Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6"

Transcrição

1 O odelo de Fatores Específicos Krugman & Obstfeld, Cap. 3; WTP, Cap. 6 Obs.: Estas notas de aula não foram submetidas a revisão, tendo como única finalidade a orientação da apresentação em classe. Comentários são bem vindos e podem ser enviados a Reprodução sob quaisquer meios ou distribuição proibida sem autorização prévia do autor. 03/04/ de 23

2 INTRODUÇÃO o renda não é nada mais do que a remuneração aos detentores dos fatores de produção por sua utilização. O modelo Ricardiano, em que há só um tipo de fator de produção escasso (a mão de obra homogênea) e inexistem custos ou barreiras para a movimentação do fator trabalho entre os diferentes setores produtivos, a questão da distribuição da renda doméstica não pode ser avaliada de forma adequada. o s limitações do odelo Ricardiano não eliminam sua utilidade, seus resultados básicos sobre a relação entre a produtividade e a remuneração aos fatores e referente à existência de potenciais ganhos com o comércio sempre que os custos de oportunidade relativos sejam diferentes entre os países são inatacáveis e válidos. Para tratar de questões mais refinadas, entretanto, uma especificação mais precisa e detalhada da estrutura das economias passa a ser necessária. o Com o modelo de fatores específicos (Paul Samuelson e Ronald Jones), procura-se analisar, entre outros temas, o impacto do comércio internacional sobre a distribuição de renda interna aos países envolvidos. Este não é o único modelo capaz de tratar o tema da distribuição de renda, mas é um modelo que se destaca nesta modalidade de análise. o Para tratar da questão da distribuição de renda interna, o novo modelo exige alterações em diversas hipóteses simplificadoras do modelo ricardiano. No modelo de fatores específicos mais simples há dois países, dois bens e três fatores de produção (Capital, Terra e ão de Obra). s tecnologias de produção estão sujeitas a rendimentos marginais decrescentes, sendo Capital e Terra específicos dos respectivos setores de produção, vale dizer, estes recursos não podem ser deslocados da produção de um bem para a de outro. O trabalho, como no modelo Ricardiano, permanece homogêneo e móvel entre os setores. 03/04/ de 23

3 O odelo de Fatores Específicos 1) Estrutura: a) 2 bens i) anufaturas () ii) limentos () b) 2 países i) local (doméstico) ii) estrangeiro ( * ) c) 3 fatores escassos i) 2 específicos aos setores (indústrias) (1) Capital, K, usado apenas na produção de manufaturas (2) Terra, T, usado apenas na produção de alimentos ii) 1 fator não específico (1) mão de obra, L, usada tanto na produção de manufaturas, L, quanto na produção de alimentos, L. d) Tecnologia - Funções de Produção: i) Produção de anufaturas Q = Q, ( K L ) Q L = Pg L > 0 (Produtividade arginal do Trabalho Positiva) Pg L L < 0 (Rendimentos arginais Decrescentes) 03/04/ de 23

4 Q K = Pg K > 0 (Produtividade arginal do Capital Positiva) ii) Produção de limentos Q = Q, ( T L ) Q L = Pg L > 0 (Produtividade arginal do Trabalho Positiva) Pg L L < 0 (Rendimentos arginais Decrescentes) Q T = Pg T > 0 (Produtividade arginal da Terra Positiva) e) Graficamente (F= Food = limentos) : i) Produtividade arginal do Trabalho Positiva e formato da Função de Produção ii) Produtividade arginal do Trabalho Decrescente 03/04/ de 23

5 iii) umento no estoque do capital - a Pg L aumenta para cada nível de utilização de trabalho: Q = Q (K 1,L ) iv) Pleno Emprego: a condição de pleno emprego dos fatores agora é tríplice: (1) K = K - todo o estoque de capital é utilizado (2) T = T - todo o estoque de terra é utilizado 03/04/ de 23

6 (3) L = L + L v) se as condições (a), (b) e (c) forem satisfeitas, a economia estará empregando plenamente seus recursos, situações mostradas sobre a Fronteira de Possibilidades de Produção (FPP). Supõe-se, nesta análise, que a economia esteja operando em pleno emprego, ou seja, que as três condições acima sejam satisfeitas. Solução do odelo (Gráfica) a) solução analítica para o modelo de fatores específicos é relativamente complexa, podendo ser encontrada no Suplemento ao Cap. 6 no WTP. qui uma solução gráfica, também satisfatória, será apresentada. 03/04/ de 23

7 b) Interessa-nos nesta análise entender a lógica subjacente à FPP de um país. Para tanto, as informações necessárias são: i) O montante disponível de cada fator de produção, K, T e L. ii) s tecnologias disponíveis para produzir manufaturas e alimentos (food). c) O gráfico mostra nos quadrantes superior esquerdo e inferior direito as funções de produção de alimentos e manufaturas, respectivamente. Na construção destas curvas, supõe-se que os estoques de insumos específicos, T e K, sejam iguais aos totais disponíveis na economia, o que assegura o pleno emprego destes dois fatores na análise. d) Para garantir o pleno emprego da mão de obra, o quadrante inferior esquerdo mostra a restrição de plena utilização deste fator, que pode ser deslocado, sem custos, entre os dois setores (produção de alimentos e de manufaturas). Sobre a restrição L = L + L, a mão de obra está plenamente empregada. e) Postas estas considerações, a obtenção da FPP é bastante simples: i) Tome um ponto sobre a restrição de plena utilização de trabalho (quadrante inferior esquerdo), ela define quanta mão de obra será alocada, em pleno emprego, na produção dos dois tipos de bens. ii) Dados os estoques de K e T, que definem as posições das funções de produção, as quantidades de mão de obra alocada em cada setor definem as quantidades produzidas de limentos (no quadrante superior esquerdo) e de manufaturas (no quadrante inferior direito). Estas quantidades são as máximas que podem ser produzidas nesta economia para a alocação de mão de obra escolhida. combinação das quantidades de alimentos e manufaturas pode 03/04/ de 23

8 ser projetada no quadrante superior direito, sendo um ponto da FPP. iii) Repetindo os passos (i) e (ii) para todas as possíveis alocações de mão de obra entre os setores, obtémse a FPP. f) Note que a FPP é convexa em relação à origem. Este formato é devido às características das funções de produção de manufaturas e de alimentos, ambas sujeitas a rendimentos marginais decrescentes dos fatores. g) Partindo de um ponto da FPP, uma elevação na produção de alimentos exige, necessariamente, uma redução da produção de manufaturas. De fato, a inclinação da FPP neste ponto (a inclinação da tangente à FPP no ponto escolhido) é dada por: dq dq a = a L L pois para produzir mais uma unidade de manufaturas são necessárias a L horas de trabalho adicionais, que serão retiradas da produção de alimentos. Para saber quantas unidades de alimentos deixarão de ser produzidas para aumentar a produção de manufaturas, divide-se a L por a L, ou seja, transforma-se o número de horas necessárias para aumentar a produção de manufaturas em unidades de alimentos. h) Este raciocínio é idêntico ao usado no modelo ricardiano, mas uma diferença importante deve ser notada. No modelo ricardiano a FPP era linear, ou seja, a inclinação da FPP era constante, pois as tecnologias estavam sujeitas a uma Pg L constante. gora, com especificação das tecnologias mais realista, a Pg L nos dois setores é decrescente, pelo que a FPP fica menos inclinada na medida em que mais alimentos são produzidos. Para melhor entender este ponto, reescreva a fórmula da inclinação da FPP, lembrando da relação 03/04/ de 23

9 entre o coeficiente de utilização de insumos e a produtividade marginal: dq dq a = a L L = 1 Pg 1 Pg L L Pg = Pg L L como o deslocamento de mão de obra do setor de manufaturas para o setor de alimentos diminui a Pmg L e aumenta a Pg L, a inclinação da FPP diminui quando se caminha em direção à especialização na produção de alimentos. interpretação disto é bastante simples, para produzir mais e mais alimentos é necessário arcar com os custos crescentes em fazê-lo: tanto a produtividade marginal do trabalho diminui na produção de alimentos (mais horas de trabalho são necessárias à produção de cada unidade de alimentos adicional), quanto o custo da redução na produção de manufaturas aumenta (mais unidades de manufaturas são deixadas de produzir a cada unidade de mão de obra deslocada para a produção de alimentos). Salários, Preços e locação da ão de Obra a) O atual estágio da análise já permite que algumas conclusões importantes sejam realizadas. Lembre-se que a mão de obra é homogênea e pode se deslocar entre os dois setores livremente. Como no modelo de Ricardo, os salários pagos nos dois setores precisam ser, sob tais hipóteses, idênticos. Como as firmas maximizam os lucros, isto significa que: Pg Pg L L P = w P = w b) Dividindo uma expressão pela outra: 03/04/ de 23

10 Pg L P = Pg L P P Pg L = P Pg L w w = 1 o que mostra que o preço relativo das manufaturas em termos dos alimentos é igual ao valor (em módulo) da inclinação da FPP. Isto significa que quando a economia tende a se especializar na produção de alimentos, o preço das manufaturas tende a cair, vale dizer, o preço dos alimentos precisa aumentar. c) Note, ainda, que o valor dos salários é igual ao preço das mercadorias multiplicado pela produtividade marginal do trabalho, ou seja, é o valor do produto marginal do trabalho (se as firmas são competitivas e maximizam os lucros). Graficamente, representando a quantidade total de mão de obra disponível, L, no eixo horizontal, e medindo as quantidades de mão de obra utilizadas na produção de manufaturas da esquerda para a direita e as quantidades de trabalho usadas na produção de alimentos da direita para a esquerda, consegue-se visualizar o equilíbrio no mercado de trabalho. 03/04/ de 23

11 d) Uma udança Proporcional nos Preços de todos os bens deixa os preços relativos inalterados e não traz efeitos reais na economia. Posto de outra forma, se tanto os preços das manufaturas quanto os preços dos alimentos aumentarem na mesma proporção, as curvas do valor da demanda por trabalho se deslocariam verticalmente para cima pela mesma distância, sem interferir na alocação de trabalho entre os setores: O salário também aumenta na mesma proporção dos preços. inflação proporcional de todos os preços, inclusive os da utilização dos fatores de produção, não tem efeitos reais em mercados perfeitamente competitivos! 03/04/ de 23

12 e) Se houver uma alteração nos preços relativos, entretanto, espera-se a ocorrência de efeitos reais, ou seja, mudanças não proporcionais nos preços implicam alterações na alocação de recursos da economia. O gráfico abaixo exibe uma elevação de 7% no preço das manufaturas, sem mudança nos preços nominais dos alimentos: i) curva do valor da demanda por trabalho desloca-se para cima apenas no setor de manufaturados; ii) Ocorre um deslocamento de mão de obra do setor de alimentos para o de manufaturas; iii) Os salários nominais sobem, mas em menos do que 7%. Isto ocorre porque a produtividade marginal do trabalho é decrescente: haverá uma elevação de custos (produtividade marginal menor) que é repassada aos preços, mas não aos salários. 03/04/ de 23

13 f) Distribuição da renda e Preços Relativos i) Uma mudança de preços relativos (que costuma acontecer quando as economias se abrem ao comércio), tem impacto sobre a renda dos diferentes segmentos domésticos. No caso em análise, em que ocorre uma elevação do preço relativo das manufaturas, a redistribuição de redá ocorre da seguinte forma: (1) Os salários nominais sobem, mas numa porcentagem menor do que a da elevação dos preços das manufaturas. Não é possível dizer se os trabalhadores estarão mais ou menos satisfeitos com a mudança sem conhecer a composição de sua cesta de consumo. O que interessa é a redistribuição real de renda, não a nominal. Se a cesta de consumo dos trabalhadores for composta apenas por alimentos, certamente eles gostarão do aumento dos seus salários, que implicará maior poder de compra (renda real); (2) Os detentores de capital, insumo usado exclusivamente na produção de manufaturas, perceberão um aumento inequívoco de renda, sendo beneficiados pela alteração de preços. Para ter certeza disto, suponha que a remuneração pela utilização de capital seja representada por r : 03/04/ de 23

14 Pg K P = r Tanto as rendas do Capital aumentaram, quanto os salários pagos, em termos reais, diminuíram. (3) Os proprietários de terras, insumo usado exclusivamente na produção de alimentos, perceberão uma redução inequívoca de renda, sentindo prejuízos com a alteração de preços. Para ter certeza disto, suponha que a remuneração pela utilização de capital seja representada por z : PgT P = z Tanto as rendas da terra caíram, quanto os salários pagos, em termos reais aumentaram. g) udanças no Estoque de um fator específico causam deslocamentos da curva de demanda por mão de obra no mesmo setor. O gráfico exibe o impacto sobre os salários e a produção de um aumento no estoque de capital: a elevação na Pg L na produção de alimentos trazida pelo aumento em K faz com que i) os salários nominais aumentem em ambos os setores; ii) que a produção de manufaturas aumente, com o deslocamento de mais mão de obra para este setor; e, iii) que a FPP se expanda ( a quantidade máxima de manufaturas que pode ser produzida aumenta, embora a quantidade máxima de alimentos não se altere. 03/04/ de 23

15 h) Determinação dos Preços Relativos as mudanças observadas no mercado de trabalho podem ser avaliadas, ainda, no mercado interno de bens. Para tanto, um gráfico da oferta e demanda relativas por manufaturas é útil, e de interpretação trivial. Comércio e Preços Relativos a) Se as economias em autarquia trabalham com preços relativos diferentes, a teoria das vantagens comparativas sugere que há potencial ganho com o comércio. 03/04/ de 23

16 b) O comércio internacional implicará uma homogeneização dos preços relativos na economia doméstica e estrangeira, de fato, os preços serão determinados pelo equilíbrio no mercado mundial, conforme mostra o gráfico abaixo: c) oferta relativa do país, RS, indica que em autarquia os preços relativos das manufaturas são maiores do que os internacionais. ssim, a abertura do país ao comércio fará com que este aumente a produção de alimentos, importando manufaturas (relativamente) mais baratas, do exterior (país J). O oposto ocorrerá no país J, que aumentará a produção de manufaturas, importando os alimentos (relativamente) mais baratos do país. d) s mudanças nas alocações de recursos nos dois países continuarão até que os preços relativos em ambos sejam iguais, vale dizer, a produção em ambos os países se situará no ponto da respectiva FPP em que uma tangente tenha inclinação igual aos preços relativos mundiais. 03/04/ de 23

17 e) Supondo que a economia doméstica em autarquia estivesse produzindo no ponto 2 do gráfico acima, a abertura da economia ao comércio faria com que a produção passasse a ocorrer no ponto 1, ou seja, os preços relativos das manufaturas cairiam no país, até que fossem iguais aos internacionais. Esta alteração na alocação dos recursos e o comércio internacional trazem conseqüências importantes: i) s possibilidades de consumo aumentam (em ambos os países). Os pontos no quadrante azul, em que se tem acesso a quantidades maiores de ambos os bens, passam a ser factíveis com o comércio. economia como um todo estará melhor. ii) Os produtores de manufaturas, que perceberão um aumento no preço relativo de seu produto, perceberão ganhos reais, apoiando a abertura; iii) Os produtores de alimentos, prejudicados com a redução de preços trazida pela abertura, serão contrários a ela. iv) Os trabalhadores, como se viu, podem ser beneficiados, prejudicados ou não sentirem qualquer impacto real com a abertura, dependendo da composição de suas cestas de consumo. 03/04/ de 23

18 Restrição de Equilíbrio Externo a) Uma economia sem comércio não encontra restrição externa: não há setor externo. Nas autarquias, quando há pleno emprego de fatores, o valor máximo do consumo de cada bem (P x D) é igual ao valor de sua produção (P x Q): P D = P Q P D = P Q b) Em uma economia aberta, entretanto, é possível consumir domesticamente valores e quantidades diferentes das dos bens produzidos no país. Se houver equilíbrio externo, o valor total da produção doméstica será igual ao valor total da produção doméstica, embora nem tudo o que é produzido domesticamente seja consumido domesticamente e vice-versa. Esta é a condição de equilíbrio externo: P D + P D = P Q + P Q, ou, D Q = P P ( Q D ) c) os preços mundiais, para que haja equilíbrio externo, a restrição externa precisa ser satisfeita, vale dizer, o valor das importações será igual ao das exportações. 03/04/ de 23

19 spectos de Economia Política do Comércio Internacional a) Têm-se, assim, um cenário curioso com o comércio internacional na presença de redistribuição de renda: de forma geral, em média. o comércio internacional é benéfico à sociedade, mas é possível que seja mais benéfico para alguns setores do que para outros que, inclusive, podem ser prejudicados. Como se posicionar a respeito, qual a política comercial ótima? Por que há tanta controvérsia e dificuldades associadas à liberalização comercial nos países? Os impactos redistributivos são fundamentais à compreensão e resposta de ambas as questões: i) Efetivamente, em análises deste tipo, procura-se avaliar os ganhos ou perdas de bem estar do país com o comércio. Não dispomos ainda de elementos mais rigorosos para este tipo de análise, mas é importante perceber que as variações de renda (poder de compra) afetam de forma diversa as diferentes pessoas, dependendo de seu nível de renda. ssim, uma redução no poder de compra de um assalariado de baixa renda tem um impacto social diverso da mesma redução (absoluta) de poder de compra de um grande empresário. Para responder as questões acima, alguma forma de ponderação que diminua estas disparidades é importante. 03/04/ de 23

20 ii) esmo que, via de regra, as alterações de renda afetem os agentes de forma diferente, é possível defender o comércio e tentar reduzir os prejuízos de segmentos específicos com mecanismos de redistribuição de renda ou compensação que não se traduzam em barreiras ao comércio. De forma geral, isto consistiria da apropriação de parte dos ganhos com o comércio pelo Estado que o redistribuiria aos prejudicados com a liberalização comercial. iii) Os grupos potencialmente prejudicados costumam ser melhor organizados do que os favorecidos, o que, de certa forma, cria pressões políticas no sentido de uma liberalização mais lenta e traumática. dentrase no campo da política, dos lobbies, e, infelizmente, de esquemas de corrupção. São processos que serão melhor avaliados em capítulos subseqüentes. pêndice a) relação entre preços relativos e distribuição de renda pode ser visualizada graficamente. Para tanto, é necessário lembrar que as quantidades de capital e terra utilizadas são fixas e estão plenamente empregadas. Desta forma, aumentos na produção podem ser associados diretamente ao aumento na utilização de trabalho. Se a utilização de mão de obra na produção de um bem for igual a 0, nenhuma unidade será produzida. Com a primeira unidade de trabalho, produz-se uma quantidade de produto igual a PgL. segunda unidade de trabalho produzira mais bens, de acordo com o valor da PgL depois que uma unidade já tiver sido produzida, e assim por diante. as desta forma, a área sob a curva de PgL corresponde ao valor da produção, numa equivalência que será tão mais precisa quanto menores forem as unidades com as 03/04/ de 23

21 quais se medem as unidades de trabalho (a base dos retângulos na figura abaixo). b) Sabendo que a área sob a curva de PgL é igual ao valor da produção (em unidades do produto), pode-se perceber que a renda será distribuída entre os agentes de acordo com o valor dos salários reais naquele setor, vale dizer, de acordo com a relação entre os salários pagos para produzir um determinada quantidade do bem e os custos salariais para produzi-la. No gráfico abaixo, as quantidades de trabalho utilizadas na produção do bem (aquelas que maximizam os lucros) são definidas pela condição Pg P = w ou w P L = Pg para a quantidade de trabalho utilizada, digamos, L 0, os custos salariais (iguais à renda dos trabalhadores neste setor) medidos em unidades do produto, são dadas pela multiplicação entre L 0 e w/p, o valor da área hachurada. Como o valor total da produção (medido em unidades de manufaturas) é igual à área sob a curva de Pg L, a renda dos empresários, medida em unidades do produto que fabricam, será igual à diferença entre a área total sob a curva e a área hachurada. 03/04/ de 23

22 c) Suponha, agora, que o preço do produto considerado aumente mais do que proporcionalmente aos demais preços na economia. Vimos no corpo do texto que isto fará com que os salários nominais, w, aumentem, mas em proporção menor do que subiu o preço P. Os salários reais diminuem, ao menos quando medidos em termos de unidades de manufaturas. Não se pode dizer o que aconteceu com os salários reais em termos da cesta de consumo dos trabalhadores, pois esta contém tanto manufaturas quanto alimentos, e os preços dos alimentos não aumentaram, ou aumentaram menos do que os salários nominais. renda dos detentores de capital, insumo utilizado apenas na produção de manufaturas, aumenta de forma inequívoca, conforme mostra a área hachurada no próximo gráfico. d) Finalmente, note que a renda dos detentores de terras diminui, pois o preços dos alimentos não subiu, ou subiu menos do que o das manufaturas, mas os salários nominais e, portanto, os custos reais, aumentaram. 03/04/ de 23

23 Exercícios Cap 3 Krugman: Todos 03/04/ de 23

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MAKENZIE entro de iências Sociais e Aplicadas urso de Economia Economia Internacional I Prof. Vladimir ernandes Maciel 1ª Lista Questões para Estudo 1. Qual a diferença entre

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA

FUNDAMENTOS DA ECONOMIA Aula 4 FUNDAMENTOS DA ECONOMIA 1.2.3 Noção de custo de oportunidade e de análise marginal A escassez de recursos leva os produtores a efetuar escolhas para produção de bens. Em um mundo de recursos limitados,

Leia mais

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS

Capítulo 6: Produção. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 6, Produção :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que um fabricante de cadeiras esteja produzindo a curto prazo, situação em que o equipamento é fixo. O fabricante sabe que, à medida que

Leia mais

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sergio Manoel Tavares, AN091354 Sheila Perez Gimenes, AN091355 GRUPO 4 TEORIA DA DEMANDA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), Hoje, venho comentar as questões de Microeconomia e Finanças Públicas do último concurso aplicado pela FGV, onde essas disciplinas foram cobradas. É o concurso para Assessor Técnico

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

11-1Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35

11-1Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35 11-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.33 Samuelson cap. 35 11-2 Aspectos principais Os ganhos do comércio resultam

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Curvas de oferta e demanda

Curvas de oferta e demanda Curvas de oferta e demanda Uma das definições de "curva de demanda" (procura) é a seguinte: "A curva de demanda é uma construção teórica ue nos diz uantas unidades de um determinado bem de consumo os consumidores

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MAENZIE Economia Internacional I Prof. Vladimir ernandes Maciel Gabarito - ª ista. Qual a diferença entre vantagens comparativas e absolutas? A diferença entre as vantagens absolutas

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.6 Concorrência Monopolística: Modelo Espacial e Concorrência pela Variedade Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto Versão Preliminar Produção em período curto caso discreto 1 - Suponha que a ojinha de Hamburgers Caseiros com a actual dimensão definida por 1 sala com 60 m, mesas e cadeiras, grelhadores, 1 frigorífico

Leia mais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais

Capítulo 15: Investimento, Tempo e Mercado de Capitais Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que a taxa de juro seja de 10%. Qual é o valor de um título com cupom que paga $80 por ano, durante cada um dos próximos 5

Leia mais

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O estudo de um indicador de comportamento do segurado brasileiro Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este artigo tem por objetivo analisar as taxas de aversão ao risco em alguns ramos do mercado

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Os Problemas de Natureza Econômica

Os Problemas de Natureza Econômica Os Problemas de Natureza Econômica 1 O PROBLEMA FUNDAMENTAL DA ECONOMIA Como já foi visto, a atividade económica numa sociedade é realizada com o propósito de produzir bens e serviços que se destinem à

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

Abertura comercial e mercado de trabalho: modelo Heckscher Ohlin no estudo entre Cuba e EUA

Abertura comercial e mercado de trabalho: modelo Heckscher Ohlin no estudo entre Cuba e EUA Abertura comercial e mercado de trabalho: modelo Heckscher Ohlin no estudo entre Cuba e EUA Bruno Miller Theodosio 1 Questão Uma preocupação comum em países desenvolvidos é que o comércio com nações mais

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único Teoria: um primeiro olhar ECONOMIA INTERNACIONAL II Paridade Poder de Compra Professor: André M. Cunha 1. Teoria da Paridade Poder de Compra (PPC) : a abordagem da paridade poder de compra (PPC) sugere

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Aula 4: Política Cambial

Aula 4: Política Cambial Aula 4: Política Cambial Macroeconomia Política Cambial Gilmar Ferreira Abril 2010 Taxa de Câmbio Taxa de Câmbio A taxa de câmbio mostra qual é a relação de trocas entre duas unidades monetarias diferentes,

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7

2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 Introdução à Microeconomia 6-1 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.8, 9 Samuelson cap. 6,7 6-2 Principais aspectos A função de produção. A produção

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

A Análise IS-LM: Uma visão Geral

A Análise IS-LM: Uma visão Geral Interligação entre o lado real e o lado monetário: análise IS-LM Capítulo V A análise IS-LM procura sintetizar, em um só esquema gráfico, muitas situações da política econômica, por meio de duas curvas:

Leia mais

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo

A Taxa de Câmbio no Longo Prazo A Taxa de Câmbio no Longo Prazo Organização do Capítulo Introdução A Lei do Preço Único Paridade do Poder de Compra Modelo da Taxa de Câmbio de Longo Prazo Baseado na PPC A PPC e a Lei do Preço Único na

Leia mais

Capitulo 2. Autarcia ou Comércio entre as Nações?

Capitulo 2. Autarcia ou Comércio entre as Nações? Capitulo 2 Vantagem Absoluta e Comparativa Autarcia ou Comércio entre as Nações? A visão mercantilista: Comércio como um jogo com resultado zero-sum Adam Smith: vantagens absolutas e especialização. Um

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS Capítulo 2: O Básico sobre a Oferta e a Demanda Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: EXERCÍCIOS 1. Considere um mercado competitivo no qual as quantidades anuais demandadas e ofertadas

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.2. O Princípio da Neutralidade da Moeda 6.3. Taxas de Câmbio Nominais e Reais 6.4. O

Leia mais

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria

O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O Custo Unitário do Trabalho na Indústria O mercado de trabalho é fonte de indicadores muito importantes à condução da política monetária como, por exemplo, a taxa de desemprego, os níveis de salários

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 18, Externalidades::EXERCÍCIOS 1. Diversas empresas se instalaram na região oeste de uma cidade, depois que a parte leste se tornou predominantemente utilizada por residências

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins

Noções de Pesquisa e Amostragem. André C. R. Martins Noções de Pesquisa e Amostragem André C. R. Martins 1 Bibliografia Silva, N. N., Amostragem probabilística, EDUSP. Freedman, D., Pisani, R. e Purves, R., Statistics, Norton. Tamhane, A. C., Dunlop, D.

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

ECONOMIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ECONOMIA. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 a) Devido ao deslocamento da curva de demanda, o mercado equilibra-se, a curto prazo, com elevação do preço e da quantidade negociada. A elevação do preço permite às empresas que já operam

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais 1º BLOCO...2 I. Matemática Financeira - André Arruda...2 2º BLOCO...6 I. Matemática - Daniel Lustosa...6 3º BLOCO... 10 I. Tabela de Acumulação de Capital... 10 I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA

Leia mais

CAPÍTULO IV PREÇOS DO PRODUTO E PREÇOS DOS FACTORES O TEOREMA DE STOLPER-SAMUELSON

CAPÍTULO IV PREÇOS DO PRODUTO E PREÇOS DOS FACTORES O TEOREMA DE STOLPER-SAMUELSON CAPÍTULO IV Vamos agora ao ponto fulcral da teoria do comércio internacional. Sob o ponto de vista teórico vamos analisar a contribuição da teoria do comércio internacional para a teoria do equilíbrio

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

Deslocamentos na Curva de Demanda e da Oferta

Deslocamentos na Curva de Demanda e da Oferta Deslocamentos na Curva de Demanda e da Oferta a) Deslocamentos na curva de demanda - quando o preço varia e a quantidade varia também, o deslocamento é em cima da curva de demanda, ou seja, a demanda como

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

Crescimento em longo prazo

Crescimento em longo prazo Crescimento em longo prazo Modelo de Harrod-Domar Dinâmica da relação entre produto e capital Taxa de poupança e produto http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo keynesiano Crescimento = expansão

Leia mais