USDA Serviço Florestal - Viagem de Assistência Técnica a Florestas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USDA Serviço Florestal - Viagem de Assistência Técnica a Florestas"

Transcrição

1 USDA Serviço Florestal - Viagem de Assistência Técnica a Florestas Identificação de Árvores, Avaliação de Vegetação e Treinamento em Monitoração de Vida Selvagem Divundu, Namíbia e Mucusso, Angola Em apoio ao Projeto da USAID referente à Bacia Fluvial Integrada Okavango, da África do Sul, e ao Instituto Nacional para o Desenvolvimento e a Gestão Florestais do Ministério angolano do Desenvolvimento Agrícola e Rural Relato de Viagem Período da Missão: 7 a 24 de março, 2007 Relato submetido por: Hugh Safford, USDA-Serviço Florestal, Região do Sudeste do Pacífico David Lombardo, USDA-Serviço Florestal, Floresta Nacional de Allegheny ext

2 SUMÁRIO Itinerário da Missão 3 Resumo Executivo 6 Escopo da Assistência Técnica 7 Introdução Objetivos Atividades Descobertas 10 Recomendações 12 Apêndices I. Delineamento do treinamento original a partir de fevereiro de II. Agenda do Treinamento Final 16 III. Considerações específicas acerca do Florestamento sustentável em Angola

3 ITINERÁRIO DA MISSÃO PARA A EQUIPE DO USFS (Serviço Florestal dos EUA) 6 a 24 de março, 2007 Terça-feira, 6 de março, a quinta-feira, 8 de março Dias de viagem internacional Quinta-feira, 8 de março Reunião de Safford com Oliver Pierson, líder do Programa Africano USFS-IP, em Windhoek Sábado, 10 de março Chegada da equipe a Divundu, Namíbia Reunião com o pessoal do IRBM e com Barbara Curtis, botânica namibiana Domingo, 11 de março Continuação das reuniões preparatórias Seleção dos locais em campo Viagem à Reserva de Mahango Game Segunda-feira, 12 de março Início do treinamento, Centro da Juventude de Frans Dimare, Divundu, Namíbia Manhã: Planejamento básico da gestão de terrenos e da administração e conservação de recursos naturais Tarde: Grupo A: Introdução aos termos da botânica; Grupo B: Introdução à biologia de animais selvagens Terça-feira, 13 de março Continuação do treinamento Manhã: Grupo A: Identificação de árvores usando uma chave; Grupo B: características identificadoras de espécies básicas de animais selvagens Parte I Tarde: Grupo B: Introdução aos termos da botânica; Grupo A: Introdução à biologia de animais selvagens Quarta-feira, 14 de março Continuação do treinamento Manhã Grupo B: Identificação de Árvores usando uma chave; Grupo A: características identificadoras de espécies básicas de animais selvagens Parte I Tarde: Grupo A: Introdução a espécies de árvores importantes do Sudeste de Angola; Grupo B: características identificadoras de espécies básicas de animais selvagens Parte II Quinta-feira, 15 de março Continuação do treinamento Manhã: Grupo A: Métodos para coleções botânicas; Grupo B: uso de trilhas, fezes e outros sinais para identificar espécies de animais selvagens Tarde: Grupo B: Introdução a espécies de árvores importantes do Sudeste de Angola; Grupo A: características identificadoras de espécies básicas de animais selvagens Parte II Sexta-feira, 16 de março Continuação do treinamento Manhã: Grupo B: Métodos para coleções botânicas; Grupo A: uso de trilhas, fezes e outros sinais para identificar espécies de animais selvagens - 3 -

4 Tarde: Grupo A: Exercícios de campo, área de Divundu e Mucusso, Angola: identificação de árvores usando uma chave, coletando espécimes; formalidades com administradores municipais, Mucusso; Grupo B: métodos de coleta de dados para inventário de espécies de mamíferos Sábado, 17 de março Continuação do treinamento Manhã: Grupo B: Exercícios de campo, área de Divundu e Mucusso, Angola: identificação de árvores usando uma chave, coletando espécimes; Grupo A: métodos de coleta de dados para inventário de espécies de mamíferos Domingo, 18 de março Reuniões preparatórias para a semana dois; divisão dos participantes em três grupos: Vida selvagem, Florestamento e Vegetação Planejamento das lições com equipe de mapeamento da Botswana do Instituto Oppenheimer, Maun Visita a área de animais selvagens Buffalo Camp Segunda-feira, 19 de março Continuação do treinamento Manhã: Todos: Introdução ao mapeamento de vegetação e sensoriamento remoto Grupo de Florestamento: Tarde: Introdução ao uso de bússola Grupo de Vegetação: Tarde: Introdução ao GPS (Sistema de Posicionamento Geográfico) Grupo de Vida selvagem: Tarde: metodologias de inventário para o campo de mamíferos e coleta de dados postos de estrume e travessas para pedestres Terça-feira, 20 de março Continuação do treinamento Grupo de Florestamento: Manhã: Introdução a inventário de florestas, identificação de postos e desenho de amostragem; Tarde: Introdução ao GPS (Sistema de Posicionamento Geográfico) Grupo da Vegetação: Manhã: Introdução ao protocolo de amostragem de campo; Tarde: prática de campo preliminar executada junto de instrutores Grupo da Vida selvagem: Manhã: trilhas de mamíferos, estrume e outros sinais Quarta-feira, 21 de março Continuação do treinamento Grupo de Florestamento: Manhã: exercício de campo, Área de Divundu; amostragem de inventário de florestas, mensuração, cálculos de volume e discussão; Tarde: livre Grupo da Vegetação: Manhã: Exercício de campo, Área de Divundu; amostragem de travessas; Tarde: resumo de dados e discussão Grupo da Vida selvagem: Manhã: Exercício de campo, West Caprivi; amostragem de travessas; Tarde: Exercício de campo, Parque Mahango Game; monitoramento de animais selvagens Quinta-feira, 22 de março Continuação do treinamento - 4 -

5 Grupos do Florestamento e da Vida selvagem: Manhã: Exercício de campo, West Caprivi; amostragem de travessas; Tarde: Exercício de campo, Parque Buffalo Camp Game; monitoramento de animais selvagens Grupo da Vegetação: Manhã: Exercício de campo, Área de Mucusso, Angola; amostragem de travessas; Tarde: resumo de dados e discussão Sexta-feira, 23 de março Partida de Dave Lombardo, engenheiros florestais namibianos e equipe de mapeamento Continuação do treinamento Manhã: Todos: Estabelecimento de um programa de inventário de seis meses Tarde: Todos: Nova visita Sábado, 24 de março Revisão do programa de 6 meses para inventários, prêmios e partida - 5 -

6 RESUMO EXECUTIVO Hugh Safford (ecologista, Região Sudoeste do Pacífico) e Dave Lombardo (engenheiro florestal e estudioso de silvicultura certificado, Floresta Nacional de Allegheny) participaram de um treinamento de duas semanas, na Namíbia, intitulado Identificação de árvores, avaliação de vegetações e monitoramento de animais selvagens. O treinamento foi organizado pelo Projeto de Gestão de Bacias Fluviais Integradas (grupo patrocinado pela USAID que trabalha dentro da bacia do rio Okavango). Foi realizado por especialistas em botânica, em monitoramento de animais selvagens, em mapeamento de vegetações e em florestamento, oriundos dos Estados Unidos, de Portugal, da Botswana e da Namíbia. O público-alvo era o quadro de funcionários do governo angolano (Instituto Angolano de Desenvolvimento de Florestas e Ministério do Meio- Ambiente) e membros da comunidade local da área dentro de Coutada de Mucusso, uma área de km² no Sudeste de Angola que está a caminho de ser designada como reserva natural. Um grande número de engenheiros florestais da Namíbia e da Botswana, botânicos e biólogos de animais selvagens também assistiram ao treinamento. O objetivo do treinamento era primordialmente preparar os angolanos para realizarem o monitoramento de animais selvagens e a amostragem de lotes de vegetação (em apoio ao mapeamento de coberturas de terra), mas era também efetuar algum grau de colaboração entre os angolanos e os especialistas nos países vizinhos da Botswana e da Namíbia, que também partilham a bacia de Okavango. O treinamento (necessariamente) foi complicado um tanto por problemas com a língua e pela natureza altamente heterogênea das audiências (no que diz respeito à instrução, ao letramento, à classe socioeconômica etc.), mas acreditamos que os objetivos da reunião foram amplamente bem sucedidos. O florestamento sustentável e o planejamento da gestão de terrenos foram introduzidos no treinamento, mas não eram áreas de foco principal. Acreditamos haver uma oportunidade efetiva de participação adicional em Angola, por parte do USFS, no sentido de ajudar a promover a gestão sustentável, bem como práticas e políticas de florestamento

7 ESCOPO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA Introdução A equipe do USFS incluía os seguintes indivíduos: Hugh Safford, Região Sudoeste do Pacífico do USFS, Ecologista Regional. David Lombardo, Floresta Nacional de Allegheny do USFS, Engenheiro florestal e estudioso de silvicultura Outros indivíduos unidos à equipe do USFS incluíam: Brenda Bergman, Coordenadora de Biodiversidade e Hidrologia, Projeto de Gestão de Bacias Fluviais Integradas da USAID (IRBM), Gaborone, Botswana Barbara Curtis, consultora em botânica e especialista em árvores, Windhoek, Namíbia Luis Verissimo Neto, geógrafo/ biólogo de animais selvagens, Luanda, Angola Cornelius Venderpost, Centro de Pesquisa de Okavango Harry Oppenheimer (HOORC), Maun, Botswana Susan Ringrose, Centro de Pesquisas de Okavango Harry Oppenheimer (HOORC), Maun, Botswana O total de participantes no treinamento consistiu de aproximadamente 50 pessoas, incluídos os instrutores. Uma lista completa dos participantes está disponível com Brenda Bergman, no IRBM. Esse era verdadeiramente um acontecimento internacional, com comparecimento de pelo menos seis nações diferentes, inclusive Angola, Botswana, Moçambique, Namíbia, Portugal e Estados Unidos. Objetivos e Abordagem A visita do USFS a Angola em 2006 (Zweede, Safford e Juergens, 2006) recomendou uma série de atividades a fim de permitir ao Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF) desenvolver a capacidade de realizar uma avaliação de florestas e de usar tal avaliação para desenvolver um plano de gestão de terrenos com o intuito tanto de garantir o uso sustentável e o desenvolvimento econômico da floresta, quanto de reduzir impactos na biodiversidade. O relatório sugeriu que o USFS poderia ajudar fornecendo, no futuro próximo, treinamento ao pessoal do IDF (e a outro governo) nas três primeiras das seguintes áreas: 1. Identificação de espécies de árvores e características do crescimento. 2. Utilização e interpretação do Sistema de Informação Geográfica 3. Inventário de florestas, protocolo e metodologia 4. Processo de planejamento na gestão de florestas e terrenos 5. Prevenção de incêndios e conscientização da comunidade 6. Treinamento referente à aplicação da lei - 7 -

8 A visita do pessoal do USFS a Angola e à Namíbia em 2007 tinha a intenção de apoiar uma sessão de treinamento de duas semanas desenvolvida principalmente pelo IRBM em consultoria com vários parceiros, inclusive o IDF, o Centro de Pesquisa de Okavango Harry Oppenheimer (HOORC) e o Serviço Florestal dos EUA. A necessidade para tal treinamento era óbvia com base nos resultados da visita do USFS em 2006, e o conteúdo do treinamento se baseou nos três primeiros tópicos acima, com a maior parte dos esforços gastos no primeiro e no terceiro. Eram objetivos do treinamento: A. Desenvolver habilidades de engenheiros florestais angolanos em Kuando Kubango e de membros selecionados da comunidade de Mucusso na identificação de espécies de árvores e características de uso e crescimento. B. Preparar engenheiros florestais angolanos e membros seletos da comunidade de Mucusso para realizarem inventários básicos das árvores e despertar a consciência sobre a relação entre dados e planejamento da gestão. Assegurar que os participantes possam: a) identificar espécies de árvores chave b) usar uma chave para a identificação de árvores c) operar uma unidade de GPS d) realizar um inventário básico para a verificação de dados de sensoriamento remoto, inclusive alturas das árvores, diâmetros e número de árvores por espécie e) compreender a relação entre dados da floresta e planejamento da gestão g) comprometer-se com um programa para coletar dados da floresta pelo período de 6 meses subseqüentes. C. Preparar oficiais angolanos responsáveis pelos animais selvagens em Kuando Kubango e selecionar membros da comunidade de Mucusso para monitorar mamíferos grandes. Assegurar que os participantes possam: a) identificar espécies de mamíferos maiores; b) usar um jogo de técnicas para o recolhimento dos dados; c) realizar inventários, em áreas predeterminadas, para avaliar espécies de mamíferos; d) operar uma unidade de GPS; e) compreender a relação entre dados da fauna e planejamento da gestão. O treinamento foi realizado no Centro de Juventude Frans Dimare, em Divundu, Namíbia, com o trabalho de campo realizado em várias localidades próximas, inclusive a reserva de Mahango Game e a Reserva de Buffalo Camp Game. O treinamento foi efetuado em três línguas: inglês, português e mbukushu. Atividades - 8 -

9 O treinamento tinha como principal intenção preparar um grupo seleto de indivíduos para se envolverem no monitoramento de animais selvagens e em projetos de mapeamento de vegetações a ser realizados nos aproximadamente km² de Coutada de Mucusso (reserva de caça), Angola, território que está a caminho de ser designado como algum tipo de unidade de reserva natural/conservação no próximo ano. Pretende-se que as informações a serem recolhidas pelos indivíduos treinados permitam a criação de um mapa preliminar de Coutada e gerem informações referentes às populações de mamíferos grandes dentro do Coutada. Nossa visita original a Angola (Zweede, Juergens e Safford, 2006) tinha identificado um grande número de necessidades de treinamento relacionadas ao florestamento sustentável dentro da província de Kuando-Kubango, mas isso não era um ponto focal do treinamento conforme planejado originalmente pelo IRBM. Isso gerou um pouco de confusão no começo (isto é, com respeito ao foco do treinamento e dos resultados desejados), mas conseguimos modificar o treinamento no decorrer do tempo de modo a permitir a incorporação de alguns mini-cursos relacionados a florestamento. No final, a incorporação do material de florestamento preencheu uma necessidade real de treinamento, já que os participantes angolanos eram engenheiros florestais e/ou funcionários das sedes em Luanda ou em Menongue e tinham assim o interesse real em técnicas básicas de mensuração e amostragem de florestas. A adição dos módulos de florestamento também ajudou a reduzir o tamanho dos grupos sendo treinados para o monitoramento dos animais selvagens e para a avaliação de vegetações, o que melhorou significativamente a eficiência do treinamento. Os membros do Serviço Florestal realizaram as seguintes tarefas: Safford: 1. Apresentou e conduziu discussões a respeito do planejamento da gestão de terrenos 2. Prestou assistência nos treinamentos de botânica/identificação de árvores (B. Curtis, na liderança) 3. Prestou assistência no treinamento em torno dos protocolos de campo relativos a mapeamentos de vegetações (C. Vanderpost e S. Ringrose, líderes) 4. Prestou assistência nos treinamentos relativos a florestamento (D. Lombardo, na liderança) 5. Prestou assistência em modificações simultâneas na agenda do treinamento 6. Atuou como principal tradutor inglês-português / português-inglês para apresentações técnicas em botânica, vegetação e florestamento. Lombardo: 1. Conduziu os módulos de treinamento sobre florestamento (ver o apêndice III para detalhes) 2. Desenvolveu uma minuciosa apresentação em PowerPoint sobre florestamento e silvicultura a qual foi entregue aos representantes do governo angolano 3. Prestou assistência nos treinamentos sobre monitoramento de animais selvagens (L. Verissimo, líder)

10 DESCOBERTAS 1. A escolha do local para o treinamento foi excelente e forneceu boas instalações e fácil acesso aos locais em campo no que dizia respeito tanto a animais selvagens, quanto a plantas. O treinamento não poderia ter sido conduzido de modo apropriado em Angola devido à falta de espécies grandes de animais selvagens lá nesse momento, porém determinadas espécies chave de árvores do Sudeste de Angola estavam faltando na Namíbia, de modo que não conseguimos treinar os participantes a reconhecer esses taxa. 2. Há um conhecimento muito rudimentar das espécies de árvores chave entre os engenheiros florestais angolanos, com pouca compreensão da ecologia das espécies, taxas de crescimento, taxas de regeneração etc. Talvez os membros de comunidades locais tenham um conhecimento melhor das espécies, mas sabem somente os nomes comuns, freqüentemente agrupados por gêneros. O treinamento em botânica era uma primeira etapa importante para remediar tais problemas, mas foram cobertas somente +/-30 espécies, e alguns dos gêneros chave (Brachystegia, Julbernardia) não foram encontrados em Angola e não crescem na Namíbia. 3. Por causa da compreensão muito limitada, entre os participantes angolanos, da identidade de espécies e por causa da limitação de tempo disponível para treinamento das metodologias de amostragem, os protocolos de amostragem da vegetação que os participantes aprenderam provavelmente não serão implementados corretamente sem o envolvimento contínuo por parte da equipe de mapeamento de vegetações da Botswana. O inventário básico da vegetação também será difícil até que os angolanos tenham um fundamento básico das habilidades de identificação (e mensuração). 4. As espécies grandes de animais selvagens são amplamente ausentes no Sudeste de Angola em conseqüência da guerra. A maioria dos angolanos nunca tinha visto a maioria das espécies comuns de mamíferos grandes da floresta. Espera-se que, com o fim da guerra, muitas dessas espécies comecem a reaparecer em Angola. As habilidades de identificação dos animais selvagens e as técnicas de monitoramento aprendidas pelos participantes ajudarão a avaliar populações desses animais à medida que se recuperarem da guerra. 5. Os participantes angolanos do florestamento tinham algum background acerca da mensuração de florestas, mas, em geral, os participantes eram principiantes nessas habilidades (medição da altura das árvores, medição do diâmetro das árvores, cálculos de volume, amostragem por lote etc.). O treinamento forneceu aos participantes uma breve visão geral de tais habilidades, mas é claramente necessário um treinamento adicional. Ver o apêndice III para maiores detalhes. 6. Os participantes angolanos pareciam ter pouco treinamento científico prévio em silvicultura. As habilidades relativas a essa área são necessárias para executar o florestamento sustentável. Isso deve ser um foco para o treinamento futuro conduzido pelo USFS em Angola. Ver o apêndice III para maiores detalhes

11 7. O treinamento também incluiu algumas apresentações e discussões gerais sobre o planejamento da gestão de terrenos. Os participantes pareceram compreender a importância do planejamento para o uso sustentável e a participação do público na gestão. Também isso poderia ser um foco para a participação futura do USFS em Angola. 8. Os estagiários se mostraram motivados e afiados ao usar as habilidades que aprenderam no curso. A aprendizagem, porém, prosseguiu de modo relativamente lento, pois havia no grupo uma grande diversidade de pessoas com respeito à língua, ao grau de instrução, ao letramento e ao status social e econômico. Cada apresentação e discussão tiveram de ser dadas em inglês, português e mbukushu, além do que, alguns dos membros de comunidades locais não sabiam ler ou escrever, tendo ambos esses fatos complicado extremamente o processo de ensino e aprendizagem. 9. O treinamento alvejou o quadro de funcionários de Angola, mas também participaram dois grupos do quadro de funcionários da Namíbia e da Botswana ligados a florestamento e a biologia de animais selvagens. Sua presença foi importante para o sucesso da oficina, pois eram em geral familiarizados com as espécies de plantas e animais selvagens envolvidos, tinham um forte background técnico (em florestamento, botânica e biologia de animais selvagens) e foram muito úteis. Talvez o mais importante: eles declararam sua disposição e disponibilidade para agirem como parceiros/contatos regionais para o pessoal angolano. No campo do florestamento, por exemplo, o Departamento de Florestamento da Namíbia tem fórmulas e tabelas relativas a crescimento e rendimento, assim como técnicas específicas de medição de campos, o que poderia ser de grande valia para os engenheiros florestais angolanos

12 RECOMENDAÇÕES Recomendações para o envolvimento adicional do Serviço Florestal dos EUA em Angola: 1. Planejar e executar uma oficina sobre planejamento de gestão de terrenos, com um planejador de primeira categoria que possa simplificar coisas e tenha experiência de trabalho no terceiro mundo. Isso deve focalizar o nível nacional e regional, com as oficinas locais subseqüentes para assegurar a participação pública. Se houver interesse em focalizar esforços no Coutada de Mucusso, isso deve ser feito depois que o mapa da vegetação estiver completo e, provavelmente, depois que também houver passado o período de seis meses do inventário. Entretanto, o tempo é essencial, porque as designações da terra aparentemente acontecerão logo (parques nacionais, Coutadas etc.), as pessoas estão se deslocando de volta para a província agora que a guerra parou, e já estão ocorrendo alguns prejuízos imprevistos aos recursos. 2. Fornecer auxílio para projetar e implementar um sistema nacional de inventários florestais. Os protocolos de nações vizinhas, principalmente a Namíbia, devem ser adotados sempre que possível. Esse esforço precisa concentrar-se no nível nacional (há uma necessidade de padronizar nacionalmente as coisas, e é importante que o inventário seja controlado em um nível acima dos conflitos de interesse locais), mas com participação regional, especialmente da província de Kuando-Kubango, já que esse é o foco do trabalho do IRBM. Zissala Pululu e Rosario são aparentemente os contatos nacionais para o inventário. 3. Há uma necessidade real de treinamento em silvicultura científica e em florestamento sustentável. O USFS poderia engajar-se diretamente com o IDF para fornecer o auxílio técnico nessa área, se houver fundos disponíveis. Ver o apêndice III para detalhes. 4. Há interesse, por parte de Angola, em desenvolver uma diversidade de produtos florestais não feitos de madeira. Um bom exemplo é a produção de mel, o qual costumava ser um importante item de exportação para a Europa, mas agora há aparentemente pouco apoio do governo, e a produção é bastante limitada. O IDF tem um membro da equipe de funcionários que trabalha com apicultura fora de Menongue (Silvano ) e que seria um excelente contato. A diversificação agrícola também poderia ser explorada. Por exemplo, a produção de pimenta malagueta tem sido usada na Botswana e na Zâmbia para fornecer um produto exportável que também auxilie protegendo as colheitas de danos causados por elefantes. 5. Os angolanos sofrem de uma aguda falta de acesso à informação científica. Isso se deve à falta generalizada de meios eletrônicos, de bibliotecas e de habilidades em língua inglesa por parte da maioria dos funcionários do governo. Assim, têm a impressão equivocada de que não há nenhuma informação disponível sobre, por exemplo, a ecologia básica das espécies de árvores na floresta do miombo. Seria muito valioso encontrar uma maneira de fornecer, aos contatos chave em Angola, traduções para o português dos resultados de pesquisa recentes (especialmente a

13 respeito de taxas de crescimento das espécies chave de árvores, ecologia etc.). Seria também muito valioso financiar alguém para passar algumas semanas em Lisboa, Portugal, para pesquisar os arquivos coloniais. Sabemos que foi feito um bom volume de trabalho científico pelos portugueses antes de saírem de Angola, mas aparentemente pouco deste trabalho sobrevive por lá

14 PROJECTO DE GESTÃO INTEGRADA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO OKAVANGO Relatório sobre Formação em Identificação de Espécies Arbóreas, Inventário Florestal e Monitorização de Mamíferos de 2007 Visão geral A formação em identificação de espécies arbóreas, inventário florestal e monitorização de mamíferos constituiu parte de um programa de apoio à introdução da Estratégia e Plano de Acção Nacionais para a Biodiversidade (NPSAP) no Kuando Kubango, em conformidade com o que foi aprovado pelo Ministério do Urbanismo e Meio Ambiente (MINUA). Os recursos naturais de Kuando Kubango são importantes a nível regional, nacional e local. A província possui o bloco mais extenso de áreas florestais protegidas de Angola, nomeadamente duas reservas naturais e quatro coutadas de caça. Este bloco faz fronteira com a Zambia e Namíbia, inclui os corredores de migração transfronteiriça de mamíferos de grande porte, e constitui parte da futura área de Conservação Transfronteiriça do Kavango-Zambezi (KAZA-TFCA). A Província de Kuando Kubango integra também a maior parte da bacia hidrográfica do rio Okavango. A protecção a longo prazo da sua cobertura florestal é importante para manter, permanentemente, os caudais sólidos de sedimentos, essenciais ao Delta do Okavango. Os objectivos do programa de biodiversidade do Kuando Kubango, incluem: I. Melhorar a compreensão sobre os recursos existentes e sobre os padrões de uso dos mesmos, por forma a contribuir para as decisões tomadas no domínio da sua protecção e gestão, particularmente numa reserva que tem os seus limites nos rios Kavango e Cuito (reserva de Mucusso); e II. Desenvolver a capacidade e os sistemas de monitorização e de planificação da gestão, envolvendo os actores locais. A formação teve lugar na Mucusso, Angola, e na região do Kavango, Namíbia. A coutada do Mucusso é o centro do processo geral de recolha de informação e de planificação da gestão. A reserva do Mucusso cobre uma área de aproximadamente km 2 ao longo dos rios Cuito, Kavango e Longa. Objectivos da Formação A) Desenvolver as aptidões dos técnicos em recursos naturais, que têm um papel a desempenhar na gestão dos recursos de Kuando Kubango, e das dos residentes da comunidade local do Mucusso, nos métodos de identificação e inventariação das espécies vegetais e animais em Kuando Kubango. B) Preparar os técnicos em recursos naturais angolanos e seleccionar membros da comunidade do Mucusso para apoiarem o processo de inventariação das espécies florestais, no terreno, ao mesmo tempo que tomam consciência da relação entre planificação de dados e de gestão. Garantir que os participantes fiquem aptos a: a) identificar as principais espécies arbóreas; b) utilizar um modelo (chave) para a identificação das espécies arbóreas; c) operar uma unidade de GPS (Sistema de Posicionamento Global); d) realizar levantamento básico de espécies por secções de terreno e) compreender a relação entre dados florestais e planificação de gestão; e g) compreender e apoiar um programa de recolha de dados florestais na Reserva do Mucusso. C) Preparar os responsáveis pela vida selvagem de Angola, seleccionar membros da comunidade do Mucusso e técnicos da vida selvagem regionais para apoiarem o processo de monitorização de mamíferos de médio e grande porte, ao mesmo tempo que tomam consciência da relação entre planificação de dados e de gestão, e promover as capacidades dos participantes de modo a ficarem aptos a: a) Identificar e compreender as características das espécies de mamíferos de maior porte existentes em Kuando Kubango; b) Compreender e introduzir um conjunto de técnicas de monitorização de espécies de mamíferos; c) Operar uma unidade de GPS (Sistema de Posicionamento Global); d) Compreender a relação entre os dados da fauna e o plano de gestão;

15 Abordagem Foi utilizada uma abordagem mista de teoria e acções no terreno. Os participantes compreenderam por que razão a informação é importante na gestão de recursos, e aprenderam a identificar as espécies e sua importância, assim como os métodos de inventariação no terreno de espécies vegetais e animais. Durante a primeira semana de formação, os participantes frequentaram cursos relacionados com a identificação de espécies arbóreas e de mamíferos. Isto permitiu aos formandos familiarizarem-se com as principais espécies florestais e animais existentes em Kuando Kubango, e como identificar estas espécies. Durante a segunda semana, os participantes foram separados em grupos de acordo com a sua área de acção. Esta separação permitiu aos formandos dispenderem mais tempo no terreno, ponto em prática metodologias relevantes para a sua área de interesse e/ou responsabilidade. Os grupos técnicos de estudo foram: a) vegetação, b) mamíferos e c) espécies florestais e animais. O calendário de formação seguido consta do Anexo I. Perfil dos participantes Os participantes representavam instituições de vários níveis, todos eles posicionados para desempenharem um papel na gestão da base de recursos a nível local, nacional e regional, visto a referida base pertencer a Kuando Kubango. Uma lista detalhada de participantes pode ser encontrada no Anexo 2. A lista de participantes incluía: Residentes na Coutada do Mucusso, que participarão na respectiva inventariação florestal e animal; Técnicos do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF) da Província de Kuando Kubango, que têm um papel a desempenhar na gestão das florestas do Mucusso; Técnicos do Departamento Provincial do Ambiente de Kuando Kubango; Membros seleccionados da indústria florestal, que têm um papel e responsabilidade no uso sustentado das florestas do Mucusso; Técnicos do Ministério Nacional do Ambiente e Urbanismo, que têm um papel a desempenhar na gestão, a nível nacional, dos Recursos de Angola; Técnicos de organizações não-governamentais da Provínnica de Kuando Kubango, que podem servir de elos de ligação entre o governo e os sectores não-governamentais, nas actividades relacionadas com a conservação; e Tecnicos florestais e da vida selvagem da Namíbia e Botswana, que trabalham noutros locais do ecossistema regional no qual o Mucusso está inserido. Resultados Obtidos pelos participantes: Melhoraram a compreensão das espécies florestais e animais de Kuando Kubango; Melhoraram a compreensão do papel da conservação das espécies em Angola, particularmente com respeito às espécies ameaçadas ou em vias de extinção; Exposição a metodologias importantes relacionadas com a recolha de dados de natureza vegetal e animal, ao memo tempo que melhoraram a compreensão sobre o uso de ferramentas como, por exemplo, o GPS, a bússola e os binóculos; Troca de ideias e experiências entre técnicos de Angola, Namíbia e Botswana, e entre gestores de recursos, a nível nacional, provincial e local de Angola, particularmente ao realizarem trabalhos de campo e discutirem as implicações da gestão da Reserva; Resultados do programa: Permitiu a identificação e desenvolvimento da capacidade das pessoas que se envolverão em trabalho continuado relacionado com as espécies animais e florestais; Serviu de inspiração à preparação dos Guias de Campo para Espécies Florestais e Animais em Kuando Kubango, que serão usados durante o programa de inventariação e para além deste. Anexos Anexo I Calendário de Formação Anexo 2 Lista de participantes

16 Anexo I : Calendário de Formação PROJECTO DE GESTÃO INTEGRADA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO OKAVANGO Calendário de Formação da Primeira Semana Identificação de Espécies Arbóreas, Inventário Florestal e Monitorização de Mamíiferos de 2007 Data Grupo A Grupo B Domingo - 11 de Chegada Segunda-feira, de manhã - 12 de Sessão de Boas-vindas e Princípios Básicos do Planeamento da Gestão de Recursos para a Respectiva Conservação Segunda-feira, à tarde - 12 Termos florestais Termos e aspectos principais de de Terça-feira, de manhã - 13 de Terça-feira, à tarde - 13 de Quarta-feira, de manhã - 14 de Quarta-feira, à tarde 14 de Quinta-feira, de manhã 15 de Quinta-feira, à tarde 15 de Sexta-feira, de manhã 16 de Sexta-feira, à tarde 16 de Identificação de uma árvore usando guias de campo, e como usar uma chave Termos e aspectos principais de mamíferos Apresentação do Guia de Campo. Características das espécies de mamíferos em Kuando Kubango (I) Apresentação das árvores importantes, conforme o guia de campo Árvores: recolha e espécies que exigem atenção imediata com prática de campo Características das espécies de mamíferos em Kuando Kubango (II) Rastros, excrementos e outros sinais de espécies de mamíferos em Kuando Kubango. Sua importância e interpretação Prática de campo com árvores: como usar uma chave, recolha e espécies a exigir atenção imediata, conhecimento das espécies arbóreas importantes mamíferos Apresentação do Guia de Campo. Características das espécies de mamíferos em Kuando Kubango (I) Termos florestais Identificação de uma árvore usando o guia de campo, e como usar uma chave Características das espécies de mamíferos em Kuando Kubango (II) Espécies de mamíferos do Kuando Kubango, rastros, excrementos e outros sinais. Sua importância e interpretação Introdução às espécies arbóreas importantes, segundo o nosso guia de campo Árvores: recolha e espécies que exigem atenção imediada com prática de campo Metodologia de inventário de campo de mamíferos e recolha de dados Sábado, de manhã 17 de Sábado, à tarde 17 de Metodologia de monitorização de mamíferos e recolha de dados Prática de campo com árvores: como usar uma chave, recolha e espécies a exigir atenção imediata; conhecimento das espécies arbóreas importantes Descanço ou formação de grupos para a prática de técnicas estudadas, de acordo com folha listada

17 Anexo I : Calendário de Formação (continuação ) PROJECTO DE GESTÃO INTEGRADA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO OKAVANGO Calendário de Formação da Segunda Semana Identificação de Espécies Arbóreas, Inventário Florestal e Monitorização de Mamíferos de 2007 Segunda-feira, de manhã 19 de Segunda-feira, à tarde 19 de Terça-feira, de manhã 20 de Terça-feira, à tarde 20 de Quarta-feira, de manhã 21 de Quarta-feira, à tarde 21 de Quinta-feira, de manhã 22 de Quinta-feira, à tarde 22 de Sexta-feira, de manhã 23 de Sexta-feira, à tarde 23 de Sábado, de manhã 24 de Sábado, à tarde 24 de Grupo de Vegetação Grupo de Mamíferos Grupo de Floresta e Gestão Visão geral do mapa de cobertura florestal GPS e Quadrats Revisão de processos de distribuição vegetal por sectores Distribuição de vegetação por sectores e trabalho de campo com GPS Prática de distribuição animal por sectores no Caprivi Revisão de folhas de dados e discussão Distribuição de vegetação por sectores e trabalho de campo com GPS, em Angola Revisão de folhas de dados e discussão Metodologia de monitorização Bússola e Orientação de mamíferos e recolha de dados - estações de excrementos e caminhada em cortes transversais Rastros, excrementos e outros sinais de mamíferos Monitorização de mamíferos, caminhada em cortes transversais Exercício de monitorização de mamíferos: Caprivi Exercício de Monitorização de Mamíferos em Mahongo Inventariação florestal, incluindo medição do diâmetro de árvores Inventário florestal: esboço de áreas florestais, produzindo folhas de dados e mencionando pedaços de terreno Exercício de Monitorização de Mamíferos: Caprivi Exercício de Monitorização de Mamíferos em Mahongo Fixação de um programa de 6 meses para inventários. Fiscalização e gestão de um programa de inventário Estrutura de plano de gestão simplificado Prémios, Certificados e Despedida Partida

18 Anexo II: Lista de Participantes PROJECTO DE GESTÃO INTEGRADA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO OKAVANGO Lista de Participantes Identificação de Espécies Arbóreas, Inventário Florestal e Monitorização de Mamíiferos de 2007 Nome Apelido Organização Posição Cidade e País Afonso Dala IDF Director Provincial Menongue-Angola Alexander Mwenyo Residente local Membro da comunidade Divundu-Namibia Amos Kandere Membro da comunidade Técnico de campo de Mamíferos e Plantas Mucusso-Angola Antonio Tchicuva IDF/KK Técnico Calai-Angola Augusto Gameia Administração Comunal Administrador Comunal Mucusso-Angola Barbara Curtis IRBM Especialista em Espécies Arbóreas Windhoek-Namibia Basilius Madjeke Membro da comunidade Técnico de espécies arbóreas Mukusso-Angola Bathusi Batsile Departamento de Vida Selvagem e Parques Nacionais Guarda da Reserva Maun-Botswana Brenda Gail Bergman IRBM Coordenadora de Biodiversidade Gaborone-Botswana Carlito Andre ACADIR Administração de Área Menongue-Angola Carmo Mafuta Sociedade Uniao (impresa) Supervisor Rundu-Namibia Cornelius Vanderpost HOORC Técnico de espécies arbóreas Maun-Botswana Dave Lombardo USFS Guarda-florestal USA David Kawika ACADIR Coordenador Menongue-Angola Diamantino Domingos Nicominas (impresa) Guarda-livros Rundu-Namibia Elizeth Godinho Ministério do Ambiente Técnica Superior Luanda Angola Eusébio dos Santos Sociedade União (impresa) Gerente Mucusso-Angola Fernando Shambingana Membro da comunidade Técnico de espécies de mamíferos Mucusso-Angola Firmino Tutipepe IDF Funcionário público Menongue-Angola Frans Kazenjile Micromina (impresa) Lenhador Kuando-Angola Hugh Safford USFS Guarda-florestal California USA Isabel Segunda Seteko Comercial LTD (impresa) Secretária Rundu-Namibia Isabella Kalunga ACADIR Membro da comunidade Diriku/Angola João Chamba Departamento do Ambiente Ecologista Menongue-Angola Joaquim Manuel Ministério do Ambiente Chefe de Departamento Luanda Angola Jonas Hausiku Namibia Nature Foundation Estagiário Windhoek-Namib J Cainga IDF Técnico Calai-Angola Jorge Sinate IRBM Formando Gaborone-Botswana Jose Katava IDF Inspector Calai-Angola

19 (Anexo II Lista Participantes - continuação) Nome Apelido Organização Posição Cidade e País Jose Zeka ACADIR Formando Menongue-Angola José Canivete Jimi Logging Company Técnico Mucusso-Angola Josephine Iipinge Ministério do Ambiente Guarda ede Reserva Rundu-Namibia Julio Bravo Director Provincial do Ambiente Director Provincial Menongue-Angola Kutlwano Mukokokumani IRBM Apoio Gaborone-Botswana Lisias Tjaveondja Ministério da Agricultura, Águas e Florestas Guarda-florestal Windhoek-Namibia Luís Veríssimo IRBM Técnico de espécies de mamíferos Lisbon-Portugal Lukas Kafuna Membro da comunidade Técnico de espécies de mamíferos Mucusso-Angola Michael D Otsub Ministério da Agricultura, Águas e Florestas Guarda-florestal Windhoek-Namib Molaakgosi Mafhoko Departamento de Florestas Guarda-florestal Maun-Botswana Mukosho Alberto Kavindja Membro da comunidade Técnico de espécies de mamíferos Mucusso-Angola Natalia Gungo IDF Chefe de Divisão Menongue-Angola Pelotshweu Galebotswe Dep. Vida Selvagem&Parques Nac. Biólogo da Vida Selvagem Maun-Botswana Rosario Teixera IDF Inspector Luanda Angola Salomão Chaiuto IDF Chefe de Divisão Menongue-Angola Samuel Herculano Seteko comercial LTD Chefe de Pessoal Rundu-Namibia Silvano de Oliveira Instituto do Ambiente &Florestas Funcionário Público Menongue-Angola Simon Mukosho Membro da comunidade Técnico florestal Mucusso-Angola Steven Mukoya Membro da comunidade Técnico florestal Mucusso-Angola Susan Ringrose HOORC Técnico florestal Maun-Botswana Thidhimbo Kaveto Membro da comunidade Técnico de espécies de mamíferos Mucusso-Angola Thomas Kumushamba Frans Dimbare Gerente Divundu-Namibia Victor Samuel Depart. Ambiente Técnico Menongue-Angola Wilbard Mukena Ambiente&Turismo Guarda de Caça Rundu-Namibia Zissala Pululu IDF Chefe de Divisão Luanda Angola

20 APÊNDICE III Considerações específicas acerca do florestamento sustentável em Angola Contribuição de Dave Lombardo, engenheiro florestal do USFS & estudioso de silvicultura certificado Considerações gerais O Projeto de Gestão para a Bacia Fluvial Integrada do Okavango delineou um treinamento intensivo de duas semanas para desenvolver e aperfeiçoar, nos participantes angolanos, habilidades nas metodologias de inventário e verificação de imagens por satélite remoto. Inicialmente, a abrangência de meu trabalho era desenvolver e treinar engenheiros florestais angolanos profissionais na metodologia de inventário de madeira de corte. Na chegada, houve alguns ajustes na programação do treinamento final, e a ênfase foi em identificação de árvores e em sistemas de inventário para animais selvagens. Com o intuito de evitar a subutilização, assumi a tarefa de ajustar o programa de inventário de florestas para voltar-se para discussões acerca de florestamento sustentável e para a necessidade de dados de inventário sensatos a fim de desenvolver prescrições adequadas referentes à silvicultura, assim como planos de gestão para florestamento sustentável. No decorrer de duas semanas, os alunos foram instruídos sobre: Uso de mapa e bússola Metodologia de inventário Uso de dados de inventário coletados para desenvolver prescrições que apoiariam o florestamento sustentável Desenvolvimento de tabelas de volume Métodos apropriados de medição de árvores e uso de equipamentos florestais Além disso, consegui estabelecer um ambiente cooperativo no qual o Serviço Florestal da Namíbia, os angolanos e o USFS conseguiram discutir o potencial para utilizar sistemas de inventário e monitoramento estabelecidos na Namíbia. Observações Tornou-se patente que a maioria dos participantes angolanos careciam de conhecimentos e habilidades básicos referentes a florestamento, mesmo entre alguns dos líderes de recursos naturais que eram escolarizados. Embora os angolanos sentissem que estavam se engajando em gestão florestal de longo prazo, as práticas de corte atuais não estão levando em consideração as melhores práticas para a gestão sustentável de floresta em longo prazo. Em geral, observamos que as práticas de corte atuais envolvem a extração, a partir da floresta, de árvores da qualidade e do valor mais altos, deixando para trás, assim, as de qualidade inferior. Passei um longo tempo discutindo a necessidade de desenvolver um sistema melhor de pré-inventário a fim de desenvolver prescrições sensatas relativas à silvicultura e planos de gestão de longo prazo

Serviço florestal do USDA. viagem de avaliação dos recursos Província de Kuando Kubango, Angola. Relatório de viagem e avaliação

Serviço florestal do USDA. viagem de avaliação dos recursos Província de Kuando Kubango, Angola. Relatório de viagem e avaliação 1 Serviço florestal do USDA. viagem de avaliação dos recursos Província de Kuando Kubango, Angola Em apoio ao Projeto de Integração da Bacia do Rio Okavango do Centro Regional da África do Sul da USAID

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

PROJECTO INTEGRADO DE GESTÃO DA BACIA DO RIO OKAVANGO CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA PROVÍNCIA DE KUANDO KUBANGO

PROJECTO INTEGRADO DE GESTÃO DA BACIA DO RIO OKAVANGO CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA PROVÍNCIA DE KUANDO KUBANGO PROJECTO INTEGRADO DE GESTÃO DA BACIA DO RIO OKAVANGO CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA PROVÍNCIA DE KUANDO KUBANGO RELATÓRIO SOBRE FOR MAÇÃO EM IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES ARBÓREAS, IN VENTÁRIO FLORESTAL

Leia mais

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias

Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias TERMO DE REFERÊNCIA Consultoria Para Mapeamento os Actores e Serviços de Apoio as Mulheres Vitimas de Violência no País 60 dias 1. Contexto e Justificação O Programa conjunto sobre o Empoderamento da Mulher

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSA NA MODALIDADE APOIO CIENTÍFICO - RES

CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSA NA MODALIDADE APOIO CIENTÍFICO - RES CHAMADA PARA SELEÇÃO DE BOLSA NA MODALIDADE APOIO CIENTÍFICO - RES A Fundação Flora de Apoio à Botânica, com a anuência do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, em consonância com a

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade

Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade Workshop sobre o Corredores de Biodiversidade do Escudo da Guiana para agilizar o suporte à realização das metas de Aichi de Biodiversidade PLANO DE AÇÃO Preâmbulo: Nós, os participantes do workshop chamado

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES CMSC-FAC COMUNICAÇÃO PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES PARTE II: FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO Esta publicação é tornada possível graças

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA AGRICULTURA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA AGRICULTURA ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Decreto n.º 6/96 Protocolo de Cooperação nos Domínios da Agricultura entre a República Portuguesa e a República de Moçambique, assinado em Maputo em 28 de Julho de 1995 Nos termos da alínea c) do n.º 1

Leia mais

ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515. TERMO DE REFERÊNCIA nº 009/2009

ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515. TERMO DE REFERÊNCIA nº 009/2009 PROJETO NACIONAL DE AÇÕES INTEGRADAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDO NACIONAL PARA O MEIO AMBIENTE (Global Environmental Facility - GEF) ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515 TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO

COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO COMISSÃO DA BACIA DO ZAMBEZE OPORTUNIDADES DE EMPREGO Instituição: Comissão da Bacia do Zambeze (ZAMCOM) Local de Trabalho: Harare, Zimbabwe Duração: Inicialmente um ano com possibilidade de renovação

Leia mais

CURSO DE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO DE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO DE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CASO DE ESTUDO D: GESTÃO REGIONAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO OKAVANGO Ligando a Governação a Alto Nível com as Comunidades Locais TÓPICOS PRINCIPAIS Este caso

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

PROJECTO INTEGRADO DE GESTÃO DA BACIA DO RIO OKAVANGO CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA PROVÍNCIA DE KUANDO KUBANGO

PROJECTO INTEGRADO DE GESTÃO DA BACIA DO RIO OKAVANGO CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA PROVÍNCIA DE KUANDO KUBANGO PROJECTO INTEGRADO DE GESTÃO DA BACIA DO RIO OKAVANGO CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NA PROVÍNCIA DE KUANDO KUBANGO RELATÓRIO SOBRE A MISSÃO DE RECONHECIMENTO PRELIMINAR NA COUTADA DO MUCUSSO Luís Veríssimo

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO, 07, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Fórum Regional de Seguridade Social para as Américas 24-27 de maio de 2010 Brasília, Brasil

Fórum Regional de Seguridade Social para as Américas 24-27 de maio de 2010 Brasília, Brasil Promover e desenvolver a seguridade social no mundo ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE SEGURIDADE SOCIAL Fórum Regional de Seguridade Social para as Américas 24-27 de maio de 2010 Brasília, Brasil www.issa.int

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt

ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA. apoie esta campanha em www.ppl.com.pt ASSOCIAÇÃO TRANSUMÂNCIA E NATUREZA apoie esta campanha em www.ppl.com.pt A Pombal do Coto Fernando Romão A Faia Brava é a primeira área protegida privada do país, no coração do vale do Côa, no Nordeste

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes)

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes) Processo nº1-project Manager Construction Company Engenheiro Civil para ser Gerente de Projetos - Experiência de 5 anos em empresas relevantes (construção); Alto nível de habilidades organizacionais e

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - JBRJ. PROBIO II Acordo de Doação Nº TF 91.

Ministério do Meio Ambiente Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - JBRJ. PROBIO II Acordo de Doação Nº TF 91. Ministério do Meio Ambiente Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro - JBRJ PROBIO II Acordo de Doação Nº TF 91.515 TERMO DE REFERÊNCIA N º 037/2010 TERMO DE REFERÊNCIA PARA EXECUÇÃO DOS

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MICROSOFT DYNAMICS AX 4.0 FINANCEIRO I

INTRODUÇÃO AO MICROSOFT DYNAMICS AX 4.0 FINANCEIRO I Introdução INTRODUÇÃO AO MICROSOFT DYNAMICS AX 4.0 FINANCEIRO I E-Learning O treinamento é um componente vital para a retenção do valor de investimento do seu Microsoft Dynamics. Um treinamento de qualidade,

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Título: Coordenador do Projeto CMRV - Acre Local: Rio Branco, Acre 2. Introdução: TERMOS DE REFERÊNCIA Um sistema de monitoramento, relatoria e verificação (MRV) é um componente essencial para o desenvolvimento

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES

LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES LIVRO COM CASOS DE EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL APELO A CONTRIBUIÇÕES Setúbal, 13 de Maio de 2012 A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR) e a Escola Superior de Ciências

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO

O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO Painel 2: Serviço público de excelência casos de sucesso na Administração Pública O Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo e a ESTÃO MUNICIPAL DO SOLO URBANO 08 de Outubro de 2010 Visão da Cidade

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Diretrizes para a Implementação de Cooperação Follow-up (F/U)

Diretrizes para a Implementação de Cooperação Follow-up (F/U) Diretrizes para a Implementação de Cooperação Follow-up (F/U) Março de 2003 AGÊNCIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO JAPÃO (JICA) Sumário 1. Quais são os Objetivos da Cooperação Follow-up?... 3 2. Quais

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL Relatório sobre a divulgação do Decreto de REDD+ a nível dos Governos Provinciais Introdução

Leia mais

Desenvolvendo Capacidades de PDSA

Desenvolvendo Capacidades de PDSA Desenvolvendo Capacidades de PDSA Karen Martin Como com qualquer habilidade, desenvolver as capacidades do PDSA (planejar fazer estudar agir) tem tudo a ver com a prática. Para conquistar a disciplina

Leia mais

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Nome: Janet Strauss, Consultora do World Fisheries Trust Relatório Relativo ao Mês de: Março de 2006 Resumo Executivo Entre 6 e 26 de março de 2006,

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais