[Capa] Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[Capa] Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley"

Transcrição

1 [Capa] 1

2 O presente estud fi desenvlvid pela Leadership Business Cnsulting para TICE.PT - Pól das Tecnlgias de, as quais se reservam s direits de autr. Tda e qualquer referência a este estud deve identificar quer estud quer s seus autres. Este estud enquadra-se n âmbit d Prjet de Diagnóstic, Recmendações e Plan de Açã sbre Refrç d Ecssistema de Api a Desenvlviment em Rede de Empresas de Base Tecnlógica. 2

3 Índice d Sumári Executiv 1. OBJETIVOS CARATERIZAÇÃO DO ECOSSISTEMA EMPREENDEDOR EM PORTUGAL CARATERIZAÇÃO DO ECOSSISTEMA EMPREENDEDOR DE SILICON VALLEY LIGAÇÕES INTERNACIONAIS A SILICON VALLEY LIGAÇÃO DE PORTUGAL A SILICON VALLEY SUMÁRIO DAS RECOMENDAÇÕES RECOMENDAÇÕES PARA A LIGAÇÃO A SILICON VALLEY RECOMENDAÇÕES PARA A EVOLUÇÃO DO ECOSSISTEMA EMPREENDEDOR EM PORTUGAL PLANO DE AÇÃO GLOSSÁRIO

4 1. Objetivs Este nã é um estud sbre empreendedrism em Prtugal, nem um plan de açã para empreendedrism em Prtugal. Tem uma visã mais fcada e parcial; respndend às questões: Cm pdems ligar melhr cm Silicn Valley para benefíci da ecnmia prtuguesa. Partind da melhr prática prprcinada pr Silicn Valley, cm devems melhrar ecssistema de empreendedrism em Prtugal. O fc d estud é saber cm devems frtalecer nss ecssistema empreendedr pr frma a melhr prmver a criaçã e cresciment de nvs prduts/ serviçs /empresas de TICE capazes de cmpetirem à escala glbal, i.e. cm melhr prmver a criaçã de nvas empresas TICE capazes de cmpetir a nível internacinal, de elevad ptencial de cresciment e de elevad impact ecnómic. 2. Caraterizaçã d Ecssistema Empreendedr em Prtugal Destacams duas cnclusões gerais: Pr um lad, uma evluçã muit psitiva d empreendedrism em Prtugal e, Pr utr lad, uma situaçã cmparativa ainda deficiente em relaçã à média eurpeia e americana. Evluçã Psitiva Em primeir lugar, deve-se registar a evluçã muit psitiva d empreendedrism em Prtugal ns últims ans, evidenciada pr estuds cmparativs, pela avaliaçã de agentes d sectr e champins. Esta evluçã está a ser refrçada pr váris fatres: A crise ecnómica predispõe mais pessas para empreender e arriscar; Aument significativ da qualidade ds licenciads, mestrads e dutrads em tdas as áreas, nmeadamente nas tecnlgias de infrmaçã, cmunicaçã e eletrónica, cm resultad d significativ aument da qualidade d ensin universitári ns últims ans; 4

5 Existência de uma infraestrutura tecnlógica nacinal muit evluída em terms mundiais, nmeadamente na internet de banda larga, redes inteligentes e redes energéticas, a preçs acessíveis, bem cm bm aprveitament da demcratizaçã d acess a sftware de desenvlviment e às TICE; Desenvlviment e crescente maturaçã ds váris agentes d ecssistema empreendedr, nmeadamente, business angels, capital de risc, empresas de grande dimensã, incubadras e aceleradras, assciações e universidades; Plíticas gvernamentais favráveis a desenvlviment d empreendedrism; Execuçã de ações estruturantes para financiament d ecssistema, cm a frmaçã da Prtugal Ventures, financiament alargad de Business Angels e a crescente abertura e prcura de financiament internacinal; Cnslidaçã de empresas tecnlógicas prtuguesas que credibilizam esfrç empreendedr e estimulam utrs a participar, nmeadamente, We D Cnsulting, Outsystems, Nvabase, Critical Sftware, NDrive, entre utras, incluind alguns exits de relev, cm a Chipideia, a Mbicm e a Enabler. O empreendedrism vive um mment de alguma eufria e até mitificaçã sbre as suas vantagens ptenciais para s jvens. Pr frma a assegurar um prgress sustentável e sem retrcesss imprta atuar sbre muitas das cndicinantes e limitações que ainda existem, cnfrme apntad a seguir. Situaçã Cmparativa Deficiente Em segund lugar, deve-se registar a cnsciência de que Prtugal cntinua ainda atrás da média mundial e das melhres práticas, cnfrntand-se cm blqueis estruturais que requerem muita atençã e esfrç para ultrapassar. Os resultads btids cm a implementaçã das plíticas ds últims ans, bem cm s investiments realizads têm resultad em limitad sucess empresarial e tid puc impact ecnómic n curt praz, na cmpetitividade d país e na criaçã de empreg bem remunerad. Salientams a seguir alguns ds aspets que cnsiderams mais relevantes. 5

6 Figura 1: Blqueis mais relevantes d Ecssitema em Prtugal Falta de Massa Crítica, sem cntrapes internacinal Cultura individualista, ausência de cperaçã Cntext Negativ, burcracia, cntraçã, ausência de âncras Dimensã pequena d mercad intern, sem cntrapes de uma apsta internacinal frte, limita: númer de empreendedres/pipeline de start-ups e deal flw (falta massa crítica de empreendedres); a capacidade ds agentes d sectr terem dimensã, experiência, cmpetência e de se especializarem, nmeadamente as incubadras/aceleradras, s capitais de risc (Falta dimensã e capacidade diferenciadra as agentes d ecssistema, especialmente s financiadres, riginand investiments cm retrns puc eficientes e limitad impact ecnómic). Cultura individualista e puc rientada para resultads, em cnjunt cm a ausência de mecanisms de interaçã e integraçã de esfrçs, gera: Ausência de sinergias e a cnsequente pulverizaçã de recurss, descntinuidade de esfrçs e a fragmentaçã da açã de agentes que, pr definiçã, deveriam funcinar em cnjunt; Puca valrizaçã e baixa capacidade de execuçã; Resultads puc qualificads relativamente a ptencial existente; Défice de infrmaçã e de aprendizagem e ausência de gestã d cnheciment. O cntext geral (caraterizad pr regras burcráticas, justiça lenta e inperante, licenciaments cmplexs) e macr ecnómic (frac cresciment intern seguid de cntraçã) e a ausência de âncras ecnómicas (grandes empresas u clusters que nã puxam 6

7 suficientemente pela invaçã fcada e aplicada e nã investem intensivamente n ecssistema empreendedr) geram: Mercads puc eficientes, dependentes da tutela pública e nã d mérit cmpetitiv; Nã estimula empreendedrism de mercad; Dificulta cresciment de start-ups que nã tenham suprtes artificiais u nã suprtem seu arranque n mercad internacinal. Carências De um md geral e pr cmpnente d ecssistema, identificam-se as seguintes carências: Cultura: Aversã a risc tem limitad cresciment d empreendedrism, bem cm a dificuldade de trabalh em rede. Falta de fc em resultads e a ausência de imprtância dada a mecanisms de gestã e de execuçã; Capital: Investidres avesss a prjets de rtura (só investem cm plan de negócis cm cash flw garantid); dimensã média ds funds de investiment é baixa; reduzid investiment na incubaçã (16,3%) nã prmve a invaçã resguardand-se investiment em prjets de expansã e reestruturaçã (83,7%); investidres iniciais nã acmpanham desenvlviment das start-ups; investiments disperss e sem fllw-up em fases seguintes; esfrç limitad para atrair capital de risc internacinal para prjets nacinais; investiment públic nã assciad a equity; investiment sem ser smart e cm puc fllw-up de api qualitativ (default de 14% cmparad cm 1,3% na Eurpa); Rede internacinal: Puc fc das start-ups na cmpetitividade em mercads glbais, falta de referências internacinais e de exits de sucess (capitais de risc e empreendedres); interaçã reduzida em redes internacinais (mais events d que perações cnjuntas); Universidades e sistema científic e tecnlógic: Capacidade limitada para transfrmar knw-hw académic em valr empresarial; universidades ainda muit fcadas em preparar s aluns para trabalh em empresas e nã para empreender, pucas parcerias de negócis cm empresas (embra em prcess de melhria significativa); Incubadras: pequenas, sem especializaçã, cm pucs recurss financeirs, sem ligaçã internacinal, cm fracas ligações a ecssistema (capitais de risc, universidades), isladas entre si, cm pucs exits; Capital Intelectual: menr númer de patentes a nível eurpeu (pr habitantes); pucas multinacinais cm centrs de Investigaçã e Desenvlviment (I&D); pucas empresas cm grandes investiments em 7

8 I&D; estad a cntrair api financeir a universidades; talent a emigrar; insuficiente capacidade de rentabilizaçã ecnómica da I&D, visível ns escasss dividends retirads de regists de patentes e de utras frmas de prteçã da prpriedade intelectual e industrial, ns níveis reduzids de integraçã de investigadres nas empresas e n limitad investiment das empresas em I&D (embra crescente). Há muits estuds e bas plíticas mas ecssistema enfrenta limitações estruturais. Mas acima de tud existe uma grande dificuldade em trabalhar em rede e em mdels cperativs pr frma a atingir resultads. Há dificuldade em executar. Vantagens e Oprtunidades N entant, Prtugal tem vantagens e prtunidades a explrar na área de desenvlviment a empreendedrism. Figura 2: Vantagens e Oprtunidades de Empreender em Prtugal Recurss humans, qualificaçã, adaptaçã, criatividade Áreas ecnómicas de vantagem cmpetitiva, setres tradicinais cm ptencial através das TICE Infra-estrutura tecnlógica, desenvlvida em td país, early-adpters (cnsumidres) Incentivs eurpeus e públics a I&D Acess privilegiad a mercads lusófns, 4,6% PIB Mundial e em cresciment acima da média Ótima qualidade de vida, clima, gastrnmia, hspitalidade R e c Preçs atraentes, para investiment em startups vs Inflaçã de Silicn Valley Recurss humans altamente qualificads pr ensin universitári de elevada qualidade, cm grande capacidade de adaptaçã cultural, elevada capacidade de expressã em inglês, e cm caraterísticas intrínsecas de criatividade e capacidade de gestã de cmplexidade e preçs acessíveis; Uma infraestrutura tecnlógica altamente desenvlvida em td país, a preçs acessíveis, assciad a uma grande predispsiçã d 8

9 mercad cnsumidr para a aceitaçã de nvas tecnlgias (early adpters); Acess privilegiad a mercads que falam prtuguês, em tds s cntinentes, que valem 4,6% d PIB mundial e que se estima vir a crescer acima da média mundial ns próxims 10 ans e facilidade de integrar cm utras culturas e mercads para além d eurpeu (asiátics, africans e sul-americans); Preçs atraentes de investiment em start-ups e nvas ideias, em cmparaçã cm mercad inflacinad de avaliaçã de Silicn Valley, devid à crise ecnómica, bem cm custs atraentes de sedeaçã d near-shring (bas infraestruturas, custs labrais baixs); Ótima qualidade de vida (bm clima, baixa criminalidade, custs reduzids, gastrnmia de qualidade, praias, ba recetividade a estrangeirs, etc.) capaz de atrair jvem talent e ser recetiv a nvas culturas; Existência de instruments e incentivs eurpeus e públics a I&D. 3. Caraterizaçã d Ecssistema Empreendedr de Silicn Valley Silicn Valley cria mais start-ups e faz crescer de frma mais rápida empresas de TICE d que qualquer utra parte d mund. É lcal nde surgem as invações mais disruptivas e nde se criam nvs prduts tecnlógics cm mair sucess em td mund. A lng d temp, assumiu uma psiçã de centr de invaçã mundial, ligad cm s ecssistemas de empreendedrism das maires ecnmias mundiais. Caraterísticas Vencedras Esta liderança sustentada deste ecssistema tem sid cnseguida essencialmente através das seguintes caraterísticas: Fc na invaçã de rutura e na perspetiva glbal (prcura da next big ideia ); Cultura de risc fcada na remuneraçã pel cnsumidr ( nt a place, but a state f mind ), permitind a criatividade e experimentaçã de ideias irracinais ; Elevada capacidade de financiament: Smart capital cm massa crítica e especializaçã; 9

10 Universidades cm elevada capacidade de desenvlver I&D e viradas para a ecnmia real e mercad; Elevada pl de talent e de cnheciment (vind de td mund e das universidades lcais, atuand cm investiment própri, em mdels de btstrap e de lean start-up); Ecssistema de suprte cmplet: Basead numa rede cperativa e pragmática permite rápida circulaçã de ideias e cnheciment (partilha de cntacts, facilidade e transparência de relacinaments); Cm elevada agilidade e eficiência (rapidez de prcesss e de decisões, circulaçã e teste de ideias, prcesss interativs); Cm Reciclagem (elevads níveis de reciprcidade e mentria e serial entrepreneurs que retrnam a ecssistema cm seu investiment, cnheciment e rede). Evluçã d Papel de Silicn Valley O papel de Silicn Valley tem evluíd de ser apenas um cluster em sim mesm, para ser, cada vez mais, um hub mundial de centrs de invaçã e empreendedrism, uma seja, se psicinar crescentemente cm um mercad glbal de ideias, talent e capital. Ist é, Silicn Valley é hje grande integradr de invaçã e empreendedrism à escala glbal. Figura 3: Silicn Valley cm grande integradr de invaçã e empreendedrism à escala glbal. Fnte: The Bay Area Innvatin System reprt, Sean Randlph,

11 Deste md, Silicn Valley pde ser muit imprtante para utras ecnmias mundiais, funcinand cm aceleradr da invaçã e empreendedrism nesses mesms países, retirand vantagens recíprcas n prcess, assim cntinuand a refrçar a sua psiçã central. Os utrs países, cm Prtugal, pdem aprender cm Silicn Valley fazend adaptações e também usar Silicn Valley para escalar as suas empresas de frma rápida, aceder a tecnlgia de pnta, aceder e testar a nvs mdels de negóci, aceder a financiament cm cnheciment e experiência (smart capital), treinar s seus empreendedres e investigadres, utilizar Silicn Valley cm platafrma para aceder a mercad mundiais, especialmente s asiátics, entre utrs. 4. Ligações Internacinais a Silicn Valley A nível internacinal, pequens prestadres de serviç, grandes empresas mundiais, cidades, regiões e váris países já estã há váris ans a desenvlver uma apsta de ligaçã a Silicn Valley das suas ecnmias, empresas e ecssistemas de api à invaçã e a empreendedrism. Os exempls nã vêm smente da Eurpa, cas ds países Nórdics, Espanha, Irlanda e de váris países de Leste. Ecnmias de referência cm a Austrália, Canadá, Singapura, Chile, Méxic, Japã, Rússia, entre utras, têm estad a refrçar as suas ligações a Silicn Valley. Países Asiátics, da América Latina e Africans cmeçam também a explrar esta ideia. Da ligaçã de países regista-se que s esfrçs baseads numa dinâmica pública btêm mens resultads d que esfrçs nde Estad apia, u até estrutura, mas mbiliza u segue a liderança de privads em parcerias públicprivadas. Regista-se ainda a emergência de ligações estruturadas de sectres ecnómics, de grandes empresas eurpeias, americanas e mundiais, bem cm de Universidades americanas e nã americanas a Silicn Valley, em mdels evlutivs, cm um traç cmum a base mantém-se ns países e cidades de rigem, send Silicn Valley um espaç satélite de criaçã u de teste / validaçã e evluçã de nvas ideias e prduts para mercad glbal e até de prcura e desenvlviment de nvs mdels de invaçã empresarial mens burcrátics e mais virads para cnsumidr e mercad (muit influenciad pel design thinking). Pr sua vez, Silicn Valley é um ecssistema dinâmic e em mudança acelerada que está a evluir d tradicinal centr mairitariamente recetr de talent e cm investiments quase exclusivs em empresas sedeadas n Valley, para um psicinament cm hub mundial de tds s utrs clusters em frte desenvlviment nutras partes d mund. Adicinalmente, prcura vender s seus serviçs fra ds EUA e está incrementalmente mais preparad para 11

12 prcurar prtunidades de investiments fra d Valley que sejam mais em cnta e invadres. 5. Ligaçã de Prtugal a Silicn Valley A ligaçã a Silicn Valley das empresas prtuguesas start-ups, PME e grandes empresas - traz muitas vantagens individuais: Definiçã de mdels de negóci cmpetitivs n mercad glbal; Mair fc na invaçã radical que cria vantagem cmpetitiva a nível mundial e nã apenas na ecnmia lcal; Acess a smart capital que financia mas também abre prtas a uma rede de cnheciment de pnta e de netwrk cmercial mundial; Imersã numa cultura empresarial fcada n mérit, n risc e ns resultads. Em particular: A experiência cntinuada n prgrama GSI Acceleratrs, que já levu 14 empresas a acelerar em Silicn Valley, permite cncluir que s ganhs identificads pels própris empreendedres sã relevantes; Os cntats e experiências ds empreendedres prtugueses que têm apstad em Silicn Valley (pela permanência e pela interaçã de negóci e à distância) sã, na perspetiva ds própris, também altamente vantajsas e recmendáveis. Prtugal nã parte d zer n seu relacinament cm Silicn Valley, cmeçand de uma frma mais visível e cntinuada em 2010, nmeadamente cm GSI IEP (que levu mais de 130 executivs em imersã a Sillicn Valley) e GSI Acceleratrs (que aceleru 14 start ups desde 2011). Em apenas três ans: Já huve alguma experimentaçã que prprcinu uma ba aprendizagem e ganhs reais; Criu nme e interesse em Prtugal em certs segments e players de Silicn Valley; Criu a cnsciência em Prtugal das eventuais vantagens a explrar da ligaçã a Silicn Valley; Envlveu já várias entidades relevantes d ecssistema empreendedr Prtuguês (nmeadamente AICEP, ES Ventures, FLAD, AIDA, ANEME, EDP, ANA, BRISA, Cisc Prtugal, Micrsft Prtugal e algumas incubadras); Envlveu a visita d Presidente da República a Silicn Valley, acmpanhad de um membr d Gvern ( Secretári de Estad da Invaçã, Cmpetitividade e Empreendedrism, ele própri um empreendedr cm um exit de sucess, a Mbicmp) e várias entidades 12

13 (a CIP, a Caixa Geral de Depósits, a FNABA, a ANJE, a Espírit Sant Ventures e a Leadership Business Cnsulting que mtivu e apiu na rganizaçã da visita); O própri Secretári de Estad cnvidu um cnjunt de empresas e entidades (30) para a visita, rganizada pela AICEP cm api da Leadership Business Cnsulting e prmveu um prgrama cmplementar a d Presidente da República; Adicinalmente, existem dinâmicas próprias de prtugueses a trabalharem, estudarem e a empreender em Silicn Valley e na Califórnia, de criaçã de rede de relacinaments e de junçã de esfrçs, sempre que pssível, que têm um enrme ptencial pr representarem pessas que estã presentes e atuam n dia-a-dia d Valley, pdend, pr um lad, vir a atingir a patamares de sucess elevad e, pr utr lad, funcinar em rede cm Prtugal; Existe ainda, cm ptencial pr explrar em terms de empreendedrism invadr e de ligaçã cntinuada a Prtugal, a ligaçã à grande e frte cmunidade lus-americana e prtuguesa residente na Califórnia e que inclui empresáris de sucess e assciações recreativas e sciais cm alguma expressã; As vantagens de um esfrç cletiv e envlviment estruturad de ligaçã a Silicn Valley - cadeias de valr integradas, trabalh em rede e cncertad, privad/públic - sã enrmes e tem um impact estrutural na cmpetitividade das ecnmias que fazem mas para iss é precis ter visã estratégica, trabalhar clectivamente e cncertadamente e nã apenas individualmente, e investir para lng praz. 6. Sumári das Recmendações As recmendações dividem-se em duas vertentes distintas, cnfrme s bjetivs d estud: A. Recmendações para a ligaçã a Silicn Valley B. Recmendações para Ecssistema Empreendedr em Prtugal Recmendações Ligaçã a Silicn Valley + Recmendações Ecssistema em Prtugal As recmendações que se apresentam, representam um nv patamar de relacinament cm Silicn Valley, que reflete uma visã mais amadurecida e um 13

14 mdel mais estruturad, mas também cm um nv nível de exigência, de trabalhad em rede e de cmprtaments clabrativs e de reciprcidade, numa pstura inclusiva. O que se requer é extrair valr para a ecnmia prtuguesa através da atividade empreendedra, que pderá funcinar de acrd cm as cmpnentes descritas na figura. Figura 4: Cicl virtus de ligaçã a Silicn Valley Aceleradr/Gateway Glbal Cnstruir cnexões glbais Afinar mdel de negóci glbal Aceder a expertise de pnta Refrçar cultura de Game Changer Obter financiament Imprtar mdels de incubaçã n5 Cmpetitividade Cresciment ecnómic Empreg Desenvlviment n1 n4 Exprtações Internacinalizaçã Alcance glbal n3 O mais destacad cluster mundial de invaçã e empreendedrism Mair atratividade de: n2 Investiment Talent empreendedr Impact Acumulad Prduts/ empresas +cmpetitivas Partilha de netwrk Mdel de negóci glbalizad gera receita Utilizaçã/partilha de expertise Alavancagem d financiament Cntaminaçã cultural Nvs mdels de incubaçã Refrç d ecssistema empreendedr Tabela 1: Sumári das Recmendações Recmendações para A. Ligaçã d Ecssistema Empreendedr Prtuguês a Silicn Valley Vertente 1. Pnte Estruturada cm Silicn Valley Vertente 2. Trazer Silicn Valley para Prtugal 14

15 Recmendações para B. Ecssistema Empreendedr em Prtugal Pilar 1: Acelerar a glbalizaçã de td ecssistema empreendedr (para além de utras ações) Pilar 2: Refrçar a integraçã d ecssistema empreendedr Pilar 3: Fcar na especializaçã d ecssistema Pilar 4: Aumentar a eficiência ds fatres que influem n ecssistema. 15

16 7. Recmendações Para a Ligaçã a Silicn Valley A ligaçã a Silicn Valley deverá ser evlutiva e resultará mais de uma atitude de cperaçã entre agentes cm interesses cnvergentes e da capacidade de mntar mdels de gestã em cmunidade d que de ações muit cncretas e fechadas. N entant, apresentam-se a seguir algumas prpstas de açã. N que respeita às recmendações para A. Ligaçã a Silicn Valley fram definidas duas vertentes de atuaçã, que englbam um vast cnjunt de ações: 1. Vertente 1: Cnstruçã de uma Pnte Estruturada cm Silicn Valley 2. Vertente 2: Trazer Silicn Valley Até Prtugal Tabela 2: Listagem das Ações de A. Ligaçã a Silicn Valley 1.1. Visitas regulares e intensivas a Silicn Valley, de estudantes, executivs, empreendedres 1.2. Incubaçã / aceleraçã de start-ups / spin-ffs e EEPC em Silicn Valley Ações da Vertente 1. Pnte Estruturada cm Silicn Valley 1.3. Funds de investiment para suprtar a ligaçã a Silicn Valley 1.4. Prestaçã de serviçs a Silicn Valley (desenvlviment de sftware) 1.5. Ligações às Universidades da Bay Area, especialmente à Universidade de Stanfrd 1.6. Intermediaçã de esfrçs de ligaçã de Silicn Valley a cntinente african 1.7. Prtugal Califórnia Strategic Partnership 1.8. Rede em Silicn Valley Ações da Vertente 2. Trazer Silicn Valley Até Prtugal 2.1. Events, Oradres e Perits 2.2. Funds de Investiment 2.3. Aceleradres em Prtugal 2.4. Frmaçã Especializada 16

17 Figura 5: Benefícis direts da ligaçã a Silicn Valley Especialistas Mentres Gestres Incubadras Prfessres Funds VCs e BA Entidades Netwrk glbal Mdel de negóci glbalizad Expertise e tecnlgias Financiament Cntaminaçã cultural Nvs mdels de incubaçã Refrç d ecssistema empreendedr Numa sciedade marcada pel individualism e pela presença d Estad na sciedade e na ecnmia imprta referir que a adçã de certs cmprtaments tradicinais n relacinament cm Silicn Valley pde prejudicar u enfraquecer a ligaçã cm Silicn Valley. Mais d que um nv paradigma ecnómic u tecnlógic é necessári um nv paradigma cmprtamental de trabalh cncertad em rede. 8. Recmendações Para a Evluçã d Ecssistema Empreendedr em Prtugal As recmendações deste estud para a evluçã d ecssistema de api a empreendedrism de base tecnlógica em Prtugal centram-se em quatr palavras-chave: Glbalizaçã, Ecssistema, Especializaçã e Eficiência. É aqui que se centram as carências d nss ecssistema e também s fatres decisivs para sucess n mercad glbal. De fat, lhand para a caraterizaçã atual d ecssistema em Prtugal e para as melhres práticas mundiais, nmeadamente, a liderança que emana de Silicn Valley, estes sã, n nss entender, s quatr pilares (três + um), fundamentais para ecssistema de empreendedrism ser capaz de criar e desenvlver empresas glbais em Prtugal: i) Acelerar a glbalizaçã de td ecssistema empreendedr ii) Refrçar a integraçã d ecssistema empreendedr iii) Fcar na especializaçã d ecssistema u dentr d ecssistema iv) Aumentar a eficiência ds fatres que influem n ecssistema. 17

18 A mair parte das recmendações inserem-se ns três primeirs pilares. Figura 6: Pilares de atuaçã 1. ACELERAR A GLOBALIZAÇÃO 3. FOCAR NA ESPECIALIZAÇÃO 2. REFORÇAR A INTEGRAÇÃO DO ECOSSISTEMA 4. AUMENTAR A EFICIÊNCIA DOS FATORES Tabela 1: Listagem das Ações ds Pilares de B. Ecssistema Empreendedr em Prtugal De Dentr para Fra 1.1. Pnte Estruturada cm Silicn Valley (vertente 1 de A. Ligaçã a Silicn Valley ) 1.2. Pnte Glbal cm Mercads Alavanca 1.3. Rede Lusófna de Empreendedrism 1.4. Refrç da Ligaçã das Universidades a Redes Internacinais de Invaçã Ações d Pilar 1 Acelerar a Glbalizaçã De Fra para Dentr 1.5. Trazer Silicn Valley para Prtugal (vertente 2 de A. Ligaçã a Silicn Valley ) 1.6. Smart Prtugal (West Cast f Eurpe (1. Atraçã e 2. Prmçã) Reasns t Start Up In Prtugal (Pitch d país) 1.8. Screening Internacinal de Prjets de Investiment 1.9. Especialistas Internacinais em Prtugal Redes Glbais de Mentring Erasmus Empreendedr 18

19 2.1 Cultura de Relacinament e Cnfiança 2.2 Pipeline e Dealflw Ações d Pilar 2 Refrçar a Integraçã d Ecssistema 2.3 Cidades Empreendedras 2.4 Empreendedrism em Clusters Integrads 2.5 Smart Crpratins 2.6 Incubadras em Rede 2.7 Refrçar a Ligaçã das Universidades a Mercad 2.8 Prmver Serial Entrepreneurs 3.1. Incubadras Especializadas e Glbais 3.2. Desenvlviment de Espaçs Especializads de Prttipagem (techshps/ fablabs/ labs especializads) 3.3. Cidades Âncra Ações d Pilar 3 Fcar na Especializaçã 3.4. Um grande event mundial especializad em Prtugal 3.5. Fc em Champins (empresas; pessas) e Exits Mundiais 3.6. Universidades cm cmpnente de empreendedrism 3.7. Apsta na Prttipagem 3.8. Apsta n Design Thinking 3.9. Campanha Nacinal de Pitching Desenvlviment Cmercial e de Canais (PIs, empresas) 4.1. Geral (plítica de cresciment, disciplina financeira, mens estad, melhr justiça, licenciament) Ntas para Pilar 4 Eficiência ds Fatres 4.2. Mbilidade Residencial 4.3. Impsts Atraentes a Investiment 4.4. Prpriedade Intelectual e Patentes 4.5. Entidade financiadra 4.6. Venture Capital Glbal 4.7. Marca Prtugal através de Champins 19

20 9. Plan de Açã A variedade de atres envlvids na implementaçã das recmendações d estud trnariam artificial uma eventual definiçã clara de respnsabilidades e recurss necessáris para a sua implementaçã. Adicinalmente, s autres nã estã legitimads para definirem plíticas para ecssistema. De qualquer frma, em terms indicativs e muit gerais, cm parte deste Plan de Açã, fi feita uma tabela sumária das entidades mais relevantes para a implementaçã de cada uma das ações prpstas, bem cm uma sugestã ds respetivs calendáris e KPIs. Para efeit da implementaçã ds passs apresentads em baix prpõe-se a cnstituiçã de uma Equipa de Trabalh cnstituída pel TICE, pels autres e pr quem estes quiserem cptar para prcess, até cm reflex de eventuais manifestações pr ativas de interesse. Pass 1 Escrutíni Públic e Intrduçã de Melhrias (3 meses) Pass 2 Interaçã cm Gvern e Entidades d Ecssistema (6 meses) Pass 3 Implicações para Próxim Fund Cmunitári de Api 20

21 Glssári A AICEP Agência para Investiment e Cmérci Extern de Prtugal AIDA Assciaçã Industrial d Distrit de Aveir ANA Aerprts e Navegaçã Aérea ANEME Assciaçã Nacinal de Empresas Metalúrgicas e Eletrmecânicas ANJE Assciaçã Nacinal ds Jvens Empresáris C CIP Cnfederaçã Empresarial de Prtugal E EDP Eletricidade de Prtugal EUA Estads Unids da América F FLAD Fundaçã Lus Americana FNABA Federaçã Nacinal de Assciações de Business Angels G GSI-A Glbal Strategic Innvatin - Acceleratrs GSI-IEP Glbal Strategic Innvatin Internatinal Executive Prgram K KPI Key Prcess Indicatr L P PI Prcess Indicatr PIB Prdut Intern Brut PME Pequenas e Médias Empresas T TICE Tecnlgias da Infrmaçã, Cmunicaçã e Eletrónica 21

22 22

Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley Versão Preliminar. [Capa]

Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley Versão Preliminar. [Capa] [Capa] 1 Este estud enquadra-se n âmbit d Prjet de Diagnóstic, Recmendações e Plan de Açã sbre Refrç d Ecssistema de Api a Desenvlviment em Rede de Empresas de Base Tecnlógica. 2 Índice d Sumári Executiv

Leia mais

Empreendedorismo Portugal - Silicon Valley Recomendações e Plano de Ação para o Reforço do Ecossistema. Apresentação Curta

Empreendedorismo Portugal - Silicon Valley Recomendações e Plano de Ação para o Reforço do Ecossistema. Apresentação Curta Apresentação Curta Empreendedorismo Portugal - Silicon Valley Recomendações e Plano de Ação para o Reforço do Ecossistema de Apoio ao Desenvolvimento em Rede do Empreendedorismo de Base Tecnológica 1 Este

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Recomendações e Plano de Ação

Recomendações e Plano de Ação [Capa] Recmendações e Plan de Açã 1 O presente estud fi desenvlvid pela Leadership Business Cnsulting para TICE.PT - Pól das Tecnlgias de, as quais se reservam s direits de autr. Tda e qualquer referência

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Relatório com Recomendações de Ligação do Sector Empresarial e Universitário Português ao dos PALOP

Relatório com Recomendações de Ligação do Sector Empresarial e Universitário Português ao dos PALOP Estud sbre Envlviment d Setr TICE Prtuguês n Desenvlviment da Sciedade de Infrmaçã ns Outubr de 2013 - Versã Preliminar - Relatóri cm Recmendações de Ligaçã d Sectr Empresarial e Universitári Prtuguês

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira

Estratégia Nacional de Especialização Inteligente. Lisboa, 2 de fevereiro de 2017 José Carlos Caldeira Estratégia Nacinal de Especializaçã Inteligente Lisba, 2 de fevereir de 2017 Jsé Carls Caldeira Estrutura da Apresentaçã I. ENEI: prcess em Prtugal II. Mnitrizaçã e avaliaçã III. Primeirs resultads I.

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative Prgrama de Rádi Ritm Ecnómic AnglaOpenPlicyInitiative 1 Rádi: Kairós da Igreja Metdista de Angla Nme d Prgrama: Ritm Ecnómic Géner: Talk shw Educativ Data da primeira ediçã: (pr definir) Apresentadres:

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA PORTUGAL - CHINA 一 届 中 国 葡 萄 牙 商 务 论 坛 UMA PARCERIA PARA O FUTURO 锻 造 未 来 合 作 CONFERÊNCIAS DE NEGÓCIOS FEIRA DE COMÉRCIO E INVESTIMENTO III GALA : PRÉMIOS DE MÉRITO EMPRESARIAL 商 务 会 议 投 资 与 贸 易 会 务 三

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2 Acreditads pr Partners 1. QUEM SOMOS l 2 A g3p cnsulting apsta na prmçã da excelência peracinal, através da realizaçã de prjects de cnsultria e frmaçã, que ptenciam ganhs a nível da melhria da prdutividade

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º).

VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteração no cronograma (Art. 6º e Art. 12º). VERSÃO ATUALIZADA EM 07/08/2015 > Alteraçã n crngrama (Art. 6º e Art. 12º). APRESENTAÇÃO Idealizad e instituíd pela Assciaçã Nacinal de Entidades Prmtras de Empreendiments Invadres (Anprtec), em parceria

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015 Sã Paul, Brasil, 13 de abril de 2015 - O GPA [BM&FBOVESPA: PCAR4 (PN); NYSE: CBD] e Via Varej S.A. [BM&FBOVESPA:VVAR3 e VVAR11] anunciam desempenh das vendas d 1º trimestre de 2015. Desempenh de Vendas

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

CENTROS DE ALTO RENDIMENTO DESPORTIVO ABORDAGEM ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO 29 Maio 2012

CENTROS DE ALTO RENDIMENTO DESPORTIVO ABORDAGEM ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO 29 Maio 2012 CENTROS DE ALTO RENDIMENTO DESPORTIVO ABORDAGEM ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO 29 Mai 2012 CENTRO DE ALTO RENDIMENTO (CAR) DESPORTIVO Unidade perativa que cnjuga um cnjunt específic e diversificad de instalações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010 //FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Cntribut de Prtugal Janeir de 2010 A Estratégia UE 2020 deve desempenhar um papel estruturante na cnslidaçã d prject eurpeu, agregand uma estratégia de

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Introdução... 03 1. Objetivos Estratégicos... 06 2. Projetos de Desenvolvimento... 06 3. Orçamento... 13

Introdução... 03 1. Objetivos Estratégicos... 06 2. Projetos de Desenvolvimento... 06 3. Orçamento... 13 Plan de Atividades 2014 1 Intrduçã... 03 1. Objetivs Estratégics... 06 2. Prjets de senvlviment... 06 3. Orçament... 13 2 Intrduçã O an de 2014 reserva para a ADRAVE um nv mment de psicinament estratégic

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007 COMUNICADO SONAE - SGPS, S. A. Sede: Lugar d Espid, Via Nrte, Maia Capital scial: 2.000.000.000,00 Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Maia sb númer únic de matrícula e identificaçã fiscal

Leia mais

Manual de Qualidade da Atividade Formativa

Manual de Qualidade da Atividade Formativa Manual de Qualidade da Atividade Frmativa Direçã Pedagógica e Frmaçã Març/2014 Versã - 1 Març 2014 Página 1 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO DO DOCUMENTO E CARATERIZAÇÃO DA ENTIDADE... 3 1.1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Como participar em feiras nos mercados

Como participar em feiras nos mercados Câmara d Cmérci de Angra d Herísm Assciaçã Empresarial das ilhas Terceira, Gracisa e Sã Jrge Cm participar em feiras ns mercads Feiras e glbalizaçã Cm a liberalizaçã d cmérci internacinal e à luz d fenómen

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos Urbanos: Como alavancar investimentos e viabilizar a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Resídus Sólids Urbans: Cm alavancar investiments e viabilizar a implantaçã da Plítica Nacinal de Resídus Sólids Seminári BNDES-BID-ABDE Brasília, 07 de Mai de 2015 Área de Mei Ambiente Guilherme Martins

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

Recomendações para a ligação a Silicon Valley

Recomendações para a ligação a Silicon Valley Copyrights Leadership Business Consulting Empreendedorismo Portugal - Silicon Valley Recomendações para a ligação a Silicon Valley Com agregadores / facilitadores 1. Ponte Estruturada com Silicon Valley

Leia mais

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa III Seminári d Agrnegóci Financiament e Marketing 24 e 25 de nvembr de 2005 Auditóri da Bibliteca Central Universidade Federal de Viçsa RELATÓRIO FINAL O EVENTO O III Seminári d Agrnegóci fi realizad dias

Leia mais

Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley

Estudo do Ecossistema de Apoio ao Empreendedorismo de Base Tecnológica em Portugal e Silicon Valley 1 O presente estudo foi desenvolvido pela Leadership Business Consulting para o TICE.PT - Pólo das Tecnologias de, aos quais se reservam os direitos de autor. Toda e qualquer referência a este estudo deve

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VI-027 - A ACELERAÇÃO DA EVOLUÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Ceres Grehs Beck Universidade Federal d Ri Grande d Sul UFRGS. Escla de Administraçã - Rua Washingtn Luís, 855 - Prt Alegre - RS CEP 90.010-460

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Base Industrial de Defesa Brasileira Desafios e Perspectivas

Base Industrial de Defesa Brasileira Desafios e Perspectivas Cicl de Semináris OIC / IEA 2012 Base Industrial de Defesa Brasileira Desafis e Perspectivas Prf. Dr. Marcs Jsé Barbieri Ferreira UNICAMP Sã Paul, 23 de Abril de 2012 Intrduçã Objetiv Apresentar s desafis

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

VISÃO GERAL E RESULTADOS. Inovação & Colaboração Recomendações de Políticas Públicas Compromissos de Ação

VISÃO GERAL E RESULTADOS. Inovação & Colaboração Recomendações de Políticas Públicas Compromissos de Ação VISÃO GERAL E RESULTADOS Invaçã & Clabraçã Recmendações de Plíticas Públicas Cmprmisss de Açã Ri de Janeir, 21 de junh de 2012 1 Cnteúd I. Sumári Executiv... 3 II. Energia & Clima...... 8 III. Água & Ecssistemas...

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 1. NOVARTIS NO MUNDO A Nvartis é uma cmpanhia farmacêutica, líder mundial na investigaçã e desenvlviment de sluções de saúde invadras destinadas a dar respsta às necessidades

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais