DATA WAREHOUSE. Data Warehouse

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DATA WAREHOUSE. Data Warehouse"

Transcrição

1 DATA WAREHOUSE Data Warehouse

2 Sumário Conceitos / Autores chave Introdução Características de um Data Warehouse Arquitetura de Data Wirehouse Conclusões Materiais complementares Bibliografia... 11

3 Conceitos / Autores-chave Glossário Data Warehouse Conjunto de tabelas que armazenam os dados dos sistemas de operação (ERPs, tarifadores, etc ) em um modelo multidimensonal, possibilitando a exploração direcionada dos mesmos, melhorando as possibilidades de análises operacionais e gerenciais. Dimensão Conceitualmente são os elementos que participam de um fato, ou assunto de negócio. Cubo Banco de dados multidimensional, geralmente referindo-se a um caso simples de produto, mercado e tempo. Primeiro, oferecem ao 1 projetista uma visão concreta das necessidades e expectativas da comunidade de usuários. As entrevistas criam uma conexão entre as equipes de projetistas do DW e do negócio. Entender o negócio é a moeda de ouro da equipe de projetistas. Essas entrevistas são essenciais ao sucesso do projeto. Database Marketing Conceito lógico de exploração de um data warehouse, onde os dados cadastrais e comportamentais de uma base de dados de clientes são organizados, de forma a favorecer a análise dos acontecimentos do mercado consumidor, prospectar novos clientes e definir possibilidades promocionais para incentivar o consumo. Este modelo de exploração do data warehouse agiliza o desenvolvimento das estratégias de Marketing. Fatos Um fato é uma coleção de itens de dados, composta de dados de medidas e de contexto. Cada fato representa um item, uma transação ou um evento de negócio e é utilizado para analisar o processo de negócio de uma empresa. Pontos Críticos Aspectos relevantes a serem considerados para obter os requisitos de um Data Warehouse Para saber quais informações importantes são necessárias para serem consultadas e analisadas em um data warehouse, devese começar pelas entrevistas com os usuários finais. Estas entrevistas têm duas finalidades. A segunda finalidade das 2 entrevistas permite aos projetistas aumentar o nível de conscientização dos usuários finais quanto à implantação do DW, assim como adequar suas expectativas. Entrevistar o usuário final é sem dúvida uma faca de dois gumes. A equipe de projetistas deve estar preparada para dar continuidade ao projeto, logo após o término das entrevistas, porque o DW estará nas mentes dos usuários (KIMBALL, 2002).

4 As entrevistas ideais consistem em sessões de uma hora, em que dois ou três projetistas da equipe reúnem-se com um gerente de área e alguns de seus subordinados. As reuniões com muitos participantes de cada departamento são uma perda de tempo. Uma hora de reunião será mais que suficiente para a equipe de DW obter informações iniciais e geralmente é oportuno absorver as principais necessidades do usuário antes de prosseguir com as entrevistas. Em uma organização de grande porte, é aconselhável realizar uma ou duas entrevistas com cada segmento, mesmo que alguns deles não sejam prioritários para o DW. Será especialmente importante incluir tanto o segmento matriz como o filial nas entrevistas principais, além das áreas igualmente importantes. Será melhor não entrevistar todas as equipes de uma determinada área em seqüência, isto é, todas as equipes de marketing, seguidas de todas as equipes de produção e de todas as de vendas. À medida que as entrevistas progridem, os projetistas adquirem maior entendimento do negócio e pode ser útil retornar a um tópico do início do processo, nas últimas entrevistas. O conteúdo das entrevistas finais não deve acrescentar nada de extraordinário às informações coletadas, comprovando dessa forma que todos os aspectos importantes do negócio foram abordados. Caso surjam informações totalmente novas nas etapas finais do processo de entrevistas, então devemos suspeitar de que alguns dos tópicos não foram amplamente cobertos. Deve-se ter cuidado na escolha do usuário que deve ser entrevistado. O mesmo deve ser capaz de responder todas as perguntas sobre o negócio da empresa e especialmente do seu departamento. Importante O segredo de uma boa entrevista é fazer o usuário descrever seu trabalho. Há várias perguntas que resultam em respostas produtivas. A seguir estão algumas delas, mas lembre-se: seja flexível.? Qual a missão do seu grupo/departamento/ divisão? Qual mudança recente na condução do negócio é mais significativa? Como você mede o sucesso em seu grupo? Você consulta os dados diariamente? Você precisa distinguir terças de sábados? Valores acumulados mensais são suficientes para o que você deseja fazer? Finalmente, algumas perguntas sobre urgência: É necessário que os dados de ontem estejam disponíveis hoje? É possível que um grupo precise distinguir terças-feiras de sábados (detalhe dos dados), mas não que os dados de ontem estejam disponíveis hoje (urgência). Quanto tempo, após o fechamento do mês, deve ser gerado o relatório mensal? As respostas a essas perguntas orientarão o projeto do sistema de extração de dados. No final da entrevista, será um bom momento para serem solicitados exemplos de relatórios sobre os temas discutidos. Um processo de entrevista bem sucedido deve resultar num acúmulo de relatórios administrativos.

5 1. Introdução Devido às constantes mudanças no mercado sócio-econômico e à concorrência acirrada existente entre as empresas, os sistemas de apoio à decisão tornamse elementos decisivos nestas empresas. Além disso, o uso eficiente dos bancos de dados para melhorar a gestão dos negócios e expandir as vendas, tendo o cliente como beneficiário direto, é uma necessidade que se impõe às empresas que queiram se manter competitivas. Normalmente, as bases de dados das empresas possuem uma grande quantidade de dados, e o processo para tomada de decisão sem uma ferramenta adequada, que dê apoio a este processo, torna-se inviável em função do tempo necessário, para acessar esta massa de dados e gerar complexos relatórios. Um caminho utilizado para o apoio ao processo de decisão é empregar uma tecnologia de banco de dados orientada a um Data Warehouse, visto que tão somente um SGBD não é apropriado para trabalhar com grandes quantidades de dados históricos. Os bancos de dados e a teoria de banco de dados estão disponíveis há bastante tempo. As primeiras edições de bancos de dados concentravam-se em um único banco de dados, que atendia a todos os propósitos conhecidos pela comunidade de informática do processamento de transações ao processamento batch (lote) e ao processamento analítico. Na maioria dos casos, o enfoque principal dos primeiros sistemas de banco de dados era o processamento operacional geralmente transacional. Nos últimos anos, surgiu um conceito de banco de dados mais sofisticados um que atende as necessidades operacionais e outro que atende as necessidades informacionais ou analíticas. Até certo ponto, esse conceito mais evoluído de banco de dados se deve ao advento dos PCs, à tecnologia das linguagens de quarta geração, e ao poder de decisão do usuário final. A divisão em banco de dados operacionais e informacionais ocorrem por várias razões: Os dados que atendem às necessidades operacionais são fisicamente diferentes dos dados que atendem às necessidades informacionais ou analíticas. A tecnologia de suporte ao processamento operacional é fundamentalmente, diferente da tecnologia utilizada para prestar suporte a necessidades informacionais ou analíticas. A comunidade de usuários dos dados operacionais é diferente da que é atendida pelos dados informacionais ou analíticos. As características de processamento do ambiente operacional e do ambiente informacional são, fundamentalmente diferentes. Estas são algumas das razões pelas quais a maneira moderna de construir sistemas consiste em separar o processamento e os dados operacionais dos informacionais ou analíticos. Pode-se definir que o processamento informacional ou analítico é o processamento que atende às necessidades dos gerentes durante o processo de tomada de decisões. Geralmente conhecido como sistema de apoio à decisão (SAD), o processamento analítico examina amplos espectros de dados para detectar tendências. Em vez de considerar um ou dois registros de dados (como ocorre no processamento operacional), quando o analista de SAD executa um processamento analítico, muitos registros são acessados. Além disso, o analista de SAD muito raramente atualiza dados. Nos dados operacionais, os dados estão constantemente sendo atualizados no nível de registro individual. No processamento analítico, os registros estão constantemente sendo acessados, e seus conteúdos são agrupados para análise, mas ocorre pouca ou nenhuma alteração dos registros individuais.

6 2. Características de um Data Warehouse Processamento Analítico No processamento analítico, os requisitos de tempo de resposta são muito atenuados em comparação com o do tradicional processamento operacional. O tempo de resposta analítico alcança de 30 minutos a 24 horas. Os Data warehouses não são construídos de uma única vez, pois eles são projetados e povoados passo a passo, sendo evolucionários. Segundo Inmon (INMON, 1997) Um DW deve ser orientado por assuntos, integrado, variável no tempo e não volátil. A seguir, são apresentadas as principais características de um DW: 2.2 Integração Os dados antes de estarem no banco do DW, geralmente encontram-se armazenados em vários padrões de codificação, isso se deve aos inúmeros sistemas existentes nas empresas, e que eles tenham sido codificados por diferentes analistas. Portanto, os mesmos dados podem estar em formatos diferentes. Para o processamento operacional, tempos de resposta inseridos nessa escala significariam um absoluto desastre. A rede que atende a comunidade analítica é muito menor do que a que atende à comunidade operacional. Normalmente, há muito menos usuários da rede analítica do que da rede operacional. Ao contrário da tecnologia que dá suporte ao ambiente analítico, a tecnologia voltada para o ambiente operacional deve tratar do bloqueio de dados e transações, disputa de dados, e assim por diante. 2.1 Orientação por Assunto O dado é inserido no Data Warehouse decorrente de um ambiente operacional, na grande maioria das vezes. O Data Warehouse é sempre um armazenamento de dados transformados, separados fisicamente do ambiente operacional e da fonte do dado utilizado na aplicação. As diferenças entre aplicações orientadas por processos/funções e as orientadas por assunto estão no conteúdo dos dados e no nível de detalhes dos mesmos. No Data Warehouse são excluídos os dados que não devem ser usados no processo de Suporte a Decisão (DSS), enquanto no ambiente operacional as aplicações contêm dados para satisfazer imediatamente as requisições que podem ou não ser usadas para análise de DSS. Por meio da integração, padronizam-se em uma representação única os dados de todos os sistemas que formarão a base de dados do DW. Por isso, grande parte do trabalho na construção de um DW está na análise dos sistemas operacionais e dos dados que eles contêm. Na figura a seguir é apresentado um ambiente composto de aplicações, definidas como aplicação A, aplicação B e aplicação C. Cada uma destas aplicações pode representar o termo sexo masculino pelo algarismo 0, pela letra M ou H. Da mesma forma, para o sexo feminino, os seguintes caracteres 1, F ou M. Quando da devida integração, realizada de forma automática, desta informação no DW, os dados devem assumir um único padrão. Para o exemplo apresentado, o padrão escolhido foi M e F, para sexo masculino e feminino, respectivamente.

7 Na figura abaixo são apresentadas as formas de utilização que ocorrem nos Sistema Transacionais e no Data Warehouse. A Diferença dos Dados num Sistema Operacional e no Data Warehouse 2.3 Variação no tempo Em um DW é normal um horizonte de tempo bem superior ao dos sistemas transacionais, ou seja, informações armazenadas, excluídas, atualizadas e consultadas em um período de tempo de segundos. Isso é bastante lógico porque num sistema transacional a finalidade é de fornecer as informações no momento exato, já no Data Warehouse, o principal objetivo é analisar o comportamento das mesmas durante um período de tempo maior. É importante considerar que os dados existentes em um DW são como fotografias (snapshots) e não podem ser atualizados, pois seus dados refletem um estado em um determinado momento do tempo, já nos sistemas operacionais os registros são atualizados constantemente. Este é um dos motivos que fazem com que o DW se torne essencial para uma tomada de decisão, pois é por meio de seus recursos (ferramentas de suporte a análise) que temos a facilidade de verificar os históricos dos principais assuntos. 2.4 Não Volatilidade No Data Warehouse existem somente duas operações, a carga inicial e as consultas dos frontends aos dados. Isso pode ser afirmado porque a maneira como os dados são carregados e tratados é completamente diferente dos sistemas transacionais. Enquanto nesses sistemas temos vários controles e atualizações de registros, em um DW, tem-se somente inserção e consulta de dados. Deve-se considerar que os dados sempre passam por filtros antes de serem inseridos no DW. Uma vez que participam de um ambiente de DW, os dados são dispostos de forma diferente à representação de um sistema transacional. Em outras palavras, a maior parte dos dados é física e radicalmente alterada quando passam a fazer parte do DW. Do ponto de vista de integração, não são mais os mesmos dados do ambiente operacional. À luz destes fatores, a redundância de dados entre os dois ambientes raramente ocorre, resultando em menos de um por cento de duplicações, essa definição é dada por Inmon. As Formas de Atualizações que ocorrem no Sist. Operacional e no DW 2.5 Localização Os dados em um DW podem estar fisicamente armazenados em função de dois conceitos: por meio de uma centralização ou por meio de distribuição. Em um único local, de forma centralizada, o banco de dados supre informação a um DW integrado, e desta forma maximizando o poder de processamento e agilizando a busca dos dados. Esse tipo de armazenamento é utilizado freqüentemente, porém existe a inconveniência de investimentos em hardware para comportar a base de dados muito volumosa, e o poderio de processamento elevado, a fim de atender satisfatoriamente as consultas simultâneas de muitos usuários. Quando o armazenamento é de forma distribuída, fazendo uso de Data Marts, armazenando informações por áreas de interesse. Por exemplo, os dados da gerência financeira num servidor, dados de marketing em outro e dados da contabilidade em um terceiro lugar.

8 Esta visão tende a ser uma opção interessante para quem precisa de bastante desempenho, pois desta forma minimiza a sobrecarga de um único servidor, e as consultas serão sempre atendidas em tempo satisfatório. 2.6 Particionamento O particionamento dos dados é a repartição dos dados em unidades físicas separadas que podem ser tratadas de forma independente. Dica 2.8 Granularidade Granularidade é o nível de detalhe ou de resumo dos dados existentes num Data Warehouse. Quanto maior for o nível de detalhes, menor será o nível de granularidade. O nível de granularidade afeta diretamente o volume de dados armazenados no DW, e ao mesmo tempo o tipo de consulta e a velocidade de resposta. A figura a seguir apresenta dois tipos diferentes de granularidade. Quando a granularidade e o particionamento forem devidamente executados, os outros aspectos do projeto e implementação ocorrerão de forma natural. 2.7 Credibilidade dos Dados É importante à credibilidade dos dados, como premissa, para o sucesso de qualquer projeto, por exemplo: dados aparentemente simples, como um CEP errado, podem não ter nenhum impacto em uma transação de compra e venda, mas podem influenciar nas informações referentes à cobertura geográfica. É importante também nesta fase procurar sempre evitar dados que não sejam provenientes de fontes seguras, pois estes dados geram relatórios de má qualidade, prejudicando a tomada de decisão e causando altos riscos para a tomada de decisão de um negócio. Níveis de Granularidade 3. Arquitetura de Data Wirehouse Um data warehouse pode armazenar uma grande quantidade de informações, podendo dividi-las em subconjuntos lógicos, chamados data marts. Os data marts focalizam um assunto em específico relativo a empresa (por exemplo, Vendas, Financeiro, Marketing), enquanto um data warehouse tem uma visão mais abrangente, corporativa. As diferenças entre os dois, são: o tamanho e o escopo do problema a ser resolvido. Alguns especialistas preferem, quando da implantação de um data warehouse em uma empresa, começar por áreas específicas (ou seja, implantando data marts em alguns setores da empresa) para por fim, implantar o sistema completo (um data warehouse, a nível de empresa como um todo). Existem grandes diferenças no investimento e no tempo de conclusão do trabalho. Enquanto o custo de implantação de um data mart gira em torno de R$ 100 mil a R$ 1 milhão e leva de 30 a 120 dias para ficar pronto, um data warehouse tem como preço inicial R$ 2 milhões e prazo de 3 a 6 meses para sua conclusão (QUADROS, 2007).

9 Um Data Warehouse deve ser elaborado conforme as necessidades do usuário, alinhado às suas áreas funcionais na empresa e de acordo com as condições de negócio e as pressões de competitividade. No entanto, são três as arquiteturas mais utilizadas para seu desenvolvimento: Arquitetura Top-down Arquitetura Bottom-up Arquitetura Híbrida Arquitetura Top-Down Esta arquitetura consiste na extração dos dados do DW para os DM s e no seu desenvolvimento. Esse processo inicia-se com a extração, a transformação e a integração das informações dos sistemas utilizados pela empresa e dados externos, para uma área intermediária de preparo dos dados. A partir disso, esses dados são transferidos para o DW. Após essa transferência, os dados são extraídos para os DM s setoriais. A figura ao lado apresenta o modelo da arquitetura Top-Down. Arquitetura Top-Down Arquitetura Bottom-Up O plano arquitetural é um importante fator na elaboração do projeto de um Data Warehouse como ferramenta de comunicação, flexibilidade e planejamento, facilitando o aprendizado e o aumento da produtividade. Para o sucesso na obtenção de um Data Warehouse que atenda as necessidades de informação da Empresa, as sutilezas existentes entre cada uma das abordagens devem ser conhecidas (KIMBALL, 2002). Esta arquitetura consiste na extração dos dados para o DW. Esse processo inicia-se com a extração, a transformação e a integração das informações dos sistemas utilizados pela empresa e dados externos para um ou mais DM s. A partir desses DM s constrói-se o DW incremental para a empresa. Entretanto, devese tomar o cuidado para que esses DM s não se tornem totalmente independentes, causando um problema no carregamento das informações para o DW. A figura ao lado apresenta o modelo da arquitetura Bottom-Up. Importante Arquitetura Bottom-Up Para se construir um DW não basta conhecer a sua arquitetura e níveis de granularidade, deve-se estudar o modelo adequado. Existem modelos do DW tais como o dimensional e multidimensional.

10 Arquitetura Híbrida Essa abordagem tem como finalidade integrar as abordagens de Top Down e Bottom up, utilizando o que há de melhor nas duas abordagens e tirando proveito da orientação do usuário e da velocidade que existe na abordagem Bottom-up sem prejudicar a integração forçada por um Data Warehouse que existe na abordagem Top-Down. Primeiro todo o Data Warehouse da organização é modelado para posterior implementação de partes desse modelo, representando os assuntos da organização e que serão os Data Marts (HACKNEY, 1998). Uma arquitetura híbrida é apresentada na figura ao lado. Arquitetura Híbrida A elaboração de um data warehouse é uma tarefa que exige conhecimento de modelagem de dados, banco de dados e um profundo conhecimento dos processos de negócio que servirão de base para a construção das tabelas fato e dimensão. 4. Conclusões É importante entender o processo pelo qual deve passar a empresa, durante a elaboração do DW, e para isto a escolha mais adequada quanto à sua arquitetura é fundamental para o sucesso do DW. Neste texto foram apresentados elementos fundamentais para se ter em conta quanto à melhor abordagem a ser praticada durante a etapa de analise dos dados a serem carregados no DW, além disso alguns cuidados quanto a implementa de um DW. 10

11 Materiais complementares BAPTISTA, E. Um Modelo para Análise Gerencial na Área de Vendas. 2001,108P. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina Santa Catarina, Disponível em: Acesso em: 20 de novembro de NAVARRO, M. c. Tema ANO III - Nº Ministério da Fazenda, SERPRO. br/imprensa/publicacoes/tematec/1996/ttec27/?searchterm=data%20warehouse Acesso em: 20 de novembro de Bibliografia INMON, William H. Como construir o Data warehouse. 2ª ed. New York: Editora Campus, KIMBALL, Ralph; ROSS, Margy. The Data Warehouse Toolkit Guia Completo para Modelagem Dimensional. Tradução 2ª. ed., Rio de Janeiro, Campus, QUADROS, A. A., MUNIZ, D.B., NETO, D.F., FILHO, J.D. Introdução à Banco de Dados Data Warehouse, Departamento de Ciência da Computação, Salvador, 14p, HACKNEY, Douglas. Data Warehouse Delivery: Who are You? Part I. DM Review Magazine, v.8, n. 2,

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

O Que é Data Warehouse

O Que é Data Warehouse O Que é Data Warehouse Escrito por Carlos Alberto Sowek Buscando dar uma melhor visão sobre uma proposta de arquitetura de um Data Warehouse para a Celepar, bem como para os clientes da Celepar, sentimos

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II

Data Warehouse. Diogo Matos da Silva 1. Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil. Banco de Dados II Data Warehouse Diogo Matos da Silva 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil Banco de Dados II Diogo Matos (DECOM - UFOP) Banco de Dados II Jun 2013 1 /

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional

Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Kimball University: As 10 Regras Essenciais para a Modelagem de Dados Dimensional Margy Ross Presidente Kimball Group Maio de 2009, Intelligent Enterprise.com Tradução livre para a língua portuguesa por

Leia mais

DATA WAREHOUSING. Data Warehousing

DATA WAREHOUSING. Data Warehousing DATA WAREHOUSING Data Warehousing Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 3 2. Modelos de Data Warehouse... 4 3. Processo de Extração, Transformação e Carga de Dados... 6 4. Data Mart versus

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA

IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA IMPLANTAÇÃO DO DW NA ANVISA Bruno Nascimento de Ávila 1 Rodrigo Vitorino Moravia 2 Maria Renata Furtado 3 Viviane Rodrigues Silva 4 RESUMO A tecnologia de Business Intelligenge (BI) ou Inteligência de

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas.

Trata-se de uma estratégia de negócio, em primeira linha, que posteriormente se consubstancia em soluções tecnológicas. CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT Customer Relationship Management CRM ou Gestão de Relacionamento com o Cliente é uma abordagem que coloca o cliente no centro dos processos do negócio, sendo desenhado

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto OLPT x OLAP Roteiro OLTP Datawarehouse OLAP Operações OLAP Exemplo com Mondrian e Jpivot

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS

Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS Processo Decisório, OLAP e Relatórios Corporativos OLAP E RELATÓRIOS CORPORATIVOS Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 5 2. OLAP... 6 3. Operações em OLAP... 8 4. Arquiteturas em OLAP...

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil dalfovo@furb.br Prof. Dr. Juarez

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Bloco Administrativo

Bloco Administrativo Bloco Administrativo BI Business Intelligence Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Business Intelligence, que se encontra no Bloco Administrativo. Todas informações aqui

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura

Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo.rgold@gmail.com

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo.rgold@gmail.com DATA WAREHOUSES UMA INTRODUÇÃO Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo.rgold@gmail.com 1 DATA WAREHOUSES UMA INTRODUÇÃO Considerações Iniciais Conceitos Básicos Modelagem Multidimensional Projeto de Data

Leia mais

ANEXOS - EDITAL Nº. 01

ANEXOS - EDITAL Nº. 01 ANEXOS - EDITAL Nº. 01 ANEXO 1 1. TÍTULO DO PROJETO DE Criação de um Data Warehouse do IFS, campus Lagarto, a partir do delineamento do perfil discente da instituição. 2. PROGRAMA: PIBITI 3. RESUMO DO

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU DATA WAREHOUSE: INFORMAÇÃO COM QUALIDADE PARA FACILITAR A GERAÇÃO DE ESTRATÉGIAS ALINE DE OLIVEIRA PRATA JAQUEIRA Orientadora:

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Checklist de Projeto de Data Warehouse

Checklist de Projeto de Data Warehouse Checklist de Projeto de Data Warehouse Prof. Dr. Jorge Rady de Almeida Jr. Escola Politécnica da USP F/1 Revisão de Projeto Design Review Após uma área de interesse tenha sido projetada e posta em operação

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: SISTEMAS DA INFORMAÇÃO MISSÃO DO CURSO Os avanços da ciência, a melhoria dos processos produtivos e a abertura de mercado, são exemplos de fatores que contribuíram

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Agenda A Informal Perspectiva Histórica Modelos de Arquitetura Benefícios para Gestão Caso de Referência Agenda A Informal

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS:

KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: KDD E MINERAÇÃO DE DADOS: Revisão em Data Warehouses Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt 1 DATA WAREHOUSES UMA VISÃO GERAL

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

IBM WebSphere DataStage

IBM WebSphere DataStage IBM WebSphere DataStage Os Desafios de Integração de Dados Integrar dados discrepantes entre aplicações e processos de negócio sempre foi uma tarefa difícil, e dado a explosão de dados que acontece na

Leia mais

Softwares Aplicativos Banco de Dados

Softwares Aplicativos Banco de Dados Softwares Aplicativos Banco de Dados INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Serviços 3. Usuários 4. Evolução 5. Exemplos 03 Banco

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

CRM - Customer Relationship Management

CRM - Customer Relationship Management Profª Carla Mota UCB 2014 Unid 2 aula1 CRM - Customer Relationship Management Estratégia de negócio voltada ao entendimento e a antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa.

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP. Manual de Orientação Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI SIGA SAÚDE - BUSINESS INTELLIGENCE BI SIGA-SP Versão 1 Manual de Orientação Conteúdo 1. Introdução 3 2. Abrangência 4 3. Vagas 5 4. Fila de Espera

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

TOTVS BA Guia de Customização Linha Logix

TOTVS BA Guia de Customização Linha Logix TOTVS BA Guia de Customização Linha Logix Guia de Customização Sumário Título do documento 1. Objetivo... 3 2. Introdução... 3 3. Customização... 3 2 TOTVS BA Linha Logix Guia de Customização Projeto/Versão:

Leia mais

Capítulo 2 Data Warehousing

Capítulo 2 Data Warehousing Capítulo 2 Data Warehousing Objetivos de Aprendizado Compreender as definições e os conceitos básicos dos data warehouses Compreender as arquiteturas de data warehousing Descrever os processos usados no

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.1 2 1 Material usado na montagem dos Slides BARBIERI,

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação 4ª. Série Administração de Banco de Dados A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house

Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house Universidade Regional de Blumenau Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso de Sistemas de Informação (Bacharelado) Sistema de Informação Gerencial baseado em Data Warehouse aplicado a uma software house

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br

Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Introdução ao S&OP - Sales and Operations Planning. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br 1. Introdução Sumário 2. Objetivos Específicos do S&OP 3. Descrição do Processo

Leia mais

Engenharia de Software-2003

Engenharia de Software-2003 Engenharia de Software-2003 Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Informática - UEM Profa. Dra. Elisa H. M. Huzita eng. de software-2003 Elisa Huzita Produto de Software Conceitos Software

Leia mais

Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP

Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP Integração Access-Excel para produzir um sistema de apoio a decisão que simula um Data Warehouse e OLAP Wílson Luiz Vinci (Faculdades IPEP) wilson@cnptia.embrapa.br Marcelo Gonçalves Narciso (Embrapa Informática

Leia mais

SAD orientado a DADOS

SAD orientado a DADOS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a DADOS DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD orientado a dados Utilizam grandes repositórios

Leia mais

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios

Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Data Warehouse: uma classificação de seus Custos e Benefícios Marcos Paulo Kohler Caldas (CEFET-ES/CEFET-PR) marcospaulo@cefetes.br Prof. Dr. Luciano Scandelari (CEFET-PR) luciano@cefetpr.br Prof. Dr.

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APLICADO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APLICADO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Centro de ciências exatas e naturais Curso de ciências da computação (Bacharelado) Trabalho de Conclusão de Curso SISTEMAS DE INFORMAÇÃO APLICADO AO SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde

Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Tópicos Especiais em Economia e Gestão da Saúde Sistemas de Informações ( Parte I) Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Administração em Gestão Hospitalar Hospital Universitário - UFJF Ato ou efeito

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais