Pré-tratamento com cloro e ozônio para remoção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pré-tratamento com cloro e ozônio para remoção"

Transcrição

1 A pré-xidaçã na remçã de cianbactérias Artig Técnic Pré-tratament cm clr e zôni para remçã de cianbactérias Pre-treatment with chlrine and zne fr remval f the cyanbacteria Renata Iza Mndard Bacharel em Química (UFSC). Mestre em Engenharia Ambiental (UFSC).Dutranda d Prgrama de Pós-Graduaçã em Engenharia Ambiental d Departament de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSC Mauríci Luiz Sens Engenheir Sanitarista (UFSC). Dutr em Engenharia Ambiental (Université de Rennes I / França).Prfessr Titular d Departament de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSC Luiz Carls de Mel Filh Engenheir Sanitarista (UFSC). Especialista em Engenharia de Saúde Pública (ENSP /FIOCRUZ). Mestre em Engenharia Ambiental (UFSC). Dutrand d Prgrama de Pós-Graduaçã em Engenharia Ambiental da UFSC Recebid: 5/7/5 Aceit: 6/8/6 RESUMO O presente trabalh tem cm bjetiv investigar desempenh da znizaçã e da clraçã utilizadas na pré-xidaçã de água, cm elevada cncentraçã de micralgas e cianbactérias, a ser submetida à Filtraçã Direta Descendente, seguida de desinfecçã pr clr, avaliand a qualidade da água prduzida, sbretud n que se refere à remçã de fitplânctn, à frmaçã de trialmetans e as testes txiclógics. Os ensais, em escala pilt, realizads cm a pré-znizaçã, apresentaram melhres resultads quand cmparads as realizads cm a pré-clraçã. Em relaçã as trialmetans, pr exempl, a aplicaçã da pré-znizaçã cm 2 mgo 3 reduziu em até 5% a frmaçã desses cmpsts quand cmparad a empreg da pré-clraçã. O empreg da znizaçã demnstru ser uma excelente alternativa para pré-tratament de água cm elevada cncentraçã de micralgas e cianbactérias que utiliza a técnica da filtraçã direta cm prcess de ptabilizaçã, prduzind água filtrada cndizente cm padrã de ptabilidade estabelecids pela Prtaria 518/GM d Ministéri da Saúde. ABSTRACT The present wrk aims at investigating the perfrmance f znatin and chlrinatin used in the pre-xidatin f water with high micralgae and cyanbacteria cncentratin t be submitted t dwnflw direct filtratin fllwed by chlrine disinfectin, and evaluating the quality f the water prduced, especially with regard t phytplanktn remval, trihalmethane frmatin, and txiclgical tests. The pilt scale tests carried utwith the pre-znatin exhibited better results when cmpared t the results frm the pre-chlrinatin tests. As t the trihalmethanes, fr example, the applicatin f pre-znatin with 2 mgo 3 reduced in 5% the frmatin f these cmpunds whencmpared t the applicatin f pre-chlrinatin. The applicatin f znatin was shwn t be an excellent alternative fr pre-treating water with high cncentratin f micralgae and cyanbacteria when using the direct fi ltratin technique fr prducing water that cmplies with the drinking water standards established by Prtaria GM /3/24 f the Brazilian Health Department (Ministéri da Saúde). PALAVRAS-CHAVE: Tratament de água, filtraçã direta, pré-znizaçã, cianbactérias, trialmetans INTRODUÇÃO Muitas estações de tratament de água (ETA) apresentam, atualmente, séris prblemas peracinais decrrentes de inadequadas tecnlgias de tratament às características d manancial de água explrad. A causa dessa inadequabilidade se deve à falta de um prévi mnitrament da qualidade da água d manancial, antes da elabraçã d prjet, u pela falta de prteçã d manancial, pssibilitand assim ações que mdifiquem suas características. Além d prblema anterirmente mencinad, s prcesss cnvencinais de tratament nã sã capazes de remver traçs de micrpluentes, de rigem química u bilógica, que pdem causar diversas denças crônicas se ingeridas pr lng temp. Tal limitaçã deveria brigar que a captaçã da água fsse realizada em mananciais isents desses micrpluentes u, ns cass em que iss KEYWORDS: Water treatment, direct fi ltratin, pre-znatin, cyanbacteria, trihalmethanes. nã seja pssível, métds de tratament mais avançads devem ser aplicads. N Brasil, a presença, em seus mananciais, de micralgas e cianbactérias é um grave prblema enfrentad pelas ETAs que utilizam a tecnlgia de tratament cnvencinal u Filtraçã Direta. Ou seja, dependend da espécie e d númer de indivídus, há a reduçã da duraçã das carreiras de filtraçã, cmprmetend seriamente a qualidade da água prduzida, principalmente devid Eng. sanit. ambient. 337 Vl.11 - Nº 4 - ut/dez 26,

2 Mndard, R. I.; Sens, M. L.; Mel Filh, L. C. Artig Técnic à liberaçã de metabólics. Atualmente, sã cnhecids aprximadamente 15 gêners de cianbactérias, send que cerca de 46 espécies já fram identificadas cm ptencialmente tóxicas a vertebrads. (Cunha et al, 23). A pré-clraçã é uma prática realizada em muits sistemas de tratament de água visand à remçã/inativaçã de micralgas e cianbactérias. Entretant, alguns prblemas fram bservads na utilizaçã desse pré-tratament em mananciais cm elevadas cncentrações de fitplânctn, sbretud a frmaçã de subprduts clrads, cm pr exempl, s trialmetans (THM), s quais, segund Maced et al (1995), sã cnsiderads carcingênics, e da liberaçã de metabólics, que pdem ser ptencialmente tóxics. O zôni tem sid utilizad extensivamente cm xidante e desinfetante em tratament de águas superficiais para a prduçã de água ptável na Eurpa e está cada vez mais, send aplicad cm pré-xidante ns Estads Unids. O presente trabalh tem cm bjetiv investigar desempenh d zôni e d clr, utilizads na pré-xidaçã de água, cm elevada cncentraçã de micralgas e cianbactérias, a ser submetida à tecnlgia da Filtraçã Direta Descendente, seguida de desinfecçã pr clr para avaliar a qualidade da água após tratament cmplet, principalmente, n que se refere à frmaçã de THM. METODOLOGIA As investigações experimentais fram realizadas n Labratóri de Águas da Laga d Peri (L.A.L.P.), situad na estaçã de tratament de água da Cmpanhia Catarinense de Águas e Saneament (CASAN), send cnduzidas em três etapas: caracterizaçã da água d manancial; ensais em bancada bjetivand as dsagens ótimas ds préxidantes estudads (clr e zôni), cagulante e ph de cagulaçã; ensais em pilt cntínu utilizand as dsagens ótimas, anterirmente, determinadas. Descriçã d sistema pilt O sistema pilt fi alimentad pr gravidade, cm água natural da Laga d Peri. Inicialmente, a água bruta era direcinada para uma câmara de carga de nível cnstante, dtada de um rifíci calibrad de md a frnecer uma vazã de 4 L/h para as unidades de pré-xidaçã. Registrs permitiam a alternância entre as unidades de préclraçã e pré-znizaçã. Pré-clraçã: baseada ns ensais de bancada, a pré-clraçã fi realizada cm as dsagens de 2,5; 3, e 3,5 mg de clr, num temp de cntad aprximad de 5 minuts, btid através de um reatr frmad pr mangueira de 4 mm e 5 metrs de cmpriment. Pré-znizaçã: de acrd cm s ensais de bancada, a pré-znizaçã fi realizada cm as dsagens de 1,5; 2, e 2,5 mg de zôni. O gás cntend zôni era prduzid pr um znizadr de labratóri (mdel LABO-6LO/, cm capacidade média de prduçã de 22g O 3 /hra) e transferid para a massa líquida numa cluna clássica de blhas, através de difusres prss situads na base da cluna, frmand um sistema de cntat gáslíquid d tip cntra crrente. As cncentrações de zôni fram determinadas pel Métd Idmétric, e a eficiência de transferência fram btidas pela diferença entre as cncentrações de zôni na aplicaçã (feed-gás) e na saída da cluna (ff-gás). Mistura Rápida: a água pré-xidada fi recalcada pr bmba centrífuga (1/2 CV) até uma segunda câmara de carga de nível cnstante, dtada de um rifíci calibrad de md a frnecer uma vazã de 317 L/h para a unidade de mistura rápida. A mistura rápida era feita numa pequena câmara, nde as sluções de sulfat de alumíni (2%) e óxid de cálci (,2%) fram aplicadas, através de bmbas dsadras, em cncentrações determinadas ns ensais de bancada. A dispersã das sluções era feita pr um agitadr mecânic, dtad de cntrle eletrônic de rtaçã e paletas recambiáveis, cm gradiente (G) de 12 s -1. Filtraçã Direta: após receber a adiçã de cagulante, a água passava pr um filtr de flux descendente, cnstruíd em aç inxidável, cm seçã quadrada de 2cm de lad. O material filtrante granular era frmad de camada única de antracit cm 1,43m de espessura (diâmetr ds grãs: 3, mm / ceficiente de desunifrmidade CD = 1,1), e camada suprte de 35cm de espessura cm grãs de diâmetr, variand entre 1,6 a 19 mm. A taxa de filtraçã era cnstante, na rdem de 2 m 3 /m 2.dia, e a carga hidráulica variável. A Figura 1 que apresenta esquema geral da instalaçã experimental cnstruída n L.A.L.P., cmpsta das unidades de pré-xidaçã (clraçã e znizaçã) e filtraçã direta descendente. Parâmetrs de cntrle Amstras de água filtrada fram cletadas após 4 hras de peraçã d tratament e respeitand-se a prduçã de água cm turbidez inferir a 1, ut. Alguns ensais sem pré-xidaçã fram realizads para efeit de cmparaçã. Após a filtraçã, as amstras recebiam a adiçã de 1, mg clr ativ (hipclrit de sódi), cm temp de cntat de 3 minuts para simular a etapa de desinfecçã, send psterirmente analisadas, segund s seguintes parâmetrs de cntrle: ph (phmetr HACH); cr aparente, THM (analisad após 24 hras de cntat - espectrftômetr HACH 21); clrfila a /métd de NUSCH (espectrftômetr DR/4 HACH); fitplânctn (micrscópi invertid); turbidez (turbidímetr HACH 21P); temperatura (termômetr de mercúri); txicidade Cmpsts Halgenads Multagênics (gentxicidade avaliada através da frmaçã de micrnúcles em células de peixes expsts às águas prduzidas micrscpia óptica). Os ensais fram realizads em triplicatas e, a partir ds valres e das médias, fram cnstruíds s gráfics e as tabelas. RESULTADOS E DISCUSSÕES Qualidade da água da Laga d Peri A água da Laga d Peri apresentu uma certa regularidade entre s parâmetrs bservads durante períd de mnitrament (abril de 22 a març de 23). As variações mais significativas acnteceram na turbidez, ph, cr e rganisms fitplanctônics, sbretud a partir de utubr, que causu dificuldades peracinais na estaçã da Laga d Peri. A Tabela 1 apresenta s valres médis ds parâmetrs analisads n períd de mnitrament da qualidade das águas da Laga d Peri. Eng. sanit. ambient. 338 Vl.11 - Nº 4 - ut/dez 26,

3 bar Alta tensã perig de mrte W Chave de cntrle de A pré-xidaçã na remçã de cianbactérias Chegada da água bruta. Câmara de carga de nível cnstante Pré - Clraçã Pnt de aplicaçã de clr bmba dsadra Mistura Rápida Agitadr mecânic Câmara de carga de nível cnstante Orifíci (317L/h) bmbas dsadras Sluçã de Cal Sluçã de Sulfat de Alumíni. Artig Técnic Oxigêni Orifíci Sluçã de (4L/h) Clr trailigaz rtâmetr Frascs cm KI Geradr de Ozôni Reatr de Cntat para Clr Saída para atmsfera Frascs cm KI Cluna de blhas (reatr de transferência de zôni) recirculaçã Água préxidada bmba centrífuga Água filtrada retrlavagem Mei Filtrante Carvã Filtraçã Direta Descendente Pré - Oznizaçã Pnt de aplicaçã de O 3 bmba centrífuga Figura 1 - Esquema geral d Sistema Pilt de Tratament Parâmetr Valr Valr Parâmetr Valr Valr mínim máxim mínim máxim Alcalinidade (mg CaCO 3 ) 6,2 11, Nitrat (mg NO 3- ),17,8 Clrets (mg Cl - ) 11,4 22, Nitrgêni (mg NH 4 ),1,16 Clrfila-a (µg) 2,75 41,39 Ortfsfat (mg PO 4 3- ),2,7 Cndutividade (µs/cm) 5 8 Oxigêni Disslvid (mg) 6,44 9,8 Cr aparente (uh) 5 85 ph 6,2 7,14 Cr verdadeira (uh) 3 1 Temperatura ( C) 23, 31, COT (mg) 5,5 7,1 Trialmetans (µg) Dureza ttal (mg CaCO 3 ) 6,5 13,6 Turbidez (ut) 3,2 7,8 Fitplânctn Ttal (Indivídus/mL) (mm 3 ) Tabela 1 Característica da água bruta durante períd da investigaçã experimental , ,35 Eng. sanit. ambient. 339 Vl.11 - Nº 4 - ut/dez 26,

4 Mndard, R. I.; Sens, M. L.; Mel Filh, L. C. Artig Técnic As espécies dminantes de fitplânctn na Laga d Peri, n períd de mnitrament, fram Cylindrspermpsis racibrskii e Pseudanabaena galeata (cianbactérias filamentsas), prdutras de hepatxinas e neurtxinas, txinas estas que causam intxicações agudas e crônicas, atingind as células d fígad e Sistema Neurmuscular, pdend levar à mrte de animais em minuts, hras e dias. De acrd cm bservad nas mstras analisadas, a espécie Cylindrspermpsis racibrskii, dminante na mair parte d an, é limitada pelas baixas temperaturas. A queda da sua densidade favrece cresciment de Pseudanabaena sp., suas prváveis cmpetidras. As cianbactérias encntradas nas águas da Laga d Peri sã ptencialmente tóxicas e pdem representar séris riscs à saúde d ser human. A distribuiçã d fitplânctn na água bruta da Laga d Peri é facilmente bservada, n gráfic apresentad, na Figura 2. Ensais realizads n sistema pilt cm escament cntínu De psse ds resultads ds ensais de bancada que determinaram as dsagens de 2mg de sulfat de alumíni para s ensais feits cm a pré-znizaçã, e 3 mg para s ensais cm a pré-clraçã (dsagens adquiridas através da cnstruçã d diagrama de cagulaçã, de frma a manter mesm padrã de qualidade da água) e as dsagens adequadas ds xidantes investigads (clr e zôni), fram realizads s ensais cm escament cntínu n Sistema Pilt. O sistema de tratament era cmpst das etapas de pré-xidaçã, cagulaçã, filtraçã de escament descendente e desinfecçã pr clr. A Tabela 2 apresenta s valres médis ds ensais realizads cm pré-znizaçã e préclraçã n sistema pilt de filtraçã direta descendente. As águas submetidas a pré-tratament cm zôni apresentaram melhr qualidade em cmparaçã às águas ds ensais que utilizaram a préclraçã. Em relaçã à reduçã da cncentraçã de clrfila a e fitplânctn, pr exempl, a pré-znizaçã realizada cm a dsagem de 2, mgo 3 prduziu água, após tratament cmplet, cm cncentraçã de clrfila a nã detectada pel métd analític utiliza- Bivlume(mm 3 ) Mar/1 Abr/1 Mai/1 Cylindrspermpsis racibrskii Pseudanabaena sp Jun/1 Jul/1 A g/1 Set/1 Out/1 Nv/1 Dez/1 Jan/2 Data - mês/an Fev/2 Mar/2 Abr/2 Pseudanabaena galeata Fitplânctn Ttal M ai/2 Jun/2 Jul/2 A g/2 Set/2 Out/2 Nv/2 Dez/2 Jan/3 Fev/3 M ar/3 Figura 2 - Distribuiçã d Fitplânctn (Bivlume) na água da Laga d Peri durante mnitrament març de 21 a març de 23 d, e densidade de fitplânctn inferir a 6 Ind./mL u,4 mm 3 Desempenh ds préxidantes em relaçã à remçã de fitplânctn Os resultads demnstraram que a realizaçã da pré-znizaçã cm as dsagens de zôni, utilizadas nesta pesquisa (1,5; 2,; 2,5 mgo 3 ), remveu fitplânctn presente nas amstras da água bruta, em mais de 99%, superand em muit a pré-clraçã, que cm a dsagem de 2,5mgCl 2 nã alcançu 55% de remçã. Observa-se também que númer de fitplânctn é menr ns ensais, nde nã fi feita a pré-xidaçã quand cmparad as ensais cm a pré-clraçã. Tal resultad pde ser explicad pr uma pssível interferência d clr n mecanism de cagulaçã-química, prejudicand, assim, a remçã de fitplânctn n prcess de clarificaçã da água. A Figura 3 apresenta gráfic de remçã de fitplânctn ds ensais realizads cm e sem pré-xidaçã para s dis xidantes investigads. Desempenh ds préxidantes em relaçã à remçã de trialmetans A Figura 4 apresenta s resultads da cncentraçã de trialmetans ds ensais, utilizand s dis xidantes investigads, cm e sem desinfecçã após tratament cmplet. Os resultads mstraram que as águas d manancial apresentavam níveis significativs de THM, send ist bastante curis, já que esses cmpsts raramente existem, de frma natural, nas águas superficiais, pis sã frmads geralmente n tratament após a clraçã das águas. Os precursres de THM aparecem na água bruta devid à decmpsiçã d material vegetal existente ns leits de ris e lags, send mais abundantes em mananciais prtegids e que pssuem mair quantidade de vegetaçã em suas margens. (Maced et al, 1995). E, segund Fnseca (1991), a cncentraçã de ín clret (Cl - ), em lagas csteiras, é influenciada frtemente pels aerssóis marinhs, send que a sua intensidade depende da distância d mar. A Laga d Peri está lcalizada em uma área de preservaçã (Parque Municipal da Laga d Peri), recebend aprte de material vegetal prveniente da mata que a rdeia e, pr sua grande prximidade d mar, é influenciada predminantemente pr vents marinhs. Acredita-se que tais situações justifiquem a cncentraçã de THM, encntrada nas águas d manancial. N Brasil, a Prtaria n 518 (Ministéri da Saúde) estabelece valr máxim permitid para a cncentraçã de THM em 1µg. Essa legislaçã ressalta ainda que esse valr pderá ser revist, em funçã de estuds txiclógics, que ainda estã em períd de cnclusã. Em 1998, a EPA reduziu em 2% s valres precnizads para THM, passand para 8 µg, cm cncentraçã máxima aceitável. Segund Ferreira Filh (21), espera-se uma reduçã futura para 4 µg. O desempenh ds ensais realizads cm pré-znizaçã em relaçã à Eng. sanit. ambient. 34 Vl.11 - Nº 4 - ut/dez 26,

5 A pré-xidaçã na remçã de cianbactérias Cndições de cagulaçã parâmetrs Água Bruta Tabela 2 - Qualidade da água bruta e tratada precedida de xidaçã Pré-Tratament: Oznizaçã Dsagem Al2(SO 4 ) 3 = 2mg ph de Cagulaçã = 5,5 a 5,8 Água cm Água cm 1,5mgO 3 2,mgO 3 Água cm 2,5mgO 3 Água Bruta Pré- Tratament: Clraçã Dsagem Al 2 (SO 4 ) 3 = 3mg ph de Cagulaçã = 5,5 a 5,84 Água cm Água cm Água cm 2,5mgCl 2 3,mgCl 2 3,5mgCl 2 Cr Aparente (uh) Turbidez (ut) 6,,44,26,4 4,93,86,78,68 TTHMs (µg) Clrfila a (µg) 4,88 2,94 ND ND 36,77 4,4 3,73 3,3 Fitplânctn: (Ind/mL) (mm 3 ) , ,27 572,4 645, , , , ,6 Artig Técnic ND: Nã Detectad Fitplânctn na Água Bruta Fitplânctn ns Ensais sem Pré-xidaçã Fitplânctn ns Ensais cm Pré-xidaçã Remçã de Fitplânctn cm Pré-xidaçã (%) Indivídus x 1 5 /ml 3 2,5 2 1,5 1, ,7 99,5 1,5 2, 2,5 2,5 3, 3,5 mgo 3 mgcl 2 Pré-znizaçã Ensais Figura 3 - Remçã de fitplânctn cm e sem pré-xidaçã Pré-clraçã Remçã (%) THMs Água Bruta THMs Água ds Ensais cm Pré-xidaçã sem desinfecçã THMs Água ds Ensais cm Pré-xidaçã cm desinfecçã cm Cl Cncentraçã de THM (µg) ,5 2, 2,5 2,5 3, 3,5 mgo 3 mgci 2 Pré-znizaçã Pré-clraçã Ensais Figura 4 - Cncentraçã de trialmetans ds ensais cm e sem pós-clraçã (desinfecçã) Eng. sanit. ambient. 341 Vl.11 - Nº 4 - ut/dez 26,

6 Mndard, R. I.; Sens, M. L.; Mel Filh, L. C. Artig Técnic frmaçã de trialmetans fi superir as ensais cm pré-clraçã, send que para tdas as dsagens de zôni a cncentraçã de THM, após tratament cmplet (pré-xidaçã cagulaçã filtraçã desinfecçã final cm clr), fi inferir a 4µg, que vem a encntr das tendências nrmativas futuras para tal cmpst. Quand a pré-xidaçã e a desinfecçã final sã feitas smente cm clr, a cncentraçã de THM aumenta significativamente, mesm para dses de clr na rdem de 3, a 3,5 mg, alcançand valres superires a 98µg. Os resultads também demnstraram que s ensais cm pré-znizaçã e sem a realizaçã da clraçã na etapa da desinfecçã btiveram uma menr cncentraçã de THM, valres inferires a 12µg, bem menres que as cncentrações ds mesms ensais realizads cm a etapa de desinfecçã, que mstra a imprtância d clr na frmaçã ds trialmetans. Avaliaçã da atividade gentóxica ds cmpsts frmads após a desinfecçã Das técnicas citgenéticas dispníveis, teste d micrnúcle tem sid bastante utilizad, cm um teste primári para a detecçã de gentxicidade n ambiente aquátic. (Vernier,1997). Os resultads btids nas análises citlógicas, que avaliaram a freqüência de micrnúcles ns peixes expsts às águas estudadas, mstram que nã huve frmaçã de micrnúcles ns peixes expsts à água bruta, à água após tratament cmplet sem pré-xidaçã (branc) e à água após tratament cmplet cm pré-znizaçã. N entant, s peixes mantids nas amstras de água prduzidas, ns ensais cm pré-clraçã, apresentaram frmaçã de micrnúcles, principalmente ns ensais que utilizaram a dsagem de 3,5 mgcl 2. A presença de micrnúcles pde ser cnsiderada cm uma indicaçã de crrência prévia de aberrações crmssômicas estruturais u numéricas, em algum mment d cicl de vida das células ds peixes utilizads ns testes realizads cm a água pré-clrada após tratament cmplet. A Figura 5 apresenta a frmaçã de micrnúcles encntrads nas amstras pré-clradas. CONCLUSÕES Cm base na pesquisa realizada, cncluiu-se que: A znizaçã utilizada cm prétratament à filtraçã direta descendente prprcinu melhres resultads de remçã de turbidez, cr aparente, clrfila a, númers de fitplânctn e menr frmaçã de THM, cmparads as resultads ds ensais cm empreg da pré-clraçã, send que para tds esses parâmetrs a água prduzida esteve cm cncentrações abaix das estabelecidas pela Prtaria 518. (Ministéri da Saúde, 24). Na avaliaçã da atividade gentóxica ds cmpsts frmads após a etapa de desinfecçã, s testes demnstraram que huve frmaçã de micrnúcles apenas ns peixes submetids à água pré-clrada, pdend indicar a crrência de aberrações crmssômicas estruturais nas células ds peixes, prvcadas pels cmpsts frmads na pré-clraçã. A znizaçã demnstru ser uma excelente alternativa para pré-tratament de água cm elevadas cncentrações de micralgas e cianbactérias que utiliza a técnica da Filtraçã Direta Descendente, prduzind água cndizente a padrã de ptabilidade. Essa cmbinaçã de prcesss também se mstru bastante eficiente em relaçã à cncentraçã de THM, mesm após desinfecçã pr clr, apresentand valres inferires à tendência nrmativa futura para s referids cmpsts. Entretant, a cmbinaçã que empregu a pré-claraçã prduziu água cm cncentraçã de THM n limite da Prtaria 518. (Ministéri da Saúde 24). REFERÊNCIAS BRASIL, 24. Prtaria n 518 de 25 de març de 24 d Ministéri da Saúde. Estabelece prcediments e respnsabilidades relativs a cntrle e vigilância da qualidade da água para cnsum human e seu padrã de ptabilidade, e das utras prvidências. In: Diári Oficial da Uniã, n.59, p , Seçã I. 26 de març 24. CUNHA, N. T. et al. Registr de txinas paralisantes prduzidas pr Cylindrspermpsis racibrskii na regiã sul d Brasil. In: 2º Simpósi Brasileir de Engenharia Ambiental, Itajaí, Santa Catarina. Anais...Itajaí, CD-ROM. 23. DI BERNADO, L. Algas e suas Influências na qualidade das águas e nas tecnlgias de tratament. ABES, Ri de Janeir, 127p FERREIRA FILHO, S.S. Remçã de cmpsts rgânics precursres de subprduts da desinfecçã e seu impact na frmaçã de trihalmetans em águas de abasteciment. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, v.6, n1 e 2, p. 53-6, Jan/Junh 21. FONSECA, O. J. M. Aspect limnlógics d lag Embaba, planície csteira setentrinal d ri Grande d Sul : mrfmetria, hidrquímica e degradaçã de Scircus califrnicus (C.A.MEYER) Stud. Tese (Dutrad em Ciências Bilógicas). Universidade Federal de Sã Carls. Prgrama de Pós Graduaçã em Eclgia e Recurss Naturais. Sã Carls, 247p MACEDO, J. A. B., ANDRADE, N.J. Frmaçã de Trihalmetans em águas clradas para abasteciment públic e indústria de aliments. In: 13º CONGRESSO NACIONAL DE LATICÍNIOS, Juiz de Fra, Anais... Juiz de Fra MG: Centr de Pesquisa e Ensin Institut Cândid Tstes, p. p.45-48, MONDARDO, R. I. Influência da Pré-xidaçã na Tratabilidade das Águas Via Filtraçã Direta Descendente em Manancial cm elevadas Cncentrações de Micralgas e Cianbactérias. Dissertaçã (Mestrad em Engenharia Ambiental). Universidade Federal de Santa Catarina. Prgrama de Pós-Graduaçã em Engenharia Ambiental. Flrianóplis. 147p. 24. VERNIER, P. Detectin f micrnuclei in gill cells and hemcystes f mussels expsed t benzpirene. Mutatin Research, v.39, p , Endereç para crrespndência: Figura 5 - (a) eritrócit nrmal e (b) eritrócit micrnuclead Renata Iza Mndard Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Campus Universitári - Trindade Flrianóplis - SC - Brasil Tel.: (48) Eng. sanit. ambient. 342 Vl.11 - Nº 4 - ut/dez 26,

Guia Boas Práticas. Turismo de Habitação e Turismo no Espaço Rural

Guia Boas Práticas. Turismo de Habitação e Turismo no Espaço Rural Guia Bas Práticas Turism de Habitaçã e Turism n Espaç Rural Guia de Bas Práticas de Turism de Habitaçã e Turism n Espaç Rural 2 1. Índice 2. Siglas 3. Definições 4. Intrduçã 4.1. Objetivs 4.2. Destinatáris

Leia mais

Soluções de Maior Desempenho e de Menor Custo com o IBM InfoSphere Warehouse V10 Guia da Solução IBM Redbooks

Soluções de Maior Desempenho e de Menor Custo com o IBM InfoSphere Warehouse V10 Guia da Solução IBM Redbooks Sluções de Mair Desempenh e de Menr Cust cm IBM InfSphere Warehuse V10 Guia da Sluçã IBM Redbks O acess a infrmações precisas e em temp hábil é fundamental para as empresas que querem melhr atender as

Leia mais

Estou com febre? Triiiimmm!! Toca o despertador, é hora de. acordar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa.

Estou com febre? Triiiimmm!! Toca o despertador, é hora de. acordar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa. Estu cm febre? Triiiimmm!! Tca despertadr, é hra de acrdar. Alberta rapidamente levanta e se prepara para sair de casa. - Vams, Gaspar, que já está na hra! Vcê vai se atrasar! Gaspar se mve na cama, afundand

Leia mais

UNIFAMMA - UNIÃO DAS FACULDADES METROPOLITANAS DE MARINGÁ PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA

UNIFAMMA - UNIÃO DAS FACULDADES METROPOLITANAS DE MARINGÁ PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA UNIFAMMA - UNIÃO DAS FACULDADES METROPOLITANAS DE MARINGÁ PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Gestã: Aleksandr Mntanha períd: 1 semestre de 2010 I. Intrduçã: Resum Executiv O plan

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POTABILIDADE DAS ÁGUAS PLUVIAIS UTILIZADAS PARA O CONSUMO HUMANO NA COMUNIDADE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA DO JANDIRA, IRANDUBA-AM.

AVALIAÇÃO DA POTABILIDADE DAS ÁGUAS PLUVIAIS UTILIZADAS PARA O CONSUMO HUMANO NA COMUNIDADE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA DO JANDIRA, IRANDUBA-AM. AVALIAÇÃO DA POTABILIDADE DAS ÁGUAS PLUVIAIS UTILIZADAS PARA O CONSUMO HUMANO NA COMUNIDADE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA DO JANDIRA, IRANDUBA-AM. Antonio Luiz Menezes de Andrade 1 RESUMO - A água constitui

Leia mais

Implantação de Rede CAD/CAMlDNC em uma Indústria no Rio de Janeiro

Implantação de Rede CAD/CAMlDNC em uma Indústria no Rio de Janeiro PRODUÇÃO Implantaçã de Rede CAD/CAMlDNC em uma Indústria n Ri de Janeir Heitr Mansur Caulliraux Almaisa Mnteir Suza Miriam Izu Grup de Prduçã Integrada COPPEfUFRJ Prgrama de Engenharia de Prduçã Cidade

Leia mais

INTEROPERABILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA ADESÃO À iap - PLATAFORMA DE INTEROPERABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

INTEROPERABILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA ADESÃO À iap - PLATAFORMA DE INTEROPERABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INTEROPERABILIDADE NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA ADESÃO À iap - PLATAFORMA DE INTEROPERABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA versã 3.0 Març de 2011 Agência para a Mdernizaçã Administrativa,

Leia mais

Uma parcela significativa das

Uma parcela significativa das José Roberto Guimarães e Edson Aparecido Abdul Nour Neste artigo é descrita a situação atual de tratamento de águas residuárias no Brasil, bem como os principais processos de tratamento. São discutidos

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM AS NOVAS DIRETRIZES NACIONAIS? Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM AS NOVAS DIRETRIZES NACIONAIS? Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com. O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE PROPÕEM AS NOVAS DIRETRIZES NACIONAIS? Zilma de Mraes Rams de Oliveira zilmaliveira@ul.cm.br 1. APRESENTAÇÃO Uma cisa é certa: a Educaçã Infantil está em grande

Leia mais

unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ

unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ unesp Universidade Estadual Paulista FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ Um Sistema para o Cálculo da Resistência Mecânica de Materiais Frágeis pelo Uso do Método Estatístico de Weibull ANDRE LUIS

Leia mais

1 Visão Geral da ENEVA

1 Visão Geral da ENEVA Dezembr, 2014 1 Visã Geral da ENEVA Visã geral da ENEVA Uma das maires geradras privadas de energia n Brasil A ENEVA atualmente pera 2,4GW em térmicas a carvã e gás natural Platafrma integrada de energia,

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 4. ABASTECIMENTO DE ÁGUA 4.1 Usos da água São os seguintes os principais usos da água: - abastecimento doméstico; - bastecimento industrial; - irrigação; - dessedentação de animais; - aquicultura; - preservação

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA CONTAMINAÇÃO POR METAIS PESADOS EM

DIAGNÓSTICO DA CONTAMINAÇÃO POR METAIS PESADOS EM DIAGNÓSTICO DA CONTAMINAÇÃO POR METAIS PESADOS EM SANTO AMARO BA STUDY OF THE CASE OF HEAVY METAL CONTAMINATION IN SANTO AMARO - BA SANDRO LEMOS MACHADO Engenheiro Civil, Doutor em Geotecnia Professor

Leia mais

ALGAS E SEUS IMPACTOS EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO: ESTUDO DE CASO SISTEMA GUARAPIRANGA

ALGAS E SEUS IMPACTOS EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO: ESTUDO DE CASO SISTEMA GUARAPIRANGA ALGAS E SEUS IMPACTOS EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO: ESTUDO DE CASO SISTEMA GUARAPIRANGA DANIEL BROOKE DANIEL RIBEIRO LUANA RODRIGUES MICHELLE CAMPOS RICARDO MENDES Universidade

Leia mais

Veja as situações de doença aguda que o faz ir com mais frequência ao Centro de Saúde,

Veja as situações de doença aguda que o faz ir com mais frequência ao Centro de Saúde, Veja as situações de dença aguda que faz ir cm mais frequência a Centr de Saúde, Cuidads a ter em casa Quais s sintmas de alerta que devem fazer ir a Médic de Se tem tsse, nariz entupid, espirrs e/u ping

Leia mais

Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA)

Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA) 1019 Qualidade da água do manancial subterrâneo em áreas urbanas de Feira de Santana (BA) Groundwater quality in urban areas of Feira de Santana, State of Bahia Rita de Cássia Assis da Silva 1 Tânia Maria

Leia mais

8 TRATAMENTODEODORESEMSISTEMASDEESGOTOS SANITÁRIOS

8 TRATAMENTODEODORESEMSISTEMASDEESGOTOS SANITÁRIOS 1 8 TRATAMENTODEODORESEMSISTEMASDEESGOTOS SANITÁRIOS Paulo Belli Filho, Rejane Helena Ribeiro da Costa, Ricardo Franci Gonçalves, Bruno Coraucci Filho, Henrique de Melo Lisboa 8.1 ODOR EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO

Leia mais

SISTEMA HIDRÁULICO PARA POSSIBILITAR A RECUPERAÇÃO DE RESERVATÓRIOS ELEVADOS SEM INTERRUPÇÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA DOS CONSUMIDORES.

SISTEMA HIDRÁULICO PARA POSSIBILITAR A RECUPERAÇÃO DE RESERVATÓRIOS ELEVADOS SEM INTERRUPÇÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA DOS CONSUMIDORES. SISTEMA HIDRÁULICO PARA POSSIBILITAR A RECUPERAÇÃO DE RESERVATÓRIOS ELEVADOS SEM INTERRUPÇÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA DOS CONSUMIDORES. Luiz Carlos Alves de Souza 1 Resumo - Os reservatórios elevados constituem-se

Leia mais

Potencial de Reuso de Água no Brasil Agricultura, Industria, Municípios, Recarga de Aqüíferos

Potencial de Reuso de Água no Brasil Agricultura, Industria, Municípios, Recarga de Aqüíferos Potencial de Reuso de Água no Brasil Agricultura, Industria, Municípios, Recarga de Aqüíferos Ivanildo Hespanhol USP São Paulo - ivanhes@usp.br Artigo convidado. Aprovado em setembro. RESUMO Nas regiões

Leia mais

PoD APLICADO À SIGNIFICÂNCIA DE DESCONTINUIDADES PELA TÉCNICA ULTRASSÔNICA. Pablo Uchôa Bartholo

PoD APLICADO À SIGNIFICÂNCIA DE DESCONTINUIDADES PELA TÉCNICA ULTRASSÔNICA. Pablo Uchôa Bartholo PoD APLICADO À SIGNIFICÂNCIA DE DESCONTINUIDADES PELA TÉCNICA ULTRASSÔNICA Pablo Uchôa Bartholo Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Materiais,

Leia mais

A d e u s C o n f l i t o, Bem-vindo Desenvolvimento

A d e u s C o n f l i t o, Bem-vindo Desenvolvimento IV GOVERNO CONSTITUCIONAL A d e u s C n f l i t, Bem-vind Desenvlviment Retrat da Gvernaçã d Mandat da AMP (2007-2012) INDICE Intrduçã Cnslidar a Paz e a Estabilidade Nacinal Garantind a Paz e a Segurança

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 10

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 10 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 10 OXIGÊNIO DISSOLVIDO E MATÉRIA ORGÂNICA EM ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 10 - OXIGÊNIO DISSOLVIDO E MATÉRIA ORGÂNICA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO CONAMA DAS LIMITAÇÕES DE USO DA ÁGUA SUPERFICIAL DA LAGOA MAIOR, TRÊS LAGOAS/MS

CLASSIFICAÇÃO CONAMA DAS LIMITAÇÕES DE USO DA ÁGUA SUPERFICIAL DA LAGOA MAIOR, TRÊS LAGOAS/MS CLASSIFICAÇÃO CONAMA DAS LIMITAÇÕES DE USO DA ÁGUA SUPERFICIAL DA LAGOA MAIOR, TRÊS Denivaldo Ferreira de Souza Universidade Federal de Mato Grosso do Sul deny1609@gmail.com André Luiz Pinto Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL RENÁ PORTO PIZETTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL RENÁ PORTO PIZETTA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL RENÁ PORTO PIZETTA DETERMINAÇÃO DA MELHOR METODOLOGIA DE UTILIZAÇÃO DE UM APARELHO RESISTIVO MEDIDOR

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10. Manuseio Armazenagem Abastecimento

MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10. Manuseio Armazenagem Abastecimento MANUAL TÉCNICO DIESEL S-10 Manuseio Armazenagem Abastecimento O novo óleo Diesel S-10 da Petrobras, disponível a partir de janeiro de 2013, com teor máximo de enxofre de 10mg/kg (ppm = partes por milhão)

Leia mais

EROSÃO HÍDRICA EM POVOAMENTO DE EUCALIPTO SOBRE SOLOS COESOS NOS TABULEIROS COSTEIROS, ES SÉRGIO GUALBERTO MARTINS

EROSÃO HÍDRICA EM POVOAMENTO DE EUCALIPTO SOBRE SOLOS COESOS NOS TABULEIROS COSTEIROS, ES SÉRGIO GUALBERTO MARTINS EROSÃO HÍDRICA EM POVOAMENTO DE EUCALIPTO SOBRE SOLOS COESOS NOS TABULEIROS COSTEIROS, ES SÉRGIO GUALBERTO MARTINS 2005 SÉRGIO GUALBERTO MARTINS EROSÃO HÍDRICA EM POVOAMENTO DE EUCALIPTO SOBRE SOLOS COESOS

Leia mais

Avaliação da qualidade do saneamento básico na cidade de Itajuípe e seus impactos sobre o meio ambiente: um estudo de caso

Avaliação da qualidade do saneamento básico na cidade de Itajuípe e seus impactos sobre o meio ambiente: um estudo de caso Avaliação da qualidade do saneamento básico na cidade de Itajuípe e seus impactos sobre o meio ambiente: um estudo de caso Gustavo Joaquim Lisboa 1 Mônica de Moura Pires 2 Resumo Neste artigo procura-se

Leia mais

5 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS POR LODOS ATIVADOS

5 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS POR LODOS ATIVADOS 5 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS POR LODOS ATIVADOS Marcos von Sperling, Adrianus C. van Haandel, Eduardo Pacheco Jordão, José Roberto Campos, Luiz Fernando Cybis, Miguel Mansur Aisse,

Leia mais

Água. Um recurso cada vez mais ameaçado

Água. Um recurso cada vez mais ameaçado Água 25 Água Um recurso cada vez mais ameaçado A água é um recurso natural essencial para a sobrevivência de todas as espécies que habitam a Terra. No organismo humano a água atua, entre outras funções,

Leia mais

POLUIÇÃO DO AR POR FONTES FIXAS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

POLUIÇÃO DO AR POR FONTES FIXAS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS POLUIÇÃO DO AR POR FONTES FIXAS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS Frederico Cavadas Barcellos (fredcavadas@ibge.gov.br) Rosane de Andrade Moreno (ramm.@ibge.gov.br) Luiz Carlos Dutra da Silva (luizsilva@ibge.gov.br)

Leia mais