NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO"

Transcrição

1 NORMA DA INFRAERO ASSUNTO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE OPERAÇÕES (DO) SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL (DOGP) CÓDIGO DE CONTROLE DATA DA APROVAÇÃO 12/JUN/2006 DATA DA EFETIVAÇÃO ANEXOS APLICAÇÃO GERAL CONTROLE E DIVULGAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO (PRPG) ASSINATURA DO SUPERINTENDENTE ASSINATURA DO PRESIDENTE OU DIRETOR Form NI /A (PGE)

2 INFRAERO COD. CONTROLE PÁGINA NORMA DA INFRAERO 1 I - DA FINALIDADE 1 - A presente Norma da INFRAERO tem por finalidade estabelecer as instruções relativas à pintura de sinalização horizontal, para condições normais de operação, nas áreas de movimento de aeronaves nos Aeroportos da INFRAERO. 2 - É obrigatória a pintura de sinalização horizontal, para condições normais de operação, nas áreas de movimento de aeronaves, (pistas de pouso e decolagem, pistas de rolamento e pátios de aeronaves), de acordo com os critérios e padrões fixados nesta Norma da INFRAERO. 3 - As instruções gerais relativas à pintura de pistas de pouso, de rolamento e de pátios de aeronaves, estão apresentadas no Anexo II desta Norma. 4 - No MP (MNT), em vigor, serão fornecidos os critérios e padrões para condições anormais de operações. 5 - Os padrões disposto nesta Norma da INFRAERO obedecem às especificações constantes no Anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - julho de 2004 e Apron Markings & Signs Handbook da ACI - Primeira Edição II - PADRÕES PARA PINTURA DE PISTAS DE POUSO 6 - A pintura de pista de pouso consiste na marcação de: a) faixas de cabeceira; b) números e letras de identificação da pista de pouso; c) faixas de zonas de toque; d) faixas interrompidas de linha de centro; e) faixas laterais de bordas das pistas (necessárias, apenas, quando houver contraste suficiente entre o pavimento estrutural e as áreas adjacentes); f) ponto de visada; g) faixas de linha de centro e de borda de área de giro (quando houver). 7 - As marcas de sinalização da pista de pouso e decolagem deverão ser pintadas de acordo com as especificações constantes dos Anexos III, IV, V e VI desta Norma. Form NI /A (PGE)

3 INFRAERO COD. CONTROLE PÁGINA NORMA DA INFRAERO 2 III - PADRÕES PARA PINTURA DE PISTAS DE ROLAMENTO 8 - Os padrões para pintura de pistas de rolamento e suas interseções com pistas de pouso e decolagem, bem como para as faixas de borda e transversais, são os constantes dos Anexos VII, VIII e IX desta Norma. IV - PADRÕES PARA PINTURA DE PÁTIOS DE 9 - Os padrões para pintura de pátios de aeronaves, bem como de números de posição de estacionamento, constam dos Anexos X, XI, XII, XIII e XIV desta Norma. V - DISPOSIÇÕES GERAIS 10 - A pintura da sinalização de pistas pavimentadas deve ser bem visível, assegurando-se um bom contraste com o fundo sobre o qual deve ser aplicada. NOTA - Para aumentar o contraste das marcas com a superfície do pavimento, pode-se contorná-las de preto, no caso de sinalização amarela ou branca em pavimentos claros. Para sinalizações na cor vermelha em pavimentos escuros, o contorno deve ser feito na cor branca Após o estabelecimento da pintura, para se garantir boa visibilidade, a fim de colaborar com a Segurança Operacional, a mesma deverá ser revitalizada periodicamente, conforme a necessidade observada pela área de Operações e/ou Manutenção local, ou no máximo de acordo com a tabela constante do Anexo XVI. NOTA - Para avaliação da necessidade de revitalização, deverá ser adotado o Processo da Grelha, conforme NBR 8349/ O responsável pela área de Manutenção do Aeroporto deverá fazer a previsão de recursos orçamentários para a execução do serviço de revitalização de pintura Quando for necessária a remoção de pintura, deverá ser utilizada tecnologia adequada, devendo ser evitado, nestes casos, pintar sinalização antiga com outra cor, com o objetivo de encobri-la A pintura das Pistas de Pouso e Decolagem e Pistas de Táxi deverão conter materiais refletivos, a fim de aumentar a visibilidade das marcas em operações noturnas. Form NI /A (PGE)

4 INFRAERO COD. CONTROLE PÁGINA NORMA DA INFRAERO Os projetos novos ou de alteração de Sinalização Horizontal devem obedecer o fluxo definido em comum acordo entre a Superintendência de Gestão Operacional (DOGP) e a Superintendência de Empreendimentos de Engenharia (DEEP), conforme Anexo XVII. NOTA - A elaboração do projeto de Sinalização Horizontal cabe, prioritariamente, à Gerência de Engenharia Local ou Regional, sendo que, quando necessário, a Superintendência Regional poderá solicitar à Superintendência de Engenharia da Sede a elaboração do projeto A especificação da tinta e a metodologia de sua aplicação deverão estar de acordo com a NI (MNT) A sinalização horizontal da pista de pouso deverá ser de cor branca A sinalização horizontal da pista de rolagem deverá ser de cor amarela A sinalização horizontal do pátio de estacionamento de aeronaves deverá ser de cor amarela, com exceção das linhas de segurança, cujas cores são as especificadas no item 23.1 do Anexo II desta Norma O ponto de visada na pista deve ocorrer conforme os itens e do Anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - Julho de Conforme determinação contida no anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - Julho de 2004, os pontos de visada deverão estar posicionados e atender as dimensões conforme especificado na tabela 1 do Anexo II desta Norma Quando houver sistemas indicadores visuais de rampa de aproximação na pista (por exemplo: VASIS, PAPI), o ponto de visada deve coincidir com a origem da rampa de aproximação visual, posicionando-se ao lado destes sistemas Nas pistas de pouso dos Aeroportos cuja sinalização horizontal tenha sido implantada com requisitos superiores aos padrões fixados pela presente Norma da INFRAERO, será a mesma mantida, respeitadas as disposições gerais previstas no item anterior Instruções gerais sobre pintura de pistas de pouso, pistas de rolamento e pátios de aeronaves, constam do Anexo II desta Norma. VI - DA DISPOSIÇÃO FINAL 20 - Esta Norma da INFRAERO revoga a NI /B (MNT), de 22 de junho de 2004, e as disposições em contrário. Form NI /A (PGE)

5 ANEXO I RELAÇÃO DE ANEXOS I - RELAÇÃO DE ANEXOS II - PISTAS DE POUSO, DE ROLAMENTO E PÁTIOS DE III - PINTURA DE FAIXAS DE CABECEIRA, IDENTIFICAÇÃO DE PISTA, EIXO E BORDA DE PISTA DE POUSO E DECOLAGEM IV - LETRAS E NÚMEROS PADRONIZADOS PARA SINALIZAÇÃO HORIZONTAL DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM V - PADRÃO PARA PINTURA DE PONTO DE VISADA E FAIXAS DE ZONA DE TOQUE VI - PADRÃO PARA PINTURA DA SINALIZAÇÃO DA ÁREA DE GIRO VII - PADRÃO PARA PINTURA DE EIXO DA PISTA DE ROLAMENTO, LINHAS DE ESPERA E LINHAS INTERMEDIÁRIAS DE ESPERA VIII - PADRÃO PARA LINHAS DE ESPERA E PONTO DE VERIFICAÇÃO DE VOR IX - FAIXAS LATERAIS E FAIXAS TRANSVERSAIS DAS PISTAS DE ROLAMENTO X - PADRÃO PARA SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NO PÁTIO DE XI - PADRÃO PARA PINTURA DE POSIÇÕES NO PÁTIO DE XII - PADRÃO PARA PINTURA DE LETRAS EM POSIÇÕES DE ESTACIONAMENTO; XIII - PADRÕES PARA PINTURA DE NÚMEROS EM POSIÇÕES DE ESTACIONAMENTO E DE NÚMEROS E LETRAS EM VIAS DE SERVIÇO - I.1 -

6 ANEXO I RELAÇÃO DE ANEXOS XIV - PADRÃO PARA PINTURA DE LINHAS DE SEGURANÇA NO PÁTIO XV - PINTURA DE IDENTIFICAÇÃO DE AERONAVE EM BARRA DE PARADA XVI - TABELA DE PERIODICIDADE DE REVITALIZAÇÃO DE PINTURA XVII - FLUXO DE ENVOLVIMENTO DAS ÁREAS NO PROJETO E EXECUÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL XVIII PADRÃO PARA PINTURA DA VIA DE PEDESTRE - I.2 -

7 I - INSTRUÇÕES GERAIS 1 Todo material a ser utilizado na sinalização horizontal, deve ser estocado antes da sua aplicação, em condições estabelecidas pelo fabricante e deve atender o exigido na NI (MNT); 2 Devem haver equipamentos de limpeza contendo aparelhagem necessária para limpar e secar devidamente a superfície a ser pintada, tais como: escovas, brochas, vassouras, compressores, ventiladores, etc. 3 Deve haver aparelho de projeção pneumática, mecânica ou combinada e tantos apetrechos auxiliares para pintura manual, quantos forem necessários a executar satisfatoriamente o serviço. 4 A aparelhagem mecânica deve ser do tipo aprovado de espalhamento atomizado, adequado para aplicação de material de sinalização horizontal. Deve produzir uma película de espessura e largura uniforme na área exigida e deve ser projetada de tal forma a aplicar marcas com bordas vivas, sem corrimentos ou salpicos e dentro dos limites de alinhamento fixados no projeto. 5 Antes da aplicação da tinta, a superfície a pintar deve estar seca e livre de sujeira ou qualquer outro material estranho (óleos, graxas, etc.), que possa prejudicar a aderência da tinta ao revestimento do pavimento. Quando a simples varrição ou jato de ar não forem suficientes para remover todo o material estranho, as superfícies devem ser escovadas com uma solução adequada a esta finalidade. 6 As marcações existentes a serem substituídas devem ser removidas ou recobertas, não deixando qualquer marca ou falha que possa prejudicar a nova pintura, bem como o revestimento do pavimento. Pintura provisória com tinta de qualidade inferior deve ser integralmente removida. 7 Nos trechos com revestimento do pavimento sem marcas existentes, que possam servir de guias, deve ser feita, antes da aplicação da pintura, a pré-marcação. 8 As marcas devem ser aplicadas nos lugares e com as dimensões e espaçamento indicados nos projetos ou como especificados. Deve ser aplicado material suficiente, de forma a produzir marcas com bordas claras e nítidas e uma película de cor e largura uniformes. O material deve ser aplicado de tal forma a não ser necessária nova aplicação para atingir a espessura especificada. Na execução das marcas retas, qualquer desvio nas bordas, excedendo de 0,01m em 10,00m, deve ser corrigido. A largura das marcas deve obedecer ao que foi especificado, admitindo-se uma tolerância de 5%. Toda a sinalização deve ser executada por pessoal especializado e com equipamento adequado. Os serviços de sinalização devem ser executados quando o tempo estiver bom, sem ventos excessivos, poeiras ou neblinas. 9 O material aplicado deve ser protegido, até sua secagem, de todo o tráfego, tanto de aeronaves, veículos, como de pedestres. - II.1 -

8 II - CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PISTA DE POUSO 1 - As cabeceiras de pistas pavimentadas devem ser dotadas de sinalização de identificação de pista, conforme Anexo III desta Norma. Consiste tal identificação de um número de dois algarismos e, em pistas paralelas, este número deve ser acompanhado de uma letra. 2 - No caso de pista única, duas ou mais pistas paralelas, o número de dois algarismos será o inteiro mais próximo da décima parte do azimute magnético do eixo da pista, medido no sentido horário, a partir do norte magnético, visto da direção de aproximação. Se a sinalização de identificação constar de um único algarismo, o mesmo deve ser precedido de um zero. 3 - No caso de pistas paralelas, cada número identificador deve ser acompanhado de uma letra, como indicado a seguir, na ordem apresentada, da esquerda para a direita, quando vistas da direção de aproximação: a) para duas pistas paralelas: L R; b) para três pistas paralelas: L C R; c) para quatro pistas paralelas: L R L R; d) para cinco pistas paralelas: L C R L R ou L R L C R; e) para seis pistas paralelas : L C R L C R 4 - Os números e as letras devem ter o formato e as dimensões indicadas no Anexo IV desta Norma. Suas dimensões não devem ser inferiores ao indicado, porém, quando os números forem incorporados à sinalização de cabeceira, as dimensões devem ser maiores, de forma a preencher adequadamente o intervalo entre as faixas de sinalização de cabeceira. 5 - Toda pista pavimentada deve ter sinalização de cabeceira. Esta sinalização consiste de um conjunto de faixas longitudinais de dimensões uniformes, dispostas simetricamente em relação ao eixo da pista, conforme indicado no Anexo III desta Norma. As faixas de sinalização de cabeceira devem começar a 6,00m da extremidade da pista A quantidade de faixas de sinalização de cabeceira será fixada de acordo com largura da pista: a) largura da pista igual a 18,00m, com 4 faixas; b) largura da pista igual a 23,00m, com 6 faixas; c) largura da pista igual a 30,00m, com 8 faixas; - II.2 -

9 d) largura da pista igual a 45,00m, com 12 faixas; e) largura da pista igual a 60,00m, com 16 faixas. NOTA - Se a largura da pista de pouso e decolagem não coincidir exatamente com os valores especificados neste item, considera-se, para fins de determinação da quantidade de faixas de cabeceira, a largura imediatamente inferior, adequando a largura das faixas e dos espaços conforme determinações dos itens 6 e 7 desta Norma. 6 - As faixas de sinalização de cabeceira podem se estender até 27,00m para cada lado do eixo da pista, ou a distância entre o limite externo das faixas mais distantes do eixo e as bordas da pista deve ser, no máximo, de 3,00m, escolhendo-se, entre as duas alternativas, a que apresentar a menor distância. NOTA - No caso de a cabeceira ser deslocada, os procedimentos a serem utilizados encontram-se na MP (MNT) em vigor. 7 - As faixas de cabeceira devem ter 30,00m de comprimento, no mínimo, e 1,80m de largura, aproximadamente, com espaçamento entre elas de aproximadamente 1,80m. Conforme mostrado no Anexo III desta Norma, deve ser utilizado intervalo de 3,60m entre as duas faixas centrais adjacentes ao eixo da pista, e quando a sinalização de identificação de pista estiver entre as faixas, este intervalo deve ser de 22,50m. A configuração com a identificação de pista entre as faixas de cabeceira pode ser utilizada quando a pista for de aproximação visual ou por instrumento sem precisão, com largura maior ou igual a 45 m. 8 - O ponto de visada deverá ser disposto conforme itens e do Anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - Julho de Consiste em duas faixas contrastantes cujas dimensões e espaçamento lateral entre suas laterais internas deverão estar de acordo com as disposições da tabela abaixo. Quando houver marcas de zona de toque da pista, o espaçamento lateral entre as faixas deverá ser o mesmo que o espaçamento das marcas da zona de toque. As características das marcas de Ponto de Visada podem ser verificadas no Anexo V desta Norma. TABELA 1 - Localização e Dimensões das Marcas de Sinalização do Ponto de Visada: LOCALIZAÇÃO E DIMENSÕES DISTÂNCIA DE POUSO DISPONÍVEL 800m até, não 1200 m até, não Menor que 800 incluindo, 1200 incluindo, 2400 m m m 2400 m e acima Distância da cabeceira ao início das marcas 150 m 250 m 300 m 400 m Extensão da faixa a m m m m Largura da faixa 4 m 6 m 6-10 m b 6-10 m b Espaçamento lateral entre as laterais internas da faixa 6 m c 9 m c 18-22,5 m 18-22,5 m - II.3 -

10 NOTAS 1 As maiores dimensões das variações especificadas estão destinadas ao uso em situações onde um maior contraste for necessário. 2 O espaçamento lateral pode ser variado dentro desses limites, de modo a minimizar a contaminação das marcas por depósitos de borracha. 3 Esses cálculos foram deduzidos com base na distância entre as duas rodas externas do trem de pouso principal. 9 - As faixas de zona de toque deverão ser aplicadas conforme itens e do Anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - Julho de 2004, para as quais deverão ser observados os seguintes critérios: a) os espaçamentos laterais entre os lados internos dos retângulos (22,50m x 3,00m) que compõem as faixas, deverão ser iguais ao espaçamento das marcas do ponto de visada, quando houver, sendo que, quando não houver ponto de visada na pista, os espaçamentos devem obedecer as determinações para este, conforme Tabela I desta norma; quando essas marcas tiverem codificação de distância, serão dispostos pares de 3, 2 e 1 retângulos (22,5m x 1,8 m), sendo que, para pares com mais de um retângulo, os afastamentos devem ser de 1,50m; b) os espaçamentos longitudinais entre os pares de faixas de zona de toque, são de 150,00m contados a partir de 6,00m do início da pista; c) os pares de marcas de sinalização da zona de toque localizados dentro de 50 m da sinalização do ponto de visada ou coincidentes com ele deverão ser apagados. NOTA - Os padrões para marcas de zona de toque podem ser verificados no Anexo V desta Norma A quantidade de marcas de sinalização deve obedecer os critérios a seguir, relacionados ao comprimento da pista: a) menos de 900,00m, 1 par de faixas; b) de 900,00m a 1.200,00m, exclusive, 2 pares de faixas; c) de 1.200,00m a 1.500,00m, exclusive, 3 pares de faixas; d) de 1.500,00m a 2.100,00m, exclusive, 4 pares de faixas; e) de 2.100,00m em diante, exclusive, 6 pares de faixas. - II.4 -

11 11 - A Faixa Lateral de Borda das pistas de pouso e decolagem consiste em um faixa contínua, cuja largura deve ser, no mínimo, de 0,90m para pista com largura de 30,00m ou mais e, no mínimo de 0,45m para pistas com largura inferior a 30,00m A lateral externa das faixas laterais de borda deve estar localizada, aproximadamente, sobre a margem da pista, salvo nas pistas de pouso e decolagem com largura superior a 60,00m, em que as faixas laterais de borda deverão ser localizadas a 30,00m do eixo da pista Interrupções nas sinalizações das pistas de pouso: a) Nas interseções das pistas de pouso, as sinalizações das pistas de pouso mais importantes deverão ser executadas, exceto as pinturas de sinalização das faixas laterais de borda, as quais serão interrompidas; NOTA - A ordem de importância das pistas de pouso e decolagem é: pista de aproximação por instrumento de precisão, pista de aproximação por instrumento sem precisão e pista de pouso visual. b) Nas interseções das pistas de pouso com as pistas de rolamento, as pinturas de sinalização horizontal das pistas de pouso deverão ser executadas, exceto as pinturas das faixas laterais de borda da pista, que serão interrompidas As linhas de centro das pistas de pouso e decolagem - consistirão de linhas tracejadas, formadas por faixas longitudinais de comprimento uniforme, uniformemente espaçadas e partindo de ambas as cabeceiras e se estendendo ao longo do comprimento de toda a pista, conforme apresentado no Anexo III desta Norma, (exceto nas interrupções previstas no item 12 acima). Os comprimentos das faixas mais o intervalo entre elas não devem ser menores que 50,00m nem maiores de 75,00m. O comprimento de cada faixa deve ser de 30,00m ou igual ao comprimento do intervalo, o maior valor dentre estes Serão adotadas as seguintes larguras para a linha de centro da pista de pouso e decolagem: a) 0,30m - para pistas de aproximação por instrumento sem precisão cujos códigos numéricos são 1 ou 2, e em pistas de aproximação visual; b) 0,45m - para pistas de aproximação por instrumento sem precisão cujos códigos numéricos são 3 ou 4, e em pistas de aproximação por instrumento com precisão de Categoria I; c) 0,90m - para pistas de aproximação por instrumento com precisão de Categorias II e III Onde não existir pista de táxi interceptando as extremidades da pista de pouso e decolagem, podem ser providas áreas de giro, de modo a possibilitar que uma aeronave complete um giro de 180 e se alinhe com o centro da pista de pouso e decolagem. A cor utilizada para a sinalização da área de giro é amarela, e os padrões devem seguir o Anexo VI desta Norma. - II.5 -

12 A sinalização do eixo da área de giro deve ser curvada desde a linha central da pista de pouso e decolagem, a 30 m além do ponto de tangência para código numérico 1 ou 2 e 60 m para código numérico 3 ou 4. O ângulo de intersecção da sinalização da área de giro com a linha central da pista de pouso e decolagem não deve ser maior do que 30 graus. A faixa deve ser contínua, com 15 cm de largura A borda da área de giro deve ser feita com duas faixas contínuas paralelas, de 15 cm de largura e 15 cm de espaçamento entre elas. NOTA - A marca de sinalização da área de giro deve ser disposta de tal forma que, quando a cabine do piloto da aeronave permanecer sobre a faixa de centro da área de giro, a distância de desobstrução entre qualquer roda do trem de pouso da aeronave e a margem da área de giro não deve ser menor do que o especificado para cada código alfabético de acordo com o item do Anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - Julho de PISTAS DE ROLAMENTO 15 - As pistas de rolamento devem ter pintadas, ao longo de seu eixo longitudinal, a chamada linha de centro, de maneira a proporcionar orientação segura desde o eixo da pista de pouso até o pátio de estacionamento, onde começa a sinalização do pátio; 16 - A pintura da linha de centro deve consistir de uma faixa contínua em cor amarela, de 0,15m de largura, no mínimo, sendo interrompida somente ao encontrar os sinais de espera (especificados no item 17, alíneas a e d desta NI), de acordo com o Anexo VII desta Norma As pistas de rolamento, quando interceptam pistas de pouso, devem receber, de conformidade com os padrões apresentados nos Anexos VII e VIII desta Norma a seguinte sinalização horizontal: a) marcas de posição de espera, linhas de espera, cujos afastamentos mínimos a serem mantidos do centro da pista de pouso estão indicados na tabela a seguir, que define os afastamentos para pista de aproximação visual, não-precisão e precisão. Para este último caso, se houver mais de uma posição de espera, os afastamentos definidos na tabela deverão ser aplicados para a posição de espera mais próxima da pista de pouso e decolagem. Para pistas de aproximação de precisão, quando houver mais de uma posição de espera, para as posições mais distantes, a distância será definida pela margem da área crítica/sensível do ILS/MLS. - II.6 -

13 TABELA 2 - Distância Mínima da linha central da pista de pouso e decolagem para uma posição de espera: Tipo de operação da pista de pouso e decolagem Código numérico Aproximação visual Aproximação por instrumento sem precisão Aproximação por instrumento de precisão - Categoria I a 90 a Aproximação por instrumento de precisão - Categorias II e III a 90 a NOTAS 1 As distâncias especificadas nesta tabela podem ser aumentadas ou diminuídas conforme observações constantes na Tabela 3-2 do Anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - Julho de 2004, considerando o desnível entre posições de espera e a cabeceira da Pista de Pouso e Decolagem, a interferência em auxílios de navegação por rádio ou o código alfabético da pista. 2 Existem dois padrões de linhas de espera, que são aplicados conforme o tipo de aproximação em pista. O padrão B é aplicado quando for pista de aproximação de precisão e houver duas ou três linhas de espera, sendo que este padrão será aplicado para as marcas mais distantes da pista de pouso e decolagem, a marca mais próxima deve ser conforme o padrão A. Para todos os outros casos, a linha de espera deve ser conforme o padrão A. Ver o Anexo VII desta Norma. 3 Quando for necessário um maior contraste para as linhas de espera, pode-se adotar maiores dimensões das mesmas marcas, conforme Figura 1 do Anexo VIII desta Norma. b) a pintura do prolongamento da linha de centro das pistas de rolamento, deverá tangenciar uma linha imaginária paralela à linha de centro da pista de pouso, a 0,90m do eixo desta, e prosseguir paralelamente até pelo menos 60,00m do ponto de tangência, quando o código numérico for 3 ou 4 e até pelo menos 30,00m quando o código numérico for 1 ou 2; c) a indicação do ponto de verificação VOR consiste de um círculo de 6 metros de diâmetro com uma espessura de 15 cm (ver Figura 2-A do Anexo VIII desta Norma). Quando for preferível que uma aeronave seja alinhada em direção específica, deve haver uma linha que passe através do centro do círculo em um azimute desejado. A linha deve se estender 6 metros para fora do círculo na direção desejada de orientação e terminar em forma de seta. A largura dessa linha deverá ser 15 cm (ver Figura 2-B do Anexo VIII desta Norma). A sinalização do ponto de referência VOR de um aeródromo deve ser de cor branca. - II.7 -

14 d) na intersecção entre pistas de rolagem, devem ser utilizadas posições intermediárias de espera. A localização deve ser tal que a distância até a borda mais próxima proporcione separação segura entre aeronaves em movimento, devendo atender as distâncias especificadas na coluna 11 da tabela 3-1 do Anexo 14 da ICAO - Quarta Edição - Julho de Essa sinalização deve coincidir com as linhas de luzes de barra de parada ou de barra de cruzamento, quando aplicável. Esta marca consiste de uma linha simples descontínua de traços com 0,30 m de largura e 0,90 m de comprimento, e espaçamento entre os traços de 0,90 m. Ver Anexo VII desta Norma Quando não houver contraste suficiente entre o pavimento estrutural das pistas de rolamento e as áreas adjacentes, serão implantadas as faixas de borda de pista de táxi conforme consta no Anexo IX desta Norma. A sinalização das faixas laterais consiste de duas faixas paralelas e contínuas de 0,15 m de largura cada, espaçadas de 0,15 m. O limite lateral externo da faixa mais externa deve coincidir com a faixa da pista de rolagem Nas intersecções entre pistas de táxi onde, devido à curva, existe a possibilidade de confusão entre as marcas de faixas laterais e a marca da linha central ou onde o piloto pode não estar certo de que lado da faixa lateral está o pavimento que não suporta cargas, devem ser adicionadas faixas transversais na superfície que não suporta cargas, conforme consta no anexo IX desta norma. As faixas transversais devem ser utilizadas no início e no final das curvas, bem como em pontos intermediários da sinalização de borda. A largura da sinalização é de 0,90 m e o comprimento deve ser no máximo 7,5 m ou ter a largura do acostamento menos 1,5 m, utilizando o que for menor. Os intervalos das faixas transversais em cada ponto de tangência não devem exceder 15 m. Em pequenos trechos retos, tais intervalos não devem exceder 30 m. PÁTIOS DE 18 - As linhas de circulação para aeronaves, dentro do pátio, bem como as marcas de posicionamento das rodas dos trens de pouso dianteiros, deverão ser marcadas de acordo com os padrões ilustrados nos Anexos X e XI desta Norma As linhas de circulação de aeronaves do pátio deverão ser pintadas em cor amarela, em faixas contínuas com 0,15 m de largura, de acordo com Anexo X desta Norma As entradas das posições de estacionamento de aeronaves deverão ser sinalizadas em cor amarela, em faixas contínuas, com 0,15m de largura, enquanto que, quando as faixas forem exclusivamente para saída e para as posições especiais (utilizações eventuais de aeronaves de grande porte), deverão ser descontínuas amarelas, também com 0,15 m de largura. As marcas das posições de estacionamento podem ser compostas ainda por: Identificação de posição, Barra de virada, Linha de virada, Linha de parada e Barra de alinhamento, conforme o anexo XI desta norma. - II.8 -

15 21 - As posições de estacionamento deverão ser pintadas de acordo com os Anexos X, XI, XII e XIII desta Norma e, em sua localização, deverão ser levados em consideração: tipo de aeronave (comprimento, envergadura e raio de giro), tipo de operação (por meios próprios ou com trator para push-back), e os efeitos dos jatos de exaustão de turbinas durante manobras de entrada e saída das posições de estacionamento. NOTA - Quando na linha de entrada da posição de estacionamento existir mais de uma barra de parada, em função da diversidade de tipos de aeronaves, pode-se identificar cada barra de parada com o código da respectiva aeronave ou, no caso de um grupo de aeronaves, com uma letra ou número, a fim de auxiliar a atuação do sinaleiro, conforme figura do Anexo XV desta Norma A sinalização de posição de estacionamento deve proporcionar separação mínima entre uma aeronave e qualquer edificação, objeto adjacente ou outra aeronave estacionada. A separação mínima varia de acordo com o código alfabético da aeronave, conforme tabela a seguir: TABELA 3 - Distâncias Mínimas de Desobstrução entre Aeronaves e Qualquer Objeto CÓDIGO ALFABÉTICO SEPARAÇÃO MÍNIMA (m) A 3,0 B 3,0 C 4,5 D 7,5 E 7,5 F 7, Devem ser demarcadas vias de serviço, áreas de estacionamento para equipamentos de apoio e numerados os T de estacionamento de aeronaves. A pintura de sinalização de área de serviço deverá ser executada de acordo com o tipo de configuração do estacionamento e das instalações. Deve ser executada de modo a definir as áreas destinadas à utilização de veículos terrestres, passageiros e outros equipamentos de serviço, com a finalidade de proporcionar separação segura em relação às aeronaves. As linhas de segurança devem ser de cor diferente da usada na sinalização de pátio, sendo destinadas tanto à orientação dos pilotos das aeronaves quanto dos operadores de equipamentos de serviços auxiliares As linhas de segurança podem ser verificadas no Anexo XIV desta NI e consistem em: a) Linha de limite no pátio (ou linha de segurança): indica o limite de desobstrução entre as pistas de táxi no pátio e as posições de estacionamento. Consiste em uma faixa contínua, vermelha, de 20 cm de largura; - II.9 -

13/JUN/2006 NI - 11.08 (OPA)

13/JUN/2006 NI - 11.08 (OPA) ANEXO II INSTRUÇÕES GERAIS RELATIVAS À PINTURA DE PISTAS DE POUSO, DE ROLAMENTO E DE PÁTIOS DE AERONAVES b) Área de estacionamento de equipamentos (ou envelope de equipamentos): deve ser provida caso seja

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária NORMA DA INFRAERO

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária NORMA DA INFRAERO Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária NORMA DA INFRAERO ASSUNTO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL, PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO, NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES RESPONSÁVEL DIRETORIA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução SP 03/95 NT 188/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Engº Marcio Antonio Anselmo 1. Introdução A sinalização horizontal contribui com a segurança dos usuários da via, influi na velocidade

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas.

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas. MEMORIAL DESCRITIVO CAPEAMENTO ASFÁLTICO SOBRE PEDRAS IRREGULARES Proprietário: MUNICÍPIO DE ITATIBA DO SUL Local: - Rua Argentina = 5.910,43 m²; - Rua Estados Unidos = 1.528,98 m². Total = 7.439,41 m²

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995

CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995 CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 805, DE 24 DE OUTUBRO DE 1995 Estabelece os requisitos técnicos mínimos do pára-choque traseiro dos veículos de carga O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO, usando

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade 0 EMISSÃO INICIAL 08/03/10 LG WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coordenador de Projeto CREA / UF ENGº WILSON VIEIRA 060040558/SP Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P12 IMPRIMAÇÃO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 4 2. DESCRIÇÃO... 4 3. MATERIAIS... 4 3.1 MATERIAIS PARA IMPRIMAÇÃO IMPERMEABILIZANTE...

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027 1 AEROPORTO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO PAESP 27-227 São os aeroportos destinados a atender as áreas de interesse regional e/ou estadual que apresentam demanda por transporte aéreo regular, em ligações com

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização 8. A sinalização Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN Através da sinalização, os responsáveis pelo trânsito transmitem

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 06 - LOCAÇÃO DE OBRAS Introdução: A locação da obra é o processo de transferência da planta baixa do projeto da edificação para o terreno, ou seja, os recuos, os afastamentos, os alicerces, as paredes,

Leia mais

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS 1.0 As presentes instruções aplicam-se aos acessos de quaisquer propriedades às rodovias estaduais. 1.1 O acesso depende de autorização do DER/SC.

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 2 Registo de Aeronaves 1/12 Índice Parte A: Generalidades.3 2.001 Aplicabilidade.3 2.003 Definições...3 2.005 Siglas/Acrónimos...4

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 2.1 Formas de controle do tráfego em interseção ou seção de via... 9 2.2 Princípios da Sinalização Semafórica... 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

ESP- 09/92 IMPRIMAÇÕES BETUMINOSAS

ESP- 09/92 IMPRIMAÇÕES BETUMINOSAS INTRODUÇÃO Especificações de serviços definem os critérios da utilização de imprimações betuminosas em camadas de pavimento, de obras sob a fiscalização da Prefeitura do Município de São Paulo. 1. DESCRIÇÃO

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS TÁXIS EXECUTIVOS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS TÁXIS EXECUTIVOS GPM/M014/13/R2 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS TÁXIS EXECUTIVOS DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS O presente anexo estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados nos veículos utilizados no

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO Nº 04 Memorial Descritivo De

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 210 DE 13 DE NOVEMBRO DE 2006 Estabelece os limites de peso e dimensões para veículos que transitem por vias terrestres e dá outras providências.

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO GPT/M012/10/R4 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO NOTURNO DO TRANSPORTE COLETIVO DE CAMPINAS CORUJÃO O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Gerência de Planos Diretores - Sede Abril/2010 Documento de Planejamento Plano Diretor Aeroportuário rio Objetivo Definição Objetivos

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTOURA XAVIER SECRETARIA DO PLANEJAMENTO LOCAL: AVENIDA 25 DE ABRIL ASSUNTO: PROJETO DE CAPEAMENTO ASFÁLTICO ÁREA TOTAL: 4.935,75 m² PROJETO BÁSICO

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

A precisão que você precisa.

A precisão que você precisa. A precisão que você precisa. -30 Agronave 30 O Agronave 30 é um moderno sistema de navegação agrícola para auxiliar o produtor rural nos diversos processos de aplicação, plantio e colheita. Leia com cuidado

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

Prof. Paulo de Sá Pereira Cavalcanti

Prof. Paulo de Sá Pereira Cavalcanti PONTES TRENS TIPO DE PROJETO AP-02 Prof. Paulo de Sá Pereira Cavalcanti Abril/2004 TREM TIPO DE PROJETO (EVOLUÇÃO DOS TRENS TIPO DE PROJETO DAS NORMAS BRASILEIRAS).1. PERÍODO DE 1943 a 1960 No período

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

Considerando a necessidade de aperfeiçoar e atualizar os requisitos de segurança para os veículos de carga nacionais e importados, resolve:

Considerando a necessidade de aperfeiçoar e atualizar os requisitos de segurança para os veículos de carga nacionais e importados, resolve: RESOLUÇÃO N o 152, DE 29 DE OUTUBRO DE 2003 Estabelece os requisitos técnicos de fabricação e instalação de pára-choque traseiro para veículos de carga. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS GPT/M008/10/R6 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO SELETIVO DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem observados

Leia mais

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Os dispositivos de sinalização semafórica devem ser implantados segundo critérios de projeto, de modo que a informação resultante para os condutores de veículos

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR

COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR COMPETIÇÕES DE VOLEIBOL ETAPA ESCOLAR INTRODUÇÃO O Atleta na Escola tem como premissas a democratização do acesso ao esporte e o incentivo da prática esportiva na escola. Neste ano, o Programa de Formação

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas;

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas; RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 211, de 13/11/2006 Requisitos necessários à circulação de Combinações de Veículos de Carga - CVC, a que se referem os arts. 97, 99 e 314 do Código de Trânsito Brasileiro - CTB. O CONSELHO

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN PROJETOS Instalações que compõem o escopo do empreendimento: Via de acesso principal à área terminal; Estacionamento

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS soluções definitivas paralogística Identificação Placas de Rua O início da sinalização e o endereçamento de um armazém começam pelas placas de rua. Elas devem ser instaladas

Leia mais

Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e passarelas.

Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e passarelas. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Este procedimento tem como objetivo, estabelecer critérios e procedimentos necessários para montagem e utilização de escadas, rampas e 2. Documentos de Referência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 549, DE 19 DE AGOSTO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 549, DE 19 DE AGOSTO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 549, DE 19 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre os requisitos técnicos dos espelhos retrovisores destinados para motocicletas, motonetas, ciclomotores, triciclos e quadriciclos. O CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Regulamenta o Art. 16 da Lei Orgânica, que diz respeito à garantia de acesso adequado aos portadores de deficiência física ou mental aos bens e serviços coletivos,

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS GPT/M002/12/R8 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. DEFINIÇÃO... 3

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA RESOLUÇÃO Nº 3.632, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2011 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de ondulações transversais (lombadas físicas) em vias públicas, disciplinadas pelo Parágrafo único do art. 94 do Código de

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem

Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem Governo do Estado de São Paulo Secretaria dos Transportes Departamento de Estradas de Rodagem 2005 Introdução O DER/SP cresceu vertiginosamente e, em pleno século 21, já se vê à frente de um novo cenário

Leia mais

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC

CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC CONCESSÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE CURITIBANOS-SC PLANO DE OUTORGA ANEXO V CADERNO DE ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES E APARELHAMENTO Abril/2014 Sumário

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Helipontos em São Paulo: Segurança, Irregularidades e Caminhos para Regularização Anderson Ribeiro Correia Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais