UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO EDISON FRANÇA VIEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO EDISON FRANÇA VIEIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS ECONÔMICAS MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO EDISON FRANÇA VIEIRA USO DE TOUROS DE RAÇAS DEFINIDAS EM REBANHOS DE PEQUENAS PROPRIEDADES: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS DE SANTA MARIA, SÃO SEPÉ E SANTIAGO-RS Porto Alegre 2010

2 EDISON FRANÇA VIEIRA USO DE TOUROS DE RAÇAS DEFINIDAS EM REBANHOS DE PEQUENAS PROPRIEDADES: UM ESTUDO NOS MUNICÍPIOS DE SANTA MAIRA SÃO SEPÉ E SANTIAGO-RS Trabalho de conclusão de curso de especialização apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Gestão do Agronegócio, pelo MBA em Gestão do Agronegócio da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Orientador: Prof. Luis Antônio Vial Porto Alegre 2010

3 Porto Alegre, 28 de outubro de Considerando que o Trabalho de Conclusão de Curso do aluno EDISON FRANÇA VIEIRA encontra-se em condições de ser avaliado, recomendo sua apresentação oral e escrita para avaliação da Banca Examinadora, a ser constituída pela coordenação do Curso de MBA em Gestão do Agronegócio Luis Antônio Vial Professor Orientador

4 Dedico este trabalho a minha esposa Raquel e minha filha Flávia.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço em especial à direção da EMATER/RS-ASCAR pela rara oportunidade. Ao colega Righi e Roblein pelo socorro na hora de aperto e à colega Carmem pela dica na hora certa. Um agradecimento especial par a Janaina, pessoa que colocou este trabalho nos eixos. A todos os colegas do curso pela amizade convivência e parceria. Ao Edson Mhor e Vicente Fin pela companhia e discussão nas inúmeras viagens.

6 RESUMO A atividade agropastoril iniciou no Rio Grande do Sul com a introdução dos primeiros animais, aproximadamente 1000, pelos jesuítas ainda no século XVII. Desde então, a pecuária do estado caracteriza-se principalmente pela criação de bovinos e ovinos. A Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e de Extensão Rural (EMATER/RS-ASCAR), ao longo dos anos, trabalha no sentido de buscar uma melhoria dos padrões zootécnicos dos animais oriundos da pequena propriedade familiar. Os trabalhos iniciaram no ano de 2003 em alguns municípios da região central do Estado, próximos a cidade de Santa Maria. Para isso buscou-se levantar alternativas que viabilizassem o acesso dos produtores familiares ao uso de reprodutores de genética superior, chamados melhoradores nos municípios de Santa Maria, São Sepé e Santiago. Como o trabalho realizado pela instituição envolve muitos atores, tais como os extensionistas rurais, entidades de classe, prefeituras e fornecedores (representados por fazendeiro e cabanheiros), os resultados são lentos e necessita de ações continuadas. Por diversas razões este trabalho não teve continuidade. A partir do ano de 2008 o autor passou a desempenhar funções no âmbito regional, desempenhando ações de apoio técnico na área de criações. Assim, o mesmo buscou a retomada das ações, num primeiro momento naqueles municípios que já vinham desenvolvendo o trabalho. O presente estudo tem como proposta descrever os avanços e benefícios oriundos desta prática em três municípios, Santa Maria, São Sepé e Santiago, onde os dados estão consolidados. Estes municípios pertencem ao Escritório Regional de Santa Maria, uma das regiões administrativas da EMATER/RS-ASCAR. Aliado a isto, o fato de o autor trabalhar no escritório regional e conhecer bem a região tornou possível o desenvolvimento desta pesquisa juntamente com o trabalho de rotina. A metodologia do estudo consiste no método de abordagem dedutivo, partindo da teoria revisada para explicar a realidade local dos produtores. Já o método de procedimento foi o monográfico. As técnicas de análise de dados usou de informações secundárias e primárias. As primeiras foram levantadas de instituições como o IBGE e ASCAR-EMARTER/RS. Já as informações primárias são das entrevistas feitas aos produtores através das visitas e coletadas pelo questionário não-estruturado. Nos municípios de Santa Maria, São Sepé e Santiago, há o predomínio de propriedades com até 200 hectares. Nesses municípios a EMATER/RS- ASCAR realiza um trabalho de melhoria genética dos rebanhos através de ações que facilitem o acesso dos pequenos proprietários na aquisição de reprodutores melhoradores. O exame dos dados obtidos ratifica resultados de outros trabalhos: que o mercado comprador de animais jovens (terneiros) busca a melhor qualidade, traduzida pelo padrão zootécnico dos animais e peso. Conclui-se ser o melhoramento genético, feito através do uso de reprodutores de qualidade superior, fundamental para as pequenas propriedades, na busca de maior facilidade de venda e valor dos animais jovens comercializados. Palavras-Chave: EMATER/RS-ASCAR. Pecuária. Pequenas Propriedades. Rio Grande do Sul.

7 5 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Grau de Escolaridade dos produtores entrevistados Figura 2: Percentual de propriedades por número de módulos fiscais Figura 3: Distribuição percentual dos estabelecimentos em hectares Figura 4: Atividades econômicas desenvolvidas nas propriedades pesquisadas Figura 5: Principais estruturas existentes nas propriedades consideradas Figura 6: Percentual de animais abatidos com presença de faciolose em Santa Maria Figura 7: Percentual de animais abatidos com presença de faciolose em São Sepé Figura 8: Percentual de animais abatidos com presença de faciolose em Santiago Figura 9: Período de entoure utilizado pelos produtores dos municípios pesquisados... 45

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Rebanho e Produção Animais no Brasil (1996 e 2006) Tabela 2: Comparativo da agricultura familiar e não familiar do RS, segundo o número de estabelecimentos destinados a pecuária e número de cabeças de gado existente... Tabela 3: Efetivo dos rebanhos (Cabeças) em estabelecimentos agropecuários, por tipo de rebanho no Rio Grande do Sul Tabela 4: Estrutura Fundiária dos municípios pesquisados Tabela 5: Evolução do efetivo dos rebanhos (Cabeças) nos municípios considerado Tabela 6: Evolução histórica dos rebanhos e das áreas das principais lavouras nos municípios considerados... 33

9 7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ASPECTOS HISTÓRICOS DA OCUPAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO SUL CARACTERÍSTICAS E IMPORTÂNCIA DA PECUÁRIA ASPECTOS DO REBANHO BOVINO GAÚCHO Melhoramento Genético MÉTODOS E PROCEDIMENTOS DELINEAMENTO DA PESQUISA DEFINIÇÃO DOS MUNICÍPIOS UNIDADES DE ANÁLISE Santa Maria São Sepé Santiago TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS CARACTERÍSITICAS AGROPECUÁRIAS DOS MUNICÍPIOS DE SANTA MARIA, SÃO SEPÉ E SANTIAGO ASPECTOS SOCIAIS DOS ENTREVISTADOS ASPECTOS FUNDIÁRIOS E DE PRODUÇÃO INFRA-ESTRUTURA BÁSICA E MEIOS PARA PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO, ALIMENTAÇÃO E SANIDADE DOS ANIMAIS Controle do carrapato bovino nas propriedades consideradas Outras doenças de ocorrência registradas na pesquisa Intoxicação por Senécio brasiliensis (Maria mole) Ocorrência de Fascíola Hepática nestas propriedades MANEJO DA REPRODUÇÃO Período de entoure utilizado Aquisição de reprodutores PRINCIPAIS PRODUTOS DE VENDA E DIFICULDADES DOS PRODUTORES EXPECTATIVAS E PROBLEMAS DA PECUÁRIA DE CORTE CONCLUSÃO E SUGESTÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A ROTEIRO DE ENTREVISTA AOS PRODUTORES APÊNDICE B FOTOS GADO (REGISTROS DO AUTOR)... 59

10 8 1 INTRODUÇÃO A agricultura familiar é uma realidade do cenário agropastoril do Estado do Rio Grande do Sul. Os estabelecimentos dos agricultores familiares ocupam áreas de campo cujas dimensões chegam a até 300 hectares. Segundo Ribeiro (2003), 70% dessas propriedades tem até 100 hectares e os agricultores familiares são proprietários de um rebanho bovino na ordem de três milhões de cabeças, que se encontram dispersos nas diversas regiões do estado. Os principais produtos de venda dos agricultores familiares, especialmente daqueles que fazem o engorde de bovinos para venda ao abate (invernadores), são animais jovens, representados por terneiros desmamados ou de um ano de idade, novilhos de um ano e meio, e de vacas velhas ou que apresentem algum problema que as impossibilite para a reprodução, em alguns casos dependendo do ano realizam o engorde destes animais, principalmente das vacas de descarte. Em geral, os produtores possuem um pequeno número de animais que apresentam baixo padrão zootécnico, são desuniformes e de baixo peso. Essas características dos animais apresentadas, somadas ao fator da dificuldade de acesso ao mercado, ocasionam baixo valor de venda. A Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e de Extensão Rural (EMATER/RS-ASCAR), ao longo dos anos, trabalha no sentido de buscar uma melhoria dos padrões zootécnicos dos animais oriundos da pequena propriedade familiar. Os trabalhos iniciaram no ano de 2003 em alguns municípios da região central do Estado, próximos a cidade de Santa Maria. Para isso buscou-se levantar alternativas que viabilizassem o acesso dos produtores familiares ao uso de reprodutores de genética superior, chamados melhoradores. Como o trabalho realizado pela instituição envolve muitos atores, tais como os extensionistas rurais, entidades de classe, prefeituras e fornecedores (representados por fazendeiro e cabanheiros), os resultados são lentos e necessita de ações continuadas. Por diversas razões este trabalho não teve continuidade. A partir do ano de 2008 o autor passou a desempenhar funções no âmbito regional, desempenhando ações de apoio técnico na área de criações. Assim, o mesmo buscou a retomada das ações, num primeiro momento naqueles municípios que já vinham desenvolvendo o trabalho. O presente estudo tem como proposta descrever os avanços e benefícios oriundos desta prática em três municípios, Santa Maria, São Sepé e Santiago, onde os dados estão

11 9 consolidados. Estes municípios pertencem ao Escritório Regional de Santa Maria, uma das regiões administrativas da EMATER/RS-ASCAR. Aliado a isto, o fato de o autor trabalhar no escritório regional e conhecer bem a região tornou possível o desenvolvimento desta pesquisa juntamente com o trabalho de rotina. Para um bom entendimento da questão objeto da pesquisa, primeiramente são apresentados o problema (seção 1.1), os objetivos (seção 1.2) e a justificativa do estudo (seção 1.3). Posteriormente (seção 2), é traçada uma linha de tempo com uma resumida descrição da história da ocupação do estado e o conseqüente desenvolvimento da região. Além disso, são apresentadas a metodologia empregada (seção 3) e a sistematização das informações geradas pelo instrumento de pesquisa (seção 4). Por fim, a seção 5 mostra as conclusões dos resultados obtidos e as sugestões de ações a nível regional na busca da qualificação dos bovinos oriundos das criações das pequenas propriedades rurais do Rio Grande do Sul. 1.1 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA O Brasil possui hoje o maior rebanho bovino comercial do mundo. Segundo dados do IBGE (2008), são duzentos e oito milhões de cabeças. O país está entre os mais competitivos na produção de carne bovina, tendo atingida a fantástica marca de dois milhões de toneladas de carne exportadas para mais de uma centena de países. Conforme afirmam Barcellos et al. (2005), a pecuária brasileira era caracterizada pelo atraso, resistência às inovações tecnológicas e gestão arcaica, o que marcou negativamente a atividade por várias décadas. Segundo os autores, a estagnação da pecuária deve-se ao fato do efetivo bovino ter sido o principal instrumento de consolidação das fronteiras agrícolas do país, baseado no modelo de exploração extensiva e alicerçada no grande fluxo do fator terra. Porém, nos últimos anos essa situação mudou drasticamente. É possível observar grandes avanços na produção e em produtividade, através da incorporação de novas tecnologias, aumento do efetivo dos rebanhos em função da ampliação das fronteiras agrícolas no centro-oeste e norte, colocando o país em posição de destaque como detentor do maior rebanho bovino do mundo e um dos maiores exportadores de proteína animal.

12 10 Houve com certeza um processo de profissionalização da atividade, através de novos métodos de gestão, melhoria genética dos rebanhos adoção de novas tecnologias de alimentação e sanidade. Embora constatado isso, não se tem verificado uma melhor remuneração pelo quilo do boi ao produtor rural, ou seja, as melhorias das margens econômicas não se refletem dentro da porteira. Dentre os fatores possíveis para esta situação, Barcellos et al. (2005) citam as questões sanitárias dos rebanhos como impeditivas de alcançar melhores mercados internacionais, a centralização dos abates em poucas plantas processadoras e concentração no varejo e a falta de coordenação da cadeia produtiva. Sugerem, em seu estudo, que a melhor remuneração do produtor passa obrigatoriamente por uma visão mais ampla de toda cadeia produtiva, ou seja, da percepção do que o consumidor busca em termos de características e requisitos de qualidade, que deverão ser levados em consideração. Isto de certa forma se reflete no produtor de terneiros, sendo de fundamental importância conhecer a preferência dos recriadores ou terminadores. Como esta decisão afeta ao criador, este deverá buscar saber quais os requisitos são mais bem remunerados, pois os preços pagos são determinados por uma série de características, as quais na maioria das vezes estão sob o controle da cria e de seu sistema de produção. Ainda, segundo Barcellos et al. (2005, p. 15), A capacidade de produzir um bezerro, vaca, novilho ou touro com graus de especificação diferentes, o novo, descomiditizando a produção, é considerado um ativo do conhecimento. [...] Assim, produzir bezerros com o mesmo peso na hora da venda, touros com o mesmo padrão fenotípico, novilhos com a mesma conformação é produzir diferente. Que este novo não obrigatoriamente deva ser superior ao convencional, mas que apresente características que atendam desejos ou necessidades específicas do consumidor. Na mesma linha, Faria et al. (2008), dizem que se espera que em breve, a garantia de qualidade já não será um diferencial, mas uma condição básica para manter espaço para o produto no mercado e que para o atingimento desse objetivo é necessária a adoção de programas de seleção e melhoramento para a qualidade da carcaça. Ratifica que há a necessidade de conhecimento estratégico do mercado, atuando nos problemas fora da porteira. Silva et al. (2004, p. 6) argumentam que atualmente, os frigoríficos procuram animais mais padronizados, ou seja, de peso, conformação e padrão racial semelhantes, tendo como conseqüência melhor uniformidade de carcaça para a indústria, facilitando os processos na linha de abate e

13 11 possibilitando atender as exigências de qualidade do mercado [...] a procura por animais padronizados afeta diretamente os criadores, induzindo-os a um melhoramento da criação, para obtenção de produtos dentro dos padrões exigidos, sendo melhor remunerados por isto. Na mesma linha, Christofari et al. (2010), dizem que independente do sistema de produção adotado, o uso de informações e o conhecimento do mercado podem ter importante efeito no resultado do negócio, principalmente no mercado de terneiros onde a falta de uniformidade dos animais especialmente pelos diferentes pesos, tem-se observado grande variação nos preços praticados entre um ou outro tipo de animal. Faria et al. (2008), dizem que face o aumento potencial da demanda por carne bovina e a necessidade de uma pecuária eficiente exigem que os produtores ofereçam ao consumidor final um produto de boa qualidade e com baixo custo. Salientam a importância de trabalhar com animais geneticamente superiores com o intuito de atender o complexo sistema de produção de carne de qualidade (FARIA et al., 2008, p.1). Os dados do Censo Agropecuário (IBGE, 2006) mostram que no estado do Rio Grande do Sul existem estabelecimentos definidos como familiares, de acordo com a Lei (BRASIL, 2006), que ocupam uma área de hectares. Do total de estabelecimentos mencionados, possuem bovinos de corte, onde são criados de cabeças, representando quase trinta e cinco por cento do rebanho bovino gaúcho atual. A bovinocultura representa a maior fonte de renda para uma parcela significativa de pecuaristas familiares do sul do Estado e que em geral, se desenvolve em áreas com menos de 300 hectares, baseando-se na utilização quase exclusiva do campo nativo, tendo baixo nível de incorporação tecnológica e capacidade de investimento (RIBEIRO, 2003). Os agricultores familiares gaúchos possuem rebanhos com baixas taxas de produtividade e animais de padrão zootécnico inferior, decorrente do uso de reprodutores de baixa qualidade, por conseqüência, de baixo valor comercial. Comercializam animais jovens, como terneiros, animais de sobre ano e vacas de descarte, abastecendo produtores invernadores (RIBEIRO, 2003; LUIZELLI, 2001; LASKE, 2010; CARDOSO et al., 2009). Esta situação foi agravada nas décadas de 80 e 90 pela crise da ovinocultura, onde a produção de lã era capaz de custear todas as necessidades do estabelecimento rural, (MIRANDA, 2004). Todos esses fatores contribuíram para o empobrecimento das famílias, resultando na

14 12 baixa qualidade de vida das mesmas. Sua importância reside no fato de que as propriedades com até 100 hectares representarem cerca de 70% do total das propriedades da região, sendo em sua grande maioria pecuaristas (RIBEIRO, 2003). Portanto, se consideramos este universo de produtores que possuem enquadramento no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), considerados por política pública e, somados àqueles detentores de áreas de até 300 hectares, verificamos ser este um público extremamente relevante em termos de dimensões e peso de sua atividade para a economia do Estado. Assim, busca-se verificar se a melhoria genética dos rebanhos gerados pela introdução de reprodutores melhoradores em pequenas propriedades nos municípios de Santa Maria, São Sepé e Santiago-RS gera benefícios aos agricultores familiares. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo principal consiste em verificar se a melhoria genética dos rebanhos de pequenas propriedades, com a introdução de touros denominados melhoradores, gera benefícios aos produtores rurais nos municípios de Santiago, Santa Maria e São Sepé-RS Objetivos Específicos Revisar a literatura sobre a ocupação territorial e o início das atividades agropastoris no estado do Rio Grande do Sul; Apresentar algumas características do rebanho bovino no estado; Levantar informações para verificar se as dificuldades de inserção destes produtores no mercado de animais se devem ao baixo padrão e indefinição racial de seus rebanhos.

15 13 Descrever dados que permitam quantificar o potencial dos pecuaristas familiares nos municípios de Santa Maria, São Sepé e Santiago. Analisar os resultados de melhoria do padrão racial dos rebanhos, nas pequenas propriedades familiares, após a introdução de reprodutores de raças definidas, denominados touros melhoradores. Gerar informações para os pequenos proprietários rurais sobre os benefícios de fazer uso deste tipo de reprodutores. 1.3 JUSTIFICATIVA Existem mais de quarenta mil pecuaristas familiares no Rio Grande do Sul, sendo proprietários de aproximadamente três milhões de bovinos (EMATER/RS-ASCAR, 2004). A bovinocultura de corte representa a maior fonte de renda para esta parcela de produtores rurais, que no geral se desenvolve em áreas com menos de 300 hectares. Para a produção, esses agricultores, utilizam quase exclusivamente do campo nativo, têm baixo nível de incorporação tecnológica e capacidade de investimento e, por consequência, obtêm baixas taxas de produtividade e animais de padrão zootécnico inferior, baixo valor comercial (RIBEIRO, 2003; LUIZELLI, 2001; LASKE, 2010; CARDOSO et al., 2009). Esses fatores contribuíram para o empobrecimento dessas pessoas e suas famílias. As entidades de classe que os representam como os Sindicatos Rurais, a Federação Estadual dos Trabalhadores da Agricultura (FETAG) e mais recentemente o governo do estado, através da criação do Programa Estruturante para o Desenvolvimento da Pecuária Familiar, percebem a importância e necessidade de elaborar políticas públicas para o atendimento deste público e o que eles representam em termos de produção animal no RS. A EMATER/RS-ASCAR, como entidade promotora do desenvolvimento rural, através dos diagnósticos já realizados por diversos de seus extensionistas, bem como do resultado de alguns trabalhos práticos, destaca a importância e urgência de se promover a esses grupos o acesso a políticas públicas como instrumentos de promoção de um desenvolvimento sustentável e que resulte em uma melhor qualidade de vida às suas famílias. O aumento potencial da demanda por carne bovina e a necessidade de uma pecuária eficiente, exigem que os produtores ofereçam ao consumidor final um produto de boa

16 14 qualidade com baixo custo. Para que esta demanda seja atendida, é necessário trabalhar com animais geneticamente superiores principalmente para as características relativas à qualidade de carcaça (FARIA et al., 2008). A importância do presente tema, objeto desta pesquisa, consiste na constatação de que o uso de reprodutores de baixa qualidade genética pelos produtores familiares resulta na produção de animais de padrão zootécnico inferior e de baixo valor comercial. Busca-se, com este trabalho, gerar informações importantes para que os produtores possam melhorar a qualidade dos animais produzidos e, portanto, aumentar sua renda.

17 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Nesta seção discute-se como se deu a ocupação territorial do estado do Rio Grande do Sul e início da criação de gado (subseção 2.1), são apresentadas características e importância da pecuária (subseção 2.1) e aspectos do gado gaúcho (subseção 2.3). 2.1 ASPECTOS HISTÓRICOS DA OCUPAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO SUL O estado do Rio Grande do Sul era habitado, até o início do século XVII, por indígenas, originários de três grupos: guaranis, charruas e guianas, que viviam da caça e de uma agricultura incipiente. O panorama da região passou a ser alterado com a vinda dos padres jesuítas, representantes da coroa espanhola, pois, na época, com a vigência do Tratado de Tordesilhas (1496), todo território gaúcho pertencia à Espanha (SEHN; ILHA, 2000). Fatores como a criação da 1ª Missão dos padres jesuítas com o propósito de catequizar seus habitantes na margem esquerda do Rio Uruguai, a criação de São Nicolau em 1626 e a introdução de cerca de bovinos no ano de 1634, pelo padre Cristóvão de Mendoza (para a instalação das 18 estâncias missioneiras), deram início a um sistema de exploração de terras no estado gaúcho. Esse sistema de exploração até hoje é a base que sustenta um grande número de famílias que vivem especialmente na chamada metade sul do território e nos Campos de Cima da Serra. Logo após a introdução dos bovinos, os jesuítas abandonam a margem esquerda do Rio Uruguai, somente retornando em 1682, onde criaram os chamados Sete Povos das Missões : São Francisco de Borja (1686), São Nicolau (1687), São Miguel Arcanjo (a capital, em 1687), São Luiz Gonzaga (1687), São Lourenço Mártir (1690), São João Batista (1697) e Santo Ângelo Custódio (1706) (SEHN; ILHA 2000; FORTES, 1981 apud BRUM, 2007). Entre a introdução do gado no RS e o retorno dos jesuítas, os bovinos se expandiram pelo atual território gaúcho, demonstrando uma grande adaptação às condições climáticas e ambientais encontradas. Com a volta dos missionários, ressurgem as estâncias jesuíticas, que procuram domesticar e explorar a criação de bovinos especialmente para se valer do

18 16 couro e da carne produzidos abundantemente por animais que já eram resultado de uma seleção natural imposta pelo ambiente. A expulsão dos jesuítas e o fim dos Sete Povos, em 1756, e a subseqüente luta entre espanhóis e portugueses por grande parte do território rio-grandense, que durou até os primeiros anos do século XIX, proporcionaram novamente condições para a expansão sem controle dos bovinos na região. Tendo como único critério de sobrevivência a capacidade de adaptação às condições de alimentação e clima, os bovinos continuaram aumentando expressivamente. Para o gaúcho que vagava pelos campos abertos deste tempo, onde a terra e o gado pertenciam a todos, a presença do gado foi um componente fundamental na formação da ocupação do território. Usava de animais como o cavalo para realizar o seu trabalho com os rebanhos. Isso lhe deu características que, atenuadas pelo tempo, até hoje estão presentes no homem que lida com o gado, como o gosto pelo cavalo e o apego à liberdade e aos grandes espaços (MIRANDA, 2004). Em sua formação histórica, o Rio Grande do Sul era o único território do Império do Brasil que rivalizava com Argentina, Uruguai e o Paraguai, tanto em termos políticos e militares, como econômicos. Nesse sentido, sua formação distinguiu-se dos demais estados do país, em função de ocupar um território fronteiriço, marcado por inúmeros conflitos entre as regiões ocupadas pelas Colônias dos impérios portugueses e espanhóis. Os conflitos deram-se, fundamentalmente em detrimento das planícies e do gado, o que acarretou a estruturação tardia da sociedade gaúcha da fronteira definiu-se somente ao longo do século XIX (TARGA, 1996b apud AREND; CÁRIO, 2005). Dessa forma, o clima recorrente de guerra fez com que a defesa das fronteiras contasse com os estancieiros, que eram líderes militares locais, e com peões, que acumulavam a atividade de soldados. Segundo Décio Freitas (apud AREND; CARIO, 2005, p.70), os estancieiros eram empresário-guerreiros, e o RS foi a única porção do território brasileiro conquistada pelos próprios moradores através de guerras contra uma potência européia. Com a definição de nossos atuais limites, a partir de 1801, o povoamento deu-se através das concessões de sesmarias (correspondiam a ha), em troca da defesa das fronteiras contra eventuais invasões. Economicamente, a manutenção destes espaços e a defesa militar do território foi viabilizada pela presença do bovino, que produzia o couro e a

19 17 carne, o primeiro produto era usado como abrigo e o segundo que alimentava os ocupantes do território (MIRANDA, 2004). 2.2 CARACTERÍSTICAS E IMPORTÂNCIA DA PECUÁRIA Portanto, devido à ocupação histórica e por suas características ambientais, o Rio Grande do Sul teve e tem, na pecuária de corte extensiva, grande importância econômica, social e cultural. A verdadeira ocupação das terras ocorreu com a distribuição de sesmarias aos heróis de inúmeras guerras e revoluções ocorridas no estado, dando origem às grandes estâncias (RIBEIRO, 2003; AREND; CÁRIO, 2005). Posteriormente, ocorreram inúmeras modificações, das sesmarias restaram os registros históricos. Através das gerações que se sucederam nestes pouco mais de 200 anos. Os campos foram cercados, as propriedades se dividiram e reduziram de tamanho, por partilha e pela introdução mais recente da agricultura. Segundo Ribeiro (2003, p. 8-9), embora ainda existam grandes propriedades, estas mudanças provocaram a formação de um contingente de produtores rurais que, apesar de terem áreas menores, continuaram com a criação de gado de corte como a sua principal atividade econômica. Conforme o autor, na chamada metade Sul existem os pequenos produtores que, se comparados com os considerados pequenos da metade norte, são grandes. Ou seja, o que é grande para o Norte é pequeno para o Sul. Criou-se, e permanece até hoje, a idéia de que não há pequenos produtores na região Sul, muito menos agricultores familiares, e por isso não há necessidade de programas e políticas públicas para esse público que não existe. Estudos e diagnósticos realizados recentemente, tanto no âmbito acadêmico como institucional (EMATER/RS-ASCAR, 2001; RIBEIRO, 2009; LUIZELLI, 2001; TORRES; MIGUEL, 2003), revelaram a existência de um número significativo de produtores rurais de cunho familiar que ocupam superfícies agrícolas relativamente extensas, alcançando na maior parte até 300 hectares.

20 18 Estudos da EMBRAPA Pecuária Sul, em Bagé, indicam que a criação de bovinos de corte praticada de forma extensiva, como no RS, não gera renda suficiente para a reprodução econômica e social destes produtores (MIRANDA, 2004). Embora o senso comum identifique a Metade Sul como uma região constituída, do ponto de vista agrário, apenas por grandes propriedades rurais, em sua pesquisa, Ribeiro (2003), detectou que 70% dos estabelecimentos da região têm até cem hectares. Diversos autores (RIBEIRO, 2003; 2009; LUIZELLI, 2001; TORRES; MIGUEL, 2003), apresentam definições que permitem melhor compreender o que significa a unidade de produção familiar ou a chamada agricultura familiar, na qual também se insere aqui chamada pecuária familiar. Todos abordam a agricultura familiar com um modo peculiar de exploração da terra, ou seja, que possui formas de condução das atividades e da vida na unidade de produção, ligadas à lógica da reprodução e sobrevivência da família (MIRANDA, 2004). A pecuária familiar surgiu da divisão das grandes estâncias, por herança ou pela aquisição de pequenas áreas (TORRES; MIGUEL, 2003). Segundo Lamarche (1993 apud LASKE, 2010, p. 10), pecuária familiar se define como uma unidade de produção agropecuária onde a propriedade e o trabalho estão intimamente ligados à família. Ribeiro (2003) estima que 80% das propriedades com até 300 hectares da Campanha se enquadrem na chamada pecuária familiar. O pecuarista familiar pode ser definido como aquele que tem a pecuária bovina, ovina ou caprina como preponderante na apuração da renda e na exploração da área (BRASIL, 2003). Possui rebanhos com baixas taxas de produtividade e animais de padrão zootécnico inferior, por conseqüência, de baixo valor comercial, (RIBEIRO, 2003; LUIZELLI, 2001) decorrente do uso de reprodutores de baixa qualidade genotípica, muitas vezes trocada com vizinhos ou pela utilização de reprodutores do próprio gado (LASKE, 2010). Comercializam animais jovens como terneiros, animais de sobre ano e vacas de descarte (CARDOSO et al., 2009). Segundo Gonçalves e Souza (2005 apud TINOCO, 2008, p. 01), na Legislação Brasileira a definição de propriedade familiar consta no inciso II do artigo 4º do Estatuto da Terra, estabelecido pela Lei Nº de 30 de novembro de 1964 com a seguinte redação: propriedade familiar o imóvel que, direta e pessoalmente explorado pelo agricultor e sua família, lhes absorva toda a força de trabalho, garantindo-lhes a subsistência e o progresso

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade.

O cruzamento do charolês com o zebu (indubrasil, guzerá ou nelore) dá origem ao CANCHIM. Rústico e precoce, produz carne de boa qualidade. OUTUBRO 2006 Para chegar ao novo animal, os criadores contaram com a ajuda do superintendente do laboratório de inseminação artificial Sersia Brasil, Adriano Rúbio, idealizador da composição genética

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.468, de 2014) Altera o inciso I do art. 3º da Lei nº 11.326, de 24 de julho de

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Informativo Técnico. Tome cuidado, seu tratamento contra o carrapato pode estar falhando!

Informativo Técnico. Tome cuidado, seu tratamento contra o carrapato pode estar falhando! Informativo Técnico Informativo Técnico N 01/Ano 01 abril de 2010 Tome cuidado, seu tratamento contra o carrapato pode estar falhando! Ivo Kohek Jr.* O carrapato do bovino (Boophilus microplus) passa a

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico

Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico Programa Nelore Brasil e seu Impacto Econômico II Congreso Ganadero Nacional CORFOGA 2008 Prof. Dr. Raysildo B. Lôbo ANCP, USP Crescimento da Pecuária de Corte Brasileira: produção de carne e abate 71,0%

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL

Características dos Touros Senepol. Benefício ao Criador Invernista Confinador. Senepol SL Senepol SL Programa SLde Melhoramento Estância Santa Luzia SENEPOL Benefícios dos Touros Senepol Santa Luzia Venda permanente Reprodutores & Doadoras Qualidade diferenciada a preço justo Na condução, Pedro

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil

primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil primeiro índice de cruzamento industrial projetado para o brasil o índice para guiar suas melhores decisões! O QUE É O BCBI? Desenvolvido com o suporte técnico do Geneticista Senior da L`Alliance Boviteq,

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO, FUNCIONAMIENTO E RESULTADOS DA REAF

CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO, FUNCIONAMIENTO E RESULTADOS DA REAF CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO, FUNCIONAMIENTO E RESULTADOS DA REAF CRIAÇÃO E EVOLUÇÃO DA REAF A REAF é um órgão assessor especializado do Grupo Mercado Comum (GMC), principal órgão executivo do MERCOSUL e do Conselho

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO

A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG INTRODUÇÃO A utilização da vaca F1: visão da EMATER-MG 1Elmer Ferreira Luiz de Almeida; 2José Alberto de Àvila Pires 1 Coordenador Técnico Bovinocultura de Leite da EMATER-MG 2Coordenador Técnico Bovinocultura de

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Pepe Vargas Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Fonte: IBGE Censo Agropecuário 2006 Os agricultores

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite.

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Jéssica Samara Leão SIMÕES¹; André da Mata CARVALHO²; Marlon MARTINS Moraes ²; Joiciane Maria

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES.

EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. EIXO TEMÁTICO I: HISTÓRIAS DE VIDA, DIVERSIDADE POPULACIONAL E MIGRAÇÕES. Tema 1: Histórias de vida, diversidade populacional (étnica, cultural, regional e social) e migrações locais, regionais e intercontinentais

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE ARTIGOS TÉCNICOS 04/2006 Júlio Otávio Jardim Barcellos Médico Veterinário, D.Sc - Zootecnia Professor Adjunto Depto Zootecnia UFRGS julio.barcellos@ufrgs.br Guilherme Cunha Malafaia Aluno do Curso de Pós

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais