MULHER PÓS-MODERNA: UMA PERCEPÇÃO ACERCA DE SUA MULTIPLICIDADE DE PAPÉIS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MULHER PÓS-MODERNA: UMA PERCEPÇÃO ACERCA DE SUA MULTIPLICIDADE DE PAPÉIS 1"

Transcrição

1 1 MULHER PÓS-MODERNA: UMA PERCEPÇÃO ACERCA DE SUA MULTIPLICIDADE DE PAPÉIS 1 Selena Castiel Gualberto 2 Ms. Patrícia Rafaela de Morais Honorato 3 RESUMO: O presente artigo apresenta um estudo sobre a atuação da mulher pós-moderna e sua multiplicidade de papéis. O desenvolvimento desta pesquisa trata-se inicialmente da evolução do conceito de mulher pós-moderna, contextualizando sua travessia histórica desde os primórdios até a sua acepção atual, onde se insere em vários espaços, saindo do espaço privado representado pelo casamento e maternidade, para ocupar funções sociais em sua amplitude. Finalmente, com base em algumas reflexões elaboradas no decorrer desta pesquisa, foram analisados, utilizando da teoria psicanalítica para análise dos dados, os aspectos psíquicos vivenciados pela mulher pós-moderna frente à realização de todos os papeis acumulados em seu cotidiano. PALAVRAS CHAVE: Mulher, Multiplicidade, Sofrimento Psíquico. ABSTRACT: This paper presents a study on the role of women and their postmodernist multiplicity of roles. We used psychoanalytic theory to analyze the data obtained in the survey. The development of this research it is initially the evolution of the concept of postmodern woman, contextualizing its historic journey from the beginnings to its current meaning, where it operates in several areas, leaving the private space represented by marriage and motherhood, to occupy social functions in its amplitude. Finally, some reflections based on elaborated during this study, we will analyze the psychological aspects experienced by the woman against the postmodern realization of all accumulated in their daily roles. KEY-WORDS: Woman, Multiplicity, Psychic Suffering. 1. INTRODUÇÃO Este artigo refere-se à mulher moderna pós-moderna e sua multiplicidade de papéis. Possui como fio condutor a subjetividade da mulher, seus medos, anseios e conflitos diante das atividades que desenvolve e das dinâmicas relacionais que vive nos dias atuais. Esta pesquisa possui como embasamento teórico os preceitos da psicanálise e propõe uma 1 Artigo apresentado ao Curso de Psicologia pelo Instituto Luterano de Ensino Superior ULBRA, Graduanda do Curso de Psicologia pelo Instituto Luterano de Ensino Superior - ULBRA, Orientadora do Curso de Psicologia pelo Instituto Luterano de Ensino Superior - ULBRA,

2 2 discussão a respeito da busca constante de manejo dos múltiplos papéis femininos em seu curto espaço de tempo. Para tratar do tema proposto adota-se o percurso histórico da mulher, elucidando seu protagonismo crescente no posto de figura principal dos núcleos familiares e do mercado competitivo dentro da sociedade fazendo eclodir a necessidade de se verificar os efeitos colaterais desse reposicionamento social. Os novos papéis assumidos e as exigências advindas com eles interferiram de maneira significativa em seu dia-a-dia, muitas vezes, surgindo assim a priorização de uma ou outra atribuição, ocasionando possíveis crises e dúvidas sobre sua identidade feminina. O sofrimento psíquico pode advir de um contíguo de situações de cunho psicológico, que produz sintomas no corpo e nas emoções. Neste sentido, discorrer a propósito das questões relativas às consequências desse acúmulo de funções da mulher pós-moderna considerando sua multiplicidade de funções significa inserir-se no questionamento ou reafirmação de valores sociais já existentes denotados como expressivamente relevantes no mundo ocidental e também abordar as mudanças significativas nessas concepções, como o caso da liberdade individual da mulher e o interesse dela por maior participação na sociedade como um todo.. 2. A MULHER: UM RESGATE HISTÓRICO Pintor: Ela prefere imaginar uma relação com alguém ausente do que criar laços com aqueles que estão presentes. Amelie: Pelo contrário. Talvez faça de tudo para arrumar a vida dos outros. Pintor: E ela? E as suas desordens? Quem vai pôr em ordem? Estranho o destino dessa jovem mulher, privada dela mesma. (Trecho do filme: O fabuloso destino de Amelie Poulain, 2001). Durante grande parte da existência humana a mulher teve um papel coadjuvante no seio familiar, resumindo-se a procriação, educação da prole e administração do lar, cabendo ao marido à mantença da casa, num cenário fomentado pelas próprias sociedades em que eram imersos. À mulher, reservava-se a maternidade ou atividades religiosas, colocando-se na condição de inferioridade perante o homem, numa visão míope sobre o feminino e sua sexualidade. Neste sentido:

3 3 [...] As características específicas de civilizações particulares mostram claramente a existência de enfoques distintivos no que tange a padrões, representações a (até certo ponto) comportamentos sexuais. O advento das grandes religiões teve impacto decisivo sobre a sexualidade, em alguns casos propiciando novas justificativas e normas para padrões já estabelecidos, e em outras instâncias introduzindo consideráveis mudanças (STEARNS, 2010, p. 19). O cenário esculpido no começo do século XX traduzia a ideia clara da mulher submissa e coadjuvante, possuindo papel secundário na liderança das decisões da família, atendo-se a educação dos filhos e administração dos afazeres domésticos, tendo a função suplementar de cuidar do marido, sem contato social efetivo e atividade profissional intelectual de maior porte, fato que se modificou drasticamente como o início da Primeira Guerra Mundial (STEARNS, 2010). Nesta ocasião, os homens foram obrigados a se atirar nas trincheiras do conflito, deixando um espaço vazio financeiro a ser ocupado, fato que encorajou as mães e donas de casa a liderar suas famílias, herdando um protagonismo que nunca tiveram e assim passando a desempenhar papel profissional preponderante dentro da sociedade. No Brasil, os direitos da mulher tardaram um pouco mais. Durante todo o período posterior às guerras até 1970, as mulheres caminharam lentamente rumo a uma condição isonômica perante o homem, tendo sua emancipação constantemente refreada pela imposição da família e da sociedade, como se o pai transmitisse ao marido a propriedade sobre a liberdade da mulher. A demora da propagação dos direitos da mulher deu azo a um período negro de aceitação social em que a resistência dos homens da época resultou em mulheres espancadas, enganadas, violentadas, abandonadas e sub-remuneradas, entre outras consequências trágicas. O cenário passou a melhorar no período em que, dada à fartura de oportunidades e o viés meritório inerente do capitalismo, fez com que a mulher tivesse seu caminho profissional pavimentado e que passasse a usufruir de melhores oportunidades, além de outros benefícios que foram se aglutinando à causa, como bem delineia Bruschini: A expansão do mercado, a crescente urbanização e o acelerado ritmo da industrialização configuraram um momento de grande crescimento econômico, favorável à incorporação de novos trabalhadores, inclusive, os de sexo feminino (BRUSCHINI, 1994, p.65). O binômio desencadeador da imersão da mulher no mercado de trabalho pairava sobre a queda do poder aquisitivo dos chefes de família que fez com que a mulher deixasse a inércia contributiva e passasse a ajudar, além da necessidade do mercado de absorver novos profissionais. Por conta da fase positiva vivida pela economia brasileira, a mulher passou a

4 4 descortinar oportunidades como a de ingresso em universidades, consequência da expansão da escolaridade no país (BARROS, 1995). Houve um despertar para a busca de melhor escolarização que fez com que a mulher passasse a melhor se posicionar e ascender a cargos importantes em seus respectivos segmentos, munida agora de educação superior e de noções de igualdade de direitos. O resultado dessa evolução educacional foi o movimento feminista que cresceu a partir desse período. O posicionamento protagonista das mulheres neste processo deu fôlego a uma série de efeitos colaterais na sociedade que se tornou detectável claramente como a redução da taxa de fecundidade a partir da década de A mulher deixa seu papel de simples reprodutora e volta seus olhares para funções mais preponderantes dentro da sociedade, buscando ascensão financeira desgarrada da via única do casamento. Adjudique-se a questão comportamental a uma série de mudanças na própria lei que alicerçaram com mais força o ideal feminista no Brasil como a Lei 6.515/1977 (Lei do Divórcio), em que as mulheres passavam a dispor do direito de se separar e divorciarse do marido sem ter a obrigatoriedade imposta pela igreja de casamento pra vida toda. A condição de propriedade emanada pelo Código Civil de 1916, já havia sido sepultada socialmente há muito tempo e a neoliberdade somente foi formalizada com a vigência da lei. Hoje, os direitos da mulher são referendados na Lei Máxima do Brasil (art. 5º, I, Constituição Federal); onde ressalta que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações. Hodiernamente, a mulher colhe os frutos da própria emancipação. Ao ingressar no mercado de trabalho e passar a assumir responsabilidades cada vez mais pesadas, ela aglutina funções e não se esquiva das tarefas que sempre executou ao longo dos anos como a de ser mãe, esposa e dona de casa. A grande discussão localiza-se no papel multifacetado da mulher e nas suas consequências, seus dramas, a dificuldade em atingir a excelência em todas as missões e o sofrimento que vem a reboque cada vez que isso não acontece. A dificuldade de conciliar, a renúncia a algum dos papéis e a polarização da vida profissional em detrimento da vida pessoal são os principais objetivos de investigação e análise para o estudo, que terá a incumbência de lançar um olhar às consequências da emancipação mulher da e sua repercussão no campo psicológico.

5 5 3. A MULHER NA VISÃO DA PSICANÁLISE Do ponto de vista psicanalítico, Freud em seus estudos atribui vários significados à mulher e ao feminino, diante de todo esse paradigma de busca incessante na realização de algo que não se sabe especificamente mensurar de forma concreta. O que quer uma mulher? Tarefa que deixou para os poetas até que a ciência possa dar-lhes informações mais profundas e mais coerentes (FREUD, 1933). Segundo Birman (1999) a história da psicanálise teve a mulher como figura protagonista durante o ponta pé inicial e boa parte de seu desenvolvimento. O seu início ocorreu em 1880, quando Freud se interessa em aprofundar-se no estudo sobre a histeria. Pela primeira vez olhava-se a mulher em sua plenitude, através da escuta do discurso histérico de Anna O, o feminino se introduz á psicanálise. Freud (1893), através do estudo da histeria edifica suas descobertas a respeito da psiquê, afirma que é raro haver um único evento principal causador de sofrimento, é comum que seja operado antes uma série de impressões afetivas toda uma história de sofrimentos. Nesta busca da compreensão dos sintomas, através da escuta, ele descobriu a importância da sexualidade para a elucidação dos distúrbios psíquicos. Identifica que lembranças traumáticas comportam-se como um corpo estranho do psiquismo, permanecendo no presente, de maneira inconsciente. Percebe-se que este marco da psicanálise carrega em seu escopo a importância da mulher para Freud, onde seu seus estudos foram iniciados na observação da psicopatologia manifesta especialmente nas mulheres e seus sintomas psíquicos. Diante destas análises, ele identifica que nos sintomas histéricos existem sempre dois tipos de fantasias, uma de caráter masculino, e outra de caráter feminino, sendo uma delas originária de um impulso homossexual, decorrente da natureza bissexual do individuo. Essa diferenciação entre o feminino e o masculino se constitui de uma posição de bipolaridade da libido, ou seja, masculino relaciona-se com a atividade, o feminino com a passividade. Devemos, contudo, nos acautelar nesse ponto, para não subestimar a influência dos costumes sociais, que de forma semelhante compelem as mulheres a uma situação passiva (FREUD, 1933, p.116). No decorrer do percurso teórico freudiano, muitos elementos retomam a questão do feminino e da mulher em sua constituição psíquica. Outro conceito crucial e ilustrativo é a construção a respeito do complexo de castração e o Édipo e sua incidência na menina:

6 6 O complexo de castração das meninas inicia ao verem elas os genitais do outro sexo. De imediato percebem a diferença, e deve-se admiti-lo também sua importância. Sentem-se injustiçadas, muitas vezes declaram que querem ter uma coisa assim, também, e se tornam vítimas da inveja do pênis, esta deixará marcas indeléveis em seu desenvolvimento e na formação de seu caráter, não sendo superada, sequer nos casos mais favoráveis, sem um extremo dispêndio de energia psíquica (FREUD, 1933, p.125). Essa angústia, no contexto vivencial da mulher pós-moderna representa algo concreto, remetendo-a a perdas passadas como a separação do nascimento, ao seio materno, as fezes e todos os objetos de prazer perdidos. Essas experiências formam a base similar para a instauração simbólica do complexo de castração e para estruturação edípica. A descoberta de que é castrada representa um marco decisivo no crescimento da menina (FREUD, 1933, p.126). A dificuldade de elaboração resultante do édipo feminino possui como consequência a dificuldade na estruturação de ideal do ego. A menina passa a ter uma percepção de inexistência de uma identidade concreta. Com base na disposição perversa polimorfa, em que se descortina em cores vivas a posição de castrada que a menina deve acatar, pode-se afirmar sobre o Édipo feminino: [...] O desejo de ter o pênis tão almejado pode finalmente contribuir para os motivos que levam uma mulher a ter a capacidade de exercer uma profissão intelectual, por exemplo- amiúde pode ser identificado como uma modificação sublimada desse desejo reprimido [...] com a transferência, para o pai, do desejo de um pênis, a menina inicia a situação do complexo de Édipo. A hostilidade contra sua mãe se intensifica muito, se torna rival da menina, rival que recebe do pai tudo o que dele deseja. (FREUD, 1933, p. 125). Elucidando a citação acima nos moldes dos dias atuais, a mulher está sempre em constante competição interna e social, visto que já carrega em sua singularidade os traços de competição inconsciente na busca de algo que racionalmente não sabe precisar. Para as meninas, a situação edipiana é o resultado de uma evolução longa e difícil; é uma espécie de solução preliminar, uma posição de repouso que não é logo abandonada, especialmente porque o inicio de latência não está muito distante (NASIO, 2007, p. 76). Com isso, se constrói a diferença psíquica inicial entre os dois sexos, inserida no desenrolar do complexo de Édipo e o complexo de castração. A menina castrada, durante o período do complexo de Édipo em que tenta tomar o lugar da mãe junto ao pai, desenvolve uma competição familiar que percorre durante toda a sua fase de formação, tornando-se algo natural a ponto de ser repetido em sua convivência matrimonial posterior. Ao substituir o pai

7 7 pelo marido, a castrada tenta repetir esse comportamento desafiador no novo lar, como forma de serem amadas e de se imporem a condição de não-completamente-castrada. O que acontece com a menina é quase oposto, complexo de castração prepara para o complexo de Édipo, em vez de destruí-lo; a menina é forçada a abandonar a ligação com a sua mãe através da influência do pênis, e entra a situação edipiana como se esta fora um refúgio. [...] Muito frequentemente ocorrem regressões as fixações das fases pré-edipianas; no transcorrer da vida de algumas mulheres existe uma repetida alternância entre períodos em que ora a masculinidade, ora a feminilidade, predominam (FREUD, 1933, p. 129). Esse percurso histórico nos remete a mulher dos dias de hoje, o eterno estado de dever algo, carrega em seu escopo à ambivalência entre o prazer de suas conquistas e o sofrimento da não doação em sua plenitude. Apesar de todas as marcas sociais, culturais, a mulher escolhe ir além do que era o seu destino inicial, condizendo com a constituição de seu desenvolvimento psíquico. Nos dias atuais, a mulher ainda carrega consigo os aspectos culturais que corroboram com um movimento de trazer para si toda carga de preocupação, de tarefas, de sentimentos de frustração. Atribuímos também à feminilidade maior quantidade de narcisismo, que também afeta a escolha objetal da mulher, de modo que, para ela, ser amada é uma necessidade mais forte que amar. A inveja do pênis tem em parte, como efeito, também a vaidade física das mulheres, de vez que elas não podem fugir á necessidade de valorizar seus encantos, do modo mais evidente, como uma tardia compensação por sua inferioridade sexual original. (FREUD, 1933, p.131). Na concepção freudiana, percebe-se que as mulheres são mais propensas ao amor, ao romantismo, uma preocupação com a afetividade e a satisfação de seus desejos e sentimentos, afinal seu superego é menos rigoroso. Esta ideia nos remete ao entendimento de que a mulher sempre busca encontrar nas emoções o sucesso de seus papéis. Esse sentimento de buscar a uma satisfação completa a remete a incompletude inerente ao ser humano, tendo como consequência psíquica, sentimento de falha, de que poderia ir além... E será possível contemplar toda essa ansiedade feminina juntamente com essa evolução? Afinal o que quer a mulher, ser feliz ou esperar que a vida se descortine em um mundo idealizado e perfeito?

8 8 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa desenvolveu-se em um paradigma qualitativo, possibilitando a abrangência de diversas dimensões do problema a ser investigado por meio dos dados colhidos através de entrevistas, não envolvendo a quantificação, mas sim a qualificação das variáveis observadas. (MINAYO, 1994). Tendo como propósito geral descrever ou caracterizar o evento de estudo, dentro de um contexto particular. (CERVO, 2002, p. 45). Quanto à modalidade de pesquisa qualitativa escolhida, utiliza-se do formato de Estudo de Caso que constitui [...] uma forma de se fazer pesquisa empírica que investiga fenômenos contemporâneos dentro de seu contexto de vida real, em situações que as fronteiras entre o fenômeno e o contexto não estão claramente estabelecidas (YIN, 1989, p. 23), contemplando o fenômeno aqui estudado, impossível de ser alcançado se de forma descontextualizada. No contexto qualitativo, empregou-se a categoria de pesquisa de campo como primordial para produção de dados que possibilitassem a realização de tal estudo. Foram convidadas a participar da pesquisa três mulheres, casadas, possuindo nível superior, com filhos e que ocupam cargos em setores públicos e privados, fazendo jus ao tema com o perfil da chamada tripla jornada da mulher pós- moderna. A escolha se deu através de indicações de algumas pessoas pertencentes ao meio que conheciam a trajetória dessas mulheres. A coleta de dados foi mediada pela técnica de entrevista aberta, propondo inicialmente a pergunta disparadora: Gostaria de saber se você de alguma forma se identificou com meu tema de pesquisa, se possui alguma relação com seu cotidiano? De acordo com surgimento das lacunas e dúvidas nas falas das entrevistadas foram inseridos os questionamentos pertinentes relacionados à pesquisa. O número de encontros foi flexível, delimitado pela disponibilidade das entrevistadas, em média constituindo três encontros com cada uma delas. Para obtenção das informações fornecidas pelas participantes da pesquisa foi utilizado um gravador eletrônico, a fim de proporcionar a melhor captação e consequente fidedignidade dos dados. O referencial teórico adotado para análise dos dados foi a teoria psicanalítica, bem como para tratamento dos dados será utilizado a análise do discurso. Baktin afirma com propriedade que a linguagem tem de expressar exatamente o sujeito que a utiliza, é um artificio sócio histórico, portanto que acompanha a evolução do sujeito (BAKIN apud

9 9 FARACO; TEREZZA; CASTRO, 2001), corroborando a utilização do arcabouço teórico escolhido nos moldes que a análise de discurso propõe. 5. APRESENTAÇÃO DOS DADOS E ANÁLISE Para realização desta pesquisa foram entrevistadas três mulheres. A primeira delas tem 33 anos, casada, tem uma filha de seis anos, é advogada durante o dia e a noite é professora universitária, aqui será nomeada de Sofia; a segunda participante tem 39 anos, casada, tem dois (uma filha de seis anos e um filho de dez anos), é psicóloga em um órgão do estado e professora universitária, aqui será nomeada Júlia; a terceira pesquisada tem 35 anos, casada, tem uma filha de sete anos, é nutricionista, faz atendimentos clínicos e presta serviço nas usinas e será nomeada de Vitória. Foram feitas três entrevistas com cada uma delas. Ressalta-se que os nomes, locais de trabalho e demais dados foram modificados tendo em vista a proteção da identidade das mulheres pesquisadas. A condução da entrevista ocorreu inicialmente com uma pergunta disparadora, questionando-as se as pesquisadas possuíam algum tipo de identificação com o tema e de acordo com o decorrer dos diálogos foram introduzidos questionamentos pertinentes ao viés do tema pesquisado. Como arcabouço teórico que corrobora a análise dos dados desta pesquisa utilizou-se a teoria psicanalítica. Diante disto, constataram-se alguns de seus preceitos que permearam as conclusões deste estudo. Devemos, portanto elencar os mais importantes, onde é possível identificar tais preceitos e tecer observações teóricas em consonância com os discursos das mulheres supracitadas. Os aspectos mais recorrentes em suas falas foram sintomas de angústia, culpa, frustração e utilização de mecanismos de defesa como maneira protetiva contra a realidade dos conflitos psíquicos. Tornou-se evidente que todas estas mulheres sofrem conflitos internos e possuem dificuldade de lidar com os mesmos, estando em constante estado de ambivalência entre o princípio de prazer e de desprazer, ou seja, um conflito psíquico que oscila entre o estado de felicidade por suas conquistas alcançadas, experimentando sensações de realização pessoal em determinado âmbito e, em contrapartida, angústia oriunda da incompletude na execução de todos os papéis a elas destinados.

10 10 Freud (1930) ilustra de forma bastante cristalina em sua obra no texto O mal estar na civilização -, que toda busca possui dois lados, a chamada ambivalência entre a dor e o prazer: [...] uma meta positiva e uma negativa, onde por uma parte querem a ausência de dor e de desprazer; por outra, vivenciar intensos sentimentos de prazer (FREUD, 1930, p.76). Entre as mulheres pesquisadas tal ambivalência era claramente tratada em seus discursos. Alguns exemplos são apresentados nos seguintes trechos destacados. Júlia diz: Eu me considero feliz com minhas conquistas. Mas, às vezes me sinto angustiada, como se tivesse sempre perdendo algo. Difícil colocar em palavras, um misto de sentimentos. Mas, é como se devesse sempre as pessoas que me cercam, minha filha, meus amigos, família e meu marido. Por sua vez, Sofia ilustra tal ambivalência de forma clara no seguinte trecho do relato de sua vida: Depois que minha filha nasceu eu não posso me dar ao luxo de trabalhar só no escritório, porque a grana aperta. Minha filha tem problema de aprendizagem e com isso não posso contar somente com o escritório, ela tem gastos com psicólogos, aulas de reforço e o dinheiro da docência cobrem esses gastos. Além do mais, lá é a minha válvula de escape, eu me sinto útil ao fazer parte do crescimento dos meus alunos. É engraçado, mas, lá me sinto viva e ao mesmo tempo quando volto para casa, vejo minha filha dormiu me esperando para contar uma história, mostrar um desenho, aquilo que causa uma angústia profunda. Vitória ressalta que o tema da pesquisa fez com que retomasse um questionamento íntimo Quando você me procurou pela primeira vez e disse que havia sido indicada por uma pessoa por possuir o perfil de sua pesquisa, fiquei me questionando até que ponto uma mulher moderna se sente plena e realizada. Confesso que não estou em uma fase feliz... As falas supracitadas elucidam a ambivalência e os conflitos psíquicos vivenciados pelas mulheres entrevistadas. Segundo Laplanche (1999) a Ambivalência seria uma presença simultânea de tendências, atitudes e sentimentos opostos, experimentando a sensação de amor e ódio no mesmo objeto (p. 17). Esses sentimentos resultam em ações conflituosas e caminham ao mesmo tempo em representações idealmente benéficas e em outros momentos essencialmente destruidoras.

11 11 Freud (1915) em Características Especiais do Sistema Inconsciente afirma que os conteúdos inconscientes ocorrem destituídos de contradições. Percebe-se que os registros das entrevistas verbalizam a vivência de dor e o prazer que se revelam como uma carga efetiva única, com isenção de contradição mútua, atemporalidade e substituição da realidade externa pela psiquê - tais são as características que podemos esperar encontrar nos processos pertencentes ao sistema inconsciente. Um segundo fator elucidado nas falas das mulheres diz respeito à repetição. Freud em Além do principio do prazer (1920) ressalta a repetição como um processo inconsciente onde o sujeito se coloca ativamente em situações penosas, repetindo assim experiências antigas. Ressalta que a configuração da repetição parte de uma dinâmica puramente conflitual entre o prazer e o princípio da realidade. O termo repetição vem de uma conotação de reprodução de maneira disfarçada, na qual o indivíduo atua no presente sob a forma de eventos passados (FREUD, 1920). A repetição se constitui como uma contradição entre o passado e o presente: Júlia Cresci vendo a submissão de minha mãe, isso de alguma maneira me marcou muito, o que meu pai dizia não era questionado, era simplesmente aceito. O moralismo dele era apenas em casa, pois, vivia traindo minha mãe pela vizinhança. E hoje ainda sou cobrada pelo meu marido a realizar tarefas domésticas como se fossem destinadas apenas a mim e o pior eu acabo deixando pra lá porque vivo tão cansada que não quero brigar. Sofia relata que seu marido colabora apenas no setor financeiro, sempre esperando que ela realize os afazeres domésticos e por conta disto as brigas são frequentes, verbaliza chegar cansada tarde da noite e o marido está esperando para jantar por não ter nada pronto. Afirma ter moldado sua relação desta forma e com isso acredita que perdeu a chance de ter uma vida mais leve. Já Vitória relata existir um fato interessante em sua história, se casou com uma pessoa dezoito anos mais velha que ela, onde no começo era tudo perfeito, ele o apoiava em suas ideias e com o tempo percebeu que ela o considerava machista como seu pai. O discurso de seu marido fazia com que ela se recordasse de seu pai que acreditava que o lugar de mulher era em casa, cuidando dos filhos e do marido. Meu marido sempre cobra que preciso emagrecer que estou descuidada, que ele preferia quando eu não trabalhava que eu me cuidava mais e era mais interessante e menos estressada. E é engraçado porque nunca parei para questionar se ele é um bom pai, se é ausente, é como se para o homem, ser ausente, ser

12 12 fechado é natural, a mãe não, ela tem que ser perfeita, afetiva, referência como profissional, tem que estar com tudo em cima. Em dado momento percebe-se em seu discurso de Vitória uma forma de rememorar os seus questionamentos passados, como uma elaboração de conteúdos do seu presente: Mas e as aspirações profissionais de minha vida? Os estudos aos quais me dedicara à vida inteira? O prazer de realizar trabalhos compatíveis com o grau de instrução que havia adquirido a duras penas àquela altura da vida? O que eu faria com tudo isso? A fala de Júlia corrobora o padrão repetitivo inerente à dinâmica humana comum no contexto dessas três mulheres, quando reflete sobre seus interesses intelectuais e laborais: Sempre fui rebelde, apanhava porque queria ler as coisas proibidas, a leitura me levava para onde queria, sempre quis ser independente, comecei a trabalhar com 14 anos, ajudando minha tia em uma loja de sapatos e engraçado que até meu curso tem um caráter machista. A história da assistência social mostra que foi inventada para mulher ajudar no social, como se ela só servisse para praticar caridade e fosse desprovida de inteligência. Na tentativa de abarcar todos os papéis, aliados a dificuldade de desvencilhar-se dos traços culturais, a mulher está abrindo mão de seus desejos em prol do bem estar dos outros, colocando-se sempre em posição secundária. Na busca incessante de encontrar realização no bem estar do outro, quer seja dos filhos ou do marido, a mulher anula seus desejos inconscientes com a ideia fantasiosa de que sua felicidade depende basicamente do bem estar dos outros, buscando uma maneira de reparar aquilo que está incomodando de alguma forma. Enquanto suas mães ou referências de mulher se subjulgavam explicitamente as ordens de seus maridos, a mulher pós-moderna dedica-se dia e noite ao trabalho e estudo em prol de um bem estar próprio, mas também familiar. Não cozinha, lava roupa e serve o dia inteiro, mas reproduz no cenário moderno dos escritórios, função docente, consultórios e cargos públicos uma produção financeira que supra a demanda própria e também a demanda doméstica. Como revela Júlia: Durante muito tempo sustentei a nossa casa, não podia viver linda, perfumada, malhando em academias caras, porque o que meu marido ganhava era muito menos do que eu, mesmo com toda correria e tripla jornada, era essa correria que supria as nossas necessidades. Tal dinâmica ainda nos remete ao que Melanie Klein descreve a respeito da reparação, trata-se de um mecanismo onde o sujeito procura reparar os efeitos produzidos no seu objeto de amor pelas suas fantasias destruidoras, mecanismo este que está vinculado à angústia e a culpabilidade (Laplanche, 1999).

13 13 Com isso, as relações conjugais se perdem, os vínculos tal como são idealizados não se consolidam. Novos modos de relacionamento se moldam nessa nova estrutura de rotina da mulher, com a demanda de um companheiro com pelo menos algumas características de antigamente. A mulher pós-moderna está sempre vivenciado traços culturais do passado em novos tempos. Eu e meu marido nos afastamos muito, dormimos em quartos separados, porque durmo muito tarde e não quero atrapalhar o sono dele, as coisas se perderam, conta Sofia. Essa nova configuração faz com que as mulheres em certos momentos de acesso a conteúdos pré-consciente percebam os seus conflitos de maneira realista e sofram intensamente. Isso não existe, não tenho vida social, amizades só existem se for uma via de mão dupla, as pessoas cansam de te procurar e não ter uma contrapartida observa Júlia. Nesses momentos reais, a mulher entra em conflito com seus anseios e experimenta situações que trazem a tona o seu verdadeiro e real estado psíquico. As coisas se perderam, vivo cansada, estressada, meu marido me cobra que preciso me cuidar, me sinto desinteressante e me magoa muito o fato dele nem me ligar para saber se comi, como passei meu dia relatou Vitória, chorando. Percebe-se claramente que diante dos conteúdos manifestos, adentrando por vezes em terrenos conscientes as mulheres se deparam com dores reais onde na correria do cotidiano conturbado de tarefas são mascarados na tentativa de minimizar dissabores e conflitos internos. Sofia nos relata com lágrima nos olhos a sua verdadeira percepção de um desejo real em relação a sua vida social: Minha vida social está tão ruim, como trabalho muito não crio vínculos com as pessoas. Um dia desse eu me peguei me arrumando toda, fui ao salão pra ir ao velório de um amigo de família, como se aquilo fosse um evento social mesmo, fazia tanto tempo que não me arrumava e nem saia que eu tive dificuldade de encontrar uma roupa adequada para isso. Em que ponto eu cheguei meu Deus. Diante destas medidas defensivas a mulher acaba por anular seus anseios, vontades e desejos. Busca sempre realizar-se no desejo dos outros, como uma forma de aniquilar a suas vontades reprimidas. Nossa... Até eu me assustei quando descrevi minha rotina a você, eu não existo (Silêncio). O desejo de olhar-se inteiramente com o mesmo amor que realiza o cumprimento de seus papeis tornou-se algo intangível. Às vezes quero um espaço pra mim, me questiono de que adianta sair de casa sete da manhã e voltar onze é bem complicado (Vitória).

14 14 Os lapsos de realidade que ocorrem em alguns momentos se traduzem em dúvidas e questionamentos de seu verdadeiro papel. Muitas vezes a rigidez do superego faz com que a mulher se torne fria na busca de satisfazer de maneira mecânica tudo que lhe é destinado. Me sinto como um robozinho, minha cabeça não para, estou sempre atenta a não esquecer nada. (Sofia). Essas mulheres utilizam-se da justificação de seus atos em prol de algo maior, que segundo as mesmas, são destinados sempre aos outros: filhos, marido, família, trabalho e etc. Às vezes me sinto muito angustiada, mas, tenho que fazer isso enquanto sou nova, não se pode ter tudo, bola pra frente (Júlia). A maneira como a mulher pós-moderna vivencia os seus prazeres está intimamente ligada a corrente afetiva e constitui-se nos primeiros anos da infância. Segundo Freud (1912\1996): a escolha de como a mulher transfere o seu objeto está intimamente relacionado com o modo de afeição que os seus pais lhes ensinaram, como uma repetição daquilo que recebeu. A forma como elas lidam com os relacionamentos possui uma dinâmica depreciativa, doando-se de maneira plena ao outro, esquecendo-se de si mesma. Como ilustra a fala de Júlia: Não é fácil, mas, vejo a felicidade deles e é isso que me importa. Estes mecanismos de autopunição buscam sempre mascarar desejos inconscientes como uma medida protetiva da psiquê. Vitória revela em uma de suas falas que precisou cair dura no meio de uma avenida para perceber que precisava diminuir seu ritmo. Minha pressão estava altíssima, meu nível de estresse no pico, neste dia eu pude perceber como havia me largado de mão, precisei chegar a esse ponto, é a história de que quando você não para, Deus te para. Mascarar as limitações serve como uma finalidade prática de nos capacitar para a defesa contra sensações de desprazer que realmente sentimos ou pelos quais somos ameaçados. A fim de desviar de certas situações desagradáveis que surgem do interior, o ego não pode utilizar senão os métodos que utiliza contra o desprazer oriundo do exterior, este é o ponto de partida de importantes distúrbios psicológicos (FREUD, 1930, p.76). Defender-se dos conflitos psíquicos da mulher reduz o sofrimento e desloca os seus pensamentos a acomodar-se de maneira que o outro seja mais importante. Batalho muito por ela, compramos uma casa grande, minha filha está feliz lá e não posso abrir mão da felicidade dela (Júlia). Freud em Além do principio do prazer (1920), apresenta a ideia de que o desprazer no aparelho psíquico pode ser tomado como prazer para o outro (FREUD, 1920, p.31).

15 15 Anular-se muitas vezes é a solução para sentir-se realizada, buscando satisfazer anseios dos outros e esquecer-se dos próprios. Sofia comenta que se percebe como uma mulher-maravilha sem poderes. Eu sou a mulher-maravilha capenga, porque faço tudo pelos outros, mas pra mim mesmo, nada. Sempre fui vaidosa, depois que minha filha nasceu, engordei, o tempo foi passando, passando e hoje está difícil cuidar de mim e voltar para o meu peso. Neste cenário moldado pela mulher pós-moderna traz em seu escopo uma alusão a sentimentos contraditórios onde os sinais aparecem no descontrole do seu comportamento e neste momento a mulher liberta-se de suas defesas deixando por vezes emergir vontades reais e que ficam puramente em grande parte do tempo em seus conteúdos inconscientes, um exemplo disso são os sonhos, eles muitas vezes ilustram os desejos burlados por mecanismos. Os sonhos constituem as realizações de desejos (FREUD, 1933, p.36). Vitória relata que possui sonhos recorrentes mudando apenas as pessoas e nesses sonhos ela está em festas, arrumada, feliz e rodeada de amigos: No fundo sei que era o que eu queria viver. Freud (1933) elenca em sua obra no texto Revisão da Teoria dos Sonhos as diferentes funções e forma de constituição dos sonhos: modo relativamente casual, por estímulos externos, por interesse do dia anterior e pelos impulsos instintuais reprimidos insatisfeitos que estão à espera de oportunidade de se expressarem. A fala acima corrobora que os desejos reais encontram-se reprimidos, onde por vezes aparecem em manifestações do inconsciente, os sonhos. A maneira com que as mulheres lidam com seus conflitos internos levam a sentir, em grande parte do discurso, a culpa por algo que elas buscam respostas e não conseguem clarificar de maneira consciente. Sofia relata com grande emoção uma fala de sua filha: Mamãe você pode me colocar numa escola mais baratinha para ficar mais tempo comigo, não tem problema, eu assisto filme em casa que é mais barato. Imagine ouvir isso. Mas, tenho esperança que quando ela cresça ela entenda que tudo que faço é por ela. Os sentimentos de culpa estão sempre à frente das realizações, nunca no mesmo patamar, ele se insere ou no contexto familiar, ou na função de mãe, esposa, dona de casa, filha ou até mesmo no descaso e anulação de seus anseios pessoais. Sentimento de culpa é sistema de motivações inconscientes que explica comportamentos de fracasso, sofrimentos que o individuo inflige a si mesmo. Laplanche (1999, p.473). Cada coisa da dá errado no meu trabalho eu sofro, acho que a culpa é minha. E neste mesmo período eu descobri uma traição do meu marido, entrei numa depressão porque eu achava que a culpa era minha, nunca estava em casa, claro que iria ser traída, que era para eu aprender (Júlia).

16 16 E Vitória: Minha filha Me ligou no meio da tarde e disse mamãe eu olhei o meu porquinho e ele tá bem cheio, acho que você pode ficar em casa hoje.... Aquilo me matou, minha filha implorando minha atenção, larguei tudo e fui pra lá com ela, sentamos no balanço, esse dia estava chuviscando, um vento bom, aquele vento no rosto e a felicidade dela. Mas, não se pode ter tudo, né. Neste processo conflituoso entre os instintos e desejos (ID) e as cobranças pessoais e sociais (superego) a mulher está cada vez mais desenvolvendo patologias como transtornos de ansiedade, depressão, fobias e outros. A vida em sua boa parte tornou-se mecânica, uma eterna busca de cumprimento dos seus papéis em função do bem estar de outrem. Percebe-se que a mulher tomou para si um grande acumulo de atribuições, outro tipo de submissão que se torna contraria a toda evolução que se buscou. É fato que a repressão da mulher perdura ainda nos dias de hoje e traços culturais ainda permeiam de forma inconsciente em sua estrutura psíquica. Diante disto, as mulheres pós-modernas têm grandes probabilidades de vivenciar uma sensação de dever algo, dificultando a elaboração de seus conteúdos inconscientes. A fala a seguir possui um teor ilustrativo do resumo de todos os conflitos vivenciados por estas mulheres em sua eterna corrida pela completude de seus anseios: Se pudesse te resumir o que penso sobre o meu olhar sobre as mulheres modernas não capta tanta diferença sim, não na essência; há, sim, um discurso vanguardista de valorização das capacidades da mulher, que se iguala ao homem no mercado de trabalho, a existência de modernas creches, a ajuda e a parceria do companheiro etc. Porém, enxergo na mulher de hoje o mesmo ideal romântico com relação à maternidade, as mesmas expectativas das princesas de minha infância. Quanta ilusão! Nem nós sabemos o que queremos. (Vitória). Com isso, é possível inferir a respeito da existência de uma grande dificuldade na elaboração dos conflitos psíquicos, originados da inserção da mulher em muitos contextos, tentando vivenciar de modo total a execução de múltiplos papéis, mascarando seus anseios pessoais, buscando motivos racionais para a condução de suas dinâmicas relacionais e possivelmente estar cada vez mais se distanciando do que consideram o principal: Ser feliz.

17 17 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A realização deste estudo teve como principal objetivo elucidar a percepção da mulher pós-moderna diante dos inúmeros papéis que exerce e se estes acarretam conflitos psíquicos e sofrimento. Procuramos mostrar resumidamente sua trajetória histórica, em um segundo momento, a importância da figura feminina para Freud, que teve a mulher como figura central na descoberta da psicanálise e com a análise de dados enfatizar através do discurso das mulheres pesquisadas o real significado do que vem a ser uma mulher pós moderna nos dias atuais. Pudemos perceber que as mulheres pós-modernas vivem diante de um conflito psíquico ambivalente entre prazer (felicidade) e desprazer (angústia). Ao mesmo tempo em que se sente realizada profissionalmente, sente-se profundamente culpada e angustiada por não realizar outras funções como mãe, esposa, dona de casa de maneira plena. Pode-se constatar que essas mulheres recorrem a mecanismos de defesa como um escudo protetivo contra os seus conflitos internos. A mulher diante de toda caminhada histórica onde antes era vista como desprovida de intelectualidade e seu papel limitava-se aos cuidados com a casa, filhos e marido acaba negligenciando a si mesma, cedendo à pressão, imposta pelo acúmulo de tarefas, assumindo um caráter nocivo e culminando no desencadear de alterações psicológicas consequência do protagonismo por vezes exacerbado, centralizador e perfeccionista da mulher do século XXI. Um ponto de suma importância quando se refere ao estudo da mulher diz respeito à diferenciação que se faz do gênero feminino e masculino. E em nossos estudos pudemos perceber que pensar nessa diferenciação perpassa não somente em suas diferenças anatômicas e psíquicas, se faz também no ambiente e principalmente em seus vínculos iniciais. Freud em seu texto sobre a feminilidade (1933) ilustra essa importância elencando os pais como importante vinculo inicial e primordialmente a mãe, estes vínculos moldam o desenvolvimento na vida adulta. Este entendimento de transferência vai ser o fio condutor na estruturação egóica da mulher, onde de maneira bastante cristalina percebeu-se que ocorre uma repetição dos vínculos iniciais, com certa adaptação as novas dinâmicas familiares e que provavelmente serão repetidos em seus filhos e em seus netos.

18 18 Diante disto, concluímos que com toda evolução da mulher pós- moderna, percebe-se que todos os seus conflitos psíquicos estão baseados no aspecto da afetividade, a mulher busca realizar-se no outro como uma maneira de sentir-se feliz e realizada. Essa busca de amor e afeto se mostra no momento em que ela espera do outro um reconhecimento do seu esforço em buscar de maneira incessante abarcar todos os seus papeis com primor e perfeição. Os tempos evoluíram novos papeis foram configurados, dinâmicas familiares se mostram em novos cenários e a mulher ainda nos dia de hoje possui traços culturais de dependência, onde antes de ordem financeira e hoje essa dependência é de afeto, a mulher moderna busca ser amada com todas as medidas protetivas que utiliza no sabotamento incutido em seus conflitos. Ana Jácomo (2010) uma poeta dos tempos modernos ilustra em um dos seus versos que a mente do ser humano é uma casa que não tem paredes, mas acostuma-se a passar temporadas nos cômodos mais apertados, com medo de enfrentar aquilo que é desconhecido e com isso a dor vira companhia e quem sabe pelo receio de não saber o que fazer com o espaço, às vezes grande, que ficará desocupado se ela sair de cena. Ou seja, a mulher pós-moderna possui uma grande dificuldade de transitar pelos outros cômodos da casa e buscar conhecer aquilo que de alguma forma lhe cause dor ou felicidade.

19 19 REFERÊNCIAS BARROS, Alice Monteiro. A mulher e o direito do trabalho. São Paulo: LTR, BRAIT, Beth. A natureza dialógica da linguagem. In: FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristóvão; CASTRO, Gilberto de. Diálogos com Bakhtin, Curitiba: UFPR, BIRMAM, J. Mal-Estar Na Atualidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, BRUSCHINI, Cristina. In: SAFFIOTI, Heleieth I.B e VARGAS, Monica Munhoz (orgs.). Mulher Brasileira é Assim. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN; Pedro Alcino. Metodologia científica. São Paulo: Prentice Hall, FREUD, Sigmund. (1893). Sobre o mecanismo Psíquico dos Fenômenos Histéricos. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v.03.. (1912). Contribuições à Psicologia do amor II. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v (1915). As características Especiais do Sistema Inconsciente In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v (1920). Além do Principio do Prazer. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v (1930). O Mal Estar na Civilização. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v (1933). Feminilidade. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v.22.. (1933). Revisão da Teoria dos Sonhos. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1996, v. 22.

20 20 JÁCOMO, ANA. Poemas e Avessos Disponível em Acesso em: LAPLANCHE, J e PONTALIS, J.B. (s\d). Vocabulário de Psicanálise. São Paulo, Martins Fontes, MINAYO. Maria Cecilia de Souza. Ciência, técnica e arte. O desafio da pesquisa social. In pesquisa social: teoria método e criatividade. 4 ed. Petrópolis Vozes, NASIO, Juan-David. Édipo: O complexo do qual nenhuma criança escapa. Tradução: André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, POULAIN, Amelie. Trecho do filme: O Fabuloso destino de Amelie Poulain STEARNS, P. N. De História da Sexualidade. São Paulo: Contexto Yin, R. K. Case study research: design and methods. Newbury Park, CA: Sage Publications, 1989.

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 Anelise Scheuer Rabuske Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de,

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES

A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES A PSICOLOGIA E O SINTOMA DA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NAS CIDADES Silva. M. C, (Dra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia CEFET-PR/PPGTE e doutora pela FAU-USP) Magnabosco, M. (Mestrando do

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO;

O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; O DIVÓRCIO SEGUNDO CARTER &MC GOLDRICK(1995) O DIVÓRCIO É UMA CRISE DE TRANSIÇÃO; TORNA-SE MAIS COMUM EMBORA OS CÔNJUGES NÃO ESTEJAM PREPARADOS, SOFRENDO GRANDE IMPACTO FÍSICO E EMOCIONAL; AFETA OS MEMBROS

Leia mais

TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA

TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O CONSUMISMO E A BUSCA DE FELICIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA:

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

Questionário avaliativo

Questionário avaliativo Questionário avaliativo Aluno: Série: 1. Você possui acesso a internet? Se sim, com que frequência? 2. A sua escola disponibiliza de um laboratório de informática? Se sim, este laboratório está disponível

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br]

Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] FONTE: CRP-RJ DEZEMBRO DE 2006 Entrevista: Carlos Bernardi, Psicólogo clínico jungiano, fundador do grupo Rubedo [www.rubedo.psc.br] Como funciona a terapia junguiana? A Análise junguiana está dentro da

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO 50 Nona Lição AS CINCO LINGUAGENS DE AMOR Alguma coisa em nossa natureza clama por sermos amados. No âmago da nossa existência há o íntimo desejo se sermos amados. O casamento foi idealizado para suprir

Leia mais

MOVIMENTO PSICANALÍTICO

MOVIMENTO PSICANALÍTICO MOVIMENTO PSICANALÍTICO Sigmund Freud (1856-1939) Psicanálise: escola psicológica que busca penetrar na dimensão profunda do psiquismo humano. Objeto de Estudo: o inconsciente Métodos: 1. Hipno-catártico

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL

OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL OFICINA DE ORIENTAÇÃO VOCACIONAL: EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE PROFISSIONAL Emiliano Jaskulski 1 Milena da Silva Costa 2 Roselaine Londero Mossatti 3 Mara Regina Nieckel da Costa 4 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O FUTURO DE UMA ILUSÃO

O FUTURO DE UMA ILUSÃO Ano V nº 7/8 (J an./ Dez. 2007) Revista da Faculdade de Educação O FUTURO DE UMA ILUSÃO M aria da Penha Fornanciari Antunes 1 FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. O mal-estar na civilização e outros

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS Lorena Munhoz da Costa 1, Gilcinéia Rose da Silva Santos 2 RESUMO: Este trabalho buscou analisar,

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

TRABALHANDO OS GIGANTES DA ALMA PARA SER UM EMPREENDEDOR. SILVIA PIRES

TRABALHANDO OS GIGANTES DA ALMA PARA SER UM EMPREENDEDOR. SILVIA PIRES TRABALHANDO OS GIGANTES DA ALMA PARA SER UM EMPREENDEDOR. SILVIA PIRES Quais são os gigantes da alma? É na infância que se constrói o caráter, para você ser um adulto de valor! ROTINA Vivemos numa sociedade

Leia mais

Muito além do arco íris

Muito além do arco íris Muito além do arco íris amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Klecius Borges muito Além do arco-íris Amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Copyright 2013 by Klecius Borges Direitos

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais