'~/IUIIIIIII"I""IIIIIIIIIIII" PARA POSICIONAR ESTRATEGICAMENTE -'.. '. NO MERCADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1199701212 '~/IUIIIIIII"I""IIIIIIIIIIII"11111 111 PARA POSICIONAR ESTRATEGICAMENTE -'.. '. NO MERCADO"

Transcrição

1 '~/IUIIIIIII"I""IIIIIIIIIIII" COMO O DATABASE MARKETING PODE SER USADO -'.. '. NO MERCADO PARA POSICIONAR ESTRATEGICAMENTE A EMPRESA

2 COMO O DA TA BA SE MARKETING PODE SER USADO PARA POSICIONAR ESTRATEGICAMENTE A EMPRESA NO MERCADO Banca examidora: Orientadora: Pro". Maria Cecilia Coutinho de Arruda Prot. Carlos Osmar Bertero Prot. Mauro Tapias Gomes

3 FUNDAÇÃO ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO GETÚLIO VARGAS DE EMPRESAS DE SÃO PAULO LUIZ ALBERTO O. DE LUCA COMO O DA TABASE MARKETING PODE SER USADO PARA POSICIONAR ESTRA TEGICAMENTE A EMPRESA NO MERCADO ORIENTADORA: PROFa. MARIA CECILIA COUTINHO DE ARRUDA Dissertação apresentada ao Curso MBA - Master in Business Administration da FGVIEASP. Área de concentração: Marketing, como requisito para obtenção do titulo de Mestre em Administração SÃO PAULO 1996 ~..~- - "Fundação Getulio Varg~5 "'~.''''~.. Escola de Administraçao ~ ~} FG V de Empresas de SAo Paulo '~~. fi Bil:!.Jiomca..., I ".',-,~ l"- m <, (\J -(\J I '---~-_.._-.. -

4 LUCA, Luiz Alberto O. de - Como o data base marketing pode ser usado para posicionar estrategicamente a empresa no mercado? São Paulo: EAESP/FGV, 1996, 134 pág. (Dissertação apresentada ao Curso MBA da EAESP/FGV, Área de concentração: Marketing) Resumo: Utilização do Database Marketing, o marketing com banco de dados, e sua obtenção através do Sistema de Informação de Marketing - SIM, visando a buscar a otimização do relacionamento com os clientes, criando um vínculo de fidelidade, atendendo suas necessidades e conhecendo-os profundamente nos seus desejos. Esta relação tenderá a manter os clientes atuais, reconquistar os perdidos e buscar novos clientes de forma mais eficaz. São utilizados os princípios e elementosde marketing no planejamento e operacionalização de uma empresa, assim como o conceito de vantagem competitiva, visando não somente uma maior participação no mercado, mas principalmente como posicioná-ia estrategicamente. Palavras-chaves: Database marketing; Posicionamento estratégico; Vantagem competitiva; Marketing de relacionamento; Satisfação do consumidor.

5 SUMÁRIO Página Sumário Agradecimentos Resumo v viii x CAPÍTULO 1 1 -INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Conceito de sistema 1O Empresa - um sistema aberto A empresa e os processos de mudança O Planejamento e o Sistema de Informação O Sistema de Informação em Marketing - SIM A Empresa do Século XXI e a Informação 22 v

6 CAPíTULO DATABASE MARKETING Pontos favoráveis do database marketing Estruturação dos dados Tecnologia e o banco de dados.41 capírul MARKETING ESTRATÉGICO Desenvolvendo uma estratégia competitiva Desenvolvendo uma vantagem competitiva Estratégias de marketing 62 CAPíTULOS 5 - SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR. 68 vi

7 CAPíTULO CASO TAM Enquete de preferência do consumidor A evolução da TAM Comentários sobre o CASO TAM 97 CAPíTULO CONSIDERAÇÕES FINAIS 102 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 109 ANEXOS ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO vii

8 AGRADECIMENTOS À Philips do Brasil Ltda., por desenvolver um programa de treinamento de alto nível, considerando não só os valores empresarias mas também os valores pessoais daqueles que o integram, propiciando desta forma a minha participação no curso do MBA. Aos colegas da Philips Medicai Systems Ltda., que entenderam as minhas ausências durante a fase curricular, cooperando com o agendamento de compromissos que não prejudicassem a minha participação nas aulas. Aos amigos do Departamento de Marketing, que além de suportarem as minhas ausências, faziam de tudo para compensá-ias, atuando no meu lugar, tornando-se imperceptível a minha falta, tão grande era a qualidade e o empenho nas atividades desenvolvidas pelo melhor "time" profissional, um privilégio que poucos têm para trabalhar. Agradeço também a ajuda que tive deste grupo nas tarefas do MBA. Aos meus colegas do MBA, por estarmos juntos em tão difícil experiência, e àqueles que hoje são meus amigos pessoais, e com certeza poderei contar com suas participações nas dificuldades que poderão ocorrer. viii

9 À minha mãe, família, e às pessoas que muito sentiram as minhas ausências, compreendendo minhas limitações. Ao Prof. Paulo Clarindo Goldschmidt, que muito me orientou não só nas necessidades do desenvolvimento da dissertação, como também no meu amadurecimento como aluno, como orientando, como profissional, e como homem, onde a verdade sempre deverá estar a frente daqueles que querem ser vencedor. À orientadora fantástica e "Deusa" da educação e formação pessoal, Prota. Maria Cecilia Coutinho de Arruda, que não só me orientou no desenvolvimento desta dissertação, mas tornou-a uma realidade, dedicando-se sempre com carinho e alegria; optando, ao invés de ter suas horas de laser, pelo trabalho conjunto na FGV e nas leituras em sua residência dos capítulos apresentados. A todos, muito obrigado. ix

10 RESUMO Este trabalho tem como finalidade verificar a melhor utilização dos dados e informações relativas ao foco de qualquer atividade empresarial, que é o cliente, buscando o melhor posicionamento estratégico da empresa, estabelecendo um canal de comunicação com o mercado dinâmico e interativo, atendendo o cliente de forma personalizada. Através do Database Marketing, o marketing com banco de dados, e sua obtenção através do Sistema de Informação de Marketing -SIM, visa a buscar a otimização do relacionamento com os clientes, criando um vínculo de fidelidade, atendendo suas necessidades e conhecendo-os profundamente nos seus desejos. Esta relação tenderá a manter os clientes atuais, reconquistar os perdidos e buscar novos clientes de forma mais eficaz. Serão utilizados os princípios e elementos de marketing no planejamento e operacionalização de uma empresa, assim como o conceito de vantagem competitiva, visando não somente uma maior participação no mercado, mas principalmente como posicioná-ia estrategicamente, mantendo tanto esta participação e posição de forma estruturada e com eficiência. A relevância do suporte estratégico que pode propiciar a adoção de um sistema de informação para determinar o mercado e sua segmentação. x

11 Considerações sobre sistema de informação e sua interação com o ambiente de marketing, tanto para o acompanhamento do mercado como também para o posicionamento da empresa e de seus concorrentes, serão essenciais para o desenvolvimento do estudo. Serão apresentadas algumas empresas que utilizam o database marketing e os resultados práticos já obtidos, publicados em revistas especializadas em negócios. Ao término do trabalho serão identificadas as relações de estratégias com database marketing favoráveis às empresas que o adotam, quais são as barreiras que dificultam sua implantação, e a necessidade de suportar essa atividade em um adequado Sistema de Informações de Marketing, para um atendimento eficaz ao cliente I consumidor. xi

12 1 CAPíTULO INTRODUÇÃO Uma das maiores fontes de PODER está relacionada com aqueles que detêm a informação. Como pode ser visto em filmes, a função de qualquer espião e detetive é buscar a informação secreta. Na formação cultural da Primeira Onda 1 as informações eram limitadas e repetitivas, referenciandose a poucos modelos. Com a multiplicação dos canais de comunicação, a Segunda Onda foi marcada pelos reforços dos modelos padronizados com uma massificação da informação, desta forma produzindo um grande arquivo universal de imagens, Como se fossem um padrão. A mudança comportamental era orientada pelo sistema de produção industrial. A propaganda visava a identificação constante das formas e das marcas, como o exemplo da Gilete como sinônimo de lâmina de barbear, a associação da Maizena com a caixinha amarela, o Chocolate Prestígio e sua embalagem vermelha para desembrulhar tipo bala, sendo somente agora alterada para o sistema automático, e outros mais. Nos dias de hoje, a velocidade de renovação da informação, quantidade e fluxo, requer um processamento muito rápido e uma visualização quase que instantânea da imagem, pois a transmissão é feita em tempo real, tomandoa temporária e fazendo com que seja trabalhada de forma seletiva, de 1 TOFFLER, Alvin - A Terceira Onda. Rio de Janeiro: Record, 1992.

13 2 acordo com os interesses desejados". Deste modo leva-se a uma reformulação social onde se deve revisar o arquivo de imagens continuamente, onde os modelos serão diversificados sem um padrão rígido, e as imagens serão mais voláteis. Assim sendo, a Terceira Onda transforma o cotidiano na reestruturação do gerenciamento da informação, seletiva de acordo com os interesses e objetivos a serem atingidos. Trabalhar o binômio informação e conhecimento é uma atividade muito complexa que leva vários autores a se dedicarem a pesquisas. Conseqüentemente, inúmeros modelos são apresentados como alternativas, portanto deve-se escolher o modelo que melhor se adeqüe aos resultados esperados. Dentro da Teoria dos Universos e as memórias relacionadas ao tipo de informação que se obtém, como estruturar estas informações a fim de que se possa utilizar nas tomadas de decisões, mais especificamente decisões gerenciais, visando o planejamento estratégico de marketing? Estas decisões deverão focar o cliente para que este seja atendido da melhor maneira possível, procurando saber o que deseja, e aumentando continuamente sua satisfação. 2 TOFFLER, Alvin - A Terceira Onda. Rio de Janeiro: Record, 1992.

14 3 Com objetivo de otimizar a utilização da informação, assim como buscar a melhor comunicação com o mercado, mais especificamente o cliente, permitindo que as empresas tenham uma melhor consideração nas elaborações de suas estratégias, é que este trabalho foi idealizado. Portanto este estudo apresenta uma forte ferramenta na área de marketing, estruturando as informações para que ele seja atendido nas suas necessidades, e como interagir com ele para que se tenha um relacionamento que propicie à empresa tornar suas ações mais eficientes. As estratégias orientarão os planos de marketing que deverão ser implementados, as mudanças no composto tradicional de como promover a empresa e o produto, buscando uma comunicação mais dirigida, ao invés da comunicação de massa. Com isto, o mix de produto também será reformulado. Mais do que se adequando às necessidades do mercado, será concebido em função deste. Não será restrito ao mercado organizacional, o qual já está mais voltado a esta preocupação com o consumidor, mas também ao mercado de consumo e de prestação de serviço. Uma vez que o cliente esteja atendido nas suas necessidades e plenamente satisfeito, a próxima etapa é ampliar sua satisfação com ações programadas

15 4 através de estratégias que levarão a superar as expectativas que tem pela empresa, aumentando a percepção de valor. Assim sendo, visando a utilizar o database marketing para que se obtenham os benefícios acima descritos, este trabalho está subdividido conforme os elementos que o constituem. O capítulo dois abarca o sistema de informação, onde para que se tenha um planejamento de marketing bem sustentado, deve-se utilizar um sistema de informações de marketing como apoio, portanto fundamental recurso para qualquer que seja a característica do plano a ser elaborado. Database marketing, conteúdo do capítulo três, é o modo pelo qual as informações serão estruturadas e utilizadas no relacionamento com o consumidor, mantendo o que se chama de memória viva. Do capítulo quatro constarão os conceitos de planejamento estratégico e marketing estratégico, em que serão abordadas as forças de reação das empresas, assim como a utilização das estratégias genéricas para o planejamento estratégico de marketing, procurando obter vantagem competitiva. A satisfação do consumidor, fundamental para que esta vantagem seja obtida, assim como a comunicação que é estabelecida, serão abordadas no capítulo cinco. No capítulo seis será apresentado um estudo sobre atam - Transportes Aéreos Regionais S.A., como caso específico de aplicação do database marketing, com o foco na satisfação do cliente e seu posicionamento estratégico, que lhe conferiu o prêmio da melhor empresa aérea regional do

16 5 mundo. Ao longo destes capítulos, exemplos brasileiros de aplicação dos conceitos teóricos abordados serão mencionados. Nas considerações finais, capítulo sete, será feita a correlação dos assuntos considerados. A administração de marketing voltada para o cliente requer que a empresa defina bem suas necessidades, a partir desse cliente e a da própria organização, pois somente através de uma comunicação direta e personalizada é que as dificuldades serão superadas. O relacionamento com o cliente, buscando o aprimoramento dos produtos ou serviços, levará a um incremento da percepção de valor, proporcionando uma vantagem competitiva à empresa. Uma vez que os consumidores estejam adquirindo o que realmente desejam, e não somente o que está disponível, as empresas deverão alcançar uma privilegiada participação de mercado, e conseqüentemente um posicionamento estratégico mais adequado, de acordo com o planejado. Na busca da satisfação de necessidades recíprocas, organizacionais e de consumidores e clientes, uma instituição precisa planejar o seu futuro. Mais do que isso, precisa se apoiar em estratégias viáveis, sobrevivendo e crescendo o máximo possível.

17 6 CAP;TUL02 2- SISTEMA DE INFORMAÇÃO Este capítulo abordará o sistema de informação na sua forma mais ampla, também com suas aplicações em marketing. Serão analisadas as dificuldades de implantação e sua essencialidade como fonte de dados para a preparação do database marketing. Conceitos de sistema, sistema aberto, eficiência e eficácia, sistema de informação em marketing são apresentados, para que se possa posteriormente integrar todos os componentes na estruturação de um banco de dados e planejamento do marketing estratégico. A implementação de um Sistema de Informação adequado irá causar uma revolução no processo organizacional, assim como nos fatores que alteram a cultura da empresa. Haverá uma mudança no comportamento humano daqueles que serão afetados pelo processo de implantação. Poderão criar barreiras inerentes ao receio de serem controlados, vigiados ou, numa próxima etapa, de não serem mais necessários para a empresa. As dificuldades de se obter a veracidade dos dados de coletas no campo" deverão ser superadas através da conscientização das pessoas, 3 Campo - entende-se como região de atuação do elemento de venda da empresa, no seu segmento de mercado.

18 7 ressaltando a sua importância na participação efetiva, e esta contribuirá para a determinação de ações que poderão facilitar suas funções. A confiabilidade da adoção de dispositivos eletrônicos - hardware - versus o sistema convencional de anotação manual, não será uma adaptação natural quando estes profissionais já estiverem em um estágio avançado de atividade de venda. Mesmo com intensos programas de treinamento a transição não é tão natural quanto ao profissional que atualmente está finalizando os estudos e entrando para o mercado de trabalho, com a ferramenta da informática integrada ao seu modo de ser. Esta integração é facilitada para aqueles que usam agenda eletrônica, trabalham com computador desde a faculdade ou o tem em sua residência, usam telefone celular ou pager para recados, utilizam das facilidades do FAX ou do e-mai/, enfim têm a tecnologia muito próxima às suas atividades. Atualmente a tecnologia da informação transpõe fronteiras, e novas fontes como a via de informação "Interne!", que poderiam facilitar esta integração aos sistemas computacionais, podem ser uma dificuldade se a adaptação vier a requerer um conhecimento prévio. A outra resistência é a da alta administração com respeito à aprovação do projeto de implantação de um sistema de informação automatizado. Se não

19 8 foi utilizado até hoje, e os negócios estão indo bem, por quê se deve implementá-lo, se pode ser feito manualmente? Conseqüentemente deverão ser considerados os recursos disponíveis da empresa e do tipo de negócio que está sendo analisado. Deve-se ter cuidado com as análises de curto prazo, pois podem comprometer sua adoção. O binômio "custo X benefício" pode ser estar sendo medido sob bases comparativas diferentes. O retorno deverá estar sustentado nos benefícios a longo prazo, ao menos para as empresas que se preocupam com quem serão os seus clientes daqui a dez anos". A liderança de mercado hoje não significa a liderança de mercado amanhã, assim como negócios que estão vinculados com o retorno a curto prazo podem depois vê-los se esgotar. O departamento de informática, que outrora era quem determinava o gerenciamento da informação, pode causar uma dificuldade no processo, pois os dados básicos das reais necessidades não são mais somente especificações dos "super-analistas de sistemas", mas também do profissional de marketing, do elemento de campo - da área técnica ou de vendas - ou simplesmente da telefonista, que é a primeira recepcionista da empresa, pelos meios convencionais da comunicação eletrônica. 4 HAMEL, Gary; PRAHALAD, C. K. - Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanha. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

20 9 Finalmente, como utilizar o cliente, ou o consumidor potencial em geral, para tê-lo como aliado neste processo? Devem-se criar mecanismos de estímulo, promoções motivadoras, para que este sempre esteja alimentando a empresa com suas opiniões, com a maior diversidade de informações. o consumidor deverá ser levado a exprimir ao máximo o que espera da empresa, qual o seu perfil, qual o melhor modelo cognitivo a ser aplicado nas campanhas promocionais, o seu comportamento, enfim a estruturação da base de dados que o defina como indivíduo, nas mais variadas situações, como ter a sua melhor "personalização". Pode-se exemplificar como utilizar a informação e a tecnologia por um escrito de Regis McKenna 5 em que alerta as empresas sobre o comportamento do consumidor indiferente às marcas. O autor comenta que, entretanto, as novas tecnologias podem reverter este quadro. Empresas como a IBM e a Apple trabalham com os consumidores contra os fabricantes de clones de computadores com fabricação duvidosa. Os consumidores têm acesso a informações como nunca antes, assim como aos vários canais de compras. Portanto, há uma infinidade de mensagens que são lançadas, mas o consumidor permanece indiferente às marcas. A solução é buscar o diálogo com os consumidores em tempo real. Visando a uma estruturação da marca, a Philips desenvolveu um produto on-line com 5 MCKENNA, Regis - Fale rápido com seu cliente - ou morra. - Revista Exame - 06/12/95-. Pág

21 10 as crianças. Enviou designers industriais, psicólogos, antropólogos e sociólogos para comunidades da Itália, França e Países Baixos. Os pesquisadores convidaram adultos e crianças para dar idéias de novos produtos eletrônicos, a fim de conhecer as necessidades mutantes dos consumidores. Os funcionários, ao invés de pesquisas, fizeram uma interatividade com os consumidores, concebendo um produto on-line para este público-alvo. Pode-se dizer que, com esta estratégia, a Philips integrou a atividade de marketing no projeto e produção, e não no final da cadeia de produção, como era feito no passado, esperando que os profissionais de marketing tornassem o produto bem-sucedido. Assim, uma forma da informação, em conjunto com a tecnologia, pode ser utilizada para revigorar a marca, melhorando a aceitação, dando um início à fidelização do cliente; 2.1- CONCEITO DE SISTEMA Considera-se sistema um conjunto de elementos interdependentes, ou um todo organizado, ou partes que interagem e se integram, subsistemas, formando um todo unitário e complexo" Os sistemas podem ser classificados em sistemas fechados, como máquinas, e sistemas abertos, sendo estes os sistemas biológicos e sociais: o ambiente, o homem, a sociedade, a empresa , Sérgio Rodrigues - Sistemas de Infonnaçlo: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, 1993.

22 11 o sistema aberto pode ser compreendido como um conjunto de partes em constante interação, e quanto melhor for esta interdependência das partes, maior integração com os departamentos no modelo orçanízacíonat", melhor a sinergia, constituindo um todo orientado para determinados fins e em permanente relação de interdependência com o ambiente externo. Esta interdependência faz com que empresa seja dinâmica em suas ações, onde planejamentos de longo prazo deverão receber "inputs" constantes, não somente para sobreviver, mas também para responder eficazmente às pressões que são exercidas pelas contínuas mudanças do macro-ambiente EMPRESA - UM SISTEMA ABERTO Os sistemas abertos envolvem a idéia de que determinados inputs - entradas - são introduzidos no sistema, processados, e geram os outputs - saídas. Os recursos que a empresa utiliza são os mais diversos: materiais, tecnológicos e humanos. Sua estruturação, quando orientada para um fluxo de informações que tem como função prover as bases para tomada de decisão, é caracterizada como sistema de informações. A empresa deverá se munir destas informações para que tenha melhor foco no mercado, cujo processamento deverá resultar em bens ou serviços. 7 Será mencionado em cadeia de valor, no capítulo 4.

23 12 Gráfico da empresa como sistema aberto, inserida no ambiente de marketing:..' Entradas Empresa ';' Registros Internos r-..,...-,-..."...--i. Inteligência de Marketing prima.. Pesquisa de Marketing Equiptos,. Análise da Energia Informação DEMOGRÁFICO Adaptaçiio das ÜllStraçõesde A empresa como sistema aberto (BIO, Sérgio Rodrigues) e Ambiente de Marketing da Empresa (KOTLER, Philip), incluindo os agentes do microambiente da empresa eforças do macroambiente da empresa.

24 13 Uma administração, buscando maior vantagem competitiva, deverá também estar empenhada na sua operação de forma eficiente, para alcançar a máxima eficácia. Eficácia diz respeito a resultados, a produtos decorrentes de uma atividade qualquer. Trata-se da escolha da solução certa para determinado problema ou necessidade. A eficácia é definida pela relação entre resultados pretendidos, os objetivos, e resultados obtidos. Desta forma uma empresa eficaz coloca no mercado a quantidade pretendida do produto certo para determinada necessidade. Eficiência diz respeito ao método, ao modo certo de fazer as coisas. É definida pela relação entre volumes produzidos I recursos consumidos. Uma empresa eficiente é aquela que consegue o seu volume de produção com o menor dispêndio possível de recursos. o sistema de informação deverá prover bases para melhor orientação das estratégias de produto e preço, ampliando este ao máximo com o objetivo de encantar o cliente. Estando a empresa inserida no macroambiente e agindo como um sistema aberto, a sua eficácia está em atender a relação quantitativa e qualitativa, em detrimento da necessidade do mercado, o ambiente de marketing. A

25 14 eficiência refere-se ao como e quanto da utilização dos recursos, portanto ao menor custo por unidade produzida, propiciando o menor preço para o consumidor, com a melhor qualidade do produto. o ambiente externo deverá balizar a empresa para que esta possa alterar suas ações, otimizando o nível de eficácia e indicando qual o caminho a ser seguido para maior eficiência. Por exemplo: menores custos podem gerar menores preços e aumentar as vendas, ou, dependendo do segmento considerado pode aumentar a margem e o lucro A EMPRESA E OS PROCESSOS DE MUDANÇA Como já foi mencionado, as barreiras de mudanças são grandes no processo de implantação de um sistema de informação. Entretanto, não são maiores que as necessidades. Uma atitude conservadora do tipo "para que mudar se está tudo bem" deverá ser repudiada, pois não há dúvidas de que o ambiente externo está em constante mutação. Deverá ser visto não por preferências, mas sim por questão de continuidade. As ameacas externas deverão ser detectadas para serem combatidas, e as oportunidades para serem bem aproveitadas de forma estratégica. Os realinhamentos dos processos internos, - e neste ponto não será dada nenhuma ênfase à reengenharia ou programa de qualidade total (TQM) pois acredita-se que o posicionamento estratégico deverá vir antes - de

26 15 produção, da estrutura organizacional, e do capital humano, deverão decorrer das mudanças do ambiente externo, sinalizadas pelo sistema de informação. Com as necessidades de tomadas de ações rápidas, a implantação de,sistemas computacionais dedicados, substituindo os sistemas do tipo mainframe, que no passado criavam um estereótipo de elementos "superdotados" para sua operação e programação, deu espaço aos sistemas mais amigáveis, voltados para o usuário final, como por exemplo os sistemas de informações gerenciais - Management Informatíon System - MIS, extremamente úteis como apoio às decisões. Portanto as mudanças são necessárias e a busca para o aperfeiçoamento contínuo deverá ser meta, pois só assim serão atendidos os novos níveis de exigências, essenciais para que se possa superar o acirramento da competição O PLANEJAMENTO E O SISTEMA DE INFORMAÇÃO Considerando as prinicipais funções componentes do processo gerencial como o planejamento, direção e controle, a integração para que melhor se possa administrar está sustentada em um sistema de informação.

27 16 o planejamento não só visa o longo prazo, pois as ações devem ser implementadas tão logo estejam definidos os resultados que deverão ser obtidos, como também o modo de realização. Portanto o planejamento visa a melhor alternativa para se chegar a este fim, e uma vez que os planos irão definir as ações do sistema empresa no meio ambiente, com o objetivo de orientá-ia para a posição futura desejada, estes são caracterizados como planos estratégicos. o planejamento estratégico é definido na alta direção da empresa, seguindo o modelo clássico dos níveis" do planejamento, sendo que atualmente este conceito deveria ser revisto, uma vez que os níveis hierárquicos estão cada vez mais próximos, principalmente em uma organização com estrutura matricial, onde os projetos a serem executados deveriam ser vistos também de maneira estratégica pelo "project leader", que não necessariamente faz parte da alta administração. Mas tão importante quanto a quem compete o planejamento estratégico, é a questão sobre como estão disponíveis os dados para que este seja elaborado, esclarecendo quais são as reais necessidades. 8 Pelo nível hierárquico entendemos: planejamento estratégico. planejamento tático e planejamento operacional.

28 17 A adoção de um sistema de informação é fundamental, e este também constituirá a fonte para a estruturação de um dafabase. Este sistema será utilizado para direcionar e otimizar o planejamento estratégico. Não há dúvida de que a empresa, ao ser considerada um sistema aberto, em que as variações do ambiente externo afetam diretamente seu desempenho, trará maior complexidade ao modelo a ser estudado. Conforme Emery": "...0 fato de que isto nos coloca diante da tarefa de analisar interações ambientais proibitivamente complexas não nos dá mais do que uma desculpa, ao isolar conceitualmente as organizações. É como a história do bêbado que procurava seu relógio perdido embaixo do poste de luz, onde havia claridade, embora soubesse ter perdido o relógio num trecho escuro da rua." 2.5- O SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM MARKETING - SIM De acordo com Berenson10, define-se: "o sistema de informações em marketing é uma estrutura da interação entre pessoas, equipamentos, métodos e controles, estabelecidos para criar um fluxo de informações capaz de prover as bases para a tomada de decisão em marketing." 9 Extraído do livro: BIO, Sérgio Rodrigues - Sistemas de Informação: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, Pag BERENSON, Conrad - Marketing information systems, Joumal of Marketing, out

29 18 A definição acima ressalta a importância dos funcionários de uma empresa, não só na implantação do sistema de informações, como também na sua manutenção. É um sistema dinâmico que requer a integração de toda a empresa, onde a melhor viabilidade de seu gerenciamento é através de subsistemas, como será apresentado a seguir. o SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM MARKETING - SIM - será dividido em quatro principais componentes: SISTEMA DE CONTABILIDADE INTERNA O sistema de informações mais antigo e básico utilizado pelo executivo de marketing é o sistema de contabilidade interna. Registra os pedidos, as vendas, os níveis de estoques, os recebimentos, as contas a pagar e assim por diante. Pelo conteúdo dessas informações, os executivos podem referenciar-se quanto à utilização de suas forças internas perante as oportunidades de mercado, assim como a quais são suas fraquezas, podendo comparar os níveis de desempenho reais e previstos. SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE MARKETING Enquanto o sistema de contabilidade interna fornece aos executivos os dados de resultados, o sistema de inteligência de marketing fornece aos

30 19 executivos os dados dos acontecimentos. Portanto é o modo pelo qual os executivos da empresa se mantêm atualizados e informados sobre modificações das condições no macroambiente e no ambiente-tarefa. Todos os executivos se dedicam, em épocas diferentes, a quatro modos de análise do meio ambiente: 1. Visão não dirigida: exposição geral à informação, em que o observador não tem qualquer propósito em mente. 2. Visão condicionada: exposição dirigida, não envolvendo uma procura ativa, para uma área ou tipo de informação claramente identificada. 3. Procura informal: um esforço relativamente limitado e não estruturado, a fim de se obter informação específica ou para um propósito específico. 4. Procura formal: um esforço deliberado, geralmente seguindo um plano, procedimento ou metodologia preestabelecida, a fim de assegurar informação específica ou informação relacionada com assunto específico. Observe-se que uma reestruturação das fontes informais" estão levando as empresas American Express, Sony, Whirlpool, Procter & Gamble, entre outras, a solicitar as reclamações dos seus clientes para que as tenham 11 HIAM, Alexander; SCHEWE, Charles D. - The portable MBA in marketing. New YOrk, NY: John Wiley & Sons, Inc, 1992.

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Marketing de Relacionamento e Fidelização na Empresa Via Sul Automóveis

Marketing de Relacionamento e Fidelização na Empresa Via Sul Automóveis Marketing de Relacionamento e Fidelização na Empresa Via Sul Automóveis Danielle Cajueiro de Oliveira, Especialista em Comunicação Social pela ESURP, MBA de Gestão de Marketing e Vendas do CEDEPE, prestando

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Marketing de Relacionamento C.R.M. Custumer Relationship Management Marketing de Assiduidade Programa de milhagens Benefício financeiro Brinde por utilização

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GOIÂNIA 2015 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

Programas de Comunicação Interativa

Programas de Comunicação Interativa Prof. Edmundo W. Lobassi O final do século XX marca uma nova configuração econômica no mundo. A globalização obriga o mercado a posicionar-se de forma diferenciada e esse fato exige, dos anunciantes e

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais