Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo"

Transcrição

1 Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo Thomas R. Frieden, MD, MPH Departamento de Saúde e Higiene Mental da Cidade de Nova York (New York City Department of Health and Mental Hygiene) 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health

2 Tabaco: a principal causa de mortes no mundo hoje Fonte: Organização Mundial da Saúde. (2005) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2

3 Prevalência do tabagismo Um em quatro adultos fuma Mais de um bilhão de fumantes no mundo todo Melhor estimativa Qualidade dos dados atuais sobre a prevalência do fumo não é homogênea A prevalência varia muito Entre países e subgrupos Por exemplo: homens/mulheres, rural/urbana ~80% dos fumantes vivem em 24 países 2/3 dos fumantes vive em 15 países de renda baixa e média 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 3

4 Consumo do tabaco 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 4

5 O tabaco é um fator importante que contribui para as desigualdades de saúde Fonte: Jha et al. (2006) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 5

6 Controle eficaz do tabaco Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco fornece o contexto para melhorias Contudo... Atualmente não há um pacote técnico padrão para o controle do tabagismo (como para tuberculose, HIV, malária) Não foi estabelecida nenhuma meta internacional quantificável para o controle do tabagismo Os recursos do governo e da iniciativa privada para o controle do tabagismo são limitados 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 6

7 Recursos Fonte: Organização Mundial da Saúde. (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 7

8 Intervenção A eficiência das intervenções de controle do tabagismo é comprovada No entanto, poucos países as utilizam Fonte: Médicos por um Canada sem fumo (Physicians for a Smoke-Free Canada). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 8

9 Cinco componentes principais do controle de tabaco 1. Imposto Diminuir o acesso para diminuir o consumo 2. Imagem Proibir toda publicidade/promoção Publicidade antitabaco (incluindo rótulos, meios de comunicação) 3. Locais livres de fumo 4. Cessação 5. Avaliação 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 9

10 O consumo do tabaco cai à medida que o preço sobe Fonte: Organização Mundial da Saúde. (2001) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 10

11 Aumento dos impostos sobre o tabaco Os aumentos de preço são, sem dúvida, a forma mais eficiente de redução do uso do tabaco Crianças, jovens e pessoas de baixa renda são mais vulneráveis ao preço O público em geral é normalmente a favor dos impostos sobre o tabaco Alocações específicas para o controle do tabagismo e outros programas de saúde/sociais aumentam ainda mais a popularidade Apesar do que a indústria do tabaco alega, impostos mais altos não reduzem a receita do governo 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 11

12 Definir uma alíquota eficaz Estabelecer uma meta para a redução da prevalência do tabagismo Determinar a elasticidade do preço de consumo e prevalência do tabagismo Nas economias de mercado estabelecidas, aumento de 10% no preço causa uma queda de 2,5 a 5% no consumo A elasticidade da prevalência estimada em cerca de metade da elasticidade do consumo Estabelecer a alíquota Para continuar sendo eficiente, o imposto precisa ser periodicamente corrigido pela inflação e pelo poder aquisitivo do consumidor 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 12

13 Impostos mais altos na cidade de Nova York reduziram as vendas de cigarros Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 13

14 Fumantes de Nova York que pararam alegaram ser devido ao imposto mais alto Fonte: Frieden et al. (2005) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 14

15 Ajustes de preço Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 15

16 Prevenção do contrabando A sonegação do imposto sobre o cigarro estimula a demanda entre os jovens e grupos de baixa renda A redução do contrabando protege tanto a saúde quanto a receita fiscal As empresas de tabaco com frequência são cúmplices na sonegação do imposto sobre o cigarro e, em alguns casos, até a coordenam Fazer com que os fabricantes sejam responsabilizados judicial e financeiramente e cuidem para que seus produtos não sejam vendidos ilegalmente 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 16

17 A indústria do tabaco gasta bilhões todos os anos em marketing Somente nos EUA, a indústria do tabaco gasta mais de US$13 bilhões por ano em publicidade/marketing US$ 43 ao ano por cada homem, mulher e criança Mais de 80% gastos em cupons e outras intervenções de preço para minar os impostos Globalmente, os custos anuais do marketing do tabaco chegam a dezenas de bilhões de dólares Os países em desenvolvimento são uma grande oportunidade de crescimento para a indústria do tabaco 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 17

18 Proibição direta e indireta da publicidade do tabaco As proibições de publicidade/ marketing limitam a capacidade da indústria de manter uma imagem positiva do tabaco A indústria do tabaco subverte as proibições com o uso das promoções no ponto de vendas, malas diretas, patrocínios, display de produtos, colocação de produtos, etc. As proibições abrangentes reduzem a capacidade de contra-atacar os impostos com intervenções que reduzam os preços Por exemplo: cupons, vendas de 2 por um, amostras gratuitas Fonte: Trinkets and Trash. (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 18

19 Publicidade antitabagismo constante e de alto impacto Contra-atacar as imagens positivas criadas pela indústria Dar ênfase ao impacto do fumo no ser humano, fumo passivo Mostrar o lado humano do sofrimento causado pelo tabaco Revelar as táticas de marketing/fabricação da indústria Promover os benefícios e o potencial da cessação Destacar as quedas do tabagismo já alcançadas e a redução da exposição à fumaça do tabaco Cobertura dos meios de comunicação e rótulos de embalagens também são importantes Anúncios antitabaco patrocinados pela indústria do tabaco são ineficientes Talvez até aumentem o consumo de tabaco 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 19

20 Publicidade antitabagismo constante e de alto impacto Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 20

21 Criar lugares públicos livres de fumo Protege os trabalhadores e o público da poluição da fumaça do tabaco Aumenta a probabilidade dos trabalhadores cessarem Conscientiza-os sobre a ameaça à saúde que o fumo passivo representa para as pessoas, aumentando a motivação de pararem Incentiva a criação voluntária de lares livre de fumo: protege as crianças e os outros membros da família, ajuda os fumantes a pararem de fumar Pode ajudar a mudar a imagem do tabagismo Fonte: Instituto para Controle Global do Tabaco (Institute for Global Tobacco Control). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 21

22 Exposição ao fumo passivo como questão de direito do trabalhador Não se trata de um simples incômodo 30 minutos de exposição ao fumo passivo mudam a circulação e a coagulação do sangue dos não fumantes As leis de locais de trabalho livres de fumo salvam vidas Estabelecidas principalmente como uma questão de saúde e segurança Todos os trabalhadores, incluindo empregados de bares e restaurantes, merecem igual proteção Os locais de trabalho livres do fumo não prejudicam os negócios Não há uma escolha conflitante entre a saúde e a economia 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 22

23 Os locais de trabalho livres de fumo cortam o consumo de cigarros Fonte: Fichtenberg CM and Glantz. (2002) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 23

24 Leis abrangentes de locais de trabalho livres de fumo Reduzem o consumo de cigarros As restrições mais brandas nos locais de trabalho, como fumar em áreas designadas, têm muito menos impacto nas taxas de cessação e menos efeito no consumo. Philip Morris (1992) O impacto financeiro da proibição do fumo será enorme-três a cinco cigarros a menos por dia, por fumante, reduzirão os lucros anuais dos fabricantes em mais de um bilhão de dólares por ano. Philip Morris (1993) Fonte: documentos internos da Philip Morris. (1992 e 1993) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 24

25 As leis de locais de trabalho livres de fumo não prejudicam os negócios... [O]s argumentos econômicos geralmente usados pela indústria para afugentar a atividade de proibição não funcionavam mais... Esses argumentos simplesmente não têm credibilidade junto ao público, o que não é de surpreender quando se considera que nossas piores predições no passado raramente vingaram. Philip Morris (1994) Fonte: documentos internos da Philip Morris. (1994) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 25

26 Piores previsões sobre os prejuízos econômicos da Cidade de Nova York O que a indústria do tabaco previu sobre as leis de ambientes livres de fumo... restaurantes perderiam até um quarto de seus negócios se o fumo fosse proibido. O que realmente aconteceu após a Lei de Ambientes Fechados Livres de Fumo de 1995 As vendas dos restaurantes cresceram de 1993 a 1997 Nossa previsão é que [a lei do Ar Livre de Fumaça] custe empregos para a cidade e mais de $ 500 milhões para o setor de hospitalidade. Nova York recebe mais de 25 milhões de visitantes por ano. O turismo rende US$ 14 bilhões. Mas se essa lei for aprovada na forma como está, os turistas ficarão longe de uma cidade tão intolerante aos fumantes. Mais de novos empregos em restaurantes foram criados entre 1993 e 1997 Mais de 37 milhões de turistas visitaram Nova York em 2000 (subindo para 44 milhões em 2006) O turismo cresceu e tornou-se uma indústria de US$ 25 bilhões/ano 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 26

27 As leis de locais de trabalho livres do fumo salvam vidas e não prejudicam os negócios Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 27

28 A qualidade do ar nos bares melhorou muito Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2002) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 28

29 Licenças de bebidas alcoólicas ativas, restaurantes e bares da Cidade de Nova York Fonte: New York State Liquor Authority (órgão responsável pela licença para vender álcool no Estado de Nova York). (2005) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 29

30 As leis de ambientes livres de fumo estão se espalhando pelo mundo Contudo, mundialmente, menos de 5% de quem trabalha em ambiente fechado está protegido As leis de ambientes fechados livres de fumo são populares e bemaceitas após sua implementação As leis que permitem fumar em algumas áreas dos locais de trabalho não são eficientes na proteção dos demais, nem incentivam a cessação Proibições parciais, áreas/salas para fumantes As leis de ambientes fechados livres de fumo mostram repetidas vezes que não houve mudança, ou houve um pequeno aumento na receita dos restaurantes e bares 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 30

31 Muitos fumantes querem parar Em muitos países, mais de 2/3 dos fumantes quer parar e tentaram parar no último ano Os preços mais altos, anúncios antitabagismo, falta de lugares onde fumar incentivarão a cessação Contudo, muitos não conseguirão sem ajuda 80% dos fumantes da Cidade de Nova York que pararam em 2006 voltaram a fumar em 3 meses Muitos fumantes precisam de várias tentativas de cessação antes de conseguirem de forma permanente 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 31

32 Geralmente, a dependência do tabaco é tratada de forma insuficiente Nos EUA, menos de 20% dos fumantes que gostariam de parar recebem oferta de ajuda dos médicos É preciso que os profissionais de medicina estejam mais engajados nos esforços antitabagismo Os serviços clínicos de cessação podem dobrar a probabilidade de cessação Uma combinação de medicamentos e orientação funciona melhor A terapia de reposição (TRN) que dispensa receita médica pode ajudar Fonte: Instituto para Controle Global do Tabaco (Institute for Global Tobacco Control). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 32

33 Cessação de fumo nos hospitais públicos da Cidade de Nova York 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 33

34 Adesivos de nicotina aumentam as taxas de cessação cursos gratuitos de TRN (adesivo) oferecidos para fumantes pesados (4/03) total de nos últimos três anos Mais de (33%) cessaram após seis meses Expectativa de mais da metade Até seis vezes mais alto que as taxas sem TRN Mais de vidas serão salvas Fonte: Miller et al. (2005) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 34

35 Cessação do fumo como política pública A cessação do fumo é mais custo-efetiva e tem mais efeito sobre a saúde do que a maioria das intervenções clínicas Mas ela é muito, muito menos eficiente do que as intervenções de preço, imagem e exposição para reduzir a prevalência É importante, do ponto de vista ético, usar alguns impostos que os fumantes pagam para ajudar a quem deseja cessar Grande disponibilidade de serviços de cessação com poucas barreiras pode ajudar a mudar a imagem do tabaco e pode vir a facilitar outras mudanças nas políticas 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 35

36 Dados para orientação da implementação do programa Determinar a prevalência e os padrões do uso do tabaco Direcionar as intervenções aos grupos que mais precisam Avaliar o impacto nas taxas do tabagismo gerais e dos subgrupos 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 36

37 Dados para monitoração da eficiência das intervenções Tributação (custo/maço) Contrabando (custo, local da compra) Imagem (exposição aos anúncios de tabaco e antitabaco) Fumo passivo (exposição nos locais de trabalho, lares; obediência à lei) Cessação 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 37

38 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 38

39 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 39

40 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 40

41 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 41

42 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 42

43 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 43

44 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 44

45 Queda da prevalência do tabagismo: Cidade de Nova York, Fonte: Departamento de Saúde da Cidade de Nova York (NYC Department of Health). (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 45

46 Adolescentes fumantes na cidade de Nova York - queda de 52% nos últimos 8 anos Fonte: YRBS, alunos do ensino secundário, escolas públicas. (2006) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 46

47 Possível meta global Menos de 20 até 2020 Redução de 5% na prevalência absoluta do tabagismo global até 2020 (de 25% para 20%) Cada país deve reduzir pelo menos 5% (por ex. de 23% para 18% ou menos) Iniciando na prevalência de 5-10%, a tendência é decrescente Iniciando em menos de 5%, ficar abaixo dos 5% As metas precisam ser revistas e aceitas pelos países e autoridades mundiais A dinâmica populacional pode limitar o potencial de rápida redução da prevalência 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 47

48 Implementação da Iniciativa Global Bloomberg Quatro intervenções diferentes 1. Fortalecer o setor público 2. Fortalecer o setor não governamental 3. Monitorar o tabagismo com rigor 4. Otimizar as intervenções 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 48

49 Princípios de implementação Responsabilidade Resultados Coordenação Enfoque na eficiência no país Centros globais de apoio para as intervenções específicas de cada país Intervenções legais Informações públicas Apoiar campanhas de publicidade e meios de comunicação apropriadas para o país 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 49

50 Intervenções importantes nos países Aumento dos impostos Criar e aplicar leis que estabeleçam locais públicos livres de fumo Mudança da imagem do fumo Proibição da publicidade e do marketing Publicidade antitabagismo, avisos nos maços e medidas eficazes de mudança da imagem do tabaco 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 50

51 Principais desafios programáticos Barreiras contra aumentos de impostos Substituição de produtos, política, logística, contrabando Potencial cortes nos preços para compensar os impostos mais altos Proibições eficientes contra a publicidade Incluindo marketing direto e o indireto, promoção no ponto de venda, displays de produtos Aumentar o contra-ataque de marketing Lugares livres de fumo sem exceções: sem salas separadas para fumantes Controle eficiente 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 51

52 Cronograma para a mudança e implementação de política 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 52

53 Potencial E se tivéssemos uma vacina que pudesse evitar 1 entre 10 mortes no mundo? Já temos... Controle do tabaco Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 53

54 Potencial Mais de 150 milhões de vidas salvas neste século se o mundo atingir menos de 20 até 2020 População em 2006 Número de fumantes Redução de fumantes Mortes prematuras evitadas Atualmente Adultos (com 18 anos ou mais) Futuramente Crianças (de 0 a 17 anos) 2.122* Por nascer ( ) 3.020* Número mínimo de mortes relacionadas ao tabagismo evitadas em todo o mundo no século XXI 158 Obs.: números em milhões * Número estimado com sobrevivência até os 18 anos. Fumantes atuais ou futuros (supondo não haver mudança na atual prevalência de 25% de fumantes adultos). Supondo prevalência de tabagismo reduzida de 25% para 20%. Supondo que 1/3 dos fumantes morrerá por causa de doença relacionada ao tabagismo. Fonte: Frieden TR and Bloomberg MR. (2007) Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 54

55 Resumo Aumentar as intervenções eficientes e reverter a epidemia de doenças causadas pelo tabaco É preciso tomar medidas eficientes para reverter a maior epidemia de nossos tempos 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 55

Comércio ilícito de produtos de tabaco

Comércio ilícito de produtos de tabaco Comércio ilícito de produtos de tabaco Vinayak M. Prasad, MD Diretor, Ministério da Saúde e Assistência Social da Família, Índia 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Seção A Comércio ilícito

Leia mais

Avaliação das políticas de ambientes livres de fumo

Avaliação das políticas de ambientes livres de fumo Avaliação das políticas de ambientes livres de fumo Andrew Hyland, PhD Roswell Park Cancer Institute 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Seção A Visão Geral 2007 Johns Hopkins Bloomberg

Leia mais

Comércio ilegal do tabaco

Comércio ilegal do tabaco Comércio ilegal do tabaco Ayda A. Yurekli, PhD Pesquisa para o Controle do Tabaco Internacional (Research for International Tobacco Control) Centro Internacional de Desenvolvimento de Pesquisas (International

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Superintendência de

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Prof. Javaid Khan, FRCP (Edin) Setor Principal de Medicina de Cuidado Pulmonar e Crítico The Aga Khan University, Karachi, Paquistão Envolvimento

Leia mais

Avaliação das campanhas antitabagismo na mídia de massa

Avaliação das campanhas antitabagismo na mídia de massa Avaliação das campanhas antitabagismo na mídia de massa Marc Boulay, PhD Center for Communication Programs Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2008 Johns Hopkins Bloomberg School of Public

Leia mais

OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES

OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES Organização Pan-Americana da Saúde, OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES Programação Visual da Capa: Divisão de Comunicação Social/

Leia mais

Dados sobre Tabaco e Pobreza: um círculo vicioso

Dados sobre Tabaco e Pobreza: um círculo vicioso Dados sobre Tabaco e Pobreza: um círculo vicioso O cenário mundial mostra que embora o consumo de cigarros venha caindo na maioria dos países desenvolvidos, o seu consumo global aumentou em torno de 50%

Leia mais

Os impactos econômicos dos ambientes livres de fumo

Os impactos econômicos dos ambientes livres de fumo Os impactos econômicos dos ambientes livres de fumo Por Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT A indústria de cigarros alega que a proibição de fumar em ambientes fechados gerará quedas das vendas

Leia mais

Cigarro agride não fumantes

Cigarro agride não fumantes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Cigarro agride não fumantes Para impedir o tabagismo passivo, cidades criam leis de proibição do fumo

Leia mais

O fumo e a saúde: uma atualização

O fumo e a saúde: uma atualização O fumo e a saúde: uma atualização Jonathan M. Samet, MD, MS Diretor do Instituto para Saúde Mental da USC (USC Institute for Global Health) Professor e Presidente do Flora L. Thornton, Departamento de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 853, DE 2003 (Do Sr. JOSÉ DIVINO) Dispõe sobre o teor máximo permitido de Alcatrão, Nicotina e Monóxido de Carbono (CO) por cigarro produzido e consumido em todo território Nacional.

Leia mais

ACT PARTICIPA DA 10a SEMANA INTERNACIONAL DE RESISTÊNCIA À INDÚSTRIA DO TABACO ONG denuncia interferência da indústria nas políticas públicas de saúde

ACT PARTICIPA DA 10a SEMANA INTERNACIONAL DE RESISTÊNCIA À INDÚSTRIA DO TABACO ONG denuncia interferência da indústria nas políticas públicas de saúde ACT PARTICIPA DA 10a SEMANA INTERNACIONAL DE RESISTÊNCIA À INDÚSTRIA DO TABACO ONG denuncia interferência da indústria nas políticas públicas de saúde A Aliança de Controle do Tabagismo ACT participa de

Leia mais

ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE

ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE ÁREA 100% LIVRE DE FUMAÇA ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE O QUE É EPS? ESCOLA QUE PROPORCIONA UM ENTORNO MAIS SAUDÁVEL, SEGURO E APROPRIADOS PARA CONVIVER PROMOVENDO SAÚDE E QUALIDADE

Leia mais

Dependência do Tabagismo

Dependência do Tabagismo Dependência do Tabagismo Jack E. Henningfield, PhD Johns Hopkins School of Medicine (Escola de Medicina Johns Hopkins) Pinney Associates 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health (Escola de

Leia mais

TABAGISMO. O tema deste informe foi sugerido pelo Laboratorista Edmund Cox

TABAGISMO. O tema deste informe foi sugerido pelo Laboratorista Edmund Cox Informativo Semanal O tema deste informe foi sugerido pelo Laboratorista Edmund Cox O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo.

Leia mais

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro O Consumo de Tabaco no Brasil Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Organização Mundial de

Leia mais

^=`ljfppíl=jrkaf^i=a^=j^`lke^= = `lk`irpîbp=b=ob`ljbka^ Îbp=

^=`ljfppíl=jrkaf^i=a^=j^`lke^= = `lk`irpîbp=b=ob`ljbka^ Îbp= PORTUGUESE ^`ljfppíljrkaf^ia^j^`lke^ `lk`irpîbpbob`ljbka^ Îbp COMISSÁRIOS: ROBIN ROOM BENEDIKT FISCHER WAYNE HALL SIMON LENTON PETER REUTER AMANDA FEILDING `lmvofdeq«qeb_b`hibvclrka^qflkommu qeb_b`hibvclrka^qflk

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade.

Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil. Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Desigualdades em saúde - Mortalidade infantil Ruth Rangel * Fernanda Azevedo * Palavras-chave: mortalidade infantil; qualidade de vida; desigualdade. Resumo A redução das desigualdades sociais tem sido

Leia mais

Porque aumentar a carga tributária e o preço dos cigarros no Brasil

Porque aumentar a carga tributária e o preço dos cigarros no Brasil Porque aumentar a carga tributária e o preço dos cigarros no Brasil É necessário aumentar os impostos sobre os cigarros e, por consequência, seus preços porque é uma medida efetiva para reduzir o consumo

Leia mais

AMBIENTE DE TRABALHO LIVRE DO FUMO HISTÓRICO DE REVISÕES. Descrição da. Aprovado por: 29/10/2012 00 Emissão Inicial. Elaborado por: Attatiana Miranda

AMBIENTE DE TRABALHO LIVRE DO FUMO HISTÓRICO DE REVISÕES. Descrição da. Aprovado por: 29/10/2012 00 Emissão Inicial. Elaborado por: Attatiana Miranda Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz AMBIENTE DE TRABALHO LIVRE DO FUMO HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão Elaborado Revisado Aprovado 00 Emissão Inicial Sônia Gertner

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cigarro é droga? Verdade! Cigarro é uma droga poderosa, apesar de ser um produto lícito. O potencial de abuso da

Leia mais

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA A Aliança de Controle do Tabagismo ACT, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de

Leia mais

TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA

TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA TRATAMENTO DE DADOS: PESQUISA SOBRE O NÚMERO DE FUMANTES NO CAMPUS DA ULBRA DE GUAÍBA Ismael Bridi 1 Carine B. Loureiro 2 Paulo Samarani 3 RESUMO Em pesquisa realizada entre os alunos do campus da ULBRA

Leia mais

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

Associação da Indústria de Segurança (SIA)

Associação da Indústria de Segurança (SIA) Associação da Indústria de Segurança (SIA) Sede em Washington, D.C - EUA Membros são os fabricantes de equipamentos de segurança eletrônica, distribuidores e integradores de sistemas; Representa todos

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE

Marketing Esportivo. os desafios e as oportunidades. Claudinei P. Santos. Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Marketing Esportivo os desafios e as oportunidades Delft Consultores - ABRAESPORTE - INNE Algumas provocações... Incentivo ao esporte Integração social pelo esporte Patrocínio Copa 2014 Olimpíadas 2016

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social. Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social. Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Comunicação Social Aline Camargo Luciane Padilha Aragon Patrícia Lima da Silva Porto Alegre 2008 Aline Camargo Luciane Padilha Aragon

Leia mais

Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde

Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde Jonathan Samet, MD, MS Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health O que é Tabagismo Passivo? Fumaça

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 Ementa: Paciente fumante. 1. Do fato Profissional Auxiliar de Enfermagem informa que a direção da instituição em que trabalha determinou

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Programa Nacional de Controle do Tabagismo OBJETIVOS Reduzir a morbi-mortalidade causada pelo tabagismo Reduzindo prevalência de fumantes Prevenção da iniciação

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING

ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING ANÁLISE DO AMBIENTE DE MARKETING SISTEMA DE MARKETING O Sistema de Marketing como foi apresentado até agora compreende o chamado micro-ambiente de marketing. Além da própria empresa e de seu mercado, também

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014

Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho. ANS maio/2014 Promoção da Saúde e Prevenção de Risco e Doenças no Ambiente de Trabalho ANS maio/2014 Perfil da Cemig Maior empresa integrada deutilites do Brasil. Composta por 58 empresas e 15 consórcios. Lucro líquido

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Princípios de vigilância

Princípios de vigilância Princípios de vigilância Jonathan Samet, MD, MS Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Objetivos do aprendizado Definir os termos básicos relacionados

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Índice de Figuras, Quadros e Tabelas (Janeiro 2012) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 ÍNDICE DE FIGURAS, QUADROS E TABELAS 1. Enquadramento do Plano Nacional de Saúde

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DEPENDÊNCIA E TRATAMENTO DO CONSUMO DE TABACO Andréia Souza Grespan

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi

Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi Os avanços e novos desafios da gestão local da saúde na perspectiva do CONASEMS Antônio Carlos F. Nardi A HISTÓRIA DO SUS Década de 1970 Sistema Nacional de Saúde: direito à saúde apenas aos dependentes

Leia mais

Situação Epidemiológica

Situação Epidemiológica 9. Tabagismo Situação Epidemiológica Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná O tabagismo é a segunda maior causa de morte no planeta, responsável por 8,8% do total de óbitos. São cerca

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as

Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as Na comemoração anual do Dia Mundial da Criança cumpre recordar que o bem estar das crianças se realiza, ou não, no seio das famílias e que as condições socioeoconomicoculturais destas são determinantes

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

GTSS GLOBAL TOBACCO SURVEILLANCE SYSTEM

GTSS GLOBAL TOBACCO SURVEILLANCE SYSTEM GTSS GLOBAL TOBACCO SURVEILLANCE SYSTEM Perguntas sobre Tabaco para Pesquisas Um subconjunto de perguntas chave da Pesquisa Mundial sobre Tabagismo em Adultos (conhecida internacionalmente como Global

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes. 1 Edição

Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes. 1 Edição Apresenta: O que pensam os pacientes como clientes O que pensam os pacientes como clientes 1 Edição AGENDA Metodologia Sinopse A Pesquisa METODOLOGIA TÉCNICA Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD

E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD Kim Richter, PhD E: Jamie Hunt, PhD; Paula Cupertino, PhD; Peter Friedmann, PhD; Byron Gajewski; PhD; Babalola Faseru, M.D., Edward Ellerbeck, MD, PhD Discutir porque é importante o tratamento da dependência

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

12 perguntas. que você precisa fazer para o seu cliente.

12 perguntas. que você precisa fazer para o seu cliente. 12 perguntas que você precisa fazer para o seu cliente. Introdução Neste final de ano, a Icatu Seguros quer convidar a todos para uma reflexão sobre decisões aparentemente simples, mas que nem sempre são

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas

Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro. Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Iniqüidades nas informações sobre saúde: uma visão global, um exemplo brasileiro Cesar Victora Universidade Federal de Pelotas Resumo da apresentação Iniqüidades na saúde das crianças Uma visão global

Leia mais

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS .. Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS Modelo causal de consumo de alcool, mecanismos intermediarios e consequencias:

Leia mais

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL 1 COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL Celso Silva 2 Sobre o autor Celso Silva é nascido no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressou

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão 1 Alguns factos históricos da epidemia tabágica Consumo de cigarros raro em 1900 (EUA: 54 cig/pessoa/ano)

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Implantação de Programas de Combate ao Tabagismo em Hospitais Dr. Marcos Marques Hospital Vita Batel Curitiba/PR História O uso do tabaco surgiu aproximadamente no ano 1000 a.c (América Central). Chegou

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Maços de cigarro viram campo de batalha entre empresas e governos

Maços de cigarro viram campo de batalha entre empresas e governos Notícias Uol 02/02/2014 Saúde Maços de cigarro viram campo de batalha entre empresas e governos 02/12/201415h59 Compartilhe1642 Imprimir Comunicar erro Divulgação/BBC Nos EUA, o uso de imagens mais fortes

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

PwC HealthCast 2020: creating a Substainable Future

PwC HealthCast 2020: creating a Substainable Future Há evidência crescente de que o atual sistema de saúde de todas as nações vai se tornar insustentável se algo não mudar nos próximos 15 anos. Globalmente, a assistência tem sido ameaçada por uma confluência

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

CONCEITOS E MÉTODOS PARA GESTÃO DE SAÚDE POPULACIONAL

CONCEITOS E MÉTODOS PARA GESTÃO DE SAÚDE POPULACIONAL CONCEITOS E MÉTODOS PARA GESTÃO DE SAÚDE POPULACIONAL ÍNDICE 1. Introdução... 2. Definição do programa de gestão de saúde populacional... 3. Princípios do programa... 4. Recursos do programa... 5. Estrutura

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PAF Programa de Assistência ao Fumante

PAF Programa de Assistência ao Fumante PAF Programa de Assistência ao Fumante Programa de Tratamento Médico do Tabagismo desenvolvido por Dra Jaqueline Scholz Issa (CRM SP 60.179 ) baseado no atendimento de mais de 5000 fumantes ao longo de

Leia mais

Advocacy como ferramenta para

Advocacy como ferramenta para Advocacy como ferramenta para o controle do tabagismo Adriana Carvalho Advogada 16/08/2011 1 Sociedade Civil Um dos 7 princípios norteadores da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco: Importância da

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais