GERENCIANDO A QUALIDADE DA FORMAÇÃO. NA PÓS-GRADUAÇÃO: um estudo de caso no MBA de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIANDO A QUALIDADE DA FORMAÇÃO. NA PÓS-GRADUAÇÃO: um estudo de caso no MBA de"

Transcrição

1 Tânia Mara da Silva Espíndola Simões GERENCIANDO A QUALIDADE DA FORMAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO: um estudo de caso no MBA de Gerência Empresarial e Negócios Taubaté SP 2003

2 1 Tânia Mara da Silva Espíndola Simões GERENCIANDO A QUALIDADE DA FORMAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO: um estudo de caso no MBA de Gerência Empresarial e Negócios Monografia apresentada para obtenção do Certificado de Especialização pelo Curso de Pós Graduação MBA em Gerência Empresarial e Negócios do Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado ECASE da Universidade de Taubaté. Área de Concentração: Gerência Empresarial e Negócios Orientador: Profª Drª Edna Querido de Oliveira Chamon Taubaté SP 2003

3 2 Tânia Mara da Silva Espíndola Simões GERENCIANDO A QUALIDADE DA FORMAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO: um estudo de caso no MBA de Gerência Empresarial e Negócios UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ, TAUBATÉ, SP Data: Resultado: COMISSÃO JULGADORA Prof. Dr. Assinatura Prof. Dr. Assinatura Prof. Dr. Assinatura

4 3 A educação é a verdadeira árvore da ciência do bem e do mal de cujos frutos se alimenta e vive bem ou mal a humanidade

5 4 AGRADECIMENTOS À Profª. Dra. Edna Maria Querido de Oliveira Chamon, minha orientadora, que por sua dedicação e compromisso me fizeram acreditar que esse trabalho era possível. Às minhas filhas Tamara, Talita e Tainá, por saberem esperar tanto. Ao meu marido Otacílio pelo apoio. A todos os nossos professores do MBA, com os quais aprendi tanto. Á música que me alegrou nas madrugadas de digitação. Aos colegas de MBA, que tornaram o curso muito bom. A Alda, que me indicou o curso e me incentivou a fazê-lo. Aos meus entrevistados sem os quais eu não teria resultados. Ao Profº Drº Edson A. Q. de Oliveira e a Profª Drª Maria Júlia Xavier, por autorizarem minha pesquisa junto a PRPPG. E a Deus, eu sempre agradeço.

6 5 Simões, Tânia Mara da Silva Espíndola. GERENCIANDO A QUALIDADE DA FORMAÇÃO NA PÓS-GRADUAÇÃO: um estudo de caso no MBA de Gerência Empresarial e Negócios Monografia apresentada para obtenção do Certificado de Especialização pelo Curso de Pós Graduação MBA em Gerência Empresarial e Negócios do Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado ECASE da Universidade de Taubaté. RESUMO A pós-graduação no Brasil se desenvolveu a partir de uma necessidade do mercado de trabalho e do avanço da tecnologia e da ciência, sendo que os primeiros cursos surgiram nos anos 60. O ensino superior expandiu notavelmente nas décadas seguintes, evidenciando os papéis da Universidade Brasileira: ensino, pesquisa, extensão e cultura. Os seres humanos, têm um potencial de aprendizagem, capacidade de crescimento contínuo e ilimitado. As exigências atuais do mercado de trabalho fazem com que, além de buscar a formação continuada no intuito de adquirir conhecimentos os indivíduos busquem manter a empregabilidade e/ou ascensão social. Essa busca os levam às Instituições de Ensino Superior, que por sua vez, procuram desenvolver e implementar programas de formação visando suprir as necessidades dos alunos e do mercado de trabalho. No entanto, um fator interfere na formação do aluno: a motivação. Este trabalho buscou identificar o perfil do pós-graduando MBA de Gerência Empresarial e Negócios, suas expectativas e os fatores facilitadores na elaboração da monografia. Trata-se de uma pesquisa exploratória qualitativa, que retrata historicamente a pósgraduação no Brasil bem como seus objetivos e diretrizes. Foram feitas 18 entrevistas semi-estruturadas, com indivíduos que concluíram o curso com apresentação da monografia e indivíduos que concluíram o curso e não apresentaram a monografia. De acordo com os resultados obtidos, os principais fatores motivacionais que os levaram a procurar pela formação continuada foi a busca pela especialização e pelo conhecimento e em segundo plano mudança no que tange ao aspecto profissional. Quanto às expectativas os entrevistados afirmam terem recebido mais do que esperavam. Palavras Chaves: Motivação, Qualidade no Ensino, Pós-Graduação.

7 6 Simões, Tânia Mara da Silva Espíndola. MANAGING THE LEVEL QUALITY IN POST-GRADUATION COURSES. A situation study in Business and Enterprise Management Graduation Work for obtaining the Specialization Certificate by the MBA Post Graduation Course on Business and Enterprise Management of The Economics, Accounting, Administration, and Secretary s Course Department ECASE, Taubaté University. ABSTRACT The Post-Graduation Course was developed from a necessity of the work market and technology and Science advancement, when the first Courses come up in the 60 s. The Superior Teaching (University), expanded notably in the following decades highlighting the roles of Brazilian Universities: Teaching, Research, Extension and Culture. Human Beings, have a learning potential, plus continuous and unlimited growth capacity. The current work market demands, require not only the continuous formation search, but also a means of acquiring knowledge, individuals try to maintain jobs, and or social ascension. This search leads them to Superior Instruction Institutions (Universities), which on their turn try to develop and implement programs of graduation aiming to fulfill the student s necessities and the work market. However, a factor interferes whit the student s formation: Motivation. This work tried to identify the post-graduated student s profile in the Business and Enterprise Management MBA, his expectations and facilitating factors in the production of this work. It is a qualitative exploratory research, which features historically the post-graduation course in Brazil, as well as its objectives and directions. Eighteen semi-structured interviews were made, whit individuals who had finished the course with work presentation and individuals who had finished the course whit work presentation and individuals who had finished the course and had not present the course completion work. According with the results obtained the principal motivation factors, which led them to look for the further instruction, was the search for specialization and knowledge, and in second place the chance, what concerns the professional aspect. As far as the expectations are concerned, the people interviewed affirmed that they had received more than they had expected. Key Words, Post-Graduation, Quality in the Teaching, Motivation.

8 7 SUMÁRIO Resumo Abstract. Lista de Tabelas Lista de Figuras. 1 Introdução Objetivos Objetivos gerais Objetivos específicos Delimitação do estudo Relevância do estudo Organização do Trabalho A história da educação no Brasil A evolução da educação no Brasil O ensino Superior no Brasil A regulamentação da educação superior brasileira O papel da CAPES no ensino superior O papel da Universidade O papel da Universidade brasileira A pesquisa e a produção de conhecimento na Universidade brasileira Pós-graduação no Brasil Pós-graduação lato sensu Crescimento e Tendências da pós-graduação no Brasil MBA A motivação As teorias motivacionais Teoria das necessidades ou impulso geral de atualização do organismo Teoria de Clayton Alderfer: outra teoria das necessidades adquiridas Teoria das necessidades adquiridas de McClelland 49

9 8 4.2 Motivação na Educação Qualidade Qualidade na prestação de serviços Qualidade na Educação Qualidade no Ensino Superior brasileiro Universidade de Taubaté Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Metodologia Coleta de dados Análise e discussão de resultados quantitativos Estudo de Caso na Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa O que é ensino formação? Motivação para a formação Elementos facilitadores e dificultadores da formação Expectativas sobre o curso Expectativas sobre o corpo docente Planos para o futuro Resultados da formação adquirida Conclusão Referências Bibliográficas

10 9 LISTA DE TABELAS Tabela 1- Fatos que marcaram a evolução do ensino superior no Brasil 20 Tabela 2- Os decretos e leis das reformas educacionais 21 Tabela 3- Ensino Superior no Brasil em números de instituições por natureza 28 Tabela 4- Estatísticas do ensino superior: evolução da matrícula por natureza da instituição 29 Tabela 5- Número de cursos de pós-graduação 39 Tabela 6- Evolução da qualidade no ensino superior 59 Tabela 7- Aspectos negativos do ensino superior e possíveis soluções 64 Tabela 8 - Elementos facilitadores e dificultadores da formação 81 Tabela 9 - Resultados da formação 93

11 10 LISTA DE FIGURAS Figura 1- Distribuição percentual de alunos do ensino superior por localização- capital/interior 29 Figura 2- Porcentagem da distribuição do número de docentes por titulação 30 Figura 3- Esquema geral da Universidade 34 Figura 4 Hierarquia da pós-graduação 38 Figura 5 Hierarquia das necessidades de Maslow 48 Figura 6 - Públicos-alvo que interagem com as instituições de ensino 51 Figura 7- Representação da escola como sistema 52 Figura 8 Visão da escola como sistema 61 Figura 9 Perfil profissional da amostra estudada 73 Figura 10 Faixa etária dos entrevistados 74 Figura 11 Gênero dos entrevistados que concluíram o curso com 75 monografia Figura Gênero dos entrevistados que concluíram o curso sem 75 monografia Figura Percentual da apresentação de monografias por gênero 75 Figura 12 Expectativas sobre o corpo docente 87 Figura 13- Análise dos discursos quanto as teorias motivacionais 92

12 11 1. Introdução Importantes mudanças no mercado de trabalho, na administração pública, no avanço da ciência e tecnologia, fez com que muitos profissionais em diferentes áreas buscassem a formação continuada por meio dos cursos de extensão; na expectativa de permanência ou reinserção no mercado de trabalho. A pós-graduação no Brasil foi instituída formalmente em meados dos anos 1960; regulamentada com 38 cursos, sendo 11 de doutorado e os demais, de mestrado. Ao longo das décadas seguintes, a pós-graduação expandiu notavelmente em número de alunos e também na sua abrangência quanto a áreas de conhecimento (VELLOSO, 2002). As novas necessidades societais mostram que o percentual de cursos oferecidos aumentou visando atender as demandas do mercado mas que também se busca qualidade nos cursos que são oferecidos. Os cursos de pós-graduação têm seus objetivos, dentre eles pode-se citar o de formar professores para o magistério superior, formar pesquisadores para o trabalho científico, e preparar profissionais mais capacitados para o mercado de trabalho. E dentre os cursos de pós-graduação que têm tido uma demanda no mercado, situa-se os cursos de MBA (Master Business Administration), por proporcionarem aos pósgraduandos conhecimentos atualizados e práticas empresariais. Essas diferentes formações aliadas aos diferentes objetivos e confrontadas com os objetivos dos cursos de pós-graduação e as especificidades do curso MBA (Gerência Empresarial e Negócios), formam um contexto de trocas e de aprendizado bastante diversificados Busca-se neste estudo responder as seguintes questões: quais as expectativas do aluno de MBA com relação as diferentes formações e aspirações, bem como identificar os fatores motivacionais que os levaram a concluir o curso com ou sem a apresentação da monografia.

13 Objetivos Objetivo Geral Entender por meio de estudo e da pesquisa, o que o aluno e pós-graduação entende por qualidade no ensino superior; Identificar no MBA de Gerência Empresarial e Negócios, porque alguns alunos concluem o curso com monografia e outros não; Por meio do estudo das diretrizes gerais, que a pós-graduação deve atingir, buscaremos estudar e demonstrar as especificidades dos cursos de pósgraduação, assim como as expectativas dos alunos em relação ao curso; Objetivos Específicos Descrever por meio de pesquisa bibliográfica o histórico, objetivo e critérios que regem os cursos de pós-graduação; Diagnosticar as expectativas e os objetivos que os pós-graduandos esperam atingir na formação; Discutir como a busca pela Qualidade no ensino levará o aluno a ter suas perspectivas atingidas; Definir os fatores motivacionais durante o curso; Delimitação do estudo A pesquisa ficou restrita aos alunos do MBA (Gerência Empresarial e Negócios), que concluíram o curso nos períodos de 1998 até 2003 com apresentação da monografia e alunos que concluíram o curso e não apresentaram a monografia também nesse período de tempo Relevância do estudo Oferecer aos profissionais que procuram os cursos de pós-graduação uma pesquisa que descreva se as expectativas dos alunos foram alcançadas e o que eles obtiveram com o curso. Trata-se de uma pesquisa sobre quais os fatores motivacionais que os entrevistados demonstraram ter para a conclusão do curso com apresentação da monografia.

14 Organização do trabalho Este trabalho distribui-se em 9 capítulos, dos quais esta introdução é o primeiro. No capítulo 2, é apresentada a história da educação no Brasil, bem como sua evolução, regulamentação, o papel da Universidade brasileira, a pesquisa e a produção de conhecimento. No capítulo 3, trata-se da pós-graduação no Brasil, sua história, objetivos, tendências e crescimento. Finalizamos com a descrição do curso de MBA (Master Business in Administration). No capítulo 4, define-se o conceito de motivação, teorias motivacionais e completamos o capítulo com a motivação na educação. No capítulo 5, é apresentado um relato sobre a história da qualidade, qualidade na educação e a qualidade no ensino superior. No capítulo 6, encontram-se informações sobre a Universidade de Taubaté e a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade de Taubaté. No capítulo 7, reservado à metodologia, são mostrados os critérios da composição da amostra, técnicas e procedimentos da coleta de dados e os procedimentos da análise dos dados. No capítulo 8 encontram-se os Resultados e Discussão do Estudo de Caso na PRPPG, onde são apresentadas e comentadas as análises das entrevistas realizadas. No capítulo 9, apresentam-se as Conclusões.

15 14 2. A história da educação no Brasil A educação no Brasil, teve início com a chegada do primeiro governador-geral Tomé de Souza e da Companhia de Jesus (os jesuítas) em 1549, chefiados pelo Padre Manuel da Nóbrega. Segundo Piletti, (1994), quinze dias após sua chegada, os jesuítas fazem funcionar em Salvador, a primeira escola. É o início do processo de criação de escolas elementares, secundárias, seminários e missões, espalhadas pelo Brasil (ARANHA, 2001, p. 99) A Companhia de Jesus foi fundada por Inácio de Loyola (militar espanhol) em 1534, espalhando-se pelo mundo, desde a Europa, Ásia, África e América. Tinha por objetivo principal deter o avanço protestante em duas frentes: Educar as novas gerações; Procurar, por meio da ação missionária, converter à fé católica os povos das regiões que estavam sendo colonizadas (PILETTI, 1994). Encontrando dificuldades para alcançar seus objetivos com os adultos, a Companhia de Jesus, descobriu que seria mais seguro, conquistar as almas jovens. E que o instrumento adequado para essa conquista, seria a criação e a multiplicação de escolas (ARANHA, 2001). No Brasil, os jesuítas dedicaram-se à duas tarefas principais: pregar a fé católica e o trabalho educativo. Com o trabalho missionário de salvar almas, abria caminho para os colonizadores e seus costumes. E enquanto ensinava gramática nas escolas, ensinava ao mesmo tempo a doutrina católica (PILETTI, 1994). Embora a difícil tarefa de instalar um sistema de educação tanto para indígenas de língua e costumes desconhecidos quanto para colonizadores rudes e de hábitos criticados pelos religiosos, os jesuítas aprendem a língua tupi-guarani organizando uma gramática tupi; criam colégios como o de São Vicente e de São Paulo, permanecendo por mais de dois séculos como os principais responsáveis pela ação pedagógica no Brasil (ARANHA, 2001). Nesse período de 210 anos, eles promoveram uma ação maciça na catequese dos índios, educação dos filhos dos colonos, formação de novos sacerdotes e da elite intelectual, além do controle da fé e da moral dos habitantes da nova terra (ARANHA, 2001, p. 99).

16 A evolução da educação no Brasil Tradicionalmente nas famílias portuguesas, o filho primogênito herdava o patrimônio do pai e continuava seu trabalho; o segundo era enviado para o colégio e o terceiro deveria ser padre; os jesuítas então, se concentravam na formação destes por meio de um programa de estudos (Aranha, 2001). No período colonial brasileiro, as classes dominantes, tentavam copiar os hábitos da camada nobre portuguesa, o que contribuiu significativamente para a obra educativa iniciada pelos jesuítas. Essa obra educativa obedecia duas condições: Organização Social - (predominância de uma minoria de donos de terras sobre a grande maioria de agregados e escravos). A educação, mesmo pouca, era direcionada somente para os filhos homens que não fossem os primogênitos, portanto, era um número muito reduzido de pessoas que estava destinada à educação escolarizada (ROMANELLI, 2001). O conteúdo Cultural - (condição que se faziam portadores os padres). Se aos jesuítas de então faltava o gosto pela ciência, sobrava-lhes, todavia, um entranhado amor às letras, cujo ensino era a maior preocupação (ROMANELLI, 2001, p. 34). O esforço educacional concentrava-se totalmente no preparo de letrados eruditos, opondo-se à realização de atividades técnicas e artísticas, mantendo a colônia fechada ao espírito crítico e análise bem como à pesquisa e experimentação. Esse tipo de educação era totalmente alheio à realidade da colônia, mas veio corresponder aos interesses da minoria dominante. Conquistava primeiro os filhos dos índios e dos colonos, por meio do teatro, dança, música e poesia, as escolas de ler e escrever os reuniam. Mas a tendência da educação era separar os catequizados dos instruídos. Para os índios, a educação se resumia na pacificação tornando-os dóceis para o trabalho. Já para os filhos dos colonos, a educação tendia ser mais ampla, estendendo-se além da escola elementar. O programa de estudos mantidos pela Companhia de Jesus englobava, além das aulas elementares de ler e escrever, três cursos:

17 16 Letras humanas - (grau médio), abrangia estudos de latim e Gramática latina (elementos e regras gerais da sintaxe, análise dos problemas da prosódia latina) e Humanidades (História, Poesia e Retórica), com duração geral de 5 ou 6 anos; Filosofia e Ciências (ou Artes) - (considerado de nível secundário), compreendia estudos de Metafísica, Moral, Matemática e Ciências Físicas e Naturais, com duração de 3 anos; Teologia e Ciências Sagradas - (nível superior), destinado à formação de Sacerdotes (PILETTI, 1994). Terminado o curso Médio, que durava cerca de nove anos, o jovem tinha duas alternativas: estudar teologia, ou preparar-se para as carreiras profanas (Direito, Filosofia e Medicina), encaminhando-se para a Europa, especialmente para a Universidade de Coimbra, em Portugal (ARANHA, 2001). De acordo com Azevedo (1953 apud ROMANELLI, 2001, p. 34), essa educação não poderia contribuir para as modificações estruturais e econômicas na vida do Brasil daquela época. Desinteressada, destinada a dar cultura geral básica, sem a preocupação de qualificar para o trabalho. Não se pode no entanto, deixar de dar os créditos devidos `a educação jesuíta, a responsável pelo homem educado, polido e gentil, conforme exigia a sociedade aristocrática da época. Porém, ela é criticada pela separação que deu entre a escola e a vida cotidiana (ARANHA, 2001). Ministrando, nos séculos XVI e XVII em princípio, a educação elementar, para brancos e índios (com exceção das mulheres); educação média para os homens da classe dominante; educação superior religiosa para quem ingressasse na classe sacerdotal; levando outros que não queriam seguir a ordem religiosa a buscarem educação superior fora do Brasil. A educação jesuíta ganhou poder econômico e político sobre todas as camadas sociais brasileiras, o que foi motivo de preocupação para o governo de Portugal (ROMANELLI, 2001). Desde que chegara ao Brasil Companhia de Jesus recebia do governo português: uma taxa especial de 10% da arrecadação dos impostos, doações de terras e ainda ficava com a produção agrária das 37 missões que administrava, as quais eram

18 17 altamente lucrativas. O que a tornou economicamente rentável e não agradou a metrópole acusando-a de decadente e ultrapassada. Na busca de reformas estruturais e administrativas, em 1750, o governo de Portugal nomeia como seu primeiro-ministro, Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal. No Brasil o Marquês fez várias reformas, mas uma das suas principais medidas foi a de suprimir as escolas jesuítas em 28 de junho de Os jesuítas foram expulsos, seus bens confiscados, os livros são destruídos, os colégios e as missões são fechados. Com a expulsão dos Jesuítas, deixaram de existir, repentinamente, dezoito estabelecimentos de ensino secundário e cerca de 25 escolas de ler e escrever. Interrompe-se, assim, uma organização educacional, não sendo substituída por outra, provocando um retrocesso no sistema educacional brasileiro (ARANHA, 2001). Uma década mais tarde, foram criadas as aulas régias que, sem nenhuma ordenação entre elas, tentavam substituir o ensino dos jesuítas. Cada aula régia constituía uma unidade de ensino com professor único, era autônoma e isolada, não havia currículo, nem duração prefixada. O aluno se matriculava em quantas aulas régias queria e nas disciplinas que desejasse. Os professores eram geralmente de baixo nível, improvisados e mal pagos. Nomeados por indicação ou sob concordância de bispos. Tornavam-se proprietários das respectivas aulas régias que lhe eram atribuídas, vitaliciamente, como sesmarias ou títulos de nobreza (PILETTI, 1994, p. 138). Com a expulsão, desmantelou-se toda uma estrutura administrativa de ensino. A uniformidade da ação pedagógica, a perfeita transição de um nível escolar para outro, a graduação, foram substituídas pela diversificação das disciplinas isoladas. Leigos começaram a ser introduzidos no ensino e o Estado assumiu, pela primeira vez, os encargos da educação (ROMANELLI, 2001, p. 36). O objetivo da reforma de Pombal, foi o de substituir a escola que servia aos interesses da fé, por uma que fosse útil aos fins do Estado (PILETTI, 1994, p. 139). Embora expulsos, a influência da educação dada pelos jesuítas foi preservada e continuada por aqueles que outrora se formaram nos seminários dirigidos pelos jesuítas. Ela foi transformada em educação de elite, da aristocracia rural brasileira,

19 18 atravessando todo o período colonial e imperial, chegando ao período republicano sem sofrer, basicamente qualquer modificação. No século XIX, uma nova camada social, enriquecida pela mineração e radicada na zona urbana, passou a ser mais ativa na vida colonial. Foi nessa camada que apareceram os primeiros indivíduos ligados ao jornalismo, às letras e, principalmente à política. Essa classe social desempenhou um importante papel na evolução políticasocial do Brasil, especialmente porque ela se dispôs obter educação escolarizada e também por ligar-se à classe dominante na intenção de obter funções consideradas mais dignas, como as funções intelectuais, burocráticas e administrativas. Algumas escolas primárias e médias, em mãos de eclesiásticos, seminários episcopais, sobressaindo-se o Seminário de Olinda, fundado em 1800 pelo Bispo Azeredo Coutinho, e ainda algumas aulas régias do período pombalino, eram as escolas que predominavam no período da chegada do príncipe Regente, D. João VI, ao Brasil, em 1808 (ROMANELLI, 2001). 2.2 O ensino superior no Brasil Até 1808, os luso-brasileiros faziam seus estudos superiores na Europa, principalmente em Coimbra (Portugal). Há notícias de 2500 brasileiros diplomados até 1808, em sua maioria, religiosos. (LUCKESI et. al., 1998, p ). Embora houvesse um grande número de brasileiros diplomados, Portugal não permitiu a criação de uma Universidade no Brasil. A chegada de D. João VI à colônia, trouxe sensíveis mudanças às instituições educacionais da época. A principal delas foi, a criação dos primeiros cursos superiores (não teológicos) na colônia. Iniciou-se o ensino superior brasileiro ministrado em aulas avulsas, objetivando uma formação profissional básica. Com D. João, no entanto, não apenas nascia o Ensino Superior, mas também se iniciava um processo de autonomia que iria culminar na Independência Política (ROMANELLI, 2001, p. 38). No entanto, a Independência Política não alterou o quadro da situação do ensino, o que houve foi uma transferência de poderes, na qual os letrados passaram a

20 19 desempenhar na nova ordem de ensino um papel de indiscutível relevância, pois foram eles que em sua maioria, ocuparam, os cargos administrativos e políticos. Nesse período já havia um movimento em torno das faculdades (Direito 826 alunos, Medicina 294, Engenharia 154 e na Escola Militar 109) e embora esse movimento o ensino superior consolidou-se somente no início do século XX (ROMANELLI, 2001). Desde o final do século XIX, até a década de 1940, as oportunidades de estudo aumentaram, decorrendo daí mobilidade e ascensão social, sobretudo para a classe média, que passa a exercer novas profissões e a buscar na educação a garantia de sucesso (ARANHA, 2001). Uma nova mudança no Regime político trouxe uma outra forma de governo: a República. A constituição da República, instituiu o sistema federativo de governo e descentralizou o ensino. Ela reservou à União o direito de criar Instituições de Ensino Superior (ROMANELLI, 2001, p. 41). Também os intelectuais da nova República, em sua maioria formados em universidades européias tinham um sonho: ver o Brasil civilizar-se por meio da inauguração da vida acadêmica universitária (MORAIS, 1995, p. 108). Com a República despontava uma nova sociedade brasileira, mais complexa do que a anterior escravocrata. No entanto, o poder da reação mantém o privilégio de classe, valorizando apenas o ensino superior, desprezando a educação da mulher, criando um quadro educacional ainda mais precário (ARANHA, 1996). Não obstante ter acontecido a mudança de regime governamental, não houve modificações no poder econômico que continuava centralizado nas classes dominantes rurais. Não houve mudanças no Sistema Educacional e nem tampouco na organização do ensino (OLIVEIRA, 1995). A evolução do ensino superior conforme vimos até agora está representada em ordem cronológica como podemos ver na Tabela 1.

21 20 Tabela 1- Fatos que marcaram a evolução do ensino superior no Brasil DATA UNIVERSIDADE E SUA EVOLUÇÃO 1808 Inicia-se o ensino superior com a chegada da Família Real Portuguesa 1812 Organizado o Gabinete de Química e o Curso de Agricultura 1820 Criação da Real Academia de Desenho, Pintura, Escultura e Arquitetura Civil e a Escola Nacional de Belas Artes 1827 Criada as Faculdades de Direito de São Paulo e Recife (cursos Jurídicos) 1864 As faculdades de Direito tinham juntas: 826 alunos matriculados 1874 Separação dos Cursos Civis e Militares Criada a Escola Politécnica do Rio de Janeiro 1920 Criação da Universidade do Rio de Janeiro 1931 O Governo Reorganiza a Universidade do Rio de Janeiro (incorpora-lhe as Faculdades de Farmácia e Odontologia, a Escola Nacional de Belas Artes e o Instituto Nacional de Música) Criada e organizada a Universidade de São Paulo (considerada a 1ª Universidade Brasileira por ser a 1ª a seguir as normas do Estatuto das Universidades) 1935 Criada a Universidade do Distrito Federal (Faculdade de Educação) Criada a Universidade de Porto Alegre (Estudos Econômicos) 1937 Chegada da Ditadura (param as reformas e os professores sofrem perseguições) 1943 Realizado o Primeiro Encontro Brasileiro de Economia 1952 Começa no Rio de Janeiro o Ensino de Administração na FGV (Fundação Getúlio Vargas) Fonte: elaborado pela autora Na Tabela 1, vê-se que embora o ensino superior no Brasil tenha sido criado com a chegada da família real portuguesa em 1808, a primeira organização desse ensino em Universidade só apareceu em 1920, com a criação da Universidade do Rio de Janeiro. Segundo Aranha (1996, p. 153) os cursos, às vezes transformados em faculdades, permanecem como instituições isoladas, sem que haja interesse na formação de Universidade. Também que por volta de 1900, estava consolidado no Brasil, o ensino superior em forma de Faculdade ou Escola Superior. Na mesma época, o ajuntamento de três ou

22 21 mais faculdades podia legalmente chamar-se Universidade. Fundam-se assim as Universidades de Minas Gerais e a Universidade de São Paulo. Com a consolidação do ensino superior, acreditava-se que a Universidade seria um centro livre de debates e idéias, o que não aconteceu devido a chegada da ditadura em As ditaduras são incompatíveis com os debates e a verdadeira universidade deve ser edificada sobre e a partir do debate livre das idéias (LUCKESI et al, 1998, p. 34). Na Tabela 2 verifica-se que desde 1915 ocorre uma preocupação por parte dos governos em relação ao ensino superior. Por meio de decretos e de leis, os governos vêm promovendo reformas educacionais na tentativa de melhorar o ensino no país. TABELA 2 - Os decretos e leis das reformas educacionais DATA Nº DECRETO QUE DETERMINA O DECRETO 1/03/ Abertura de escolas superiores só em cidades com mais de 1000 habitantes. 11/04/ Criado o Conselho Nacional de Educação 11/04/ Adotado o Regime Universitário 11/04/ Dispõe sobre a organização da Universidade do Rio de Janeiro 30/06/ Organizado o Ensino Comercial - regulamentada a profissão de contador 18/06/ No estatuto da Universidade do Brasil, aparece pela primeira vez o termo pós-graduação 11/07/ Criada uma Comissão para promover a Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de nível superior- CAPES Lei de Diretrizes e Bases 28/11/ Lei da Reforma Universitária 10/02/1969 Parecer 77/69 Estabelecimento de normas de credenciamento para os cursos de pós-graduação 11/02/ Extinção da cátedra; unificação do vestibular 04/01/ Criação do Conselho Nacional de pós-graduação 20/12/ Novas diretrizes e bases da educação nacional um capítulo é destinado à educação Superior Fonte: elaborado pela autora

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

A Educação no Brasil

A Educação no Brasil A Educação no Brasil Breve histórico A história da educação no Brasil começa em 1549 com a chegada dos primeiros padres jesuítas, inaugurando uma fase que haveria de deixar marcas profundas na cultura

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº PRPPG-036/2006, aprovou e eu

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Projetos DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Projetos 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que apontam a

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão Estratégica Empresarial DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão Estratégica Empresarial 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM Carla Vargas Pedroso - UFF e UFSM Sandra Lucia Escovedo Selles - UFF Agência Financiadora: CAPES

Leia mais

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS Projeto A Vez do Mestre Mudanças no Ensino Médio Marcus dos Santos Moreira RIO DE JANEIRO, JULHO

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Estatísticas Educacionais NOTA TÉCNICA Nº 020/2014 Brasília, 21 de novembro de 2014 Indicador

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL REFLEXÃO AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL REFLEXÃO AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA TÓPICO 02: A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA A Educação formal desenvolvida em qualquer tempo e espaço

Leia mais

OS SABERES DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO

OS SABERES DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO OS SABERES DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO Magaly Kelly Oliveira Leonel Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Dináh Cristina Pereira da Silva Universidade do Estado do Rio Grande do Norte RESUMO Quando

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RETROSPECTIVA HISTÓRICA E POLÍTICA ATUAL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RETROSPECTIVA HISTÓRICA E POLÍTICA ATUAL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: RETROSPECTIVA HISTÓRICA E POLÍTICA ATUAL Resumo FREITAS, Maria Aparecida de Oliveira UNIFESP maofreitas@unifesp.br CUNHA, Isabel Cristina Kowal Olm UNIFESP isabelcristina@unifesp.br

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

ENSINO SUPERIOR: MAPEAMENTO DO NÚMERO DE ALUNOS MATRICULADOS NA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU NO BRASIL

ENSINO SUPERIOR: MAPEAMENTO DO NÚMERO DE ALUNOS MATRICULADOS NA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU NO BRASIL ENSINO SUPERIOR: MAPEAMENTO DO NÚMERO DE ALUNOS MATRICULADOS NA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU NO BRASIL Simone Maria da Silva Rodrigues 1 Marta Jeidjane Borges Ribeiro 2 Mário Jorge Campos dos Santos 13

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98

AUniversidade terá um papel fundamental PARA MUDAR O BRASIL LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO. Eleições 98 Eleições 98 LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA MUDAR A EDUCAÇÃO PARA MUDAR O BRASIL Divulgação AUniversidade terá um papel fundamental na discussão, elaboração e implementação de um novo projeto nacional de desenvolvimento.

Leia mais

O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades

O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades O Novo perfil do Pedagogo: Desafios e Possibilidades Marcos de referência: O período de transição do século XX para o século XXI tem sido marcado por inúmeras e profundas mudanças sociais, econômicas e

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL LUCE, Maria-Beatriz (UFRGS, Porto Alegre, BR) MOROSINI, Marília (PUCRS, Porto Alegre, BR) Projeto ALFA-ACRO ACRO Introdução BRASIL território e

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

2. Cursos de Extensão

2. Cursos de Extensão 2. Cursos de Extensão Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) APRESENTAÇÃO DOS CURSOS DE EXTENSÃO DO IIC O Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) oferecerá no ano de 2011 as seguintes atividades

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: TMBAGCH*14/02 Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 2. FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

30 de julho a 01 de agosto de 2014 Santa Maria/RS Brasil Associação Internacional de Pesquisa na Graduação em Pedagogia (AINPGP)

30 de julho a 01 de agosto de 2014 Santa Maria/RS Brasil Associação Internacional de Pesquisa na Graduação em Pedagogia (AINPGP) RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O PROJETO AGENTE EXTENSIONISTA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL, SOBRAL, CEARÁ, BRASIL ¹ Antonio Wescla Vasconcelos Braga ² Leidy Dayane Paiva de Abreu 3 Antônio Emanuel Martins Bezerra

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. Carlos Marcelo da Silva Figueredo

MERCADO DE TRABALHO. Carlos Marcelo da Silva Figueredo MERCADO DE TRABALHO 1 Carlos Marcelo da Silva Figueredo MERCADO DE TRABALHO Vale a pena abrir o próprio consultório? Vale a pena aceitar convênios de planos odontológicos? Vale a pena investir imediatamente

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA. Proposta de Reestruturação da Arquitetura Acadêmica do Ensino Superior no Brasil

UNIVERSIDADE NOVA. Proposta de Reestruturação da Arquitetura Acadêmica do Ensino Superior no Brasil UNIVERSIDADE NOVA Proposta de Reestruturação da Arquitetura Acadêmica do Ensino Superior no Brasil Naomar de Almeida Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Reforma Universitária no mundo: A Universidade Medieval

Leia mais

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 O curso de História da Universidade Federal

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais