciclagem em , , kg/hab ,27 kg/hab ,51 27,8 14, ,66 6, Quantidades totais 0 Papel/cartão Vidro Plástico/metal Madeira Resto de Portugal Madeira Resto de Portugal Valor Ambiente 2008 Fonte: Sociedade Ponto Verde 34

35 TODOS OS AGENTES ENVOLVIDOS Cidadãos Autarquias COMPORTAMENTO AMBIENTAL CONSCIENTE Comerciantes Industriais Valor Ambiente

36 Valor Ambiente GOVERNO REGIONAL DA MADEIRA Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais O presente projecto, co-financiado pelo Fundo de Coesão da União Europeia, contribui para a redução das disparidades sociais e económicas entre os cidadãos da União Europeia

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira A Região Autónoma da Madeira Área 42,17 km 2 População residente 4.474 hab. Porto Moniz Densidade populacional 106 hab/km 2 São Vicente Santana Porto

Leia mais

Joana Rodrigues. Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira, S.A.

Joana Rodrigues. Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira, S.A. SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O presente projecto, co-financiado pelo Fundo de Coesão da União Europeia, contribui para a redução das disparidades sociais e económicas entre

Leia mais

Unidade de Saúde (detentor)

Unidade de Saúde (detentor) Óleos lubrificantes usados Contrato com operador de gestão autorizado Armazenamento temporário em contentores adequados, que são recolhidos no local pelo operador de gestão Ecocentro Operador de gestão

Leia mais

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento A GESTÃO DE RESÍDUOS EM ZONAS INSULARES: UM DESAFIO PARA OS AÇORES OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento Paulo Santos Monteiro (Prof. Auxiliar da FEUP) 1.700 km 270

Leia mais

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Rosa Novais Belo Horizonte, março 2013 Gestão de Resíduos na Europa O setor de gestão e reciclagem de resíduos na União Europeia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE PELO QUE S. MIGUEL TEM DE MELHOR. Na altura em que se completam dez anos sobre o início da actividade da AMISM, é oportuno fazer um balanço

Leia mais

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE Gestão de Resíduos no Território Isabel Vasconcelos Fevereiro de 2006 Produção de Resíduos Resíduos - Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

Relatório e Contas 2007

Relatório e Contas 2007 Relatório e Contas 27 Nota Introdutória O ano de 27 fica marcado como sendo aquele em que se concluíram três importantes infraestruturas do sistema de gestão de resíduos da Região Autónoma da Madeira.

Leia mais

Conteúdo. Política de gestão de resíduos Novo regime legal. Prevenção. Prevenção Protagonistas

Conteúdo. Política de gestão de resíduos Novo regime legal. Prevenção. Prevenção Protagonistas Conteúdo Prevenção de resíduos da política às práticas de gestão Prevenção Definição Protagonistas Exemplos Circuito da gestão dos RSU Susana Xará 24. Novembro. 2011 Política de gestão de resíduos Novo

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional:

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional: MODELO A Modelo a preencher pelos embaladores regionais e/ou responsáveis pela colocação de produtos no mercado regional (nº 1 do Artigo 3º da Portaria nº 4/2002, de 31 de Janeiro) Dados estatísticos relativos

Leia mais

Ecoparque da Abrunheira. Mafra O futuro é hoje

Ecoparque da Abrunheira. Mafra O futuro é hoje Ecoparque da Abrunheira Mafra O futuro é hoje Quem Somos A Tratolixo é uma empresa intermunicipal de capitais integralmente públicos, detida a 100% pela AMTRES - Associação de Municípios de Cascais, Mafra,

Leia mais

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Evolução da gestão de resíduos na Europa Evolução da capitação de RSU vs. PIB em Portugal e na UE-, 1995-2000

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

A Incineração de Resíduos em Portugal. Susana Xará. 28 de Outubro de 2009. Conteúdo. Incineração de resíduos sólidos em Portugal

A Incineração de Resíduos em Portugal. Susana Xará. 28 de Outubro de 2009. Conteúdo. Incineração de resíduos sólidos em Portugal A Incineração de Resíduos em Portugal Susana Xará 28 de Outubro de 2009 Conteúdo Incineração de resíduos sólidos em Portugal Urbanos Industriais Hospitalares Resíduos Florestais - Biomassa Para cada tipo

Leia mais

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra, e a

Leia mais

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento 10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte Elsa Pereira Nascimento O IMPACTO DA VALORPNEU: Pontos Recolha da Rede Valorpneu Transportadores na Rede Valorpneu O IMPACTO DA

Leia mais

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS Um dos objectivos da política ambiental integrada é a atribuição da responsabilidade,

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR GESTÃO DE RESÍDUOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Enquadramento e soluções tecnológicas 1. Enquadramento geral Os Açores são uma Região Autónoma de Portugal, com o estatuto de região ultraperiférica da

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

LIPOR VALOR AMBIENTE VALORSUL, S.A. Sistema Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto

LIPOR VALOR AMBIENTE VALORSUL, S.A. Sistema Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto Conteúdo Incineração de resíduos sólidos em Portugal Urbanos Industriais Hospitalares A Incineração de Resíduos em Portugal Resíduos Florestais Biomassa Susana Xará 28 de Outubro de 2009 Para cada tipo

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

ACTIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar & 1º Ciclo

ACTIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar & 1º Ciclo ACTIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar & 1º Ciclo CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DE ALBUFEIRA Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários - 8200 ALBUFEIRA TEL.: 289 51 32

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS Passado, Presente e Futuro da Gestão de Resíduos Hospitalares em Portugal Missão Técnica a Portugal Logística Reversa 20 a 24 de Outubro de 2014 1 AGENDA 1 2 3

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS

EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS SITUAÇÃO DE REFERÊNCIA 2004 2010 Amadora, Janeiro de 2011 Departamento de Fluxos Especiais e Mercado de Resíduos Divisão de Entidade Gestoras e Mercado de Resíduos A

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

O SGPU nos Açores VARELA & Cª, LDA. Dr. Marco Lopes

O SGPU nos Açores VARELA & Cª, LDA. Dr. Marco Lopes O SGPU nos Açores VARELA & Cª, LDA. Dr. Marco Lopes 00. Índice Índice 1. Varela & Cª, Lda 2. O Início 3. Gestão do Passivo Ambiental 4. Sistema Integrado de Gestão de Pneus Usados Açores 1. Varela & Cª,

Leia mais

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares.

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares. NÚMERO: 1 TÍTULO: Os resíduos perigosos domésticos, industriais e os resíduos hospitalares. IDEIAS CHAVE: Resíduos corrosivos, tóxicos, inflamáveis, nocivos. Nesta colecção de transparências, pretendem-se

Leia mais

5,70% Recolha selectiva 10,148. 0,081 10,068 Resíduos verdes 145,370 13,47% 86,53% 85,35% 99,94% #REF! 8,592 Reciclagem/Tratamento

5,70% Recolha selectiva 10,148. 0,081 10,068 Resíduos verdes 145,370 13,47% 86,53% 85,35% 99,94% #REF! 8,592 Reciclagem/Tratamento Gestão de Res GESTÃO DE RESÍDUOS Esquema do processo de Gestão de Resíduos (Ton/dia) Concelho de Guimarães Políticas de Produção estimada Produção 178,142 minimização 0,00% resíduos recolhidos 178,142

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho Gestão de Resíduos nos Açores Carlos de Andrade Botelho Distância ao Continente = 1.500 Km Dispersão por 600 Km (mais do que a altura de Portugal Continental ou a largura da Alemanha) Ligações marítimas

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE www.pontoverde.pt Entidade Atividade Licença Sociedade Ponto Verde Gestão de um Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Embalagens (SIGRE) Licença

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 1. Geral/Acesso 1.1 Não consigo visualizar correctamente o inventário. Geralmente a visualização correcta do inventário

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem

Relatório Anual da Reciclagem Relatório Anual da Reciclagem 2011 Relatório Anual da Reciclagem Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 30, Cristelos 4620-151, Lousada www.ambisousa.pt

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

RECOLHA SELECTI VA EM LI SBOA

RECOLHA SELECTI VA EM LI SBOA RECOLHA SELECTI VA EM LI SBOA II Encontro Nacional sobre Recolha Selectiva Porta a Porta 24 Maio 2007 Forúm da Maia Organização: Quercus/Maiambiente Departamento de Higiene Urbana e Resíduos Sólidos Ângelo

Leia mais

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 1. Evolução da Reciclagem em 2008 - Actualização Conforme anunciado, republica-se a informação estatística relativa a 2008, depois de efectuadas diversas correcções

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

NÚMERO: 1. TÍTULO: Vamos fazer menos lixo : redução, reutilização e reciclagem. IDEIAS CHAVE: Redução, reutilização e reciclagem.

NÚMERO: 1. TÍTULO: Vamos fazer menos lixo : redução, reutilização e reciclagem. IDEIAS CHAVE: Redução, reutilização e reciclagem. NÚMERO: 1 TÍTULO: Vamos fazer menos lixo : redução, reutilização e reciclagem. IDEIAS CHAVE: Redução, reutilização e reciclagem. Esta colecção de transparências tem como objectivo a apresentação dos conceitos

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

Equipa Técnica. Prof. Doutor Fernando Santana Prof. Doutor Rui Ganho Prof. Doutora Paula Antunes Dr. Rui Santos Engº José Sardinha Engº Luís Jordão

Equipa Técnica. Prof. Doutor Fernando Santana Prof. Doutor Rui Ganho Prof. Doutora Paula Antunes Dr. Rui Santos Engº José Sardinha Engº Luís Jordão Equipa Técnica Prof. Doutor Fernando Santana Prof. Doutor Rui Ganho Prof. Doutora Paula Antunes Dr. Rui Santos Engº José Sardinha Engº Luís Jordão ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 1.1 Apresentação...1 1.2 Pressupostos...2

Leia mais

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA M. A. P. Dinis Professora Auxiliar CIAGEB, Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal madinis@ufp.edu.pt RESUMO A gestão de

Leia mais

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Índice A RECUPERAÇÃO EM PORTUGAL DE PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR... 3 DADOS GLOBAIS 2011... 4 PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR...

Leia mais

Constituição e Estrutura Accionista

Constituição e Estrutura Accionista Constituição e Estrutura Accionista DECRETO-LEI Nº 11/2001 DE 23 de Janeiro 8 Criação do Sistema Multimunicipal de Triagem, Recolha, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Norte Alentejano

Leia mais

O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer.

O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer. Co-incineração O que são resíduos? Os resíduos são substâncias ou objectos de que o Homem se desfaz ou tem intenção ou obrigação de o fazer. Quando os resíduos não são tratados, perturbam todos os ecossistemas

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Brochura Institucional

Brochura Institucional Brochura Institucional INTERFILEIRAS A INTERFILEIRAS representa as organizações - Fileiras de material - criadas ao abrigo de legislação específica com a missão de assegurar a retoma e reciclagem de resíduos

Leia mais

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS RESÍDUOS 2 RESÍDUOS 3 RESÍDUOS IMPACTOS AMBIENTAIS RESÍDUOS: Quantidade Natureza POLUIÇÃO E POLUENTES: Natureza Consequências 4 RESÍDUOS: Quantidade Produção: 2000-17

Leia mais

ANEXO PAPRU Resiestrela

ANEXO PAPRU Resiestrela 0 RESIESTRELA, SA Situação Actual 1. Universo de Intervenção O Sistema Multimunicipal de Valorização e Tratamento dos Resíduos Sólidos da Cova da Beira, criado pelo Decreto-Lei n.º 128/2008, de 21 de Julho,

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES DE

GUIA DE ATIVIDADES DE ATIVIDADES DE ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar & 1º Ciclo CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DE ALBUFEIRA Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários - 8200 ALBUFEIRA TEL.:

Leia mais

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2006 Outubro 2006 Relatório da Reciclagem 4º Trimestre 2006 2 Total Outubro - 554,22 ton 16,44 1,18 18,74 2,62 11,20 251,82 252,22 Vidro Papel/Cartão

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

Dossiê de Imprensa 2011

Dossiê de Imprensa 2011 Dossiê de Imprensa 2011 Índice APRESENTAÇÃO... 03 Missão & Objectivos... 03 História & Actualidade... 03 Localização/Unidades de Tratamento de RSU... 05 RESPONSABILIDADE SOCIAL... 06 Recursos Humanos...

Leia mais

1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral)

1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral) RELATÓRIO DE ATIVIDADES 214 GESTÃO DE RESÍDUOS DE EMBALAGENS SPV SOCIEDADE PONTO VERDE 1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral) 1) Mercado Potencial atualizado em

Leia mais

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial

Eficiência na Gestão de Resíduos. I joana.andre@lipor.pt I www.lipor.pt I. Multimaterial REEE joana.andre@lipor.pt www.lipor.pt População 969.036 habitantes (Census 2001) 10,3% da população de Portugal Produção anual de RSU (ano 2004) : 488.128 toneladas Capitação 1,38 kg/(hab/dia) Área: 648

Leia mais

ABRUNHEIRA. é uma realidade! CDR Premium. Biogás gera electricidade. Plano Director de Trajouce

ABRUNHEIRA. é uma realidade! CDR Premium. Biogás gera electricidade. Plano Director de Trajouce CDR Premium Iniciámos a produção de um novo produto Tratolixo Biogás gera electricidade A recuperação do biogás do aterro de Trajouce permitirá a produção anual de aproximadamente 5,7GW Plano Director

Leia mais

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado A LIPOR. ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS 2 A LIPOR NO CONTEXTO NACIONAL População 10 %

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais

Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais Sistemas de Gestão Integrada de Resíduos Urbanos e Resíduos Especiais Teresa Pires dos Reis António Garcia Nunes Lisboa, 20 de outubro, 2014 AGENDA 1. Gestão RU Pré-1990 2. Organização Setor Gestão RU

Leia mais

Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores. Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos

Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores. Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos 2012 1. Qual a finalidade deste sistema de apoio? Este sistema de apoio tem

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

Pedro Sobral. Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora

Pedro Sobral. Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora Pedro Sobral Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora A RESIALENTEJO em númerosn Área territorial: 8 Municípios População abrangida: 101.658 hab

Leia mais

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 PT 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 DECISÃO DA COMISSÃO de 18 de Novembro de 2011 que estabelece regras e métodos de cálculo para verificar o cumprimento dos objectivos estabelecidos

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PREÂMBULO

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PREÂMBULO RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PREÂMBULO A Lei nº 11/87, de 7 de Abril, conhecida por Lei de Bases do Ambiente, estabelece que a responsabilidade do destino dos diversos tipos de resíduos e efluentes é de quem

Leia mais

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não

. 03 01 05 Serradura, aparas, fitas de aplainamento, madeira, aglomerados e folheados não Lista de códigos - Lista Europeia de A Semural recepciona os seguintes tipos de resíduos, de acordo com os Códigos - Lista Europeia de Resíduos. Para resíduos perigosos ou outros contacte-nos pois temos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento MORUNGABA Aspectos Gerais - Morungaba CISBRA Relação Populacional Morungaba x CISBRA 4% dos habitantes do CISBRA 4% da pop. urbana do CISBRA 3% da pop. rural do CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Morungaba

Leia mais

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Pinhalzinho Aspectos Gerais Pinhalzinho Relação Pinhalzinho x CISBRA 5% dos habitantes do CISBRA 3% da pop. urbana do CISBRA 12% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Pinhalzinho 154,531

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente

2011/2012. CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 2011/2012 CÂMARA MUNICIPAL ALENQUER-Divisão de Ambiente 2011/2012 Índice: Introdução Ações de Sensibilização: Ateliers: Datas Comemorativas: Visitas de Estudo: Concursos: Projetos:

Leia mais

CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios

CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios Domingos Saraiva Presidente do Conselho de Administração da TRATOLIXO, E.I.M., S.A. TRATOLIXO, EIM, SA. Criada em 1990

Leia mais

População 1 milhão habitantes (aproximadamente) (Census 2001) Produção anual de RSU cerca de 480.000 ton/ano capitação 1,3 kg/(hab/dia)

População 1 milhão habitantes (aproximadamente) (Census 2001) Produção anual de RSU cerca de 480.000 ton/ano capitação 1,3 kg/(hab/dia) Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto Área: 0.7% 648 km 2 População: 10.3% da população de Portugal População 1 milhão habitantes (aproximadamente) (Census 2001) Produção

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DOS RESÍDUOS URBANOS: REPRIVATIZAÇÃO DA EGF - VALORSUL

REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DOS RESÍDUOS URBANOS: REPRIVATIZAÇÃO DA EGF - VALORSUL REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DOS RESÍDUOS URBANOS: REPRIVATIZAÇÃO DA EGF - VALORSUL I. ENQUADRAMENTO A Empresa Geral de Fomento (EGF) foi nacionalizada, em 1976, e colocada na esfera do Instituto de Participações

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. 2 O r g a n i z a ç ã o e m U n i d a d e s C a p i t a l i z á v e i s Área de Formação 850. Protecção do Ambiente Itinerário de Formação 85001. Operação de Sistemas Ambientais Saída Profissional Designação:

Leia mais

Gestão de Águas Residuais na Região Autónoma da Madeira

Gestão de Águas Residuais na Região Autónoma da Madeira Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Gestão de Águas Residuais na Região Autónoma da Madeira Outubro de 2001 No âmbito do projecto: Código: EA-D2E-nº4.7 Financiamento: INTERREG

Leia mais

Eixo: LOGISTICA REVERSA

Eixo: LOGISTICA REVERSA PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS LEI 11.445/2007 Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS

Leia mais

SISTEMA DE APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE BIOGÁS

SISTEMA DE APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE BIOGÁS SISTEMA DE APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE BIOGÁS Sistema multimunicipal de valorização e tratamento de resíduos sólidos urbanos da margem Sul do Tejo Vitor Pascoal Martins Objectivos Conhecer o sistema multimunicipal

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde

Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Tecnologias de Tratamento e Disposição Final de Resíduos de Serviços de Saúde Eng. M.Sc Cristiano Kenji Iwai Colômbia - 2009 Formas de Tratamento ETD

Leia mais

A Grande Viagem do Lixo

A Grande Viagem do Lixo Olá! Eu sou a Clarinha a mascote da Lipor. Sempre que me vires, é sinal que alguém está a cuidar do ambiente e a aprender como viver num mundo mais limpo, mais verde. E tu? sabias que... Há 4 R s nossos

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

Código LER Descrição (os mais utilizados estão sublinhados) Resíduos de minas 01 01 01 Resíduos metálicos 01 01 02 Resíduos não metálicos 01 03 06 Rejeitados de minério 01 03 08 Poeiras e pós de extracção

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

Memória Descritiva. Ecoponto Marítimo. Fevereiro 2009

Memória Descritiva. Ecoponto Marítimo. Fevereiro 2009 Memória Descritiva Ecoponto Marítimo Fevereiro 2009 1 ECOPONTO MARÍTIMO O Ecoponto Marítimo consiste num local de deposição selectiva de resíduos como pilhas, óleos, baterias, filtros de óleo dos barcos

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ

A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ A QUESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA ALEMANHA, NA FRANÇA, NA ESPANHA E NO CANADÁ Ilídia da A. G. Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA NOTA JUSTIFICATIVA A aprovação quer do regime das finanças locais pela Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro, quer do regime

Leia mais